You are on page 1of 14

Fundada em 24 de fevereiro de 2007 Registro na ABIM – 005-JV

Editorial ____________________________________________________________________________________________

J á no clima de retrospectiva, chegamos a dezembro, computando perdas e danos e, também, embora poucas, algumas vitórias.
Fracasso nas Olimpíadas, sucesso nas Para-Olimpíadas, o que pode parecer mal, mas demonstra a atitude de um povo que
sabe conjugar o verbo “superar”, retrato do povo brasileiro.
Eleições, chance de mudanças, oportunidade de expressarmos a vontade nas urnas, e conseguimos eleger o Severino.
Aquele que era presidente da Câmara e renunciou, diante dos escândalos! Eta! “povinho” brasileiro! Quando iremos aprender a
levar a sério o que, de fato, é sério? Verdadeira falta de consciência e comprometimento com o futuro de nossos filhos e netos.
Segue a barca à deriva, por mares revoltos, ao som de ventos ululantes, na incerteza de um porto seguro. Os escândalos
deram lugar ao sensacionalismo da mídia no caso Isabela, no caso Eloá, enquanto tantas outras, “Joanas de Tal”, a cada minuto,
vítimas das mesmas maldades e do descaso da sociedade, são entregues ao anonimato. Para essas, dizia o poeta Chico Buarque:
“... a dor da gente não sai no jornal!”.
Bem, mas o que importa, agora, é a economia mundial. Para que se preocupar com
coisas tão infames, não é verdade? Perdoem-me a ironia!
O Império americano, como todo império, tem sua ascensão e queda, e está à beira da
falência, devendo, provavelmente, arrastar muitas economias com ele. O capitalismo cruel
não livra ninguém de suas garras, nem mesmo seus maiores incentivadores. Vemos os EUA
sorvendo, na taça amarga, do seu próprio veneno!
Um setenário marcou essa reviravolta americana; até 11/set/2001, o sonho e a
prepotência do americano tinham outros matizes. Por sete anos, número tão cabalístico,
pairou uma enorme e densa nuvem negra sobre aquele povo, que o fez olhar para seu próprio
umbigo e lembrar que, há 67 anos (Pearl Harbor – 07/dez/1941), também, acontecia o
“impossível”. E, novamente, o medo e a insegurança se instauraram na nação mais poderosa
do mundo. Permitam-nos rotular esse divisor de águas de “De Osama a Obama”.
Os tempos são outros e, aos poucos, aquele povo começa a ver o “I Have a Dream”, de Luther King, se tornar realidade no
slogam de Obama “Yes, we can!”.
As “águas” da Era de Aquarius já começam a lavar o espesso lodo do ciclo apodrecido e gasto. Esperamos que essa faxina
não deixe seqüelas, embora saibamos que toda mudança gera transtornos, alguns irreparáveis.
A verdade é que o homem, ainda, procura fora o que, sempre, esteve dentro de si mesmo, confundindo progresso com
evolução. Assim caminha a humanidade, “com passos de formiga e sem vontade”, em um eterno “deixa a vida me levar”.
Nós, iniciados que somos, não podemos ser pegos desprevenidos. Os tempos são chegados, e a Mãe Natureza, por várias
vezes, vem dando mostra de sua cobrança. É o inevitável resgate cármico. O homem tornou o mundo tão pesado, que não
consegue carregá-lo! Pobre humanidade, à beira de, novamente, implorar aos Deuses que não sucumba, como na Atlântida,
quando Mu kA, em solidariedade àquele povo inconsciente, disse: o que posso fazer é sucumbir com vocês!
Ao chegarmos à edição de nº 22, completamos um ciclo de 22 edições ininterruptas, à guisa dos 22 Arcanos Maiores do
Tarô. Nossa Revista segue com denodo e consciente de sua missão de bem informar, fazendo Luz nos mais diversos assuntos,
servindo de canal aos Mestres de Sabedoria, para transmitirem seus excelsos ensinamentos.
Desejamos a todos um Natal em sua essência, ou seja, com o nascimento de novos valores, que nos auxiliem a construir
uma sociedade mais justa, resgatando a instituição família, célula mater da sociedade, e nos conscientizem de nossos
compromissos como maçom, pai, filho, avô, cidadão, e, principalmente, eleitor, para que nossos filhos e netos possam herdar um
país mais justo e perfeito, pois essa é a pátria do Avatara da Era de Aquarius.
Falando em Natal, a Matéria da Capa, “O Simbolismo do Natal”, de autoria do excelso Mestre Professor Henrique José de
Souza, fundador da SBE - Sociedade Brasileira de Eubiose, apresenta uma abordagem muito elucidativa e inédita do assunto. Em
Destaques, “A Iniciação Através da Ciência das Idades” nos revela o real objetivo da iniciação.
Chamo atenção para a matéria do Irmão Francisco Mello Siqueira, com o título “A Oposição da Igreja à Maçonaria”, assim
como, para a coluna Os Grandes Iniciados, onde, eventualmente, não destacamos a vida e a Obra de um dos Mestres de
Sabedoria, e, sim, reforçamos o que viemos elucidando, em edições anteriores, aos nossos leitores, com relação ao primoroso
trabalho desses excelsos Seres.
O ano de 2008 se despede, e longe de avaliarmos se foi bom ou ruim, preferimos, humildemente, entender que, à guisa da
história do beija-flor, na tentativa de apagar o incêndio na floresta, fizemos nossa parte, como veículo de comunicação
comprometido com a cultura, tratando, com muita seriedade, cada tema abordado e podendo, com a consciência tranqüila,
saudar a entrada de mais um novo ano, na certeza de que não será nem bom nem mal, mas de acordo com a postura que
adotarmos na vida, tornando-se, pois, um refletor de nossos pensamentos, atos, palavras e omissões.
Escolhemos ser parte da solução para não sermos parte do problema. E vocês, já fizeram sua opção? 
 
Nesta Edição __________________________________________________________________________________
Capa – O Simbolismo do Natal...........................................Capa Os Grandes Iniciados – Desperte Seu Mestre........................8
Editorial.....................................................................................2 Ritos Maçônicos – Ritos Alquímicos...................................9
Matéria da Capa - O Simbolismo do Natal............................3 Trabalhos – A Oposição da Igreja à Maçonaria......................10
Destaque - Iniciação Através da Ciencia Iniciática das Idades. .5 - Torá, Talmud, Mishná, Midrash.......................12
Informe Cultural – DMO – Doação de Medula Óssea..............7 Lançamentos – Livros..........................................................13
- Novos Grandes Inspetores Gerais da Ordem.........7 Reflexões – Geléia de Maçons...........................................14
- Movimento Nacional Pela Educação..................8 Boas Dicas – Palestra /Indicação de Livro / Edições Anteriores..........14

Matéria da Capa ________________________________________________________________________________

O Simbolismo do Natal
“O nosso intento é fazer luz sobre tudo quanto o povo desconhece!”

Professor Henrique José de Souza

U m dos mais belos


significativos acontecimentos
do ano é, sem dúvida alguma, o
e o nascimento do Filho de Deus.
As religiões de todos os povos
possuem as suas Virgens-Mães, Marias
oitava cidade, a Shamballah ou "Região
dos Deuses",
espiritualidade
que
entre
mantinha
as
a
demais,
Natal. O mundo cristão comemora, ou Mayas, que são: Adha-nari, a interpretadas, também, como províncias
nessa data, o nascimento de Jesus, o brâmane; Ísis, a egípcia; Astaroth, a ou países, governadas pelos "Sete Reis
Cristo. Aquele que os cristãos hebraica; Astarté, a síria; Afrodite, a de Edom", que eram, na Terra, as
consideram o Salvador do Mundo e grega; Vesta, a romana; Herta, a expressões humanas dos Sete Dhyans-
os verdadeiros Teósofos e Ocultistas germânica; Ina, a Oceânica; Isa, a Choans. Seria supérfluo assinalar a
reconhecem, além do mais, como a japonesa; Ching-Mu, a chinesa, e muitas identidade de sentido entre Edom e
manifestação cíclica do Espírito de outras, inclusive a que o nosso tupi Éden, o bíblico Paraíso terrestre.
Verdade, ou seja, como um Avatara denomina de Jaci, "a mãe dos frutos", APTA tem, ainda, o significado
Divino. Nessa data, plena de etc., pois, como é sabido, Maria provém de "creche ", manjedoura , presépio e,
encantamento e de amor, as famílias de Mare – o Mar – simbolicamente, "a também, "O lugar onde nasce o Sol". O
cristãs se congregam em reuniões as grande ilusão". Entre os iorubanos da simbolismo do presépio é uma cópia fiel
mais íntimas e santas para África, Iemanjá, o orixá feminino, é a do que existe nos ritos bramânicos, além
cultuarem, no recesso de seus lares, mãe d'água ou o próprio mar divinizado, de outros. Segundo Bournouf, assim se
o simbolismo do Natal. equivalente no seu culto àquilo que, em explica sua origem: A Cruz Suástica (não
Na noite de 24 para 25 de tais religiões, simboliza a Virgem Mãe, confundir com a Sovástica do Nazismo,
dezembro, conhecida há perto de vinte Ísis, a Lua, desde que Osíris representa o que tem a rotação em sentido contrário,
séculos como a Noite de Natal, Sol. símbolo, portanto, da involução) é
comemora-se, em todo o mundo cristão, Os egípcios acreditavam que o representada por dois pedaços de
o nascimento do Menino-Deus, com as pequeno Hórus era filho de Osireth e de madeira, que, para não se moverem, são
manifestações do maior regozijo e da Oset, cujas almas se transformaram, cravados com quatro pregos, em cuja
mais pura devoção. Papai-Noel faz, respectivamente, nas do Sol e da Lua, função passa uma corda, que, pela
nessa noite, sua visita tradicional aos depois da morte desses personagens. fricção, produz fogo. O Pai do Fogo
petizes, deixando-lhes uma lembrança Os antigos israelitas, muito antes Sagrado é o divino carpinteiro Tuashtri,
no sapatinho posto à beira da cama. Nos da nossa Era, chamavam a rainha do céu que prepara a cruz e o pramanta,
lares, engalanados com enfeites (ou "Regina Coeli") de Mênia, donde se devendo gerar o filho divino. A Mãe do
multicores, há o Presépio e a Árvore de derivou Neomênia (Nova Lua), que vem Fogo Sagrado é Maya, que equivale à
Natal. Desse modo, ano após ano, de a ser a mesma Maria (em seus diversos Virgem Maria cristã.
uma forma inconsciente e agradável, é nomes), mãe de Deus encarnado, nos Quando o pequeno Agni nasce
transmitida de geração a geração uma vários cultos religiosos. (Agni é fogo em sânscrito; Agnus, em
tradição extraordinariamente bela, cuja Quanto ao lugar do nascimento latim, é o Cordeiro: "Agnus Dei Qui tollit
origem se perde na noite dos tempos, do Menino Jesus, diz a Igreja que ele se peccata mundi"), é colocado num berço
anterior mesmo ao advento do deu em Belém, cidade da Palestina, (manjedoura) entre animais, e, ao lado,
Cristianismo. tendo sido a criança recém-nascida fica a Vaca Mugidora. Ora, Vach (o
O simbolismo do Natal oculta colocada numa mangedoura. A palavra mesmo que vaca), em sânscrito, significa
transcendentes mistérios. À luz dos Belém é formada de duas letras o Verbo Sagrado, Palavra Criadora ou
conhecimentos eubióticos, hebraicas, Beth e Aleph, significando, Logos Criador.
procuraremos levantar uma pontinha do cabalisticamente, a Casa de Deus ou Procuremos, agora, relacionar
denso véu que encobre, aos olhos Templo de Deus. Este é, também, o esses fatos com aquela conhecida
profanos, tais excelsitudes. significado da palavra Apta, muitíssimo passagem bíblica: "No princípio era o
Diz a tradição que o Anjo Gabriel mais antigo, pois provém da submersa Verbo, e o Verbo se fez carne e habitou
apareceu à Virgem Maria e Lhe anunciou Atlântida, tendo sido o nome de sua entre nós..."
O sacerdote brâmane toma o nascerá na Família de Vishnujasha,
pequeno Agni em suas mãos, coloca-o como um Eminente Filho de Shamballah
sobre um altar, untando-lhe o corpinho e Senhor dos oito poderes do Iogui. Por
com manteiga clarificada, o que originou seu imenso poder, destruirá todos
a sagrada unção pelos santos óleos, aqueles cujo mental é voltado à
adotada pela Igreja nos batismos. É, iniquidade. Então, a Justiça se fará na
justamente, quando o menino Agni Terra, e os que viverem até o fim da "Kali
recebe o nome de Ungido (Iluminado), Yuga", despertarão com o mental
Akta, em sânscrito, e Christos, em grego. transparente e puro como o cristal".
Torna-se ele resplandescente, pois que Nenhum Ser de tão elevada
tudo em seu redor se ilumina. As trevas expressão, como Jesus, nasceu jamais
desaparecem, e os demônios fogem num estábulo... Pelo contrário, em todas
espavoridos ao clarão de sua luz as teogonias, o nascimento de Seres
cintilante. Iluminados se verifica sempre no seio de
Ele é o Guru dos gurus (ou famílias nobres, abastadas, de sangue
Maha-Guru, Grande Instrutor, etc.), o real.
Mestre dos mestres, e toma o nome de Gautama, o Buda, era o Príncipe
Jâtavâdas: Aquele em quem a Sabedoria Sidarta, de Kapilavastu; abandonou Segundo a lenda cristã, quando
é inata. riquezas, palácios, títulos e bens terrenos Jesus nasceu, foi visitado por três Reis
Como se vê, a tradição da para conviver com os humildes da plebe, Magos do Oriente. Qual a verdade que se
Sagrada Família aqui no Ocidente, viajando como um nômade, ensinando oculta nessa lenda? Eis a nossa resposta:
representada por Jesus, Maria e José (o as verdades do espírito para plantar a os Três Reis Magos representam os Três
carpinteiro), se encontra nos Vedas, a semente da salvação sobre seus passos e Chefes do Governo Oculto do Mundo
escritura sagrada dos hindus, com uma criando gerações de discípulos, cujas (sob o ponto de vista de Governo
antiguidade de 3100 anos anterior à luzes iluminam os séculos dos povos Espiritual). Representam os Três Chefes
nossa Era. orientais. Seu nascimento foi marcado ou Triunvirato governador da
A mãe de Krishna, que surgiu na pelos mesmos mistérios que envolvem os AGARTHA: o Chefe Supremo, que
Índia cerca de 3500 anos a.C., se de todos os Seres da Divina Hierarquia. possui o título de Brahâtmâ ou
chamava Devaki, linda e virtuosa Um Deva de luz ou Anjo o anunciou à Brahmâtmâ (apoio das almas no Espírito
princesa, irmã do Rei de Madura, em sua mãe, que, antes de concebê-lo, teve a de Deus), e seus Dois Assessores ou
torno da qual se criaram as mesmas visão de um elefante branco, ostentando Colunas: o Mahâtmâ, representando a
lendas relativas a outras Virgens-Mães o Loto das Mil Pétalas, como símbolo da Alma Universal, e o Mahanga, símbolo
ou Marias. É curioso, também, assinalar Centelha Divina manifestada na Terra. de toda a organização material do
a estranha semelhança de grafia e de Os grandes iluminados nunca Cosmos. Segundo Ossendowski, o
som entre a expressão latina Jesus nasceram de pais indigentes, muito Mahâtmâ conhece todos os
Christus e Ieseus Krishna... menos em um cocho ou manjedoura. Se acontecimentos futuros, e o Mahanga
Escreve Blavatsky em sua assim fosse, menores teriam sido seus dirige as causas desses mesmos
Doutrina Secreta: "Desde os rischis sacrifícios e renúncias em favor da acontecimentos; quanto ao Brahâtmâ,
indianos até Virgílio, e de Zoroastro à humanidade. Não poderiam sentir, em pode falar com Deus face a face.
última Sibila, todos, sem exceção, desde todos os seus horrores, as agruras da O Mahanga oferece ouro ao
o começo da Quinta raça-mãe, miséria dos homens, se nela tivessem Menino-Deus e o saúda como Rei; o
profetizaram, cantaram e prometeram a nascido. Mahâtmâ oferece-Lhe incenso e o saúda
volta cíclica da Virgem e o nascimento de Jesus, o Cristo, cujo nome como Sacerdote; o Brahâtmâ oferece-
uma criança divina, que faria voltar a original era Jeoshua Ben Pandira (O Lhe mirra (o bálsamo da
"Satya Yuga", a idade de ouro sobre a Filho de Deus, melhor que "o filho do incorruptibilidade, imagem de Amritâ) e
Terra. Logo que as práticas da Lei homem"), não nasceu nas paupérrimas Lhe dá as boas-vindas como Profeta, o
estiverem na ocasião precisa de terminar circunstâncias descritas pela tradição Mestre espiritual por excelência. Desse
o ciclo da "Kali Yuga" (idade negra, em exotérica, pois era um Ser proveniente modo, o Cristo recém-nascido é
que ainda vivemos), um Aspecto do Ser de Salém, a Cidade Luz das escrituras homenageado nos Três Mundos, como
Divino, que existe em virtude de sua hebraicas, é a mesma misteriosa sendo seus próprios domínios. Maitréia
própria natureza espiritual na pessoa de SHAMBALLAH das tradições orientais, significa, igualmente, o Senhor das Três
Brahmâ, sendo o Começo e o Fim (Alfa e "a ilha imperecível, que nenhum Mayas, ou dos Três Mundos.
Ômega), descerá sobre a Terra. Ele cataclismo jamais poderá destruir".
Na Tragédia do Gólgota, diz a significar mil e dez; substituindo-se a Quanto ao Papai Noel, este bom
tradição vulgar, a cruz de Jesus é segunda e a quarta vogal por S, temos velhinho de longas barbas de neve,
ladeada pelas de dois "ladrões". Na ISIS, e permutando-se a posição dos dois carregando às costas um grande saco de
Maçonaria, o Grão-Mestre é ladeado por últimos algarismos (01), forma-se o mil e brinquedos e presentes, para alegrar os
duas "colunas", J. e B., que coincidem, um, que faz lembrar as Mil e Uma Noites corações de crianças e adultos no dia 25
significativamente, com outras da dos maravilhosos contos iniciáticos, nos de dezembro, quem é Ele? Quem
biografia daquele Iluminado: Jeoshua quais se encerram profundos mistérios, inventou essa personalidade tão
Ben Pandira; os nomes das cidades onde ligados ao longo e sinuoso Itinerário de generosa quanto pontual no
nasceu e expirou, Belém e Jerusalém; o IO ou de ISIS. Tais mistérios, na sua cumprimento do seu dever de renovar,
nome de João Batista, seu Arauto ou totalidade, são conhecidos, apenas, pelo anualmente, as esperanças da
Iokanã; que o batizou no Rio Jordão, no Supremo Arquiteto como Logos Criador, humanidade? Quem diz todos os anos,
momento em que sobre Ele desceu o do qual se têm emanado, ciclicamente, diz "ciclicamente”. Podemos vislumbrar,
fogo do Espírito Santo, simbolizado na os Avataras Divinos, que vêm, com a Sua então, nessa maravilhosa personalidade
pomba imaculada. palavra (a Boa Nova de cada ciclo), natalina, o Pai Onipotente, de infinita
Todos os grandes Seres, antes de impulsionar as mônadas (para tanto bondade, que se manifesta de ciclo em
consignarem sua presença entre os "julgadas" aptas) pelo extensíssimo IO. ciclo, para premiar os homens que se
homens através do ventre de uma Assim foi com Krishna, Buda e mantiveram fiéis ao Espírito de Verdade,
mulher "eleita", são anunciados por Cristo e com todos os outros Iluminados, presenteando-os com a Boa Nova, isto é,
outros, também, de grande excelsitude, que têm vindo a esse mundo inferior. E com novos conhecimentos,
os Iokanãs. Este vocábulo pode ser há de ser assim em futuro próximo, isto propulsionando o progresso das
decomposto em Io, com o significado de é, no começo do século XXI, com a Nova mônadas, através de mais uma etapa no
"o grande princípio universal feminino" ( Manifetação Cíclica do Grande Senhor, o longo Itinerário de IO.
Ísis, Maya, Lua, etc.), e Canã ou Canaã, a MAITRÉIA BUDA. Este Glorioso Ser, o E a Árvore de Natal, essa
terra da promissão. Na melhor Kalki-Avatara das tradições dadivosa planta, que nos oferece, no fim
interpretação, Iokanã é aquele que multimilenares, também, denominado o de cada ano, brilhantes frutos
conduz, anuncia alguém, pelo Itinerário Cavaleiro Akdorge, virá esmagar o simbolizados nas bolas de ouro, de
de Io ou de Ísis, o Caminho Real por dragão do Mal, ameaçando devorar a turqueza, esmeralda e rubi? Ela exprime
onde deve passar um novo clã, família, Bela Princesa acorrentada à porta do a Árvore Sefirotal, representa a Árvore
raça. Caminho de Io ou de Ísis é o palácio, que outra não é senão a própria dos Avataras, sendo o seu tronco o Bijam
caminho percorrido pelas Mônadas. IO humanidade encarcerada nas trevas das ou Semente de todos Eles, a Árvore da
dá, ainda, a figura aritmética dez, superstições e da ignorância, mãe dos Vida, plantada no Quaternário da Terra,
podendo ser relacionado com a décima erros de toda espécie. que floresce e produz maravilhosos
lâmina do Tarô divinatório dos boêmios, Maitréia, o Senhor dos Três frutos de ciclo em ciclo. Ela nos diz,
que simboliza a Roda da Fortuna, a roda Mundos ou das Três Mayas, cavalgando também, da Árvore de Bodhi, ou da
dos nascimentos e das mortes nos três seu corcel branco, simboliza o Ternário Sabedoria divina, cujos vários ramos
mundos. Quem faz girar essa Roda é o Superior do Espírito, dominando e com seus frutos multicores significam os
Divino Rotan, o Chakravarti, o mesmo dirigindo o Quaternário inferior da diversos aspectos e as múltiplas
Senhor dos Três Mundos. persona, a pessoa do homem físico, ou expressões da Verdade Única, da Eterna
Duplicando-se o monossílabo IO, seja, o veículo denso, através do qual o Verdade apregoada aos homens pelos
temos IOIO, que pode, também, Som, o Verbo se expressa... Avataras.

Destaques _________________________________________________________________________________

Iniciação Através da Ciência das Idades


H á naturezas humanas de várias nuances, posto que as do reino
hominal, nascendo em horas, em minutos diferentes, pensam, agem e
têm as suas relações de diferentes modos. Logo, há necessidade de se
estabelecerem diferentes modos de ensinamentos e diferentes modos de
aprendizagem. Observamos, sem dúvida, que há processos pelos quais o ser
humano avança no futuro. Há, pois, processos adotados por pessoas
amadurecidas, exigindo algo de maior transcendência, sendo a aquisição
dos conhecimentos da “Ciência do vir a ser” a “Ciência das Idades”. Estas
poderão ser consideradas de dois modos: Conhecimentos simbólicos e a
Sabedoria Eterna.
Os processos de aprendizagem são: Iniciação simbólica e Iniciação Real.
O termo Iniciação é derivado da Raiz latina “Initia”, que significa os
primeiros princípios de uma “Ciência”. É admissão nos grandes mistérios ensinados;
no Egito, pelos grandes Hierofantes. É o ato de começar a realizar alguma coisa, dar
início a alguma carreira, ramos de aprendizagem, senão, é o começo dos estudos da
“Ciência das Idades”.
No ponto de vista do Professor Henrique José de Souza, fundador da SBE –
Sociedade Brasileira de Eubiose, é o processo pelo qual as humanas criaturas se
ajustam com o Princípio Universal, de onde surgiram todas as coisas.
Iniciação é o processo pelo qual os Discípulos humanas em relação aos conceitos dados pela “Ciência das
equilibram seu “Ovo Aurico”; esse equilíbrio se traduz como Idades”. Prepará-los gradativamente a fim de que possam
sendo a saúde, a felicidade no ponto de vista material; o vivenciar os ditames das Leis Universais. Controlarão o
equilíbrio psíquico é denominado de felicidade, tranqüilidade... desenvolvimento progressivo do discípulo para que não possa
No ponto de vista espiritual, é a “Pax Perene” - a alegria perverter os apostolados da Verdade. É o processo gradativo do
interna. É ode da Alma saudando o espírito, o Eu Superior. É, desenvolvimento da personalidade do discípulo, de modo que
portanto, o perfeito equilíbrio entre a Alma Humana e Alma possa receber as cargas de energias, segundo a sua capacidade
Universal... Quando ambas estão em perfeita harmonia, em psíquica, intelectual...
perfeito equilíbrio, há o fenômeno denominado de Iluminação. A Iniciação tem por fim, por objetivo, promover na
Logo, a Iluminação é o perfeito equilíbrio, no sentido de que as personalidade da criatura humana, a transformação. E a
vibrações, o som, a harmonia se revelem, se ajustem, se transformação física? Após esta transformação, o discípulo
objetivem esplendorosamente.A Iniciação Simbólica tem por atinge a superação. E, quando se integrar na Vida Universal,
base a imagem; sim, esta é a expressão da linguagem humana. realizará a “Metástase Espiritual”.
Por isso, na Linguagem Universal, usam-se os símbolos, como De modo que a Iniciação Real é o melhor método
sendo imagens, idéias... A Linguagem Universal é representada aplicado para conduzir o discípulo, rapidamente, ao mais alto
por caracteres vivos, por símbolos, por figuras geométricas, o estado de “Consciência”. Tem por objetivo proporcionar
aspecto basilar dos ensinamentos através de inteligência ambiente à manifestação do Eu Interior, do Deus Interior, da
concreta... Consciência Universal.
A imagem vivificada, ativada pela imaginação, conduz Quando se começa a estudar a linguagem simbólica,
o discípulo ao campo da Verdade, ao plano da imaginação. naturalmente, a razão passa a funcionar. Cada símbolo, cada
A linguagem simbólica sem o poder da imaginação, caráter, que se interprete, que se descubra, libera, logicamente,
sem a intensa vida interior, não passa de uma série de formas uma série de energias até então em estado de letargia, de
mortas, sem sentido superior e sem valor prático. latência. Se há libertação de energias, há, conseqüentemente,
A imaginação é a manifestação do Princípio “Mente necessidade de controlá-las pela inteligência, pela razão. Esse
Universal”, embora agindo de modo incipiente, de modo que a controle é adquirido pela iniciação, o que permite ao discípulo
linguagem simbólica tem muito valor para quem possua vida ter a mente controlada. Na verdade, é um sistema de
interior, interna... ensinamento, de ensino progressivo, através da maia-budista...
Quando a imaginação não funciona, as imagens não A Iniciação Real tem por fim colocar o discípulo em um
têm vida, não têm vibração, não têm sentido positivo. estado de equilíbrio entre o “Eu Interno” e o ambiente exterior,
E, quando não há inteligência clara, a incapacidade de com o qual é obrigado a se chocar a todos os instantes da vida.
compreensão, o fenômeno de ligação entre os dois planos, Acerca da validade da linguagem simbólica, vamos
físico e universal, dá-se através de sonhos, nos quais as pedras, traduzir um trecho da “Doutrina Secreta” de Blavatsky, em que
as árvores, os insetos, os animais falam, dão conselhos, dão “Carlyle” define muito bem o valor dos Símbolos:
exemplos... “Não é um símbolo, para quem sabe distinguir, uma
O normal, no reino hominal ou humano, seria os revelação mais ou menos clara ou confusa do que é semelhante
homens se comunicarem com os Deuses, com o grande a Deus ?... Através de todas as coisas, brilha, debilmente, algo
Universo, com as Consciências Superiores, através da da Idéia Divina. Mais, ainda, o ensino mais elevado, que jamais
meditação, da ação mental superior, senão por meio da música encontrou o Homem e abrangeu a própria Cruz, não possui
erudita, nobre, clássica, posto que esta é a linguagem usadas significação alguma, salvo uma acidental e extrínseca”.
pelos Deuses, pelos Arcanjos, Anjos... A música é, sem dúvida, A estrutura humana é um precioso símbolo; o homem
a linguagem dos Iluminados, dos Todes, dos Munis, dos com braços e pernas abertos, forma uma estrela de cinco
Adeptos, dos Mahatmas... pontas. Ora, o Adepto, o Iluminado, o Buda e o Cristo,
Os caracteres da linguagem universal para os que não podemos afirmar, são o que, em iluminação, se chama de
estejam devidamente preparados tornam-se prejudiciais, pois “Pentagrama Sagrado”. Uma forma perfeita, capaz de captar,
podem conduzir as pessoas pouco dotadas de compreensão ao dar forma, dar corpo às essências mais transcendentais; capta
fanatismo, à cegueira espiritual. Por isso não se pode tomar a Essência Una, dando-lhe expansão, harmonia, estética, ética,
como Verdade tudo que se ouve à primeira vista, sem se fazer sabedoria, poética... Logo, o Pentagrama Sagrado é símbolo
uma minuciosa análise, a fim de que o cérebro possa filtrar o geométrico da linguagem daIniciação Simbólica, uma
sumo - bono do raciocínio. realidade, uma expressão viva da Verdade, sim, transmissora
A Iniciação Real é a teoria da Vida Prática. A da Verdade, vivenciada segundo a linguagem da Iniciação Real.
vivenciação dos ensinamentos recebidos teoricamente. Na A Iniciação Real é motivada pelo próprio discípulo nas
Iniciação Real, não se admite dogmatismo, posto que a lutas diárias, em permanentes choques com o mundo, com o
Consciência Una só se manifesta com a espontaneidade de meio ambiente. (extraído das Apostilas da SBE)
ação. Tem por fim abrir os olhos dos discípulos, das criaturas
Informe Cultural ________________________________________________________________________________

DMO – Doação de Medula Óssea


Renato Pureza

À s 15h do dia 25 de março de 2006, com a presença de autoridades maçônicas, entre elas, o Soberano Grão-
Mestre do GOB-PA, foi lançada, oficialmente, na Loja Maçônica Antunes Ribas, com Templo, na Av. Domingos
de Almeida, 3950, Pelotas, RS, em Sessão Especial do Bethel Ártemis, a Campanha Nacional DMO - "DOAÇÃO DE
MEDULA ÓSSEA".
Trata-se de Campanha Maçônica, envolvendo membros de duas Potências - GLMERGS/GOB, que, irmanados
desenvolvem trabalhos de alcance nacional.
Obtivemos ampla divulgação através da RBS, TV Pampa, Jornal Diário Popular, TV Cidade e várias rádios locais. Estamos
trabalhando na Câmara Municipal de Pelotas, apoiados pelos vereadores, IIr∴Edemar Barz - GOB e Otávio Soares - GOB, foi
proferida palestra pelo Ir∴Renato Pureza - GOB, durante o expediente do plenário, com o tempo necessário para divulgação da
Campanha DMO - "DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA".
Fraternalmente, agradecemos aos Irmãos, que possam chamar a atenção para o assunto DMO - "DOAÇÃO DE MEDULA
ÓSSEA" de todo o universo maçônico, familiar, rede de amigos, trabalho e, principalmente, na Internet.
Pedimos aos Irmãos Veneráveis Mestres que tenham interesse em participar dessa campanha, que solicitem informações
a esse Irmão, quando teremos o imenso prazer de repassar todas as informações necessárias, para abrir, em sua cidade, um braço
da DMO - "DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA".
Contato com o Diretor da Campanha, Irmão Renato Pureza Nunes-GOB, através do e-mail renatopn@ig.com.br 

Novos Grandes Inspetores Gerais da Ordem


Francisco Feitosa

A Revista Arte Real, através de seu Editor Responsável, se fez


presente à investidura dos novos 87 Irmãos ao Grau 33° - Grande
Inspetor Geral da Ordem, em uma belíssima cerimônia, realizada no
Templo montado no suntuoso auditório Soberano Grande Comendador
Venâncio Igrejas, nas dependências da sede do Supremo Conselho do
Grau 33° do R∴E∴A∴A∴ da Maçonaria para República Federativa do
Brasil, localizado na Rua Barão, nº 1317, Praça Seca, Jacarepaguá, RJ.
Presidida pelo Soberano Grande Comendador Luiz Fernando Rodrigues
Torres – 33º, o evento reuniu cerca de 150 Irmãos de várias partes do Brasil.
Registramos, em especial, dentre os investidos no Grau 33º, a singular presença
do Eminente Irmão Eduardo Gomes de Souza, Grão-Mestre do GOB-RJ,
repetindo o que aconteceu na cerimônia de investidura anterior, realizada em
julho deste ano, quando, também, foi investido no derradeiro Grau do R∴E∴
A∴A∴, o Eminente Irmão Waldemar Coelho – Grão-Mestre do GOB-PA.
As obras do belíssimo complexo arquitetônico do Supremo Conselho,
devem iniciar uma nova fase com a construção do Museu do R∴E∴A∴A∴, que
deverá abrigar um grande e precioso acervo sobre a história do Rito mais
praticado no Brasil e no mundo.
Conheça o Supremo Conselho! Acesse o site http://www.sc33.org.br/ 
Movimento Nacional pela Educação
“O resgate da cidadania do povo brasileiro”

E sse Movimento, nascido no seio da Loja Maçônica


Duque de Caxias nº 2589, ligada ao GOERJ – GOB,
tem como objetivo a criação de um MOVIMENTO
➢Projeto da Melhor Idade – Destinado a idosos.
➢Projeto Abolição – Abolir a escravidão cultural com a
erradicação do analfabetismo.
NACIONAL, para exigir uma mudança radical da ➢Projeto Mobilização – Combater a corrupção, lavagem de
EDUCAÇÂO no Brasil, único meio capaz de alterar os dinheiro, contra bando etc.
rumos da cidadania do povo brasileiro. ➢Projeto Memória – Cadastrar todos os projetos e programas
Sua metodologia será aplicada através da coleta de, no já desenvolvidos com sucesso do país.
mínimo, 2,5 milhões de assinaturas em todo o país; apresentar ➢Projeto aconchego – Educação familiar.
no Congresso Nacional, um Projeto de Lei capaz de redefinir os ➢Projeto João-de-Barro – Educação pelo trabalho.
destinos da Educação no Brasil e envolver, para apoiar essa ➢Projeto Esperança – Educação religiosa.
proposta, as principais entidades que atuam em nível nacional. ➢Projeto corpo São mente Sã – Combate às drogas, aborto,
Entre elas, a Maçonaria do Brasil, Rotary Clube, Lions Clube, etc.
Igreja – CNBB, Federação das Indústrias – CNI, Federação do ➢Projeto Solidariedade – Ações sociais comunitárias.
Comércio – CNC, Poder Judiciário, Ministério Público, ➢Projeto Integração – Planejamento e Ações Integradas da
Universidades, Escolas, Prefeituras, Governos Estaduais, Escola, da Família, da Comunidade, no gerenciamento da
Grandes Empresas, Mídia – Impressa, falada e televisada, educação nos municípios.
Clubes Militares, ADESG – Nacional, ADESG – Estaduais, ➢Projeto Opinião – Atuação da mídia como agente
Sistema Bancário, Centrais Sindicais, Sindicato Patronal, formadora da opinião pública.
Associações Comercias e o Governo Federal (todos os ➢Projeto Inovação – Premiação de novos projetos.
Ministérios). ➢Projeto Apolo – Formação de atletas em todas as
O Movimento tem como meta desenvolver os seguintes modalidades.
projetos: ➢Projeto Ar Puro – Educação ambiental
➢Projeto Tradição – Recuperação das tradições e do folclore
➢Geração Nova (carro chefe) para, em um espaço de 15 anos, brasileiro.
formar um NOVO CIDADÃO BRASILEIRO. Todas as críticas, sugestões e propostas de
➢Projeto Colibri e Beija-Flor – Destinado a crianças de 0 a 4 engajamento no Movimento Nacional Pela Educação poderão
anos. ser enviadas para Flávio Aníbal Ramazzini, no endereço: Rua
➢Projeto Civismo – Resgatar os principais valores e Símbolos Ministro Raul Fernandes, nº 50, apt° 704, Botafogo, Rio de
Nacionais – bandeiras, livros, cadeiras, revistas. Janeiro, CEP – 22260-040, Email – ramazzini@esg.br 

Os Grandes Iniciados ___________________________________________________________________

Desperte seu Mestre


Francisco Feitosa

N esta edição, eventualmente, não abordaremos a


Vida e a Obra de um Grande Iniciado, como a
própria coluna se propõe; falaremos, sim, dos Avataras,
Krishna, Maomé, Lao-tsé, Confúcio - criou religião alguma.
Seus excelsos ensinamentos, ao longo do tempo, foram
transformados naquilo que se instituiu como religião.
tentando elucidar, um pouco mais, o seu hercúleo e Eles trazem, em cada época, as Boas Novas, as novas
altruístico trabalho em prol da evolução da humanidade. diretrizes para cada ciclo.
Quando a criamos, a pretensão não foi outra, senão Diz a Tradição Oculta que, após o período atlante,
trazer à Luz um assunto, que, por tempos, esteve encoberto época em que os Deuses conviviam com a humanidade na face
pela interpretação errônea das religiões. Quando falamos da Terra, alguns seres humanos daquela civilização, detentores
desses Excelsos Seres, procuramos dar um enfoque dentro do dos conhecimentos da mais alta magia, cegos pela ganância do
que nos ensina a Sabedoria Iniciática das Idades, abordando poder e do material, sacrificaram Seres da mais alta
sua origem e seu excelso trabalho em prol da evolução da espiritualidade, fazendo, com isso, que o Eterno modificasse
mônada humana. suas diretrizes quanto à transmissão dos ensinamentos à
Nenhum desses Mestres de Sabedoria - Jesus, Budha, humanidade.
Após esse episódio, a Divindade passa a se manifestar, mentes, se nossos olhos estiverem encoberto pelas vendas da
ciclicamente, em sacrifício, melhor seria dizer em “Sacro- materialidade e dos falsos conceitos. Tudo isso será, apenas,
Ofício”, na face da Terra, a fim de continuar seu altruístico “legal” de se ler, mas não penetrará em nosso íntimo, e pouco
trabalho de guiar a evolução humana, através dos Avataras. ou quase nada, modificar-nos-á, se estivermos encarando
Cada um, em sua época, conforme a excelsitude do trabalho a nossa Ordem, uma Escola de INICIAÇÃO, como um clube de
executar, traz um potencial, um percentual da Consciência serviço, a fim de, apenas, nos beneficiarmos, através do
Divina. relacionamento com esse ou aquele Irmão.
Ao estudarmos a origem de todas Se soubéssemos o compromisso,
as tradições, perceberemos que o que ousamos assumir, quando nos
Conhecimento Divino, por eles trazidos, propomos a entrar em uma Ordem
sempre foi o mesmo, diferindo, é claro, Iniciática, muitos, jamais, teriam
quanto à época, à região do planeta e à aceitado participar. O caminho iniciático
civilização em que surgiu. Um mesmo é estreito e perigoso; quando damos um
princípio, porém com uma roupagem passo à frente, abre-se um abismo às
diferente em cada ciclo, encobrindo a nossas costas. Voltar ou tomar atalhos
Verdade Única, que é imutável. Na poderá ser fatal.
verdade, somos nós que nos modificamos Se, de fato, a humanidade
com relação a Ela. conseguisse entender o real papel dos
Embora saibamos que esse Avataras, não estaria tão materializada e
assunto é para muitos, ainda, um grande tão distante de Deus. Somos privilegiados
mistério, pois, de fato, transcende a em poder estar dentro de uma Escola de
compreensão de nossa mente comum, Iniciação e não podemos desperdiçar a
cabe a nós despertarmos nosso 5º oportunidade evolucional, que se abre
Princípio, o Mental Abstrato, objetivo das como um portal, conduzindo aqueles que
Iniciações no presente ciclo, para a entendem a levam a sério a um novo
percebermos as entrelinhas dessas estado de consciência.
Verdades. Caro leitor, reflita nessas
Razão de ser das Iniciações, “Iniciar” é dar início a uma humildes linhas, que ousamos escrever. Que sirvam de sinete a
ação interna, despertando ou ressuscitando o Mestre dentro de despertá-lo para a realidade. Destine alguns minutos de
cada um, nosso “Eu verdadeiro”, nosso Princípio Divino. Sem reflexão e comece um diálogo com seu “Eu verdadeiro”, o seu
transformarmos a Iniciação Simbólica em uma Iniciação Real, Eu Espiritual. Travando esse diálogo entre o eu material e o Eu
interna e verdadeira, não teremos olhos de ver, ou veremos Espiritual, estará fazendo o encontro de “Eus”, melhor
sem enxergar o que está, hermeneuticamente, oculto nas dizendo, o encontro de Deus. Fica aqui uma “revelação”,
entrelinhas dos excelsos ensinamentos, trazidos por esses desculpe-nos a ousadia, já que estamos muito aquém, para
Grandes Iniciados. transmitirmos revelação, a não ser no sentido de re-velar ou
Já, há algumas edições, estamos destacando cada um velar de novo!
Mestre de Sabedoria, narrando sua Vida e Obra, seus exemplos Desperte o Mestre que está dentro de você! Esse é o
e ensinamentos, mas nada disso tocará nossos corações e caminho! 

Ritos Maçônicos __________________________________________________________________________________

Ritos Alquímicos

A lquimia operativo-laboratorial, praticada em laboratório, é um rito sacrificial, em que o


alquimista sacrifica a matéria, constituindo esse rito uma atividade individual. Apesar
disso, os alquimistas reuniam-se por vezes em Escolas, mesmo que reduzidas ao Mestre e ao
discípulo, e trocavam opiniões entre si dentro de uma mesma escola, ou entre alquimistas de
diversas Escolas.
Existiram, no entanto, a partir de meados do século XVIII (e, sobretudo, nesse século),
ritos e rituais herméticos e alquímicos, que não pretendiam fazer alquimia, mas preparar o
candidato para uma assimilação dos princípios herméticos e da prática alquímica, num
contexto ritualístico e dentro de um grupo organizado, através de uma cerimônia iniciática,
onde seriam revelados, na iniciação, na instrução e no catecismo, os segredos alquímicos.
Grande parte desses ritos e rituais foram criados num contexto maçônico, constituindo
(Altos) Graus Maçônicos, como o Ritual (do Grau) de Cavaleiro do Sol, ou mesmo um Sistema
(Rito) Maçônico, como o Rito Hermético de Dom Pernety, ou a Estrela Flamejante do Barão de
Tschoudy.
Ocorre, a propósito, referir que alguns desses Graus herméticos ou alquímicos
ocorreram no seio da Maçonaria "dos Antigos", ou do universo maçônico por ela influenciado
(com raiz no Hermetismo Renascentista, nos Rosa-Cruzes do século XVII, etc.), mais aberta (e
mesmo entusiasta) a receber ensinamentos provenientes de correntes esotéricas, como a
Cabala, a Teurgia, a Alquimia, etc., e interpretações esotéricas de tradições, como a Cavalaria,
como os Ritos "Escoceses", quer o Antigo e Aceito, quer o Ratificado, também, os Ritos de
York, da Ordem Real da Escócia (Heredom de Kilwining e Cavaleiro Rosa-Cruz) e do Rito
Sueco, proveniente, como o Rito Escocês Retificado, da Maçonaria da Estrita Observância
Templária Alemã, e mesmo, ainda que não "regulares", os Ritos Filósofo Cristão; Tribuno ou Cavaleiro do Perfeito ou Eterno Silêncio
"Egípcios" de Cagliostro, de Misraim, etc., o que não se passa, de (além das três eventuais dignidades honoríficas de Escudeiro,
modo algum, na Maçonaria mais exotérica "dos Modernos" (como, Soldado e Cavaleiro da Ordem, apenas, conferidas por excepcional
p.ex., o Rito de Emulação, Inglês e o Rito Francês). prestação de serviços), envoltos em alguma nebulosa confusão
Sendo o séc. XVIII a grande época de diversificação externa quanto às respectivas fontes documentais.
paulatina das correntes iniciáticas da Europa contemporânea, é, Reunindo-se suas Assembléias Litúrgicas, em Capítulos e
também, o palco específico da especulação teórica e conceptual da decorrendo os rituais em latim, a Ordem era governada por um
Maçonaria Operativa e Corporativa de raiz medieval. Grande Capítulo, constituído de 12 Dignitários Supremos e um Grão-
Nesse âmbito particular, verifica-se uma estruturação Mestre Geral. Tratando-se, contudo, de um Rito marcadamente
progressiva dos seus símbolos e mitos temático-civilizacionais por elitista e impopular, quanto à elevada exigência da sua filiação
sistemas litúrgicos diversos, hierarquizados em etapas com fases de acadêmica, justifica-se a sua escassa duração, apenas, até ao início do
sucessivo aprofundamento espiritual: referimo-nos aos Ritos séc. XIX e parca expansão na Alemanha (onde expirou entre 1786 e
Maçônicos de Altos Graus ou Superiores aos Três Simbólicos 1806) e França, por falecimento dos seus patronos ou eventual
Universais de Aprendiz, Companheiro e Mestre. ingresso dos seus mentores noutros Ritos ou Obediências, ou, ainda,
É nesse contexto de multiplicação ritualística que devemos realizando os seus objetivos herméticos fora de qualquer
distinguir o setor do Escocismo (referente à mítica gênese escocesa enquadramento maçônico.
medieval da Maçonaria Operativa, relacionada com a eventual Assim, o Rito fora, efetivamente, introduzido em França pelo
sobrevivência críptica da Ordem do Templo, já canonicamente empresário itinerante Johann Friedrich Kuhn, Maçom da Estrita
extinta em França) e o da Tradição Egípcia (remanescente da Observância Templária do Barão Karl Von Hund, Réau+Croix do
primitiva Tradição documental da Maçonaria Operativa, apesar de, Templo Teúrgico-Martinezista de Bordéus, da Ordem dos Cavaleiros
apenas, estruturado durante o séc. XVIII, particularmente, com o Maçons Eleitos Sacerdotes do Universo, e membro da Loja Parisiense
magistério enigmático do Conde de Cagliostro, Grande Copta do Rito “Os Amigos Reunidos”, do Rito Egípcio dos Filaleteos, encontrando-
da Alta Maçonaria Egípcia, e a emergência dos Ritos se, ainda, em contacto com a maioria dos Maçons
de Mênfis e Misraim). ocultistas franceses e alemães da sua época.
Assim, face ao surgimento dos mais diversos Graças a Kuhn, o seu funcionamento francês
Ritos de gênese “escocesa”, vão, igualmente, verificava-se através de uma Loja Parisiense inicial e
florescendo os Ritos Egípcios, de essência mais da sua sucessora “Estrela Flamejante dos Três Lizes”
hermética que o cariz mais social e simbólico daqueles de Bordéus, fundada em 1773, e, posteriormente,
(sendo, por isso, geralmente, ainda hoje, por eles absorvida pelo Grande Oriente de França em 1875,
desvalorizados e jogados ao ostracismo). participando, ainda, alguns dos seus membros na
Um desses casos exemplificativos e fundação conseqüente de outros posteriores Ritos
emblemáticos, anteriores ao magistério de Cagliostro, Maçônicos Herméticos, como o dos Filaleteos,
é justamente o Rito dos “Arquitectos Africanos” (isto é, igualmente egípcio.
“Egípcios”, na acepção iluminista), fundado em Sinteticamente, conforme verificamos ao
Berlim, em 1767, por Karl Friedrich von Köppen (1734- longo desta comunicação, o Iluminismo é um
1797), oficial do exército prussiano, que, tal como movimento cultural e filosófico de profundos
outros sistemas homólogos minoritários e seletivos, contrastes dinâmicos. Na sua transição entre a
arriscou o eventual e conseqüente desaparecimento Modernidade e a Contemporaneidade, não só opera o
histórico posterior com a sua sigilosa conflito secular entre uma estagnação confessional e
confidencialidade documental. um progressismo laico, mas também, trabalha a
Juntamente com J. W. B. Von Hymnen, von Köppen, ponte epistemológica entre a Ciência racional e a Tradição iniciática.
publica em 1770 o Tratado Litúrgico Germânico Crata Repoa, que Apesar da já mencionada escassez de suportes informativos,
pretende reproduzir as antigas iniciações maçônico-sacerdotais dos é possível evidenciar a clara inserção do caso da Ordem dos
Mistérios Egípcios, realizadas no interior da Pirâmide de Quéops, na Arquitetos Africanos, aqui, em estudo, no contexto pioneiro
necrópole real de Gizé. Essa obra obtém uma rápida e expansiva transdisciplinar da Cultura Iluminista Científico-Hermética. A sua
popularidade literária na intelectualidade maçônica européia e, idiossincrasia estrutural, litúrgica e doutrinal reflete a pluralidade
posteriormente, também, norte-americana, sendo largamente esotérica ocidental da época.
traduzida em francês e inglês desde 1821 (por Jean-Marie Ragon e Por outro lado, esse Rito constitui uma emanação do
Antoine Bailleul), discriminando, com grande pormenor cenográfico, Hermetismo Egípcio, emergente e patente na sua identidade
os rituais dos diversos graus e os respectivos segredos e fórmulas de ritualística e simbólica, de onde se destaca, de imediato, a
reconhecimento entre os membros. operatividade alquímica num enquadramento acadêmico-científico
O Rei Frederico II, o Grande da Prússia, protetor nacional da não meramente racionalista. Tal fato constata-se pela sua inerente
Maçonaria e figura mítica de fundação litúrgica, tinha apoiado a confidencialidade documental e por um explícito elitismo
criação deste Rito, o qual se ocupava, eminentemente, de demográfico de cooptação seletiva.
investigação acadêmico-pedagógica-esotérica, histórica e científica.
Nesse sentido, o monarca patrocinara mesmo a edificação na Silésia
de uma magnífica sede arquitetônica do Grande Capítulo, contendo
uma riquíssima biblioteca, um Museu de História Natural e um
laboratório químico e alquímico, além de premiar, ainda,
anualmente, com uma medalha de ouro, conferida numa Assembléia
Magna, o melhor ensaio científico-literário concorrente sobre a
gênese da Ordem.
Professando uma doutrina eminentemente cristã, hermética
e alquímica, esse Regime ou Sistema Filosófico-Ritualístico
compunha-se de cinco Altos Graus: Discípulo, Arquiteto ou Aprendiz
dos Segredos Egípcios; Iniciado dos Mistérios Egéicos; Irmão
Cosmopolita, Amigo da Verdade ou Mestre dos Segredos Egípcios;
Trabalhos ___________________________________________________________________________________________________

A Oposição da Igreja à Maçonaria


Francisco Mello Siqueira

N o que respeita à oposição da Igreja Católica e mesmo de


algumas das igrejas evangélicas à Maçonaria, tive
oportunidade de ter em mãos uma interessante análise em um
Outro documento, considerado importante pelo autor,
apareceu na década de 1920, de autoria de uma mulher
chamada Nesta H. Webster, ganhadora de rápida celebridade
trabalho do Ir.: Andrew Davies, publicado na revista na Inglaterra, pela popularidade de seus livros, cuja essência
Freemasonry today – A Independent Voice of Freemasonry, eram as palavras de Barruel e Robison, acrescidas de um novo
Autumn 2000, issue 14, do qual faço um pequeno resumo. componente: o Comunismo. Da mesma forma Webster
A percepção, que o grande público tem da Maçonaria, é defendia os maçons ingleses (U∴G∴L∴E∴) e acusava os
fruto de duas vertentes. A primeira, a mais comum, diz maçons continentais (Grande Oriente) de ligações com o
respeito à história, à tradição, ao simbolismo maçônico, aos Bolchevismo, sob suspeita, ainda, de haver um relacionamento
quais é dada uma importância exageradmanente grande. A com os judeus acerca de uma conspiração internacional.
outra, é a crença na conspiração da Maçonaria, Outros autores, citados pelo Ir.: Davies, de um modo
particularmente, aquela que envolve a destruição da Igreja e geral, seguem a mesma linha de pensamento de 200 anos
pretende estabelecer um estado atrás. Ele entende que muitas
de nova ordem mundial. pessoas objetam a Maçonaria,
Um acontecimento de simplesmente, por não fazerem
grande destaque, no que aparte de seus “segredos”, e,
respeita a essa antipatia contra ainda, cita um trecho
a Maçonaria, teve origem numa subliminar da Bula do Papa
Bula Papal, de 28 de Abril de Benedict XIV, que reflete esse
1738, do Papa Clemente IX, pensamento comum: “é um
intitulada “In Eminent”, prazer dar a conhecer coisas
desencadeando um sentimento honoráveis, mas os crimes são
antimaçônico. Nesse segredos’”.
documento, a Igreja condena a Entendo que há uma
Maçonaria, porque homens de ligação entre a Bula Papal “In
várias religiões e seitas reúnem- Eminent” e as Constituições de
se e juram sobre um Livro Anderson, pois, no mesmo ano
Sagrado. O documento papal de 1738, em que a Bula foi
condena os juramentos de editada, ele editou uma revisão
segredo. Tais Lojas foram aumentada das suas
excomungadas, e as autoridades Constituições de 1723,
da Igreja foram encorajadas a coincidentemente, antes de
procurar e punir os falecer no mesmo ano.
transgressores. Assim, a Assim, para lembrar o
suspeição, envolvendo a Maçonaria, ultrapassou os limites da leitor, transcrevo parte do Capítulo IV, Os Fundamentos da
teologia e tornou-se de conhecimento público. Outros Maçonaria, no que tange ao grande Cisma da Maçonaria,
documentos, posteriormente emitidos pela Igreja, reiteram o conhecido como “Summa Divisio”.
conteúdo da In Eminenti, estabelecendo sempre alguma coisa “Na parte dos Deveres (capítulo 5), no que concerne a
a mais. Deus e à religião, o seu 1º Artigo diz o seguinte: “Um maçom é
Os últimos veredictos da Igreja resumem-se em obrigado a obedecer à lei moral; e, se bem entender da arte,
afirmar que a Maçonaria é anticristã, anti-religiosa e conspira jamais será um estúpido ateu nem um libertino irreligioso”.
o estabelecimento de um “reino de naturalismo sobre as ruínas Esses dois pontos suscitaram muitas dúvidas,
da Igreja”. controvérsias e tornaram-se polêmicos e dissidentes nas
Outro documento de grande repercussão, intitulado de Constituições de Anderson, principalmente, porque ele era um
“Les Memoires Pour Servir A L’Histoire de Jacobinism”, de pastor evangélico e Désagulièrs, um ministro anglicano, o que
autoria de Abbé Augustin Barruel, surgiu em 1797, publicado confundia a interpretação do texto.
simultaneamente em França e Inglaterra. Hoje, esse trabalho é Em 1738, ano em que faleceu Anderson, foi publicada
considerado como um caso definitivo contra a Maçonaria, seja uma Segunda edição aumentada e corrigida das Constituições,
do ponto de vista da Igreja Católica, seja da perspectiva ainda, sob sua orientação.
Protestante, expressa no trabalho do Professor John Robison, Entre os dissidentes ingleses, houve um entendimento,
intitulado “Proofs of a Conspiracy”. O trabalho de Barruel, que culminou com as alterações de 1815, surgindo daí As
maçom do Grau 2, Companheiro, era, principalmente, dirigido Grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda e Escócia, conhecidas
contra os Jacobinos e o Iluminismo Germânico, porém, depois como Lojas-Mãe do Mundo.
dedicando duras farpas à Maçonaria. As Grandes Lojas-Mãe do Mundo continuaram a sofrer
Mr. Davies considera estranho, que 200 anos mais a oposição dos franceses, que davam um caráter deísta às
tarde, o trabalho de Barruel esteja, ainda, sendo usado como Constituições de Anderson.
evidência de uma grande conspiração Maçônica. Estranho, Isso foi, praticamente, o início da cisão final entre as
ainda, é a grande omissão do trabalho de Barruel, pretendendo Grandes Lojas-Mãe do Mundo e os Maçons franceses, só
atingir, apenas, a Maçonaria do Grande Oriente, e não as consumada mais tarde, em 1877, quando o Grande Oriente de
Grandes Lojas Unidas da Inglaterra, estabelecendo dois tipos França eliminou o 1º Art. de sua Constituição, ou seja, “a
de maçons, os bons e os maus.
exigência da crença em Deus e na imortalidade da alma”. 
Trabalhos ___________________________________________________________________________________________________

Torá, Talmud, Mishná e Midrash


Francisco de Assis Góis

E xiste um certo número de definições para a palavra Torá.


Em geral, ela se refere ao próprio documento, composto
pelos cinco livros (Pentateuco) de Moisés: Gênese, Êxodo,
que eram testados da seguinte maneira: muitas páginas de um
livro eram furadas com uma agulha; o sábio ficava sabendo
qual era a palavra que a agulha tinha furado na primeira
Levítico, Números e Deuteronômio. página e, então, deveria dizer, sem olhar, quais as palavras que
Em uma definição mais ampla, algumas pessoas a tinham sido afetadas pela agulha nas páginas subseqüentes.
expandem, incluindo os livros dos Profetas e os Textos Os sábios memorizavam, também, inúmeras leis
Sagrados. Os livros dos Profetas incluem, por exemplo, Josué, (halachá) ensinavam histórias (agadá), o que aumentava o
Juízes, Samuel, Reis, Jeremias, Ezequiel e outros. Os textos conjunto do material escrito. Em suma, eles memorizavam,
sagrados incluem os Salmos, Provérbios, Jó, Cânticos dos detalhadamente, centenas de livros.
Cânticos, Ruth, Lamentações, Eclesiastes, Esther, Daniel e Entretanto, por volta de 2.000 anos atrás, os alunos
outros. Isso tudo é comumente chamado de Livro do Antigo começaram a perder aquele dom. A Terra Santa foi
Testamento. Mais precisamente, estas escrituras compiladas conquistada por Pompeu, e o Império Romano trouxe um novo
são denominadas Tanakh, que vem das letras hebraicas nível de comércio para a Terra, que, por sua vez, provocou
tnkh, representando Torá, Nevi’m (Profetas) e Kettuvim mudanças na cultura e, também, uma nova maneira de
(Textos Sagrados). perceber as coisas. Em tais condições, a qualidade dos estudos
A Torá é a Lei Escrita. Entretanto, uma leitura superiores se deteriorou, e a Torá Oral estava em perigo de se
cuidadosa da mesma revela certos perder para sempre. Por isso, a
trechos, que parecem se Mishnah foi escrita por Judah ha-
contradizer ou, então, são Nasi, no início do século III.
ambíguos. Estas inconsistências Pelo fato de a Mishnah
sugerem que precisamos de mais ser um corpo de leis designadas a
informações para entender o serem memorizadas, é muito
verdadeiro significado da Lei. Diz- crítica. De cada frase, podemos
se que Moisés explicou o sentido extrair uma série de associações.
da Lei Escrita por meio da Até a época de Judah ha-
comunicação oral. A Lei Oral é a Nasi, mais de mil anos se tinham
base para a solução de muitas passado, desde a entrega da Torá
dificuldades, que aparecem no Escrita. Muita confusão foi gerada
texto. Na verdade, as questões a respeito de associações e
mais complicadas, referentes a Ela, significados de comentários
são, às vezes, respondidas com a essenciais da Lei Oral. Diferenças
frase: “Isto procede diretamente de de opinião surgiram quanto à
Moisés, no Sinai”. interpretação de certos
Além das dificuldades enunciados da Mishnah. Muitos
apresentadas no significado da própria Lei Escrita, temos um centros de estudos foram fundados, cada um com a sua própria
outro problema. Os cinco livros de Moisés foram, visão sobre como entender o texto. Discussões e debates a
originalmente, escritos em hebraico, sem vogais, assim como respeito das diferentes interpretações ocorreram em várias
os pergaminhos da Torá são escritos até os dias de hoje. academias, e, assim, um novo conjunto de comentários surgiu.
O idioma hebraico é construído de tal forma, que a Essa coletânea de comentários foi escrita no século VI, o que
substituição de uma vogal por outra pode alterar denominamos Talmud da Babilônia, o Talmud principal, usado
completamente o significado de uma palavra. Geralmente, nos dias de hoje. Uma versão anterior menos aceita, o Talmud
conseguimos entender o significado de uma palavra na Torá de Jerusalem, foi compilada nos séculos III ou IV.
pelo contexto, no qual ela é utilizada, mas algumas frases nos Dessa forma, o Talmud representa o conjunto dos
podem deixar intrigados. Isto é o que os cabalistas fazem, pois comentários que explicam a Mishnah – a Lei Oral.
sempre buscam além do óbvio. Tudo é visto como uma O Talmud é enciclopédico em sua abrangência.
metáfora para os ensinamentos ocultos de sabedoria. Questiona o significado das palavras, analisa o motivo pelo
Muitos significados da Torá Escrita, decodificados e qual algumas estão fisicamente perto de outras, algumas são
explicados em vários níveis, estão incluídos no conjunto de soletradas de certa maneira, algumas são repetidas, certos
ensinamentos de sabedoria, conhecido como a Tradição Oral ou Lei eventos têm lugar numa ordem determinada; questiona o que,
Oral. Isto, também, é entendido como Torá. Quando alguém realmente, certos nomes de pessoas e lugares, representam,
perguntava aos sábios talmúdicos Shammai e Hillel “quantas Torás qual era o verdadeiro significado e intenção de uma
vocês têm?”, ambos respondiam: “Duas; uma escrita e outra oral”. determinada lei, e assim por diante. Dois terços do Talmud da
A Torá Oral foi transmitida, durante mil anos, Babilônia tratam das leis judaicas; um terço relata histórias e
verbalmente, de mestre para aluno. A forma utilizada, para prédicas; estas, também, consistem em material para
memorizar ensinamentos orais, era a repetição contínua. Em indagações subseqüentes.
hebraico, o verbo que significa “repetir” é shanah; então, a A maior parte da lógica, utilizada no raciocínio
Lei Oral veio a ser denominada de Mishnah. talmúdico, não é aristotélica, o tipo de lógica que empregamos
Acredita-se que, na antiguidade, graças às técnicas normalmente em nossa forma de pensar habitual.
utilizadas, havia pessoas de memória prodigiosa, capazes de A lógica aristotélica é formada de silogismos. Se A é
memorizar a Torá inteira, incluindo os Profetas e os Textos maior que B, e B é maior que C, então, A é maior ou menor que
Sagrados. Conta-se que a memória dos sábios era tão precisa, C? Certamente, diríamos maior. Nossas mentes são
condicionadas a pensar dessa forma.
No entanto, o mais além, muitas vezes, usando metodologia intuitiva, que
raciocínio talmúdico utiliza transcende, até mesmo, a lógica hermenêutica. Portanto, todas as
uma forma de lógica, chamada vias de análise estão abertas para os estudiosos da Torá,
hermenêutica, um conjunto oferecendo um vasto potencial para a compreensão mística. Por
complicado de princípios, que essa razão, muitas pessoas estudam a Torá e o Talmud, muitas
levam em consideração vezes, revendo o mesmo texto, ano após ano, sem sequer chegar
elementos como colocação, perto de esgotar a riqueza do material disponível.
repetição ou significado das Além disso, um gênero exclusivo de literatura rabínica
palavras. Se preto relaciona-se foi desenvolvido em conseqüência do estudo intensivo dos
com branco em algum trecho, textos bíblicos. Esta literatura é chamada Midrash, palavra,
e preto relaciona-se à palavra que vem da raiz hebraica drsh, significando “procurar” ou
casa em outro, deve existir “investigar”. Em virtude de essas explorações terem seguido
uma conexão entre branco e diferentes vias de pesquisas, muitos ensinamentos do Midrash
casa. Isto não é lógico, são contraditórios entre si.
segundo as leis de Aristóteles, A intenção, no entanto, não era desenvolver um ponto
mas é um método habitual de de vista coerente sobre os significados ocultos da Torá, mas
raciocínio hermenêutico. De aumentar, da forma mais ampla possível, a variedade das
acordo com o rabino Adin interpretações possíveis a um ensinamento.
Steinsaltz, que empreendeu a O misticismo judaico conta com todas essas fontes.
tarefa gigantesca de traduzir o Talmud, escrito principalmente Tanto o Tanakh quanto o Mishnah, o Talmud e o Midrash
em aramaico, para o hebraico e inglês, existem centenas de constituem as fontes principais donde os manuscritos
regras para esse tipo de raciocínio. cabalísticos evoluíram. A Cabalah trouxe uma nova perspectiva
Por essa razão, o Talmud leva o estudioso a outros estados e métodos diferentes para a compreensão desta literatura.
mentais, a diferentes maneiras de encarar as coisas. A Cabalah vai Tornou-se um novo gênero da literatura judaica. 

Lançamentos ______________________________________________________________________________________________

A Editora Maçônica A Trolha está lançando neste mês de dezembro o


Livro Manual de Banquete Ritualístico, de autoria do nosso Irmão
Paulo Roberto Marinho de Almeida – um dos maiores pesquisadores de
Maçonaria da atualidade.
Relato do autor:
“Em nossas pesquisas seguimos as pegadas dos acontecimentos, das
particularidades e das narrativas com a devida prudência, registrando
como verdadeiro o que está documentalmente provado e como provável
aquilo que pudemos deduzir por raciocínio lógico e, em respeito às opiniões
e às propostas de pesquisadores maçônicos fidedignos.”. 
-------------- X --------------

O nosso Irmão Wanderley Rebello Filho - Advogado, também, autor do


livro "1988, O Verão das Latas de Maconha, o Processo", lançou,
no mês passado, no Centro Cultura da Justiça Federal, no RJ, sua segunda Obra
Literária pela Editora Letra Capital.
Trata, o presente livro, do caso verdadeiro de Márcio, um jovem de 19
anos que foi acusado, injustamente, de furto pela sua ex-namorada, filha de uma
autoridade do poder judiciário. Para um crime cuja pena mínima é de 1 ano de
reclusão, Márcio foi condenado a 6 anos e 6 meses de reclusão, mas ficou
foragido. O autor fez uma Revisão Criminal e conseguiu a redução para a pena
mínima, e o decreto de prescrição da pretensão punitiva. Márcio jamais foi
preso! 
-------------- X --------------

O autor, nosso Irmão Celso Grinaldi Filho, é atualmente Gerente Nacional de Vendas de
uma grande organização do segmento editorial. Possui mais de 30 anos de experiência
em gerenciamento de grandes equipes de vendas, tendo como área de especialização as
atividades de treinamento, planejamento e avaliação de desempenho dessas equipes.
Este livro, O VENDEDOR TALENTOSO, discorre sobre a necessidade de pensar
como um vendedor, as suas opções de vendas, os passos iniciais e finais de uma venda,
sobre o atendimento, sobre os tipos de compradores, sobre a arte de vender, as virtudes de
um vendedor, os defeitos a serem evitados, os objetivos da venda, o merchandising, a
construção do futuro do vendedor e enfatiza o Decálogo do Vendedor. Além de se estudar,
em profundidade, as Técnicas de Venda, propriamente dita, o vendedor como imagem da
empresa, como superar as objeções de uma venda, como evitar que surjam obstáculos para
a venda, o planejamento do trabalho de venda, a busca da persistência e da criatividade, a
promoção no ponto de venda e a relação Empresa/Vendedor Talentoso.
Agrega um Glossário de Termos Usuais em Vendas que o leitor não encontrará compilado em nenhuma obra similar. 
Reflexões ______________________________________________________________________________________________________

Geléia de Maçons
Edgard Becker

N ós, Maçons, somos como frutas. Quando começamos a


ocupar cargos, somos como frutas viçosas, damos
esperança de uma boa colheita. Mas, com o tempo, entramos
maduros ou viciados, é necessário dar a eles, um tratamento
respeitoso e com consideração, uma boa dose de açúcar
(atualização do conhecimento), depois, submetê-los ao bom
na maldida rotina, comandada pelo ritual, que foi feito para o fogo(o fogo da reciclagem), para a ampliação de horizontes e
Maçom, e não o Maçom para o ritual. E, então, os resultados melhoria cultural; avaliar-lhes o desempenho e o “feedback”
estabilizam em determinado patamar. constante dos novos desafios sociais, que se apresentam,
Sempre foi feito assim. Esse patamar é mortal! É expondo-os à mudança de comportamento, ou seja, às novas e
quando dizemos que amadurecemos. Desse momento ou necessárias aprendizagens, novos saberes.
percepção em diante, algo terrível começa a acontecer, Há necessidade de que todos possam enxergar as várias
estagnamos, ou, como as frutas, começamos a ficar passados. situações de outros pontos de vista, para mudar a forma de
Lembramos nossa infância, na qual fomos educados a pensar a respeito delas e inovar para avançar. A rotina e o
não desperdiçar comida. E a comer o que tínhamos. E, quando hábito de Maçons bitolados, dogmáticos, os fazem perder a
elas, as frutas, ficavam passadas, minha avó ou minha mãe consciência de construtores sociais. A Maçonaria foi feita para
fazia geléia ou compota. Os Irmãos, também, lembram suas o Maçom.
casas, não é mesmo? Meus Irmãos, uma porção de mudança, por menor que
Adicionava-se açúcar, um volume de água, no olho, e seja, dá uma sacudida na poeira mental, e, assim, renovamos
levava-se a mistura ao fogo. Após, bom tempo, a evaporar, as perspectivas de nossa Maçonaria.
ficava pronta e livre de qualquer impureza e era, então, Trocar o prego, já é avançar.
guardada em potes esterilizados. Sem os devidos, necessários e constantes cuidados para
Dessa forma, as frutas ganhavam novas vidas, "o novo com os nossos conhecimentos, vamos perder o Maçom. Não o
patamar", podendo continuar servindo como alimento por um deixemos ficar passado, pois, segundo minha mãe e minha avó,
bom tempo. O que nós, Maçons, temos com isso? frutas maduras dão dor de barriga, e, se ficarem passadas, só
Simples, sem açúcar e longa exposição ao fogo, a geléia servem como adubo e nada mais.
não dá o tal ponto. Não deixemos que isso aconteça em nossas Lojas; meus
Se pensarmos em termos de Maçonaria, essa irmãos, reciclemos, inovemos e avancemos.
experiência caseira e materna, que todos temos, se colocarmos Só assim, a Maçonaria terá futuro, caso contrário, não
para reflexão em nosso ambiente maçônico tal ensinamento, vamos conseguir fazer geléia. Pensemos nisso, meus irmãos.
podemos aproveitar e sugerir aos Irmãos que, para os Maçons Vamos parar de observar e começar a fazer. 

BoasDicas _____________________________________________________________________________________________________
 Palestra 
Informamos que no dia 19/dez, às 20h, no auditório da Associação Médica da cidade de
Conselheiro Lafaiete-MG, os Irmãos Francisco Feitosa MI – 33º e João Camanho MI – 33º,
estarão proferindo a palestra “O Cunho Transcendente da Missão dos Cavaleiros
Templários”, aberta ao público. Esse evento está sendo promovido pela Loja Maçônica
Acadêmica Libertas Homini – GOB-MG.
 Livros 
Indico o livro “Manual de Banquete Maçônico” de autoria do Irmão Paulo
Roberto Marinho de Almeida, pela editora “A Trolha”.
 Arte Real – Edições Anteriores 
As edições anteriores se encontram disponíveis para download no site www.entreirmaos.net

Arte Real _________________________________________________________________________________________________________

A rte Real é uma Revista maçônica virtual, de publicação mensal, que se apresenta como mais um canal de informação, integração e
incentivo à cultura maçônica, sendo distribuída, diretamente, via Internet, para mais de 11.800 e-mails de Irmãos de todo o Brasil
e, também, do exterior, além de uma vasta redistribuição em listas de discussões, sites maçônicos e listas particulares de nossos leitores.

Editor Responsável, Diagramação e Editoração Gráfica: Francisco Feitosada Fonseca


Revisão: João Geraldo de Freitas Camanho
Colaboradores nesta edição: Edgard Becker – Flávio Anibal – Francisco Assis Góis – Francisco Mello Siqueira – Henrique
José de Souza – Renato Pureza.
Empresas Patrocinadoras: Aldo Vídeo - Arte Real Software – CH Dedetizadora – CONCIV - CFC Objetiva Auto Escola –
Livro (Wanderley Rebello F°) - Livro (Celso Grinaldi F°) - López y López Advogados - Maurílio Advocacia – Santana Pneus – Sul
Minas Lab. Fotográfico.
Contatos: feitosa@entreirmaos.net Skype – francisco.feitosa.da.fonseca - MSN – entre-irmaos@hotmail.com
Distribuição gratuita via Internet. Os textos editados são de inteira responsabilidade dos signatários. 
Obrigado por prestigiar nosso trabalho. Temos um encontro marcado na próxima edição!!!