You are on page 1of 14

“Não te deixes arrebatar pela ira, quando te acontece algo desagradável, nem percas o

ânimo, quando a má sorte se aproxima de ti. Levanta o teu pensamento à claridade


límpida da esfera divina. Imerge em Deus e procura nele viver.”
Professor Henrique José de Souza

O mês que, hoje, conhecemos como fevereiro


(februarius), assim como o de janeiro (januarius),
foi criado por Numa Pompílio, segundo dos sete reis de
e-mails diretos, além de vários sites
disponibilizadores da Revista para
download e da ampla redistribuição
Roma (716 a.C. a 673 a.C.), sucessor de Rômulo e em várias listas maçônicas. Confesso
antecessor de Túlio Hostílio, com a primeira reforma do que a “Revista Arte Real” tem sido
calendário romano, que foi criado em 753 a.C. por seu para mim uma experiência fantástica
antecessor, com a fundação de Roma. e um grande e valioso aprendizado.
O mês de Januarius foi colocado sob a proteção O aniversário é nosso, mas o
de Janus, o deus da paz, representado por duas faces: presente é de vocês. Falando em fevereiro, presenteamos
uma olhando para o passado (fim do ano); outra, para o nossos leitores com a matéria “A História do Carnaval”, um
futuro (ano novo). Februarius foi dedicado ao deus da trabalho de compilação sobre a origem, a trajetória e o
purificação dos mortos, Februa. Sua denominação faz significado da festa mais popular do mundo. E, baseado nos
referência à "febre". É o mês das doenças, considerado pensamentos de Martin Luter King e Indira Gandhi, o Irmão
de mau agouro. Charles Francis nos brinda com a matéria: “Omissão dos
Embora o esforço do rei Numa Bons... Crescimento dos Maus”.
Pompílio em ajustar o ano, com mais A coluna Os Grandes Iniciados traz a
dois meses, baseando-se na Vida e a Obra de Orfeu – o Salvador
astronomia, aqui, no Brasil, terra Melodioso dos Homens. Na coluna
do samba e do futebol, o ano só Trabalhos, a matéria “Origem do Lema
começa, de fato, após o Liberdade, Igualdade e
carnaval. Fraternidade”, de autoria do
Na prática, assim, historiador maçônico José
acontece com o movimento Castellani, é mais um colírio para
no comércio, com o ano nossos olhos, assim, como a matéria
letivo das escolas, e, “Moral e Dogma”, um extrato do
conseqüentemente, com as texto do Soberano Grande
atividades das Lojas Comendador Albert Pike, publicado
maçônicas. Apesar de algumas na Revista Astrea nº 14, órgão oficial
Lojas iniciarem suas atividades de divulgação do Supremo Conselho do
no início de fevereiro, a maioria dos Grau 33º do R∴E∴A∴A∴ da Maçonaria
Irmãos tendem a retornar, apenas, para República Federativa do Brasil.
após os festejos do carnaval. Fechando esta edição, convidamos a todos
Há de se questionar o porquê de um período a fazerem uma leitura reflexiva sobre o texto “Você Aprende”,
tão grande de recesso maçônico. Hoje, vemos Lojas de ninguém menos que o gênio William Shakespeare.
que só retornam às atividades em março. Para essas, Desejamos a todos, nesse regresso às atividades de
não valeu o esforço do 2º rei romano em ajustar o suas respectivas Lojas, um ano maçônico de grandes
calendário, criando os meses, hoje, chamados de realizações, dentro e fora de nossos Templos. A humanidade
janeiro e fevereiro. agoniza e implora que vençamos nossa inércia, nossa letargia,
Nesse mês de fevereiro, comemoramos, nosso descaso e retomemos nosso lugar em defesa de uma
orgulhosamente, dois anos de criação de nossa Revista. sociedade oprimida pelas diversas Bastilhas da atualidade.
Foram 24 edições mensais ininterruptas. As mensagens Clamamos que todos reflitam, no silêncio de suas
carinhosas, que nos chegam de nossos leitores, consciências, se, de fato, é esse o mundo que querem deixar
parabenizando-nos pelo alto grau de qualidade que a para seus filhos e netos!
Revista alcançou, têm sido uma constante. Iniciamos Se acharem melhor, poderemos pensar nisso lá para
esse trabalho em fevereiro de 2007, com uma março. Afinal, é quando, de fato, tudo começa a voltar à
distribuição para pouco mais de 1500 e-mails, e, hoje, já realidade nesse país do samba e do futebol! Façamos valer o
ultrapassamos, em muito, o expressivo número de 12000 esforço do Rei Numa Pompílio! ?
a b
Capa – Liberdade – Igualdade – Fraternidade...........Capa Ritos Maçônicos – A Carbonária..................................................8
Editorial....................................................................................2 Trabalhos – A Origem do Lema Liberdade -Igualdade – Fraternidade...9
Destaque -.A Ηistória do Carnaval.........................................3 - Moral e Dogma..........................................................11
- Omissão dos Bons... Crescimento dos Maus....4 Reflexões – Você Aprende...........................................................12
Informe Cultural – Encontro Maçônico de Alfenas – MG...5 Boas Dicas – E-book / Indicação de Livro / Site / Edições
- Pacto Maçônico do Sul de Minas...........6 Anteriores...................................................................................................13

Os Grandes Iniciados – Orfeu …........................................7 Lançamentos – Livros.....................................................................14

A História do Carnaval
Francisco Feitosa

V ocê conhece a origem do Carnaval? Não? Pois


bem! A Revista Arte Real, comprometida com
a cultura dentro das mais variadas vertentes, pesquisou
Dionisus, com as celebrações dionisíacas. Na Roma Antiga,
bacanais saturnais e lupercais festejavam os Deuses Baco,
Saturno e Pã. A Sociedade Clássica acrescenta, ainda, uma
e, baseando-se nos textos dos historiadores Renato função política de distinção social às celebrações, tolerando o
Roschel, Hiram Araújo e Claudia M. de Assis Rocha espírito satírico: a crítica aos governos e governantes nos
Lima, produziu uma breve matéria, a fim de elucidar festejos.
nossos leitores sobre a festa mais popular do mundo. A civilização judaico-cristã, fundamentada na
Dizem que, há dez mil anos antes de Cristo, abstinência, na culpa, no pecado, no castigo, na penitência e na
homens, mulheres e crianças se reuniam no verão com redenção, renega e condena o carnaval, e, muito embora seus
os rostos mascarados e os corpos pintados, para principais representantes fossem contrários à sua realização,
espantar os demônios da má colheita. As origens do no séc. XV, o Papa Paulo II contribuiu para a sua evolução,
carnaval têm sido buscadas nas mais antigas celebrações imprimindo uma mudança estética, ao introduzir o baile de
da humanidade, tais como as Festas Egípcias, que máscaras, permitindo que, em frente ao seu palácio, na Via
homenageavam a deusa Isis e o Touro Apis. Os gregos Lata, se realizasse o carnaval romano. Como a Igreja proibira
festejavam, com grandiosidade, nas Festas Lupercais e as manifestações sexuais no festejo, novas manifestações
Saturnais, a celebração da volta da primavera, que adquiriram forma: corridas, desfiles, fantasias, deboche e
simbolizava o Renascer da Natureza. Mas, num ponto, morbidez. Estava reduzido o carnaval à celebração ordeira, de
todos concordavam: as grandes festas, como o carnaval, caráter artístico, com bailes e desfiles alegóricos.
estão associadas a fenômenos astronômicos e a ciclos Depois do Egito, o primeiro, do segundo, em Grécia e
naturais. O carnaval se caracteriza por festas, Roma Antigas, e do terceiro, no Renascimento Europeu,
divertimentos públicos, bailes de máscaras e particularmente, em Veneza, o Carnaval encontra, no Rio de
manifestações folclóricas. Janeiro, o seu quarto centro de excelência, resgatando o
Em Roma, em Glória ao deus Saturno, espírito de Baco e Dionísio, isso, na tese de Hiram Araújo,
comemoravam-se as Saturnais. Esse festejos eram de estudioso do carnaval e do samba, ao contar uma história, que,
tamanha importância, que tribunais e escolas fechavam segundo ele, completa seu sexto milênio e que acompanha a
as portas durante o evento, escravos eram alforriados, as própria história da humanidade, a história do carnaval,
pessoas saíam às ruas para dançar. A euforia era geral. considerando os seus Centros de Excelência, dividida em
Na abertura dessas festas ao deus Saturno, carros, quatro períodos: o Originário (4.000 anos a.C. ao século VII
buscando semelhança a navios, saíam na "avenida", com a.C.); o Pagão (do século VII a.C. ao século VI d.C.); o Cristão
homens e mulheres nus. Estes eram chamados os (do século VI d.C. ao século XVIII d.C.); o Contemporâneo (do
carrum navalis. Muitos dizem que daí saiu a expressão século XVIII d.C. ao século XX).
carnevale, originando carnaval.
A história do carnaval começa no princípio da
nossa civilização ariana, na origem dos rituais, nas
celebrações da fertilidade e da colheita nas primeiras
lavouras, às margens do Nilo. Os primeiros agricultores
exerciam a capacidade humana, que, já, nas cavernas,
distinguia-se em volta da fogueira, da dança, da música,
da celebração...
Foram na intenção da Deusa Ísis, no Egito
Antigo, as primeiras celebrações carnavalescas. Com a
evolução da sociedade grega, evoluíram os rituais,
acrescidos da bebida e do sexo, nos cultos ao Deus
Esses Centros de Excelência são responsáveis pela litúrgicas da Quaresma, por influência dos portugueses da Ilha
criação e irradiação dos modelos da festa. Cada Centro de da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira
Excelência do Carnaval age como verdadeira usina de de loucas correrias, mela-mela de farinha, água com limão, no
forças centrípetas, absorvendo as culturas dos povos, e de ano de 1723, surgindo, depois, as batalhas de confetes e
forças centrífugas, irradiando os modelos de carnaval para serpentinas.
o mundo. Os padrões de carnaval irradiados sofrem Bem, queridos leitores, depois de tomar conhecimento
adaptações nas cidades em que os carnavais ocorrem. da origem, história e seu significado, os simpatizantes da festa
O carnaval foi chamado de Entrudo, palavra, que mais popular do mundo poderão, de forma consciente, saber o
vem do latim introitus e que designa as solenidades que, de fato, estão comemorando! ?
a b

A Omissão dos Bons... Crescimento dos Maus


Charles Francis Quinlan*

U ma das diferenças fundamentais entre o ser


humano e os demais seres viventes é a
capacidade cognitiva e intelectual do primeiro, o que o
alcance, permite absorver as máximas já sintetizadas por
tantos que nos precederam, dentre eles:
- Martin Luther King: “O que me preocupa não é o
torna capaz de racionalizar a busca por constante grito dos violentos. É o silêncio dos bons.”
aprimoramento e melhorias, seja na esfera material, seja, - Indira Gandhi: “Há dois tipos de pessoas: as que
principalmente, na esfera intelectual. fazem as coisas e as que ficam com os louros. Procure ficar no
Assim é que, por exemplo, a busca da perfeição primeiro grupo: há menos competição lá.”
torna-se para alguns Homens uma tarefa permanente, Também, não pode ser olvidada, mesmo que por
um objetivo fixo e determinado, distante, analogia, a tese de Albert Einstein, no sentido de que não basta
reconhecidamente impossível de ser plenamente indagarmos que Maçonaria gostaríamos de deixar para nossos
alcançado, mas em cuja busca futuros Irmãos; temos que nos questionar
incessante o Homem se depara com que Irmãos iremos deixar para que a
situações cotidianas que permitem Maçonaria tenha, de fato, um futuro,
seu crescimento moral, intelectual, preferencialmente, um futuro promissor.
em face dos problemas dos demais Existe, no anedotário nacional, a
seres vivos, racionais ou não, até, fala atribuída a Jânio da Silva Quadros,
por óbvio, em relação ao próprio quando de sua renúncia da Presidência da
meio em que vive, ciente de que a República, na qual ele atribuiu sua batida
própria Natureza, também, é em retirada do cenário político, na época,
implacável quando agredida. às ‘forças ocultas’. Eu mesmo, durante
Despiciendo discorrer neste muito tempo, ri dessa afirmativa, parecida
momento sobre escalas de com outras conhecidas fanfarronadas de
prioridades, os movimentos nosso finado Irmão.
materiais, que se contrapõem aos Com o passar dos anos, no
intelectuais, a estúpida busca do “Ter” ao invés do entanto, a experiência nos mostra, a cada dia, que as forças
“Ser”, as verdadeiras carnificinas, que o homem, no ocultas - ocultas porque a luz do dia tem vergonha de as
decorrer dos tempos, promoveu para atingir, apenas, a iluminar – efetivamente, agem nas trevas, procurando ensejar
realização material, geralmente, de uns poucos em o desconforto, a discórdia, a difamação, a calúnia, e tantos
detrimento da grande maioria, além da tão combatida outros predicados torpes, para tanto não se preocupando com
Vaidade, que, no entanto, é o objetivo maior de a forma ou os métodos adotados.
significativa parcela da população. O conhecimento de tais situações nos deveria levar a
Quando esse espírito filosófico supra-sintetizado uma profunda reflexão, despertados de nosso comodismo, da
desenvolve-se no contexto da Sublime Ordem, em tese, situação de ‘gatos de armazém’ deitados sobre sacos,
composta por homens livres e de bons costumes, já recentemente, para cuidarmos da tão necessária depuração de
afastados daquele estágio primário da barbárie e da nossos meios. Nunca nos devemos esquecer de que é a nossa
habitualidade no convívio com as mais torpes formas de omissão que cria espaço para os ‘maus’ crescerem.
escuridão de conduta e de procedimentos, o atingimento Eles são tão pérfidos, que nem cavam o próprio espaço;
do pináculo do altruísmo está muito mais próximo, e de nós, em nossa apatia e omissão, é que os deixamos crescer. ?
forma mais célere.
É o momento em que a conjugação desses *Venerável Mestre – da ARLS Vale do Tietê nº 2494
elementos com o que de melhor há disponível ao nosso a b
Encontro Maçônico de Alfenas-MG
Edvaldo Cardoso*

C on-frater-nizar, como a própria palavra sugere e


segundo Aurélio Buarque de Holanda, significa:
ligar, unir-se como irmãos, irmanar. E não é por acaso
GOB,
Lojas.
COMAB

Paralelo às
e Grandes

que, na maioria das Lojas Maçônicas, praticantes do Rito atividades para


Escocês Antigo e Aceito, se recita o Salmo 133, em os Maçons,
exaltação à fraternidade universal: estaremos
realizando o
"Oh, quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união...". Encontro da
Ordem
A Maçonaria, tradicionalmente, realiza seus ágapes, DeMolay,
ritualísticos ou não, com o objetivo de integrar os Irmãos, de reunindo jovens
manutenir um convívio fraternal, para comemorar suas de vários
efemérides. Embora seja muito salutar, entendemos que, Capítulos das
apenas, essa prática, ainda, é muito pouco! Percebe-se que os duas potências. Também, haverá uma programação
Irmãos carecem de "Conviver, de Confraternizar" mais reservada às Filhas de Jó e às Cunhadas, uma
intensamente com Irmãos de outras Lojas, Regiões, Orientes. excelente oportunidade de estreitarmos os laços, que
Apostando nisso, acreditando no poder do "Verbo", nos unem como Irmãos, e reunirmos, em um só
ou seja, em sua capacidade de se transformar em ação, evento, nossas famílias na Grande Família Maçônica!
estamos promovendo o Encontro Maçônico de Alfenas-MG, Com certeza, será um final de semana
que se realizará nos dias 14 e 15 de fevereiro de 2009 (sábado inesquecível!
e domingo). Estão confirmadas as presenças do Grão-
Trata-se de um evento, organizado pela A∴R∴L∴S∴ Mestre do GOB-MG, Ir∴ Amintas de Araújo Xavier,
Fraternidade Cleuton Cândido Landre nº 295, Oriente de do Grão-Mestre Adjunto do GOEMG, Ir∴ Lázaro
Alfenas – MG, que congregará atividades voltadas para toda Emanuel Franco Salles, dos Grandes Primeiro e
a Família Maçônica: Irmãos, Cunhadas, Sobrinhos e Segundo Vigilantes da GLMMG, IIr∴Janir Adir
Sobrinhas. Moreira e Leonel Ricardo de Andrade, do Presidente
A programação cultural reservada aos Maçons consta do Pacto Maçônico do Sul de Minas, Ir∴Mário
de várias palestras, ministradas por palestrantes renomados, Aparecido Mendes, dentre vários outros valorosos
do mais alto gabarito, reunindo Irmãos das 3 Potências: IIr∴.
Constam, ainda, na programação: Gincana
Cultural Maçônica; Gincana Cultural De Molay e das
Filhas de Jó; Gincana Cultural Geral para Cunhadas
e Sobrinhos; Campeonato de Futebol Virtual em
Play-Station, para os sobrinhos; Campeonato de
Futebol Society entre os Capítulos DeMolay
(DEMOFUTE); Campeonato de Futebol Society entre
as Lojas Maçônicas (FUTEBODE).
Maiores informações através do e-mail
edvaldofreemason@gmail.com. Programem-se para
nos encontrarmos em Alfenas-MG, nos próximos 14 e
15 de fevereiro. Venham! A Maçonaria Sul Mineira os
espera de braços abertos para um Grande e Tríplice e
Fraternal Abraço! ?
*Venerável Mestre da A∴R∴L∴S∴ Fraternidade Cleuton
Cândido Landre nº 295 – G∴L∴M∴M∴G∴.
a b
Pacto Maçônico do Sul de Minas
Lázaro Emanuel Franco Salles*

O Pacto Maçônico do Sul de Minas foi


fundado em 28 de abril de 1996 por
Irmãos, sentindo a necessidade de se unirem
tratado de união entre essas Obediências, o que mostra o
ideal maior de coesão, comprovado, na prática, por quase
13 anos de existência e de labuta em prol de nossa Região.
para o fortalecimento dessa Região, que, Hoje, o Pacto Maçônico é uma entidade de
naquela época, encontrava-se ameaçada pelo personalidade jurídica bem definida, com estatutos
surgimento de “potências” espúrias. Por reconhecidos e registrados em cartório. E, com isso,
desinformação, algumas Lojas, a Maçonaria de nossa Região se tem fortalecido
temendo que o Pacto fosse uma bastante. Encerramos nosso mandato de
trama para a criação de uma nova Presidente do Pacto no princípio deste ano,
“potência” maçônica, não somando 69 Lojas Maçônicas filiadas, o que
aderiram a Ele de imediato. muito nos orgulha. Assim, conclamamos
Atualmente, quase todas as todos os Irmãos e todas as Lojas, que,
Lojas das Três Potências ainda, não fazem parte, a se filiarem,
Regulares da mencionada ajudando-nos a tornar a Maçonaria
Região o adotaram, muito mais forte e respeitada.
havendo uma Se o trabalho foi
pequeníssima realizado conscientemente,
minoria, que, por deixa a sensação do dever
antiga e descabida cumprido, e, certamente,
desconfiança, nutre, não foi levado a efeito
ainda, certa posição de isoladamente. Portando,
reserva, gostaríamos de prestar
descartando-o nosso preito de gratidão
lamentavelmente. àqueles que nos
ajudaram a conduzir nossa Entidade por um caminho
É bom que se diga que, para se integrar a Ele,
seguro, de muito trabalho e constantes realizações. Às Lojas
é necessário que a Loja apresente sua Carta
filiadas que entenderam que “somente seremos fortes, se
Constitutiva, emitida, evidentemente, por uma das
estivermos unidos”, à minha Diretoria, aos queridos
Três Obediências citadas. Jamais o Pacto manifestou a
Coordenadores Regionais, aos nossos Patrocinadores,
menor intenção de separatismo, muito pelo contrário,
enfim, a todos quantos acreditaram em nossos propósitos,
surgiu como um movimento de integração, tornando-
se grande e motivando a União entre as Lojas e as nossos sinceros agradecimentos. ?
Obediências mineiras. Em 0l de abril de 2000, por *o autor, além de ex-Presidente do Pacto Maçônico do Sul de Minas, é o
meio do Mesmo, foi assinado pelos Grão-Mestres um atual Grão-Mestre Adjunto do Grande Oriente de Minas Gerais.
a b
Orfeu – o Salvador Melodioso dos Homens
Francisco Feitosa

A presentamos, através desse trabalho de


compilação, a Vida e a Obra de Orfeu, mais
um Mestre de Sabedoria, que se sacrificou para que a
mistérios egípcios, cujos grandes conhecimentos da magia, da
astrologia e da medicina adquiriu. Os mistérios da Cabíria, na
Semotrácia, também, foram concedidos a ele, aumentando,
humanidade tivesse acesso aos excelsos ensinamentos assim, os seus conhecimentos de medicina e música.
da Ciência Iniciática das Idades. O mito de Orfeu é um A partir dessa sabedoria adquirida, fundou os
dos mais obscuros e carregados de simbolismo na mistérios gregos, realizados como meio para difusão de suas
mitologia grega e diz respeito a um ser pré-helênico, doutrinas. O Orfismo, movimento religioso, surgido na Grécia
anterior a Homero, que desempenhou o papel de Manu a partir do século VI a.C., buscava o resgate dos ensinamentos
entre os gregos. deixados por ele. Para os órficos, a natureza humana era
Nos santuários de Apolo, celebrava-se uma festa dupla, composta de bem e mal, e seus seguidores acreditavam
misteriosa no equinócio da primavera. A grande numa existência após a morte, em que a vida, no outro mundo,
sacerdotisa, coroada de louros, cantava diante dos era uma repetição da existência na Terra, como um reflexo das
iniciados o nascimento de Orfeu - o pai dos iniciados - ações praticadas pela pessoa. O Orfismo propunha uma
salvador melodioso dos homens. Orfeu, o Três Vezes disciplina iniciática que levava em consideração a
Coroado, nos infernos, na Terra e nos Céus. transmigração e a imortalidade da alma.
Orfeu, que era filho da mais importante das Segundo a Tradição, Orfeu é um dos imortais que se
nove Musas, Calíope, e de Eagros, Rei da Trácia, vivia sacrificaram para a humanidade poder ter acesso à sabedoria
perto do Monte Olimpo, na Tessália. Ainda pequeno, dos deuses. Portador do Verbo Divino, ele legou aos gregos as
recebeu de seu pai, como presente, uma lira e aprendeu verdades dos mistérios e a harmonia da música. E, pelo
a tocar com tal perfeição, que nada podia resistir ao simbolismo de sua música, comunicou à humanidade os
encanto de sua música. Não somente os homens, seus segredos divinos.
semelhantes, mas também os animais abrandavam-se Seu nome – Orfeu ou Arfa – significa: “Aquele que cura
aos seus acordes e reuniam-se em torno dele, em transe, pela Luz”. Ele lançou as bases do Tribunal de Anfitriões, de
perdendo sua ferocidade. que provém a unidade social da Grécia. Instituiu os Mistérios,
Ele foi o gênio vivificador da Grécia sagrada. formando uma alma religiosa de sua pátria em um
Cada uma das sete cordas de sua lira continha uma lei, pensamento universal.
e, uma arte e com essa maravilhosa Lira, transmitiu, a Durante o século VI, Orfeu foi associado a um culto de
toda a Europa, um impulso dionisíaco. Foi o grande mistérios muito popular, que preconizava a origem divina da
iniciador da Grécia, pai da música e da poesia. alma e a reencarnação, conceito mencionado, igualmente,
Nos tempos antigos, a Grécia andava dividida pelos pitagóricos e, mais tarde, por Platão. Sem o Orfismo, não
em dois grupos sacerdotais: os cultos solares, se explicaria a filosofia e a doutrina de Pitágoras, nem a de
cosmogônicos, masculinos; os lunares, com sacerdotisas Empédocles e, sobretudo, não se explicaria Sócrates e boa
femininas, voluptuosos, onde se evocavam as forças parte do pensamento de Platão, bem como de toda a tradição
cegas da natureza. Os Deuses tinham dividido a Grécia que deriva de ambos. Segundo a tradição, foi ele quem fez as
em dois campos inimigos: os sacerdotes de Júpiter e revelações místicas fundamentais aos iniciados, que aprendera
Apolo, nos cumes desertos; Hécate, nos vales profundos, durante sua descida ao Hades.
ameaçando com seus desregramentos, os altares dos Uma literatura esotérica, baseada nos preceitos órficos,
filhos da Luz. floresceu durante o período helenístico. O mito de Orfeu
Foi quando surgiu Orfeu com sua voz melodiosa influenciou, também, o cristianismo primitivo e está atestado,
a falar dos deuses num ritmo novo. E as mulheres inclusive, na iconografia cristã. ?
diziam que, em seus olhos, misturavam-se as flexas do *dentre as diversas fontes de consulta, citamos: Revistas Dhâranâ e a Revista
sol e as carícias da Lua. Inspirado, fugiu para o Egito, de Aquarius, da Sociedade Brasileira de Eubiose.
onde voltou após 20 anos, tendo sido iniciado nos a b
A Carbonária*
Claude Desjardins

A Carbonária é uma sociedade secretíssima,


com origem na noite dos tempos, e que
permanece bem misteriosa. Nada sabemos dos
borbonesas, durante as lutas marcantes dos reinados de Carlos VI
(1368-1422) e Carlos VII (1403-1461), foram iniciados pelos
carvoeiros, que, por obrigação e por dever, estavam sempre
primeiros ritos praticados, pois foi através do gesto e da presentes nessas florestas, altamente protetoras da sua liberdade.
oralidade que se perpetuaram. Os iniciados não As assembléias, ou vendas, na linguagem da Carbonária, tinham
deixaram vestígios de escrita. A estrutura antiga do lugar nos meios aristocráticos e na corte do rei. A nobreza
“pensamento da floresta” é anterior ao Império Romano apreciou grandemente essa Maçonaria, em que o disfarce
e recobria toda a Europa céltica, tanto atlântica como permitia os prazeres da boa carne e os brilhos da alta diversão.
germano-escandinava, e o conjunto das regiões Um dos seus mais prestigiados defensores teria sido Francisco I
balcânicas. Um estudo (1494-1547), que, um dia, tendo-se
arqueológico e perdido na floresta durante uma
antropológico das eras de caçada, caiu furtivamente no meio
Hallstatt (entre 800 e 450 de uma reunião ritual dos
a.C.) e de La Tène mostra- Carvoeiros. Esses, por dever de
nos uma sociedade pré- ofício, ofereceram-lhe
industrial forte e brilhante, hospitalidade. Como foi muito
cuja estrutura assenta em bem recebido, pediu para passar
clãs disseminados pelo seio às provas, o que lhe foi concedido
das florestas (lugares de imediato. Sentando-se sobre o
sagrados para os celtas). cepo, que servia de trono ao “Pai
A Carbonária era Mestre”, o rei forçou aquele a
de fato um desalojá-lo com a seguinte frase,
companheirismo reservado que veio a transformar-se em
aos que trabalhavam nos provérbio: “Senhor, o Carvoeiro é
ofícios da madeira e da mestre em sua casa”.
floresta, associados à trilogia artesanal celta: “lenhador- Já se disse, muitas vezes, que, a partir de então,
carvoeiro-ferreiro”. Falando de maneira prosaica, era, Francisco I ganhou o hábito de tratar os seus próximos por
também, forma de fidelizar uma mão-de-obra difícil de “meu Bom Primo” ou “minha Boa Prima”, tornando-se
interessar. Esses ofícios exerciam-se fora das cidades, “protetor dos lenhadores e carvoeiros”.
fora dos poderes da Igreja e da Monarquia, mas em E, depois, de novo, o silêncio.
defesa de uma grande ligação à natureza e de uma Em França, a Franco-Maçonaria teria aparecido em Saint-
espiritualidade pagã (do latim paganus =campesino). Germain em Laye, em 1688. Mas, também, nesse ponto, diferem
Esses habitantes da floresta exerceram uma prática as opiniões, quanto ao nascimento da primeira Loja francesa.
Iniciática na transmissão do conhecimento do seu ofício, Etienne Gout sustenta que a primeira Loja conhecida em França
e, naturalmente, adotaram rituais, cerimônias e símbolos dataria do dia 1 de Junho de 1726. É oportuno assinalar essas
à margem do Cristianismo. datas, pois a Carbonária baseará, no futuro, os seus ritos florestais
Para levar esses rostos de fuligem ao seio do sobre a Franco-Maçonaria. Será preciso esperar, exatamente, 200
Catolicismo, um monge insinuou-se entre eles no século anos após a morte de Francisco I, para a instalação em França de
XI. Teobaldo (1017-1066), nascido em Provins, em um rito florestal misto, por Charles François Radet de Beauchesne
Champagne, eremita, que, na origem, pertencia à família (ou Beauchaine), um deslizamento não-velado para a Franco-
dos Thibault Conde de Champagne, encarregou-se de Maçonaria revolucionária.
evangelizar os carbonários. Conta a lenda “que eles
(carvoeiros) viviam em estado de primitivismo e de
barbárie ignóbil e que Teobaldo lhes ofereceu, além de
Cristo, a moral e os meios, para escaparem à
animalidade na qual tinham mergulhado”.
Na verdade, sabe-se que não era assim. Mais uma
vez, a Igreja teve de diabolizar e de animalizar os que
evangelizou de seguida, para melhor justificar os seus fins.
O silêncio instalou-se sobre a Carbonária
durante 400 anos. Depois, no século XV, os nobres
proscritos, que tinham encontrado refúgio nas florestas
O cavaleiro de Beauchesne tentou, cerca de 1747, “Os carvoeiros viviam com as famílias em cabanas a
recuperar, em seu proveito, os Ritos dos Lenhadores, que chamavam lojas. Pouco a pouco, formaram-se aldeias com
mas a Ordem dos Lenhadores, dita do Grande nomes como esses: Lojas de Dressais, Lojas da Cueille, Lojas de
Alexandre da Confiança, constituiu a mais específica Cherpères, Lojas de Brenne, Lojas de Jopeau…”
tentativa de evolução operativa da Franco-Maçonaria da Para voltarmos à História de França, a narrativa dos
Madeira, entre 1760 e 1770. quatro Bons Primos de Larochelle, cuja cabeça caiu sob a
De resto, esse Rito não foi inventado por guilhotina da Restauração, em 1822, relançou certo interesse
Beauchesne, mas, apenas, captado por ele na seqüência de pelos mitos do Carbonarismo dirigido por La Fayette. Associada
uma transmissão, levada a cabo por um responsável das de preferência a uma grande milícia secreta, cujo modus operandi
Águas e Florestas do Condado de Eu. As diferentes era ditado pelos ritos da Franco-Maçonaria da Madeira, a
corporações de ofícios dos florestais apresentam evolução Carbonária nada tem em comum com a Charbonnerie do século
histórica comparável com a da Franco-Maçonaria XI ou anterior. Claro, os 40.000 Bons Primos Carbonários dos
tradicional da pedra. Interrogamo-nos se uma não terá anos 1800 procuraram manter as suas tradições em França até
bebido na outra os seus rituais, e vice-versa. Reparamos ao século XX, com maior ou menor sucesso.
nas famosas saúdes dos banquetes maçônicos: “Fogo! O meu antepassado terá sido um iniciado na
Grande Fogo! Fogo perfeito!”. Não serão elas a perfeita Carbonária? Ter-se-á a tradição perpetuada no Canadá até
restituição das três fases de carbonização dos feixes de finais dos anos 1700? Que outras razões poderiam ter levado
lenha, ou medas dos carvoeiros, que ritmam o sacrifício os descendentes a conservar esse nome até a quarta geração?
da árvore e a sua transformação em carvão vegetal? E as Tudo isto faz parte do mistério. ?
famosas lojas maçônicas… não provêm dos usos e *Traduzido por Stella Carbono
costumes dos carvoeiros? a b

A Origem do Lema Liberdade – Igualdade - Fraternidade


José Castellani

A s três palavras - Liberdade, Igualdade e


Fraternidade - que se tornaram, praticamente,
um lema da Maçonaria contemporânea, não têm origem
maçônica. Alguns autores, mais ufanos do que realistas
e mais fantasistas do que científicos, afirmam que o lema
é maçônico e foi utilizado como divisa da Revolução
Francesa de 1789.
A verdade histórica, todavia, é bem outra.
Em primeiro lugar, o lema da Revolução
Francesa era "Liberté, Égalité, ou la Mort"(Liberdade,
Igualdade, ou a Morte). Só com a 2a. República, em
1848, é que ele iria transformar-se em "Liberté, Égalité,
Fraternité" (Liberdade, Igualdade, Fraternidade). (Ver
nota.)
Em segundo lugar, foi a Maçonaria francesa que,
na segunda metade do século XIX, adotou o lema da 2a. A análise da divisa, ou da trilogia, pode ser feita através
República, o qual acabaria vulgarizando-se entre os do prisma político-social , ou sob o ponto de vista exclusivamente
maçons, trabalhando sob influência da cultura francesa, iniciático. No primeiro caso, teríamos: a Igualdade constituindo
em todo o mundo, a ponto de chegar a ser considerado um ideal da organização social, pela qual lutou a humanidade, à
como uma divisa exclusivamente maçônica, o que não é. medida que ia avançando no caminho de sua evolução. Essa luta
Em terceiro lugar, a idéia de Liberdade, dura até hoje, porque a divisão das nações em sistemas políticos,
Igualdade e Fraternidade é bem mais antiga. Podem ser das comunidades em classes sociais e dos indivíduos em posições
encontrados vestígios dela, quando da criação da econômicas, morais e intelectuais, prejudica os esforços em
primeira seita comunista, dita "Comunismo Cristão", benefício da igualdade irrestrita.
fundada em 1694, por Johann Kelperès. Para os A fraternidade é considerada como a conduta que
membros dessa seita, o Messias aguardado não se norteia a vida de um indivíduo. Ela é desejada, reclamada e
apresenta como o pescador de almas, mas, sim, através fixada como objetivo de todas as religiões, instituições sociais,
de uma trilogia, onde ele é o "distribuidor de partidos políticos, etc., estabelecendo o altruísmo contra o
justiça"(igualdade), o "grande irmão" (fraternidade) e o egoísmo, a benevolência contra a malevolência, a tolerância
"libertador"(liberdade). contra a intolerância, o amor contra o ódio.
A Liberdade nasce com o indivíduo, atinge o sentido da multiplicidade das formas e do mundo fenomênico.
consciente coletivo dos povos e produz fatos Considere-se, também, que, face a Gêmeos, está Sagitário,
extraordinários. O sentimento de liberdade é o bem mais governado por Júpiter, Zeus, Deus, do qual todos os homens
caro ao coração de um homem, e não há nada que o emanam, o que os faz irmãos uns dos outros, com cada um
deprima tanto quanto a opressão da escravidão, o procurando-o, à sua maneira.
encarceramento da consciência e a privação da A Liberdade é apanágio de Aquário, simbolizado por
liberdade. Do ponto de vista iniciático, todavia, o Ganimedes, pelo anjo, derramando, sobre a humanidade, o
conceito é um pouco diferente. A Igualdade repousa cântaro do saber ; saber, que, se for bem utilizado, pode ser um
sobre a consciência da identidade básica de todos os meio de acesso à liberdade, com a condição de que aceite a
seres e de todas as manifestações do espírito humano, superioridade do iniciado. Só o iniciado, o sábio, poderá
acima de todas as distinções externas de posição social e reconhecer os limites além dos quais não poderá ir, pois essa é
de grau de conhecimento e de desenvolvimento a maneira de ele chegar ao conhecimento dos mistérios
intelectual. Essa igualdade, representada pelo Nível, é divinos. Essa ligação com o divino, cujo símbolo é Moisés, o
que proporciona a todos uma justa e reta maneira de respeito às leis divinas, fundamental para uma existência
conduta com todos os pacífica e harmoniosa, serão, também,
semelhantes. assinalados pelo signo frontal a
A Fraternidade é Aquário: Leão, cujo símbolo é o Sol; o
considerada o complemento da Sol, símbolo do UM, símbolo de Deus.
liberdade individual e da Esses três signos, Libra, Gêmeos
igualdade espiritual, das quais e Aquário, são os signos do ar do
representa a adoção prática. Em zodíaco. E os signos do ar são símbolos
síntese, é a tolerância, em relação à do espírito, são símbolos do cosmos,
liberdade, e a compreensão, em que o iniciado deve procurar conhecer e
relação à igualdade. compreender.
A Liberdade é definida NOTA - Alec Mellor,
como uma aquisição individual, respeitadíssimo pesquisador francês,
íntima, fundamentalmente afirma ser inteiramente falso que essa
independente da liberdade externa, divisa republicana seja de origem
que pode ser outorgada pelas leis e maçônica. Louis Blanc e outros autores
pelas circunstâncias da vida. Em pretendem que seu inventor tenha sido
resumo, é a liberdade que se Louis-Claude de Saint-Martin, mas o
adquire buscando a Verdade e historiador mais abalizado da vida e do
realizando esforços para trilhar o pensamento deste, Robert Amadou,
caminho da virtude, dominando os vícios, os hábitos demonstrou que isso não é verdadeiro.
negativos e as paixões destrutivas. A pesquisadora B.F. Hyslop examinou uma grande
A Igualdade é o símbolo de Libra, ou Balança. quantidade de diplomas maçônicos publicados entre 1771 e
Este signo é o símbolo universal do equilíbrio, da 1799, na Biblioteca Nacional de Paris, e não encontrou mais
legalidade e da justiça, concretizados pelo senso da que dois, somente, onde as três palavras estão reunidas. Quase
diplomacia e da cortesia, que o caracterizam, assim todos registram "Saúde - Força - União", ou falam do templo
como a aversão à agressividade e à violência de Áries, onde reina "o Silêncio, a União e a Paz". O resultado desse
que está diante dele. Libra significa, em última análise, estudo está publicado in "Annales Historiques de la
um caráter afável, um sentido de justiça, harmonia e Révolution Française", janeiro, 1951, pág. 7.
sociabilidade, todos, atributos da igualdade. A 1a. República conheceu bem a divisa "Liberdade,
A Fraternidade é perfeitamente ilustrada pelo Igualdade, ou a Morte", mas tal programa ideológico não foi
signo de Gêmeos, em sua dualidade, representado por jamais o da Maçonaria. Foi somente sob a 2a. República que a
dois gêmeos, os míticos Castor e Pólux, cada um "tríplice divisa" surgiu. A República não tomou emprestada a
desempenhando seu papel, sem nenhuma proeminência divisa à Maçonaria; a Maçonaria a tomou emprestada à
sobre o outro. O signo de Gêmeos é dual, porque República (in Dictionnaire de La Franc-Maçonnerie et des
simboliza o momento em que a força criativa de Áries e Francs-Maçons", Belfond, Paris, 1971. ?
Touro divide-se em duas correntes: uma tem sentido
a b
ascensional, espiritual, e a outra é descendente, no
Moral e Dogma*
Albert Pike

M açonaria não é “especulativa”, nem teórica, mas


experimental; não é sentimental, mas prática. Ela requer
renúncia e autocontrole; apresenta uma face severa aos vícios dos
homens e interfere em muitos de nossos objetivos e prazeres. Penetra
além da região do pensamento vago além das regiões em que
moralizadores e filósofos teceram suas belas teorias e elaboraram
suas esplêndidas máximas, alcançando as profundezas do coração,
repreendendo-nos por nossa mesquinhez, acusando-nos de nossos
preconceitos e paixões e guerreando contra nossos vícios.
É uma luta contra paixões que brotam do seio dos mais puros
sentimentos, um mundo onde preconceitos admiráveis contrastam
com práticas viciosas, de bons ditados e más ações; onde paixões
abjetas não são apenas refreadas pelos costumes e pelos cerimoniais,
mas se escondem por trás de um véu de bonitos sentimentos. Este
solecismo tem, infelizmente, existido em todas as épocas. [...]
Boa parte dos homens tem sentimentos, mas não princípios.
Os primeiros são sensações temporárias, enquanto os últimos são
como virtudes permanentemente impressas na alma para o seu
controle. Os sentimentos são vagos e involuntários; não ascendem ao
nível da virtude. Todos os têm. Eles brotam espontaneamente em
povos. Entre eles, o principal e o bem ao alcance,
cada coração. Mas os princípios são regras de conduta, que moldam
é ajudar na educação das crianças pobres.
e controlam nossas ações. Pois é justamente neles que a Maçonaria
Um povo inteligente, informado de seus direitos,
insiste. Há clarões ocasionais de sentimentos generosos e viris, um
logo saberá do poder que tem e não será
esplendor fugaz de pensamentos nobres e elevados, que iluminam a
oprimido. Porém, sem uma população firme e
imaginação de alguns. Mas não há o calor vital em seus corações. Ele
virtuosa, os enfeites, que ornam o topo da
permanece frio e estéril como as latitudes geladas do ártico. Eles
pirâmide, não serão mais do que uma pobre
nada fazem, não ganham vitória alguma sobre si mesmos. Não
compensação pela falta de solidez da base. Uma
fazem progresso algum; permanecem imóveis no canto noroeste da
nação nunca estará segura se descansar no colo da
Loja, do mesmo modo que, primeiro, ficaram como Aprendizes. Não
ignorância. E, se, algum dia, houve um tempo em
cultivam Maçonaria com zelo, determinação e regularidade como
que a tranqüilidade pública foi assegurada pela
fazem em suas profissões e interesses profanos. Sua Maçonaria se
ausência de conhecimento, esse tempo já morreu.
dilui em sentimentos vagos e estéreis, desgraçadamente faltos de
A estupidez irrefletida não pode dormir sem
resultados práticos; perde-se em palavras ocas e clichês vazios.[...]
apavorar-se pelos fantasmas e abalada por
Muitos desejam sinceramente ser bons Maçons. Assim dizem
terrores. Melhorar a massa do povo é a grande
e são sinceros. Mas se é preciso que resistam a certos estímulos, que
garantia de liberdade popular. Se isso for
sacrifiquem certos caprichos, que controlem seu apetite e sua sede
negligenciado, todo o refinamento, a cortesia e o
em uma festança, ou que mantenham seu controle numa disputa, aí
conhecimento, acumulado nas classes superiores,
se verá que não desejam ser bons Maçons naqueles casos
perecerão mais dia menos dia, tal como capim
particulares. Ou, se desejam, não conseguem resistir a seus piores
seco no fogo da fúria popular.
impulsos.[...]
Não é missão de a Maçonaria engajar-se
Maçonaria é ação, não inércia. Ela exige de seus iniciados que
em tramas e conspirações contra o governo civil.
trabalhem, ativa e zelosamente, para o benefício de seus Irmãos, de
Ela não faz propaganda fanática de qualquer
seu País e da Humanidade. É a defensora dos oprimidos, do mesmo
credo ou teoria; nem se proclama inimiga de reis.
modo que consola e conforta os desafortunados. Frente a Ela, é muito
É o apóstolo da Liberdade, da Igualdade e da
mais honroso ser o instrumento do progresso e da reforma do que se
Fraternidade. [...] Não faz pactos com seitas de
deliciar nos títulos pomposos e nos altos cargos que confere. A
teóricos, utopistas ou filósofos. Não reconhece
Maçonaria advoga pelo homem no que envolve os melhores
como seus iniciados aqueles que afrontam a
interesses da humanidade. Ela odeia o poder insolente e a usurpação
ordem civil e a autoridade legal, nem aqueles que
desavergonhada. Apieda-se do pobre, dos que sofrem, dos aflitos; E
se propõem a negar aos moribundos o consolo da
trabalha para elevar o ignorante, os que caíram e os desafortunados.
religião. Coloca-se à parte de todas as seitas e
A fidelidade à sua missão será medida pela extensão de seus
credos, em sua dignidade calma e simples, sempre
esforços e pelos meios que empregar para melhorar as condições dos
a mesma sob qualquer governo. [...]
Ela ensina que a retidão crueldade e o desrespeito aos direitos da causam admiração, quase nunca
na vida e a sobriedade nos humanidade; do mesmo modo que precisaram de outra virtude, para
hábitos são as únicas garantias abomina o empregador desumano, extirpar tiranos, do que o amor pela
para a permanência da liberdade exerce sua influência para aliviar os liberdade. Foi esse amor que os levou a
política, ativista pela santidade sofrimentos, que a pobreza e a tomar a espada e deu-lhes a força para
das leis e dos direitos da dependência impõem ao trabalhador, e usá-la. [...]
consciência. para promover os sentimentos de Já viveu muito aquele que
A Maçonaria reconhece humanidade e bondade, que o homem sobreviveu à ruína de seu país; e aquele
como verdade que a necessidade, deve mesmo ao mais humilde e que vive contente depois de um evento
assim como o direito abstrato e a desafortunado de seus semelhantes. [...] como esse não mereceu ter vivido. Como
justiça ideal, deve ter sua A Maçonaria ensina que todo não merece aquele que olha, com
participação na elaboração das poder é delegado para o bem, e não para complacência, os abusos, que
leis, na administração dos mal do Povo, e que, quando pervertido desgraçam, as crueldades, que
afazeres públicos e na de seus propósitos originais, o tratado desonram, e as cenas de miséria, que
regulamentação das relações da está rompido e o direito deve ser brutalizam e desfiguram seu país. [...]
sociedade. reencontrado. A resistência ao poder Lembre-se de que a vida não é
Sabe o quanto a usurpado não é meramente um dever, medida por suas horas e dias, mas pelo
necessidade tem prioridade nas que o homem deve a si próprio e a seu que fizemos em prol de nossa terra e de
lidas humanas. Ela entende que, vizinho, mas uma obrigação, que deve a nossos semelhantes. Uma vida inútil é
onde quer que os homens se seu Deus para restabelecer e manter a curta, mesmo que dure cem anos; mas a
tenham degradado incapazes de posição que Ele lhe confiou na criação. de Alexandre foi tão longa quanto a de um
autocontrole, tão baixos na escala Este princípio, nem a rudeza da carvalho, ainda que tenha morrido aos
humana, que a eles não se tenha ignorância pode sufocar, nem os atavios trinta e cinco anos. Podemos fazer muito
como confiar as altas obrigações da do refinamento podem extinguir. Por em cinco anos e nada em toda uma vida.
cidadania, a grande lei da ele, torna-se vil o homem que se sujeita Se apenas comemos, bebemos, dormimos
necessidade, para a paz e a ao invés de agir. E, do mesmo modo, por e deixamos tudo seguir do jeito, que der
segurança daquela comunidade, ele o homem se preserva dentro dos ou estiver, ou se vivermos apenas para
requer que eles fiquem sob a desígnios da Providência, desprezando amealhar riquezas, ganhar posições ou
responsabilidade daqueles de as pretensões arrogantes dos tiranos e ostentar títulos, é como se nem tivéssemos
maior intelecto e sabedoria. fazendo valer a qualidade independente vivido, não temos o mínimo direito à
Acredita e confia que Deus, em Seu da raça de que faz parte. [...] imortalidade. [...]
Tempo, cumpra seus grandes e O Maçom sábio e bem [...] Mantenha-se vigilante
sábios propósitos; e se predispõe a informado dedicar-se-á à Liberdade e à quanto aos interesses e à honra de seu
esperar onde não puder divisar seu Justiça. Estará sempre pronto a lutar em País! E possa o Grande Arquiteto do
caminho para um bem específico. sua defesa, onde quer que elas existam. Universo dar-lhe a força e a sabedoria
[...] Não será nunca indiferente a ele quando para mantê-lo firme em seus altos
Onde quer que um povo a Liberdade, a sua ou a de outro homem propósitos! ?
se capacite à liberdade e a de mérito, estiver ameaçada. Mas sua
governar-se a si próprio, aí dedicação será à causa do homem, não
*Texto do Soberano Grande Comendador Albert
residem as simpatias da apenas do país. Onde quer que haja um Pike, depositado na Livraria do Congresso dos
Maçonaria. Ela detesta o tirano, o povo que entenda o valor da justiça Estados Unidos da América, em 1871, em
opressor sem lei, o usurpador política e que esteja preparado para tradução livre de J.W.Kreuzer Bach e publicado
militar e aquele que abusa do afirmá-la, esse é seu país. [...] na Revista ASTRÉA, nº 14, do Supremo
poder da lei. Ela detesta a Os gregos e romanos, que nos Conselho do Grau 33° do R∴E∴A∴A∴ da
Maçonaria para a República Federativa do Brasil.
a b

Você Aprende
William Shekespeare

V ocê aprende depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil


diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar
não significa apoiar-se e companhia nem sempre significa segurança. E começa a
aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começa a aceitar
suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto, e não com
a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no eles a controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou
hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil
os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao seja uma situação, sempre existem dois lados.
vão. Depois de um tempo, você aprende que o sol Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era
queima, se ficar exposto muito tempo. E aprende que necessário fazer, enfrentando as conseqüências. Aprende que
não importa o quanto você se importe, algumas pessoas, paciência requer muita prática. Descobre que, algumas vezes, a
simplesmente, não se importam... pessoa, que você espera que o chute, quando você cai, é uma
E aceita que não importa quão boa seja uma das poucas que a ajudam a levantar-se. Aprende que a
pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando, e você precisa maturidade tem mais a ver com tipos de experiências que se
perdoar-lhe por isso. Aprende que falar pode aliviar teve e o que você aprendeu com elas, do que com quantos
dores emocionais. Descobre que se leva anos, para se aniversários você celebrou.
construir confiança, e, apenas, segundos, para destruí-la, Aprende que há mais dos seus pais em você do que
e que você pode fazer coisas em um instante, das quais você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança
se arrependerá pelo resto da vida. que sonhos são bobagens; poucas coisas são tão humilhantes e
Aprende que verdadeiras seria uma tragédia se ela acreditasse
amizades continuam a crescer, nisso. Aprende que, quando está com
mesmo a longas distâncias. E o raiva, tem o direito de estar com raiva,
que importa não é o que você tem mas isso não dá a você o direito de ser
na vida, mas quem você tem na cruel.
vida. E que bons amigos são a Descobre que, só porque
família que nos permitiram alguém não o ama do jeito que você
escolher. Aprende que não temos quer que ame, não significa que esse
que mudar de amigos, se alguém não o ama com tudo que pode,
compreendermos que os amigos pois existem pessoas que nos amam,
mudam; percebe que seu melhor mas, simplesmente, não sabem como
amigo e você podem fazer demonstrar ou viver isso. Aprende que
qualquer coisa, ou nada, e terem nem sempre é suficiente ser perdoado
bons momentos juntos. por alguém; algumas vezes, você tem
Descobre que as pessoas, que aprender a perdoar-se a si mesmo.
com quem você mais se importa na vida, são tomadas de Aprende que, com a mesma severidade com que julga, você
você muito depressa, por isso, sempre, devemos deixar será, em algum momento, condenado.
as pessoas, que amamos, com palavras amorosas, pode Aprende que não importa em quantos pedaços seu
ser a última vez que as vejamos. Aprende que as coração foi partido, o mundo não pára, para que você o
circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar
mas nós somos responsáveis por nós mesmos. para trás. Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao
Começa a aprender que não se deve comparar invés de esperar que alguém lhe traga flores. E você aprende
com os outros, mas com o melhor que pode ser. que, realmente, pode suportar... que, realmente, é forte e que
Descobre que se leva muito tempo, para se tornar a pode ir muito mais longe, depois de pensar que não pode
pessoas que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende mais. E que, realmente, a vida tem valor e que você tem valor
que não importa aonde já chegou, mas aonde está indo, diante da vida! Nossas dádivas são traidoras e nos fazem
mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo
lugar serve. Aprende que, ou você controla seus atos ou de tentar. ?
a b

a E-book b
Façam o download do e-book “Origens Mágicas da Maçonaria, de autoria de Eliphas Levi. Cliquem no link
http://www.4shared.com/file/39137314/47f61a88/Origens_Mgicas_da_Maonaria.html

a Indicação de Livro b
Indico o livro “Graus Inefáveis” de autoria do Irmão João Ferreira Durão, pela editora “Madras”.
a Sites b
Visitem o site http://www.ajmesquita.qsl.br/modules/news/ sob administração do Irmão Alberto Jorge Mesquita.
a Arte Real – Edições Anteriores b
As edições anteriores se encontram disponíveis para download no site www.entreirmaos.net e em vários sites
maçônicos! ?
a b
O nosso Irmão Wanderley Rebello Filho - Advogado, também,
autor do livro "1988, O Verão das Latas de Maconha, o Processo",
lançou, em novembro de 2008, no Centro Cultura da Justiça Federal, no
RJ, sua segunda Obra Literária pela Editora Letra Capital.
Trata, o presente livro, do caso verdadeiro de Márcio, um jovem
de 19 anos que foi acusado, injustamente, de furto pela sua ex-namorada,
filha de uma autoridade do poder judiciário. Para um crime cuja pena
mínima é de 1 ano de reclusão, Márcio foi condenado a 6 anos e 6 meses
de reclusão, mas ficou foragido. O autor fez uma Revisão Criminal e
conseguiu a redução para a pena mínima, e o decreto de prescrição da
pretensão punitiva. Márcio jamais foi preso! ?

O autor, nosso Irmão Celso Grinaldi Filho, é atualmente Gerente Nacional de


Vendas de uma grande organização do segmento editorial. Possui mais de 30
anos de experiência em gerenciamento de grandes equipes de vendas, tendo como área de
especialização as atividades de treinamento, planejamento e avaliação de desempenho
dessas equipes.
Este livro, O VENDEDOR TALENTOSO, discorre sobre a necessidade de pensar
como um vendedor, as suas opções de vendas, os passos iniciais e finais de uma venda,
sobre o atendimento, sobre os tipos de compradores, sobre a arte de vender, as virtudes
de um vendedor, os defeitos a serem evitados, os objetivos da venda, o merchandising, a
construção do futuro do vendedor e enfatiza o Decálogo do Vendedor. Além de se
estudar, em profundidade, as Técnicas de Venda, propriamente dita, o vendedor como
imagem da empresa, como superar as objeções de uma venda, como evitar que surjam obstáculos para a venda, o planejamento do
trabalho de venda, a busca da persistência e da criatividade, a promoção no ponto de venda e a relação Empresa/Vendedor Talentoso.
Agrega um Glossário de Termos Usuais em Vendas que o leitor não encontrará compilado em nenhuma obra similar. ?

a b

A rte Real é uma Revista maçônica virtual, de publicação mensal, fundada em 24 de fevereiro
de 2007, com registro na ABIM – Associação Brasileira de Imprensa Maçônica – 005-JV, que
se apresenta como mais um canal de informação, integração e incentivo à cultura maçônica, sendo
distribuída, diretamente, via Internet, para mais de 12.000 e-mails de Irmãos de todo o Brasil e,
também, do exterior, além de uma vasta redistribuição em listas de discussões, sites maçônicos e
listas particulares de nossos leitores.
Ao completar dois anos de idade, distribuídos em 24 edições mensais ininterruptas, sua Revista Arte
Real, de cara nova, sente-se muito honrada em poder contribuir, de forma muito positiva, com a
cultura maçônica, incentivando o estudo e a pesquisa no seio das Lojas e fazendo muitos Irmãos repensarem quanto à
importância do momento a que chamamos de “¼ de Hora de Estudos”. Obrigado por prestigiar esse altruístico trabalho.

Editor Responsável, Diagramação, Editoração Gráfica e Distribuição: Francisco Feitosa da Fonseca


Revisor: João Geraldo de Freitas Camanho
Colaboradores nesta edição: Albert Pike – Charles Francis Quislan – Claude Desjardins – José Castellani – William Shekespeare.
Empresas Patrocinadoras: Aldo Vídeo - Arte Real Software – CH Dedetizadora – CONCIV - CFC Objetiva Auto Escola – Livro
(Wanderley Rebello F°) - Livro (Celso Grinaldi F°) - López y López Advogados - Maurílio Advocacia – Santana Pneus – Sul Minas Lab.
Fotográfico.
Contatos: ( (35) 3331-1288
E-mail - feitosa@entreirmaos.net
Skype – francisco.feitosa.da.fonseca -
MSN – entre-irmaos@hotmail.com
Distribuição gratuita via Internet.
Os textos editados são de inteira responsabilidade dos signatários. ?
Obrigado por prestigiar nosso trabalho. Temos um encontro marcado
na próxima edição!!!