You are on page 1of 14

"A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o

uso que deve fazer do seu próprio conhecimento”.


Platão

M
ais uma vez, temos a grata alegria de nos encontramos através
deste espaço. Parece que, ontem, começamos esse prazeroso
trabalho de divulgar e exaltar a cultura maçônica por meio de
nossa Revista Arte Real. Temos a lembrança cristalina do momento em
que, compenetrado, escrevíamos o primeiro Editorial, convocando a todos
para derrubar os muros da ignorância e construir pontes da sabedoria.
A expectativa era enorme, análoga à ansiedade de um pai,
momentos antes do nascimento de seu filho. A verdade é que, sempre, às
vésperas de lançarmos mais uma edição, o friozinho na barriga, ainda, insiste em nos acompanhar. Isto é muito bom, pois
demonstra que a seriedade e a dedicação, desde a primeira edição, têm se mantido e sido argamassa para construção desse
veículo de informação, em prol da cultura maçônica.
As inúmeras mensagens de congratulações, vindas de leitores de várias partes do país e, também, do exterior, servem-
nos de grande estímulo e nos dá a certeza de que estamos no rumo certo. Porém, muito, ainda, temos de melhorar, pois sabemos
que os elogios, que recebemos de nossos leitores, aumentam, em muito, nossas responsabilidades para as próximas edições.
O importante é que estamos cientes de que somos, apenas, ferramenta dos Mestres de Sabedoria, intuídos a
desenvolver este trabalho altruístico, com responsabilidade e comprometimento. Queira o Grande Arquiteto do Universo
que possamos ter o privilégio, se essa for Sua Vontade, de dispor, sempre, de parte de nosso tempo para execução desse
árduo, porém, prazeroso trabalho, em favor do crescimento cultural de nossos Irmãos.
Portanto, só temos que agradecer a honra e a oportunidade de bem servir ao próximo.
Esta edição traz, na coluna Destaques, as matérias: “Por Seus Bons Frutos” (lamentavelmente, desconheço o autor),
enviada pelo querido Irmão Abtino Berlanda, contemporâneo de estudos dos Graus Filosóficos, no Rio; “Coluna do Norte
– Ah que Saudade me Dá!”, do nosso querido Irmão, escritor e acadêmico, Antônio do Carmo Ferreira, Grão-Mestre do
GOIPE e Presidente da ABIM – Associação Brasileira de Impressa Maçônica.
Na coluna Informe Cultural, destaque especial para a criação de
“Prefiro insistir, mesmo que ignorado, mais um Corpo Filosófico no Sul de Minas, jurisdição pertencente à 14ª
em fazer Maçonaria de Verdade, a envelhecer Inspetoria Litúrgica, da qual temos a grata satisfação e orgulho de estar à
abraçado a efêmeros títulos e medalhas, que, de frente, como Grande Inspetor Litúrgico.
certo, seriam ofuscados, se eu me deixasse vencer Presenteamos nossos leitores com o texto do saudoso Charles
pela desprezível covardia de nunca haver tentado Chaplin, “Tudo Depende de Mim”, através da coluna Reflexões, que nos
ser Maçom na acepção da palavra.” leva a uma profunda reflexão e reavaliação de nossa postura diante da vida.
Feitosa - Revista Arte Real “As Cruzadas – Parte III” abrilhanta a coluna Ritos Maçônicos,
enquanto, na coluna Trabalhos, apresentamos, em destaque, a matéria “A
Revolução Farroupilha e o Balaústre 67”.
No dia 18 desse mês, há 174 anos, foi arquitetada, em um Templo Maçônico, a Revolta dos Farroupilhas. Reflitamos, pois
já passa da hora de nos posicionarmos como verdadeiros Maçons, construtores sociais, a exemplo dos Irmãos do passado.
A CMSB, em sua última reunião, através das 27 Grandes Lojas que a compõem, apresentou o “Manifesto da
Maçonaria Brasileira”, em repúdio à desmoralização do quadro político-nacional.
De fato, precisamos dar um basta, embora saibamos que quebrar uma cultura é uma tarefa, além de muito difícil,
para médio ou longo prazo. A cada eleição, temos a oportunidade de mudar, mas preferimos achar que o Brasil não tem
mais jeito a escolher, criteriosamente, nossos representantes, em cumprimento do nosso dever como cidadãos.
Em diversos Editoriais, vimos, incansavelmente, tratando este tema. É bem possível que alguns se sintam
incomodados – dou-lhes razão - com nossa insistência. Por favor, desculpem-nos. Comprometidos com o futuro de nosso
país, estamos, apenas, fazendo a nossa parte!
Boa leitura! Temos um encontro marcado na próxima edição! ?
a b
Capa – Despertai Maçonaria! Res Non Verba................Capa - Projeto Saber Santo.........................................................8
Editorial......................................................................................2 Os Grandes Iniciados
Matéria da Capa – A Revolução Farroupilha e o Balaústre 67...3 - Professor Henrique José de Souza...............................8
Destaques Ritos Maçônicos - As Cruzadas – Parte III...........................10
- Por Seus Bons Frutos......................................................5 Trabalhos - Sobre Medos e Atitudes......................................12
- Coluna do Norte – Ah Que Saudades Me Dá!................6 Reflexões - Tudo Depende Só de Mim!..................................13
Informe Cultural Boas Dicas
- Sul de Minas Ganha Mais Um Loja de Perfeição.......7 - Livros / DVD...................................................................14

A Revolução Farroupilha e o Balaústre 67


Francisco Feitosa

N
a edição de nº 7 de nossa Revista, lançada em imaginado pelo Irmão Bósio, que, na ocasião, chamou a
setembro de 2007, publicamos uma matéria de atenção da platéia, iniciando sua fala, mais ou menos assim:
minha lavra, intitulada “Despertai, Farroupilhas! "imaginem o que poderia ter acontecido, se houvesse uma Ata
Despertai!”, um caloroso chamamento ao leitor, registrando os primórdios da Revolução Farroupilha...".
elucidando-lhe quanto à origem da mais duradoura O original dessa palestra ficou em poder da Loja
Revolução, que a história brasileira já conheceu. Para anfitriã e, segundo nosso Irmão Rostirola, depois de algum
tanto, utilizamo-nos da compilação de um parágrafo do tempo, outro Irmão, que editava um Jornal Maçônico, no Rio
famoso “Balaústre 67”. Também, na oportunidade, Grande do Sul, publicou o dito Balaústre em seu jornal, com
enfatizamos o que e como foi motivada a Revolta dos algumas inserções, ainda mais cavalheirescas, e a estória
Farrapos, fazendo analogia com o caótico momento atual passou a ser história. Esse assunto incomoda, até hoje, o
que estamos atravessando, principalmente, no meio Irmão Dante Bósio, atualmente, já bem velhinho e
político, razão de adoentado, que, ainda,
escolhermos esse título. guarda uma cópia da
Afinal, esse tem sido referida palestra e da Ata
nosso papel: informar com para quem quiser ver, pois é
responsabilidade e um Maçom de grande
conscientizar a quem nos conhecimento e teve a
acolhe, carinhosamente, a melhor das boas intenções,
cada edição, nos mais quando a imaginou. Nosso
diversos assuntos. Irmão Rostirola, assim que
Posteriormente, teve conhecimento do fato,
tivemos acesso, através da há cerca de 10 anos,
Lista de Discussão Maçônica procurou o Irmão Bósio,
Mestre-Maestro, a uma que, na oportunidade,
mensagem de parte do mostrou-lhe, em cópia
nosso Irmão Dante Cezar carbono, a Palestra
Melo Rostirola - Ministro da Cultura e Propaganda do apresentada, pois o original, como já foi dito, ficou na Loja
GORGS - filiado às Lojas Simbólicas Inconfidência e Maçônica, existente no Oriente de Camaquã.
Inconfidência II, de São Leopoldo, e meu Confrade na Loja Observamos que, se o Rito, praticado na época, fosse
de Pesquisas Francisco Xavier Ferreira, de Porto Alegre, o Adhonhiramita, ao convertermos sua data para o
explicitando a origem do famoso Balaústre 67, da Loja calendário maçônico vigente, de então, que iniciava, com
Maçônica Philantropia e Liberdade, do Oriente de Porto relação ao calendário gregoriano, no dia 21 de cada mês,
Alegre-RS, datado, de 18 de setembro de 1835, no qual encontraremos o vigésimo quarto dia do mês de Elul de
foram, supostamente, relatados os preparativos para a 5.835. Caso o Rito praticado fosse o Francês ou Moderno,
Revolta, levada a efeito dois dias após. iniciando no dia 1º, ainda assim, o mês não corresponderia
Segundo nosso Irmão Dante Rostirola, esse Balaústre ao de mês de Tishrei, ou Tirsi, como foi escrito pelo autor,
foi uma composição fictícia do Irmão Dante Bósio, para uma pois o calendário hebraico civil inicia-se no “Rosh Hashaná”
palestra, proferida por ele no Oriente de Camaquã, RS, nos (cabeça do ano), após a Lua Nova, que somente ocorreu,
festejos da Semana Farroupilha, há cerca de 15 anos. naquele ano, no dia 24 de setembro, portanto o mês, ainda,
A palestra, contendo a inserção nela do Balaústre, seria Elul e não Tishrei.
Arquitetura, o que, em nada, desmerece o original, muito menos a
bravura de nossos valorosos Irmãos farroupilhas.
“Aos dezoito dias do mês de setembro de 1835 de E∴V∴e da
5835 V∴L∴, reunidos em sua sede, situada na Rua da Igreja, nº 67, em
lugar Claríssimo, Forte e Terrível aos tiranos, abaixo da abóbada celeste do
Zenith, aos 30º Sul e 5º de latitude da América Brasileira, no Vale de Porto
Alegre, Província de São Pedro do Rio Grande, nas dependências do
Gabinete de Leituras, onde funciona a Loj∴ Maç∴Philantropia e
Notamos, aqui, um erro de interpretação, lembrando o Liberdade, com o fim de, especificamente, traçarem as metas finais para o
que ocasionou a escolha do Dia do Maçom em 20 de agosto, início do movimento revolucionário com que seus integrantes pretendem
quando os Irmãos queriam fazer alusão à mesma data da 14ª resgatar os brios, os direitos e a dignidade do povo Riograndense, a Sessão foi
Assembléia Geral do GOB, 20º dia do sexto mês (9 de setembro), aberta pelo Ven∴Mestre, Ir∴ Bento Gonçalves da Silva. Registre-se, a bem
quando foi proclamada a Independência do Brasil em um da verdade, ainda, as presenças dos IIr∴José Mariano de Mattos, ex-
Templo Maçônico, mas isso é outro assunto. Ven∴, José Gomes de Vasconcellos Jardim, Pedro Boticário, Vicente da
Na verdade, a montagem desse Balaústre foi, apenas, Fontoura, Paulino da Fontoura, Antônio de Souza Neto e Domingos José de
para abrilhantar a palestra do valoroso Irmão Dante Bósio, sem Almeida, o qual serviu como secretário e lavrou a presente Ata. Logo de
a menor intenção de forjar sua autenticidade, fazendo questão início, o Ven∴ Mestre, depois de tecer breves considerações sobre os motivos
de enfatizar esse particular na abertura de sua fala. O Balaústre da presente reunião, de caráter extraordinário, informou a seus pares que o
original daquela memorável Sessão, de cuja existência não movimento estava prestes a ser desencadeado. A data escolhida é o dia vinte
sabemos, talvez, tenha sido extraviado ou sucumbido às de setembro do corrente, isto é, depois de amanhã. Nessa data, todos nós, em
chamas, no incêndio do galpão do GOB, quando diversos nome do Rio Grande do Sul, nos levantaremos em luta contra o
documentos históricos foram destruídos. imperialismo que reina no país. Na ocasião, ficou acertada a tomada da
Enfim, um conto, a que somado um ponto, acabou capital da província pelas tropas dos IIr∴Vasconcellos Jardim e Onofre
virando história e paradigma da atuação maçônica naquelas Pires, que deverão se deslocar desde a localidade de Pedras Brancas, quando
escaramuças entre os fazendeiros gaúchos e o governo de então, avisados. Tanto Vasconcellos Jardim como Onofre Pires, ao serem
virando uma revolução e, mais tarde, quando os positivistas informados, responderam que estariam a postos, aguardando o momento
precisavam de exemplos contundentes para basear suas ideias para agirem. Também se fez ouvir o nobre Ir∴Vicente da Fontoura, que
modificadoras, uma guerra: a Guerra dos Farrapos. sugeriu o máximo cuidado, pois, certamente, o Presidente Braga seria
Eisntein já dizia que é mais fácil quebrar o átomo do avisado do movimento. O Tronco de Beneficência fez a sua circulação e
que um paradigma. E, aqui entre nós, esse é o mais puro rendeu a medalha cunhada de 421$000, contados pelo Ir∴Tes∴Pedro
exemplo disso: o Balaústre 67. Boticário. Por proposição do Ir∴José Mariano de Mattos, o Tronco de
Há uma década, esse fictício Balaústre circula no meio Beneficência foi destinado à compra de uma Carta da Alforria de um escravo
maçônico. Rostirola, afirma, assim como a Revista Arte Real, que de meia idade, no valor de 350$000, proposta aceita por unanimidade. Foi
não quer, com isso, menosprezar a atuação maçônica naquele realizada poderosa Cadeia de União, em que, pela justiça e grandeza da
episódio importantíssimo da história do Brasil e, muito menos, causa, pois, em nome do povo Riograndense, lutariam pela Liberdade,
desestimular os Irmãos que tomam as linhas, contidas naquela Igualdade e Humanidade, pediam a força e a proteção do G∴A∴D∴U∴
Ata, como guia de sua atuação. Sua intenção, como amante da para todos os IIr∴e seus companheiros que iriam participar das contendas.
verdade, é, apenas, colocar à luz da razão esse assunto. Já eram altas horas da madrugada quando os trabalhos foram encerrados,
Nosso Irmão Rostirola, afirma, ainda: “Devemos, pois, afirmando o Ven∴Mestre que todos deveriam confiar nas LL∴do G∴A∴
saber que, também, de uma lenda, de uma estória, poderemos extrair D∴U∴. Como ninguém mais quisesse fazer uso da palavra, eu, Domingos
virtuosos ensinamentos para as nossas vidas“. José de Almeida, Secretário, tracei o presente Balaústre, a fim de que a
Parabenizamos nossos Irmãos do passado e miramo-nos história, através dos tempos, possa registrar que um grupo de maçons,
em seus exemplos de luta, determinação e restauração dos direitos homens livres e de bons costumes, empenhou-se com o risco da própria vida,
e da justiça sociais, tão menosprezados por nossos políticos. em restabelecer o reconhecimento dos direitos dessa abençoada terra, berço de
Aproveitamos a oportunidade, em que o país submerge grandes homens, localizada no extremo Sul de nossa querida Pátria. Oriente
em espessa camada de lama, fazendo eco ao chamamento dos de Porto Alegre, aos dezoito dias do mês de setembro de 1835 da E∴V∴,
Irmãos da Maçonaria Gaúcha, para o protesto contra a corrupção 18º dia do sexto mês, Tirsi, da V∴L∴ do ano de 5835. Ir∴Domingos José
e o descaso de nossos políticos, intitulado “Essa é a Hora – Faça a
de Almeida – Secretário”. ?
Sua Parte!”, convocando a população a criar uma corrente de ação
nacional, a fim de que, no dia 07 de setembro vindouro, às 17h, a b
una-se em uma Paralisação Nacional. Não fiquemos às margens
como espectadores, e, sim, engajemo-nos nesse protesto contra a
total desmoralização política em que se amortalha nosso Brasil.
Miremos o belo exemplo de nossos Irmãos Farroupilhas e
mostremos nossa indignação! www.estaeahora.cjb.net
Despertai, povo brasileiro! Despertai, Maçonaria!
Despertai Farroupilhas! Res Non Verba!
Para aqueles que não tiveram a oportunidade de
conhecer o fictício e poético Balaústre 67, transcrevemo-lo
abaixo, na íntegra, e solicitamos que, antes de repassá-lo aos
Irmãos, informem que se trata, apenas, de uma bela Peça de
Por Seus Bons Frutos
Autor desconhecido

E
comum, no meio maçônico, dizer que livre é nosso poder para avaliar os valores".
determinada pessoa, sempre, fora Maçom, mesmo Ser de bons costumes equivale a dizer que é um
antes de ter-se iniciado. Isto porque tal indivíduo é homem íntegro, que tem sua conduta pautada em sólidos
detentor de qualidades e virtudes características de um princípios éticos e morais, que é um cidadão exemplar,
verdadeiro Maçom. Mas quais são essas marcas que levam cumpridor de seus deveres, reto em seus compromissos,
alguém a ser considerado um Maçom nato? Como se pode honesto em seus negócios, um bom pai de família,
afirmar tal coisa sem risco de se enganar? respeitador e correto em todos os sentidos.
O Livro Sagrado nos dá o caminho. Nele está Na continuidade do processo de iniciação é
escrito: "conhece-se a árvore pelos frutos que produz. É perguntado se o neófito se encontra preparado para
impossível que uma boa árvore produza maus frutos, ingressar na Sublime Ordem. Eis a resposta: "Sim, pois seu
assim como é impossível a árvore ruim produzir bons coração é sensível ao bem". Temos aí a segunda marca de
frutos". Assim é o homem: se dele advêm boas coisas, um legítimo Obreiro da Humanidade: possuir um coração
atitudes corretas, gestos edificantes, sensível ao bem.
ele é como uma boa árvore, que O coração de um Maçom não
produz bons frutos. Se for o aceita as injustiças e não compactua
contrário, se seu caráter for falho, com o erro e a maldade. E mais do que
por mais que tente mascarar sua isso, ele se inquieta, se revolta e luta
personalidade, não conseguirá: é contra todo tipo de injustiça e opressão.
uma árvore ruim, que produz frutos Ao longo de toda a história da
ruins. O poeta e filósofo Emerson humanidade, a Maçonaria tem-se
disse: "o que a pessoa é na realidade empenhado em duras batalhas contra a
paira sobre sua cabeça, e brada tão tirania, o despotismo e o
alto, que é impossível ouvir sua voz obscurantismo, sofrendo, com isso,
dizendo o contrário, numa vã consequências dolorosas, perseguições
tentativa de ludibriar os outros". implacáveis, que resultaram no flagelo e
Quando o neófito se na morte de vários Irmãos. Ela, porém,
encontra à porta do Templo e é jamais se curvou, jamais abriu mão de
anunciado, como um candidato a seus nobres ideais, nunca se omitiu em
conhecer os Augustos Mistérios Maçônicos, é perguntado sua missão altruística, em sua luta inglória em favor da
como pode ele conceber tal propósito. A resposta dada Liberdade, da Igualdade, e da Fraternidade.
constitui-se na primeira característica necessária a um Igualmente, hoje, quando o futuro da raça humana
Maçom nato: "Porque ele é livre e de bons costumes". aponta para rumos incertos, a influência benéfica e
O homem livre é aquele capaz de oferecer-se como restauradora da Maçonaria se faz necessária. Num momento
causa interna de seus sentimentos, atitudes e ações, por em que nossa pátria, no olho de uma crise mundial, passa
não estar submetido a poderes externos que o forcem e o por momentos difíceis devido ao estado fragilizado de sua
constranjam a sentir, a fazer e a querer o que quer que seja. economia, o que leva muitos a passarem apertos financeiros,
A liberdade não é tanto o poder para escolher entre várias está em voga a prática do “salve-se quem puder” e do “cada
possibilidades, mas o poder para autodeterminar-se, um por si”. Muitos são os adeptos da famigerada Lei de
dando a si mesmo regras de condutas. Portanto, somente, Gerson, onde o importante é levar vantagem em tudo.
é de fato livre aquele que é senhor de si mesmo. O Quando testemunhamos a importância e a natureza sagrada
verdadeiro Maçom sabe respeitar a liberdade alheia, da família sendo relegada a segundo plano por motivos
conhece os limites entre o certo e o errado e não se rende fúteis, quando vemos as drogas, a violência e todo tipo de
às paixões ignóbeis. Ele tem consciência de que, como criminalidade assolando a sociedade, nós, Pedreiros Livres,
afirmou o filósofo Nietszche: "A ação mais alta da vida não podemos omitir-nos.
Batalhas, embora não sangrentas como as da prol da construção de um mundo melhor.
Antiguidade, mas igualmente árduas, esperam por nossa O verdadeiro Maçom sabe que não há melhor
ação. Não mais a espada, mas nossa determinação, nosso argumento que sua própria vivência . Ele se impõe no seu
exemplo, nossos propósitos de aperfeiçoamento são ambiente, influenciando-o positivamente, não de forma
nossas armas. arrogante ou arbitrária, mas por sua conduta exemplar e
O juramento sagrado, proferido pelo Maçom com inquestionável. Ele é enérgico, porém bondoso. Firme,
a mão direita sobre o Livro da Lei (Bíblia Sagrada), é um porém humilde. Sua bondade e humildade residem no fato
compromisso assumido com Deus, com os Irmãos, mas, de saber que, a despeito de, num dado momento de sua vida
sobretudo, consigo mesmo, compromisso esse de, através maçônica, ser simbolicamente denominado mestre, na
do autoaperfeiçoamento, contribuir significativamente prática, será, sempre, aprendiz. Aprende-se a todo instante e
para o aprimoramento de toda a humanidade. de todas as formas. O Maçom é o pedreiro de si mesmo, e,
Se ali se encontra um incauto, um dissimilado, por mais que a obra esteja adiantada, sempre, faltará um
que, equivocadamente, foi levado ao processo de iniciação, retoque, pequeno que seja. E, depois, outro, e mais outro,
lamentavelmente, tal pessoa não passará de uma grande assim, infinitamente. Por mais que se saiba, por mais
decepção. Com certeza, as exigências das práticas evoluído que seja, sempre, restará algo a aprender, novas
maçônicas, pesadas ao fraco de caráter, encarregar-se-ão, lições a assimilar. Na escola da vida, não há formandos, ou
com o tempo, de excluí-lo da Maçonaria. formados, apenas, eternos alunos em busca do
Mas, se, ao contrário, o ser, postado diante do aperfeiçoamento.
Altar dos Juramentos, for da estirpe dos grandes homens, Fixemo-nos, pois, nas principais características, que
se trouxer consigo as marcas indeléveis, que caracterizam distinguem o verdadeiro Maçom, e não nos desvirtuemos de
os verdadeiros maçons, estará o mundo ganhando um nosso objetivo maior. Mantenhamo-nos livres e firmes na
lutador valioso, um guerreiro do Bem e da Justiça. prática dos bons costumes, e que, com o auxilio do "Grande
Quisera todos os homens livres e de bons Arquiteto do Universo", nossos corações sejam cada vez mais
costumes do planeta tivessem a mesma oportunidade, sensíveis ao bem.
para que, no ambiente propício de uma oficina maçônica, E lembremo-nos sempre: "o que para o profano é um
recebendo a inspiração da Filosofia ali difundida, gesto meritório, para o Maçom é um dever sagrado". ?
pudessem direcionar seus esforços de forma efetiva em
a b

Coluna do Norte – Ah Que Saudades Me Dá!


Antônio do Carmo Ferreira*

A
cho que o meu saudosismo não é somente meu. É É possível que não
de todos os que ingressaram na Ordem e, já no tenhamos amealhado o saber.
meio da caminhada, depararam-se com alguma Por culpa de ninguém. Pois
dificuldade para entender ou explicar certas passagens do houve o esforço dos mestres.
saber maçônico. É que, ali, tivemos as melhores A abnegação mesmo! O
oportunidades de aprender bem e muito, mas, augusto e respeitável recinto
infelizmente, nossa pequena porosidade de então impediu escolar. Os melhores colegas
que o absorvêssemos. Fraquezas da humana condição! de turma. E nosso desejo de
Também, não vamos chorar por isso. Éramos aprender. Talvez, a
tenros infantes na platéia. A cada sessão, um cortinado se curiosidade é que tenha
abria, e, no palco, atores maravilhosos levavam a efeito inibido a realidade. Mas, não
cenas magníficas. Deslumbrados, ficávamos encantados, podemos negar, aprendemos
com o que víamos, tão encantados que nem abríamos algo que ficará para toda a
espaço para aquilo que ouvíamos. Talvez, por isso, não vida, aprendemos o caminho
aprendíamos tanto, embora muito fosse ensinado. Perdão, da escola. E isso salva tudo.
grandes mestres! O crédito, num mundo em que se O peregrino, por bondade dos mestres, andou
pesquisa a verdade, não lhes pode ser negado. léguas. Muitas vezes, até capengando, torto, pondo a mão
nos ombros dos colegas, mas indo em frente, chegando a
novos teatros e, mais uma vez, maravilhado, boquiaberto,
segurando o queixo com a mão, emocionado, lá está na
platéia, assistindo a encenações encantadoras dos
ensinamentos da Ordem.
Agora, nas dificuldades, não tergiversar. Não chorar
o leite derramado. Não ter vergonha de não saber dar
resposta ao que for perguntado por alguém que se inicia.
Nem por isso se sentir diminuído. Não, mano velho! Todo
tempo é tempo de aprender, especialmente, quando se
pesquisa a verdade, coisas cristalinas, que enriquecem o
espírito e dão a grandeza humana aos humanos!
A coluna do norte continua lá, no setentrião. sempre fomos, e dando-lhe novos moldes de faces polidas.
Banquinhos duros, na fila de trás, mas continua lá. Pensando em vir a ser um sermão sem palavras, na
Aguardando a gente para a reciclagem. E isso é muito comunidade, influindo na melhoria dos costumes, pelo
bom. Reparem bem! Volta-se lá, não mais para aprender exemplo. Pensando em como tornar feliz a humanidade.
tudo, mas para tirar dúvidas. Cuidar de aprender somente Sim, em tudo isso nós pensamos, lá na coluna do norte ...
um pouquinho do todo. Um segmento da linha total. Aí o Bom e suave é que se acendam, à nossa frente, os
aproveitamento vai ser completo, uma beleza. O mestre da lampiões que indicam os caminhos de retorno, sempre, ao
Galiléia nos deixou ensinado que “é próprio do viver o setentrião. Não importa que, no local, haja pouca iluminação.
nascer de novo”, muitas vezes. Que os bancos escolares sejam sem almofadas. Importa que,
Talvez, nem seja mesmo para cumprir a sentença ali, haja a permanente busca pelo saber. Haja, ali, a
de “sermos eternos aprendizes” que voltamos lá. Pode não semeadura dos ideais e o embalo dos sonhos, com que os
ser por isso. Voltar à coluna do norte é um reencontro com construtores sociais ornamentarão, da Ordem, os amanhãs!
a juventude maçônica. Um reencontro com os ideais, com Ó Coluna do Norte, quando “sei que nada sei”, ah de
os nossos sonhos. Quantos sonhos maravilhosos tivemos ti, quanta saudade me dá! ?
lá! Os mestres instruindo, e a gente na missa ... Presente e * A autor é o atual Grão-Mestre do GOIPE e Presidente da ABIM –
ausente. Divagando... Pensando agarrar aquele cinzel e Associação Brasileira de Impressa Maçônica.
desferir-lhe o malho, desbastando a pedra bruta, que a b

Sul de Minas Ganha Mais Uma Loja de Perfeição!


Francisco Feitosa

A
14ª Inspetoria Litúrgica de Minas Gerais, jurisdicionada ao
Supremo Conselho do Grau 33º do R∴E∴A∴A∴ da Maçonaria
para a República Federativa do Brasil, da qual tenho a subida
honra de ser o Grande Inspetor Litúrgico, após fundar, em maio passado,
o Conselho de Cavaleiros Kadosch, que tem como patrono nosso saudoso
Ir∴ João Alexandre Rangel de Carvalho – justíssima homenagem a quem
muito trabalhou pelos Graus Filosóficos no Brasil e bem os representou
no exterior, além de ser, também, um nome muito respeitado na Ordem
DeMolay e na Ordem Internacional das Filhas de Jô - funda no Oriente de
Cambuquira, Sul de Minas Gerais, a Excelsa Loja de Perfeição Energia
Cósmica.
Esse Alto Corpo irá proporcionar aos Irmãos da região a
oportunidade de dar continuidade aos excelsos estudos do Rito Escocês,
sem ter que se deslocar cerca de 80 km, distância da Loja de Perfeição
jurisdicionada, mais próxima.
O evento teve a participação de vários Irmãos do Sul de Minas, além de uma Caravana, composta por 15 Irmãos,
vinda de São João Del Rei - MG, presidida pelo Pod∴ Ir∴ Antônio Guilherme de Paiva, 33º, Delegado da 7ª Inspetoria
Litúrgica de Minas Gerais.
Além da Fundação da Loja, a programação englobou a Posse do T∴V∴P∴M∴, Irmão Arnaldo Afonso Monteiro -
21º; a Cerimônia de Sagração do Templo e a Iniciação no Grau 4 – Mestre Secreto.
Parabenizamos a região do Sul de Minas por acolher mais um Corpo Filosófico, fundado para a ascensão
maçônico-cultural dos Irmãos. ?
a b
Projeto Saber Santo
Francisco Feitosa

A
Revista Arte Real vem, ao longo de sua breve
existência, tendo a grata satisfação de conhecer
inúmeros Irmãos, Maçons na acepção da palavra,
que dispensam, voluntariosamente, parte de seu valioso
tempo e, muitas vezes, até, subsidiam com seu próprio
salário, o desenvolvimento de projetos, campanhas e
diversos movimentos, em prol dos mais desafortunados. anos, de ambos os sexos, o Projeto Saber Santo deseja
Cada Movimento de ação social de que tomamos desenvolver programas específicos, que tratem a cultura e a
conhecimento, e com que, em parte, envolvemo-nos, arte afro-brasileira como ferramentas de desenvolvimento do
trazidos, por esses abnegados e nobres Irmãos, faz-nos SABER, visando ao incremento de produções artísticas e ao
perceber o quão nobre é servir ao próximo. fortalecimento de uma política inclusiva.
Nosso papel, como veículo de informação, dentre Busca livrar esses jovens dos riscos sociais, como as
outros, é divulgar essas nobres ações para que sirvam de drogas. Em sua admissão, é lhe exigido que estejam
exemplo, conscientizando e contaminando o coração de matriculados e frequentem a escola, sendo o
nossos leitores, com o vírus do Amor Fraternal e da desenvolvimento escolar, devidamente, acompanhado pelo
Solidariedade Humana. Projeto. Suas famílias recebem orientações através de visitas
Não importa o segmento religioso ao qual o Irmão de coordenadores. Paralelo a isso, os jovens, inseridos nas
está ligado, a camada social em que está inserido, a oficinas, têm orientação sobre cidadania, educação para o
Obediência de que participa. Se sua causa é nobre, se seu trânsito, preservação do meio ambiente, tradição dos Orixás,
trabalho é altruístico, estaremos apoiando. Esse é o nosso relações interpessoais, trabalho em grupo, liderança,
dever como veículo de informação, comprometido em solidariedade, regras de convivência, drogas,
transformar o mundo em um lugar mais digno para as empreendimento e outros.
futuras gerações. Alguns Irmãos da cidade, através de suas empresas,
Dentre esses nobres Irmãos, apresentamos ajudam, em parte, o Projeto, sendo boa parte dos custos
Lenilson Batista Ribeiro, pertencente à A∴R∴L∴S∴ subsidiados pelo nosso Irmão Lenilson.
Colunas do Rio Imbassaí, Oriente de Dias D’Ávila, BA, Caso deseje conhecer o altruístico trabalho do nosso
GLEB, que desenvolve o Projeto Saber Santo, com o Irmão, acesse o site www.ominike.net, ou faça contato
objetivo de possibilitar a inserção dos jovens da através do e-mail lenilson.ribeiro@globo.com e telefones
comunidade no mercado de trabalho, resgatando sua (71) 3625-2026 e 3625-8749.
dignidade, através de uma formação, que respeita a O Projeto Saber Santo é mais um belo exemplo de
nobreza humana e as diversidades étnico-socio-culturais e amor ao próximo e uma demonstração prática de “como
sociais, para levá-los a atuarem como agentes fazer feliz a humanidade”, quando queremos, de fato, ter um
transformadores da realidade em que vivem. mundo melhor! ?
Direcionado aos jovens na faixa etária de 12 a 22
a b

Professor Henrique José de Souza


Francisco Feitosa

N
esta edição, presenteamos nossos leitores com a Vida e a Obra de Henrique
José de Souza. Nascido em Salvador, Bahia, o Professor Henrique ou JHS, como
ficou conhecido, foi um dos maiores Mestres de Sabedoria que já se manifestou
no plano terreno. Nasceu e deixou a face da Terra no mês de setembro (15 de setembro
de 1883 – 09 de setembro de 1963), e sua trajetória durou 80 anos, de intenso e hercúleo
trabalho em prol da evolução da mônada humana.
Sua excelsa Missão foi a de Manu, o Condutor de um povo. Esse termo, para o
povo hebreu (Man-hu), refere-se ao “maná caído do céu”, ou seja, o precioso fruto da
Sabedoria provindo do céu, ou a Sabedoria dos Deuses, assim como Moisés a oferecia.
Manu é o portador do Verbo Solar, o próprio Logos manifestado na Terra, o Guia, o que
conduz um povo “eleito”, as mônadas humanas, que, através de inúmeras encarnações,
alcançaram um estágio evolucional condizente aos valores do novo ciclo, nesse caso, a
Era de Aquarius.
É Ele o "vaqueiro", pastor, condutor, guia, Messias, EUA o poder material do mundo, e ao Brasil, o poder espiritual.
Miska, Muíska, Moíse, Moisés, Hermés ou mesmo Henos HPB encontrou enormes dificuldades para disseminar seus
ou Hennock, Enick, EI Rike ou, simplesmente, Rishi. De ensinamentos, a Teosofia, baseados nos fundamentos das Leis da
tudo isso vem o termo de "pastor" usado pelos Reencarnação e do Carma, para um povo, quase em sua
"protestantes" e pela Igreja romana, que dele se serve para totalidade, cristão protestante e radicado no materialismo
qualificar o próprio Papa. consumista, longe dos valores espirituais. Com isso, sua Missão
Por isso, em outras paragens ou “pastagens”, não pôde ser concluída, retornando para a Índia.
segue, pacífico e Além do materialismo
espiritualmente guiado desvairado, o povo
pelo "Bom Pastor", o americano, ao longo de sua
prodigioso "rebanho" ou história, construiu seu
"povo eleito", em busca da Império à guisa da exploração
"Nova Canaã", da Terra da de países pobres e
Promissão, que outra não é subdesenvolvidos, da
senão o Brasil. indústria da guerra, além de
A existência de tais se empenhar em explosões
Seres é totalmente nucleares, totalmente
desconhecida da própria contrário aos ditames da Lei
história. Daí, a expressão Justa e Perfeita, a qual
bíblica: "Ele já veio e vós resolveu tirar os EUA de seus
não o reconhecestes", frase planos, o que virá ocasionar,
essa, que se aplica a todo o tempo, e não, apenas, a mais cedo ou mais tarde, a total queda do Império
determinado período da história humana. Americano, filme, a cujas cenas já estamos assistindo.
Teve como digníssima esposa e fiel companheira Assim, coube ao Professor Henrique José de Souza,
de Missão a Venerável Helena Jefferson de Souza (1906- além de seu já grandioso trabalho, acumular, também, o que
2000) que, mesmo depois de sua morte (dele), deu cabia a HPB, porém desenvolvê-lo em terras brasileiras,
continuidade ao seu (dele) excelso trabalho. como a preparação para o Advento do Avatara da Era de
É comum ouvirmos dizer que a Luz vem do Aquarius.
Oriente, em alusão ao Sol e aos excelsos ensinamentos, A profecia do 31º e último Buda-vivo, S.S.
trazidos pelos Mestres de Sabedoria, porém chegamos a Djebtsungu Damba Hutuktu Bogdo Ghen-Ghen, pontífice de
um especial momento da história da evolução humana, Ta Kure, se cumpriu. Recuperado, inexplicavelmente, de sua
cumprindo o de que há milhares de anos, já se tem visão física, perdida há muitos anos, apontou para o Ociente
conhecimento, através de Antigas Escrituras, como os e apresentou a seus discípulos seus sucessores, Henrique e
Vedas e Upanishads: o surgimento de um Excelso Ser de Helena, proferindo as seguintes palavras:
altíssima hierarquia espiritual, com o potencial de 100% “Eis meus sucessores, a quem passo meu madeiro. Sobre
da consciência da Divindade, que se manifestará no ambos paira o Cavaleiro das Idades, montado em seu cavalo branco.
Ocidente, conhecido no Oriente por Maitreia Budha e, no Mais acima, está a majestosa efígie daquele que virá como
ocidente, por Cristo Universal. Chenrazi, o espírito misericordioso da Montanha, cujo nome é
Para que tão extraordinário Advento possa tomar Maitreia-Buda, ou o Cristo Universal”.
efeito na face da Terra, Em 28 de setembro de
encerrando o Ciclo de 1921, na Montanha Sagrada,
Piscis, aberto com a em São Lourenço-MG,
manifestação de Jeoshua conforme a profecia, o excelso
Ben Pandira, o Jesus bíblico, casal cumpriu seu juramento,
e iniciando a tão esperada assumindo a Missão da Obra
Era de Aquarius, um dos Deuses na face da Terra.
elaborado trabalho precisou Para o
ser feito, como preparação desenvolvimento de seu
do Itinerário da Mônada do trabalho, fundou uma
Oriente para Ocidente. instituição espiritualista, em
Surge, então, o que ficou 10 de agosto de 1924, com o
conhecido no meio ocultista nome de Dhâranâ Sociedade
por Missão dos Sete Raios Mental Espiritualista. Em
de Luz ou Missão “Y”, ou homenagem a HPB, no
seja, uma haste, direcionada aniversário de sua morte, dia
para América do Norte 08 de maio de 1928, conhecido
(lunar), e outra, para o Brasil (solar). como o Dia do Loto Branco, trocou seu nome para Sociedade
Coube a Helena Petrovna Blavatsky o desenvolvimento Teosófica Brasileira; posteriormente, em 1969, já depois de
dos valores da 6ª Sub-Raça Ariana, nos EUA, e a Henrique José sua passagem do plano terreno, essa mesma instituição
de Souza os da 7ª Sub-Raça Ariana, no Brasil. Dentro dos planos passou a chamar-se Sociedade Brasileira de Eubiose, nome
da Grande Fraternidade Branca, como polaridade, cabia aos que se mantém até os dias de hoje.
Como Dhâranâ, era a Quinta Rama das Confrarias Aprofundou-se nos estudos de filosofias, religiões e
Budistas do Norte da Índia e do Tibete e trazia, para a línguas antigas comparadas, de sorte que, em 1916, vamos
América do Sul, função importantíssima, conhecida por encontrá-lo radicado no Rio de Janeiro, ocupado com o
Missão dos Sete Raios de Luz, assim chamada, por ser jornalismo e palestras públicas na sua especialidade e à testa
dirigida pela Grande Hierarquia Oculta, através dos Sete de Samyama, uma Escola de filosofia oriental.
Mestres do Mundo, com repercussão em sete países do Desenvolveu, também, temas ligados à iluminação, à
mundo, dentre eles, Índia, Egito, Rússia, Brasil, etc. Tinha, evolução da consciência e aos ciclos naturais do planeta e da
em Dhâranâ, seu sustentáculo para a América Latina, com humanidade. Sua Obra, ainda hoje, é tema de estudos no
base no Brasil. Subordinada à Fraternidade Branca do campo da antropologia, religiosidade e misticismo, e seu
Himalaia, teve a missão de preparar o terreno, onde os legado é seguido por diversas instituições derivadas, além de
valores da sexta e sétima sub-raças da Raça Ariana estão lojas maçônicas e outros grupos não-formalizados.
sendo implantados. Transcrevemos suas palavras em alusão à Maçonaria:
Já como Sociedade Teosófica Brasileira, estabeleceu “Os grandes Seres que dirigem o destino da humanidade,
diversas Lojas por todo o Brasil. Seu trabalho foi principalmente, Aquele que se acha à frente da grande Obra da
conhecido e exaltado em diversos veículos de América Latina, servem-se de todos os grandes centros de
comunicação. Criou, em 1925, a Revista Dhâranâ, órgão atividades espiritualistas. A Maçonaria será, talvez, a que maiores
oficial de divulgação da Instituição, que circula até os dias serviços prestará à causa que nos empolga, porém já está
de hoje, onde publicou centenas de artigos de cunho entendido, passando pela grande reforma de que se vem ressentindo
transcendente. Escreveu 4 livros, e, através de programas há tempo. Mister se faz que o “Ramo da Acácia” de todos os
de rádio, seus excelsos ensinamentos foram largamente tempos não venha a secar sobre o túmulo glorioso dos seus
difundidos. Deixou cerca de 8 mil páginas escritas, antepassados!
reservadas aos Irmãos Maiores da Instituição, com Os tempos são chegados, e Hiram vai ressuscitar dentro de
Revelações sobre o passado, o presente e o futuro da cada um daqueles que quiserem imitar o eterno gesto do Supremo
humanidade. Arquiteto: construir, edificar cousas belas e perfeitas para a Grande
Mesmo não tendo pertencido à Maçonaria, foi Obra da humanidade. Maçons e Teósofos, uni-vos! Uni-vos na
reconhecido como Patrono de diversas lojas maçônicas e verdadeira fraternidade, para construirmos um Brasil digno de ser
instituições de cunho cultural-espiritualista, além de ter o Berço da Nova Civilização, a nação portadora da espiritualidade
realizado diversos estudos acerca da espiritualidade e da para a Nova Era!”
identidade cultural brasileira. Precursor do movimento Visite o site da Sociedade Brasileira de Eubiose e saiba mais
eubiótico, manteve, ainda, ao longo de sua vida, relações sobre a Vida e a Obra do Mestre JHS: www.eubiose.org.br ?
com o Budismo e a Teosofia.
a b

As Cruzadas – Parte III


“200 anos de guerras, roubos e crimes em nome de Deus.”
Francisco Feitosa
O Massacre de Jerusalém

O
filme se repete, mas em maiores dimensões, entre 14 mulheres ou crianças, sem distinção. O massacre continuou por
e 15 de julho de 1099, com a conquista de Jerusalém. toda a tarde e toda a noite." (Runciman, 1996, p. 247.) Nem um
Os únicos muçulmanos a se salvarem foram o emir grupo de muçulmanos, protegido pelos homens de Tancredo e
Iftikhar e seus homens, pois foram escoltados por Raimundo de reunido em uma mesquita encimada por seu estandarte, se salvou.
Toulouse para fora da cidade, em troca de uma polpuda soma Quando Raimundo de Aguiler, naquela manhã, visitou a
em dinheiro. Todos os outros foram trucidados. área do templo, precisou abrir caminho entre os cadáveres e o sangue
"Os cruzados, enlouquecidos com uma vitória tão que chegavam a seus joelhos. Nem os judeus de Jerusalém, acusados
exultante [...] se lançaram sobre ruas, casas e mesquitas, de terem ajudado os muçulmanos, foram poupados. A sinagoga, em
matando todos aqueles que encontravam, fossem homens, que se haviam refugiado, foi incendiada, e todos morreram.
"O massacre de Jerusalém impressionou muito perdas foram estimadas em quatro quintos de todo o
todo o mundo. Ninguém pode dizer quantas foram as exército. Grandes quantidades de objetos de valor e de armas
vítimas, mas a cidade foi esvaziada de seus habitantes caíram nas mãos dos turcos, e os haréns e mercados de
muçulmanos e judeus. Muitos cristãos, também, ficaram escravos do Oriente se encheram de moças e crianças,
horrorizados [...] e, para os muçulmanos [...] dali em capturado naquele dia." (Runciman, 1996, p. 302.)
diante, nasceu a certeza de que os ocidentais deveriam ser Os Reinos Cruzados
expulsos. Aquela sangrenta demonstração de fanatismo As décadas seguintes veriam a ampliação dos
cristão reacendeu o fanatismo islâmico. Quando, em domínios cruzados com a conquista de importantes cidades
seguida, os latinos mais sábios do Oriente se esforçaram costeiras, como Beirute e Trípoli. Nesta última, os cruzados
para encontrar uma base qualquer para a colaboração italianos deram início a um massacre generalizado, antes que
entre cristãos e muçulmanos, a lembrança do massacre o soberano de Jerusalém conseguisse freá-los. Nas terras
sempre se colocou no caminho." (Runciman, 1996, p. 248.) conquistadas, os cruzados criaram estados; o mais
Mais de sessenta mil pessoas foram mortas. importante era o Reino de Jerusalém, no modelo dos feudos
Com o massacre de Jerusalém, encerra-se a europeus. Os estados eram independentes entre si (aliás, não
Primeira Cruzada, que tirou a vida de mais de um milhão faltaram batalhas entre os soberanos cruzados, com tropas
de pessoas. mistas turco-cristãs) e não reconheciam a jurisdição do
A notícia da tomada de Jerusalém devolveu o Império de Constantinopla. Os súditos dos reinos cruzados
ânimo a muitos cavaleiros aventureiros que andavam em tinham obrigações pesadas: os servos da gleba, árabes e
busca de fortuna. sírios, tinham que pagar ao proprietário de suas terras um
Em 1100, partiu para a Terra Santa uma expedição imposto de quase 50% da colheita. Os camponeses livres
de nobres lombardos, eclesiásticos e famílias inteiras de eram submetidos com o uso da força.
camponeses famintos. Essa Nas cidades costeiras, o
nova Cruzada era tragicamente comércio estava nas mãos dos
parecida com a de Pedro, o genoveses, venezianos e
Eremita. E acabou em um marselheses, que haviam obtido o
desastre semelhante. Como privilégio de poder constituir suas
seus antecessores, estes colônias. Os cruzados não levaram
cruzados criaram vários nenhum elemento novo à vida
problemas de ordem pública econômica dos países
em Constantinopla. conquistados, simplesmente,
Assim que chegaram à porque, na época, as forças
Terra Santa, em vez de cumprir produtivas e a riqueza cultural do
sua missão (restabelecer os Oriente eram muito superiores às
meios de comunicação entre o ocidentais.
Império Bizantino e a Síria), os Eles, na maioria das vezes,
lombardos quiseram seguir a comportaram-se como ladrões e
própria cabeça e entraram na opressores, o que explica a
Anatólia, no meio do território constante hostilidade das
turco, levando consigo, também, os estandartes de populações locais, no que concerne à religião, os
cruzados alemães e franceses. conquistadores tentaram substituir o clero bizantino e o
No primeiro grande ataque dos turcos, os árabe por seus prelados e ritos, de início, até mesmo com o
cavaleiros lombardos fugiram tomados de pânico, uso da violência. Por exemplo, no dia seguinte ao da
abandonando a infantaria. Coube, então, aos franceses conquista de Jerusalém, foi nomeado um novo arcebispo
conter o ataque e reagrupar a expedição. latino, o intolerante e corrupto Arnolfo. Uma de suas
Não satisfeitos, os lombardos insistiram em primeiras medidas foi torturar os sacerdotes ortodoxos, que
continuar a marcha em território hostil, em vez de buscar escondiam o pedaço maior da Vera Cruz (a relíquia mais
a salvação na região costeira. E, como lá estavam, sagrada da cidade), para que a entregassem. Como os
saquearam, também, um povoado cristão. sacerdotes relutaram, mandou torturá-los.
Próximo à cidade de Mersivan, houve uma batalha Para defender os locais sagrados e proteger os
campal entre os turcos e os cruzados, na qual os últimos peregrinos, foram criadas as Ordens Cavaleirescas (a dos
levaram a pior. "Os lombardos perderam as cabeças bem Templários, de origem francesa; a dos Teutônicos, de origem
rápido e, com seu comandante, o conde de Biandrate, à alemã; e a dos Joanitas, ou Hospitalários, mais conhecidos
frente, fugiram abandonando suas mulheres e os padres." como Cavaleiros de Malta). Eram Ordens Religiosas armadas
(Runciman, 1996, p. 302.) cujos membros, além dos votos religiosos de castidade,
A retirada provocou a queda, também, dos pobreza e obediência, também, juravam defender os lugares
mercenários turcos. Assim, os cruzados franceses e sagrados contra os infiéis e dependiam diretamente do papa.
alemães, desguarnecidos, tiveram que capitular. No final, Depois, as Ordens receberam, igualmente, a incumbência de
apenas, os homens a cavalo conseguiram escapar. A conquistar novos territórios e realizar a cristianização
infantaria foi massacrada, junto com civis e mulheres forçada das populações nativas. ?
idosas. "Os lombardos, cuja obstinação fora a causa do
a b
desastre, foram aniquilados, com exceção dos líderes. As
Sobre Medos e Atitudes
Luiz Sérgio M Salgueiro

Q
uisera eu não ter medo, ou melhor, não ter medos. pelas pessoas. Romper com o cotidiano, com o que é natural,
Acho que todos temos os nossos. Explicá-los (já com a mesmice, observar e criticar as primeiras impressões
tentei) não consegui. Dominá-los, sim, é uma sobre as situações vividas. Este deve ser o primeiro e corajoso
prática saudável que tenho procurado desenvolver. A passo para viver um novo contexto.
Maçonaria e os seus ensinamentos constantes têm me Ao observar o mundo ao nosso redor, o cotidiano das
proporcionado bons momentos de reflexão e de grande pessoas, verificamos decisões impetuosas, violentas,
aprendizado sobre o assunto. Particularmente, depois que tomadas sem pensar por alguns indivíduos, particularmente,
decidi fazer os Graus Filosóficos, percebo que essas quando dominados pelo ódio. As consequentes situações,
oportunidades têm aumentado. daí advindas, nos levam a refletir novamente sobre as
Começo este artigo com essa confissão, já que, reações instintivas, puramente sentimentais, sobre as
durante a minha vida maçônica, muitas foram as situações retaliações, sobre esse sentimento mesquinho, a vingança. A
em que pude parar e pensar sobre os meus medos, sobre vingança é uma justiça selvagem que contraria os
as suas causas, ensinamentos e
sobretudo, pelo princípios da
meu Maçonaria. Não
comportamento tenho dúvida de que
diante de situações a violência cria a
difíceis. De desordem, e esta é o
qualquer forma, é alicerce do mal.
preciso considerar Algumas parábolas
que o difícil para tentam mostrar que o
uma pessoa pode mal, a ignorância, a
não ser para outra. inveja, a ganância,
Tudo é muito entre outras tantas
relativo. Mas.... isso fraquezas humanas,
não importa, o fato precisam ser
é que estou cada combatidas.
vez mais Combatidas sim, e
convencido de que os medos precisam ser dominados, não eliminadas. Não se pode ter a pretensão de acabar com
enfrentados e sempre superados. as mazelas da humanidade agindo, apenas, instintivamente.
Voltando aos bancos escolares, lembro, Qual é o sentimento que envolve e domina uma
perfeitamente, que na parábola “alegoria da caverna”, Platão, pessoa, a ponto de levá-la a cometer um crime, matando
o filósofo grego, nos mostra que a realidade precisa ser um ser humano, agindo instintivamente. Seria, apenas, o
constatada, criticada e, principalmente, enfrentada. O sábio ódio motivo suficiente para levar alguém a uma execução
pensador nos leva a concluir que, para sair de uma situação e fria, mesmo que seja um assassino? Como controlar os
viver um novo contexto, é preciso vencer o medo do sentimentos dentro de determinadas circunstâncias? Uma
desconhecido. Sair das limitações do “mundo dos sentidos”, pessoa pode tornar-se criminosa toda vez que a razão for
usar a razão, valer-se do “mundo das idéias”. Como dizem abandonada em situações críticas, toda vez que suas ações
os orientais, o “manas”, o corpo mental, deve prevalecer forem orientadas, apenas, pelos sentimentos. Nesses
sobre o “kama”, o corpo sentimental, para que tenhamos momentos, as decisões radicais, normalmente, têm
equilíbrio e paz necessários na busca da felicidade . Este é o terríveis consequências. Cabe-nos apelar para a Justiça, e
caminho, que nem sempre é entendido, aceito e utilizado não querer fazer justiça pelas próprias mãos.
No prosseguimento da nossa vida como Maçons, obstáculos, ultrapassando espinheiros, libertando a nossa
verificamos que, novamente, princípios de conduta são própria inteligência.
lembrados aos Irmãos. Constatamos que valores positivos Aprendemos que é preciso cultuar a verdade, ter
devem estar internalizados de forma a regular o uma conduta ilibada, baseada em princípios éticos,
comportamento de um homem. Os compromissos com destacando a importância de um comportamento pró-ativo e
missões sociais, particularmente, fora dos templos, devem compatível com as crenças e deveres de um Maçom, dentro e
ser um incentivo para uma vida consciente, buscando, fora dos templos. Exemplarmente, os mais antigos em nossa
sempre, a integridade moral. Ordem assumem a responsabilidade pedagógica pela
Em cerimônias ritualísticas, Sessões Brancas e condução dos trabalhos, fiéis aos ritos, contribuindo para
diversas oportunidades, percebemos os princípios de nossa mostrar os melhores caminhos e passando as melhores lições
Ordem, proporcionando uma reflexão continuada sobre a para os Irmãos aprendizes.
importância da “atitude”, das posições assumidas na busca da Volto ao início de minhas especulações e concluo que
verdade, principalmente, da maior verdade, aquela que se um dos medos, talvez, o maior deles, com certeza, é o de
encontra dentro de nós mesmos. Sobre a decisão corajosa que errar. Não consegui saber, ainda, qual é a sua origem ou por
deve ser tomada por todos os Irmãos em conhecer-se a si que razão ele me acompanha há algum tempo. Ao mesmo
mesmos. A determinação em buscar novos conhecimentos, tempo em que faço essa constatação, percebo que tenho
viver novas experiências, que possam estimular o pensamento aprendido a superá-lo. Não me mantenho omisso, faço as
e o talento de um homem, de forma a torná-lo uma pessoa minhas escolhas e procuro acertar. Ainda, assim, erro. Sou
melhor. humano, mas, hoje, entendo e convivo com essa situação.
Os preciosos momentos, vividos nos templos, nos Oriento e exercito a minha vontade, tentando dominar o meu
mostram a necessidade de aceitar as mudanças, de criar mundo emocional. Conforta-me saber que essa atitude
momentos de introspecção para encontrar respostas positiva tem sido muito eficaz; sei, também, que posso contar
dentro de cada um de nós. As sombras, que, com meus Irmãos da Maçonaria e com todos aqueles que
eventualmente, aparecem em meio ao caminho, posso chamar de amigos.
representam barreiras ao crescimento, são vendas que É ..... “seja bravo diante das suas fraquezas”.
impedem a luz de penetrar na consciência. Fica bem claro Grande ensinamento !
que é preciso ter atitude, “ser bravo”, particularmente, em Grande escola ! ?
relação às nossas fraquezas. Não se pode ter medo de
a b
buscar a origem de nossos medos, enfrentando os

Tudo Depende Só de Mim!


Charles Chaplin

H
oje levantei cedo pensando no que tenho a fazer antes que
o relógio marque meia-noite. É minha função escolher que
tipo de dia terei hoje. Posso reclamar porque está chovendo
ou agradecer às águas por lavarem a poluição. Posso ficar triste por
não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas
finanças, evitando o desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde
ou dar graças por estar vivo. Posso me queixar dos meus pais por não
terem me dado tudo o que eu queria.... ou posso ser grato por ter
nascido. Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter
trabalho. Posso sentir tédio com as tarefas da casa ou agradecer a
Deus por ter um teto para morar. Posso lamentar decepções com
amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas
amizades.

Se as coisas não saíram como planejei, posso ficar feliz por ter
hoje para recomeçar. O dia está na minha frente esperando para ser o
que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma.

"Tudo depende só de mim." ?


a b
a Livro b
Gostaria de sugerir a leitura do livro do meu querido Confrade, Escritor e Acadêmico Maçom, Robson
Rodrigues da Silva, intitulado “POMPAS FÚNEBRES”, lançado no mês de julho de 2009 pela Editora A Trolha.
Autor de vários livros, nosso Irmão Robson trata o tema, por sinal, muito pouco conhecido de muitos, com
profundidade e conhecimento. Trata-se de um estudo elucidativo merecedor de leitura reflexiva e de ilustrar o
acervo da mais nobre biblioteca. Recomendo com empenho! Façam contato com o autor:
robson_rodrigues@globo.com (21) 2604-7146 / 9834-9956.

a Livro e DVD b
Conheçam a mais nova Obra literária do escritor e acadêmico maçom Jorge Vicente: “Feito de Sal e Sol”. Trata-se de um
belo livro contendo 33 poemas, acompanhado de um DVD com a récita dos mesmos pelo próprio autor. De fato, um belíssimo
trabalho que vale a pena adquirir. Acessem o site http://www.feitodesalesol.com.br/ e confiram!
Nosso Irmão Jorge Vicente aspira ser entrevistado no Programa do Jô, e, para tanto, solicita aos nossos leitores clicarem no
link http://programadojo.globo.com/Programadojo/0,6993,1804,00.html e o indicarem. É muito rápido e simples. Desde já,
nosso Irmão agradece a solidariedade de todos! Contatos: jorgevicente1@yahoo.com.br jorgevicente2@gmail.com e (21) 8778-0042.?

a b

A
rte Real é uma Revista maçônica virtual, de publicação mensal, fundada em 24 de fevereiro de 2007, com registro
na ABIM – Associação Brasileira de Imprensa Maçônica – 005-JV, que se apresenta como mais um canal de
informação, integração e incentivo à cultura maçônica, sendo distribuída, diretamente, via Internet, para mais de
13.350 e-mails de Irmãos de todo o Brasil e, também, do exterior, além de uma vasta redistribuição em listas de discussões,
sites maçônicos e listas particulares de nossos leitores. Sentimo-nos muitíssimo honrados em poder contribuir, de forma muito
positiva, com a cultura maçônica, incentivando o estudo e a pesquisa no seio das Lojas e fazendo muitos Irmãos repensarem quanto
à importância do momento a que chamamos de “¼ de Hora de Estudos”. Obrigado por prestigiar esse altruístico trabalho.

Editor Responsável, Diagramação, Editoração Gráfica e Distribuição: Francisco Feitosa da Fonseca - M∴I∴ - 33º
Revisão Ortográfica: João Geraldo de Freitas Camanho - M∴I∴ − 33º
Colaboradores nesta edição:
Abtino Berlanda – Antônio do Carmo Ferreira – Charles Chaplin – Luiz Sérgio M Salgueiro
Empresas Patrocinadoras:
Arte Real Software – CH Dedetizadora – CONCIV - CFC Objetiva Auto Escola – Dirija Rent a Car - López y
López Advogados – - Olheiros.com – Santana Pneus – Sul Minas Lab. Fotográfico – Sysprodata – Turmalina
– Vivenda do Chela.
Contatos:
( (35) 3331-1288 / 8806-7175 E-mail - feitosa@entreirmaos.net Skype – francisco.feitosa.da.fonseca MSN – entre-irmaos@hotmail.com

As edições anteriores estão disponíveis para download em nosso Portal Entre Irmãos - http://www.entreirmaos.net ?
a b