You are on page 1of 29

Direito Constitucional

Prof. Susanna Schwantes

1. Constituição
Conceito: É um ramo do Direito Público apto a expor, interpretar e sistematizar os princípios e normas fundamentais do Estado. É a ciência positiva das constituições. Constituição é a norma fundamental de organização do Estado e de seu povo, que tem como objetivo primordial - estruturar e delimitar o poder político do Estado e garantir direitos fundamentais ao povo. O constitucionalismo originou-se da consolidação das Constituições Norte-Americana de 1787 e da Francesa de 1791.

portanto.Objeto: É a CONSTITUIÇÃO POLÍTICA DO ESTADO. obediência ao texto constitucional. ao fundamento de todos os demais ramos do direito. e conseqüente retirada do sistema jurídico . sob pena de declaração de inconstitucionalidade da espécie normativa. cabendo a ele o estudo sistemático das normas que integram a constituição Corresponde à base. deve haver.

. político e sociológico. Para Kelsen.A Constituição pode ser definida em sentido jurídico. Sentido jurídico – Percussor Hans Kelsen – Nessa concepção. a Constituição pode ser entendida como o conjunto de normas fundamentais que exterioriza os elementos essenciais de um Estado. a Constituição é norma hipotética fundamental. com base no sentido lógico-jurídico.

não se confunde com leis constitucionais. Complementa que. a Constituição deveria cuidar apenas da estrutura do Estado e direito fundamentais. a Constituição é uma soma dos fatores reais de poder presentes em um determinado Estado.Sentido Político – percussor Carl Schimitt – para ele a Constituição é a decisão política fundamental. . Sentido sociológico – percussor Ferdinand Lassale – pra ele.

. quer esteja no texto constitucional ou fora dele. estão inseridas no texto constitucional. isto é.CLASSIFICAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO  Quanto ao conteúdo: Formal: regras formalmente constitucionais. as relacionadas ao poder. é o conjunto de regras de matéria de natureza constitucional. é o texto votado pela Assembléia Constituinte. Material: regras materialmente constitucionais.

Não escrita: é a constituição cuja normas não constam de um documento único e solene. mas se baseie principalmente nos costumes. na jurisprudência e em convenções e em textos constitucionais esparsos. A ciência política recomenda que as constituições sejam sintéticas e não expansivas como é a brasileira. como a Constituição do Brasil). .Quanto à forma: Escrita: pode ser: sintética (como a Constituição dos Estados Unidos) e analítica (expansiva.

elaborado reflexivamente por um órgão constituinte. que se cristalizam como normas fundamentais da organização de determinado Estado. (ex. Histórica ou costumeira: é sempre não escrita e resultante de lenta formação histórica. dos fatos sócio-políticos. É a que consagra certos dogmas da ciência política e do Direito dominantes no momento. . A não escrita é sempre histórica. Como exemplo de Constituição não escrita e histórica temos a Constituição do Reino Unido da Grã Bretanha e da Irlanda do Norte.Quanto ao modo de elaboração: Dogmática: é Constituição sistematizada em um texto único. é escrita. Magna Carta . do lento evoluir das tradições.datada de 1215) A escrita é sempre dogmática.

Ex. 1946.: Constituição de 1891. 1937. São as elaboradas sem a participação do povo. originam de um órgão constituinte composto de representantes do povo. decorrem do sistema autoritário. 1969. são impostas. 1967. 1988. Outorgada: aquela em que o processo de positivação decorre de ato de força. eleitos para o fim de as elaborar. Ex.Quanto a sua origem ou processo de positivação: Promulgada: aquela em que o processo de positivação decorre de convenção. 1934. . são votadas.: Constituição de 1824.

não é mais sinônimo de constituição. OBS: A expressão Carta Constitucional é usada hoje pelo STF para caracterizar as constituições outorgadas. . Portanto.Pactuadas: são aquelas em que os poderosos pactuavam um texto constitucional. o que aconteceu com a Magna Carta de 1215.

Rígida: permite que a constituição seja mudada mas. depende de um procedimento solene que é o de Emenda Constitucional que exige 3/5 dos membros do Congresso Nacional para que seja aprovada. .Quanto à estabilidade ou mutabilidade: Imutável: constituições onde se veda qualquer alteração. constituindo-se relíquias históricas – imutabilidade absoluta.

na sua parte escrita elas são flexíveis Semi-rígida: aquela em que o processo de modificação só é rígido na parte materialmente constitucional e flexível na parte formalmente constitucional.: as constituições não escritas.Flexível: o procedimento de modificação não tem qualquer diferença do procedimento comum de lei ordinária . . Ex.

. Analíticas ou prolixas: dispõe sobre as mais diversas matérias no corpo da Constituição.Quando à extensão Sintéticas ou resumidas: dispõe somente sobre os aspectos essenciais para organização e formação do Estado. abrange temas que poderiam ser objeto de leis infraconstitucionais. possui poucos artigos.

Quanto à dogmática Ortodoxas ou simples: baseada em um único ideal. . Ecléticas ou complexas: baseia-se nos mais diversos ideais. o que resulta em um agrupamento de forças políticas existentes em um determinado momento histórico.

Busca contemplar a luta de classes e a evolução do Estado. com a alteração significativa de qualquer desses fatores nova Constituição seria promulgada.Quanto ao modelo Constituição-garantia: a Constituição estrutura e delimita o poder do Estado. . estabelece a divisão de poderes e respeito às garantias individuais de seu povo. Constituição-balanço: a Constituição abarca a situação política. econômica e social em determinado momento.

mas propõe diretrizes e programas a serem seguidos por ele .Constituição-dirigente: A constituição não contempla somente a estrutura e delimitação do Estado.

Elementos da constituição  Elementos orgânicos ou organizacionais: organizam o estado e os poderes constituídos. Elementos limitativos: limitam o poder – direitos e garantias fundamentais. Elementos sócio-ideológicos: princípios da ordem econômica e social Elementos de estabilização constitucional: supremacia da CF (controle de constitucionalidade) e solução de conflitos constitucionais .

dirigente.Elementos formais de aplicabilidade: são regras que dizem respeito a aplicabilidade de outras regras (ex. disposições Classificação da Constituição Brasileira de 1988. promulgada. analítica e ecléticatransitórias) . São as seguintes classificações da CF/88: (formal. preâmbulo. rígida. escrita. dogmática.

2. . Independentemente de quem crie uma nova constituição. PODER CONSTITUINTE O poder constituinte pode ser conceituado como o poder de criar um texto constitucional (poder originário) ou de atualizar seu conteúdo (poder derivado). tem-se naquele momento a manifestação do poder constituinte.

que todo o ordenamento jurídico passa a ter validade.A Nova Constituição . não se submete a nenhuma limitação. Esse poder instaura uma nova ordem jurídica.original. incondicionado. ilimitado.PODER CONSTITUINTE ORIGINÁRIO . . é a partir de sua obra . A doutrina estabelece ser ele inicial (Inaugura uma nova ordem jurídica. É o poder que cria e põe em vigor as normas constitucionais. ou seja. sendo também chamado de inicial ou inaugural.

autônomo (Apenas ao seu titular é dado o poder de determinar as regras da nova constituição) e incondicionado (não precisa obedecer a qualquer regra pra a produção de suas normas.Dessa forma ele rompe com a Constituição anterior. revogando-a. ilimitado (esse poder não encontra qualquer limite para estabelecer as regras que deseja). Ele mesmo cria o processo legislativo que entende correto para a sua formação). As normas infraconstitucionais existentes estarão também revogadas pelo fenômeno da não-recepção). .

PODER CONSTITUINTE DERIVADO . Secundário ou de Segundo Grau. é condicionado. Como poder constituído não possui as características do poder originário. condições e regras para que possa ser exercido. . limitado. Constituído. Também conhecido como Poder Instituído.Não é originário. esse poder busca estabelecer as formas de atualização da obra oriunda do poder constituinte originário. tendo em vista a existência de limites.

esse poder busca estabelecer as formas de atualização da obra oriunda do poder constituinte originário.PODER CONSTITUINTE DERIVADO .Não é originário. . Também conhecido como Poder Instituído. Constituído. condições e regras para que possa ser exercido. tendo em vista a existência de limites. limitado. Como poder constituído não possui as características do poder originário. é condicionado. Secundário ou de Segundo Grau.

criando-lhe emendas de reforma. ou. simplesmente.Poder Constituinte Derivado Reformador É o poder delegado pelo Poder Constituinte Originário a alguns órgãos para poder reformar a Constituição. Consiste em poder alterar o texto constitucional original. . emendas. É um poder cujos limites encontram-se previamente estabelecidos na Constituição Federal e que não pode fugir da obediência de tais regras.

cinco anos após a promulgação da Constituição de 1988. .Poder Constituinte Derivado Revisional Esse poder de revisar o texto constitucional foi criado com a intenção de. durante esse prazo. permitir alterações sobre temas que. se mostrassem conflitantes ou impraticáveis.

poder de auto-governo e auto-organização.Poder Constituinte Derivado Decorrente Consiste tal poder na possibilidade de os Estados-membros elaborarem suas Constituições Estaduais e dos Municípios e Distrito Federal elaborarem suas leis orgânicas. Tal poder é uma decorrência da capacidade de auto-organização. autogoverno e autoadministração de que são investidos. Poder de eleger seus próprios governantes. . Poder Constituinte Derivado Decorrente: Poder concedido pelo Constituinte Originário para que os Estados Federados promulguem sua constituição de acordo com a Constituição Nacional. Autonomia . os Estados-membros. pela Constituição Federal.

Sendo a emenda à constituição uma regra que altera o texto maior de um Estado. sua promulgação tem de ocorrer em períodos de tranquilidade política e institucional.Estabelecem um processo legislativo mais rigoroso para a aprovação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC). Assim. a Constituição Federal proibiu que seu texto fosse emendado na vigência de intervenção federal. estado de defesa e estado de sítio. b) limites circunstanciais .LIMITES Poder Constituinte Derivado REFORMADOR a) limites processuais . .

três quintos dos votos dos respectivos membros. em ambos.Consistem nos temas que não podem ser abolidos por meio de Emenda à Constituição. A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal. de estado de defesa ou de estado de sítio. A emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. com o respectivo número de ordem. considerando-se aprovada se obtiver. em dois turnos. § 1º. . § 2º. § 3º. A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional.c)limitações materiais .

secreto.Parágrafo 4º do Art.os direitos e garantias individuais. .Decorrem da razão.§ 4º. .a separação dos Poderes. universal e periódico.a forma federativa de Estado. – II . 60 da Constituição.tem que seguir as normas .Processuais . consideradas cláusulas pétreas. Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: – I . – III .Materiais implícitos . .Materiais expressos . – IV .o voto direto.