You are on page 1of 10

A ILUSTRAÇÃO DO LIVRO DE LITERATURA INFANTILE: LEITORES NA

INFÂNCIA.

Thaíse Conceição dos Santos Unesp/Marília. Agência Financiadora. Fapesp.


thaisecamp@hotmail.com . Elieuza Aparecida de Lima (orientadora) aelislima@ig.com.br .

EIXO 4 - Práticas Pedagógicas, Culturas Infantis e Produção Cultural para crianças pequenas
Este eixo pretende apresentar, problematizar e debater teorias e práticas pedagógicas que
enfoquem a construção de Pedagogias da Infância e que contemplem as crianças e as
professoras/es como protagonistas de uma relação educativa que envolve também as famílias,
articulando-as à produção das diferentes linguagens e culturas tecidas pelas crianças. Pretende-
se também destacar a variedade da produção cultural dirigida à Infância e produzida pelas
crianças, revelando os contrastes presentes nas propostas pedagógicas, nas mídias e demais
ações voltadas para as crianças.

Resumo
O tema da investigação desta pesquisa refere-se à formação de leitores na Educação
Infantil focando a Literatura Infantil, especificamente as ilustrações/imagens trazidas
nos livros dessa literatura. Os dados anunciados nesta exposição são parte de pesquisa
apresentada que se encontra em andamento, com o título “Ilustração do livro de
Literatura Infantil: Implicações para a formação de Leitores na Infância”, financiada
pela Fapesp. A questão norteadora da investigação é: Como as ilustrações do livro de
Literatura Infantil podem contribuir para o processo de aquisição da leitura na infância?
Para responder essa questão, lançamos como objetivo geral: discutir sobre o papel das
ilustrações/imagens no processo de aquisição da leitura de crianças de cinco anos de
uma escola municipal de Educação Infantil do município de Marília (SP), realizando o
levantamento bibliográfico e a coleta de dados em ação de investigação de campo
acerca do conhecimento dos professores parceiros sobre o assunto.

Palavras-chave: Educação. Educação Infantil e Formação de Leitores. Ilustrações de


Livros de Literatura Infantil.

Introdução

Os caminhos desta pesquisa esta direcionada a compreensão da importância das


ilustrações/imagens do livro de literatura infantil para a formação do leitor na infância.
O livro literário infantil, segundo as referencias apresentadas neste trabalho, tem uma
linha de construção todo voltado para a criança, mas construído pelo adulto, o qual
consegue ler o texto escrito e também o texto imagético, diferente das crianças em
formação. Porem o processo de alfabetização nacional tem por objetivo a formação do
leitor que seja capaz de ler os símbolos, e que geralmente é entendido apenas na forma
de palavras; letras, e gêneros narrativos textuais.

A ilustração/imagem também faz parte da vida do leitor, e possui uma estrutura


narrativa que é realizada pelo leitor em sua leitura diária desta forma icônica de texto.
Para tanto a pesquisa esta volta para identificar e compreender como essas ilustrações,
presente na formação das crianças as ajudarão a se tornarem melhores leitoras inclusive
do texto escrito. As investigações e considerações às perguntas desta pesquisa
encontram-se em construção, e tem a intenção de levar aos professores e educadores que
já utilizam a literatura infantil essa ferramenta que são as ilustrações para a formação de
suas crianças. A pesquisa é amparada em alicerces teóricos que a sustenta, e financiada
pela agencia Fapesp, a fim de contribuir no campo da educação na alfabetização
simbólica imagética das crianças, principalmente as que estão no início de sua jornada
escolar, imersas em um mundo que não se comunica apenas por meios verbais ou pela
escrita convencional.

Justificativa

A investigação desta pesquisa é decorrente da participação em grupos de estudos


realizados na Unesp de Marília, um acerca das características e especificidades da
educação infantil, e outro sobre o estudo de literaturas infantil, juvenil... Em contato
com esses dois grupos, verificamos que as crianças principalmente entre quatro e seis
anos estão em fase de apropriação da leitura, mas não a realiza corretamente. O fato de
não conseguir decodificar para compreender a leitura as levava a leitura das
ilustrações/imagens presentes nos livros que tinham contato.

Deste modo surgiu o interesse de compreender melhor as instâncias das


ilustrações e como realmente suas características e seu uso durante as leituras podem
ajudar essas crianças no período da educação infantil a se tornarem-se bons leitores em
seu processo de aprendizagem, e reunir teorias que assegurem o educador no momento
de pensar nas funções desta ferramenta em seu próprio auxilio.

Objetivos

A pesquisa em andamento tem como objetivo de estudo discutir a formação da


criança leitora, considerando o valor da utilização das ilustrações/imagens contidas nos
livros de Literatura Infantil para a motivação do processo de apropriação da leitura,
tendo como objetivo geral à discussão sobre o papel das ilustrações/imagens no
processo de aquisição da leitura de crianças de quatro e cinco anos de uma escola
municipal de Educação Infantil do município de Marília (SP). Como objetivos
específicos, a intenção é compreender o significado das ilustrações no livro de literatura
infantil, a partir de revisão de literatura sobre a temática e sistematização dos dados
teóricos encontrados; reunir e sistematizar os títulos (livros) de literatura infantil que
compõem o acervo da escola parceira da pesquisa, voltados para as crianças de 4 e 5
anos de idade, paralelamente com a verificação dos conhecimentos dos professores
parceiros da pesquisa acerca das funções das ilustrações no processo de apropriação da
capacidade leitora, por meio de dados coletados a partir de seus relatos em entrevistas.

Referencial teórico

O dialogo existente entre o texto escrito e as ilustrações no livro de Literatura


Infantil merece destaque, considerando que o texto visual tem seu valor no processo de
aprendizagens e desenvolvimento cultural da criança no período de escolarização,
principalmente na Educação Infantil, “no caso da ilustração, ela pode assumir um
caráter de transcendência do texto, o que não significa transgressão” (OLIVEIRA, 2008,
p. 31). Com isso, a interlocução feita a partir de uma ilustração, não exclui o texto
escrito ou o substitui, mas mostra detalhes que a escrita não conseguiu expressar. Essa
parceria entre texto imagético/ilustrações e o texto escrito contribui para o trabalho do
professor com a leitura no momento em que as crianças ainda não se apropriaram da
língua escrita, ao compreendermos que “em primeira instância ler significa o ato de
decifrar, em silêncio ou anunciando em voz alta, signos gráficos que traduzem a
linguagem oral, de forma a tomar conhecimento do conteúdo de um texto escrito”
(BRITTO, 2009, p.190; 191).

De acordo com Cadermartori (2010, p. 9), é fundamental disponibilizar e dar às


crianças o acesso a livros de Literatura Infantil. Para a autora, essa prática, hoje, é vista
como um consenso, pois, “nos últimos anos do século XX, a noção da importância da
literatura infantil na formação de pequenos leitores consolidou-se, integrando a pauta
das políticas públicas de educação e cultura”.

Desta forma, é de fundamental importância investir na formação e na


sensibilização do professor para leitura da imagem, a fim de que, de
posse plena dessa competência, ele se torne capaz de trabalhar na
contracorrente de qualquer olhar redutor, condicionado e esvaziado,
imposto pelo ritmo do cotidiano, em meio à superabundância de
imagens que se alternam diante do olhar. (BUORO, 2002, p. 48).

Isso significa conhecimentos sobre o valor da ilustração na formação do sujeito–


leitor, para que a criança seja capaz de interpretar e construir ideias coerentes a respeito
do texto, por meio das ilustrações/imagens mesmo não sabendo, ainda, ler o código
linguístico representado pela escrita, por esse motivo Cadermartori (2010, p. 19-20)
ressalta que:
Em boa parte dos livros para leitores iniciantes, observa-se que a
ilustração constitui um acontecimento narrativo, que oferece
informações que o texto escrito, em geral enxuto, para se adequar à
competência textual do destinatário, não ofereceu. E há também
aqueles que os signos visuais representam apenas parcialmente uma
situação, uma circunstância, uma personagem, um cenário, ao apenas
um objeto que remeta um ambiente narrado. A tendência atual da
produção infantil, no entanto, especialmente em livros para leitores
iniciantes é a valorização dos dois textos, o visual e o verbal, sendo
mantida a interação entre eles que estimula múltiplas percepções,
possibilitando diversos reconhecimentos e interpretações nas leituras
dos textos compostos por diferentes signos.

Souza e Girotto (2010, p. 80) complementam essas proposiçõesao afirmarem


que é possível “inferir pela capa e ilustrações assim como pelo texto, com intuito de
usar todos os aspectos de um livro para descobrir seus significados”. As mesmas autoras
(SOUZA; GIROTTO, 2010, p. 84) apontam ainda outra estratégia que pode ser utilizada
para a melhor compreensão da leitura pelas crianças, relacionada às ilustrações da
Literatura Infantil, chamada visualização, definida como “uma estratégia cognitiva que
muito usamos sem perceber, assim como a inferência”.

Visualizar é, sobretudo, inferir significados, por isso visualização é


uma forma de inferência, justificando a razão dessas duas estratégias,
serem abordadas mais proximamente. Quando os leitores visualizam,
estão elaborando significados ao criar imagens mentais, isso porque
criam cenários e figuras em suas mentes enquanto lêem, fazendo com
que eleve o nível de interesse e, assim, a atenção seja mantida.
(SOUZA; GIROTTO, 2010, p. 85).

Os estudos sobre o papel das ilustrações destacam que um dos conhecimentos


essenciais do professor ao focá-las é a compreensão de suas reais contribuições para a
formação do leitor na infância e, a partir dessa compreensão, motivar a apropriação de
estratégias de leitura, aperfeiçoando o trabalho com literatura na infância. “É, portanto
fundamental que o professor ou o educador conheça bem a articulação texto/imagem,
antes de trabalhá-la com as crianças” (FARIA, 2010, p. 53).

Oliveira (2008) destaca a questão da leitura da imagem e do olhar que


oseducadores têm sobre sua função. O autor acredita que a alfabetização não deva ser
somente de palavras, mas que existam, nos âmbitos de alfabetização, leitura e ensino do
icônico, pois essa pratica ajudará o iniciante leitor nesta atividade que ao aprendida
perpetuara em sua existência.

Infelizmente priorizamos para as crianças de forma até perversa, o


aprendizado da leitura das palavras como atestado de alfabetização.
Seria mais conveniente se, nas escolas de ensino fundamental, a
iniciação à leitura das imagens precedesse a alfabetização
convencional. Certamente teríamos no futuro melhores leitores e
apreciadores das artes plásticas, do cinema e da TV, além de cidadãos
mais críticos e participativos diante de todo o universo icônico que
nos cerca. A própria posterior alfabetização convencional seria muito
mais agradável às crianças. (OLIVEIRA, 2008, p. 29).

Diante dessa afirmação de Oliveira (2008) acerca do “atestado de alfabetização”,


que é promovido principalmente pela leitura do texto escrito, é possível inferir sobre
apreocupação com a leitura imagética, pois o estudo das ilustrações ou do icônico, como
detalha o autor, precedi a apreciação que os sujeitos poderão ter em relação às
atividades de sua própria cultura que se expressam por meio de textos imagéticos.
O sujeito capaz de ler as imagens, de agregar suas características e detalhes ao
texto precisamente seria mais crítico frente às propagandas, e aos meios eletrônicos
calcados de informações visuais imagéticas carregadas de ideologias em sua maioria
não explícitas.
Autores como Camargo (1995), Zilberman (2005) e Faria (2010) contribuem
para que professores da educação infantil conheçam a importância da leitura de histórias
ilustradas e, assim, possam auxiliar efetivamente o processo de formação leitora de
crianças pequenas, considerando-as como sujeitos capazes de fazer uma leitura
compreensiva. Sobre essa questão, Colombo (s/d, p. 5) reflete:

O livro de literatura infantil não deve ser encarado como um simples


objeto do mundo infantil, mas um recurso indispensável no processo
de aquisição da linguagem oral e escrita por parte da criança, na
medida em que possibilitam diferentes leituras e interpretações,
desperta variados conhecimentos e instiga a criança no universo
mágico do ato de ler. É portador de inúmeros recursos, dos quais a
ilustração caracteriza-se como um dos principais, ao passo que está
mais relacionada ao lúdico e o universo infantil, e não deve de
maneira alguma ser ignorado ou tratado com menor valor por parte de
professores e estudiosos da educação.

A autora e ilustradora Ana Maria Machado em sua participação especial no livro


de Oliveira (2008, p.14) salienta que a literatura brasileira já está sendo considerada
como excelência cultural pelo olhar diferenciado dos universitários, e pelos prêmios
conquistados. Mas a autora critica o fato de a produção dos ilustradores aqui no Brasil
não ser objeto de estudos críticos, como ocorre com os trabalhos dos escritores.
Para Oliveira (2008, p. 14-15),
poucos textos se preocuparam em abordar criticamente essa produção.
E, quando o fizeram, geralmente trataram menos de se aprofundar
numa reflexão critica e procuraram mais fazer uma retrospectiva
histórica ou um leve apanhado descritivo, apenas emoldurando um
mar de nomes citados, num balanço de quantidades em meio a
menções genéricas.

Compreende-se a preocupação da autora, pois a ação dos ilustradores é da mesma


importância que a atuação do escritor. O ilustrador também é escritor, uma vez que,
para construir uma ilustração para uma historia principalmente literária, se utiliza das
características narrativas evidenciadas por imagens que precede um bom livro literário.
Por esse motivo, a pesquisa se volta para o universo das ilustrações, não para historiar
ou para discutir a importância de autores e ilustradores, mas para a compreensão do
valor dessas ilustrações presentes principalmente no livro de literatura infantil para a
formação de leitores na infância.

Metodologia
Para a realização da pesquisa de cunho qualitativo, com ações bibliográficas e de
campo, continuamos os trabalhos de levantamento bibliográfico sobre o tema estudado.
Na sequência, haverá a realização de entrevistas com professores e crianças,em busca de
relatos acerca dos conhecimentos de professores dos anos finais da educação infantil a
respeito de suas práticas pedagógicas com a literatura infantil e ilustrações contidas nos
livros trabalhados nos momentos de leitura e também das representações infantissobre
as ilustrações nos momentos que leem.
De acordo com Manzini (1990, p. 150), a entrevista é um instrumento de coleta
de dados essencial para dar voz aos sujeitos participantes da pesquisa.
Para utilização na pesquisa, podemos entender a entrevista social
como sendo um meio ou instrumento para a coleta de dados sobre um
determinado tema que se refere a um problema de pesquisa. Assim
dentre os vários tipos de entrevistas, focalizaremos aquela, cuja
finalidade decorra da pesquisa social com um problema de
investigação definido. A conversa informal passaria a ser orientada
por um objetivo previamente definido pelo investigador social que
modifica o caráter da conversa informal passando, então, a adquirir
características de entrevista como uma técnica de coleta de dados.

Outra ação a ser realizada é a ida às bibliotecas ou outros espaços onde estejam
os livros de literatura infantil da escola parceira para catalogação dos livros de literatura
infantil dirigidos às crianças de quatro e cinco anos, para reunião de suportes de leitura
para as escolhas literárias das crianças nos momentos em que serão observadas as
relações dessas crianças com o livro e, em especial, com as ilustrações nele contidas.
Ao considerar a minha participação como membro do grupo de estudos
denominado “Ler e Compreender: As Estratégias de leitura com livros do Programa
Nacional de Biblioteca na Escola – Uma política pública para a formação de leitores
autônomos” poderei discutir sobre essas escolhas literárias como contribuição aos
trabalhos de pesquisa/análise a serem realizados, uma vez que, além dos livros
adquiridos com recursos próprios da escola, o acervo escolar possui os livros enviados
pelo Programa Nacional de Bibliotecas Escolares (PNBE) que:
Foi instituído em 1997, seu objetivo principal é democratizar o acesso
a obras de literatura brasileira e estrangeiras infanto-juvenis, e a
materiais de pesquisa e de referencia a professores e alunos das
escolas públicas brasileiras. O programa é executado pelo Fundo
Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE -, em parceria
com a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação.

A catalogação permitirá uma melhor escolha dos títulos e uma visão mais ampla
das possibilidades de trabalhos de leitura e contação de histórias com as crianças. Ao
conceber estas escolhas, contarei ainda com a utilização da leitura de livros a partir das
“Caixas que Contam Histórias”, junto ao Projeto de Pesquisa e Extensão denominado
“Articulações Necessárias entre a Educação Infantil e o Primeiro ano do Ensino
Fundamental: brincadeiras, brinquedos e brinquedotecas” do qual participo como
voluntária e que tem por base a literatura infantil e sua ilustração como meio lúdico que
ativa os interesses das crianças, possibilitando uma maior participação no momento da
leitura e contação de histórias.

Desenvolvimento da pesquisa

O desenvolvimento da pesquisa esta em andamento, e foi recentemente


contemplada com o apoio da agencia de financiamento Fapesp. O referencial teórico
pouco extenso sobre o assunto está sendo sintetizado concomitantemente com a
participação nos grupos de pesquisas que influenciaram em seu nascimento. O fato de a
pesquisa necessitar um contato direto com crianças e instituição governamental, foi
encaminha também para o comitê de ética, e esta sobe aprovação, aguardando resultado
para o inicio das entrevistas, e observações das crianças nos momentos de leitura que
participam na escola. Diante desses encaminhamentos os resultados e as considerações
estão em processo de construção e, portanto são parciais.

Resultados
O resultado obtido até o presente momento configura-se principalmente de
reuniões bibliográficas a respeito da temática, uma vez que a exploração e publicações
no âmbito nacional que trata da ilustração são recentes. Desta maneira para que a
pesquisa possa ter um segmento com bases literárias que amparem as investigações,
houve busca de títulos de livros de outras nacionalidades que contemplem o referencial
teórico ora defendido e as proposições já realizadas.
Já houve em nível de instituição, aceitação para a realização da coleta de dados,
uma vez que o grupo gestor e de docentes se interessou pelo tema estudado,
disponibilizando o espaço para a efetivação da investigação prática, essencial para
conclusão deste trabalho. Diante da aceitação por parte da direção da instituição, se
tornará exequível a verificação de títulos de literatura infantil presente na sala de leitura
(biblioteca) da escola parceira da pesquisa, além de contarmos com a presença de novos
títulos enviados pelo PNBE a serem catalogados, os quais juntamente com os títulos já
existentes enriquecerão a proposição de momentos de leitura com as crianças que
também são sujeitos parceiros da pesquisa.

Conclusão
Como já mencionado este texto traz apontamentos sobre pesquisa em
andamento, com financiamento da Fapesp, para desenvolvimento ao longo de 2012.
Isso significa que, ao longo da exposição, trouxemos resultados parciais, especialmente
expressando o que já foi feito na investigação. Assim, particularmente, pelos objetivos
lançados e pelos resultados já obtidos é possível apresentar considerações que
delinearão a construção dessas conclusões.

Com isso, é possível considerar que os estudos teóricos contribuem para


repensarmos acerca do papel das ilustrações na formação leitora de crianças em turmas
de Educação Infantil. Além desses estudos, as aproximações com as professoras da
escola parceira da investigação revelam a necessidade de reflexões sobre o tema central
da pesquisa ora discutida, para enriquecimento de suas ações docentes, especialmente
aquelas dirigidas à literatura infantil, sobretudo, acerca das contribuições das
ilustrações/imagens do livro literário infantil como fomento na formação leitora das
crianças.
Referências bibliográficas.
BRITTO, L. P. L. Leitura e formação na educação escolar: algumas considerações
inevitáveis. In: SOUZA, R. J. (Org.). Biblioteca escolar e práticas educativas: O
mediador em formação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009, p. 187-205.

BUORO, A, B. Olhos que pintam: a leitura da imagem e o ensino da arte. São Paulo:
Educ/Fapesp/Cortez, 2002.

CADEMARTORI, L. O que é Literatura Infantil. 2. ed.São Paulo: Brasiliense, 2010.

CAMARGO, L. A ilustração do livro de literatura infantil. Belo Horizonte, MG: Ed.


Lê, 1995.

______. A criança e as artes plásticas. In: ZILBERMAN, R. (Org.). A produção

cultural para a criança. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982. p. 147 – 181.

COLOMBO, F. J. A importância do trabalho educativo com ilustrações de livros de


literatura infantil. Net. Artigo disponível em:
<HTTP://WWW.alb.com.br/arquivomorto/edicoes_anteriores/anais16/.../sm08ss10_05.
pd> Acesso em: 29 jun. 2011.

FARIA, M. A. Como usar a literatura infantil na sala de aula. 5.ed. São Paulo:
Contexto, 2010.

MACHADO, A. M. Algumas notas sobre ilustração brasileira de livros infantis. In:


OLIVEIRA, R. Pelos jardins Boboli: reflexões sobre a arte de ilustrar livros para
crianças e jovens. Rio de Janeiro, RJ: Nova fronteira, 2008, p. 13-25.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27,


1990/1991, p. 149 – 158. Texto em pdf. Disponível em: <
http://www.marilia.unesp.br/#2610,8581> Acesso em 16 dez. 2011.

OLIVEIRA, R. Pelos jardins Boboli: reflexões sobre a arte de ilustrar livros para
crianças e jovens. Rio de Janeiro, RJ: Nova fronteira, 2008.

PAIVA, A. A trama do acervo: a literatura nas bibliotecas escolares pela via do


Programa Nacional Biblioteca da Escola. In: SOUZA, R. J. (Org.). Biblioteca escolar e
práticas educativas: O mediador em formação. Campinas, SP: Mercado de Letras,
2009. p. 137-156.

SOUZA, R. J.; GIROTTO, C. G. G. S. Estratégia de Leitura: para ensinar alunos a


compreender o que leem. In: SOUZA, R, J. (Org.). Ler e compreender: estratégias de
leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010. p. 45-114.

ZILBERMAN, R.A literatura infantil brasileira. Rio de Janeiro, RJ: Editora Objetiva
Ltda., 2004.

______. (Org.). A produção cultural para a criança. Porto Alegre: Mercado Aberto,
1982.