You are on page 1of 9

_____Psicologia &m foco

Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

Anorexia Nervosa: uma Revisão Bibliográfica


_________________________________________________________

Carlos Michell Torres Santos1


Glessiane de Oliveira Almeida2
Faculdade Pio Décimo – Sergipe/Brasil

Resumo: O presente estudo busca esclarecer a etiologia, diagnóstico e tratamento da Anorexia


Nervosa. Tal patologia tem origem multifatorial e envolve severas perturbações no comportamento
alimentar, sendo seu principal atributo o medo mórbido de engordar. Por meio de uma revisão
bibliográfica, efetuada em meio eletrônico, foi possível observar que a fisiopatologia da doença
permanece obscura e que, por conseqüência, sua terapêutica ainda é limitada, e deve ser centrada em uma
abordagem holística para possibilitar seu sucesso.

Palavras-chave: Anorexia Nervosa; Transtornos Alimentares; Perda de Peso.

Anorexia Nervosa: A Bibliographic Review

Abstract: The present research review etiology, diagnosis and treatment of Anorexia Nervosa.
Thus pathology has a multifactorial origin and involves severe perturbations on eating behavior, with
main attribute of morbid fear in gain weight. By a bibliographic review, it was possible to observe that
physiology of this illness is obscure and, due to this, its therapeutics is still limited, may be centered in a
holistic approach to make its success possible.

Keywords: Anorexia Nervosa; Eating Disorders; Weight Reduction.

1
Fisioterapeuta, Especialista em Acumputura; Mestre em Ciências da Saúde e professor do curso de psicologia da Faculdade
pio Décimo. Endereço eletrônico: michlellfisio@hotmail.com
2
Aluna do curso de psicologia da Faculdade Pio Décimo.
1

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

Introdução foi a óbito devido à inanição (CORDAS, 2004).


Na segunda metade do século XIX a AN torna-se
uma entidade autônoma e demarcada a partir dos
Cordella e outros (2006) afirmam que os relatos do francês Charles Laségue (1873) que
transtornos alimentares são enfermidades que descreve a anorexie histérique. No ano seguinte,
trazem um sofrimento intenso não apenas para o William Gull descreveu três meninas com quadro
portador, mas também para seus familiares. que se caracteriza atualmente como anorexia
Segundo Santos e outros (2004), estas desordens restritiva (quando o emagrecimento ocorre em
contemplam basicamente a anorexia e bulimia virtude de dietas, jejuns ou exercícios em excesso)
nervosa, as quais são de duas a cinco vezes mais e denominou-o de “apepsia histérica”. Suas
comuns que as outras alterações do observações mencionavam emagrecimento
comportamento alimentar. proeminente, bradicardia, baixa temperatura
De acordo com o DSM-IV (1995) anorexia corporal, edema nos membros inferiores,
nervosa (AN) envolve severas perturbações no amenorréia e obstipação. Todavia, o primeiro
comportamento alimentar do indivíduo, sendo seu autor a mencionar a distorção da imagem corporal
principal atributo o medo mórbido de engordar. foi Brunch em 1962 (CORDAS, 2004).
Tal patologia caracteriza-se pela dieta Atualmente, a AN é o transtorno mental
severamente restrita, resultando em um peso responsável pela maior taxa de mortalidade nos
corporal ao menos 85% abaixo daquele esperado países industrializados (SIGNORINI et al, 2007;
para idade e altura. Por sua vez, a bulimia é SULLIVAN, 1995). De acordo com Hoek (2006),
denotada por freqüentes flutuações no peso e entre 80 e 90% dos pacientes acometidos pela AN
episódios recorrentes de abuso alimentar são do sexo feminino, uma vez que a preocupação
compulsivo seguido pela auto-indução ao vômito, com peso e imagem corporal prevalece nas
expurgo, jejum, uso de laxantes ou abuso do mulheres (HOSKINS; DELLEBUUR, 2000;
exercício físico, na tentativa de evitar o ganho de FIELD et al, 1999; FRIEDMAN, 1998). Além
peso (ABREU; FILHO, 2005; PRYOR, 1995; disso, esta entidade é a causa mais freqüente de
APA, 1993). Neste sentido, o presente estudo perda de peso em mulheres jovens e admissões
busca identificar a etiologia, diagnóstico e hospitalares entre crianças e adolescentes (HOEK,
tratamento dos pacientes acometidos pela anorexia 2006).
nervosa.
Etiologia
Anorexia Nervosa: Breve histórico e
Epidemiologia Atual Para Gaspar (1999) a AN é uma
perturbação alimentar que afeta a maioria de uma
Os relatos iniciais de um sofrimento auto- população jovem, feminina, de raça branca,
imposto através da restrição alimentar datam da residente no espaço urbano, e de classe social
idade média e, na época, estavam relacionados à média pertencente às sociedades Ocidentais
conduta religiosa de privação (BIDAUD, 1998; contemporâneas. Sua manifestação tem início
HERSCOVICI; BAY, 1997). Todavia, o primeiro praticamente na adolescência, mais
relato médico de AN foi descrito por Richard especificamente entre 15 e 18 anos, uma vez que
Morton (1694), através do caso de uma jovem nesse período ocorrem mudanças marcantes na
mulher com recusa em alimentar-se e ausência de fisiologia e bioquímica, como um acúmulo
ciclos menstruais, a qual rejeitou qualquer ajuda e acentuado de gordura, especialmente nas mulheres.
2

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

O ganho de gordura durante a adolescência cessa e expectativas irreais e proximidade da menarca) e


até se reverte nos homens, enquanto nas mulheres ainda fatores mantenedores (alterações endócrinas,
continua a aumentar, chegando a um índice de distorção da imagem corporal, distorções
gordura corporal de 27% aos 16 anos (CASTRO; cognitivas e práticas purgativas) (PHILIPPI;
GOLDSTEIN, 1995). ALVARENGA, 2004).
Borges e outros (2006) relatam que Estudos envolvendo gêmeos e família
geralmente os pacientes relatam que o início do (BULIK et al, 2000), estudos de imagens cerebrais
quadro se deu após um fator estressante como dos familiares afetados e não afetados, além de
algum comentário sobre seu peso, término de análise genética sustentam a observação que AN é
relacionamento, ou perda de ente querido, encontrada em famílias com traços obsessivos,
concomitantemente esses pacientes apresentam perfeccionistas, competitivos, ou ainda autistas.
traços de personalidade como preocupações e
cautela em excesso, medo de mudanças, Diagnóstico e quadro clínico
hipersensibilidade e gosto pela ordem. Os fatores
pessoais, comportamentais e sócio-ambientais, tais A primeira manifestação desta afecção é
como imagem corporal negativa, baixa auto- uma restrição dietética auto-imposta e insidiosa,
estima, temor em se tornar gordo, dieta crônica e acompanhada de exercícios físicos planejados para
pressão social para ser magro são identificados redução do peso e quase sempre despercebidos
como fatores de risco para o aparecimento desta pelos familiares (ALVES; VASCONCELOS;
patologia (AFFENITO; KERSTETTER, 1999; CALVO, 2008). Normalmente, inicia-se na
STEIGER et al, 1999; FRIEDMAN, 1998; adolescência, pelo fato das transformações
JARRY, 1998; LECHKY, 1994). corporais e o medo exagerado de engordar,
Devido ao fato de 90% dos indivíduos exigindo uma adaptação à imagem corporal.
atingidos serem do sexo feminino (ALVES; Embora exista uma grande controvérsia na
VASCONCELOS; CALVO, 2008) presume-se definição dos sintomas desta patologia alimentar
que a tensão da sociedade, pautada no modelo de (WALLER, 1993), os critérios estabelecidos em
beleza feminina regido pela magreza, exerça pelo Manual de Diagnóstico e Estatística das
participação significativa na AN (CASTRO; Perturbações Mentais (DSM-IV) são os mais
GOLDSTEIN, 1995; STICE et al, 1994). Segundo utilizados por investigadores clínicos e apresentam
Alves, Vasconcelos e Calvo (2008), os estudos como as características diagnósticas principais da
sobre anorexia nervosa no Brasil são escassos, AN: recusa em manter o peso corporal acima do
sobretudo quando se busca um enfoque peso mínimo normal para altura e idade; perda de
populacional. Todavia, este mesmo autor refere peso abaixo dos 85% do peso esperado para altura
que as prevalências de comportamentos e idade; recusa em ganhar o peso esperado durante
alimentares anormais, os quais sinalizam risco o período de crescimento, conduzindo a uma
para o desenvolvimento da doença, oscilam de 4,9 perda de peso corporal abaixo dos 85% daquele
a 25%, variando conforme grupo étnico, idade, esperado; medo intenso de engordar ou aumentar
atividade ocupacional e grau de urbanização dos o peso, mesmo com peso inferior ao normal;
indivíduos investigados. distúrbio da imagem corporal; excessiva
Dentro do modelo multifatorial que rege o dependência do peso ou tamanho do corpo para a
aparecimento desta entidade, é possível enumerar auto-imagem; negação da doença; amenorréia, no
fatores predisponentes (sexo feminino, história caso das mulheres, ou ainda perda de pelo menos
familiar de transtorno alimentar, baixa auto-estima, três ciclos menstruais consecutivos (APA, 2002).
perfeccionismo e dificuldade em expressar O DSM-IV (APA, 2002) ainda descreve
emoções), fatores precipitantes (dieta, separação e dois subtipos de anorexia nervosa: anorexia
perda, alterações da dinâmica familiar, nervosa restritiva, a qual ocorre quando o
3

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

emagrecimento acontece em virtude de dietas, prática de exercício físico, em estado de má


jejuns ou exercícios em excesso; anorexia nervosa nutrição, é a perda de massa muscular e, por
compulsiva periódica purgativa ou bulímica, conseguinte, a debilidade física (MICKEY, 1999;
advinda do fato do indivíduo dedicar-se PARGMAN, 1998). A segunda conseqüência do
regularmente a purgações que incluem vômitos baixo peso corporal seria a amenorréia derivada da
auto-induzidos, abuso de laxantes ou diuréticos redução do estrogênio, a qual pode levar ao
durante o episódio atual de anorexia nervosa enfraquecimento ósseo, mesmo com a reposição
(GIORDANE, 2006). hormonal (MICKEY, 1999).
A hospitalização é frequentemente indicada Os efeitos da nutrição empobrecida no
quando ocorre uma perda de peso severa e rápida sistema cardiocirculatório representam também um
ou ainda quando uma depressão importante grave risco aos pacientes portadores da AN que se
apresenta-se concomitantemente. As queixas submetem a exercícios físicos, pois o coração
apresentadas anteriormente à hospitalização destes indivíduos diminui de tamanho e torna-se
geralmente são vagas e os pacientes mais fraco. A hipotensão é um fator importante
frequentemente demonstram falta de preocupação neste processo, por ser mais um aspecto que
em virtude da sua perda de peso (MEHLER; contribui com a dificuldade do fornecimento de
KRANTZ, 2003). De acordo com Krantz e oxigênio aos tecidos durante a prática do exercício
Meheler (2004), vários são os achados físicos e citação. A associação entre a hipotrofia cardíaca e
laboratoriais referentes à presença de AN tais baixa pressão sanguínea pode culminar no
como unhas quebradiças, penugem facial rala prolapso da valva mitral e em arritmias,
(lanugo), redução do volume capilar (alopécia), potencialmente fatais (op. cit.). Por sua vez, os
carotenodermia, redução no número de células vômitos freqüentes produzem desequilíbrio
CD4 e CD8, anemia, leucopenia, redução da taxa eletrolítico, podendo levar à câimbra, em virtude
de sedimentação dos eritrócitos, bradicardia, da redução do trifosfato de adenosina (ATP) ou
hipotensão, hipoglicemia, hipercolesterolemia, dos níveis séricos de potássio, ataques epilépticos,
hipocalemia, diabetes insipidus, dentre outros. anormalidades severas no ritmo cardíaco, até
Nota-se, portanto, que esta doença conduz a uma mesmo paralisia respiratória e morte (MICKEY,
significante morbidez biológica, psicológica e 1999; JACK; KATZ, 1994). A desnutrição aguda e
social, que pode até mesmo ser fatal (TORRES; os desequilíbrios hidroeletrolíticos facilitam e
GUERRA, 2003). À medida que o quadro se consolidam as alterações psíquicas oriundas de tal
instala, o corpo é constantemente negado, a tal patologia (SANTOS et al, 2004; PHILIPPI;
ponto que se exime de ser um corpo vivo e ALVARENGA, 2004; SANTOS, 2002; VILAR;
desejante (SANTOS et al, 2004). CASTELLAR, 2001).
Os portadores da AN, mesmo acometidos
por diversas alterações orgânicas, utilizam os Tratamento
exercícios físicos como um comportamento
compensatório, no intuito de queimar gorduras ou O tratamento compulsório da AN é
calorias provenientes da ingestão de comida ou claramente indicado quando o paciente é incapaz
bebida (APA, 2002). Tipicamente, os indivíduos de aceita-lo, o que na maioria dos países significa a
acometidos por tal patologia elegem a prática de detenção hospitalar citação. Todavia, a
exercícios aeróbios, de moderados a vigorosos responsabilidade legal se torna menos clara quando
(JACK; KRATZ, 1994), o que gera uma alta o perigo eminente de morte ou deterioração
morbidade em virtude da sua associação com irreversível desaparece (RAMSEY et al, 1999).
regimes alimentares anormais (DAVIS et al, A principal meta do tratamento da anorexia
1997). A primeira conseqüência deletéria derivada nervosa é o ganho de peso até o índice de massa
da associação entre a redução de peso excessiva e corporal (IMC) acima de 19 (APA, 2000). Apesar
4

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

da escassez de estudo na área (ALVES; propõe um sentido inverso, segundo o qual nossas
VASCONCELOS; CALVO, 2008), Abreu e Filho construções cognitivas são fruto de uma
(2004) apontam que 50% das pacientes se organização emocional (op. cit.). A psicoterapia
"recuperam totalmente" e isto significa o tem justamente o intuito de refazer tal construção
restabelecimento do peso, a normalização dos da realidade, ou seja, desenvolver gradualmente,
comportamentos alimentares e o retorno da por parte do cliente, habilidades para responder às
menstruação reguar. Outros 30% experienciam pressões ambientais desafiadoras (op. cit.) e a
uma recuperação parcial caracterizada por algum modificação de padrões emocionais para sua
tipo de resíduo ou distúrbio no comportamento compreensão e regulação (ABREU; ROSO, 2003).
alimentar e pela falta de habilidade para manter o Segundo Cobelo, Saikali e Schomer (2004),
peso normal. E, finalmente, nos 20% restantes, a outra abordagem psicoterapêutica que abre novas
doença assume uma forma crônica, não perspectivas no tratamento de pacientes com
apresentando qualquer sinal de remissão (op. cit). transtornos alimentares é a psicoterapia familiar, a
Outro estudo demonstra que em mais de 30% dos qual afirma que a dinâmica familiar possui uma
casos não há recuperação (LOWE et al, 2001). Em função de grande importância no tratamento de tais
média, é necessário de cinco a seis anos desde o indivíduos. Esta forma terapêutica é fundamental
diagnóstico à recuperação deste pacientes para unir família-paciente para que, juntos, possam
(THEANDER, 1985). encontrar maneiras e alternativas variadas de
Uma das formas de tratamento utilizada em reconstruir e ressignificar suas vivências, pois
pacientes anoréxicos é a psicoterapia, embasada esses pacientes usam o corpo para cenário de suas
em diferentes correntes teóricas, as quais visam, necessidades, desejos, proibições e condenações
em geral, a reorganização da maneira pela qual os (op. cit.). A esta abordagem terapêutica, caberia
pacientes percebem a própria realidade. O enfoque transformar todo este cenário vivido pelo
construtivista afirma que o desenvolvimento anoréxico em palavras e se libertar para
humano é contínuo e dá-se a partir da contínua relacionamentos mais adequados, sociais,
reorganização do sistema. Para o construtivismo a trabalhando em conjunto com uma equipe
anorexia nervosa é um episódio agudo ou crônico multidisciplinar, abordando vários aspectos e
de desorganização (MAHONEY, 1998). Assim, os considerando o caráter multifatorial do transtorno.
transtornos alimentares são decorrentes de uma Existem vários modelos de tratamento familiar,
desorganização na maneira como as pacientes entre eles, pode-se citar o Modelo Tradicional, o
constroem a realidade, ou seja, como processam de Terapia Familiar Estrutural, o de Terapia
suas experiências e seu processamento vivencial de Familiar Estratégica, o de Terapia Familiar
modo a torná-la um sistema em equilíbrio, Sistêmica e o Modelo Milão e Pós-Milão. Essas
mantendo coerentes sua percepção do mundo, do formas de tratamento estão centrados em
outro e do seu próprio eu (ABREU; FILHO, Entrevistas individuais com as famílias, com o
2004). objetivo de oferecer aos familiares um espaço que
O modelo cognitivista entende que há entre possibilite acolher sentimentos conflitantes como
o mundo e o indivíduo uma intermediação da culpa, raiva, hostilidade, assim como exercer uma
atividade do pensamento, ou seja, o modo como as função de suporte à angustia e à sensação de
pessoas se sentem e conseqüentemente se impotência presentes na maioria das famílias nos
comportam é o resultado de uma atividade primeiros encontros. As sessões possibilitam,
cognitiva contínua, atribuidora de significados aos também, um espaço para perguntas, dúvidas e
eventos do mundo externo (op. cit.). Sendo assim, questionamentos, oferecendo esclarecimentos
uma abordagem que contemple o modelo centrados na conscientização da família sobre a
cognitivo-construtivista levanta a questão da doença, seus riscos, o tratamento e a necessidade e
superioridade do pensar sobre o sentir e agir e importância da equipe multidisciplinar (op. cit.)
5

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

Compete à psicoterapia desconstruir as recentemente, a recuperação total foi demonstrada


histórias de restrição que o transtorno alimentar lhe mesmo após 21 anos de uma severa AN (LOWE,
impôs, desenvolvendo um sentido de confiança 2001, ). Em virtude das limitações oferecidas pela
para que possam compartilhar as possíveis crises terapêutica da AN, para que se alcance um nível
que irão surgindo ao longo dos encontros e manter satisfatório de eficiência e eficácia, a mesma deve
ativa a luta pela mudança (op. cit.). Em alguns ser dada de forma multidisciplinar, o mais
casos de AN, que apresentam comorbidade precocemente possível, e centrada na psicoterapia
psiquiátrica, é necessária a abordagem individual, familiar, terapia nutricional e
psicofarmacológica (SALZANO; CORDAS, farmacoterapia, quando necessária.
2004). Os antidepressivos são bastante utilizados
para tratar os sintomas depressivos, mas Conclusão
apresentam sucesso limitado. Os benefícios dos
inibidores seletivos da recaptação de serotonina na Torna-se notório, a partir do exposto
prevenção da recaída após o ganho de peso ainda previamente, que a etiologia da AN é multifatorial,
são incertos (MORRIS; TWADDLE, 2007). De com contribuição de fatores biológicos, genéticos,
acordo com Salzano e Cordas (2004), novas psicológicos, socioculturais e familiares. Em
pesquisas ainda são necessárias para determinação virtude das limitações encontradas no tratamento
da quantidade das doses eficazes e duração do da AN, seu sucesso encontra-se norteado pela
tratamento, bem como diferenças nos resultados precocidade do diagnóstico e abordagem
terapêuticos com associação de psicoterapia. multidisciplinar desta patologia. Dada a alta
Em um estudo com 35 pacientes com AN, prevalência relacionada a esta patologia, faz-se
comparou-se o uso de placebo e fluoxetina (20 a necessário que novas pesquisas sejam realizadas,
60 mg/dia), durante um ano (KAYE et al, 2001). no sentido de se estabelecer os mecanismos
Os resultados mencionaram ganho de peso e fisiopatológicos específicos envolvidos neste
melhora na psicopatologia da AN, no humor processo, para que estratégias cada vez mais
disfórico e nos pensamentos obsessivos somente eficazes e eficientes possam ser elaboradas no
para pacientes que utilizaram fluoxetina, sugerindo intuito de tratar os pacientes acometidos pela AN.
o uso da droga na prevenção de recaídas Outro aspecto importante seria o aprofundamento
(SALZANO; CORDAS, 2004). Outro estudo do estudo acerca das abordagens psicoterápicas
apontou a olanzapina como responsável pela relacionadas à AN, bem como sua associação e
melhora na ansiedade, recusa alimentar e no ganho comparação ao tratamento farmacoterápico, uma
de peso (MALINA et al, 2003). Entretanto, vez que a psicopatologia desta doença estabelece
nenhum psicofármaco foi claramente mais eficaz conseqüências individuais e necessita de
do que o placebo em melhorar os sintomas metodologias de abordagem cada vez mais
exclusivos da AN. Apesar de todas as formas de específicas.
tratamento encontradas até o momento, a AN ainda
não possui um tratamento farmacológico Referências
considerado eficaz para melhora da psicopatologia
do transtorno (SALZANO; CORDAS, 2004). GURGEL, C. Reforma do Estado e segurança
Uma taxa de mortalidade prematura de pública. Política e Administração, Rio de
20%, bem como uma extensa proporção de casos Janeiro, v. 3, n. 2, p. 15-21, set. 1997.
que necessitaram de seis a doze anos para CURTY, Marlene Gonçalves; CRUZ, Anamaria
recuperação, foram observados em um amplo da Costa; MENDES, Maria Tereza Reis.
estudo (THEANDER, 1985). A comorbidade está presentação de trabalhos acadêmicos,
associada com prognóstico mais sombrio dissertações e teses: (NBR 14724/2002).
(MORRIS & TWADDLE, 2007, ). Mais Maringá: Dental Press, 2002.

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

ABREU, C.N.; FILHO, R.C. Anorexia nervosa e anorexia e bulimia nervosa. Rev. psiquiatr.
bulimia nervosa: abordagem cognitivo- clín, v. 4, p. 184-7, 2004.
construtivista de psicoterapia. Rev. psiquiatr. CORDAS, T.A. Transtornos alimentares:
clín, v. 31, n. 4, p. 177-83, 2004. classificação e diagnóstico. Rev. psiquiatr.
ABREU, C.N.; ROSO, M. Cognitivismo e clín., v. 31, p. 154-7, 2004.
Construtivismo. Porto Alegre: Editora Artes CORDELLA, M.P. et al. Programa de transtornos
Médicas, p. 35-50, 2003. de alimentación en adolescentes y jóvenes
AFFENITO, S.G.; KERSTETTER, J. Position of chilenos: variaciones a seis meses de
the American Dietetic Association and tratamiento. Rev. méd. Chile, v. 134, p. 973-
Dietitians of Canada: women's health and 980, 2006.
nutrition. J Am Diet Assoc, v. 99, n. 6, p. 738- DAVIS, C.; KATZMAN, D.K.; KAPTEIN, S.; et
51, jun. 1999. al. The prevalence of high level exercise in the
ALVES, E.; VASCONCELOS, F.A.G.; CALVO, eating disorders: etiological implications.
M.C.M. Prevalência de sintomas de anorexia Comp Psychiatry, v. 38, p. 321-6, 1997.
nervosa e insatisfação com a imagem corporal DIAGNOSTIC AND STATISTICAL MANUAL
em adolescentes do sexo feminino do OF MENTAL DISORDERS – DSM-IV,
Município de Florianópolis, Santa Catarina, Fourth Edition, American Psychiatric
Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 24, p. 503-12, Association, USA, 1995.
2008. DUNKER, K.L.; PHILIPPI, S.T. Hábitos e
AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. comportamentos alimentares de adolescentes
Diagnostic and statistical manual of mental com sintomas de anorexia nervosa. Rev Nutr,
disorders DSM-IV. Washington DC: APA, v. 16, p. 51-60, 2003.
2002. FIATES, G.M.R.; SALLES, R.K. Fatores de risco
AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. para o desenvolvimento de distúrbios
Practice guideline for the treatment of patients alimentares: um estudo em universitárias. Rev
with eating disorders (revision). Am J Nutr, v. 14 Suppl, p. 3-6, 2001.
Psychiatry, v. 157 (suppl. 1), p. 1-39, 2000. FIELD, A.E. et al. Relation of peer and media
AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. influences to the development of purging
Practice Guideline for Eating Disorders. Am J behaviors among preadolescent and adolescent
Psychiatry, v. 150, p. 212-28, 1993. girls. Arch Pediatr Adolesc Med, v. 153, p.
BIDAUD, E. Anorexia mental, ascese, mística. 1184-9, 1999.
Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1998. FLEITLICH, B.W.; LARINO, M.A.; COBELO,
BORGES, N.J.B.G. et al. Transtornos alimentares A.; et al. Anorexia nervosa na adolescência.
- Quadro clínico. Medicina, Ribeirão Preto, v. Jornal de Pediatria, v. 76, p. 323-9, 2000.
39, p. 340-8, 2006. FRIEDMAN, S.S. Girls in the 90s: a gender-based
BULIK, C.M. et al. Twin studies of eating model for eating disorder prevention. Patient
disorders: a review. Int J Eating Disord, v. 27, Educ Couns, v. 33, p. 217-24, 1998.
p. 1-20, 2000. GASPAR, S. Vegetarianismo adolescente como
CASTRO, J.M.; GOLDSTEIN, S.J. Eating uma expressão da anorexia nervosa:
attitudes and behaviors of pre and post- Apresentação de uma proposta analítica.
pubertal females: clues to the etiology of Análise psicológica, v. 2 (XVII), p. 307-316,
eating disorders. Physiol Behav, v. 58, p. 15- 1999.
23, 1995. GIORDANI, R.C.F. A auto-imagem corporal na
COBELO, A.W.; SAIKALI, M.O.; SCHOMER, anorexia nervosa: uma abordagem
E.Z. A abordagem familiar no tratamento da sociológica. Psicol. Soc, v. 18, p. 81-8, 2006.

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

HERSCOVICI, C.R.; BAY, L. Anorexia nervosa e MALINA, A. et al. Olanzapine treatment of


bulimia: ameaças à autonomia. Porto anorexia nervosa: a retrospective study. Int J
Alegre:Editora Artes Médicas, 1997. Eat Disorder, v. 33, p. 234-7, 2003.
HESSE-BIBER, S. Women, weight and eating MEHLER, P.S.; KRANTZ, M.J. Anorexia nervosa
disorders. Women’s Studies International Medical issues. J Women's Health, v. 12, p.
Forum, v. 14, p. 173-91, 1991. 331-40, 2003.
HOEK, H.W. Incidence, prevalence and mortality MICKEY, D.W. Medical dangers of anorexia
of anorexia nervosa and other eating disorders. nervosa and bulimia nervosa. Phoenix: Oryx
Curr Opin Psychiatry, v. 19, p. 389-94, 2006. Press, p. 46-47, 1999.
HOSKINS, M.L.; DELLEBUUR, K. Consuming MORRIS, J.; TWADDLE, S. Anorexia Nervosa.
identities: young women, eating disorders and BMJ, v. 334, p. 894-8, 2007.
the media. Vancouver: BC Centre for NUNES, M.A. et al. Influência da percepção do
Excellence for Women's Health, 2000. peso e do índice de massa corporal nos
JACK, L.; KATZ, M.D. Eating disorders. comportamentos alimentares anormais. Rev
Philadelphia: Davis Company, p. 292–312, Bras Psiquiatr, v. 23, p. 21-7, 2001.
1994. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE.
JARRY, J.L. The meaning of body image for Classificação de transtornos mentais e de
women with eating disorders. Can J comportamento da CID-10. Porto Alegre:
Psychiatry, v. 43, p. 367-74, 1998. Editora Artes Médicas; 1993.
KAYE, W.H. et al. Double-blind placebo- PARGMAN, D. Understanding sport behavior.
controlled administration of fluoxetine in Upper Saddle River: Prentice Hall, 1998.
restricting and restricting-purging-type PHILIPPI, S.T.; ALVARENGA M. Transtornos
anorexia nervosa. Biol Psychiatry, v. 49, p. alimentares: uma visão nutricional. Barueri:
644-52, 2001. Editora Manole, p. 39-62, 2004.
KRANTZ, M.J.; MEHLER, P.S. Resting PRYOR, T. Diagnostic criteria for eating
tachycardia, a warning sign in anorexia disorders: DSM-IV revision. Psychiatry
nervosa: case report. BMC Cardiovasc Disord, Annual, v. 25, p. 40-9, 1995.
v. 4, p. 10, 2004. RAMSAY, R. et al. Compulsory treatment in
LASÉGUE, E.C. De l' anorexie hysteriqué. anorexia nervosa: short-term benefits and
Archives of General Medicine, v. 21, p. 385- long-term mortality. Br J Psychiatry, v. 175,
403, 1873. p. 147-53, 1999.
LECHKY, O. Epidemic of childhood obesity may SALZANO, F.T.; CORDÁS, T.A. Tratamento
cause major public health problems, doctor farmacológico de transtornos alimentares. Rev.
warns. Can Med Assoc J, v. 150, p. 78-81, psiquiatr. clín, v. 4, p. 188-194, 2004.
1994. SANTOS, M.A, et al. “Mulheres plenas de vazio”:
LOWE, B. et al. Longterm outcome of anorexia os aspectos familiares da anorexia nervosa.
nervosa in a prospective 21-year follow-up Vínculo, v. 1, p. 46-51, 2004.
study. Psychol Med, v. 31, p. 881-90, 2001. SANTOS, M.A. O trabalho em grupo na
LUZ, S.S. Avaliação de sintomas de transtornos instituição hospitalar: acompanhamento
alimentares em universitários de Belo psicológico de apoio ao familiar. Revista da
Horizonte [tese de doutorado]. São Paulo: SPAGESP, v. 3, p. 139-43, 2002.
Universidade de São Paulo, 2003. SIGNORINI, A. et al. Long-term mortality in
MAHONEY, J.M. Processos Humanos de anorexia nervosa: a report after an 8-year
Mudança: As Bases Científicas da follow-up and a review of the most recent
Psicoterapia. Porto Alegre: Editora Artes literature. Eur J Clin Nutr, v. 61, p. 119–22,
Médicas, 1998. 2007.
8

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008


_____Psicologia &m foco
Vol. 1 (1). Jul./Dez 2008

STEIGER, H. et al. Hypersensitivity to social TURNER, B. S. Regulating bodies – Essays in


interactions in bulimic syndromes: medical sociology. London and New York:
relationship to binge eating. J Consult Clin Routledge, 1992.
Psychol, v. 67, p. 765-75, 1999. TURNER, B.S. Medical power and social
STICE, E. et al. Relation of media exposure to knowledge. London: Sage Publications, 1987.
eating disorder symptomatology: an VILAR, L.; CASTELLAR, E. Endocrinologia
examination of mediating mechanisms. J clínica. 2 th. ed. Rio de Janeiro: Editora
Abnorm Psychol, v. 103, p. 836-40, 1994. Medsi, p. 901-12, 2001.
SULLIVAN, P.F. Mortality in Anorexia Nervosa. VILELA, J.E.M. et al. Transtornos alimentares em
Am J Psychiatry, v. 152, p. 1073–4, 1995. escolares. J Pediatr, v. 80, p. 49-54, 2004.
THEANDER, S. Outcome and prognosis in WALLER, G. Why do we diagnose different types
anorexia nervosa and bulimia. Some results of of eating disorder? Arguments for a change in
previous investigations compared with those research and clinical practice. Eating
of a Swedish long-term study. J Psychiatr Res, Disorders Review, v. 1, p. 74-89, 1993.
v. 19, p. 493-508, 1985.
TORO, J.; VILARDELL, E. Anorexia nerviosa.
Barcelona: Martinez Roca, 1987.
TORRES, S.; GUERRA, M.P. A construção de Submetido em Agosto de 2008
um instrumento de avaliação das emoções Versão revisada em Outubro de 2008
para a anorexia nervosa. Psicologia, Saúde & Aceite final em Novembro de 2008
Doença, v. 4, p. 97-110, 2003.

Psicologia &m foco, Aracaju, Faculdade Pio Décimo, v. 1, n. 1, jul./dez. 2008