You are on page 1of 21

BOLETIM DE Nº 41

CONHECIMENTO novembro 2017


TÉCNICO

PELÍCULA COLOCADA SOBRE O


TELHADO PROMETE SUBSTITUIR
O AR-CONDICIONADO COM ZERO
CONSUMOS DE ENERGIA
Uma nova película fornece o arrefecimento dos edifícios sem
necessidade de fontes de energia. // pág. 02

INOVAÇÃO
CASAIS GLOBAL SOURCING DIVULGA…
LASER SCANNING 3D: NÃO É O FUTURO,
NOVA VERSÃO DA APP BLUWAY MAS SIM O PRESENTE!
// pág. 11
// pág. 14

ENGENHARIA INOVAÇÃO
RECUPERAÇÃO DE GUARDAS METÁLICAS COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL & DIREITO A FALAR
EM EDIFÍCIOS ANTIGOS: CASO DA OBRA DA ANTITERRORISMO: MOBILIÁRIO URBANO TIPOS DE PROCEDIMENTOS
RUA HORTA SECA Nº32 DE SEGURANÇA // pág. 20
// pág. 05 // pág. 16

“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

↘ Adaptação do texto
disponível no LINK

Película colocada sobre o


telhado promete substituir
o ar-condicionado com
Zero consumos de energia

Uma nova película fornece o arrefecimento dos edifícios


Carlos Carvalho
sem necessidade de fontes de energia. Composta por mi-
Departamento Técnico croesferas de vidro, polímeros e prata, este material usa
o arrefecimento radiante passivo para dissipar o calor do
objeto que cobre. Este emite energia como radiação in-
fravermelha e também reflete a luz solar. Uma equipa da
Universidade do Colorado Boulder (CU-Boulder), nos EUA,
desenvolveu este material depois de receber um fundo
governamental de 3M USD, do Departamento de Energia
dos EUA (ARPA-E), em 2015.

•• 2 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

O arrefecimento radiativo é um processo natural através parente para todo o espectro solar, mas irradia infraver-
do qual os objetos expelem o calor sob a forma de ra- melhos. A ampla ressonância coletiva entre as microes-
diação infravermelha. Todos os materiais à temperatura feras garante que a folha é altamente emissora de
ambiente emitem infravermelhos com comprimentos de infravermelhos dentro da faixa atmosférica de 8-13 μm.
onda de 5-15 μm. No entanto, o processo não é muito Esta propriedade, portanto, aumenta o arrefecimento
eficiente porque é contrariado por influências externas radiativo natural. Enquanto isso, a luz solar viaja através
que aquecem o objeto, como a luz solar e as correntes do material e é refletida de volta pelo revestimento de
de ar. O ar, enquanto isso, absorve e emite muito pouca prata, o que impede o aquecimento solar.
radiação com comprimentos de onda 8-13 μm. A Terra
arrefece à noite, ao emitir infravermelhos através desta Mas não são apenas as propriedades do material que o
"janela atmosférica" no espaço. grupo CU-Boulder reporta à revista Science. "A prin-
cipal inovação deste trabalho é produzir um material
Os investigadores estão, portanto, interessados em projetado em escala usando o processo roll-to-roll",
materiais de engenharia que podem melhorar esse explica Yang. Os pesquisadores usaram uma extrusora
processo natural e fazer com que os objetos emitam, roll-to-roll para distribuir as microesferas no polímero e
de forma eficiente, os infravermelhos através da janela uma máquina de pulverização de roll-to-roll para aplicar
atmosférica. Em teoria, esses materiais poderiam o revestimento de prata. Isso significa que são capazes
fornecer uma maneira simples de arrefecer edifícios e de produzir grandes quantidades de material em pou-
tecnologias geradoras de calor, sem a necessidade de cos minutos. "Quando produzido em escala, estimamos
usar máquinas com gastos de energia excessivos. que o custo do material é de apenas 0,50 USD por m2
(sim, 50 cêntimos por metro quadrado), pois podem ser
produzidos 100 metros quadrados por minuto", acres-
Desafio diurno centa Yang.
Enquanto os materiais de arrefecimento radiativo notur-
nos, incluindo tinta pigmentada, foram desenvolvidos
com sucesso, uma versão diurna revelou-se desafiado- Sol do meio-dia
ra. O problema é que os materiais absorvem a luz solar, Testes de campo em Boulder, Colorado e em Cave
que ultrapassa rapidamente a potência de arrefecimen- Creek, Arizona, revelaram que a potência de arrefeci-
to, e, em vez disso, aquece a superfície. mento média do filme era de mais de 110 W/m2 ao lon-
go de 72 horas. Mesmo ao meio-dia, a média era de 93
Então, o desafio para os investigadores da CU-Boulder W/m2. Isso equivale, aproximadamente, à eletricidade
foi criar um material que refletisse a luz solar e que gerada por um painel solar típico, com a mesma área.
também permitisse a emissão de infravermelhos. O novo material é semelhante a um outro produzido na
Criaram um material fino e flexível com duas camadas; Universidade de Stanford em 2014, que emitia cerca
uma folha de polímero de polimetilpentano contendo de 40 W/m2 de luz solar direta. O projeto anterior foi
microesferas de vidro de dióxido de silício, disperso fabricado usando a evaporação eletrónica e consistia
aleatoriamente (SiO2), de 8μm de diâmetro e um revesti- em sete camadas alternativas de dióxido de silício e
mento de prata de 200mm de espessura. A combinação dióxido de háfnio. Não só o novo material parece supe-
das duas camadas tem apenas 50μm de espessura. rar os antigos (embora os métodos de teste não sejam
diretamente comparáveis), como também é mais fácil
de produzir em grandes quantidades.
Filme mágico
"O filme de polímero de vidro randomizado é aquele que A folha de polímero de vidro tem muitas aplicações de
faz a magia", explica Ronggui Yang, um dos autores do arrefecimento potenciais. Ao aplicá-lo a uma superfí-
trabalho. A folha de microesferas de polímero é trans- cie de painel solar, a folha poderia não só arrefecer o

•• 3 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

painel, mas também recuperar um ou dois por cento da


eficiência solar, porque o superaquecimento dificulta a
capacidade de converter energia solar. "Isso faz uma
grande diferença em escala", diz Xiaobo Yin, outro inves-
tigador do projeto.

Mas, aplicar a folha em edifícios não é tão simples


como colocar uma camada no telhado. "Não se pode
simplesmente usar o nosso material para envolver
um prédio", explica Yang. Isso arrefeceria o prédio em
verões quentes, mas também continuaria a arrefecê-lo
nas noites frias e durante o inverno. A equipa precisa,
por isso, de criar um projeto de sistema térmico pelo
qual a água é arrefecida e, em seguida, circula em torno
do prédio. Isto é semelhante a um sistema de aqueci-
mento de água quente e significa que a temperatura
pode ser controlada. "A principal vantagem desta tecno-
logia é que funciona 24/7 sem o uso de eletricidade ou
água", diz Yang.

•• 4 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

ENGENHARIA

RECUPERAÇÃO DE
GUARDAS METÁLICAS
EM EDIFÍCIOS ANTIGOS:
CASO DA OBRA NA RUA
HORTA SECA Nº32

Atualmente, este processo está presente na maioria


Fernando Almeida
Departamento Produção
das obras de reabilitação de edifícios antigos e, nem
sempre, o esquema de tratamento previsto em projeto
atribui a devida importância a estes elementos feitos
à mão, com técnicas antigas, e que registam um
período da nossa história. Garantir a uniformidade da
superfície, a durabilidade e a capacidade de retenção
da cor são aspetos fundamentais para conseguirmos
um bom resultado.

•• 5 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

ENGENHARIA

ou sondagens em fase de concurso. A verdadeira dife-


rença está em orçamentar a reconstrução de elementos
decorativos em ferro moldado ou em chumbo.

Nas guardas menos nobres estas peças são em ferro


antigo e estão inseridas na própria estrutura, nas ou-
tras, de maior valor patrimonial, os elementos são em
chumbo ou latão, abraçam a estrutura e são fixos por
um sistema de cravação entre peças.

A substituição destas peças decorativas, que estão em


falta, têm um custo muito elevado, pois são reproduzi-
das em fundição. Normalmente substituem-se os ele-
mentos decorativos de ferro por ferro e os de chumbo e
» CASAIS – guardas recuperadas na obra da Rua Horta Seca nº32 latão por alumínio, no caso das guardas de maior valor,
se o cliente assim o entender.

1. Considerações prévias Sobre as de alumínio, muitas vezes considera-se a


Na fase de montagem dos andaimes, temos de garantir aplicação de folha de ouro, que é uma técnica muito
que existem espaçamentos que permitam remover com antiga e confere à guarda elevada qualidade e a retoma
facilidade as guardas, assim como a disponibilidade das do valor histórico e cultural.
zonas de circulação até ao local de acondicionamento
em obra. Em alguns dos casos as guardas podem ser Caso guarda metálica de carácter nobre
transportadas pela grua com recurso a cintas, se o posi-
cionamento do andaime permitir.

Outro aspeto fundamental a ter em conta é que este tipo


de elementos metálicos têm ‘gatos’ chumbados nas pa-
redes de alvenaria entre 30 a 50cm. Nem sempre o dono
de obra e a fiscalização permitem o corte destes gatos
na sua recuperação, para não descurar a originalidade
das peças. Se assim for, a média da largura das guardas
é de cerca de 30cm, mais o comprimento dos gatos.

Facilmente nos apercebemos que estamos a falar de


60cm, distância necessária para o manuseamento entre
o andaime e a fachada. Em suma, esta situação deverá
ser esclarecida de forma atempada junto da fiscalização.

2. Orçamento em fase comercial


As guardas metálicas antigas com valor histórico são » Exemplo de “gato” de fixação da guarda à alvenaria
protegidas, em alguns casos, na fase de licenciamento
com um parecer da DGPC (Direção Geral do Património
Cultural). Por vezes, os elementos e o material que as
constituem não conseguem ser percetíveis por observa-
ção, e daí a necessidade de existirem esclarecimentos

•• 6 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

ENGENHARIA

sempre protegidas, pois trata-se de um valor histórico e


cultural insubstituível. A melhor solução para o trans-
porte, carga e descarga será sempre um camião com
grua, munido de cintas. Consideram-se normalmente
vários transportes:

1. Da obra para a decapagem;


2. Da decapagem para as instalações do serralheiro;
3. Das instalações do serralheiro para a decapagem
e pintura;
4. Da estação de pintura para a obra.

As viagens dos pontos 2) e 3) podem ser suprimidas,


caso o serralheiro instale, no campus da estação de tra-
» Guarda com pintura uniforme sem conhecimento dos materiais que tamento, um espaço fechado que lhe permita executar
compõem os elementos decorativos os trabalhos de corte, reparação, soldadura e substitui-
ção de elementos estruturais e decorativos. Por norma,
o serralheiro prefere sempre trabalhar nas suas instala-
ções e consideram-se sempre os quatro transportes.

» Aspeto final da guarda com aplicação da técnica da folha de ouro,


nos elementos decorativos

» Carga das guardas metálicas em camião com grua

3. Esquema de tratamento – Obra da Rua Horta


Seca
Foi proposto à fiscalização a alteração do esquema pre- 3.2. Decapagem
visto, por um de qualidade superior com vista a assegu- Antes de as guardas serem submetidas à primeira
rar a qualidade e a durabilidade da solução final, com o decapagem, deve-se remover todos os elementos que
fundamento de que as guardas estão inseridas na facha- não compõem a estrutura, assim como proteger os que
da voltada a sul, desprotegidas e sujeitas a exposição não podem receber decapagem, sob o risco de ficarem
solar muito elevada. destruídos (exemplo de elementos em chumbo que não
se podem remover e são mais macios que o ferro).
3.1. Transporte
Ainda que sem tratamento, as guardas devem ser

•• 7 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

ENGENHARIA

Existem dois processos de decapagem: o primeiro serve


para remover toda a tinta e facilitar no processo de
identificação dos metais presentes. Também serve para
outros aspetos, como regularizar a superfície do metal,
criar aderência para o processo de soldadura, visuali-
zação de peças metálicas que têm de ser substituídas,
redução de secção devido à corrosão, leitura de dimen-
sões de peças, entre outros…

O segundo processo de decapagem é feito quando toda


a guarda está concluída nos trabalhos de reparação
e substituição de elementos, conferindo a base ideal
para aplicação do esquema de pintura. A aplicação do
primário deverá acontecer até 4h após a decapagem
das peças pois, para além desse período, começam a » Carro de transporte de elementos em tratamento, sobre carris
aparecer pequenos pontos de ferrugem que ficariam
sob o esquema de pintura, reduzindo consideravelmen-
te a durabilidade de todo este processo.

A decapagem considerada para recebimento do esque-


ma de pintura foi o jato abrasivo ao grau Sa 2 ½, que
consiste na remoção de todos os vestígios de ferrugem
e tintas.

» Ensaio de verificação comparativa do antes e depois da primeira


decapagem

» Estação de decapagem a granalha de aço

» Observação das guardas após decapagem por jato abrasivo ao grau


Sa 2 ½.

•• 8 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

ENGENHARIA

3.3. Reparação 3.4. Esquema de pintura


A reparação é efetuada após a primeira decapagem, Aplicação de uma demão de primário C-Pox Primer ZP
onde é possível visualizar quais os elementos em esta- 150 na espessura de 30µm:
do degradado e com necessidade de intervenção. São C-Pox Primer ZP150 é um primário epoxi poliamida pig-
efetuados cortes, reposições de elementos estruturais, mentado com fosfato de zinco, cujas principais proprie-
soldaduras, desbastes, reforços com pingos de solda, dades são:
moldagem e reposição de elementos decorativos feitos • Primário epoxi poliamida de alta qualidade;
em fundição. • Adequado para esquemas de grande durabilidade
com uma grande variedade de acabamentos.

Aplicação de uma demão de tinta epoxy C-Pox ST 180 Al


na espessura de 50µm:
C-Pox ST180 AL é um primário epoxi de alta espessura
cujas principais propriedades são:
• Primário epoxi de alto teor em sólidos;
• Tolerante de superfície, podendo aplicar-se sobre
superfícies limpas manual e/ou mecanicamente;
• Excelente aderência sobre primários epoxi de zinco
ou de zinco inorgânico;
• Proporciona um rendimento superior aos reves-
timentos convencionais quando aplicado sobre
superfícies limpas mecanicamente;
• Excelente resistência à humidade e à corrosão;
» Reposição de 'gatos' de fixação à alvenaria
• Pode ser aplicado sobre superfícies ligeiramente
húmidas;
• Pode aplicar-se sobre a maioria de revestimentos
existentes.

Aplicação de duas demãos de esmalte poliuretano


alifático C-Thane S610 SAT na espessura de 50µm cada
no RAL5003:
C-Thane S610 Sat é um esmalte de poliuretano alifático
cujas principais propriedades são:
• Aspeto acetinado;
• Excelente retenção de cor e brilho;
• Excelente resistência à intempérie e aos raios UV;
• Alta resistência química;
• Boas propriedades anti-graffitti. (número máximo
de limpezas: três);
• Boa resistência à água;
• Elevada dureza e resistência ao impacto e à abrasão;
• Facilidade de limpeza.
» Aplicação de flor decorativa em ferro, executada na fundição pelo
processo de moldes
NOTA: características dos produtos foram transcritas
das fichas técnicas do fabricante CIN.

•• 9 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

ENGENHARIA

4. Produto final
O excelente resultado obtido após este esquema de
tratamento é logo sentido por observação, pelo toque e
também na uniformidade da camada final que transmite
uma ideia de durabilidade e qualidade.

» Aspeto final do piso 3 e 4 da obra na Rua Horta Seca nº32

» Exemplos de estações de pintura

» Elementos decorativos reconstruídos

•• 10 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

CASAI S GLOBA L SOURC ING

CASAIS GLOBAL SOURCING

DIVULGA…

Nova Versão da
Afonso Almeida Brandão
Direção de Logística
app BLUWAY
Enquadrado na reestruturação da estrutura organizativa da Logís-
tica Casais PT, comunicada a todos no dia 1 de setembro 2017,
e em particular no que se refere ao modelo de funcionamento da
Central de Compras PT, para agilizar o processo de encomenda de
algumas famílias de materiais, relativamente aos quais estão pre-
viamente estabelecidos um conjunto de acordos estratégicos com
fornecedores, foi criado um Canal de Encomendas específico.

Este canal de permite aos clientes internos da Central de Compras


efetuar os seus pedidos de forma mais direta e eficiente, e com um
nível de serviço/capacidade de resposta otimizado.

•• 11 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

CASAI S GLOBA L SOURC ING

Agora, complementarmente, com o lançamento da


nova versão da app BLUWAY, que possui mais funcio-
nalidades, para além de poderem continuar a aceder
diretamente às soluções da nossa Trading BLUWAY,
podem também aceder às soluções de Acordos Estra-
tégicos, disponíveis através do Canal de Encomendas,
para a central de compras. É ainda possível aceder aos
catálogos de produtos e às suas referências, bem como
às respetivas tabelas de preços e condições, e também
efetuar a encomenda pretendida na aplicação.

Mesmo que não pretendam fazer uma encomenda e


concluir o respetivo processo, estas novas funcionalida-
des permitem aceder diretamente a catálogos, especifi-
cações técnicas, preços e condições dos produtos dos
nossos parceiros estratégicos, assim como utilizar os
mesmos em fase de orçamentação.

Outro aspeto positivo passa pela constante atualiza-


ção, na aplicação, de preços e termos dos acordos,
bem como da lista de acordos estratégicos, que é um
processo de melhoria contínua e, como tal, está em
constante evolução.

Em plena era da informação digital, este é mais um


instrumento de eficiência de trabalho que a organização
disponibiliza aos seus colaboradores.

Para acederem às novas funcionalidades, basta


atualizarem as versões que têm instaladas nos vossos
dispositivos.

Depois de aberto o site ou feito o download da app, para


Onde? aceder basta efetuar login com a conta de rede da
• No site: www.bluway.eu Casais.
• Na Apple Store
• Na Google Playstore

•• 12 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

CASAI S GLOBA L SOURC ING

Exemplo:

•• 13 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

I N OV AÇ ÃO

Laser Scanning
3D não é o futuro, mas sim
o presente!

Laser Scanning 3D é o nome dado à tecnologia


que utiliza equipamentos de varredura
António Carlos Ferreira
tridimensional a laser, dispositivo que analisa
Departamento de Produção um objeto ou ambiente do mundo real para
recolher dados precisos sobre a sua forma e
aparência.
Os dados recolhidos podem ser
utilizados para a construção de
modelos tridimensionais digitais
e possuem uma ampla variedade
de aplicações. Algumas das áreas
onde se aplica a tecnologia são,
por exemplo: indústria de entrete-
nimento na produção de filmes e
jogos, design industrial; próteses;
engenharia reversa e prototipagem;
controle de qualidade/inspeção;
construção civil; arquitetura; indús-
tria de energia; investigação forense
e documentação de património
histórico.

•• 14 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

I N OV AÇ ÃO

Projetos realizados com dados obtidos do Laser Scanner


têm garantia de maior nível de detalhe e, consequente-
mente, o produto elaborado a partir deles pode ser mais
assertivo.

Através dos dados mais básicos do Laser Scanning 3D,


que é a nuvem de pontos em três dimensões, podemos
executar modelagens em 2D ou 3D, e a extração de infor-
mações que visam uma determinada finalidade.

As vantagens do Laser Scanning 3D:


Medição sem contato
• Acesso reduzido nas áreas de risco/perigosas;
• Fácil recolha de dados;
• Recolha da integridade das áreas críticas

Custos operacionais reduzidos


• Sem necessidade de novas visitas ao local;
• Sem aguardar autorizações;
• Redução do tempo de projeto

Confiança nos dados


• Garantia de obter um ângulo de uma construção;
• Garantia de abrangência integral no levantamento;
• Compreenção fácil do espaço;
• Detalhes ricos dos dados;
• Conjunto de dados altamente pormenorizados;
• Precisão

Eficiências Operacionais
• Redução do risco de refazer o trabalho e do tempo
de espera;
• Reaproveitamento dos dados para responder a futu-
ras solicitações

Com todas as vantagens apresentadas, este equipamen-


to é uma excelente ferramenta, especialmente quando
se fala em rapidez e alta precisão. É de salientar que o
tamanho dos ficheiros gerados requer um software e
Os laser Scanning 3D têm sido cada vez mais utilizados computadores com bom desempenho.
na topografia nos últimos anos. O equipamento per-
mite recolher milhões de pontos num único segundo e
recolher uma quantidade de informação jamais recolhi-
das. Com uma estação total obtemos entre um a cinco
pontos por minuto. Com Laser Scanning 3D é possível
obter um milhão de pontos por segundo.

•• 15 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

I N OV AÇ ÃO

Comportamento
Antissocial &
Antiterrorismo
Mobiliário Urbano de
Segurança

Cada vez mais frequentemente temos assistido


à crescente sucessão de acontecimentos
Miguel Braga
Departamento de Compras relacionados com terrorismo, fenómeno
que, apesar de não ser recente, torna-se
uma preocupação premente, quer pelos
métodos, quer pelos locais onde ocorrem e,
principalmente, pelos alvos.

•• 16 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

I N OV AÇ ÃO

Hoje assistimos a ataques dirigidos àqueles que menos


hipóteses têm de se defender, em locais onde nunca
deveriam acontecer.

Há já algum tempo que os governos, com a colabo-


ração de empresas especializadas em segurança,
desenvolvem barreiras de segurança para impedirem a
aproximação de veículos terrestres a locais de interesse
estratégico ou militar, tais como: fronteiras, postos de
controlo, embaixadas e outros edifícios governamen-
tais. Porém, esse tipo de barreira carateriza negativa-
mente os locais protegidos, tornando-os militarizados, o
» Texas A&M Transportation Institute
que os torna menos apelativos para a permanência ou
simples visita.
Com o intuito de combinar a funcionalidade, a estética
“…infelizmente a prática do terrorismo urbano com recurso urbana e a segurança, a empresa AMOP desenvolveu o
a veículos é uma realidade que cada vez mais se repete. conceito ASB AMOP.
Será uma questão de tempo até haver alteração na legis-
lação Europeia, no sentido de ser obrigatória a inclusão de
barreiras antiterrorismo, pelo menos nos edifícios públicos,
bem como em zonas turísticas e outras de grande con- AMOP Mobiliário Urbano de Segurança
centração de pessoas ou até, áreas de eventos de grande Comportamento Antissocial & Antiterrorismo
escala…”
AMOP Safety Urban Furniture
Anti-Social Behaviour & Anti-terrorism

A AMOP® desenvolve soluções de mobiliário urbano,


em que se destacam os projetos para segurança urbana
“Anti-Social Behaviour” & Anti-terrorism”, concebidos para
dar resposta ao ambiente e comportamento de violência
social. Visam assim criar espaços seguros e confortáveis
para a comunidade, tendo acumulado uma vasta expe-
riência nacional e internacional.

Exemplo de banco de segurança


Como caso de estudo do design, conceção e fabrico
» Blocos de betão instalados em Ponte - Londres do mobiliário ASB AMOP, apresentamos os critérios e
processo de design, que possibilitou a criação e o fabrico
do mobiliário urbano de Camden Town, instalado para os
Jogos Olímpicos de Londres.

•• 17 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

I N OV AÇ ÃO

Os critérios de Design de Segurança e as caraterísticas


únicas deste banco ASB
O banco é projetado para encorajar e melhorar o suporte
de atividades no espaço público e resistir ao comporta-
mento criminal ou antissocial (ASB), através dos seguin-
tes recursos:

• Anti-graffiti – superfície com tratamento de proteção


anti-graffiti;

• Anti-poster – poucas superfícies direitas, exceto as


extremidades com o logotipo de Camden incorporado,
para que seja mais fácil retirar qualquer cartaz;

• Anti-Skaters – com a borda do banco desencontrado


em altura;

• Anti-dormida – tem um topo em pico que não permite


que as pessoas se deitem confortavelmente nele;

• Dificulta o tráfico de drogas – não apresenta nenhu-


ma fissura ou fenda no banco para esconder materiais;

• Dificulta o roubo de malas/sacos – a reentrância ao


longo de ambos os lados incentiva as pessoas a arma-
zenar suas malas atrás de suas pernas;

• Dissuade o roubo de metal – a tampa do comparti-


mento é de aço galvanizado;

• Reduz o depósito de lixo – na medida em que não há


superfícies planas ou aberturas para depositar o lixo;
Briefing do Design para Segurança Urbana
A AMOP ganhou, então, o contrato com a Câmara de • Transportabilidade do banco, facilidade de movimen-
Camden, para colocar bancos em frente a hotéis e outros tação, permitindo instalá-lo ou removê-lo de áreas pro-
edifícios. Os objetivos foram promover a funcionalidade blemáticas, nesta solução é simplesmente pousado;
(para os turistas descansarem), e também a segurança
(evitar acidentes rodoviários ou possíveis ataques com • Um compartimento autónomo foi projetado no banco,
viaturas que atinjam os edifícios). Uma equipa britâni- com papeleiras inseridas nas extremidades do banco e
ca acompanhou a conceção deste equipamento para envoltas em betão. Pretende-se assim conter e redire-
responder à “segurança antiterrorista” e “conter uma cionar na vertical uma eventual explosão;
situação de eventual euforia e tumulto urbano”.
• Barreira anti-impacto – Garantia de resistência em
eventuais atentados e/ou acidentes;

• A versão antiterrorista passou PAS68.

•• 18 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

I N OV AÇ ÃO

Certificação Britânica Antiterrorista pelo CPNI Mark 1 – Resultado do Banco de Segurança de Camden
A versão antiterrorista Camden Bench foi desenvolvida →→ 7,5 toneladas
pela AMOP, com um parceiro local e funcionários do CPNI →→ 48 km/hora
– “Centre for The Protection of National Infrastructure”. →→ 90 graus
→→ 5,2 metros penetração
Este banco mais pesado (barreira/protetor/dissuasor/
obstáculo) inclui uma base e passou no teste Britânico,
para resistir a um determinado impacto rodoviário sob Principais Soluções, Aplicações e Espaços Prioritários
condições específicas. de Instalação
Algumas das suas aplicações públicas serão um fator-
-chave prioritário como proteção antiterrorista, barreira
rodoviária, delimitação e controlo, separação e/ou condi-
cionamento de tráfego, impedindo o atentado rodoviário
e minimizando consequências de explosões. A sua utili-
zação é proeminente em espaços urbanos como cascos
históricos e patrimoniais, zonas de edifícios públicos e
empresariais, zonas residenciais, portos e aeroportos.
No planeamento urbano inteligente é valorizada a relação
muito positiva entre a economia do seu custo inicial, face
à elevada durabilidade e a muito baixa manutenção futura
do equipamento em betão arquitetónico.

Caraterização dos Aspetos Técnicos AMOP nos Bancos


de Segurança
Explorando as caraterísticas únicas do mobiliário em
betão arquitetónico real, cujos critérios de resistência e
peso estão associados à utilização de armaduras eletro-
-soldadas tratadas, e à formulação com inertes à cor
de granulometria fina, este garante elevada qualidade e
longevidade, permitindo a adoção de texturas decapa-
das tratadas, dissuasoras do graffiti (dificulta a pintura
e facilita a remoção), com inalterabilidade de aspeto no
acabamento.

Numa ótica da segurança, a escolha e instalação de sim-


ples floreiras e bancos de betão arquitetónico, permitem
que os mesmos se convertam simultaneamente em
obstáculos à circulação automóvel, evitando atropela-
mentos, vandalização de uma vitrina, ou roubo de uma
caixa multibanco.

•• 19 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

DIREITO A FALAR

Tipos de
Procedimentos
Filipa Teixeira
Departamento Jurídico

Ainda no seguimento da publicação


do Decreto-Lei n.º 111-B/2017, de
31 de agosto, o qual procedeu à 9.ª
alteração ao Código dos Contratos
Públicos (CCP), vimos dar conta das
alterações aos tipos de procedimentos
para a formação de contratos públicos,
com especial destaque à alteração ao
regime do ajuste direto.

•• 20 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 41/2017

DIREITO A FALAR

O novo diploma prevê dois novos tipos de procedimento: Nas figuras já existentes, a destacar as alterações no
a consulta prévia e a parceria para a inovação. “ajuste direto”.

Assim, o CCP passa a permitir a escolha de entre sete ti- O “ajuste direto” passa a ser o procedimento contratual
pos de procedimentos para contratos cujo objeto abranja através do qual a entidade adjudicante convida direta-
prestações que estão (ou possam estar) submetidas à mente uma entidade à sua escolha a apresentar propos-
concorrência de mercado, por parte das entidades adju- ta (artigo 112.º, n.º 2 CCP) e poderá ocorrer quando o
dicantes: valor do contrato for inferior a:

a. Ajuste direto; • 30.000€ (contratos de empreitada) – artigo 19.º, alínea


b. Consulta prévia; d) CCP;
c. Concurso público;
d. Concurso limitado por prévia qualificação; • 20.000€ (contratos de locação ou de aquisição de bens
e. Procedimento de negociação; móveis e de aquisição de serviços) – artigo 20.º, alínea
f. Diálogo concorrencial; d) CCP.
g. Parceria para a inovação.
A escolha do tipo de procedimento vai seguir a regra ge-
Começando pela “Parceria para a inovação” este novo ral que o valor do contrato a celebrar condiciona a esco-
procedimento (artigo 16.º, n.º 1, alínea g) CCP) foi pensa- lha do procedimento.
do para a aquisição de produtos ou serviços inovadores
dirigida a projetos de investigação e desenvolvimento. O Veja-se o quadro síntese infra:
CCP prevê, expressamente, que a nova parceria para a
inovação não pode ser utilizada com o intuito de restrin-
gir ou falsear a concorrência.
TIPOS DE CONTRATOS

Quanto à “Consulta prévia”, este procedimento volta a BENS E SERVIÇOS EMPREITADAS


ter autonomia. Este novo tipo de procedimento contra-
Até 75.000€ Até 150.000€ AJUSTE DIRETO
tual (artigo 16.º, n.º 1, alínea b) CCP) prevê que a enti- ANTES (até 31 de
dade adjudicante convida diretamente, pelo menos, três dezembro de 2017)
Até 5.000€ Não aplicável
AJUSTE DIRETO
SIMPLIFICADO
entidades à sua escolha a apresentar proposta, podendo
com elas negociar os aspetos da execução do contrato a Até 20.000€ Até 30.000€ AJUSTE DIRETO

celebrar (artigo 112.º, n.º 1 CCP). Poderá ocorrer quando AJUSTE DIRETO
AGORA (a partir de 1 Até 5.000€ Até 10.000€
o valor do contrato for inferior a: de janeiro de 2018)
SIMPLIFICADO

De 20.000€ até De 30.000€ até


CONSULTA PRÉVIA
75.000€ 150.000€
• 150.000€ (contratos de empreitada) – artigo 19.º, alí-
nea c), CCP;

• 75.000€ (contratos de locação ou de aquisição de bens Ainda quanto ao ajuste direto, a partir de 1 de janeiro de
móveis e de aquisição de serviços) – artigo 20.º, alínea 2018, as pequenas empreitadas de obras públicas até
c), CCP. 10.000 € passam a poder ser contratadas por ajuste direto
simplificado. - artigo 128.º, n.º 1, CCP.
O facto de a consulta prévia prever o convite a, pelo menos,
três entidades visa limitar o recurso ao ajuste direto, en-
quanto medida de transparência da contratação pública.

•• 21 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt