You are on page 1of 67

APOSTILA DE MATEMÁTICA TÉCNICA

IFSP - Campus Votuporanga


Professor Otacilio Donisete Franzini
APOSTILA MATEMÁTICA TÉCNICA Tipos de Frações................................................................................................... 5

Este material serve como introdução aos conceitos matemáticos, M.M.C (Mínimo múltiplo comum) ....................................................................... 6
adequando-se às necessidades dos alunos do IFSP campus Votuporanga. Adição e subtração de frações: ............................................................................ 6
Nele estão conteúdos dos níveis básico e intermediário da matemática,
dos ensinos fundamental e médio. Os pontos, aqui abordados, fazem parte de um Multiplicação de Frações. .................................................................................... 7
pré-requisito necessário ao curso oferecido por esta unidade. Divisão de Frações................................................................................................ 7
Este material tem por objetivo oferecer subsídios e conhecimento básicos
aos alunos que deles necessitam, a modo de proporcionar aos discentes a base Regra de três simples ............................................................................................... 9
matemática para prosseguir em seus estudos. Regra de três composta ......................................................................................... 11
O material contém as definições matemáticas de uma maneira clara e
objetiva, exemplos e uma série de exercícios de fixação. Potenciação ............................................................................................................ 13
Propriedades da Potenciação ................................................................................ 15
Aluno:_________________________________________________________ Primeira propriedade ......................................................................................... 15
Radiciação .............................................................................................................. 17
Curso:________________________________________________________ Logaritmo ............................................................................................................... 18
Logaritmos – Propriedades ................................................................................ 20
Semestre: ___________ Ano:__________ Logaritmo do Produto ........................................................................................ 20
Logaritmo do quociente ..................................................................................... 20
Sumário Logaritmo da Potência . ..................................................................................... 21
Números Naturais. ................................................................................................... 3 Logaritmo decimal.............................................................................................. 21
Números Inteiros. .................................................................................................... 3 Mudança de base ............................................................................................... 22
Números Racionais. ................................................................................................. 3 Regra de Sinais ....................................................................................................... 23
Números Reais. ........................................................................................................ 3 Adição/Subtração ............................................................................................... 23
Frações ..................................................................................................................... 4 Multiplicação/Divisão......................................................................................... 23

1
Função de 1º grau .................................................................................................. 23 Mediatriz ............................................................................................................ 39
Definição ............................................................................................................ 23 Altura.................................................................................................................. 39
Gráfico ................................................................................................................ 24 Mediana ............................................................................................................. 40
Zero e Equação do 1º Grau ................................................................................ 24 Bissetriz .............................................................................................................. 40
Crescimento e decrescimento ........................................................................... 25 Teorema de Pitágoras ............................................................................................ 40
Regra geral: ........................................................................................................ 25 Radiano .................................................................................................................. 44
Raiz da Função Afim ........................................................................................... 27 Círculo Trigonométrico .......................................................................................... 45
Função de 2º grau .................................................................................................. 28 Ângulos Notáveis................................................................................................ 46
Representação Gráfica de uma Função Quadrática .......................................... 28 Relações Seno, Cosseno e Tangente ...................................................................... 46
Raiz da Função Quadrática................................................................................. 29 Seno.................................................................................................................... 47
Vértice e Concavidade da Parábola ................................................................... 30 Cosseno .............................................................................................................. 48
Coordenadas do Vértice da Parábola ................................................................ 31 Tangente ............................................................................................................ 49
Valor Mínimo ou Máximo da Função Quadrática .............................................. 32 Múltiplos e submúltiplos do metro........................................................................ 54
Sinal .................................................................................................................... 32 Perímetro ............................................................................................................... 55
Noções de Geometria. ........................................................................................... 36 Área. ....................................................................................................................... 55
Ângulos opostos pelo vértice ............................................................................. 37 Circunferência e Circulo ......................................................................................... 57
Ângulos congruentes ......................................................................................... 37 Raio e Diâmetro ................................................................................................. 57
Alguns ângulos especiais. ................................................................................... 37 O NÚMERO π ...................................................................................................... 57
O transferidor..................................................................................................... 38 Perímetro da Circunferência .............................................................................. 58
Subdivisões do grau. .......................................................................................... 39 Volume ................................................................................................................... 60
Paralelas ............................................................................................................. 39 Referências bibliográficas: ..................................................................................... 66

2
Números Racionais.
Números Naturais. Número racional é todo o número que pode ser representado por uma razão
Um número natural é um número inteiro não-negativo (0, 1, 2, 3,...). Em alguns (ou fração) entre dois números inteiros.
contextos, número natural é definido como um número inteiro positivo, i.e., o O conjunto dos números racionais (representado por ) é definido por:
zero não é considerado como um número natural. Quando o símbolo dos
números naturais (N) vier seguido de um asterisco (*) tira-se o 0 (zero).

Os matemáticos usam para se referir ao conjunto de todos os números


naturais.
Em outras palavras, o conjunto dos números racionais é formado por
= (0, 1, 2, 3, 4, 5, ...)
todos os quocientes de números inteiros a e b, em que b é não nulo. O uso da
letra "Q" é derivado da palavra inglesa quotient, cujo significado é quociente, já
que a forma de escrever um número racional é o quociente de dois números
* = ( 1, 2, 3, 4, 5, ...) inteiros.
São exemplos de números racionais: ; ; ; ; ; .

Números Inteiros. Números Reais.


Os números inteiros são constituídos dos números naturais, incluindo o zero
(0, 1, 2, 3, ...) e todos números negativos, que são os simétricos dos números O conjunto dos números reais é uma expansão do conjunto dos
naturais não nulos (−1, −2, −3, ...). Dois números são simétricos se, e somente se, números racionais que engloba não só os inteiros e os fracionários, positivos e
sua soma é zero. Por vezes, no ensino pré-universitário, chamam-se a estes negativos, mas também todos os números irracionais.
números inteiros relativos. Os números reais são números usados para representar uma quantidade
contínua (incluindo o zero e os negativos). Pode-se pensar num número real
O conjunto de todos os inteiros é representado por um . como uma fracção decimal possivelmente infinita, como 3,141592(...). Os
números reais têm uma correspondência biunívoca com os pontos de uma reta.
= (...-5, -4, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3, 4, 5, ...)

3
Frações Um terço

O que é uma fração?


Dois quartos
Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi
dividida uma unidade ou um inteiro. Três quintos

Assim, por exemplo, se tivermos uma pizza inteira e a dividimos em


quatro partes iguais, cada parte representará uma fração da pizza. Um sexto

Quatro sétimos

Sete oitavos

Dois nonos
Uma pizza inteira Quatro pedaços de pizza
1 4 x 1/4
Um décimo

Qual o significado de uma fração?


Dois onze avos

Uma fração significa dividir algo em partes iguais. Assim: indica a : b , Cinco doze avos
sendo a e b números naturais e b diferente de 0. a representa o numerador e b, o
denominador. ... ...

Leitura de frações: Um centésimo

Metade Um milésimo

4
Frações equivalentes: são frações que representam a mesma parte de um Tipos de Frações
todo, como o próprio nome já diz, são equivalentes.
- Fração própria: é aquela que o numerador é menor que o denominador.

Ex: ( 7<9 )

- Fração imprópria: é aquela que o numerador é maior ou igual ao


denominador.

Simplificação de frações: Para simplificarmos uma fração, devemos


Exs: ,
dividir o numerador e o denominador por um mesmo número inteiro. Observem
comparando com os quadradinhos acima.
Numa fração imprópria temos o seguinte:

Ao dividirmos 12 por 7, temos 1


a)
inteiro, e sobram 5 sétimos.
Vejam que 7x1+5=12
b)

Outros exemplos:
Outros exemplos:

a)
a)

b)
b) Não é possível a simplificação, por isso, é uma fração irredutível.

5
M.M.C (Mínimo múltiplo comum) 2) Caso os denominadores sejam diferentes, devemos encontrar o mmc e
transformar em frações de mesmo denominador para depois efetuarmos as
Não há a necessidade de explicar o que é mmc, pois o próprio nome já diz operações.
que é o mínimo múltiplo comum. Mas o que isso significa? Vejamos:

Qual o mmc de 4 e 6? Ou seja, qual é o menor divisor de 4 e 6 a)


simultaneamente?

Vejam que 12:3=4, assim como 12:2=6. Portanto, o mmc é 12. Vamos treinar? O mmc de 6 e 3 é igual a 6. Transformemos numa fração equivalente de
denominador 6.
m.m.c
3e4 12
5 e 30 30
12 e 15 60 Podemos agora somar, pois as frações possuem o mesmo denominador. Após a
8e6 24 soma, se possível, simplifiquem.

Adição e subtração de frações:

1) Verificar se os denominadores são iguais. Se forem iguais, basta somar ou


subtrair o numerador. Vejam os exemplos:
b)

a)
O mmc de 6 e 4 é igual a 12. Vamos transformar e em frações equivalentes
de mesmo denominador 12.
b)

c)

6
c)

Assim: d)

Multiplicação de Frações.
e)
Multiplicar numerador com numerador e denominador com
denominador. Se necessário, simplifique o produto. Exercícios.

1) Observe a figura:
a)

b)

a) Em quantas partes iguais o retângulo foi dividido?


c)
b) Cada uma dessas partes representa que fração do retângulo?
Divisão de Frações
c) A parte pintada representa que fração do retângulo?
Na divisão de frações, vamos multiplicar a primeira fração pelo inverso da
segunda. Se necessário, simplifique. 2) Observe as figuras e diga quanto representa cada parte da figura e a parte
pintada:

a)

b)

7
5) Efetue as seguintes operações de multiplicação:

a)

b)
a) b) c)

3) Um sexto de uma pizza custa 3 reais, quanto custa: c)

a) da pizza =
d) 2 .

6) Efetue as seguintes operações de divisão:


b) da pizza =

c) a pizza toda = a)

b)
4) Encontre o resultado dos cálculos abaixo:
c)
a)
d)
b)
e)
c)
f)

d)

8
Como as palavras correspondem (aumentando - aumenta), podemos afirmar
que as grandezas são diretamente proporcionais. Assim sendo, colocamos uma
7) Um recipiente com 24 litros de vinho foi distribuído em garrafas, cada uma outra seta no mesmo sentido (para baixo) na 1ª coluna. Montando a proporção e
com capacidade d ¾ de litro. Se cada garrafa serve 6 taças, qual será o número resolvendo a equação temos:
total que pode ser servida utilizando os 24 litros de vinho?

Regra de três simples


Regra de três simples é um processo prático para resolver problemas
que envolvam quatro valores dos quais conhecemos três deles. Devemos, Logo, a energia produzida será de 500 watts por hora.
portanto, determinar um valor a partir dos três já conhecidos.

Exemplos: 2) Um trem, deslocando-se a uma velocidade média de 400Km/h, faz


um determinado percurso em 3 horas. Em quanto tempo faria esse mesmo
1) Com uma área de absorção de raios solares de 1,2m2, uma lancha percurso, se a velocidade utilizada fosse de 480km/h?
com motor movido a energia solar consegue produzir 400 watts por hora de
energia. Aumentando-se essa área para 1,5m2, qual será a energia produzida?
Solução: montando a tabela:
Solução: montando a tabela:
Área (m2) Energia (Wh) Velocidade (Km/h) Tempo (h)
1,2 400 400 3
1,5 x 480 x
Identificação do tipo de relação:
Identificação do tipo de relação:

Inicialmente colocamos uma seta para baixo na coluna que contém o x (2ª
coluna). Inicialmente colocamos uma seta para baixo na coluna que contém o x (2ª
Observe que: Aumentando a área de absorção, a energia solar aumenta. coluna).

9
Observe que: Aumentando a velocidade, o tempo do percurso diminui.

Como as palavras são contrárias (aumentando - diminui), podemos


afirmar que as grandezas são inversamente proporcionais. Assim sendo,
colocamos uma outra seta no sentido contrário (para cima) na 1ª coluna.
Montando a proporção e resolvendo a equação temos:
Logo, a Bianca pagaria R$200,00 pelas 5 camisetas.

4) Uma equipe de operários, trabalhando 8 horas por dia, realizou


determinada obra em 20 dias. Se o número de horas de serviço for reduzido
para 5 horas, em que prazo essa equipe fará o mesmo trabalho?

Solução: montando a tabela:

Horas por dia Prazo para término (dias)


Logo, o tempo desse percurso seria de 2,5 horas ou 2 horas e 30 8 20
minutos. 5 x
Observe que: Diminuindo o número de horas trabalhadas por dia, o prazo
3) Bianca comprou 3 camisetas e pagou R$120,00. Quanto ela pagaria para término aumenta.
se comprasse 5 camisetas do mesmo tipo e preço?
Solução: montando a tabela: Como as palavras são contrárias (diminuindo - aumenta), podemos afirmar que as
grandezas são inversamente proporcionais. Montando a proporção e resolvendo
Camisetas Preço (R$) a equação temos:
3 120
5 x

Observe que: Aumentando o número de camisetas, o preço aumenta.


Como as palavras correspondem (aumentando - aumenta), podemos afirmar que
as grandezas são diretamente proporcionais. Montando a proporção e
resolvendo a equação temos:

10
Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o número de caminhões.
Portanto a relação é diretamente proporcional (seta para baixo na 3ª coluna).
Regra de três composta Devemos igualar a razão que contém o termo x com o produto das outras razões
de acordo com o sentido das setas.
A regra de três composta é utilizada em problemas com mais de duas
Montando a proporção e resolvendo a equação temos:
grandezas, direta ou inversamente proporcionais.

Exemplos:
1) Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160m3 de areia. Em 5 horas,
quantos caminhões serão necessários para descarregar 125m3?

Solução: montando a tabela, colocando em cada coluna as grandezas de


mesma espécie e, em cada linha, as grandezas de espécies diferentes que se
correspondem:

Horas Caminhões Volume


8 20 160
Logo, serão necessários 25 caminhões.
5 x 125
Identificação dos tipos de relação: 2) Numa fábrica de brinquedos, 8 homens montam 20 carrinhos em 5 dias.
Inicialmente colocamos uma seta para baixo na coluna que contém o x (2ª Quantos carrinhos serão montados por 4 homens em 16 dias?
coluna).
Solução: montando a tabela:

Homens Carrinhos Dias


8 20 5
A seguir, devemos comparar cada grandeza com aquela onde está o x. 4 x 16
Observe que: Aumentando o número de horas de trabalho, podemos diminuir o
número de caminhões. Portanto a relação é inversamente proporcional (seta para Observe que:
cima na 1ª coluna).

11
Aumentando o número de homens, a produção de carrinhos aumenta.
Portanto a relação é diretamente proporcional (não precisamos inverter a razão).

Aumentando o número de dias, a produção de carrinhos aumenta. Portanto a


relação também é diretamente proporcional (não precisamos inverter a razão).
Devemos igualar a razão que contém o termo x com o produto das outras razões.

Montando a proporção e resolvendo a equação temos: Logo, para completar o muro serão necessários 12 dias.

Exercícios:

1) Três torneiras enchem uma piscina em 10 horas. Quantas horas levarão


10 torneiras para encher 2 piscinas?
Logo, serão montados 32 carrinhos.
2) Uma equipe composta de 15 homens extrai, em 30 dias, 3,6 toneladas
3) Dois pedreiros levam 9 dias para construir um muro com 2m de altura. de minério de ferro. Se for aumentada para 20 homens, em quantos
Trabalhando 3 pedreiros e aumentando a altura para 4m, qual será o tempo dias conseguirão extrair 5,6 toneladas?
necessário para completar esse muro?
Inicialmente colocamos uma seta para baixo na coluna que contém o x. 3) Vinte empregados, trabalhando 8 horas por dia, gastam 18 dias para
Depois colocam-se flechas concordantes para as grandezas diretamente fabricarem 300 eixos excêntricos. Quanto tempo levará uma turma de
proporcionais com a incógnita e discordantes para as inversamente 16 empregados, trabalhando 9 horas por dia, para fabricarem 225 eixos
proporcionais, como mostra a figura abaixo: excêntricos?
4) Um caminhoneiro entrega uma carga em um mês, viajando 8 horas por
dia, a uma velocidade média de 50 km/h. Quantas horas por dia ele
deveria viajar para entregar essa carga em 20 dias, a uma velocidade
média de 60 km/h?
Montando a proporção e resolvendo a equação temos:
5) Com uma certa quantidade de fio, uma fábrica produz 5400m de tecido
com 90cm de largura em 50 minutos. Quantos metros de tecido, com 1
metro e 20 centímetros de largura, seriam produzidos em 25 minutos?

12
O expoente 4 é chamado de quarta potência.
Potenciação O expoente 5 é chamado de quinta potência.

Assim:
Consideremos uma multiplicação em que todos os fatores são iguais.
a) 7² Lê-se: sete elevado ao quadrado
b) 4³ Lê-se: quatro elevado ao cubo
Exemplo:
c) 5⁴Lê-se: cinco elevado a quarta potência
5x5x5, indicada por 5³
d) 2⁵ Lê-se: dois elevado a quinta potência
ou seja , 5³= 5x5x5=125
onde :
Por convenção temos que:
5 é a base (fator que se repete)
1) todo o número elevado ao expoente 1 é igual à própria base, exemplo:
3 é o expoente ( o número de vezes que repetimos a base)
a) 8¹ = 8
125 é a potência ( resultado da operação)
b) 5¹ = 5
c) 15¹ = 15
Outros exemplos :
a) 7²= 7x7=49
2) todo o número elevado ao expoente zero é igual a 1
b) 4³= 4x4x4=64
exemplo
c) 5⁴= 5x5x5x5=625
a) 8º=1
d) 2⁵= 2x2x2x2x2=32
b) 4º=1
c) 12º=1
O expoente 2 é chamado de quadrado
O expoente 3 é chamado de cubo

13
g) 3⁴ =
Exercícios
h) 3⁵ =
i) 1⁴ =
j) 0⁴ =
1) Em 7² = 49, responda:
l) 1⁵ =
a) Qual é a base?
m) 10² =
b) Qual é o expoente?
n) 10³ =
c) Qual é a potência?
o) 15² =
p) 17² =
2) Escreva na forma de potência:
q) 30² =
a) 4x4x4=
r)40² =
b) 5x5 =
s)32² =
c) 9x9x9x9x9=
t)15³ =
d) 7x7x7x7 =
u) 30³=
e) 2x2x2x2x2x2x2=
v) 11⁴ =
x) 300² =
3) Calcule a potência:
z) 100³ =
a) 3² =
b) 8² =
c) 2³=
d) 3³ =
e) 6³ =
f) 2⁴ =

14
b) 7⁴ x 7⁵ =

Propriedades da Potenciação c) 2⁶ x 2²=


d) 6³ x 6 =
e) 3⁷ x 3² =
f) 9² x 9⁴x 9 =
Primeira propriedade
g) 4 x 4² x 4 =
h) 4 x 4 x 4=
Multiplicação de potências de mesma base
i) m⁰ x m x m³ =
Ao multiplicar potências de mesma base, repetimos a base e somamos os
j) 15 x 15³ x 15⁴x 15 =
expoentes.

Segunda Propriedade
Exemplos:
3² x 3⁵ = 3²⁺⁵ = 3⁷
Divisão de Potência de mesma base

conclusão:
Ao dividir potências de mesma base, repetimos a base e subtraímos os
conservamos a base e somamos os expoentes.
expoentes.

Exemplo
EXERCÍCIOS
a) 8⁹: 8² = 8⁹⁻² = 8⁷
b) 5⁴ : 5 = 5⁴⁻¹ = 5³
conclusão : conservamos a base e subtraimos os expoentes
1) Reduza a uma só potência
a) 4³ x 4 ²=

15
EXERCÍCIOS

conclusão: conservamos a base e multiplicamos os expoentes.

1) Reduza a uma só potência EXERCÍCIOS


a) 5⁴ : 5² =
b) 8⁷ : 8³ =
1) Reduza a uma só potência:
c) 9⁵ : 9² =
a) (5⁴)²
d) 4³ : 4² =
b) (7²)⁴
e) 9⁶ : 9³ =
c) (3²)⁵
f) 9⁵ : 9 =
d) (4³)²
g) 5⁴ : 5³ =
e) (9⁴)⁴
h) 6⁶ : 6 =
f) (5²)⁷
i) a⁵ : a³ =
g) (6³)⁵
h) (a²)³
Terceira Propriedade i) (m³)⁴
j) (m³)⁴
Potência de Potência
k) (x⁵)²
l) (a³)⁰
Ao elevar uma potência a um outro expoente, repetimos a base e multiplicamos
m) (x⁵)⁰
os expoentes.

(7²)³ = 7²΄³ = 7⁶

16
Radiciação √49= 7 lê-se: raiz quadrada de 49

∛8 = 2 lê-se : raiz cúbica de 8


Qual o número que elevado ao quadrado é igual a 9?

∜81 = 3 lê-se: raiz quarta de 81


Solução:
Sendo 3² = 9, podemos escrever que √9 = 3
Nota:
Essa operação chama-se radiciação, que é a operação inversa da potenciação
Não é necessário o índice 2 no radical para a raiz quadrada

Exemplos:

EXERCÍCIOS
Potenciação------------------------radiciação
a) 7² = 49 ---------------------------- √49= 7
b) 2³= 8 ------------------------------ ∛8 = 2
1)Descubra o número que :
c) 3⁴= 81 ---------------------------- ∜81 = 3
a) elevado ao quadrado dá 9 =
b) elevado ao quadrado dá 25 =
O sinal √ chamamos de radical
c) elevado ao quadrado dá 49 =
O índice 2 significa : raiz quadrada
d) elevado ao cubo dá 8 =
O índice 3 significa: raiz cúbica
O índice 4 significa: raiz quarta
2) Quanto vale x ?
a) x²= 9
assim:
b) x²= 25

17
c) x²= 49 Logaritmo
d) x²= 81
O logaritmo serve para isso!

3) Determine a Raiz quadrada: Esta pergunta poderia ser interpretada matematicamente da seguinte
forma:
a) √9 =
b) √16 =
c) √25 =
d) √81 = Onde "x" é o expoente que devemos elevar a base 5 para obtermos 25.

e) √0 = Como sabemos que devemos elevar o 5 ao quadrado (ou seja, à potência


f) √1 = 2) para obtermos 25, chegamos à conclusão que o logaritmo de 25 na base 5 é 2:
g) √64 =
h) √100 =
Cada elemento desta estrutura possui um nome. Vamos ver:
4) Resolva as expressões abaixo:
a) √16 + √36 =
b) √25 + √9 =
c) √49 - √4 =
d) √36- √1 =
e) √9 . √100 =
f) √81 : √9 =

18
No exemplo anterior, , temos então que a base é 5, o Atenção
logaritmando é 25 e o logaritmo de 25 na base 5 é 2. Precisamos fazer 2 alertas para que a gente não se dê mal:
Exemplos: Não tem sentido calcular logaritmo de número menor ou igual a zero.
Todas as base devem ser maiores que zero e diferentes de 1.
2
Todos os 4 exemplos abaixo estão resumidos nos alertas acima. Entenda-
X= os para que possa fixá-los bem.

X=√ X = 64
Veja os exemplos:
X=5 X = 9 ou -9 = Qual o logaritmo de zero na base 2 ?
Ou seja: qual o número que servirá de expoente para o 2 de forma a
obtermos o número zero ? Se a gente tentar calcular veremos que não existe.

= Qual o logaritmo de -1 na base 2 ?


Certamente que não encontraremos resultado válido pois não existe um

X = -5 expoente que sirva à base 2(positiva), para dar origem ao número -1.

Obs: Todo log com base e logaritmando iguais, sempre vai ser 1. Veja:
= Qual o logaritmo de 2 na base 0 ?
Zero elevando a quanto vai dar 2 ?... Não existe!

Log 44 = x
x
4 = 4¹
= Qual o logaritmo de 2 na base 1 ?

x=1
Se a gente tentar calcular veremos que qualquer que seja o expoente a
gente sempre obterá 1. Logo também não existe.

19
Logaritmos – Propriedades Logaritmo do quociente
Existem 3 propriedades dos logaritmos que são muito úteis para se
resolver muitos dos problemas que enfrentaremos. Vejamos:
Quando precisar calcular Logaritmo de um quociente, digamos 8/4, ou seja
Logaritmo do produto. = é só a gente calcular os logaritmos de 8 e 4, separadamente, e
Logaritmo do quociente.
Logaritmo da potência. depois subtrai-los. O resultado desta subtração será o logaritmo de 8/4.

Quando precisarmos calcular logaritmos de produto ou quociente ou


Vamos calcular e .
potência, poderemos aplicar as regras que veremos agora.
= 3 pois 2³ = 8 e = 2 pois 2² = 4.

Logaritmo do Produto
Para calcularmos , basta subtrairmos os logaritmos de 8 e de 4
Quando precisar calcular Logaritmo de um produto, digamos 8x4, ou seja
que acabamos de calcular:
é só calcular os logaritmos de 8 e 4, separadamente, e depois somar. O
= -
resultado desta soma será o logaritmo de 8x4 na base 2.
=3-2
Vamos calcular e .
=1
= 3 pois 2³ = 8 e = 2 pois 2² = 4.
Para calcularmos , basta somarmos os logaritmos de 8 e de 4
Regra Geral para calculo de logaritmos do quociente:
que acabamos de calcular:
= -
= +
=3+2
O logaritmo de um quociente é igual a subtração dos logaritmos do
=5
numerador e do denominador.
Regra Geral para calculo de logaritmos de produto:
= +
O logaritmo de um produto é igual a soma dos logaritmos dos fatores

20
Logaritmo da Potência . Logaritmo decimal

Quando precisar calcular Logaritmo de uma potência, digamos , ou Dizemos que o logaritmo é decimal quando a base é 10.
seja, , é só calcular o logaritmo de da base e depois multiplicar pelo Neste caso, na representação matemática a gente economiza e não
expoente. O resultado desta operação será o logaritmo de . escreve o 10, veja:
Vamos calcular Log 100
= 1, pois =2 Isto significa: "Logaritmo de 100 na base 10"
Alguém poderia perguntar: E cadê a base ? Resposta: Quando o logaritmo é
Para calcularmos , basta multiplicarmos o expoente 5 pelo decimal, ou seja a base é 10 não é preciso escrevê-la pois todo mundo já sabe que
logaritmo de 2 que acabamos de calcular: vale 10.
= 5. Mas a gente não sabia ? Então agora nós já sabemos também !
=5.1
=5

Regra Geral para calculo de logaritmos de potência:

=c.

O logaritmo de uma potência é igual a multiplicação do expoente pelo


logaritmo da base.
- "Isso é moleza !"

21
Mudança de base
Calcule (logaritmo de 27 na base 9). Se tentarmos descobrir qual d) =x
o expoente que elevará a base 9 para obtermos 27 veremos que é um pouco
complicado...contudo existe uma maneira mais fácil: A mudança de base. e) =x
Como se faz isto? Simples: calcule o log de 27 na nova base e divida pelo
log de 9 na nova base também. Veja ao lado: f) =7
O importante é a gente escolher uma base que possibilite calcular os
logaritmos tanto do 27 como do 9 (base inicial). Ah! Essa nova base deverá ser a g) =x
mesma para os dois. Veja ao lado!
h) =

=
i) =

Desta forma, = j) =

k) =
Exercícios:

l) =
01) Calcule o valor de x:
a) =x m)

b) =x n) =

c) = x

22
(-3).(-2) = +6
02) Se = 0,30103 e = 0,47712, determinar:
a) = → mais com mais: dá mais;

(+10 ).(+4) = +40


b) =
→ mais com menos: dá menos.
c)
(-2).(+4) = -8

Regra de Sinais Função de 1º grau


Definição
Adição/Subtração Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer
função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são
→ menos com menos: soma e conserva o sinal; números reais dados e a 0.
Na função f(x) = ax + b, o número a é chamado de coeficiente de x e o
(-5) + (-10) = -5 - 10 = -15 número b é chamado termo constante.

→ mais com mais: soma e conserva o sinal; Veja alguns exemplos de funções polinomiais do 1º grau:

(+5) + (+45) = 5 + 45 = +50 f(x) = 5x - 3, onde a = 5 e b = - 3

→ menos com mais: subtrai e conserva o sinal do "maior". f(x) = -2x - 7, onde a = -2 e b = - 7

(+50) + (-35) = 50 - 35 = +15 f(x) = 11x, onde a = 11 e b = 0

Multiplicação/Divisão

→ menos com menos: dá mais;

23
Gráfico
O gráfico de uma função polinomial do 1º grau, y = ax + b, com a 0, é
uma reta oblíqua aos eixos Ox e Oy. x y
Exemplo:
Vamos construir o gráfico da função y = 3x - 1: 0 -1
Como o gráfico é uma reta, basta obter dois de seus pontos e ligá-los com o
auxílio de uma régua:
0
a) Para x = 0, temos y = 3 · 0 - 1 = -1; portanto, um ponto é (0, -1).

b) Para y = 0, temos 0 = 3x - 1; portanto, e outro ponto é .

Zero e Equação do 1º Grau


Chama-se zero ou raiz da função polinomial do 1º grau f(x) = ax + b, a 0,
Marcamos os pontos (0, -1) e no plano cartesiano e ligamos os dois o número real x tal que f(x) = 0.
com uma reta.
Temos:

f(x) = 0 ax + b = 0

Vejamos alguns exemplos:

1. Obtenção do zero da função f(x) = 2x - 5:

f(x) = 0 2x - 5 = 0

24
2. Cálculo da raiz da função g(x) = 3x + 6:

g(x) = 0 3x + 6 = 0 x = -2

Crescimento e decrescimento
Consideremos a função do 1º grau y = 3x - 1. Vamos atribuir valores cada
vez maiores a x e observar o que ocorre com y:

x -3 -2 -1 0 1 2 3
y -10 -7 -4 -1 2 5 8
Regra geral:
Notemos que, quando aumentos o valor de x, os correspondentes valores
de y também aumentam. Dizemos, então que a função y = 3x - 1 é crescente - a função do 1º grau f(x) = ax + b é crescente quando o coeficiente de x é positivo
(a > 0);
Observamos novamente seu gráfico: - a função do 1º grau f(x) = ax + b é decrescente quando o coeficiente de x é
negativo (a < 0);

Exemplo:

Para a confecção de apostilas uma gráfica cobra um valor de R$ 5,00


referentes ao custo da capa, contra-capa e da encadernação, mais um valor de R$
0,50 para cada página da apostila.

Repare que há uma relação de dependência entre duas grandezas, o


número de páginas da apostila e o seu custo total.

25
Para cada número de páginas existe um valor único para a apostila.
Estamos então diante de uma função que pode ser definida como:

Ou, se trabalharmos com números fracionários, por:

Para o primeiro par ordenado vamos escolher aquele onde x = 0. Tal ponto pode ser observado neste outro gráfico, representado pelo
Substituindo x por 0 na regra de associação ou lei de formação da função, temos: ponto B:

O ponto (4, 7) do gráfico da função nos aponta que o custo de uma


apostila com 4 páginas é de R$ 7,00.
Então o nosso par ordenado será (0, 5) representado no gráfico ao lado
pelo ponto A: Como sabemos que o gráfico de uma função polinomial do 1° grau é uma
reta, basta traçarmos uma reta unindo tais pontos, como podemos ver no gráfico
O ponto (0, 5) do gráfico da função nos indica que caso a apostila não abaixo:
tenha nenhuma página, o seu custo será de R$ 5,00 referentes ao custo da capa,
contracapa e da encadernação apenas.

Para o outro par ordenado, arbitrariamente podemos escolher o ponto


com abscissa igual a 4 e realizarmos os cálculos como no caso do primeiro ponto,
agora trocando x por 4:

26
Neste exemplo partimos da lei de formação da função, escolhemos d) Construa o gráfico da função.
arbitrariamente dois pontos conhecidos e a partir deles montamos o gráfico da
função.
e) Esta função é crescente ou decrescente?
Raiz da Função Afim
Observe no gráfico acima que a reta da função intercepta o eixo das
2) Uma piscina de 30 mil litros, totalmente cheia, precisa ser esvaziada para
abscissas no ponto (-10, 0).
limpeza e para isso uma bomba que retira água à razão de 100 litros por minuto
Este valor de x = -10 que leva a y = 0 é denominado raiz da função ou zero
foi acionada. Baseado nessas informações, pede-se:
da função.
Sendo a função, para encontramos a sua raiz basta a) a expressão que fornece o volume (V) de água na piscina em função do
substituirmos y por 0 e solucionarmos a equação do primeiro grau obtida: tempo (t) que a bomba fica ligada.

b) a expressão que fornece o volume de água que sai da piscina (VS) em


função do tempo (t) que a bomba fica ligada.
Função do 1º grau – Aplicação prática c) o tempo necessário para que a piscina seja esvaziada.

d) quanto de água ainda terá na piscina após 3 horas de funcionamento da


1) O preço a pagar por uma corrida de táxi depende da distância bomba?
percorrida. A tarifa P é composta por duas partes: uma parte fixa, denominada
bandeirada e uma parte variável que depende do número d de quilômetros e) o gráfico que representa o volume de água na piscina em função do
rodados. Suponha que a bandeirada esteja custando R$ 6,00 e o quilômetro tempo em que a bomba fica ligada.
rodado, R$ 1,20.

a) Expresse o preço P em função da distância d percorrida. 3) Em uma determinada loja, o salário mensal fixo de um vendedor é de R$
240,00. Além disso, ele recebe R$ 12,00 por unidade vendida.
b) Quanto se pagará por uma corrida em que o táxi rodou 10 km?
a) Expresse o ganho mensal (S) desse vendedor em função do número (u) de
c) Sabendo que a corrida custou R$ 20,00, calcule a distância percorrida unidades vendidas.
pelo táxi.
b) Quantas unidades ele deve vender para receber um salário de R$ 700,00?

27
Representação Gráfica de uma Função Quadrática
c) Construa o gráfico que representa a função.

Devido ao fato de o gráfico de uma função polinomial do 2° grau ser uma


4) Um botijão de cozinha contém 13 kg de gás. Sabendo que em média é parábola e não uma reta, como no caso de uma função afim, para montarmos o
consumido, por dia, 0,5 kg de gás: seu gráfico não nos basta conhecer apenas dois pares ordenados pertencentes à
curva da função, no caso da função quadrática precisamos de mais alguns pontos
a) Expresse a massa (m) de gás no botijão, em função do número (t) de dias para termos uma boa ideia de como ficará a curva no gráfico.
de consumo.
b) Depois de quantos dias o botijão estará vazio?

c) Esboce o gráfico desta função.

Função de 2º grau
Ao estudarmos a função afim vimos que sua lei de formação é baseada
em um polinômio do primeiro grau na variável x. Analogamente a lei de
formação de uma função quadrática é baseada num polinômio do segundo grau
na variável x.

Toda função na forma , com (


, e ) é denominada função quadrática, ou função
polinomial do 2° grau.

Lembre-se que o polinômio ax2 + bx + c é um polinômio do segundo grau Vamos analisar o gráfico ao lado e a tabela abaixo que contém alguns
na variável x. pontos deste gráfico:

x y = -x2 + 10x - 14

28
2 y = -22 + 10 . 2 - 14 = 2 Sendo a função, para encontramos as suas
raízes basta igualarmos y a 0 e solucionarmos a equação do segundo grau obtida:
3 y = -32 + 10 . 3 - 14 = 7 Estes são os valores de x que levam a y = 0, estes valores são portanto as
raízes desta função.
4 y = -42 + 10 . 4 - 14 = 10 As raízes são encontradas através da chamada fórmula de Bhaskara:

5 y = -52 + 10 . 5 - 14 = 11

6 y = -62 + 10 . 6 - 14 = 10

7 y = -72 + 10 . 7 - 14 = 7 Vamos ver um exemplo pratico:

8 y = -82 + 10 . 8 - 14 = 2 1) O triplo do quadrado do número de filhos de Pedro é igual a 63 menos 12 vezes


o número de filhos. Quantos filhos Pedro tem?

Sendo x o número de filhos de Pedro, temos que 3x2 equivale ao triplo do


Na tabela temos cada um dos sete pontos destacados no gráfico. quadrado do número de filhos e que 63 - 12x equivale a 63 menos 12 vezes o
Para traçá-lo primeiro identificamos no plano cartesiano cada um dos número de filhos. Montando a sentença matemática temos:
pontos sete pontos da tabela e depois fazemos as interligações, traçando linhas
curvas de um ponto a outro seguindo a curvatura própria de uma parábola. 3x2 = 63 - 12x
Normalmente é mais fácil traçarmos a parábola se a começarmos pelo
seu vértice, que neste caso é o ponto (5, 11), visualmente o ponto máximo do
Que pode ser expressa como:
gráfico desta parábola.
3x2 + 12x - 63 = 0
Raiz da Função Quadrática Temos agora uma sentença matemática reduzida à forma ax2 + bx + c = 0, que é
Observe no gráfico anterior que a parábola da função intercepta o eixo denominada equação do 2° grau. Vamos então encontrar as raízes da equação,
das abscissas em dois pontos. Estes pontos são denominados raiz da função ou que será a solução do nosso problema:
zero da função.
Uma função quadrática possui de zero a duas raízes reais distintas. Primeiramente calculemos o valor de Δ:

29
Como Δ é maior que zero, de antemão sabemos que a equação possui duas raízes
reais distintas. Vamos calculá-las:

Agora vamos observar o gráfico da função y = x2 + 3x + 1:


Como podemos perceber, esta outra parábola é côncava para cima e o
seu vértice é o seu ponto mínimo.
Observando apenas a lei de formação das duas funções, qual o seu
A raízes encontradas são 3 e -7, mas como o número de filhos de uma pessoa não
palpite para esta divergência entre os dois gráficos?
pode ser negativo, descartamos então a raiz -7.
Vamos identificar os coeficientes destas funções.
Para a função y = -x2 + 10x - 14 temos:
Portanto:

Pedro tem 3 filhos.

Vértice e Concavidade da Parábola


Podemos observar que no gráfico da função y = -x2 + 10x - 14 o seu
vértice é o ponto máximo e que a sua concavidade é para baixo. Já para a função y = x2 + 3x + 1 temos:

Já tem algum palpite?

30
Observe que na primeira função o coeficiente a é negativo, ao passo que Seus coeficientes são:
na segunda função este mesmo coeficiente é positivo.

O gráfico da função é côncavo para baixo


quando a < 0: Então para a abscissa do vértice xv temos:

A ordenada do vértice yv vamos obter pelas duas formas indicadas.


Por outro lado quando a > 0 o gráfico da função tem a sua concavidade Primeiro utilizando a fórmula, mas para isto antes precisamos calcular o
voltada para cima: discriminante da equação -x2 + 10x - 14 = 0:

Visto que o discriminante é igual a 44, a ordenada do vértice é:

Coordenadas do Vértice da Parábola


A abscissa do vértice xv é dada pela fórmula:

Vamos ver uma aplicação:


Já ordenada do vértice yv pode ser obtida calculando-se yv = f(xv), ou
ainda através da fórmula: O movimento de um projétil, lançado para cima verticalmente, é descrito
pela equação y = -40x² + 200x. Onde y é a altura, em metros, atingida pelo projétil
x segundos após o lançamento. A altura máxima atingida e o tempo que esse
projétil permanece no ar correspondem, respectivamente, a:
Vamos tomar como exemplo novamente a função y = -x2 + 10x - 14 e
calcularmos as coordenadas do seu vértice para conferirmos com o ponto
indicado na tabela inicial. Resolução:
Veja o grafico do movimento.

31
Valor Mínimo ou Máximo da Função Quadrática
Acima aprendemos a identificar pela lei de formação de uma função se a
parábola do seu gráfico tem concavidade para cima ou para baixo e também
aprendemos como calcular as coordenadas do vértice desta parábola.

Ficamos sabendo também que as funções polinomiais do 2° grau com


coeficiente a < 0 possuem um valor máximo, ao ponto que quando o coeficiente
a > 0 possuem um valor mínimo.

Com base nestes conhecimentos podemos calcular qual é o valor máximo


ou mínimo de uma função quadrática.

Na expressão y = -40x² + 200x os coeficientes são a= -40, b = 200 e c= 0. Ou seja:


Utilizaremos a expressão Yv para obter a altura máxima atingida pelo
objeto:
Quando o vértice V indica o ponto de mínimo (se a > 0), ou
máximo (se a< 0).

Sinal
O objeto atingiu a altura máxima de 250 metros. Consideramos uma função quadrática y = f(x) = ax2 + bx + c e
determinemos os valores de x para os quais y é negativo e os valores de x para os
Utilizaremos a expressão Xv para obter o tempo de subida do objeto: quais y é positivos. Conforme o sinal do discriminante = b2 - 4ac, podemos
ocorrer os seguintes casos:

1º - > 0
Nesse caso a função quadrática admite dois zeros reais distintos (x1 x2). a
O projétil levou 2,5 segundos para atingir altura máxima, levando mais parábola intercepta o eixo Ox em dois pontos e o sinal da função é o indicado nos
2,5s para retornar ao solo, pois no movimento vertical o tempo e subida é igual gráficos abaixo:
ao tempo de descida. Portanto o projétil permaneceu 5 s no ar.

32
2º - =0

quando a > 0 quando a > 0


y>0 (x < x1 ou x > x2)
y<0 x1 < x < x 2

quando a < 0
y>0 x1 < x < x 2 quando a < 0
y<0 (x < x1 ou x > x2)

33
3º - <0
Exercícios

1) Identifique os coeficientes a, b, c das seguintes funções:

a) f(x) = x² - 3x + 10

b) f(x) = 3x² - 9

2) Calcule as raízes das seguintes funções:

quando a > 0 a) f(x) = x² - 5x + 6

b) f(x) = 4x² - 4x + 1

3) Esboce o gráfico das funções do exercício anterior:

4) O quadrado da minha idade menos a idade que eu tinha 20 anos atrás e igual
a 2000. Quantos anos eu tenho agora?

5) O produto da idade de Pedro pela idade de Paulo é igual a 374. Pedro é 5


anos mais velho que Paulo. Quantos anos tem cada um deles?

6) Há dois números cujo triplo do quadrado é a igual 15 vezes estes números.


Quais números são estes?

quando a < 0 7) Considere a função f(x) = x2 – 4x + 3 e responda as questões:

34
a) Os zeros ou raízes de um função do 2º grau são os valores de x que
anulam a função, isto é: f(x) = 0. Sendo assim, calculando os zeros da a) A altura máxima atingida pela bola.
função acima encontraremos:
b) O alcance do disparo

b) O vértice da parábola é o ponto de máximo ou


mínimo da função. O vértice da parábola descrita pela função acima está
representada no item:

c) O gráfico da função está representado no item:

9) Um corpo lançado do solo verticalmente para cima tem posição em função do


tempo dada pela função f(t) = 40 t – 5 t2 onde a altura f(t) é dada em metros
e o tempo t é dado em segundos. De acordo com essas informações
responda:
a) O tempo que o corpo levou para atingir a altura máxima é:

b) O tempo que o corpo permaneceu no ar é:

c) A altura máxima atingida pelo corpo foi de:

10) Um objeto foi lançado do topo de um edifício de 84 m de altura, com


velocidade inicial de 32m/s. Quanto tempo ele levou para chegar ao chão?
Utilize a expressão matemática f(t) = 5t² + 32t, que representa o movimento
8) Uma bala é atirada de um canhão de brinquedo (como mostra a figura de queda livre do corpo.
abaixo) e descreve uma parábola de acordo com a função y = -3x² + 60x (onde
x e y são medidos em metros). Vamos determinar:

35
Noções de Geometria.
Lembramos que um segmento de reta orientado AB é um segmento de
reta que tem início em A e final em B.

Usamos a notação < para um ângulo, como por exemplo: <ABC.

Uma semi-reta orientada AB é a parte de uma reta que tem início em A, Ângulos consecutivos: Dois ângulos são consecutivos se um dos lados de
passa por B e se prolonga indefinidamente. um deles coincide com um dos lados do outro ângulo.

Ângulo é a reunião de dois segmentos de reta orientados (ou duas semi-


retas orientadas) a partir de um ponto comum.
AÔC e BÔC são AÔB e BÔC são AÔB e AÔC são
consecutivos consecutivos consecutivos
OC é o lado comum OB é o lado comum OA é o lado comum

Ângulos adjacentes: Dois ângulos consecutivos são adjacentes se, não


A interseção entre os dois segmentos (ou semi-retas) é denominada têm pontos internos comuns. Na figura em anexo, AÔB e BÔC são ângulos
vértice do ângulo e os lados do ângulo são os dois segmentos (ou semi-retas). adjacentes.

Podem ser usadas três letras, por exemplo ABC para representar um
ângulo, sendo que a letra do meio B representa o vértice, a primeira letra A
representa um ponto do primeiro segmento de reta (ou semi-reta) e a terceira
letra C representa um ponto do segundo segmento de reta (ou semi-reta).

36
Ângulos opostos pelo vértice

Consideremos duas retas concorrentes cuja interseção seja o ponto O.


Estas retas determinam quatro ângulos. Os ângulos que não são adjacentes são Na figura em anexo, temos que ABC e DEF são ângulos congruentes.
opostos pelo vértice. Usamos a notação para denotar ângulos congruentes. Dois ângulos opostos
pelo vértice são sempre congruentes.

Alguns ângulos especiais.

Com relação às suas medidas, os ângulos podem ser classificados como:


reto, agudo, obtuso e raso.

Ângulo Características Gráfico


Na figura acima, AÔB e CÔD são ângulos opostos pelo vértice e também
AÔD e BÔC são ângulos opostos pelo vértice. Ângulo cuja medida é maior do que 0 graus
agudo e menor do que 90 graus. Ao lado temos
um ângulo de 45 graus.
Ângulos congruentes

A congruência entre ângulos é uma noção primitiva. Dizemos que dois Um ângulo reto é um ângulo cuja medida é
ângulos são congruentes se, superpostos um sobre o outro, todos os seus reto exatamente 90º. Assim os seus lados estão
elementos coincidem. localizados em retas perpendiculares.

37
É um ângulo cuja medida está entre 90
graus e 180 graus. Na figura ao lado temos
obtuso
o exemplo de um ângulo obtuso de 135
graus.
Ângulo que mede exatamente 180º, os
seus lados são semi-retas opostas. Neste
raso
caso os seus lados estão localizados sobre
uma mesma reta.

O ângulo reto (90º) é provavelmente o ângulo mais importante, pois o


mesmo é encontrado em inúmeras aplicações práticas, como no encontro de uma
O ângulo AÔC mede 70 graus. Na figura acima, podemos ler diretamente
parede com o chão, os pés de uma mesa em relação ao seu tampo, caixas de
as medidas dos seguintes ângulos:
papelão, esquadrias de janelas, etc...
m(AÔB)=27º m(AÔC)=70º m(AÔD)=120º m(AÔE)=180º
Um ângulo de 360 graus é o ângulo que completa o círculo. Após esta
volta completa este ângulo coincide com o ângulo de zero graus mas possui a m(EÔB)=153º m(EÔC)=110º m(EÔD)=60º m(EÔA)=180º
grandeza de 360 graus (360 º).
Observação: Os ângulos AÔB e EÔB são suplementares. O mesmo
O transferidor. acontece com os pares de ângulos: AÔC e EÔC, AÔD e EÔD.

Exemplos:
Para obter a medida aproximada de um ângulo traçado em um papel,
utilizamos um instrumento denominado transferidor, que contém um segmento
1. O ângulo BÔC pode ser medido mudando a posição do transferidor ou
de reta em sua base e um semicírculo na parte superior marcado com unidades
subtraindo dois ângulos conhecidos.
de 0 a 180. Alguns transferidores possuem a escala de 0 a 180 marcada em ambos
os sentidos do arco para a medida do ângulo sem muito esforço.
m(BÔC) = m(AÔC) - m(AÔB) = 70º - 26º = 44º
Para medir um ângulo, coloque o centro do transferidor (ponto 0) no
vértice do ângulo, alinhe o segmento de reta OA (ou OE) com um dos lados do 2. O ângulo DÔB pode ser medido mudando a posição do transferidor ou
ângulo e o outro lado do ângulo determinará a medida do ângulo, como mostra a subtraindo dois ângulos conhecidos.
figura.
m(DÔB) = m(EÔB) - m(EÔD) = 154º - 60º = 94º

38
Subdivisões do grau. Paralelas
Paraleas são retas que não se encontram.
Em problemas reais, os ângulos nem sempre possuem medidas
associadas a números inteiros, assim precisamos usar outras unidades menores
como minutos e segundos. A notação para 1 minuto é 1' e a notação para 1
segundo é 1".

Unidade de ângulo Número de subdivisões Notação Mediatriz


1 ângulo reto 90 graus 90º
A mediatriz é a reta perpendicular a um lado do triângulo, traçada pelo
1 grau 60 minutos 60' seu ponto médio. As três mediatrizes de um triângulo se encontram em um único
1 minuto 60 segundos 60" ponto, o circuncentro, que é o centro da circunferência circunscrita ao triângulo,
que passa pelos três vértices do triângulo. O diâmetro dessa circunferência pode
ser achado pela lei dos senos.
Ângulos Complementares: se a soma de suas medidas é igual a 90º e
neste caso, um ângulo é o complemento do outro.

Ângulos Suplementares: se a soma de suas medidas é igual a 180º e neste


caso, um ângulo é o suplemento do outro.

Ângulos Replementares: se a soma de suas medidas é igual a 360º e neste


caso, um ângulo é o replemento do outro.

Complemento de x Suplemento de x Replemento de x


O circuncentro é o centro da circunferência circunscrita ao triângulo.

Altura

Altura é um segmento de reta perpendicular a um lado do triângulo ou ao


seu prolongamento, traçado pelo vértice oposto. Esse lado é chamado base da
altura, e o ponto onde a altura encontra a base é chamado de pé da altura.

39
O ponto de interseção das três medianas é o baricentro ou centro de
gravidade.

Bissetriz
A bissetriz interna de um triângulo corresponde ao segmento de reta que
parte de um vértice e vai até o segmento de reta, dividindo o ângulo do vértice
em que partiu em dois ângulos congruentes.
Em um triângulo há três bissetrizes internas, sendo que o ponto de
interseção delas chama-se incentro, que é o centro da circunferência inscrita no
O ponto de interseção das alturas é o ortocentro triângulo.

Mediana
Mediana é o segmento de reta que une cada vértice do triângulo ao
ponto médio do lado oposto. A mediana relativa à hipotenusa em um triângulo
retângulo mede metade da hipotenusa.
O ponto de interseção das três medianas é o baricentro ou centro de
gravidade do triângulo. O baricentro divide a mediana em dois segmentos. O
segmento que une o vértice ao baricentro vale o dobro do segmento que une o
baricentro ao lado oposto deste vértice. No triângulo Equilátero, as medianas,
bissetrizes e alturas são coincidentes. No isósceles, apenas a que chegam ao lado O ponto de interseção das três bissetrizes é o incentro.
diferente, no escaleno, nenhuma delas.

Teorema de Pitágoras
Em Geometria existe um teorema que nos ajuda a descobrir a medida que
falta em um dos lados do triângulo retângulo. É o Teorema de Pitágoras, um
matemático grego que descobriu que a soma dos quadrados das medidas dos
catetos é igual ao quadrado da medida da hipotenusa.

40
Triângulo retângulo é aquele que tem um ângulo reto, ou seja, igual a
90º. Nesse tipo de triângulo, o lado maior chama-se hipotenusa. Os outros dois
lados são chamados de catetos.

Isso quer dizer que em um triângulo retângulo de lados a, b e c, supondo-se que a


hipotenusa seja o lado a, poderíamos expressar matematicamente essa relação Se você prestou bem atenção, deve ter visto nela uma circunferência e
da seguinte maneira: um quadrado.
b² + c² = a² Em seguida, é necessário ver quais as medidas que estão no desenho e
que poderão ser usadas no cálculo. No desenho que você recebeu, a medida
Então, em primeiro lugar, você tem de identificar as figuras geométricas disponível é a do lado do quadrado, ou 30 mm.
que estão no desenho. A Geometria diz que, sempre que você tiver um quadrado inscrito em
uma circunferência, o diâmetro da circunferência corresponde à diagonal do
Observe a figura abaixo: quadrado.
Diagonal é o segmento de reta que une dois vértices não consecutivos de
um polígono, ou seja, de uma figura geométrica plana que tenha mais de três
lados.

41
Para garantir que você aprenda a descobrir a medida que falta em um
Observe bem esse novo desenho. O que antes era um quadrado desenho, vamos mostrar mais um exemplo com uma peça sextavada sem uma
transformou-se em dois triângulos retângulos. das medidas. Observe o desenho a seguir.

A diagonal que foi traçada corresponde à hipotenusa dos triângulos. Os Com base na figura acima, podemos dizer que:
dois catetos correspondem aos lados do quadrado e medem 30 mm. Assim, a  A diagonal a é o diâmetro da circunferência.
medida que está faltando é a hipotenusa do triângulo retângulo.  O comprimento b é um dos catetos.
Transportando as medidas do desenho para essa expressão, você terá:  O comprimento c é o outro cateto.

hip² = cat² +cat²


hip² = 30² + 30²
hip² = 900 + 900
hip² = 1800
hip² = 1800
Hip = √1800
Hip = 42,42 mm

Logo, você deverá tornear a peça com um diâmetro mínimo aproximado


de 42,42 mm.

Por tanto, aplicando Pitágoras conseguiremos determinar o diâmetro que


o torneiro deverá deixar para que o fresador consiga confeccionar a peça.

42
O problema agora é que você só tem uma medida: aquela que Como a hipotenusa a é igual a 2r e sabendo que o valor de r é 15,01 mm,
corresponde ao cateto maior (26 mm). teremos, então:
Apesar de não ter as medidas, a figura lhe fornece dados importantes, a
saber: a hipotenusa corresponde ao diâmetro da circunferência. Este, por sua vez, a = 2 x 15,01 = 30,02 mm
é o dobro do raio. Por isso, a hipotenusa é igual a duas vezes o valor do raio dessa Sabemos também que a hipotenusa corresponde ao diâmetro da
mesma circunferência. circunferência.
É necessário saber também que, quando temos uma figura sextavada Isso significa que o diâmetro para a usinagem da peça é de 30,02 mm.
inscrita em uma circunferência, os lados dessa figura correspondem ao raio da
circunferência onde ela está inscrita. Exercícios:
Esses dados podem ser representados matematicamente.
1) Encontre o valor que representa x em cada figura abaixo:
A hipotenusa a = 2r
O cateto menor c = r

Aplicando o teorema (a² = b² + c²) e substituindo os valores, temos:

(2r)² = 26² + r²

Resolvendo, temos:

4r² = 676 + r2

Como essa sentença matemática exprime uma igualdade, podemos isolar


as incógnitas (r). Assim, temos:

4r² - r² = 676
3r² = 676 2) Qual é a distância entre os centros das polias A e B?
r² = 676 ¸ 3
r² = 225,33
r =√ 225, 33
r = 15,01 mm

43
4) Calcule a distância entre os dois chanfros representados na figura
abaixo:

3) Calcule a distância igualmente entre os furos da figura abaixo:

Radiano
Radiano (1 rad) é o ângulo definido em um círculo por um arco de circunferência
com o mesmo comprimento que o raio do referido círculo.

44
Radiano: o comprimento das linhas azul e vermelha é igual 2) Converta os valores de radianos em graus:

a)

b)

c)

Exercícios:
d)

1) Converta os valores de graus para radianos:

a) 15° =
Círculo Trigonométrico
b) 36° =
Círculo Trigonométrico é um círculo de centro na origem do referencial e
raio igual à unidade.
c) 45° =
Consideremos sobre o círculo trigonométrico de centro O, os pontos A e
B.
d) 225° =
Se aos pontos A e B fizermos corresponder as semi-rectas OA e OB, o par
(OA,OB) define um ângulo.
e) 390° =

45
Ângulos Notáveis

Relações Seno, Cosseno e Tangente


Por sua importância, esse assunto sempre está presente nos testes de
seleção para profissionais da área de Mecânica.
No conteúdo anterior, vimos que quando temos um triângulo retângulo e
precisamos encontrar a medida de 1 (um) de seus lados, basta termos as outras
duas medidas e assim aplicamos Pitágoras.
Na relação seno, cosseno e tangente, utilizamos uma delas quando
também precisamos encontrar a medida de 1 (um) dos lados do triângulo
retângulo, mas nesse caso as informações que temos são apenas 1 (um) lado e 1
(um) de seus ângulos, diferente de Pitágoras que nos fornece duas medidas de
Observe acima no primeiro quadrante por exemplo que:
lados para encontrarmos a terceira medida.
Sabendo identificar os catetos, podemos definir as razões
Sen 30° = Cos 60°
trigonométricas: seno (sen), cosseno (cos) e tangente (tg). Sendo α o ângulo
Sen 45° = Cos 45°
podemos definir as seguintes relações:
Sen 60° = Cos 30°

Isso se dá, por que a soma dos ângulos são complementares, ou seja,
somados formam 90°.

46
Se vc tem um ângulo, que neste caso é o ângulo de 30° e um dos lados do
Seno
triângulo retângulo que no caso é de 5cm, o X que é o valor que estamos
procurando esta do lado OPOSTO ao ângulo de 30°, a medida de 5cm é a
hipotenusa.

α = é um ângulo imaginário, ou seja pode ser qualquer valor. Para tanto:

Cateto oposto = é o cateto que esta do outro lado em relação ao ângulo, como no
exemplo acima seria o lado c.

Hipotenusa = é o lado maior do triângulo retângulo, como no caso do exemplo


acima seria o lado representado pela letra minúscula b. O seno de 30° podemos obter através da tabela em anexo no final da
E para sabermos quando devemos utilizar o seno? apostila, que neste caso o valor corresponde a ½ ou 0,5.

Basta vc efetuar a seguinte pergunta:

Qual é o valor do lado representado por X?

47
Hipotenusa = é o lado maior do triângulo retângulo, como no caso do exemplo
acima seria o lado representado pela letra minúscula b.

E para sabermos quando devemos utilizar o cosseno?

Basta vc efetuar a seguinte pergunta:


Resposta: O lado x corresponde a 2,5 cm.
Qual é o valor do lado representado por X?

Cosseno

α = é um ângulo imaginário, ou seja pode ser qualquer valor.

Cateto adjacente = é o cateto que esta do mesmo lado ao ângulo, como no


exemplo abaixo seria o lado a.
Se vc tem um ângulo, que neste caso é o ângulo de 30° e um dos lados do
triângulo retângulo que no caso é de 5cm, o X que é o valor que estamos
procurando esta do lado ADJACENTE ao ângulo de 30°, a medida de 5cm é a
hipotenusa.

48
Para tanto: Cateto oposto = é o cateto que esta do outro lado em relação ao ângulo, como no
exemplo abaixo seria o lado c.

O cosseno de 30° podemos obter através da tabela em anexo no final da


apostila, que neste caso o valor corresponde a √3 / 2.

Cateto adjacente = é o cateto que esta do mesmo lado ao ângulo, como no


exemplo acima seria o lado a.

E para sabermos quando devemos utilizar a tangente?

Basta vc efetuar a seguinte pergunta:

Qual é o valor do lado representado por X?

Resposta: O lado x corresponde a aproximadamente 4,33 cm.

Tangente

α = é um ângulo imaginário, ou seja pode ser qualquer valor.

49
Observe que temos o valor de um dos catetos e esta faltando a medida do outro EXERCICIOS
cateto.

Sendo que X é o cateto adjacente e 2,5cm é o cateto oposto ao ângulo.


1) Calcule a altura dos blocos-padrão necessários para que a mesa de
seno fique inclinada 10°.

A tangente de 30° podemos obter através da tabela em anexo no final da


apostila, que neste caso o valor corresponde a √3/3.

2) Determine a distância entre os furos para dividi-los igualmente


conforme figura abaixo:

Resposta: O lado x corresponde a aproximadamente 4,33 cm.

50
c)

3) Determine o valor das variáveis dos desenhos abaixo:

a)

d)

b)

51
e) h)

f)

i)
g)

52
m)
j)

k)

n)

l)

53
Múltiplos e submúltiplos do metro.
Exercícios:

01) Efetue as seguintes transformações de medidas:


a) 20m em cm=
b) 20,5 cm em mm=
c) 2 km em dm=
d) 1 dm em dam =
e) 3,5mm em m=
f) 20m² em cm²=
g) 20,5 cm² em mm²=
h) 2 km² em dm²=
i) 1 dm² em dam² =
j) 4,5² hm em mm²=
k) 3,5mm² em m²=
l) 2 mm² em cm²=
m) 20m³ em cm³=
n) 20,5 cm³ em mm³=
o) 2 km³ em dm³=
p) 10 hm³ em m³=
q) 1 dm³ em dam³ =
r) 4,5 hm³ em litros =
s) 2 mm³ em litros =
t) 20m³ em litros =
u) 20,5 cm³ em litros =

54
Perímetro
É a soma dos lados de um polígono.
Veja o exemplo abaixo:
Perímetro neste caso é a soma das distâncias entre as cidades.

P = 429Km + 508Km + 1.175Km + 1.364Km + 586Km = 4.062Km

Importante: Sendo l - medida do lado do polígono regular, P - Perímetro


do polígono regular e n para o número de lados, então P = n . l

Área.

55
A área do polígono regular é dado pelo apótema vezes o perímetro total
do poligono dividido por 2.
Apótema é a altura do triângulo.
Ex: Vamos calcular a área de um pentágono como a figura ao lado cujo
lado mede 4m.
Já vimos que o pentágono é formado por 5 triângulos isósceles. Para
calcularmos o apótema, precisaremos utilizar o calculo da Tangente.
Como?

O hexágono é formado por 5 triângulos isósceles que totalizam 10


triângulos retângulos. Como conhecemos Pitágoras e o calculo de uma tangente,
fica fácil.

360⁰ / 5 = 72⁰ que corresponde ao ângulo oposto ao lado de 4m do


polígono regular.

Para tanto, para utilizarmos a tangente temos que ter um triângulo


retângulo, sendo assim temos que 72⁰ / 2 = 36⁰, vamos utilizar tangente de 36⁰ ≈
0,727.
Polígono regular

56
Circunferência e Circulo
Circunferência: Lugar geométrico dos pontos que possuem a mesma
distância de um determinado ponto chamado centro.
Círculo: É a união da circunferência com o seu interior.
Por analogia: Circunferência é “ um anel” e Circulo é “ uma pizza”.

O NÚMERO π
Imagine uma circunferência e seu respectivo diâmetro.
Raio e Diâmetro Imagine agora que o circulo seja cortado e esticado como uma linha.
Raio é a distância do centro a qualquer lado da circunferência: Fazendo isso podemos comparar o diâmetro com o comprimento dessa linha
Diâmetro é dado por qualquer corda que passe pelo centro da figura. observamos que o comprimento dessa linha é aproximadamente 3,14 vezes
Em geometria, uma corda é um segmento de reta que inicia e finda em dois maior que o diâmetro.
pontos de uma seção cônica
Diâmetro = 2 . raio
Raio = Diâmetro / 2

Esse resultado é constante para todos os círculos e é chamado de π.

57
Perímetro da Circunferência
O Perímetro é o comprimento da circunferência conforme figura acima. 2) A Área de um lote retangular mede 360m². Sabendo que o comprimento é
Perímetro = 2 . π . r ou π . D 30m, calcule a largura e o perímetro deste lote.

A área do circulo é dada por: 3) O Sr. Ademar é carpinteiro e precisa serrar uma ripa de 135 cm de
Área = π . r² comprimento em dois pedaços. Sabendo que um pedaço deve ter 27 cm a
mais que o outro, quais devem ser os comprimentos dos dois pedaços?

4) Dona Carlota cercou a sua chácara, que é retangular, com três linhas de
arame farpado. Para isso ela gastou 90 rolos de arame farpado, com 100 m de
arame cada um. Sabendo que o comprimento da fazenda é o dobro da
largura, ache as medidas da fazenda de Dona Carlota.

5) A área de um quadrado é 81cm². Qual é a medida do lado desse quadrado.

6) Em indústrias mecânicas, são utilizadas ferramentas de corte, onde


geralmente temos um macho e uma fêmea, a figura abaixo é uma fêmea para
Exercícios:
tanto precisamos determinar a área do quadrado abaixo sabendo que o raio
da circunferência circunscrita a esse quadrado mede 2 √2 cm.
1) Determine a área das seguintes figuras: Utilize a unidade de medida mm.

58
7) Para determinar a área de um parafuso sextavado, sabemos que o raio de
uma circunferência é circunscrita a ele mede 3cm, calcule a área e o
perímetro desse da cabeça desse parafuso.

10) Calcule a área do trapézio:

8) Calcule a área total do cilindro circular da figura abaixo, sabendo que o raio da
esfera inscrita mede 3cm.

11) Calcule a área de um losango cujo lado mede 5cm e a diagonal menor mede
6cm.

2
9) Calcule a área da região pintada da figura abaixo, sabendo que o raio da 12) Num losango, a diagonal menor é igual ao lado de um quadrado de 16 m de
circunferência mede 2cm.
área. A diagonal maior é o triplo da menor. Qual a sua área?

13) Calcule a área visualizada pelo observador referente aos desenhos abaixo.

59
Volume
O volume de um corpo pode ser calculado pelo produto da área da base pela
medida da altura. De uma forma geral, podemos aplicar a seguinte fórmula:

V = Ab x h

Ab = área da base

h = altura

60
61
Exercícios:

01) Qual é o volume de um paralelepípedo cujas dimensões são 30m, 18m e


12m?

02) Determine o volume de um cubo de 2,5metros de aresta.

03) Devo construir uma piscina de 8m de comprimento por 5 metros de largura


por 1,5 metros de profundidade. Qual é o volume de terra que deve ser
retirado e quantos litros de água ira caber nesta piscina?

04) As dimensões de um tijolo são de 0,20m de comprimento por 0,10m de altura


por 0,05m de altura. Qual é o volume de argila empregado para fabricar este
tijolo?

05) Determine a área total e o volume de um prisma reto triangular de altura


igual a 12 cm e cuja base é um triângulo retângulo de catetos 6cm e 8cm.

06) Calcule o volume das figuras abaixo, as figuras que não apresentarem
unidades de medida, favor utilizar o mm.

a)

62
d)

e)

b)

c) f)

63
h)

i)

g)

7) (FUVEST 2009) Os papiros mostram que os egípcios antigos possuíam diversos


conhecimentos matemáticos. Eles sabiam que o volume da pirâmide equivale
a um terço do volume do prisma que a contém. A maior pirâmide egípcia,
Quéops, construída por volta de 2560 a.C., tem uma altura aproximada de
140 metros e sua base é um quadrado com lados medindo aproximadamente

64
230 metros. Logo, o volume da pirâmide de Quéops é de aproximadamente 9) (UFMG 2008) Considere um reservatório, em forma de paralelepípedo
(em milhões de metros cúbicos): retângulo, cujas medidas são 8 m de comprimento, 5 m de largura e 1,2 m de
profundidade. Bombeia-se água para dentro desse reservatório, inicialmente
vazio, a uma taxa de 2 litros por segundo. Com base nessas informações, é
CORRETO afirmar que, para se encher completamente esse reservatório,
serão necessários:

a) 40min b) 240min c) 400min d) 480min

a) 1,2 b)2,5 c) 5 d) 7,5 e) 15

8) (Unijui-RS) Um líquido que está num recipiente em forma de cone será


despejado em outro recipiente que possui forma cilíndrica.

Se o raio da base dos dois recipientes for 25 cm e a altura dos dois for 1m, que
altura atingirá o líquido no cilindro?

65
Referências bibliográficas:
GIOVANNI, José Rui; BONJORNO, José Roberto. Matemática 1: Conjuntos,
Funções,
Trigonometria. São Paulo: FTD, 1992. v.1.
GENTIL, Nelson et alii. Matemática para o 2º grau. São Paulo: Ática, 1997. v.1.
GIOVANNI, José Rui; BONJORNO, José Roberto. Matemática: uma nova
abordagem. São
Paulo: FTD, 2000. v.1.
PAIVA, Manoel. Matemática: Conceitos, linguagem e aplicações. São Paulo:
Moderna,
2002. v.1.
DANTE, Luiz Roberto. Matemática: contexto & aplicações. São Paulo: Ática, 1999.
v.1.
http://www.matematicadidatica.com.br
http://www.somatematica.com.br
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe4N8AB/mecanica-tecnica
http://www.exatas.mat.br/fracoes.htm
http://pt.scribd.com/doc/51155271/Matematica-Aplicada-a-Mecanica
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/logaritimo/logaritimo-1.php
http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/trigonom/trigo01-a.htm

66