You are on page 1of 20

MACHADO, Roberto et al.

Danação da norma: medicina social e constituição da


psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

Unidade de análise: documentação: discursos (leis, regulamentos, ofícios, cartas, jornais,


teses, panfletos). Uso dessa documentação em seu valor de implementação de uma estratégia
e sua eficácia política.

APRESENTAÇÃO

Objetivo: uma genealogia da medicina social e da psiquiatria no Brasil. (pg. 11).


Objetivo: “ (...) compreender a figura moderna da medicina, seu papel na sociedade, sua
ambição como instrumento técnico-científico a serviço, direta ou indiretamente, ao Estado.”
(pg. 11).

“(...) esquema de normalização da vida social brasileira (...) que regula a população e
disciplina o indivíduo. (...) pesquisa (...) sob uma perspectiva específica, a da estratégia da
medicalização da sociedade empreendida por uma fração da intelectualidade da época.” (pg.
13).

PARTE I: A ARTE DE CURAR OS MALES NA COLÔNIA

INTRODUÇÃO

História genealógica, não linear e sem demarcar continuidades: estabelecer, no nível do saber
médico e das práticas médicas, os momentos de ruptura, de construção de novos conceitos,
novos objetos, novas formas de institucionalização. Demarcar rupturas. [cap. 3 pensar nesse
prisma]

“(...) a medicina do século passado [XIX] – em seus textos teóricos, regulamentos e


instituições – se delineia, cada vez com mais clareza, um projeto de medicalização da
sociedade. A medicina investe sobre a cidade, disputando um lugar entre as instâncias de
controle da vida social. (...) O conhecimento de uma etiologia social da doença corresponde
ao esquadrinhamento do espaço da sociedade com o objetivo de localizar e transformar
objetos e elementos responsáveis pela deterioração do estado de saúde das populações. (...) O
que implica tanto na existência de um saber médico sobre a cidade e sua população, elaborado
em instituições – faculdades, sociedades de medicina, imprensa médica, etc. – quanto na
presença do médico como uma autoridade que intervém na vida social decidindo, planejando
e executando medidas ao mesmo tempo médicas e políticas.” (pg. 18).

Início do séc. XIX: tipo de medicina enquanto higiene pública como ruptura, como novo tipo
de existência enquanto saber e prática social, diferente das suas formas do passado. (pg. 19).

Roberto Machado: a partir de Foucault, uma história não factual e não linear da medicina (pg.
19).

Medicina social brasileira se constituiu no início do XIX: nova modalidade de projeto teórico
e prática da medicina; conceito de saúde em ruptura, novo, quando comparado com o sentido
anterior (período colonial). (pg. 19).

CAP. 1. A DOENÇA NO CAMINHO DO GOVERNO


Medicina social: “(...) [saúde] tematizada de modo positivo, visando à sua produção,
conservação ou aumento (...).” (pg. 21).

Médico: papel de funcionário da administração colonial (pg. 24).


“A quase inexistência de médicos era causada, em parte, pela proibição de ensino superior nas
colônias. [pg. 24] Por outro lado, havia pouco interesses dos médicos portugueses em virem
para o Brasil. (...) Tais fatores fizeram com que a correlação médico-doença fosse preterida
por formas de cura referidas mais ao indígena, ao negro, ao jesuíta, ao fazendeiro do que ao
próprio médico.” (pg. 24).

Legalizar a arte de curar [Fisicatura]

Físico-mor e Cirurgião-mor do Reino Português: certa autonomia do saber e de produção do


saber médico, mas práticas submetidas ao poder soberano. (pg. 26).
Físco-mor: lugar político de regulação descontínua da prática médica e não de enunciação de
saber/discurso. (pg. 27).

Separação e limites jurídicos: físicos, cirurgiões, boticários (hierarquia de importância). Tipo


de poder médico implantado no Brasil e intocado até o início do séc. XIX. (pg. 28).

“No momento em que se estabelece a administração portuguesa no Brasil, ainda no século


XVI, tem-se notícia da designação, por tempo limitado, de licenciados para o cargo de físico
da cidade de Salvador. No século XVII, são designados médicos para exercer, na cidade da
Bahia, os ofícios de Físico e Cirurgião mores do Estado do Brasil.” (pg. 28).

1744 – Físico-mor de Portugal: regimento específico para seus representantes no Brasil


(relativo relevo às fiscalizações da arte médica e farmacêutica – junto com evolução dos
interesses comerciais do reino em sua colônia). (pg. 30).

“O modo de atuação [da Fisicatura] se dá de duas maneiras: pelas visitas e pelos exames.”
(pg. 31).

Tarefa da administração médica do Reino para com a colônia: distinguir e legitimar os


diferentes ofícios médicos e fiscalizar seus exercícios. (pg. 33).

Regimento de 1744: transladando e explicitando para o Brasil, o modelo de autoridade médica


hierarquizada, legalmente dotada de instrumentos punitivos. (pouco êxito).
Objetivo: não promover a saúde da população, não a formação de profissionais da saúde, mas
impedir casos particulares de abusos das atribuições. (pg. 34).

“(...) a Fisicatura não tem nenhuma relação com a problemática da higiene pública. Se é
verdade que é um poder médico, isso não significa que se exerce com relação à sociedade no
sentido preciso de organizar medidas de controle do espaço social. Não se pode dizer que haja
incidência de seu poder sobre o ambiente da cidade ou a população com o objetivo de criar
melhores condições de saúde ou destruir, no espaço social, tudo que pode ser causa de
doença. Seu objetivo não é a sociedade em geral, mas a própria medicina.
§ É um órgão de tipo corporativo, encarregado de fiscalizar o exercício das profissões
médicas. (...) § (...) um poder restrito à regulamentação da profissão (...). Ação punitiva e não
positiva, transformadora.” (pg. 37).
“[medicina do séc. XIX] (...) um dos suportes normalizadores fundamentais do governo
moderno (...).” (pg. 38).

Fiscalizar os males da cidade

“[Fisicatura] Reduzida à legalização da prática curativa, representando a ação política


soberana no campo específico da medicina, cirurgia e farmácia.” (pg. 38).

Roberto Machado: estabelecer a descontinuidade entre a medicina social do XIX com os três
primeiros séculos de nossa história (XVI, XVII, XVIII): a) tipo de terapeuta; b) controle da
profissão; c) modo de presença da medicina na sociedade (encargo da saúde coletiva:
cuidados individuais, intervenção no espaço social, organização espaço hospitalar). (pg. 39).

Ordenações Filipinas de 1604: tema da sujeira e a tarefa de velar pela limpeza da cidade –
Câmaras municipais, objeto: esterco, águas e animais, fiscalizar o comércio de alimentos:
possibilidades de doenças. (pg. 39).
Fiscalização também dos portos (ponto de contato externo e interno, via de penetração de
pestes) – fiscalização do embarque e desembarque, detectar doentes e males contagiosos. (pg.
41).
Também sob fiscalização da Câmara o próprio exercício das profissões médicas, d“os que
exerciam a ‘arte de curar’”(pg. 43).
Cidade e porto com suas possibilidades de doenças: no quadro da política metropolitana de
maior controle comercial e militar da Colônia (defesa da riqueza e do território em que ela é
produzida; saúde dos povos e conservação do Estado). (pg. 43).
“A população, vital para defender a terra e fazê-la produzir, aparece como elemento a ser
preservado em vida, como vassalos do Rei.” (pg. 43).
“(...) o medo e o perigo da peste, na medida em que ela dizima as populações a ponto de
paralisar a cidade e mesmo de diminuir a mão de obra.” (pg. 43).

Intervenções das câmaras municipais, governadores, vice-reis: de forma fragmentada no


tempo e no espaço. Relação governo português- saúde dos habitantes e sociedade: nunca
como alvo de uma reflexão ou ação constante do poder. (pg. 45).
“(...) a inexistência de um controle contínuo do porto e dos navios no que diz respeito à saúde.
(...) A fiscalização dos navios não se realizava habitualmente, mas unicamente em momento
de perigo manifesto, despertado pela presença de epidemias.” (pg. 48).
Limites da intervenção da Câmara e da administração colonial: fragmentário, descontínuo e
ineficiente – caráter punitivo da ação da Câmara. Pensa-se em evitar a doença apenas
retirando a sujeira (em uma ação privada). (pg. 51).
“[intervenções da Câmara e da administração colonial] não diz respeito a uma política de
saúde capaz de organizar, a partir de uma reflexão e de medidas de tipo positivo, o
funcionamento da cidade.” (pg. 51).
Médico: assessor e consultor da Câmara, terapêutica de tipo individual e curativa, nenhuma
incidência sobre a vida da cidade como um todo. (pg. 52).
“(...) [na colônia] não há presença do saber da medicina, nem do médico como uma
autoridade, nas questões que dizem respeito a uma ação política sobre a cidade tendo em vista
a saúde da população.” (pg. 53).

“A higiene será um tipo de intervenção característica de uma medicina que coloca em


primeiro plano a questão de sua função social; que produz conceitos e programas de ação
através de que a sociedade aparece como o novo objeto de suas atribuições e a saúde dos
indivíduos e das populações deixa de ser unicamente a luta contra a doença para se tornar o
correlato de um modelo médico-político de controle contínuo. A higiene é uma face da
medicina social.” (pg. 53).

“[A saúde colonial] não realiza um controle contínuo da cidade. (...) sem entretanto planejar
ou executar um trabalho sanitário preventivo.” (pg. 54).

“A Fisicatura (...) é dominada pelo objetivo, que se expressa de maneira negativa, de coibir os
abusos, punir os excessos, delimitar o âmbito de ação de cada tipo de ‘profissional de saúde’ e
impedir a existência não legal de qualquer pessoa nas mesmas atribuições. E as Câmaras
respondem a denúncias de sujeira e podridão, ou a sua eventual descoberta, através da
fragmentação prática de punição e reparação, onde na maioria das vezes nem mesmo aparece
referência à doença.” (pg. 54).

“(...) a sociedade colonial não se arma com medidas capazes de enfrentar o perigo da
morbidade e da mortalidade acionando dispositivos capazes de preveni-los.” (pg. 55).

“[saúde colonial] o que se constitui explicitamente como problema é seu inverso, sua marca
negativa, a doença e a morte. §Perspectiva mais de combater o mal do que cultivar um bem. A
saúde não aparece como algo que possa ser produzido, incentivado, organizado, aumentado.”
(pg. 56).

“[saúde colonial] se afigurasse como impensável o projeto de aumentar a saúde da população


como condição de conseguir o seu desenvolvimento. O que aparece é sobretudo o medo de
que uma doença acarrete sua devastação.” (pg. 56) [Depopulação, STP, Foucault].

Socorrei os pobres e os soldados


R.Machado: Diferenças no tratamento dos doentes nos hospitais coloniais e nos hospitais a
partir do XIX. Hospital colonial: a) ausência de medicalização do hospital, b) inexistência de
vigilância e observação da evolução das doenças (assistência dos enfermos de competência e
tarefa de religiosos), c) inexistência de uma organização terapêutica do espaço interno do
hospital (amontoam-se esteiras e doenças), d) escassez de leitos e falta de limites para
aceitação dos internos. (pg. 59).

Imposição de ordem religiosa na organização do hospital colonial: função religiosa do


hospital colonial – preparar, pela religião, uma boa morte. (pg. 63).

“[No hospital colonial] não existe, em nenhum momento, a interferência do médico, nem
mesmo em assuntos diretamente ligados ao tratamento.” (pg. 65).

“[médico no hospital colonial] não irá (...) interferir na organização de um espaço terapêutico
onde a observação e o registro das moléstias permitisse seu conhecimento e combate.
Fisicamente ausente do cotidiano hospitalar.” (pg. 66).

“O serviço de hospitalização da época colonial, é fundamentalmente, uma atividade


assistencial, destinada sobretudo aos doentes pobres. Assistência promovida por ordens
religiosas e, principalmente, pelas Santas Casas de Misericórdia, aqui fundadas por
irmandades de leigos que se encarregam também de sua administração. A assistência material
e espiritual à doença (...).” (pg. 66).
“O aspecto assistencial é, portanto, o que melhor caracteriza a atividade hospitalar nos séculos
XVII e XVIII. Por outro lado, esta assistência – seja ela exercida por instituições religiosas
leigas ou eclesiásticas – será sempre de origem privada. A manutenção dos hospitais dependia
da caridade dos habitantes – por intermédio de doação ou esmolas recolhidas nas ruas da
cidade (...)[pg. 70]. §Não existe por parte da administração pública, nenhuma iniciativa de
criação de hospitais (...).” (pg. 71).

Lepra, filha mais velha da morte


“(...) inexistência, na época colonial, de um projeto de medicina social (...) projeto que tem no
seu centro a problemática da saúde, sua criação e melhoramento.” (pg. 72).

“(...) os médicos são consultados pela autoridade que tomará a decisão: eles falam através da
boca do Reio, autorizados por este, chamados por ele. Este documento tem uma
particularidade: o médico, destituído de poder de decisão e iniciativa, pede um papel
importante no combate ao leproso – mas sempre se subordinando a uma autoridade a ele
superior (...).” (pg. 77).
Combate à lepra: combate ao leproso, não à doença. (pg. 77).

Lazareto e hospital: sinônimos, ideia de hospitalidade, de local acolhedor dos leprosos; ideia
de cura e tratamento é inexistente ou secundária. (pg. 78).
Lazareto: ação sobre os doentes, não procura evitar e eliminar a causa da doença. (pg. 79).

“A autoridade do médico [na lepra] está integrada à administração da Colônia enquanto cargo
que deve ter atribuições, como de prender e punir.” (pg. 79).

“O combate à lepra como doença é quase inexistente, significando apenas aplicações de


alguns remédios (...).” (pg. 80).

“(...) ausência da personagem do médico tanto na criação do lazareto como no seu interior
(...).” (pg. 81).

“(...) o poder de decisão não é dos médicos, quando se trata da lepra e sim da administração
colonial, em ultima instancia do Rei. O papel dos médicos é consultivo e passivo.” (pg.82).

“No projeto de medicina social, encontramos algo diferente: transformação do espaço para
eliminar causas de doença, construção de uma cidade produtora e propiciadora de saúde dos
habitantes; intervenção anterior à doença, ação que abrange toda a sociedade e não somente os
doentes; criação de espaços terapêuticos e não de espaços de exclusão.” (pg. 82).

Peste, um inimigo na cidade


“O eclipse, a carne provinda da África e o castigo de Deus constituem o primeiro gênero de
causas [da peste, por ex., febre amarela, não existe referências médicas à etiologia da peste]”
(pg. 85).

“(...) a ‘preservação das causas’ (...) diz respeito aos lugares da cidade que podem alimentar a
contaminação do ar, a partir dos vapores neles originados.” (pg. 87).
“(...) a ‘preservação’ aconselhada procura destruir ou transformar tudo aquilo que no espaço
social pode ser causa da doença, na medida em que origina ou conserva vapores que
corrompem o ar e, por outro lado, procura atingir o homem ao nível de seus hábitos,
comportamentos, paixões e ‘funções vitais’.” (pg. 88).
“E esta personagem [responsável pela campanha sanitária contra a peste] é a figura não do
médico, mas do político, o Governador de Pernambuco, Marquês de Montebelo.” (pg. 89).
“(...) a importância política da medicina na luta contra a epidemia parece ser nula.” (pg. 91).
“A luta contra a peste obedece ao comando do político e não do médico.” (pg. 91).
“Não cabe ao médico exercer uma autoridade sobre a cidade [separação entre medicina e
saúde da sociedade].” (pg. 92).
“(...) o médico está isolado das decisões políticas. É somente no século XIX, com o advento
de medicina social que ele, até então limitado à relação com o doente ou a simples e eventualc
consultor da administração – como em tempo de peste – adquire poder sobre a cidade,
tornando-se uma autoridade responsável por tudo que, na sociedade, diz respeito à saúde.”
(pg. 95).
“[Campanha sanitária contra a peste em Pernambuco] ação que é, ao mesmo tempo,
assistencial, religiosa e médica.” (pg. 97).
“Ao lado dos práticos e dos jesuítas, a ação do Governador é caritativa (...)” (pg. 101).
“(...) a série de sujeitos que participaram do combate à peste e emitiram juízo sobre suas
causas e cura: a autoridade política, o médico, o jesuíta, o empírico.” (pg. 103).
“A descontinuidade temporal das medidas contra a peste, que vimos ocorrer no Recife [fins
do XVII] se duplica de descontinuidade espacial.” (pg. 103).

Caracterização da medicina social: a) controle constante; b) vigilância contínua sobre espaço


e tempos sociais; c) esquadrinhamento e controle contínuos; d) esquadrinhamento urbano
(divide, distingue, isola, expulsa e transforma) antes da presença do mal; e) implantação dos
aparelhos médicos de controle da vida social. (pg. 103-104).

“O momento em que o perigo da peste passa a ser constante assinala o nascimento da


prevenção.” (pg. 104).

Através de análise de documentos do período colonial referentes às ordens régias, à


Fisicatura, às Câmaras municipais, sobre o funcionamento dos hospitais e sobre as reações à
lepra e às pestes, Machado coloca: a) no Brasil colonial não há uma medicina social, um
dispositivo normalizador de caráter positivo pois inexiste ações de prevenção e promoção da
saúde, preocupação com a ordem do espaço, da cidade e da sociedade. Medicina colonial, no
máximo, combater a doença pelo doente (ex: leproso).

CAP. 2. DA MILITARIZAÇÃO DA SAÚDE

“(...) o tipo de poder que caracterizou a segunda metade do século XVIII no Brasil (....)
importantes transformações com relação ao anterior estilo de governo (...) série de diferenças
com relação ao modo de organizar a sociedade e o Estado a partir do século XIX, momento
em que se constitui a medicina social. Mudança de comportamento do governo com relação à
pro-[105]dução de riquezas, à segurança, à saúde, à população (...).” (pg. 106).

Enquadrar um povo mole, doente e frouxo [descrição dos habitantes da cidade do RJ em um


dos documentos analisados]

“(...) [fins do séc. XVIII] um dos pontos básicos da administração portuguesa o problema da
defesa e segurança do Brasil, fundamentais para sua manutenção como Colônia.” (pg. 106).

“[plano de defesa] (...) objetivo implantar um estado de segurança que dissolva o perigo
multifacetado. O alvo imediato deste plano não é a Colônia como um todo, mas a cidade e
seus habitantes [RJ, sede do Vice-Reinado a partir de 1763]. (...) se constitui gradativamente
como objeto de conhecimento e de intervenção (...).” (pg. 107).

“A análise do território e dos homens, que começa a se esboçar nesta época, faz emergir uma
percepção da cidade e de seus habitantes como objetivo específico de uma observação que
produz saber e controle político.” (pg. 110).

“(...) caso do vadio (...) questão da desordem interna (...).” (pg. 111).

“A proposta do Rei é de impedir que vadios se perpetuem em sua condição de ‘vagamundos’


através de uma medida (...): sua integração e fixação na cidade. (...) confere à existência
urbana a realidade positiva de uma força imediatamente regeneradora. (...) A proposta de
trazer os vadios de volta à cidade põe em evidência a necessidade do conhecimento e do
controle da população (...).” (pg. 112).

“(...) a cidade como objeto e (...) produto de uma estratégia de controle.” (pg. 113).

Segunda metade do século XIX: com o crescimento da cidade do RJ (em suas funções
administrativas, comerciais, militares e no aumento da população), cidade como local
perigoso, de crime e de agitação. Projeto de militarização da sociedade (como forma de
ordenar a população), mediação: interesses de defesa da sociedade, cuidado com a vida física
e moral dos habitantes. Rede de militarização que envolve toda a população ativa através das
tropas auxiliares. (pg. 114)

“A boa ordem e disciplina dessas tropas auxiliares traduz a ordenação desejável de uma
população inteira.” (pg. 115).

“[projeto de militarização da sociedade com Marquês do Lavradio] (...) o projeto de


transformação da população e do indivíduo através de uma ação planificada do Estado já se
mostra mais explicitado e articulado.” (pg. 116).

Trabalho, dentro do contexto militar, como forma de combater a ociosidade. Intervenção no


tempo vago dos moradores (serviços de guarda, ensino, exercícios). (pg. 117).

“[proj. de militarização da sociedade] (...) adestramento dos moradores em defesa de sua


cidade. Com a justificativa de mobilização geral para a defesa, desenha-se a figura de uma
população submetida a uma hierarquia de controle próximo e imediato.” (pg. 118).

“A referência a critérios de defesa – os mais e os menos capazes – permite englobar toda a


população não em uma visão geral e generalizante – os vassalos de Sua Majestade – mas em
um olhar que divide, inclui e localiza cada um na gradação contínua de poder que encontra,
em seu topo, a figura do Vice-Rei.” (pg. 119).

Modelo de organização militar viável para o exercício da autoridade jurídico-administrativa


do rei. (pg. 120).

“Mas o projeto ideal de ordem interna não encontra os meios de se efetivar na ausência de sua
motivação imediata, a ameaça do invasor.” (pg. 120).
Século XVIII: nova orientação da administração colonial. Planejar medidas de transformação
dos indivíduos e das populações; esquema de militarização da cidade que coloca de nova
maneira a questão da saúde e da doença (ex: hospital militar e leprosário). Uma reflexão sobre
etiologia social da doença. Ao final do XVIII, administração colonial elabora um
conhecimento da cidade e sua população, coloca a questão da saúde e da doença no raio de
suas atribuições. (pg. 122).

Recuperação do soldado

“A ausência de assistência ou a má assistência proporcionada pela Misericórdia (...): a criação


do hospital militar como instrumento capaz de resolver o problema que o soldado doente ou
ferido coloca para a administração. Isola-se dentro da categoria abrangente de doente pobre,
um elemento definido por sua função, que é o soldado.” (pg. 124).

“Em 1768, no Rio, será criado o Hospital Real Militar (...).” (pg. 124).

“Delineia-se (...) em forma negativa, uma questão médica relativa ao hospital, questão
submetida ao objetivo geral de preservação da vida do soldado que a doença atingiu. Tal
questão é formulada não pelo médico, que não é sujeito autorizado para tanto, mas pela
administração, na pessoa do governador e do militar. (...) O hospital não é pensado como
instrumento de intervenção positiva com o objetivo de obter a cura e produzir saúde.” (125).

“Pensado da mesma forma que os hospitais de Misericórdia, o novo estabelecimento do Rio


de Janeiro apresentará os mesmos problemas de excesso de doentes e má administração.”
(126).

“(...) o pessoal médico qualificado é diminuto: um cirurgião-mor e dois médicos, auxiliados


por ajudantes de cirurgia e enfermeiros.” (pg. 126).

“(...) o funcionamento mesmo do hospital militar obrigava ao registro e análise de casos,


tendo como finalidade decidir sobre a baixa ou não do serviço. Cuidar do soldado enfermo e
mantê-lo durante sua doença só tem sentido na perspectiva de sua reintegração à tropa, com o
menor ônus financeiro possível. (...) a função médica articula-se com um objetivo militar (...).
(pg. 127).

“Esboça-se (...) o projeto [sem possibilidades de realização plena] de um modo de atuação


diferente sobre o soldado enfermo, através de um saber que se produz no hospital e é ali
transmitido.” (pg. 129).

“No final do século [XVIII] (...) permissão [ao rei solicitada] para instalação de um hospital
de caridade no Recife. [pg. 130]. §O projeto de criação de um novo hospital desencadeia,
assim, um discurso abrangente sobre a vida da população, o trabalho e a defesa. O hospital
articula-se com os problemas mais gerais que enfrenta o governo da cidade.” (pg. 131).

Ensino médico nos hospitais: figura médica como sujeito de saber no interior do hospital
(exigência funcional). (pg. 132).

“No final do século [XVIII], explicita-se o projeto de reformulação da função hospitalar. O


hospital é uma instância pública que, operando sobre uma dada população, garante os
interesses da administração colonial na área do trabalho e da defesa. Inscrição, pois, da
doença, em uma perspectiva social mais ampla [acompanhada do ócio, do vício e crime]. (...)
O hospital não tem mais uma exclusiva missão humanitária e religiosa. (...) instrumento
político, instrumento de governo.” (pg. 133).

Isolamento do Lázaro [Lazareto na nova organização política da colônia, 2° metade do XVIII]

“Combater a presença dos leprosos é manter a população vassala em vida e em estado útil. A
cidade, articulada pela água, ruas e praças, pode ser destruída pelo fogo da lepra.” (pg. 135).

Relação cidade e lepra: doença avançando através dos meios de circulação: água, ruas, praças;
circulação dos homens e mercadorias. (pg. 135).

“(...) presença religiosa do capelão e médica do cirurgião: duas figura residentes no lazareto.”
(pg. 136).

Estatutos de funcionamento e organização do lazareto, 1776: “1 – Obrigatoriedade de


internamento, independentemente da condição do doente. (...) 2 – Exigência de isolamento
(...) nos exames de entrada e saída do lazareto, (...) na circunscrição de um espaço dentro do
qual o leproso pode se movimentar [esquadrinhamento disciplinar do lazareto].” (pg. 136).

“A localização do hospital [lazareto], assim como sua organização e funcionamento,


aparecem como condições para se evitar o contágio e livrar a cidade do perigo que a ameaça
[comunicação direta entre habitantes das cidades e leprosos, indireta pelos elementos ar e
água]. Neste momento, entretanto, o critério médico não é o único a ordenar o interior do
hospital: o religioso tem um papel importante.” (pg. 138).

“Existe, por parte da administração portuguesa, uma reflexão sobre o hospital dos lázaros e
sobre os lázaros voltada para a manutenção em vida dos habitantes da cidade: (...) necessidade
de um funcionamento, organização e localização específicos a um hospital destinado aos
lázaros, que deve excluir os doentes da cidade ao mesmo tempo em que cria um espaço capaz
de conter a doença e impedir sua circulação no espaço urbano.” (pg. 140).

“A partir da dupla colocação de que a lepra representa perigo para a população, útil e
necessária ao poder português, e que a simples exclusão da cidade em local determinado é
ineficaz no que diz respeito ao controle do mal, formula-se uma demanda em relação ao saber
médico e assinala-se um papel a ser desempenhado, dentro da instituição, pelo médico.
Localização, organização e funcionamento gradativamente passam a obede-[141]cer a
critério médico – no início assessorado pelo religioso – a partir de uma iniciativa da
administração portuguesa. E não dos médicos.” (pg. 142).

Por que a cidade [RJ] é doente?

“O poder colonial assume como um dos objetivos da própria administração a questão da


recuperação do estado de saúde de seus habitantes.” (pg. 142).

Estado português e Vice-Reis, tarefa: conhecer as causas de doença no RJ para intervir na


cidade. (pg. 142).

Negro, como o leproso, portador de um perigo a ser evitado. (pg. 142).


“Duas distinções – escravo/população, saúde/doença – orientam uma medida concreta contra
as perigosas consequências de um aglomerado confuso e possibilitam a inclusão ordenada e
saudável do escravo na cidade e no trabalho.” (pg. 143).

“(...) série de medidas de transformação urbana, como a abertura e o calçamento de ruas, a


construção de estradas, pontes e fontes, etc. (...) trabalho de secamento de pântanos,
mapeamento e abertura de ruas, por considerar as águas estagnadas focos de emanações
palustres capazes de produzir várias moléstias (...).” (pg. 143).

“(...) Câmara organize uma consulta aos médicos considerados mais notáveis sobre as causas
de insalubridade no Rio.” (pg. 143).

Pareceres médicos. Causas naturais de doenças: “(...) o calor, a umidade e a contínua variação
da temperatura atmosférica.” (pg. 144). Causas não-naturais: “Os pareceres médicos criticam,
assim, a direção de algumas ruas, por impedir a livre circulação do ar; o tipo de construção
das casas, por dificultar a renovação do ar; as águas estagnadas, por exalarem ‘pestíferos
vapores’ e a imundice das praias, praças e casas por alterar, corromper e degenerar o ar,
tornando-o mais capaz de produzir enfermidades.” (pg. 145)

“São as seguintes medidas urbanísticas [propostas pelos médicos à consulta da Câmara (RJ)]:
nivelar o chão da cidade de maneira a impedir a estagnação das águas, o que também implica
no aterro de pântanos e destruição de morros. Abrir praças e ruas. Controlar a construção das
casas (...). Plantar e conservar árvores na cidade. Proibir o amontoamento de imundícies em
valas, canos, praias, praças e providenciar o despejo do lixo fora da cidade.” (pg. 145).

“(...) o olhar médico pretende dar conta de uma realidade integral, examinando não só as
características naturais do Rio – clima, localização de morros, regime de chuvas e ventos, etc.
– como também a cidade como construção do homem.” (pg. 146).

“Os pareceres [médicos] não se restringem ao aspecto urbanístico (...) domínio da


alimentação. (...) § (...) a imoralidade como causa de doença. Criticam, assim, a vida
sedentária, debochada e a quietação extrema dos indivíduos; a opulência, que introduziu o
luxo, e o luxo a depravação; a prostituição (...).” (pg. 146).

“E a esta globalidade referente à etiologia [urbanização, alimentação e moral] corresponde


uma análise médica, não de uma doença em particular, mas do próprio fenômeno da
morbidade.” (pg. 147).

“Análise [médica à consulta da Câmara] que, na época, não é exclusiva dos médicos, mas que
se insere de maneira homogênea no tipo discursivo da administração portuguesa da segunda
metade do século XVIII (...) na perspectiva de criação e fortalecimento de segurança e
consequente manutenção do Brasil como Colônia. (...) É do próprio Estado que surge a
extensão dos objetos de administração governamental à saúde encarada do ponto de vista de
uma etiologia social.” (pg. 147).

Novidade da consulta da Câmara aos médicos: produção da saúde como um dos aspectos das
atribuições de governo. Doença como problema social, concepção que parte ainda de fora do
poder da medicina, que não nasce da iniciativa médica. (pg. 148).
“(...) originalidade [em relação à medicina social] desta primeira relação entre saúde e suas
causas sociais (...) ainda impera um procedimento comum a todo o período colonial: o médico
se restringe a um mero consultor dos poderes públicos, mesmo no que diz respeito à saúde.”
(pg. 148).

“Em si mesmo o diagnóstico médico das condições naturais e sociais da cidade não assume a
exigência normativa da especialidade transformadora da relação factual entre sociedade e
saúde. §Como também não formula a pretensão de se impor – como se não fizesse parte de
suas características essenciais – como instância específica de intervenção sobre a cidade,
policiando a vida social.” (pg. 149).

“A medicina não parece ser vista – como acontecerá explicitamente com a medicina social do
século XIX – como uma prática política específica, como um poder especializado que deve
assumir a responsabilidade dos indivíduos e da população, atuando sobre as condições
naturais e sociais da cidade.” (pg. 149).

Parte 1: Descrição da aproximação gradativa “esfera médica” da “esfera


governamental”(mas essa ainda como ativadora e mobilizadora das questões técnicas, ainda
não colonizada, sujeitada pela esfera médica – com suas concepções como lógica e razão
principal).

PARTE II – MELHOR PREVENIR QUE REMEDIAR

INTRODUÇÃO

“Foi em determinado momento de nossa história que nasceu um tipo específico de medicina
que pode ser chamada de medicina social pela maneira como tematizou a questão da saúde da
população e procurou intervir na sociedade de maneira global.” (pg. 154).

Antes do século XIX não existia medicina social: [Antes] “A produção da saúde não fez parte
de sua configuração histórica [da administração colonial]. Seu objetivo é, neste campo,
fundamentalmente evitar a morte.” (pg. 154).

Medicina social: Saúde “(...) tematizada positivamente como algo a ser cultivado,
incentivado, organizado.” (pg. 154).

“O século XIX assinala para o Brasil o início de um processo de transformação política e


econômica que atinge igualmente o âmbito da medicina, inaugurando duas de suas
características [ainda presentes e intensificadas]: a penetração da medicina na sociedade, que
incorpora o meio urbano como alvo da reflexão e da prática médicas, e a situação da medicina
como apoio científico indispensável ao exercício do poder do Estado.” (pg. 155).

“Se a sociedade, por sua desorganização e mal funcionamento, é causa de doença, a medicina
deve refletir e atuar sobre seus componentes naturais, urbanísticos e institucionais visando a
neutralizar todo perigo possível. Nasce o controle das virtualidades; nasce a periculosidade e
com ela a prevenção.” (pg. 155) [medicina elemento da governamentalidade?]

Medicina social. Médico: cientista social, planejador urbano, analista de instituições.


Hospital: de órgão de assistência aos pobres para “máquina de curar”. Hospício:
enclausuramento disciplinar do louco tornado doente mental. Espaço da clínica contra formas
alternativas de cura. MS oferece: modelo de transformação à prisão; modelo de formação à
escola. (pg. 155-56).

“O que se tem chamado de medicalização da sociedade (...) é o reconhecimento de que a


partir do século XIX a medicina em tudo intervém e começa a não mais ter fronteias; é a
compreensão de que o perigo urbano não pode ser destruído unicamente pela promulgação de
leis ou por uma ação lacunar, fragmentária, de repressão aos abusos, mas exige a criação de
uma nova tecnologia de poder capaz de controlar os indivíduos e as populações
[medicalização da sociedade: estratégia de biopoder (disciplina e biopolítica)] tornando-os
produtivos ao mesmo tempo que inofensivos; é a descoberta de que, com o objetivo de
realizar uma sociedade sadia, a medicina social esteve, desde a sua constituição, ligada ao
projeto de transformação do desviante – sejam quais forem as especificidades que ele
apresente – em um ser normalizado [técnica de normalização da medicina social] (...). As
técnicas de normalização – que instituem e impõem exigências da ordem social como critérios
de normalidade, considerando anormal toda realidade hostil ou diferente – aonde foram
refletidas e aplicadas pela primeira vez no Brasil senão na medicina do século XIX que se
auto-definiu como uma medicina política? Medicina que medicalizou a sociedade mesmo que
até hoje não tenha conseguido medicá-la[medicalização: processo não concluído].” (pg. 156).

MS: produção de um novo tipo de indivíduo e população para sociedade capitalista. (pg. 156).

“Tendo a saúde como fio condutor da análise da sociedade, a medicina que se impôs desde o
século XIX – esquadrinhando o espaço urbano, inventariando o positivo e o negativo, as
potencialidades e os recursos e propondo um programa normalizador do indivíduo e da
população – penetra em tudo e inclusive no aparelho de Estado.” (pg. 157).

“Não é a racionalidade científica e politicamente neutra da medicina que é requisitada pelo


Estado e utilizada em uma perspectiva ideológica que a adulteraria ou a descaracterizaria.”
(157).

Novo Estado: a) organização positiva dos habitantes produzindo suas condições de vida; b)
possibilidade de um controle político individual e coletivo; c) poder contínuo. Medicina
presente como condição de possibilidade de uma normalização da sociedade (tocante à
saúde). (157).

“[medicina] Não uma neutralidade científica, mas sim uma política científica porque
formulada por especialistas que pertencem ao aparelho do Estado. As estruturas centrais do
poder não podem dispensar sua instrumentalização com saberes regionais, especializados,
como o da medicina para que o próprio exercício do poder político se torne viável. O saber
médico já nasce orientado, de seu próprio interior, por esta posição de intervenção política
(...).” (pg. 158).
Intervenção política a partir do saber médico. Estado produz uma verdade sobre a sociedade.
(158).

Táticas de medicalização quando topam com resistências: série de modalidades de confronto


com o governo, a população e o indivíduo (cegueira dos políticos, má fé dos charlatães,
ignorância do povo...). (158).

CAP.1 – A ESTRATÉIA DE UM SABER


Sob a mira da polícia médica

Transferência da Coroa portuguesa para o Brasil (1808): transformações importantes na


relação Estado – sociedade – medicina. (159).
Poder Central, função: “(...) garantir o enriquecimento, a defesa e a saúde do ‘povo’ da nova
terra.” (pg. 159).
Vinda da família real para o Brasil: transformações para o interior (instituições que visam
fazer do território brasileiro e sua população objetos de conhecimento de intervenção /
Instituição de difusão do saber). (160).
Contexto da vinda da família real: criação de instituições (para conhecer e transformar) que
influenciaram modificações importantes na medicina (aumento dos limites de ação e de
presença na sociedade, criação da Provedoria da Saúde e ensino cirúrgico no Brasil). (162).

Início do séc. XIX - Esboço de uma polícia da cidade em documentação referente à consulta
de D. João VI em 1808: Causas “sociais” das doenças – águas paradas, pântanos, mal estado
dos alimentos, necessidade de um trabalho de urbanização (aterrar os pântanos, encanar as
águas, demarcar ruas e lugares). (163).
“Aconselha-se o estabelecimento de cemitérios fora da cidade.” (pg. 163).

“Efetivamente, esta [medicina social] só pode agir sobre a cidade e controlar a saúde pública
se for capaz de circunscrever o exercício da medicina a pessoas que tenham a mesma
formação e uma visão unitária e coordenada da problemática da saúde. Controle sanitário da
sociedade e controle interno da medicina são duas faces de uma mesma moeda.” (pg. 164).

1809: Provedor-mor da Saúde da Costa Estados do Brasil: instância propriamente médica


assume o controle das medidas de higiene pública a fim de realizar uma política médica:
projetos de quarentena de navios, de disposições de saneamento da cidade, de controle dos
alimentos, de controle do exercício da profissão. (164).

Polícia médica: formar de neutralizar os focos de doença. (165).


População como objeto da polícia: valorização econômica, política e militar para grandeza do
Estado, população ser saudável (súditos saudáveis). (166).
[trata-se já da tentativa de uma implementação biopolítica no Brasil, apesar do autor ainda se
referir à ordem da disciplina].
Projeto de conhecimento e intervenção: a) estatísticas (números de habitantes por idade, sexo,
idade fértil, causas de morte, relação nascimento/morte); b) controle dos indivíduos
(reprodução, impedir casamento de portadores de doenças hereditárias); c) ação sobre a
cidade (limpeza, inspeção de alimentos, exame das águas); d) ação para evitar epidemias; e)
regulamentação, supervisão e manutenção de parteiras, boticários, cirurgiões e físicos; f)
criação de uma autoridade médica ligada a um organismo central de administração
(supervisionar todos os assuntos referentes à saúde pública). (166).
“(...) polícia médica, alargando a função do médico na sociedade (...) supervisionar a saúde da
população.” (pg. 166).
“E a polícia médica passa a ser definida como o conjunto de teorias, políticas e práticas que se
aplicam à saúde e bem estar da população, dizendo respeito a: procriação, bem estar da mãe e
da criança, prevenção de acidentes, controle e prevenção de epidemias, organização de
estatísticas, esclarecimento do povo em termos de saúde, garantia de cuidados médicos,
organização da profissão médica, combate ao charlatanismo. A população torna-se objeto do
conhecimento e da prática de uma medicina ligada à administração central.” (pg. 167).
“(...) a sociedade como um todo se torna passível de regulamentação médica, que a saúde
passa a ser problema social.” (pg. 167).
[uma genealogia da medicina moderna e medicalizaçao: polícia, polícia médica, medicina
social, medicalização?].

Polícia e polícia médica no Brasil: com a vinda de D. João VI (Intendência Geral da Polícia)
(168).
“Na realização desta ideia de polícia, a preocupação com a subsistência da cidade manifesta
pela edificação e melhoramento das estradas, pela construção de pontes (...).[168] (...) aterro
de pântanos, o calçamento de ruas e o encanamento das águas [de novo!] (...).” (169).
“A polícia objetiva mais especificamente agir sobre a população livre através da promoção de
seu aumento.” (169).
“[Intendência] (...) melhorar os costumes da população combatendo a ociosidade (...)” (169)
[melhorar costumes da população: questão moral].

A partir da vinda da Coroa Portuguesa (1808), criação do ensino cirúrgico no Brasil. (171).
“A saúde torna-se objeto do poder central.” (171).
“O Príncipe Regente [de Portugal, D. João] instala e pouco a pouco amplia o ensino cirúrgico
no Brasil [1808-1813, por ex.]. Seu objetivo é claro: melhorar a qualidade da atividade do
cirurgião, assegurando a qualidade do aprendizado.” (172).
Vinda de D. João VI: progressiva instalação do ensino cirúrgico e de princípio de medicina
(174).

Primeiros anos do séc. XIX: pela primeira vez articulam-se ensino médico e higiene pública,
mas não existe projeto coerente e organizado de medicina social (somente práticas médicas
heterogêneas). (176).

Fracasso da Fisicatura: “O ano de 1826 – momento em que o ensino médico ganha autonomia
com relação à Fisicatura – significa um importante golpe em seu poder (...). §Do ponto de
vista da higiene pública, ela [Fisicatura] não parece ter conseguido problematizar, debater ou
impor esse novo tipo de medicina que, para se estabelecer na sociedade, precisa de um poder
organizado e capaz de elaborá-lo teoricamente através de análises sanitárias da [177] cidade,
planos, estatísticas médicas, estudos de endemias e epidemias, etc.” (178).
“(...) mesmo tendo sido melhor delineado neste momento [início do XIX] o objeto da higiene
pública e tendo recebido um órgão médico como instrumento de poder, os resultados parecem
ter sido nulos [descrição em doc. sobre cidade de RJ nesse período: casas mal construídas,
pequenas e térreas, não existia esgoto regular; as dejeções e águas sujas apodreciam ao sol dos
trópicos; o lixo era atira nas praias; as águas servidas eram jogadas nos quintais, convertendo-
se em charcos e lamaçais; os enterros eram feitos no solo do recinto das igrejas; animais
mortos abandonados pelas ruas e praças].” (178).

1828: extinção da Fisicatura: principal momento da luta pela implementação da medicina


(179).
“Esta [a Fisicatura] é incapaz de realizar uma polícia média da sociedade pois se inscreve ao
nível jurídico-burocrático, desempenhando a função negativa de restringir os direitos, impedir
os excessos, fiscalizar e punir, em uma [179] palavra, legalizar. A medicina social se
caracteriza por uma ação positiva, transformadora, recuperadora que, instituindo normas,
impõe exigências a uma realidade vista como hostil e diferente. Tem, em suma, um objetivo
de normalização.” (180).
Desafio político da saúde

“Com o fim da Fisicatura e da Provedoria de Saúde, o encargo da higiene pública passa para
as Câmaras Municipais [reestruturadas em 1828 para conformarem-se à Constituição de
1824].” (180).
Atribuições das Câmaras: resposta à desordem urbana [181] “(...) intervindo
fundamentalmente em três aspectos (...): o aspecto urbanístico [alinhamento, limpeza,
iluminação e desimpedimento das ruas, praças e cais; conservação de calçadas, estradas e
caminhos; construção de fontes, aquedutos, chafarizes, poços e tanques], o econômico
[controle da salubridade dos gêneros alimentícios expostos ao público], o populacional
[vigilância da população: pop. portadora de perigo, comportamento desregrado, loucos e
embriagados, injúrias e obscenidades].” (182).

Câmaras municipais, higiene desmedicalizada, encargo leigo da saúde, sem produção de um


saber específico: “Não existe um discurso autônomo sobre a questão da higiene (...).” (184).

1829.Ofensiva da med. brasileira para implantar-se como med. social: Sociedade de Medicina
e Cirurgia do Rio de Janeiro, “o grupo mais representativo desse novo estilo de medicina que
lutará, de diversas maneiras, para impor-se como guardiã da saúde pública.” (185).
De inspiração francesa, com médicos franceses entre seus fundadores, com formação francesa
de vários de seus membros, e, sobretudo, “no projeto de medicina social inteiramente baseado
nos realizados na França pelas sociedades de medicina.” (185). [P/ contrastar com análise de
Foucault.]. Especificidades da constituição da med. social no Brasil: condições histórias da
sociedade brasileira. (185).
Sociedade de Medicina: projeto de organização de uma sociedade perfeita (disciplinada e
ordenada). Resposta aos distúrbios políticos, às dificuldades econômico-financeiras do
Império, aos distúrbios urbanos decorrentes do crescimento desordenado da cidade
(insuficiência de moradia, abastecimento, segurança, serviços médicos, etc.). (185).
“(...) a Sociedade de Medicina estabelece como objetivos fundamentais a saúde pública e a
defesa da ciência médica, objetivos que fazem parte do projeto de realização de uma medicina
social.” (186).
1° objetivo: higiene pública. Lutar pela medicina social significa lutar por: (re)formulação de
regulamentos sanitários; controle de sua aplicação pelos médicos; mudança de costumes;
intervenções em hospitais; prisões e outros lugares públicos; estudos de epidemias, endemias
e doenças contagiosas; criação de lugares de consultas gratuitas aos pobres; trabalho de
detecção e controle de focos de contágio de doenças sobretudo endêmicas, através do corpo
do pobre. (186-87).
“A estatística médica registra não só a vida mas a própria morte.” (187).
Comissão de Salubridade Geral da Soc. de Med., relatório em 1830 sobre problemas de
higiene e medicina legal: educação física das crianças, extemporaneidade dos casamentos
precoces, falta de registros civis (controle dos nascimentos), condenação dos sepultamentos
dentro das igrejas, carências de hospitais, regular o funcionamento das boticas, melhorar
assistência aos loucos, falta de médicos verificadores de óbito (controle das mortes),
construção de casas, estreitezas das ruas, necessidades urbanas (esgotos, calçamento,
abastecimento de água, asseio das ruas e praias, urgência de dessecamento dos pântanos
urbanos. (188) Higiene física, urbana, social e moral.
“[Relatório] Propõe a extinção ou transformação disciplinar de tudo que pode ser um
obstáculo ao funcionamento ordenado da cidade.” (188).
Associação médica e influência na legislação: Código de Posturas organizado (1830) e
promulgado (1832) pela Câmara Municipal do RJ. “(...) uma legislação sanitária municipal –
que engloba no seu raio de ação, como focos de desordem do espaço urbano a serem
transformados, os cemitérios e enterros, os gêneros alimentícios, a medicina e os
medicamentos, os pântanos e as águas infectadas, os currais, matadouros e açougues, os
hospitais, casas de saúde e moléstias contagiosas, as fábricas, etc. (...) aos médicos que se
deve a concepção de higiene que se encontra no Código de Posturas.” (189).
“Ela [Soc. de Med.] se constitui como a grande organizadora da ofensiva da medicina na
primeira metade do século XIX.” (190).
2° objetivo, defesa da ciência médica: “(...) luta pela uniformização do saber médico, por uma
medicina baseada na observação, pela radical oposição a formas outras de cura, ou propostas
de cura, agrupadas sob o rótulo de charlatanismo.” (191).
Soc. de Med. Normalizando o ensino e o exercício da med. (191). Controle do saber
(matriculas, provas, planos de ensino, etapas de estudo) e ctrl. do exercício da profissão (192).
“A Sociedade de Medicina luta pela legaliza da medicina como a verdade da cura.” (192).
Principal realização da Soc. elaboração do projeto das Faculdades de Medicina (três cursos:
medicina, farmácia e obstetrícia) em 1830-31, discutido e aprovado pelo Parlamento. “Na
verdade os estatutos são uma cópia dos da Faculdade de Paris.” (192) [para justificar
comparação com análises de F?].
Lei de 1832, que institui as Faculdades de Medicina, “determina que sem título conferido ou
aprovado pelas Faculdades de Medicina do Brasil ninguém poderá curar, partejar ou ter
botica.” (193).
Com a Soc. de Med., medicina social (com os objetivos de higiene pública e normalização da
medicina), recebe, nesse momento (anos 1830), sua formulação institucional. (193).
“Luta que lança a medicina na sociedade, amplia o seu objeto e ao mesmo tempo restringe o
seu exercício a homens normalizados pelo seu poder.” (193).

“[Relatório de 1830 da Comissão de Salubridade Geral da Soc. de Med.] iniciando a série de


protestos contra a situação em que viviam os loucos que está na base da criação da psiquiatria
brasileira.” (188).

O Charlatão na República dos Médicos.

“O projeto médico defende e justifica uma sociedade medicalizada, lutando por uma posição
em que o direito, a educação, a política, a moral seriam condicionadas a seu saber.” (194).
[proposições que fazem parte ainda do projeto médico, dos discursos e da intencionalidade de
poder].

Medicina legal: Processos criminais “não devem se basear em testemunhos e provas que
podem ser desmentidos [194] por uma verificação médica. (...) regular época de casamento e
de maioridade, legitimidade dos filhos, direito de paternidade, habilidade para suceder, valor
do casamento (...).” (195).

Medicina e política: saúde aos cidadãos, “contribuir para o engrandecimento da pátria. (...)
articular a atividade médica à atividade política: defendem a inclusão de médicos nas Câmaras
Municipais, para tornar eficazes as medidas de higiene pública e política médica; oferecem a
assessoria de suas luzes; criticam a falta de saber médico das Câmaras e sua inércia na
execução das medidas de higiene.” (195).

Med. e educação: crítica aos caprichos dos pais e mestres; opõem-se ao despotismo e à
família, “corrigir abusos e prevenir defeitos futuros que seriam prejudiciais à nação, à pátria.”
(196).
Medicina e moral: “Através do conhecimento do que é o organismo, a medicina defende o
equilíbrio e se opõe às paixões, aos excessos, aos extremos.” (197).
“Para que se preserve a saúde de uma população (...) a necessidade da implantação de uma
sociedade onde não se suscitem paixões, onde o caos foi desfeito, onde reina a ordem (...).”
(197).
“(...) a formulação do sonho de uma república dos médicos [sociedade disciplinar] (...) onde o
equilíbrio está instaurado. Temperança, continência, moderação nos costumes, tranquilidade
da alma.” (197).
“A medicina estuda a influência do estado social sobre o homem, do modo de governo, da
liberdade, da escravidão, das [197] crenças religiosas – e a partir daí, percebendo as alterações
funcionais que podem decorrer desta influência, faz sua proposta de sociedade de equilíbrio.”
(198).

Medicina, moral e o negro escravo: “(...) a imoralidade escrava é contida pelo temor do
azorrague (o que não aconteceu nas classes baixas europeias, que deixam sua imoralidade
explodir). (...) percepção do escravo como ser mergulhado em paixões, só reprimidas por um
poder que castiga fisicamente, que marca a carne rebelde do negro.” (198).

“A crítica e a denúncia do charlatanismo são contemporâneas da grande ofensiva da medicina


no Brasil através da Sociedade e depois da Academia Imperial de Medicina.” (198).
Figura do charlatão: cultor da não-ciência médica, experiências não dirigidas pela razão, “
‘causas mais gerais e poderosas da mortandade (...) das prolongadas e numerosas moléstias
crô-[198]nicas (...).’”(199).
“(...) uma teoria da medicina como anti-anarquia, anti-paixão política, anti-demagogia (...)”
(199).
Charlatões: barbeiros, sangradores, aplicadores de ventosas e sanguessugas, curandeiros,
padres jesuítas. (200), parteiras e homeopatas (203).
“O charlatão é interessado, irracional (busca causas sobrenaturais) ou demasiado empírico (é
en-[200]ganado pelos sentidos), procura a glória (...).” (201).
“A existência da gratuidade na consulta atrairia os pobres para medicina, e iria de encontro ao
objetivo de lucro das outras formas de cura.” (201).
Mau médico, charlatão cientifico, charlatão munido de títulos, inimigo interno. (202).

“Ao mesmo tempo em que a medicina enquanto medicina social oferece ao Estado seus
préstimos no combate à epidemias, na elaboração da legislação, distribuição da justiça,
urbanização, cobra dele a luta contra o charlatanismo e o reconhecimento da exclusividade do
saber sobre a saúde.” (199).

“Figura pejorativa ao nível moral, político e científico, o charlatão é o obstáculo que se tem de
remover para que a medicina social se assegure o controle perfeito, interno à sua profissão e
externo da sociedade.” (213).

Medicina, táticas e focos de poder

“(...) a partir de 1829, com a criação da Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, (...) se
forma o espaço cultural da medicina brasileira, quando os médicos (...) elaboram o conteúdo
da medicina social e traçam os planos de sua implantação na sociedade, como também
defendem o controle da formação e do exercício médicos, opondo-se ao que chamam de
charlatães.” (213).
Medicina social: “(...) resultado da luta empreendida pelos médicos da primeira metade do
século XIX (...) para elaborar e impor a ‘medicina política’.” (214).

“(...) relação entre medicina e Estado: a Sociedade oferece ajuda a este, salientando o saber
que autoriza e legitima sua aceitação como orientadora (...). O Estado, esclarecido e guiados
pelas luzes médicas, pode transformar o casos em calma.” (215).
O papel de assessoria ao Estado é enfatizado. (215).
“A medicina se oferece ao Estado como instrumento de paz, luz, tranquilidade.” (215).
“Relacionando a doença com as condições de sua produção, encontradas no meio ambiente –
o que acarreta o conhecimento físico e social da cidade e a ação sobre o espaço urbano – a
medicina não pode dispensar o apoio e a garantia do Estado.” (215).
“(...) a relação com o Estado se consolida em 1835, quando a Regência oferece à Sociedade
sua transformação em Academia Imperial de Medicina, que é aceita pelos membros (...). (...)
§Esta passagem para Academia (...) intensificação de duas tendências já presentes na
Sociedade: aumento da relação com o Estado, aumento do controle interno.” (216).

“[Medicina] Caracteriza-se não só por ser discurso de ordem, mas por ser uma prática de
ordenação, de documentação, de registro.” (216).

“Nesta época [anos 1830], (...) os médicos anda estão longe não só de conseguir a
medicalização da vida social que já é formulada em seus discursos, mas inclusive de deter o
próprio controle da higiene pública. [217] (...) as Câmaras Municipais receberam, com o
desaparecimento da Fisicatura, o encargo da saúde pública [interpretado pelos médicos como
uma usurpação de poder].” (218).
“[1° tática médica] (...) as Câmaras municipais são denunciadas por sua incompetência, por
constituírem um saber leigo, isto é, não médico e portanto incapaz de refletir sobre a saúde, e
um poder frágil, incapaz de fazer cumprir a legislação sanitária.” (218).
“(...) incompetência das Câmaras: elas não são aptas para elaborar ou executar um sistema
sanitário completo [há a necessidade de um saber especializado, um saber médico].” (219).
“(...) segunda tática: a assessoria teórica ao poder das Câmaras.” (220).
“[Sociedade] colocar-se como possibilidade de recorrência em qualquer caso referente à saúde
pública; (...) saber sobre a saúde, de onde saem as orientações para as medidas a serem
tomadas pela administração municipal; (...).” (220).
Tática de assessoria: dado desde a formação da Sociedade, “oferta que tem como objetivo
criar demanda dentro da administração municipal, fazer com que esta procure e concretize as
orientações fornecidas pela Sociedade.” (221).
“(...) tática através da qual a Sociedade procura influir na administração da cidade.” (221).
“(...) não podemos pensar o período em que as Câmaras foram responsáveis pela saúde
pública como uma quebra na implantação da medicina social ou como a existência de uma
higiene desmedicalizada. A Sociedade de Medicina é a principal responsável pela elaboração
de toda a legislação sanitária da época.” (221).
“(...) terceira tática: penetrar na Câmara e agir no seu interior (...) presença de médicos na
Câmara como vereadores (...).” (222).
Relação da medicina com o aparelho de Estado (no caso, Câmara municipal), não deve ser de
exterioridade, como se o lugar do médico fosse diverso do lugar político. Ação médica precisa
existir e falar no interior das instancias que decidem, regulamentam e ordenam. (222).
Medicina como orientadora e como fundamento da administração municipal: demanda é
histórica (225).
“A Sociedade é o lugar de enunciação de um discurso rigoroso sobre a saúde (...) intervir
racionalmente nos modos de vida da população urbana. (...) não pode prescindir do concurso
dos aparelhos político-administrativos do Estado: só eles podem garantir a presença médica
na sociedade. (...) O trajeto do conhecimento positivo à intervenção transformadora passa
necessariamente, no entender dos médicos, pelos aparelhos de Estado [governo central às
Câmaras Municipais] (...).” (226).
“(...) o modelo de gestão do corpo social que a Sociedade preconiza vai constrangê-la a uma
ação direta sobre o poder central, como um dos instrumentos capazes de tornar viável a
intervenção médica. É basicamente através do Estado, a partir dos organismos centrais da
administração, que devem difundir-se, por todo o tecido social, as práticas higiênicas que
instauram um campo próprio de poder (...).” (230).
“A relação com o Estado não é algo fortuito, lateral ou secundário dentro do projeto de
constituição da medicina social. As medidas de controle social [da medicina social] (...)
colocam esta presença na estrutura do Estado como uma exigência indispensável a seu
funcionamento. (...) as estruturas centrais de poder não podem dispensar sua
instrumentalização com saberes regionais, como o da medicina, para que o próprio exercício
do poder político se torne viável.” (234, embricamento Estado-medicina ).
“A partir do instante em que se esboça a constituição de um saber médico sobre a sociedade,
desde que se inventariam, com o objetivo de normalização, os componentes do espaço
urbano, o objeto da medicina adquire uma dimensão de totalidade; o que é passível de
intervenção da medicina passa a não possuir fronteiras no interior da vida social.
Medicalização da sociedade (...).” (234).
“(...) um dos campos privilegiados de sua intervenção [medicina] é o aparelho de Estado. (...)
a medicina se insere no movimento que fará do Estado brasileiro uma realidade bastante
diferente do que tinha sido a administração portuguesa no que diz respeito ao governo das
populações e ao controle dos indivíduos.” (235).
Medicina: um novo estilo de exercício político [disciplinar?] “manutenção ou mesmo
estabelecimento do bem-estar social.” (236).
“Uma nova racionalidade administrativa, homogênea ao tipo de funcionamento da nova
medicina começa a emergir na esfera do Estado, para o que sem dúvida, os médicos deixaram
sua contribuição.” (236).
“(...) [a medicina social] reivindicava uma administração da saúde que fosse ao mesmo tempo
médico e política.” (237).
“(...) heterogeneidade do modelo médico e do modelo jurídico e da relevância do primeiro
para a realização e idealização do projeto normalizador dos mecanismos de poder do Estado
moderno.” (239).

“Para medicalizar a sociedade não basta a ação da Sociedade de Medicina, que é apenas uma
das instâncias disseminadoras deste projeto; não basta também fazer do Estado uma destas
instâncias (...) ele é aparelho que as [iniciativas] apoia, absorve, legaliza. É preciso que
existam focos múltiplos de poder homogêneos ao projeto médico e que, articulados,
contribuam para a construção de um novo Estado e de uma nova sociedade. §Penetrar em
outras instituições – como a Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional e o Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro [e a Sociedade Estatística do Brasil] (...). (...) não é
suficiente lutar pelo Estado e no Estado: importante é lutar em diversas frentes que,
articuladas, transformarão um projeto em realidade.” (240). [medicina social e medicalização
da sociedade: projeto multifacetado: Estado, um dos objetos de luta]
“[Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional, Academia de Medicina, Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro] Realizando um grande inventário nacional, elas estão ao mesmo tempo
criando condições para que possa existir um funcionamento articulado do país; procurando
dar homogeneidade à heterogeneidade; unificando o disperso.” (242).

“A medicina social (...) é necessariamente política [trata-se de transformar a sociedade e o


Estado]. (...) Ela é política tanto pelo modo [242] como intervém na sociedade e penetra em
suas instituições, como pela sua relação com o Estado. Ela precisa do Estado para realizar seu
projeto de prevenção das doenças da população. (...) ela é útil ao Estado por ser um
instrumento especializado capaz de assumir com ele e por ele as questões relativas à saúde,
trazendo-lhe o apoio de uma ciência.” (245).

Epílogo

“(...) uma epidemia [forte epidemia de febre amarela que inicia-se em fins de 1849] a
responsável pela nova orientação que será dada à organização da higiene pública no Brasil.”
(243).

“O Ministério do Império, não esperando pela Câmara, assume o comando da saúde pública e,
não dispondo de órgão próprio para isso, pede à Academia Imperial de Medicina a elaboração
de um plano para combater a epidemia. (...) plano detalhado de combate à peste que aumenta
incrivelmente o controle sobre os indivíduos e a vida da cidade. (...) medidas higiênicas são
exacerbadas a tal ponto que toda a vida da cidade é organizada em função da destruição da
doença epidêmica.” (244).

Oportunidade da medicina social “encenarem todo seu dispositivo de esquadrinhamento e


disciplina do espaço urbano. (...) possibilidade dos médicos, triunfando sobre a morte,
mostrarem quem deve ter a responsabilidade da preservação da saúde da população das
cidades.” (244).

Elementos da polícia médica neste momento: 1) existência de um órgão dirigente da saúde


pública [244]; 2) esquadrinhamento urbano (divisão da cidade em paróquias, essas em
distritos; ocupação do terreno e exercício local do controle sanitário); 3) assistencialismo:
serviço de assistência gratuita aos pobres; 4) inspeção sanitária periódica (navios, mercados,
prisões, hospitais, estalagens, conventos, colégios, oficinas, quartéis, teatros, matadouros,
cemitérios, igrejas, etc.); 5) fiscalização do exercício da medicina, cirurgia e farmácia; 6)
Registro médico: acúmulo de informações que vai da base à cúpula. “A ação médica produz
um melhor conhecimento do fenômeno e esse saber empírico possibilita à medicina planejar
melhor o seu combate.” (245).

Deste modelo sai a Junta Central de Higiene Pública (1851) pelo temor da volta da febre
amarela e para dar continuidade de maneira rigorosa aos serviços de saúde pública (com
objetivos de inspeção da vacinação; controle do exercício da medicina e da política sanitária;
inspeção dos alimentos, farmácias, colégios, etc. (item 4), todos os lugares onde possa provir
dano à saúde pública (246).
Com pouco pessoal, extensas funções, falta de unidade de serviços e falta de recursos, a Junta
não resolve os problemas de saúde pública. “Mas embora não tenha destruído as epidemias,
ela marca uma nova etapa na organização da higiene pública no Brasil.” (246). Modelo
mantido até a reforma dos serviços sanitários em 1886, quando a Junta transforma-se em
Inspetoria Geral de Higiene. (246).