You are on page 1of 21

UFCD_0420

Movimentação e operação de empilhadores

Manual de Formação

Formadora: Susana Marques

Viseu
2014

Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português

GOVERNO DA REPÚBLICA
PORTUGUESA

Índice
Objetivos Gerais................................................................................................................................. 3
Objetivos Específicos.......................................................................................................................... 3
Benefícios e condições de utilização do manual ................................................................................. 5
Introdução ......................................................................................................................................... 6
1.1 - Tipos de empilhadores ........................................................................................................... 7 2

1.1.1 - Empilhadores elevadores................................................................................................. 7
1.1.2 - Veículos guiados automaticamente ................................................................................. 9
1.1.3 – Stackers .......................................................................................................................... 9
1.1.4- Porta Paletes .................................................................................................................... 9
1.1.5 - Caracterização das máquinas ..........................................................................................10
2. Normas de condução em segurança ..........................................................................................10
2.2- Riscos específicos de circulação ..............................................................................................11
2.3 - Regras gerais de movimentação de cargas .............................................................................11
2.4 - Recomendações de segurança e Princípios de manutenção de empilhadores ............................18
Conclusão .........................................................................................................................................20
Bibliografia .......................................................................................................................................21

Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português

GOVERNO DA REPÚBLICA
PORTUGUESA

Empilhadores retrácteis  .Estabilidade do equipamento/carga  .  Executar operações de movimentação e operação de empilhadores  Caracterizar as normas de segurança estabelecidas na condução de máquinas de 3 movimentação e levação de cargas.Empilhadores bilaterais e trilaterais  . Objetivos Específicos  Tipos de empilhadores o Empilhadores elevadores  .Porta contentores e grandes cargas o Veículos guiados automaticamente o Stackers o Porta Paletes o Caracterização das máquinas  .Empilhadores convencionais elétricos  .Principais órgãos e comandos  .Transportes.Objetivos Gerais   Caracterizar os diferentes tipos de máquinas de movimentação e elevação de mercadorias e seus componentes.  Executar as operações de manutenção de empilhadores. elevação e colocação de cargas Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA .Empilhadores convencionais térmicos  .Empilhadores telescópicos  .Capacidade nominal de carga  Normas de condução em segurança o Atribuição e responsabilidades ao operador o Riscos específicos de circulação o Regras gerais de movimentação de cargas  .

o Recomendações de segurança o Ergonomia e posição de segurança o Estacionamento do empilhador (em segurança)  Princípios de manutenção de empilhadores o Tipos de manutenção 4 o Limpeza e manutenção periódica o Cargas e manutenção das baterias o Normas de ordem e limpeza relevantes para a operação com empilhadores Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA .

Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA .Benefícios e condições de utilização do manual O presente manual de formação foi elaborado para a Movimentação e operação de 5 empilhadores.Operador/a de Logística. área de formação 341. Foi elaborado pela formadora Susana Marques e o mesmo não poderá ser reproduzido sem autorização da mesma e respetiva entidade formadora. referencial de formação 341026 . Tem por objetivo auxiliar o formando na aquisição de conhecimentos e competências enunciados nos objetivos: gerais e específicos.

                              Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA .Introdução 6 Com este manual pretendem-se que os formandos no final da acção 0420 – Movimentação e operação de empilhadores consigam caracterizar os diferentes tipos de máquinas de movimentação e elevação de mercadorias e seus componentes. Executar operações de movimentação e operação de empilhadores e Caracterizar as normas de segurança estabelecidas na condução de máquinas de movimentação e levação de cargas. Pretende-se que os formandos compreendam como se executam as operações de manutenção de empilhadores.

 1.Empilhadores convencionais elétricos : Os empilhadores eléctricos são os menos poluentes e ruidosos. alguns riscos em particular se não se respeitarem regras fundamentais como: – a carga das baterias que deve ser efectuada num local limpo e ventilado.são os mais poluentes pois emitem altas percentagens de monóxido de carbono. quando bem afinados.Empilhadores convencionais térmicos • Os empilhadores a diesel . • Os de gás. 1.Empilhadores elevadores . transportar e empurrar cargas. possuindo tracção motorizada.Empilhadores bilaterais e trilaterais São utilizadas para arrumar cargas em corredores muito estreitos permitindo empilhar sem manobras Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . próprios para o interior de edifícios apresentando. e que são capazes de levantar. O empilhador é provavelmente o transporte mecânico mais versátil e mais utilizado. 1.1 . . • Os de gás. baixar. são pouco poluentes. são pouco poluentes. todas as máquinas que se deslocam no solo.Empilhadores retrácteis Operam em corredores estreitos e movimentam os garfos ou garfos e o mastro para a frente e para trás. . Alguns são equipados com mecanismo pantográfico duplo. no entanto.1. quando bem afinados.são os mais poluentes pois emitem altas percentagens de monóxido de carbono. Tipos de empilhadores Designam-se por empilhadores ou por carros automotores de movimentação e elevação de 7 cargas. que alcança a segunda profundidade da estrutura porta-paletes .1 .Tipos de empilhadores • Os empilhadores a diesel .

através dos movimentos de translação e do movimento de rotação do conjunto constituinte da grua-torre. GRUAS MÓVEIS OU AUTOMOTORAS O conjunto formado por um veículo com chassis sobre rodas ou lagartas. São utilizadas preferencialmente na construção civil. para além da elevação. tais como portos e instalações de armazenagem. em estaleiros fixos ou móveis. São utilizados para a elevação de cargas por meio de um gancho suspenso por um cabo e onde a carga. supostamente embalada ou amarrada.. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . embora se possa encontrar este tipo de aparelhos ou similares em outras situações de trabalho. a carga pode ser transportada num raio de vários metros em todas as direcções e níveis. possuidor de sistemas de propulsão e direcção próprios e por um equipamento de elevação de carga do tipo lança acoplado a esse chassis.Porta contentores e grandes cargas 8 GRUAS – TORRE São aparelhos pesados de elevação e movimentação. é engatada nesse gancho.

2 .1.1. 9 O sistema com guia laser não necessita de modificações no ambiente em que trabalha (obras civis e estruturas mecânicas) e pode ser alterado com extrema simplicidade a qualquer momento por meio de um programa computadorizado.Para uma preparação rápida e frequente de encomendas nos níveis de recolha mais baixos  Order picker vertical . 1.1.Porta Paletes  Porta paletes de condutor apeado . É suficiente apenas a instalação de pequenas superfícies refletivas verticais em estruturas já existentes no ambiente de trabalho.  Porta paletes com plataforma – Para movimentações de alta intensidade incluindo cargas e descargas. a melhor solução para otimizar a movimentação dos transportes internos noambiente industrial.Para uma preparação rápida e frequente de encomendas nos níveis de recolha mais altos Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA .– Económicos para empilhamentos de baixa frequência e grandes distâncias 1.  Order picker de nível baixo . atualmente.4. O uso dos carros automáticos com guia laser LGV OCME Auriga é. as quais permitem a cabeceira laser de verificar constantemente (8 vezes/segundo).3 – Stackers  Stacker de condutor apeado – Económicos para empilhamentos de baixa frequência e pequenas distâncias  Stacker com plataforma .Veículos guiados automaticamente Existem diversos VGA para a movimentação de cargas nomeadamente: Novos carros guiados a laser (LGV) para movimentação de materiais sem necessidade de operador. 1.Económico para o transporte horizontal de paletes.

Garfos ou forquilhas. Eixo de direcção. 3. igualmente.  Cinto de segurança no assento.Caracterização das máquinas .5 . 6. Eixo motriz.1. 10 5. Volante com servo direcção. • Dados técnicos do equipamento. – Extintor.  Botão de paragem de emergência. protectora do condutor . O condutor manobrador deve estar especificamente habilitado para o efeito.º 50/2005.º e 32. Cilindro hidráulico elevador. 7.  Placas indicadoras de: • Identificação e dados do fabricante. Assento com suspensão e cinto de segurança O empilhador deve. de 25 de Fevereiro. 4. • Diagrama de cargas. Contrapeso. Chassis. 2. 12. • Pressão hidráulica • Pressão de ar dos pneus. Porta garfos ou forquilhas. 10. 9. 2. estar equipado com os elementos relativos à segurança e que são os seguintes:  Sinalização luminosa rotativa de presença. Pórtico de segurança 11. A formação referida pode ser Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . Mastro. Grade para apoio de cargas. 8.1. Normas de condução em segurança O manobrador de empilhador é obrigado a ter formação habilitante para condução de empilhadores.º do Decreto-Lei n. – Dispositivo de encravamento por chave. nos termos do artigo 5. – Freio de imobilização.Principais órgãos e comandos 1.  Sinalização luminosa de marcha à ré.

Riscos específicos de circulação Os principais riscos que podem ocorrer com maior frequência.Queda de objectos ou cargas: • Organizar e empilhar devidamente os materiais. por entidade formadora certificada para o efeito ou por estabelecimento de ensino reconhecido pelo ministério competente e dá lugar a emissão de certificado e registo na caderneta individual de competências nos termos do regime jurídico do sistema nacional de qualificações . basculamento e tombo do empilhador. – Poluição atmosférica dos ambientes de trabalho.3 . 11 2. – Queda do condutor. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . seja numa plataforma.2. – Colisões ou choques. 2. A formação deve ser assegurada por formador devidamente habilitado .Movimentação e operação de empilhadores inserida no Catálogo Nacional de Qualificações. – Risco de queda de cargas em transporte. – Queda. de modo a que estes fiquem bem solidários. – Vibrações do empilhador.Plataforma Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa (SIGO). – Incêndios e explosões. – Contactos com órgãos móveis do empilhador. nos trabalhos realizados com os empilhadores. – Risco de queda de elementos pequenos – Risco de queda de objectos armazenados.Regras gerais de movimentação de cargas Medidas Preventivas .ex: UFCD (Unidade de Formação de Curta Duração) 0420 . – Exposição ao ruído. ou numa palete. – Risco de queda de elementos de grande porte.promovida pelo empregador. são os seguintes: – Queda de objectos ou cargas.

• Os materiais a transportar devem estar bem distribuídos pela totalidade da superfície de apoio (plataforma ou palete). de modo a que as suas partes salientes (garfos. evitando o seu transbordo.). que evite a queda das cargas transportadas. não devem ser empurradas com o empilhador • A queda de objectos de grande porte provenientes da carga a movimentar ou dos próprios sistemas de armazenagem. 12 • Para evitar a queda de materiais armazenados. das normas de segurança para a manipulação de cargas com o empilhador. • Deve evitar-se o choque contra obstáculos no decurso do trajecto de transporte. de modo a que o seu peso possa ficar centrado. porta garfos. • As bases de pilhas de materiais armazenados. • O piso da cabina de condução deve ser revestido com material anti-derrapante. bem como com uma placa apoia cargas situada no porta garfos. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . • Deve-se ter uma boa visibilidade e iluminação ao longo do trajecto de transporte e nunca se deve abusar da velocidade. uma placa de protecção ou uma rede de orifícios pequenos. se o equipamento estiver apetrechado com este órgão de segurança deve ser sempre utilizado pelo condutor. Medidas Preventivas – Queda do Condutor • O condutor nunca deve inclinar-se para o exterior. etc. • Deve vigiar-se constantemente o domínio exterior do empilhador. o pórtico de segurança deve ter. • Em casos extremos. pelo condutor do empilhador. para protecção do condutor. • O cinto de segurança. nem nas próprias estantes. em algumas situações não pode ser evitada com medidas de prevenção. • Para evitar a queda de materiais pequenos. na parte superior. mastro. nem mesmo nas situações de fraca visibilidade. um dos métodos para evitar o risco de queda de cargas ou de objectos. nem de manobras excessivas. sobre o condutor. recomenda-se a utilização de contentores bem adaptados a esses materiais. contra quedas de objectos e que resguarde o condutor. não se encaixem nos elementos a empilhar. pois pode perder o equilíbrio e cair. Daí a necessidade de que o empilhador esteja equipado com um pórtico de protecção do posto de condução. consiste no rigoroso cumprimento. • De um modo geral pode afirmar-se que. • A queda do condutor pode dar-se nas situações de marcha do empilhador e nas situações de carga e descarga. deve ter-se em atenção o bom condicionamento da mercadoria nos locais a armazenamento. em transporte.

• Os locais por onde vão deslocar-se estes equipamentos devem estar bem delimitados. • Deve ser totalmente proibido o transporte e/ou a deslocação vertical de pessoas sobre os garfos do empilhador. e a velocidade exagerada. • O piso deve ser sólido. basculamento e tombo do empilhador são considerados os riscos mais importantes. • Utilizar-se apenas equipamentos que possuam uma boa estabilidade. 13 Queda. basculamento e tombo do empilhador • Os riscos de queda. a ter em consideração quando se manuseia com este equipamento. deve fazê-lo com os garfos na posição inferior. salvo se o equipamento estiver especialmente apetrechado para essa condição e nas mesmas condições de segurança do condutor. liso e se possível. nem dos locais onde o risco de queda em altura for evidente. tanto lateral como longitudinal. horizontal. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . • O risco de tombo do empilhador está. associado ao não cumprimento das mais elementares normas de segurança para a manipulação de cargas com o empilhador. • O manobrador deve ter muita atenção para não se aproximar em demasia dos bordos dos cais de carga ou descarga.• Deve ser formalmente proibido o transporte de outros trabalhadores. • O condutor quando se deslocar sem carga. por parte do manobrador deste equipamento. e a velocidade exagerada. • Cumprir as normas de segurança para a manipulação de cargas com o empilhador. • O condutor deve evitar as mudanças bruscas de direcção. tanto lateral como longitudinal. na maior parte das situações. • O manobrador deve ter muita atenção para não se aproximar em demasia dos bordos dos cais de carga ou descarga. • O condutor deve evitar as mudanças bruscas de direcção. • Utilizar-se apenas equipamentos que possuam uma boa estabilidade. nem dos locais onde o risco de queda em altura for evidente.

• O condutor quando se deslocar sem carga. com atenção e com o empilhador na máxima visibilidade. essa carga deve ser descida lentamente. isentos de obstáculos. sempre que possível. • Se a carga impossibilitar a visibilidade para a frente. em cada uma das manobras que execute com o equipamento. nem deve elevar-se uma carga que exceda a capacidade nominal do equipamento. 14 • Respeitar as indicações dadas na placa relativa ao diagrama de cargas. • Nos locais onde se faz a circulação dos equipamentos deve ser mantida uma boa iluminação. no entanto. capacidade e estado dos pontos de carga. • Se. os encandeamentos e os contrastes exagerados. que os tornem escorregadios.Colisões ou choques • Conduzir com prudência. deve fazê-lo com os garfos na posição inferior. fixação. • Não deve haver deslocamento quando a carga for demasiado alta. • Os circuitos de circulação dos empilhadores devem estar. nunca bruscamente. • A máquina deve ter os seus travões em bom estado • Os pisos devem estar limpos e isentos de derrames ou gorduras. • choques contra pessoas em circulação nos mesmos locais por onde circulam estes equipamentos e também os atropelamentos. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . evitando. • Todos os obstáculos fixos que constituam riscos. o condutor deve conduzir o empilhador em marcha atrás e a uma velocidade lenta. mesmo carregado. Medidas Preventivas . • O manobrador deve verificar sempre a posição. devem ser sinalizados. • contra obstáculos no piso ou contra outros veículos. a parte posterior do empilhador levantar. em situações de manobra ou de circulação. ao elevar uma carga. e não deve ser transportada nessas condições • Normalmente as colisões ou choques verificam-se entre: • os empilhadores e as estruturas fixas dos locais.

em particular. devem cumprir com as seguintes regras: • A largura das vias de circulação não deve ser inferior. agarramento e arrastamento de partes do corpo dos trabalhadores e.40 metros. bem como os sentidos únicos e um bom sistema de sinalização. já que nestes locais nem sempre se consegue uma boa protecção contra os perigos inerentes à movimentação vertical destes órgãos. • Devem ser guardadas as distâncias de segurança para outros veículos em circulação no mesmo sentido. quando a circulação ocorrer em sentido único. à largura do veículo ou à da carga. • • Contactos com órgãos móveis do empilhador • Deve ser dada uma especial atenção ao sistema de movimentação do porta garfos e do mastro. • Os circuitos de circulação dos empilhadores. do manobrador do empilhador. • Não se deve circular à noite. acrescida em 1 metro. • Os condutores devem utilizar a buzina sonora e abrandar o andamento. não deve ser inferior a duas vezes a largura dos veículos ou cargas. sempre que for utilizado mais que um 15 equipamento em circulação e em simultâneo.• Deve circular-se com os garfos na parte inferior mas a uma altura do solo de cerca de 15 cm para evitar o risco de colisões ou choques contra obstáculos no piso. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . • Nos circuitos de circulação deve ser reduzido o número de intersecções. em relação aos circuitos de circulação normais para outros veículos. para o caso de haver circulação nos dois sentidos de forma permanente. antes dos cruzamentos e em locais de visibilidade mais fraca. • Estes constituem locais de eleição para os riscos mecânicos de esmagamento. • Os circuitos de circulação dos empilhadores devem ser devidamente delimitados e sinalizados. acrescidas em cerca de 1. sem iluminação suficiente. • A largura das vias de circulação. • Devem ser previstas zonas de paragem obrigatória (stops). • A velocidade deve ser limitada.

não podem ser esquecidas as consequências que este equipamento pode trazer para todos os trabalhadores que se encontrem nas imediações dos seus circuitos de circulação.• Todos os órgãos mecânicos em movimento no equipamento. 16 • Exposição ao ruído • O risco de exposição a níveis de ruído elevados vai depender. devem ser realizadas. Em caso de avaria ou desgaste. deverá ser substituído. • Nos casos limite e quando não se conseguem resultados positivos após as acções preventivas realizadas. no sentido de evitar a ocorrência de problemas futuros. Medidas Preventivas . devem ser eficazes e em nenhuma circunstância devem ser retirados. • Os sistemas de filtragem com silenciador do sistema de escape. será necessário tomar algumas medidas preventivas. • No entanto. com o motor parado. sempre que possível. do foro músculo-esqueléctico e/ou outras doenças profissionais. • Medidas Preventivas – Vibrações do empilhador Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA .Exposição ao ruído • Realizar a correcta manutenção e conservação dos equipamentos. • Vibrações do empilhador • Este risco é normal nas situações em que o condutor está várias horas por dia em contacto com o equipamento. devem estar convenientemente protegidos através de protecções que evitem o contacto do corpo dos trabalhadores com esses órgãos. do nível de pressão sonora do equipamento e do tempo de exposição a que o manobrador está sujeito. • Nos empilhadores eléctricos e nos empilhadores que utilizam sistemas hidráulicos para transmissão ou elevação. acima de tudo. • O sistema de cobertura do motor deve ser insonorizado e em nenhuma circunstância deverá ser retirado. Quando houver necessidade de reparar esse sistema. deve ser utilizada a protecção individual. • A reparação e/ou a inspecção de partes do motor ou dos sistemas de transmissão da máquina. devem ser substituídos. as bombas hidráulicas devem ser silenciosas.

bem como à manutenção dos equipamentos utilizados nesta operação. protecções que evitem em caso de rebentamento de um tubo ou junta. devem ser usados empilhadores especiais antideflagrantes. Incêndios e explosões • O risco de incêndio ou de explosão pode ter origem na máquina ou em condições externas à máquina. de preferência empilhadores elétricos. • A tubagem e os silenciadores devem ser mantidos em bom estado de conservação. especialmente os cabos de ligação das baterias aos aparelhos de carga. o abastecimento de combustível deve ser feito ao ar livre ou em locais bem ventilados. • O assento do empilhador deve ter um desenho ergonómico e deve possuir regulação em altura e em profundidade de alcance. • A proibição de fumar deve ser considerada uma regra básica • Nos empilhadores a gasolina ou diesel. • Em locais com risco de incêndio e explosão. • Deve ser dada uma especial atenção à operação de carga das baterias dos empilhadores eléctricos. Medidas Preventivas . é aconselhado aos condutores a utilização de uma cintura lombo-abdominal e a utilização do cinto de segurança. deve ser verificada a estanquecidade do circuito onde circula o carburante. 17 • Se possível. este assento deve possuir suspensão. • Como método de prevenção. incluindo os órgãos principais. a queda de óleo ou combustível sobre o escape quente.Incêndios e explosões • Os empilhadores deverão estar equipados com um extintor.• Os pisos de circulação destes equipamentos devem ser o mais lisos e regulares possível. Poluição atmosférica dos ambientes de trabalho Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . • Sempre que possível. bem ajustado ao corpo. devem ser correctamente montadas. • Devem ser escolhidos empilhadores que utilizem rodas pneumáticas e não rodas rígidas. • No caso dos sistemas de escape estarem descobertos.

2. fazendo sempre uso da buzina.Recomendações de segurança e Princípios de manutenção de empilhadores  Só operadores treinados e qualificados devem conduzir empilhadores.4 . desligue o motor.  Nunca leve "passageiros" no empilhador.. posicione os garfos em baixo. não ultrapasse 10 Km/h. Mantenha sempre uma velocidade segura. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . preferencialmente.  Quando deixar o empilhador.  Não permita que ninguém passe ou fique embaixo da carga ou do carro de elevação. 18 • Em locais mal ventilados devem ser utilizados. ou até à purificação do ar. engate uma marcha.  Antes de iniciar os trabalhos. • Ocorre em ambientes fechados. de modo a manter a concentração de gases e fumos dentro dos níveis máximos que são permitidos. verifique as condições do empilhador. Principalmente ao operar em espaços apertados isso pode tornar-se extremamente perigoso.  Mantenha os braços e pernas dentro do compartimento do operador. quando se utilizam empilhadores equipados com motores de combustão interna. deve ser feita periodicamente.  Evite a passagem por buracos. manchas de óleo e materiais soltos. a regulação da carburação dos motores. como freio. forçada. Aguarde o conserto dos defeitos antes de continuar o trabalho. vazamento de óleos e de gás.Poluição atmosférica dos ambientes de trabalho • Deverá recorrer-se à ventilação natural. volante. os empilhadores eléctricos..  Fique longe e não deixe que outras pessoas se aproximem do mecanismo de elevação quando estiver em movimento.  Evite levantar ou transportar qualquer carga que possa cair sobre o operador ou qualquer outra pessoa.e Comunique imediatamente ao seu supervisor qualquer falha ou dano. • Os escapes devem estar equipados com sistemas depuradores dos gases de escape.  Faça curvas lentamente e conduza com cuidado principalmente nas esquinas. Medidas Preventivas . • Nas situações em que são utilizados os empilhadores de combustão interna.

 Não transporte cargas superiores à capacidade nominal da máquina. Quando as cargas são transportadas em posição elevada a estabilidade da máquina fica reduzida. observe as regra de trânsito e mantenha sempre o controle do empilhador. somente quando elas estiverem sobre o local de empilhamento.  Não transporte cargas apoiadas em um só garfo. Incêndios e explosões podem ocorrer da não observância destas simples regras. A carga além de escorregar dos garfos. especialmente para cargas largas. de maneira que não fique muito peso para um lado só. Incline para frente cargas elevadas. para evitar batidas especialmente com os garfos. pode também tombar a máquina. Não desça rampas de frente com o empilhador carregada. Freadas bruscas podem ocasionar queda de carga.  Observe cuidadosamente o espaço que você deverá usar.  Tome cuidado para que cargas cilíndricas e compridas não girem sobre os garfos.  Dirija com cuidado. mas sempre olhando na direção do movimento.  Evite partidas ou freadas bruscas.  Não movimente cargas instáveis ou desequilibradas.  Mantenha a carga encostada no carro de elevação. Mantenha sempre a carga voltada para o alto da ram Não abasteça o empilhador com o motor em funcionamento. mantendo a carga normalmente inclinada para trás.  Centralize bem a carga sobre os garfos. E 19 lembre-se: marcas de pneus no piso são sinais de uma má operação.  Nunca transporte uma carga elevada. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . Não fume na área de abastecimento.  Para melhor visibilidade e segurança. especialmente em rampas com mais de 10% de inclinação.  Eleve ou abaixe a carga sempre com a torre na vertical ou um pouco inclinada para trás. Conheça bem todas as regras de operação segura. protector de operador e contrapeso. torre de elevação. transporte cargas grandes em marcha atrás.

Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . Não está em jogo apenas a segurança do condutor mas também a dos seus colegas. para se proteger a si e aos outros. Conclusão Ao longo da UFCD 5432 podemos concluir que de um modo geral. conduzir um empilhador é uma grande responsabilidade. necessita de ter bem presentes todos 20 os regulamentos de segurança e as técnicas de condução. Deste modo. Por outro lado. Com esta formação foi possível caracterizar os diversos tipos de equipamentos de elevação/movimentação de carga. as suas medidas preventivas e as normas e regras de segurança e manutenção dos equipamentos. foi possível sensibilizar os formandos para os riscos associados a esta atividade.

al. D. segurança. Viseu. Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA . Bibliografia • Decreto Lei n. 5826-5833. saúde e prevenção de acidentes de trabalho: um guia prático imprescindível para a sua actividade diária.º 262. • E-FACTS . nº 26.º 26/94. European Agency for Safety and Health at Work. Decreto Lei 102/2009. • VEIGA. Disponível em: <http://osha. Avaliação de Riscos numa Empresa Têxtil.º 441/91. Lisboa: Verlag Dashofer. D. D. nº Serie I A (2009-09-10). 61 p. n.R. R. et. Série I-A de (1991-11-14). Série I-A (1994-02-01). A.europa.R. 21 • Decreto Lei n..eu/en/publications/e-facts/efact30> • LEONARDO.Occupational safety and health in the textiles sector [Em linha]. (2008). 2008]. Trabalho elaborado no âmbito do Curso de Técnico Superior de Segurança e Higiene do Trabalho (CAP nível V). Higiene. (2007). [consultado em 3 Out.R. 480-486. Acessível na ADIV.