STAR WARM

SONGBOOK

VOA, VOA (Quinta do Bill) Introdução : Sol Lá# Dó Sol Solo : Sol Dó Ré# Ré Sol Ré# Ré (2x) Sol Sim Sou mal amado, mas sei amar Ré# Ré Sol O que tu tens para me dar. Sim Trago na boca o coração, Ré# Ré Dó Preso nos versos desta canção. Refrão : Sol Sim Sinto-me tão leve que não posso acreditar, Mim Dó Voa, voa, voa. (Bis) Solo : Sol Dó Ré# Ré Sol Sol Sim Ainda agora aqui cheguei, Ré# Ré Sol E mil mulheres eu já amei. Sim Mas o destino não é ficar, Ré# Ré Dó E parto em busca de outro lugar. Sol Sim Sinto-me tão leve que não posso acreditar, Mim Dó
Voa, voa, voa. (Bis)

105

Cancioneiro
Falou-me então daquele dia triste, O velho Luís; Em que deixara tudo quanto existe, P'ra fazer feliz; A noiva, a mãe, a casa, o pai E o cão também. Pensando agora naquela cena Que tão estranha vi; Recordo a mágoa, recordo a pena, Que com ele vivi; Bom português Regressa breve e vem de vez !

A FISGA (Rio Grande)................................................................................. 1 A NOITE (Sitiados, versão Resistência) .................................................... 2 A NOSSA VEZ (Delfins)....................................................................... 3 AMANHÃ É SEMPRE LONGE DEMAIS (Rádio Macau)..................... 4 APRENDER A SER FELIZ (Pólo Norte)......................................... 5 AQUELE INVERNO (Resistência) .................................................. 6 ASAS (ELÉCTRICAS) (G.N.R.)........................................................... 8 BRINCANDO COM O FOGO (Rita Guerra e Beto)................... 9 Caçador de Sóis [Ala dos Namorados]...................................................... 10 Cada Lugar Teu [Mafalda Veiga] ............................................................. 12 CAIS (G.N.R.)............................................................................................ 13 CANTO MOÇO (Zeca Afonso).......................................................... 14 Carta [Toranja] ........................................................................................... 15 CHICO FININHO (Rui Veloso)........................................................ 18 Chuva [Mariza] ........................................................................................... 19 CHUVA DISSOLVENTE (Xutos & Pontapés)....................................... 20 CINDERELA (Carlos Paião) ..................................................................... 22 CIRCO DE FERAS (Xutos & Pontapés) ................................................. 24 DEIXA-ME OLHAR (Além-Mar) ..................................................... 25 DIZ-LHE QUE NÃO (Lúcia Moniz)................................................. 26 DUNAS (G.N.R.) ........................................................................................ 27

104

EFECTIVAMENTE (G.N.R.)................................................................... 28

EU GOSTO É DO VERÃO (Fúria do Açúcar) ............................. 29 FADO (Heróis do Mar, versão Resistência) ............................................ 31 Fado do Encontro ........................................................................................ 32 FEITICEIRA (Luís Represas) .................................................................. 34 FILHOS DA NAÇÃO (Quinta do Bill) .................................................... 35 Foi Feitiço [André Sardet].......................................................................... 36 GRITO (Pólo Norte) .................................................................................. 38 HOMEM DO LEME (Xutos & Pontapés)................................................ 40 LONGE DE TI (Império dos sentidos) .................................................... 42 Lume [Mafalda Veiga]................................................................................ 43 MENINO (Quinta do Bill) ......................................................................... 45 MOMENTO FINAL (Santos & Pecadores) ............................................ 46 NÃO HÁ ESTRELAS NO CÉU (Rui Veloso) .......................................... 48 NÃO SEI SE MEREÇO (Alcoolémia).............................................. 50 NÃO SOU O ÚNICO (Xutos & Pontapés, versão Resistência) ............. 51 NÃO VOLTAREI A SER FIEL (Santos & Pecadores) ............ 54 NÃO VOU FICAR (Delfins)................................................................ 55 NASCE SELVAGEM (Resistência) ................................................ 58 O Menino do Piano [Mafalda Veiga] ........................................................ 59 Oiça lá ó senhor vinho (Amália Rodrigues)....................................... 60 OLHOS CASTANHOS (Francisco José)...................................... 61 OS VAMPIROS (Zeca Afonso) ........................................................ 62 PAIXÃO (Rui Veloso)................................................................................ 63 PEDRA FILOSOFAL (Manuel Freire) ................................................... 66
Lám Ninguém na rua na noite fria, Sol7 Dó Só eu e o luar; Voltava a casa quando vi que havia Fá Sol Luz num velho bar. Lám Não hesitei, Sol Lám Fazia frio e nele entrei. Estando tão longe da minha terra Tive a sensação, De ter entrado numa taberna De Braga ou Monção; E um homem velho se acercou E assim falou : Refrão : Fá Vamos brindar com vinho verde Dó Que é do meu Portugal Sol E o vinho verde me fará recordar Dó Dó7 A aldeia branca que deixei atrás do mar. Fá Vamos brindar com verde vinho Dó P'ra que possa cantar, canções do Minho Sol Que me fazem sonhar, Lám Sol Lám Com o momento de voltar ao lar.
103

VERDE VINHO (Paulo Alexandre)

POR QUEM NÃO ESQUECI (Sétima Legião)............................. 69 PORTO CÔVO (Rui Veloso) .................................................................... 71 PORTO SENTIDO (Rui Veloso)....................................................... 74 POSTAL DOS CORREIOS (Rio Grande) ....................................... 77 QUANDO SE PERDE ALGUÉM (Santos & Pecadores) ......... 78 A QUEDA DE UM ANJO (Delfins) ................................................... 79 QUEDA DO IMPÉRIO (Vitorino) ..................................................... 83 Restolho [Mafalda Veiga] ........................................................................... 84 SANGUE OCULTO (G.N.R.) .............................................................. 86 SE TE AMO (Quinta do Bill)..................................................................... 88 SEI DE UMA CAMPONESA (Rui Veloso) ..................................... 89 SETE MARES (Sétima Legião) ................................................................ 90 SOU COMO UM RIO (Delfins).......................................................... 91 TERNURA DOS 40 (Paco Bandeira) ....................................................... 92 TIMOR (Resistência) ................................................................................. 95 TIMOR (Trovante) .................................................................................... 97 TIRANA (G.N.R.) ...................................................................................... 99 TRAZ OUTRO AMIGO TAMBÉM (Zeca Afonso) .................... 100 VERDE VINHO (Paulo Alexandre)....................................................... 103 VOA, VOA (Quinta do Bill) .................................................................... 105

102

(Em toda a parte todo o mundo tem). Traz outro amigo também.Aqueles. Traz outro amigo também. Em sonhos me visitaram. Lá Ré Lá 101 . Aqueles que ficaram. Em sonhos me visitaram.

eu sei lá se sou capaz Dó De escolher o melhor dos dois saberes. Ré Maior que o pensamento. eu sei lá se sou capaz. p’ra que lado? Dó Trago a fisga no bolso de trás Sol7 E na pasta o caderno dos deveres Mestre-escola. Dó Faz-me falta ouvir outra opinião. Lá Ré Dó Lá Sol Lá Ré Lá Dó Mi Lá Dó Trago a fisga no bolso de trás. eu sei lá se sou capaz Dó Faz-me falta ouvir outra opinião. Trá-lo contigo também. Sol Lá Lá7 Por essa estrada amigo vem. Mi Lám Eu até nem sequer sou mau rapaz. Ré Lá Não percas tempo que o vento Dó Mi Lá É meu amigo também. Mi Lá7 Com maneiras até sou bem mandado. Se alguém houver que não queira. Sol7 E na pasta o caderno dos deveres. Seja benvindo quem vier por bem. Dó O meu pai diz que o Sol é que nos faz. Dó O meu pai diz que o Sol é que nos faz Fá Minha mãe manda-me ler a lição Rém Sol7 Mestre-escola. Mestre-escola. 100 1 . Rém Sol7 Mestre-escola diga lá se for capaz. Fá Minha mãe manda-me ler a lição. eu sei lá se sou capaz Dó De escolher o melhor dos dois saberes. Se alguém houver que não queira. Ré Lá Não percas tempo que o vento Dó Mi Lá Lá7 É meu amigo também. Rém Sol7 Mestre-escola. Em todas as fronteiras. Trá-lo contigo também. Lá Ré Lá Em terras.A FISGA (Rio Grande) TRAZ OUTRO AMIGO TAMBÉM (Zeca Afonso) Introdução : Lá Ré Lá Lá Amigo. Dó Lá Por essa estrada amigo vem. Dó P’ra que lado é que me viro.

é só subtrair. versão Resistência) Introdução : Ré Mim Sol Ré (2x) Mim Ela sorriu. Passa o tempo devagar. Tirana é uma menina.N. Passa a noite.) Introdução : Dó Mim Lám Sol Lám Dó Fá Sol Dó Mim Lám Tirana é um lugar. Mas só por um momento. (Bis) Ela sorriu. Ela despiu-o. Já é hora de voltar. Já é dia. Ao pé do mar. Já é dia. Passa o tempo devagar. despir. Fá Sol Avançar retirar. Mim Ela despiu-o. Refrão : Dó Fá 2 3 6. Refrão : Ré Aqui ao luar. Lám Sol Carne p´ra canhão. Sol Só o sonho fica. Tirana é sincera. Tirana é sofrimento. Atirar à sorte p’ró ar. Sem o intuito de acertar .R. Já é hora de voltar. Sol Ré E ela o satisfaz. foi! É ferida e unguento. investir. quem sabe Sol Difícil de encontrar. multiplicar. somar. Não vais partir e podes cá ficar. Mim Ao pé de ti. Aprender a dividir para poder reinar. foi Muito sedutora. Refrão (2x) TIRANA (G. Ré Só ele pode ficar. foi Para quem não sentiu fome. E ele foi atrás. Tirana é bom nome. Refrão (2x) 99 2 . Sol Ré E ele foi atrás.A NOITE (Sitiados. Passa a noite. Fá Dó É tirar à sorte e dar. 3 2 1. E ela o satisfaz. Se ela ainda te enganar.

98 3 . p’ra cantar. . o que é preciso É vencer. Mim A nossa voz. Dó Sol Vem. Dó Sol Ré Si7 Lá. que o mundo inteiro. Não há idade p’ra conseguir... Vem. lá . que o mundo inteiro.. Do meio dos corpos A mesma lama. Leito final Onde o amor nascia. Vem. Nobre Soldado Nunca sonhaste Ver uma espada Na mão de Deus. Que a vida escolhe quem quer seguir. há-de chegar. Dó Sol Ré Si7 Lá. Não tenhas medo do que há-de vir. . e o vento cantará. lá . . e o vento soprará por nós. lá . Vai saber. Sol Ré Por tanto que há por dizer. . Que o vento chama por nós. Que sangra o céu No Sol do meio-dia. .. há-de cantar. p’ra cantar. Ré Si7 Vai saber. . Ré A nossa vez. Dó Sol Ré Si7 Lá. Da cruz se faz Uma lança em chamas. As nossas mãos hão-de se unir. o que é preciso Ré Si7 É vencer. vai ouvir.A NOSSA VEZ (Delfins) Que não tiveste. lá. Que o tempo fale por nós. Ceifando os filhos Que não são teus. Dó Sol Vem. vai ouvir.

sei-o bem É sempre longe demais Pela janela mal fechada Chega a hora do cansaço Vai-se o tempo desfiando Em anéis de fumo baço. Salgas os ventres 97 4 . Si Lá Cantemos nós.AMANHÃ É SEMPRE LONGE DEMAIS (Rádio Macau) Dó Sol Pela janela mal fechada Fá Ré Entra já a luz do dia Dó Sol Morre a sombra desejada Fá Ré Numa esperança fugidia Dó Sol Foi uma noite sem sono Fá Ré Entre saliva e suor Dó Sol Com um travo de abandono Fá Ré E gosto a outro sabor Refrão: Dó Sol Dizes-me até amanhã Fá Que tem de ser que te vais Ré Porque amanhã sabes bem Dó É sempre longe demais Acendo mais um cigarro Invento mil ideais Só que amanhã. Lá No cais deserto Mi Fica o desejo Lá Fá# Da terra quente Lá Mi Por conquistar. Refrão : Mi Lá Mi Ai Timor. Se outros calam. calam-se as vozes Lá Mi Dó#dim/Mi Dos teus avós Do#m Sol#7 Lá Dó#m Ai Timor. TIMOR (Trovante) Mi Lavam-se os olhos Lá Mi Nega-se o beijo Lá Mi Do labirinto Fá# Si Escorre-se um mar. Nobre Soldado Que vens senhor Por sobre as asas Do teu dragão. Beijas os corpos Num chão queimado Nunca serás O nosso perdão.

APRENDER A SER FELIZ (Pólo Norte) Andam lá sem descansar. Lám 96 5 . Ré Tão longe e tão perto. Cantar-te baixinho. Fá Sol Dó Mas na verdade. também queira. Lá Mi Ré Aquilo que eu vou ser ninguém me diz. E braços abertos. companheira. Cantar uma balada. E tudo esquecer. estou aqui para te sentir Fá Mi Para te ver a sorrir. Bem vês. Mi Do que eu quero ser. Dar-te o meu carinho. Lá Mi Ré Estou a aprender a ser feliz. Talvez. Lá Mi Ré A guitarra que só toca por amor. Lá Mi Ré Não acalma o desejo nem a dor. Eu parto sozinho. De sonhos despertos. Para te receber. nesta estrada. Nas montanhas a lutar Iluminam todo o mar de Timor. Sim Por caminhos incertos. Percorro o destino Às vezes sem querer. Repetir "Refrão 1" e "Refrão 2" Introdução : Lá Dó#m Sim Mi (2x) Lá Dó#m Andar.

Em terras do ultramar. a Timor. Da sua vontade. Que os chefes trazem e usam. Sol Que nos gela o coração. Nunca mais hei-de voltar . A palavra nação. Sim Ré Lá Dá saudades a Timor. Dó Ré Que lutou numa guerra. Dó Ré Dó Ré E quem regressou. As crianças a chorar.AQUELE INVERNO (Resistência) Introdução : Sol Dó Sol Há sempre um piano. Naquela missão. De um olhar a sangrar. Lám E nos traz a imagem. Vão de manhã defender. Sim Ré Lá Iluminam todo o mar de Timor. Já não posso lá voltar. Eles não podem escrever. De um soldado perdido. Faz chegar um grande abraço. Lám Aquele inferno. Sem noticias de Timor. Há sempre a lembrança. sem razão. Sim Ré Lá Se o teu voo lá passar. Refrão 2 : Andorinha de asa negra Vem ouvir o meu cantar. Refrão : Sol Sim Dó Lám Combater na selva. Para esconder a razão. Lá Nas montanhas sem dormir. sem saber porquê. Nas montanhas a lutar. Ré Sim Lá Faz chegar um grande abraço. Porque vão a combater. Sol Sim Dó Lám E sentir o inferno de matar alguém. À idade de lembrar a Timor. uma luz a resistir Sim Ré Lá Arde sem se apagar em Timor. TIMOR (Resistência) Introdução : Lá Sim Ré Lá Lá Andam lá sem descansar. guarda a sensação. Sol Sem razão. Por obrigação. Há sempre a palavra. Lám Um piano selvagem. 6 95 . não as posso consolar Que eu nunca cheguei a ver. Refrão 1 : Ré Sim Lá Andorinha de asa negra. Dó Daquele Inverno. a Timor.

. Ao sabor do vento.recordar.. vem contar. Será sempre o mesmo inferno. Que ninguém poderá esquecer. O que alguém que voltou. Perguntei ao céu : “Será sempre assim?” Poderá o inferno. Não sei responder. 94 7 . só talvez lembrar. Ter de matar ou morrer. Naquele tormento. nunca ter um fim.Daquela verdade.. Recordar. E para eles aquele inverno..

Fá Sol Espiar mil casas do ar. Lám Ré Aconteça o que acontecer Ré Mim Quando penso o que passei. A ternura dos quarenta Não tem conta nem medida. Foram tantas as idades Da vida que atrás deixei. Lá Quem eu era? Ré Quem sou e quem pareço? Sol Se alguém hoje me espera. Tive o tempo e não senti. 8 . Os copos que não bebi. Amor a tua presença. Sol Dó Asas são para combater. Sol Dó P’ra sonhar ou p’ra planar. E as loucuras que vivi. Para enfrentar a vida Com a ternura dos Quarenta. Os poemas que não li. Lám Ré A paixão que te roer. espreitar. Te pintar. Dó Fá As asas não se vão cortar. Lám Num lugar infinito. 93 Os discos que não toquei.) Introdução : Dó Fá Sol Fá Dó Fá As asas servem p’ra voar. que é preciso. Deitar contas à vida. Meus amigos. Lá7 Olhei para mim e pensei. Lám Visitar. Sim Sol Tinha para dar e não dei. Mereço ainda. Não adianta. Para seguir viagem. não te esquecer. São tantas que já não sei. Lám Ré Sem prazo e idade de acabar.N. Visitar-te. Os amigos que perdi.R.ASAS (ELÉCTRICAS) (G. Lá7 Ré Com certeza que mereço. Não quero sentir saudades. olhar. Fá Sol Num arco para expirar o ar. Importante é o sorriso. Tive amores e não amei. Os filmes que nunca vi. Ré Não tenho nada na mão. Lá7 Ré Fronteiras de solidão. Espreitar-te bem alto do ar. Fá Dó Não há mais para te prender. Asas São P’ra Proteger. Vou em outras amizades. Com a coragem. Refrão: Fá Dó E só quando quiseres pousar. Fá Dó É um amor que vês nascer. As canções que não cantei. Amar o que não amei.

Refrão 92 9 . Esse teu olhar. E eu que jurei nunca mais cair. Dança no silêncio do teu olhar. Como arlequim.Cavaleiro andante. a chamar por mim. Sol Lám A chamar por mim. De nada nos vale tentar fingir. Sol Fá Sol É um bem que faz. Nem do mal que fez ou que vai fazer. Fá Sol Lám Fá Sol Chega assim. Fá Com as palavras tontas. esse teu olhar. desse mal de amar. Nesses teus "ardis" nunca mais seguir. Mi Lám Que dissemos por amor. Mim Fá Mi Louco e triunfante como salteador.BRINCANDO COM O FOGO (Rita Guerra e Beto) TERNURA DOS 40 (Paco Bandeira) Dó Vem no fim da noite sem avisar. querer ou não querer. Brinca no meu corpo a desinquietar. Chega com a brisa que vem do mar. como arlequim. Desse mal de amar. Para quê negar ou se quer fugir. Refrão : Lám Chega quando quer e não quer saber... Fá Mim Lám Sol P´ra no fim nos deixar a contas.

Refrão : Dó Ré Sou como um rio Sol Mim Que vive só para ti. Rém Sol Eu sempre te procurei. Ré Sol Eu sempre te conheci. Dó Foi sempre assim Ré Sol Gostar de ti. Rém Sol Eu nunca te abandonei. Dó Ré Mim Correndo só para te ver.Caçador de Sóis [Ala dos Namorados] CGCG E GD C G Pelo céu ás cavalitas C G Escondi nos teus caracóis E G A estrela mais bonita D Que eu já vi C G Eu cresci com o encanto C A7 De ser caçador de sois C G Eu já corri tanto tanto D Para ti C G Fui um príncipe encantado C G Montado nos teus joelhos E G Um eterno enamorado D A valer C G Lancelote de algibeira C A7 Mas segui os teus concelhos C G Pra voltar a tua beira D G E ser o que eu quiser 10 SOU COMO UM RIO (Delfins) Ré Sol Eu sempre gostei de ti. Ré Sol Ré Sol Lám Mim Ré Rém Sol Porquê que tudo acabou Rém Sol O que é que para ti mudou Lám Ré Sol E agora tenho de viver sem ti. Lám Ré Sol Nunca pensei que te sentisses só. Dó Ré Sou como um rio Sol Mim Que acaba ao pé de ti. Lám Mim Ré Nunca pensei que me deixasses só. Refrão 91 .

sete mares. Ao Sul. Ré Sol Há mil anos de memórias a contar. Dó Sigo para o sul. Há mais terra do que mar. (Bis) Dó D7 C Os teus olhos foram esperança G Os meus olhos girassóis D7 C Fomos onde a vista alcança EDa nossa janela C G Já deixei de ser criança C A7 E tu dormes a lareira C G Ainda sinto a minha estrela D G Nos teus caracóis CGCG E GD C G C A7 C G D G Refrão 2x Dó Ré Sol Dó Foram tantas as tormentas. no vento do Norte. Voltarei amor com a força da maré. Ré Sol Chegarei amor com a volta da maré. Ré Mim Sol Dó Que tivemos de enfrentar. Refrão (3x) Dó 90 11 . Sol Dó Ré Ai troquei-te por um mar. Sol Dó Ai cidade à beira mar. Ré Ao Sul.SETE MARES (Sétima Legião) Dó Ré Sol Dó Tem mil anos uma história Ré Mim Sol Dó De viver a navegar. Ai cidade à beira mar. ao Sul. Sol Fogo de outra sorte. Refrão : Sol Dó Hoje. Se os mares são só sete.

. Sim Fá#m Sim Fá#m Mim Lá Trigo da cara. Sim Fá#m Canta com a expressão Sim Fá#m De quem vai ter um filho. Ré Nunca se senta à minha mesa. Mim Lá Mesmo pelo coração . Mim Lá Sem campo. a cada lugar meu G G#º Bº F/C tento entender o rumo que a vida nos faz tomar A7/C# Dm tento esquecer a mágoa F G guardar só o que é bom de guardar Pensa em mim protege o que eu te dou Eu penso em ti e dou-te o que de melhor eu sou sem ter defesas que me façam falhar nesse lugar mais dentro onde só chega quem não tem medo de naufragar Fica em mim que hoje o tempo dói como se arrancassem tudo o que já foi e até o que virá e até o que eu sonhei diz-me que vais guardar e abraçar tudo o que eu te dei Dm C/E G Mesmo que a vida mude os nossos sentidos C/E F Am e o mundo nos leve pra longe de nós Dm C/E G e que um dia o tempo pareça perdido Am G e tudo se desfaça num gesto só Eu vou guardar cada lugar teu ancorado em cada lugar meu e hoje apenas isso me faz acreditar que eu vou chegar contigo onde só chega quem não tem medo de naufragar SEI DE UMA CAMPONESA (Rui Veloso) Ré Sei de uma camponesa. Mim Lá Dança à noite na eira. . 89 12 . de suor tão debulhada . Mim Lá Nunca enche esta cidade. Ré Perfumada de avenca e feno. sem quintal. p’ra tornar realidade Mim Lá Um sonho que perfilho. Ré Mim Lá Que canta debruçada ao Sol da seara. . . Ré Sei de uma camponesa. Ré Sei de uma camponesa. Mim Lá Enfeitada de tomilho.Cada Lugar Teu [Mafalda Veiga] C/E F C/E F Sei de cor cada lugar teu C/E F C/E Am atado em mim. Mim Lá Nunca me leva à sua herdade Sim Fá#m Sim Fá#m Pr'ouvir um trocadilho.

Fá Se não tenho. Se o mercado impera e somos todos iguais. Refrão 1 Refrão 2 : Sol Ré Se o pescado morre ao lado. Dó Fá Tão perto do mundo. Refrão 1 : Mim Ré Sol Dó Lá no fundo do mar imundo imenso sais. tão longe de Deus. Ré E vendes o cais.N. Muito cuidado quando escorregas Sempre cais. Fá Se não tenho. Dó Lám Mim Ooooooooh. Refrão : Dó Lám Mim Ooooooooh. 88 13 . Dó Lám Mim Ooooooooh. Dó Mim Ré Sol as ondas só vêm chatear. Quando a maré negra chegar.CAIS (G. a vergonha Fá De o dizer. Dó Lám Mim Oooooooooh. Dó Fá (2x) Dó Fá Dó Nunca esse acaso ou lei eu entendi. Fá O homem que em vão se agita. se te amo. a vergonha Fá De o escrever. Dó Fá Eu não.) SE TE AMO (Quinta do Bill) Introdução : Dó Fá (6x) Dó Fá Dó Nada em terra e céu. Refrão 1 e 2 Se o mercado impera. Se o mercado impera e somos todos iguais. Sol Ré Mim Quando um barco tem pés para andar. Muito cuidado quando escorregas Sempre cais. E não houver ninguém para o crude limpar. Mim Ré Sol Dó Oh(!) Neptuno e as tuas sereias sensuais. Atenção cuidado voltas ao cais.R. E só esses ratos não o quiserem abandonar. se te amo. Mim Se ainda se ama o mar salgado. Dó Fá Eu não. E vais sempre longe demais. nos pode ensinar Fá O que vai na alma Dó Fá De alguém que recusa deitar sobre o chão. Quando um barco se está para afundar. Dó Ré Sol Então é ver no cinema se ainda há Lodo no cais.

Onde há sempre uma boa estrela. pomba chamada. Vira a proa da minha barca. Lá Mi Somos filhos da madrugada. Mi À procura de quem nos traga. Guardaré la sangre Que tengo para dar. Lá Verde oliva de flor no ramo. Lá do cimo de uma montanha. Ao deixar la própria vida Sem volver la pista atrás. Mi Pelas praias do mar nos vamos. Lá À procura de manhã clara. moira encantada. Ré Lá Navegamos de vaga em vaga. Que a vitória já não espera. Para não se apagar a chama. Uma fronteira. 87 14 . Largaremos p'la noite fora. Fresca. Lá do cimo de uma montanha. Ré Lá Não soubemos de dor nem mágoa. Mensageira. Quando a noite vier que venha. Acendemos uma fogueira. Que dá vida na noite inteira. brisa. Mensageira da madrugada. Noite e dia ao romper da aurora. Vira a proa minha galera. Onde o vento cortou amarras. Lá Pelas praias do mar nos vamos.CANTO MOÇO (Zeca Afonso) À barragem de fogo.

bato-me primeiro e a ti depois.. . Fá Sol Ao lujir duna investida. . Tu vision en mi caberas. Oculto sangue que tenho para dar. Solo por cima dos acordes Fá Sol Lám Fá Sol Lám (2x) Ré Ao fugir duma investida. G É que hoje acordei e lembrei-me F que sou mago feiticeiro Am Em Que a minha bola de cristal é folha de papel F G Nela te pinto nua..Carta [Toranja] SANGUE OCULTO (G. C F C numa chama minha e tua. Ao fugir da própria vida Sem correr e sem saltar.. 86 Sol C Não falei contigo F com medo que os montes e vales que me achas C F caíssem a teus pés...) Fá Sol Fá Sol Há luz na artéria principal. Lám Ré Una frontera. Fá Sol Fá Sol Ardem as chamas de dois sois. Fá Sol La barrera de fuego. Lám Rém Es como saltar un hoguera. Fá Sol Fá Corre o sangue.. Ao lugir .N.. Ardem como el desejo. Correran entre mis veras. Ao fugir da própria vida Sem correr e sem saltar. C Acredito e entendo que a estabilidade lógica F de quem não quer explodir C F faça bem ao escudo que és. Fá Sol Fá Sol Há luta na arena artificial. nua. Desconfio que ainda não reparaste que o teu destino foi inventado 15 . C Mas sinto que sabes que sentes também F que num dia maior serás trapézio sem rede C a pairar sobre o mundo F em tudo o que vejo.. É como saltar a fogueira.R.. C Saudade é o ar F que vou sugando e aceitando como fruto de Verão C nos jardins do teu beijo.. Oculto sangue que tenho para dar. Solo (por cima dos acordes Fá Sol Fá Sol) Lo es como lo sangre.

. mas não fui eu que te escolhi.. nua... Desculpa se te fiz fogo e noite sem pedir autorização por escrito ao sindicato dos Deuses. a transpirar de chuva nos campos que a ceifeira mutilou dormindo em velhos sonhos que sonhou na alma a mágoa enorme. Anseio o dia em que acordares por cima de todos os teus números raízes quadradas de somas subtraídas sempre com a mesma solução. dia não é feita em cada entrega alucinada prá receber daquilo que aumenta o coração 85 . Numa chama minha e tua Ainda magoas alguém O tiro passou-me ao lado 16 Geme o restolho. E todo o teu planeamento estratégico de sincronização do coração são leis como paredes e tetos cujos vidros vais pisando. C F C Numa chama minha e tua. G É que hoje acordei e lembrei-me F Que sou mago feiticeiro..por gira-discos estragados aos quais te vais moldando. aguda Mas é preciso morrer e nascer de novo semear no pó e voltar a colher há que ser trigo. Desculpa se te usei como refúgio dos meus sentidos pedaço de silêncios perdidos que voltei a encontrar em ti. depois ser restolho há que penar para aprender a viver e a vida não é existir sem mais nada a vida não é dia sim..... É que hoje acordei e lembrei-me que sou mago feiticeiro que a minha bola de cristal é folha de papel Nela te pinto nua. intensa... nua Numa chama minha e tua Numa chama minha e tua.. Podias deixar de fazer da vida um ciclo vicioso harmonioso ao teu gesto mimado e à palma da tua mão. Am Em F G .......nela te pinto nua.

. depois ser restolho G A# D há que penar para aprender a viver Em G e a vida não é existir sem mais nada D D/C Bm a vida não é dia sim. dia não G Em é feita em cada entrega alucinada G A# D prá receber daquilo que aumenta o coração Ainda magoas alguém.Restolho [Mafalda Veiga] D G Geme o restolho. enlouquecido. passou-me ao lado. passou-me ao lado A mim.. triste e solitário Em G D a embalar a noite escura e fria B7 Em G e a perder-se no olhar da ventania Em A# D que canta ao tom do velho campanário Geme o restolho. magoaste alguém A mim. a transpirar de chuva nos campos que a ceifeira mutilou dormindo em velhos sonhos que sonhou na alma a mágoa enorme. 84 17 . Se não te deste a ninguém.. preso de saudade esquecido.. dominado escondido entre as sombras do montado sem forças e sem cor e sem vontade Geme o restolho. intensa. aguda D Em G Mas é preciso morrer e nascer de novo D D/C Bm semear no pó e voltar a colher G Em há que ser trigo.

A noite vêm já e mal atina. Cólicas escorbuto e caganeira. Conhece os felipados todos de ginjeira. Mi Lám Pátria de negreiro. Ácido com muita estriquinina. Fá Dó Sol Dó Por pau de canela e mazagão. sempre cheio de Speed. Sol Dó7 O Chico Fininho o freak da cantareira. Ele é o maior da cantareira. Fareja a judite em cada esquina. Dó 83 18 . Fá Dó Foi nas ondas do mar Lám Do mundo inteiro. Sapato bem bicudo e joanetes. Da baixa à cantareira. Da cantareira à baixa. Patchuli. Chico Fininho Uuuuh (4x) Sempre a domar a cena. Sol Dó7 Segue o seu caminho com a merda na algibeira. borbulhas e brilhantina. Fá Sol Terras de perdição. Ré Sol Vive e foge à morte. Fá Sol E no peito guardou Mi Lám Cheiro a mata eterna. Depois de mais um chuto nas retretes. Sol Dó7 Sempre na sua.CHICO FININHO (Rui Veloso) QUEDA DO IMPÉRIO (Vitorino) Sol Dó7 Gingando pela rua ao som do Low Reed. Sol Dó7 Chico Fininho Uuuuh (4x) e depois Ré Aos "ss" pela rua acima. Fá Dó Laranja. Chico Fininho Uuuuh (4x) Dó Lám Perguntei ao vento Fá Sol Onde foi encontrar Mi Lám Mago sopro encanto. A vida só tem um problema. Luanda. Fá Que a sorte é de quem Lám A terra amou. Mi Lám Parco império mil almas. Ré Sol Nau de vela em cruz. Curtindo uma trip de heroína. Sol Dó Sempre em flor.

. meu choro de moça perdida E9 Gritava à cidade F#m F#m7 Que o fogo do amor sob a chuva B B/A Há instantes morrera A chuva ouviu e calou meu segredo à cidade E eis que ela bate no vidro Trazendo a saudade 82 19 .Chuva [Mariza] E9 As coisas vulgares que há na vida A9 Não deixam saudades B B/A Só as lembranças que doem E Ou fazem sorrir Há gente que fica na história Da história da gente E outras de quem nem o nome Lembramos ouvir São emoções que dão vida À saudade que trago Aquelas que tive contigo E acabei por perder Há dias que marcam a alma E a vida da gente E aquele em que tu me deixaste Não posso esquecer A B A chuva molhava-me o rosto E9 Gelado e cansado A B As ruas que a cidade tinha E9 Já eu percorrera A B Ai..

Lám Dó Entre a chuva dissolvente. Hão-de um dia se esquecer. confusão. Lám Dó Sol Ré (2x) Já me lembrei já me esqueci. Lám Ré E o que foi feito de mim. Rasgar retratos.CHUVA DISSOLVENTE (Xutos & Pontapés) De todos os sexos. Putos que crescem sem se ver. Quando te livrares do peso. Sol Ré No dia a dia sem destino. Lám Sol Ré E o que foi feito de ti. Hão-de um dia se esquecer Como eu quando cresci. Será que ainda te lembras Do que fizeram por ti? Refrão : Lám Sol E o que foi feito de ti. Sol Ré Quente suor vespertino. Sol Ré No meu caminho de casa. Lám Dó Dou comigo na corrente. Sol Ré Desta gente que se arrasta. Lám Dó Mergulho na multidão. 20 81 . Lám Dó Metro túnel. Fá Rém Agarrem as asas Sol ao cair do chão. largar-me a mão.. Basta pô-los em frente à televisão. Desse amor que não entendes..

Fá Rém Que ao ganhar idade. Fá Rém A todos os anjos. Solm Lám Porque ninguém nasce ensinado. Perde a razão. Refrão 21 . Não acredito em democracia. No seu caminho de casa. Mas que ninguém me dê conselhos. És o pai de uma criança. Que ao ganhar idade. Rém Dó Testemunhos da verdade Rém Dó Tanto vão de mão em mão. Organizasse o meu dia a dia. Sol Em cima de um homem. Nunca gostei que a maioria. Entre a chuva dissolvente. Sol Perde a razão. Solm Lám Que se perdem com a idade. Refrão : Fá Rém É a queda de um anjo. Lá# Fá Sol Não acredito no meu passado. Solm Lám O que aprendi já está errado. É a queda de um anjo Em cima de um homem. Sol 80 E quando deres por ti.Vais sentir uma outra força. Hoje é lei a constituição. Como que uma falta imensa. Ontem liam evangelhos.

No meio da rua e a chover a sério. Quase o abraçou. O teu primeiro amor. Mi A saber sorrir. Ela tem cabelos louros. Sol Lám Uns olhares envergonhados Mi Lám Mi E são namorados sem ninguém pensar. em pé. 22 A QUEDA DE UM ANJO (Delfins) 79 . como por magia. Refrão : Rém Sol Lám Fá Então. Ela. quando lá o viu. Lá Numa outra brincadeira. louco Sol Mi Lám De ilusão. Passam mesmo à beira Rém Sempre sem falar. Ele lá lhe disse. a deixar mistério. Lám ´Ele tem tesouros para repartir. Vai dar tempo p'ra aprender. Ele adormeceu e sonhou com ela. bate coração louco. a idade assim não tem valor. Cinderela das histórias. Já o fez andar na lua. Crescer. A avivar memórias. No autocarro. Quando a noite o envolveu. Foram juntos outro dia.CINDERELA (Carlos Paião) Lám Eles são duas crianças a viver esperanças. Vai dar jeito p'ra viver. encharcado e frio. a medo : "O meu nome é Pedro e o teu qual é?" Ela corou um pouquinho E respondeu baixinho : "Sou a Cinderela". bate.

Dó Fá Dó Fá Vem p’ra mim. fez-me ver. eu gosto de ti!". Refrão Fá 78 23 . Dó Fá [Queria pensar. Ele pegou na mão dela : "Sabes Cinderela. nos recreios. é bom rever. Fazem muitos planos. E. Lám Sol Porque quem ama não quer saber. Saberei conquistar A tua luz devagar? Mas tudo bem para mim. Tal como uma prenda que se dá nos anos. vem.] (Bis) Queria pensar. num desses momentos. Lám Sol Fá Se o amor dói ou faz sofrer. Dó Fá Tentei. Ele até chorou. Dó Fá Que tudo voltaria a acontecer Refrão : Sol Fá Mas diz-me. E dividem a merenda. E agora. Dó Fá É bom. Lám Sol Fá Quando se perde alguém. dão os seus passeios.QUANDO SE PERDE ALGUÉM (Santos & Pecadores) Com a cara assim molhada Ninguém deu por nada. que me queres. Porque o amor só podia ser assim. Sol Fá Faz quando quiseres. Houve sentimentos a falar por si. queria pensar. Dó Fá Que o tempo. tentei esquecer.

Dó Pensava em ti. O rapaz estuda nos computadores. Nunca dei um passo. Dó O azar persegue. E os entretantos. Sol Quero-te tanto. São as minhas esperas. E em que sorte era tua. Sol Ré Entre os dias que passam menos mal. Que batesse certo. Refrão (2x) POSTAL DOS CORREIOS (Rio Grande) Ré Fá#m Querida mãe.CIRCO DE FERAS (Xutos & Pontapés) Dó A vida vai torta. Ré Dó Ré Sol Ré Sou capaz de ir aí pelo Natal. Dó Sol Um abraço deste que tanto vos quer. Lám Jamais se endireita. É um circo de feras. Sol Espero que não demorem a mandar Sim Lám Dó Novidades na volta do correio. Ré Quero-te tanto. Dó Sol A ribeira corre bem ou vai secar? Ré Sol Como estão as oliveiras de "candeio"? Sol Sim Já não tenho mais assunto p’ra escrever. De modo que a vida. Eu nunca fiz nada. Então que tal ? Sol Mim Nós andamos do jeito que Deus quer. Que batesse certo. Lá Ré Lá vem um que nos dá mais que fazer. Dó Lám Cumprimentos ao nosso pessoal. Pão de trigo e linguiça p’ra merenda. Mas falemos de coisas bem melhores. Nunca dei um passo. No fundo da rua. 77 24 . Eu nunca fiz nada. Cá chegou direitinha a encomenda. Que fosse o correcto. Refrão : Lám Enquanto esperava. Lám Esconde-se à espreita. Que fosse o correcto. Pelo "expresso" que parou na Piedade. Sempre dá para enganar a saudade. Dó Sol Um abraço deste que tanto vos quer. A Laurinda faz vestidos por medida. querido pai. Dizem que é um emprego com saída. Ré Sol Sou capaz de ir aí pelo Natal.

Dó Procuro por mim. Lám E saber que me amas. Lám Dizeres que sim. (Repete-se do início) 76 25 . Sol Pelo o que sou. Mi Basta p'ra mim. Refrão : Fá Dó Deixa-me olhar. Sol Dó Que eu passo sem ti. Lám Fá Se gostas de mim nas noites. Dó E sempre que eu te vejo. Fá Mas mesmo assim. Fá Gostares de mim. Fá Na paixão do incerto. Fá Fico sem medo do som. Fá Onde me perco. Dó E sempre que eu te beijo. Rém Mesmo quando eu vou.DEIXA-ME OLHAR (Além-Mar) Dó Noites sem ti. Fá Perco-me na luz da noite. Fá Dó Deixa-me perguntar.

Rever-te nessa altivez De milhafre ferido na asa. diz-lhe que tudo acabou. Dó Ré Dói menos dizer que não. Dó Ré Voltarmos ao mesmo inferno. Dó Ré Por vezes é mesmo assim. Refrão : Ré Sol Ver-te assim abandonada Lá Ré Nesse timbre pardacento. Diz-lhe que não me enganou. Enganou-se ele por mim. Fá#m Sim Por pedras sujas e gastas. Dó Ré Dói muito dizer que sim. Diz-lhe que chega de ouvir As frases habituais. Maior ou não. Que é sempre mais feliz Aquele que mais amou. Refrão 75 26 . Dó Ré Não há outra solução. Sol Lá Ré E lampiões tristes e sós E esse teu ar grave e sério Dum rosto e cantaria. Dó Ré Dó Mas por favor não lhe digas que ainda me Ré viste chorar. Coisas banais. Refrão Sol Dó Ré Diz-lhe que não. Quem te vê ao vir da ponte. Chamam-me a maior paixão da vida. Que nos oculta o mistério Dessa luz bela e sombria.DIZ-LHE QUE NÃO (Lúcia Moniz) Sol Dó Ré Diz-lhe que não. Ré Sol Por ruelas e calçadas. Ré Sol Nesse teu jeito fechado Lá Ré De quem mói um sentimento. Ser a única isso sim. Erigida sobre um monte. Ré Sol Vê um velho casario Lá Ré Que se estende ate ao mar. Lá Da Ribeira até à Foz. pouco importa. No meio da neblina. está na hora de acabar. És cascata são-joanina. Dó Ré Promessas de amor eterno. Dó Ré Para algum tempo depois. diz-lhe que tudo acabou. E é sempre a primeira vez Em cada regresso a casa. Ré Fá#m Sol Quem vem e atravessa o rio Lá Ré Junto à serra do Pilar. Dó Ré Dó Ré Que é sempre mais feliz aquele que mais amou Sol Chega de juras de amor. Diz-lhe que não.

Sol Mim Bebemos dos lábios.como na TV. Dó Ré Palavras a mais... Quem nos visse deitados. .. alheios a tudo.roendo maçãs..nas dunas....nas dunas. saltamos rochedos.. sacos-cama salgados. Sol Mim Deitados nas dunas. Dó Ré Selamos segredos.. Em câmara lenta como na TV. Bastante enrolados.) PORTO SENTIDO (Rui Veloso) Sol Mim Dunas... 74 27 . na idade dos porquês Dunas.. Dó Ré Olhos penetrantes. Sol Mim Em câmara lenta como na TV.N.R.nas dunas.. . cabelos molhados..nas dunas. .. como que são divãs..nas dunas.. ..são como divãs... . refrescos gelados.. A ver garrafas de óleo.. Boiando vazias nas ondas da manhã.. Bebemos dos lábios.. pensamentos lavados.. Nas dunas..DUNAS (G...refrescos gelados....... Dó Biombos indiscretos de alcatrão sujos. Refrescos gelados. Ré Rasgados por cactos e hortelãs.

Sol 73 28 .) Dó Sol Lám Adoro o campo.EFECTIVAMENTE (G.N. Habituados a controlar. Fá Sol Mi Lám Fá Sol Mi Lám Efectivamente gosto de aparências. Cágados de pernas para o ar.R. E todos os bichos do mato. Numa atitude tão clara e tão obvia. Que disfarçam ao dialar. Rém Dó Que fiquem perto da esplanada de um bar. Adoro as pulgas dos cães. Fá Sol Mi Lám Aparentemente sem moralizar. Fá Sol Mi Lám Imponentes ou equivocas. Rém Dó Sol Pássaros estúpidos a esvoaçar. Adoro esses ratos do esgoto. Finjo nem reparar. Fá Sol Mi Lám Importantes ou ambíguas. O riso das crianças dos outros. Adoro as pegas e os pederastas que passam. Como se fossem mafiosos convictos. Refrão : Fá Sol Mi Lám Fá Sol Mi Lám Efectivamente escuto as conversas. as árvores e as flores. Fá Sol Mi Lám Aparentemente sem moralizar. De quem anda a engatar. Dó Sol Lám Jarros e perpétuos amores.

EU GOSTO É DO VERÃO (Fúria do Açúcar) Ao longe a cidadela de um navio Acende-se no mar como um desejo. Si Na Primavera o pólen anda no ar. No Verão o calor bate records. Podia ser um peixe na maré Nadando sem passado nem futuro. No Outono à folhas sempre a cair. Refrão : Fá# Si* Eu gosto é do Verão. 29 . No Outono passo a noite a tossir. Por trás de mim o bafo do estio. Si Dó# De passearmos de prancha na mão. No Verão os dias ficam maiores. Si* Na Primavera os bichos andam no ar. bem abraçados. Fá# Dó# Patrocinado por uma bebida qualquer No Outono a escola ameaça abrir. Olhando à minha frente o azulescuro. Devolve-me à lembrança o Alentejo. No Verão as roupas ficam menores. Fá# Si* Saltarmos e rirmos na praia. Si Dó# De nadar e apanhar um escaldão. Refrão Introdução : Fá# Si* Si Dó# (2x) Fá# Na Primavera o amor anda no ar. Fá# 72 No Inverno o Natal é baril. Si Dó# A ver o pôr-do-sol. Fá# Si* E ao fim do dia. E os corpos libertam seus suores. Refrão Roendo uma laranja na falésia. Dó# E eu não consigo parar de espirrar. E a chuva faz os prédios ruir.

A ver o pôr-do-sol. Ao largo as águas brilham como pratas. Patrocinado por uma bebida qualquer. Patrocinado por uma bebida qualquer. A Lua já desceu sobre esta paz. Fá# Qualquer . Lá Si7 Mi Aqui no lugar de Porto Côvo. Refrão (2x) E ao fim do dia. Mi Sol#m Fá#m Olhando um mundo azul à minha frente. E na Suécia suicidam-se aos mil.No Inverno ando engripado e febril. À volta toda a vida se compraz Enquanto um sargo assa no braseiro. Refrão : Lá Sol#m Fá#m Havia um pessegueiro na ilha Lá Sol#m Fá#m Plantado por um Vizir de Odemira. Lá Sol#m Dó#m Que dizem por amor se matou novo. . 71 30 . E reina sobre todo este luzeiro. . PORTO CÔVO (Rui Veloso) Mi Sol#m Fá#m Roendo uma laranja na falésia. bem abraçados. E a brisa vai contando velhas lendas De portos e baías de piratas. No inverno é verão no Brasil. Em baixo fogos trémulos nas tendas. Mi Sol#m Dó#m Ouvindo um rouxinol na redondeza Lá Si7 Mi No calmo improviso do poente.

Ré Lá Sol Ré Sim. Lá Fá# Sim Às coisas do mundo. que só se podem ver Mi Ao longe. Refrão : Lá Sol# Com a voz que me resta. Lá Fá# Sim São coisas do mundo. segredos por revelar. duas ou três casas.FADO (Heróis do Mar. Lá Sol Ré Ali no café. Lá Sol Os bancos vermelhos e ao meio uma cruz. estou convencido. Lá Sol# São portas fechadas. Lá Sol Ré O que os olhos vêem e eu já não sei. ao lado da igreja. 70 31 . Lá Sol Ré Dois homens parados e uma linda luz. Lá Sol Ré E levo comigo já sei aprender. Eu não vou poder cantar. Lá Sol Ré Que nunca se conta bem o que se vê. que não sei descrever. versão Resistência) Lá Sol Ré À volta do adro. que isto é mesmo assim. Mi Estou longe.

Sim Mi Mi7 Em nome de ti. Mi Fá#m Por quem não esqueci. . Ainda procuro. por certo Bm7 E Onde a tua alma se esconde E7 A Carente. Ainda procuro. Mi Ré Um sinal de ti. Mi Lá Quem eu não esqueci . Por quem já não volta. Por uma canção. esperando A7 D Esse mar és tu POR QUEM NÃO ESQUECI (Sétima Legião) Ré Lá Há uma voz de sempre. . Mi Lá Um sinal de ti. Lá Ré Espero à noite. Sim Lá Que chama por mim. Em nome de um sonho. Que a noite tem fim. Refrão Bm7 32 F#m 69 . Por quem não esqueci. beijando A7 D Como se fosses tu D Ao longe E7 Distante D Bm Fica o mar no horizonte G E7 É nele. Mi Ré Eu peço à noite. Por quem não esqueci. Por tempos antigos. brilhante Bm7 E Sinto o fogo à flor da pele E7 A Tão quente. Por sinais perdidos. Espero em vão. Refrão : Lá Ré Procuro à noite.Fado do Encontro Intro: E7 / G / A7 / D D Vou andando E7 Cantando D Bm Tenho o sol à minha frente G E7 Tão quente. Por quem eu perdi. Para que eu lembre.

______________________________ Na foz Revolta Fecho os olhos. 68 33 . penso em ti Tão perto Que desperto Há uma alma à minha frente Tão quente.Pode a noite ter outra cor G D E o vento ser mais frio Bm7 F#m Pode a lua subir no céu G7 A /A7 Eu já vou descendo o rio .. brilhando Que a saudade me deixou Para sempre.. Por certo O meu Amor és tu. beijando Por certo que és tu _____________________________ Pode a lua subir no céu E as nuvens a noite toldar Pode o escuro ser como breu Acabei por T'encontrar _____________________________ Vou andando Cantando Tive o sol à minha frente Tão quente.

feiticeira. Cisão do átomo. feiticeira. Na superfície lunar. Lám Segredar-me ao ouvido. Que é cabo da Boa-Esperança. Lám De nuvens deslumbrada. Mapa do mundo distante. Ultra-som.FEITICEIRA (Luís Represas) Ré De que noite demorada Lám Ou de que breve manhã. de que fráguas. Vieste tu. Desembarque em foguetão. Caravela quinhentista. Alto-forno. Entre as mãos duma criança 67 34 . de que montes. Ré De que fontes. marfim. Lá De que sedes. De que sonho feito mar Ou de que mar não sonhado. feiticeira. passo de dança. Eles não sabem nem sonham. Sim Fá#m De que desertos de morte Sol Lá Vieste tu. Mim Ou de que lume apagado. geradora. locomotiva. Sim De que chão. Ouro. Aninhar-te ao meu lado. de que lida. Que o sonho comanda a vida. Barco de proa festiva. radar. O mundo pula e avança. Que sempre que o homem sonha. televisão. feiticeira. Lá Sol De que neves. Ré Lá De que norte. Rosa dos Ventos Infante. canela. de que águas. Passarola voadora. Ré Dó Sol/Si Sol/Lá# (2x) Inundar-me de vida. Florete de espadachim Bastidor. Lá Vieste tu. Sol Vieste tu. Fá De que fogo renascido. Columbina e Arlequim. Pára-raios. Como bola colorida. de que horizontes.

Eles não sabem que o sonho. Lám Dó Que tens que conquistar. Máscara negra. Pões as cenas sem nada p’ra temer. Ouves fascinado o ofício da vitória. pá. Eles não sabem que sonho. . Num perpétuo movimento. Refrão Pá. Lám Dó Aqui estás tu. pá. . Em que me sento e descanso. sinfonia. A fobia de um monólogo. Dó Difícil de encontrar. é fermento. magia Que é retorta de alquimista. Fá Dó Ao medo da noite decente. Velho cúmplice da decisão. Arco em ogiva. fuste ou capitel. Dó Tão concreta e definida. Mas não entendes porquê. De focinho pontiagudo. Fá Sol Dó Que tens de conquistar. Como estas árvores que gritam. pá. Como estes pinheiros altos. Refrão : Dó Fá Ai estes são os filhos da nação. Como esta pedra cinzenta. Contraponto. é espuma. Fá Sol No canudo vive a esperança. Dó Sol Adultos para sempre. Bichinho alacre e sedento. Em serenos sobressaltos. É vinho. Fá Dó Acordado neste fim de século. Em bebedeiras de azul. Que insistes em partilhar. Preso a uma ordem Que não podes quebrar.FILHOS DA NAÇÃO (Quinta do Bill) PEDRA FILOSOFAL (Manuel Freire) Sol Eles não sabem que o Sonho. pá . Ré Como outra coisa qualquer. Como este ribeiro manso. vitral Pináculo de Catedral. Si7 É uma constante da vida. Base. Lám Á espera de um lugar. Lám Dó Atrás das luzes em vertigem. jovem atento. Dó Fá Ansiosos por saber Dó Sol Dó Se a cruz é salvação. 66 35 . Mas não entendes porquê. É tela é cor é pincel. Que em verde e oiro se agitam.

um segredo só para eu te abraçar Separador instrumental D Bm7 A7 G9 36 65 .Foi Feitiço [André Sardet] D D7+ G9 A7(4) A7 (Introdução) D D7+ Eu gostava de olhar para ti G9 E dizer-te que és uma luz A Bm7 Que me acende a noite F#7 G9 me guia de dia e seduz A7(4) A7 D D7+ Eu gostava de ser como tu G9 Não ter asas e poder voar A Bm7 ter o céu como fundo F#7 G9 ir ao fim do mundo e voltar A7(4) A7 D/F# G9 D/F# Eu não sei o que me aconteceu G9 Foi feitiço! Bm7 O que é que me deu F#7 G9 para gostar tanto assim de alguém A7(4) A7 como tu Eu gostava que olhasses para mim E sentisses que sou o teu mar Mergulhasses sem medo Um olhar.

Nada mais por nós havia a fazer.Em Refrão Foi nesse dia que percebi. Refrão F# G9 A# A C Bm7 Am O primeiro impulso é sempre justo Bm7 É mais verdadeiro C Bm7 E o primeiro susto Am Dá voltas e voltas Am/B C D G9 Na volta redonda de um beijo profundo 64 37 . A minha paixão por ti era um lume Que não tinha mais lenha por onde arder.

Contigo aprendi uma grande lição. Dó Ré Como que uma saída. Não fizeste um esforço p’ra gostar E foste embora. Fá Sol Que havia no Rivoli.GRITO (Pólo Norte) PAIXÃO (Rui Veloso) Sol Há alturas na vida Mim Em que se sente o pior. Dó Sol Rebenta o ser mais calado. A saliva que eu gastei para te mudar. Mas tu não ficaste nem meia hora. Dó Lám Fá Empenhei o meu anel de rubi. Mim À espera o tempo a passar. Dó O que se vê não apraz. Ao meu lado no concerto nesse dia. Sol A desesperar. Mim Pensar no que aconteceu. Ai o que eu passei. só por te amar. Refrão : Fá Sol Mesmo sabendo que não gostavas. Não se ama alguém que não ouve a Mesma canção. Lám Mim Para me dar algum conforto e companhia. Ré Sol Não gritou mas escondeu. Dó Fá Tu eras aquela que eu mais queria. Dó Ré Ganhar a coragem de gritar e gritar. Mas esse teu mundo Era mais forte do que eu. E ao olhar para trás. Dó Sol Mostrar que está revoltado. 63 Sol 38 . Fá Querer puxar pela voz. E nem com a força da música Ele se moveu. Fá Sol Dó Lám Era só contigo que eu sonhava andar. Refrão : Fá E salta a fúria em nós. Sol Refúgio da dor. Sol Mim P’ra te levar ao concerto. Rém Fá Sol Para todo o lado e até quem sabe talvez casar. Juntos no escuro de mão dada a ouvir Aquela música maluca sempre a subir. Era só a ti que eu mais queria.

Sol Lám Batendo as asas pela noite calada. poisam nas calçadas Trazem no ventre despojos antigos. eles comem tudo. Mas nada os prende às vidas acabadas. Senhores à força. bebem vinho novo. mandadores sem lei. Repensamos na falta. Sol Lám [Eles comem tudo. eles comem tudo. eles comem tudo. Eles comem tudo e não deixam nada. Eles comem tudo e não deixam nada. [Eles comem tudo. eles comem tudo.] (Bis) Se alguém se engana com seu ar sisudo.] (Bis) 62 E é nestas alturas. Mi7 Lám Vêm em bandos com pés veludo. Eles comem tudo e não deixam nada. Mi7 Lám Eles comem tudo e não deixam nada. eles comem tudo. [Eles comem tudo.] (Bis) A toda a parte chegam os vampiros. 39 . Que nos faz um amigo. Mi7 Lám Chupar o sangue fresco da manada. Diga que a vida não é cruz. Alguém que nos mostre a luz.] (Bis) São os mordomos do Universo todo. Sou eu mesmo que o digo. Enchem as tulhas.OS VAMPIROS (Zeca Afonso) Lám No céu cinzento sob o astro mudo. Dançam a ronda no pinhal do rei. E lhes franqueia as portas à chegada. Olhar para trás.] (Bis) No chão do medo tombam os vencidos Ouvem-se os gritos na noite abafada Jazem nos fossos vítimas dum credo E não se esgota o sangue da manada. pedir perdão. Eles comem tudo e não deixam nada. E nos estenda uma mão. [Eles comem tudo. [Eles comem tudo. Poisam nos prédios.

Sol Para onde vai. Si7 Mim E nada valem para mim. Lám Mim No fundo do tempo. Mi Teus olhos castanhos. Mim Rompendo a saudade. Sol Ofusca as demais. Mi7 Teus olhos risonhos. Dó#m São mundos. Si7 Brilhantes luzentes. Fá Vai quem já nada teme. Sol Dó Vai o homem do leme. Fá#m São a minha cruz. Lám Mim Uma luz no escuro. Lám Olhos verdes são traição. Mim Lám Si7 São cruéis como punhais. Si7 De encantos tamanhos. Mim Si7 Mi Os teus. 61 . Fá Sopra um murmúrio Sol Para onde vai. Si7 Mim Com uma tristeza sem fim. São estrelas fulgentes. Sol Dó 40 OLHOS CASTANHOS (Francisco José) Refrão : Mi Teus olhos castanhos. Fá Sol Tentaram prendê-lo. Lám Mas vogando à vontade. mais que uma maré. Refrão Lám Mim No fundo horizonte. impor-lhe uma fé. Mim Lám Olhos azuis são ciúme.HOMEM DO LEME (Xutos & Pontapés) Introdução : Lám Mim Fá Sol (2x) Lám Mim Sozinho na noite. Fá Foge o futuro. Lám Mim E mais que uma onda. Mi Caídas dos céus. Fá Brilha a direito. Fá Um barco ruma. são sonhos. castanhos leais. Fá#m São pecados meus. Olhos bons com coração. De encantos tamanhos. Lám Olhos negros são duas sombras. Mi São raios de luz.

Mim Dó Nasce do fundo do ser.É tarde de mais. Lám E uma vontade de ir. Ainda guardo o calor do sol E assim eu até dou vida Aumento o valor seja de quem fôr Na boa conta. Mim Correr o mundo e partir. eu cá sou assim Vossa mercê tem razão É ingratidão falar mal do vinho E a provar o que digo Vamos meu amigo a mais um copinho 60 41 . É mau procedimento Mi Mi Lá E há intenção naquilo que faz Entra-se em desequilíbrio Lá Não há equilíbrio que seja capaz As leis da física falham E a vertical de qualquer lugar Oscila sem se deter E deixa de ser perpendicular * Eu já fui. responde o vinho A folha solta a bailar ao vento Fui raio de sol no firmamento Que trouxe à uva doce carinho. Oiça lá ó senhor vinho (Amália Rodrigues) Lá Mi Lá Oiça lá ó senhor vinho Vai responder-nos. mas com franqueza Mi Porque é que tira toda a firmeza Lá A quem encontra no seu caminho Lá por beber um copinho a mais Até pessoas pacatas Amigo vinho em desalinho Vossa mercê faz andar de gatas Ré Lám E uma vontade de ir. Lám A vida é sempre a perder. peso e medida E só faço mal a quem me julga Ninguém faz pouco de mim Quem me trata como a água É ofensa paga.

A tristeza. Refrão E A Vi um menino com um piano C#m7 B A No céu da minha cabeça E F#m7 Veio de tão longe só para me pedir A B Que nunca o esqueça C#m7 Cdim Vinha a tocar o seu piano A F#m7 Como só nos sonhos pode ser C#m7 F# Por entre as nuvens e as estrelas A B F#m7 Apareceu quando me viu adormecer Ficou sentado perto de mim Onde mora a fantasia Quis-lhe tocar mas não se pode ter A noite a iluminar o dia Soprou devagarinho uma estrela Que se acendeu na sua mão Disse-me: podes sempre vê-la Se souberes soprá-la no teu coração Vi um menino com um piano A despedir-se de mim Com uma nuvem fez o mar e partiu (nos sonhos pode ser assim) Disse-me: está a nascer o dia Vou pra onde a noite se esconder Volto com a primeira estrela A B Para tu nunca teres medo ao escurecer E 59 42 . Sol Ré Mim Ré Dó Já não posso viver assim. A vontade de chorar. Lám Sim Desejo ardente. Ninguém sofre assim.LONGE DE TI (Império dos sentidos) Introdução : Sol Mim Dó Sol O Menino do Piano [Mafalda Veiga] Sol Mim Dó Trocámos lágrimas e paixão. Sol Ré Mim Dó Ré Longe de ti. Dó Ré A cama fria. Dó O negro do dia. Refrão : Lám Sim As noites em branco. Sol Fiquei longe de ti. no olhar A dor dentro de mim. Lám Dó Ré Sinto que estou perto Sol Do fim. Sol Dó Ré Como foi que te perdi? Sol Mim Dó Um momento de ilusão. Sol Ré Mim Ré Dó O vazio que há em mim.

Mais do que é um patrão. (Bis) Dó Fá Dó Lá. G Am O tempo corre C Am Bm Só quando dói é devagar C Bm E dá-te ao vento G Como um veleiro Am C Solto no mais alto mar Liberta o grito que trazes dentro E a coragem e o amor Mesmo que seja só um momento Mesmo que traga alguma dor Só isso faz brilhar o lume Que hás-de levar até ao fim E esse lume já ninguém pode Nunca apagar dentro de ti 43 58 . Fá Sol Fá Dó Não és de ninguém . Sol Nesta viagem. Que é uma equipa ou religião. Que é uma rotina ou profissão. Dó Tu pertences a ti. Mais do que é um partido. lá... Refrão : Dó Quando alguém nasce. Sol Nasce selvagem. . Dó Mais do que é um passado. o medo levanta muros D C E ergue bandeiras pra nos deter G Am Não percas tempo. Fá Não és de ninguém. lá.Lume [Mafalda Veiga] NASCE SELVAGEM (Resistência) Dó Mais do que é um país. Fá7 Que é uma família ou geração. Tu pertences a ti. Mim Lám Vive selvagem. Mim Lám E para ti serás alguém. . G D/F# Vai caminhando desamarrado C/E G Dos nós e laços que o mundo faz Em C Vai abraçando desenleado Am D De outros abraços que a vida dá G D/F# Vai-te encontrando na água e no lume C/E G Na terra quente até perder Em C O medo. Não és de ninguém. Fá7 Que é uma história ou tradição.

Não percas tempo O tempo corre Só quando dói é devagar E dá-te ao vento Como um veleiro Solto no mais alto mar 57 44 .

(Bis) Dó Sol Fá Mi (2x) Pa-ra-ra-ra-ra . . . Papara. . (Bis) Acabado de nascer. .papara. (Bis) Já eram para te ver (Bis) Dó Sol Fá Mi (2x) Pa-ra-ra-ra-ra . . Quando eu já for velhinho. Tchu. (Bis) Ainda mal abria os olhos. Depois de ti virá Alguém que eu possa abraçar. (Bis) Dó (Sol no bis) Ainda mal abria os olhos. Ré Aqui sem ti. Refrão Dó Sol Fá Mi (2x) Pa-ra-ra-ra-ra . (Bis) Fá ( Mi no bis) Acabado de nascer. Que fique só comigo. Lám(Sol no Bis) Quando eu era pequenino. 56 45 . (Bis) Olha bem para os meus olhos (Bis) Sem vida hão-de te ver. . .para . Ré Aqui sem ti. Introdução : Dó Sol Fá Mi (4x) Dó Sol Fá Mi Pa-ra-ra-ra-ra .tchuru . Quando eu era pequenino. (Bis) Fá ( Mi no bis) Já eram para te ver. (Bis) Acabado de morrer. .tchuru. Mim Perdido. . Que eu queira a tempo inteiro Junto p'ra poder amar. comigo. .tchuru. . Sol Não vou ficar. . Ré Não quero ficar. (Bis) Ré Não quero ficar. Mim Sozinho.MENINO (Quinta do Bill) Refrão : Sol Não vou ficar.

oooooh.MOMENTO FINAL (Santos & Pecadores) NÃO VOU FICAR (Delfins) Mim Lá Ré Sentado. ooooooh. Lám O amor que o mundo tem. Mim Lá Ré Deixei de ter com quem falar. Ao espelho chamo alguém Na esperança daqui te encontrar. E eu cresço aqui atrás De ti sem ver o teu olhar. ooooooh Oooooh. Mim Lá Ré Oooooh. Sentindo que o tempo corre incerto. Sorrindo. ao pé de mim. Oooooh. Mim Lá Ré O vento. ooooooh. oooooh. oooooh Ponte: Sol Sim Lá Introdução : Lám Mim Ré Mim (2x) Lám A luz que o Sol me dá. contigo Ré 55 46 . ooooooh. Eu nunca estou contigo. Ouvindo sons que só eu sei pensar. Mim Lá Ré (3x) Do longe se faz bem mais perto. agora. Mi Não vem dizer : "Está tudo bem". Mim Não chega para me aquecer. já nem vem aqui. Dó Ré Tu nunca estás comigo. e a ave ali. parto para outro lugar. Mim Lá Fiquei sozinho com o meu orar. ooooooh.

Mim Nem sei bem qual. (Bis) Dó9 Procuro a loucura. Refrão : Ré Sol Mim Dó Não. Sim Lá Tuuurururu. fiel. Mim De vida vazia. não voltarei a ser fiel. Represento a verdade. Ré Sol Tuurutururu. Hoje sou o amante. fiel. não voltarei a ser fiel. Que eu bem entender. Dó9 Esquecer mais um dia.NÃO VOLTAREI A SER FIEL (Santos & Pecadores) Refrão: Ré Sol No meu momento final. Mim Actor principal. O que possas dizer. Nem sequer já me importa. Sim Lá Sei que tenho um lugar. Dó9 Entrei numa peça. Ré Sol Onde um santo e pecador Sim Lá Pode enfim descansar. Ré Sol Mim Dó Não. Sim Lá Tuuurururu. Dó9 Fiz-me na noite. (Bis) 54 47 . (Bis) Ré Sol Tuurutururu. Mim Na noite fingida. Amanhã o errante. Que te vai deixar. Que te vê dançar.

O corpo sempre a mudar. Ré Está um frio de rachar. Vejo-me à noite ao espelho. De manhã ouço o conselho Que o velho tem p’ra me dar. Sol Fá Parece que o mundo inteiro Mim Rém Dó Se uniu p’ra me tramar. 48 53 . Sol Fá Tão depressa o Sol brilha Sol Dó Como a seguir está a chover. Sem saber para onde ir. Fá Sol Por mais amigos que tenha Dó Sinto-me sempre sozinho. Tudo à volta é tão feio. De que vale ter a chave De casa para entrar? Ter uma nota no bolso P’ra cigarros e bilhar? Refrão : Lám Ré A primavera da vida é bonita de viver.NÃO HÁ ESTRELAS NO CÉU (Rui Veloso) Dó Não há estrelas no céu A dourar o meu caminho. Lám Para mim hoje é Janeiro. Só me apetece fugir. Passo horas no café.

Lám Sol Rém Dó (2x) Pensas que eu sou um caso isolado. A desejar o que não tive. Refrão 52 49 . E sempre a cair nos buracos. Não sou o único a olhar o céu. Não sou o único a olhar o céu. não sou o único. Não. Agarrado ao que não tenho. A ouvir os conselhos dos outros.

Vou chamar a minha mãe. Sol Dó Tudo o que vejo tem um preço. Rém Lá O céu azul ficará. Ré Não cumpri a minha parte. Qualquer dia estou com os pés para a cova E não quero acreditar. Ainda há tempo para mudar. Um homem anda aqui à toa. Agarrado às tentações. nunca fiz mal a ninguém. Voltas e voltas. Refrão : Sol Dó Sol Dó Não sei se mereço esta vida de cão. Nem sinto os pés no chão. não sou o único. Lám Sol Rém [Não. Dó Sol Agora tenho que ir trabalhar Acabou-se a boa vida. Já não tenho mais oportunidades. Introdução : Lám Sol Rém Dó (2x) Lám Sol Pensas que sou um caso isolado. A viver as emoções. Dó Começou o meu azar. Rém Dó Não sou o único a olhar o céu. Á espera que algo aconteça.NÃO SEI SE MEREÇO (Alcoolémia) NÃO SOU O ÚNICO (Xutos & Pontapés. Refrão : Fá Dó E quando as nuvens partirem. versão Resistência) Sol Acabou-se a sorte. Vou começar uma vida nova. A desejar o que não tenho. A despejar a minha raiva.] (2x) 50 51 . Será que mereço. Estou perdido não tenho nada. Vais ver o Sol brilhará. tenho tempo para rir Tenho tempo para chorar. Ré E eu não tenho um tostão. Sei que a vida não dura sempre Tempo passa devagar. Dó Não sou o único olhar o céu. Fá Dó E quando as trevas se abrirem. não sou o único. Rém Sol Vais ver o Sol brilhará. é preciso lutar. e que grande confusão. Vou recomeçar. A ver os sonhos partirem.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful