You are on page 1of 22

Alef – a diferença entre Exílio e Redenção

O Alter Rebe, Rabi Shneur Zalman de Liadi,[1], queria


ensinar o alfabeto a seu filho. Chamou um de seus
discípulos ao seu estúdio para discutir o assunto. O
Rebe disse: "Você tem uma mitsvá e eu tenho uma
mitsvá. A sua é sustentar sua família. A minha é
ensinar meu filho. Vamos trocar as mitvsot. Você
ensina meu filho, e eu pago para que você possa
sustentar sua família."

O Alter Rebe continuou, explicando exatamente como


suas instruções deveriam ser cumpridas.

"Você começará com a letra alef. O que é um alef?"

O Alter Rebe continuou melodiosamente em yidish: "A


pintele fun oybin, a pintele fun untin, a kav b’emtza- [O alef é] um ponto acima, um
ponto abaixo, e uma linha diagonal suspensa no meio."[2]

Formato

O que é um alef?

Se houvesse apenas um arranjo aleatório de golpes de pena para fazer o leitor


dizer o som "a", [3] a questão sobre o que é um "alef" seria irrelevante. Cada
aspecto da construção do Alef foi Divinamente projetado para nos ensinar alguma
coisa. Contraste isso com uma criança aprendendo a ler Português pela primeira
vez. Ela nunca é ensinada por que um A maiúsculo se parece com uma tenda e
um a minúsculo se parece com uma bolha de sabão.

Mas hebraico é diferente. O desenho de um alef é na verdade feito de três letras


diferentes: a letra yud ou o ponto acima; um yud ou o ponto abaixo; e um vav
diagonal, ou uma linha suspensa no meio.

O yud acima representa D’us, que está cima (ou além) de nossa compreensão.
Em comparação com Sua verdadeira essência, nosso entendimento é um mero
ponto.
O yud abaixo representa um Yid ou Yehudim – o povo judeu que habita aqui na
terra. A única maneira de podermos apreender a sabedoria de D’us – até o ponto
em que a pessoa é capaz – é sendo humilde. Quando percebemos que somos
apenas um ponto ou um grãozinho comparados a D’us Todo Poderoso, nos
tornamos um receptáculo para receber Sua Divina sabedoria.
O vav diagonal representa a fé de um judeu, [4] que o une com D’us.

Há um outro ensinamento [5] postulando que o vav suspenso representa a Torá.


Como a Torá é o que une um judeu a D’us, o alef representa esta unidade entre a
humanidade e D’us. Este é o desenho, ou formato, do alef.

Podemos ver que cada golpe do alef (como também de todas as outras letras)
tem um propósito especial, e que há muito mais a aprender no alef-bet, do que
simplesmente dominar seus sons.

Guematria

Toda letra do alef-bet (alfabeto hebraico) tem um valor numérico, ou guematria. A


guematria do alef é um, representando o único (ou unidade de) D’us, como
dizemos na prece "Ouve, ó Israel, o Eterno é nosso D’us, o Eterno é Um."

Num nível mais complexo, explicamos que o formato do alef compreende três
letras: dois yuds e um vav. A guematria do yud é dez – dois yuds são vinte. Um
vav é seis; a soma dos três é vinte e seis. Um dos nomes de D’us é o Nome de
Quatro letras Y-H-V-H, o Tetragrama, ou Nome Inefável. A guematria do Yud
(=10), o Hei (=5), o Vav (=6) e o Hei (=5) totaliza 26, o mesmo que o yud-vav-yud
do alef.

Através da conexão de suas respectivas guematriot, o alef representa o Nome


Inefável de D’us.

Significado

O Rebe [6] explica que o alef tem três significados diferentes. Um é aluf, que
significa mestre ou chefe. O segundo é ulfana, uma escola de aprendizado [7] ou
professor. O terceiro significado é atingido ao se ler as letras da palavra de trás
para a frente – pela (pronunciada pelê) – maravilhosa. [8]A definição de Aluf é
"mestre". Isso deixa o mundo saber que há um Criador; que D’us é o Mestre do
universo, e que há um Olho que vê, e um Ouvido que ouve. O universo não
emergiu simplesmente por si mesmo; há uma Força onipotente que realmente
forjou o firmamento ex-nihilo, a partir do nada criou alguma coisa. Assim, D’us é o
Aluf, o Mestre do universo.

Ulfana significa ‘escola" ou "professor". Não apenas apresentamos D’us como


Criador do universo, mas também como o Professor de toda a humanidade. O
papel de D’us como professor é revelado com sua apresentação da Torá ao povo
judeu. A Torá, com suas 613 mitsvot ou leis, nos ensina o que devemos fazer, e o
que não devemos fazer. Através da sabedoria Divina de Seu livro, D’us
estabeleceu-Se no mundo ao nível do supremo Professor.

Finalmente, temos o terceiro significado de alef: pelê, "maravilhoso" que


representa o nível esotérico ou místico da Torá-Cabalá e os ensinamentos do
pensamento chassídico. Conhecido como os "ensinamentos de Mashiach", estes
segredos da Torá compreendem seu nível mais elevado.

O Báal Shem Tov entrou certa vez na câmara celestial [9] de Mashiach e
perguntou: "Mashiach, quando você virá?" E Mashiach respondeu: "Quando os
mananciais de teus ensinamentos [os ensinamentos da Chassidut] se espalharem
pelo mundo inteiro."

Assim, somente quando o nível de pelê – este nível de maravilhoso pensamento


esotérico – tiver permeado o mundo, a chegada de Mashiach será iminente.

Isso pode também estar conectado a um conceito fundamental no Talmud. O


Talmud nos diz [10] que D’us criou o mundo para existir por 6.000 anos [11]. Os
primeiros dois mil anos são chamados Tohu, ou caos. A isso se seguiram dois mil
anos de Torá. E os últimos dois mil anos são os dias de Mashiach.

O que isso significa?

Rashi explica que os primeiros dois mil anos começaram com o primeiro homem,
Adam. Isso corresponde ao primeiro significado da letra alef: aluf-mestre – pois o
Midrash declara que Adam fez com que todos os animais e feras se curvassem
perante D’us, dessa maneira reconhecendo-O como Mestre e Criador do
universo. No entanto, aquela era foi classificada como caos, porque a Torá ainda
não havia sido revelada.

Os segundos dois mil anos, continua Rashi, começam com Avraham, que
introduziu a Torá. Como declara o Talmud, [12] Avraham aprendeu e cumpriu a
Torá muito antes de esta ser fisicamente outorgada ao povo judeu no Monte
Sinai. Sua aceitação da palavra de D’us inaugurou a era da Torá – e assim o
segundo significado da palavra alef-ulfana, ou ensinamento.

O período final de dois mil anos é considerado os dias de Mashiach; o conceito de


Pelê. Esta era assombrosa tem o potencial de introduzir paz e tranqüilidade ao
mundo inteiro. Aqui, neste nível final de alef, um ensinamento do Báal Shem Tov
ilumina um ponto interessante. O Alter Rebe sugere que a diferença entre as
palavras gola (exílio) e gueulá (redenção) é a presença do alef. [13] Se um alef for
inserido na palavra gola/exílio, o exílio é elevado e transformado em
gueulá/redenção. Assim os últimos dois mil anos da Criação, a era de Mashiach,
são representados pelo alef. Tendo recebido o alef, o povo judeu pode se mudar
do exílio para a redenção. Os estágios de D’us como Mestre do universo e como
Professor desabrocham nos dias de Mashiach, quando D’us será revelado num
nível maravilhoso. Tudo isso está contido na letra alef.
Notas:
1. 1812. O Primeiro Rebe, líder do Movimento Chabad-Lubavitch
2. HaYom Yom, 8 de Adar I. Editora Kehot, Brooklyn, NY, 1994; Veja também Likkutei Sichos, vol. 2, p. 616,
Vaad L'Hafotzas Sichos, NY.
3. O alef é na verdade uma letra cujo som é determinado somente quando acompanhada por uma vogal
4. A linha vertical do vav representa hierarquicamente: a submissão de um súdito a seu Rei
5. Veja em Likkutei Sichos, vol. 2, p. 616.
6. Sefer HaSichos, 5751, vol. II, p. 523.
7. Veja em Job 33:33-"And I will 'teach' you."
8. Ambas letras "pêi" (que possui o som de "p") e fei (que tem o som de "f") estão interligadas. Para o cálculo
de guematriot, independente de seu som, seu valor numérico sempre se mantém o mesmo.
9. Introdução de Kesser Shem Tov do Baal Shem Tov, Editora Kehot, Brooklyn, NY; O Pensamento Religioso
do Chassidismo Religious Thought of Hassidism, Norman Lamm, Yeshiva University Press, NY, 1999, p. 550.
10. Sanhedrin 97a.
11. Período após o qual o mundo existirá em um estado eterno de paz e tranquilidade.
12. Yoma 28b
13. Likkutei Torá, Behaalos'cha, p. 35c

A primeira letra do alfabeto hebraico é chamada de "Aleph" (pronuncia-se "ah-lef"). Aleph não
tem som próprio, mas geralmente tem uma vogal associado a ele.

Em hebraico moderno, a letra Aleph pode aparecer em três formas:

Manual Print (Block)


Observe que a forma Impressão Manual (Manual Print) Aleph assemelha a versão livro
impresso, exceto que os traços das linhas são todos mesmo. Você vai aprender impressão
manual de forma a reconhecer as letras Hebraicas impressas como aparecem no textos
Hebraicos. Você escreve a versão da letra Aleph impressão manual de acordo com o seguinte
padrão:
As setas numeradas mostram a ordem e direção para desenhar as linhas (o retângulo cinza
indica as proporções da letra em uma célula de papel gráfico).

Escrita Hebraica (Cursiva)


Impressão Manual (Manual Print) é importante aprender a ajudá-lo a reconhecer Hebraico
tipo impresso; no entanto, a comunicação manuscrita normalmente é escrita usando Hebraico
cursivo. Você escreve a versão cursiva da letra Aleph de acordo com o
seguinte padrão:

Escreva a letra da direita para a esquerda, começando com o traço identificada como 1 e, em
seguida, para o traço com o 2.

Pratique

Escreva a letra Aleph (da direita para a esquerda), tanto impressão manual e escrita várias
vezes. Você pode querer usar papel milimetrado para se certificar de que você está
dimensionando a letra corretamente:

Nota: Aleph é conhecido como uma letra gutural, uma vez que costumava ser pronunciada na
parte de trás da garganta. outras letras guturais são Ayin, Hey, e Chet. Note também que
Aleph às vezes não toma uma vogal em uma palavra, e assim é considerado "quiescente".

Resumo:
Informação Avançada:

A letra Aleph é o "pai" do Aleph-Bet, cuja pictografia original representa um boi, força e líder.
Seu valor numérico é um (e também 1000) e é uma letra silenciosa. Aleph, portanto, é
preeminente em sua ordem e alude aos mistérios inefáveis da unicidade de Deus. De fato, a
palavra aluph (derivada do próprio nome desta letra) significa "Mestre" ou "Senhor".

No alfabeto hebraico clássico (ketav Ashurit) usado para escrever os rolos da Torá, Aleph é
construída com dois Yods (um para o canto superior direito e outro no canto inferior
esquerdo), que são unidas por uma Vav diagonal. Ketav Ashurit foi a escrita que Jesus teria lido
(ketav Ivri foi uma escrita antigo, semelhante ao antigo fenício, mas não foi a escrita usada
quando Moisés recebeu a Torah do SENHOR no Sinai. Ketav Ivri também é às vezes chamado
de Escrita do Templo porque amostras dele são existentes datado do tempo do Templo de
Salomão).

Do fenício / Ketav Ivri, a letra Aleph transformou-se na letra Alpha Grega, da qual veio A do
Latim:

1. Mistérios de Aleph
Na literatura cabalística, o Yod superior (significando um braço) representa o aspecto oculto (e
infinito) de YHWH chamado:
"ein sof" (‫ףֹוס ןי ֵא‬, lit. "Sem fim"), enquanto o Yod inferior representa a revelação de YHWH
para a humanidade. O Vav, cujo significado é "gancho", mostra conexidade entre os dois
reinos. Vav também é pensado para representar a humanidade, desde Adão foi criado no
sexto dia. Vav é diagonal, uma vez que é humilhado diante do mistério de Deus e Sua
revelação. Os dois Yods também indicam o paradoxo da experiência de Deus tanto como
escondida e perto, longe e próxima.

2. A Gematria das Partes de Aleph


A gematria básica para Aleph é um, indicando o único Deus, que é o mestre do universo. Note-
se, contudo, que a gematria para as partes da letra Aleph somam 26 (Yod + Yod + Vav). Este é
o mesmo número que o sagrado Nome YHWH, indicando também uma ligação entre o Aleph e
o próprio Deus. Isso também é demonstrado em Êxodo 3:14-15, onde o Senhor revela o Nome
Dele a Moisés como:
ehyeh asher ehyeh (‫)ןֶ ְאֵֶא ןֶׁ ֶשא ןֶ ְאֵֶא‬, "EU SOU O QUE EU SOU".

Há um Midrash (fábula), que pergunta por que Aleph não teria sido escolhido para ser a
primeira letra da Torá. Na história, todas as letras vêm perante o SENHOR dando razões
porque elas deveriam ser a primeira letra - todas, isto é, exceto a letra Aleph. Quando o
SENHOR perguntou porquê, Aleph explicou que uma vez que ficou em silêncio, não tinha nada
a dizer. Mas o SENHOR honrou a humildade de Aleph e declarou que fosse a primeira de todas
as letras -- e para ser honrada como a letra da primeira palavra dos Dez Mandamentos:

‫ֶיאא אָיהִי יִ כנָ א‬


‫יי ל‬
3. No começo -- Aleph-Tav
Em Or Torah, o rabino Dov Ber, o Maggid de Mezritch, explicou as primeiras palavras da
Torá: Bereshit Bara Elohim Et - "No começo Deus criou et" (Gen 1:1). Note-se que et é uma
palavra intraduzível usada para indicar que "um objeto direto definido é o próximo"
(portanto, ali precisa estar um et antes dos céus e da terra). Mas Dov Ber aponta que et é
escrito - Aleph-Tav, uma abreviação para o Aleph-Bet. Aleph é a primeira letra do alfabeto
hebraico e Tav a última, então, raciocinou, no começo, Deus criou o Aleph-Bet. Uma vez que
Deus fez isso antes de criar os céus e a terra, as letras são consideradas os "blocos de
construção" primordial de toda a criação.

Rabi Shneur Zalman de Liadi afirmou que, se as letras se afastassem até mesmo por um
instante, toda a criação se tornaria nada absoluto (Zalman, Shneur 1981 "Igeret Hateshuvah".
Likkutie Amarim - Tanya Brooklyn:.... Kihot 289).

4. Aleph e os Nomes Divinos


Há um número de Nomes divinos que começam com a letra Aleph, incluindo os seguintes:

 - El
 - Elohim
 - Eloha
 - ehyeh asher ehyeh
 - Adonai
 - Adon Olam
 - Adir

5. Aleph é uma imagem do Deus-Homem


Como Um que é composto tanto da esfera superior dos céus e do reino inferior da terra,
ligados pela humildade do corpo, Aleph é uma imagem da unidade Deus-Homem que é Yeshua
HaMashiach, "Que, sendo em forma de Deus ... tomou sobre si a forma de um servo ... como
um homem ... "(Filipenses 2:6-11).

Além disso, em Apocalipse 22:13 Jesus se refere a Si mesmo como o Aleph e o Tav, o Primeiro
e o Último, e desse modo nos disse diretamente que o Alfabeto Hebraico iria fornecer
revelação sobre Ele:

Note que esta frase é uma referência direta a Isaías 41:4, 44:6 e 48:12, onde Adonai mesmo
diz que Ele é o Primeiro e o Último -- e declarou explicitamente que não há outro "deus" além
dEle.

6. Aleph é uma imagem da Intercessão do Messias


De um ponto de vista Messiânico, Aleph representa Yeshua o Mashiach como nosso
intercessor e Kohen Gadol. Os dois Yods representam os braços estendidos ou mãos
alcançando tanto à humanidade e a Deus. O Vav diagonal representa o sacrifício de Yeshua em
nosso favor. E uma vez que Yeshua é o Aleph e o Tav, a letra representa a Sua divindade, Sua
humildade em silêncio enquanto Ele não abriu a boca quando foi acusado injustamente, e
assim por diante.

7. Aleph é uma imagem de Unicidade na Unidade


Aleph é também uma imagem de três-em-um, ou hashilush hakadosh. Assim como existem
três partes para Aleph, mas Aleph é Um (echad), de forma que há três Pessoas para a
divindade, contudo Deus é absolutamente Um. A gematria da palavra Aleph (‫ )ןֶ לֶ ס‬é 111 (Aleph
= 1, Lamed = 30, e Pey = 80).

8. Aleph é Escatológico
Yeshua é chamado de Aleph e o Tav, e a própria letra Aleph tem conotações do acharit
hayamim, ou "fim dos dias" falados na profecia. A ideia de que há 6.000 anos da Olam Hazeh
(a idade atual, antes da chegada do Messias para estabelecer o Seu reino) vem do fato de que
existem 6 alephs no primeiro versículo do Tanakh, e cada aleph representa 1.000.

9. Aleph e Nomes de Deus


O primeiro nome de Deus revelado no Tanakh é (elohim), que começa com a letra Aleph.
Elohim também é a terceira palavra nas Escrituras. Outros nomes que começam com Aleph
incluem El, Eloha, Elah, Adonai, Av, Avinu, Avir, Abba, etc

10. Aleph e Metáforas de Deus


Em três lugares na Escritura o SENHOR é metaforicamente identificado com outra coisa. Em
cada caso, a metáfora começa com um Aleph:

Fogo ‫ ןי ש‬- Hebreus 12:29, Deuteronômio 4:24


Luz ‫ ןֹוא‬- João 1:5 (1ª carta); Isaías 10:17;

Amor ‫ ןָ אֶׁ הֶ א‬- João 4:16 (1ª carta)


11. Curiosidades textuais
Um Aleph subdimensionado aparece em Levítico 1:1 (Vayikra):

Os sábios raciocinaram que a humildade (anavah) de Moisés era tal que ele esperou pelo
SENHOR chamá-lo para dentro da ohel mo'ed (Tenda do Encontro), apesar do fato de que Deus
já havia lhe concedido acesso total à sua presença. O Livro de Levítico começa com vayikra ("e
ele chamou") -- escrito com um Aleph subdimensionado -- como um símbolo escriba da
humildade de Moisés.

De acordo com os sábios, Moisés queria a palavra vayikra a ser escrita sem o Aleph, como
"vayikar" ("e Ele apareceu de repente", a mesma palavra usada para descrever como o
SENHOR "apareceu de repente" Balaão em Números 23:04). Em sua humildade, Moisés não
queria usar uma palavra que implicasse que o SENHOR chamou-o regularmente. No entanto,
Deus o rejeitou e insistiu que o Aleph fosse incluído, mas permitiu a Moisés que usar uma
versão subdimensionada, como um símbolo de sua modéstia diante dos outros.

12. Aleph Pictograma


O pictograma para Aleph é o boi ou touro, representando a força:

Note que mesmo que o pictograma possa representar a base para ketav Ivri, ele pode ter
conotações pagãs (por exemplo, o "touro" deus) derivado da antiga cultura cananeia.

Recursos adicionais:

Para mais estudos sobre os mistérios do alfabeto Hebraico, você pode querer consultar os
seguintes recursos. Note, no entanto, que a maioria dessas fontes não são Cristãs e confiar em
interpretações Cabalísticas não é endorsado pelo hebrew4christians.com:

 The Secret of Hebrew Words by Benjamin Blech (Aronson, 1991)


 The Hebrew Alphabet, a Mystical Journey by Edward Hoffman (Chonicle, 1998)
 The Book of Letters by Lawrence Kushner (Jewish Lights, 1990)
 In His Own Words by L. Grant Luton (Beth Tikkun, 1999)
 The Wisdom in the Hebrew Alphabet by Michael Monk (Artscroll, 1986)
 Hebrew Word Pictures by Frank Seekings (Living Word Pictures, 1994)
 The Inner Meaning of the Hebrew Letters by Robert M. Haralick (Aronson, 1995)
 The Inner Dimension website (www.inner.org)
 Safrus: STA"M sofer scribal arts (www.safrus.com)
 Mordecai Pinchas - Sofer Scribe (in the UK)
 Eliezar Adam, Sofer Scribe (www.soferstam.com; Chicago)
 Torah Scribe - Jewish Scribal Arts (torahscribe.com)
 The Jerusalem Scribe (www.jerusalemscribe.com; Jerusalem)
 Avraham Borshevsky - Israeli calligraphy artist (goldenscribe.com)
 STA'M - Rabbi Yerachmiel Askotzky's web site (stam.net)
 STA"M - Sofer.net services (sofer.net)

As letras hebraicas – Alef: o paradoxo


entre D’us e o homem

O alef, a primeira letra do alfabeto hebraico, é formado por dois yuds (a décima letra do
alfabeto hebraico) — um no alto, à direita, e outro embaixo, à esquerda — unidos por
um vav (a sexta letra) em diagonal. Ele representa as águas superiores e inferiores e o
firmamento entre elas, conforme ensinado pelo Arizal (Rabi Itschac Luria, que recebeu
e revelou novas percepções dentro da milenar sabedoria da Cabalá).

A água é mencionada pela primeira vez na Torá no relato sobre o primeiro dia da
Criação: “E o espírito de D’us pairou sobre a superfície da água”. Naquele momento as
águas superiores e inferiores eram indistinguíveis. Seu estado é referido como “água
dentro de água”. No segundo dia da Criação, D’us separou as duas águas “estendendo”
o firmamento entre elas.
No serviço da alma, conforme ensinado pela Chassidut, a água superior é a água do
júbilo, da experiência de estar próximo a D’us, enquanto a água inferior é a água da
amargura, da experiência de estar distante de D’us.

Na filosofia judaica, as duas propriedades intrínsecas da água são “molhada” e “fria”. A


água superior é “molhada” com o sentimento de unidade com a “exaltação de D’us”,
enquanto a água inferior é “fria” com o sentimento de separação, de frustração por
vivenciar a inerente “baixeza do homem”. O serviço Divino, conforme ensinado pela
Chassidut, enfatiza que, realmente, a consciência primordial de ambas as águas é o
senso do Divino – cada uma a partir de sua própria perspectiva: sob a perspectiva da
água superior, quanto maior a “exaltação de D’us”, maior a união de todos em Seu Ser
Absoluto. Já sob a perspectiva da água inferior, quanto maior a “exaltação de D’us”,
maior o vácuo existencial entre a realidade de D’us e a do homem, e daí a inerente
“baixeza do homem”.

O Talmud relata sobre quatro sábios que entraram no Pardês, o pomar místico de
elevação espiritual que é alcançado somente por meio de intensa meditação e
contemplações cabalísticas. O mais notável dos quatro, Rabi Akiva, disse aos outros
antes de entrar: “Quando vocês chegarem ao local da rocha de puro mármore, não
digam ‘água-água’, pois consta que ‘aquele que fala mentiras não ficará diante de meus
olhos’”. O Arizal explica que o lugar da “rocha de puro mármore” é onde a águas
superiores e inferiores se unem. Aqui não se pode evocar “água-água” como que
estabelecendo uma divisão entre a água superior e a inferior. “O local da rocha de puro
mármore” é o local da verdade – o poder Divino de sustentar simultaneamente dois
opostos. Nas palavras de Rabi Shalom ben Adret: “o paradoxo dos paradoxos”. Aqui a
“exaltação de D’us” e Sua proximidade com o homem se unem com a “baixeza do
homem” e sua “distância” de D’us.

A Torá começa com a letra beit (a segunda letra do alfabeto hebraico): “Bereishit (No
início) D’us criou os céus e a terra”. Os Dez Mandamentos, a revelação Divina para o
povo judeu no Monte Sinai, começa com a letra alef: “Anochi [Eu] sou D’us, seu D’us,
que tirou vocês da terra do Egito, da casa da escravidão”. O Midrash afirma que a
“realidade superior” foi separada da “realidade inferior”, pois D’us decretou que a
realidade superior não descende, nem tampouco a realidade inferior ascende. Na entrega
da Torá, D’us anulou Seu decreto, sendo Ele Próprio o primeiro a descer, como está
escrito: “E D’us desceu sobre o Monte Sinai”. A realidade inferior, por sua vez,
ascendeu: “E Moshe se aproximou da nuvem…”. A união da “realidade superior”, o yud
superior, com a “realidade inferior”, o yud inferior, através do vav conectivo da Torá, é
o segredo fundamental da letra alef.

FORMA
Um yud em cima e um yud embaixo com um vav separando-os e unindo-os
simultaneamente. O segredo da imagem na qual o homem foi criado.

Mundos

 A água superior e a água inferior com o firmamento entre elas.


 No mundo:
1. A atmosfera superior, a atmosfera inferior, o oceano e o lençol de água.
2. Ondas de energia, a atmosfera, o ciclo hidrológico.

 No corpo humano:

1. O sistema respiratório, o diafragma, o sistema digestivo.


2. O líquido da cabeça, a membrana, a umidade do cérebro.

Almas

 Sentir-se próximo de D’us e distante d’Ele, com o comprometimento com Torá e


mitzvot equlibrando estas emoções.
 “O choro está enraizado em um lado do meu coração, enquanto a alegria está
enraizada no outro lado do meu coração.”

Divindade

 Luz Transcendente e Luz Imanente, com a contração (tzimtzum) e a impressão


(reshimu) entre elas.
 O homem em perfeita união com a Vontade Infinita de D’us.

NOME
Bois, milhar, ensinamento, mestre.

Mundos

 Bois – realidade física bruta, a alma animal inferior.


 Milhar – multiplicidade na Criação, as “milhares de montanhas pastejadas pelo boi”.
 O jugo do boi sendo aquiescido milhares de vezes e retornando à unificação.

Almas

 “Eu ensinarei sabedoria a você” – a raiz da alma deriva da sabedoria de D’us.


 Percepção direta da verdade Divina, ser nada.

Divindade

 “Mestre do universo”.
 O “Um” Divino revelando-Se através da pluralidade da Criação.

NÚMERO
Um

Mundos

 O primeiro dos números contáveis.


 O começo do verdadeiro processo e a sequência dos eventos mundanos.
 Conta-se “algo a partir de algo”.
Almas

 “Uma nação na terra”.


 A união orgânica de todas as almas judias.
 Conta-se “algo a partir do nada”.

Divindade

 “D’us é Um”: a unidade absoluta de D’us.


 “Não há ninguém além d’Ele: Um, Único e Ímpar”.
 Conta-se “nada a partir de algo”.

ÁLEF
O Rabino Avraham Chachamovits revela segredos místicos das letras do alfabeto
Hebraico, os blocos que constituem a Criação. Em geral, o estudo das letras santas pode
ser dividido em categorias de compreensão, como trazidas pelo Ba’al Shem Tóv:
Mundos (forma), Almas (nome), Divindade (número). Aqui se trata de 3 níveis de
consciência, ou estruturas mentais para crescer as percepções sobre as realidades
espirituais. “Mundos” é a fase de entendimento que implica nos fenômenos, físicos ou
espirituais, tal como os percebemos. No nível de Mundos, cada um se vê como uma
criatura dentre outras. A função desta consciência é o rebaixamento do Ego, ou seja, a
verdadeira submissão ao Criador. No nível das “Almas”, temos o sentido de consciência
criativa e a interação com a Criação. A realidade do mundo depende de mim e eu
dependo dela. E no nível da “Divindade”, temos a verdadeira Realidade, que é a origem
final da consciência não retificada e da quase-realidade que ela cria. Outra maneira de
compreender isso é a relação do homem com D-us. No nível dos “Mundos”, a pessoa
busca o Criador, que se oculta na Criação. Aqui vivenciamos as constantes alterações
entre “encontro e busca”. Nas “Almas”, um serve a D-us e anda nos Seus caminhos
como ordenado na Torá. Assim obtém-se mérito de ser um servo do Rei, enquanto que
no outro estágio (“Mundos”) a pessoa não tinha encontrado Ele e Suas diretrizes para
retificação de caráter/comportamento. No nível da “Divindade”, um se encontra “sendo”
como uma parte real de D-us. No nível dos “Mundos”, se busca D-us nas letras, por
assim dizer. Cada letra oferece uma pista de onde encontrá-Lo. No nível da categoria
das “Almas”, cada letra fala para a alma como melhor servi-Lo. E no grau da
“Divindade”, cada letra revela uma conexão essencial, o brit (“pacto”) com Israel que
liga a Sua essência com seus filhos, e com os que os amarem também. As aulas não
abrangem todas as 3 categorias, e em geral se atêm apenas ao primeiro grau chamado de
“Mundos”. Ainda sim, elas exibem uma profusão de entendimento espiritual singular, e
que se permitidas de entrar no coração do ouvinte, certamente muito contribuirão para
seu crescimento espiritual legítimo de acordo com a Torá, e assim, com o apressar da
vinda do verdadeiro Mashiach, amém.

PALAVRAS CHAVES: o homem é o alef-dam, infusão espiritual na matéria, alma


e corpo, mandamentos Divinos, moradia para D-us no mundo inferior,
iluminação do mundo, Mashiach, formação da letra álef, divisão do firmamento,
águas superiores e inferiores, peixes e ayin hará, álef e fractais, diafragma no
corpo, sistema respiratório e digestivo, níveis da realidade, sinônimos do álef,
retificações da imersão na materialidade, teshuvá, desdobramento da realidade
a partir do álef/um, fé e amadurecimento.

Os dez significados do Alef-Bet


índice

Resumo dos dez


significados do Alef-
Bet

1. Conceito
O princípio conceitual
subjacente associado
com a letra.

2. Significado
O significado literal do
nome da letra.

3. Formato
A associação visual
primária relacionada ao
formato das letras.

4. Número
O valor numérico da letra
segundo calculado pela
Guematria.

Correspondências
básicas nas três
dimensões de:
5. Espaço
Os elementos físicos, os
corpos celestiais e os
signos do zodíaco.

6. Tempo
As estações, os dias da
semana e os meses do
ano.

7. Alma
Os membros e órgãos do
corpo humano,
responsáveis por mediar
experiências
relacionadas com o "eu".

Associados:

8. Qualidade, dom ou
sentido
Expressões inatas ou
adquiridas de experiência
vivida, controlada pelos
membros acima e órgãos
da alma.

9. Arquétipo
Figuras arquetípicas da
história de Israel.

10. Canal
Os canais horizontais,
verticais e diagonais
conectando as Dez
Sefirot.

Conceito Paradoxo, o selo Divino no ser humano.


Significado Um boi; um milhar; ensinamento; um
campeão.
Formato Duas tendências polares (os yud superior e
inferior) juntos por uma força mediadora (o
vav).
Número 1
Espaço A atmosfera entre o céu e a terra.
Tempo A estação intermediária entre inverno e verão,
quando a terra está saciada de chuvas.
Alma O torso superior, especialmente o peito e o
sistema respiratório.
Qualidade Grande compaixão.
Arquétipo A manifestação definitiva da alma de
Mashiach.
Canal De chessed a guevurá.
O primeiro caracter do alfabeto hebraico é a letra Alef . Alef não possui som próprio
mas geralmente aparece em um texto associada a uma vogal, recebendo dela a sua
sonoridade.

A letra álef teve seu início no alfabeto hebraico arcaico, por volta de 1500 anos
Antes de Cristo.

Inicialmente a sua representação original era uma pictografia da cabeça de um


boi, que simbolizava força e liderança.

Álef, assim como todo o alabeto hebraico, evoluiu naturalmente e em torno de 900 AC
passou a ser grafado com uma forma mais abstrata, com mais semelhança a sua forma

moderna .

Podemos escrever a letra álef no formato impresso, com letra de fôrma em escrita
manual e, por último, na sua forma cursiva.

As formas de Álef

Alef az parte das letras guturais, tem um "som sem voz" produzido na garganta, e se não
estiver acompanhada de uma vogal, permanecerá sem sonoridade.

Os Segredos da Letra Alef


Alef é a "mãe" do Alfabeto Hebraico, e o seu valor numérico, também chamado de
Gemátria, corresponde ao número 1 (um) e ao mesmo tempo equivale a 1000 (mil).

 ‫ י‬- Alef = Força e Poder;


 ‫ י‬- Alef = 1 (um);
 ‫ י‬- Alef = 1000 (mil)

Alef é a primeira letra usada para se escrever a palavra Deus lE ‫אל‬. É interessante
constatar que o nome do primeiro homem, Adão ‫ אָ דָ א‬, também começava com a letra
alef.
Por isso muitos estudiosos da Torah (os livros de Moisés), acreditam que esta letra
representa um paradoxo entre Deus e o homem.

E esta idéia de paradoxo está no fato de que alef representa os números 1 (um) e mil ao
mesmo tempo. Então aqui se forma o paradoxo entre unidade e pluralidade.

O número 1 (um) representa o corpo unificado de todos os filhos de Deus. Somos


muitos (pluralidade), mas formamos em Cristo um único corpo, unidos em espírito.
Este é o corpo místico de Jesus, aqueles que crêem no seu nome, formados de um só
pensamento e um só espírito.

Ha um so corpo e um so Espirito, como tambem fostes chamados em uma so esperanca da


vossa vocacao;

Um so Senhor, uma so fe, um so batismo; Um so Deus e Pai de todos, o qual e sobre todos, e
por todos e em todos vos. Efesios 4:3-6

Álef proeminetemente alude para o mistério da unicidade divina. A palavra hpulA ‫אלוף‬
foi derivada do nome desta letra, e significa Mestre e Senhor.

A sociedade hebraica da época da formação do alfabeto hebraico era majoritariamente


dependente da agricultura. E arar a terra para que se pudesse plantar as sementes era
algo de vital importância para a sobrevivencia daquelas pessoas.

Nesse contexto, Aluph é usada para descrever um animal de tração, experiente, (um boi
devido a sua força e resistência), que é posto em um jugo (ferramenta para arar, afofar
e preparar a terra) juntamente com um outro bovino inexperiente.

O animal de tração mais forte e experiente tem a função de treinar o mais novo e
inexperiente. Aluf toma, dessa forma, o sentido de treinar por meio da experiência
prática.

É interessante notar que a palavra Deus é "lE" ‫אל‬, e vem da raiz pictogáfica primitiva

representada pela cabeça de um boi e o cajado de um pastor . A cabeça do boi


simboliza poder. O cajado representa a autoridade e também o Jugo.

Essas duas pictografias combinadas trazem o significado original que o nome Deus
possuía. Os antigos Hebreus viam a si mesmos como o animal mais novo e
inexperiente, que estava juntamente com Deus, o animal mais forte, a puxar o jugo e a
arar a terra.

Deus era o líder, mais experiente, mais forte, que entrava no jugo, juntamente com o
homem, para ensiná-lo e prepará-lo na prática diária. Um ensinamento que está em total
conformidade com as palavras de nosso Mestre:
Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
Tomai sobre vos o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coracao; e
encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e o meu fardo e leve.

Mateus 11:28-30

Muitas sociedades do Oriente Médio adoravam Deus como "lE" ‫אל‬. Foram
encontrados em várias cavernas desenhos rupestres com esta figura. O Israel primitivo
entendia Deus na forma de um bezerro (um bovino ainda jovem), como vemos no
episódio da adoração ao bezerro de ouro em Êxodo 32:24.

No hebraico moderno a letra álef é silenciosa, mas originalmente ela tinha o som da
vogal "a". A letra Grega Alfa é derivada de Álef e também tem o som de "a".

Os Misterios da Letra Alef


Na literatura Judaica o yod superior de álef simboliza o aspecto infinito e oculto de
YHWH (Yahvéh, Deus). O yod inferior representa representa a revelação de YHWH à
humanidade. A vav, que é semelhante a uma contra-barra onde se conectam os dois
yods, mostra a ligação entre esses dois domínios.

Detalhes da Letra Alef

O Alfabeto Hebraico Revela Mensagens Edificantes

A Gematria de Partes de Alef

Basicamente a gematria de Álef é 1 (um), indicando que Deus é único Senhor e Mestre.
Porém se somarmos as gematrias das partes que compõem esta letra, vamos chegar ao
número 26 (yod superior + yod inferior + vav diagonal).

Este é o mesmo valor numérico do tetagrama, o sagrado nome de Deus em hebraico


YHWH ‫הוהי‬, indicando a representação do nome do Senhor.
A Gematria de Álef

Alef - Tav

O rabino Dov Ber, em sua obra Or Torah, notou uma mensagem muito interessante nas
primeiras palavras do Gênesis, "Bereshit Bara Elohyim Et" - "No princípio Criou
Deus Et". Et é um termo hebraico que não possui tradução, e é usado para indicar que
um objeto direto virá a seguir na frase.

E Dov Ber percebeu que Et é escrito com as letras ‫ ֵ֥אא‬Álef - Tav, que é uma conhecida
abreviação para o ALfabeto Hebraico. Álef é a primeira letra do alef-bet, e Tav é a
última. Assim ele concluiu que "No princípio Criou Deus Et - o Alfabeto Hebraico",
vindo após isso a criação do céu e da terra.

E como o Alfabeto Hebraico é a representação da Palavra de Deus, entendemos que a


Palavra agiu como os blocos de construção, sobre os quais todo o universo permanece
edificado. Sem a Palavra de Deus, tudo se desfaria.

Além disso, em Apocalipse 22:13, Jesus declara que é o Álef e o Tav, o Princípio e o
Fim. Embora essa informação traga as letras Gregas Alfa e Ômega, o Livro do
Apocalipse foi primeiramente escrito por João, Apóstolo de Jesus que falava hebraico e
que depois deve ter traduzido para o Grego, de onde permanecem as cópias mais antigas
que temos conhecimento.

Eu sou o Alfa e o Omega, o principio e o fim, o primeiro e o derradeiro. Apocalipse 22:13

Essa declaração de Jesus é claramente uma referência ao livro do Profeta Isaías, quando
Deus disse:

Assim diz o Senhor, Rei de Israel, e seu Redentor, o Senhor dos Exercitos: Eu sou o
primeiro, e eu sou o ultimo, e fora de mim nao ha Deus. Isaias 44:6

E se olharmos para a pictografia, a forma inicial que originalmente a palavra Et ‫ ֵ֥אא‬-


Álef Tav foi escrita, vemos que a marca da aliança, do conserto entre Deus e a
humanidade já se desenhava desde o princípio da Criação.

Ilustração:A letra Tav era originalmente uma Cruz


A Pictografia de Álef - Tav

E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes nao estao escritos
no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundacao do mundo. Apocalipse 13:8

Enquanto que Alef foi originalmente concebido com a cabeça de um animal que
representava liderança, força e poder, a letra Tav era escrita na forma de uma Cruz. E
como Et ‫ ֵ֥אא‬- Álef Tav, no Gênesis 1:1, vem antes das palavras "céu e terra",
podemos afirmar que antes de dizer "haja luz", Deus disse "haja Cruz".

Alef e Figura do Messias

Álef simboliza o nosso Messias e Sumo Sacerdote, o nosso Kohen Gadol Yeshua
Mashiach Jesus de Nazaré. Os dois yods, como braços estendidos na cruz, fazem a
ligação entre Deus e a humanidade.

A Vav diagonal representa o sacrifício de Jesus em nosso favor. Assim como a letra
Álef é silenciosa, simbolizando a humildade de Jesus, pois Ele não abriu a Sua boca,
permanecendo em silêncio quando foi injustamente acusado por seus inimigos.

A guematria de Vav é igual a 6 (seis). Seis é o número que simboliza o homem, visto
que o homem foi criado no sexto dia. E na letra alef, a Vav diagonal, com seus braços
abertos faz a conexão entre Deus e o homem, é deste modo figura de um mediador, um
intercessor, que neste caso tem o número seis, um homem.

Porque ha um so Deus, e um so Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. 1


Timoteo 2:5

Alef = Unicidade Divina

Assim como Álef é constrituído de três partes (yod superior, yod inferior e vav
diagonal), mas Álef é um (echad em hebraico), de forma semelhante as três pessoas,
Pai, Filho e Espírito Santo estão presentes formando um único e absoluto Deus. A
gemátria da palavra ‫ אָ לָף‬Álef é 111.

Ilustração:Álef 111 Três Vezes a Unicidade de Deus


A Gematria da Palavra Álef

Há uma passagem bíblica que ilustra bem a unicidade de Deus e que foi repedida por
Jesus:

Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus e o unico [‫ ןחד‬echad] Senhor Deuteronomio 6:4

E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso


Deus e o unico [‫ ןחד‬echad] Senhor. Marcos 12:29

A palavra usada para descrever a unicidade de Deus é dahce ‫אחד‬, que não significa uma
unidade absoluta, que em hebraico é Yachid ‫ דיחי‬. Um exemplo que melhor explica o
uso destas palavras está em Gênesis 2:24:

Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-a a sua mulher, e serão
ambos uma [‫ ןֶ ֶ חחדא‬echad] carne. Genesis 2:24

Serão ambos (os dois, homem e mulher) uma (echad) só carne, indicando que echad
pode também significar uma unidade composta, assim como o texto sagrado fala de
Deus.

Sh'ma Yisra'el YHWH Eloheinu YHWH Echad

Ouve oh Israel Adonai o nosso Deus Adonai e um [echad]. Deuteronomio 6:4