You are on page 1of 47

Universidade de São Paulo

Escola de Engenharia de São Carlos


Departamento de Engenharia Mecânica

SEM5917 - Acústica
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira

1
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Objetivos:
Propagação de ondas em tubos
a) sessão constant
b) sessão variável

- transporte de potência sonora


- filtros acústicos
- tubo de kundt

2
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Recordação
Na aula passada vimos a equação da onda e sua solução geral …

e
Solução geral é qualquer função com argumento , e.g.

3
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Recordação
Para o caso harmônico, com frequencia e wavenumber

ou

4
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Recordação
Progressão (positiva) de ondas planas (somente parcela especial)
e

da equação de Euler resulta,

Considerando o mesmo para a onda refletida …


Characteristic Wave Impedance ou Wave Impedance

Ou seja, a impedância de campo num tubo longo é a propria impedância especifica da


onda (ZW). Vamos voltar a este conceito mais adiante…
5
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Recordação
Neste caso (onda plana e meio sem perdas) Zw é uma grandeza real, que
resulta de p e v estarem em fase
Ainda, a Intensidade é dita “Ativa” (só tem parte real ou parcela Resistiva -
sem a parcela Reativa).

A Portência Sonora, é o produto da Intensidade Acústica pela


área perpendicular

6
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Transporte de energia em um tubo
Para a onda unidimensional dentro de um tubo (d<<l) a relação entre p e v
depende da terminação do tubo (condição de contorno) que define o tipo de
reflexão

Onde Z0 é a impedância desta terminação e l a distância a partir da terminação


Com a substituição de variável (l = – x)

com

7
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Transporte de energia em um tubo
Ainda é possível escrever: e

que fornecem as seguintes relações

Então, para uma posição qualquer no tubo:

8
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Transporte de energia em um tubo
Equações de Linhas de Transmissão (assim como em sistemas elétricos)

ou

Casos especiais:
Terminação rígida

Onda estacionária (Standing wave)

9
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Transporte de energia em um tubo
Equações de Linhas de Transmissão (assim como em sistemas elétricos)

ou

Casos especiais:
Terminação aberta (ideal) – Reflexão total sem radiação externa

e
a onda refletida é de mesma intensidade e fase oposta

10
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Transporte de energia em um tubo
Equações de Linhas de Transmissão (assim como em sistemas elétricos)

ou

Casos especiais:
wave match – tipo de terminação anecoica (sem reflexão)

resulta numa função exponencial complexa e toda energia é trasmitida

11
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
rigida (tubo fechado)

livre (tubo aberto)

Impedance mach (tubo infinito)

12
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Transporte de energia em um tubo
Equações de Linhas de Transmissão
Conceito de reflectância

Quando tratamos de Potência ou Intensidade Sonora tratamos dos termos


complementares, Grau de Reflexão ou Grau de Absorção

13
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
– Aplicação –

Tubo de Kundt

14
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt (Aplicação)

15
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Princípio de funcionamento

16
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
A pressão num ponto qualquer, a uma distância l do espécime é dada por:

Os pontos de máximo vão acontecer quando os dois termos estiverem em fase.


Os mínimos, consequentemente, quando estiverem em anteposição de fase

17
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt

Máximos:
Mínimos:

18
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Método tradicional

Relação de pressão com onda estacionária - Reflectância

19
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Método da Função Transferência

Os microfones não precisam se movimentar, uma relação entre as pressões é


medida entre os dois microfones:
Reflectância na
face do material
distância fixa

da Eq. de linha
de transmissão

20
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Método da Função Transferência

(transmissibilidade) FT

Impedância

21
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Método da Função Transferência

Com uma transformação de coordenadas, podemos reescrever a Eq. de impedância


com relação à face do material absorvedor

Com isso ...

22
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Método da Função Transferência

Obs: se o numerador e denominador = 0

Projeto do tubo envolve determinar

23
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Resultados com tubo de kundt da B&K

YUNSEON RYU, BRUEL & KJAER SOUND & VIBRATION MEASUREMENT A/S THE ACOUSTIC IMPEDANCE
MEASUREMNET SYSTEM USING TWO MICROPHONES

24
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Tubo de Kundt
Análise de Transmissão

25
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
– Terminações e Filtros –

26
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Equações Diferenciais de Webster

Partindo da Equação de Estado (Euler)

A área da sessão transversal não é mais


constante, portanto a quantidade de massa
que entra e sai no volume de controle são:

27
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Equações Diferenciais de Webster

Calculando a massa líquida e despresando


os termos de ordem superior temos:

E, sendo assim:

Equação da Continuidade Modificada


28
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Equações Diferenciais de Webster
De forma a obter a Eq. da Continuidade em
termos de v e p, usa-se a Euler, e então:
Equação da Continuidade Modificada

Equação da Webster

Obs: se A(x) = cte, esta é a equação da onda


29
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
É possível obter a equação analítica para algumas formas simples

Corneta Cônica

A função de área é

que na função de Webster resulta em:

ou

Que é a função de onda na variáve g = px

30
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Corneta Cônica
Sendo assim, a solução é do tipo:

Considerando apenas a onda progressiva

pressão cai pela metade com


dobro da distância (-6dB / oitava)

velocidade diminui ...

... não é tão simples!

31
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Quando as partes real e imaginária da velocidade são iguais, podemos
determinar o limite entre os campos próximo e distante

para valores pequenos de x parte imaginária (reativa) é importante.


- porção de ar oscila sem transporte de energia – (-12dB / oitava)

Para distâncias grandes, o termo ativo domina a resposta (-6dB / oitava)

velocidade diminui ...

... não é tão simples!

32
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Campo acústico no cone: partes real e imaginária da velocidade

definição:

Impedância de campo:

Parcela resistiva (ativa) que predomina quando x>>2p/l


r c é a impedância característica de um tubo (ou Zw do meio)
33
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Campo acústico no cone: OBSERVAÇÃO

A impedância num cone se assemelha àquela


de um “tubo longo com derivação”

Modelo Equivalente Analogia Elétrica

Estes modelos servem de base, por exemplo, para análise de filtros (mufflers)

34
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Corneta Exponencial

Coeficiente de alargamento e > 0


Derivando…

Substituindo na Eq. de Webster:

caso harmônico complexo

35
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Corneta Exponencial (EDO semelhante a sistema de 2ª ordem)

Apresenta duas raízes:

ou

Coeficiente de fase
Coeficiente de amortecimento (espacial)
36
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Corneta Exponencial

Condição para que haja propagação é que o termo na raiz (wave


number) seja positivo, assim...
ou

Frequencia de corte: Abaixo de ω1 não há transporte


de potência
37
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Corneta Exponencial

Frequencia de corte:

εA < εB
ω1A < ω1B

38
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Corneta Exponencial Da definição de β temos:

Ou seja, a velocidade de cada fase depende da sua frequência (dispersão)


Isso resulta nas ondas viajando a velocidades diferentes, e conseqüentemente,
frentes com freqüências diferentes chegando com delay na borda da corneta,
o que confere um timbre característico (falantes e instrumentos).
Impedância de campo:

para
39
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Outras terminações...
Que função será esta?

Quem lembra daVuvuzela da África do Sul?

40
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Outras terminações...

O procedimento para oturas terminações envolve


1. partir da equação que descreve a evolução da área
2. aplicar as derivadas e substituir na equação da onda
3. encontrar as soluções analíticas
4. avaliar p(x) e v(x) e suas relações

5. Para o cálculo da potência de radiação usar Zf e calcular Zrad e P

41
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Outras terminações...

• Curvatura empírica

• Diferentemente de outras curvas


‘matemáticas’, exibe sensibilidade
muito baixa à impedância da
radiação, em especial quando
excitada nas freq. naturais

• Confere frequencias naturais


harmônicas com maior acuidade
que outras terminações

N. Amir, G. Rosenhouse, U. Shimony, Input Impedance of Musical Horns and the 'Horn Function‘
Applied Acoustics 38 (1993) 15-35

42
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
– Radiação Sonora –

43
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Radiação Sonora
A potência sonora radiada por uma fonte é dada por:/

Parte real da Impedância na saída da fonte

A relação entre a impedância do campo e a de radiação é:

área efetiva de radiação


(e.g. abertura da corneta)

44
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Terminações e Filtros
Radiação Sonora
Na condição ideal, onde o tubo é suficientemente longo, tal que ondas não são
refletidas e o diâmetro suficientemente pequeno para que haja propagação
unidimensional ...

tubo
tubo ideal

exp
cone cone

exp

45
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
– Filtros –

46
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira
Filtros
Hipóteses: d << l
dd/dx << l

Na aula que vem veremos casos de transição abrupta!


com aplicação em FILTROS acústicos

47
Prof. Dr. Leopoldo P. R. de Oliveira