You are on page 1of 17

EDIÇÃO 32

Abril / Maio 2017


Fechamento autorizado
Pode ser aberto pela ECT

MATÉRIA ARTIGOS ENTREVISTA


Como identificá-la? Ela pode ser uma Alienação parental em dois tempos: O papel do perito psicólogo nas varas
pág. 9 síndrome? Qual o perfil do alienador? pág. 14 dirigida ao idoso e sua constituição de pág. 5 de família, segundo Sidney Kiyoshi
A guarda compartilhada é um ilicitude civil como abuso de direito do Shine, psicólogo judiciário do Tribunal
antídoto? Especialistas respondem poder parental de Justiça de São Paulo
Foto: Pixabay

JÁ ESTÁ DISPONÍVEL O MAIS NOVO CURSO ON-LINE PRODUZIDO PELO


INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO DE FAMÍLIA (IBDFAM)!
Com o objetivo de permitir o domínio das técnicas recursais pelo advogado,
em consonância com o Código de Processo Civil, “A prática dos recursos em
família e sucessões e o CPC 2015” é dividido em quatro aulas:

1) Teoria geral dos recursos;


2) Os precedentes e sua vinculação com os recursos extraordinários;
3) Recursos e procedimentos nos tribunais;
4) Recursos ordinários.

Coordenador: Desembargador Newton Teixeira Car valho


Professores: Newton Teixeira Car valho, Alexandre Gustavo Melo Franco de
Moraes Bahia, Dierle Nunes e Luiz Fernando Valladão Nogueira.

Acesse: www.ibdfameducacional.com.br
e comece a assistir às aulas agora mesmo!
EDITORIAL EXPEDIENTE
DIRETORIA EXECUTIVA
Presidente: Rodrigo da Cunha Pereira (MG);
Vice-Presidente: Maria Berenice Dias (RS);
Primeiro-Secretário: Rolf Madaleno (RS);
Segundo-Secretário: Rodrigo Azevedo Toscano de Brito (PB);
Primeiro-Tesoureiro: José Roberto Moreira Filho (MG);
Segundo-Tesoureiro: Antônio Marcos Nohmi (MG);
Diretor de Relações Internacionais: Paulo Malta Lins e Silva (RJ);

SOB O SIGNO DA MALDADE


Primeiro Vice-Diretor: Cássio Sabbagh Namur (SP),
Segunda Vice-Diretora: Adriana Antunes Maciel Aranha Hapner (PR);
Secretária de Relações Internacionais: Marianna de Almeida Chaves Pereira Lima (PB);
Diretor do Conselho Consultivo: José Fernando Simão (SP);
Diretora de Relações Interdisciplinares: Giselle Câmara Groeninga (SP).

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
Os restos de amor podem ser perversos. Para além Diretor Norte: Zeno Veloso (PA); Diretor Nordeste: Paulo Luiz Netto Lôbo (AL); Diretora
de um rompimento, muitas vezes sobram mágoa, Centro-Oeste: Eliene Ferreira Bastos (DF); Diretora Sul: Ana Carla Harmatiuk Matos (PR);
Diretora Sudeste: Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka (SP);
rancor, ódio, desejo de vingança. Somado a estes, um
sentimento de rejeição é capaz de fazer estragos que CONSELHO FISCAL
Presidente: Raduan Miguel Filho (RO); Primeira Vice: Angela Maria Sobreira Dantas
extrapolam os ataques entre o ex-casal para atingir em Tavares (CE); Segundo Vice: Rodrigo Fernandes Pereira (SC);
cheio os filhos que gerou. Em meio a um mar revolto, COMISSÕES
consciente – ou até sem perceber –, um dos genitores Científica: Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka (SP); Vice-Presidente: João Batista
de Oliveira Cândido (MG); Direito das Sucessões: Zeno Veloso (PA); Primeira Vice: Tatiana
despeja sua ira, tendo o outro como alvo, mas usando de Almeida Rego Saboya (RJ); Segundo Vice: Flávio Murilo Tartuce Silva (SP); Mediação:
e abusando da saúde psíquica e emocional de criança Suzana Borges Viegas de Lima (DF); Primeira Vice: Ana Gerbase (RJ); Infância e Juventude:
Melissa Telles Barufi (RS); Vice: Kátia Regina Ferreira Lobo Andrade Maciel (RJ); Idoso:
e/ou adolescente. É a prática da alienação parental. Tânia da Silva Pereira (RJ); Jurisprudência: Viviane Girardi (SP); Arbitragem: Francisco
O intuito? Acabar com o vínculo afetivo que os une, José Cahali (SP); Assuntos Legislativos: Mário Luiz Delgado Regis (SP); Primeira Vice:
Érika de Barros Lima Ferraz (PE); Segundo Vice: Ricardo Lucas Calderon (PR); Gênero e
afastando do convívio familiar aquele que o rejeitou. É Violência Doméstica: Adélia Moreira Pessoa (SE); Vice: Ana Florinda Mendonça da Silva
uma das terríveis faces da maldade humana. Dantas (AL); Notários e Registradores: Priscila de Castro Teixeira Pinto Lopes Agapito
(SP); Vice: Karin Regina Rick Rosa (RS); Estudos Constitucionais da Família: Gustavo José
Mendes Tepedino (RJ); Vice: Ana Luiza Maia Nevares (RJ); Ensino Juridico de Família:
A Lei nº 12.318/10, a qual dispõe sobre a alienação Waldyr Grisard Filho (PR); Primeira Vice-Presidente da Comissão de Ensino Jurídico de
Família: Fabiola Albuquerque Lôbo (PE); Segundo Vice: Marcos Alves da Silva (PR); Relações
parental, além de enumerar as formas exemplificativas Acadêmicas: Marcelo Luiz Francisco Bürger (PR); Primeiro Vice : Ulysses Lacerda Moraes
de sua prática, também ressalta, em seu artigo 3º: (MT); Segundo Vice: Luiz Geraldo do Carmo (PR); Direito Homoafetivo: Patrícia Cristina
Vasques de Souza Gorisch (SP); Vice: Vladimir Fernandes Mendonça Costa (DF); Adoção:
“A prática de ato de alienação parental fere direito Silvana do Monte Moreira (RJ); Advogados de Família: Marcelo Truzzi Otero (SP); Primeiro
fundamental da criança ou do adolescente de Vice: Aldo de Medeiros Lima Filho (RN); Segundo Vice: Daniel Blikstein (SP); Magistrados
de Família: Jones Figueirêdo Alves (PE); Vice: Andréa Maciel Pachá (RJ); Promotores
convivência familiar saudável, prejudica a realização de de Família: Cristiano Chaves de Farias (BA); Defensores Públicos da Família: Roberta
afeto nas relações com genitor e com o grupo familiar, Quaranta (CE); Vice-Presidente: Cláudia Tannuri (SP); Direito de Família e Arte: Ana
Maria Gonçalves Louzada (DF); Vice: Fernanda Leão Barreto (BA); Direito Previdênciário:
constitui abuso moral contra a criança ou o adolescente Melissa Folmann (PR); Comissão da Pessoa com Deficiência: Cláudia Grabois Dischon
e descumprimento dos deveres inerentes à autoridade (RJ); Vice-Presidente: Nelson Rosenvald (MG).
parental ou decorrentes de tutela ou guarda”. DIRETORIAS ESTADUAIS
REGIÃO NORTE - Acre: Eronilço Maia Chaves; Amapá - Nicolau Eládio Bassalo Crispino;
Amazonas – Gildo Alves de Carvalho Filho; Pará - Maria Celia Nena Sales Pinheiro;
E pode deixar terríveis sequelas psicológicas, Rondônia - Raduan Miguel Filho; Roraima – Denise Abreu Cavalcanti; Tocantins –
evoluindo, em seu grau mais elevado, para a Síndrome Alessandra Aparecida Muniz; REGIÃO NORDESTE - Alagoas - Ana Florinda Mendonça da
Silva Dantas; Bahia – Alberto Raimundo Gomes dos Santos; Ceará – Anislay Romero da
da Alienação Parental – SAP. A prática da alienação Frota Moares; Maranhão - Lourival de Jesus Serejo Sousa; Paraíba – Wladimir Alcibíades
parental, que remete a Medeia, mito grego que matou Marinho Falcão Cunha; Pernambuco – Maria Rita de Holanda Silva Oliveira; Piauí –
Isabella Nogueira Paranaguá De Carvalho Drumond; Rio Grande Do Norte – Suetônio
os próprios filhos para se vingar do marido que a Luiz De Lira; Sergipe - Acácia Gardênia Santos Lelis; REGIÃO CENTRO-OESTE - Distrito
abandonou, é tema desta edição da Revista IBDFAM, Federal – Liliana Barbosa do Nascimento Marquez; Goiás – Maria Luiza Póvoa Cruz; Mato
Grosso – Angela Regina Gama da Silveira Gutierres Gimenez; Mato Grosso do Sul – Bruno
que ouviu especialistas sobre vários aspectos. Ela pode Terence Romero e Romero Gonçalves Dias; REGIÃO SUDESTE - Espírito Santo – Thiago
ocorrer, inclusive, na forma inversa, dirigida aos idosos. Felipe Vargas Simões; Minas Gerais – José Roberto Moreira Filho; Rio De Janeiro – Luiz
Cláudio de Lima Guimarães Coelho; São Paulo - João Ricardo Brandão Aguirre; REGIÃO
Ou até mesmo durante o casamento ou a união estável. SUL - Paraná - Fernanda Barbosa Pederneiras Moreno; Rio Grande Do Sul – Conrado
Infelizmente, como se vê, um mal que atinge a muitas Paulino da Rosa; Santa Catarina – Mara Rúbia Cattoni Poffo.
famílias, trazendo violência, dor, trauma. Um mal a ser REVISTA IBDFAM
combatido. Uma publicação da Assessoria de Comunicação do Instituto Brasileiro de Direito de Família
COORDENADORA DE COMUNICAÇÃO: Simone Castro
Boa leitura! REDAÇÃO: Arthur Möller, Eduardo Oliveira
DIAGRAMAÇÃO: Diogo Rodrigues
ASSESSORIA JURÍDICA: Ronner Botelho
TIRAGEM: 6.000 exemplares
PERIODICIDADE: bimestral
DISTRIBUIÇÃO: gratuita, aos associados do IBDFAM
OS ARTIGOS ASSINADOS, BEM COMO OPINIÕES EMITIDAS EM ENTREVISTAS, SÃO DE
RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES.
ATENDIMENTO AO ASSOCIADO: (31) 3324-9280 | PARA ANUNCIAR: (31) 3324-9280
3
ESPAÇO DO LEITOR

Foto: Pixabay

“O direito se altera com a evolução da sociedade, a qual, atualmente, tem


admitido a múltipla filiação em casos excepcionais”. Com essa argumentação,
o juiz Rodrigo de Carvalho Assumpção, da Vara da Infância e da Juventude da
Comarca de Paracatu (MG), sentenciou a favor da multiparentalidade, algo até
então inédito em decisões no município. O magistrado deu provimento ao pedido
de adoção da madrasta de uma menina, mantendo o nome da mãe biológica
na certidão de nascimento da menor. A decisão, portanto, preserva o vínculo da
criança com sua genitora, mantendo intacto também seu convívio com a mãe
afetiva.

A decisão, que foi objeto de matéria no Boletim Informativo do IBDFAM


(http://www.ibdfam.org.br/noticias/6300/Munic%C3%Adpio+mineiro+registra+pri-
meiro+caso+de+multiparentalidade), em 31 de maio de 2017, repercutiu positiva-
mente entre os seguidores do IBDFAM no Facebook. Confira alguns comentários:

Alessandra Ferronatto (Rio Grande do Sul): Multiparentalidade.... filiação


socioafetiva e filiação biológica coexistindo.... aplicação dos princípios da
afetividade e da dignidade da pessoa humana no Poder Judiciário, preservando os
vínculos familiares.

Myrla Sousa Lopes (Ceará): Decisão corajosa e sensível desse magistrado!!!

Camila Trabuco (Bahia): Direito de família e sua constante evolução.

Adriana Panattoni (São Paulo): Muito interessante essa decisão.

Kelyn Trento (Paraná): Mais uma decisão que nos enche de orgulho! Porque amor
nunca é demais!

Este espaço é seu. Participe!

www.ibdfam.org.br
ascom@ibdfam.org.br

Acesse nossas redes sociais:


Twitter: @IBDFAM_oficial
Instagram: @ibdfam
Facebook: facebook.com/ibdfam

Foto da Capa: Adobe Stock / Andrew Ostrovsky - stock.adobe.com

4
ENTREVISTA

O PERITO PSICÓLOGO NAS VARAS DE FAMÍLIA


P sicólogo judiciário, concursado e lotado no Tribunal de Justiça de São Paulo, com atuação em casos de vara de família,
Sidney Kiyoshi Shine, ao conceder esta entrevista à Revista IBDFAM, faz questão de deixar claro que baseou suas
respostas em sua experiência e em seus estudos, bem como em trocas com profissionais psicólogos, assistentes sociais,
juízes, promotores e advogados, ligados ou não ao TJSP. “Contudo, a minha posição não é e nem pode ser considerada a
posição oficial do grupo e da instituição aos quais pertenço”, ressalta.
É sob o seu ponto de vista, que o professor Sidney Shine entende que a Psicanálise trabalha com o discurso [jurídico] tanto
quanto o profissional do Direito. “É neste ponto comum que vejo uma interface entre um e outro com objetivos distintos, é cla-
ro”. Segundo ele, o perito psicólogo é co-responsável pela medida judicial. “É o seu laudo que buscará influenciar o operador
do Direito a dar uma sentença cuja influência direta se dará sobre a vida das pessoas que avaliou, acolheu e buscou intervir”.

QUAL O PAPEL DO PERITO COMO A INTERFACE ENTRE A que o trabalho do psicólogo seja feito
PSICÓLOGO EM UMA VARA DE PSICANÁLISE E O DISCURSO a partir de um distanciamento, seja
FAMÍLIA? E COMO SE DÁ A JURÍDICO PODE AUXILIAR O PERITO da análise seja da demanda que lhe
ELABORAÇÃO DE UM LAUDO PSICÓLOGO ANTE A DEMANDA dirigida. Penso que tal pressuposto
PSICOLÓGICO? JUDICIAL? É DIFÍCIL ASSUMIR UMA parte de uma ideia de viés positivista
POSTURA DE DISTANCIAMENTO que acredita em uma separação entre
O papel do psicólogo ainda é DIANTE DE DETERMINADA o sujeito (do conhecimento) e o objeto
pensado em termos de um auxiliar da ANÁLISE? (a ser conhecido). Ou seja, estamos
justiça que participará fornecendo um falando de uma neutralidade do
subsídio de sua área de competência. É necessário esclarecer que pesquisador/cientista. Em Psicologia
É neste sentido que se associa a figura nem todo psicólogo é psicanalista. e Psicanálise não é possível haver
do perito ao seu produto: o laudo. O Somente aqueles que escolheram esta separação estanque. A questão é
laudo psicológico é o resultante de a Psicanálise enquanto teoria e garantir o máximo de objetividade na
um processo de avaliação psicológica. técnica de referência. Do meu ponto análise de um problema em que existe
O laudo é o produto concreto de todo de vista, entendo que a Psicanálise um grau enorme de subjetividade
um processo complexo que envolve a trabalha com o discurso tanto quanto envolvida.
utilização do conhecimento psicológico o profissional do Direito. É neste ponto
para fazer frente a uma demanda comum que vejo uma interface entre O QUE É TRANSFERÊNCIA E
específica: o ponto controverso que se um e outro com objetivos distintos, é CONTRATRANSFERÊNCIA NA
quer esclarecer. claro. O psicanalista está acostumado ATUAÇÃO DO PSICANALISTA COMO
a receber uma demanda na forma de PERITO PSICÓLOGO? E NO QUE TÊM

“ A QUESTÃO É GARANTIR O
MÁXIMO DE OBJETIVIDADE
uma queixa, um sofrimento. É a partir
desta demanda que se estrutura o
atendimento. A diferença no âmbito
institucional da vara de família é que
RELEVÂNCIA PARA SOLUCIONAR
AS DEMANDAS JUDICIAIS QUE
ANALISAM, POR EXEMPLO, A
ALIENAÇÃO PARENTAL?
NA ANÁLISE DE UM o sujeito que apresenta a demanda
PROBLEMA EM QUE EXISTE (pesquisa de um ponto controverso) É uma premissa em Psicanálise
UM GRAU ENORME DE é o profissional do Direito e aqueles que as pessoas desenvolvem um
SUBJETIVIDADE ENVOLVIDA
“ a quem o psicólogo escuta, acolhe
e compreende são os membros da
padrão de interação ao longo de sua
vida, marcadamente em função de
família (jurisdicionados). Não creio suas relações iniciais com aqueles
5
que chamamos "objetos originários". PERITO PSICÓLOGO E SUAS MUITAS VEZES ESSE DESEJO PODE
Ou seja, somos o resultado daquilo RELAÇÕES TRANSFERENCIAIS CONVERTER-SE EM INSTRUMENTO
que vivemos com as pessoas mais NA ARENA JURÍDICA E COMO DE VINGANÇA, UMA VEZ QUE NÃO
próximas. Por isto, espera-se que PODEM CONTRIBUIR PARA UMA SENDO CORRESPONDIDO NO CASO
este padrão relacional seja "proposto" PRESTAÇÃO JURISDICIONAL MAIS DE DIVÓRCIO OU DISSOLUÇÃO DE
na relação com o profissional psi. EFICAZ E EFETIVA? UNIÃO ESTÁVEL, PASSANDO A SER
"Proposto" porque não é algo que UMA RELAÇÃO DE AMOR E ÓDIO
passe em nível consciente. Não é algo Com o devido respeito, eu diria que MAL RESOLVIDA, APARECENDO
pensado, planejado. Transferência o conflito é constitutivo das relações NO DISCURSO OBJETIVO,
seria então o termo que se criou humanas. O direito é que criou CONSCIENTE, ATRAVÉS DAQUELAS
para esta tendência do outro atribuir formas pelas quais o conflito pode ser MANIFESTAÇÕES JURÍDICAS. ISSO
(transferir) para o psicanalista judicializado e resolvido nesta arena. PODE CONTRIBUIR PARA A PRÁTICA
aquilo que foi vivido com outro. A O problema na esfera familiar é que DA ALIENAÇÃO PARENTAL? COMO
contratransferência seria o movimento as pessoas precisarão continuar se PREVENIR ESSAS AÇÕES?
contrário. Ou seja, diz respeito aquilo encontrando após a sentença. E o
que se passa com o psicanalista que conflito pode assumir novas formas O sujeito do Direito é um sujeito
se liga às suas próprias vivências, mas e se prolongar ad infinitum. Fazendo racional. O sujeito desejante tem uma
que são eliciadas pela transferência de uma analogia, o problema na vara outra lógica. Muitas vezes se pensa
quem ele atende. Portanto, trata-se de família é para o juiz aquilo que a o ódio como o contrário do amor. Em
de uma via de mão dupla. Saber que histérica representou para os médicos realidade o contrário do ódio seria
isto se atualiza nas demandas judiciais antes de Freud: um problema insolúvel a indiferença, tal qual o contrário
é mais fácil do que saber o que fazer com os instrumentos que se tinham. do amor. No espectro das emoções
com elas. Por exemplo, uma mãe que Convocar profissionais que lidam com teríamos o seguinte diagrama:
dificulta o contato da criança com o pai as questões do humano parece uma
pode, na hora de marcar o dia e horário solução lógica. Cabe a nós, psicólogos amor amizade rivalidade ódio
para que o profissional se encontre e psicanalistas, mostrarmos que
com a criança, também oferecer podemos fazer uma diferença. E, na
resistência e dificultar o acesso. Seria verdade, ocupar o lugar de perito Isto me traz a recordação de
mais do que esperado. O problema é dentro da lógica adversarial do direito um trabalho apresentado no "II
como contornar isto, seja na avaliação, é estar em um lugar paradoxal. Porque Seminário: a família, a lei, os valores
seja na demanda judicial. a prestação jurisdicional mais eficaz e e as mudanças sociais", realizado em
efetiva, do ponto de vista psicológico, Vitória (ES), em novembro de 1997.
OS OPERADORES DO DIREITO seria habilitar a família a conseguir Na ocasião, citei uma passagem de
DEPARAM-SE, CONSTANTEMENTE, administrar seus conflitos sem precisar Rubem Alves (1997)1 em que o diabo
COM PROBLEMAS QUE de um árbitro externo. Portanto, eficaz explicava ao interlocutor/narrador
TRANSCENDEM OS ELEMENTOS do ponto de vista psicológico não seria que discordava de Deus naquilo que
MERAMENTE JURÍDICOS. MUITAS eliminar o conflito, mas eliminar a tornaria o casamento mais sólido. Para
VEZES, O CONFLITO NÃO É necessidade de um juiz. Ou melhor, o diabo não seria o amor, segundo ele,
SOMENTE DESSA NATUREZA, internalizar a figura de uma autoridade outra cola deveria unir os cônjuges no
EMBORA APARENTE SÊ-LO. que fosse justa e equânime. casamento:
É NECESSÁRIO PERCEBER Ele sorriu, confiante, e respondeu:
O TEXTO E O CONTEXTO O DIREITO JÁ NÃO PODE, COMO
DO CONFLITO; A LINHA E A CIÊNCIA, DESCONSIDERAR A - O ódio. Enganam-se aqueles que
ENTRELINHA DO LITÍGIO. SE SUBJETIVIDADE QUE PERMEIA dizem que o ódio separa. A verdade é
ATENTARMOS PARA A MENSAGEM A SUA OBJETIVIDADE. DA que o ódio junta as pessoas. Como disse
INCONSCIENTE, QUE CHEGA MESMA FORMA, É PRECISO um jagunço do Guimarães Rosa, "quem
PELO DISCURSO DAS DEMANDAS COMPREENDER QUE O SUJEITO DE odeia o outro, leva o outro para a cama".
QUE GERAM CONFLITOS, DIREITO É TAMBÉM UM SUJEITO Diferente do fogo da vela, o fogo do ódio é
PODE-SE DESENVOLVER DESEJANTE, E ISTO ALTERA TODA
MELHOR A ATUAÇÃO. NA SUA A COMPREENSÃO DA DOGMÁTICA
¹ ALVES, R. Retorno e terno... Campinas: Papirus,
OPINIÃO, QUAL O LOCUS DO JURÍDICA. PENSANDO NISSO, 1997.
6
ENTREVISTA

como um vulcão. Não se apaga nunca. Por está ligado ao desenvolvimento humano porque em Psicanálise não lidamos
fora pode parecer adormecido. No fundo, em suas mais amplas manifestações. com os atos, propriamente ditos, mas
as chamas crepitam. A diferença entre os O psicanalista que se especializa no com as representações, fantasias e
dois? O amor; por causa da liberdade, abre atendimento de crianças se volta às discursos. Portanto, a não ser que o
a mão e deixa o outro ir. No amor existe dificuldades do infante em simbolizar ato alienador aconteça na presença
a permanente possibilidade de separação. sua experiência por meio dos recursos do profissional, o psicanalista nada
Mas o ódio segura. Não tenha dúvidas. Os expressivos em construção (a palavra pode afirmar sobre isto. Mas volto a
casamentos mais sólidos são baseados no como forma de comunicação mais reafirmar: o mais difícil é o que se
ódio. E sabe por que o ódio não deixa ir? importante). O objetivo do psicanalista segue após a constatação da alienação.
Porque ele não suporta a fantasia do outro no atendimento infantil não é dar voz Como seria o manejo de tal situação.
voando livre, feliz. O ódio constrói gaiolas, à criança como forma de produzir
e ali dentro ficam os dois, moendo-se uma prova que servirá ao operador COMO É SABIDO, A ALIENAÇÃO
mutuamente numa máquina de moer do direito. Este objetivo é o do PARENTAL PODE OU NÃO
carne que gira sem parar, cada um se psicólogo especialista em Psicologia CONVERTER-SE EM UMA
nutrindo da infelicidade que pode causar Jurídica atuando como um perito nos SÍNDROME, A CHAMADA SÍNDROME
ao outro. As pessoas ficam juntas para casos em que ele é chamado. Seu DE ALIENAÇÃO PARENTAL –
se torturarem. Não menospreze o poder conhecimento de psicologia pode ser SAP. MUITAS VEZES, OCORRE
do sadismo. Ah! A suprema felicidade de utilizado como forma de adequar as A CONFUSÃO, EM PROCESSOS
fazer o outro infeliz! (Alves, 1997, pp. 31-34). demandas legais ao compromisso JUDICIAIS, DE LEVAR O CASO
ético com as pessoas a quem avalia, CONCRETO PARA A EXTREMIDADE
QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE escuta e sobre quem intervém. Mas DA SÍNDROME. EM QUAIS
O ARTIGO 699 DO CÓDIGO DE quantos especialistas em Psicologia CIRCUNSTÂNCIAS O PERITO
PROCESSO CIVIL DE 2015 QUE Jurídica existem? Muito poucos, pois PSICÓLOGO PODE IDENTIFICAR A
PREVÊ: “QUANDO O PROCESSO o título é concedido para aqueles que REAL OCORRÊNCIA DA SAP? OU A
ENVOLVER DISCUSSÃO SOBRE prestam um concurso realizado pelo SUA NÃO EXISTÊNCIA?
FATO RELACIONADO A ABUSO Conselho Federal de Psicologia e não
OU A ALIENAÇÃO PARENTAL, O é obrigatório. Mesmo se contarmos o Há muita confusão conceitual em
JUIZ, AO TOMAR O DEPOIMENTO número de psicólogos concursados nos torno da questão da alienação parental,
DO INCAPAZ, DEVERÁ diversos tribunais de justiça no País, confundindo-se aquilo que a lei afirma
ESTAR ACOMPANHADO POR não teríamos um número relevante com a síndrome, criada e defendida
ESPECIALISTA.” O SENHOR VÊ UMA de profissionais. Portanto, existe uma por profissionais que se alinham ao
INOVAÇÃO NESSA DETERMINAÇÃO? disparidade entre o ideal e o real que psiquiatra Richard Gardner. Em relação
COMO O ESPECIALISTA ATUA dificultará sobremaneira a consecução a esta temática conheço apenas um
NESSES CASOS? desta parceria. Sem entrarmos nas trabalho empírico no território nacional,
complexas questões técnicas de como realizado por um grupo de pesquisa de
Aqui me parece que o legislador um procedimento psicológico (escuta) profissionais ligados ao Tribunal de
pretendeu dar um maior respaldo ao seria componente de um procedimento Justiça de Brasília (BARBOSA, L.P.G.;
trabalho do julgador. Infelizmente, judicial (inquirição). CASTRO, B.C.R. Alienação parental. Um
partindo de premissas teóricas e com retrato dos processos e das famílias em
pouco lastro na realidade brasileira. A lei COMO SE IDENTIFICA A situação de litígio. Brasília: Liber livro,
diz que o juiz deve estar acompanhado OCORRÊNCIA DA PRÁTICA DA 2013). Os resultados desta
por um especialista na tomada de ALIENAÇÃO PARENTAL?
depoimento de incapaz em matéria pesquisa desmistificam bastante a
relacionada a abuso e alienação A lei da alienação nº 12.318 é clara amplitude do que se divulga sobre este
parental. Ora, quem é “especialista em em relação à identificação da prática fenômeno.
tomada de depoimento”? Depoimento da alienação parental, em seu artigo Em todos os processos enviados
não é uma prática do psicólogo. Ele não 2º, parágrafo único, incisos de I a VII. para estudo psicossocial pelas sete
é formado para atuar em processos Parece-me que para identificar os varas de família de Brasília, no ano de
jurídicos. O psicólogo é um profissional comportamentos enquadráveis nas 2010, o grupo de pesquisa identificou
de saúde essencialmente. Seu categorias não seria necessário ser 50 processos que continham menção,
conhecimento enquanto especialista psicólogo ou psicanalista. Mesmo nos autos, aos termos alienação
7
ENTREVISTA

parental e/ou Síndrome de Alienação parental são algo muito específico fantasia em alguns casais a justificar
Parental (SAP). Isto correspondeu a e raro, sendo que, quando a resistência em concordarem com tal
27,7% do universo total (180 casos). identificados, devem ser tratados procedimento. O objetivo não poderia
A caracterização do ato de alienação com ações também específicas a estar mais distante daquilo que almeja
parental, após perícia psicossocial, cai sua reversão, e não como um mal- uma perícia. Mas o casal não se quer
ainda mais, ficando em 0,5%. As autoras estar geral da sociedade moderna junto fisicamente por causa da dor que
apresentam outras comparações: ao qual se dá sempre o mesmo isto causa. É o sofrimento psíquico que
tratamento. (idem ibidem, p. 219) se quer evitar quando se procura não
• Considerando o número do se avistar com o outro. Por mais que
Censo do IBGE de processos de Embora o Tribunal de Justiça não seja cada um saiba, racionalmente, que
separações judiciais e divórcio, no uma instituição de pesquisa e produção por conta do filho em comum, estarão
DF, em 2010, de casais com filhos, de conhecimento científico, foi somente ligados um ao outro. E do sofrimento
ter-se-ia uma incidência de 0,03%. a união de profissionais que trabalham psíquico o psicanalista está preparado
na instituição com a oportunidade para lidar.


• Em amostra composta pelo de aliarem motivação acadêmica e
número de processos de litígio incentivo interno que tornaram possível
parental remetidos para estudo este projeto. Gostaria que o Tribunal A PSICANÁLISE CONSIDERA
psicossocial no SERAF2, em 2010, de Justiça de São Paulo também A FANTASIA COMO UMA
por todas as varas do TJDFT incentivasse esta linha de frente do PRODUÇÃO PSÍQUICA
a incidência seria de 0,15%.
(BARBOSA & CASTRO, 2013, p.
trabalho técnico. Infelizmente, não é a
realidade atual em meu círculo restrito.
DE INTERESSE PARA O
TRABALHO.

218/219).
MUITOS CASAIS, EMBORA JÁ CER-
Em função da pesquisa realizada, TOS QUANTO AO FIM DO CASA- QUAL O GRAU DE
as autoras defendem uma posição que MENTO/UNIÃO ESTÁVEL, MAS EM RESPONSABILIDADE DO PERITO
não se funda em um “achismo”. LITÍGIO POR OUTRAS QUESTÕES PSICÓLOGO, A PARTIR DO LAUDO
DECORRENTES DESSA DECISÃO, QUE EMITE, EM UMA MEDIDA
Explicita-se, assim, que a RESISTEM EM SE SUBMETER À ME- JUDICIAL?
realidade encontrada em muito se DIAÇÃO POR FANTASIAREM QUE
distancia das notícias veiculadas ELA OBJETIVA, EXCLUSIVAMENTE, O perito psicólogo é co-responsável
na mídia e do teor sugerido em O RESTABELECIMENTO DO RELA- pela medida judicial. É o seu laudo
artigos e livros de áreas como CIONAMENTO, ALGO, POR VEZES, que buscará influenciar o operador
Direito e Psicologia no Brasil, os REFUTADO POR ELES. A MEDIAÇÃO do Direito a dar uma sentença cuja
quais se baseiam, essencialmente, PODERÁ AJUDAR A SOLUCIONAR influência direta se dará sobre a vida
nas mesmas notícias da mídia, ESSAS QUESTÕES TOMENTOSAS das pessoas que avaliou, acolheu e
em estatísticas mal interpretadas PARA QUE NÃO SE ESTENDA O LI- buscou intervir.
e em dados apresentados por TÍGIO?
algumas associações de pais Psicólogo, Mestre, Doutor e Pós Doutorando em
separados. Não se pretende, Não conheço suficientemente o Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Univer-
com essa análise, desqualificar o instrumento da Mediação para me sidade de São Paulo (USP); Ex-Clinical Associate
sofrimento que criança e genitores autorizar a responder tal pergunta. na Clínica de Tavistock (Londres - Reino Unido);
vivenciam quando há a ruptura Posso, no entanto, falar um pouco da Portador do Título de Especialista em Psicologia
injustificada do vínculo entre eles, fantasia dos casais de que tal instituto Clínica e Jurídica pelo CRP-06; Psicólogo Judiciá-
nem a existência dessa situação tenha como fim o restabelecimento rio do Tribunal de Justiça de São Paulo; Psicana-
em algumas famílias. Tem-se o do relacionamento. Ora, a Psicanálise lista e supervisor em consultório particular; Au-
objetivo, apenas, de reconhecer considera a fantasia como uma tor de livros e artigos sobre atuação na interface
que os fenômenos associados produção psíquica de interesse para entre Psicologia e Direito; Professor em cursos
aos conceitos de SAP e alienação o trabalho. Em perícia psicológica, de Psicologia Jurídica.
costumo agendar uma entrevista
²  Serviço de Assessoramento às Varas Cíveis e psicológica conjunta com os pais em * http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_
de Família. litígio. E já percebi a existência de tal ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm
8
ALIENAÇÃO PARENTAL

QUANDO O FILHO É O QUE MENOS IMPORTA


"Será que apenas para amargurar o pai vou desgraçá-los,
duplicando a minha dor?"

Medeia, de Eurípides

Há quase sete anos, foi sancionada a de alterar o CPC para que tais
Lei nº 12.318 (26 de agosto de 2010), a demandas tenham mais celeridade,
qual dispõe sobre a alienação parental por perceber o potencial - e irreparável
e altera o artigo 236 do Estatuto da - dano a que está sujeito o menor, em
Criança e do Adolescente – ECA (Lei razão da lentidão processual. Inegável
n.º 8.069/90). Mas, na prática, o que a importância do reconhecimento
é alienação parental? De acordo com da matéria na lei ordinária”, declara
a Lei, trata-se da “interferência na Barufi.
formação psicológica da criança ou do
adolescente promovida ou induzida por
um dos genitores, pelos avós ou pelos
que tenham a criança ou adolescente
sob a sua autoridade, guarda ou
“A SUPERVENIÊNCIA DE UMA
NORMA, MERAMENTE VÁLIDA
vigilância para que repudie genitor ou E NÃO EFICAZ, NÃO MERECE
que cause prejuízo ao estabelecimento
O CONDÃO DE RESOLUÇÃO
ou à manutenção de vínculos com
este”. É importante saber, entretanto, IMEDIATA “
que existe diferença entre ato e
consequência. Práticas abusivas
como as citadas na normativa, quando
alcançam seu grau mais elevado, Ela lembra, no entanto, que a
dão origem à Síndrome da Alienação priorização na tramitação processual
Parental - SAP. já é conhecida e prevista na
Constituição, residindo no princípio
Seus efeitos podem deixar da igualdade material (art. 5º, CF) e
cicatrizes psicológicas permanentes, na razoável duração do processo (art.
sendo recomendado tratamento 5º, LXXVIII). “Somos sensíveis a todos
para recuperação do trauma. “Caso os percalços para a garantia de um
[os traumas] não sejam tratados, processo célere. Ainda assim, não
dependendo do grau, o alcoolismo, podemos olvidar da nítida necessidade
a drogadição e até mesmo o suicídio da evolução legislativa, dados os
podem ocorrer”, alerta Melissa Telles diversos direitos emergentes, oriundos
Barufi, presidente da Comissão da do contingenciamento das relações
Infância e Juventude do Instituto humanas; contudo, a superveniência
Brasileiro de Direito de Família - de uma norma, meramente válida e
IBDFAM. O assunto é tão grave, que no não eficaz, não merece o condão de
dia 29 de março deste ano, o Senado resolução imediata, tampouco nos
Federal aprovou Projeto de Lei (PLS vislumbra um horizonte evolutivo”,
19/2016) para modificar o Código protesta a presidente da Comissão.
de Processo Civil e priorizar - em A advogada acredita que a solução
DELACROIX, Eugene. Medea.
1838. Óleo sobre tela, qualquer juízo ou tribunal - processos não está na aprovação das leis. Para
165 cm X 260 cm. desta natureza. “No objeto do presente ela, “inicia-se com a seriedade em
PL, o legislador justifica a necessidade atacar o problema e, inevitavelmente,
9
CAPA

aos recursos despendidos, análise de do Ministério Público no exercício de s e u s g e n i t o re s d e s c o n t í n u o s ,


causas, construção legislativa - a partir função prevista nesta Lei)”. Míriam irmãos, avós e outros familiares,
de pressupostos para efetivação -, sob Costa entende que as medidas descritas de forma a preservar seus vínculos
o viés da proteção do direito. É preciso nas leis 12.318/2010 e 13.058/2014 (Lei parentais e assegurar-lhes integral
medidas efetivas, e não paliativas”, da Guarda Compartilhada) constituem desenvolvimento’”, reitera. Por meio
indica. importante instrumento de coibição e do Programa, o Ministério Público
combate à alienação parental. “Talvez mineiro já garantiu espaço próprio de
Promotora de Justiça e coorde- o que falte seja sua maior utilização”, atendimento aos grupos familiares em
nadora do Programa de Efetivação adverte. situação de conflito e de convivência
dos Vínculos Familiares e Parentais entre crianças e adolescentes e seus


(Proevi) do Ministério Público de Mi- familiares, além de visitação assistida/
nas Gerais, Míriam Queiroz Lacerda monitorada (brinquedoteca); realizou
Costa defende que toda questão que MAS NÃO PODEMOS três ações educacionais, em que foram
envolva a suspensão ou restrição da ESQUECER QUE, MUITAS apresentados e discutidos - com o
convivência familiar seja tratada com público interno e parceiros - temas
prioridade, “haja vista os efeitos ne-
VEZES, O PRATICANTE DO ATO referentes à convivência familiar,
gativos que ela pode gerar, bem como PODE TER ALGUM DISTÚRBIO alienação parental, guarda, denúncias
a irreversibilidade de alguns danos,
como o enfraquecimento dos vínculos
DE ORDEM PSÍQUICA “ de falso abuso sexual e as relações
parentais em situações de violência
familiares”. Ela acredita, porém, que doméstica, entre outros.
a criminalização de algumas ações no
âmbito do Direito de Família - como a Além das normas citadas pela Para Melissa Telles Barufi, a
alienação parental, por exemplo - ten- promotora, há a Recomendação (nº própria Lei da Alienação Parental (nº
de a trazer mais prejuízos que bene- 32) do Conselho Nacional do Ministério 12.318/2010) já traz um rol de medidas
fícios, principalmente à criança e ao Público - CNMP, de 5 de abril de 2016, protetivas. Ela entende que, quando
adolescente que se pretende proteger, a qual dispõe sobre a uniformização e presentes indícios do ato, providências
“pois é possível que um ou outro se atuação do MP brasileiro, por meio de descritas na norma podem inibir
sinta responsável pelo sofrimento e políticas que fomentem o combate à ou atenuar o problema, já em seus
angústia do(a) genitor(a) acusado(a)”, Síndrome. Míriam explica que o texto primeiros momentos. “Chamamos
alega. recomenda a adoção de esforços para atenção para o inciso 1º do artigo 6º
a divulgação da alienação parental, da referida lei, o qual prescreve que o
De acordo com a promotora, a conscientiza sobre seus prejuízos, cita alienador poderá ser advertido. Esta
questão merece muito debate e a importância e eficácia da guarda advertência, se realizada de forma
reflexão. “A meu ver, a criminalização compartilhada e estimula a prática de expressiva na audiência de conciliação,
da alienação parental pode não ser ações coordenadas capazes de garantir poderá prevenir a ocorrência de atos
um instrumento necessário para o direito à convivência familiar. De mais graves, uma vez que o agente
coibir sua ocorrência e pode contribuir acordo com ela, o Ministério Público do alienador poderá ficar ciente daquilo
para o acirramento de conflitos Estado de Minas Gerais se antecipou que está praticando, caso esteja de
familiares. Creio que no ordenamento à referida Recomendação e criou, no forma inconsciente. Possível que se
jurídico vigente, várias figuras penais âmbito da Coordenadoria Estadual conscientize também de que outras
já existentes podem ser utilizadas de Defesa do Direito de Família, das medidas poderão ser aplicadas, a
quando verificada a ocorrência de atos Pessoas com Deficiência e dos Idosos exemplo da suspensão do poder
que a configuram como, por exemplo, a (CFDI), o Proevi. familiar”. Barufi explica que a mediação
desobediência (art. 330 do Código Penal familiar é outro elemento importante
Brasileiro), a denunciação caluniosa “O objetivo da criação é ‘garantir a para proporcionar reflexão ao alienador.
(art. 339 do CPB), a comunicação falsa observância do direito de crianças, “Mas não podemos esquecer que,
de crime ou de contravenção (art. 340 a d o le s c e n t e s e p e s s o a s c o m muitas vezes, o praticante do ato pode
do CPB) e o crime descrito no artigo deficiência, incapazes de exprimir ter algum distúrbio de ordem psíquica,
236 do ECA (Impedir ou embaraçar a sua vontade, à convivência familiar, o que levará à necessidade de outras
ação de autoridade judiciária, membro possibilitando-lhes maior tempo diligências, para que o processo de
do Conselho Tutelar ou representante de permanência e interação com alienação seja combatido”, completa.
10
Como dito pela advogada, a do outro e dá contraordens aos declaração do ato de alienação até a
alienação parental pode ocorrer de filhos, tendem a criar uma atmosfera suspensão da autoridade parental”,
forma inconsciente. “Um exemplo é favorável à instalação do processo de conta. Glícia revela que a providência
quando o genitor sofre o fim do seu alienação parental. Há uma hostilidade mais polêmica - e difícil de ser efetivada
relacionamento amoroso de forma que pode ser considerada natural - é a inversão de guarda, “tendo em
muito intensa na frente do filho”, quando a família está em conflito ou vista os riscos envolvidos. Apesar de
exemplifica Barufi. Ela explica que, a o casal está se separando, o que se estar sendo vítima de um abuso moral
partir daí, o filho acaba entendendo denomina de ambiente familiar hostil, emocional, a criança/o adolescente
que deve rejeitar o outro alienador, marcado por críticas mútuas, ofensas mantém, com o alienador, vínculo
para proteger o genitor que está verbais na presença dos filhos e psicológico de dependência, razão pela
sofrendo. “Aí pode estar se iniciando críticas extensivas aos familiares. Isso qual a inversão requer ponderação de
um processo que chamamos de extrapola o bom senso e afeta a criança, interesses e análise casuística”.
‘conflito de lealdade’, o que pode ser fazendo com que ela deixe de respeitar
nefasto para a criança ou o adolescente um dos genitores, criando argumentos A IDENTIFICAÇÃO DA ALIENAÇÃO
que se encontra em desenvolvimento frívolos para evitar o contato [com o PARENTAL
e não possui discernimento completo alvo da alienação] e reproduzindo a
ou necessário para entender que não hostilidade sem justo motivo. Quando Atitudes que inviabilizam ou
é parte do conflito conjugal entre seus identificados estes sinais, a alienação dificultam o efetivo exercício da
genitores”, acrescenta. parental já está instalada”, adverte. autoridade parental e o direito à
convivência familiar saudável, como


Psicóloga do Tribunal de Justiça as descritas na Constituição Federal
do Rio de Janeiro, Glícia Barbosa de de 1988 (art. 227), no Código Civil
Mattos Brazil corrobora a ideia de É IMPORTANTE, TAMBÉM, de 2002 (art. 1.634) e no Estatuto
que a alienação parental pode ser O PERITO ESTAR ATENTO da Criança e do Adolescente - ECA
praticada de maneira inconsciente. (arts. 19 e 21), por serem mais
“Isso pode ocorrer nas seguintes
AO HISTÓRICO DO explícitos, não demandam perícia
hipóteses: a) quando ele (alienador) a RELACIONAMENTO DO para a identificação da ocorrência
pratica de forma omissa; b) quando os CASAL E AOS MOTIVOS DA da alienação parental, podendo o
valores entre os genitores são muito
diferentes, e um deles insiste que seus
SEPARAÇÃO “ magistrado, desde logo, iniciar a
aplicação das medidas protetivas. A
próprios princípios são melhores que advogada Melissa Telles Barufi conta
os do outro; c) quando se posiciona no que, quando os atos de alienação
conflito conjugal de forma vitimada, A psicóloga ainda afirma que o são ocultos, se faz necessária perícia
gerando na criança a crença de que ato apresenta diferentes graus, os psicológica ou biopsicossocial. “É
o outro genitor é algoz e culpado; d) quais variam entre leve, moderado crucial salientar que o perito conheça
quando [o alienador] apresenta algum e severo, a exemplo dos sintomas, o tema e busque seguir, no mínimo, o
transtorno de ansiedade, passando-a que vão de 2 a 8. Glícia explica que a que é recomendado pelos parágrafos
para o filho e fazendo com que este alienação parental é um fenômeno do art. 5º da Lei da Alienação
acredite que o alienador quer dele uma psicológico que se agrava com o Parental. Isso porque nem sempre
resposta”, revela. passar do tempo, tornando-se cada é tarefa fácil identificar o alienador,
vez mais difícil revertê-lo. “Daí a que muitas vezes tem conduta
Glícia chama atenção para outro necessidade da intervenção célere do aparente de cuidado com os filhos, e
fato: a alienação pode ocorrer também Poder Judiciário”, alerta. “No grau busca motivos na conjugalidade para
durante o casamento ou união estável. leve, segundo a doutrina médica, a legitimar sua conduta alienadora. É
De acordo com ela, isso se dá por advertência formal pelo Tribunal faz importante, também, o perito estar
conta da soma de dois fatores: lógica inibir a evolução do fenômeno. A Lei atento ao histórico do relacionamento
adversarial entre os genitores; e 12.318/10 [da Alienação Parental] do casal e aos motivos da separação -
lavagem cerebral por parte de um trouxe, no art. 6º, um rol exemplificativo cronologia de incidentes. Dependendo
genitor em face do outro, ou de ambos de medidas protetivas, o qual adverte do caso, será preciso entender o
os genitores, mutuamente. “Casais que estas sejam aplicadas de acordo histórico familiar do agressor”,
abusivos, em que um retira a autoridade com a gravidade da ação, indo da explica.
11
CAPA

“ “
a Lei da Alienação Parental fixa, no
art. 5º, § 3º, prazo de 90 dias para
O ALIENADOR É ALGUÉM QUE conclusão da perícia psicológica A GUARDA COMPARTILHADA
NÃO SUPORTA SOZINHO AS ou biopsicossocial - formada por PODE, SIM, SER UM FORTE
MÁGOAS E FRUSTRAÇÕES médico, psicólogo e assistente social ALIADO NO COMBATE
QUE CARREGA
“ -, e orienta que o exame seja amplo,
compreenda análise de documentos,
[À ALIENAÇÃO PARENTAL]

histórico do relacionamento do
casal e da separação, cronologia
Glícia Barbosa de Mattos Brazil, de incidentes, além de exame que seja dividido de forma equilibrada
psicóloga do Tribunal de Justiça do Rio demonstre a maneira como a criança entre os genitores, tendo em vista as
de Janeiro - que fará a palestra “Como ou o adolescente se manifesta acerca condições fáticas e os interesses das
é identificada a alienação parental de eventual acusação contra o genitor. crianças e dos adolescentes. Portanto,
no âmbito das perícias e laudos “A ratio da Lei é identificar o fenômeno, seria ela capaz de pôr fim à Alienação
psicossociais?” no XI Congresso para desde logo o Estado-juiz intervir, Parental? De acordo com a psicóloga
Brasileiro de Direito das Famílias e assegurando a convivência com o pai/a Glícia Barbosa de Mattos Brazil, a
Sucessões, do Instituto Brasileiro de mãe ou a efetiva reaproximação entre guarda compartilhada pode, sim, ser
Direito de Família – IBDFAM, que será ambos”, conclui. um forte aliado no combate. “Sua
realizado de 25 a 27 de outubro, em Belo fixação tem caráter pedagógico e ensina
Horizonte - sustenta que as perícias O PERFIL DO ALIENADOR aos pais que ambos têm autoridade
são sinônimo de vistoria, exame e parental de igual importância. Além
avaliação. “Servem para identificar o “O alienador é alguém que não su- disso, no momento em que o Estado-
fenômeno da alienação, na medida em porta sozinho as mágoas e frustrações juiz estabelece a guarda compartilhada,
que mostram a dinâmica familiar e os que carrega. Assim, necessita destruir retira do alienador parcela de poder e
vínculos de afeto da criança em face de aquele que lhe causou - ou que ele de sentimento de propriedade sobre o
ambos os genitores”, diz. pensa ter causado - tal sentimento”, filho”, afirma.
conta Melissa Telles Barufi. A advoga-
Segundo ela, o método escolhido da revela que, para alcançar seu obje- A promotora de Justiça Míriam Quei-
pelo psicólogo é regido pelo princípio tivo, o agressor utiliza-se de tudo e de roz Lacerda Costa também considera
da autonomia técnica, dada pelo todos a sua volta, inclusive de seus fi- a guarda compartilhada um excelente
Código de Ética do Psicólogo, sendo lhos. “A mágoa tem um poder devasta- instrumento para evitar e combater o
o profissional obrigado a informar no dor. Sufoca as pessoas e mata-as aos problema. No entanto, ela compreen-
laudo qual o procedimento adotado, poucos. [O alienador] Pode chegar ao de que o tratamento a ser dado a cada
conforme a Resolução 007/2003 do ponto de provocar dor física na criança, grupo familiar depende de suas pró-
Conselho Federal de Psicologia. a fim de gerar prova contra seu inimi- prias características. “Penso que não
“Geralmente, o meio adotado são go”, acrescenta. há uma receita pronta e acabada. Os
entrevistas individuais com a criança, recursos disponibilizados pelo ordena-
e, separadamente, com os pais, e Desta forma, quanto antes ocorrer a mento jurídico brasileiro, pelas outras
entrevista com a criança junto do pai identificação do processo de alienação disciplinas além do Direito - como a
e da mãe, em momentos distintos parental, melhor para todos os Psicologia e o Serviço Social -, devem
- a entrevista conjunta é de suma envolvidos, inclusive para o alienador, ser utilizados de acordo com cada caso
importância, porque é neste momento que, conforme Barufi, precisa de concreto e com as especificidades de
em que o perito observa a interação tratamento psicológico - e, em certos cada família”. Opinião semelhante tem
afetiva da criança com os genitores e casos, psiquiátrico. Melissa Telles Barufi. Ela lembra que a
checa as informações trazidas pelas alienação parental pode ser praticada
partes”. GUARDA COMPARTILHADA, por variáveis atos. “Portanto, infeliz-
O ANTÍDOTO DA ALIENAÇÃO mente, desconhecemos um antídoto
Glícia lembra que, quando se trata PARENTAL? com apenas um elemento”.
de criança pequena, usa-se o método
de observação livre, sem perguntas A guarda compartilhada estabelece http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-
dirigidas. Ainda de acordo com ela, que o tempo de convívio com os filhos 2010/2010/lei/l12318.htm
12
CAPA

QUANDO A ALIENAÇÃO SE TORNA SÍNDROME


A Síndrome da Alienação Parental - SAP foi uma expressão utilizada
pelo psiquiatra norte-americano Richard Gardner para conceituar o
comportamento de crianças vítimas do fenômeno da alienação parental. Glícia
Barbosa de Mattos Brazil, psicóloga do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro,
explica que “síndrome” é um termo médico, o qual significa “conjunto de
sintomas”. “Para Gardner, a participação do Poder Judiciário era fundamental, e
o ideal seria unir punição e tratamento. O autor do termo entendia que a Alienação
Parental é uma categoria de transtorno mental, que inclui uma série de sintomas
de sofrimento psíquico. E, sendo um transtorno, deveria ser tratado como tal e
incluído na Bíblia da Psiquiatria, o Manual de Diagnósticos e Estatísticas dos
Transtornos Mentais”, afirma.

O psiquiatra compreendia que a síndrome é produto de lavagem cerebral


praticada pelo adulto alienador, seguidas de contribuições da própria criança,
ocorridas quando ela, por si só, comete gestos de alienação parental, passando
a manipular e a mentir, criando pretextos para o não convívio com o outro
genitor, tendo, como base, afirmações frívolas e injustificadas. “Percebe-se que
a alienação parental passa a ser uma ‘síndrome’ quando o menor começa a
evitar o contato sem justificativa legítima, inventando desculpas e, muitas vezes,
forjando situações que não ocorreram - as chamadas falsas memórias -, para
manter-se afastada do genitor alienado e de sua respectiva família”, esclarece
a psicóloga.

Ainda conforme Glícia Brazil, o ideal é pensar a alienação parental enquanto


sintoma da família que adoeceu, com causa multifatorial e com necessidade
de uma intervenção conjunta entre operadores do Direito [juízes, promotores,
advogados e equipe técnica do Juízo - formada por psicólogo, assistente social
e médico]. “Também é fundamental o trabalho dos assistentes técnicos e dos
psicólogos clínicos que atendem a família, pois o fenômeno é complexo, envolve
amplo conhecimento de todos os envolvidos e, muitas vezes, coloca em xeque
a efetividade das decisões judiciais, porque a intervenção do Poder Judiciário
encontra limites na reconstrução dos vínculos de afeto que se perdem com a
falta do convívio”.

O MITO MEDEIA - A mitologia grega nos trouxe Medeia. Tudo começa com
sua paixão por Jasão, a quem ajuda, com magia e astúcia, a conquistar o Velo
de Ouro. Filha de um rei, mata o próprio irmão para fugir com o amado. Mas, ao
desembarcar em Corinto, Medeia é abandonada por Jasão, que se apaixona por
Glauce, filha do rei. Na encenação da tragédia grega de Eurípides, datada de 431
a.C., Medeia, rejeitada, cega de ódio, não se contenta em assassinar a futura
mulher do seu marido, ao enviar-lhe vestido e joias envenenados. Ela personifica
a vingança contra o homem infiel, que lhe propôs torná-la sua amante. Para
atingi-lo, Medeia decide matar os próprios filhos que teve com Jasão. Antes
de fugir para Atenas, a mulher enlouquecida, mas fria e premeditada, ainda
teme pelo próprio sofrimento. Determinada, porém, comete o filicídio. Ao ver o CEZANNE, Paul. Medea. 1882. Aquarela,
desespero do marido, se sente vingada. 20 cm X 38 cm.
13
ARTIGO

ALIENAÇÃO PARENTAL, ILICITUDE CIVIL


JONES FIGUEIRÊDO ALVES
Desembargador decano do Tribunal de Justiça de Pernambuco;
Mestre em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa;
Diretor nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM);
Coordenador da Comissão de Magistratura de Família
Autor de diversas obras jurídicas;
Membro da Academia Pernambucana de Letras Jurídicas (APLJ).

A Al iena çã o Pare n tal ( A P )


configura um grave fenômeno
de disfuncionalidade nas relações de
não guardião, ou seja, uma imposição
do “não direito” ao direito de convívio.

família, e deve ser encarada como a Consabido que a autoridade


desqualificação da conduta dos pais, parental (elterliche Sorge), inerentes introduziu este novo termo, em análise
feita por um deles, perante os filhos, a ambos os pais, envolve guarda de variáveis. Uma delas, a alienação
denegrindo-se a imagem do outro (Personensorge) e administração dos induzida contra genitores idosos que
genitor no interesse de prejudicar a bens (Vermögenssorge), ocorrendo “manipulados por um dos parentes
relação afetiva paterno-filial. um deles prejudicar o exercício, afastam-se dos demais familiares, em
configura-se, às expressas, a ilicitude virtude de interesses financeiros do
Constitui ilicitude civil como abuso civil. Obstáculos a uma regular alienador”.
de direito do poder parental, por convivência com o filho, estorvos
importar abuso emocional do alienador frequentes a dificultar o poder parental A alienação parental reclama,
e a destruição de vínculos afetivos do genitor, são atos alienadores, por concretude judiciária, que seja
existentes entre a criança e o pai externalizados, a n t e s d e m a i s , admitida como crime. A prática é um
alienado. Eis o ponto nuclear, a premissa p e l a s v i s i t a s interceptadas. delito cometido contra o próprio filho,
base, para a responsabilização civil. padecente da Síndrome da Alienação
Apontar a alienação como síndrome Não há como negar a aplicação do Parental (SAP), ao colocá-lo permanente
(SAP), serve como consequência das dano moral sob esfera do art. 2º da Lei vítima psicológica dos interesses do
práticas disfuncionais da alienação. nº 12.318/2010, cumulando-se o pedi- alienador. São filhos órfãos de pais
do da declaração da alienação parental vivos. Projeto de Lei nº 4488/2016-CD,
Esses dois eixos de análise, no plano com o de dano moral. Estudo de Pedro de 10.02.16, criminaliza os atos, com
judicial, devem ser demarcados, a Gabriel Arêdes tratou da condenação reversão da guarda, sem prejuízo de
partir de uma necessária diferenciação, pelo dano moral em caso de alienação a pratica da alienação também poder
por prova segura e capaz de infirmar parental comprovada (In: Âmbito Jurí- caracterizar calúnia, já prevista como
as situações postas a exame. dico, Rio Grande, XIX, n. 155, dez 2016. ilícito penal.
Ele destaca: “Também pode haver a
Os atos de alienação atuam cumulação da multa sancionatória do Embora a Lei 12.318/2010 não es-
no espectro da crise pós-ruptura artigo 6°, inciso III, da Lei de Alienação gote as formas da alienação parental,
convivencial, por atitudes do progenitor Parental, com a condenação por dano certo é que Pais desconstruídos bus-
guardião, figurando a alienação como moral, no mesmo ato judicial”). cam nela a sua dignidade.
um processo insidioso e continuado.
Nesse viés, alinha-se, logo, a prática Outro recente estudo, “Alienação O autor fará palestra no XI Congresso Brasileiro
turbativa e de impedimento ao livre Familiar Induzida”, de Bruna Barbieri de Direito das Famílias e Sucessões, de 25 a 27 de
exercício do poder familiar pelo genitor Waquim (Ed. Lumen Juris, 2015), outubro, em Belo Horizonte.
14
ARTIGO

ALIENAÇÃO PARENTAL DE IDOSO


ANGELA GIMENEZ
Graduada pela Faculdade de Direito da PUC-SP;
Juiza Titular da 1ª Vara Especializada de Família e Sucessões de Cuiabá/MT;
Presidente do IBDFAM de Mato Grosso;
Docente da Escola da Magistratura de Mato Grosso – EMAM;
Fundadora do Movimento Nacional de Direitos Humanos;
Especialista pela Faculdade Estácio de Sá.

A lei 12.318/10 regulamenta as


situações de alienação parental
que envolvem a criança e o adolescen-
do alienador tendo seus sentimentos
manipulados ou confundidos, o que
implica em grave dano à sua saúde
te, apresentando um arcabouço biopsicossocial. Assim, enquanto não
protetivo de uma fase peculiar do de- haja uma lei específica de combate seu contato com todos os ramos da
senvolvimento humano, consistente na à alienação parental do idoso, temos família.
infância e adolescência. que a lei n° 12.318/10 deve ser usada
por analogia, porque tanto a população Essa inovação legislativa incorporou
Essa lei especial tem como principal infantojuvenil como a população a prática dos Tribunais e das Varas das
objetivo garantir o pleno desenvolvimen- idosa se encontra em situação de Famílias de todo o Brasil, que há muito
to do ser humano em suas aptidões, de- vulnerabilidade, dada a fase peculiar vinha concedendo o compartilhamen-
sejos, projetos, enfim, em sua autorrea- de seus dias, estando, pois, ambas to, como forma de efetivação do direito
lização. amparadas pelo macro princípio da fundamental da dignidade da pessoa
proteção integral. humana.
Nesse sentido a lei de combate à
alienação parental é, sem dúvida, um Em consonância com os ditames da Assim, diante de tantas situações
mecanismo de fortalecimento das lei de combate à alienação parental, adversas que rondam a população
famílias, na busca do cumprimento vemos que o Estatuto do Idoso, em seu idosa, um importante desafio se
de seu papel que é propiciar a todos artigo 4º, põe a salvo as pessoas senis agiganta diante da sociedade e dos
os seus integrantes a realização de de toda e qualquer forma de violência, poderes constituídos que é a efetivação
seu projeto de felicidade. No Brasil física, psicológica ou social. O direito do direito fundamental ao cuidado e ao
não há uma lei especifica que trate à convivência familiar e comunitária é amparo, resguardada a ética que se
sobre a alienação parental de idosos, legado constitucional havendo de ser deve ter, diante do projeto de felicidade
no entanto, chegam, diariamente, preservada em todas as fases da vida, de cada um.
aos tribunais, denúncias de grave dentro de um estado democrático de
violação à sua cidadania e integridade direito. Projeto este, singular, único,
psicológica, quando, em muitos casos, subjetivo, que diz respeito às
estes necessitam voltar a residir com Visando garantir à amplitude da convicções e valores de quem muito
seus filhos ou com outros parentes, família, calcada na afetividade, o já viveu e que é hoje resultado de seu
quer seja em razão de debilidade de Estatuto da Pessoa com Deficiência passado. A família deve resguardar o
sua saúde, quer seja por problemas dispôs sobre a curatela compartilhada, querer de seus idosos, afastando-os
financeiros. podendo esta se configurar em antídoto da segregação e de certa infantilização
à alienação parental, na medida em que se presencia, quando seus desejos
Nesse contexto de unilateralidade o que propicia o convívio do idoso com são desconsiderados, porque amar é
idoso passa a se submeter à vontade múltiplos parentes, tornando possível antes de tudo respeitar.
15
LAZER

DICA DE LIVRO FILMES

Em Ofício de escrever, o escritor e teólogo Frei Betto discorre


sobre seus hábitos, técnicas e os pequenos macetes que adquiriu
com a experiência, oferecendo dicas preciosas para estudantes,
professores e aspirantes a escritor. Ele também examina os
processos criativos de autores diversos, prestando uma verdadeira
homenagem à literatura. O autor bateu um papo com a Revista
IBDFAM.
A MORTE INVENTADA
Uma separação conjugal mal
No seu livro, Ofício de escrever, o senhor fala sobre algumas técnicas que adquiriu ao
conduzida gera vítimas da alienação
longo dos anos. O que representa o ofício de escrever? Por quê?
parental. Pais e filhos revelam o que
É o meu ofício por excelência!!! Primeiro, ponho no papel o aluvião de ideias. Depois é que
sofreram com esse tipo de abuso e
procuro dar forma literária. Sobretudo em se tratando de crônica ou ficção, que exigem trata-
suas consequências. No drama, A
mento estético. Ficção é beleza, mais que conteúdo. Considero também importante assumir
morte inventada - alienação parental
o ofício com seriedade profissional, dedicando tempo, lendo os clássicos (e observando como
profissionais de direito, psicologia e
escreviam) e dominando as regras da sintaxe e da gramática.
serviço social discorrem sobre as causas
e apontam soluções para o problema.
O senhor também mostra alguns processos criativos de autores, como Shakespeare e
Documentário/ Ano: 2009 / Direção:
Cervantes. É possível identificar uma mesma característica entre os autores citados em seu
Alan Minas
livro?
Os clássicos são o termômetro de um tempo e a bússola de novos horizontes. Por isso se
tornaram clássicos. Seus textos ultrapassam os séculos, são sempre atuais por serem polis-
sêmicos e permitem amplo leque de hermenêuticas.

O senhor está ultrapassando a marca de 60 livros publicados. O que mudou desde a


primeira obra e o que aponta como característica que se manteve?
Mudou o cuidado com a palavra, a frase, o período. Leio em voz alta o que escrevo, pois o
ouvido denuncia os cacos. Antes eu era apenas um escritor. Depois que me tornei um autor a
responsabilidade aumentou, sobretudo porque criei uma legião de leitores fiéis à minha obra.
Uma característica que mantive é escrever em silêncio, primeiramente à mão e, em seguida,
no computador (antes, na máquina de escrever).

É possível alcançar a perfeição em escrever? Por quê?


Não, a perfeição não existe, pois se existisse poria limite à criatividade humana. E todo artis-
ta é um clone de Deus.

Escrever um bom texto é sempre um desafio. A redação do Enem, por exemplo, sempre é A LULA E A BALEIA
motivo de preocupação para os estudantes. Quais dicas o senhor pode dar sobre isso? Distanciamento, laços rompidos,
Três dicas: ler, ler e ler, especialmente os clássicos. Fazer como aquele repórter do Miami mágoas, frustrações. É o resultado de
Globe que, não sabendo como redigir bem, copiava à mão os textos dos romances de [Ernest] um divórcio conturbado, que atinge
Hemingway. Assim, não apenas se tornou um excelente jornalista, como amigo íntimo do es- pais e filhos, e dá a tônica do filme A
critor. Isso está retratado no filme Papa, sobre a vida de Hemingway em Cuba. lula e a baleia. Trata-se de uma trama
provocativa que alerta sobre os riscos
O uso da tecnologia (como aplicativos de mensagens) atrapalha ou ajuda na hora de de se perderem os vínculos afetivos nas
escrever? A comunicação entre as pessoas ficou prejudicada? Por quê? relações familiares.
O prejuízo consiste na redução da linguagem, na pobreza dos termos, na falta de atenção à Drama/ Ano: 2011 / Direção: Noah
sintaxe. A tecnologia em si não tem nenhuma culpa. Pelo contrário, é excelente ferramenta. Baumbach / Elenco: Jeff Daniels, Laura
Muitos é que não sabem usá-la para aprimorar a linguagem e não para atrofiá-la. Linney, Jesse Eisenberg, Owen Kline

16
Junte-se a nós:
Seja um parceiro!

O Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM


gostaria de tê-lo como parceiro em nosso XI Congresso
Brasileiro de Direito das Famílias e Sucessões, um dos
maiores fóruns de debates sobre o tema da América
Latina. A previsão de público é de mil participantes, em
evento que reúne renomados especialistas da área. A
repercussão é enorme, com cobertura simultânea em
nossas redes sociais.

INFORMAÇÕES 25, 26 e 27 de outubro de 2017,


(31) 3324-9280 no Ouro Minas Palace Hotel
www.ibdfam.org.br www.ibdfam.org.br/congresso2017 BH / MG

PARCEIROS

Campos de Carvalho
Sociedade de Advogados
OAB/SP 11.339

Nena Sales Pinheiro


D I R E I T O D E FA M Í L I A E S U C E S S Õ E S