“Uma das maiores dádivas de Deus ao homem é a liberdade de escolha.

Bem cedo na vida, o homem se encontra numa encruzilhada em que deve escolher uma de duas estradas—a certa, que leva ao progresso e à felicidade; e a errada, que leva a atraso e à infelicidade. Foi estabelecido por uma lei eterna que toda alma humana, pelas escolhas que faz, molda seu próprio destino. Nosso sucesso e fracasso, paz ou descontentamento, felicidade ou miséria, dependem das escolhas que fazemos todos os dias (...). Há pouco tempo, conversei com um rapaz que disse: ‘Estou cansado e farto de que me digam “Você tem que fazer isto”, ou “Você tem que fazer aquilo”. Quero ser livre para decidir por mim mesmo o que desejo fazer.’ Minha resposta foi: ‘Você é livre para escolher exatamente o que deseja fazer, desde que não afete ou restrinja a liberdade e os direitos dos outros, mas deve ser responsável por suas ações e estar preparado para arcar com as conseqüências’”. (Seek Ye First the Kingdom of God, pp. 83, 116.)

“Uma das maiores dádivas de Deus ao homem é a liberdade de escolha.
Bem cedo na vida, o homem se encontra numa encruzilhada em que deve escolher uma de duas estradas—a certa, que leva ao progresso e à felicidade; e a errada, que leva a atraso e à infelicidade. Foi estabelecido por uma lei eterna que toda alma humana, pelas escolhas que faz, molda seu próprio destino. Nosso sucesso e fracasso, paz ou descontentamento, felicidade ou miséria, dependem das escolhas que fazemos todos os dias (...). Há pouco tempo, conversei com um rapaz que disse: ‘Estou cansado e farto de que me digam “Você tem que fazer isto”, ou “Você tem que fazer aquilo”. Quero ser livre para decidir por mim mesmo o que desejo fazer.’ Minha resposta foi: ‘Você é livre para escolher exatamente o que deseja fazer, desde que não afete ou restrinja a liberdade e os direitos dos outros, mas deve ser responsável por suas ações e estar preparado para arcar com as conseqüências’”. (Seek Ye First the Kingdom of God, pp. 83, 116.)

“Uma das maiores dádivas de Deus ao homem é a liberdade de escolha.
Bem cedo na vida, o homem se encontra numa encruzilhada em que deve escolher uma de duas estradas—a certa, que leva ao progresso e à felicidade; e a errada, que leva a atraso e à infelicidade. Foi estabelecido por uma lei eterna que toda alma humana, pelas escolhas que faz, molda seu próprio destino. Nosso sucesso e fracasso, paz ou descontentamento, felicidade ou miséria, dependem das escolhas que fazemos todos os dias (...). Há pouco tempo, conversei com um rapaz que disse: ‘Estou cansado e farto de que me digam “Você tem que fazer isto”, ou “Você tem que fazer aquilo”. Quero ser livre para decidir por mim mesmo o que desejo fazer.’ Minha resposta foi: ‘Você é livre para escolher exatamente o que deseja fazer, desde que não afete ou restrinja a liberdade e os direitos dos outros, mas deve ser responsável por suas ações e estar preparado para arcar com as conseqüências’”. (Seek Ye First the Kingdom of God, pp. 83, 116.)

“Uma das maiores dádivas de Deus ao homem é a liberdade de escolha.
Bem cedo na vida, o homem se encontra numa encruzilhada em que deve escolher uma de duas estradas—a certa, que leva ao progresso e à felicidade; e a errada, que leva a atraso e à infelicidade. Foi estabelecido por uma lei eterna que toda alma humana, pelas escolhas que faz, molda seu próprio destino. Nosso sucesso e fracasso, paz ou descontentamento, felicidade ou miséria, dependem das escolhas que fazemos todos os dias (...). Há pouco tempo, conversei com um rapaz que disse: ‘Estou cansado e farto de que me digam “Você tem que fazer isto”, ou “Você tem que fazer aquilo”. Quero ser livre para decidir por mim mesmo o que desejo fazer.’ Minha resposta foi: ‘Você é livre para escolher exatamente o que deseja fazer, desde que não afete ou restrinja a liberdade e os direitos dos outros, mas deve ser responsável por suas ações e estar preparado para arcar com as conseqüências’”. (Seek Ye First the Kingdom of God, pp. 83, 116.)

“Uma das maiores dádivas de Deus ao homem é a liberdade de escolha.
Bem cedo na vida, o homem se encontra numa encruzilhada em que deve escolher uma de duas estradas—a certa, que leva ao progresso e à felicidade; e a errada, que leva a atraso e à infelicidade. Foi estabelecido por uma lei eterna que toda alma humana, pelas escolhas que faz, molda seu próprio destino. Nosso sucesso e fracasso, paz ou descontentamento, felicidade ou miséria, dependem das escolhas que fazemos todos os dias (...). Há pouco tempo, conversei com um rapaz que disse: ‘Estou cansado e farto de que me digam “Você tem que fazer isto”, ou “Você tem que fazer aquilo”. Quero ser livre para decidir por mim mesmo o que desejo fazer.’ Minha resposta foi: ‘Você é livre para escolher exatamente o que deseja fazer, desde que não afete ou restrinja a liberdade e os direitos dos outros, mas deve ser responsável por suas ações e estar preparado para arcar com as conseqüências’”. (Seek Ye First the Kingdom of God, pp. 83, 116.)

“Uma das maiores dádivas de Deus ao homem é a liberdade de escolha.
Bem cedo na vida, o homem se encontra numa encruzilhada em que deve escolher uma de duas estradas—a certa, que leva ao progresso e à felicidade; e a errada, que leva a atraso e à infelicidade. Foi estabelecido por uma lei eterna que toda alma humana, pelas escolhas que faz, molda seu próprio destino. Nosso sucesso e fracasso, paz ou descontentamento, felicidade ou miséria, dependem das escolhas que fazemos todos os dias (...). Há pouco tempo, conversei com um rapaz que disse: ‘Estou cansado e farto de que me digam “Você tem que fazer isto”, ou “Você tem que fazer aquilo”. Quero ser livre para decidir por mim mesmo o que desejo fazer.’ Minha resposta foi: ‘Você é livre para escolher exatamente o que deseja fazer, desde que não afete ou restrinja a liberdade e os direitos dos outros, mas deve ser responsável por suas ações e estar preparado para arcar com as conseqüências’”. (Seek Ye First the Kingdom of God, pp. 83, 116.)