You are on page 1of 11

MUSICOTERAPIA COMO FERRAMENTA TERAPÊUTICA NO SETOR DA SAÚDE:

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA


Marilise Fátima de OLIVEIRA1
Gleidson Brandão OSELAME2
Eduardo Borba NEVES3
Elia Machado de OLIVEIRA4

1
Enfermeira. Centro Universitário Campos de Andrade. Curitiba/PR.
1
Enfermeiro. Mestre em Engenharia Biomédica. Centro Universitário Campos de Andrade. Curitiba/PR.
1
Fisioterapeuta. Doutor em Saúde Pública. Centro Universitário Campos de Andrade. Curitiba –PR.
1
Enfermeira. Mestre em Cirurgia. Centro Universitário Campos de Andrade. Curitiba –PR.
Recebido em: 22/09/2014 - Aprovado em: 27/11/2014 - Disponibilizado em: 15/12/2014

Resumo
Dentre as terapias complementares e integrativas mais usadas destaca-se a música como recurso
terapêutico, promovendo alterações físicas, mentais e sociais, repercutindo na recuperação e
resposta ao tratamento de diversas enfermidades. Neste sentido, objetivou-se identificar as
especialidades do setor da saúde em que a musicoterapia vem sendo aplicada como ferramenta
terapêutica e seus benefícios. Tratou-se de um estudo de revisão sistemática realizada na base de
dados do Scientific Electronic Library Online (Scielo), Literatura Latina Americana em Ciência
de Saúde (LILACS) e Base de Dados de Enfermagem (BDENF), utilizando-se o descritor
“musicoterapia”. Observou-se o uso da música nas especialidades: Ginecologia, obstetrícia e
neonatologia (n=3); Nefrologia (n=1); Otorrinolaringologia (n=2); Cardiologia (n=3); Neurologia
(n=1); Pediatria (n=1) e Oncologia e cuidados paliativos (n=4). Emergiram ainda estudos que
apontavam os benefícios da música (n= 4). Os estudos demonstraram que a musicoterapia
proporciona sensações de alegria, felicidade, bem-estar, relaxamento, mudança de rotina,
entretenimento, redução de sintomas, recordações positivas, companhia e sensação de passagem
mais rápida do tempo. Quando aplicada em pacientes terminais e familiares, demonstrou que a
utilização da música promove a comunicação e melhora o relacionamento interpessoal entre o
doente e sua família. A arte da terapêutica da musicoterapia traz a possibilidade da inovação no
atendimento proporcionando qualidade de vida na evolução do tratamento. Portanto, a
musicoterapia pode ser uma alternativa eficaz, independente do profissional que a empregue.
Palavras-chave: Musicoterapia, Terapêutica, Humanização.

INTRODUÇÃO Atualmente estas ações extrapolam


ambientes como consultórios, hospitais ou
No sentido de promover a saúde é unidades de saúde. Destaca-se que seja qual
fundamental uma abordagem for o ambiente, cada vez mais atividades
interdisciplinar, objetivando a prevenção, complementares ao tratamento estão sendo
tratamento e cura de agravos de saúde. inseridas (1-3).
871

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
Dentro da área da saúde, atividades auditivo que em relação com as outras partes
complementares são entendidas como um do corpo, por meio de suas conexões e
conjunto de cuidados e práticas como parte extensões influencia a circulação, digestão,
das atividades e técnicas convencionais (4). respiração e nutrição (6).
Atualmente, houve grandes avanços no uso A área de atuação da musicoterapia é
de práticas integrativas e terapêuticas no muito ampla, podendo beneficiar desde
tratamento para reabilitação da população, crianças até mesmo pessoas idosas. Como
dentre elas: hidroginástica, acupuntura, recurso utilizado com as crianças
Yoga, meditações, massagens e música. hospitalizadas evidenciou-se os benefícios
Práticas estas que beneficiam a saúde do da música para seus familiares, equipe de
individuo(4). saúde e em especial as crianças. Este recurso
Dentre as terapias complementares e pode ser aplicado na área da saúde como
integrativas mais usadas destaca-se a música uma intervenção de baixo custo, não-
como recurso terapêutico. Esta visa à farmacológica e não-invasiva, promovendo
qualidade de vida do sujeito em situações um processo de desenvolvimento que visa à
que promove alterações físicas, mentais e saúde da criança, da família e dos
sociais, repercutindo na recuperação e trabalhadores (7).
resposta ao tratamento de diversas Em um estudo realizado com recém
enfermidades. Sabe-se que há milênios, nas nascidos pré termos, objetivou-se descrever
culturas antigas a música era usada como as respostas fisiológicas quando submetidos
recurso terapêutico para diminuir o à musicoterapia clássica. Realizaram-se
sofrimento(5). Foi utilizada na guerra da sessões de musicoterapia durante 15 minutos
Criméia, por Florence Nightingale, como duas vezes por semana, no período
tratamento para amenizar a dor (6). vespertino e matutino. Alguns dos benefícios
Como forma de comunicação, a observados foram à redução da pressão
música a partir de aspectos emocionais, arterial sistólica e diastólica e a melhora da
produz sentimentos variados, e pode trazer frequência cardíaca e respiratória e
conforto a quem ouve, induz o indivíduo à temperatura corporal (8).
percepção de si na sua singularidade. Tal Em um estudo realizado com idosos,
fato relaciona-se com a anatomia do sistema objetivou-se descrever os efeitos da

872

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
utilização da música como ferramenta do resultados de pesquisa na prática assistencial
cuidado a pessoa idosa. Os resultados (11).
evidenciaram a pertinência do tema para uso Para nortear a revisão sistemática
na promoção da saúde da população idosa e utilizaram-se os sete passos indicado pelo
alertando a necessidade de intervenção pelos Cochrane Handbook. Este se trata de um
profissionais da saúde (9). No entanto, não modelo para que os pesquisadores
há ainda um consenso sobre o uso da música acompanhem as etapas para realizar a
quanto aos seus benefícios e muitos setores seleção dos artigos; formulação da pergunta
da saúde ainda a desconhecem como que irá delinear a pesquisa; busca e seleção
ferramenta terapêutica. Desta forma, o dos estudos; avaliação criteriosa dos estudos;
objetivo do presente artigo foi identificar as coleta e síntese dos dados (12).
especialidades do setor saúde em que a A revisão orientou-se a partir da
musicoterapia vem sendo aplicada como seguinte pergunta: Quais as especialidades
ferramenta terapêutica e seus benefícios aos do setor saúde em que a musicoterapia vem
pacientes. sendo aplicada como ferramenta terapêutica
e quais os benefícios do método nas
METODOLOGIA diferentes patologias e populações?
Os dados coletados abrangeram as
Optou-se pela revisão sistemática
produções científicas sobre musicoterapia
qualitativa, a qual utiliza métodos para
produzida entre os anos de 2005 a 2014,
sintetizar o conhecimento das pesquisas e
indexados em banco de dados eletrônicos da
metodologias utilizadas nos estudos
Biblioteca Virtual em Saúde, utilizando-se
primários, sejam eles qualitativos ou
de todas as bases de dados nacionais e
quantitativos, por meio de análise descritiva
internacionais disponíveis na Literatura
(10). Constitui-se em um valioso método
Latina- Americana em Ciência de Saúde
para a melhoria da assistência, visto que
(LILACS), na Base de dados de
potencializa a atualização dos profissionais
Enfermagem (BDENF) e na Scientific
da saúde ao sintetizar o conhecimento acerca
Electronic Library Online (SciELO). A
de um tema especifico, de forma objetiva e
busca foi realizada por intermédio do
reproduzível. Portanto, destacar evidências
descritor ‘’musicoterapia’’, conforme a
acerca de práticas estimula-se a aplicação de
873

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
classificação dos Descritores em Ciências da A partir dos critérios de inclusão, a
Saúde (DeCS, 2014). seleção dos artigos resultou em três fases: 1)
Para a seleção dos artigos, foram exclusão das publicações repetidas nas bases
estabelecidos como critérios de inclusão: de dados; 2) leitura do título e resumo das
artigos publicados e indexados nas bases de publicações restantes, com exclusão
dados selecionadas, publicados entre 2005 a daquelas que não atendiam aos objetivos
2014; com acesso do texto na íntegra online desta revisão; 3) avaliação criteriosa dos
e gratuitamente. O recorte histórico artigos através da sua leitura na íntegra,
escolhido justifica-se pelo interesse em seguida da elaboração de tabelas sinópticos
abranger os artigos publicados desde a com os dados coletados. A Figura 1
criação até a atual implementação da Política apresenta os passos referentes à seleção dos
Nacional de Humanização. artigos.

Figura 1 – Fluxograma do processo de seleção dos estudos.

Posteriormente, os dados foram seleção dos artigos; e 2) análise


analisados em duas etapas: 1) processo de contemplando o seguinte aspecto:

874

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
observação dos artigos que não utilizaram na DISCUSSÃO
construção ou resultados da pesquisa a
Na vida da população a música está
palavra terapia ou terapêutica, pois na
presente tradicionalmente em vários rituais
questão norteadora evidencia-se: aplicada
importantes. Desde melodias apropriadas
como ferramenta terapêutica.
para aniversário, músicas para festas cívicas,
casamento, músicas de ninar, para rituais
RESULTADOS
religiosos, para funerais, dentre outros.
Assim, encontrada nas populações mais
Com relação à musicoterapia
primitivas e nas desprovidas de tecnologias,
aplicada como ferramenta terapêutica,
descrita em todas as culturas do mundo (13).
resultaram estudos nas seguintes
As especialidades que citam o uso da música
especialidades: Ginecologia, obstetrícia e
como ferramenta terapêutica e seus
neonatologia (n=3); Nefrologia (n=1);
benefícios são apresentadas a seguir:
Otorrinolaringologia (n=2); Cardiologia
(n=3); Neurologia (n=1); Pediatria (n=1) e
Ginecologia, obstetrícia e neonatologia
Oncologia e cuidados paliativos (n=4).
Emergiram ainda estudos que apontavam os
A música foi aplicada no trabalho de
benefícios da música (n= 4).
parto. As gestantes foram entrevistadas após
Os autores possuíam como formação
o parto e constatou-se que a música
acadêmica a Enfermagem (n=23); medicina
minimizou os desconfortos do parto e
(n=6); a odontologia (n=5); professor
facilitou a adaptação do bebê nos primeiros
universitário (n=4); fisioterapia (n=4);
meses de vida (13).
fonoaudiologia (n=2). Considerando a
Outro estudo revelou que a
proporção de artigos publicados por ano de
intervenção da música na unidade de terapia
publicação, observou-se um crescimento no
intensiva neonatal (UTINEO) pode trazer
ano de 2011 (n=11), seguido por um declínio
benefícios para lactentes e para as mães
nas publicações relacionadas ao tema no ano
como redução dos comportamentos de
de 2014 (n=1).
estresse, avaliados com expressões faciais de
prazer (vocalização, sorriso, sucção, reflexo
cócleopalpebral), ganho de peso, melhora as
872

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
saturação de oxigênio, regulação da como método de terapia auditivo-oral aos
frequência cardíaca, respiratória e pacientes. A pesquisa propiciou novos
temperatura corporal (14-15). conhecimentos para intervenção com a
população que utiliza implantes cocleares e
Nefrologia outros aparelhos auditivos.
Quando utilizada em ambulatório de
Em uma pesquisa realizada no otorrinolaringologia, a música teve grande
município de Alfenas, estado de Minas influencia em um caso de um menino de um
Gerais, no ano de 2006 em uma clinica de ano e 10 meses, prematuro de 36 semanas,
hemodiálise, foram avaliados 30 sujeitos que que até o seis meses não tinha emitido sons,
realizavam hemodiálise na mesma sala com pouca fala e andar desequilibrado. Com um
música ao fundo. Nestes sujeitos, mostrou- ano de idade foi reavaliado pela
se uma terapia complementar positiva otorrinolaringologista quanto à função
proporcionando sensações de alegria, auditiva e paralelamente ao tratamento
felicidade, bem-estar, relaxamento, mudança médicos convencionais, participou de quatro
de rotina, entretenimento, ausência de sessões semanais de musicoterapia. Seu
sintomas, recordações positivas, companhia desenvolvimento de sociabilidade melhorou
e o tempo passou mais rápido após a além de aprender a falar palavras novas a
intervenção. Assim de acordo com os relatos cada sessão, andou com mais equilíbrio,
dos sujeitos, concluíram um efeito dançava e cantava cantigas de crianças,
terapêutico satisfatório (16). embalando chocalhos infantis com
entusiasmo cooperando para seu
Otorrinolaringologia desenvolvimento neuromotor (18).

No estudo de Yina Quique (17)


objetivaram documentar a reabilitação de Cardiologia
pacientes com deficiência auditiva, perda de
implantes cocleares e outros aparelhos A música também demonstrou
auditivos. Evidenciou-se a comunicação influencia no sistema cardiovascular.
entre a musicoterapia e a fonoaudiologia Evidenciou-se a melhora da variabilidade da

873

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
frequência cardíaca em pacientes com câncer paciente conviveu melhor com a doença de
de mama pela liberação de dopamina no Parkinson, minimizando assim seu
sistema estriatal induzida por músicas sofrimento, implicando numa melhor adesão
prazerosas envolvido na regulação ao tratamento e beneficiando a relação como
autonômica cardíaca (19). os profissionais e familiares que o cercam.
Noutro estudo que pesquisou a
influência do sistema cardiovascular e Pediatria
estimulação auditiva por meio de música,
indicou a melhora da variabilidade cardíaca Em um estudo que objetivou
dos pacientes (20). reconhecer a eficiência da musicoterapia no
O uso da música foi avaliado em um controle da ansiedade durante o tratamento
grupo de hipertensos de ambos os sexos, odontológico em pacientes com síndrome de
maiores de 50 anos e em uso contínuo de Down, com participação voluntária de 30
medicamentos. Participaram de sessões crianças de 5 a 14 anos de idade, dividas em
musicoterápicas semanais por doze semanas. dois grupos de 15, grupo controle e grupo
Após este período, observou-se melhora exposto à música. Durante a consulta
significativa na qualidade de vida e controle odontológica, foi utilizada a escada
da pressão arterial, sinalizando que essa analógica de caras como forma de avaliação,
atividade pode ter uma abordagem de e ao comparar o nível de ansiedade e
atendimento multidisciplinar aos pacientes comportamento dos grupos, ficou evidente
hipertensos (21). que no grupo exposto à música, 80% das
crianças não apresentaram sinais de
Neurologia ansiedade. Já no grupo controle apenas 27%
das crianças não apresentaram sinais de
Um estudo realizado por Côrte et al., ansiedade. Desta forma, a musicoterapia
(22) objetivou-se utilizar a música como diminuiu significativamente os níveis de
atividade terapêutica para pessoas com ansiedade no grupo exposto a música (23).
doença de Parkinson. O estudo foi realizado
com dez pacientes da Associação Brasil
Parkinson (ABP). Evidenciou-se que o

874

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
Oncologia e cuidados paliativos entrevistas individuais e constatou-se que a
utilização da música proporcionou sensações
Num estudo qualitativo de Sales et de cuidado, estimulando ao tratamento e a
al., (24) objetivaram compreender a aceitação da patologia (26).
influência das vivências musicais na saúde A música também foi implantada
física e mental de familiares de pacientes para avaliar os efeitos no alívio da dor de
terminais. A forma metodológica escolhida pacientes oncológicos com dor crônica e
foi à entrevista e observação. Os resultados identificar se ocorrem alterações nos sinais
demonstraram que a utilização da música vitais. Foram avaliados dez pacientes, em
contempla os preceitos filosóficos e que houve redução de todos em relação à
humanitários dos cuidados paliativos, intensidade da dor e estabilização dos sinais
utilizado como recurso complementar para vitais. Os pacientes relataram sensação de
promover comunicação e melhorar o relaxamento, alivio da dor e enxergaram na
relacionamento interpessoal entre o doente e música uma forma de terapia (27).
sua família.
Um estudo semelhante com Benefícios da música
acompanhantes de pacientes com câncer e
tratamento antineoplásico em uma casa de A musicoterapia é uma forma
apoio, constatou-se que a música terapêutica que utiliza a música para facilitar
proporciona aos familiares um momento e promover a comunicação, aprendizagem,
essencial no enfrentamento de sua condição mobilização, inter-relação, expressão,
e percepção de suas necessidades organização, abrangendo outros alvos
existenciais e espirituais, ampliando as terapêuticos relevantes, a fim de atender as
possibilidades de integração e humanização necessidades físicas, mentais, emocionais,
(25). cognitivas e sociais (17).
Em uma pesquisa realizada na casa Em um estudo realizado por Valencia
de apoio da rede feminina de combate ao et al., (28) no México, foram comparadas
câncer de Maringá, no ano de 2011, as três formas terapêuticas (psicossociais, a
usuárias participaram em oito encontros musicoterapia e as terapias múltiplas).
musicais. Em seguida, foram avaliados por Foram inclusos 58 pacientes que sofriam de

875

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
esquizofrenia e que receberam a terapia por CONCLUSÃO
6 meses. Foi evidenciado que a terapia
Constatou-se diversas influências da
psicossocial e musicoterapia tiveram um
música nas diferentes populações e
maior grau de adesão terapêutica e taxas de
patologias, bem como suas potencialidades
recaída e reinternação menores.
como parte do cuidado terapêutico. As
No estudo conduzido por Da Rocha
estratégias descritas contribuem para a
et al., (29) buscaram compreender o
melhoria da assistência no setor da saúde,
funcionamento do cérebro humano
constituindo um pilar para a humanização e
utilizando a música. Utilizaram uma revisão
colaborando na reestruturação do processo
de trabalhos internacionais publicados na
de promoção de saúde.
última década, que relacionavam a música e
A música se mostrou capaz de
neurociência. Concluíram que há benefícios
proporcionar relaxamento, distração, bem-
da neurociência para o campo da
estar, recordações agradáveis e conforto.
musicoterapia como método de reabilitação.
Destaca-se negativamente o declínio
Em outro estudo de Da Fonseca et
ocorrido nos últimos anos de publicações
al., (30) objetivou analisar a credibilidade e
acerca da temática.
aceitação da musicoterapia aos clientes e
São várias as áreas da saúde que
percepção dos profissionais
usam a música como um recurso terapêutico,
musicoterapeutas. A pesquisa foi
principalmente com crianças, pacientes
desenvolvida entre 2003 e 2004, em
oncológicos e estimulação autonômica
Goiânia. Verificou-se que a maioria dos
cardíaca e mecanismo auditivo. Para este
profissionais acredita na música como
trabalho se desenvolva é fundamental
ferramenta terapêutica. Destacaram ainda
ciências como a enfermagem, medicina,
que a música seja capaz de transmitir
odontologia, fisioterapia, fonoaudiologia e
sensações agradáveis e atua de forma eficaz
outros. De forma multidisciplinar, fazendo
no processo de cura de algumas doenças.
com que o tratamento seja mais eficaz.
Ressalta-se, no entanto, a necessidade de ser
Portanto, o uso da música e uma
divulgada com maior eficácia para a
terapêutica complementar valiosa, que
população.
exerce influência sobre aspectos
neurocognitivos, emocionais, psíquicos e
876

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
sociais dos pacientes, desempenhando fisiológicas de recém-nascidos pré-termo
submetidos à musicoterapia clássica. Rev
importante papel na manutenção e melhora
Paul Pediatr. 2013;31(1):30-6.
da qualidade de vida, além de propiciar 9. Gomes L, Amaral JB. Os efeitos da
utilização da música para os idosos: revisão
maior interação com o meio social e
sistemática. Revista Enfermagem
familiar. Contemporânea. 2012;1(1):103-17.
10. Urra Medina E, Barría Pailaquilén
RM. Systematic review and its relationship
with evidence-based practice in health.
REFERÊNCIAS
Revista Latino-Americana de Enfermagem.
2010;18(4):824-31.
1. Silva MAM, Pinheiro AKB, Souza 11. Galvão C, Sawada N, Trevizan M.
A, Moreira ACA. Promoção da saúde em Revisão sistemática. Rev Latino-am
ambientes hospitalares. Rev Bras Enferm. Enfermagem. 2004;12(3):549-56.
2011;64(3):596-9. 12. Higgins J, S. G. Cochrane handbook
2. Aguiar ASC, Mariano MR, Almeida for systematic reviews of interventions
LS, Cardoso MVLML, Pagliuca LMF, Version 5.1.0.; Available from:
Rebouças CBdA. The nurses' perceptions www.cochrane-handbook.org.
regarding health promotion in the Intensive 13. Tabarro CS, Campos L, Galli NO,
Care Unit. Revista da Escola de Novo NF, Pereira VM. Efeito da música no
Enfermagem da USP. 2012;46(2):428-35. trabalho de parto e no recém-nascido. Rev
3. Verdi M, Caponi S. Reflexões sobre Esc Enferm USP. 2010;44(2):445-52.
a promoção da saúde numa perspectiva 14. Arnon S. Music therapy intervention
bioética. Texto Contexto Enferm. in the neonatal intensive care unit
2005;14(1):82-8. environment. Jornal de pediatria.
4. Kozasa EH. Medicina complementar 2011;87(3):183-5.
e alternativa (MCA). Saúde Coletiva. 15. Andriola YM, Oliveira BRG. A
2009;6(28):38. influência da música na recuperação do
5. Bergold LB, Alvim NAT. A música recém-nascido prematuro na UTI neonatal.
terapêutica como uma tecnologia aplicada ao Nursing (São Paulo). 2006;8(99):973-8.
cuidado e ao ensino de enfermagem. Esc 16. Silva SA, Fava SMCL, Nascimento
Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(3):537-42. MC, Ferreira CS, Marques NR, Alves SM.
6. De Carvalho Gonçalez DF, De Efeito terapêutico da música em portador de
Oliveira Nogueira AT, Puggina ACG. O uso insuficiência renal crônica em hemodiálise.
da música na assistência de enfermagem no Rev enferm UERJ. 2008;16(3):382-7.
Brasil: uma revisão bibliográfica. Cogitare 17. Yina Quique B. Métodos
enferm. 2008;13(4):591-6. unisensoriales para la rehabilitación de la
7. Torres MCAR, Leal CMF. Reflexões persona con implante coclear y métodos
de professoras supervisoras de estágios musicoterapéuticos como nueva herramienta
supervisionados de Música no ambiente de intervención. Revista de
hospitalar: desafios e aprendizagens. Revista otorrinolaringología y cirugía de cabeza y
da FUNDARTE. 2014;13(26):48-58. cuello. 2013;73(1):94-108.
8. Silva CM, Cação JMR, Silva KCS, 18. Picado SBR, Sousa LCA, Bugalho
Marques CF, Merey LSF. Respostas Filho A. Musicoterapia no ambulatório de
877

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014
otorrinolaringologia. Pediatria (São Paulo). concepções dos familiares. Rev esc enferm
2010;32(1):71-4. USP. 2011;45(1):138-45.
19. Valenti VE, Guida HL, Frizzo AC, 25. Da Silva VA, MarconI SS, SalesI
Cardoso AC, Vanderlei LCM, Abreu LC. CA. Percepções de familiares de pessoas
Auditory stimulation and cardiac autonomic portadoras de câncer sobre encontros
regulation. Clinics. 2012;67(8):955-8. musicais durante o tratamento
20. Valenti VE, Guida HL, de Mello antineoplásico. Rev Bras Enferm.
Monteiro CB, Vanderlei LCM, Ferreira LL, 2014;67(3):408-14.
Ferreira C, et al. Relationship between 26. Da Silva VA, Sales CA. Encontros
cardiac autonomic regulation and auditory musicais como recurso em cuidados
mechanisms: importance for growth and paliativos oncológicos a usuários de casas de
development. Journal of Human Growth and apoio. Revista da Escola de Enfermagem da
Development. 2013;23(1):94-8. USP. 2013;47(3):626-33.
21. Zanini CRO, Jardim PCBV, Salgado 27. Franco M, Rodrigues AB. Music
CM, Nunes MC, Urzêda FL, Carvalho therapy in relief of pain in oncology patients.
MVC, et al. Music therapy effects on the Einstein (São Paulo). 2009;7(2):147-51.
quality of life and the blood pressure of 28. Valencia M, Murow E, Luisa Rascón
hypertensive patients. Arquivos brasileiros M. Comparación de tres modalidades de
de cardiologia. 2009;93(5):534-40. intervención en esquizofrenia: terapia
22. Côrte B, Neto L. A musicoterapia na psicosocial, musicoteapia y terapias
doença de Parkinson. Cien Saude Colet múltiples. Revista Latinoamericana de
[Internet]. 2009;14(6):2295-304. psicología. 2006;38(3):535-49.
23. Gómez Scarpetta RÁ, Durán 29. Da Rocha VC, Boggio PS. A música
Arismendy L, Cabra Sosa LJ, Pinzón Vargas por uma óptica neurocientífica. Per
CT, Rodríguez Becerra NR. Musicoterapia Musi.27:132-40.
para el control de ansiedad odontológica en 30. Da Fonseca KC, Barbosa MA, Silva
niños con síndrome de down; Music therapy DG, da Fonseca KV, Siqueira KM, de Souza
to control dental anxiety in children with MA. Credibilidade e efeitos da música como
Down syndrome; Musicoterapia para o modalidade terapêutica em saúde. Revista
controle de ansiedade odontológica em Eletrônica de Enfermagem. 2009;8(3):398-
crianças com síndrome de down. Hacia 403.
promoc salud. 2012;17(2):13-24.
24. Sales CA, Silva V, Pilger C, Marcon
SS. A música na terminalidade humana:

878

Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 871-878, ago./dez. 2014