You are on page 1of 37

Reforço de Pilares

1
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
A formulação é análoga a de tubos finos submetidos à
pressão interna (que é uma casca cilíndrica).
Tensão no confinamento,
expressão (1):
2t f 1
  . f   f E f  f
d 2
Taxa geométrica do
Confinamento com CFC:
4t f
f 
d
2
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
f  = tensão máxima teórica de confinamento.
f  f f
Os resultados dos ensaios mostram que Ɛ<Ɛfu devido
ao estado triaxial de tensões originado pelo
cintamento, a qualidade da execução do reforço, a
forma curva do cintamento, e o efeito escala devido às
diversas camadas de reforço.
Prescrição: reduzir Ɛfu em 50% ou 30%.
“valor real”
Desse modo:
2t f 1 0 ,5 f ,u   f ,rup  0 ,7 f ,u
  . f   f E f  f
d 2 3
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
Para tensões baixas a curva σXƐ para o concreto cintado
é praticamente a mesma de um concreto simples.
Na fase não linear do concreto o efeito do cintamento fica
evidente.
Concreto não confinado:
fc0 , Ɛc0.
Concreto confinado:
fccu , Ɛccu.

4
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
A tensão de confinamento de Mirmiran e Shahawy
(1997) é dada por:
f cc  f  ,a 
 1  k1  
f co  fc0 
fc0 , fcc= resistência à compressão do concreto não
confinado e confinado, respectivamente;
flc= tensão máxima de confinamento que pode ser usada
na expressão (1);
k1= fator de efetividade.
Essa expressão foi inicialmente proposta em 1928.
5
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
Lang e Teng (2002) propuseram k1=3,3, que foi adotado
no ISIS Canadian design manual No 4 (2001) e no ACI
440-2R-08.
Mander et al. (1998) propuseram a expressão não linear:
f cc f  ,a f  ,a
 2 ,254 1  7 ,94 2  1,254
f co fc0 fc0

Essa expressão foi obtida para cintamento com aço e


atualmente consta do Bulletin 14 da fib (2001).

6
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
O Bulletin 14 da fib (2001) adota para as deformações
específicas:
 cc  f cc 
 1  5   1
 co  fc0 
Essa expressão foi obtida em 1929 originalmente para
confinamento com aço.

A expressão de Seible et al. (1995) foi adotada no


Bulletin 14 da fib (2001) :
2 ,5  f f f  f ,rup
 ccu  0,004 
f cc
7
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
No ISIS Canadian design manual No 4 (2001) não há
expressão para a deformação específica última do concreto
confinado.

Por meio de ajuste de dados experimentais Lam e Teng


(2002) obtiveram:
 f  ,a    f ,rup 
0 ,45
 ccu
 1,75  12 . 
 c0  fc0    c0 
Essa expressão consta do ACI 440.2R-08 com 1,5 no
lugar de 1,75.
8
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
Para a relação constitutiva do concreto confinado tem-se
para o trecho não linear representado por uma parábola

 c  Ec c 
 Ec  E2  2
2
c para 0   c   t
4 f0
t 
f0 f cc  f 0
E2 
Ec  E 2  ccu
Para o segundo trecho que é linear tem-se:

 c  f c 0  E2 c para  t   c   ccu

9
Reforço de Pilares
Colunas de Concreto Armado
σc , Ɛc , Ec= resistência à compressão e deformação
específica à compressão do concreto sem confinamento e
módulo de elasticidade;
E2= inclinação do segundo trecho da relação constitutiva
(trecho linear);
f0= tensão na interseção dos dois trechos da relação
constitutiva.
Este modelo tem três parâmetros: Ɛcc ,Ɛccu , f0.
Adota-se fc0=f0.

10
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
No caso de seção diferente da circular o confinamento
deixa de ser uniforme.
Essa particularidade é considerada com a adoção de
um coeficiente de efetividade:
k e  k p .k s
kp ≤1,0 considera o efeito do envolvimento parcial;
ks ≤1,0 considera a forma do pilar, retangular ou elíptico.
Com esse coeficiente tem-se para a tensão no CFC:
2t f
f  ,a  ke E f  f ,rup
d
11
Concreto Protendido
Pilares de Concreto Armado
O Bulletin 14 da fib (2001) adota para pilares
parcialmente confinados com CFC:
s 
2

 1  
s 
2
Ae  2d  
kp    1  
Ac 1   SC  2d 
Área com confinamento efetivo:
 s 
2

Ac   d  
5 2
As , Taxa geométrica da
 SC 
Ac armadura longitudinal.
s’=espaçamento entre as cintas de
confinamento. 12
Concreto Protendido
Pilares de Concreto Armado
Pilares retangulares
Forma-se uma arco parabólico do núcleo de concreto em
direção aos cantos do pilar que estão confinados.
A inclinação da parábola é considerada igual a 450 ao
invés de arc tg (b/h).

13
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
Fator de confinamento:

ks  1 
b  2rc   d  2rc 
2 2

3 As 1   SC 
Ag=área da seção transversal

A tensão máxima real de confinamento f  ,a no Bulletin 14


da fib considera as duas direções principais
separadamente, com d igual às dimensões da seção
transversal na direção considerada.

14
Concreto Protendido
Pilares de Concreto Armado
Karam e Tabbara em 2005 propuseram um outro fator
de confinamento baseado num modelo mecânico
calibrado com resultados de ensaios
b h
t f f  b  h
2 2

15
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
Sendo:
b=menor lado da seção transversal;
h=maior lado da seção transversal;
rc=raio do canto;
σb=tensão no lado menor;
σh=tensão no lado maior;
σf=tensão de tração no CFC.
Equilíbrio de forças atuantes no confinamento:

t f  f  rc r
16
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
Com as duas últimas expressões seguem-se:
r b h b
 
 b 2rc b h
O fator de forma é definido como a divisão da tensão
média de confinamento pela tensão máxima de
confinamento nos cantos do pilar.
 b   h 1 rc  h 
ks   1  
2 r b  b 
Os autores não fornecem o diâmetro equivalente para
obtenção da tensão f  ,a .
17
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
Lam e Teng m 2003 apresentaram outro modelo de
confinamento fundamentado na deformação específica
axial máxima Ɛccu.
Adotaram dois coeficientes:
ks1 ≤1,0 fator de forma (para cálculo da tensão de
confinamento);
ks2 ≤1,0 fator vinculado à deformação específica axial
máxima.
A área efetiva de confinamento é obtida considerando-se
quatro parábolas com inclinações iguais às inclinações
das diagonais do retângulo.
18
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
Fator de forma para a tensão
de confinamento
2
 b  Ae
k s1   
 h  Ac

b 2
h h  2 rc 2

h
b  2 rc  
1  b

 3 A g 
Ae
  
Ac 1   SC
19
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
Diâmetro equivalente para cálculo da tensão de
confinamento
d  h2  b2
2t f
f  ,a  ke E f  f ,rup
h2  b2
Com o fator vinculado à deformação específica axial
máxima 0 ,5
h   A
ks2   e
b Ac
resulta 2t f
f  ,a  k s 2 E f  f ,rup
h2  b2
20
Reforço de Pilares
Pilares de Concreto Armado
Outra metodologia para calcular a tensão de
confinamento em seções retangulares é transformá-la
numa seção elíptica equivalente 2
b  
2h ks   
h
4bh

2b
d

1,5 h  b   hb 
k e  k p .k s

f  ,a  ke

2t f 1,5 h  b   hb E 
f f ,rup
4hb
21
Concreto Protendido

22
Concreto Protendido
Região de Ancoragem
Ruptura de uma passarela durante a construção devido
às tensões de compressão excessivas na região de
ancoragem.

23
Concreto Protendido
Patologia
Os cabos de protensão
são ancorados numa
única seção, daí ocorre
uma redução da alma da
viga e a ruptura pré-
matura do concreto por
esmagamento.

24
Concreto Protendido
Patologia
Ruptura por esmagamento do
Armadura de fretagem concreto devido ao confinamento
(cintamento). deficiente.

25
Concreto Protendido
Patologia
Campo de tensões Cintamento insuficiente na
contínuas na direção da espessura da laje.
ancoragem.

Modelo de bielas e
tirantes na ancoragem.

26
Concreto Protendido
Falhas de concretagem
Ação da umidade ao longo devido ao congestionamento
de um cabo situado no talão de cabos no intradorso da
de uma viga. viga.

27
Concreto Protendido
Corrosão ao longo da viga Corrosão nos cabos de
com circulação de água no protensão com rompimento
interior das bainhas. dos fios.

28
Concreto Protendido
Fissuras devido à fluência do concreto em viga caixão
de ponte em balanços sucessivos construídas nos anos
1970; as deformações específicas de fluência foram
subestimadas.

29
Concreto Protendido
As patologias devido à fluência do concreto tornaram
necessário a execução de reforço com protensão adicional
em mais de uma centena de pontes na França entre 1980 e
2010.
Foi concebido o método do momento de descompressão
para avaliação da protensão adicional necessária para o
reforço. Viaduto Saint-Cloud (1982)

30
Concreto Protendido
Mainbrücke-Hochheim, Alemanha: construção entre
1963 a 1965; as patologias foram constatadas em
1981.
Os fios dos cabos inferiores estavam sem protensão e
corroídos.

31
Concreto Protendido
Ponte em Munique, Alemanha: construção entre 1963 a
1965.

Corrosão por pite nas No interior da ancoragem e


ancoragens e no cabo de após o cabo de protensão
protensão devido ao uso de não apresentava corrosão.
sal após as nevadas. 32
Concreto Protendido
Ponte em Munique, Alemanha: construção 1959.
Os cabos superiores não foram
totalmente preenchidos com
calda; o cabo da esquerda não
Cabo exposto muito
tinha a cunha de ancoragem.
corroído.

33
Concreto Protendido
Itália: Ponte San Stefano; ano de construção 1959 e
queda em 1999.
Queda de aproximadamente 50 m sobre o mar devido
quando a ponte não estava carregada; o apoio do vão na
borda sob o mar tinha defeitos, e os cabos não estavam
preenchidos com calda de cimento.

34
Concreto Protendido
Itália: seção transversal da Ponte San Stefano.

A queda deveu-se devido à


corrosão induzida por cloro
sobre os fios, reduzindo
acentuadamenta a efetividade
da protensão.
35
Concreto Protendido
Grã-Bretanha
Ponte Ynes-Gwas, País de Gales: construída em 1953;
queda sem aviso prévio em 1985.
A penetração de água com cloretos nas juntas chegou
aos cabos ocasionando corrosão, aliada à falhas de
injeção da calda de cimento.

36
Concreto Protendido
Grã-Bretanha
Ponte Ynes-Gwas, País de Gales. Papel de envolvimento
do cabo junto à junta do
Corrosão no aço de elemento estrutural.
protensão.

37