You are on page 1of 60

Desenvolvimento

sensóriomotor:
- Córtex Cerebral
- Organização anatómica,
funcional e histológica
- Esquema corporal versus
imagem corporal
Hemisférios cerebrais e
córtex cerebral
Giros, sulcos e lobos
•  O cérebro é dominado pela
enorme massa dos hemisférios
cerebrais;
•  Os hemisférios cerebrais
apresentam um grande manto
de massa cinzenta
circunvalada exteriormente e
um conjunto interno de massa
branca;
•  Partes da superFcie dos giros
colaboram em funções
específicas sensoriais ou
motoras.
•  Os dois hemisférios cerebrais
são separados de forma
incompleta pela grande
fissura longitudinal;
•  A fissura é normalmente
ocupada pelas foice cerebral;
•  Na região mais profunda da
fissura longitudinal está o
corpo caloso, este contém as
fibras comissurais que unem
as duas regiões dos
hemisférios
correspondentes.
•  Os dois hemisférios
cerebrais estão separadas
por uma profunda fenda na
linha mediana, a grande
fissura longitudinal, que
acomoda a foice cerebral,
uma folha de dura-máter
que se projecta a parNr da
superFcie interna do crânio.
Dura-mater
•  O córtex cerebral é altamente
circunvalado.
•  Isto tem o efeito de maximizar a
superFcie corNcal superior a 1
m2 para cada hemisfério;
•  Os giros são também chamados
de circunvoluções e as fendas
entre eles são designadas de
sulcos;
•  Alguns giros e sulcos têm uma
configuração relaNvamente
coerente entre os indivíduos e
marcam a localização de
importantes áreas funcionais.
•  Na superFcie lateral do
hemisfério, uma grande
fenda, a fissura lateral, é
um importante marco;
•  Esta fissura em conjunto
com alguns sulcos, forma os
limites que dividem o
hemisfério em quatro lobos;
•  Os lobos contém os nomes
dos ossos do crânio junto
dos quais eles se
encontram.
•  A parte anterior do
hemisfério cerebral é
chamado de lobo frontal;
•  A porção de convexidade
anterior do lobo frontal é
designada de pólo frontal;
•  O limite posterior do lobo
frontal é o sulco central, pode
ser idenNficado como um
único e conSnuo sulco que
corre ao longo de toda a
superFcie lateral do
hemisfério desde a grande
fissura longitudinal até à
fissura lateral.
•  Posterior ao sulco central,
situa-se o lobo parietal;
•  É separado inferiormente
do lobo temporal pela
fissura lateral;
•  O extremo do lobo
temporal é chamado de
pólo temporal;
•  A parte posterior do
hemisfério é o lobo
occipital, que termina no
pólo occipital.
•  As fronteiras entre os
lobos parietal e
temporal e lobo
occipital são indisNntas
na face lateral do
hemisfério;
•  Sobre a superFcies
parietais mediais e os
lobos occipitais estão a
separa-los um profundo
sulco parieto-occipital
•  Podemos idenNficar quatro
importantes áreas funcionais do
córtex, um em cada lobo;
•  No lobo frontal, o giro
imediatamente à frente do sulco
central é referido anatomicamente
como o giro pré-central, córtex
motor, área motora;
•  Funcionalmente, este contém o
córtex motor primário, que é o
nível mais alto no cérebro para o
controlo de movimento;
•  Aqui, em cada hemisfério, a
metade oposta do corpo é
representada numa forma muito
precisa.
•  No lobo parietal, orientado
anteriormente para o córtex motor
primário em todo o sulco central,
fica o giro postcentral ou córtex
somatossensorial primário;
•  É o local da terminação de vias que
transportam as sensações segundo
as modalidades de toque, pressão,
dor e da temperatura a parNr da
metade oposta do corpo;
•  É a região onde as informações são
conscientemente percebidas;
•  Os senNdos especiais têm seus
elevados níveis de representação
em outras áreas.
•  O córtex visual está localizado
no lobo occipital,
principalmente na face
medial do hemisfério nos
giros superiores e inferiores
orientados horizontalmente
ao sulco calcarino;
•  No lobo temporal reside no
córtex audiEvo;
•  Localizado no giro temporal
superior, situa inferior e
paralelamente à fenda
lateral.
•  A estrutura básica do
hemisfério cerebral
exterior é um manto de
massa cinzenta, o
córtex cerebral;
•  Está sobre uma grande
e complexa de massa
branca consNtuídos por
fibras nervosas em
execução de e para o
córtex.
•  O hemisfério cerebral é
embrionariamente proveniente
do telencéfalo;
•  O telencéfalo é a maior parte do
prosencéfalo que aNnge o maior
grau de desenvolvimento do
cérebro humano;
•  Aparentemente, o hemisfério
cerebral consiste numa camada
de massa cinzenta, o córtex
cerebral, o que é altamente
circunvalado para formar um
complexo padrão de giros e
sulcos;
•  Tem por objecNvo maximizar a
área do córtex cerebral, pois
cerca de 70% está escondido
dentro da profundidade de
sulcos .
Giros, sulcos e lobos do hemisfério
cerebral
•  Alguns giros e sulcos na superFcie do
hemisfério são consistentemente
localizadas em diferentes indivíduos;
•  ConsNtuem a base da divisão do
hemisfério em quatro lobos, frontal,
parietal, temporal e occipital;
•  A mais visível e mais profunda fenda na
face lateral do hemisfério é a fissura
lateral;
•  A fissura lateral separa o lobo temporal
do lobo frontal e parietal;
•  Profundamente na fenda lateral reside
uma área corNcal conhecida como
ínsula.
Giros, sulcos e lobos do hemisfério
cerebral
•  As porções dos lobos frontal,
parietal e temporal que
recobrem a ínsula são
designados de opércula;
•  Na face lateral do hemisfério,
um único sulco, ininterrupto
pode ser normalmente
idenNficado, entre a grande
fissura longitudinal e fenda
lateral, é o sulco central;
•  O sulco central estende-se por
uma curta distância sobre a
superFcie medial do
hemisfério, dentro da grande
fissura longitudinal.
•  Anteriormente ao giro pré-central, a restante porção do lobo
frontal consiste num padrão mais variável de circunvoluções,
sendo que os giros frontais superior, médio e inferior podem
ser idenNficados.
•  Posteriormente ao giro postcentral, sobre a face
lateral do hemisfério está o sulco intraparietal que
divide o resto do lobo parietal em lóbulos parietais
superior e inferior.
•  Os limites entre o lobo
parietal e o lobo
occipital localizado
posteriormente não é
coincidente com um
único sulco na face
lateral do hemisfério;
•  É marcado pelo
profundo sulco parieto-
occipital sobre a
superFcie medial.
•  O lobo occipital não
revela na sua superFcie
lateral quaisquer
marcos importantes;
•  Sobre a superFcie da
face medial, o
proeminente sulco
calcarino indica a
localização do córtex
visual primário.
•  O lobo temporal localiza-se
inferiormente à fissura
lateral, fundindo-se
posteriormente com os
lobos parietais e occipitais.
•  Na sua face lateral o lobo
temporal é dividido em três
principais giros que se
delineiam
aproximadamente paralelas
à fissura lateral: os giros
temporais superior, médio e
inferior.
•  O giro temporal superior inclui o córtex audiNvo primário.
•  A maior parte desta região funcional está situado nas
margens superiores do giro, dentro da fenda lateral, onde o
giros temporal transverso, ou o giro de Heschl's, fornecem
uma localização mais precisa.
•  Sobre a superFcie medial do
hemisfério, certas partes da
região dos lobos frontal,
parietal e temporal
consNtuem também
componentes do sistema
límbico;
•  Curvando-se em torno do
corpo caloso, e
apresentando-se
paralelamente, encontra-se
o giro cíngulado, separado
do resto do hemisfério pelo
sulco cíngulado.
•  O giro cíngulado passa posterior e inferiormente em
torno da porção posterior ou esplénico do corpo
caloso de forma a tornar-se conSnuo com o giro do
parahipocampo do lobo temporal.
•  Profundamente ao giro do
parahipocampo, localiza se
o hipocampo no interior do
lobo temporal;
•  Esta estrutura é formada
por uma estrutura
localizada no interior da
ondulação proporcionada
pela parte infero-medial do
lobo temporal.
Córtex cerebral: estruturas histológicas
•  Compreende corpos celulares
nervosos, arborizações dendríNcas
e interconexões sinápNcas;
•  Brodmann construiu um mapa
numerado do córtex cerebral;
•  Ainda existe uma boa
correspondência entre as áreas de
Brodmann e regiões
funcionalmente definidas do
córtex;
•  UNlizados para fins descriNvos.
O córtex cerebral
•  Forma uma cobertura completa
do hemisfério cerebral.
•  É composto de matéria
cinzenta
•  Contém aproximadamente 10
bilhões de neurônios.
•  A área de superFcie do córtex
foi aumentada, em giros, que
são separados por fissuras ou
sulcos.
•  A espessura do córtex varia de
2 a 5 mm.
•  O córtex é mais espesso sobre
a crista de um giro e mais fino
na profundidade de um sulco.
O córtex cerebral
•  Consiste numa mistura de células nervosas,
fibras nervosas, neuroglia e vasos sanguíneos.
•  Os seguintes Npos de células nervosas estão
presentes no córtex cerebral:
–  (1) células piramidais,
–  (2) células estreladas,
–  (3) células fusiformes,
–  (4) células horizontais de Cajal e
–  (5) células de MarNnok .
Células Nervosas do Córtex Cerebral
•  As células piramidais são designadas
a parNr da forma de seus corpos
celulares.
•  A maioria dos corpos celulares
medem 10 a 50 μm de comprimento
•  Existem células gigantes piramidais,
também conhecidas como células de
Betz, cujos corpos celulares medem
tanto quanto 120 μm;
•  Estes são encontrados no giro
precentral do motor do lobo frontal.
Células Nervosas do Córtex Cerebral
•  Os ápices das células piramidais
estão orientados em direção à
superFcie do córtex.
•  Do ápice de cada célula, uma
espessa dendrite apical se estende
para cima em direção à pia-mater
fornecendo ramos colaterais.
•  Dos ângulos basais das células
piramidais, vários dendritos basais
passam lateralmente para a rede
neural circundante. Cada dendrite
possui numerosas espinhas
dendríNcas para junções sinápNcas
com axónios de outros neurónios.
Células Nervosas do Córtex Cerebral
•  O axónio surge da base
do corpo celular e
termina nas camadas
corNcais mais profundas
ou entra na substância
branca do hemisfério
cerebral como uma
projeção, associação ou
fibra comissural.
Células Nervosas do Córtex Cerebral
•  As células estreladas, chamadas
de células granulares, devido ao
seu pequeno tamanho, são de
forma poligonal, e seus corpos
celulares medem cerca de 8 μm
de diâmetro.
•  Estas células têm dendritos
ramificados múlNplos e um
axónio relaNvamente curto, que
termina num neurónio próximo.
Células Nervosas do Córtex Cerebral
•  As células fusiformes têm seu eixo longo
verNcal à superFcie
•  Concentram-se principalmente nas
camadas corNcais mais profundas
•  Os dendritos surgem de cada pólo do corpo
celular.
•  A dendrite inferior se ramifica dentro da
mesma camada celular, enquanto a
dendrita superficial sobe em direção à
superFcie do córtex e ramifica-se nas
camadas superficiais.
•  O axónio surge da parte inferior do corpo
celular e entra na substância branca como
uma projeção, associação ou fibra
comissural.
Células Nervosas do Córtex Cerebral

•  As células horizontais de Cajal são


células pequenas, fusiformes,
orientadas horizontalmente,
encontradas nas camadas mais
superficiais do córtex.
•  Um dendrito emerge de cada
extremidade da célula, e um axónio
corre paralelo à superFcie do córtex,
fazendo contato com os dendritos
de células piramidais.
Células Nervosas do Córtex Cerebral
•  As células de MarNnok são pequenas
células mulNpolar que estão
presentes em todos os níveis do
córtex.
•  A célula tem dendritos curtos, mas o
axónio é direcionado para a superFcie
do córtex, onde termina numa
camada mais superficial, geralmente a
camada mais superficial.
•  O axónio dá origem a algumas curtas
filiais colaterais durante o percurso.
Córtex cerebral
•  Associado à função olfacNva.
•  O córtex cerebral é a mais
recente aquisição em termos
filogenéNcos;
•  É referido como o neocórtex;
•  A sua estrutura citológica é
variável;
•  Composto de seis camadas.
•  Camada I – molecular
•  Camada II – granular externa
•  Camada III – piramidal externa
•  Camada IV – granular interna
•  Camada V - piramidal interna
•  Camada VI - polimorfa
I - Camada Molecular
•  A mais superficial, fibras
nervosas orientadas
tangencialmente com
muitos prolongamentos;
•  Possui poucos corpos
celulares
•  Destaque para as células
de Cajal-Retzius
II - Camada Granulosa externa
•  Estabelece relações
intracorNcais;
•  Delgada, fina
•  Predomínio de células
granulosas (redondas
maiores que as gliais)
•  Pequenas células piramidais
•  Muitas conexões dendriNcas
com as camadas profundas
III - Camada Piramidal externa
•  contém neurónios de
tamanho médio;
•  Mais espessa
•  Predomínio de células
piramidais grandes
•  Sinapses com neurónios
motores
•  Os seus axónios vão se
prolongar pela substância
branca
IV - Camada Granular interna
•  É o local de terminação
das fibras aferentes
vindas de núcleos
talámicos específicos;
•  É de predomínio de
células granulosas
V – Camada Piramidal interna
•  É a origem das fibras de
projeção para os objecNvos
extracorNcais;
•  Predomínio de células
piramidais
•  Poucas células granulosas
•  Células de MarNnok, neurónios
inibitórios os axónios dirigem se
à camada superficial do córtex
•  Destaque para as células de
Betz
Camada Polimorfa
•  Contém neurónios de projeção
e de associação.
•  Grande variedade e densidade
de células
•  Muitas células piramidais e de
MarNnok
•  Apresenta células granulosas
na porção mais superficial e
fusiformes na região mais
próxima da substância branca
Organização funcional - Córtex
cerebral
•  É necessário para a consciência e pensamento,
memória e intelectualidade;
•  É a região em que os vários Npos esSmulos sensoriais
em úlNma instância ascendem;
•  Existe uma percepção consciente e uma interpretação
em função de uma experiência prévia;
•  Ascendem (principalmente através do tálamo) e são
interpretados à luz das experiências anteriores;
•  O sistema motor está representado e a ação é
concebida e iniciada.
Organização funcional
•  A região posterior recebe informações sensoriais do mundo
exterior nas áreas sensoriais primárias do lobo parietal
(somatossensiNvo), no lobo occipital (visão) e no lobo temporal
(audição);
•  Nas zonas corNcais adjacentes, a informação é desenvolvida para
permiNr a idenNficação de objetos pelo tacto, visão e audição em
modalidades específicas, do ato de percepção;
•  As áreas do córtex confluentes aos três lobos cerebrais, são
conhecidas como córtex de associação, é fundamental para o
reconhecimento espacial e mulNmodal do ambiente;
•  As porções medial do hemisfério cerebral permitem o
armazenamento e a recuperação de informações processadas nas
regiões hemisféricas posteriores.

Organização funcional
•  A parte anterior do cérebro (lobo frontal) está
preocupada com a organização do movimento (área
motora primária, área pré-motora e área motora
suplementar) e da orientação estratégica do complexo
comportamento motor ao longo do tempo (área pré-
frontal);
•  Na maioria dos indivíduos, as áreas de associação no
córtex dos lobos frontal, parietal e temporal do
hemisfério esquerdo são responsáveis para a
compreensão e expressão da linguagem;
•  O hemisfério esquerdo é dominante em relação à
linguagem;
Lobo Frontal
•  Situa-se anterior ao sulco
central;
•  Imediatamente anterior ao
sulco central e paralelo a
ele designa-se de giro pré-
central;
•  Funcionalmente é
conhecido como o córtex
motor primário;
•  Corresponde à área 4 de
Brodmann (rica em células
piramidais).
Lobo Frontal
•  Dentro do córtex no giro pré-central, a
metade contralateral do corpo é
representada de uma forma somatópica
precisa, pictoricamente é muitas vezes
descrito como o “homunculus motor”;
•  A representação do corpo é inverNda,
com a área da cabeça localizada na parte
mais inferior do giro pré-central, logo
acima da fissura lateral;
•  Superiormente, as sucessivas áreas do
córtex representam os dedos, a mão, o
braço, o ombro e o tronco;
•  O membro inferior é representado na
superFcie medial do hemisfério, acima do
corpo caloso.
Lobo Frontal
•  A área do córtex dedicada a um determinada parte
do organismo é proporcional, não na sua dimensão,
mas no grau de precisão com que movimentos
podem ser executados;
•  A laringe, a língua, a face e os dedos das mãos são
representados por regiões relaNvamente grandes;
•  A esNmulação do córtex motor primário promove
uma contracção de grupos musculares discreta no
lado oposto do corpo.
•  A1 auditory cortex,
•  A2 temporal associaNon cortex,
•  BG basal ganglia,
•  IC1 anterior limb,
•  IC2 genu,
•  IC31 and IC32 anterior and posterior part of posterior limb of
internal capsule, respecNvely,
•  L limbic system,
•  M1 primary motor cortex,
•  M2 premotor and supplementary motor cortex,
•  OR opNcal radiate,
•  PT pyramidal tract in corona radiata,
•  S1 primary somatosensory cortex,
•  S2 secondary somatosensory,
•  S3 parietal associaNon cortex,
•  Th thalamus,
•  V1 primary visual cortex,
•  V2 visual associaNon cortex.
Imagem corporal
•  A percepção que temos de nosso próprio corpo,
seus contornos e alinhamento no espaço e o fato
de que ele ser nosso, consNtui um aspecto
fundamental da autoconsciência.
•  Esta autoconsciência Fsica, ou imagem corporal,
depende de mapas corporais internos que são
modulados pela entrada somáNca e
propriocepNva.
•  Embora muitas vezes Ndo como certo, a imagem
corporal é por vezes interrompida em pessoas
com distúrbios da dor, como a síndrome da dor
regional complexa e dor do membro fantasma
•  1) Evidência de distorção da imagem corporal
em pessoas com dor;
•  2) Evidência de distorção das representações
neurais da imagem corporal manNdas no
córtex sensorial primário e no córtex motor
primário;
•  3) Achados clínicos que se correlacionam com
imagem corporal distorcida, a representação
neural distorcida, ou ambos.