You are on page 1of 27

7.

PROJETO
7.1 Limitação das áreas
Área máxima de um pavimento controlada por
um jogo de válvulas, para cada risco de ocupação:
Risco de ocupação Área máxima (m2)
Leve 5000
Ordinário 5000
Extraordinário 3000
Pesado 4000

7.2 Pressão máxima


Os sistemas de chuveiros automáticos devem ser
projetados para operar a uma pressão máxima de
1200 KPa.
7.3 Capacidade efetiva dos reservatórios

Calculada em função do tempo mínimo de


funcionamento dos chuveiros para cada classe
de risco de ocupação.
Classificação Tempo mínimo de
dos funcionamento do sistema
Riscos de chuveiros automáticos
Risco Leve 30 min
Risco Ordinário (Grupo I) 60 min
Risco Ordinário (Grupo II) 60 min
Risco Ordinário (Grupo III) 60 min
Extraordinário 90 min
7.4 Dimensionamento
7.4.1 Método de Dimensionamento por Tabela

 os diâmetros das tubulações são determinados de acordo com o


número de chuveiros instalados;

 considera-se que as perdas de carga são bastante reduzidas em


função da utilização de tubulações com diâmetros relativamente
elevados para o número de chuveiros que alimentam;

 a quantidade máxima de chuveiros que podem ser alimentados


por uma tubulação depende:

 do material da tubulação;
 da classe do risco de ocupação;
 do local a ser protegido;
 do posicionamento do chuveiro.

 para o dimensionamento do sistema utilizando-se a NBR 10897/90,


devem ser atendidas as tabelas e recomendações a seguir.
Tabela 1 - Ocupações de risco leve
Diâmetro nominal Quantidade máxima Quantidade máxima
(mm) de chuveiros – de chuveiros –
Tubo de aço Tubo de cobre
25 02 02
32 03 03
40 05 05
50 10 12
65 30 40
80 60 65
100 Ver NBR 10897/90 Ver NBR 10897/90

Tabela 2 - Ocupações de risco ordinário


Diâmetro nominal Quantidade máxima Quantidade máxima
(mm) de chuveiros – de chuveiros –
Tubo de aço Tubo de cobre
25 02 02
32 03 03
40 05 05
50 10 12
65 20 25
80 40 45
100 100 115
150 275 300
200 Ver NBR 10897/90 Ver NBR 10897/90
7.4.2 Método de Dimensionamento por Cálculo Hidráulico

 os diâmetros das tubulações são determinados de modo


a garantir uma densidade preestabelecida e distribuída
com um razoável grau de uniformidade sobre a área de
operação, na qual o conjunto de chuveiros operará
simultaneamente;

 são fatores básicos a serem considerados:


 o espaçamento máximo entre os chuveiros;
 a área máxima de cobertura por chuveiro;
 o diâmetro nominal do chuveiro de acordo
com a classe de risco de ocupação da área a
ser protegida.
Etapas de cálculo

a. Definição da área de operação - A

 Determinada levando-se em conta a região do sistema mais


desfavorável, do ponto de vista hidráulico, em relação à
válvula de governo e alarme - VGA do sistema.

 A área deve ser retangular, sendo que a dimensão de um


lado do retângulo, paralelo aos ramais, deve ser igual a 1,2
vezes a raiz quadrada da área de operação. Podem ser
incluídos chuveiros de ambos os lados do sub-geral.

 Quando a área de operação for um corredor protegido por


um único ramal, deve ser considerada uma quantidade
máxima de 5 chuveiros.

 A área de operação deve ser considerada a área de projeção


horizontal.
b. Determinação da densidade requerida
A densidade, em mm/min, correspondente à área de operação
determinada, varia em função da classe de risco de ocupação
do local.
545
Risco ordinário Risco
Grupo I Risco ordinário extraordinário
Grupo II Grupo II

Risco
455 extraordinário
Grupo I
Área de aplicação em m2

365 Risco ordinário


Grupo III

275 Risco leve

230

185

140
2 4 6 8 10 12 14
Densidade em mm/min
c. Definição da quantidade de chuveiros da área de operação

m
A área de cobertura de n

um chuveiro, Ac, é
dada por: b
a

Ac = C x L

C = a ou 2 x m
L = b ou 2 x n Adota-se sempre a maior distância

C = distância entre chuveiros ao longo dos ramais, ou o dobro da distância da


parede até o último chuveiro, adotando-se sempre a maior.
L = distância entre os ramais ou o dobro da distância da parede até o último ramal,
adotando-se sempre a maior.

Quando forem instalados chuveiros acima e abaixo de um forro falso, alimentados


pelos mesmos ramais, deve ser adotada a maior área de cobertura por chuveiro,
seja ele acima ou abaixo do mesmo.
d. A quantidade de chuveiros, N, na área de operação, A, é dada por:

A
N =
Ac
e. Cálculo da pressão no chuveiro
 cada chuveiro de um sistema hidraulicamente calculado deve
propiciar um descarga de água que corresponda, no mínimo, à
densidade estipulada.
 a pressão necessária, P, para proporcionar tal descarga é obtida em
função do fator “K” do chuveiro, conforme Tabela 3.
2
Q
P= 
K
Tabela 3 - Diâmetro nominal do chuveiro, fator “K” e características das roscas.
Diâmetro Tipo do Diâmetro Nominal Fator “K”
Nominal do Orifício do (mm) e Tipo da
Chuveiro (mm) Chuveiro Rosca
10 Pequeno 10 BSPT 57 + 5%
15 Médio 15 BSPT 80 + 5%
20 Grande 20 BSPT 115 + 5%
Notas:
 a pressão mínima no chuveiro deve ser de 50 KPa;

 em edifícios de múltiplos andares, protegidos totalmente por


sistema de chuveiros automáticos, e cujas ocupações sejam
de risco leve ou risco ordinário grupo I, a prumada de
abastecimento de água do sistema de chuveiros automáticos
pode também alimentar sistemas de hidrantes ou de
mangotinhos, desde que seja dimensionada para atender à
vazão de ambos os sistemas, operando simultaneamente.

f. Cálculo da vazão dos chuveiros


Onde:
K Q = vazão em L/min;
Q= P K = fator de perda de carga;
10 P = pressão em kPa.
g. Cálculo da perda de carga

A perda de carga nas tubulações é calculada através da fórmula


de Hazen-Willians:

Q1,85
J = 605 ⋅ 1,85 4,87 ⋅105
C ⋅D
Onde:
J = perda de carga, em kPa/m
Q = vazão, em l/min
D = diâmetro interno do tubo, em mm
C = fator de Hazen-Willians

h. Locação, espaçamento e posição dos chuveiros

Limitações da área de cobertura dos chuveiros


1. Ocupações de Risco Leve
 abaixo de tetos lisos e abaixo de tetos constituídos de vigas e
nervuras, a área de cobertura por chuveiro não deve exceder
18,6 m2 nos sistemas de chuveiros dimensionados por tabelas,
podendo ser aumentada até 21 m2 em sistemas de chuveiros
hidraulicamente calculados;
 abaixo de tetos de madeira (tábuas suportadas por vigas com
espaçamento entre eixos superior a 0,90 m), a área máxima de
cobertura não deve exceder de 12 m2;
 abaixo de tetos de telhas apoiadas em estruturas combustíveis
ou não combustíveis (telhas de barro, fibra, cimento, metálicas
etc., apoiadas em terças suportadas por estruturas de madeira
ou metálicas) e abaixo de tetos em forma de colméia (tetos
multinervurados, com vigas transversais com espaçamento de
até 1,50 m entre eixos), a área de cobertura não deve exceder
de 15,6 m2.
2. Ocupações de Risco Ordinário
 para todos os tipos de construção, a área de cobertura
por chuveiro não deve exceder de 12 m2.

3. Ocupações de Risco Extraordinário

 para todos os tipos de construção, a área de cobertura


por chuveiro não deve exceder de 8,4 m2;

 quando o sistema de chuveiros for hidraulicamente


calculado, a área de cobertura por chuveiro pode ser
aumentada até 9,3 m2.
4. Ocupações de Risco Pesado

 o sistema de chuveiros deve ser hidraulicamente


calculado;

 a área de cobertura por chuveiro não deve exceder de


9,3 m2;

 quando a densidade for inferior a 10,2 mm/min, a área de


cobertura por chuveiro pode ser aumentada até 12 m2;

 para determinar o espaçamento dos chuveiros, de modo


a obter as densidades, a pressão máxima no chuveiro
mais desfavorável não deve exceder de 400 kPa.
i. Distâncias entre ramais e entre chuveiros nos ramais
 para ocupações de riscos leve e ordinário, as distâncias entre ramais e
entre chuveiros nos ramais não deve exceder 4,60 m;

 para ocupações de riscos extraordinários e pesado, as distâncias entre


ramais e entre chuveiros nos ramais não deve exceder 3,70 m;

 a distância das paredes aos chuveiros não deve exceder da metade da


distância entre os chuveiros nos ramais ou entre ramais;

 em ocupações de risco leve com dependências de no máximo 75 m2 de


área, a distância entre a parede e o chuveiro pode chegar até 2,70 m,
desde que seja respeitada a área máxima de cobertura permitida por
chuveiro;

 a distância mínima entre chuveiros deve ser de 1,80 m, para evitar que
atuação de um chuveiro não venha a retardar a atuação do adjacente.
Exercício:
Dimensionar o sistema de chuveiros automáticos para um edifício
comercial, conforme apresentado.
27,60

460

195 195 195


Ac = 17,94m2
A 32mm 25mm 25mm

50mm
3 2 1

B 32mm 25mm 25mm

65mm
6 5 4

390
C 32mm 25mm 25mm

9 8 7

65mm

390
65mm
VGA

∼ ∼
1. Área de operação > 140 m2 ∼

2. Densidade = 4 mm/min
3. Número de bicos
140/17,94 = 7,8  8 bicos
4. Área de operação
8 x 17,94 = 143,52 m2

1,2 √ 143,52 = 14,38 m

14,38/ 4,6 ≅ 3

5. Vazão do chuveiro 1
Densidade ≅ 4 mm/min
Q1 = 17,94 x 4  Q = 71,76 L/min
K
Q= ⋅ P
10
Para K = 84  P = 72,98 kPa Portanto no bico 1: Q1 = 71,76 L/min
P1 =72,98 KPa
6. Trecho 1 - 2
D = 25 mm
Q = 71,76 L/min
Q1,85
J = 605 × 1,85 × 10 5

C × D 4,87
sendo:
J = perda de carga unitária, kPa/m
Q = vazão, L/min
D = mm
C = 120

J = 3,6 KPa/m ∆P = 3,6 x 4,6 = 16,56 kPa

Bico 2:
P2 = 72,98+ 16,56 = 89,54 KPa
84
Q= × 89,54 Q2 = 79,48 L/min
10
7. Trecho 2 - 3
D = 25 mm
Q = 71,76 + 79,48 = 151,24 L/min
J = 14,4 kPa/m
∆P = 14,4 x 4,6 = 66,24 kPa

Bico 3:
P3 = 89,54 + 66,24 = 155,78 kPa

84
Q= × 155,78 Q3 = 104,84 L/min
10
8. Trecho 3 - A
D = 32 mm
Q = 104,84 + 151,24 = 256,08 L/min
J = 11,50 kPa/m ∆P = 11,50 x 2,30 = 26,45 kPa
Pressão em A:

PA = 26,45 + 155,78 = 182,23 kPa

PA = 182,23 kPa
QA = 256,08 L/min

9. Trecho AB

D = 50 mm
Q = 256,08 L/min
256,081,85
J = 605 × × 10 5

1201,85 × 50 4,87
J = 1,31 kPa/m

∆P = 1,31 x 3,90 = 5,11 kPa


Pressão em B
PB = 182,23 + 5,11

PB = 187,34 KPa

Q1 = Q2 Q1
256,08 L/min P1 > P2 P1
187,34 kPa
B 256,08 L/min B
Q2  Q*2 ?
182,23kPa P2

C C
Q2* P1 Q2* 187,34
= =  Q*2 = 259,64 L/min
Q2 P2 256,08 182,23
No ponto B:
PB = 187,34 kPa
QB = 256,08 + 259,64 = 515,72 L/min
10. Trecho BC

D= 65 mm
Q = 515,67 L/min

515 , 72 1 , 85
J = 605 × × 10 5

120 1 , 85
× 65 4 , 87

J = 1,33 kPa/m

∆P = 1,33 x 3,90 = 5,19 kPa

Pressão no ponto C:

PC = 187,34 + 5,19
PC = 192,53 kPa
515,72 L/min
192,53 kPa

C Q e P do trecho 8-C

11. Trecho 8 - C

Q = 151,24 L/min
P no bico 8 é equivalente à do bico 2 = 89,54 kPa

Para o cálculo 8 - C, subdivide-se em 8 - 9 e 9 - C.

12. Trecho 8 - 9
D = 25 mm Por analogia  igual ao trecho 2-3
Q = 151,24 L/min
∆P2-3 = 66,24 kPa = ∆P8-9
No ponto 9:
Q = 151,24 L/min
P = 89,54 + 66,24 = 155,78 kPa

13. Trecho 9 - C
D = 32 mm
Q = 151,24 L/min
J = 4,34 kPa/m

∆P = 4,34 x 2,30 = 9,98 kPa

No ponto C: 515,72 L/min


192,53 kPa
Q = 151,24 L/min C 151,24 Lmin
P = 9,98 + 155,78 165,76 kPa
Q*2 ?
PC = 165,76 kPa
Q2* P1
=
Q2 P2

Q2* 192,53
=
151,24 165,76

Q*2 = 163,0 L/min

No Ponto C:

Q = 515,67 + 163,0

Q = 678,72 L/min

P = 192,53 kPa
14. Do Ponto C à VGA

Tentativa 1:
D = 65 mm 678,721,85
J = 605 × × 10 5

Q = 678,72 L/min 1201,85 × 654,87

J = 2,21 kPa/m

∆P = 2,21 x 17,7 = 39,11 kPa

PVGA = 195,61 + 39,47 = 235,08 KPa

PVGA = 231,64 kPa < 1200 KPa ∴ OK!

Qsistema = 678,72 L/min

VR = 681,72 x 30 min = 20,36 m3