You are on page 1of 2

Salazar e o Estado Novo

António Oliveira Salazar

As obras públicas

A reorganização das finanças públicas permitiu ao país acumular reservas de dinheiro.
Entre 1939 e 1945 deu-se a 2ª Guerra Mundial em que Portugal não participou. Esta neutralidade permitiu a
Portugal aumentar as exportações para os países em guerra, o que aumentou as reservas em ouro do Banco de
Portugal.
Parte dessas reservas foram aplicadas em obras públicas:
estradas e pontes (entre estas a ponte sobre o Tejo);
edifícios públicos: tribunais, quartéis, estações de correios,...;
escolas primárias, liceus e universidades;
barragens hidroeléctricas;
hospitais.

Esta política de obras públicas facilitou o crescimento do turismo e de grandes indústrias. No entanto não foi
suficiente para que Portugal recuperasse do atraso em que se encontrava.
Nas zonas rurais, sobretudo, mantinha-se o desemprego e as más condições de vida que levaram milhares de
portugueses a emigrar.

Em 1928 Óscar Carmona, indicado pelos militares como único candidato, foi eleito Presidente da República. Para
ministro das Finanças foi convidado um professor da Universidade de Coimbra, António de Oliveira Salazar.
Salazar reorganizou as finanças públicas: aumentou os impostos e reduziu as despesas com saúde, educação e
salários dos funcionários públicos.
Em 1932, Salazar foi nomeado chefe do Governo, cargo que ocupou durante 36 anos (até 1968). Foi aprovada uma
nova Constituição - a Constituição de 1933 - que instituiu 4 órgãos de soberania: Presidente da República,
Assembleia Nacional, Governo e Tribunais.
A nova Constituição pôs fim à ditadura militar e deu início a um novo regime - o Estado Novo - que durou 40 anos
(1933-1974). Neste regime o poder estava concentrado nas mãos do chefe do Governo.

As Restrições às Liberdades
Salazar controlava todos os ministérios e governava de forma autoritária e absoluta, em "ditadura".

O Partido Único
Culpando os partidos e os sindicatos pela instabilidade da 1ª
República, Salazar proibiu a formação de partidos políticos. Só
a União Nacional (criada em 1931) podia intervir - era um regime
de partido único.
Foi também proibido o direito à greve que, quando se davam,
eram reprimidas violentamente.

A censura
Também não havia liberdade de expressão. Uma comissão de
censura prévia "cortava" o que não deveria ser divulgado em
livros, filmes, jornais, teatro e outros espectáculos, como forma de impedir qualquer crítica ao Estado Novo.

Consulta este site. A lição de Salazar Para assinalar os dez anos de governo de Salazar. e a Mocidade Portuguesa. distribuída por todas as escolas primárias do país. A polícia política Em 1936 foi criada uma polícia política (veio a chamar-se PIDE: Polícia Internacional e de Defesa do Estado). Estes cartazes faziam parte de uma estratégia de inculcação de valores por parte do Estado Novo. escolhe um dos cartazes da Lição de Salazar e explica o seu significado. uma série de sete cartazes intitulada “A Lição de Salazar”. desde o campo económico-financeiro às obras públicas. na imprensa e nos cartazes mentalizava-se a população para as vantagens do Estado Novo e escondia-se tudo o que o prejudicava. organização juvenil a que pertenciam obrigatoriamente os jovens entre os 7 e os 14 anos. A propaganda ao regime O apoio ao regime era ainda conseguido através de um poderoso sistema de propaganda: no ensino utilizavam-se livros únicos obrigatórios onde se elogiava Salazar e a sua política. prender e torturar todos os que se opusessem ao Governo. organização armada.A Censura Indica de que modo o Estado Novo limitava a liberdade de expressão dos cidadãos portugueses. Peniche ou Tarrafal (Cabo Verde). Tinha informadores secretos e a sua função era perseguir. Ao serviço do regime estava também a Legião Portuguesa. . Durante muitos anos. na Mocidade Portuguesa promovia-se o culto da obediência ao regime e do dever militar. estes cartazes didácticos foram utilizados como forma de transmitir uma ideia central: a superioridade de um Estado forte e autoritário sobre os regimes demoliberais. especialmente os militantes e simpatizantes do Partido Comunista Português (clandestino). destinando-se a glorificar a obra feita até então pelo ditador. em 1938. Os presos políticos eram encarcerados em Caxias. é editada.