You are on page 1of 7

XIII SIMPEP – Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006

Análise de viabilidade econômica de implantação de uma unidade de
extração de óleo vegetal e produção de biodiesel a partir da soja

Marco Antonio Sartori (UFV) marcosartori@ufv.br
Silvia Regina Sartori Machado (UFV) silviarsm@hotmail.com
Ronaldo Perez (UFV) rperez@ufv.br
Aziz Galvão da Silva Júnior (UFV) aziz@ufv.br
Moacir Chaves Borges (UFV) chavesmoacir@yahoo.com.br

Resumo: A viabilidade da execução de projetos agroindustriais é assunto que tem motivado
diversos estudos. O sucesso de investimentos em bens de produção, notadamente no setor
agroindústria, sempre necessitará de competentes e amplos estudos visando oferecer, ao
potencial investidor, uma margem de confiança para tomada de decisão (NEVES, 1996). Este
estudo foi desenvolvido visando à análise de viabilidade econômica de implantação de uma
usina de extração de óleo de soja, com capacidade de processamento de 150 toneladas/dia de
matéria-prima, produzindo óleo degomado e farelo de soja. Ainda foi avaliada
economicamente a opção de produzir biodiesel a partir do óleo vegetal proveniente desta
usina (cerca de 30.000 L/dia). Verificou-se que os indicadores são menos favoráveis quando
acontece a inserção da unidade de biodiesel. Porém, se acontecer a isenção de ICMS sobre a
produção de biodiesel, para unidades de pequeno porte relacionadas a agricultura familiar,
os indicadores são mais favoráveis.
Palavras-chave: viabilidade econômica; soja; biodiesel.

1. Introdução
Observa-se atualmente uma crescente preocupação mundial com o meio ambiente e
uma busca por fontes energéticas limpas, implicando em uma conseqüente necessidade de
associar esforços sociais, acadêmicos e governamentais no intuito de viabilizar alternativas
para o desenvolvimento sustentável.
Juntamente com o álcool, o biodiesel apresenta-se como uma das principais
experiências com combustíveis alternativos do Governo Brasileiro. O "diesel natural”, como
também é chamado, é considerado um combustível de queima limpa, podendo ser usado para
alimentar motores ou para a geração de energia elétrica (bioeletricidade) (INOVAÇÃO
TECNOLÓGICA, 2003).
Segundo Oliveira e Costa (2001), o biodiesel é obtido através da reação de óleos
vegetais (provenientes da soja, do girassol, da mamona, do algodão, do amendoim, do buriti
etc), novos ou usados, ou de gorduras animais, com um intermediário ativo, formado pela
reação de um álcool com um catalisador, num processo conhecido como transesterificação.
Os produtos obtidos da reação química são um éster (o biodiesel) e glicerol. Os ésteres têm
características físico-químicas muito semelhantes às do diesel comum, como demonstram as
experiências em diversos países.
Além de ser um combustível de forte apelo ambiental pela capacidade de redução na
emissão de poluentes e fechar o ciclo do gás carbônico (o CO2 liberado na combustão do
biodiesel é capturado pelas plantas oleaginosas gerando nova biomassa), o biodiesel possui
para o Brasil vantagens econômicas relacionadas à substituição de importações de petróleo e
derivados, e sociais na geração de empregos e fixação do homem no campo (OLIVEIRA &
COSTA, 2002).

1

ou seja. tais como. obtém-se também o farelo de soja. o consumo aparente de óleo diesel no Brasil em 2004 foi de 40.4 bilhões de litros (AMORIM. tanto com relação à quantidade necessária. lançando o marco regulatório do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. isso devido principalmente. 2005). 6 a 8 de Novembro de 2006 Desde 2003 o atual Governo Federal tem-se mobilizado acerca das possibilidades e potencialidades da produção de biodiesel.097. notadamente no setor agroindústria. o desenvolvimento de mercados para os subprodutos (ou derivados) do processo. e a exportação de créditos de carbono relativos ao Protocolo de Kyoto (Efeito Estufa). quanto à possibilidade de uso de espécies regionais. Em janeiro de 2005 foi sancionada a Lei 11. acidez. A viabilidade da execução de projetos agroindustriais é assunto que tem motivado diversos estudos no país. tem 40% da produção exportada in natura (Teixeira. o que significa um mercado de aproximadamente 2. pois fornece os parâmetros determinantes para a continuidade do projeto a ser implantado. cuja produção nacional tem crescido com estimativas de continuidade. 2005). ao fato deste grão ter se tornado o carro chefe do agronegócio brasileiro. Contrariando a política governamental brasileira. De 2008 a 2012. 2004). No processamento. projetos de produção de biodiesel a partir da soja têm ganhado destaque. as resoluções quanto à emissão de poluentes. para 2 . Brasil. em 6 de dezembro de 2004 (BRASIL. margarinas e gorduras hidrogenadas. Atualmente. 2005). operação e manutenção. atendendo a requisitos mínimos de qualidade.882. que é utilizado para rações animais e produção de alimentos protéicos para alimentação humana (BELTRÃO. sendo o hexano o solvente mais utilizado. A soja. A análise econômica consiste em fazer estimativas de todas as entradas e saídas. XIII SIMPEP – Bauru. para o período citado acima. pode-se esperar um mercado potencial de 820 milhões de litros por ano.44 mil m3 sendo assim. 2004). 2005). a viabilidade técnico-econômica é reconhecida como o principal fator a ser considerado na tomada de decisão de um investimento. 2005). Sua utilização iniciou-se com os estudos de muitos autores na área econômica e somente nas duas últimas décadas que vem sendo aplicada com mais intensidade na gestão agroindustrial (HOMEM. SP. que incentiva a mamona como a melhor escolha para programas sociais. torna-se obrigatória a adição de 5% de biodiesel ao diesel. A qualidade do óleo foi recentemente comprovada pelo Cetec (Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais) através da análise química de óleo degomado de alguns produtores. que é fonte para o produto refinado. O sucesso de investimentos em bens de produção. A partir de 2013. sempre necessitará de competentes e amplos estudos visando oferecer. o processo de extração de óleo mais comumente empregado é o químico. para permitir a sua transformação em biodiesel (TEIXEIRA. teor de fósforo e umidade. estes 2% tornam-se obrigatórios o que vai gerar uma necessidade de mercado de aproximadamente 1 bilhão de litros por ano. ao potencial investidor. Para o período que vai de 2005 a 2007. os gastos envolvidos com o investimento inicial. a possibilidade do uso de catalisadores nos veículos ciclo diesel. 1996). O desenvolvimento de projetos de produção e comercialização do biodiesel no Brasil é impulsionado por fatores como: a oferta de matéria-prima. De acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP). também devido ao parque industrial existente e a possibilidade futura de exportação de biodiesel para outros mercados (TEIXEIRA. Como a soja possui teor de óleo de aproximadamente 20%. PNPB. estabelecendo percentuais mínimos de mistura de biodiesel (BRASIL. 2005). 2005). estipulou-se a adição de 2% de biodiesel ao diesel mineral em caráter autorizativo. custos de combustíveis e também as receitas geradas durante um determinado período de tempo. representando cerca de 88% da produção de oleaginosas. uma margem de confiança para tomada de decisão (NEVES. que dispõe sobre a introdução do biodiesel na matriz energética brasileira. com conseqüente reserva do fluxo de capitais no setor de combustível para motores ciclo diesel (IVIG. a redução na importação de petróleo e derivados. além do óleo.

que foi desenvolvido em 2004 a partir de um convênio firmado entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e a Universidade Federal de Viçosa (UFV). forneceu os dados relacionados à planta de produção do biodiesel no tamanho citado anteriormente. forneceu os dados relativos à unidade de extração de óleo. Já os preços da torta. receita. ao anterior. O tempo de retorno de capital (TRC) mostra o número de períodos necessários para recuperar os recursos dispendidos na implantação do projeto. pode-se concluir sobre a viabilidade do investimento (HOMEM. A taxa interna de retorno (TIR) é conhecida como a taxa de juros real e não negativa que faz com que o valor atribuído às receitas futuras se iguale ao custo do investimento. com sede em Jaú – SP. custos e receitas e calcular quais serão os indicadores econômicos conseguidos com esse empreendimento. e posteriormente. 2004). ou seja. a taxa interna de retorno (TIR) e o ponto de equilíbrio (PE). o tempo de retorno de capital (TRC). produzindo óleo degomado e farelo de soja. R$ 0. utilizando o software SAD-BIODIESEL. o que pode implicar em dificuldades devido a perdas de escala. O custo da soja. este estudo foi desenvolvido visando à análise de viabilidade econômica de implantação de uma usina de extração de óleo de soja. Este critério mostra a viabilidade do 3 . é a taxa que anula o valor presente do projeto. os valores dos índices de rentabilidade tais como o valor atual (VA) ou vapor presente líquido (VPL). localizada em Fortaleza – CE. R$ 435. e ainda considera o horizonte de planejamento. XIII SIMPEP – Bauru. definiu-se um Projeto B. Elaborou-se um Projeto A consistindo de uma unidade de processamento de grãos de soja com capacidade de processamento de 150 toneladas diárias com produção de óleo de soja degomado e farelo de soja. Brasil. 1971).27 foram baseados nas cotações da ABOISSA – Óleos Vegetais. enquanto a empresa “TecBio”. Comparando- se esses indicadores econômicos com as possíveis taxas de rendimento de mercado ou próprias para o investimento de capital. com capacidade de processamento de 150 toneladas/dia de matéria-prima. 6 a 8 de Novembro de 2006 assim obter-se o fluxo de caixa relativo a esses investimentos.90 fundamentou-se nos preços médios praticados nos primeiros leilões de biodiesel. foram fornecidos por empresas do setor: a empresa “Urso Branco”. isto é. e a taxa mínima de atratividade (TMA). estimada em 12 %. Os orçamentos.000 L/dia). acoplada a anterior para processar o óleo de soja degomado produzido naquela. com a adição. foi baseado na cotação da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG). visando à criação de um sistema de apoio à decisão dos técnicos do Governo na implantação de unidades de produção de biodiesel no país. que neste estudo foi de 10 anos. o espaço de tempo necessário para que a soma das receitas nominais futuras se iguale ao valor do investimento inicial (FARO. são calculados. enquanto o preço do litro de biodiesel.00 por tonelada e do litro de óleo degomado. SP. Observa-se que o tamanho proposto está entre os menores tamanhos de planta industrial de processamento de soja existente. Para a análise de viabilidade do empreendimento o software utiliza-se do levantamento de investimentos. Materiais e métodos O trabalho foi realizado nas dependências do Departamento de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal de Viçosa. R$ 1. R$ 1.35 por quilograma. de uma usina de biodiesel com capacidade de 30 mil litros diários. 2. Ainda foi avaliada economicamente a opção de produzir biodiesel a partir do óleo vegetal proveniente desta usina (cerca de 30. em 25 de julho de 2006. respectivamente. Assim. dos custos fixos e variáveis. Com base nesses dados. assim como os coeficientes relacionados aos processos.

033. transesterificação. respectivamente. XIII SIMPEP – Bauru.335.000. 25. 6 a 8 de Novembro de 2006 projeto. 1981).000. extração. O ponto de equilíbrio (PE) ou de nivelamento (PN) identifica o volume de produção ou o nível de utilização dos recursos produtivos e capacidade instalada.669. 4 . quando comparado a um projeto de alternativo.00 0.000. favorecendo a introdução destes no mercado de energia renovável.00 5.376. armazenamento e auxiliares) e com capital de giro. equipamentos (nas diferentes seções operacionais – recepção e preparo. O valor presente líquido (VPL) ou valor atual (VA) do projeto é calculado por meio do somatório dos resultados anuais do fluxo de caixa líquido.00 10. Observa-se que a introdução da unidade de transesterificação contribui fortemente para a necessidade de aumento do volume de investimentos.00 Projeto A Projeto B Obras civis e benfeitorias Seção de recepção e preparo Seção de extração Seção de degomagem Seção de transesterificação Seção de armazenamento.000.74 para os Projetos A e B. 3. ou mesmo às taxas de juros praticadas no mercado (CONTADOR. degomagem.000. SP. Os valores necessários ao investimento total são mostrados na Figura 1.000.000. Brasil.000. descontados. Ou seja. auxiliares Capital de giro T otal geral de investimentos FIGURA 1 – Descrição de Valores dos Itens de Investimento Os valores para os investimentos totais são de R$ 13. em que as receitas são iguais a todos os custos (fixos e variáveis). contribuindo para a melhoria do nível de renda de produtores de soja da agricultura familiar e. Se a diferença for positiva significa que os recursos financeiros gerados pelo projeto são capazes de pagar o investimento (NORONHA. 1983). ainda.000.24 e R$ 20.000. ano a ano a taxa de juros anual. determina a capacidade mínima em que a empresa deve trabalhar (HOLANDA.00 Investimentos (R$) 15. podendo ser uma alternativa de agregação de valor à soja produzida em algumas regiões. Compara-se então o valor deste somatório com o valor do investimento total. Os investimentos totais considerados na análise financeira de implantação das unidades industriais incluem dispêndios com a construção de obras civis e benfeitorias. que é o capital necessário para a operacionalização financeira da indústria.00 20. 1981). Resultados e Discussão A unidade de processamento é de pequeno porte.

414. observa-se que o resultado da TIR de 20.48.R. observa-se que os valores encontrados permitem concluir que o sistema proposto seria viável economicamente. Podemos observar que a matéria-prima soja é a grande responsável pelos custos. sugeriu-se a análise sobre os mesmos.C.L. 5 .744. Já o Projeto B.I. XIII SIMPEP – Bauru.170.43 V.170. já que o resultado da TIR de 21.669. o VPL foi positivo.744.92 37. caso o governo decida pela isenção do ICMS em unidades de produção de biodiesel a partir da soja proveniente da agricultura familiar.72.87 20. Nesse caso. 6 a 8 de Novembro de 2006 Na figura 2.020.65 7. o VPL positivo foi R$ 9. está descrita a distribuição dos custos industriais associados ao processo produtivo.72 Para o Projeto A.9 %. descritos na coluna “Projeto B (sem ICMS)”.93 T. o TRC foi de 4. o que permitiu o cálculo de novos valores para os indicadores.85 T. Assim.R. optou-se por mostrar os resultados do mesmo projeto. % 26.270.414.65 anos. sendo em ambos os casos.43 anos. o que torna o projeto viável economicamente. nas condições iniciais.85 % foi superior a TMA adotada (12 %).87 % inferior a TMA adotada (12 %).020. com resultado da TIR de 7. Anos 3.669.36 7.65 24. superior a metade dos custos. o TRC foi de 3.270. TABELA 1 – Indicadores Econômicos de Viabilidade para o Sistema Proposto Projeto B (com Projeto B (sem Indicador Unidade Projeto A ICMS) ICMS) Ponto de equilíbrio % 21.P.9 %. e o ponto de equilíbrio de 21.48 8. R$ 9. A partir dos indicadores observados com a unidade de biodiesel. Brasil.72 -3. SP. 100 90 80 70 Custos (%) 60 50 40 30 20 10 0 Projeto A Projeto B Custos fixos Custos matéria-prima Custos do insumo álcool Custos dos demais insumos Custos de mão-de-obra Outros custos FIGURA 2 – Gráfico de distribuição de custos da unidade industrial Os resultados financeiros permitem avaliar a atividade.92 % foi superior a TMA adotada (12 %).72.31 4. e o ponto de equilíbrio de 24. R$ 8. sendo os indicadores econômicos descritos na Tabela 1. encontra-se inviável economicamente. eliminando-se a alíquota de ICMS. VPL negativo foi R$ -3.

SP. Planejamento e projetos. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Universidade Federal de Viçosa. é uma atividade economicamente viável. INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. IVIG . Viabilidade técnico-econômica e análise de risco da implantação de microcervejarias no Brasil. sendo a matéria-prima a principal responsável pelos custos de produção. BRASIL. A viabilidade pode ser conseguida pela redução das cargas tributárias. Critérios quantitativos para a avaliação e seleção de projetos de investimento. Acesso dia: 10/09/2005. Agronegócio das oleaginosas no Brasil. de 13 de janeiro de 2005. MG: UFV. P. 26. 82 p. Podemos verificar que os indicadores são menos favoráveis quando acontece a inserção da unidade de biodiesel.inovacaotecnologica. Pode-se verificar. A. 301 p. Perspectiva histórica da cadeia da mamona e a introdução da produção de biodiesel no semiárido brasileiro sob o enfoque da teoria dos custos de transação.coppe. Acesso dia: 15/09/2005. Para a taxa de desconto considerada. M. Referências bibliográficas AMORIM.br. para a redução da incerteza relacionada à receita operacional. Informe agropecuário. Avaliação social de projetos. 230 p. 2005. 6 . BELTRÃO. R. INPES. Avaliação técnico-econômica e análise locacional de unidade processadora de soro de queijo em Minas Gerais. R. 1971. ganhando-se com a economia de escala. 2005. R. Conclusões Em função da atual política governamental brasileira. se for considerada a carga tributária que incide atualmente no biodiesel não familiar. 402 p. vol. E.ivig. 2005. Brasil. devido à obrigatoriedade. Piracicaba – SP.Instituto de Mudanças Globais. 142 p. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Universidade Federal de Viçosa. N. a comercialização do biodiesel acontecerá facilmente.br. Disponível em: http://www. Disponível em: http://www.ufrj. Viçosa. NEVES. se acontecer a isenção de ICMS sobre a produção de biodiesel. contribuindo desta forma. que a produção de biodiesel a partir de óleo de soja oriundo de uma planta com capacidade de 30 toneladas/dia não é viável. Belo Horizonte: EPAMIG. os indicadores são bem mais favoráveis. 2003. 2004. publicada no Diário Oficial da União em 14 de janeiro de 2005. CONTADOR. C. 5. 2004.com. Porém. FARO. HOLANDA. publicado no Diário Oficial da União em 06 de dezembro de 2004.º 5. G. para projetos relacionadas a agricultura familiar. São Paulo: Atlas. nº 229. como mostrado neste trabalho e/ou pelo aumento da capacidade da planta de extração de óleo. 1996. N. pela análise dos indicadores. XIII SIMPEP – Bauru. L. Monografia apresentada à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo. C. Rio de Janeiro: IPEA. Viçosa. de 6 de dezembro de 2004. A. Q. BRASIL. 1996. Decreto n. MG: UFV. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará.097. Pesquisas com Biodiesel se Espalham pelo País. HOMEM. 6 a 8 de Novembro de 2006 4.º 11. 1983. os resultados possibilitaram concluir que a unidade de processamento de soja sem a produção de biodiesel. Lei n. 1981.297. Projeto Biodiesel. R.

Anais do IX Congresso Brasileiro de Energia. DA COSTA... O. nº 229. B. 2005. 1772-1779. J. p. Belo Horizonte: EPAMIG. Rio de Janeiro: COPPE. 2002. vol. Vol. F. Administração financeira. In: Congresso Brasileiro de Energia. Potencialidades de oleaginosas para produção de biodiesel. XIII SIMPEP – Bauru. OLIVEIRA. IV. 26. TEIXEIRA. Piracicaba: FEALQ. A. Biodiesel: uma Experiência de Desenvolvimento Sustentável. 1981. 274 p. Projetos agropecuários. 6 a 8 de Novembro de 2006 NORONHA. L. orçamento e avaliação econômica. Informe agropecuário. SP. Rio de Janeiro. Brasil. L. C. 2002. 7 .