You are on page 1of 18

Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com

solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná
Soil-cement hollow bricks produced in the Caiuá Arenite
Region of Paraná

Vladimir José Ferrari
Álvaro Henrique Cândido de Souza
Henrique Paes Baltazar
Wilgner Dotto
José Gabriel Vieira Neto
Resumo
esquisas sobre materiais e técnicas de construção que considerem o

P contexto atual de preservação do meio ambiente e de desenvolvimento
socioeconômico regional sustentável estão cada vez ganhando mais
espaço na sociedade. Nesse aspecto, cita-se o caso das misturas de
cimento ao solo para fins de emprego como material de construção. O presente
trabalho tem por objetivo geral avaliar o solo da região do Arenito Caiuá do
Noroeste do Paraná com vistas a sua incorporação com o cimento para produção
de tijolos de solo-cimento. O efeito da substituição parcial do cimento pela cinza
do bagaço da cana-de-açúcar na resistência à compressão dos tijolos e na
capacidade de absorção de água também é avaliado no presente trabalho. Foram
produzidos tijolos vazados de solo-cimento e de solo-cimento-cinza segundo as
prescrições da NBR 10833 (ABNT, 2012a), e a propriedade mecânica de
resistência a compressão simples e a capacidade de absorção de água foram
determinadas segundo a NBR 8492 (ABNT, 1994). As condições exigíveis para
esses parâmetros, considerando-se a aplicação de tais tijolos à execução de
Vladimir José Ferrari
alvenaria sem função estrutural, são avaliadas com base nas prescrições da NBR
Universidade Estadual de Maringá 8491 (ABNT, 2012b). Os resultados indicam que o solo da região do Arenito
Maringá - PR – Brasil Caiuá pode ser utilizado como matéria-prima para a fabricação de tijolos de solo-
cimento.
Álvaro Henrique Cândido de Palavras-chave: Solo-cimento. Tijolos vazados. Resistência a compressão.
Souza Cinza.
Universidade Estadual de Maringá
Cidade Gaúcha – PR – Brasil Abstract
E-mail: alvarohcs@hotmail.com
Research studies on materials and construction techniques that consider the
current context of environmental preservation and regional sustainable
Henrique Paes Baltazar socioeconomic development are increasingly gaining more space in society. In this
Universidade Estadual de Maringá respect, the use of mixed cement and soil for the production of construction
Cidade Gaúcha – PR - Brasil materials must be pointed out. The main objective of this research work is to
evaluate the soil of Caiuá Arenite Region in the northwest of the State of Parana,
with the aim of using it for producing ecological soil-cement bricks. The effect of
Wilger Dotto adding ash bagasse from sugar cane in the strength compression of bricks was
Universidade Estadual de Maringá
also assessed in this investigation. Soil-cement hollow bricks were produced in
Cidade Gaúcha – PR - Brasil
accordance with the requirements of NBR 10833 (ABNT, 2012a) standard, and the
compressive strength was evaluated according to NBR 8492 (ABNT, 1994)
José Gabriel Vieira Neto standard. The conditions required for those parameters in to application of such
Universidade Estadual de Maringá bricks for the non-structural masonry were evaluated based on the requirements of
Cidade Gaúcha – PR - Brasil NBR 8491 (ABNT, 2012b). The results indicated that the soil from the Caiuá
Arenite Region can be effectively used as raw material for the manufacture of soil-
Recebido em 02/05/13 cement bricks.
Aceito em 19/06/14 Keywords: Soil-cement. Hollow bricks. Strength. Ash.

FERRARI, V. J.; SOUZA, A. H. C.; BALTAZAR, H. P.; DOTTO, W.; VIEIRA NETO, J. G. Tijolos vazados de solo-cimento 131
produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 14, n. 3, p. 131-148,
jul./set. 2014.
ISSN 1678-8621 Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído.

A ideia da CBC foi substituir parcialmente o que tal fato tem levado pesquisadores a aplicar cimento das misturas e fabricar tijolos vazados outras adições minerais (cinza volante. Cabe salientar que cargas aplicadas. Já os objetivos aluminato de cálcio hidratado.. H. 131-148. quando certa forma. De cerca de 250 quilos (25%) de bagaço. v. investiga-se o solo da região do Arenito Caiuá. por conta de suas partículas. jul. base de pavimento para rodovias resistência à compressão simples e a absorção de (ESTABRAGH. resultado a cinza do bagaço da cana-de-açúcar Segundo Houben e Guillaud (1994). mais especificamente o solo do interior do Campus 132 Ferrari. por teores de cimento foram moldados. Ambiente Construído. p. Introdução O solo-cimento pode ser definido como um do Arenito da Universidade Estadual de Maringá material resultante da compactação da mistura de (UEM). estratégia para o vislumbre de uma possível conferindo-lhe resistência inicial. segundo Lima Junior. subprodutos da cana-de-açúcar são a vinhaça e o FOSTER. Willrich e Barbosa (2003) também vazados de solo-cimento e avaliar a resistência à comentam que outras adições minerais usadas em compressão simples e sua capacidade de absorção substituição ao cimento não têm atividade de água.. J.7% em relação à safra hidratação dos silicatos e aluminatos presentes no 2012/2013 (COMPANHIA. o processo de estabilização confere ao queimado. e podem reagir quimicamente com Paraná com vistas a sua incorporação com o a cal que vem da hidratação do cimento. da indústria sucroalcooleira. REDDY. V. finalidade de obter propriedades de longa duração Para cada tonelada de cana-de-açúcar são gerados compatíveis com uma aplicação particular. Baltazar. do Município de Cidade Gaúcha.. o uso do cimento como incorporada às misturas de solo-cimento com um material de estabilização tem sido criticado. cinza da para avaliar sua resistência à compressão simples e casca de arroz. específicos do trabalho foram: produzir tijolos Lima Junior... Willrich e Barbosa (2003) comentam cinza. Esse bagaço é calcinado em e permeabilidade) do solo por meio de sua temperaturas na faixa de 1. usinas da região noroeste do Paraná). água foram avaliadas. previsão total de cana-de-açúcar a ser moída para a Segundo Milani e Freire (2006). J. resistência à compressão simples e sua capacidade consequentemente. BEYTOLAHPOUR. em que os principais 2011) e blocos para alvenarias (TENNANT. formando um gel que preenche parte dos Assim. e produzir tijolos vazados de solo- pozolânica. a CBC foi Willrich e Barbosa (2003)./set. Souza. cimento na estabilização do solo. vistas à fabricação de tijolos de solo-cimento- Lima Junior. JAVADI. do solo com o cimento. 3. que. para cimento Portland para a produção de tijolos formar compostos semelhantes aos silicatos e ecológicos de solo-cimento. características do sistema solo-água-ar com a após a limpeza das caldeiras. C.4%) de cinzas. Dotto. e sua exemplo. n. 2014. com solo com certa quantidade de cimento Portland e vistas a sua utilização na fabricação de tijolos água. ocorrem reações de com aumento de 10. na estabilização safra 2013/2014 é de 652.. cimento. BEYTOLAHPOUR. W. como. A. 2013). cimento com substituição parcial do cimento pela que possuem elevada finura. O bagaço da cana-de-açúcar é Um dos princípios envolvidos na obtenção desse reaproveitado como combustível nas caldeiras para material é a melhoria das propriedades (resistência geração de energia. H. etc. sílica ativa. a (CBC). numa segunda etapa do trabalho (como vazios da massa e une os grãos adjacentes do solo. 2013). mas que. proteção de encostas e aterros Na região do Arenito Caiuá existe forte presença (ESTABRAGH.000 C e tem como estabilização química através do cimento Portland. Vieira Neto. Tijolos com diferentes da construção em alguns casos.) em substituição ao sua capacidade de absorção de água. Porto Alegre. o objetivo geral do trabalho foi o de os autores. . Esse resíduo industrial pode poluir o estabilização do solo consiste em modificar as ambiente quando descartado de forma incorreta. G.. Esse material tem sido aplicado na indústria vazados de solo-cimento. solo. localizada no noroeste do Paraná. que contêm 77% de areia de deformações quando ele é submetido ao efeito de quartzo e pó de carvão. destinação desse resíduo muito abundante nas Por questões ambientais. podem preencher os CBC e avaliar sua propriedade mecânica de vazios entre as partículas do cimento e aumentar. Ainda segundo Assim. 14. P. produz aproximadamente 6 quilos solo uma resposta mais adequada ante as (2. 2011).02 milhões de toneladas. JAVADI. Neste trabalho. essas adições têm sílica e alumínio sob estudar o solo da região do Arenito Caiuá do a forma amorfa. bagaço. a densidade e a resistência do de absorção de água.

(em %). dispondo-se. o solo destinado à e silte. na O solo foi coletado sempre de uma mesma área abscissa. 1984b) e NBR 6459 (ABNT. NL (não líquido). os diâmetros das partículas em escala (fonte de coleta). Conforme composição mostrada na Figura 2. como já 6457 (ABNT. 0. classificada como não apresentando limite de plasticidade. De acordo com a NBR sabido. 1986a). 2014.075 mm foram tomados 100 g do solo e realizado o peneiramento. fabricação de tijolos maciços de solo-cimento com prensa manual deve atender às seguintes Limites de consistência características: Os ensaios para determinação dos limites de (a) 100% passando na peneira ABNT 4. 3. jul. Para investigar a porcentagem de material passante IP = LL – LP Eq. v. Ambiente Construído. preliminares 1984a). as porcentagens das Campus do Arenito. 131-148.8% de material passante na peneira de concha do aparelho de Casagrande. 2003a). ou seja. p. Laboratório de Solos do Departamento de (b) 10% a 50% passando na peneira ABNT 0. atendida. solo da área de coleta. 1 nas peneiras 4. seguindo-se as Coleta do solo e investigações recomendações descritas na NBR 7181 (ABNT. Esse valor está um pouco abaixo do foi classificada como não apresentando limite de limite inferior especificado como condição a ser liquidez. 14. Sendo assim. todavia teve ranhura quando da colocação da amostra na apenas 7. Figura 1 . os procedimentos descritos na NBR 7180 (ABNT. PR. tem- As amostras coletadas do solo foram preparadas se a classificação granulométrica indicada na seguindo-se as recomendações descritas na NBR Tabela 1. (c) limite de liquidez (LL) menor ou igual a 45%. 1984c). verificou-se impossibilidade contando-se com o auxílio de um agitador de se obter o cilindro de 3 mm de diâmetro com a mecânico de peneiras. Características do solo com Análise granulométrica vistas à produção de tijolos de O ensaio de análise granulométrica foi realizado solo-cimento no Laboratório de Solos do Departamento de Engenharia Civil (DEC) da UEM. Na Figura 1 mostra-se o aspecto do considerados (em escala aritmética). n. no Município de Cidade partículas menores do que os diâmetros Gaúcha.8 mm (nº consistência do solo foram realizados no 4).075 Engenharia Agrícola (DEA) da UEM. seguindo-se mm (nº 200).8 mm. localizada nas dependências do logarítmica e. Vê-se que o solo é arenoso. Porto Alegre. 1. amostra de solo. O resultado da composição granulométrica do solo é indicado na Figura 2. Sendo assim. o que satisfez a primeira das se impossibilidade de se conseguir a abertura da condições descritas anteriormente. e O índice de plasticidade (IP) do solo foi obtido utilizando-se a Eq.075 mm. onde LL representa o limite (d) índice de plasticidade (IP) menor ou igual a de liquidez (em %) e LP o limite de plasticidade 18%. O solo teve 100% de sua massa passando na NP (não plástico). ou seja./set. verificou- peneira de 4. Com relação ao LP. tendo 78% de areia e 22% de teor de argila 10832 (ABNT.Fonte de coleta do solo do Arenito Caiuá Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 133 .8 mm e 0. Já com relação ao LL. na ordenada.

Vê-se que a umidade ótima do solo no sentido do comprimento da fôrma. 14. Na 8.. o solo foi UEM com reúso de material sobre amostras classificado. O teste de retração consistiu em colocar a amostra de solo misturado com certa quantidade de água Na Figura 3 é mostrada a curva de compactação do em uma fôrma de madeira com dimensões de solo a partir dos dados coletados no ensaio. segundo os parâmetros da ASTM D- 134 Ferrari. Baltazar. jul. ensaio de compactação das misturas de solo- cimento.. foi realizado no Laboratório de Solos do DEC da A partir dos resultados até então obtidos.Classificação granulométrica do solo Classificação Granulométrica Solo Areia Argila (%) Silte (%) Fina (%) Média (%) Grossa (%) Campus do Arenito 19 3 18 60 0 Teste de retração preparadas com secagem prévia até a umidade higroscópica. em massa. p. (ABNT. J. G. . Souza. Ainda desse valor pode-se dizer que é bem inferior ao limite de O método de ensaio “A” prescrito na NBR 12023 20 mm. Ambiente Construído. Ensaio de compactação do solo a ser misturado ao solo para realizar o ensaio de compactação. Vieira Neto. Dotto. Após esse período fez-se a leitura da retração correspondentes (s).Composição granulométrica do solo Tabela 1 ./set. P. as massas específicas aparentes secas dias.. extraída da NBR 12253 (ABNT. 1986b). utilizou-se como referência a Tabela O ensaio. V. utilizando-se para tanto um paquímetro. 1992a).. A. 3. A mistura foi colocada na fôrma abscissa são marcados os teores de umidade (h) e. n. 2. W.. 131-148. Foi obtido o valor de retração total igual a 2. correspondente ao solo é igual a 9. sem compactação e protegida do sol e chuva por 7 na ordenada. C.. 1992b) foi o utilizado para realizar o 1984).. sendo esse valor dado a partir da de solo-cimento formação de 3 pequenas fissuras. segundo a NBR 7182 (ABNT. 2014.5x60x3. recomendado pelo Ceped (CENTRO. Figura 2 . J. Para definir o teor de cimento.5 mm para o solo Ensaio de compactação das misturas investigado. H. v. Porto Alegre. H.5 cm.3%.

14.80 1. foi também selecionado cimento foi completamente misturado ao solo.90 s (kN/m3) 1. a mistura seca (Figura 4).2.95 1.Curva de compactação do solo natural CURVA DE COMPACTAÇÃO 2. em massa (%) A. o teor de (8%). 2009). Figura 4 ..70 1.a 5 A. v. Ambiente Construído.Teor de cimento sugerido para ensaio de compactação de solo-cimento Classificação do solo Teor de cimento sugerido.85 1. 2014.4 10 Fonte: NBR 12253 (ABNT. Foi dada sequência aos ensaios.1.00 1.. 3282 (AMERICAN. O outros teores de cimento..2 7 A. De posse dessa informação. n. 3. em massa. Figura 3 .05 2. como sendo do referência de 7%. p. assim.b 6 A. 1992a). cimento tomado como referência inicial foi de 7%.Mistura seca do cimento ao solo Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 135 . compondo. imediatamente acima grupo A.75 1. 7% e 8%.1.3 9 A.65 4 5 6 7 8 9 10 11 12 h (%) Tabela 2 . até um teor imediatamente abaixo (6%) do valor de atingir uma coloração uniforme em toda a massa. e outro. jul. adicionando-se No entanto./set. 131-148. tendo-se como objetivo a obtenção da cimento (CP II – F32) às amostras de solo nos umidade ótima da mistura de solo-cimento para teores referentes a 6%. Porto Alegre.

/set. H. adquirida com recursos Composições estudadas e fabricação oriundos de financiamento do projeto de pesquisa dos tijolos aprovado pela Fundação Araucária (órgão que apoia o desenvolvimento científico e tecnológico Foram fabricados tijolos vazados de solo-cimento no estado do Paraná). jul.85 1. Dotto. P. compressão simples e da capacidade de absorção Figura 5 . conforme mostrado na ensaiados para determinação da resistência à Figura 7. 2012a).75 1.97 7% 9. triturado e. distribuídos de interior do Laboratório de Materiais de Construção acordo com as três diferentes composições do DEA da UEM até atingir a umidade indicadas na Tabela 4. 14 e 21 das misturas de solo-cimento. v.01 Tabela 4 . em seguida. 2014.90 1.0 1. que foram posteriormente.4 2.Curvas de compactação das misturas de solo-cimento 2.. Nessa fase do trabalho foi Para produção dos tijolos uma considerável produzido um total de 27 corpos de prova de quantidade de solo foi coletada e mantida no tijolos vazados de solo-cimento.Composições utilizadas para fabricação dos tijolos vazados Idade (dias) Composições estudadas 07 14 21 A 6% de adição (100% de cimento + 0% de cinza) 03 03 03 B 7% de adição (100% de cimento + 0% de cinza) 03 03 03 C 8% de adição (100% de cimento + 0% de cinza) 03 03 03 136 Ferrari. como também avaliar a influência Fabricação de tijolos vazados da idade dos tijolos nessas propriedades. composições foram moldados 9 tijolos. São reunidas na Figura 5 as curvas de compactação de água nas idades correspondentes a 7. 131-148. aumento do teor de cimento na resistência dos tijolos vazados..04 8% 9. e na Tabela 3 são dias. sendo.. J. Souza.. peneirado. Vieira Neto.70 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 h (%) Tabela 3 . Ambiente Construído. tendo-se como referência a norma NBR 10833 (ABNT. A. W. de solo-cimento Os tijolos foram moldados utilizando-se uma prensa manual (Figura 6). J. 3.0 2. V.80 1. 14. .95 s (kN/m3) 1. indicados os valores de umidade ótima e da massa As composições indicadas na Tabela 4 foram específica aparente seca para cada uma das idealizadas com o objetivo de avaliar o efeito do misturas analisadas. Baltazar. H. C. Porto Alegre.05 6% 2. p.Umidade ótima e massa específica aparente seca das misturas de solo-cimento Teor de cimento da mistura h (%) s (g/cm3) 6% 10. n. G. Para cada uma das higroscópica.10 2.00 7% 8% 1.

Em seguida foram atingir uma constância de coloração. jul. foram secos em estufa elétrica entre 105 e 110 C. para obtenção da mostrado na Figura 8. 131-148. 2014.Prensa manual para fabricação dos tijolos vazados Figura 7 . A água foi adicionada aos massa do tijolo saturado (M2). 3./set. Ambiente Construído. Para estudo e a quantidade de água conforme o valor de realizar o ensaio de absorção de água. A(%)   100 Eq. Para realizar o ensaio de compressão simples. Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 137 . Figura 6 . a fim de uniformizar a moldagem. os tijolos umidade ótima obtida para cada uma das misturas. p. transferência de carga para todo o volume do tijolo Após a moldagem cada tijolo foi armazenado em durante o ensaio de resistência à compressão uma bancada no interior do Laboratório. após Cada corpo de prova foi então preparado. como imersos em água durante 24 h. na qual cada um dos tijolos foi utilizando-se enxofre derretido (Figura 10). Tal moldado. com o auxílio das próprias mãos. sem a o teor de cimento referente a cada composição em realização de nenhum processo de cura. onde simples.Preparo do solo para produção dos tijolos Para a produção dos tijolos foi adicionado ao solo permaneceram sob as mesmas condições. 2. v. Porto Alegre. cada uma das duas colocando-se uma quantidade suficiente da mistura maiores superfícies do corpo de prova foi capeada na prensa manual. n. Os materiais foram manualmente misturados até até constância de massa (M1). 2 percebeu-se que era possível formar pequenas M1 bolas com a mistura já umedecida. a retirada do tijolo da água. 14. através de um simples teste M 2  M1 prático. Na Figura 9 mostra-se o tijolo logo após procedimento foi realizado para regularizar e a moldagem e seu aspecto após 24 h decorridas da nivelar as superfícies. momento em que. O valor da absorção poucos procurando-se revirar toda a mistura até o de cada tijolo foi calculado pela Eq.

p. P. V. H. . J. 3. 2014. C. A carga foi aplicada fissura e também seu aspecto no instante da lentamente. v.Aspecto dos tijolos moldados Figura 10 .. Dotto./set. n.Remoção das saliências do tijolo e seu aspecto após o capeamento Figura 11 . H. Vieira Neto. e anotaram-se os valores referentes à ruptura. Souza. J.. Cada corpo de prova foi então levado até a prensa ruptura do corpo de prova. Porto Alegre. Baltazar. 14. Ambiente Construído.. jul.. W. Figura 8 . Na Figura 11 mostra-se hidráulica para a realização do ensaio de o aspecto do tijolo com o surgimento da primeira compressão simples. G. 131-148. A.Mistura de solo-cimento para a produção dos tijolos Figura 9 .Primeira fissura e ruptura do tijolo em ensaio de compressão simples 138 Ferrari.

49 C 12.47 24.4 3.85 12.8 6.40 24.2 2.0 2.28 57.41 12. Importante registrar que esses valores-limites da norma são Na Tabela 5 são indicados os resultados obtidos de referenciados à idade de 28 dias.8 6.16 3.1 2.37 58.32 65. Ambiente Construído.43 24.93 Idade: 21 dias 12.64 62.8 6.92 Idade: 14 dias 12. média também são superiores ao valor de 1.70 59.3 2.30 46.41 12. 3.42 24.8 6.96 12.14 67.40 24. que apresenta o resultado médio de cada composição Na Figura 12 os resultados médios da resistência à estudada.3 3.43 24.9 2. 14.8 3.Cargas e resistências dos tijolos vazados de solo-cimento Dimensões (cm) Cargas (kN) Resistências (MPa) Composição Largura Comprimento Espessura Pr Máxima Média 12. Os valores individuais que compõem a conforme prescreve a NBR 8491 (ABNT.8 6.40 61.8 6.18 12.41 B 12.8 5.40 24.3 3.10 68.58 12.0 2.36 B 12.36 12.25 51.42 24.41 24.8 2. recomendado pela NBR 8491 (ABNT.44 63.10 58.40 24.7 2.5 2.38 24.8 6.14 12.40 24.25 70.54 2.0 3.82 5.32 12.43 52.8 6. água dos tijolos são sempre menores do que 20%.59 12.42 24.8 6.26 80.9 5.80 5. Porto Alegre. estudadas foi superior ao valor mínimo de 2.2 2.6 2.44 24.15 Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 139 .42 24.8 6. Essa característica é mais a resistência obtida com as três composições evidenciada entre as idades de 14 e 21 dias. resistência à compressão simples para os corpos de prova das composições A.43 24.44 24.18 66.14 A 12.3 2. evidencia uma tendência de redução da compressão simples dos tijolos são graficamente capacidade de absorção de água dos tijolos com a comparados.2 2.44 24.4 1.2 3.43 24.13 A 12.36 55. B e C para as idades de Na Figura 13 mostra-se a evolução da absorção de 7. 2012b).43 24. n.97 12.08 12.6 2.1 2. v.36 70.8 6.29 Idade: 7 dias 12. 2012b).0 2.44 24. Resultados obtidos recomendado pela referida norma.7 MPa./set.42 24.26 60.04 12. Tabela 5 . p.7 6.89 A 12.58 3.8 6.10 56.8 6.43 24.9 5.7 6. jul. água dos tijolos com a idade.55 61.4 2.28 69.43 24.8 5.0 Importante registrar que os valores de absorção de MPa.43 24.4 2.25 81.2 3.8 6.2 3.06 C 12.9 5.78 5.34 2.51 B 12.10 41.9 5.44 24. O gráfico. 14 e 21 dias.8 6.44 24. 131-148. Observa-se que já aos 7 dias de idade evolução da idade.95 2.03 3.7 6.56 68.72 2.54 C 12.55 12. 2014.17 2.68 2.20 52.64 71.

jul.5 1.. J. A.50 C 12. p.Evolução da absorção de água dos tijolos com a idade 16. Vieira Neto. Ambiente Construído.00 C 13. P. A CBC 140 Ferrari. G. 131-148. H.00 C 12.0 7 14 21 Idade Figura 13 . n. Souza. Porto Alegre. .Evolução da resistência à compressão dos tijolos com a idade 3. substituição parcial do cimento pela CBC. J. Baltazar.0 A A Resistência à compressão (MPa) C 2. 3.50 A B A A 14.5 B B C 3.50 7 dias 14 dias 21 dias Idade Fabricação de tijolos vazados é muito abundante na região noroeste do Paraná. foram analisadas seis novas composições.00 B 15. 2014. W.0 1.. V.00 Absorção de água (%) 14. 14. 2012b).5 B C A 2./set. que foram composições estudadas no item anterior é superior ensaiados para a determinação da resistência à à resistência mínima estabelecida pela NBR 8491 compressão simples e da capacidade de absorção (ABNT. Figura 12 . Dotto. v.00 11. H. C. Cada uma das composições estudadas está fabricados tijolos vazados de solo-cimento com a apresentada na Tabela 6. foram nessa etapa do trabalho de água. 14 e 21 dias Composições estudadas e fabricação quando aplicado em substituição parcial ao dos tijolos cimento da mistura. e o objetivo aqui foi avaliar o efeito desse resíduo de solo-cimento-cinza sobre a resistência e a absorção de água dos tijolos e sua evolução com as idades de 7. sendo moldados para cada Como a resistência à compressão simples das composição 9 corpos de prova. Para tanto.50 B 13.50 15...

a Ensaio de compactação das misturas totalidade da cinza possui diâmetro entre 0. Através do comparativo cimento-cinza foram realizados no Laboratório de entre fichas cristalográficas de referência de Solos do DEC da UEM. e também Na Tabela 7 apresenta-se a percentagem retida avaliar seu efeito na capacidade de absorção de acumulada da cinza conforme análise água dos tijolos. 3. [sem título]. praticamente. sim. n. 1984a). 2005). 1 INTERNATIONAL CENTRE FOR DIFFRACTION DATA. modelo D6000). v. ou a presença de gravetos. 1992b). com objetivo de dar destinação material para a realização dos ensaios. jul. pode-se afirmar que há presença de mais de Na Figura 15 mostra-se a cinza e o cimento 98% de SiO2 cristalino (quartzo) e menos de 2% adicionados à amostra de solo seco. p. mas. através do método foi submetida a ensaios de compactação para a do pó. Os baixos resultados podem Machado e Martins (2011) e Martins e Machado ser explicados pelo elevado teor de SiO2 cristalino (2009).com/>. pozolânica da cinza. 1980). Ambiente Construído. próximo ao município de Maringá.icdd.595 mm (malha 30)./set. coletou-se quantidade suficiente de tijolos. conforme as recomendações da NBR (INTERNATIONAL.. Liberati.006 de solo-cimento-cinza mm e 0. granulométrica realizada. A determinação mineralógica foi realizada pela Cada uma das seis novas composições de misturas análise de difração de raios X. adequada e possível a esse resíduo. 14. evidenciam que a amostra possui material Os ensaios de compactação das misturas de solo- cristalino (Figura 14). a baixa atividade a um almofariz e destorroado com um gral pozolânica da cinza no estado natural permite seu revestido com borracha em sua ponta. Acesso em: ??? Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 141 ..Composições utilizadas para a fabricação dos tijolos vazados de solo-cimento-cinza Idade (dias) Composições estudadas 07 14 21 A1 6% de adição (90% de cimento + 10% de cinza) 03 03 03 A2 6% de adição (80% de cimento + 20% de cinza) 03 03 03 B1 7% de adição (90% de cimento + 10% de cinza) 03 03 03 B2 7% de adição (80% de cimento + 20% de cinza) 03 03 03 C1 8% de adição (90% de cimento + 10% de cinza) 03 03 03 C2 8% de adição (80% de cimento + 20% de cinza) 03 03 03 Cinza do bagaço da cana-de-açúcar A determinação da atividade pozolânica foi (CBC) realizada pelo método de Chapelle Modificado (RAVERDY et al.6 mm. podendo-se comparação com materiais cristalinos. obtenção do teor de umidade ótimo de cada uma. 131-148. realizada em um difratômero (Shimadzu. folhas. pedras e outros Por não ser um material reativo. na forma de quartzo. Dessa forma. (2008). O cimento (CP de trimidita e cristobalita. Os resultados do ensaio de Esse teor de umidade é o que será utilizado na difração de raios X (DRX) apresentam picos que fabricação dos tijolos. 12023 (ABNT. 1996 1 apud FREITAS. PR. a amostra da cinza foi conduzida ao Os resultados da caracterização mostram que a laboratório e seca ao ar na sombra por dois dias. Essa atividade é A cinza utilizada foi proveniente da Usina Sulcro. Na Tabela 8 obter maiores detalhes por meio da consulta aos apresentam-se os resultados da atividade seguintes autores: Nunes et al. Após a coleta. emprego apenas como enchimento em compósitos foi peneirado até que não houvesse material retido à base de cimento Portland curados ao ar. A cinza possui alta concentração de materiais amostra foi passada pela peneira com abertura de cristalinos na forma de quartzo e possui baixa área 0. seguindo-se o método “A” materiais puros do JCPDS-ICCD de ensaio. Após o utilizada para obter melhorias na resistência dos peneiramento. Disponível em: <www. materiais com estrutura desordenada resultados provenientes da caracterização física e (amorfa) apresentam maior reatividade em química estão na sequência relatados. obedecendo-se à NBR 7181 (ABNT. Vê-se que. O material retido foi levado superficial. localizada depende da composição química do material. Alguns Dessa forma. em seguida. 2014. diretamente proporcional à área específica e alcooleira do Distrito de Iguatemi. Porto Alegre. II – F32) e a cinza foram misturados completamente ao solo até atingir uma coloração uniforme em toda a massa. a cinza não foi resíduos considerados impurezas... Tabela 6 .

P.2 mm 46% 0.Índice de atividade pozolânica Matéria orgânica 3.6 mm 50% 0./set. A mesma metodologia para fabricar os tijolos são indicados apenas os valores médios das vazados de solo-cimento foi a usada para fabricar resistências.95% Massa específica (kg/m3) 2. Baltazar. C são reapresentados. Na Tabela 10 são reunidos os valores de resistência média à compressão simples para cada Resistência à compressão simples uma das misturas de solo-cimento-cinza.06 a 0. J. Para efeito cimento a cinza na quantidade necessária para cada comparativo os resultados das composições A. (2008). Tabela 7 . A única ótima e de massa específica aparente seca.Difração de raios X Fonte: Nunes et al. 142 Ferrari.2 a 0. H. p.. J. B e mistura.610% mg CaO/g de material 23 Área específica (m2/kg) 5. A..356 Figura 15 . n. V.002 mm 2% Figura 14 . G. Tabela 8 . v. Dotto. Vieira Neto. obtidos observação foi a de incluir na mistura de solo- para cada uma das composições.06 mm 2% < 0. 2014. 3. W.6 a 2 mm 0% 0.. Souza. Porto Alegre.55% Umidade 0.Mistura do cimento e cinza ao solo Na Tabela 9 são reunidos os valores de umidade os tijolos vazados de solo-cimento-cinza. Ambiente Construído. jul. H. suprimindo-se os valores individuais. C. . B e C. são reapresentados os dos tijolos vazados de solo-cimento..002 a 0. resultados de compressão obtidos para as misturas cinza A.Porcentagem retida de material 0. 14. Para efeito comparativo. 131-148. Para melhor ajuste do formato da tabela.

2 Resistência 2.17 1.04 1. 3. No entanto. Ambiente Construído.Resistência média à compressão simples dos tijolos vazados de solo-cimento Idade: 7 dias Composição A A.98 B. os cimento pela cinza na mistura.2 B B. Na Figura 16 os resultados médios da resistência à cinza.93 2.97 A. Porém. n./set. a queda na resistência dos Nota-se que nessa idade os tijolos com substituição tijolos foi de 57%. e B absorveram menos água do que os tijolos sem Tabela 9 .21 média (MPa) Idade: 14 dias Composição A A.1 C.93 1.1 C. 131-148. 31% e 22% para absorção de água com a substituição do cimento as composições A.0 2.Umidade ótima e massa específica aparente seca máxima das diversas composições estudadas Composição hótima (%) s (g/cm3) Solo natural (0% de adição) 9.01 1.3 2. 2014.14 3. jul.2 B B.85 1.84 1.2 6% de adição (80% de cimento + 20% de cinza) 10. pela cinza.2 C C. e C: 49%). Quando da substituição de 10% do composição A. com a substituição de 20% de compressão simples dos tijolos aos 7 dias de idade cimento pela cinza.4 2.08 2.0 1.99 A 6% de adição (100% de cimento + 0% de cinza) 10.1 8% de adição (90% de cimento + 10% de cinza) 9.0 1. evidenciada a diminuição da resistência com o Na Figura 17 é indicada graficamente a absorção aumento da substituição parcial do cimento pela de água na idade de 7 dias dos tijolos produzidos cinza.20 média (MPa) Idade: 21 dias Composição A A.95 C.2 7% de adição (80% de cimento + 20% de cinza) 10.14 2.55 2.1 B.18 2.1 A.1 7% de adição (90% de cimento + 10% de cinza) 9. Já para a composição C.22 1.2 B B.04 1.98 C.18 2. Quando da substituição de 10% do cimento com substituição parcial do cimento pela cinza.1 B.19 3.9 1. a absorção de água foi maior são representados graficamente.3 9% de adição (100% de cimento + 0% de cinza) 9. B e C respectivamente.74 1.67 3.41 1.1 6% de adição (90% de cimento + 10% de cinza) 10.38 2. p. Fica bem do que nos tijolos com apenas 10% de evidenciada a diminuição ocorrida na resistência à substituição. v.92 1.1 B.18 1. a queda na resultados denotam que há sempre aumento da resistência dos tijolos foi de 17%. pelo resíduo na mistura.00 A.2 Resistência 2.2 8% de adição (80% de cimento + 20% de cinza) 9.2 C C.1 A.7 1.08 2.3 1.2 Resistência 2. 14.04 B.2 C C. e s : massa específica aparente seca.01 B 7% de adição (100% de cimento + 0% de cinza) 9. mantendo-se num valor abaixo da compressão com a substituição parcial do cimento absorção de água do tijolo sem cinza para a pela cinza.01 C.9 1.4 2. 56% e 18% para as de 10% de cimento pela cinza das composições A composições A.01 Nota: Legenda: hótima: umidade ótima da composição obtido através de ensaio de compactação através do cilindro Proctor em energia normal.5 2. para 20% de substituição do cimento pela cinza.97 C 8% de adição (100% de cimento + 0% de cinza) 9. B: idade são representados graficamente.1 C.1 A.36 1.48 média (MPa) Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 143 . Tabela 10 . a Na Figura 18 os resultados médios da resistência à queda na resistência dos tijolos foi em torno de compressão simples dos tijolos aos 14 dias de 50% para as composições estudadas (A: 47%. Permanece 51%. B e C respectivamente. Porto Alegre.

.0 16.5 B Resistência à compressão (MPa) 3. Vieira Neto. jul. C. H. Dotto.00 C1 B1 A1 1.0 100% cim 90% cim 80% cim Teor de cimento da mistura (%) 144 Ferrari.0 15.0 B2 14.. 14. P. 2014. Ambiente Construído. V.5 C1 15. G.0 A C 2.5 C 12. n. 131-148. p. J.5 17..5 C1 B1 2.50 B2 C2 A2 1.Resistência a compressão dos tijolos na idade de 14 dias Resistência à compressão: tijolos vazados aos 14 dias 3.. J. Baltazar.00 100% cim 90% cim 80% cim Teor de cimento da mistura (%) Figura 17 .00 Resistência à compressão (MPa) 2.0 B1 A2 13.0 12..0 100% cim 90% cim 80% cim Teor de cimento da mistura (%) Figura 18 .Absorção de água dos tijolos na idade de 7 dias Absorção de água: tijolos vazados aos 7 dias 18. W.5 B2 A2 C2 1. v.5 A B 14.0 A1 1.5 Absorção de água (%) 16.Resistência à compressão dos tijolos na idade de 7 dias Resistência à compressão: tijolos vazados aos 7 dias 3.0 C2 17. Porto Alegre. 3.5 A1 13. Figura 16 . H.50 B C A 2. Souza./set. A.

0 2. Porto Alegre. 2014.0 C2 B2 14. p. 43% e 41% para decréscimo para 20% de cinza).0 100% cim 90% cim 80% cim Teor de cimento da mistura (%) Figura 20 .0 12. Aqui se resistência dos tijolos com substituição de 10% de nota que nessa idade os tijolos com substituição de cimento pela cinza superam o valor mínimo de 2. Ambiente Construído. Na Figura 19 é indicada graficamente a absorção aumento da substituição do cimento pela cinza. 14. evidenciada a diminuição da resistência com o Figura 19 .5 A 14.0 10% de cimento pela cinza absorveram menos MPa. a Na Figura 21 é indicada graficamente a absorção absorção de água nas composições A e C foram de água na idade de 21 dias dos tijolos produzidos maiores do que nos tijolos com apenas 10% de com substituição do cimento pela cinza.5 B1 C1 A1 2./set. os tijolos com Na Figura 20 os resultados médios da resistência à substituição do cimento pela cinza apresentaram compressão simples dos tijolos aos 21 dias de maior capacidade de absorção de água do que os idade são representados graficamente.5 13. a queda na resistência dos tijolos aumentou para 10% de cinza e apresentou aos 21 dias de idade foi de 44%. Quando da substituição de 10% do cimento pela 7% de teor de cimento. estabelecido pela norma. Permanece tijolos sem a substituição do cimento.0 B 15.5 15. na qual a absorção cinza na mistura.Resistência à compressão dos tijolos na idade de 21 dias Resistência à compressão: tijolos vazados aos 21 dias 3.Absorção de água dos tijolos na idade de 14 dias Absorção de água: tijolos vazados aos 14 dias 18. Com a as composições A. Nota-se substituição. jul.5 A2 1. v.0 C C1 A1 A2 13.0 16.5 B1 Absorção de água (%) 16.0 100% cim 90% cim 80% cim Teor de cimento da mistura (%) Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 145 . n. que nessa idade. 3. substituição de 20% de cimento pela cinza. B e C respectivamente.5 12. O mesmo não água do que os tijolos sem a substituição do ocorre para os tijolos contendo 20% desse resíduo.5 B C Resistência à compressão (MPa) A 3. em geral.0 B2 C2 1.0 17. cimento (exceção para a composição contendo B. de água na idade de 14 dias dos tijolos produzidos Importante registrar que na idade de 21 dias a com substituição do cimento pela cinza. 131-148.5 17.

resistência dos tijolos também diminuiu com o aumento da quantidade de cinza adicionada à Referências mistura. ordem de 40% para todas as composições Washington. sua capacidade de absorção de água dos tijolos de propriedade mecânica de resistência à compressão solo-cimento com a evolução da idade. A.. os teores de absorção de água dos tijolos norma NBR 10832 (ABNT. Município de Cidade Gaúcha. e superando o valor-limite mínimo de 2.0 17. 7% e (i) ficou evidenciada tendência de redução da 8% tiveram.0 16.0 A1 C1 14..0 MPa do noroeste do Paraná. (j) com relação à absorção de água dos tijolos de estipulado pela NBR 8491 (ABNT. 2009.5 15. incorporar a cinza numa taxa não superior a 10% para a fabricação de tijolos sem função estrutural.5 B1 A B2 14. estudadas. AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND (f) quando da substituição parcial de 10% de MATERIALS.. a resistência dos tijolos manteve-se superior ao valor mínimo ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS recomendado pela norma. p. J. com teores de cimento. Vieira Neto. solo-cimento-cinza somente na idade de 21 dias. podendo dessa maneira. Dotto. G. mesmo assim. . No entanto. P. 131-148.0 13. ASTM D-3282: standard practice cimento pela cinza na mistura. em massa. Porto Alegre.0 C 12. Ambiente Construído. 146 Ferrari. Figura 21 . (d) os tijolos produzidos com o teor de 7% de ficou evidenciada a tendência de aumento da cimento apresentaram maior resistência à absorção de água com o aumento da substituição compressão em todas as idades analisadas. 21 dias de idade ficou inferior ao valor de 2. W. n. C.. 1984c. 2012b). 14. (c) tijolos vazados de solo-cimento produzidos recomendado pela norma. 2003). a queda na for classification of soils and soil-aggregate resistência dos tijolos aos 21 dias de idade foi da mixtures for highway construction purposes. (a) é possível fabricar tijolos de solo-cimento Nesse teor. a resistência à compressão obtida aos empregando-se o solo da região do Arenito Caiuá. já com a idade de 7 dias.0 15. NBR 6459: solo: determinação do por considerações econômicas e ambientais.5 A2 Absorção de água (%) 16. Souza. TÉCNICAS. jul.Absorção de água dos tijolos na idade de 21 dias Absorção de água: tijolos vazados aos 21 dias 18. de 6%. 3.5 17.5 B C2 13. Já nas outras idades (e) com a substituição do cimento pela cinza nas observou-se tendência de diminuição da absorção misturas de solo-cimento.5 12. v./set. J. Baltazar. V. Rio de Janeiro. A cimento pela cinza.0 MPa. (h) mesmo com a substituição do cimento pela (b) tal solo atende aos limites especificados pela cinza.0 100% cim 90% cim 80% cim Teor de cimento da mistura (%) Conclusões (g) não se recomenda utilizar 20% de cinza em substituição ao cimento para fabricação dos tijolos. do cimento pela cinza. mantiveram-se abaixo do valor máximo de 20%. 2014. a resistência à de água do tijolo para 10% de substituição do compressão dos tijolos sempre diminuiu. H. limite de liquidez. H. mais especificamente do para as três composições estudadas.

23. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Maringá... RAVERDY. NBR 7182: solo: ensaio de MARTINS. A. 2003. Janeiro. A. Effect of Resin on the Strength of Soil-Cement Mixture. v. H. Porto Alegre. 362 granulométrica. análise dimensional. V. 1986a. Maringá: UEM. HOUBEN. Concretos Com Substituição Parcial de Cimento ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Por cinza de bagaço de cana-de-açúcar. A. Físicas e Mecânicas de Misturas de Solo. JAVADI. Civil. p. BEYTOLAHPOUR. London: TÉCNICAS. <http://www. Revista TÉCNICAS. Appréciation de I’Activité Pouzzolanique des Constituants Secondaires. H. Rio de Janeiro. 3. Universidade Estadual Norte TÉCNICAS. W. I. Disponível em: TENNANT. de S. para emprego como camada de pavimento. GUILLAUD. NBR 12253: solo-cimento: dosagem 1-10. J. 7. Maringá. 7. TÉCNICAS. ENTECA. 552-558. 1984a. D. Cimento e Casca de Arroz. p. Rio de Janeiro. 8.gov. 1994. Resistência Mecânica de compactação.. n. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. P. In: bloco de solo-cimento com utilização de prensa ENCONTRO TECNOLÓGICO DA manual ou hidráulica: procedimento. FOSTER. H. B. L. S. p. Rio de Janeiro.. Características de compactação. H. 303-307. 2014.. I. P. Camaçari: CEPED. v. NBR 12023: solo-cimento: ensaio MILANI. 2012a. 7. p. E. 1984b. C. NBR 6457: amostras de solo: Bagaço da Cana-de-Açúcar do Município dos preparação para ensaios de compactação e ensaios Campos Goytacazes Para Uso na Construção de caracterização. C. T. 26. determinação da resistência à LIMA JUNIOR. 7. n. ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA. manual: procedimento. Caracterização da Cinza do TÉCNICAS. 131-148.. v. 2012b. 1984.conab. S.. Earth ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Construction: a compressive guide. Fluminense Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro. G... 25. 969-976. Rio de Janeiro. jul.. Engineering. H. Acompanhamento da DES CIMENTS. NBR 7180: solo: determinação do limite de plasticidade.. Safra Brasileira: segundo levantamento da safra 2013. TÉCNICAS. A. NBR 8492: tijolo de solo-cimento: ENTECA. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Escola de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Engenharia. Maringá: UEM.. In: TÉCNICAS. Anais. Uso da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Cinza do Bagaço de Cana-de-Açúcar Como TÉCNICAS. Journal of Materials in Civil Engineering. 2005. 2003. A. 14. Rio de Janeiro.. et al. Rio de Janeiro. Paris. n. Rio de ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA. Journal of Materials in Civil ESTABRAGH. MARTINS. n. C. 1992a. R.. 1994. N. MACHADO. H. 2011.. NBR 7181: solo: análise Intermediate Technology Publications. Rio de Janeiro. A.. Rio de Janeiro. 2006. et al. H. Tijolos vazados de solo-cimento produzidos com solo da Região do Arenito Caiuá do Paraná 147 . p. 3. 116 p. In: COMPANHIA NACIONAL DE CONGRÉS INTERNATIONAL DE LA CHIMIE ABASTECIMENTO. 2011. 1986b. Manual de Tecnológica. V. P. Rio de Janeiro. NBR 10832: fabricação de tijolo Brasileira de Engenharia Agrícola e maciço de solo-cimento com utilização de prensa Ambiental. M. v. 17. C. Estudo as Características Físicas e Químicas da Cinza do Bagaço de Cana- CENTRO DE PESQUISA E de-Açúcar Para Uso na Construção. Flexural Behavior of Cement-Stabilized Soil Block. TÉCNICAS. F. v. 39-48. p. NBR 10833: fabricação de tijolo e Agregado Miúdo em Argamassas. Bearing Brick Walls of Soil-Cement With the ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Addition of Ground Ceramic Waste. 2008./set. NUNES. WILLRICH. v. REDDY. FREIRE. Verification of Masonry Building Code to 2013. Anais. 2009. Structural Behavior of Load ensaio. Ambiente Construído. E. T. Acesso em: 24 out. p. Revista Brasileira de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Engenharia Agrícola e Ambiental. Rio de Janeiro. H. 1992b. 1... P. NBR 8491: tijolo de solo-cimento: ENCONTRO TECNOLÓGICO DA requisitos.br>. 1980. Revista DESENVOLVIMENTO. 2011. 2013. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS FREITAS. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS LIBERATI. Construção Com Solo-Cimento. compressão e da absorção de água: método de BARBOSA. 2005. P. 2009. MACHADO.

seer. V. C.Brasil CEP 90035-190 Telefone: +55 (51) 3308-4084 Fax: +55 (51) 3308-4054 www. 5790.PR – Brasil | CEP 87020-900 | Tel. Centro de Tecnologia | Universidade Estadual de Maringá | Av. Centro Porto Alegre – RS . H.: (44) 3011-1336 | E-mail: vladimirjf@hotmail. A.. 99 . P. 14. jul.com Álvaro Henrique Cândido de Souza Departamento de Engenharia Agrícola | Universidade Estadual de Maringá | Rodovia PR 482 – Km 45 | Cidade Gaúcha – PR – Brasil | CEP 87820-000 | Tel./set. Osvaldo Aranha. J.com Revista Ambiente Construído Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído Av. pelo financiamento proporcionado ao desenvolvimento da presente pesquisa. Zona 07 | Maringá . G.com Henrique Paes Baltazar Departamento de Engenharia Agrícola | Universidade Estadual de Maringá | E-mail: pb_henrique@yahoo. v. Agradecimentos Os autores agradecem à Fundação Araucária.dtt@hotmail. n. J..br/ambienteconstruido E-mail: ambienteconstruido@ufrgs. 131-148.: (44) 3675-1879 | E-mail: alvarohcs@hotmail.br Wilger Dotto Departamento de Engenharia Agrícola | Universidade Estadual de Maringá | E-mail: will. H. 2014. Porto Alegre.. Baltazar.ufrgs. Dotto. de grande valia para o desenvolvimento regional sustentável da região do Arenito Caiuá. W.3º andar. Ambiente Construído.br 148 Ferrari. Vieira Neto.com José Gabriel Vieira Neto Departamento de Engenharia Agrícola | Universidade Estadual de Maringá | E-mail: zeh. 3. p. . Vladimir José Ferrari Departamento de Engenharia Civil.. colombo.gvn@hotmail.com. Souza.