You are on page 1of 16

MANUAL DE APOIO

CURSO /MÓDULO: Desenvolvimento Pessoal / Ética e


Deontologia Social
FORMADOR/A: Ismael Cardoso
HORAS DE FORMAÇÃO: 12 Horas

1 / 16
ÍNDICE:

2 / 16
OBJECTIVO GERAL:

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS:
• Perceber o conceito de Ética e a sua aplicação prática,
• Compreender os princípios da Ética Social,
• Interpretar o conceito de Ética em ambientes específicos,
• Conceptualizar a dimensão de Anti-ética.
• Perceber o conceito de Ética e a sua perspectiva especulativa
• Perceber o conceito de Ética e a sua perspectiva normativa,
• Compreender os conceitos de Ética Individual e Social e as suas
aplicações práticas,
• Compreender a aplicação do conceito de Deontologia.
• Perceber o conceito de Ética e a sua perspectiva especulativa
• Perceber o conceito de Ética e a sua perspectiva normativa,
• Compreender os conceitos de Ética Individual e Social e as suas
aplicações práticas,
• Compreender a aplicação do conceito de Deontologia.

3 / 16
CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS:
• Definição do conceito de Ética,
• Definição de Códigos de Ética,
• A ética em Ambientes Específicos,
• Conceito de Anti-ética,
• Princípios da Ética Social.
• Definição do conceito de Ética,
• Definição do conceito de Costume,
• Definição do conceito de Moral,
• Definição do conceito de Ética Individual,
• Definição do conceito de Ética Social,
• Definição do conceito de Deontologia.
• Definição do conceito de Ética,
• Definição do conceito de Costume,
• Definição do conceito de Moral,
• Definição do conceito de Ética Individual,
• Definição do conceito de Ética Social,
• Definição do conceito de Deontologia.

4 / 16
INTRODUÇÃO:
A ética relaciona-se com o estudo da moral e da acção humana. O conceito provém do
termo grego ethikos, que significa “carácter”. Uma sentença ética é uma declaração moral que
elabora afirmações e define o que é bom, mau, obrigatório, permitido, etc. relativamente a
uma acção ou a uma decisão.

Portanto, quando alguém aplica uma sentença ética sobre uma pessoa, está a realizar
um juízo moral. Como tal, a ética estuda a moral e determina como devem actuar os membros
de uma sociedade. Por esse motivo, é definida como sendo a ciência do comportamento moral.

5 / 16
Conceito de Ética

O termo ética deriva do grego ethos (carácter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um
conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade. A ética
serve para que haja um equilíbrio e bom funcionamento social, possibilitando que ninguém
saia prejudicado no meio e contexto onde se insere.
Neste sentido, a ética, embora não possa ser confundida com as leis jurídicas de uma
sociedade, está relacionada com o sentimento de justiça social. A ética é construída por uma
sociedade com base nos valores históricos e culturais. Do ponto de vista da Filosofia, a Ética é
uma ciência que estuda os valores e princípios morais de uma sociedade e seus grupos.

Códigos de Ética

Cada sociedade e cada grupo possuem seus próprios códigos de ética. Num país, por
exemplo, sacrificar animais para pesquisa científica pode ser ético. Em outro país, esta atitude
pode desrespeitar os princípios éticos estabelecidos.
Além dos princípios gerais que norteiam o bom funcionamento social, existe também a
ética de determinados grupos ou locais específicos. Neste sentido, podemos citar:
• ética médica,
• ética profissional
• ética empresarial,
• ética educacional,
• ética no desporto,
• ética jornalística,
• ética na política, etc.

Conceito de Anti-ética

Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence e se insere é
considerado antiético, assim como o acto por este praticado. Os princípios da ética social são
de suma importância, pois eles são o fundamento e o parâmetro do comportamento ético do

6 / 16
indivíduo em sociedade, assim como do comportamento das organizações de todos os níveis,
naturezas e dimensões.

Princípios clássicos da ética social

Os seis princípios clássicos da ética social dizem respeito a:


• Dignidade da Pessoa,
• Direito de Propriedade,
• Primazia do Trabalho,
• Primazia do Bem Comum,
• Solidariedade,
• Subsidiariedade.

Dignidade da Pessoa

Dignidade significa qualidade, nobreza, respeitabilidade. A dignidade existe


independentemente das posses, dos cargos e dos títulos das pessoas. Não se deve confundir a
dignidade de uma determinada pessoa, que é considerada um bem absoluto, com os bens
singulares ou particulares que ela possa ter.

Direito de Propriedade

O direito de propriedade é o direito de todo que possibilita possuírem coisas, para


atender às suas necessidades, para seu uso. É um direito pacificamente reconhecido por todos

Primazia do Trabalho

Da vasta actividade do ser humano interessa destacar, para efeitos a Ética Social,
aquela actividade que ele realiza para sobreviver, ganhar a vida e crescer como pessoa, a qual
se denomina trabalho. O trabalho é a actividade de primordial importância, sem dúvida a mais
expressiva da pessoa humana. A pessoa mesma está em seu trabalho.

7 / 16
As pessoas apresentam-se pelo nome e pelo trabalho. Não só a subsistência pessoal e
de familiares depende do trabalho, mas antes a própria pessoa, seu crescimento, seu
desenvolvimento.

Primazia do Bem Comum

O bem comum, em termos gerais, é o bem de interesse de um grupo de indivíduos e só


pode ser alcançado com a colaboração de todos os integrantes do grupo. Os seres humanos
buscam naturalmente a união, primeiro porque são essencialmente sociais e segundo porque
sentem inúmeras limitações ao agir isoladamente. É o conjunto de condições sociais que
permite e favorece aos membros da sociedade o seu desenvolvimento pessoal e integral.

Solidariedade Social

A palavra “solidariedade” é derivada do termo “obligatio in solidum”, que no direito


romano expressava, primitivamente, a obrigação comunitária, ou seja, as responsabilidades
que o indivíduo tinha em relação a uma colectividade à qual pertencia e de cuja manutenção
se beneficiava, como a família. Assim, a solidariedade social subentende, a princípio, a ideia de
que os seus praticantes se sintam integrantes de uma mesma comunidade e, portanto, sintam
se interdependentes

Principio da Subsidiariedade

O papel do Estado é fomentar o bem comum e para isso deve estimular a actividade
própria da sociedade, com as ajudas oportunas.
A palavra que traduz esta ajuda é subsídio e daí um princípio muito importante que é o
princípio da subsidiariedade. "O que pode ser feito por uma sociedade ou um ente menor, não
deve ser feito por uma sociedade ou um ente maior".

Conceitos Diferenciados

8 / 16
O Costume, relaciona-se com os actos conscientes ou inconscientes, habitualmente
praticados. A Moral, reflecte-se nos actos certos e bons conscientemente praticados. A Ética é
a ciência que estuda os actos morais do homem para orientá-lo em sua acção.
Os conceitos normativos da Ética são oferecidos aos homens, como princípios de vida,
como regras de conduta ou como leis morais, que devem ser obedecidas. O homem moral é
aquele que aceita as normas éticas como um dever a ser cumprido. Por isso, a Ética é
conhecida, também, como "a ciência do dever”
Como ciência especulativa, a Ética subordina-se à Filosofia, pois esta é a ciência que
busca a verdade total, a realidade última das coisas.

Como ciência normativa, ela subordina-se à Psicologia, quando estuda os actos morais
do indivíduo, e à Sociologia, quando estuda os actos morais do indivíduo no grupo ou na
sociedade.
A Ética tem dois meios de expressão: o indivíduo (a pessoa isolada) e a sociedade (a
pessoa no grupo), resultando daí, a Ética Individual e a Ética Social.
A Ética Individual cuida dos deveres do homem para consigo mesmo.
A Ética Social cuida dos deveres do homem para com o seu próximo.

Ética Individual

A Ética Individual cuida dos deveres do homem para consigo mesmo, como já foi dito.
Há dois deveres do indivíduo para consigo: o dever de conservação e o dever de
reprodução.
O dever de conservação leva o homem a cuidar de suas necessidades físicas: comer, beber,
dormir, repousar e exercitar; saúde: higiene, profilaxia e tratamento; preservar a sua vida:
evitando vícios, acidentes, suicídio e assassinato; prover-se de recursos financeiros: trabalho
(alimentação, habitação, vestuário).
O dever de conservação leva o homem a cuidar de suas necessidades psíquicas:
afirmação pessoal e social, realização humana ( familiar, profissional, social ) , recreação.
O dever de conservação leva o homem a cuidar de suas necessidades recreativas: lazer,
diversão, sociabilidade.

9 / 16
O dever de conservação leva o homem a cuidar de suas necessidades culturais: instrução
e meios de expressão.
O dever de conservação leva o homem a cuidar de suas necessidades espirituais: fé,
religião, culto, etc.
O dever de reprodução leva o homem a cuidar de sua sexualidade : natureza ( erecção,
frequência e fertilidade ), sanidade, casamento, procriação.

Ética Social

O homem é um ser gregário, que realiza contacto com outros de sua espécie . A
necessidade de sobrevivência leva o homem a viver em grupo, surgindo daí a sociedade.
Sociedade é um grupo de pessoas que convivem numa relação de direitos e deveres , em
razão de origem, de interesses ou de ideais comuns.
A vida em sociedade produz direitos (limitação da liberdade) e deveres ( ampliação da
responsabilidade ) .
A sociedade limita a liberdade do indivíduo porque a liberdade de um tem que se ajustar
à liberdade dos outros. A sociedade amplia a responsabilidade porque o cuidado que o
indivíduo tinha que ter sobre si , agora se estende sobre os demais membros do grupo
O conjunto de actos morais , encontrados numa sociedade , chama-se moralidade .
A falta de moralidade enfraquece a sociedade e a leva à destruição.
A Ética Social estuda os actos morais dos indivíduos na sociedade , visando orientá-los ,
para preservar a sociedade e ajudá-la a se desenvolver.

Conceito de Deontologia

A deontologia também se refere ao conjunto de princípios e regras de conduta — os


deveres — inerentes a uma determinada profissão. Assim, cada profissional está sujeito a uma
deontologia própria a regular o exercício de sua profissão, conforme o Código de Ética de sua
categoria.
Neste caso, é o conjunto codificado das obrigações impostas aos profissionais de uma
determinada área, no exercício de sua profissão.

10 / 16
São normas estabelecidas pelos próprios profissionais, tendo em vista não exactamente
a qualidade moral mas a correcção de suas intenções e acções, em relação a direitos, deveres
ou princípios, nas relações entre a profissão e a sociedade.

As Minorias

Numa sociedade global uma minoria é uma sociedade particular caracterizada por
possuir um modo de viver próprio que a distingue do conjunto e que, de certo modo, a põe à
parte. Uma minoria não está necessariamente afastada ou isolada da sociedade nacional…
É por isso que nem sempre se identifica com um grupo marginal e não é
necessariamente objecto de segregação.
Uma minoria constitui-se como colectividade ou comunidade particular na base da raça,
da língua, da religião ou de uma forma de vida e de cultura muito diferentes do resto do país
ou conjunto. Deste modo criam-se ligações afectivas e afinidades que tendem a afastar este
grupo do resto da população ainda que ele se encontre disperso. Minoria também pode
constituir a referência a categorias ou grupos que, pela sua posição sócio-político-económico-
cultural, ocupam um lugar de destaque e de influência na sociedade, sendo aqui sinónimo de
“elite”.

Esta minoria-maioria (número vs poder) deverá ser enquadrada na perspectiva do


poder institucionalizado de uma maioria. Com o crescimento cada vez maior da globalização,
as culturas vão sofrendo alterações comprometendo as identidades culturais.

É uma espécie de “rotulação” mundial da cultura ou uma globalização cultural. Na


sociedade consumista onde vivemos actualmente, os meios de comunicação em massa
determinam o que devemos comer vestir, assistir, ouvir, usar, comprar, entre outras
imposições.

Diante da “padronização” cultural, existem vários grupos com práticas culturais,


religiosas peculiares, são grupos diferentes denominados de minorias, correspondem a
grupos ou nações que lutam por seus ideais. Os grupos lutam pelo respeito e cidadania,
enquanto que as nações aspiram pela sua independência territorial, cultural, religiosa e
política, para defender os interesses de suas peculiaridades.

11 / 16
Mas as minorias não são compostas apenas de nações reivindicando sua independência
territorial, existem as minorias inseridas em praticamente todas as sociedades. A situação de
exclusão e/ou discriminação provoca o surgimento de organizações que procuram a
dignidade e o respeito através de acções políticas.

Podemos exemplificar vários grupos de minorias, como os homossexuais, os sem-abrigo,


as feministas e os povos indígenas, todos eles tem seus motivos para lutar e no fim todos
apenas querem o mesmo, ser respeitados.

Os Direitos das Minorias

Os direitos das minorias étnicas e raciais são protegidos por leis internacionais de
direitos humanos como se segue.

Direito de estar protegido contra a discriminação racial, o ódio e a violência

A legislação internacional de direitos humanos exige dos Estados que não perpetrem
acções de discriminação racial e que implementem medidas para preveni-las em instituições
públicas, organizações e relações pessoais. A natureza das medidas pode variar de tratado
para tratado, mas devem incluir a obrigação de rever leis e políticas para assegurar.

Direito á igual protecção diante das leis relativas à questão de origem étnica e
racial

A maioria dos tratados de direitos humanos contêm provisões específicas contra a


discriminação e exigem dos Estados que apliquem os princípios da lei dos direitos humanos
igualmente face a todas as pessoas independentemente de sua raça, religião, origem social,
etc… As minorias étnicas e raciais têm direitos iguais e a lei deve ser igualmente aplicada aos
vários grupos civis, políticos, sociais e culturais.

Direito de grupos étnicos e raciais de desfrutar de sua própria cultura, de praticar


sua própria religião e de usar sua própria língua

Esse direito aparece em muitos tratados internacionais de direitos humanos e é de


consenso que todos os grupos étnicos e raciais são livres para agir de acordo com suas

12 / 16
heranças culturais . Algumas vezes, podem ocorrer conflitos entre as práticas culturais,
religiosas, linguísticas e de valores de um Estado e as práticas de grupos minoritários

Direito de se beneficiar de medidas afirmativas adoptadas pelo Estado para


promover a harmonia racial e os direitos das minorias raciais

Os Estados devem promover e implementar o entendimento racial por meio do sistema


educacional com Direito de pedir asilo por razões bem fundamentadas pelo receio de
perseguição com base na raça, religião, nacionalidade, pertença um grupo social particular ou
opinião política.

Os governos são obrigados a tomar medidas especiais que assegurem o


desenvolvimento e a protecção adequados às minorias raciais.

Direito de pedir asilo por razões bem fundamentadas pelo receio de perseguição
com base na raça, religião, nacionalidade, pertença um grupo social particular ou
opinião política

Essa provisão dentro das leis de protecção internacional aos refugiados permite que os
indivíduos procurem por asilo em outro Estado se o país de origem é incapaz para protegê-lo
de perseguição por motivos raciais entre outros.

Este é um dos poucos casos nos quais a incapacidade do Estado em assegurar leis de
protecção aos direitos humanos concede aos indivíduos a possibilidade de procurarem
protecção noutro país.

Além disso, os Estados devem aplicar as provisões das leis de protecção internacional
aos refugiados de modo a não discriminar ninguém com base racial.

Direito à Assistência

Os governos devem assegurar serviços de protecção e assistência efectiva por meio de


tribunais nacionais competentes e outras instituições estatais. Os indivíduos também devem
ter o direito de procurar a justa e adequada reparação de danos por intermédio desses
tribunais.

13 / 16
Esta disposição pode ser clara com relação a acções individuais, mas é altamente
controversa quando aplicada na reparação de danos causados a grupos inteiros de pessoas.

14 / 16
CONCLUSÃO:

A ética, como expressão única do pensamento correcto conduz à ideia da


universalidade moral, ou ainda, à forma ideal universal do comportamento humano, expressa
em princípios válidos para todo pensamento normal e sadio.
O termo ética assume diferentes significados, conforme o contexto em que os agentes estão os
agentes envolvidos.

15 / 16
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
CASTRO, Celso A. Pinheiro. “Sociologia do Direito”, 3ª Ed., São Paulo: Atlas, 1993. p.14).

DILTHEY, Wilhelm. “Sistema da Ética”. Trad. Edson Bini, São Paulo: Ícone, 1994 – (Col.
Fundamentos de Direito).

FRONDIZI, Risieri.¿Qué son los valores? Introducción a la axiología. 3ª ed., México:


Fondo de Cultura Económica-FCE, 1972. p.14-15.

LÉVI-STRAUSS, C. “Aula Inaugural”. In Alba Zaluar (org.). Desvendando Máscaras


Sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975. p. 215.

REALE, Miguel. In “A Boa-fé no Código Civil”, 2003, acessado em agosto/2009:


http://www.miguelreale.com.br/artigos/boafe.htm

ROUSSEAU, Jean-Jacques. “Do Contrato Social”, Tradução: Pietro Nassetti, São Paulo:
Martin Claret, 2000.

16 / 16