You are on page 1of 40

FENÔMENOS DE TRANSPORTE

Unidade 1 – INTRODUÇÃO

1.1. Histórico
FENÔMENOS DE TRANSPORTE: estuda como massa, quantidade de movimento,
calor, eletricidade e outras formas de energia são transportadas, ou transferidas, por um meio
material.
Aplicações: ar condicionado, radiador de carro, geladeira, turbinas, bombas,
aquecimento da água, conversão de energia (usina hidroelétrica, usina termoelétrica, e
outras), avião, etc.

1.2. Análise dimensional
Os problemas em Fenômenos de Transporte envolvem muitas variáveis com diferentes
sentidos físicos. As equações derivadas analiticamente são corretas para qualquer sistema de
unidades, portanto, cada termo da equação deve ter a mesma representação dimensional:
homogeneidade dimensional.
As unidades são expressas utilizando apenas quatro grandezas básicas ou categorias
fundamentais: - massa [M]; - comprimento [L]; - tempo [T] e - temperatura[θ]
As quatro grandezas básicas representam as dimensões primárias que podem ser usadas para
representar qualquer outra grandeza ou grupo de grandezas físicas, como nos exemplos:
área – L2; volume – L3; velocidade – LT-1; aceleração – LT-2; força – ML- -2;

1.3. Estados Físicos dos Corpos
Os estados da matéria, meios através dos quais as variações ocorrem e que afetam
diretamente os processos de transferências, são:
- Sólido – oferece resistência às deformações, ou seja, a matéria do corpo mantém a forma
macroscópica e a posição relativa de suas partículas.
- Líquido - o corpo mantém a quantidade de matéria e aproximadamente o volume; a forma e
posição relativa das partículas não se mantêm.
- Gasoso - o corpo mantém apenas a quantidade de matéria, podendo variar amplamente a
forma e o volume.
Além desses, existem mais três estados cientificamente comprovados:
- Plasma – é um gás altamente energizado cujos átomos se separam em partículas positivas e
negativas. Por exemplo, o gás que está no interior da lâmpada fluorescente, passa para o
estado de plasma quando ligamos o interruptor, e começa a emitir luz.
- Condensado Bose-Einstein - são fluidos de baixas temperaturas com propriedades não
totalmente compreendidas, como fluir espontaneamente para fora do seu recipiente. A
existência deste estado da matéria como consequência da mecânica quântica foi inicialmente
prevista por Albert Einstein em 1925 e produzido setenta anos mais tarde por Eric Cornel.
- Gás Fermiônico – em 2004 foi anunciada a descoberta de um possível novo estado da
matéria. Trata-se de um “supersólido”, uma forma de hélio-4 com propriedades que misturam
características de um sólido com as de um superfluido. O hélio-4 sólido aparentemente se
comporta como um superfluido quando está em temperatura tão baixa (perto do zero
absoluto) que tem seu comportamento ditado pelas leis da mecânica quântica.

1.4. Características físicas dos estados sólido, líquido e gasoso

Características macroscópicas:
 Sólido - Sua forma é própria, ou seja, o corpo não é tão facilmente deformado, e seu
volume é definido.
 Líquido - Sua forma não é própria, ou seja, ele terá a forma do recipiente onde for
colocado, mas seu volume ainda é definido (dois litros continuam sendo dois litros,
independente do formato do recipiente).
 Gasoso - Não possui nem forma própria e nem volume definido. Ocupa a forma do
recipiente que o contém e possuirá o volume deste mesmo recipiente.

Características microscópicas:
 Sólido - suas partículas estão fortemente ligadas e estão muito próximas umas das
outras (forças de coesão são maiores do que as de repulsão). São muito pouco
compressíveis.
 Líquido - suas partículas não estão tão ligadas e tão próximas umas das outras como
no caso dos sólidos, mas existe ainda uma força de atração entre elas. Esta força não
permite que as partículas do material se separem completamente (as forças de coesão
e repulsão se igualam). Apresenta tensão superficial (A força que existe na superfície
de líquidos em repouso é denominada tensão superficial. Esta tensão superficial é
devido às fortes ligações intermoleculares, as quais dependem das diferenças elétricas
entre as moléculas, e pode ser definida como a força por unidade de comprimento que
duas camadas superficiais exercem uma sobre a outra). É praticamente
incompressível, pois a pequena variação volumétrica de um líquido sob pressão pode,
em geral, ser desprezada.
 Gasoso - neste caso a força de atração entre as partículas praticamente inexiste
(forças de repulsão maiores do que as de coesão). Cada uma vai para onde quer no
interior do recipiente que contém o gás (há grande expansibilidade). A distância entre
elas fica então muito maior do que nos estados sólido e líquido (há grande
compressibilidade). As partículas movimentam-se com grande velocidade.

1.5. Fluidos: definição e propriedades

Fluido – é um meio que se deforma continuamente quando sujeito a uma tensão.
Chamamos de Fluido a toda substância que cede imediatamente a qualquer força tendente a
alterar sua forma. Podem ser líquidos ou gases. Ou ainda, fluido é uma substância que não
tem forma própria, assume o formato do recipiente.

Propriedades Físicas dos Fluidos

1 – Massa (m)
É a quantidade de matéria de um corpo. Permanece inalterada em função das influências
externas. Dimensão: M
Unidades de massa:
SI CGS MK*S Inglês relações
1 utm = 9,8 kg
kg g utm slug 1kg = 1000 g = 103 g
1g = 0,001 kg = 10-3kg
1 slug = 14,61 kg

2 – Peso ( P )
É uma força à qual fica submetida uma massa, quando imersa num campo gravitacional. Essa
força varia conforme o valor da aceleração da gravidade. Dimensão: MLT- -2
P  m.g

Unidades de força:
SI CGS MK*S Inglês relações
1N = 105 dyn = 0,10198 kgf
N dyn kgf lb
(Newton) (dina) (quilograma-força) (libra força) 1kgf = 9,806 N = 980600 dyn
1lb = 4,45 N

3 – Massa específica (ρ)
É definida como a massa por unidade de volume. É também denominada de massa
volumétrica ou densidade absoluta. Varia com a temperatura. Dimensão: ML -3

Unidades de massa específica:
SI CGS MK*S Inglês relações
1kg/ m3 = 0,001g/ cm3 = 10-3 g/ cm3
kg/m3 g/cm3 utm/m3 slug/ft3
1 utm/m3 = 9,8kg/m3
1 g/cm3 = 1000 kg/m3
1 slug/ft3 =515,4 kg/m3
Obs: a massa específica da água destilada é = 1000 kg/m3 = 1 g/cm3 e a do ar é
= 1,225 x10-3 g/cm3 = 1,225 kg/m3.

4 – Volume específico (ν)
É o volume ocupado pela unidade de massa de uma substância, ou seja, é o inverso da massa
específica. Dimensão: M -1L 3

Unidades de volume específico:
SI CGS relações
m3/kg cm3/g 1 m3/kg = 1000 cm3/g = 103 cm3/g
1 cm3/g = 0,001 m3/kg = 10-3 m3/kg

5 – Peso específico (  )
O peso específico de uma substância é o seu peso por unidade de volume. Dimensão: ML -2T-2
Seu módulo é calculado por:

Unidades de peso específico:
SI CGS MK*S relações
N/m3 dyn/cm3 kgf/m3 1 N/m3 = 0,1 dyn/cm3 = 10-1 dyn/cm3
1 dyn/cm3 = 10 N/m3
1kgf /m3= 9,8 N/m3  10 N/m3

Obs: O peso específico da água é 1.000 kgf/m3 10.000 N/m3

6 – Densidade relativa ( d )
A densidade relativa de uma substância A expressa o quociente entre a massa específica dessa
substância e a massa específica de uma outra substância B tomada como referência.

Geralmente, a substância de referência para o caso de líquidos é a água e, para o caso de
gases, é o ar.
A densidade relativa é um valor adimensional (independe de unidade).

7 - Tensão de cisalhamento ( ) e pressão (P)
Seja uma força F aplicada sobre uma superfície de área A.
Essa força pode ser decomposta segundo a direção da
normal à superfície e a da tangente, dando origem a uma
componente normal e outra tangencial.

Define-se tensão de cisalhamento média como sendo o quociente entre o módulo da
componente tangencial da força e a área sobre a qual está aplicada.
Ft

A
Em outras palavras: tensão de cisalhamento  é a força tangencial por unidade de área.
O quociente entre o módulo da componente normal da força e a área sobre a qual está
aplicada, é definido como pressão média P. Dimensão: ML-1T-2
Fn
P
A
Unidades mais utilizadas para tensão de cisalhamento e de pressão:
SI CGS MK*S Ingles relações
1Pa = 1 N/m2
N/m 2
dyn/cm 2
kgf/m 2
lb/in 2
1Pa = 0,101978 kgf/m2
ou Pascal (Pa)
1Pa = 0,0000098692 atm  10-5atm
1Pa = 10 dyn/cm2
1 Pa = 1,45x 10-4 lb/in2

Os sólidos e os fluidos apresentam comportamentos diferentes quando submetidos a uma
tensão cisalhante, pois as forças de coesão interna são relativamente grandes nos sólidos e
muito pequenas nos fluidos.

Outras propriedades dos fluidos:
a) Os fluidos submetidos a esforços normais sofrem variações volumétricas finitas. Quando
essas variações volumétricas são muito pequenas, considera-se os fluidos incompressíveis.
Geralmente, os líquidos são incompressíveis, enquanto os gases são compressíveis.
b) Existindo tensão cisalhante, ocorre escoamento, ou seja, o fluido entra em movimento.
c) Os fluidos se moldam às formas dos recipientes que os contêm, sendo que os líquidos
ocupam volumes definidos e apresentam superfícies livres, enquanto os gases se expandem
até ocupar todo o recipiente.
d) Para um fluido em repouso, a tensão é exclusivamente normal, sendo seu valor chamado de
pressão estática, que, em um ponto, é igual em qualquer direção.
Princípio da aderência: os pontos de um fluido em contato com uma superfície sólida,
aderem aos pontos dela, com os quais estão em contato.

Lei de Newton da viscosidade
A placa superior, inicialmente com movimento acelerado,
recebe do fluido uma força contrária ao movimento, fazendo
com que ela se desloque com velocidade constante.
Newton descobriu que em muitos fluidos a tensão de
cisalhamento é proporcional à variação da velocidade de
deformação (gradiente de velocidade).

Dentro de um fluido existe sempre movimento de moléculas para um lado e para o outro de
qualquer superfície fictícia tomada nesse fluido. Quando uma camada se move em relação a
outra adjacente, há transferência de quantidade de movimento molecular de um lado para o
outro de maneira a surgir uma tensão de cisalhamento aparente que reduz o movimento
relativo e tende a igualar as velocidades de camadas adjacentes.
dv
é a medida do movimento de uma camada em relação à outra adjacente.
dy
Os fluidos que obedecem a lei da viscosidade são ditos fluidos newtonianos (água, ar, óleo,
etc.), os restantes, são chamados não-newtonianos (sangue, piche, melaço, alcatrão, pasta
de dente, borracha fundida).

que é a relação entre viscosidade e a massa específica.s/cm2= Kgf. existem forças de coesão muito maiores que nos gases. A atividade molecular dá origem a uma tensão de cisalhamento aparente nos gases que é mais importante que as forças de coesão. sem muito erro.s do ar μar = 17. É incompressível.01St OBS: Viscosidade cinemática da água  agua = 10-6 m2/s Alguns fatores de conversão de unidades de comprimento polegada (in) – 1 in = 2.101978kgf. portanto.s=kg/m.01p 1 Pa.s/m2 1Pa. Dimensão: L2T-1 Unidade da viscosidade cinemática  SI e MK*S CGS relações m2/s cm2/s=stoke (St) 1 m2/s = 104 cm2/s 1cSt (centistoke) = 0. cujas moléculas estão muito mais próximas que num gás. estas ocorrem naturalmente e indefinidamente. Sua resistência ao cisalhamento é principalmente o resultado da transferência da quantidade de movimento molecular. Perfil de velocidade para fluidos com pequena e grande viscosidade Viscosidade cinemática ( ) A viscosidade  é frequentemente chamada de viscosidade absoluta ou dinâmica para evitar confusão com a viscosidade cinemática ( ). e. como a atividade molecular aumenta com a temperatura.s=0.s poise = p = dyn. Indica a maior ou menor dificuldade de o fluido escoar. Isto porque a resistência de um fluido ao cisalhamento depende da coesão intermolecular e da velocidade de transferência da quantidade de movimento molecular.9144 m 1 milha = 1609 m. 1 milha marítima = 1852 m . Por outro lado. a viscosidade de um gás também aumenta com a temperatura. Não há necessidade de tensão para que ocorram deformações. Como a coesão diminui com a temperatura.s/m2 g/cm.3048 m jarda (yd) – 1 yd = 0.s/m2=Pa.54 x 10-2 m pé (ft) – 1 ft = 0. Uma camada de fluido desliza sobre a outra e a razão entre a tensão aplicada e a taxa de deformação é a viscosidade do fluido. tensão de cisalhamento nula. O fluido ideal não existe. Num líquido.s = 10 poise OBS: Viscosidade dinâmica da água μagua = 10-3Pa.s 1cp (centipoise) = 0. • Viscosidade dinâmica ou absoluta (  ) é a propriedade associada à resistência que o fluido oferece à deformação por cisalhamento. ou seja. Dimensão: ML-1T-1 Simplificação prática: Quando a distância y for pequena. pode-se considerar.4x10-4Pa. a viscosidade segue o mesmo comportamento. mas a viscosidade de um líquido diminui.s A viscosidade de um gás aumenta com a temperatura. num gás existem forças de coesão muito pequenas. a equação como sendo V0   y Unidades de viscosidade dinâmica: SI CGS MK*S relações N.Fluido ideal ou perfeito – tem viscosidade nula.

81 m/s2) 4) Um reservatório graduado contém 500 ml de um líquido que pesa 6 N.5 N. 6) Sabendo-se que 800g de um líquido enchem um cubo de aresta 0.15 stokes e ρ = 905 kg/m 3) ocupa o espaço entre elas. enquanto a placa superior está em movimento com velocidade constante 1m/s. (g=9. de forma que resulta uma distribuição linear de velocidade de escoamento da água. determine a viscosidade dinâmica desse óleo. determine a tensão de cisalhamento que agirá sobre o óleo. 11) Considerando que o peso específico da água vale 10000 N/m 3 em um local onde g = 10 m/s2. Determine a viscosidade dinâmica em unidades do SI e do CGS. ρ= 830 Kg/m3). (Faça g= 9. determine o gradiente de velocidade de escoamento e a tensão de cisalhamento na placa superior. Considere a gravidade igual a 9.s. o peso é de 23.001 Pa. Exercícios da Unidade 1: 1) Fazer as seguintes transformações: a) 5 kgf/m2 para dyn/ft2. 7) Duas esferas de massas 300g e 500g. 8 m de largura e 3. no lugar da água.8 kg. Considerando que um óleo (ν = 0.81 m/s2) 5) Um paralelepípedo tem dimensões 10cm x 15cm x 25cm e massa 6. A placa superior move-se com velocidade de 4 m/s.030 kg/m3. 16) Se no problema anterior. A placa superior move- se com velocidade de 4 m/s. Calcule: a) a massa específica do fluido no referido local.21 kg/m 3. qual é a massa específica de um óleo cujo peso específico relativo é 0.06g de ácido sulfúrico. Determinar a relação entre as suas massas específicas.810m/s 2. possuem raios respectivamente iguais a 3cm e 5cm.81m/s2) 13) São dadas duas placas planas paralelas à distância de 2mm. b) 1.806m/s2. 9) Enche-se um frasco com 3. Determinar o peso específico. enquanto a inferior está imóvel. 17) Em um volume de 3 dm 3 de uma substância X.028 m 2/s e o seu peso específico 8500 N/m 3.08m. b) o peso específico deste fluido em outro local onde g=9. Calcule a massa específica deste corpo em g/cm3 e kg/m3. calcular a sua densidade relativa.5 m de altura. a massa específica e a densidade do líquido. 8) Sendo a massa específica da cerveja igual a 1. qual será a tensão de cisalhamento que agirá no óleo? 14) Duas placas planas paralelas estão situadas a 3 mm de distância. sendo a massa específica do ar 1. (Faça g= 9. enquanto a inferior é fixa.1St. 15) A figura mostra o esquema de um escoamento de água entre duas placas planas horizontais de grandes dimensões e separadas por uma distância d pequena. Qual é a densidade relativa do ácido sulfúrico? 10) Um fluido pesa 25N/m3 em um local onde g=9. obter a massa específica deste fluido em g/cm3. Qual a viscosidade dinâmica de X no Sistema Internacional de Unidades? .6? 12) A viscosidade cinemática de um óleo é 0.35 slug/ft3 para g/l 2) Um fluido é uma substância que: a) sempre se expande até encher um recipiente b) é praticamente incompressível c) não pode ser submetida a forças de cisalhamento d) não pode permanecer em repouso sob ação de qualquer força de cisalhamento e) tem a mesma tensão de cisalhamento num ponto não importando o seu movimento 3) Calcule o peso e a massa do ar contido numa sala que tem 10 m de comprimento. Se o espaço entre as duas placas for preenchido com óleo (  =0. Sendo a viscosidade da água μ= 0.66g de água. A viscosidade cinemática é 10-5m2/s. Repete-se a experiência substituindo-se o ácido por 1. A placa inferior permanece em repouso.8 m/s 2. existe um óleo e se é necessária uma tensão cisalhante de 40 Pa para que a velocidade da placa permaneça constante.

ESTÁTICA DOS FLUIDOS No estudo de estática dos fluidos. temos: A pressão que o líquido exerce no fundo do recipiente depende da massa específica do líquido. Qual a pressão que o líquido exerce no fundo do recipiente? Da definição de massa específica. Consideraremos então o líquido incompressível e sem viscosidade.V como o volume é: V  A  h temos que m = ρ. 2. como não há movimento de uma camada de fluido em relação à outra adjacente. aquela que leva em consideração o líquido e o ar sobre o líquido: 2. 1 atm = 760 mmHg = 760 torr = 76 cmHg = 1. não haverá desenvolvimento de tensões de cisalhamento no fluido. adota-se como referência a pressão nula existente no vácuo absoluto ou a pressão atmosférica local. contendo um líquido de massa específica .013 x 105 Pa = 10330 kgf/m2 = 1.Pressão atmosférica É a pressão exercida pelo peso da camada de ar existente sobre a superfície da Terra.Pressão exercida por um fluido Suponhamos um recipiente cilíndrico de área de base A. Ao nível do mar. As pressões nos pontos A e B são: e A diferença de pressão entre os pontos A e B será: Teorema de Stevin .2 Pressões absoluta e relativa As medidas de pressão são realizadas em relação a uma determinada pressão de referência.h Por outro lado.013 bar = 14. as únicas tensões atuantes são tensões normais de pressão.033 kgf/cm2 = 1.3 Teorema de Stevin Consideremos um recipiente contendo um líquido homogêneo em equilíbrio estático. Neste caso. massa específica e altura . É comum o uso de unidades de pressão não pertencentes ao SI: atmosfera (atm) e milímetros de mercúrio (mmHg).A. da aceleração da gravidade local e da altura do líquido acima do ponto considerado. Na realidade temos que dividir a pressão num determinado ponto do líquido em dois tipos: (i) pressão hidrostática (relativa): aquela que só leva em consideração o líquido: (ii) pressão absoluta ou efetiva.1 Relação entre pressão. Usualmente. Unidade 2 . à temperatura de 0º C é igual a 1 atm. a força que o líquido exerce sobre a área A é o seu peso: Como a Pressão é dada pela razão entre a força normal e a área.33 mca . 2.7 psi (=lb/in2)= 10. temos: m = ρ.

onde um torr é a pressão exercida por uma coluna de mercúrio de 1mm de altura. em um local onde g tenha o valor padrão de 9. conforme o esquema da figura.80665 m/s 2 e a uma temperatura (0ºC) em que o mercúrio tem densidade 1. têm a mesma pressão. indicam a diferença entre a pressão absoluta e a pressão atmosférica local. como por exemplo.35955x104 kg/m3.  (d) A altura h da coluna de líquido de peso específico γ (altura de carga) necessária para manter a diferença de pressão P – P0 é dada por: 2.5 Manometria A pressão atmosférica local. (c) Em vasos comunicantes quando temos dois líquidos não miscíveis temos que a altura de cada líquido é inversamente proporcional às suas massas específicas. Geralmente. O mais simples. os instrumentos medidores de pressão. que pode ser positiva ou negativa. Pontos que estão à mesma altura. . é o barômetro de mercúrio. que consiste basicamente em um tubo de vidro cheio de mercúrio com sua extremidade aberta imersa num recipiente com mercúrio. a pressão de vapor do mercúrio é praticamente nula. (b) A superfície de separação entre líquidos não miscíveis é um plano horizontal. pode ser medida por um barômetro. usado por Torricelli. Isso é muito utilizado. representada por Patm. ou seja. medem a pressão relativa ou manométrica. resultando A leitura do barômetro é normalmente feita em torr.4 Princípio de Pascal Pascal fez estudos em fluídos e enunciou o seguinte princípio: A pressão aplicada a um fluído num recipiente transmite-se integralmente a todos os pontos do mesmo e às paredes do recipiente que o contém.Consequências do Teorema de Stevin: No interior de um líquido em equilíbrio estático: (a) Pontos de um mesmo plano horizontal suportam a mesma pressão. em freio hidráulico e elevador hidráulico. obtém-se Em condições normais de temperatura e pressão. 2. os manômetros. P0  0 . dentro do mesmo fluido. ou seja. Uma das aplicações deste princípio é a prensa hidráulica como mostramos a seguir: F1 F2 F1 A P1  P2   ou ainda:  1 A1 A2 F2 A2 Isso mostra que uma força pequena F 1 é capaz de suportar no outro êmbolo um peso muito grande (F2). de forma que e como .

por isso sua pressão efetiva é positiva.Manômetro metálico de Bourdon Mede a diferença entre a pressão interna e a pressão externa (pressão atmosférica). . por ser aberto e mede apenas a pressão efetiva positiva e não muito grande. conforme a figura. em vez de ter um dos ramos abertos. confinado em um tubo.Manômetro de tubo em U O princípio do funcionamento está no equilíbrio de uma coluna de líquido.As pressões relativas negativas. soma-se à pressão PA a pressão das colunas descendentes e subtrai- se aquela das colunas ascendentes. O fluido manométrico deve ter peso específico grande para que a altura manométrica não seja muito grande. o primeiro manômetro está com os dois ramos abertos para a atmosfera. Pode ser utilizado para gases.Manômetro Diferencial . até igualar a PB.Piezômetro . Mede diferença de pressão. . também chamadas de pressões de vácuo. Regra prática para a equação mano- métrica: Começando do lado esquer- do.Consiste em um tubo transparente graduado acoplado ao reservatório onde se quer medir a pressão do líquido. . Na figura ao lado.Consiste em um manômetro de tubo em U. chamado fluido manométrico. ligado a dois reservatórios. Só pode ser utilizado para líquidos. . são aquelas menores que a pressão atmosférica local. Já o terceiro está com o ramo da esquerda conectado a um ponto de pressão efetiva negativa. O segundo está com o ramo da direita aberta para a atmosfera e o da esquerda conectado a um ponto de pressão maior que a da atmosfera. .

C. Se a pressão tiver uma distribuição uniforme sobre a superfície. a pressão do líquido é maior do que a pressão normal e. num fluido. e o ponto de aplicação será o centro de gravidade da superfície. Princípio de Arquimedes: “Quando um corpo está imerso em um fluido. estabeleceu a perda aparente do peso do corpo. no segundo caso. Quando o seu raio aumenta.7 Princípio de Arquimedes Os corpos mergulhados totalmente ou parcialmente. devida ao empuxo. Assim. direcionada perpendicularmente à superfície.2. A curvatura da superfície de um líquido leva ao aparecimento de forças que agem debaixo dela. Arquimedes. pela sua definição. denominada EMPUXO (E). E isso só pode ser conseguido com a realização de trabalho sobre o líquido. para o interior. necessita-se da ação de uma força externa. para o exterior do líquido. não podem existir forças tangenciais agindo nele: todas as forças serão normais à superfície submersa. F  P A  h A Onde P é a pressão no centro de gravidade. e numa superfície côncava. de módulo igual e direção contrária ao peso da porção de fluido deslocado. a energia potencial superficial também diminui e as forças que atuam na gota realizam trabalho.6. ele recebe deste uma força denominada empuxo.2. na vertical. h é a profundidade do centro de gravidade e A é a área da superfície. Imagine uma gota esférica de raio r. chamada pressão de Laplace. 2. quando o raio da gota diminui. . no primeiro caso. sujeito a uma pressão adicional. a força será determinada multiplicando-se a pressão pela área correspondente. isto é. Isso pode ser visto facilmente pelas seguintes considerações. há mais de 200 anos a. cujo valor é dado pela expressão: P  2 / r A pressão de Laplace está dirigida para o centro de curvatura da superfície: numa superfície convexa. menor. quando mergulhado num líquido. Forças em superfície plana submersa Se um fluido está em repouso. Inversamente. Assim. como a força gravitacional ou a força de interação das moléculas do líquido com as partículas do meio vizinho (espalhamento do líquido na molhagem). para que isso aconteça.. Este empuxo é aplicado no centro de gravidade da porção deslocada”. o volume de um líquido sob uma superfície esférica está sempre comprimido em certa medida.6 Forças sobre superfícies planas e curvas devidas à pressão 2. a área da superfície e a energia potencial superficial também aumentam. 2.6. Forças na Superfície Curva de um Líquido Uma superfície plana não é normal para um líquido porque.1. recebem do mesmo uma força de baixo para cima.

VD Portanto: PD = . etc. essas duas forças nem sempre se aplicam no mesmo ponto. emborcar.peso do líquido deslocado: PD = mD .VD . um ponto chamado de centro de empuxo. Este aparelho simples é um densímetro e serve para o consumidor controlar a qualidade do combustível que abastece seu veículo. Peso aparente de um corpo está relacionado com seu peso real e com o modulo do empuxo sobre ele por: Paparente = Preal – E . um tubinho graduado. Tudo isso sugere que torques desempenham algum papel no equilíbrio dos objetos flutuantes. a forma do vazio na água muda. eventualmente. .Se P = E (ρC = ρL) o corpo fica parado. Para que tal objeto esteja em equilíbrio estável. logo. Icebergs frequentemente rolam enquanto derretem. evitando que a mistura álcool-gasolina fique fora das especificações técnicas.Se P < E (ρC < ρL) o corpo sobe até diminuir a parte imersa. O Principio de Arquimedes tem manifestações e aplicações extremamente importantes: . P = E Ocasionalmente. .é este princípio que permite animais nadarem e objetos tal como navios navegarem através de oceanos.8 O equilíbrio de objetos flutuantes A flutuação ocorre quando temos um corpo na superfície de um fluido cujo peso deste corpo é igual ao empuxo sobre ele. g . o corpo flutuante se afastará cada vez mais da posição de equilíbrio e poderá. num local onde a aceleração da gravidade é g. seu centro de empuxo tem de se mover de tal forma que o empuxo e o peso forneçam um torque restaurador que tenda a colocar o corpo de volta na sua posição original. barcos à vela ou navios de guerra são modificados pela adição de mastros mais altos ou armas mais pesadas. existe um tubo de vidro transparente cheio com o combustível servido naquela bomba. 2. . Se um corpo flutuante gira deslocando-se ligeiramente de seu ponto de equilíbrio.como a massa é dada por: mD = . O peso atua no centro de massa do objeto flutuante.Se P > E (ρC > ρL) o corpo desce até o fundo. Você já deve ter observado que em algumas bombas de álcool e gasolina nos postos de serviço. Dentro deste tubo estão colocados alguns objetos .duas bolas de cores diferentes. enquanto o empuxo atua no centro de massa do vazio na água. g De acordo com o Princípio de Arquimedes: E = PD. Entretanto. de forma que se tornam pesados na parte de cima e tendem a emborcar em águas moderadamente agitadas. temos: . O peso de um objeto flutuante é exatamente contrabalançado pelo empuxo.o densímetro. Se o torque agir no sentido oposto.Se um corpo está mergulhado num líquido de massa específica  L e desloca um volume VD do líquido. . da mesma forma muda a posição do centro de empuxo.

de 50 cm de aresta. (b) 200 N. Que força eles têm de aplicar no alçapão. (b) 0.6 e o líquido B densidade igual a 1. Numa ventania. Calcule o módulo da força exercida pela água no fundo da caixa. 3. 8. mas no interior a pressão permanece em 1 atm. O líquido A tem densidade 0. Determine o desnível H.60m. Dado hA = 20 cm. a pressão do ar do lado de fora cai a 0. Se o cano de esgoto se encontra a 2. Determine: (a) a pressão hidrostática a 3. Uma caixa d'água possui uma base quadrada com 3.7m. por 80cm. nos vasos comunicantes da figura.6 g/cm3. Um cubo maciço de alumínio (massa específica = 2. Considere: g = 10 m/s2 e patm = 1. 2. A pressão absoluta no fundo de uma piscina é de 1. Exercícios da Unidade 2: 1.1m abaixo do nível da rua.97 atm. encontre a diferença de pressão que deve ser criada pela bomba de recalque para puxar esgoto de densidade média 900 kg/m3. 10. Nessas condições e tendo a partícula 2 cm 2.0 m de profundidade está cheia com água. Calcule o módulo e dê o sentido da força que atua na porta.87 cm de diâmetro. de 1. (UNITAU) A figura mostra um tubo contendo mercúrio e um líquido de massa específica desconhecida. (e) 1600N. A caixa encontra-se completamente cheia. a nave sofre uma força de: (a) 100 N. (c) a diferença de pressão entre dois pontos separados. Determine a pressão no fluido da seringa quando aplica-se uma força de 50. 100m abaixo da superfície. Qual é a pressão. .2m abaixo do nível da rua.0 m de profundidade. Calcule a massa específica do líquido sabendo que a massa específica do mercúrio é 13. 11.6N sobre o pistão. 4.0 m.0 x 105 Pa 9.20m por 0.1m por 1. (d) 0. (c) 400 N. As saídas dos canos de esgoto de uma casa construída em uma ladeira estão 8. verticalmente.70 m. em Pa e em atm. exercida pelo cubo sobre a superfície? 5. para empurrá-lo para fora? Considere a densidade da água do oceano 1025 kg/m3.1 g/cm 3). 7. (UFRJ) O impacto da partícula de lixo que atinge a nave espacial Columbia produz uma pressão da ordem de 100 N/cm2. (b) a pressão absoluta no fundo da piscina. Membros da tripulação tentam escapar de um submarino danificado.4 m. está apoiado sobre uma superfície horizontal. (c) 4 m. Uma seringa possui um pistão com 0. Uma piscina com 5. 6. Logo a profundidade da piscina é de aproximadamente: (a) 14 m. A porta de uma casa mede 2.4 atm. (d) 800 N.0m de lado e uma altura de 2.

Um elevador hidráulico é constituído de dois pistões com tamanhos diferentes. sem que o nível de fluido nas duas colunas se altere.8 m/s 2. fluido 2: 900 kg.d. Este enunciado vale para as questões 18.35mm.6 x 103 kg/m3 e a aceleração da gravidade local é de 9. 19. Prensa Hidráulica é um dispositivo multiplicador de: (a) força e trabalho.a. h2 = 50 cm. foi cheio de mercúrio e depois o mesmo emborcado num recipiente contendo mercúrio.9. para a lavagem de um automóvel de massa 1000kg. o mesmo é erguido a uma certa altura. 16. A prensa hidráulica representada na figura está em equilíbrio. (b) 30 N.a.0 cm.d. respectivamente. (e) n. qual a força aplicada no êmbolo menor para equilibrar o automóvel? 15. em N/cm2: (a) 5. A temperatura é -5ºC. Sendo 16 cm a altura da coluna de óleo.a. fluido 3: 700 kg. (c) 1000 N. e nesta temperatura a densidade do mercúrio é 1. . A força que atua sobre o êmbolo de maior área é: (a) 100 N.m-3.8 cm. Qual é a pressão atmosférica em pascais e torr? 24. de quanto sobe o êmbolo maior? (a) 1. Torricelli fez a seguinte experiência: um tubo de vidro. Os êmbolos formam áreas iguais a 2a e 5a. Verifica-se que um peso P.0m de diâmetro. 19 e 20. Se o êmbolo menor descer de 120 cm. indicando a ordem nos quais os fluidos estão empilhados e calcule a pressão no fundo do tanque. 18. (b) 60 kgf. (d) força.d. (c) 4. A coluna de mercúrio de um barômetro tem altura h=740. Sendo os êmbolos de áreas 10 cm2 e 2000 cm2 e a aceleração da gravidade local de 10 m/s 2. o peso P vale: (a) 20 N.30 m. Aplica-se ao êmbolo menor uma força de 20 N.4 cm. ao nível do mar. (VUNESP) As áreas dos pistões do dispositivo hidráulico da figura mantêm a relação 50:2. (d) 6. A aceleração de queda livre no local do barômetro é 9.0 e 0. de 1m de comprimento. Qual a pressão manométrica em kPa em um recipiente contendo óleo cujo tubo piezométrico apresenta uma leitura de 0.0x103 kg é apoiado sobre o pistão maior.m-3. são colocados em um sistema de vasos comunicantes. (c) 70 kgf.0 cm de diâmetro e o pistão maior possui 1. (d) 500 N. Um carro com 2. (c) 20. 14. Um tanque contém várias camadas empilhadas de fluidos com as seguintes alturas das camadas: fluido 1: 800 kg. A pressão no êmbolo menor é. Uma prensa tem pistões de áreas iguais a 4 cm 2 e 200 cm2. (b) 500 N. 17. Que peso devemos colocar sobre o pistão menor para equilibrarmos o carro? 22. constatou que. A pressão do ambiente sobre o tanque é de 110 kPa. Qual a intensidade da Força F? (a) 40 kgf. h1 = 40 cm. 13. (c) 60 N. (e) n. O sistema utilizado é uma prensa hidráulica. (d) 40. (d) 750 N. Para determinar a pressão atmosférica.m-3. Faça o desenho 3 esquemático do tanque. (b) 2. O pistão menor tem 4. (c) energia e força. 21.6 g/cm 3 = 13. (e) 45 kgf.3608x10 4 kg/m3. 20.76m).2 cm. (d) 50 kgf. Água e óleo de densidades 1. De acordo com o Princípio de Pascal.7835 m/s2. colocado sobre o pistão maior é equilibrado por uma força de 30 N no pistão menor. Se a massa específica do mercúrio é 13. (b) 10. o mercúrio no tubo desce até à altura de 760 mm (0. (d) 20000 N. qual a pressão atmosférica constatada por Torricelli? 23. (e) n. Num posto de gasolina.12. h = 120 cm. determine a altura da coluna de água medida acima do nível de separação entre os líquidos. Considere a densidade do óleo igual a 0.8. (b) potência e trabalho.

se a pressão atmosférica absoluta e igual a 100 kPa? . h1 = 20 cm. h2 = 15 cm e h3 = 30 cm.01 x10 5 Pa. Considere g = 10 m/s2.8 m/s2) 27.25. ρM = 13. (g = 9. 26. contido num recipiente. No lado da sucção de uma bomba. determine a pressão no ponto A. Com os valores indicados é possível concluir que a pressão do gás é igual a: a) 186 cmHg b) 110 cmHg c) 156 cmHg d) 286 cmHg 29.8 m/s2) 30. Calcule a pressão em A se h 1 = 700 mm e h 2 = 870 mm? ( patm = 101. Determine a pressão relativa no ponto A na água contida na câmara pressurizada mostrada na figura abaixo.0 g/cm 3) no lugar de mercúrio. Qual a pressão absoluta equivalente. O recipiente mostrado no esquema está pressurizado de forma que a água sobe uma altura h = 200 cm no tubo manométrico. Sabendo que o valor da pressão atmosférica é de 1. Considere a montagem num local ao nível do mar (Patm = 76 cmHg) e o tubo em U contendo mercúrio. obtendo-se os valores indicados na figura. A pressão atmosférica local medida por um barômetro é de 750 mmHg. Suponha um barômetro que utilize água (ρ= 1. g = 9. ρM = 13. um medidor de pressão de Bourdon mede 40 kPa de vácuo. Considere que ρA = 1000 kg/m3. O dispositivo mostrado na figura desta questão (manômetro) nos permite medir a pressão do gás do botijão. calcule a altura da coluna de água no barômetro.3 kPa. utilizou-se um manômetro de mercúrio. 31.8 m/s2.600 kg/m3g = 9. Para medir a pressão P exercida por um gás. A figura mostra um recipiente pressurizado contendo água conectado a um manômetro em U na altura do ponto A. O valor de P.3 kPa. ρA = 1000 kg/m3. Sendo a massa específica da água igual a 1000 kg/m3 e patm = 101.600 kg/m3. em mmHg é: a) 150 b) 170 c) 750 d) 900 e) 940 28.

Os icebergs são grandes blocos de gelo que vagam em latitudes elevadas. Determine a pressão manométrica e a pressão absoluta no fundo do tanque. 35. 37.5. Mergulhado em água. A relação entre as alturas emersa e imersa é de: (a) 2/3. determine a aceleração do objeto. Sendo V o volume total do iceberg e μg = 0. Qual o peso do alumínio contido na peça. (e) 3/2.2 g/cm3. seu peso aparente é de 56 gf. (b) 2. Qual a densidade do material do corpo em questão? 43. Determine a intensidade da tração no fio que segura a bola. Calcule o peso e o volume de água que a plataforma deslocaria se flutuasse em água sal gada (  = 1.85 e a coluna de líquido tem 55 cm de altura. A pressão do ambiente é de 96 kPa. 40.5. Uma plataforma flutua em água doce (ρ =0. Determine quanta carga esse barco pode carregar sem afundar em: a) um lago de água doce (densidade 1000 kg.65 g/cm3). A leitura de um medidor de vácuo conectado a uma câmara é de 24 kPa em um local onde a pressão atmosférica é de 92 kPa. considerada com massa específica igual a μL = 1 g/cm3. determinar a porcentagem do iceberg que aflora à superfície livre da água. Determine a altura do cubo que permanece dentro da água.0mm. 38. Um manômetro é utilizado para medir a pressão em um tanque. Um negociante de metais “preciosos" tenta vender uma joia. constituindo um sério problema para a navegação. (d) 0. 33. Uma peça feita de alumínio e cobre pesa 76 gf.80 g/cm3.0 g de massa e sua massa específica vale 0.0? 44.80 g/cm 3) flutua num líquido de massa específica 1. Um manômetro contendo óleo (ρ = 850 kg. deslocando 5. 36. (UFPA) Um cubo de madeira (massa específica = 0.92 g/cm3 a massa específica do gelo. 42. O casco de um barco tem um volume de 150 m 3 e a massa total do barco vazio é de 8560 kg.m-3) é anexado a um tanque cheio de ar. Calcule o empuxo sobre ela exercido quando estiver totalmente imersa num líquido de massa específica igual a 0. Um corpo pesa 70 kgf.m-3) .90 g/cm3. ao Sr. Determine a pressão absoluta na câmara. que desconfia da peça e propõe um teste de legitimidade. num local em que g = 9. O fluido utilizado tem uma gravidade específica de 0. Uma bola com volume de 0. 024 x10 3kg/m3 )? O volume de água deslocada muda? 39. 34.5 cm 2 de área transversal. Considere g = 10 m/s2 (a) Qual o valor do peso do objeto? (b) Qual a intensidade da força de empuxo que a água exerce no objeto? (c) Qual o valor do peso aparente do objeto? (d) Desprezando o atrito com a água.32. sabendo que dAl = 2. Uma esfera tem 6. encontre a densidade da peça e diga se ela é legítima. Um bloco cúbico de madeira (d c = 0. 45. Mergulhada em água. supostamente feita de ouro. Ele pesa a peça e conclui que a massa dela é de 39.5 e dCu = 9.002 m 3 e densidade 200 kg/m3 encontra-se presa ao fundo de um recipiente que contém água. determine a pressão absoluta no tanque.998x103 kg/m3).m-3) b) na água do mar (densidade 1030 kg.8m/s2. com 20 cm de aresta flutua na água. com 2. sobretudo porque deles emerge uma pequena parte do total. Arquimedes da Silva. (Considere g = 10 m/s2) 41. Um objeto com massa de 10 kg e volume 0.0 g. através de um fio conforme a figura. Se a diferença de nível entre as duas colunas for de 45 cm e a pressão atmosférica for de 98 kPa. ele a submerge em um tubo contendo água. Sabendo que o nível da água no recipiente sobe 2. Em seguida.0x103 kg de agua. (c) 1. seu peso aparente é de 40kgf.002 m 3 é colocado totalmente dentro da água.

com turbilhões ou redemoinhos. os vetores velocidade de escoamento são tangentes a ela. as linhas de corrente fornecem informações sobre as direções e as velocidades do escoamento. Linha de corrente. tais como: permanente ou transitório. é dada por onde ρ é a massa específica do fluido.1. alguns conceitos são necessários. o movimento do fluido se passa como se o fluido fosse constituído de lâminas paralelas que deslizam umas em relação às outras. de forma que. num instante de tempo. No escoamento laminar. as partículas fluidas se movem em trajetórias irregulares e ocorre mistura macroscópica. em função do tempo. os fluidos podem escoar de uma forma suave e bem ordenada ou de uma forma irregular. Escoamento incompressível é aquele no qual as variações de massa específica são insignificantes. Dizemos que um fluido escoa em regime estacionário ou laminar se. Esses dois tipos de escoamento são chamados de laminar e turbulento. a massa específica e a viscosidade dinâmica do fluido. é uma linha imaginária traçada no campo de escoamento. o escoamento é denominado transitório ou não-permanente. em cada ponto. incompressível ou compressível. o que acontece quando as velocidades de escoamento são pequenas em relação à velocidade de propagação do som no fluido. No escoamento turbulento. Tem-se um escoamento compressível quando as variações de massa específica não podem ser desprezadas. permanecem invariáveis com o tempo. Os líquidos. Condutos livres são aqueles onde o fluido apresenta um contato apenas parcial com suas paredes internas. Se ocorrer variação das propriedades em um ponto. laminar ou turbulento. . Em função das condições de escoamento. mas em muitas situações pode ocorrer um escoamento incompressível de um gás. ideal ou viscoso. respectivamente. chamada número de Reynolds. Tipos de escoamento Os escoamentos podem ser classificados. que é adimensional. uniforme ou variado. em geral. Condutos forçados são aqueles onde o fluido apresenta contato total com suas paredes internas. D é o diâmetro interno do duto e μ é a viscosidade dinâmica do fluido. sem ocorrer mistura macroscópica. 3. ele tem sempre as mesmas velocidade e pressão. o diâmetro interno do duto. V é a velocidade média de escoamento no duto. onde o fluido está em contato com o ar atmosférico. são incompressíveis e escoam de forma incompressível. em cada ponto do espaço. Essa relação. Um escoamento é chamado de permanente ou estacionário quando as suas propriedades. em função de alguns critérios. em qualquer ponto. Unidade 3 – CINEMÁTICA DOS FLUIDOS Para analisar o movimentos dos fluidos. Neste tipo de conduto observa-se sempre uma superfície livre. de diversas maneiras. representada por Re. Experimento de Reynolds Osborne observou que o escoamento no interior de um duto de seção circular de diâmetro constante é laminar ou turbulento em função de uma relação entre a velocidade de escoamento. geralmente através de turbilhões. e de entrada ou estabelecido. Assim. Os gases são compressíveis.

A expressão anterior ficará então escrita da seguinte forma: . Como esse valor é determinado de forma experimental. apresenta uma densidade constante.3. passa também em B. o volume de fluido em A é dado pelo produto da área A 1 pela distância d1 e. ou seja. 3. Equação da continuidade para regime permanente Considere um fluido ideal incompressível. geralmente. Aceita-se. para escoamento interno em tubo circular. e a velocidade de escoamento do fluido em um dado ponto é constante em relação ao tempo. de acordo com o sentido de escoamento do fluido.Número de Reynolds crítico é o valor acima do qual o escoamento torna-se turbulento. escoamento turbulento (LIVI. a razão entre o volume do fluido que atravessa esta seção por unidade de tempo. num dado intervalo de tempo. escoando através de um tubo que sofre uma redução de área. 2004). Vazão em volume (Q) A vazão em volume de um fluido através da seção de um tubo é. depende da rugosidade. As principais unidades de vazão em volume são: SI CGS Outra Relações m3/s cm3/s ℓ/s 1 m3/s = 106 cm3/s = 103 ℓ/s Vazão em massa (Qm) é a massa do fluido que escoa através de uma certa seção em um intervalo de tempo. Nessas condições. mas satisfaça algumas condições. vibrações do tubo e flutuações do escoamento. por definição.2. que é equivalente ao produto da área da seção pela velocidade do fluido. nenhum fluido entra ou deixa o tubo. 3. é dado pelo produto da área A 2 pela distância d2. o volume de fluido que passa em A. que com Re<2100. Para o estudo dos fluidos em movimento é preciso idealizar um fluido cujo comportamento não seja muito diferente de um fluido real. As principais unidades de vazão em massa são: kg/s (SI). através da qual o fluido escoa. no espaço. Volume de controle é uma região arbitrária e imaginária. kg/h. Assim. podemos escrever: VA =V B. em B. podemos afirmar que. O fluido ideal é não- viscoso (atrito interno nulo). Em virtude de as regiões A e B possuírem diâmetros diferentes. g/s Vazão em peso (QG) é o peso do fluido que escoa através de uma certa seção em um intervalo de tempo. Para Re > 2500 ocorre. utm/h. em geral o escoamento é laminar. conforme mostrado na figura: Entre os pontos A e B não existe ramificação alguma do tubo.

a equação da continuidade estabelece que. de modo que a área da seção reta do filete diminui. Para isso. vamos considerar o caso geral de um fluido que escoa através de um tubo. podemos dizer que. Para o caso de fluido compressível. de saída do fluido. a pressão é p2 e a altura é h2. na região B. r esul ta: A1 x v1 x t =A 2 x v2 x t  DA1 x v1 = A2 x v2 Essa expressão recebe o nome de equação da continuidade. Por efeito da gravidade. no escoamento de um fluido. A mesma equação permite explicar por que um estreitamento na extremidade de uma mangueira faz com que o jato de água atinja uma distância maior. h é a carga de posição (m). podemos dizer que no escoamento de um fluido ideal. A partir dessa equação. O produto v x A. substituindo na equaçã o anter ior . de entrada do fluido.4. que no SI é dado em m3/s. pressão p1 e altura h1. V Devemos lembrar que a vazão é o volume do fluido por unidade de tempo: Q  . o produto da velocidade de escoamento pela área do tubo é constante. recebe o nome de vazão (Q): Q = v x A Assim.A1 x d1 = A2 x d2 Como a velocidade de escoamento do fluido é constante em cada seção. a velocidade da água aumentada enquanto cai. podemos escrever: d1 = v1 x t e d 2 = v2 x t que. este possui velocidade v1. consequentemente. a velocidade de escoamento é maior. t Uma aplicação imediata da equação da continuidade permite explicar o estreitamento de um filete de água que sai de uma torneira na vertical. dividida por γ pode ser escrita como é a carga de pressão (m). é a carga de velocidade (m). em qualquer seção a vazão em massa é constante (princípio da conservação da massa): 3. A expressão: é conhecida como equação de Bernoulli que. a soma das energias. conforme mostra a figura: Na região A. a velocidade é v2. Equação de Bernoulli sem dissipação de energia mecânica No escoamento de um fluido ideal. A equação de Bernoulli pode ser entendida como uma aplicação do princípio de conservação de energia aos fluidos. a vazão de entrada é igual à vazão de saída. nas partes mais estreitas do tubo (menor área). relativas à pressão. em qualquer ponto do escoamento do fluido incompressível. . é constante. à velocidade e à altura da tubulação. temos: constante. De um modo geral.

pois a pressão estática neste ponto é maior. ele atinge alturas diferentes nos tubos verticais da figura. o valor de H permanece constante.  Para o caso de um fluido em repouso (velocidade = 0). No tubo localizado na tubulação com maior área. Portanto. 1 hp = 746 w O rendimento (η) da máquina é definido como a razão entre a potência útil e a potência realmente fornecida. Nos escoamentos reais. Vamos representar por H a soma dessas três parcelas: H é a energia total (E) por unidade de volume (V) associada ao escoamento. A equação de Bernoulli e a variação de energia Cada parcela da equação de Bernoulli corresponde a uma quantidade de energia por unidade de volume. P + μ. P = Q. Assim. Colocando essa condição na equação de Bernoulli. a velocidade do fluido aumenta e a pressão diminui. uma redução de área provoca um aumento de velocidade. o valor de H aumenta. o nível do líquido é mais elevado.  Se o fluido que escoa pela canalização for um líquido. quando o fluido atravessa uma bomba.H =ΔE/Δt Unidades de potência: SI Outras Relações Watt (w) = J/s cv (cavalo-vapor) hp (horse power) 1 cv = 736 w. A potência de uma máquina (P) é dada pelo produto da vazão (Q) pela variação de energia por unidade de volume associada a um escoamento (ΔH). devido ao trabalho motor realizado sobre o fluido. Por outro lado.Observações:   No caso de um tubo horizontal. ou seja: quando um tubo no qual escoa um fluido sofre uma redução de área. h1 = h2  De acordo com a equação da continuidade. a equação de Bernoulli pode ser escrita como  que é a lei de Stevin para um fluido em repouso. a velocidade v2 é maior que a velocidade v1. A2. a grandeza H vai diminuindo ao longo da tubulação. concluímos que a pressão p 2 é menor do que a pressão p1. à energia potencial gravitacional por unidade de volume (pressão por gravidade. Unidade (SI): J/m3. a parcela corresponde à energia cinética por unidade de volume (também chamada de pressão dinâmica) e a parcela .g. a parcela P é a energia por unidade de volume relativa à pressão.h é chamada pressão estática). devido à ação do atrito entre o fluido e as paredes da tubulação e ao próprio atrito interno das partículas que compõem o fluido. . Nos escoamentos ideais.

O ar rápido também divide o fluido em pequenas gotas. Como consequência. e aparecerá uma diferença na coluna de fluido do medidor. Essa diferença de pressão produz uma força ascensional que pode levantar o telhado. A pressão nesse ponto diminui.Destelhamento: Durante uma ventania. O medidor da figura (b) pode determinar a diferença de velocidade entre dois pontos de um fluido pelo mesmo princípio. através da chaminé. . que são empurradas para frente. De acordo com a equação de Bernoulli. a diferença de pressão. v. a passagem do ar faz com que a pressão na região logo acima do telhado se torne menor do que a pressão do ar abaixo deste. e a diferença de pressão com o outro extremo do tubo empurra o fluido para cima. Os medidores abaixo também são baseados no mesmo princípio.3.Aviões: A asa de um avião é mais curva na parte de cima. . Isto faz com que o ar passe mais rápido na parte de cima do que na de baixo. se a janela estiver aberta. se ele naõ estiver amarrado à estrutura da casa. . Medidores de velocidade de um fluido: Na figura (a) abaixo. Da equação de Bernoulli. Conhecendo a densidade do fluido do medidor.Vaporizadores: Uma bomba de ar faz com que o ar seja empurrado paralelamente ao extremo de um tubo que está imerso em um líquido. Aplicações da equação de Bernoulli . P . a pressão do ar em cima da asa será menor do que na parte de baixo. em relação ao ambiente interno.P0 é determinada. Chaminé: O movimento de ar do lado de fora de uma casa ajuda a criar uma diferença de pressão que expulsa o ar quente da lareira para cima. como se estivesse sendo puxada para fora. uma cortina ali colocada desloca-se em direção à janela. . criando uma força de empuxo que sustenta o avião no ar.5. o ar que passa rente a uma janela origina uma diminuição da pressão. pode ser determinada. a pressão P é menor do que P0. Todos esses tipos de medidores são conhecidos como medidores de Venturi.Vento rasante em uma janela: Durante uma ventania. se existir ar em movimento no interior do tubo. Uma solução seria ventilar o espaço sob o telhado para que não haja diferença de pressão. a velocidade do fluido dentro do tubo.

O tubo de Venturi consiste essencialmente de um tubo cujas seções A e B têm áreas diferentes e conhecidas. As componentes radiais das forças sobre o rotor não sofrem deslocamentos nessa direção e. • Pode ser empregados tanto para fluidos compressíveis como para incompressíveis. HM é negativa) e H2 é a energia do lado 2. a velocidade de escoamento do líquido será dada por v= Portanto. A diferença de pressão estática entre os pontos A e B é medida por meio do desnível do líquido existente nos tubos verticais. 3. • Foi desenvolvido em 1732 por Henry Pitot para realizar medidas locais da velocidade de correntezas em rios.Teorema de Torricelli: Se praticarmos um orifício no reservatório e este se encontrar a uma profundidade h abaixo da superfície livre do líquido. HM é a energia da máquina (para bomba HM é positiva. logo v1= É importante observar que a velocidade não depende da natureza do fluido. para turbina. a velocidade é nula (ponto em que o fluido é barrado). Tubo de Pitot: O tubo de Pitot é um instrumento utilizado para a medição de velocidades de escoamentos. a potência útil da máquina (PT) é menor que a potência fornecida pelo fluido (P) e o rendimento da turbina será: . em instalações industriais (linhas de vapor. quanto mais baixo estiver o furo. são as componentes tangenciais das forças sobre o rotor que realizam trabalho. ventiladores e turbocompressores fornecem energia ao fluido por meio de um rotor formado por pás ligadas rigidamente a um eixo. gases e líquidos) em sistemas de ventilação e laboratórios de pesquisa. não realizam trabalho. • Até hoje muito utilizado na indústria aeronáutica. no ponto 2. maior será a velocidade e também o alcance. Assim: H1 + HM= H2 onde H1 é a energia do lado 1.6. Bombas e turbinas As turbinas transformam a energia do fluido em trabalho mecânico. No caso da bomba. ponto de estagnação. No ponto 1 temos a velocidade do fluido. tanto internos quanto externos. assim. Pela equação de Bernoulli: mas h1 = h2   . . para líquidos ou gases. v2=0. a potência útil fornecida ao fluido (P) é menor que a potência da máquina (PB). enquanto as bombas. portanto. Como as pás se deslocam apenas tangencialmente. • Realiza uma medida local da velocidade do escoamento. o rendimento da bomba será: No caso da turbina.

Torricelli considerou ainda que.6 vezes mais denso que a água. Os principais tipos encontrados são: Turbinas a vapor. Turbinas a gás. irrigar os seus jardins retirando água de um poço com 15 metros de profundidade. chamadas bombas de recalque. se a água subia somente 10 m. em trabalho de eixo. Uma bomba que transfere trabalho de eixo para o fluido 2. A explicação para o funcionamento de tais bombas era que a natureza possuía uma propriedade chamada “horror ao vácuo”. utilizam-se pistões (ou outros impelidores) para empurrar os fluidos. • Possuem uma grande faixa de pressão e vazão de operação • Pressões elevadas são atingidas com o aumento da rotação ou do diâmetro do rotor. o Duque de Toscana resolveu. Supondo que a água era empurrada pela atmosfera e não sugada pelo êmbolo. um rotor no qual o escoamento é radial e dirigido para fora. Há perdas do trabalho transferido pela bomba ao fluido que se traduzem na redução da capacidade de elevação ou na queda de pressão Turbinas Turbina é um equipamento construído para converter energia mecânica e térmica contida em um fluido. Nessas bombas. ligados a um eixo que gira sobre um conjunto de mancais de . e. A forma construtiva básica é o mesmo para todos os tipos: um rotor dotado de um certo número de pás ou palhetas. O desmoronamento da teoria do horror ao vácuo deu origem a uma nova classe de bombas. Portanto. Turbinas aeronáuticas. A questão foi proposta ao então discípulo de Galileu. um enigma surgiu: a água subia pela tubulação até cerca de dez metros. Torricelli calculou que esse líquido deixaria de subir quando atingisse a altura de 76 cm. A relação entre as alturas estaria na proporção inversa das densidades. que envia o fluido ao centro do rotor. colocadas ao nível do líquido a ser transferido. e um tubo coletor ou carcaça espiral que conduz o fluido à tubulação de descarga. quando o pistão subia. proveniente de um motor à combustão ou de um motor elétrico. As bombas classificam-se em: a) Bombas radiais ou centrífugas: sua característica básica é trabalhar com pequenas vazões a grandes alturas. Nessa época. b) Bombas axiais: trabalha com grandes vazões a pequenas alturas. Como é uma bomba Centrífuga A bomba centrífuga comum tem uma tubulação de sucção. significava que a pressão atmosférica era equivalente à pressão exercida por uma coluna de água com 10 m de altura. por mais que aperfeiçoassem a bomba. já que simplesmente por horror eles não sobem. caso fosse utilizado um líquido mais denso. em outras palavras. ou de entrada. com predominância de força centrífuga. Evangelista Torricelli. de forma a ocorrer um aumento da energia mecânica do escoamento. sendo um tipo combinado das duas anteriores. Como o mercúrio é 13. que conseguiu derrubar a teoria do horror ao vácuo. Entretanto. c) Bombas diagonais ou de fluxo misto: caracterizam-se pelo recalque de médias vazões a médias alturas. a água não subia mais. usadas para retirar água dos poços. Uma instalação típica possui: 1. O fluido é bombeado de um reservatório baixo para outro elevado 3. são as mais utilizadas atualmente. num projeto ousado. a água corria para ocupar o vazio deixado pela sua subida. Torricelli concluiu que. Turbinas eólicas. a água era sugada pelo movimento de subida do pistão. essa altura seria menor.Bombas Na época de Torricelli (1608-1647) já eram conhecidas as chamadas “bombas de aspiração”. Turbinas hidráulicas. Princípio de funcionamento de bombas centrífugas A função da bomba hidráulica é fornece energia mecânica para o líquido (como o ventilador para gases).

tais como a temperatura máxima de operação. para não gerar perda de carga e não provocar turbulência no escoamento. todas se movem ao mesmo tempo e de maneira igual. 4) Rotor e eixo O rotor da turbina é onde ocorre a conversão de energia hídrica em potência de eixo. Todas as palhetas têm o seu movimento conjugado. As turbinas podem ser usadas para movimentar um outro equipamento mecânico rotativo. acionadas por um mecanismo hidráulico montado na tampa da turbina (sem contato com a água). desacelera o fluxo da água após esta ter passado pela turbina. É composta de dois anéis superiores. até 140 bar nos modelos mais novos. não sendo possível ser removida ou modificada. rotor e eixo. por questões de durabilidade não são usados). Também tem aplicação na área de propulsão naval. com perfil hidrodinâmico de baixo arrasto. a pressão de trabalho e os detalhes construtivos e dimensões. que varia conforme a vazão de água e a potência gerada. pré-distribuidor. . 1) Caixa espiral É uma tubulação de forma toroidal que envolve a região do rotor. O distribuidor controla a potência da turbina pois. 5) Tubo de sucção Duto de saída da água. isto é. As turbinas tem 2 aspectos que principais que as caracterizam:  Potência  Eficiência Turbinas modernas têm uma eficiência entre 85% e 99%. é claro. tornando o controle da turbina praticamente isento de interferência do operador. ou podem ser usadas para a geração de eletricidade e nesse caso são ligadas a um gerador. Em decorrência disso. compressor ou ventilador. geralmente com diâmetro final maior que o inicial.O acionamento é feito por um ou dois pistões hidráulicos que operam numa faixa de pressão de 20 bar nas mais antigas. e ao pré-distribuidor na seção de saída. entre os quais são montados um conjunto de 18 a 24 palhetas fixas. ou aeronáutica. como uma bomba. É uma parte sem movimento. A principal diferença entre os diversos tipos é o fluido de trabalho. a vazão mássica de fluido. as que trabalham a maiores temperaturas são as turbinas a gás. É um sistema que pode ser operado manualmente ou em modo automático. soldada à caixa espiral e fabricada com chapas ou placas de aço carbono. há outras. distribuidor. As maiores já construídas em termos de dimensões são as turbinas hidráulicas. O objetivo é distribuir a água igualmente na entrada da turbina. 2) Pré-distribuidor A finalidade do pré-distribuidor é direcionar a água para a entrada do distribuidor. Partes de uma turbina Uma turbina é constituída basicamente por cinco partes: caixa espiral. É fabricada com chapas de aço carbono soldadas em segmentos.deslizamento ou mancais de pastilha (mancais de rolamento. a potência máxima. A caixa espiral conecta-se ao conduto forçado na seção de entrada. regula vazão da água. e as que são submetidas a maior pressão são as turbinas a vapor. 3) Distribuidor O distribuidor é composto de uma série de 18 a 24 palhetas móveis. Esta parte fica integrada à estrutura da usina. tubo de sucção.

menor. Num ponto A do encanamento.91m/s e o diâmetro é 0. conforme mostra a figura.. b) maior. escoa por uma tubulação de diâmetro 3cm com uma velocidade de 0. 3) Benzeno escoa por uma tubulação em regime turbulento com um número de Reynolds de 5000.0030 x 10-3 N s/m2) 2) Um determinado líquido. (Dados: ρ = 0.. Em qual dos pontos. com velocidade de 3.. Determine qual a viscosidade dinâmica do líquido.. A velocidade de escoamento do fluido no ponto 1 é .8 m/s e sem perda de vazão.48x10-7m2/s. Determine o diâmetro do tubo em mm sabendo-se que a velocidade do escoamento é de 0.. em relação à pressão no ponto 2.. c) menor... que a verificada no ponto 2 e a pressão no ponto 1. e) maior.N/s c) m.s) 5) Determine a velocidade critica para (a) gasolina a 20 0C escoando em um tubo de 20mm e (b) para água a 200 C escoando num tubo de 20 mm. a) maior..791 g/cm3 e μ= 0.1m/s. igual. a pressão absoluta é de 14. 6) Calcular a velocidade máxima que um fluido pode escoar através de um duto de 30 cm de diâmetro quando ainda se encontra em regime laminar.871 g/cm3 e μ= 0.N/N 10) Em um encanamento horizontal escoa água com vazão de 360 litros por minuto. 12) A tubulação de um equipamento tem 10 cm de diâmetro. Exercícios da Unidade 3: 1) Calcular o número de Reynolds e identificar se o escoamento é laminar ou turbulento sabendo-se que em uma tubulação com diâmetro de 4cm escoa água com uma velocidade de 0. Este mesmo escoamento passa pela seção 2 onde o diâmetro é 0.. Determine a vazão e a velocidade na seção 2. Obs: Para gasolina a 20 0C a viscosidade cinemática vale 6.. Pergunta-se a vazão e a velocidade média quando o diâmetro do encanamento sofre um alargamento para 0.05m/s.5 m/s. (Dados: ρ = 0..40 metros de diâmetro conduz líquido em movimento permanente. menor. com velocidade média de 1.N/kg d) m.61 m.64 x 10-3 Ns/m2) 4) Acetona escoa por uma tubulação em regime laminar com um número de Reynolds de 1800. por onde escoa óleo em regime permanente. Considere g=10 m/s2 e  =103 kg/m3.s e a massa específica é de 800 kg/m3. d) menor. 9) Os termos da equação têm unidades de a) N b) m. é . 8) Na seção 1 de um conduto pelo qual escoa água. O encanamento apresenta um estrangulamento e a área transversal é reduzida para 10 cm2 (ponto B). Sabendo-se que o equipamento requer uma velocidade de 1. maior.50 metros. Determine a máxima velocidade do escoamento permissível em um tubo com 2cm de diâmetro de forma que esse número de Reynolds não seja ultrapassado. a velocidade é 0. A ou B. 7) (UFSM-RS) A figura representa uma tubulação horizontal em que escoa um fluido ideal. (μ = 1. sabendo-se que o número de Reynolds é 9544.. com 960kg/m³.91m. a pressão é maior? 11) Um encanamento com 0. Sabe-se que a viscosidade do fluido é 2 x 10-3 Pa. a) Qual é a velocidade de escoamento em A e em B? b) Calcule a diferença de pressão entre os pontos A e B e a pressão absoluta do ponto B. maior.326 x 10-3 Pa. Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas. qual deverá ser o diâmetro de saída? .2m/s. onde a área da seção transversal é 20 cm 2.50 N/cm2..0 m/s.N/m3 e) m.

A massa específica do ar na seção maior é 1. enquanto na seção menor é 0. Se a área de entrada do bocal é de 60 cm2 determine (a) a vazão de massa através do bocal e (b) a área de saída do bocal 22) Ar entra em um bocal de forma constante a 2. Qual será a velocidade media do escoamento nas seções A e B? 25) A água escoa dentro de um tubo. em peso e a velocidade média na seção menor.9 x 10² kg/m³). como mostra a figura abaixo. água (ρ = 1 x 10³ kg/m³ ) e álcool ( ρ = 7. em peso e a velocidade media na seção (2). cuja capacidade é 6000 litros em 1 h e 40 min. e acerta o vizinho com água. em massa e em peso em unidade do SI se ρ = 1000 kg/m3 e g = 10 m/s2. A mistura homogênea sai por um tubo cuja seção tem uma área de 25 cm² . 23) O ar escoa num tubo convergente.s-1. o peso específico do gás é de 10N/m3. Sendo a velocidade na seção maior 10 m/s. 16) Os reservatórios da figura são cúbicos. há um estreitamento de diâmetro. A água desce 10m gradualmente.21 kg. Calcular a velocidade a montante do bocal e a vazão escoada. Em determinado ponto. (Faça g = 9. sabendo que o fluido é água e que A1 = 10 cm2. Se o ponto 2 está aberto para a atmosfera.762 kg.21 kg/m3 e 20 m/s e sai a 0. v1 = 1m/s e g = 10 m/s2.10 m3/s.2 kg/m 3. Em uma seção B. o diâmetro é 0. Qual a velocidade da água neste estreitamento em metros por minuto? 20) Dois tubos descarregam em um reservatório.20 m.81 m/s2) 26) A água se move com velocidade de 5m/s através de um cano com área de seção transversal de 4 cm2. qual será a pressão no nível mais baixo? .5x105 Pa.0 m acima do ponto 1. determine a diferença de pressão entre o ponto 1 e o ponto 2. A vazão da água é de 30L/s e a vazão do álcool é de 15L/s. separadamente. a) Se leva 1 minuto para encher o balde.5 cm/s. volume. 15) No tubo da figura. qual é a velocidade com que a água passa pela mangueira? b) Um brincalhão aperta a saída da mangueira até ela ficar com um diâmetro de 5 mm. Determinar a vazão em volume. (b) a área de saída do bocal. A2 = 5 cm2. O diâmetro no ponto 1 é 0. Determinar a velocidade da água na seção (A). No ponto 2. que está 3.4 m. com uma taxa de escoamento de 0. determinar as vazões em massa.5 m por 1m. São enchidos pelos tubos respectivamente em 100 e 500 s.9 kg/m3.762 kg/m3 e 150 m/s. A área da maior seção do tubo é 20 m 2 e a da menor é 10 cm2. sabendo que o diâmetro do conduto nessa seção é 1 m. quando ele passa a medir 10 cm. determinar a vazão em volume. determine: (a) a vazão em massa através do bocal.s-1 e sai com uma densidade de 0. (Considere g=10 m/s2) (a) Qual é a velocidade do escoamento no nível mais baixo? (b) Se a pressão no nível mais alto for 1. enquanto a área do cano aumenta para 8 cm2. 21) Ar entra em um bocal de forma constante a 2.m-3 e 180 m. Calcule a massa específica e a velocidade da mistura. 17) Um bocal convergente de 100mm x 50mm é colocado num sistema para assegurar uma velocidade de 5m/s na extremidade menor do bocal. 24) Um gás (γ =5 N/m3) escoa em regime permanente com uma vazão de 5 kg/s pela seção A de um conduto retangular de seção constante de 0. 18) Qual a velocidade da água que escoa em um duto de 25 mm se a vazão é de 2 litros/s? 19) Considere um fluxo de água num duto de 15 cm de diâmetro com velocidade de 8. em massa.m -3 e 30 m. Se a área de entrada do bocal é de 80 cm2. Qual é a velocidade com que a água sai da mangueira? 14) Uma torneira enche de água um tanque.13) Uma mangueira de diâmetro de 2 cm é usada para encher um balde de 20 litros.

no mínimo. O óleo dentro deste tubo está 50 mm acima da superfície do escoamento. determine a velocidade do avião. d=0. em m/s: a) 0. numa das paredes do tanque. em cm/s.24 m.99 c) 1. conforme a figura. de forma que uma das aberturas seja dirigida para montante e a outra para cima.81. 31) (Uneb-BA) Para abastecer uma residência.0 cm.89 b) 0. Para essa irrigação. como indica a figura. Sendo o módulo da aceleração da gravidade local igual a 10m/s2 e a massa específica da água 1 kg/  ( ou 1000 kg/m3). e aberto para a atmosfera. ele necessita de.40 e) 1. Considere que tanto na entrada como na saída da tubulação a velocidade e a pressão da água sejam as mesmas. é igual a: a) 100 b) 200 c) 300 d) 400 e) 500 32) Um Tubo de Pitot simplificado é utilizado para determinar a velocidade do líquido no ponto 1.m-3) Se a leitura da pressão diferencial for de 3 kPa. Um fluido em seu interior escoa de modo que seu nível abaixa com velocidade constante. O impacto do líquido na abertura 2 força o mesmo a subir no r amo v er tical a uma al tur a z acima da super f í cie livre. Suponha que. exista um orifício de área a localizado a uma profundidade h. A velocidade medida pelo tubo é. Determinar a velocidade no ponto 1. contendo água.27) A figura representa um grande tanque de área A. como mostra a figura. Se esse nível diminui de uma altura h = 9. e deduza a expressão que nos permite calcular a velocidade de saída da água através do orifício. num intervalo de tempo de 3.000  .909 kg. em 10 minutos.0  / s . g =10 m/s2 e  = 10 3 kg/m3.0 s. A água é lançada no tanque com velocidade de 10 m/s e não há perdas por atrito no sistema. em watts. a) Qual é a variação na energia total por unidade de volume sofrida pelo fluido nesse processo? b) Qual deve ser a potência útil mínima da bomba a ser utilizada? 30) (UFPE) Um funil tem uma área de saída quatro vezes menor que a área de entrada. 33) Um tubo de vidro dobrado a 90º é aberto em ambas as extremidades. se o desnível entre o furo e a superfície livre é de 2 m? 29) Um agricultor precisa irrigar uma plantação que está 50 m acima de um lago aonde ele vai captar a água. A extremidade inferior é dirigida para montante e o ramo vertical é aberto à atmosfera. R. a) Qual é a relação entre as velocidades v 1 (velocidade de descida do nível da água) e v2 (velocidade de saída da água através do orifício)? b) Aplique a equação de Bernoulli aos pontos 1 e 2. uma vazão de 2. a potência da bomba.s-1 . O mesmo é inserido num escoamento de óleo. determine. Considere que A seja muito maior que a. a velocidade com que o fluido abandona o funil na saída. c) Qual é a vazão de saída da água pelo orifício? 28) Qual a velocidade da água através de um furo na lateral de um tanque. uma bomba retira água de um poço e enche o tanque de 1.90. mostrados na figura. em relação ao nível da água.1 d) 1.50 34) Uma sonda estática de Pitot é usada para medir a velocidade de um avião que voa a 3000 m (ρ ar = 0.

. III – A energia total no ponto (1) é menor do que no ponto (2). II –A pressão estática no ponto (1) é menor do que no ponto (2). em que =1. desprezando-se as perdas. (Dado: g=10m/s2).0 dm3/s.400m 2 de área e que estava apenas apoiado nas paredes. por onde escoa um líquido para baixo. aproximadamente.6x10 3 kg/m3. ( ) A velocidade V2 é. Para isso utiliza- se um tubo de Venturi inserido na canalização conforme mostra a figura. b) a velocidade de escoamento do líquido. Para um escoamento de ar ideal. pode‐se concluir que a pressão em 1 é maior que a pressão em 2. determine a vazão do líquido através da canalização. Segundo engenheiros da Unicamp. 37) (Unicamp) “Um tornado com ventos de 180 km/h destruiu o telhado do ginásio de esportes da Unicamp. e a ela estão conectados dois piezômetros com suas respectivas leituras. . por um duto de 3 cm de diâmetro interno. Considerando g=10 m/s2. determine a pressão na saída da bomba. Considere que o telhado do ginásio tem 5. por onde escoa um líquido de massa específica 1. ( ) A partir da equação de Bernoulli. Qual a menor velocidade do vento (em km/h) que levantaria o telhado? 38) ( ENADE) O esquema da figura mostra uma tubulação vertical com diâmetro constante. Quantas toneladas poderiam ser levantadas pela força devida a esse vento? 4.. A densidade da água pode ser considerada como 1000 kg/m3. A esse respeito. h=0. V – A energia cinética e a pressão estática no ponto (1) são maiores do que no ponto (2).6x103 kg/m3).” (Folha de S. considere as afirmações a seguir. situado a 20 m acima do nível da bomba. O líquido manométrico é o mercúrio (=13. e alimentando um tanque de grandes dimensões. 36) Um tubo de Pitot é inserido numa canalização. 40) Considere uma bomba escoando água. IV – A energia cinética e a pressão estática no ponto (1) são menores do que no ponto (2). 29/11/95) Uma possível explicação para o fenômeno seria considerar uma diminuição da pressão atmosférica. Calcule a variação da pressão externa devida ao vento.2 x 103 kg/m3 a massa específica do líquido. devida ao vento.   v2 essa redução de pressão é dada por .35) Pretende-se medir a vazão de um líquido que escoa por uma canalização.. Sendo A1=10 cm2. julgue cada item abaixo: ( ) Os pontos 1 e 2 têm a mesma vazão. I – A energia cinética é a mesma nos pontos (1) e (2).2x103 kg/m3 é a densidade do ar e v a 2 velocidade do vento.60 m. Considerando as perdas entre os pontos 1 e 2 desprezíveis. considerando que a perda de pressão devido a fricção é de 30 kPa. O desnível é de 20 cm. a estrutura destruída pesa aproximadamente 250 toneladas. 2. A2=5. Sabendo-se que a vazão da bomba é de 1.8 vezes maior que V1. g=10 m/s2 e ρ=1. 2. Quais são as afirmações corretas? 39) Observe a figura abaixo que mostra um medidor VENTURI . 3. Paulo. determine: a) a diferença de pressão estática entre os pontos 2 e 1. ( ) A energia total do ponto 1 é igual à energia total do ponto 2.0 cm2. na parte superior do telhado.

Quando dois corpos. que recebe o nome de energia térmica. a agitação das partículas está intimamente relacionada com a temperatura.34 cal/min 1 cal/min = 251. A agitação dessas partículas é mais intensa nos gases do que nos líquidos. Assim.2 J quilocaloria (kcal) 1 cal = 3.5ºC. Unidades de medida de calor mais usadas: SI Sistema inglês relações Joule (J) Caloria (cal) Bristish thermal unit (Btu) 1 cal = 4. seja ele sólido. Essa energia térmica em trânsito.186 J = 4. a temperatura do corpo diminui.239 cl Uma caloria é a quantidade de calor (energia) necessária para elevar a temperatura de um grama de água de 14. dizemos que o calor é liberado ou perdido. através de . Nesse caso a temperatura do corpo aumenta. cessará a transferência de energia. a temperatura é uma medida da energia cinética média das partículas que compõem o corpo. líquido ou gasoso. sob o efeito de diferenças de temperatura.186 W 1 W = 14. É importante perceber que o atingir o equilíbrio térmico (dois sistemas com a mesma temperatura). transfere-se espontaneamente do corpo de maior temperatura para o de menor temperatura. A potência ou fluxo de calor da fonte é a quantidade de calor por unidade de tempo: Q  t Principais unidades de fluxo de calor: SI relações Watt (W) Caloria por minuto (cal/min) 1 W = 0. moléculas ou íons) em constante agitação.239 cal/s 1 w = 1 J/s Caloria por segundo (cal/s) 1 cal/s = 4. Potência ou fluxo de calor de uma fonte térmica Fonte térmica ou fonte de calor é o sistema que pode fornecer calor continuamente.1. simbolizado por Q. com temperaturas diferentes são colocados em presença. será mais quente o corpo que apresentar um valor médio maior para esse grau de agitação.2. Para um mesmo estado físico. ou sistemas. Condução térmica A condução é o processo de transferência de energia na forma de calor que ocorre através de um meio material. sem que sua temperatura varie. Calor e temperatura Investigações microscópicas estabeleceram que qualquer corpo. convecção e radiação. Uma temperatura mais alta indica maior agitação das partículas e. é composto de partículas (átomos.16 W 4. provocada exclusivamente devido à diferença de temperatura entre eles. Unidade 4 – TRANSFERÊNCIA DE CALOR 4. e nos líquidos é mais intensa do que nos sólidos. é denominada calor.5ºC para 15. dizemos que o calor é absorvido. sem transporte de matéria. Nesse processo.2. é positivo quando a energia térmica é recebida pelo corpo. Agora. portanto. Propagação de calor A transferência de energia na forma de calor de um ponto a outro de um meio pode se dar por três processos diferentes: condução. maior energia cinética média. 4. não haverá calor. O calor é negativo quando a energia térmica é cedida pelo corpo. Um exemplo de uma fonte térmica é a chama de um fogão à gás. O calor. 10-3 Btu 1Btu = 252 cal 1kcal = 103 cal 1J = 0. a energia é transportada de partícula a partícula.1. essa energia cinética média.969 . Portanto.

Algumas aplicações práticas da condução térmica: .ºC).2  102 Prata 0.diretamente proporcional à área A. maus condutores de calor. Os líquidos são maus condutores (embora possam transferir energia por convecção).ºC). Assim.7.m.50 cal/s.cm. . ou simplesmente condutores. e inversamente proporcional à espessura da camada considerada.inversamente proporcional ao comprimento da barra L. para que o calor se propague rapidamente. podemos escrever: Q k  A  (TA  TB )   t L A constante k é característica do material que constitui a barra.As panelas e chaleiras usadas em uma cozinha devem ser metálicas. a madeira e a porcelana.99 cal/s.vibrações.11 Madeira 2  10 5 Amianto 0. Os materiais em que o processo é muito lento são denominados maus condutores ou isolantes. enquanto perdurar a diferença de temperatura entre elas.cm. sem que nenhuma delas seja deslocada.ºC) Cobre 9.10-5 cal/s.16 Gelo 4  104 Aço 0.0002 Flanela 2  105 Lã 0.cm.ºC) e ferro (k = 0.cm.ºC). chama-se condutividade térmica do material e normalmente é dada nas unidades cal/s.diretamente proporcional à diferença de temperatura entre as extremidades (TA e TB).cm.cm.cm.99 Água 1.000086 Ar 5.49 Vidro 2  104 Ferro 0. Condutividades Térmicas Material k (kcal s1 m1 0C1) DD Material K (cal/s. Mas seus cabos devem ser de madeira ou de plástico.000061 As substâncias em que o processo de condução é rápido são denominadas bons condutores. alumínio (k = 0. A lei de Fourier enuncia que: Em regime estacionário. Consideremos o fluxo de calor  que flui durante um intervalo de tempo entre dois pontos A e B de uma barra de comprimento L e seção transversal de área A.92 cal/s. Obs: 1 kcal/s. Os melhores isolantes térmicos são os gases: ar (k = 5. depende da temperatura.ºC).12 cal/s. Também são maus condutores o vidro.ºC A condutividade térmica é uma propriedade do material que indica a capacidade do meio em conduzir calor e.ºC.ºC ou kcal/s. cujas extremidades sejam mantidas às temperaturas TA e TB (com TA > TB). .7  106 Ar seco 0. . geralmente. O fluxo de calor ao longo da barra é: .3  104 Alumínio 0.m.ºC = 10 cal/s. cobre (k = 0. Os melhores condutores sólidos são os metais: prata (k = 0. o fluxo de calor por condução num material homogêneo é diretamente proporcional à área da seção transversal atravessada e à diferença de temperatura entre os extremos.cm. a fim de dificultar a chegada do calor até a mão de quem segura o utensílio.

Nesse caso.O fluxo total é a soma dos fluxos por paredes individuais.Embora os tecidos das roupas e cobertores isolem termicamente. Associação de paredes planas em paralelo . elas o distribuem por toda a base do recipiente e evitam que as chamas entrem em contato direto com o vidro. ANALOGIA ENTRE RESISTÊNCIA TÉRMICA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Condução: = Fluxo de calor: (corrente elétrica) Diferença de temperatura: (diferença de potencial) Resistência térmica das paredes planas: (resistência elétrica) Unidades de resistência térmica: K/w. sºC/kcal Lei de Ohm: Associação de paredes planas em série Req= R1 + R2 + R3 ΔT = T1 . Os pelos dos animais. colocam-se telas metálicas sob eles. hºC/kcal. de comprimento L.T4 O fluxo que passa por cada parede é o mesmo.Todas as paredes estão sujeitas a mesma diferença de temperatura. Como o vidro é um mau condutor de calor. o que provocaria sua ruptura. . Por conduzirem bem o calor.. Condução de calor através de configurações cilíndricas Seja um cilindro vazado. o isopor e a serragem também são bons isolantes térmicos porque retêm ar. submetido a uma diferença de temperatura ΔT. o fluxo de calor é: e a resistência térmica . é o ar que fica retido entre as camadas de tecido que dificulta a condução e impede o corpo de perder energia na forma de calor. haveria dilatações térmicas diferentes em cada parte do material. . o fluxo de calor do fogo para o líquido se concentraria em uma pequena superfície da base do recipiente de vidro.Quando recipientes de vidro são aquecidos em laboratório. Sem a tela metálica.

o fluxo de calor é: e a resistência térmica R= 4. Se uma certa porção de um fluido é aquecida. o ar atmosférico recebe enormes quantidades de poluentes. devido ao elevado número de indústrias e de veículos automotores em circulação. Tem-se convecção forçada quando o escoamento do fluido é causado por agentes externos.2. por exemplo. Nas grandes cidades. a porção eleva-se por efeito do campo gravitacional e é substituída por fluido mais frio da vizinhança. em função do escoamento. Vejamos como se dá o processo de convecção térmica nos gases. Assim. Então o ar aquecido do continente sobe. A transferência de calor por convecção é usualmente classificada. Durante o dia. formam-se as correntes de convecção. formando a brisa marítima. quando a superfície da Terra esfria muito (principalmente à noite).Condução de calor através de configurações esféricas Nesse caso. Ocorre.2. da concentração e também da época do ano. Nessa época. e o ar mais frio do mar desloca-se para o continente. com isso. principalmente irritações nos olhos e nas vias respiratórias. Os principais são o monóxido de carbono (CO). Como são liberados a uma temperatura maior do que a do ar atmosférico. o ar próximo à superfície da terra se aquece mais rápido do que o ar próximo à superfície do mar. À noite. em convecção forçada e convecção natural ou livre. No inverno. Convecção térmica A convecção é o processo de transferência de energia na forma de calor através do movimento de matéria e ocorre tipicamente em fluidos. é frequente o fenômeno da inversão térmica. o ar sobre o oceano permanece aquecido por mais tempo do que o ar sobre o continente. as camadas de ar mais próximas da . As correntes de convecção são importantes para a dispersão dos poluentes na atmosfera. os poluentes deveriam subir e se dispersar nas camadas superiores da atmosfera. sua massa específica diminui e. a brisa terrestre. a posição do congelador em um refrigerador doméstico e a posição de um aparelho de ar condicionado para maximizar sua eficiência em dada estação do ano. Neste contexto pode-se compreender. Esses poluentes causam problemas de saúde nos habitantes. dependendo do tipo de poluente. Na convecção natural ou livre o escoamento é causado por forças de empuxo devidas aos gradientes de massa específica produzidos pelas diferenças de temperatura. o dióxido de carbono ou gás carbônico (CO 2) e o dióxido de enxofre (S02). então. agitadores ou bombas. tais como ventiladores. Mas isso nem sempre acontece.

A resistência térmica por convecção é: Mecanismos combinados de transferência de calor (condução e convecção) Entre T1 e T2 há convecção  R1 Entre T2 e T3 há condução  R2 Entre T3 e T4 há convecção  R3 Req = R1+ R2 + R3 ΔTtotal = T1 – T4 4. Qualquer superfície com temperatura acima de zero Kelvin emite radiação térmica.A. O principal emissor de calor para a Terra é o Sol. calor luminoso (calor acompanhado de luz) que chega à Terra exclusivamente por radiação. No caso do vácuo. que no vácuo vale 300 000 km/s. na unidade de tempo. quando o dia amanhece. é φ = h. o sol fraco de inverno não consegue aquecer o solo suficientemente para reverter o processo. enquanto a condução e a convecção somente ocorrem em meios materiais. denominadas ondas de calor ou calor radiante. A radiação térmica se propaga a velocidade da luz.ΔT onde φ é o fluxo de calor transferido por convecção (unidade w) A é a área de transferência de calor (unidade m2) ΔT é a diferença de temperatura entre a superfície e o fluido em um local bastante afastado da superfície.000 K. Então. Radiação A radiação térmica é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. e os poluentes permanecem junto ao solo e não se dispersam na atmosfera. é função complexa do escoamento. entre uma superfície e um fluido. Define-se como corpo negro uma superfície que absorve totalmente a radiação que incide sobre ela. Assim. .superfície ficam mais frias do que as camadas um pouco acima. pois atravessa uma grande região de vácuo. Com uma temperatura de superfície da ordem de 6. Isso provoca a interrupção das correntes de convecção. Convecção: O calor transferido por convecção.3. h é o coeficiente de transferência de calor por convecção ou coeficiente da película (unidade: w/m2K). o transporte de energia tem eficiência máxima. ele emite.2. a radiação acontece tanto em determinados meios materiais como no vácuo (ausência de matéria). além de outras formas de ondas eletromagnéticas.

enquanto o calor obscuro não é acompanhado de luz (fornos. Para os corpos cinzentos a emissividade ( ε ) é. enunciada em 1792 pelo físico suíço Pierre Prévost: Todos os objetos estão irradiando calor continuamente. de modo que: Qi = Qa + Qr + Qt Para avaliar a proporção do calor incidente. Quando uma fonte térmica emite calor. t = 0) ideal que absorve toda a energia radiante nele incidente. Também não há convecção. Como o ar é mau condutor térmico. Se colocarmos a mão sob uma lâmpada acesa. Estabelece-se um equilíbrio dinâmico que pode ser expresso sob a forma da lei dos Intercâmbios. porque o ar quente sobe. Emissividade (ε) é a relação entre o poder de emissão de um corpo cinzento e o do corpo negro. através da radiação. todos os corpos continuam a irradiar (emitir) calor. Qa é a parcela absorvida. Sendo assim. obtemos: Qa Qr Qt Qi ar t      a  r t 1 Qi Qi Qi Qi Por definição. ele é parcialmente absorvido. Qr é a parcela refletida e Qt é a parcela transmitida. tendo absorvidade nula e refletividade 100% (a = 0 e r = 1). Ec = poder de emissão de um corpo cinzento.Quando o calor radiante incide na superfície de um corpo. lâmpadas incandescentes). dos objetos vizinhos. O calor luminoso é o que vem acompanhado de luz (Sol.f e onde v é a velocidade da onda. Quando vários corpos a diferentes temperaturas são colocados num recinto termicamente isolado do exterior. No equilíbrio térmico. definimos as seguintes grandezas adimensionais: Absorvidade Refletividade Transmissividade Qa Qr Qt a r t Qi Qi Qi a = absorvidade ou poder absorvedor r = refletividade ou poder refletor t = transmissividade ou poder transmissor Somando as três grandezas. praticamente não ocorre condução. ao fim de algum tempo todos estarão à mesma temperatura. corpo negro é um corpo atérmico (opaco ao calor. sendo Qi a quantidade de calor incidente. v = λ. sem tocá-la. O espelho ideal é um corpo atérmico (t = 0) que reflete totalmente a energia radiante que nele incide. Decorre daí que sua absorvidade é 100% e sua refletividade é nula (a = 1 e r = 0). f é a frequência (número de ciclos por unidade de tempo) e T é o período (tempo de propagação de um ciclo). na forma de radiação. parcialmente refletido e parcialmente transmitido. o calor que recebemos só pode nos ter atingido admitindo-se que ondas se propagaram da lâmpada até nossa mão. No entanto. As lâmpadas incandescentes também emitem calor luminoso (ondas eletromagnéticas). onde En = poder de emissão de um corpo negro. Na figura. . ou seja. obviamente. sempre menor que 1. ferros de passar). fazemos a distinção entre calor luminoso e calor obscuro. teremos a sensação de calor. As características de radiação dos corpos cinzentos se aproximam das características dos corpos reais. Corpo cinzento é o corpo cuja energia emitida ou absorvida é uma fração da energia emitida ou absorvida por um corpo negro. λ é o comprimento da onda (distância entre dois picos). a potência irradiada ou emitida por um objeto é igual à potência que ele absorve.

K4 (constante de Stefan . A garrafa térmica dificulta três tipos de propagação de calor. Externamente. é proporcional a quarta potência da temperatura absoluta En =σ. pelo movimento de massa fluida. a condução de calor devido ao gradiente de temperatura no fluido. O vidro comum. Lei de Stefan-Boltzmann A partir da determinação experimental de Stefan e da dedução matemática de Boltzmann. Mecanismos combinados de transferência de calor Geralmente. constituído por uma ampola de vidro espelhado que mantém. Desse modo. refletem os raios infravermelhos dificultando a irradiação. impedindo a propagação de calor para fora da garrafa. embora todas as radiações do espectro eletromagnético transportem energia. mas opacos às ondas de calor emitidas pela Terra (300 K). mas em alguns casos pode acontecer que um ou dois modos de transferência sejam pouco significativos. Para ilustramos o assunto. sua tampa é feita de material isolante.3. O ar ambiente. o interior da estufa se mantém a uma temperatura maior do que o exterior. o seu poder de emissão (E n). σ . além disso. A 1 – área da superfície emissora. são chamadas ondas de calor. o fator forma é simplesmente a emissividade da superfície emitente: F12 = ε1 4. . por longo tempo no seu interior. o efeito estufa mantém a superfície terrestre a uma temperatura média ideal para o desenvolvimento da vida. apresenta uma transferência de calor por condução devido ao gradiente de temperatura e.Boltzmann) No SI a constante de Stefan-Boltzmann é: σ = 5. também. O calor transferido por convecção da superfície sólida para ao ar ambiente compreende a transferência de calor associada ao transporte de massa e. por exemplo. o vácuo entre as paredes duplas impede a transmissão de calor por condução e por convecção. T1 e T2 – temperaturas das superfícies 1 e 2.000 K). uma camada de plástico protege a ampola. As paredes de vidro (um mau condutor de calor) com faces interna e externa espelhadas.constante de Stefan-Boltzmann. Na atmosfera da Terra também ocorre o efeito estufa. Ela é um sistema.σ = 4. O calor que chega por condução à superfície da parede é transferido para o ar ambiente por convecção e para a vizinhança por radiação. junto à superfície sólida.6697 ×10−8 W /m2 K 4 Expressão para o fluxo de calor transferido por radiação entre duas superfícies a diferentes temperaturas: onde φ .fluxo de calor transferido.T4 onde T=temperatura absoluta (em graus Kelvin). F12 – fator forma (fração da energia que deixa a superfície 1 e atinge a superfície 2).m2. chegou-se a conclusão que a quantidade total de energia emitida por unidade de área de um corpo negro e na unidade de tempo. um líquido quente ou frio. A ampola tem parede dupla de vidro. por exemplo. respectivamente (com T1 > T2). O gás carbônico (CO 2) e os vapores de água presentes no ar funcionam como o vidro: são transparentes à energia radiante que vem do Sol (6. em particular. Vejamos algumas aplicações da radiação térmica: As radiações infravermelhas. nas situações reais de transmissão de calor estão envolvidos dois ou os três mecanismos.88×10-8 Kcal/h. é transparente à luz visível e opaco às radiações infravermelhas. Quando a superfície que irradia é muito menor que a superfície que recebe a radiação (por exemplo uma resistência elétrica irradiando calor para o interior de um forno). ou seja. com vácuo entre as duas paredes. consideremos uma situação de transferência de calor que ocorre através de uma parede plana de um forno para o ar ambiente e a vizinhança. Um outro exemplo é a garrafa térmica. O teto de uma estufa de plantas é feito de vidro ou de outro material transparente à energia radiante que chega do Sol e opaco às ondas de calor emitidas pela Terra. Aqui pode-se compreender a necessidade de diferentes cores nas roupas de inverno e de verão e como funcionam as estufas. A não ser quando se libera uma quantidade excessiva de CO 2 na atmosfera. também. Um meio material pode ser opaco para uma determinada radiação e transparente para outra.

Tabela de múltiplos e submúltiplos Múltiplos: PREFIXO SÍMBOLO SIGNIFICADO yotta Y 1024 zetta Z 1021 exa E 1018 peta P 1015 tera T 1012 giga G 109 mega M 106 quilo k 103 hecto h 10² deca da 10 Submúltiplos PREFIXO SÍMBOLO SIGNIFICADO deci d 10-1 centi c 10-2 mili m 10-3 micro µ 10-6 nano n 10-9 pico p 10-12 femto f 10-15 atto a 10-18 zepto z 10-21 yocto y 10-24 .

b) a temperatura num ponto a 40 cm da extremidade quente. kcu = 401 W/m. A área das paredes revestidas é de 0. A temperatura da sauna é mantida a 70ºC. com área total de 2. calcule: a) o calor perdido por unidade de tempo e por m2 de parede.ºC e a área das janelas podem ser consideradas desprezíveis. b) a temperatura da interface refratário/isolante.m. 12) Uma sala apresenta as seguintes dimensões (comprimento.5 w. de 15 m de comprimento. O coeficiente de película para a situação considerada igual a 5 W.14 Kcal/h. Sendo 92 cal/(s. OBS : 1 HP = 641. tem a sua face interna a 20ºC e a externa a 40ºC. Exercícios da Unidade 4: 1) Uma barra de alumínio tem 2.013 cal/(s.35 kcal.0 cal/s = 4.ºC) 7) Determine a resistência térmica de uma parede com 120 m 2 de área.m -2. feita de tijolo com 22 cm de espessura e condutividade térmica igual a 0. b) o fluxo de calor total.h-1. o equilíbrio térmico no interior do calorímetro ocorre a -10ºC. determine: a) o fluxo de calor por convecção. As paredes da sala. 4) Uma estufa elétrica consiste numa caixa de material isolante.K-1. A barra é isolada para evitar perdas radiais de calor. Qual o fluxo de calor que atravessa cada m2 de parede? (Dado: k = 0. c) periodicamente.m.ºC) e 0.26 m 2.0015 cal/s. Para cada metro quadrado da parede. 10) Um equipamento condicionador de ar deve manter uma sala. 8) Uma parede com 20 cm de espessura tem a parte interna a 350ºC e na parte externa o ar está a 50ºC.cm. colocada dentro da caixa. A área das janelas é desprezível. Uma de suas extremidades está em contato com gelo fundente a 0ºC. Considere 1. A espessura dos tijolos que compõem a sala é de 14 cm e o material destes tijolos apresenta uma condutividade térmica igual a 0. mantém a temperatura interna a 60ºC acima da externa.m-1. A face externa das paredes pode estar até a 40ºC em um dia de verão. A condutividade térmica do material da parede é igual a 0.ºC) e 0.k. que estão bem isolados.m-1. Numa dada experiência. Determine a quantidade de calor que atravessa a parede durante 5. A temperatura da superfície interna do refratário é 1675 ºC e a temperatura da superfície externa do isolante é 145 ºC.54 kcal. como se vê na figura. b) o fluxo de calor que atravessa o revestimento da cortiça.m. 6 m de largura e 3 m de altura a 22ºC.m. Desprezando a troca de calor pelo piso e pelo teto. (KAL = 5x10-2 kcal/smoC) 2) Por que as panelas de aço inoxidável usadas para cozinhar possuem uma camada de cobre ou alumínio na parte inferior? (Dados: kaço = 14W/m. explique por quê: a) o congelador fica na parte de cima.ºC os coeficientes de condutividade térmica do cobre e da cortiça. Considere a área da parede igual a 1. A temperatura externa é de 20ºC. Uma lâmpada acesa de 120W. de 25 cm de espessura.0 min. de 25 cm de espessura.2 kcal/h.ºC-1.ºC). 6) Uma parede de madeira de 5 cm de espessura separa uma sauna do ambiente.ºC-1.cm. pede-se o calor a ser extraído da sala pelo condicionador (em HP).m -1. o gelo que se forma no congelador deve ser retirado.13 m de tijolo isolante (k = 0. 9) Um calorímetro é feito de cobre e revestido externamente por placas de cortiça. determine: a) a temperatura na superfície de contato entre o cobre e a cortiça.20 m de tijolo refratário (k = 1.15 kcal/h.K.2 Kcal/h 11) Uma parede de um forno é constituída de duas camadas: 0.0 cm.k) 3) Uma parede de tijolos (k = 0.0 m 2 e espessura de 4. respectivamente. 5 mm.K-1.0W e determine a condutividade térmica do material de que é feita a estufa. . As paredes de cobre têm espessura de 1 mm e as placas de cortiça.m.0 m de comprimento e 10 cm2 de área de seção transversal. Desprezando a resistência térmica das juntas de argamassa.0 m2. A temperatura interna da sala deve ser mantida a 17ºC. Determine: a) o fluxo de calor através da barra. respectivamente): 10 m x 5m x 3m. kal = 253 W/m. são feitas de tijolos com condutividade térmica de 0. enquanto a temperatura do ambiente externo é 40ºC.h -1. b) as prateleiras são em forma de grade. 5) Com relação a uma geladeira. largura e altura.ºC).0002 cal/s.

(1 HP =641.20 m de tijolo refratário (k =1. constituída por uma camada de cerâmica com espessura 0.13 m de tijolo isolante (0.m 2.2 kcal/h.13 m de tijolo isolante (k = 0.ºC-1.h -1.oC. No interior do duto a temperatura é de 2140ºC e no exterior 50ºC. 14) Uma parede de um forno é constituída de duas camadas: 0. um mês de 22 dias e que a eficiência de conversão é igual a 40%.15 m e condutividade térmica 1.25. A fim de atender-se este requisito observou-se que seria necessária a utilização de um material isolante térmico.1oC. b) o duto é pintado com laca branca (ε = 0.m. em W.1 m e raio externo igual a 2. oC).K.m- 1 . 13) Em uma determinada instalação a área de troca de calor é de 50 m2. determine o fluxo de calor que flui por metro quadrado da parede.669 x 108 W/m2. 23) Um duto de ar quente.h-1. A temperatura na face externa do reservatório é igual a 80ºC. O material disponível pelo fornecedor local apresenta condutividade térmica igual a 0.32 por kW.h -1. Verifica-se que são absorvidas nesse mesmo tempo. 20000 cal incidem em um corpo atérmico. Determine o fluxo de calor por unidade de comprimento em kcal/h.18 J.15 kcal/h.9 oC.ºC-1. 1 kcal = 3. Considere que a tarifa de consumo de energia elétrica é de R$0. onde a temperatura é de zero Kelvin. 15) Um reservatório esférico com raio interno igual a 2.Determinar a quantidade de calor transferida por unidade de tempo por metro de tubo.002 kcal. Considerando que a taxa de calor perdida por radiação no veículo não pode exceder 250 W. A fim de manter o custo do consumo de energia para o ar condicionado dentro do orçamento. constante. 19) Um esquema de uma parede composta de um forno industrial. com coeficiente de transferência de calor por convecção 80 W/m2. A temperatura na face externa do isolante é de 45ºC.h-1. Determine a espessura do material isolante a fim de atender-se às especificações do projeto.2 W/m oC e uma camada de aço com espessura 0.9). 22) Um veículo espacial está no espaço. . Calcular: a) o fluxo de calor por m2 de parede.14 kcal. A temperatura externa e de 45ºC e a interna deve ser mantida em 22ºC.ºC-1 envolve o reservatório.ºC-1 e espessura igual a 25 cm.04 kcal.86 kcal/h) 16) Um reservatório esférico com raio interno igual a 1.968 Btu. decidiu-se que o fluxo máximo de calor deverá ser de 40 kcal.m-1.2 kcal/h.003 m e condutividade térmica 40W/m oC. Determine o gasto com energia elétrica para refrigerar a sala durante um mês.m-1. 1 cal = 4. Um isolante térmico com espessura de 3. 1 w = 0. se: a) o duto é de estanho (ε = 0. espessura de 0. A temperatura dos gases dentro do forno é 1700ºC e o coeficiente de película na parede interna é 58 kcal/h. no escuro absoluto.ºC-1 contém um fluido na temperatura de 220ºC. com diâmetro externo de 22 cm e temperatura superficial de 93 oC.4 oC.oC) e 0. A temperatura ambiente é 27 ºC e o coeficiente de película na parede externa é 12.m.42 kcal. temperatura do ar exterior = -9. calcule A resistência total por m2.15 kcal/h.enquanto que a temperatura externa pode chegar a 41ºC em um dia de verão.2 m contém um fluido a 140ºC.31 W/m.5 m.K4 e a emissividade da superfície como 0.ºC) e 0. Determine a absorvidade e a refletividade do corpo.ºC. 21) Durante certo tempo. 17) Um duto cilíndrico apresenta raio interno de 22 cm e externo de 25 cm.2 kcal.ºC).oC.h -1. A condutividade térmica do material do reservatório é igual a 43.5 cm de espessura e foi construída com um material de k = 1. Considere um dia de 8 horas.2 kcal/h.1). temperatura da face externa da parede = -6.40 m de tijolo refratário (k = 1. Calcular os coeficientes de película interno e externo a parede. em HP e em Btu/h. Determine o fluxo de calor.m-1. c) a temperatura nas superfícies interna e externa da parede. Considerando que o ar no interior do forno é mantido a 500oC. está localizado num grande compartimento cujas paredes estão a 21 oC.h-1. enquanto o ar externo esta a 30oC com coeficiente de pelicular 10W/m2. composta por tijolo com condutividade térmica igual a 0.ºC. 5000 cal. 1 HP =746 W. Em dia de inverno as seguintes temperaturas foram medidas: temperatura do ar interior = 21.81cm e condutividade térmica igual a 0. temperatura da face interna da parede = 13.m. A condutividade térmica deste material é 0.h -1. qual deverá ser a temperatura na superfície do veículo? Considere δ = 5.h -1. e que a área do veículo é de 30 m 2. 18) A parede de um edifício tem 30.m. 20) Uma parede de um forno é constituída de duas camadas : 0. juntas de argamassa.5 cm e condutividade térmica igual a 40 kcal.3oC. Determine o fluxo de calor em kcal/h.5 kcal/h m2 C.

01 N/m3 11) 600 Kg/m3.4 x104 Pa 8) (a) 3.56 x 10 dyn/ft .22 5) 1.030 9) 1.5 x105 Pa.84 10) a) 2. 8. (c) 8.4 kPa 30) 20972 Pa 31) 60 kPa 32) 68 kPa 33) P manométrica = 4.4 N/cm2.63 N e 338.54 x105 N/m2.8566 x104 Pa e 739.8 g/cm3 no CGS e 1.01 x105 Pa. 5) 18 x 104 N.6 dyn.49 torr 24) 2.93 x 102 g/l 3 2 2) D 3) 3323.0 x103 Pa 9) C 10) 1.26 N.2 Pa. 0.1 m 26) 120. b) 6.8 x 103 kg/m3 no SI.6 kPa 25) 10.s/m2 17) 800.6 kPa 34) 101.8 kg. b) 1223. (b) 1. Respostas da unidade 1 1) a) 4.6 kPa. 3) B 4) Para g = 10 m/s2  1.s Respostas da unidade 2 1) 85.75 kPa .1 x 104 N.105 atm.9 kPa 27) D 28) C 29) 210. 23) 9.6 N/m2 14) 18.2 x105 N 7) 5.s/cm2 (ou poise) no CGS 13) 16.0 x104 Pa.8 cm 13) 125. P abs = 100.s/m2 (ou Pa.05 x104 Pa ou 0.s ou N.8 kPa 14) 50 N 15) E (750N) 16) D 17) C 18) A 19) C 20) B 21) 32 N 22) 1. 6) 1.56 g/cm3 7) 25/9 8) 1.2 kg/m3.36 g/cm3 11) 8 cm 12) 12.1 Pa 15) 200 s-1.s) no SI e 242. 4) a) 12000 N/m3.2 Pa 16) 0. c) 1. 10-5 Pa. 12) 24. 2) O sentido da força é de dentro para fora e vale 1. 6) 7.549 kg/m3 b) 25.

5 x 103 Pa.4 x 104 Pa.2 cm2 22) (a) vazão mássica = 0.0742 m/s 5) (a) 0.010m3. b) 5. o peso do líquido deslocado é o mesmo (é o peso da plataforma). 13) a) 106. mas o volume deslocado é menor na água salgada.883 m3. PB= 13. 15) 1 l/s.5 m/s 37) a) 1.267 m3/s  0.7 cm2 23) 2. 10N/s. c) 80 N. (b) 23.24 N/s. 38) P = 5 x 104 N.41 m/s  0. b) 20N.s-1 35) 2 ℓ/s 36) a) 2.24 m.35) a) 100 N.0 .302 x 10-3 N s/m2 3) 1.82 l/s 18) 4. b) PA – PB = 1. 2 gh 28) 6.02 m/s 7) C 8) 0.6 x105 Pa 27) a) a/A b) 2 gh c) a.15 N/cm2.02 m3/s.4 x 10-2 kg/s.265 kg/s. 11) a) 0. b) 1000W 30) 12 cm/s 31) B 32) V = 2 gz 33) B 34) 81.1 cm/s b) 1698 cm/s 14) 10-3 m3/s 1 kg/s.35 x 104 N/m2 = 1.14 m/s 17) 1.065m/s (b) 0.5 m/s b) 2. b) 8. 16) 4.1 x 102 t. b) 145940 kg Respostas da unidade 3 1) 1994 laminar 2) 0.7 m/s 24) VA = 20 m/s.1 m/s 6) 0.91 cm 13 cm. 10 N/s. VB = 10 m/s 25) 34230 N/m2 26) a) 2. 0.35 N/cm2. c) 100 km/h 38) I e II 39) VVVV 40) 225 kPa .33 43) 40 gf 44) 8% 45) a) 141440 kg.4 m/s.66 N 42) 2. Vsalg = 4. 0.530 kg. 9) D 10) a) 3 m/s e 6 m/s.72 cm 4) 0.08 m/s 19) 11.96 m/s 12) 12.19 m3/s b) 0. 26.26 m/s 29) a) 5. d) 8 m/s2. 0.5 m/min 20) massa específica da mistura= 930 kg/m3 velocidade da mistura= 18 m/s 21) (a) 0. PA > PB .32 g/cm3 ).25m/s e 9. 105 J/m3. 2 m/s. 36) 13 cm 37) 78 g/cm3 não é ouro (a massa específica do ouro a 20ºC é 19. Vdoce = 5. 1 kg/s.s-1.27 m3/s. (b) 38. 39) D 40) 16N 41) 0.

6 Kcal/h (p/m2). 5. fato que contribui para o aumento do fluxo de calor para o interior da panela.64 cm 14) 1480.9 HP.cm. b) 33. b) 543. de menor densidade.70 W/m2K 19) 1972.25 e 0. perdendo calor.75. .72 W por m2. 20) Rt=1.h-1.1kcal/h (por m).97 x106 Btu/h 16) 740 kcal/h 17) 619. este ar se torna mais denso.2ºC 12) R$ 61.12W/m2K e 34.979 = 2 HP 11) a) 1480.5x106 kcal/h. b) 80ºC 2) Porque o cobre e o alumínio possuem condutividade térmica bem maior que o aço. 145 ºC 15) 1.64 13) 5.238 x 10-3 h. sobe em direção ao congelador. 22) 156K 23) a) 263.74x106W. Ao se resfriar. Seu acúmulo no congelador pode causa o isolamento térmico desta região. b) Para que as correntes de convecção possam circular sem maiores barreiras no interior da geladeira.32 kcal.ºC-1 18) 11.99ºC. 6) 20cal/s 7) 5.2 hoC/kcal 21) 0.10-4 cal/s.0. descendo para regiões inferiores da geladeira.5 cal/s. 2346.80cal/s 10) 1. c) Porque o gelo é um isolante térmico. Respostas da unidade 4 1) a) 2.1 kcal/h (por m).ºC 5) a) Porque o processo de resfriamento numa geladeira se dá pela formação de correntes de convecção. 4) 1. O ar quente.6Kcal/h por m2 b) 1428. 1. 3) 3600 cal por m2.ºC/kcal 8) 1500 W 9) a) -9.