You are on page 1of 28

CLASSIFICAÇÃO DA CORES

Na nossa vida cotidiana, estamos cercados


por cores e as escolhemos regularmente, para
nos vestir, decorar nossas casas ou mesmo
para comprar um carro. Ter um olhar para as
cores que funcionam bem juntas é essencial
para o estilista e para o ilustrador, seja para
organizar a sequência do seu portfólio, seja
para planejar uma coleção com um tema de
cor, ou para escolher cores para uma
ilustração de moda de impacto. (MORRIS,
Bethan. Pg; 76. 2007)
Vitrine de Selfridges . Londres 2013. Fonte: Visual Merchandising – Vitrines e interiores completos.
Fonte: www.arturoelena.com
Brain Cancer, Artist Finds Peace In Surreal Photography. www.boredpanda.com
Cor-Luz: é a radiação luminosa
visível que tem como síntese a luz
branca. Sua melhor expressão é a
luz solar, por reunir de forma
equilibrada todos os matizes
(gradações, nuanças) existentes na
natureza.
A luz é fundamental em nossa
existência, não apenas para o
funcionamento da visão, mas
também por se constituir em energia.
A luz solar produz um resultado visual
que chamamos de cores. Cada cor é,
portanto, um tipo de radiação
proveniente da luz solar. Cor é luz; é
energia. Cor, portanto é energia.
(Elementos da cor. 1999).
O físico inglês Issac Newton foi quem observou o fenômeno da
decomposição da luz branca contida nos raios de Sol, no ano de 1663.
Com a ajuda de um pequeno prisma de vidro (objeto transparente, com
três ou mais faces planas inclinadas). Provocando que a luz solar
consiste num conjunto de radiações coloridas., formando o espectro
solar.

Prismas invertidos. Fonte: Elementos da Cor


Exemplos de prisma e espectro de luz branca.
Exemplo de espectro da luz branca (decomposição) na natureza. Fonte. www.paisagensfotograficas.com.br
ANTEPARO
Se a luz não encontrar no seu caminho um
obstáculo, que chamamos de anteparo, ela
não se fará visível ao olho humano. Todos os
corpos, sejam eles seres vivos ou objetos,
atuam como anteparos, em função de sua
capacidade de absorver e refletir a luz. Cor é
um fenômeno relativo, pois muda conforme a
variação de qualquer um dos três elementos
que dão origem a ela: luz, anteparo e visão
humana. (PEDROSA, Israel. 1999).
Exemplos sobre a visão humana. Fonte: Elementos da cor
Cor-pigmento: é a substância
material que, conforme sua
natureza, absorve e reflete os raios
luminosos componentes da luz que
se difunde sobre ela. As cores
pigmento são classificadas em
cores primárias, secundárias,
terciárias. (Elementos da cor.
1999).
As cores primárias são
as únicas que não
podem ser
decompostas em outras
e que, por outro lado,
não podem ser obtidas
através da mistura de
outras cores. Quando
trabalhamos com o
sistema de classificação
da cor-luz, as cores
primárias são o
vermelho, o verde e o
azul-violetado.
(PEDROSA, Israel. 1999).
O processo cromático da
cor-pigmento é químico e
não físico, como no sistema
da cor-luz. Na classificação
das cores primárias
pigmento, encontra-se as
categorias denominadas
cores opacas e
transparentes. As cores
pigmento opacas, são
consideradas o vermelho, o
amarelo e o azul. A mistura
dessas três cores-pigmento
tem como resultado o
cinza-neutro, e não o
branco, como ocorre na
mistura das cores-luz
O sistema da cor-pigmento
transparente, que pode ser
exemplificado pelo processo
de impressão por retículas,
utilizado pelas artes gráficas,
subdivide as cores primárias
deste sistema físico-químico
entre o magenta (vermelho
violetado), o amarelo e o
ciano (azul esverdeado). A
síntese da cor-pigmento
transparente também é o
cinza-neutro.
As cores secundárias
são o resultado da
mistura de duas cores
primárias em
proporções iguais. Ao
utilizar as três cores do
sistema de classificação
da cor-pigmento opaca:
o roxo (mistura de
vermelho com azul), o
verde (mistura de azul
com amarelo) e o
laranja (mistura de
vermelho com amarelo).
A cor terciária é o resultado da mistura de uma
cor secundária com uma das duas cores
primárias que a formam.
Exemplo: a cor terciária azul-violeta é resultado da
mistura do roxo (cor secundária) com o azul (uma das
primárias que formam o roxo).
Legenda para prancha:
Exercícios de classificação das cores pigmento opacas: cores
primárias, secundárias e terciárias.

Exercício: I
Prancha: I
Plano: Canson A3
Sentido: Paisagem
Margem:
Material: 100% pigmento PVA ou guache
Utilizar pincéis nº: 10, 12, ou 14. Utilizar a forma
circular para a aplicação das cores e manter o tamanho
padrão das formas, utilizando-se das noções de
gradação e repetição das formas.
CORES QUENTES E CORES FRIAS
São consideradas cores quentes o
vermelho e o amarelo, além de todas
aquelas que contêm uma predominância
percentual de vermelho e/ou amarelo. O
conceito quente advém de sua maior
intensidade. As cores quentes são em geral
mais luminosas e colocam as áreas por elas
preenchidas num plano mais à frente. As
cores quentes integram uma escala
cromática denominada tons em modo
maior. (Elementos da cor. 1999).
Fonte: Elementos da cor
São consideradas cores frias o azul e o
verde, assim como todas aquelas cores que
uma predominância percentual de azul
e/ou verde. O conceito frio advém da
menor intensidade dessas cores. As cores
frias são em geral menos luminosas e
colocam as áreas por elas preenchidas num
plano mais atrás. As cores frias integram
uma escala cromática denominada tons
em modo menor. (Elementos da cor. 1999).
Fonte: Elementos da cor
Legenda para prancha:
Exercícios de escala cromática de cores quentes e frias

Exercício: I
Prancha: II
Plano: Canson A3
Sentido: Paisagem
Margem:
Material: 100% pigmento PVA ou guache
Utilizar pincéis nº: 10, 12, ou 14. Utilizar formas
circulares. Manter o padrão do tamanho das
formas.
Referência visual para desenvolvimento de prancha. Cores quentes (escala de tons em modo maior) e cores
frias (escala de tons em modo menor).
REFERÊNCIAS

PEDROSA, Israel. Da cor à cor inexistente. 7. ed.


Rio de Janeiro: Christiano, 1999. 219 p.

FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores em


comunicação. 4. ed. São Paulo: Edgard Blucher,
1990.

ELEMENTOS da cor. Rio de janeiro: SENAC SÃO


PAULO, 199-2002.