You are on page 1of 7

1

C.E.M.M.R.B ARTES VISUAIS


Professora: Silvana Nunes

APOSTILA COR – 6º ANO – 2018

Aluno(a): N O: Turma:

A COR

Quando os primeiros aparelhos de TV chegaram ao Brasil, e durante alguns anos, as transmissões


eram em preto e branco, da mesma forma que os primeiros filmes que foram realizados... Hoje em dia,
alguns cineastas podem até optar por usar este recurso, porém, não conseguimos imaginar estes veículos
permanentemente sem cor...

Vivemos em uma sociedade cercada por imagens – você já observou a quantidade de imagens
(principalmente propagandas) que nos circulam no dia-a-dia? Comece a observar dentro de sua casa, ao
sair, nas ruas, nos outdoors, nos ônibus, nas fachadas dos prédios, em todos os lugares... A cada página
que abrimos na internet, você já reparou na quantidade de informações visuais?

Repare agora que, em todas estas centenas de imagens com que convivemos diariamente, a cor
desempenha um papel fundamental – ela comunica tanto quanto a forma, transmitindo diferentes sensações,
ideias, valores...

A cor atende nossos desejos e necessidades visuais; gostamos de certas combinações visuais e
rejeitamos outras. Dentre os elementos plásticos, é aquele que causa maior impacto visual, afetando, de
forma direta e indireta, nossos sentidos e emoções.

Nesta apostila, estudaremos as cores e os diversos efeitos que elas podem produzir em uma
composição. Mais do que as classificações, é importante que você perceba que a sua escolha de cores,
nos trabalhos que você realizar, deve ser algo consciente, de acordo com o que você quer transmitir.

Vivemos em um mundo cheio de cores e só podemos percebê-la graças à presença da LUZ.

Vamos pensar numa sala às escuras. Não podemos ver os objetos coloridos à nossa volta. Se
abrirmos uma janela ou acendermos a luz, tudo fica visível e colorido.

Por isso podemos dizer que:

 Cor é a sensação provocada pela ação da luz sobre nossos olhos.


O fenômeno da percepção da cor tem duas origens: uma delas é luminosa, que é a cor-luz, e a outra
é química, que é a cor-pigmento.
A cor-luz pode ser vista no arco-íris, na televisão, nas luzes de um show ou na tela do computador.
A cor-pigmento pode ser vista nos lápis de cor, nas tintas e possui efeitos diferentes das luzes coloridas.
LUMINOSA → COR-LUZ
QUÍMICA → COR-PIGMENTO
2

Recordando...
CORES PRIMÁRIAS

São as cores puras e indivisíveis.


Preencha os espaços abaixo com as cores corretas:

AZUL CIANO MAGENTA AMARELO

CORES SECUNDÁRIAS

Surgem da mistura de duas cores primárias em partes iguais. Vamos fazer as


experiências abaixo:

AZUL CIANO MAGENTA MAGENTA

VERDE VERMELHO VIOLETA

AMARELO AMARELO AZUL CIANO


3

Podemos relacionar o comportamento das cores ao dos sons musicais: estes últimos,
se combinados entre si, produzem várias vibrações.

Da mesma forma, a combinação das cores também produz uma infinidade de efeitos
e harmonias cromáticas (CROMA = COR).

Veremos a seguir várias classificações e possibilidades de combinações de cores.


No entanto, faremos antes uma figura (círculo cromático ou rosa cromática) que nos
ajudará a visualizar a maior parte destas classificações. O círculo cromático foi criado por
Charles Blanc, crítico de arte e gravador francês do século XIX.

ROSA CROMÁTICA

Siga as etapas de acordo com as orientações dadas em sala; anote-as nos espaços
logo abaixo, para que você possa depois fazer sozinho o seu círculo de cores!

Etapas:
1 – Cores primárias:

2 – Cores secundárias:

3 – Nuances:

4 – Cores complementares:

5 – Cores análogas:
4

NUANCE
As cores que você encontrou nos triângulos menores são as que surgem da mistura
de uma cor primária com uma secundária próximas no círculo de cores. Estas
variações de cor são chamadas de nuances.

NUANCE É A GRADAÇÃO QUE SURGE A PARTIR DA


MISTURA DE CORES, SEM USAR O BRANCO OU O PRETO.

TOM OU TONALIDADE

Você se lembra das cores neutras? São elas: o branco, o preto e o cinza. Quando
misturamos as cores neutras a uma cor qualquer, conseguimos variações mais claras ou
mais escuras desta cor, às quais chamamos de tonalidades.

A VARIAÇÃO OBTIDA ATRAVÉS DO ACRÉSCIMO DE PRETO OU


BRANCO A UMA COR É CHAMADA DE TOM OU TONALIDADE.

ESCALA DE TONS

A escala de tons é formada por uma cor original na qual se adicionou branco,
clareando a cor, ou preto, escurecendo a cor.

Vamos fazer uma experiência utilizando, como exemplo, a cor vermelha. Faça
abaixo uma escala de tons vermelhos, acrescentando gradativamente o branco para os tons
mais claros e o preto para os tons mais escuros.

← ← ← ← ← ← → → → → → →
VERMELHO
mais branco mais preto

OBSERVAÇÕES

Repare que a nuance produz uma nova cor (ou seja, com uma composição diferente); são as
variações dentro do que podemos chamar “família” de uma determinada cor – exemplo: verde-
bandeira, verde-limão, verde-musgo, verde-oliva, etc. Já a tonalidade não cria uma cor
nova, mas apenas altera a cor já existente – exemplo: verde claro e verde escuro.
5

MONOCROMIA

Dizemos que uma composição é monocromática quando nela utilizamos apenas


uma cor e suas tonalidades.

POLICROMIA

Quando empregamos em uma composição mais de uma cor, estamos fazendo uma
composição policromática.

Lembre-se:
MONOCROMIA MONO = UM UMA SÓ COR
POLICROMINA 
POLI = MUITAS DUAS OU MAIS CORES

CORES ANÁLOGAS

São as cores que possuem alguma afinidade entre si, possuem algo em comum.
Vamos identificar no círculo cromático três exemplos de cores análogas entre si? Marque-
as com “A” ao lado dos triângulos correspondentes.

CORES ANÁLOGAS SÃO AQUELAS QUE POSSUEM UMA IDENTIDADE DE COR ENTRE SI.

CORES COMPLEMENTARES

A classificação das cores em complementares decorre de um fenômeno físico que


nossa mente e nossa visão produzem, independentemente de nossa vontade.

Faça esta experiência: olhe fixamente, sem desviar o olhar, por 40 segundos, para
uma superfície toda amarela (peque uma pasta, capa de caderno, etc.). Em seguida olhe
para uma superfície branca. Que cor você enxergou?

Este fenômeno ocorre porque o olho humano se cansa de olhar uma mesma cor
durante muito tempo. Ele exige então uma mudança e atrai a presença de uma cor diferente
daquela que está sendo observada. Esta cor diferente é chamada de complementar.

Assim como você verificou que o violeta é a cor complementar do amarelo, você
poderá verificar, com o mesmo tipo de experiência, que o verde é a cor complementar do
magenta e o vermelho a complementar do azul.

Logo, temos como cores complementares:

AZUL CIANO e
e VIOLETA
MAGENTA e
6

Volte agora à página 3 e verifique a posição destas cores no círculo cromático. Você
percebeu que elas estão em lados opostos?

UMA COR PRIMÁRIA TERÁ A SUA COMPLEMENTAR FORMADA PELA


MISTURA DAS OUTRAS DUAS.

COMBINAÇÃO DE CORES

Não existem cores feias e nem cores impossíveis de serem combinadas entre si.

As cores se harmonizam por afinidade ou por contraste.

Já vimos que afinidade de cores refere-se a algum ponto de semelhança que elas possuam
entre si, como ocorre com as cores análogas. Podemos também obter afinidade de cores entre as
cores quentes, as frias, com as tonalidades e nas composições monocromáticas.

E o contraste? Contraste, como o nome indica, refere-se a um tipo de harmonia na qual


as cores não têm aquela identidade entre si, ou seja, elas aparecem, cada uma, de forma mais
intensa, se destacando uma das outras.

A intensidade das cores não depende somente dos pigmentos das tintas. Uma determinada
cor pode ser intensificada por outra que é posta a seu lado. As cores complementares, por serem
opostas entre si, são as que criam a maior intensidade de cores, quando são postas lado a lado.

QUANDO COLOCAMOS LADO A LADO DUAS CORES COMPLEMENTARES, OBTEMOS DE CADA UMA DELAS SUA
MAIOR INTENSIDADE, E, PORTANTO, O EFEITO MAIS FORTE DE CONTRASTE

Assim, quanto à combinação de cores, temos:

AFINIDADES CONTRASTES
análogas primárias
frias secundárias
quentes complementares
tonalidades policromias
monocromias
7