You are on page 1of 13

Índice

1. Introdução ............................................................................................................................................. 2
2. Objectivos ............................................................................................................................................. 3
2.1. Objectivo geral .................................................................................................................................. 3
2.2. Objectivos específicos....................................................................................................................... 3
3. Documentação de carga ........................................................................................................................ 4
3.1. Definições ......................................................................................................................................... 4
3.1.1. Importação .................................................................................................................................... 4
3.1.2. Exportação .................................................................................................................................... 4
3.1.3. Transporte marítimo...................................................................................................................... 4
3.1.4. Comercio internacional ................................................................................................................. 4
4. Documentação geral de embarque ........................................................................................................ 5
4.1. Proforma invoice (factura proforma) ................................................................................................ 5
4.2. Packing list (lista ou romaneio de carga) .......................................................................................... 5
4.3. Certificado de origem........................................................................................................................ 5
4.4. Commercial invoice .......................................................................................................................... 6
4.5. SED ................................................................................................................................................... 6
4.6. Consular invoice ............................................................................................................................... 6
4.7. Inspection certificate ......................................................................................................................... 6
4.8. Insurance certificate .......................................................................................................................... 6
4.9. Dock/warehouse receipt .................................................................................................................... 6
4.10. Letter of credit............................................................................................................................... 6
5. Conhecimento de embarque marítimo (Bill of Lading) ........................................................................ 6
5.1. São os seguintes os tipos de conhecimento de embarque ................................................................. 7
5.2. O conhecimento de embarque abrange três finalidades distintas...................................................... 8
6. Ordem de embarque .............................................................................................................................. 8
7. Manifesto de carga .............................................................................................................................. 11
8. Conclusão............................................................................................................................................ 12
9. Bibliografia ......................................................................................................................................... 13
1. Introdução
Neste presente trabalho abordar-se-á acerca da documentação de carga. Estes que são
documentos muito importantes na área da navegação concretamente no comércio
exterior. Para seu melhor entendimento fará-se aqui menssao de algumas definições afins
ao tema em estudo.

Pág. 2
2. Objectivos

2.1. Objectivo geral


 Falar da documentação de carga.

2.2. Objectivos específicos


 Descrever a ordem de embarque de carga;
 Discutir acerca do manifesto de carga;
 Falar acerca do conhecimento de carga.

Pág. 3
3. Documentação de carga

3.1. Definições

3.1.1. Importação
É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um
produto ou um serviço, do exterior para o país de referência. O procedimento deve ser
efetuado via nacionalização do produto ou serviço, que ocorre a partir de
procedimentos burocráticos ligados à Receita do país de destino, bem como da
alfândega, durante o descarregamento e entrega, que pode se dar por
via aérea, marítima, rodoviária ou ferroviária. Quando mais de um tipo de transporte é
utilizado para entrega, chamamos de transporte multimodal.

3.1.2. Exportação
É a saída de bens, produtos e serviços além das fronteiras do país de origem. Esta
operação pode envolver pagamento (cobertura cambial), como venda de produtos, ou
não, como nas doações.

3.1.3. Transporte marítimo


É actividade que se limita no transporte de carga e passageiros em diferentes portos
podendo ser de dimenssões diferentes.

3.1.4. Comercio internacional


No comércio internacional, os documentos desempenham importante função na
formalização das condições da operação.

Para facilitar o intercâmbio comercial, alguns documentos são padronizados, embora


haja diferenciações de modelos conforme o país importador, mas o importante é que
haja clareza nas condições da negociação.

Países com recursos sobrando, utiliza o excedente para a venda no comércio exterior
e, com isso, supri a necessidade daquele que tem falta desse recurso.

Pág. 4
4. Documentação geral de embarque

4.1. Proforma invoice (factura proforma)


 Documento que é considerado como um contrato de compra e venda;
 É necessário que o importador ao receber este documento o analise
verificando os termos e condições para então dar o aceite ou ajustar a
negociação;
 Obrigatório para emissão de alguns tipos de licenciamento não automático e
abertura de carta de crédito;
 Documento que consolida todas as informações sobre a negociação;
 Contém todas as informações inerentes a este processo;
 Assemelha-se à nota fiscal de venda internacional;
 Possui um conjunto de informações obrigatórias constantes no Regulamento
Aduaneiro;
 Emitido pelo exportador no momento em que a operação é concretizada;
 Precisa ser emitido e assinado (de próprio punho) pela pessoa autorizada no
exportador.

4.2. Packing list (lista ou romaneio de carga)


Documento emitido pelo exportador para o embarque de mercadorias que se
encontram acondicionadas em mais de um volume ou em um único volume que
contenha variados tipos de produtos.

É necessário para o desembaraço da mercadoria e para a orientação do importador


quando da chegada dos produtos no país de destino.

O Romaneio nada mais é do que uma simples lista relacionando uma descrição
detalhada dos produtos a serem embarcados (volumes e conteúdos).

4.3. Certificado de origem


O objectivo deste documento é o de atestar que o produto é, efectivamente, originário
do país exportador.

Pág. 5
Sua emissão é essencial nas exportações para países que concedem preferências
tarifárias.

Os certificados de origem são fornecidos por entidades credenciadas, mediante a


apresentação da factura comercial.

4.4. Commercial invoice – Basicamente uma nota de venda dos bens do vendedor
para o comprador.
4.5. SED – um documento específico dos EUA, requerido para cada embarque cujo valor
exceda US$2500. É usado pelo Department of Commerce dos EUA para obter
informações estatísticas nos tipos, volume, valor e destino dos produtos exportados
dos EUA.
4.6. Consular invoice – Um documento requerido por alguns países para identificação
e controle de bens importados.
4.7. Inspection certificate – Um documento requerido por alguns países que certifica
que os bens importados estão de acordo com a factura.
4.8. Insurance certificate – O documento que prova que a carga (bens despachados)
foi adequadamente coberta por seguro (valor e tipo de seguro).
4.9. Dock/warehouse receipt – esse documento transfere a responsabilidade do
vendedor para o transportador.
4.10. Letter of credit – uma carta do banco do cliente para o vendedor, no qual o banco
do importador garante o pagamento, desde que os termos estabelecidos na carta sejam
cumpridos

5. Conhecimento de embarque marítimo (Bill of Lading)

O conhecimento de embarque, conhecimento de transporte ou bill of lading, é o


documento mais importante da navegação e um dos mais importantes do comércio
exterior. É um documento de emissão do afretador, podendo ser assinado pelo
comandante do navio, bem como pela agência marítima representante do afretador, em
seu nome.

Pág. 6
É um documento de adesão, sendo que o impresso é fornecido pelo afretador e
preenchido de acordo com as características do próprio conhecimento de embarque, bem
como da carga que vai representar. Suas cláusulas, que representam a frente do
conhecimento de embarque, não podem ser modificadas e devem ser aceitas
integralmente pelo afretador. No máximo podem ser colocadas algumas observações de
interesse do afretador, no corpo do conhecimento, como número de carta de crédito,
ordem de compra ou venda, trânsito, transbordo, etc.

O seu preenchimento deve ser feito no seu verso, e nele deve constar várias informações
pertinentes ao afretador e ao embarque, conforme solicitado nos campos a serem
preenchidos, tais como: denominação da empresa emissora; número do conhecimento;
data da emissão; nome e viagem do navio; afretador; consignatário; notificado, portos ou
pontos de embarque, destino e transbordo; tipo da mercadoria e suas características gerais
como quantidade, peso bruto, embalagem, volume, marcas, etc.; container e suas
características ou o pallet, conforme o caso, frete e local de pagamento; etc.

5.1. São os seguintes os tipos de conhecimento de embarque

a) Porto a porto: o bill oflading pode ser um documento porto a porto, o que
significa que ele cobre acarga apenas no trajecto marítimo, desde o porto de
embarque até o porto de destino. Normalmente é o documento emitido para
embarque em navios de linhas regulares;
b) Multimodal ou throughbill of lading: o conhecimento pode, também, ser
multimodal, o que significa contratar com o afretador um transporte para a
mercadoria, cobrando o trajecto total ponto a ponto, ou porto a ponto, ou ainda
ponto a porto. Neste caso, o documento cobrirá o transporte da mercadoria por
mais de um modal, implicando numa responsabilidade maior do afretador, que
terá a seu cargo, mediante um frete especial combinado, o transporte da
mercadoria entre os pontos ou portos combinados. Esta é uma condição
cómoda para o exportador que, ao entregar a mercadoria ao transportador,
encerra sua participação em termos de operação;

Pág. 7
c) Charter party bill oflading: o conhecimento baseado em afretamento é um
documento de transporte emitido ao amparo de um contrato de afretamento de
navio. Em geral se refere a uma carga que será única, ou uma das únicas no
navio, sendo este, geralmente, afretado para este fim, por um ou poucos
afretadores. Este tipo de B/L não é emitido para navios de linha regular e nem
aceito pelos consignatários, já que neste caso não há um afretamento, mas tão-
somente uma reserva de espaço.

5.2. O conhecimento de embarque abrange três finalidades distintas

a) Contrato de transporte: entre o fretador (transportador) e o afretador, sendo


emitido após o embarque da carga que representa. É comum que a reserva de
praça (do espaço para utilização no navio), seja realizada sem a assinatura de
qualquer documento, representando sempre um acto de confiança entre o
transportador e o armador;
b) Recibo de entrega da mercadoria: ao transportador ou a bordo do navio, sendo
a comprovação documental do afretador de recebimento da carga para
transporte;
c) Título de crédito: o que significa que é o documento de resgate da mercadoria
junto ao transportador, no destino final para o qual o transporte foi contratado.
Pode, também, ser transferido a terceiros mediante endosso.

6. Ordem de embarque

a) À ordem (ou à ordem do armador): é um documento de transporte restrito ao


próprio afretador, o que significa que somente ele pode retirar a mercadoria junto
ao transportador. É um B/L que deverá ser, portanto, obrigatoriamente endossado
a um terceiro, no caso o destinatário final;
b) À ordem de alguém: é um documento de transporte que somente poderá ser
apresentado por quem estiver nele mencionado. Normalmente é um banco que
está financiando uma operação de carta de crédito e que, para se resguardar
enquanto não recebe o valor da mercadoria para pagar ao exportador, pede a

Pág. 8
consignação à sua ordem. Também deverá sofrer endosso, pela sua própria
característica de consignação;
c) Consignado a alguém: é a terceira forma. O B/L será nominativo a alguém,
normalmente o importador. Isto significa que nem sempre ele será endossado a
um terceiro.

Os conhecimentos de embarque, por sua vez, podem ser endossados a terceiros. Os


endossos podem ser feitos em branco (torna o conhecimento ao portador, e quem estiver
com sua posse pode reclamar a mercadoria) ou em preto (endossado a alguém definido,
sendo que somente este poderá reclamar a mercadoria).

O endosso é feito na frente do conhecimento, onde estão as cláusulas representando o


contrato de transporte.

O conhecimento de transporte é o único documento do comércio exterior que pode ser


emitido em mais de uma via original. Ele pode ser emitido em quantas vias originais
forem desejadas e solicitadas pelo afretador. Normalmente é emitido em três vias,
devendo-se isto à existência, no transporte marítimo, de uma expressão denominada
“jogo completo de conhecimento de embarque” (full set bill of lading).

Por usos e costumes esta expressão, sempre mencionada nos contratos de compra e venda
ou nas cartas de crédito, significa a emissão do conhecimento em três originais auto-
anuláveis, pois ao ser apresentada uma via original ao armador, para resgate da
mercadoria, as demais perderão o seu valor comercial.

No caso de ser desejado menos do que três vias, ou mais do que três vias originais, é
necessário mencionar-se a quantidade de vias requeridas. Pode-se emitir tantas “copias
não-negociáveis”quantas forem necessárias.

O número de originais emitido terá de ser obrigatoriamente mencionado no B/L, já que


comerciantes, agentes, armadores, enfim, todos os interessados deverão sempre saber
quantas originais deste mesmo documento estão circulando no mercado.

Pág. 9
Os pagamentos de frete marítimo ao armador, referente ao transporte de carga,
podem ser feitos de três maneiras

a) Frete pré-pago (freightprepaid): significa que o frete será pago imediatamente


após o embarque, para retirada do B/L. Normalmente ele é pago no local ou país
de embarque, mas também pode ser pago no exterior;
b) Frete pagável no destino (freightpayable at destination): o frete é pago pelo
importador, na chegada ou retirada da mercadoria;
c) Frete a pagar (freightcollect): o pagamento do frete poderá ocorrer em local
diverso daquele desembarque ou destino. O frete pode ser pago em qualquer parte
do mundo, sendo que o armador será avisado pelo seu agente sobre o
recebimento, de modo a proceder à liberação da mercadoria.

Não há obrigatoriedade da menção no B/L, do valor do frete a ser pago. Ele poderá ser
substituído pela cláusula freight as per agreement (frete conforme acordo). O local de
pagamento do frete, no entanto, deverá ser obrigatoriamente mencionado.

No caso de mercadoria embarcada como carga geral, ou a granel, é normal que seja
solicitado que no B/L conste a cláusula on board ou shipped on board, para caracterizar
que a mercadoria foi colocada no porão do navio, evitando que a carga seja transportada
no convés do navio.

Um conhecimento de embarque limpo é aquele que não faz menção a uma condição
defeituosa da mercadoria ou da sua embalagem. No caso das mercadorias ou embalagens
apresentarem algum problema e isto for notado pelo transportador, ele fará anotação no
conhecimento de embarque, tornando-o um documento sujo. Este é um procedimento e
resguardo do armador já que no destino ele será cobrado por isto.

É comum, também, que o B/L mencione no espaço reservado para este fim alguma
pessoa física ou jurídica no destino (v.g. um despachante a serviço do consignatário), que
deverá será visada pelo armador/agente marítimo sobre a chegada da mercadoria, para
que este, o chamado notificado, tome as providências necessárias quanto aos trâmites
legais para a sua liberação.

Pág. 10
7. Manifesto de carga
Manifesto de Carga (Shiper´s Manifest) - Um instrumento escrito, a ser apresentado à
alfândega do país, onde consta a relação de cargas do navio.

Manifesto de carga importada ou a exportar é o documento que contém a relação dos


conhecimentos de carga destinada a um mesmo local alfandegado, com dados relativos
ao importador/exportador e à carga (espécie de volume, peso, discriminação sucinta da
mercadoria). Assim, o veículo que transporta carga de importação ou de exportação deve
ter tantos Manifestos quantos forem os locais alfandegados de destino da carga que
transporta.

O Manifesto de Carga é uma lista contendo todos os itens de carga expedidos em


determinado voo, embarcação ou veículo. Um manifesto geralmente engloba toda a carga
e independe do fato desta ser entregue em um único ou vários destinos. Os manifestos
geralmente listam a quantidade de peças, peso, nome e endereço do destinatário.

Pág. 11
8. Conclusão
Ao compilar deste presente trabalho pôde concluir-se que, ordem de carga, conhecimento
de embarque bem como manifesto de carga estão enquadrados naquilo que é a
documentação de carga necessária para que se efectue e se concretize o programa da
navegação. De acordo com o dicionário do comércio internacional e de transportes,
conhecimento de embarque é um documento que assegura que a mercadoria específica
foi recebida a bordo do novo designado, ou seja, efectivação do embarque. Portanto a não
exibição deste documento não reúne a certeza de que efectivamente houve recebimento
de uma mercadoria abordo. Sendo a área da navegação muito nobre, a concretização
destes documentos segue vários parâmetros que deverão ser obedecidos religiosamente
para que não surjam falhas no processo de embarque.

Pág. 12
9. Bibliografia
 http://enciclopediaaduaneira.com.br/manifesto-de-carga-haroldo-gueiros/ acesso
em 30-09-2017;
 https://portogente.com.br/portopedia/73158-conhecimento-de-embarque-
maritimo-bill-of-lading acesso em 30-09-2017;
 https://www.portogente.com.br/portopedia/73167-conhecimento-de-embarque
acesso em 30-09-2017;
 www.ibericacomex.com.br – Dicionário de comércio internacional e de
transportes.

Pág. 13