You are on page 1of 174

DOENÇA RENAL

Profª Drª Fabiana Meneghetti Dallacosta

2016
Fabiana Meneghetti Dallacosta

Enfermeira
Especialista em Terapia Intensiva
Especialista em Nefrologia
Mestre em Saúde Coletiva
Doutora em Ciências da Saúde

fabiana.dallacosta@unoesc.edu.br
At risk population: US NHANES III 1988-1994:
National Kidney Foundation CKD guidelines

Stage 5 n=300,000
“In the first decade of the 21st
century, of the 10% of the
Stage 4 world’s population that is n=400,000
afflicted with CKD, 80% will die
prematurely of cardiovascular
disease before they even reach
Stage 3 n=7,600,000
ESRD” (Dr. William Couser ISN
President – June 1, 2006).

Stage 2 n=5,300,000

Stage 1 n=5,900,000

Clinical Practice Guidelines


for CKD AJKD 2002
CENSO 2014
112.004
CENSO SBN 2014

112.004 PACIENTES EM DIÁLISE


91,4% HEMODIÁLISE
8,6% PERITONEAL (DPA PREDOMINA)
29% FILA ESPERA TRANSPLANTE
37% SOBREPESO/OBESIDADE
ACESSO POR CATETER 16,6%
85% SUS
TAXA ANUAL DE MORTALIDADE 19%
TAXA HOSPITALIZAÇÃO MENSAL 6%
SESSO, Ricardo C; LOPES, Antonio A; THOMÉ, Fernando S; LUGON,
Jocemir R.; MARTINS, Carmen T. Inquérito Brasileiro de Diálise
Crônica 2014. J Bras Nefrol 2016, 38(1): 54-61
CENSO SBN 2014

58% HOMENS
PESO
10% DESNUTRIDOS
53% NORMAL
37% SOBREPESO, OBESO OU OBESO MÓRBIDO
IDADE
0,3% MENOR OU IGUAL A 12 ANOS
0,7% 13 A 18 ANOS
66,4% 19 A 64 ANOS
27,9% 65 A 80 ANOS
4,6% MAIOR QUE 80 ANOS
SESSO, Ricardo C; LOPES, Antonio A; THOMÉ, Fernando S; LUGON,
Jocemir R.; MARTINS, Carmen T. Inquérito Brasileiro de Diálise
Crônica 2014. J Bras Nefrol 2016, 38(1): 54-61
CENSO SBN 2014

SOROLOGIAS
HEPATITE B 1,4%
HEPATITE C 4,2%
HIV 0,8%

DOENÇA DE BASE
HIPERTENSÃO 35%
DIABETES 29%
GLOMERULONEFRITE 11%
RINS POLICÍSTICOS 4%
SESSO, Ricardo C; LOPES, Antonio A; THOMÉ, Fernando S; LUGON,
Jocemir R.; MARTINS, Carmen T. Inquérito Brasileiro de Diálise
Crônica 2014. J Bras Nefrol 2016, 38(1): 54-61
“Chronic kidney diseases and vascular
diseases will kill 36 million people by the
year 2015” International Society of Nephrology (ISN) and the
International Federation of Kidney Foundations (IFKF)

“Support World Kidney Day and help save


them”
www.worldkidneyday.org/index.html
KIDNEY DISEASE:
COMMON, HARMFUL, TREATABLE
World Kidney Day is a joint initiative of the International Society of Nephrology (ISN)
and the International Federation of Kidney Foundations (IFKF).

It was launched for the first time in 2006 and it is held the second Thursday of March.
On 8 March 2007, World Kidney Day was celebrated in 66 countries (see photos and
descriptions of activities). World Kidney Day will be 13 March 2008-2009-2010.
E COMO O PACIENTE CHEGA AO SERVIÇO?
Relação Incidência/Prevalência da IRC
Casos novos
(incidência) ///////
/////
//
///////////////////
///////////////////
///////////////////
///////////////////
Casos existentes
///////////////////
///////////////////
Maior aceitação de (prevalência)
///////////////////
pacientes em diálise ///////////////////
idosos /
///////////////////
Melhoria no /////////////////// /
encaminhamento (??) /////////////////// /
/////////////////// óbitos
///////////////////
///////////////////
///////////////////
Incidência/Prevalência DRC - ações

incidência
//
TX
/
//
///////////////////
/
///////////////////
/////////////////// Programas de
/////////////////// melhoria da
Programas de prevalência
/////////////////// qualidade em TRS
Educação à saúde ///////////////////
Encaminhamento ///////////////////
precoce ao ///////////////////
/////////////////// /
nefrologista
/////////////////// /
/////////////////// /
/////////////////// óbitos
/
/////////////////// /
///////////////////
///////////////////
Geographic variations in the incidence (per
million population) of ESRD, 2007
Figure 12.2 (Volume Two)
Geographic variations in
the incidence of ESRD, 2007
Figure 12.2 (continued; Volume Two)
Incidence of
ESRD, 2007 Brasil 2014
Figure 12.3 (Volume 2) 180 pmp
Prevalence ESRD,
2007
- taxa ppm

Brasil 2014
552 pmp
Adeera Levin, MD. Classification and Staging of CKD
Dificuldades na precisão da prevalência

Distribuição dos Centros de TRS

8%
CO
23%
15% Sul
NE

3% N

51%
Sudeste
Recapitulando

as principais

funções do rim:
* Manter o volume normal de líquido no
espaço extra-celular ( e intra-vascular), pelo
controle do balanço de sódio.

Sistema renina-angiotensina-aldosterona
Fator natriurético atrial

* Manter a osmolaridade extra-celular


(e o volume intra-celular), pelo controle do
balanço da água.

Hormônio anti-diurético
* Manter níveis normais de eletrólitos e ácidos

Aldosterona ( potássio e ácido )


Excreção de amônia ( ácido )
Calcitriol ( cálcio )

* Regulação do equilíbrio do osso

Calcitriol ( vitamina D ativada )


Ação do PTH
Excreção de fóstoro e magnésio
* Excretar toxinas endógenas e exógenas

Filtração glomerular

* Controlar pressão arterial

Controle da volemia
Produção de substâncias vasoativas

* Manter a produção medular de glóbulos vermelhos

Eritropoetina
Definição
Doença renal crônica - definição

J Bras Nefrol Volume XXVI - nº 3 - Supl. 1 - Agosto de 2004

A doença renal crônica consiste em lesão


renal e perda progressiva e irreversível da
função dos rins (glomerular, tubular e
endócrina).
Em sua fase mais avançada (chamada fase
terminal de insuficiência renal crônica –
IRC), os rins não conseguem mais manter a
normalidade do meio interno do paciente.
João Egídio Romão Jr.
NKF K/DOQI GUIDELINES
Executive Summaries of 2000 Updates | Anemia | Hemodialysis | Peritoneal Dialysis
Vascular Access | Nutrition | Chronic Kidney Disease | History of DOQI
DRC - DEFINIÇÃO

COMPONENTES

LESÃO RENAL FUNÇÃO


PROTEINÚRIA RFG (≥3 MESES)
HEMATÚRIA
IMAGEM
HISTOLÓGICO
AJKD, 39 (2), Suppl 1, 2002
Estágio 0 - Fase de função renal normal
(FG > 90) sem lesão renal
Importante do ponto de vista epidemiológico

grupos de risco para o


Inclui

desenvolvimento da doença
renal crônica (hipertensos,
diabéticos, parentes de:
hipertensos e/ou diabéticos e
portadores de DRC, etc), que ainda
não desenvolveram lesão renal.
Estágio 1

A filtração glomerular também é normal >


90 ml/min/1,73m2, mas há evidências de
dano renal (proteinúria por exemplo).
Estágio 2
Existe dano renal e diminuição leve de
função (filtração glomerular entre 60 e 89
ml/min)

uréia e creatinina plasmáticos


“Nesta fase, os níveis de
ainda são normais, não há sinais ou sintomas
clínicos importantes de insuficiência renal e somente
métodos acurados de avaliação da função do rim (métodos de depuração, por
exemplo) irão detectar estas anormalidades. Os rins conseguem manter
razoável controle do meio interno.” (João Egídio)
Estágio 3

A filtração glomerular está entre 30 e 59


ml/min (perda moderada de função renal).

“Sinais e sintomas da uremia podem estar presentes de


maneira discreta, o paciente mantém-se clinicamente bem.
Na maioria das vezes, apresenta somente sinais e
sintomas ligados à causa básica (lupus, hipertensão
arterial, diabetes mellitus, infecções urinárias, etc.).
Avaliação laboratorial simples já nos mostra, quase
sempre, níveis elevados de uréia e de creatinina
plasmáticos”(João Egídio, JBN 2004).
Estágio 4

É caracterizado por perda severa de


função com filtração glomerular entre 15 e
29 ml/min.

“Presença de sinais e sintomas marcados de uremia. Dentre


estes a anemia, a hipertensão arterial, o edema, a fraqueza,
o mal-estar e os sintomas digestivos são os mais precoces e
comuns.” (João Egídio, JBN 2004).
Estágio 5 - Insuficiência Renal Terminal

FG<15 ml/min, ou necessidade de diálise.

“Faixa de função renal na qual os rins perderam o


controle do meio interno, tornando-se este bastante
alterado para ser incompatível com a vida. Nesta fase,
o paciente encontra-se intensamente sintomático. Suas
opções terapêuticas são os métodos de depuração
artificial do sangue (diálise peritoneal ou hemodiálise)
ou o transplante renal.” (João Egídio, JBN 2004)
A DIMINUIÇÃO DA FG SE ASSOCIA COM AUMENTO
DA MORTALIDADE E COM EVENTOS CV

40
36,60
35 Óbito por qualquer causa
30 Eventos cardiovasculares

25
21,80
20

15 14,14
11,29 11,36
10

5 3,64
4,76
2,11
0,76 1,08
0
≥60 45-59 30-44 15-29 <15
FGE (mL/min/1,73 m2)

Modified from: Go AS et al. N Engl J Med 2004;351:1296-1305


Causas de DRC
Incident counts & adjusted rates,
by primary diagnosis
USA

illi
illi
lla
lla
Etiologia IRC
40
35
30
25
20
15
10
5
0

r ia li a ga h a ra GN
s t It a e r HAS
u an a te
Au or sp g l DM
N E In
Percentage of incident patients
with ESRD due to diabetes, 2007
Percentage of incident patients
with ESRD due to diabetes, 2007

DOENÇA DE BASE:

DIABETES 29%

SBN, 2014
FATORES DE RISCO PARA DRC:

Diabetes
Hipertensão arterial
Obesidade
Tabagismo
Idade acima de 60 anos
História familiar de doença renal crônica
Raça Negra
Efeito da hipertensão na parede vascular
Abordagem Da Doença Renal Crônica
Insuficiência renal crônica ( anos 60-70 )
*Doença incomum
*Causada basicamente por nefropatias primárias
*Sem prevenção factível
*Tratamento pouco efetivo
*Requer tratamento especializado para seus estágios finais
*Não é problema importante de saúde pública

Doença renal crônica ( hoje )


*Doença comum
*Associada a condições comuns na população
*Passível de prevenção primária
*Nefroproteção
*Tratamento deve iniciar nos estágio iniciais
*Enormes custos sociais, familiares, pessoais
Diagnóstico
Por que medir a função renal?

Porque a DRC está correlacionada com:


-Aumento de mortalidade em geral
-Aumento de mortalidade em cardiopatas, nefropatas, doentes
críticos, etc.
-Maior incidência de doença cardiovascular
-Risco aumentado de insuficiência renal crônica terminal
-Maior risco operatório
Filtração glomerular vs. Clearence da Cr

FG: produção de 180l/d (125 ml/min) de fluido


tubular a partir do fluxo plasmático renal, através
do processo de UF

Cl: clearance de uma substância é a taxa na qual


essa substância é clareada (depurada) do plasma
por unidade de concentração.
creatinina
O valor da creatinina está relacionado à produção endógena da
creatinina e esta é proporcional à massa muscular e ao ritmo de
filtração glomerular.

Alimentação rica em proteínas ou a ingestão da creatina


(suplemento) aumentam a creatininúria.
CISTATINA C
- Marcador endógeno;
- Proteína de baixo-peso molecular (14.000 Da);
- A cistatina C é uma proteína catiônica não glicosilada, sendo um
constituinte da superfamília das cistatinas;
- Presente em vários tipos celulares e produzida continuamente por todas
as células nucleadas;
- Ela é livremente filtrada pelos glomérulos (em virtude de seu baixo peso
molecular em combinação com uma carga elétrica positiva) e, segundo
estudos iniciais, sua concentração sérica independe da idade,
sexo, dieta, massa muscular e peso corporal.
- Dessa forma, não foi relatada diferença relevante entre os valores de
referência para o sexo feminino e o masculino. Em crianças saudáveis, a
concentração de cistatina C se estabiliza no segundo ano de vida e o valor
de referência é idêntico ao dos adultos
CISTATINA C
- Na população pediátrica, tem-se demonstrado vantagem da
cistatina C sobre a creatinina sérica, particularmente na
detecção de mudanças pequenas e precoces na TFG, uma vez
que, nessa população, a massa muscular reduzida,
principalmente em crianças com idade inferior a 4 anos,
resulta em um valor muito baixo de creatinina sérica.
- A concentração sérica de cistatina C está elevada no primeiro
dia de vida, evoluindo com uma rápida redução nas semanas
seguintes. Por outro lado, a concentração de creatinina
sérica aumenta com a idade, até o início da adolescência, em
virtude do ganho de massa muscular que ocorre com o
crescimento
Inulina

Inviável na prática

Exceto por ser um marcador exógeno a INULINA preenche os demais


critérios como marcador da filtração glomerular. Um complicador no
uso em rotina é a dificuldade da realização do exame propriamente
dito, como a padronização de método, infusão endovenosa do
marcador, dosagem laboratorial complexa, trabalhosa e de alto custo.

Apesar das dificuldades citadas é considerado o padrão ouro para a


medida do RFG.
As fórmulas mais
comumente utilizadas são
as de Cockcroft e Gault
(CG),MDRD e CKD-EPI.
Fórmulas para Estimativa da FG

adultos

crianças
Exercício: calcular a FG

Mulher
Idade: 45
Peso: 62
Creatinina: 0,6
Mulher, 50 anos, negra, preocupada com a possibilidade
de doença renal, pois seu pai tinha DRC.
Sua mãe é diabética. A paciente é assintomática.
Hipertensa há 5 anos, controlada com tiazídico.

Ao exame, sobrepeso (IMC=26), Peso=78 Kg


PA 138/85, circunferência abdominal = 96 cm.
Demais aspectos normais.

Investigação mostrou:
Creatinina=1,1 mg/dl Hemograma normal
Potássio=3,7 mEq/l EQU normal
Ácido úrico=8,5 mg/dl Triglicerídios=180 mg/dl
Colesterol=220 mg/dl HDLcol.=50 mg/dl
Glicose=102 mg/dl
(140 – 50) x 78
x 0,85 = 75,3 ml/min
72 x 1,1

Diagnóstico: D.R.C. estágio 2


Equação MDRD simplificada: CKD EPI

• Creatinina • Creatinina
• Idade • Idade
• Raça
• Sexo • Raça
• Sexo

• Cálculo........67.73
ml/min • Cálculo........67.79 ml/min

• DRC estágio 2
• DRC estágio 2
Outros parâmetros diagnósticos de DRC

Proteinúria

Hematúria

Imagem renal

Biópsia renal
Diagnóstico Clínico

Polaciúria
Urgência miccional
Disúria (nos casos de infecção)
Nictúria
Incontinência urinária
Oligúria (↓400ml/dia)
Poliúria (↑2.500ml/dia)
Anúria
Diagnóstico Clínico

Dor renal: dor no flanco ou região lombar

Edema

História pregressa
Exame Físico

Hálito urêmico

Coração: atrito pericárdico

Unhas: 10% dos pacientes renais crônicos


apresentam a metade proximal da unha pálida
e a metade distal rósea
Exame Físico

Pulmão: pode haver atrito e derrame pleural

Pele: pálida ou amarelada. Pode haver


escoriações decorrentes do prurido intenso

Hipertensão
Diagnóstico
Clearance de creatinina (depuração de
creatinina): mede o grau de filtração
glomerular. Valor normal: 90-120 ml/min

Uréia: é um dos produtos finais do


metabolismo de proteínas. Valor normal:
30-40mg/dl
Diagnóstico

Creatinina: é resultante do catabolismo


muscular. Valor normal: 0,5-1,5mg/dl

Ultra-sonografia: na IRC os rins tornam-se


retraídos, diminuem de tamanho e ficam
atrofiados.
Indicação de diálise na IRC

A diálise deve se
iniciada quando a
depuração de
creatinina for inferior a
10ml/min.
Encaminhamento precoce para
tratamento nefrológico
Os benefícios potenciais do encaminhamento
precoce incluem:
a identificação e o tratamento das causas
reversíveis da insuficiência renal;

o diagnóstico e correção de fatores que pioram a


função renal (por exemplo, o uso de agentes
nefrotóxicos);

a estabilização da TFG;
Encaminhamento precoce para
tratamento nefrológico
Os benefícios potenciais do encaminhamento
precoce incluem:
a identificação e a correção de grandes
complicações e as morbidades mais prevalentes
na DRC;

a obtenção de melhores parâmetros bioquímicos,


psicológicos e físicos no início da TRS.
Sorologia Viral
Prevalência Hepatites

Europa Japão USA

HCV 11,5% 13,4% 7,4%

HBV 4,1% 2,2% 2,4%


Mortalidade
Diálise no Brasil
1. Mortalidade em Hemodiálise
• Japão 9,7%
• Chile 13,4%
• Europa 14,8%
• Uruguai 15,9%
• Brasil 16,1%
• Venezuela 21,1%
• Am. Latina 21,1%
• Argentina 21,3%
BRASIL 2014
• Estados Unidos 22,3%
MORTALIDADE
• África do Sul 25,9%
19%
Adjusted cause-specific mortality,
by modality: prevalent patients
Causas de óbito diálise – UK 2007
Pacientes em TRS

Pacientes Idade Masc. Mortalidade

HEMO 73.480 49.7±16.9 57.7% 14.7%

CAPD
7.257 52.1±21.1 49.6% 15.5%
DPA
Faixa etária óbitos
Impacto do
envelhecimento
populacional
Envelhecimento das
Populações

Hoje: Mais de 380


milhões de idosos em
todo o Mundo
2020 sejam mais de
1000 milhão.
Epidemiologia

Idoso cresce 2% e 4% ao ano

Em 2050, cerca de 19% da população Brasileira

José Alberto Magno de Carvalho; Laura L. Rodríguez-Wong.A transição da estrutura etária da população
brasileira na primeira metade do século XXICad. Saúde Pública v.24 n.3 RJ, 2008.
Romão e cols,2000.
Número de Pacientes em Diálise com idade menor
que 18 anos ou maior ou igual a 65 anos

CENSO SBN/2007 N %

<18 anos 1.089 1,5

≥ 65 anos 18.753 25,5

Quanto maior a sobrevida da população


maior o número de idosos na diálise!
TRATAMENTO
O tratamento ideal da DRC é baseado em
três pilares de apoio:
1) diagnóstico precoce da doença,

2) encaminhamento imediato para


tratamento nefrológico e

3) implementação de medidas para


preservar a função renal.
Tratamento

Tratamento conservador
Terapia renal substitutiva
Transplante renal

CADA TRATAMENTO POSSUI SUAS PECULIARIDADES.


QUANDO POSSÍVEL
O PACIENTE DEVE OPTAR PELO
MÉTODO DE ESCOLHA.
Tratamento Conservador

Este tipo de tratamento é indicado quando o


paciente tem função residual.

Tem como objetivo retardar o início da terapia dialítica por meio de suporte
médico, nutricional e medicamentoso.
Tratamento Conservador

Os pacientes que tem anemia recebem


eritropoetina humana sintética e hidróxido
de ferro por via EV (Noripurum®).

Na deficiência de vitaminas, o paciente recebe ácido fólico e


complexo B. Se necessário, também recebe suplementação de
cálcio.
Tratamento Conservador

Orientações nutricionais:
Controle na ingesta de líquidos
Dieta hipoprotéica
Pouco potássio

Pode ser necessário uso de diuréticos e anti-hipertensivos.


Nesta fase inicia-se o preparo psicológico do paciente e esclarecimentos sobre
os tratamentos dialíticos disponíveis.
hemodiálise
Hemodiálise

Tipo de tratamento dialítico em que há


circulação extra-corpórea, feita entre
membranas derivadas de celulose que
atuam como membrana semipermeável.
Essa membrana encontra-se submersa em
solução eletrolítica (banho de diálise) que
possui concentração semelhante ao
plasma.
Hemodiálise

Para realizar hemodiálise, é necessário:


Água tratada
Solução de hemodiálise (banhos)
Rim artificial (Dialisador)
Via de acesso
Composição típica da diálise

Constituinte Faixa habitual


Hemodiálise
Dextrose (mg/dL) 100 a 200
Na+ (mEq/L) 135 a 145
K+ (mEq/L) 0a4
Ca++ (mEq/L) 2,5 a 3,5
Mg++ (mEq/L) 0,5 a 1,5
Cl– (mEq/L) 100 a 120
HCO3– (mEq/L) 25 a 40
Acetato (mEq/L) 4
Diálise peritoneal
Dextrose (g/dL) 1,5, 2,5, 4,25
Na+ (mEq/L) 132
K+ (mEq/L) 0
Ca++ (mEq/L) 2,5 a 3,5
Mg++ (mEq/L) 0,5 a 1,5
Cl– (mEq/L) 95 a 102
Lactato (mEq/L) 35 a 40
Heparina (U/L) 0 a 500
Acesso para Hemodiálise

CATETER DE DUPLO LÚMEN

• É a via de acesso temporária mais utilizada


para hemodiálise. Os locais mais comuns para
inserção do cateter são as veias subclávia,
jugular interna e femoral.
• O cateter é implantado sob anestesia local,
com técnica asséptica e fixado com fio
mononylon. É colocado pelo médico
nefrologista.
CATETER DE DUPLO LÚMEN

Este tipo de acesso é utilizado para:


Pacientes com IRA
Pacientes com IRC sem acesso permanente disponível
Pacientes que necessitam hemodiálise urgente
Pacientes com IRC que perdem o acesso permanente
CATETER DE DUPLO LÚMEN
Cuidados:
- curativo: devem ser realizados antes de cada diálise com PVP-I
degermante, clorexidine ou outro anti-séptico. O curativo deve
permanecer fechado durante e após a hemodiálise.
- Lavar com SF as duas vias ao término das sessões de HD para
remover qualquer coágulo que possa ter se formado.
- Administrar heparina pura em cada via do cateter após sua
utilização. A quantidade de heparina varia conforme a marca do
cateter.
- - Aspirar a heparina de cada via antes da utilização do cateter.
CATETER DE DUPLO LÚMEN

Complicações:
- Pneumotórax
- Hemotórax
- Lesão de nervos (plexo braquial)
- Hemorragia
- Arritmias (por irritação ou perfuração do endocárdio pelo fio-guia)
- Coagulação do cateter
- infecção
Cateter de Duplo Lúmen

Indicações para remoção:


Sinais de infecção: secreção purulenta ao redor da
inserção do cateter
Febre > 38 ºC
Bacteremia: calafrios durante hemodiálise

SEMPRE QUE O PACIENTE APRESENTAR SINAIS DE


INFECÇÃO, ACONSELHA-SE A COLETA DE HEMOCULTURA,
USO DE ANTIBIÓTICO E REMOÇÃO DO CATETER.
FÍSTULA ARTÉRIO-VENOSA (FAV)
Consiste em uma anastomose de uma artéria
com uma veia. Ao longo dos meses, o ramo
venoso da fístula se dilata e suas paredes se
espessam, permitindo inserções repetidas das
agulhas de diálise.
FÍSTULA ARTÉRIO-VENOSA (FAV)

Uma vez criada a fístula, ela precisa de no


mínimo 30 dias para amadurecer e ser
utilizada.

Pacientes que usam FAV devem ser orientados


sobre os cuidados com a mesma: não verificar
PA no braço da fístula, evitar punções e
administração de medicamentos.
FÍSTULA ARTÉRIO-VENOSA (FAV)

Complicações:
Fluxo baixo: obstrução parcial devido
fibrose
Trombose
Isquemia da mão (devido desvio da
circulação)
Infecções
Aneurisma ou pseudo-aneurisma: causado
por extravasamento de sangue após
remoção das agulhas.
FÍSTULA ARTÉRIO-VENOSA (FAV)

Cuidados de enfermagem:
anti-sepsia: o membro da FAV deve ser limpo com PVP-I,
clorexidine ou álcool 70%. Usa-se técnica asséptica durante a
punção;
Alternar pontos de punção para evitar formação de aneurismas;
Punção arterial: afastar 3 cm da anastomose para evitar trombose
da fístula;
Punção venosa: afastar 5 cm da outra punção a fim de evitar
recirculação sangüínea;
Fixação das agulhas: devem ser bem fixadas para evitar
traumatismos e sangramentos;
Extravasamento sangüíneo: neste caso, usa-se gelo e compressão
local;
Curativos: devem ser compressivos e mantidos limpos e secos.
FÍSTULA ARTÉRIO-VENOSA (FAV)
Cuidados do paciente:
Lavagem do membro da FAV: lavar com água e sabão ou
solução anti-séptica antes da HD;
Evitar compressões: não carregar peso, não dormir sobre
o braço e não permitir verificação da PA neste braço;
Tricotomia: não remover pêlos nem formação de crostas
na região da fístula;
Exercícios diários: comprimir uma bola de borracha;
FÍSTULA ARTÉRIO-VENOSA (FAV)

sangramento: comprimir o local e elevar o membro da


fístula;
Presença de frêmito: verificar diariamente
Observação da fístula: calor, edema, dor, eritema ou
ausência de frêmito deve ser comunicado
imediatamente às equipes médicas e de enfermagem;
Hematoma: fazer compressas de gelo no dia e
compressas quentes no dia seguinte.
HEMODIÁLISE
VANTAGENS DESVANTAGENS

tto por equipe especializada Deslocamento até o centro de


diálise
convivência com outras
pessoas Dias e horas fixos para o tto

3 sessões semanais de 4h Compromisso contínuo com a


diálise
sem equipamento em casa
Restrição hídrica e alimentar
sem cateter externo
(geralmente) Duas punções venosas por
sessão
Diálise Peritoneal
CATETER

TENCKOF
CATETER
DIÁLISE PERITONEAL
CATETER
DIÁLISE PERITONEAL INTERMITENTE (DPI)
DIÁLISE PERITONEAL INTERMITENTE (DPI)

Indicada para paciente com IRA


Dura no mínimo 24 horas, duas vezes por semana
possibilita uma remoção gradual de solutos
Pode ser realizada manualmente ou por um aparelho de
ciclagem.
O período de troca varia de 30 minutos a 2 horas.
Geralmente a infusão leva 10 minutos, retenção 30 minutos
e drenagem 20 minutos.
DIÁLISE PERITONEAL INTERMITENTE (DPI)

Manter este ciclo é uma responsabilidade da equipe de


enfermagem.
A técnica asséptica é rigorosa.
O paciente deve ser monitorado e avaliado constantemente.
Se o líquido peritoneal não drena de maneira adequada, o paciente
deve ser virado de decúbito e a cabeceira elevada.
O cateter nunca deve ser empurrado.
Observar atentamente: peritonite, sangramento, dispnéia,
extravasamento de líquido peritoneal. Manter o cateter bem fixo
e curativo seco.
HORÁRIO INFUSÃO DRENAGEM BALANÇO
HÍDRICO
7:00 2000 ml 2500 ml

8:00 2000 ml 1000 ml

9:00 2000 ml 1250 ml

10:00 2000 ml 500 ml

11:00 2000 ml 1500 ml

12:00 2000 ml 2000 ml

13:00 2000 ml 2750 ml


DIÁLISE PERITONEAL AMBULATORIAL
CONTÍNUA (CAPD)
DIÁLISE PERITONEAL AMBULATORIAL CONTÍNUA (CAPD)

Nesse método, a solução de diálise está sempre presente na


cavidade peritoneal.
É realizada em casa por uma pessoa treinada. As trocas são
realizadas após 4-6 horas, 7 dias por semana. Depois de
infundir o dialisado na cavidade abdominal, através do
cateter, o paciente pode dobrar a bolsa e ajeitá-la sob a
roupa durante o tempo de retenção. Isso dá alguma
liberdade ao paciente e reduz o número de manipulações
no cateter, reduzindo o risco de infecção. Durante a noite,
pode permanecer na cavidade por mais de 6 horas.
Deve ser realizado, no mínimo, 4 trocas por dia.
DIÁLISE PERITONEAL AMBULATORIAL CONTÍNUA (CAPD)

No final do período de retenção, o dialisado é drenado


a partir da cavidade peritoneal ao desdobrar a bolsa
vazia, abrir o clamp e colocar a bolsa próxima ao
chão.
Quando a drenagem termina, o paciente repete o
procedimento infundindo a solução na cavidade
abdominal.
Existe a possibilidade de clampear o cateter e não usar
a bolsa até a hora da drenagem.
DIÁLISE PERITONEAL CONTÍNUA ASSISTIDA POR
CICLADORA (CCPD ou DPA)
DIÁLISE PERITONEAL CONTÍNUA ASSISTIDA POR
CICLADORA (CCPD) OU DPA

Também chamada de DPA (Diálise Peritoneal


Automatizada). Nesse método a diálise ocorre à noite,
enquanto o paciente dorme. O paciente é conectado a
máquina cicladora que periodicamente substitui a
solução de diálise da cavidade peritoneal por uma nova
solução por meio da força da gravidade. Antes da
infusão a máquina aquece a solução e, por meio de
pinças e temporizadores, as cicladoras regulam o tempo
e o volume da infusão, tempo de permanência e o
tempo e fluxo da drenagem.
DIÁLISE PERITONEAL CONTÍNUA ASSISTIDA POR
CICLADORA (CCPD)

As cicladoras possuem alarmes que disparam se der


algum problema, acordando o paciente, que deverá
resolver o problema. A solução de diálise é trocada
de 4-6 vezes durante a noite. Pela manhã, o
paciente é desconectado da máquina e permanece
o dia com a cavidade cheia ou vazia, dependendo
da prescrição médica. O paciente ou algum familiar
é treinado pela enfermeira da unidade de diálise
sobre o manuseio da máquina.
Complicações da Diálise Peritoneal

Vazamento pericateter: a diálise deve começar 1


semana após a data da implantação do cateter para
assegurar uma boa cicatrização. A utilização precoce do
cateter pode causar extravasamento através do orifício
de saída, dificultando a cicatrização.
Falha na drenagem: geralmente detectada quando o
volume de drenagem é bem menor que o volume
infundido. Pode ser devido dobra do cateter (interna ou
externa), diminuição da motilidade intestinal (muda o
local do cateter) e obstrução do cateter por coágulos de
sangue ou fibrina.
Complicações da Diálise Peritoneal

Infecção do orifício de saída:


detectada por hiperemia e secreção
purulenta.
Complicações da Diálise Peritoneal

Dor durante a infusão: relacionada ao pH ácido da


solução, ao superaquecimento ou aderência do omento
(prega do peritôneo) ao redor do cateter. Nesse último
caso, o cateter deve ser trocado.

Peritonite: deve-se, principalmente, à técnica


inadequada.
MEDICAMENTOS UTILIZADOS NA IRC
MEDICAMENTOS UTILIZADOS NA IRC
Ferro (para anemia)

Vitamina D (para aumentar a absorção intestinal de cálcio e melhorar


a mineralização dos ossos)

Hipotensores

Diuréticos (para aumentar o débito urinário)

Eritropoetina sintética (para aumentar a produção de glóbulos


vermelhos pela medula óssea)
MEDICAMENTOS UTILIZADOS NA IRC
Carbonato de cálcio (quelante de fósforo no
intestino, fornece um suplemento de cálcio,
reduzindo a absorção de fósforo e evitando a
doença óssea)

Sevelamer (não fornece cálcio)

Vitaminas (Complexo B, ácido fólico)


NUTRIÇÃO PARA O PACIENTE RENAL

Na doença renal não é possível


eliminar pela urina os excessos
de potássio, fósforo, sal,
líquidos e outras substâncias
provenientes da alimentação,
podendo desta forma, acumular-
se no sangue.
FÓSFORO

Embora a diálise retire o excesso de fósforo


do sangue, ela não funciona tão bem quanto
o rim, podendo ocorrer um acúmulo de
fósforo no sangue.
Níveis elevados de fósforo (> 5,5mg/dl)
podem causar prurido em todo corpo, dor e
fraqueza nos ossos.
FÓSFORO

De modo geral, alimentos que contém


proteínas também tem grande quantidade
de fósforo:

Leite e derivados
Ovo
Carnes em geral
Feijão e outros grãos
FÓSFORO

Alguns alimentos contém muito fósforo e devem


ser excluídos da dieta, são eles:
Frutos do mar
Miúdos (moela, fígado, coração...)
Amendoim
Nozes, castanha de caju
Refrigerantes à base de cola
Cerveja
POTÁSSIO

O potássio está presente principalmente nas


frutas, feijões, verduras e legumes.
Níveis maiores de 5,5 mEq/L podem causar
complicações cardíacas e fraqueza muscular.
POTÁSSIO
Frutas com grande quantidade de potássio:
Laranja pêra
Abacate
Mamão
Banana prata e banana nanica
Maracujá
Água de coco
Melão
Açaí
Uva
Figo
Tangerina, nectarina e
Damasco mexerica
Goiaba Fruta-do-conde
Kiwi Graviola
POTÁSSIO

As frutas consumidas na forma de suco têm


concentração maior de potássio.
Não utilizar a calda de compotas de frutas pois
elas contém muito potássio.
Os doces de frutas podem ser consumidos somente
se as frutas forem cozidas em boa quantidade de
água, sendo que esta água deve ser desprezada.
POTÁSSIO
POTÁSSIO
Alimentos que possuem bastante potássio:
- grãos: feijão, ervilha, grão de bico, soja
- Frutas secas: coco, uva passa, ameixa seca, damasco
- Oleaginosas: nozes, avelã, amendoim, amêndoa, castanha e pinhão
- Todos os tipos de sal dietético (“sal light”, “sal diet” e “Slim sal”)
- Chocolate
- Caldo de cana
- Suco concentrado de frutas
- Extrato de tomate
- Café solúvel em grande quantidade
SAL E LÍQUIDOS

O excesso de líquidos leva à formação de edema, principalmente nos pés e


tornozelos, no pulmão, dispnéia, hipertensão e aumenta o trabalho cardíaco.
O recomendado é preparar todo alimento sem sal e adicionar 1g de sal no almoço
e 1g no jantar. (1g = 1 colher de café rasa)
A quantidade de líquido a ser ingerida deverá ser indicada pelo médico, mas
geralmente é igual a quantidade de urina de 24 hs + 500ml.
Alimentos ricos em sal:

Embutidos em geral: mortadela, presunto, bacon, salame, salsicha


Peixes processados e salgados: atum, sardinha, salmão
Queijos em geral, exceto a ricota e o queijo minas fresco
Enlatados em geral: palmito, ervilha, azeitona, milho, margarina,
manteiga com sal
Temperos e molhos prontos: mostarda, ketchup, maionese, caldo de
carne ou galinha em cubos
Sopas e salgadinhos de pacote
Líquidos que devem ser controlados

Água
Café
Bebidas alcoólicas
Chás
Gelatina
Gelo
Leite
Refrigerantes
Sopas
Sorvetes
sucos
O que fazer para controlar a sede?

Bebidas geladas
Frutas geladas
Chicletes de hortelã ou menta
Fazer bochechos com água gelada e molhar
os lábios
Chupar cubos de gelo
Escovar os dentes
Espremer um pouco de limão a água