ALUBRAT – BRASIL CAMPINAS – SP PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA TRANSPESSOAL

MARMO, OSVALDO LUIZ TURMA: 2009 -2010

TRABALHO NO 1 UM CONHECIMENTO EMERGENTE DA CONSCIÊNCIA

Março/2009

sem levar em consideração os processos mentais interiores ou a introspecção.1) Conceito de Psicologia Transpessoal A Psicologia Transpessoal é o estudo e a aplicação terapêutica dos diferentes estados de consciência na busca da unidade fundamental do Ser. e tem como característica o estudo da conduta do indivíduo (humano ou animal) com base na observação de seu comportamento em função dos estímulos exteriores. onde o corpo. Como uma linha culminante dentro da psicologia. permitindo a transmutação da limitada identidade-consciência pessoal para um paradigma mais amplo que é o do Ser hiperconsciente. a psique e a espiritualidade devem ser considerados em conjunto. F. Watson (1878-1958). e Burrhus. que finalmente culminou na Psicologia Transpessoal. através da emergência de estados conscienciais mais lúcidos que substituem os conteúdos mentais adquiridos no passado por conteúdos mais elevados da natureza do Sertranspessoal. Para compreendermos este processo evolutivo é importante conhecermos o estado da arte no momento histórico que lhe deu origem. O histórico desse processo pode ser sintetizado em quatro fases: a primeira fase correspondendo à Psicologia Comportamentalista (behaviorismo). Sua aplicação clínica permite que a pessoa vivencie sua energia criadora. a Transpessoal surgiu como o resultado de um processo de aprimoramento que no início do século XX procurava alternativas para compreensão e tratamento dos problemas existenciais do ser humano em paradigmas mais amplos que incluíssem a natureza espiritual do Ser. Portanto. Sob o aspecto etimológico o prefixo „trans-’ tem a conotação de „ir além de‟. dentro da psicologia o termo transpessoal define uma linha de pesquisa e terapia que compreende o Ser Humano dentro de um contexto unitário. Skinner (1904 –1990). 2 . para que haja a transcendência dos limites espaços-temporais. considerada a quarta força. a segunda fase correspondendo à Psicologia Psicanalista e a terceira fase correspondendo a Psicologia Humanista. A Psicologia Comportamentalista é considerada a primeira força e foi desenvolvida pelos psicólogos John B.

que ele descreve em uma pirâmide cuja base representa as necessidades fisiológicas. relacionamento. Abraham Maslow não estava satisfeito com este modelo que não dava a devida atenção aos aspectos espirituais do ser. a Psicologia Humanista despontou como uma nova força em oposição às lacunas deixadas pelas psicologias centradas no comportamentalismo e no positivismo de Auguste Comte (1798-1857). a Psicologia Transpessoal. e como decorrência desse processo Abraham Maslow em conjunto com Carl Rogers 3 . com o estudo dos arquétipos ou idéias presentes no inconsciente coletivo. Nesta mesma época Carl Jung (1875 -1961) . estima e finalmente a necessidade de realização pessoal. amor. seguindo-se as necessidades de segurança.A Psicologia Psicanalítica – é considerada a segunda força e nasceu com o enfoque e a metodologia usada por Sigmund Freud (1855-1939). introduzia conceitos de espiritualidade na aplicação da psicanálise freudiana (a segunda força) e assim deu início a uma exploração mais profunda da „alma‟. Assim. Alfred Adler (1870 -1937) trabalhava no desenvolvimento da Psicologia Individualista ou Psicologia Diferencial. com o desenvolvimento da hierarquia de necessidades. Por outro lado. Entretanto. pesquisas efetuadas com o LSD por Stanislav Grof e Timothy Leary e posteriormente com outras substâncias enteógenos como a DMT trouxeram novas possibilidades no estudo dos estados de consciência. que somente aceitavam os paradigmas oriundos do processo cognitivo sensorial. foram estas idéias de Adler e Jung que viriam influenciar Abraham Maslow tanto no desenvolvimento de sua Psicologia Humanística (a terceira força). postulando que o individuo passa por várias fases em sua vida procurando suprir determinadas necessidades básicas. que estudava as neuroses como sendo oriundas da repressão dos desejos inconscientes e das fantasias de natureza sexual. Contemporâneo de Jung.que foi contemporâneo de S. que além dos arquétipos coletivos também levava em consideração os aspectos individuais de cada pessoa (arquétipo individual). A Psicologia Humanista é considerada a terceira força e teve como principal expoente os psicólogos Carl Roger (1902-1987). como no que então viria a ser o próximo passo. com uma terapia centrada no paciente e enfoque na „saúde mental‟ como um bem maior e Abraham Maslow (1908-1970). Freud -. Assim. que seriam oriundas das experiências ancestrais de nossa espécie e portanto não proveniente da experiência individual.

Sua proposta foi tanto existencialista. sua cartografia. a psique. destacando a liberdade do „ser humano‟ como um ser único e responsável por seus atos e destino. Charlotte Bühler (1893 -1974). que são respectivamente os conceitos de consciência. para os fenômenos que dela emergem. tais como seus estados. com o objetivo de desenvolver um „olhar‟ espiritual mais profundo e dar uma dimensão humanística para além dos limites das funções mentais.(1902 -1987). ou seja: 1) a de seus elementos estruturais e 2) a da dinâmica desses elementos. o objeto observado e o método de observação. 4 . James Fadiman e Stanislav Grof (1931) entre outros. Victor Frankl (1905 -1997). etc. 2) Quais os elementos estruturais na abordagem integrativa transpessoal? A Psicologia Transpessoal é descrita através de um modelo que engloba duas categorias. Maslow estava priorizando os aspectos fenomenológicos da experiência humana na procura da compreensão do „ser humano integral‟. o ego. de ego. 3) Quais os significados de cada um dos elementos? Conforme foi solicitado. tal como também é entendido pela Filosofia da Física Quântica e pelas filosofias indianas não-dualistas. procurando colocá-los numa ordem seqüencial linear que vai do centro principal – que a meu ver é a consciência -. de unidade. Antony Sutich (1907-1976). de vida. eu estou propondo uma exposição dos conceitos associados aos elementos estruturais da Psicologia Transpessoal. Ao definir os rumos da Psicologia Transpessoal. como o Vedânta e o Shaivismo do Caxemira que não consideram a existência de uma realidade extrospectiva independente do sujeito que a observa. fundam a Associação de Psicologia Transpessoal. de estados de consciência e sua respectiva cartografia. como fenomenalista compreendendo os fenômenos que se apresentam à percepção da consciência como uma complexa inter-relação entre o sujeito que observa. abandonando as linhas de pesquisas baseadas em arrolamentos de dados estatísticos ou outros procedimentos quantitativos que generalizam em vez de individualizar.

O segundo verso: “O conhecimento aprisiona”. e do mundo exterior (consciência extrospectiva). Sob o aspecto etimológico a palavra consciência é derivada do latim „conscientia‟. tanto no nível cósmico como no nível pessoal. pois em verdade sendo estes atributos ilusórios. e outras que dentro de uma abordagem filosófica tentam explicá-la como um fenômeno autoexistente no sentido de que ela não tem uma origem.1). deixando a consciência livre como de fato ela sempre foi. embora seja a origem de todas as coisas percebidas pelos sentidos. outras em um nível mais profundo que envolveria fenômenos quânticos moleculares das microestruturas cerebrais. era consciência e poder”. algumas baseadas na neurofisiologia. Existem várias hipóteses sobre o que causa o fenômeno da consciência. experimentar e compreender aspectos de seu mundo interior (consciência introspectiva). Por isto o mestre Abhinavagupta (9501025). ou seja ela é o Ser além de todas as limitações impostas pela cognição. significando o sentimento ou conhecimento que permite ao ser humano vivenciar. identificar emoções e perceber o mundo fenomenológico em que estamos inseridos. “O Ser é consciência pura” (Shiva-sutra. Compartilhando: O Shaivismo da Caxemira nos ensina que “No início havia o vazio. 1. 5 . tal como Stanislav Grof a define segundo a “filosofia hindu: como um atributo primário da existência”. que está por detrás de todos os atributos e qualidades. pois ela é a essência do Ser. Portanto é dela que dimanam todos os outros aspectos da estrutura psíquica. a essência. se referia à palavra consciência dizendo que ela é um termo abstrato que expressa o conceito de liberdade. tal como exposto pelas principais tradições espirituais da Índia. mostrando a consciência como a pulsão que manifesta o mundo fenomenológico. eles se desfazem nas experiências de transcendência. Este primeiro verso do Shiva-sûtra nos diz que a consciência é o substrato. que a reveste com atributos psíquicos que a tornam aparentemente limitada. como o Vedanta e o Shaivismo da Caxemira. nos diz que os sentidos cognitivos convergem para a consciência trazendo um “conhecimento” do “mundo exterior”. É a consciência que nos permite sentir o „si mesmo‟.Conceito de Consciência: Entendo a consciência como a mais fundamental de todas as categorias da estrutura psíquica. mas o vazio não era um nada. a natureza íntima do Ser. Destaquei o termo “aparentemente”.

O Cosmos é vida. podemos partir para a compreensão do que somos e do que não somos. Por isto a consciência é o mais fundamental de todos os conceitos. 172). Psicologia Transpessoal. a matéria e a causalidade linear” (Saldanha.Os filósofos místicos da Índia consideram a consciência como uma categoria inefável. por ser o núcleo suporte do qual todas as outras funções psíquicas emergem como um epifenômeno. porque ele é um Todo em constante transformação e tudo o que se transforma tem em si a consciência-poder que é a pulsão do elemento da vida. Conceito de Vida: Tudo é vida. pg. 6 . nós nos identificamos com os conteúdos que emergem da psique no estado de vigília. embora ao iluminar a estrutura psíquica (mente) ela seja a causa de todos os atributos manifestados pelos conteúdos da psique. à sua imagem e semelhança. portanto não passível de ser definida. quando então o „Ser – cognitivo‟ penetra em outros espaços-dimensionais conscienciais onde estes sistemas energéticos existem e se manifestam. 164). disse: “A consciência é a expressão e o reflexo de uma inteligência cósmica que permeia todo o Universo e toda existência. o drama existencial do ser humano reside no fato de que . ele explicita que o Absoluto (a Inteligência Cósmica) é um campo de consciência cujo reflexo no microcosmo manifesta a consciência pessoal (Eu Transpessoal). Nós somos a “consciência transpessoal” vivendo uma experiência que se manifesta de maneira múltipla através de constructos psicofísicos (psique). pg. mas registráveis por outros níveis de percepção” (Saldanha. confirma que a vida percebida no estado de vigília é somente uma pequena parte da vida que pode ser percebida em espaços conscienciais mais amplos. eu sou isto ou aquilo. em perfeita concordância com a visão da Tradição Vedânta. Nesta definição.na maior parte do tempo -. onde são gerados estados conscienciais discretos com seus conteúdos característicos. Portanto. a consciência destituída de atributos de qualquer natureza. Compreendido este papel epistemológico da consciência. o espaço. Referindo-se a ela de uma outra maneira Stanislav Grof. quando por exemplo dizemos: eu sou nervoso. Pierre Weil ao afirmar: “Existem sistemas energéticos inacessíveis aos cinco sentidos. Somos campos ilimitados de consciência transcendendo o tempo. embora possamos delineá-la em linhas gerais. sentimentos que são atributos da psique e não do „Eu Transpessoal‟ que é a nossa verdadeira identidade. Psicologia Transpessoal.

a categoria vida tem a característica da eternidade e da imutabilidade. apud Saldanha. Esta é a visão transcendente dos mestres que atingiram a iluminação. a morte e o renascimento. do movimento transformador das galáxias às transformações químicas no interior da célula tudo depende da pulsão da vida. quando aberta às portas da percepção não sensorial. a vida como uma categoria emergente de sua manifestação também é atemporal e se conserva durante todos os processos que envolvem o nascimento. numa referência a altíssima experiência em que o núcleo consciencial do Ser individualizado (pontual) se identifica com o Ser Cósmico. Por isto reafirmamos que a vida é o tecido-essencial de todas as transformações que ocorrem no Cosmos em todos os níveis de realidade. Conceito de Unidade: O conceito de unidade é o pressuposto fundamental da Psicologia Transpessoal. Nas tradições védicas esta experiência é denominada „Anubhava‟. da infância à juventude. (Saldanha. Para Pierre Weil a unidade é a natureza do que não pode ser dividido. o Absoluto.3). 160).Embora as transformações que caracterizam a vida dos sistemas energéticos sejam percepções cognitivas transitórias. do qual partem e para onde convergem todos os recursos dessa abordagem. o estado natural do Ser Transpessoal que pode ser vivenciado nas experiências culminantes. Psicologia Transpessoal. surge a percepção da unicidade por detrás das múltiplas formas percebidas pelos sentidos. palavra sânscrita que significa literalmente a natureza (bhava) daquilo que é pontual (Anu). 161). A unidade é o estado de não-fragmentação. pois não tendo tido um início não terá um fim. mostrando que existe uma interligação de todos com todos. e desta à velhice. “Tal como a alma (Ser Transpessoal) passa em um mesmo corpo. por tanto a natureza daquilo que é elementar. Psicologia Transpessoal pg. pg. sendo a consciência atemporal. a vida em si mesma é atemporal e não limitada pelas condições do espaço-tempo. 2. sempre existindo independente das transformações transitórias dos sistemas em que ela se manifesta. passa também de um corpo a outro. que tem por essência a consciência-poder. Este conceito quando aplicado ao Sertranspessoal explicita sua transcendência sobre a dualidade e as polaridades (Weil. 7 . Assim.” (Bhagavad Gita. Os sábios não se perturbam quanto a isto. Portanto.

pg. transcendendo o ego. biopsíquico e sociais que caracterizam a sociedade” (Assagioli. Conceito de Ego: Na Psicologia Transpessoal o ego é uma construção mental. que é quem cria a multiplicidade e se manifesta como individuo vivendo dentro de sua ilusória criação espaço-temporal. Como bem enfatiza Vera Furlan (Saldanha. pg.Assim o Ser-transpessoal é a unidade elementar de consciência cósmica responsável pela projeção das outras categorias que constituem a psique humana ou estrutura mental.] a multiplicidade somente existe no nível macroscópico da realidade concreta e imediata dos sentidos”.. do qual o macroscópico é somente uma apreensão sensorial ou ilusão emergente da cognição. as quais quando trabalhadas permitem o aflorar do Ser-transpessoal. microscópico que é o nível verdadeiro. “O trabalho de morte e renascimento do ego na Psicologia Transpessoal traz ao indivíduo a possibilidade de conectar suas próprias experiências interiores. Psicologia Transpessoal. que forma uma espécie de interface entre a „unidade consciencial – o Ser Transpessoal‟ e a realidade percebida através dos sentidos cognitivos. pois permite a instrumentação da vida cotidiana. Psicologia Transpessoal pg. apud Saldanha. “[. com capacidade de se manifestar além dos elementos circunstanciais. Por outro lado. dando-lhe sentido à vida. 8 . o ego é o responsável pela criação da multiplicidade ao perceber o espaço-tempo separado em duas ou mais partes: o eu e os outros. Como um construto ou um epifenômeno da estrutura psíquica. e vivenciando aquilo que realmente existe” (Saldanha. 161). sendo “o ego um centro de consciência em evolução. o eu e o Todo. pode ser trabalhado pelas terapias transpessoais para o resgate de suas características espirituais superiores.168).. Como elemento da estrutura psíquica o ego é necessário para que o indivíduo se manifeste durante o estado de vigília. dissipando-se e deixando de existir ao atingirmos o nível quântico. 167). integrando suas polaridades. quando o ser ainda não tem auto-responsabilidade pelos processos vitais e pela complexa rede de situações em que se vê envolvido nas situações do dia-a-dia. pelo menos durante o período da „infância espiritual‟. integral. Psicologia Transpessoal.

com freqüências entre zero Hz quando da morte cerebral. corporeidade e impenetrabilidade. como por exemplo a passagem entre os estados de vigília e de sono. ou seja. etc. É neste estado que o ego se manifesta ao ser estimulado pelos sentidos sensoriais cognitivos e se reconhece como um indivíduo. entre outras qualidades. científicas. é caracterizado pela apreensão da realidade de um mundo tridimensional. Sob o aspecto eletrofisiológico a atividade cerebral apresenta ondas com freqüência entre 14 e 25 Hz. Estado de sono com sonhos é um estado em que o Ser vivencia resíduos de conteúdos mentais que enredados formam histórias que são vivenciadas como sonhos. 4) estado de sono sem sonhos e 5) estados transcendentais. 2) estado de devaneio. permanece entre 9 e 13 HZ. e como tal a responsável pelo processo da vida. Estado de vigília. Esta região de freqüências é dividida conforme o estado de consciência em pelo menos cinco níveis conscienciais discretos. Entretanto. 9 . sua atividade bioelétrica cerebral é semelhante ao do estado de vigília. gerando estados conscienciais diferentes. idéias e intuições artísticas. 3) estado de sono com sonhos. sua manifestação se dá de maneira aparentemente discreta. até valores acima de 25 Hz quando em plena atividade. ou seja: 1) estado de vigília. em que a matéria adquire características de massa.. por ser um estado em que embora o Ser esteja dormindo. e muita vezes o indivíduo não tem a percepção da transição. Sob o aspecto eletrofisiológico a atividade cerebral apresenta ondas com freqüência entre 9 e 13 Hz.Estados de Consciência e sua Cartografia: A consciência é o Ser por detrás da estrutura psíquica. Estado de devaneio. em que imagens. O estado sono com sonhos. ou sono REM (movimento rápido dos olhos). caracterizado por um estado de relaxamento profundo entre os estados de vigília e de sono com sonhos. podem aflorar. A passagem de um estado de consciência para outro é gradativa. Sob o aspecto psico-fisiológico existe uma correspondência entre o estado de consciência e a atividade bioelétrica cerebral. denominadas ondas „beta’. que por sua vez manifestam espaços conscienciais distintos no que diz respeito aos seus conteúdos. denominadas ondas „Alfa’. é também denominado de sono paradoxal.

denominado ondas „Teta‟. vacuidade. samadhi (do sânscrito: juntar. As percepções dos conteúdos nos trazem luz. embora haja uma grande inefabilidade envolvendo todas as vivências. ou como descreveu Teresa de Ávila. e o Ser que o vivencia recebe a designação de „vishvanara’. Estado de Despertar (consciencial) é a fronteira entre os níveis que caracterizam a consciência individual e a consciência cósmica. Compartilhando: Na Filosofia Vedanta o estado de consciência de vigília é denominado „jagarita’. o que propicia a profunda vivência da Unidade. Maslow se refere a esta experiência como uma experiência culminante. quando então o individuo está inconsciente de si e do mundo. É a libertação dos conteúdos mentais. a sétima morada do castelo interior. Este estado de consciência é vivenciado pelos místicos e descrito pelos termos: nirvana (do sânscrito: extinção). Sob o aspecto eletro-fisiológico a atividade cerebral apresenta ondas com freqüência entre 1 e 7 Hz. no sentido de ser um estado de consciência em que a realidade extrospectiva apreendida é semelhante para todas as pessoas. palavra sânscrita que significa „luminoso‟. O terceiro estado é denominado „sushupta’. no sentido de que ao sonhar não precisamos da luz externa (dos sentidos) e vivenciamos os conteúdos mentais da esfera onírica com a luz do próprio Eu. Neste estado surge o livre arbítrio. papeis e corpos. que entendo como a percepção de nossa natureza búdica (buddha dhatu). Estado de consciência cósmica ou plena é o estado de maior transcendência das limitações psicofísicas. por junto). satori (budismo japonês).Estado de sono sem sonhos é caracterizado pela ausência de consciência dos conteúdos mentais. pela superação dos pares de opostos e das dualidades. O estado de sono com sonhos é denominado „svapna’ e o Ser que o vivencia recebe a designação de „taijasa’. mascaras. palavra sânscrita que significa „aquilo que é comum a todos os seres‟. sem identificar-se com emoções. Durante o sono a alternância entre sono com sonhos e sono sem sonhos se repete em intervalos entre 45 a 90 minutos. compaixão e descoberta do sagrado. transcendental e transpessoal. e o Ser que o vivencia 10 . sendo o intervalo entre 1 e 4 Hz denominado de ondas „delta‟ e o intervalo entre 4 e 7 Hz. sentimento de amor. As experiências vivenciadas neste estado têm características próprias. quando então o Ser observa a si.

12). o Ser a ser atingido” (Mandukya Upanishada. Na Psicologia Transpessoal são descritos nove cenários e seus respectivos conteúdos: 1) vigília. 6) inconsciente filogenético. Trans-individual: são conteúdos de experiências ancestrais de várias origens. Pré-consciente: são conteúdos próximos ao estado de vigília. como por exemplo. Vigília: é formado pelos conteúdos mentais. as raciais. um estado de consciência sem nenhuma restrição. 7) inconsciente extraterreno. O último estado é o de „Turiya‟. 5) inconsciente trans-individual. as arquetípicas. a essência por detrás de todas as relações. palavra sânscrita que significa „o quarto estado‟.recebe a designação de „prajña’. palavra sânscrita que significa „aquele que é cônscio de si‟. as palingenéticas. A cartografia dos estados de consciência indica e nomeia os cenários e os conteúdos de cada estado de consciência que estão sendo reveladas pelo inconsciente. ligados às pulsões do sistema límbico que manifestam contextos da vida presente desde o nascimento. assim o Ser desperta em sua própria esfera que é o corpo supramental. “Neste estado ele é OM. o sono sem sonhos pertence àquele que não vê a ilusão sensorial. São de difícil acesso e sintomáticos. o Ser não dual. 3) psicodinâmico. 2) pré-consciente. Psicodinâmico: são conteúdos inconscientes „freudianos‟. Este estado nos dá um instante de liberdade das restrições auto-impostas pelos conteúdos mentais. que quando estimulados pelos sentidos formam a realidade extrospectiva. 8) supraconsciente e finalmente 9) vacuidade. e quando os dois equívocos são removidos o Eu atinge o estado de Unidade” (Mandukya Karika 15). 4) ontogênico. Neste cenário se 11 . “O sonho pertence àquele que vê o falso. acessáveis diretamente a partir de uma estimulação direta de relaxamento. etc. mas inconsciente do mundo interno e externo. Filogenético: são conteúdos de experiências que transcendem os conteúdos humanos e os da seqüência evolutiva do próprio planeta. Ontogênico: São conteúdos da vida intra-uterina e representam a transição entre o pessoal e transpessoal. onde o sonho da manifestação se dissolve e a ilusão do mundo se desfaz.

Neste modelo de eixos cartesianos o eixo experiencial corresponde ao eixo das abscissas e o eixo evolutivo. 12 . (Saldanha. o eixo experiencial e o eixo evolutivo. São comuns neste cenário a percepção de seres espirituais. Segundo Assagioli. etc. no mesmo sentido dado acima por Assagioli.manifestam aspectos conscienciais a nível mineral. Supraconsciente: é um cenário de êxtase profundo. no texto Ioga-sutra: “a vivência da ioga (união) é a supressão dos conteúdos mentais”. 4) Os aspectos dinâmicos são constituídos por dois eixos. durante a interação das funções psíquicas relacionadas aos elementos „REIS‟. quais são eles? Além dos aspectos estruturais temos os aspectos dinâmicos que nos mostram como os elementos estruturais interagem entre si nos vários níveis de consciência...] é necessário educar nossa consciência de vigília. o eixo evolutivo nos mostra como o fruto desta interação e a busca pelo autoconhecimento afetam a expansão da consciência. “[. percepção extra-sensorial. celular e até da consciência planetária. O eixo experiencial nos revela como através da percepção da realidade externa nós vivenciamos a realidade interna. apud Assagioli. fenômenos parapsicológicos. dividindo o espaço perceptivo . é o estado de puro Ser e completa inefabilidade. esvaziar o lixo mental para que esse nível superior de realidade possa se manifestar. unidade. ao eixo das ordenadas.) deu à palavra ioga. Aqui. Psicologia Transpessoal pg. tornando possível uma congruência entre os elementos „REIS‟. Por outro lado e concomitantemente. eliminar pensamentos desnecessários. 183). Vacuidade: Estado além de qualquer conteúdo ou cenário e corresponde à extinção do ser-pessoal (sânscrito: nirvana). permitindo a emergência de valores mais construtivos e humanitários que são características intrínsecas e latentes no Ser humano. molecular. O aspecto dinâmico é representado por dois eixos.vivencial em quatro quadrantes.C. Extraterreno: são conteúdos de um cenário externo ao corpo e ao próprio planeta (experiências extracorpóreas). lembro da definição que Patañjali (cerca 200 a.

É a faculdade que permite que apreendamos a realidade externa e interna através de um julgamento de valores. a intuição e a sensação. a emoção. a razão. Sua manifestação não passa pelo racional. de apreender. quando então o coração quase „sai pela boca‟. sem o uso da razão ou do raciocínio. 13 . Emoção: A emoção pode ser desencadeada por um evento agradável ou não. Intuição: A intuição é a faculdade de perceber. ou seja. de ponderar. (REIS). No Vedanta a intuição é atribuída ao uso dos canais sensoriais sutis que nos ligam com o Todo. vem das profundezas da alma. Razão: A razão é a faculdade de raciocinar. ou seja. e de certa forma é sentida como um terremoto interno. discernir ou pressentir coisas.5) Significados dos elementos e funções psíquicas na Abordagem Integrativa Transpessoal (REIS) O eixo experiencial nos mostra a interação de quatro construtos da estrutura psíquica. A emoção tem um componente importante na manifestação do afeto e da compaixão. de julgar. de compreender. Sensação: A sensação é o processo pelo qual um estímulo externo ou interno provoca uma reação específica na consciência e tem a haver com o uso dos sentidos. a manifestação da inteligência.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful