You are on page 1of 25

CASOS CLÍNICOS

Caso clínico nº 1
• M.C.P.C., sexo feminino
• 4 anos de idade
• Antecedentes pessoais: Irrelevantes

• Trazida a consulta de Pediatria por


- corrimento vaginal recorrente desde há 3
meses e prurido
Caso clínico nº1
• História clínica
- Desde há 3 meses apresenta desconforto
vulvovaginal e prurido; leucorreia escassa; sem
melhoria com as medidas de higiene específicas
- Nega queixas urinárias ou alterações do trânsito
intestinal
- Nega alterações do estado geral,
emagrecimento , polidipsia ou polifagia; sem
infeções recentes.
- Nega história de possível corpo estranho, nega
possível abuso sexual
Caso clínico nº 1

• Quando questionada, a mãe referia


agravamento das queixas à noite, com prurido
intenso perianal
Caso clínico nº 1
• Ao exame objetivo:

• Rubor vulvar e vaginal


• Escoriações (aparentes lesões de coceira)
perineais
Caso clínico nº 1
• Diagnósticos diferenciais de vulvovaginite na criança pré púbere:
– Inespecíficas+++
– Streptococus pyogenes
– Haemophilus influenzae tipo b
– Stafilococus aureus
– Enterobius vermicularis
– Outras causas
• Corpo estranho
• Alterações pele vulvar
• Reação alérgica
– DST
• N. gonorrhoeae
• Chlamydia trachomatis
• HSV
Caso clínico nº 1
Ovos de Enterobius vermicularis
Enterobius vermicularis
Caso clínico nº 1

• Tratamento empírico: erradicar o oxiúros


• Todos os conviventes devem ser tratados
• Terapêutica eficaz com :
• Pamoato de pirantel OU Mebendazol OU
Albendazol
• Deve ser repetido tratamento passadas 2
semanas
Caso clínico nº 1
• A vulvovaginite é devida a organismos
coliformes transportados pelo oxiúros.
• Devem ser tomadas atitudes gerais para as
vulvovaginites inespecíficas.
Caso clínico nº 2
Caso clínico nº 2
• A.R.T., 17 anos de idade
• Sexo feminino
• Antecedentes Pessoais irrelevantes

• Menarca aos 14 anos de idade.


• Inicio da atividade sexual aos 16 anos
• Novo parceiro sexual há 1 mês
Caso clínico nº 2

• Trazida ao SU por corrimento purulento com 1


semana de evolução;

• Desconforto vulvar, disúria

• Exame objetivo: leucorreia esverdeada


Caso clínico nº 2
• Diagnósticos diferenciais vulvovaginite idade
púbere
– Candida albicans
– Vaginose bacteriana
– Trichomonas vaginalis
– Outras DST
• Gonococo, Chlamydia
• HSV
Caso clínico nº 2
• Exame ginecológico (avaliação por
Ginecologia)
• Recolha do exsudado
• Zaragatoa para PCR Gonococo e Chlamydia
trachomatis
• Rastreio de VHB, VIH, Sífilis
Caso clínico nº 2
• Tratamento:
• Peso= 55 Kg
• Ceftriaxone 250 mg IM dose única
• Dado não ser possível excluir infecção por
Chlamydia trachomatis, efectua terapêutica
empírica com
• Azitromicina 20 mg/Kg (máx 1 g)
• Tratar o parceiro
Caso clínico nº 2
Reavaliação em Consulta de Pediatria DI
• PCR positiva para: Neisseria gonorrhoeae
• VIH, VDRL negativos. Imune HB
• Reavaliação por Ginecologia
• Reforço de medidas de prevenção de DST
Caso clínico nº 3
Caso clínico nº 3
• M. J. F. , 4 anos de idade
• Sexo feminino

• Antecedentes irrelevantes
• Banho diário de imersão, por vezes “de
espuma”
Caso clínico nº 3
• Trazida ao SU de Pediatria por leucorreia e
disúria intermitente com evolução de 3
semanas
• Referia rubor vulvar
• Há 2 semanas medicada com antifúngico
tópico e desinfeção diária (3 x dia) com
solução iodada
• Sem noção de melhoria com a terapêutica
instituída
Caso clínico nº 3
• Nega alterações do estado geral, nega febre
• Nega possível corpo estranho, traumatismo ou
possível história de abuso sexual
• Nega polidipsia, polifagia ou poliúria; sem
polaquiúria.

• EO:
• Rubor vulvar e vaginal com leucorreia escassa
Caso clínico nº 1
• Diagnósticos diferenciais de vulvovaginite na criança pré púbere:
– Inespecíficas+++
– Streptococus pyogenes
– Haemophilus influenzae tipo b
– Stafilococus aureus
– Enterobius vermicularis
– Outras causas
• Corpo estranho
• Alterações pele vulvar
• Reação alérgica
– DST
• N. gonorrhoeae
• Chlamydia trachomatis
• HSV
Caso clínico nº 3
• Abordagem inicial:
• Suspender terapêutica com antifúngico tópico e
suspender solução iodada
• Lavagem local com soro fisiológico . Secar
• Aplicação de creme barreira com óxido de zinco
• Aconselhadas medidas de higiene adequadas
• Aconselhas roupa interior de algodão, não
apertada
Caso clinico nº 3
• Reavaliada em consulta de Pediatria em 2
semanas
• A mãe referia melhoria progressiva das
queixas. Atualmente sem dor ou escorrência

• EO: sem alterações

• Alta da consulta