You are on page 1of 2

Folha de S.

Paulo, 20/03/2018

Entrando em análise
Por Vera Iacconelli

Freud nos ensinou que a lógica do sofrimento pessoal não


é diferente da lógica do sofrimento social
Os sujeitos vêm para a análise alegando que a mãe, o esposo (a), chefe,
filhos são o inferno, fazendo da máxima sartreana —"o inferno são os
outros"— seu mantra pessoal. Se esses outros melhorassem, sua vida seria
perfeita! Cabe ao analista dar as boas e más notícias. Sinto muito, mas
nem sua mãe, nem esposo(a) etc, se deram ao trabalho de vir, ou seja,
resta a você assumir sua queixa ou nada feito.

Reconhecer-se parte do problema fere nossa frágil autoimagem, que


defendemos a qualquer preço. Jogar nosso lixo na caçamba alheia pode
parecer bom negócio, mas é a marca de uma vida de alienação e
sofrimento. As boas novas são que ser parte do problema é também ser
parte da solução.

Outro jeito de chegar na análise é "sob diagnóstico". Algo como: bom dia,
sou o Antônio Panicado, ou Maria Depressiva ou ainda José TDAH.
Passamos a ter como sobrenome algum diagnóstico sacado do Google ou
de profissionais diversos —por vezes nem letrados em saúde mental! Nos
apoiamos em rótulos que podem trazer algum alento diante da
indeterminação de nossos sintomas, mas ferem nossa possibilidade de
nos escutarmos. Como se dizer "deprimido" ou "bipolar" respondesse
quem sou.

Também temos a dúvida atroz a nos arrastar para o divã. Faço ou não
faço, assumo ou não assumo. E, como escolher é perder o que foi
preterido na escolha, percebe-se logo como as negociações podem ser
difíceis, pois no fundo insistimos na fantasia da escolha sem perda. Como
sonhar com um Brasil sem violência e terror, sem abrir mão de históricos
privilégios sociais e econômicos —cinicamente interpretados como fruto
de mérito individual.

Algumas pessoas acham que vão se tornar analistas profissionais ou ainda


—pasmem!— "coaches", por fazerem análise. Não há analista que não
tenha empreendido ele mesmo uma análise, mas tampouco uma análise é
suficiente, sendo necessário estudo contínuo e supervisão. Além disso, de
uma análise só conhecemos o primeiro movimento do jogo --dizia Freud
ao compará-la ao jogo de xadrez-- sem podermos antecipar seu desfecho.

Seguindo minha galeria não exaustiva de situações, que me inclui, posto


que também eu tive meu começo de análise, guardo lugar para o sujeito
que demanda uma análise por diletantismo ou curiosidade. Nesses casos,
geralmente, ou o sofrimento está tão inacessível que o sujeito ainda não
foi capaz de reconhecê-lo, ou ele não entendeu do que se trata uma
análise. Análise é "terra de bravos", leia-se, dos que encaram a duríssimas
penas seus medos e não dos que supõem que não os têm.

Mas, acima de tudo, chegamos na análise porque sofremos demais e, em


algum lugar mais ou menos consciente, sabemos de nossa parcela de
responsabilidade por esse sofrimento e ansiamos por uma vida melhor.
Reconhecer essa parcela nos dá a única chance de mudar.

Freud nos ensinou que a lógica do sofrimento pessoal não é diferente da


lógica do sofrimento social. Hoje nosso mal-estar social se manifesta na
guerra civil carioca, no extermínio de jovens da periferia e no assassinato
de pessoas que se atrevem a defender os direitos humanos em nosso país.
Teremos coragem de assumir isso ou continuaremos a dizer que não
temos escolha e que o "inferno são os outros"?

Vera Iacconelli, psicanalista, fala sobre relações entre pais e filhos, mudanças de
costumes e novas famílias do século 21.