You are on page 1of 8

Edição n°1-Julho I 2016 Boletim Informativo do Ministério da Energia e Águas

Estratégia Angola 2025
PELO DESENVOLVIMENTO NACIONAL

Central 2 de Cambambe “Água para Todos”
com mais energia já beneficia população

USD 2.pri- em objectivos de governação programação. foram identificados os tários e outros em curso. vadas aportam capital privado para a apresente Legislatura. ao uso a) É feita uma caracterização desenvolver no quinquénio. movam esse acesso. cuja dimensão e desempenho con- dicionam o desenvolvimento harmonioso do País. o Subdi. hidroeléctricos. renováveis e particularmente águas possui. sendo ne- de Acção. feita uma avaliação da legais e regulatórios que pro- carteira de investimentos a . cias. A ABRIR Um plano ambicioso. são destinados aos projectos recursos energéticos a ter em diferentes usos da água.02 mil milhões des. trificação RURAL que deve complementar o in- que foi elaborado um Plano c) É. Subsector Eléctrico. os pequenos aproveitamentos vação (já referência para o operacional dos sistemas. em projectos em que emana do Programa do tores. e) As parcerias público . Estruturantes do Subsector conta na electrificação rural do satisfazer as metas traçadas Águas.57 mil milhões são d) A utilização dos recursos Por sua vez. . foto . tendo sido feita a res- tégia e programa. traduzidos pectiva avaliação orçamental e . o trico. portância às parceriaspúblico e o Programa do Governo volvimento dos dois subsec. da outros objectivos. a dos dois subsectores.17 mil milhões sendo que: Subsector Águas.USD 3. destinados aos projectos Es. cessário actualizar os marcos contém e descreve o seguinte: mente.voltaicos e eólicos. vestimento público. do País. tinados aos projectos priori- eficiente da energia eléctrica. . com. que totaliza um valor de USD tários e outros em curso. grande impacto local. o Subsector de como por exemplo.92 mil milhões massa florestal e residual são acções direccionadas para os cas e a insuficiência de valên. é dada particular im- na estratégia acima referida b) Apontando para o desen.33 mil milhões des. na medida em que contém dois subsectores de infra-estrutura básica. -USD 5. uma meta a cumprir O Sector de Energia e Águas joga um pa- pel preponderante na prossecução dos objectivos globais definidos na Estratégia Angola 2025. foi elaborado um Plano de Desenvolvimento do Subsec- tor Eléctrico de Angola. do pequena escala global mas de MPLA. bem como 2 info MINEA . turantes. qual resultam traços comuns.Anexo7). Alinhado com essa estraté- gia. dentre e componente institucional. com base nos pres. projectos prioritários e estru. (Sedes Municipais e Comu. que na sua essência supostos referidos anterior. por sua vez alicerçado na Estraté- gia de Segurança Energética. visan. em fase de apro. do sustentabilidade da actividade preendendo as infraestruturas 29. nais . tinados aos projectos de elec. a bio- conjunto de investimentos e nanceiro das empresas públi. mensionamento e ineficiência truturantes do Subsector Eléc. os sistemas presente Plano de Acção). É tendo em conta essa estra.03 mil milhões des.USD 14.privadas.USD 3. um desequilíbrio económico-fi. tinados aos projectos priori. . económica do sector. que estabelece as acções e pro- jectos cuja execução concorre para a universalização do aces- so a energia eléctrica.

é feita uma comercial. com estabelecer os novos entes base na projecção do cres- empresariais e dar inicio a cimento do parque térmico um programa de actualiza. na angariação de recursos. industrial. já recebem mais luz e mais tariação dos recursos exis. implementado quer no domínio dos recursos humanos de sucesso do presente Pla. Engenheiro João se faz acompanhar de diversas apresentada pelo Ministério tir reserva girante. cujo diagnós. uma vez que os rem viabilizadas a sua acti. com en. de de gás nesse ano). deverão pro. Subsectores. assim como i) O sucesso do programa MW de capacidade. to de toda a vida nacional nas mitir fielmente aos angolanos e ciar. da energia eléctrica. dependem Como nota final. cação dos procedimentos nistro que mais trabalha fora do água e a tendência é melhorar tentes. homem certo para o lugar.fortalecido o papel da Enti. cessária para o efeito. demonstrado que é o das águas. Para o efeito. Com o objecti- igualmente um programa vo de maximizar a capacida- O de reestruturação dessa em. celebração de contractos de hos de escala com as valên. geração de energia em so. o funciona- das alterações no figurino mento ininterrupto dessa institucional do Subsector instalações. muita coisa mudou positiva. presentes e futuras. Ao lon. social e económica. inovou na mento multifacetado do país -estruturas de águas e elec. balanço de crescimento da gurança Energética. ção vernante actua de forma “eléctri. As- sim. será de mais distintas áreas. pois a apli. k) Com base na projecção h) A EPAL. Dinâmico quanto baste. tia do tratamento célere dos sua maneira de dirigir com as pelo engrandecimento e esta- tricidade. estruturantes do Subsector tes. instalado. presidencial em 2011. é projecta. assegurando gan. atempada. Baptista Borges. Baptista Borges. cias existentes e reduzindo incluindo as revisões-capi- as margens de ineficiência tal. nacional (570 MW de au- ção progressiva das tarifas e mento. Dinamismo redução dos subsídios. custos operacionais são ele- vidade e ver reduzida a vados e a ENE não dependência do OGE no dispõe da capacidade ne- que toca à subsidiação. g) A estratégia apontada com recursos públicos a será a de efectuar profun. nomeado por decreto corpo diplomático. pelo que os dois no de Acção. quepermitirão. em que bilidade da nossa economia. Não há dúvidas que no con- tência técnica de entidade como na sua disponibiliza. j) O investimento na capa- dade Reguladora do Sector Eléctrico (IRSE). sobretudo. com base na proposta Soyo para Luanda e garan. é o individualidades nacionais e es- da Economia. em cur. EM FOCO f) As empresas públicas tendo como handicap a ga- dos dois Subsectores ne. ca” e pode-se dizer que é o mi. visitas de constatação. em curso no país. com 500 e Águas. avaliação das necessidades no final do próximo ano. está fora do escopo de Eléctrico. pelo que urge se inicie 6. o go. tem convidado toda a comuni- de reforma do Sector e em trada em operação no go do tempo que está a frente cação social angolana para que particular a preservação e decurso de 2015 (embora dos destinos deste importante possam certificar a realidade do valorização dos activos que pendente da disponibilida. a fim de ve. com base na Eléctrico. entre 2013 e 2014). será de se garantir. que se vai fazendo e poder trans- o Estado tem estado a finan. rantia de contínua operação cessitam de uma profunda do equipamento reestruturação. como no existentes. com a assis. alocar à ENE.446 MW. cidade térmica é essencial como medida intercalar. reside não só mente. os angolanos ceder à uma ampla inven. sector para o desenvolvimen. projectos inscritos. de a transportar do presa. da a construção da ministro da Energia trangeiras ligadas. Em viagens constantes cada vez mais para o bem-estar fortalecimento com base no revela-se aos diversos empreendimentos das populações e o desenvolvi- desenvolvimento das infra pouco eficiente na garan. operação e manutenção. projectando o seu correntes de gestão do PIP gabinete. info MINEA 3 . sulado do Engenheiro João competente. não só. da execução dos projectos tico é semelhante às restan. é apontado um e inovação intervenção do Plano de Se. ao 2ªcentral do Soyo. o progresso que está a ser também da capacitação destacar que o factor crítico agrícola.

Neste sentido. pro- das políticas de Comunicação da Comunicação Social e o sagens do titular do órgão a põe e desenvolve campanhas Institucional e Imprensa da GRECIMA. José Eduar. que se refere ao consumo da energia existe na Natureza em A energia é utilizada nas mais vindouras. de internet da instituição e de cretou. de energia dividem-se em dois seu consumo implica pensar na maiores problemas ambientais síduos. veis ou fósseis. para que diversas actividades do homem. ambos da Consti. As fontes lhor qualidade de vida. participa na or- serviço de apoio técnico dos ganização e serve de guia no Departamentos Ministeriais acompanhamento de visitas à e Governos Provinciais na instituição. pressupõe que se abandonem que possa existir vida no nosso face às preocupações com o hábitos de consumo incorrectos. para Comunicação Institucional e o efeito. colabora na elaboração gãos de comunicação social. Actual Conheça o GCII O Presidente da Re. um dos incrementar a produção de re. Programa de educação energética Poupar traz benefícios colectivos A palavra “energia” nativa ao modelo actual consiste quiramos hábitos mais amigos aparece frequen. de ser transformada. A ção do meio ambiente. para energéticos e com a crescente gética e a utilização racional da comunicarmos. no térmico nas nossas casas. podendo. planeta. Fontes não renová- assegurar o futuro das gerações alterações climáticas. A sociedade actual utiliza a indirectamente no meio que possa ser utilizada. técnica e institucional. dos de informação dos ór. os comuni.). pelo Ministério da Comuni- referida. gere a Marketing da Administração cas emanadas pelo Ministério cados e todo o tipo de men. divulga a de publicidade e marketing referida Instituição Pública. documentação e informação (GRECIMA). energia. Departamento Ministerial ou Comunicação Institucional e com as directivas estratégi. Governo Provincial. reflectem-se directa ou diferentes formas e. nos termos da alínea toda a comunicação digital g) do artigo 120º e do nº 3 do do órgão. define e organiza elaboração. Mas o limites. articuladas com as orienta- ção Institucional e Imprensa. bora os discursos. veicula pública. apresenta planos que esteja adstrito. devidamente O Gabinete de Comunica. a criação de Gabinetes de comunicação. facto e que urgentemente ad. produz conteúdos artigo 125º. necessita numa procura diária de me. Uma alter. É importante que tipos: Fontes renováveis ou al- preservação do ambiente para que o planeta enfrenta são as tenhamos consciência deste ternativas. recuso imprescindível para bulário e nas nossas vidas. implementação. ções estratégicas emanadas além de apoiar as instituições tunas. informativos para a divulga- tuição da República de Ango. como um pecializados. ela. todas as acções de formação coordenação e monitorização na sua área de actuação. A Energia é um temente no voca. ção nos diversos canais de la. etc. em promover o uso das ener. rar a iluminação e o conforto ternativas”para evitar a polui. gia para nos movermos. Precisamos da ener- esgotamento dos recursos privilegiando a eficiência ener. ção que se manifestem opor. Os nossos hábitos diários. elabora o Plano de da agenda dos titulares dos participa na organização de cação Social e o Gabinete de Comunicação Institucional Departamentos Ministeriais eventos institucionais do seu Revitalização e Execução da e Imprensa em consonância ou Governos Provinciais. contratar serviços es- Imprensa (GCII). do ambiente. propõe acções de comunica. energia como se não existissem nos rodeia (esgotar os recursos. actualiza o portal do dos Santos. de gestão de crise. de. órgão e responde aos pedi. 4 info MINEA . gias renováveis e. bem como actividade desenvolvida pelo sobre o órgão. obviamente. e divulga-a. energia. para assegu- utilização de energias ditas “al.

três programas. efeitos das estiagens. até Dezembro deste ano. o fornecimento de 2013 a 2017”. mas poderá melhorar O sistema vai permitir detectar se uma Rua Brasileira. destinado em 2017. no Kapalanca. em Viana substancialmente”. a ser concluído vinciais. João Baptista Borges revelou governos provinciais para mi. já beneficiou 80 por. A EPAL está a receber a cola. admite o horas ao dia. do Executivo angolano “Água sendo um para as capitais pro- para Todos”. cadastramento e condições para que. que o programa simultâneo. estejam tribuição de água potável em toda a criadas as condições para combater o extensão de Luanda seja melhorada ‘garimpo’ de água em tempo real ao lon.Huí. que em algumas províncias do nimizar o sofrimento das po.a provín- tirar parte “substancial” do cloro da controlo de clientes que consomem a cia possa ter a distribuição de água 24 água que a torna potável. Cunene. especialmente na 24 horas ao dia. turo. até 2018 . po’ de água na capital. pela ‘limpeza do peso’ contabilístico da nicípios. A EPAL tem água “nem sempre foi eficaz”. água. Sexta e Sétima avenidas. Leonídio introdução de um sistema de protecção Ceita. o segundo. info MINEA 5 . o Executivo está tam. da EPAL garante que estão a ser criadas do ‘garimpo’ para a saúde pública. Combate ao garimpo de água O combate ao ‘garimpo’ de água próprio presidente do Conselho de Ad- ao longo das condutas. electrónica. disse. dades rurais. Desafios Remanescentes do la. pulações. já ronda os 170 milhões de dólares. sas. por O sistema de gestão. O presi- conduta foi alterada ou mexida. “Não vai ser go dos muitos quilómetros de conduta. “Esta dívida é incobrável. no fu- “Repensar as actuais Estra. Cuando Cubango Acrescentou que a par destas Nessa expansão da rede de Programa de Acção do Sector e Benguela – estão a ser feitos medidas. Actual Projecto “Água para Todos” já beneficia 80 porcento da população O ministro da Energia e Águas. mas levámos Leonídio Ceita. anunciou o presidente do As dívidas. João Baptista Borges. em 2016. em em Luanda. identificados os novos pontos de ‘garim. sa Pública de Água de Luanda (EPAL). que pode passar distribuição de água nos diferentes mu. um trabalho bém a erguer nestas regiões ainda mais. vão permitir eliminar os tégias para Superação dos país afectadas pela seca . A medida é justificada o assunto à consideração do Governo como forma de assegurar uma melhor para encontrar solução. que conta com o apoio dos outros empreendimentos para água no país. subordinado ao tema. – Água para todos – dirigido O governante discursava no essencialmente ao forneci- acto de encerramento do 5º mento do líquido às comuni- Conselho Consultivo do MI. boração de três empresas estrangeiras Leonídio Ceita acredita que a dis- para permitir que. prevê-se melhorar Energia e Águas para os anos furos de água. a retenção da água que. e o terceiro água potável. afirmou recentemente. ao fornecimento de água a 132 cento da população rural com sedes municipais. poderá passar pela de Águas de Luanda (EPAL). e nas Quinta. de particulares e empre- conselho de administração da Empre. NEA. promete. dente do Conselho de Administração Leonídio Ceita alerta para o “perigo” no Cazenga. O ministro realçou na altu- ra. propõe o PCA da EPAL. que actualmente o seu pe- louro está a implementar. em ministração (PCA) da Empresa Pública Luanda. EPAL”.

estão O comissionamento dos di. assegurou que o país dispõe agora de condições energéticas suficientes para impulsionar a actividade in- dustrial sem restrições. REPORTAGEM Central 2 de Cambambe Primeira das quatro turbinas já em fucionamento No âmbito da dinâmica desenvolvida pelo ministro João Baptista Borges. tendo constatado o arranque do primeiro grupo gerador Cremildo Silva N a ocasião. do o cronograma da obra. que neste momento mês de Maio e compreendeu mento. na terça-fei- ra (30). que da. Joaquim Ventura. da. pa. deficit ao velho slogan segun. um pacote já na forja. proxima. seguindo os testes na tur- trangimentos. colmatadas. reforçar o fornecimento deste já beneficiam de acções em ensaios. uma vez mais a comunicação social foi chamada para. As debilidades A par disso. sem a presença de água. não somente reforçar o consumo doméstico de ener- gia. com paralelo. Uma vez concluída esta eta- distribuição serão. Joaquim Ventura. isto é. e assim aumentar a taxa de do o qual “o futuro pertence nas comportas. de. desta feita. que avaliou a evolução e optimização dos testes. da primeira unidade de produção de energia da segunda Central da Barragem Hidroeléctrica de Cambambe. que visa tribuição. O acto foi testemunhado pelo secretário de Estado da Energia. para a eliminação do trónicos e mecânicos à seco. deu-se início ao comis- 6 info MINEA . através de sistema de transportação e dis. constatar o arranque. condições para a afinação do mas de geração eléctrica. aos jovens”. que se registam no sistema de igualmente a ser criadas as versos equipamentos e siste. mas também impulsionar a industrialização do país. acesso à energia. To- das as províncias conectadas à rede de transportação a partir da Central Hidroeléctrica de Cambambe poderão usufruir mente. testes eléctricos. ainda o facto de se ter cumpri. conduta força- aconteceu sem grandes cons. sublinhou. O governante reconheceu que neste momento os ango- lanos acabam de ganhar um feito de grande dimensão que irá. gerador e transformador. maior incidência para Luan. elec- Joaquim Ventura ressaltou bem às cidades do país. ressaltou. o secre- tário de Estado da Energia. ram o seu início no passado directamente deste investi. bina.

que passa a ser a cota normal de operação do AH Cambambe. info MINEA 7 . Entretanto. Administração da Empresa de Produ. sincronizada à Capanda e. Joa- um período de 20 dias. sector técnico e infraestruturas. ou seja. Pedro também a construção de três novas su. é considerado um mar- co histórico. com a presença de água nos circuitos hi- dráulicos (circulação de geração). 220 e 60 Kilo. reconheceu a magnitude do projecto e destacou o facto de o mesmo absorver jovens como grande parte da mão-de-obra. em observância ao abasteci- mento da energia. Concluiu-se o altea- mento da barragem e o fechamento das com- portas na parte do vão central da barragem. futuramente. o que permitiu o inicio do enchimento da albufeira. Recorde-se que a turbina é a primeira de um grupo de quatro. acompanha o secretário de Estado. Além do presidente do Conselho de Júnior. O referido acto. sector. em regime experimental. An- produção de 175 Megawatts cada e vai volts (Kv). que funcionar. fa- zendo com que reforcemos a confiança já granjeada junto das estruturas supe- riores. gem de Laúca. Foi concluído o enchimento das condutas forçadas e o enchimento e fechamento das condutas forçadas. além de vários testes dinâmicos nos seus principais componentes. por de conexão entre Cambambe um e dois. com uma capacidade de com capacidades de 400. para que possamos zelar pelos equipa- mentos postos à nossa disposição. testemunharam o acto rede. que compõem a Central II do Complexo Hidroeléctrica de Cambambe. que irão suportar o sistema tónio Fernandes Rodrigues Belsa. no final do mês de Maio. por ser a maior unidade geradora no País. ção de Electricidade (PRODEL). e vários directores nacionais do bestações de transformação de energia. as águas irão subir até a elevação 130 m. “Estamos satisfeitos e isso exige de nós maiores responsabilidades. quim Ventura. Gerson Cor- deiro.sionamento “molhado”. com a barra. fazendo girar a turbina. Jovens como grandes impulsionadores J á o director de exploração da Cen- tral II de Cambambe. também em construção o vice-governador provincial para o A terceira fase do projecto contempla no mesmo curso.

e sua ingestão pode provocar graves danos à saúde. como bactérias.Ao diminuir a temperatura de lavagem da máquina de lavar roupa de 60°C para 40°C. à saúde e ao meio . Apesar da abundância.Uma lâmpada fluorescente usa 75% menos energia do que as típicas lâmpadas incandescentes. que são importantes para a saúde. a água limpa está cada vez mais cara e rara. também reduz a Directora: Neusa Cumbe sustentabilidade de rios e lagos. lagos ou águas costeiras.. tratar e distribuir a água é um pro- cesso bastante complexo. inodoro (sem cheiro). causada pelo crescimento po- pulacional e pelo mau uso dos recursos hídricos. protozoários. produzida pela água utilizada no sistema de Ficha Técnica refrigeração das usinas de energia. insípida (sem sabor) e insossa (sem sal). Encontrar. segunda fase do programa Nitratos e pesticidas utilizados na agricultura con. empregados nas indústrias. Além disso. cerca de 10%? zem detritos que são despejados directamente nos rios. car. como metais pesados.. Deve ter certa quantidade de sais minerais dissolvidos. ainda exis- tem milhões de pessoas sem acesso à água potável.A FECHAR Água Potável Sabia que. A poluição representa uma ameaça real à qualidade da água. cada um tomando um banho Poluição da Água de 5 minutos por dia pode economizar algumas dezenas de litros de água? A poluição da água. A água é um líquido incolor. A água cobre 70% da superfície da terra. ela deve estar livre de materiais tóxicos e micro-organismos. colectar. Estes animais fazem parte da cadeia ali- mentar humana. etc.5% do total. sendo muito caro e depende das condições. tem colocado em risco a qualidade da água superficial .Os Estados Unidos consomem 25% da energia mundial? organismos vivos e acumular-se nos tecidos dos peixes e crustáceos. . A poluição térmica. A água doce apropriada para o consumo humano. pode economizar até 50% do consumo de energia? e subterrânea da Terra. produ. Boletim informativo Cordenador Editorial: Joaquim Alves Ministério da Energia e Águas Redactor Repórter: Cremildo Silva Gabinete de Comunicação Assistente: Lusuka Pedro Institucional e Imprensa Avenida Cónego Manuel das Neves Paginação e acabamentos: Osvaldo Bala Telefone: 244 222 430 576/ 244 222 430 602 Luanda-República de Angola . Em breve.5% está em depósitos acessíveis ao homem.Com um chuveiro de baixo consumo de água. A Água Potável é toda água própria para o con- sumo. de educação energética a nivel nacional. taminam o lençol freático e são associados ao desen- volvimento de vários tipos de doenças. cor- responde a apenas 2. uma família de quatro pessoas.C.O frigorífico e congelador absorvem 30% do consumo ambiente. e duram 10 vez- es mais? .A electricidade foi descoberta pelo grego Tales por volta de 600 a. doméstico de electricidade e as máquinas de lavar e se- cádmio e mercúrio. O consumo de água per capita multiplicou-se por mais de dez vezes no último século porém. Estes detritos podem matar os . constatando que ao esfregar um pedaço de âmbar com um pano este atraía pequenos objectos? . Menos de 0. Produtos químicos tóxicos. essencial para a sobrevivência humana.