You are on page 1of 50

Capítulo

Como nasceu o Universo
1
O Big Bang

CIÊNCIAS NATURAIS • GRUPO 1 •
UNIVERSO
O cientista Louis Pasteur disse, certa
vez, maravilhar-se é o primeiro passo para Louis Pasteur (Dole, 27 de dezembro
o descobrimento. de 1822 – Marnes-la-Coquette, 28 de
Neste capítulo, começaremos a estu- setembro de 1895) foi um cientista fran-
dar o Universo em que vivemos. Claro cês. É lembrado por suas notáveis des-
que você já possui determinado conhe- cobertas sobre as causas das doenças e
cimento a respeito desse assunto e até o modo de preveni-las. Entre seus feitos
pode dizer: “mas de novo!" mais notáveis, pode-se citar a redução
Dessa vez, faremos diferente. Após a da mortalidade por febre puerperal e a
aula de hoje, olhe para o céu, faça per- criação da primeira vacina contra a raiva.
guntas e traga-as para debater com seu
professor e colegas de sala. Procure ter
essa rotina até o final desse assunto e,

BERT HANSEN COLLECTION, NEW YORK
provavelmente, depois de tudo, você es-
tará olhando para o céu e se maravilhan-
do com os astros e com os corpos celes-
tes. Quem sabe, em um futuro próximo,
estará dizendo: veja, filho (a), aquele bri-
lho é da estrela-d'alva, sabia que ela não
é uma estrela?
Você deve estar rindo, ao se imaginar
papai ou mamãe. Então, pense no seu
filho ao se levantar, abrir as janelas e di- Representação de Pasteur
zer: bom dia Sol! Você ficará maravilha- aplicando vacina contra raiva
do, por ter sido capaz de estimulá-lo a se
tornar um ser humano sensível, capaz de Pasteur ficou mais conhecido do públi-
observar e dar importância àquilo que co em geral por inventar um método para
está à sua frente, enquanto outros não impedir que o leite e outras bebidas cau-
percebem isto. sassem doenças, um processo que veio a
Quem sabe ele poderá fazer grandes ser chamado pasteurização, em sua ho- Depois dessa conversa
descobertas. Mas mesmo que não faça, menagem. Ele é considerado um dos prin- inicial, fazer uma pergun-
ele provavelmente viverá em harmonia cipais fundadores da microbiologia. ta: “como a ciência expli-
com o Universo e com o nosso planeta. A febre puerperal é uma doença que ca a origem disso tudo?”
E pensar que tudo isso que aconteceu ocorria nas maternidades, matando mi- Destinar não mais do
que 15 minutos para
está relacionado com o dia em que você lhares de mães e crianças. Esse nome essa especulação. Come-
começou a observar o céu. Então está descrevia a fase em que a enfermidade çar, então, a aula propria-
combinado, depois dessas aulas, comece ocorria: ela era observada no "puerpé- mente dita, explicando o
a observar o céu e faça perguntas sobre rio" – o período logo após o parto. Big Bang.
o Universo. O site da Nasa a seguir
é uma excelente fonte
de consulta para você,
professor, aprofundar
EF6P-14-11

Professor(a), seria interessante que os alunos come- momento certo para plantar. Como isso era possível?”
çassem lendo a citação inicial de Louis Pasteur. Usar Falar um pouco do céu, procurando despertar a seus conhecimentos em
essa citação para falar da importância da observação curiosidade dos alunos. Propor, para tanto, que eles relação aos conceitos
nas descobertas científicas. observem o céu. Como trabalho, sugerir que isso seja que serão discutidos:
Sem responder, fazer algumas perguntas, como, por feito em relação às fases da lua e pedir que desenhem. <http://imagine.gsfc.
exemplo: “os povos antigos não tinham a tecnologia Isso pode contribuir futuramente para melhor com- nasa.gov/docs/science/
que dispomos hoje, mas sabiam perfeitamente qual o preensão desse conteúdo. science.html>.
106 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Professor(a), este ca-
pítulo terá por objetivo
O que é o Universo? Vênus: a deusa do amor e da beleza fe-
desenvolver as seguin- Ao pesquisarmos em um dicionário o minina.
tes competências e ha- significado da palavra universo, encontra- Marte: o planeta vermelho, o deus da
bilidades: mos: conjunto de tudo que existe, os as- guerra.
– Compreender os tros e planetas, o cosmos, o sistema solar, Júpiter: maior planeta do Sistema So-
aspectos gerais da ori- a Terra e seus habitantes. lar; tem seu nome em honra ao deus mais
gem do universo e do
sistema solar.
Desde a Antiguidade até os dias de importante dos romanos, filho de Satur-
– Interpretar fenô- hoje, o homem busca compreender a es- no.
menos ou acontecimen- trutura do Universo e seus fenômenos. Saturno: pai de Júpiter, possui a maior
tos que envolvam co- Nessa busca, surgiram várias perguntas a translação observável, cerca de 30 anos,
nhecimentos a respeito respeito dele, como, por exemplo: os astrônomos gregos e romanos julgaram
do céu, apresentados tratar-se do guardião dos tempos, ou "Pai
em diferentes lingua-
gens como música, de-
Como surgiu? do Tempo".
senhos, textos e cartas Há quanto tempo? Urano: deus do céu, pai de Saturno e
celestes. Do que é formado? avô de Júpiter.
– Comparar os tama- Qual o seu tamanho? Netuno: conhecido como “Planeta
nhos dos astros perten- Como seus fenômenos podem influen- Azul”, foi batizado com o nome do deus
centes ao Sistema Solar ciar nossa vida? dos mares.
e as distâncias existen-
tes entre eles.
Com o desenvolvimento tecnológico e
Antes das explicações racionais e cien- científico, algumas daquelas indagações
tíficas, os homens interpretavam a ori- anteriores: (Como surgiu? Há quanto
gem do Universo com base em magia e tempo? Do que será formado? Qual o seu
religião. E, por muito tempo, eles asso- tamanho? Como seus fenômenos podem
ciaram fenônemos naturais aos caprichos influenciar nossa vida?) puderam ser satis-
dos deuses. fatoriamente respondidas pelos cientistas;
Antes de começar a
aula propriamente dita,
Os povos da Antiguidade Oriental, por outras, no entanto, ainda dependem de
estimular a curiosidade exemplo, consideravam deuses os astros e mais estudos.
dos alunos fazendo a as estrelas. Acreditavam firmemente que a
pergunta: como os ho- posição deles no céu influenciava suas vi- Big Bang
mens nos tempos anti- das desde o nascimento; nomearam algu- Uma das teorias mais aceitas para ex-
gos explicavam o Uni- mas constelações, concebendo os signos plicar a origem do Universo é conhecida
verso? Nos dias atuais,
como ele é explicado?
das pessoas de acordo com a vigência dos como Big Bang.
astros no céu. Assim, surgiram os doze sig- Em 1929, o astrônomo americano Edwin
nos do ano, que formam o zodíaco. Hubble (1889-1953) observou que a luz
Ainda nos dias atuais, encontramos pes- emitida por outras galáxias apresentava um
soas que acreditam em horóscopos, em deslocamento de tonalidade para o ver-
mapas astrais e fazem consultas astrológi- melho. Sabendo que as luzes emitidas por
cas para qualquer aspecto da vida, mesmo objetos luminosos que se afastam têm as-
que isso não tenha respaldo científico. pecto mais avermelhado, ele concluiu que
Conservamos até hoje alguns nomes as galáxias estariam se afastando umas das
da mitologia romana para denominar os outras. Portanto, há muito tempo, elas de-
planetas: viam estar bastante próximas.
Mercúrio: deus encarregado de en- Posteriormente, outros estudos desco-
viar as mensagens a Júpiter, move-se com briram que, além de se afastarem uma das
grande rapidez no céu, daí a origem do outras, as velocidades de afastamento das
EF6P-14-11

nome. galáxias estão sendo aceleradas.
Ciências Naturais \ Universo 107

A Professor(a), foi colo-
cado um esquema bem
simples para o aluno
entender o que acon-
tece com a luz quando
um objeto se afasta do
observador. Se for ne-
cessário, pode-se usar
B o espiral do caderno
como exemplo. O espi-
ral em estado original
representaria o aspecto
da luz tendendo para o
azul, quando o objeto
está próximo ao obser-
A luz emitida por um objeto se propaga na forma de ondas. vador. Com o espiral
esticado, a luz está ten-
dendo para o vermelho,
Quando o objeto está se aproximando quando o objeto se
do observador, as ondas de luz se compor- Edwin Hubble nasceu no dia 20 de afasta do observador.
tam como no esquema A, tendendo para o novembro de 1889, em Marshfield, Dessa maneira, fica cla-
ra a conclusão do astrô-
azul. Quando o objeto se afasta do obser- Missouri, Estados Unidos, e faleceu no nomo Edwin Hubble so-
vador, as ondas de luz parecem esticar um dia 28 de setembro de 1953 em San bre o afastamento das
pouco, como no esquema B, tendendo para Marino, na Califórnia. Ficou famoso galáxias.
o vermelho. por mostrar que o que se acreditava
Portanto, Edwin Hubble, ao verificar, por serem algumas nebulosas distantes, na
meio de um aparelho, que as luzes das galá- verdade, eram outros conjuntos de es-
xias tendiam para o avermelhado, concluiu trelas que também poderiam ser cha-
que elas estariam se afastando. madas de gálaxias, e que elas afastam-
As observações de Hubble contribuíram -se umas das outras a uma velocidade
para reforçar a ideia da expansão do uni- proporcional à distância que as separa.
verso, originalmente proposta pelo padre Seu nome foi dado ao primeiro telescó-
belga Georges Lamaître em 1927. Vários pio espacial, posto em órbita em 1990,
modelos matemáticos surgiram então para para estudar o espaço sem as distorções
descrever o movimento de afastamento causadas pela atmosfera.
das galáxias.
Após cerca de 20 anos de pesquisas
e debates na área, concluiu-se, com a O termo Big Bang (“grande explosão”)
contribuição importante do astrônomo foi proposto ironicamente pelo astrônomo
ucraniano George Gamow, que, antes da inglês Fred Hoyle durante um programa de
expansão do Universo, toda a energia de- rádio da BBC, em 1949, pois ele e outros
via estar em um único ponto, denomina- cientistas defendiam a teoria de um univer-
do singularidade. O modelo matemático so estático. No entanto, o termo Big Bang
atual que descreve a expansão do Uni- pode causar confusão, pois a teoria não fala
verso foi denominado teoria do Big Bang em explosão, mas numa expansão muito
ou modelo do Big Bang. Foi uma grande brusca do universo, como um balão sendo
revolução de pensamento na época, por- inflado rapidamente.
EF6P-14-11

que, até o começo do século XX, supunha- Sendo assim, o termo “explosão” deve
se que o Universo era estático. ser entendido no sentido de “expansão mui-
to rápida”. Atualmente, alguns estudos suge-
rem que o universo tenha aproximadamente
13,7 bilhões de anos.
108 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

NASA / WMAP SCIENCE TEAM
Representação esquemática do modelo do Big Bang, que propõe que toda
a energia estava concentrada num único ponto, extremamente pequeno
e quente, o qual se expandiu originando todo o Universo.

A estrutura do universo
Fred Hoyle (Bingley, Yorkshire, 24 Ao olharmos o céu à noite, é possível
de junho de 1915 — Bournemouth, observamos um grande número de estre-
Dorset, 20 de agosto de 2001) foi um las. Elas se dispõem de maneira que pode-
astrônomo britânico, famoso por algu- mos ordená-las de forma lógica, segundo
mas teorias que iam de encontro à opi- hierarquias. As estrelas normalmente se
nião científica corrente, e um escritor reúnem em grupos imensos, com formas e
de ficção científica, com alguns livros movimentos característicos. A esses grupos
coescritos por ele e seu filho, Geoffrey damos o nome de galáxias, as quais podem
Hoyle. Fred Hoyle passou a maior parte conter mais de 100 bilhões de estrelas.
da carreira no Instituto de Astronomia As galáxias se agrupam em aglomera-
da Universidade de Cambridge, do qual dos de galáxias, que podem conter de al-
foi diretor vários anos. gumas dezenas a milhares de galáxias. O
Hoyle foi o maior opositor que a teo- maior nível hierárquico do universo é o de
ria do "Big Bang" já teve. superaglomerados de galáxias, compos-
tos de dezenas de milhares de galáxias.
EF6P-14-11

Professor(a), o site da Nasa a seguir é uma excelente fonte de consulta para
você, professor(a), aprofundar seus conhecimentos quanto à estrutura e à hie-
rarquia do universo.
<http://heasarc.nasa.gov/docs/cosmic/nearest_superclusters_info.html>.
Ciências Naturais \ Universo 109

As galáxias Geralmente, as galáxias são formadas Professor(a), esta par-
te foi concebida para
por bilhões de estrelas, planetas, gases e possibilitar aos alunos
No início do século XX, o astrônomo poeira cósmica que giram ao redor de um noções de astronomia,
norte-americano Edwin Hubble, utilizando centro comum, por atração. As maiores da origem do Universo
o melhor telescópio disponível na época, possuem mais de 1 trilhão de estrelas e as e do Sistema Solar.
mostrou a existência de um enorme agru- menores, aproximadamente 100.000 es- Começar conceituan-
do uma galáxia e seus
pamento de estrelas, que lembrava uma trelas. formatos. Enfatizar a
nuvem. O tal sistema de estrelas foi deno- Acredita-se que existam bilhões de ga- forma da nossa galáxia.
minado galáxia, palavra de origem grega láxias no Universo, geralmente de forma Procure deixar bem cla-
(galaksias), que significa círculo leitoso. espiral ou elíptica. ro que o Sistema Solar
está localizado na Via
Láctea.

URBANA), STSCI / ESA / NASA
PROPULSION LAB), J. MOULD (NOAO), Y.-H. CHU (UNIVERSITY OF ILLINOIS,
K. KUNTZ (JHU), F. BRESOLIN (UNIVERSITY OF HAWAII), J. TRAUGER (JET
Em relação ao ano-
-luz, é importante refor-
çar que se trata de uma
unidade de distância, e
não de tempo.
ESO

A NGC 1.232 é um exemplo de A M105 é uma galáxia elíptica.
galáxia espiral.

A nossa galáxia é a Via Láctea e nela As distâncias são tão imensas no Uni-
encontramos o Sistema Solar, ao qual per- verso que seria inútil tentar utilizar nossas
tence o nosso planeta, a Terra. A Via Láctea medidas, como o metro ou o quilômetro,
possui estrutura espiral, formada por um para determiná-las. Por isso, é utilizado o
núcleo denso e luminoso. ano-luz, que representa a distância que a
A Via Láctea, em sua espiral, comporta luz percorre em um ano. Como a velocida-
aproximadamente 200 bilhões de estrelas. de da luz é de 300.000 km/s, sabemos que
Aparece como um disco, no qual o centro ela percorre 9,5 trilhões de quilômetros
é um núcleo de forma oval. em um ano. Portanto, o ano-luz é uma uni-
dade que mede distância.
EF6P-14-11
110 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

JPL-CALTECH / NASA
Esquema da Via Láctea: próximo ao Esporão de Órion, encontra-
-se o Sistema Solar, ao qual pertence o nosso planeta, a Terra.

O diâmetro da Via Láctea é de aproxi-
madamente 100.000 anos-luz e sua espes-
sura é de cerca de 20.000 anos-luz. Nossa

HUBBLE COLLABORATION
NASA, ESA, AND THE HUBBLE HERITAGE TEAM (STSCI/AURA)-ESA/
estrela, o Sol, está localizada a aproxima-
damente 25.000 anos-luz do centro da Via
Láctea.
Uma galáxia próxima da Terra é a Gran-
de Nuvem de Magalhães, que está situada
a 170 mil anos-luz de distância.
O navegador português Fernão de Ma-
galhães fez referência a essa "nuvem" em
suas anotações de viagens. Ela pode ser
avistada quando as condições do céu são
EF6P-14-11

boas, assim como um braço da Via Láctea.
Essa galáxia é classificada como uma galá-
xia irregular anã.
A Grande Nuvem de Magalhães é
uma galáxia próxima da Terra.
Ciências Naturais \ Universo 111

A imagem, chamada de Blazing Bristlecone,
mostra galhos retorcidos de uma árvore
TOM LOWE / TIMESCAP E S

antiga alinhados com a visão de um braço
da nossa galáxia Via Láctea. A Via Láctea é
um disco plano com estrutura de estrelas,
gás e poeira com mais de 100 mil anos-luz
de diâmetro. O Sol encontra-se dentro do
disco, cerca de dois terços do caminho para
fora do centro, por isso vemos a Via Láctea
como uma faixa brilhante circundando
o céu. Essa imagem está mostrando o
centro da nossa galáxia, 26 mil anos-luz de
distância, onde nuvens escuras de poeira
mancham a luz de estrelas mais distantes.

O Universo

segundo a formado por
distância
Ciência bilhões de
medida pelo

ideia
surgiu de uma reforçada
pelo galáxias ano-luz
grande expansão
afastamento
das

que é a
conhecida podem ter duas
formadas formas principais
como
por bilhões
de distância que
a luz percorre
em um ano, à
teoria do velocidade de
Big Bang elíptica espiral 300.000 km/s

igual a
Ex:
estrelas a Fornax A. Ex: a Via Láctea
9,5 trilhões de
quilômetros
EF6P-14-11

onde se localiza
o Sistema Solar
112 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Professor(a), nesta
atividade, falar um pou-
As estrelas longo de milhões de anos de atividade, o
co sobre as estrelas de gás hidrogênio, um dos gases que constitui
maneira geral; comen- As estrelas são corpos celestes forma- as estrelas, é consumido em reações nu-
tar a classificação delas dos por uma enorme quantidade de gases cleares no seu interior e transforma-se em
em função das cores, e de poeira cósmica condensados e que gás hélio. Isso resulta no aumento do volu-
as quais estão rela- apresentam luz própria. A luz que vemos é me estrelar. Em razão disso, a temperatura
cionadas a valores de
temperatura, mas não
apenas parte da energia que elas emitem da estrela vai diminuindo e o calor irradia-
se preocupar em cobrar no espaço. do é modificado. Assim, podemos dizer
esses valores. Quanto à que as estrelas, dependendo do tamanho,
evolução das estrelas, Como são as estrelas? da temperatura superficial e da luminosi-
ou seja, o seu ciclo de A temperatura interna das estrelas é dade, produzem cores diferentes e, assim,
vida, explicar de ma- da ordem de milhares de graus Celsius. Ao podem ser classificadas pela cor.
neira resumida a sua
formação. Deixar claro
que, no final da vida, as
estrelas podem originar
uma anã branca, uma Cor Temperatura superficial °C
estrela de nêutrons ou
um buraco negro. Azul 11.000 °C a 40.000 °C

Branca 6.000 °C a 11.000 °C

Amarela 5.000 °C a 6.000 °C

Alaranjada 4.000 °C a 5.000 °C

Vermelha 3.000 °C a 4.000 °C

Mas como podemos relacionar a cor tra que se mostra amarela, apresentando
da estrela com idade e consumo de com- muito combustível para ser consumido em
bustível? suas reações nucleares.
Quando se coloca uma barra de ferro Uma estrela pode, ainda, ser consi-
numa fornalha em funcionamento, ela ini- derada de tamanho médio, como o Sol,
cialmente fica avermelhada, à medida que quando apresenta um diâmetro por vol-
a temperatura vai aumentando, a cor vai ta de 1,5 milhão de quilômetros. Já uma
mudando, até ficar branco-azulada. estrela gigante, ou supergigante, pode al-
Portanto, de acordo com a tabela, uma cançar de 100 a 1.000 vezes o tamanho
estrela de cor azul é mais jovem que ou- do Sol.

EF6P-14-11
Ciências Naturais \ Universo 113

Antares

Betelgeuse

Sol Sirius Pollux Ascturus Rigel Aldebaran

Comparação dos tamanhos de algumas estrelas. O Sol corresponde
ao menor pontinho, à esquerda da imagem.

A evolução das estrelas
As estrelas se formam a partir de nu-
vens de gás e poeira interestelar. Em vá-
C.R. O'DELL (VANDERBILT UNIVERSITY) / ESA / NASA

rios pontos dessas nuvens, porções de
gás e poeira começam a se contrair e a
concentrar matéria. As nebulosas são
locais onde esse processo pode ocorrer,
sendo, por isso, conhecidas como berços
de estrelas. Por esse motivo, elas são
muito maiores que as estrelas. A nebu-
losa de Órion, por exemplo, é 500 vezes
maior que o Sol. Nebulosa de Hélix,
uma das mais
próximas da terra.
EF6P-14-11

As nebulosas são
formadas por gases
e poeira cósmica.
114 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

No interior das nebulo-
Evolução das estrelas
sas, essa concentração inicial
de matéria começa a formar
a protoestrela, um corpo de
região central esférica, com-
posto principalmente de gás
hidrogênio.
A grande pressão nos ga- Nebulosa
ses que estão na região central
provoca aumento da tempe-
ratura e, assim, iniciam-se as
reações nucleares, em que o
hidrogênio é transformado em
hélio. A energia produzida nes- Gigante vermelha
sas reações é emitida para o
Supergigante vermelha
espaço na forma de ondas ele-
tromagnéticas, inclusive luz vi-
sível. Assim nasce uma estrela.
Tudo isso ocorre durante
milhões ou bilhões de anos,
enquanto a estrela tiver o seu Nebulosas planetárias
Supernova
principal combustível, o hi-
drogênio. Depois que grande
parte do hidrogênio for utiliza-
da, a parte externa da estrela Anã branca
expande, a sua superfície se
resfria e ela assume uma colo-
ração vermelha, sendo deno-
minada, nesse momento, de Buraco negro Estrela de nêutrons
gigante vermelha. Em alguns
casos, ocorre uma nova expan- Evolução estelar. Dependendo da quantidade de
são da estrela e ela se trans- matéria, uma estrela na fase de supernova, originada
forma em uma supergigante de uma gigante vermelha, transforma-se em uma
vermelha. estrela de nêutrons ou em um buraco negro. Estrelas
Nessas duas fases, quan- de menor massa, na fase gigante vermelha, aumentam
do o combustível nuclear se de volume, originando nebulosas planetárias, as
esgotar, a temperatura au- quais se contraem, originando uma anã branca.
mentará muito e ocasionará a
contração da estrela. Em estrelas muito grandes, a quantidade de energia liberada em
pouco tempo é tão grande que ela explode, num grande espetáculo, o que caracteriza
a fase de supernova. Estrelas menores transformam-se em nebulosas planetárias.
Todo esse processo pode demorar bilhões de anos. Dependendo da quantidade
de matéria que a velha estrela possua, o que sobra no núcleo pode se transformar em
uma estrela de nêutrons, pequeníssima e muito densa, ou em buraco negro, onde a
massa da estrela se torna tão comprimida num certo ponto que atrai tudo que passa
EF6P-14-11

por perto, nem mesmo a luz escapa da sua gravidade. No caso de estrelas que só evo-
luem até a fase de gigante vermelha e formam as nebulosas planetárias, o núcleo se
contrai e origina uma estrela pequena, densa e fria, chamada de anã branca, sendo o
fim das muitas estrelas parecidas com o Sol.
Ciências Naturais \ Universo 115

A explosão de uma supernova lança cálcio, enxofre, ferro e outros elementos.
para o espaço tudo aquilo que foi produ- Todos esses elementos estão presentes
zido no interior da estrela por reações nu- nos seres vivos. Portanto, como disse cer-
cleares, como hélio, carbono, nitrogênio, ta vez o astrônomo americano Carl Sagan:
oxigênio, sódio, potássio, cloro, magnésio, ‘‘somos todos poeira das estrelas”.

Carl Edward Sagan (Nova York, 9 de novembro de 1934 — Seattle, 20 de dezembro
de 1996) foi um cientista e astrônomo dos Estados Unidos. Em 1960, obteve o título
de doutor pela Universidade de Chicago. Dedicou-se à pesquisa e à divulgação da as-
tronomia, como também ao estudo da chamada exobiologia. Foi um excelente divul-
gador da ciência (considerado por muitos o maior divulgador da ciência que o mundo
já conheceu).
Com sua formação multidisciplinar, Sagan foi o autor de obras como Cosmos (que
foi transformada em uma premiada série de televisão), Os dragões do Éden (pelo qual
recebeu o prêmio Pulitzer de Literatura), O romance da ciência, Pálido ponto azul e O
mundo assombrado pelos demônios.

Estrelas

formadas em regiões principal
classificadas
do interior das combustível
pelas
nebulosas

azul
o hidrogênio, o qual é
pela concentração de branca
transformado em hélio, emite
gás e poeira cósmica, cores amarela
iniciando as reações luz
originando uma protoestrela alaranjada
nucleares
vermelha
depende
expansão ocorre

pequena dependendo grande
do tamanho da da temperatura da quantidade
estrela da massa estrela
estrela superficial de combustível

altas baixas

esgotamento de
gigante vermelha combustível super gigante vermelha estrelas jovens estrelas velhas
(explosão) (azuis) (vermelhas)
EF6P-14-11

anã branca estrela de buraco
nêutrons negro

pode ocorrer
com o Sol
116 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

O Sol e o Sistema Solar O Sol é formado por uma região cen-
tral, o núcleo, onde ocorrem reações nu-
O Sol cleares violentas e de onde muita energia
O Sol parece ser a maior das estrelas é transmitida em direção à superfície, por
porque é a mais próxima da Terra. Por irradiação e também por movimentos de
essa razão, também é a mais conhecida e convecção. Essa energia passa por uma
a mais estudada. Ele formou-se há aproxi- zona radiativa, logo após o núcleo, e atin-
madamente cinco bilhões de anos, e os es- ge a zona convectiva. Dessa região, a ener-
tudos mostram que continuará brilhando gia gerada internamente no Sol é transpor-
por mais outros cinco bilhões de anos. tada para a sua superfície.
É uma estrela amarela e, portanto, de A superfície solar é denominada fotos-
meia-idade. Sua temperatura superficial fera, uma região visível a olho nu, espes-
alcança 6.000 °C e, no seu interior, pode sa, com cerca de 500 km. Nessa região, é
atingir 15 milhões de graus. O Sol é cons- possível se identificarem as manchas sola-
tituído aproximadamente de 74% de gás res, que são regiões em que há redução de
hidrogênio, 25% de gás hélio e de menores temperatura e pressão das massas gasosas
quantidades de outros elementos, como do Sol, em razão de alterações do seu cam-
o oxigênio, o carbono, o ferro e o nitrogê- po magnético. E também as granulações
nio. É 330.000 vezes maior em massa e solares, pois a fotosfera não é lisa, mas
1.300.000 vezes maior em volume quando cheia de granulações brilhantes no centro.
comparado com a Terra e está localizado A atmosfera solar é formada pela fo-
a uma distância média de 150 milhões de tosfera, pela cromosfera, uma fina cama-
quilômetros de nosso planeta. da avermelhada logo acima da fotosfera,
e pela coroa solar, a parte mais externa
e extensa. Nela, proeminências se expan-
dem com os ventos solares.

Proeminências

Cromosfera
Coroa

Zona
convectiva
Zona
radioativa
Núcleo
Fotosfera

O núcleo é o centro do Sol, onde Manchas
ocorrem as reações nucleares. A zona
convectiva transporta essa energia
EF6P-14-11

para a superfície, onde podem ser
observadas proeminências solares.
Ciências Naturais \ Universo 117

O Sistema Solar vem de gases e poeira cósmica, conhecida
O Sistema Solar é constituído pelo Sol, como nebulosa solar.
planetas, satélites, asteroides, meteoroi- Durante esse processo, a velocidade de
des, cometas e poeira cósmica. Quase rotação dessa nuvem aumentou progressi-
a totalidade da massa do Sistema Solar vamente, fazendo-a assumir o formato de
encontra-se no Sol. Graças a essa grande um disco achatado. Em seu centro, onde
quantidade de massa, o Sol exerce uma acumulou-se a maior parte do material,
poderosa força de atração sobre os demais formou-se o Sol. Em torno do Sol, então,
corpos, fazendo-os orbitar ao seu redor. gases e poeira cósmica em rotação forma-
Acredita-se que o Sistema Solar tenha ram aglomerados que originaram, progres-
se formado há aproximadamente 5 bilhões sivamente diversos protoplanetas, restan-
de anos a partir de um lento processo de do hoje oito corpos planetários principais,
contração e rotação de uma enorme nu- além de cometas e meteoroides.

B. Grande parte do material concentrou-se no centro.

A. A nebulosa solar
em contração
iniciou a sua
rotação.

C. A massa restante de gases e poeira aglomerou-se
progressivamente em torno de oito corpos principais.

D. Estabilizado o Sistema Solar, a matéria cósmica
ficou essencialmente reunida no Sol e uma pequena
parte formou os planetas e os seus satélites.

Representação das etapas da formação do sistema solar
EF6P-14-11

O Sistema Solar está situado na peri- Os planetas que se formaram ao redor
feria da Via Láctea, uma galáxia formada do Sol, ao longo de bilhões de anos, com-
por centenas de bilhões de estrelas, que se põem o Sistema Solar e são classificados
movem de forma complexa. segundo sua distância em relação ao
118 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Professor(a), em re-
lação a este conteúdo,
Sol. Assim, os mais próximos, conhecidos Cada um deles apresenta cores e ca-
espera-se que o aluno como planetas internos, são, na ordem racterísticas próprias e nenhum deles
desenvolva as seguintes de afastamento do Sol, Mercúrio, Vênus, emite luz própria. Entre os planetas in-
competências e habili- Terra e Marte. Os mais distantes, conhe- ternos e externos há um cinturão de as-
dades: cidos como planetas externos, são, na or- teroides.
– Compreender os as- dem, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.
pectos gerais da origem
do Universo e do Siste-
ma Solar.
– Comparar tama-
nhos e distâncias rela-
tivas dos astros perten-
centes ao sistema solar.
Sol
Mercúrio
Vênus

Terra Marte
Júpiter

Saturno

Urano

Netuno

Representação fora de escala do Sistema Solar. Observe o
Sol e os planetas que orbitam ao seu redor.

Os planetas do tamanho em relação aos demais. As tem-
peraturas mais baixas após Marte favore-
Sistema Solar e outros ceram a formação de planetas muito maio-
corpos celestes res, chamados de gigantes gasosos. São
Além de matéria e força da gravidade, grandes esferas de gás comprimido, como
um dos fatores que influenciaram no tipo hidrogênio e hélio.
de formação dos planetas foi a distância Portanto, de acordo com essas carac-
deles em relação ao Sol. As altas tempe- terísticas, os planetas do Sistema Solar
raturas nas proximidades do Sol favorece- são divididos em dois grandes grupos:
ram a formação de planetas rochosos ao planetas internos, ou rochosos, e plane-
EF6P-14-11

seu redor. Esses planetas possuem menor tas externos, ou gasosos.
Ciências Naturais \ Universo 119

Planetas interiores: Mercúrio, Vênus, Terra e Marte – são de natureza
rochosa, de pequeno tamanho e de rotação lenta.

WASHINGTON / NASA
LABORATORY/CARNEGIE INSTITUTION OF
JOHNS HOPKINS UNIVERSITY APPLIED PHYSICS
Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol
e o de menor tamanho. Em 1974, a sonda
Mariner 10 mostrou que ele apresenta uma
superfície semelhante à nossa Lua, marcada
por crateras, resultante do impacto de
diversos corpos celestes, como meteoritos.

Planeta Mercúrio

JPL / NASA
Vênus é conhecido poeticamente como
estrela-d´alva ou estrela vespertina, podendo
ser visto ao amanhecer ou ao entardecer.
Apresenta atmosfera densa e opaca, com
grande quantidade de gás carbônico, o que
gera um grande efeito estufa, elevando a
temperatura da superfície a quase 500 °C.
A sonda Magalhães mostrou uma superfície
com crateras imensas, vulcões e um canal
que o serpenteia ao longo de 6.800 km.

Planeta Vênus NASA

A principal característica do planeta Terra
é o conjunto de condições que favorecem
a existência de muitas formas de vida.
A Terra exibe uma atmosfera azul, como
resultado da reflexão dos raios solares nas
moléculas de oxigênio e nitrogênio. 70%
de sua superfície é coberta por oceanos.

Planeta Terra
EF6P-14-11
120 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Marte, chamado de planeta vermelho,
possui aproximadamente metade do
tamanho da Terra. Pode ser visto a olho

NASA
nu porque apresenta no solo elevado
nível de óxido de ferro e uma coloração
avermelhada de brilho intenso.
Marte parece ser um planeta que sofreu
grandes mudanças na superfície, e é possível
que haja água líquida, concentrada em
pequenas profundidades no subsolo. Possui
enormes vulcões, entre os quais o Monte
Olimpus, o maior vulcão conhecido do
Sistema Solar e um enorme cânion, o Valles
Marineris, que cruza o planeta em sua porção
equatorial. Marte possui calotas polares de
gelo e de gelo seco (gás carbônico sólido). Planeta Marte

Planetas exteriores: Júpiter, Saturno, Urano e Netuno – são gigantes
gasosos que correspondem a enormes esferas de gás comprimido.

Júpiter é um globo achatado, com franjas
de nuvens paralelas, na altura da linha

JPL/USGS / NASA
do Equador e que mostram uma grande
movimentação. Esse gigante gasoso é
o maior planeta do Sistema Solar; seu
diâmetro é cerca de 11 vezes maior que o
da Terra e seu volume é 1.300 vezes maior
que o da Terra. A composição de Júpiter
é parecida com a do Sol, sendo formado
principalmente por gás hidrogênio e gás
hélio. Ao seu redor apresenta 3 finos anéis.
Planeta Júpiter
NASA AND THE HUBBLE HERITAGE TEAM (STSCI/AURA)
ACKNOWLEDGMENT: R.G. FRENCH (WELLESLEY COLLEGE), J. CUZZI
(NASA/AMES), L. DONES (SWRI), AND J. LISSAUER (NASA/AMES)

Saturno é inconfundível pela presença
de belos anéis compostos de partículas
geladas. É o segundo maior planeta
do Sistema Solar e o último que pode
ser visto a olho nu. Sua composição é
semelhante à de Júpiter e à do Sol, sendo
formado por gás hidrogênio e gás hélio.

Planeta Saturno
EF6P-14-11
Ciências Naturais \ Universo 121

Urano foi descoberto em 1781 e,

JPL / NASA
devido aos gases de sua atmosfera,
apresenta a cor azul-esverdeada.
A atmosfera do planeta Urano é formada
por gás hidrogênio, gás hélio e gás
metano em menor quantidade, o qual é
responsável pela coloração azulada.
Urano, como todo gigante gasoso,
também apresenta um sistema de anéis.
Foram descobertos em 1977 e até hoje
são conhecidos 11 anéis, mais escuros
e mais estreitos que os de Saturno.
Planeta Urano

Netuno, considerado um planeta quase
gêmeo de Urano, é o oitavo planeta do

JPL / NASA
sistema solar. Netuno também possui anéis
bastante escuros como os de Júpiter e Urano.
A atmosfera em Netuno é densa, formada
por gás hidrogênio, gás hélio e gás metano.

Planeta Netuno

Os planetas anões
Os planetas anões, assim como os planetas, orbitam o Sol e sua gravidade é suficiente
para lhes dar forma aproximadamente esférica, porém apresentam massas menores e
são incapazes de "limpar" a vizinhança das suas órbitas, isto é, removerem pequenos
Professor(a), esse con-
corpos cujas órbitas os levem a colidir, capturar ou sofrer perturbações gravitacionais. teúdo está sendo trata-
Um exemplo é Ceres, que, localizado no cinturão de asteroides, possui o caminho de sua do como uma informa-
órbita repleto daqueles pequenos astros. ção complementar. Não
há nenhum exercício
Netun

sobre o assunto.
Éris
Urano

NASA
o
Saturn

Atualmente,
conhecem-se cinco
o
Júpite

planetas anões
Marte
Terra

no Sistema Solar,
r
Vênus

Plutão
Mercú

são eles: Ceres,
Plutão, Haumea,
Sol Makemake e Éris,
rio

sendo os quatro
EF6P-14-11

Makemake
últimos do tipo
Cometa plutoide, ou seja,
Ceres planetas anões que
orbitam para além
da órbita de Netuno.
122 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Titã Ganimedes
(satélite de Saturno) (satélite de Júpiter)
Lua
Tritão (satélite da Terra)
Plutão Éris
Ceres (satélite de Netuno)

Planetas anões
952 2.302 2.706 3.000 3.474 5.150 5.262
Diâmetro em quilômetros

A – J. PARKER (SOUTHWEST RESEARCH INSTITUTE), P. THOMAS
(CORNELL UNIVERSITY), AND L. MCFADDEN (UNIVERSITY OF Os planetas anões são menores que muitas luas do Sistema Solar, mas ainda
MARYLAND, COLLEGE PARK) / ESL / NA A mantêm o status de planeta porque orbitam uma estrela.
B – ALAN STERN (SOUTHWEST RESEARCH INSTITUTE),
MARC BUIE (LOWELL OBSERVATORY) / ESA / NASA
C – JPL / NASA
D – NASA
E – NASA
F – SPACE SCIENCE INSTITUTE / JPL/ NASA
G – NATIONAL OCEANIC AND ATMOSPHERIC ADMINISTRATION

Satélites Cometas
A formação dos satélites naturais foi se- Os cometas são menores que os asteroi-
melhante à dos planetas. Os satélites natu- des. Segundo os cientistas, é provável que os
rais são corpos celestes que giram em tor- cometas sejam corpos celestes originados
no dos planetas, como, por exemplo, a Lua nas partes mais externas do Sistema Solar
em torno da Terra. Os satélites não têm luz durante a sua formação. São constituídos
própria, eles são astros iluminados. principalmente por material gasoso e giram
Dos planetas do Sistema Solar, apenas em torno do Sol em órbitas distantes que du-
Mercúrio e Vênus não apresentam sa- ram anos, por exemplo, o cometa Halley se
télites, a Terra possui um satélite, a Lua, aproxima da Terra a cada 76 anos.
Marte possui dois satélites. Os demais pla- Os cometas apresentam um núcleo só-
netas, os gigantes gasosos, apresentam vá- lido, formando um bloco de poeira e gases
rias luas, ou seja, vários satélites naturais. congelados, compostos de gás carbônico,
metano, amônia, água e alguns minerais.
Cinturão de asteroides Quando os cometas se aproximam do Sol,
Entre as órbitas dos planetas Marte e o calor faz o núcleo passar diretamente do
Júpiter existe um cinturão de asteroides estado sólido para o estado gasoso, forman-
formados por vários corpos rochosos, ir- do uma esfera de gás e poeira ao seu redor,
regulares e de diversos tamanhos. Segun- chamada cabeleira, ou coma, e uma ou mais
do os cientistas, é provável que os aste- caudas, também de gás e poeira. A cauda do
roides não conseguiram unir-se em único cometa, ao se formar, reflete a luz do Sol;
EF6P-14-11

planeta devido à influência gravitacional quando o cometa se afasta do Sol, a cauda se
de Júpiter. desfaz, ficando apenas um núcleo sem brilho.
Ciências Naturais \ Universo 123

Cauda de gás e poeira
Núcleo sólido

O núcleo de um cometa pode
chegar a dezenas de quilômetros,
a cabeleira, a milhares e a cauda,
Cabeleira de gás e poeira
a milhões de quilômetros.

Em sua órbita, a cabeleira e a
cauda de um cometa são formadas
à medida que ele se aproxima do
Sol e desfazem-se à medida que se
afasta. A cauda do cometa sempre
aponta para o lado contrário do Sol.

Meteoroide, meteoro
e meteorito

SETI INSTITUTE / NASA
O nome meteoroide não é muito co-
nhecido, ao contrário de meteoros e me-
teoritos, palavras tratadas incorretamente
como sinônimos.
Meteoroides são corpos celestes que
vagam no espaço antes de colidir com a
nossa atmosfera. Podem ser blocos rocho-
sos ou de alumínio, por exemplo, e de ta-
manhos variados.
Quando um meteoroide penetra na at-
EF6P-14-11

mosfera da Terra, gera calor por atrito, sendo
fragmentado e tornando-se incandescente;
deixa um rastro luminoso no céu, fenômeno Meteoro: fenômeno luminoso conhecido
chamado de meteoro, o qual é conhecido como estrela cadente; ocorre quando um
popularmente como estrela cadente. meteoroide entra na atmosfera terrestre e,
devido ao atrito, torna-se incandescente.
124 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Meteorito é o meteoroide que consegue vencer a atmosfera
da Terra e chocar-se contra a sua superfície, podendo causar da-
nos, dependendo de onde cair e de seu tamanho.

NASA
Imagem de um meteorito sem escala

WALTER G ARCE / SHUTTERSTOCK.COM

EF6P-14-11

Cratera provocada por um meteorito no estado do Arizona, Estados Unidos
EF6P-14-11

O Sistema Solar

constituído
pelo (s)
está
situado

formado há
5 bilhões de anos
Ciências Naturais \ Universo

na periferia giram em giram em
Sol torno do planetas torno dos satélites
da Via Láctea

a partir da no núcleo
nebulosa solar dessa estrela Ex:
Lua
os os
ocorrem reações interiores exteriores
núcleares, liberando são são
uma em muito energia

grande nuvem dessa lento processo rochosos, gigantes,
de gás e de contração pequenos e de gasosos e de
poeira cósmica e rotação rotação lenta rotação rápida

Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, onze Saturno, Urano, Netuno,
o mais a "estrela- possui o planeta vezes maior anéis de coloração o oitavo
próximo -d'alva" vida vermelho que a Terra partículas azulada planeta do
do Sol geladas Sistema Solar
125
126 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Outros corpos celestes
do sistema solar

asteroides
planetas cometas meteoroides
anões
corpos rochosos
formado por blocos rochosos que
irregulares
gases congelados vagam no espaço
são
giram em torno localizado entre
ao entrar
do Sol em órbitas as órbitas de
na atmosfera
que duram anos Marte e Júpiter
(cometa Halley)

menores que incapazes de limparem
muitas luas a vizinhança de formando o
suas órbitas cinturão
de asteroides
fragmentam-se, os que atingem
originando meteoros, a superfície são
"estrelas cadentes" os meteoritos

EF6P-14-11
Capítulo
Como nasceu o Universo
1
Atividade 1 • O Big Bang

CIÊNCIAS NATURAIS • GRUPO 1 •
UNIVERSO
Exercícios de Aplicação
01) Utilizando uma caneta, desenhe pe- 02) Por meio de quais dados é possível
quenas estrelinhas em vários pontos da apoiar a teoria mais aceita sobre a origem
superfície de um balão. Encha-o vagarosa- do Universo?
mente e observe o que ocorre com a posi-
ção das estrelas desenhadas. Pare de vez Por meio da análise da luz emitida pelas es-
em quando e observe as novas localiza- trelas e da velocidade com que estes corpos
ções e os novos tamanhos dos corpos de- celestes se afastam continuamente, é pos-
sível comprovar que talvez isso ocorra em
senhados. Encha o máximo que conseguir, razão de uma expansão inicial, ocorrida há
mas de modo que não estoure o balão. Os bilhões de anos.
resultados dessa experiência podem ser
comparados com o que ocorre com o Uni-
verso? Por quê?
Sim, pois durante o enchimento dos balões
os objetos desenhados foram se afastando.
Portanto, podemos imaginar o balão como
se fosse o universo em expansão.

Professor(a), coloca-
mos, neste exercício de
aplicação, um experi-
mento simples para fa-
cilitar o entendimento
desse conteúdo. Você
03) Astronomia é a ciência que estuda os pode demonstrar, mas
corpos celestes e sua organização no espa- o ideal seria que todos
ço. Descreva, com suas palavras, como o os alunos tivessem o
seu balão para pintar.
Universo começou. No exercício 2, traba-
De acordo com a teoria do Big Bang, tudo lha-se o fato do aspec-
começou com uma grande expansão, que to avermelhado da luz
ocorreu há cerca de 13,7 bilhões de anos. para compreender a
expansão do Universo.
Os Propostos são exer-
cícios simples para re-
forçar a compreensão
dos conceitos básicos.
EF6P-14-12
128 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Exercícios Propostos
04) Segundo dados matemáticos, o universo surgiu há aproximadamente 13,7 bilhões
de anos, quando toda a matéria encontrava-se concentrada num único ponto e, então,
expandiu-se rapidamente como uma grande explosão.
Qual é o nome popular da teoria que considera a origem do universo a partir de uma
expansão brusca da matéria?
a. Big Crunch
R.: B b. Big Bang
c. Singularidade
d. Supernova
e. Nebulosa

05) Os esquemas A ou B representam o que acontece com as ondas de luz em determi-
nadas situações. “Qual das duas situações foi usada para reforçar a ideia defendida na
teoria de Edwin Hubble”? Justifique sua resposta.

A

B

O esquema B, pois quando o objeto se afasta do observador a luz tende a apresentar aspecto aver-
melhado, e foi assim que ele concluiu que as galáxias estariam se afastando umas das outras.

06) O Universo apresenta uma estrutura que pode ser organizada em níveis de hierar-
quia. Reescreva os níveis de hierarquia em ordem crescente: Universo, estrela, aglomera-
dos de galáxias, superaglomerados de galáxias, galáxia.

1. Estrelas
EF6P-14-12

2. Galáxias
3 Aglomerados de galáxias
4. Superaglomerados de galáxias
5. Universo
Ciências Naturais \ Universo 129

Atividade 2 • As galáxias
Exercícios de Aplicação

01) De que são formadas as galáxias? 03) No Universo, as distâncias são imen-
sas, sendo impossível utilizar medidas
As galáxias são formadas por bilhões de estre- como o metro e o quilômetro. Qual a uni-
las, planetas, gases e poeira cósmica que giram dade utilizada para medir as grandes dis-
ao redor de um centro comum por atração. tâncias entre os corpos celestes? Explique
sua resposta.

É o ano-luz, que mostra a distância que a luz
percorre em um ano. Como a velocidade da
luz é de 300.000 quilômetros por segundo,
em um ano, ela percorre uma distância de 9
trilhões e 500 milhões de quilômetros, apro-
ximadamente.

02) Como é chamada a nossa galáxia, ou
seja, a qual galáxia pertence o Sistema So-
lar e o nosso planeta? Qual é a sua forma?
A nossa galáxia é chamada de Via Láctea e
possui forma espiral.
EF6P-14-12
130 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

04) Explique a localização exata de onde você mora, levando em consideração os seus
conhecimentos de geografia e a organização do Universo. Procure utilizar na sua resposta
as palavras: Via Láctea, rua, galáxia, bairro, país, continente, cidade e Universo.

Moro ou resido na rua Cora Coralina, nº 1.000, no bairro Campos Elíseos, da cidade de Ribeirão Pre-
to, que fica no estado de São Paulo, localizado no Brasil, país que pertence à América do Sul, um dos
continentes do planeta Terra, que pertence ao Sistema Solar, localizado em um braço da Via Láctea,
uma das muitas galáxias do Universo.

Exercícios Propostos
05) Uma galáxia próxima da Terra é a Suponha que uma nave espacial viaje à
Grande Nuvem de Magalhães, que está si- velocidade da luz partindo do planeta Ter-
tuada a 170 mil anos-luz de distância. De ra até o centro da Via Láctea e depois vol-
acordo com esse dado responda: quanto te. Quanto tempo a nave demoraria para
tempo a luz dessa galáxia demora a chegar fazer essa viagem? Justifique.
até o nosso planeta?
Para fazer essa viagem, a nave percorre-
170 mil anos ria 50.000 anos-luz de distância, ou seja,
25.000 anos-luz até o centro da Via Láctea
e mais 25.000 anos-luz para voltar ao ponto
de partida. Como teoricamente ela está via-
jando à velocidade da luz, a viagem demora-
06) O diâmetro da Via Láctea é aproxima- ria 50 mil anos para ser feita.
damente 100.000 anos-luz e sua espessura
é cerca de 20.000 anos-luz. Nossa estrela,
o Sol, está localizada a aproximadamente
25.000 anos-luz de distância do centro da
Via Láctea. Utilize a imagem a seguir, que
resume essas informações, para respon-
der à pergunta.

Sol
EF6P-14-12
JPL-CALTECH / NASA

25.000 anos-luz

100.000 anos-luz
A Via Láctea, nossa galáxia
Ciências Naturais \ Universo 131

07) Sobre as galáxias, responda ao que se pede.
(JET PROPULSION LAB), J. MOULD (NOAO), Y.-H. CHU (UNIVERSITY OF
ILLINOIS, URBANA), STSCI / ESA / NASA

K. KUNTZ (JHU), F. BRESOLIN (UNIVERSITY OF HAWAII), J. TRAUGER

ESO
(A) (B)

a. Qual é a forma das galáxias A e B, apresentadas nas imagens acima?

Em A, temos uma galáxia elíptica e, em B, uma galáxia espiral.

b. Qual delas tem a forma semelhante à da Via Láctea? Por quê?

A galáxia B, pois tem forma espiral, como a Via Láctea.

08) Ao conjunto de bilhões de estrelas, planetas e outros materiais que giram ao redor
de um centro comum devido à atração gravitacional dá-se o nome de:
a. supernova.
b. nebulosa.
R.: C c. galáxia.
d. nuvem estelar.
e. buraco begro.
EF6P-14-12
132 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Atividade 3 • As estrelas
Exercícios de Aplicação
01) Como as estrelas se formam? Enumere as frases a seguir, colocando
Elas se formam nas nebulosas, quando nu-
as fases da evolução em ordem crescente,
vens frias de gás e poeira interestelar come- até o final de seu ciclo.
çam a se contrair e a concentrar matéria. ( 3 ) A grande pressão nos gases da re-
gião central provoca aumento da
temperatura.
( 4 ) Reações nucleares transformam
hidrogênio em hélio.
02) Qual o principal combustível de uma ( 1 ) Ocorre a concentração de poeira
estrela? cósmica e gases numa certa região
O principal combustível de uma estrela é o do Universo.
gás hidrogênio. ( 2 ) Formação de uma região central
esférica, composta principalmente
de gás hidrogênio.
( 5 ) A energia produzida nas reações
nucleares é emitida para o espaço
03) Ao fim do ciclo de uma estrela, de- na forma de ondas eletromagnéti-
pendendo do seu tamanho, da quantidade cas, inclusive luz visível.
de matéria que ela possua e do que sobra ( 6 ) Após a diminuição do estoque de
no núcleo, a estrela pode transformar-se hidrogênio, a parte externa da
em uma anã branca, uma estrela de nêu- estrela sofre expansão e ela pode
trons ou um buraco negro. explodir.

Exercícios Propostos
04) Qual a diferença entre uma nebulosa, 05) Como você explicaria o fato de ser
uma estrela e uma galáxia? possível fotografar atualmente a nebulo-
sa de Granchio, se ela explodiu no ano
– Nebulosas são nuvens compostas de uma de 1054?
grande quantidade de hidrogênio, outros
gases e partículas sólidas, e podem originar Foi possível fotografar a nebulosa de Gran-
as estrelas. chio devido à luz que ela emitiu antes de ex-
– Estrelas são astros formados por gases em plodir. Como ela estava localizada a enormes
alta temperatura e alta pressão e que emi- distâncias da Terra, a luz demorou centenas
tem luz. de anos depois de sua "morte" para que al-
– Galáxias são agrupamentos de milhões ou cançasse nosso planeta.
bilhões de estrelas.
EF6P-14-12
Ciências Naturais \ Universo 133

06) Leia o texto a seguir:
No final do ciclo de vida de uma estrela de grande massa, a geração de energia pode ser
tão intensa que a pressão em seu interior cresce vertiginosamente e a estrela explode, emi-
tindo grande quantidade de matéria e luz. Esse resultado é chamado de supernova, a partir
da qual pode se formar um buraco negro, que não é possível de se enxergar a olho nu.
Faça uma pesquisa sobre esse assunto e responda às questões a seguir.
a. Por que não é possível enxergar um buraco negro?

Não podemos ver um buraco negro porque ele não emite luz visível. Toda luz que chega até ele é
absorvida.

b. Se não é possível ver diretamente um buraco negro, como é conhecida a existên-
cia dele?
Os cientistas notam que certas estrelas realizam órbitas (movimentos) em torno de um centro que
não é visível. Para a estrela realizar essa órbita, é necessária a existência de uma força de atração
Professor(a), o exer-
gravitacional dirigida para o centro. Assim, lá deve existir uma região realizando essa atração. Essa
cício de aplicação 1, a
região é o buraco negro.
respeito de como o Sol
é formado, é simples e
direto para facilitar a ex-
ploração do conteúdo.
Explorar o esquema do
livro que detalha a for-
Atividade 4 • O Sol e o Sistema Solar mação do Sistema Solar
e depois, na sequência,
Exercícios de Aplicação os Exercícios de Aplica-
ção 2 e 3 serão de grande
01) Na figura a seguir, o corpo celeste mostrado é o Sol. Faça a correlação das partes ajuda para concluir essa
parte da aula. Você pode
numeradas na figura. explorar o exercício 3
para enfatizar o Sol como
centro do Sistema Solar,
mas não precisa ficar
1 abordando e detalhando
o modelo geocêntrico e
o heliocêntrico. No item
a do exercício 7, foi pedi-
do ao aluno que elabo-
2 rasse um esquema com
as estruturas do Univer-
so; a partir do trecho
de uma poesia, orientá-
-lo nessa atividade e
4 utilizá-la como estímulo
3
à aquisição do conheci-
mento. Nós esperamos
que, com a ajuda do pro-
EF6P-14-12

fessor, o aluno entenda
que a Via Láctea é uma
galáxia formada por vá-
( 2 ) Núcleo rias estrelas e outros cor-
( 3 ) Fotosfera pos celestes.
( 1 ) Zona convectiva
( 4 ) Manchas solares
134 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

02) As imagens a seguir representam desordenadamente as etapas da formação do Sis-
tema Solar.

1 2 3 4

A ordem correta das imagens, da provável formação do Sistema Solar, é indicada na
alternativa:
a. 1, 2, 4, 3
b. 2, 4, 1, 3
c. 3, 1, 2, 4
d. 4, 2, 1, 3
R.: E e. 3, 1, 4, 2

03) Leia o texto extraído da peça Troilo e Créssida, de William Shakespeare, escrita, pro-
vavelmente, em 1601.

Os próprios céus, os planetas, e este centro
reconhecem graus, prioridade, classe,
constância, marcha, distância, estação, forma,
função e regularidade, sempre iguais;
eis porque o glorioso astro Sol
está em nobre eminência entronizado
e centralizado no meio dos outros,
e o seu olhar benfazejo corrige
os maus aspectos dos planetas malfazejos,
e, qual rei que comanda, ordena
sem entraves aos bons e aos maus.
(Personagem Ulysses, Ato I, cena III.)
SHAKESPEARE, W. Troilo e Créssida: Porto: Lello & Irmão, 1948.
Transcreva o trecho do texto que representa o Sistema Solar. Explique o significado
desse trecho.
EF6P-14-12

O glorioso astro Sol está em nobre eminência entronizado e centralizado no meio dos outros
O texto está de acordo com o modelo que propõe que o Sol é o centro do Sistema Solar, no qual os
planetas orbitam (o Sol).
Ciências Naturais \ Universo 135

Exercícios Propostos

04) Relacione as camadas do Sol com suas características.
01. Núcleo
02. Fotosfera
03. Cromosfera
04. Coroa

( 4 ) Região onde as proeminências se expandem com os ventos solares.
( 3 ) Parte da atmosfera solar.
( 1 ) É o centro onde ocorrem reações nucleares que produzem energia.
( 2 ) Região visível a olho nu, com cerca de 500 km de espessura e temperatura de
6.000 °C.

05) Nas seguintes figuras, estão representadas desordenadamente as fases da forma-
ção do Sistema Solar. Indique, por meio de números, a sequência correta das fases.

(3 ) (4 )

(1) ( 5)
EF6P-14-12

( 2)
136 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

06) Leia o texto a seguir: a. Faça, no seu caderno, um dese-
nho esquemático incluindo neste
Ora (direis) ouvir estrelas! Certo as estruturas do Universo citadas
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no texto. Coloque legendas com
no entanto, setas ou chaves para indicar as es-
Que, para ouvi-las, muita vez desperto truturas no esquema.
E abro as janelas, pálido de espanto...
b. Qual é o significado da frase “A
E conversamos toda a noite, enquanto Via Láctea, como um pálio aber-
A Via Láctea, como um pálio aberto, to, Cintila”?
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e
em pranto, A palavra pálio significa manto e a palavra
Inda as procuro pelo céu deserto. Cintila quer dizer brilha. Portanto, a Via-Lác-
tea, como um manto aberto, brilha.
Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão
contigo?"

E eu vos direi: "Amai para enten-
dê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.
Via Láctea, de Olavo Bilac

Atividades 5 e 6 • Os planetas do Sistema
Solar e outros corpos celestes
Exercícios de Aplicação
Professor(a), o Exer-
cício de Aplicação 1
01) Os planetas podem ser divididos em internos, aqueles mais próximos do Sol e ro-
é simples e direto, o chosos, e em externos, mais distantes do Sol e gasosos. De acordo com essa classificação,
número 2 é mais deta- divida os planetas na tabela a seguir, colocando-os em ordem de distanciamento do Sol.
lhado, para que sirva
como revisão. O exercí- Planetas interiores
cio 3 é uma associação
em que se pode acres- 1. Mercúrio
centar conhecimentos 2. Vênus
durante sua resolução.
3. Terra
4. Marte

Planetas exteriores
EF6P-14-12

5. Júpiter
6. Saturno
7. Netuno
8. Urano
Ciências Naturais \ Universo 137

02) Relacione os planetas com suas res- ( b ) Mercúrio
pectivas características. ( a ) Vênus
a. Conhecido como estrela-d´alva ou ( c ) Marte
estrela vespertina, pode ser visto ( h ) Terra
ao amanhecer ou ao entardecer. A ( d ) Júpiter
sua superfície chega a quase 500 ( e ) Saturno
graus Celsius. ( g ) Netuno
b. O planeta mais próximo do Sol e o ( f ) Urano
menor em tamanho.
c. Conhecido como planeta verme- 03) Associe corretamente:
lho, é provável que contenha água
líquida, concentrada em pequenas (1) Planetas
profundidades no subsolo. (2) Satélites naturais
d. É um gigante gasoso, sendo o (3) Cometas
maior planeta do Sistema Solar e (4) Asteroides
seu diâmetro é cerca de 11 vezes (5) Meteoros
maior que o da Terra. (6) Planetas anões
e. Possui vários anéis compostos de
partículas geladas. É o segundo ( 2 ) Um exemplo é a Lua.
maior planeta do Sistema Solar e o ( 5 ) São também conhecidos como es-
último que pode ser visto a olho nu. trelas cadentes.
f. Devido aos gases de sua atmosfe- ( 4 ) Apresentam corpos rochosos de
ra, apresenta cor azul-esverdeada. formas irregulares.
g. Considerado um planeta quase gê- ( 1 ) Não emitem luz própria e giram ao
meo de Urano, é o oitavo planeta redor de estrelas.
do Sistema Solar. ( 3 ) Têm órbitas longas que duram anos.
h. 70% de sua superfície é coberta ( 6 ) São menores que muitas luas do
por oceanos. Sistema Solar.

Exercícios Propostos
04) Faça uma lista dos planetas que, a partir da Terra, podem ser vistos a olho nu e da-
queles que são vistos apenas através de telescópios.

Visíveis com
Visíveis a olho nu telescópio

Mercúrio Urano

Vênus Netuno

Terra
EF6P-14-12

Marte

Júpiter

Saturno
138 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

05) A distância dos planetas em relação 07) A figura a seguir representa o segun-
ao Sol influencia suas características, pois do maior planeta do Sistema Solar. Ele
determina as quantidades de calor e luz possui, na sua superfície, uma temperatu-
em suas superfícies. Por exemplo, a Terra ra muito baixa e é o sexto planeta em dis-
é um planeta mais aquecido que Marte. tância do Sol, quase 10 vezes mais distante
Existem também outros fatores, listados a que a Terra. É também muito conhecido
seguir. Faça a associação corretamente. pelos seus anéis, embora não seja o único
planeta a possuí-los.
a. Mais próximos do Sol
b. Mais distantes do Sol

NASA
( b ) Júpiter
( a ) Natureza rochosa
( a ) Terra
( b ) Natureza gasosa
( a ) Vênus O planeta mostrado na figura é:
( b ) Saturno a. Vênus.
( b ) Gigantes R.: B b. Saturno.
( a ) Marte c. Urano.
( b ) Netuno d. Mercúrio.
( a ) Mercúrio e. Marte.
( b ) Urano
08)
06) A Agência Espacial Norte-Americana Descoberta de planeta habitável
(Nasa) confirmou ter encontrado fortes in-
dícios da existência de água em estado lí- Dentro de quatro ou cinco anos, es-
quido na superfície de um planeta rochoso timam especialistas, um planeta capaz
de nosso sistema solar. A qual planeta pos- de abrigar vida deve ser encontrado.
sivelmente está notícia se refere? Como Washington – Astrônomos afirmam
esse planeta é conhecido popularmente? que estão à beira de encontrar planetas
Justifique esse nome. semelhantes à Terra em órbita de outras
estrelas, um passo essencial para deter-
O planeta mais provável a que se refere minar se estamos sozinhos no universo.
essa notícia é Marte. Há muito tempo, os
cientistas investigam as regiões desse pla- Analise as proposições abaixo sobre o
neta a fim de encontrar água na forma lí-
quida. Marte é conhecido como planeta Sistema Solar. Coloque C (certo) e E (erra-
vermelho, pois apresenta uma coloração do) nas afirmações e a seguir assinale a al-
avermelhada de brilho intenso, devido ao ternativa que apresenta a ordem correta.
elevado nível de óxido de ferro no seu solo. I. O Sol é considerado uma estrela de
média grandeza.
II. Os planetas não emitem luz própria.
III. Todos os planetas possuem uma lua.
IV. O Sistema Solar é formado pelo Sol e
pelos planetas e está situado numa
galáxia conhecida como Via Láctea.
EF6P-14-12

a. I.C, II. C, III. C, IV. C
R.: B b. I.C, II. C, III. E, IV. C
c. I.E, II. E, III. C, IV. C
d. I.C, II. E, III. C, IV. E
e. I.E, II. E, III. E, IV. E
Capítulo
O planeta Terra e seu satélite
2
A estrutura do planeta Terra

CIÊNCIAS NATURAIS • GRUPO 1 •
UNIVERSO
Embora a Terra possa nos parecer enorme, em relação ao Universo ela não passa
de um minúsculo agrupamento de matéria que gira ao redor de uma estrela modes-
ta, que é o Sol.

IMAGE SCIENCE AND ANALYSIS LABORATORY / NASA / JOHNSON SPACE CENTER
Professor(a), falar
da formação da Terra,
destacando as tempe-
raturas no início e a
formação das camadas,
as atividades vulcânicas
Quando observamos as fotografias da Terra obtidas por satélites artificiais, o e como o resfriamen-
que mais nos chama a atenção é seu aspecto azulado e suas nuvens. to durante longos pe-
ríodos foi importante
nesse processo. É im-
A Terra é o terceiro planeta do Sistema portante deixar clara a
Solar, tendo o Sol como referência.
DIEGO BARUCCO / SHUTTERSTOCK.COM

formação da hidrosfera,
Sua formação ocorreu a partir da po- principalmente em rela-
eira cósmica em rotação que, ao se con- ção à contribuição dos
cometas na adição de
centrar, formou pequenos corpos que, água ao planeta.
por sua vez, ao se chocarem, constituiram A seguir, comentar
um corpo maior, e pela colisão de outros algumas características
corpos celestes. da Terra. Essa será uma
A Terra, no início, apresentava tempe- atividade um pouco
raturas altíssimas no seu interior, por isso mais descritiva. Todos
os exercícios são dire-
todos os materiais que a formavam se fun- tos, com a finalidade de
diram. Os mais pesados se concentraram reforçar o aprendizado.
no interior do planeta, formando o núcleo
EF6P-14-11

da Terra. Os mais leves permaneceram no
exterior do planeta e, durante milhares de
anos, foram esfriando, vindo a formar, pos- Os impactos de corpos celestes contribu-
teriormente, outras duas camadas: o man- íram para elevar o aquecimento do planeta
to e a crosta terrestre. Terra, no início de sua formação.
140 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Professor(a) neste
capítulo, os alunos de-
verão desenvolver as
seguintes competências
e habilidades:
– Reconhecer as prin-
cipais características
físicas da Terra, como
sua esfericidade, sua di-
mensão e sua força de
atração gravitacional, a
qual nos mantém pre-
sos ao solo e faz os ob-
jetos caírem em direção
ao centro terrestre.
– Distinguir elemen-
tos da estrutura da
Terra (núcleo, manto,
crosta, hidrosfera ou at-
mosfera) quanto à com-
posição, ao tamanho e
à localização.

No início de sua formação, a Terra apresentava temperaturas elevadíssimas.
Durante milhares de anos, foi resfriando e originando suas camadas.

O interior da Terra manteve-se no es-
tado de fusão e, em consequência, gran-
HEMERA / THINKSTOCK IMAGES

des erupções vulcânicas surgiram e conti-
nuaram durante bilhões de anos.
As erupções vulcânicas liberaram ga-
ses, como o dióxido de carbono (CO2),
compostos de nitrogênio, enxofre e vapor
de água, que formaram uma atmosfera
primitiva ao redor do planeta.
Ao mesmo tempo, o vapor de água foi
responsável pela formação de enormes
nuvens e grande quantidade de chuvas,
as quais contribuíram para o resfriamen-
to da Terra e originaram os depósitos de
água na superfície, como lagos, rios e
oceanos, cujo conjunto é chamado de hi-
drosfera. É importante lembrar que cor-
EF6P-14-11

As erupções pos externos ao Planeta trouxeram con-
vulcânicas siderável quantidade de água, como, por
liberaram gases e
exemplo, cometas ricos em água, que, ao
vapores formando
uma atmosfera
colidirem com a Terra, podem ter trazido
com nuvens. água para os oceanos.
Ciências Naturais \ Universo 141

DAVIDXU / SHUTTERSTOCK.COM
Com o resfriamento da Terra, a água que caía das nuvens
foi responsável pela formação da hidrosfera.

As camadas da Terra
Durante o processo de formação da crosta, somada à camada superior
Terra, foram originadas três camadas: o do manto, compõe a litosfera. So-
núcleo, o manto e a crosta terrestre. bre ela se desenvolveu a vida.
• Manto: é a camada abaixo da
crosta, formada por vários tipos
Crosta de rochas que, devido às altas
temperaturas, podem se encon-
trar fundidas, material que recebe
o nome de magma.
Manto • Núcleo: é a parte central do pla-
Núcleo
neta; estudos indicam que seja
formado por metais, como ferro e
níquel, a altíssimas temperaturas.

Algumas características
da Terra atual
A forma da Terra não é exatamente
esférica, mas ligeiramente achatada nos
Representação da Terra dividida em três polos. Não é lisa; há pontos elevados,
camadas: núcleo, manto e crosta. como o monte Everest no Himalaia, com
quase 9 km de altura, e também pro-
• Crosta terrestre: é a camada mais fundezas, como as fossas marinhas, que
EF6P-14-11

fina e sólida, que constitui a su- chegam a 11 km de profundidade. Sua
perfície terrestre. É basicamente superfície tem área de 510.100.000 km2
formada por rochas, sendo muito e a distância média em relação ao Sol é
rica em diversos tipos minerais. A de 150.000.000 km.
142 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

A Terra, assim como os outros planetas, apresenta campo gravitacional, uma proprie-
dade que produz uma força que atrai os objetos próximos em direção ao seu centro.
Há algumas semelhanças com seus vizinhos Marte e Vênus: a Terra também apresen-
ta um satélite de grande tamanho, a Lua, que exerce influência sobre ela. Nosso planeta
tem um campo magnético (aquele que movimenta a bússola) muito maior que o de Mar-
te e o de Mercúrio.

O planeta Terra

formou-se
no início
da

concentração da
a altíssimas
poeira cósmica que se fundiu
temperaturas
em rotação

resfriando-se,
originando originou
um corpo originou

com campo achatado com elevações o manto a crosta, que,
gravitacional o núcleo
forte nos polos e profundezas (camada abaixo somada à parte
da crosta) superior do
manto, forma a
litosfera
em fusão

permite erupções vulcânicas, que liberam gases
(vapor d'água, gás carbônico, nitrogênio e enxofre)

água
de corpos
formando externos

a atmosfera a hidrosfera
EF6P-14-11

primitiva (lagos, rios e oceanos)
Ciências Naturais \ Universo 143

A Terra e seu satélite Professor(a), ao final
desse conteúdo, o aluno
Que se saiba, a Lua não apresenta água na forma líquida. Além disso, não possui atmos- deverá ser capaz de:
fera, o que facilitou a colisão de corpos celestes na sua superfície, provocando a formação de – associar a natureza
inúmeras crateras e mostrando, ainda, imensas ranhuras, cordilheiras e serras. A gravidade cíclica dos movimentos
da Lua equivale a um sexto da gravidade da Terra. A ausência de atmosfera também influen- da Terra, do Sol e da Lua
cia a temperatura, assim, em sua superfície, durante o dia, a temperatura pode alcançar a fenômenos naturais, ao
calendário e a influências
117 °C e, à noite, – 173 °C. na vida humana.

NASA

A Lua, satélite natural da Terra

O homem observou a Lua durante milênios e a conheceu de forma direta quando
uma cápsula americana, Apollo 11, desceu em sua superfície em 20 de julho de 1969. Os
primeiros astronautas a pisarem o solo lunar foram Neil Armstrong e Edwin Aldrin.
NASA
EF6P-14-11

A nave Apollo 11 pousou na superfície
lunar no dia 20 de julho de 1969.
144 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

Foram recolhidos 382 kg de material lunar, de seis lugares diferentes, e o estudo des-
tas rochas indicou que a Lua se formou ao mesmo tempo que a Terra, há cerca de 4,6
bilhões de anos. O material ainda forneceu indicações de que a Lua permaneceu ativa
até 2 bilhões de anos atrás, com erupções vulcânicas e lava cobrindo suas crateras. Além
disso, o material que constitui a Lua é semelhante ao encontrado na superfície terrestre.
Nosso satélite, a Lua, apresenta rotação ao redor da Terra e, juntamente com ela, faz
o movimento de translação ao redor do Sol. O tipo de órbita realizado pela Lua faz com
ela tenha sempre a mesma face (lado) voltada para Terra. O tempo que a Lua leva para
percorrer a órbita em torno da Terra é de, aproximadamente, 29 dias e meio, o que re-
presenta o mês lunar, durante o qual se observam as principais fases: cheia, minguante,
nova e crescente.
Professor(a), trabalha-
remos estes conteúdos
As fases da Lua
em duas aulas. Sugeri- A Lua não emite luz própria, mas reflete para a Terra a luz que recebe do Sol.
mos que, nos primeiros
minutos, fale sobre as
principais características
da Lua, mas sem grandes
detalhes; deixar todo o
restante da aula para ex-
plicar as fases da Lua.
Informações comple-
mentares podem ser
encontradas em:
FRIAÇA, A. C. S. et al.
Astronomia: uma visão
geral do Universo. 2. Ed.
São Paulo: Edusp, 2006.

O brilho da luz do Sol na Lua é refletido de volta para a Terra. O que se vê
da Terra depende da posição relativa da Lua, do Sol e da Terra.

Dependendo de sua posição em relação à Terra e ao Sol, a metade da Lua voltada
para a Terra pode ser vista no céu, ora totalmente iluminada, ora parcialmente ou,
ainda não ser vista.
Na Lua Nova, a metade voltada para a Terra não recebe luz, sendo assim, a Lua não
é vista no céu. À medida que a Lua gira ao redor da Terra, essa metade vai recebendo
luz solar e tornando-se cada vez mais iluminada, como se estivesse crescendo, chegan-
do à fase de Quarto Crescente.
Continuando seu movimento ao redor da Terra, a Lua recebe mais luz e a parte ilumi-
nada vai aumentando ainda mais, até que toda metade voltada para a Terra fique total-
mente iluminada. Essa é a fase de Lua Cheia.
Depois dessa fase, durante seu movimento, a Lua ocupará posições em que a sua
parte iluminada irá diminuindo, ou seja, minguando, chegando à fase de Quarto Min-
guante e, após alguns dias, surge a Lua Nova. O fenômeno se repete nos próximos 29
dias e meio, reiniciando o ciclo.
EF6P-14-11

Essas diferenças na iluminação caracterizam as quatro principais fases da Lua, as
quais estão representadas no esquema a seguir.
Ciências Naturais \ Universo 145

Professor(a), a fase de
um objeto astronômico
Lua Crescente Quarto corresponde ao aspec-
Lua Nova Crescente to visual que apresenta
um astro sem luz pró-
pria, planeta ou saté-
lite, de acordo com as
condições de ilumina-
ção solar, vistas de um
Terra ponto qualquer de ob-
Lua Lua servação. Dessa manei-
Minguante Crescente ra, o aspecto visual da
Lua muda diariamente,
de maneira gradual e
contínua. A divisão das
Lua Cheia
Quarto fases da Lua em quatro
Minguante Lua é apenas convencional,
Minguante sendo utilizada para fins
didáticos.
Fases da Lua, como são observadas no hemisfério sul.

Os eclipses
A palavra eclipse significa obscurecimento de um corpo celeste por outro. Eclipses são
fenômenos raros, que dependem das posições relativas que a Lua e a Terra assumem em
relação ao Sol em determinadas ocasiões.
O eclipse solar ocorre devido a um alinhamento, onde a Lua se situa exatamente
entre Sol e Terra e obscurece a luz do Sol. Nesse momento, a sombra da Lua é projetada
sobre certa região da Terra. É como se durante o dia, de repente, a noite chegasse e por
alguns minutos fosse possível ver as estrelas.

Sombra

Sol Raios
Solares
Lua
Terra
Penumbra

Durante o eclipse solar, a Lua passa entre a Terra e o Sol.
T R MASEK / DREAMSTIME.C O M

Durante o eclipse do Sol, a Lua recobre
completamente o Sol. Quando isso
EF6P-14-11

ocorre, o céu, por pouco tempo, escurece,
sendo possível observar as estrelas.
PE
146 Capítulo 1 – Como nasceu o Universo \ Grupo 1

O eclipse lunar ocorre devido a um alinhamento em que a Terra passa entre o Sol e a
Professor(a), não colo-
camos no texto, mas, se
Lua. A sombra da Terra é projetada sobre a Lua e, por isso, ela não reflete luz.
quiser, pode citar que,
em nosso hemisfério, as
fases de Quarto Crescen- Sombra
te e Quarto Minguante
possuem formas que
lembram as letras C e
D, respectivamente, e
Sol Raios
no outro hemisfério es-
sas formas ocorrem ao Solares
Lua
contrário. Quanto aos Penumbra
eclipses, solar e lunar, Terra
sugerimos que apenas
descrevam o mecanismo
geral desses fenômenos,
pois estes apresentam Durante o eclipse lunar, a Terra passa entre o Sol e a Lua.
muitas particularidades,
não sendo interessante
uma abordagem profun-
da nesse momento. A Lua

formou-se

ao mesmo passa entre apresenta não reflete
tempo em que a Terra e o luz
a Terra Sol
não emite sua órbita
luz em torno da
Terra

sempre a mesma
metade durante o eclipse
durante o eclipse voltada para a
do Sol Terra lunar
"o céu escurece"

reflete para dura 29 dias e meio,
a Terra a luz do período em que se
Sol observam as fases
da Lua. EF6P-14-11

Nova Crescente Cheia Minguante
Capítulo
O planeta Terra e seu satélite
2
Atividade 7 • A estrutura do planeta Terra

CIÊNCIAS NATURAIS • GRUPO 1 •
UNIVERSO
Exercícios de Aplicação
01) Explique resumidamente o processo 02) Quais são as camadas da Terra? Em
de origem e formação da Terra. qual dessas camadas a vida se desenvolveu?
O núcleo, manto e a crosta terrestre. Foi
A Terra se originou de gases e de poeira cós-
na crosta, a camada sólida, que se desen-
mica. Com o aumento da temperatura, es-
volveu a vida.
ses materiais se fundiram: os mais pesados
se concentraram no interior do planeta e
os mais leves permaneceram no exterior do
planeta; durante milhares de anos eles fo-
ram esfriando e se solidificando, até formar
a Terra.

03) Qual é a relação das erupções vulcâ-
nicas com a formação da hidrosfera?
As erupções vulcânicas liberaram vários ga-
ses, entre eles o vapor de água, responsá-
vel pela formação de enormes nuvens, que
geraram grande quantidade de chuvas, que
originaram depósitos de água na superfície
da Terra, como lagos, rios e oceanos. É im-
portante lembrar que corpos externos ao
planeta também trouxeram considerável
quantidade de água. Além disso, manti-
nham a superfície aquecida, promovendo a
vaporização da água que precipitava.
EF6P-14-12
148 Capítulo 2 – O planeta Terra e seu satélite \ Grupo 1

Exercícios Propostos
04) No início da formação, nosso planeta 06) Das características do planeta Ter-
apresentava temperaturas elevadíssimas. ra, quais delas seriam as mais impor-
Que fator contribuía para aumentar ainda tantes para o desenvolvimento da vida
mais esse aquecimento? e por quê?
A presença da gravidade e a presença de
Os impactos de corpos celestes contribuí- água foram fundamentais para o desenvol-
ram para elevar o aquecimento do planeta vimento da vida no planeta.
Terra no início de sua formação.

05) Localize na figura as camadas da Terra
e cite características de cada uma.

1
07) Leia o texto e assinale a alternativa
correta.
2
Em 23 de outubro de 2011, o satélite
alemão Rosat, lançado em órbita em 1o
3 de junho de 1990 e fora de serviço des-
de 1999, entrou na atmosfera terrestre
na região do oceano Índico e, provavel-
mente, desintegrou-se antes de chegar à
superfície.
Quedas como essas ocorrem graças a
uma característica da Terra, presente tam-
bém nos outros corpos celestes, que é a:
a. forma arredondada.
b. órbita ao redor do Sol.
1– Crosta terrestre: é a camada mais fina e c. distância do Sol.
sólida, que forma a superfície terrestre. É
basicamente constituída por rochas, sendo d. distância da Lua.
muito rica em diversos tipos minerais. Sobre R.: E e. gravidade.
ela se desenvolveu a vida.
2– Manto: é a camada abaixo da crosta, for-
mada por vários tipos de rochas que, devido às
altas temperaturas, podem se encontrar fundi-
das e recebem o nome de magma.
3– Núcleo: é a parte central do planeta;
estudos indicam que seja formado por
Professor(a), no exercício
metais como ferro e níquel a altíssimas
7, a força da gravidade
EF6P-14-12

temperaturas.
(gravitacional) é respon-
sável por manter os cor-
pos celestes em órbita
e também por atrair os
corpos em queda.
Ciências Naturais \ Universo 149

Atividades 8 e 9 • A Terra e seu satélite
Exercícios de Aplicação
01) Qual é o satélite natural da Terra? Descreva duas de suas principais características.

A Lua, cuja gravidade é um sexto de gravidade da Terra, não possui luz própria, sendo iluminada
pelo Sol.

Professor(a): sugeri-
mos que utilize o Exer-
cício de Aplicação 2
como orientação, reali-
zando a experiência em
sala de aula. Procure
02) Para explicar as fases da Lua, o professor realizou o seguinte experimento em sala de verificar se há condi-
ções para a realização
aula. Colocou uma fonte de luz sobre sua mesa, para representar o Sol. Para representar desta aula.
a Terra, colocou cadeiras em círculo com alunos sentados, como a seguir. Pegou uma
bola para representar a Lua e, levantando-a a uns 2 palmos acima da cabeça dos alunos,
girou-a no sentido horário de A para D e pediu aos alunos que olhassem a bola de isopor.
A figura a seguir exemplifica o experimento.
D

Fonte de luz
C A

B

De acordo com o experimento, responda às perguntas a seguir.
a. Que fases da Lua são simuladas nas posições A, B, C e D, respectivamente, obser-
vadas pelos alunos?

A: Lua Nova; B: Quarto Crescente; C: Lua Cheia; D: Quarto Minguante
EF6P-14-12
150 Capítulo 2 – O planeta Terra e seu satélite \ Grupo 1

b. O professor pediu a cada aluno que desenhasse a fase simulada durante a experiên-
cia ao observar a bola. Relacione os desenhos dos alunos na respectiva posição em
que foram observados com as fases da Lua a seguir.

Região não iluminada e “não visível”
Região iluminada visível

c. O que aconteceu com a face observada da bola em relação à luz ao ser deslocada
da posição A para C e de C para A, respectivamente?

De A para C, aos poucos, parte da face observada da bola começou a ser iluminada, até ficar to-
talmente iluminada (Lua Cheia). De C para A, aconteceu o contrário, a face totalmente iluminada
começou a diminuir até ficar escura (Lua Nova).

03) Relacione corretamente os tipos de eclipses colocando A para eclipse solar e B para
eclipse lunar.
Ocorre devido a um alinhamento em que a Terra passa entre o Sol e a Lua. ( )
B

Sombra

Sol Raios
Solares
Lua
Penumbra
Terra

( B)
EF6P-14-12
Ciências Naturais \ Universo 151

Ocorre devido a um alinhamento em que a Lua passa exatamente entre o Sol e a Terra. ( )
A

Sombra

Sol Raios
Solares
Lua
Terra
Penumbra

(A )

Exercícios Propostos
04) Cite alguns fatores que impedem o 06) Explique por que a Lua se apresenta
desenvolvimento de vida, como a conhe- com diferentes formas durante o decorrer
cemos, na Lua. do mês?

A Lua não possui luz própria, refletindo a luz
A Lua não apresenta água na forma líquida que recebe do Sol. Dependendo de sua po-
nem atmosfera com oxigênio. As tempera- sição e da luz que reflete do Sol, gera dife-
turas chegam a 117 °C durante o dia e à noi- rentes fases. As quatro principais fases são:
te chegam a atingir – 173 °C. Nova, Crescente, Cheia e Minguante.

05) A cápsula americana Apollo 11 des-
ceu superfície da Lua em 20 de julho de
1969. Naquela viagem, os astronautas 07) Há milênios, o homem vem observan-
coletaram para estudo 382 kg de material do a Lua, até que, em 20 de julho de 1969,
lunar. Quais informações o estudo desses uma cápsula americana, Apollo 11, desceu
materiais nos revelaram? na superfície lunar com os astronautas
Neil Armstrong e Edwin Aldrin.
O estudo destas rochas indicou que a Lua Desde então, a Lua vem sendo estuda-
se formou ao mesmo tempo em que a Terra da. Leia as opções abaixo e assinale a que
e permaneceu ativa até 2 bilhões de anos apresenta informação incorreta.
EF6P-14-12

atrás, com erupções vulcânicas e lava co-
brindo suas crateras. Também puderam
a. A Lua é o satélite natural da Terra.
saber que o material que constitui a Lua é b. A Lua não emite luz própria.
semelhante ao encontrado na superfície R.: C c. A Lua não apresenta gravidade.
terrestre. d. A Lua orbita ao redor da Terra.
e. A Lua reflete para a Terra parte da
luz que recebe do Sol.
152 Capítulo 2 – O planeta Terra e seu satélite \ Grupo 1

08) Qual é a diferença entre o eclipse solar e o lunar?

No eclipse solar, a Lua fica entre o Sol e a Terra e, no eclipse lunar, a Terra fica entre o Sol e a Lua.
Nesse caso, a Lua permanece totalmente sob a sombra da Terra.

Sugerimos abaixo um site de simulação das fases da Lua e uma experiência que você pode utilizar para
fazer uma demonstração.
A. Simulador das fases da Lua

http://astro.unl.edu/classaction/animations/lunarcycles/lunarapplet.html LUNAR PHASES SIMULATOR / UNL ASTRONOMY

B. Roteiro para experimento das fases da Lua.
Inicialmente, você precisa montar o experimento, portanto siga os passos abaixo:

EF6P-14-12

– Encontre uma caixa de papelão de tamanho médio.
– Você precisa abrir um orifício em cada lado de aproximadamente 1 cm de diâmetro em cada lado da
caixa. Bem próximo a um dos orifícios você deverá abrir um outro orifício e adaptar uma fonte luminosa que
representará o Sol, podendo ser uma lanterna ou uma lâmpada.
– Dentro da caixa, centralizada e na altura dos orifícios, coloque uma bola (pode ser de pingue-pongue ou
isopor); ela representará a Lua.
Ciências Naturais \ Universo 153

Está pronto!

Indicação de sites para saber mais:
<http://astro.if.ufrgs.br/moon/moon.htm>.
EF6P-14-12
154 Capítulo 2 – O planeta Terra e seu satélite \ Grupo 1

Anotações

EF6P-14-12