You are on page 1of 44

01.

Conceitos Primitivos:

 Ponto: é representado por uma letra maiúscula do nosso alfabeto.
 Reta: é representado por uma letra minúscula do nosso alfabeto.
 Plano: é representado por uma letra grega.

02. Conceitos Importantes:

 Semi-Reta: é uma parte da reta limitada por apenas um ponto. É representada como mostra
a figura acima.

 Segmento de Reta: é uma parte da reta limitada por dois pontos. É representado como
mostra a figura acima.

 Ponto Médio: é um ponto que divide um segmento de reta em duas partes de mesmo com-
primento. O conceito de ponto médio é muito importante em várias partes da Geometria.

 Mediatriz: é uma reta que passa pelo ponto médio de um segmento formando um ângulo
reto, ou seja, um ângulo de 90°.

1

03. Ângulo: é a região limitada por duas semi retas de mesma origem. O ângulo interior às
semi retas é chamado de convexo, e o exterior de côncavo.

 Bissetriz de um ângulo: é uma semi-reta com origem no vértice de um ângulo que divide o
mesmo em dois ângulos de medidas iguais.

1) Os ângulos podem ser classificados de acordo com a sua medida em:

 Ângulo Agudo: ângulo que possui medida 0 90 ;
 Ângulo Reto: ângulo que possui medida 90 ;
 Ângulo Obtuso: ângulo que possui medida 90 180 ;

2) Dois ângulos podem ser:

 Complementares: quando a soma das suas medidas for igual a 90°;
 Suplementares: quando a soma de suas medidas for igual a 180°.

3) Para a resolução de questões é preciso ter em mente o seguinte raciocínio:
Considere um ângulo x, então a partir das definições de complemento e suplemento podemos
fazer as seguintes notações:

complemento de x : 90o x
ângulo x o
suplemento de x : 180 x

2

4) Dois ângulos podem, ainda, ser classificados de acordo com as suas posições em:

 Adjacentes: quando dois ou mais ângulos, de mesmo vértice (origem) e mesmo plano, pos-
suem um lado em comum, sem que haja pontos internos em comum, como mostra o exemplo
abaixo.

 Consecutivos: quando dois ou mais ângulos possuem o mesmo vértice (origem) e mesmo
plano, podendo possuir ou não algum ponto em comum. Em virtude disso, podemos concluir
facilmente que ângulos adjacentes são sempre consecutivos.

3

04. Posições relativas entre duas retas:
De acordo com a posição, duas ou mais retas podem ser classificadas em:

 Paralelas: são retas que estão num mesmo plano e não possuem pontos em comum;

 Concorrentes: são retas que possuem um ponto em comum;

 Coincidentes: são retas que estão sobrepostas no plano;

 Perpendiculares: são retas concorrentes que formam um ângulo reto entre si;

 Reversas: são retas que estão em planos distintos e não possuem pontos em comum.

4

d e e.05. b e d. são eles: a e e. b e h. f e h. são eles: b e g. c e g. Triângulo: é uma figura plana fechada construída a partir de três pontos não colineares. 06. e e g. b e f.  Ângulos Correspondentes: são os ângulos que se “sobrepõem” (ao imaginarmos que pe- gamos os ângulos e colocamos em cima do outro). e e c.  Ângulos Colaterais Externos: são ângulos externos às retas paralelas que estão num mesmo lado da transversal.  Ângulos Alternos Internos: são os ângulos internos às retas paralelas que estão em lados opostos da transversal. Ângulos formados por retas paralelas: Duas retas paralelas cortadas por uma terceira reta chamada transversal determinam ângulos os quais estudaremos a seguir. Pares de ângulos alternos internos possuem a mesma medida.  Ângulos Alternos Externos: são ângulos externos às retas paralelas que estão em lados opostos da transversal. 5 .  Ângulos Opostos pelo Vértice: são os ângulos formados a partir de retas concorrentes. d e h.  Ângulos Colaterais Internos: são ângulos internos às retas paralelas que estão num mes- mo lado da transversal. Pares de ângulos correspondentes possuem a mesma medida. Pares de ângulos alternos externos possuem a mesma medida. são eles: a e c. Pares de ângulos opostos pelo vértice possuem a mesma medida. Pares de ângulos colaterais internos são suple- mentares. a e h. são eles: f e d. são eles: a e g. Pares de ângulos colaterais externos são suplementares. são eles: c e f.

todos seus ângulos internos são agudos. ou seja.  Condição de existência: qualquer lado de um triângulo é sempre menor que a soma dos outros dois lados e maior que o módulo da diferença deles.  Triângulo Retângulo: possui um ângulo reto. 2) Os triângulos podem ser classificados: a) De acordo com os ângulos:  Triângulo Acutângulo: possui os ângulos internos menores que 90°.1) É importante conhecer as seguintes propriedades dos triângulos:  Soma dos ângulos internos: a soma dos ângulos internos de um triângulo qualquer é sempre igual a 180°. um dos ângulos é obtu- so.  Triângulo Obtusângulo: possui um ângulo maior que 90°. 6 . ou seja.  Teorema do ângulo externo: um ângulo externo qualquer de um triângulo é sempre igual à soma dos dois ângulos do triângulo não adjacentes a ele. um ângulo com medida igual a 90°. ou seja.

então podemos classificar um triângulo em acutângulo.  Triângulo Isósceles: apresenta pelo menos dois lados com mesma medida. 4) Linhas notáveis num triângulo qualquer: 7 .  Triângulo Escaleno: apresenta os lados com medidas distintas duas a duas.  Se a2 b2 c2 : o triângulo é obtusângulo. e todos os ângulos internos valem 60°.b) De acordo com os lados:  Triângulo Equilátero: apresenta os três lados com a mesma medida. Perceba que TODO triângulo equilátero é isósceles. sendo a o maior lado do triângulo. retângulo ou obtusângulo através dos valores de a2 e b2 c2 como se segue:  Se a2 b2 c2 : o triângulo é acutângulo. 3) Natureza dos triângulos: Considere um triângulo de lados a.  Se a2 b2 c2 : o triângulo é retângulo. em conse- quência os ângulos da base possuem também a mesma medida. b e c.

liga o vér- tice ao ponto médio do lado oposto. o comprimento do baricentro até o vértice é dobro do comprimento do baricen- tro até o lado.Ceviana: é um segmento de reta que une um vértice de um triângulo a um ponto do lado oposto a esse vértice ou ao prolongamento deste lado. Quando ligamos os três pés das alturas. 8 . Bissetriz Interna: é uma ceviana que divide o ângulo interno do qual parte em dois ângulos iguais. Altura: é uma ceviana perpendicular ao lado oposto. formamos um triângulo chamado óritico. Incentro (I) e Circuncentro (C). como mostra a figura a seguir. Mediatriz: é uma reta perpendicular a um dos lados do triângulo no ponto médio. Bissetriz Externa: é uma ceviana que divide o ângulo externo do qual parte em duas partes iguais. 5) Pontos Notáveis num triângulo: Existem quatro pontos num triângulo qualquer que merecem uma atenção especial. As alturas do triângulo original dividem cada ângulo interno do tri- ângulo órtico em duas partes iguais. Ortocentro (H). Uma importante propriedade do baricentro é que. na mediana.  Ortocentro (H): o encontro das três alturas de um triângulo qualquer acontece exatamente em um ponto chamado de ortocentro. são eles: Baricentro(G). Mediana: é uma ceviana que divide o lado oposto em duas partes iguais. ou seja.  Baricentro (G): o encontro das três medianas de um triângulo qualquer acontece exata- mente em um ponto chamado de baricentro.

 Circuncentro (C): o encontro das três mediatrizes de um triângulo qualquer acontece exa- tamente em um ponto chamado de circuncentro. Incentro (I): o encontro das três bissetrizes internas de um triângulo qualquer acontece exatamente em um ponto chamado de incentro. O circuncentro coincide com o centro do círcu- lo circunscrito ao triângulo. O incentro coincide com o centro do círculo inscrito ao triângulo. por isso podemos afirmar que o incentro é equidistante dos lados do tri- ângulo. 9 . por isso podemos afirmar que o circuncentro é equidistante dos vértices do triângulo.

6) Congruência de Triângulos: Existem condições mínimas que nos permitem dizer se dois tri- ângulos são congruentes. dois triângulos que possuem as mesmas medidas de lados e ângulos.  Caso: LLL (Lado – Lado – Lado) Se dois triângulos possuem os três lados respectivamente iguais. então po- demos dizer que os dois triângulos são congruentes. Essas condições serão estudadas a seguir.  Caso: LAL (Lado – Ângulo – Lado) Se dois triângulos possuem respectivamente iguais dois lados e o ângulo entre eles. ou seja. 10 . en- tão podemos dizer que os dois triângulos são congruentes.  Caso: ALA (Ângulo – Lado – Ângulo) Se dois triângulos possuem respectivamente iguais um lado e os ângulos adjacentes a ele. então podemos dizer que os dois triângulos são congruentes.

11 . Lados homólogos são lados que estão opostos aos ângulos de mesma medida. obtemos um seg- mento chamado de base média. que é paralela à base do triângulo e possui a metade da me- dida dessa base. Quando dois triângulos são semelhantes. 9) Semelhança de Triângulos: Dois triângulos são semelhantes quando seus ângulos internos possuem as mesmas medidas. as razões entre os lados correspondentes (homólo- gos) são constantes.7) Base Média de um Triângulo: Quando ligamos os pontos médios de dois lados de um triângulo qualquer. 8) Mediana de um Triângulo Retângulo: A mediana de um triângulo retângulo relativa à hipotenusa tem medida igual à metade da me- dida da hipotenusa.

 Dois triângulos são semelhantes se possuem os três lados respectivamente proporcionais.  Dois triângulos são semelhantes se possuem um ângulo com a mesma medida e os dois lados que os formam forem respectivamente proporcionais. Quando dois triângulos são semelhantes.  Dois triângulos são semelhantes se possuem pelo menos dois ângulos com medidas iguais. a razão entre duas cevianas homólogas é constante e igual à constante de proporcionalidade.Existem três condições mínimas que nos permitem dizer se dois triângulos são semelhantes. Então temos: 12 .

segmentos proporcio- nais aos lados adjacentes à bissetriz. a2 b2 c2 13 .  Teorema da Bissetriz Interna:  Teorema da Bissetriz Externa: 11) Relações Métricas num Triângulo Retângulo: Considere o triângulo ABC: Em um triângulo retângulo qualquer podemos aplicar as seguintes relações métricas:  Teorema de Pitágoras: o quadrado da hipotensa é igual à soma dos quadrados dos catetos.10) Teorema das Bissetrizes: Em todo triângulo uma bissetriz determina sobre o lado à qual é relativa.

a h b c  O inverso do quadrado da altura relativa à hipotenusa é igual à soma dos inversos dos qua- drados dos catetos. c b tg e tg b c 14 . c b sen e sen a a  COSSENO (cos): razão entre cateto adjacente e hipotenusa. O quadrado de um dos catetos é igual ao produto da hipotenusa pela sua projeção. 1 1 1 h2 b2 c2 12) Relações Trigonométricas num triângulo Retângulo: Em um triângulo retângulo qualquer podemos aplicar as seguintes relações trigonométricas:  SENO (sen): razão entre cateto oposto e hipotenusa. h2 m n  O produto da hipotenusa pela altura relativa à hipotenusa é igual ao produto dos catetos. b2 a m 2 c a n  O quadrado da altura relativa à hipotenusa é igual ao produto das duas projeções. b c cos e cos a a  TANGENTE (tg): razão entre cateto oposto e cateto adjacente.

30° 45° 60° 1 2 3 sen 2 2 2 3 2 1 cos 2 2 2 3 tg 1 3 3 13) Relações Trigonométricas num Triângulo Qualquer:  Lei dos Cossenos: a2 b2 c2 2bc cos b 2 a 2 c 2 2ac cos 2 2 2 c a b 2ab cos  Lei dos Senos: a b c 2R sen sen sen 15 . cossenos e tangentes conforme a tabela a seguir.Existem três ângulos agudos notáveis os quais devemos ter conhecimento dos valores de seus senos.

Considere apenas como uma letra grega. 16 . AC / / BD trapézio MN Base Média h :altura Os trapézios podem ser classificados em:  Trapézio Escaleno: apresenta as medidas dos lados não paralelos diferentes. Quadrilátero: é uma figura plana fechada que possuiu quatro lados. 1) Quadriláteros Notáveis: a) Trapézio: quadrilátero que apresenta exatamente dois lados paralelos.07.

. consequente- mente os ângulos das bases são iguais.Base Média de um Trapézio: a b x 2 . Trapézio Isósceles: apresenta os lados não paralelos com medidas iguais.Segmento Euler: segmento que uni os pontos médios das duas diagonais. PQ segmento euler b a x 2 17 .  Trapézio Retângulo: apresenta dois de seus ângulos medindo 90°.

b) Paralelogramo: quadrilátero que apresenta dois pares de lados paralelos. c) Retângulo: paralelogramo que apresenta os quatro ângulos internos retos. Propriedades:  Possui as mesmas propriedades de qualquer paralelogramo. d) Losango (ou Rombo): paralelogramo que apresenta os lados com a mesma medida. 18 .  Os ângulos opostos apresentam as mesmas medidas. Propriedades:  Possui as mesmas propriedades de qualquer paralelogramo.  Possui as diagonais com medidas iguais.  As diagonais se contam no ponto médio. AD BC e AB DC .  Possui diagonais perpendiculares que são bissetrizes dos seus ângulos internos. Propriedades:  Os lados opostos paralelos apresentam as mesmas medidas.

ˆ AB : diametro CD : corda OA : raio MH : flecha AB 2R BD :arco 1) Posições entre Reta e Circunferência: 19 . logo um quadrado é retângulo e losango. Essa tal distância é denominada raio.e) Quadrado: paralelogramo que apresenta os quatro lados e os quatro ângulos com as mes- mas medidas.  Apresenta ângulos e lados com medidas iguais. Propriedades:  Possui as mesmas propriedades de qualquer paralelogramo. 08. Circunferência: É o lugar geométrico de todos os pontos de um plano que estão à igual distância de um ponto fixo chamado centro.

Observação: T é chamado de ponto de tangência entre a circunferência e a reta t.  Tangentes Interiores: circunferências que possuem apenas um ponto em comum e possuem pontos internos em comum. 2) Posições entre Circunferências:  Secantes: circunferências que possuem dois pontos em comum. Reta secante (s): intercepta a circunferência em dois pontos distintos.  Exteriores: circunferências que não possuem ponto em comum e nem pontos internos em comum.  Reta Exterior (r): não intercepta a circunferência em nenhum ponto. 20 . porém possuem pontos in- ternos em comum.  Tangentes Exteriores: circunferências que possuem apenas um ponto em comum e não possuem pontos internos em comum.  Interiores: circunferências que não possuem ponto em comum.  Reta tangente (t) : intercepta a circunferência em um único ponto.

SEMPRE formam dois segmentos tangentes (com extremidades no ponto de tangência e no ponto de interseção) de mesmo comprimento.  Ângulo Inscrito: ângulo que possui vértice na circunferência. em unida- des angulares. 4) Ângulos na Circunferência:  Ângulo Central: ângulo que possui vértice no centro da circunferência.3) Propriedades:  O raio de uma circunferência é SEMPRE perpendicular à reta tangente no seu ponto de tan- gência. é o mesmo de seu arco correspondente. Seu valor. O arco correspondente ao ân- gulo inscrito possui o dobro do ângulo.  O raio que intercepta uma corda da circunferência em seu ponto médio é SEMPRE perpen- dicular à corda.  Duas retas tangentes se interceptando. 21 .

 Ângulo Segmento: ângulo formado por uma tangente e uma secante com vértice no ponto de tangência.  Ângulo Exterior: ângulo que possui vértice em um ponto externo à circunferência. Ângulo Interior: ângulo que possui vértice em algum ponto interno à circunferência. Seu va- lor é igual à metade da soma dos arcos correspondente a esse ângulo. O arco correspondente ao ângulo segmento é igual ao dobro do ângulo. Seu valor é igual à metade da diferença entre os arcos correspondentes à circunferência. 22 .

Nesses quadriláteros as somas dos lados opostos são iguais.5) Quadriláteros na Circunferência:  Quadrilátero Inscritível: é aquele que tem os vértices numa circunferência. 6) Relações Métricas na Circunferência:  Teorema das Cordas: ao traçar em uma circunferência duas cordas que se interceptam em um ponto interno. os produtos dos comprimentos dos segmentos formados em cada corda são iguais.  Quadrilátero Circunscritível: é aquele que tem os lados tangentes a uma circunferência. Nesses quadrilá- teros a soma de seus ângulos opostos é igual a 180°. 23 .

partindo de um mesmo ponto. Teorema das Secantes: Ao traçar em uma circunferência dois segmentos secantes. 09. o produto da medida de um deles pela medida de sua parte externa é igual ao produto da medida do outro segmento pela medida de sua parte externa. Fórmulas Complementares: 1) Teorema de Thales: 2) Relação de Stewart: 24 .

3) Teorema de Ptolomeu: válido em qualquer quadrilátero inscritível. 10. Os polígonos são classificados de acordo com o número de lados de acordo com a tabela abaixo: Polígono Gênero Triângulo 3 lados Quadrilátero 4 lados Pentágono 5 lados Hexágono 6 lados Heptágono 7 lados Octógono 8 lados Eneágono 9 lados Decágono 10 lados Undecágono 11 lados Dodecágono 12 lados Pentadecágono 15 lados Icoságono 20 lados 25 . Polígonos: É a figura geométrica formada pela ligação de três ou mais pontos de um mesmo plano. 4) Teorema de Hiparco: válido em qualquer quadrilátero inscritível.

Veja o exemplo a seguir: 26 .De acordo com o número n de lados. 1) Ângulo Interno: 180  n  2  ai  n 2) Ângulo Externo: 360o ae  n 3) Diagonais que passam pelo centro: Um polígono Regular só possui diagonais passando pelo centro se o número de lados for par. n dcentro  2 4) Relação entre lado. o polígono não possui diagonais passando pelo centro. o raio da circunscrita e a metade do lado. podemos calcular os seguintes elementos: 1) Soma dos ângulos internos: Si  180  n  2 2) Soma dos ângulos externos: Se  360o 3) Número de Diagonais: n  n  3 D 2 4) Número de Diagonais que partem de cada vértice: N  n3 11. Se o número de lados for ímpar. Polígonos Regulares: É todo polígono convexo que apresenta todos os lados e ângulos internos e externos com as mesmas medidas. apótema e raio do círculo circunscrito Essa relação pode ser encontrada através das relações trigonométricas no triângulo retângulo formado entre o apótema.

Cálculo do Raio da circunferência circunscrita: 2 2 4 3 cos 30  R  R  R cos 30 3 Como treinamento calcule o apótema e o raio da circunferência circunscrita de um quadrado e de um hexágono regular de lado L. 1.Cálculo do apótema: a 2 3 tg30   a  2  tg30  a  2 3 2.“Calcule a apótema e o raio da circunferência circunscrita a um triângulo equilátero de lado 4”. Esquema do problema: Para calculara apótema e o raio basta identificá-los na figura e fazer relações trignométricas. 27 .

d S 2 28 .12. h b) Quadrado: S 2 c) Losango: D. Área das Figuras Planas I) Área dos Quadriláteros a) Retângulo: S  b.

h S 2 e) Paralelogramo: S  bh f) Quadriláteros Quaisquer 1 S  pq  sen 2 29 .d) Trapézio (B  b).

c . c .hb c .sen(C) S   2 2 2 30 .II) Área dos Triângulos Os triângulos têm grande importância em geometria plana.sen(A) a.hc S   2 2 2 b) Conhecendo-se dois lados e o ângulo entre eles: b. por isso é interessante que conhe- çamos inúmeras informações sobre eles.sen(B) a. Podemos calcular a área de um triângulo: a) Conhecendo-se a base e a altura: a. b. ha b.

c) Conhecendo-se os três lados: S  p( pa)( pb)( pc) abc Onde: p  2 d) Sabendo que é equilátero: ² 3 S 4 31 .

e) Em função do raio do círculo inscrito: S  pr ab  c onde:p  2 f) Em função do raio do círculo circunscrito abc S 4R 32 .

III) Área dos Círculos a) Círculo 2 S  R b) Setor Circular: 2 R S setor  com  em radianos 2 c) Segmento Circular: Sseg  Ssetor  Striângulo 33 .

d) Coroa Circular: área compreendida entre dois círculos concêntricos (mesmo centro). S  R2  r2 IV) Área de Polígonos Regulares S  pa  p  semi  perímetro 34 .

Se sua hipotenusa mede 50 cm e a tangente de um dos ângulos agudos vale 4/3. Após percorrer 100 metros. Sabendo que o barco neste percurso de 100 metros não ficou a menor distância do farol e considerando 3 1. Sabendo-se que a altura do caminhão é 1. (EFOMM) Uma escada foi colocada em cima de um caminhão formando um ângulo agudo com o topo de um prédio de 7m de altura. um ângulo de 60° com o segmento que liga o barco e o farol. logo a medida da escada em metros é: 14 3 A) 3 B) 14 3 C) 2 3 4 3 D) 3 E) 4 3 3. a soma das medidas dos catetos vale: A) 70 cm B) 40 cm C) 60 cm D) 50 3 cm E) 100 cm 2. a sua trajetória forma. dessa vez.732 . (EFOMM) Em um triângulo isósceles ABC de altura 16 cm relativa à base BC. (EFOMM) Considere um triângulo ABC retângulo em A. a menor distância en- tre a trajetória do barco e o farol vale: A) 56. inscreve-se um círculo de raio igual a 6 cm.0 m E) 96. QUESTÕES DE GEOMETRIA PLANA DO PROCESSO SELETIVO DA ESCOLA DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA MERCANTE (EFOMM) 1.0 m e que a menor distância da base da escada para o prédio é igual à metade do comprimento da esca- da.6 m D) 90.0 m C) 86.8 m 35 .0 m B) 76. Então podemos afirmar que a medida da base BC vale: A) 16 B) 17 C) 18 D) 24 E) 28 4. (EFOMM) A trajetória reta de um barco forma com o segmento que liga o barco e um farol um ângulo de 30°.

45 metros C) 830. Antes de iniciar a caminhada.45 metros 36 . verifica que o ângulo NBA é de 45°.77 metros E) 700. estan- do no ponto A.22 metros B) 846. vista de perfil. um banhista vai de um ponto A a um ponto B. Considere que o pé da perpendicular do navio à praia encontra-se entre os pontos A e B e que 3 1. além da mesma altura.5.33 metros D) 760. A) 945. (EFOMM) Caminhando em linha reta ao longo de uma praia. e quando chega em B. Se AB = 2 m e BCA = 30°. a medida da extensão do degrau é: 2 3 A) m 3 2 B) m 3 3 C) m 6 3 D) m 2 3 E) m 3 6. Calcule a distância em que se encon- tra o navio da praia. ele avista um navio parado em N de tal maneira que o ângulo NAB é de 60°. cobrindo uma distância AB = 1200 metros. (EFOMM) Uma escada cujos degraus têm a mesma extensão.732 . está representada na figura abaixo.

do ângulo assinalado. representado na figura abaixo é isósceles de base BC.7. determine a medida do ângulo AMD. A trajetória de um deles for- ma um ângulo de 18°24’ com a direção indicada pela agulha da bússola. (EFOMM) Dois barcos navegam em direções perpendiculares. a medida y. é: A) 160° B) 150° C) 140° D) 130° E) 120° 8. indicando o norte. Qual é a medida do ângulo agudo formado pela trajetória do outro barco e pela direção indica- da pela agulha da bússola? A) 41°36’ B) 51°36’ C) 71°36’ D) 75°36’ E) 79°36’ 9. Se EC = CF e x = 40°. sabendo que M é o ponto médio de BC. A) 30° B) 40° C) 45° D) 50° E) 60° 37 . (EFOMM) O triângulo ABC. (EFOMM) Na figura abaixo.

sa- bendo-se que BD é a bissetriz do ângulo interno B e CD a bissetriz do externo C. De- termine a medida do raio da circunferência menor.10. a distância da lancha até a praia vale: A) 83 m B) 84 m C) 85 m D) 86 m E) 87 m 38 .75 D) 1.25 B) 1. (EFOMM) Duas pessoas estão na beira da praia e conseguem ver uma lancha B na água. tg 2 e tg 4 . Adotando a distância entre as pessoas como PP ˆ . (EFOMM) Determine a medida do ângulo interno A no triângulo ABC da figura abaixo. BPˆ2P1 1 2 sendo 63 m.85 E) 2 12.50 C) 1. sabendo que as outras duas têm raios de medida igual a 5 cm. A) 1. o ângulo BPP 1 2 . A) 60° B) 80° C) 100° D) 110° E) 120° 11. (EFOMM) Tangenciando a reta r encontramos três circunferências tangentes entre si.

13. A) 70° B) 80° C) 85° D) 100° E) 120° 14. A área R é: L2 A) 2 B) 2 2 L2 4 2 C) L 3 D) 4 L2 E) 2 L2 39 . (EFOMM) No hexágono ABCDEF. (EFOMM) A região pintada R da figura é limitada por arcos de circunferência centrados nos vértices do quadrado de lado 2L. a medida do ângulo ABC é quatro vezes a medi- da do ângulo EFA. Determine a medida do ângulo obtuso formado pelas bissetrizes de ABC e EFA. abaixo.

(EFOMM) Dois observadores que estão em posições coincidentes com os ponto A e B. pode-se afirmar que sua base mede: A) 8 metros B) 9 metros C) 10 metros D) 11 metros E) 12 metros 17. em me- tros. Sabendo-se que a medida do ângulo APB é 90° e a distância entre os pontos A e B é 100 metros. a partir do chão. possui a medida da altura relativa à base igual à medida da base acrescida de dois metros. é: A) 1/3 B) 5/2 C) 2/5 D) 2/3 E) 3/2 40 . está localizado no ponto P de um pla- no. afastados 3km entre si. O topo do mastro é avis- tado do ponto A sob um ângulo de 30° e do plano B sob um ângulo de 45°. A) 20 B) 50 C) 60 D) 90 E) 100 16. Sabendo que o períme- tro do triângulo é igual a 36 metros. em km. respectivamente. (EFOMM) Em uma determinada OM (Organização Militar) de terra. assinale a alternativa correta. (EFOMM) Um triângulo isósceles ABC. Em seguida. a partir do chão. como sendo 30º e 75º. Se o balão está diretamente acima de um ponto no segmento de reta entre A e B. medem simultaneamente o ângulo de elevação de um balão. conforme representado no desenho acima. a altura do mastro. com lados AB = AC e base BC. então a altura do balão. calcule.15. o mastro da bandeira.

Ao olhar de cima. obtém-se o ponto de tangência F e como centro da circunferên- cia o ponto E. verifica o ângulo LBC = 75°. quando o navio está em A. O valor do raio do cabeço. a distância do farol ao ponto B é: A) 8 11 milhas B) 2 2 milhas C) 3 3 milhas D) 6 5 milhas E) 7 3 milhas 41 . (EFOMM) Um navio. B e C. Após navegar 4 milhas até B. passa sucessivamente pelos pontos A. De acordo com a representação abaixo. observa o farol L e calcula o ângulo LAC = 30°. visualizam-se duas circunferências. Ao dispor meia circunferência no quadrado ABCD de lado a. (EFOMM) Nas embarcações é comum utilizar os cabeços para amarrar as espias. em função de a. ao navegar em linha reta. O comandante.18. é: A) a 1 B) a C) a 2 1 D) a 2 E) 2a 19. onde DB é a espia.

41 e 3. II.A área do setor circunferência maior quando ângulo central for 60° é um número real maior que 8. a distância entre os postes. Então. De acordo com as afirmativas abaixo. A) Apenas a afirmativa III é verdadeira B) Apenas a afirmativa II é falsa C) As afirmativas I e II são verdadeiras D) As afirmativas II e III são falsas E) Apenas a afirmativa I é verdadeira 21. o raio da maior tem 4 cm e o lado AB do retângulo mede 9cm. (EFOMM) Um muro será construído para isolar a área de uma escola que está situada a 2km de distância da estação do metrô. o raio da circunferência menor tem 2 cm.O lado AD é um número que está entre 11 e 12. 2 1. III. dois postes. em km. pode-se afirmar que: Dado: 3 1.A área do retângulo não ocupada pelos círculos é aproximadamente 38 cm². tais que a razão entre a distância de P à estação e a distância de P à escola é constante e igual a 2 . serão fixados nos pontos do muro que estão sobre a reta que passa pela escola e é perpendicular à reta que passa pelo metrô e pela escola.20.14 I. com uma câmera cada.73. será: A) 2 B) 2 2 C) 2 3 D) 4 E) 2 5 42 . Esse muro será erguido ao longo de todos os pontos P. Em razão disso. (EFOMM) Observe a figura.

Traçou dois diâmetros AC e BD perpendiculares e. conforme sugere a figura 2. dobrou o papel fazendo coincidir A. (EFOMM) Considere um triângulo retângulo de catetos 9 cm e 12 cm. O e C. A área da parte do círculo não encoberta pelas dobras. som- breada na figura 2 é igual a: 1 A) 48 3 16 cm2 3 1 B) 16 48 cm2 3 1 C) 16 12 3 cm2 3 1 D) 16 2 3 cm2 3 1 E) 32 12 3 cm2 3 43 . (EFOMM) João construiu um círculo de papel com centro O e raio 4 cm (Figura 1). em seguida. A bissetriz interna relativa à hipotenusa desse triângulo mede: 36 A) 2 7 25 B) 2 7 4 C) 2 15 7 D) 2 5 3 E) 2 5 23.22.

Seja o círculo C1 de raio R. todos com raios 2 iguais a R . onde estão dispostos n círculos tangentes a C1 . Dado: arccos  0.41rad . como mostra a figura acima. 5 A) 7 B) 6 C) 5 D) 4 E) 3 44 . Assinale a opção que apresenta o valor máximo de 3 21 n.24. (EFOMM) Analise a figura a seguir.