You are on page 1of 14

UNIVERSIDADE DOS AÇORES

Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo

DOCUMENTO ORIENTADOR NA ELABORAÇÃO DE UM


TRABALHO ESCRITO

Elaborado por:

Conselho Pedagógico da ESEnfAH

Angra do Heroísmo
2006
ÍNDICE

pág.

NOTA INTRODUTÓRIA ......................................................................................................... 3

1- PRINCÍPIOS ORIENTADORES DOS TRABALHOS ESCRITOS .................................... 4

1.1- INTRODUÇÃO.................................................................................................................. 4

1.2- CORPO DO TEXTO .......................................................................................................... 4

1.3- CONCLUSÃO.................................................................................................................... 7

1.4- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................................... 7

2- PRINCÍPIOS BÁSICOS DE APRESENTAÇÃO E FORMATAÇÃO .............................. 10

2.1- PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO.............................................................................. 10

2.2- PRINCÍPIOS DE FORMATAÇÃO ................................................................................. 11

3- OUTROS PRINCÍPIOS A RESPEITAR ............................................................................ 13

2
NOTA INTRODUTÓRIA

No âmbito da licenciatura em Enfermagem está prevista a elaboração de trabalhos escritos.


Neste sentido, o Conselho Pedagógico decidiu elaborar um documento orientador do qual
constassem os princípios básicos para a realização dos mesmos (à excepção da monografia).
Deste modo, o presente documento tem por finalidade criar condições para uma
uniformização dos critérios exigidos.

Para o efeito, foram consideradas essencialmente as orientações propostas por Lamas et al.
(2001), em Contributos para uma metodologia científica mais cuidada, para além de ter sido
solicitado o parecer de vários actores do processo pedagógico desta instituição.

O presente documento refere-se, então, aos diferentes aspectos integrantes de um trabalho


escrito, nomeadamente: introdução, desenvolvimento, conclusão, referências bibliográficas e
formatação. Serão abordadas cada uma das dimensões que os compõem e o modo como
devem ser desenvolvidos.

3
1- PRINCÍPIOS ORIENTADORES DOS TRABALHOS ESCRITOS

Os trabalhos escritos deverão revelar coerência interna, constituindo um todo e revelando um


fio condutor, que demonstre uma efectiva articulação de cada uma das suas partes. Nesta
ordem de ideias é importante obedecer a algumas regras de redacção que orientem a sua
escrita. Por isso, apresenta-se seguidamente princípios básicos e, por conseguinte,
orientadores, desses trabalhos.

1.1- INTRODUÇÃO

Uma introdução deverá ter uma apresentação clara, simples e sintética do tema.

O que deve constar da introdução?

- O tema do trabalho;

- A justificação do tema;

- A pertinência do tema;

- Os objectivos do trabalho;

- A estrutura do trabalho.

1.2- CORPO DO TEXTO

Entende-se por corpo do texto, a essência do documento escrito.

Primeiramente elabora-se um plano sequencial sobre o tema composto por capítulos,


subcapítulos e se necessário subsubcapítulos (que assumem uma designação própria). Podem
ser ainda incluídas expressões em forma de título, centradas no texto e sem numeração (sendo
que estas não aparecem no índice do trabalho).

Os três aspectos fundamentais de um trabalho são: conteúdo, sequência e rigor científico.

Um texto exige uma fundamentação lógica do trabalho, exposição das ideias principais e sua

4
análise.

Como e por onde iniciar a redacção?

- Iniciar pelo primeiro tópico do plano e tentar a sequência previamente traçada;

- Começar pelo tópico mais acessível;

- Iniciar pelo tópico de maior preferência.

Dever-se-á procurar um discurso autónomo, rigoroso do ponto de vista científico, objectivo,


inteligível e fundamentado com exactidão.

É fundamental uma diversificação de referências teóricas e seu confronto bem como a


exigência de actualização com sequência cronológica. A selecção, pertinência e quantidade de
citações, é um aspecto importante de avaliação do trabalho.

A realização textual deverá implicar:

- A observação de um estilo e linguagem adequadas, isto é, fazendo uso de terminologias


específicas e indispensáveis que se dominam;

- A escolha de uma fraseologia, objectiva e concisa, respeitando regras gramaticais.

Estilos de escrita

O estilo narrativo/discursivo a ser utilizado ao longo do trabalho pode distinguir-se em três


opções:

- O plural de modéstia “nós” que pretende manifestar a pertença a um grupo que está
implicado em estudos relativos a uma determinada especialidade.

Ex: Nós cremos que…; Partilhamos da opinião do autor…; A nossa análise pressupõe…

- Um registo impessoal, através do uso das formas reflexas dos verbos (construção com se)
que contribuem, para o apagamento do sujeito.

Ex: Observou-se; Concluiu-se; Fez-se referência a…

5
- Um estilo pessoal e directo, usando a primeira pessoa do singular.

Ex: A pesquisa que efectuei leva-me a inferir…; É minha convicção que…

Citações

Todas as citações devem vir referenciadas segundo o apelido do autor em minúsculas e o ano
da publicação entre parênteses.

Há diversos modos de fazer citações:

- Directa ou formal - refere-se à transcrição exacta de textos de um determinado autor


respeitando-o na íntegra. Ou seja, exactamente como este se apresenta, entre aspas ou itálico,
seguindo sempre o mesmo critério ao longo do trabalho. Na eventualidade de serem retiradas
palavras ou frases do texto deverão ser colocadas reticências entre parênteses em substituição
destas. Neste caso, além do nome do autor e do ano, deverá constar a página de onde foi
retirada a citação; a título de exemplo: (Antunes, 2000:33);

- Indirecta ou conceptual - é uma reprodução fiel das ideias do autor, embora sem recurso às
suas palavras (parafrasear). Deverão ser usados termos como por exemplo: Segundo…; De
acordo com…, “Na perspectiva de …”, “ Na opinião de…”, ou então assinalando no final
entre parênteses a confrontação com o autor (cf…);

- Fonte secundária (frequentemente conhecida como citação de citação) – referência a um


documento ao qual não foi possível aceder directamente; apenas deverá ser utilizado em
último recurso. A titulo de exemplo: Antunes (2000:30), citado por Morais (2004:15-23).

Salienta-se que todas as citações devem ser documentadas em constante remissão para as
fontes. Sempre que possível, estas devem ser primárias (consulta da obra do autor que se quer
referenciar). Em caso algum as fontes se devem omitir, facto que, provado, poderá resultar na
desqualificação do trabalho.

Notas

Finalidades das notas:

“A transmissão de informações que não foram incluídas no texto, a título de esclarecimento


ou comentário; o estabelecimento de ligações-remissões internas com outros momentos do

6
texto, criando uma intratextualidade; a indicação de bibliografia complementar, na qual o
leitor encontrará mais informação sobre o assunto tratado, aprofundando assim a temática em
causa; a referência a uma obra ou mais obras com as quais as afirmações feitas no texto
poderão ser comparadas, de forma a certificar o que ficou dito” (Lamas et al, 2001:108-109).

As notas são facultativas e podem ser colocadas em pé página. Neste caso deve-se atender a
algumas regras: letra menor, separadas do texto por um traço horizontal contínuo e reiniciam-
se em cada página.

1.3- CONCLUSÃO

Na conclusão deve constar se os objectivos propostos foram alcançados, os resultados


atingidos, eventuais acções a desenvolver e propostas/sugestões/recomendações relevantes.

1.4- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

As referências bibliográficas têm a função de apresentar de forma orgânica e ordenada, as


fontes consultadas. Devem ser colocadas a seguir à conclusão e ordenadas alfabeticamente. É
ainda obrigatório estarem todas as referências utilizadas no texto.

Eis alguns exemplos de elaboração das referências bibliográficas:

Livro de um autor

Fernandes, A. J., (1994), Métodos e regras para a elaboração de trabalhos académicos e


científicos, Porto, Porto Editora.

Livro de dois autores

Faria, I., Gonçalves, A., (1992), Bibliografia, Porto, Edições ASA.

Livro de três ou mais autores

Ribeiro, C. et al., (1995), O holocausto e o Ensino da História. Reflexão sobre Programas e


Manuais de História. Recursos de Apoio à Prática Pedagógica, Lisboa, Associação de
Professores de História.

7
Artigos compilados em livro/em colectânea/em volume

Laca, B., “Relaciones Retóricas y Conectores” in Vásquez, Graciela (coord.), (2001), Guía
Didáctica del discurso Academico Escrito- como se escribe una monongrafia?, Madrid,
Editorial Edinumen, pp.107-148.

Artigos inseridos em revistas

Morais, C., (2004), “Perspectivas das Competências” in Revista Nursing, vol. VIII, n.º188,
Maio de 2004, pp.23-24.

Revistas ou actas consideradas no todo

Revista da Universidade de Aveiro. Letras, Aveiro, Publicações do Departamento de Línguas


e Culturas, 1996, n.º13.

Jornadas Internacionales sobre Camilo (1991), Camilo Castelo Branco. Perspectivas, Actas,
Salamanca, Universidad de Salamanca.

Decretos-Lei

Decreto-Lei n.º 192/89, ou D.R.: I Série. 131 (89-06-08).

Artigos da Internet – Nesta referência bibliográfica deve-se ter em conta que muita
informação disponibilizada na Internet corresponde a publicações pessoais, isto é, não passam
por um processo de revisão como as publicações escritas; a credibilidade a atribuir a essa
informação deve ser pois, devidamente avaliada.

Gil, F. (2001), Documentos do Império [em linha], disponível em


<http://macua.com/documentos.html>, [consultado em: 21 de Outubro de 2002].

Locais na Internet, páginas principais, pessoas ou instituições

Biologia Molecular, fisiologia e farmacologia [em linha], disponível em


<http://macua.com/documentos.html>, [consultado em: 21 de Outubro de 2002].

Publicações de revistas digitais

Morais, C., (2004), “Perspectivas das Competências”, [em linha], disponível em

8
<http://macua.com/documentos.html>, [consultado em: 21 de Outubro de 2005].

Revistas como um todo

National Geographic Magazine Portugal, [em linha], disponível em


<http://macua.com/documentos.html>, [consultado em: 21 de Outubro de 2005].

Entrevista - Nesta referência bibliográfica deve-se ter em conta o nome da pessoa


entrevistada; o cargo; local onde o cargo é desempenhado; assunto tratado; local da entrevista;
data e duração.

Pereira, A. S., Director do Centro de Documentação da Escola Superior de Documentologia


(ESD) - Elaboração de trabalhos escritos, ESD, 2006-03-16 (3 h.).

CD-ROM

Association for Computing Machinery (1997), Electronic Catalog, [CD-ROM], New York,
John Wiley & Sons, Inc. IBM PC e compatível, Macintosh.

9
2- PRINCÍPIOS BÁSICOS DE APRESENTAÇÃO E FORMATAÇÃO

Os trabalhos académicos deverão obedecer a alguns princípios básicos no que se refere à sua
apresentação e formatação.

2.1- PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO

Os princípios de apresentação dos trabalhos escritos referem-se à sequência a adoptar no que


concerne aos elementos estruturantes do trabalho, os quais passam a apresentar-se:

- Capa: deverá conter os seguintes elementos – universidade, escola (sem recurso a logotipos),
curso e ano; título do trabalho (deve ser o mais explícito possível, sem recurso a siglas ou
metáforas), unidade curricular no âmbito da qual é realizado o trabalho; local, nome dos
autores e data de entrega do trabalho.

- Pensamento (facultativo).

- Siglas e abreviaturas: deverão constar por ordem alfabética em folhas separadas.

- Índice (geral).

- Índice de gráficos, tabelas, quadros, figuras e esquemas: deverão obedecer à sequência com
que aparecem no texto; cada índice destes deverá surgir separadamente, um por página(s).

- Corpo do texto.

- Conclusão.

- Referências Bibliográficas.

- Anexos.

10
2.2- PRINCÍPIOS DE FORMATAÇÃO

Prefere-se a seguinte formatação:

Margens da folha

Superior: 2,5
0 cm

Inferior: 2,5
0 cm

Direita: 2 cm

Esquerda: 3 cm

Capítulo

Tipo de letra: Times New Roman

Estilo do Tipo de Letra: Normal sublinhado

Tamanho da Letra:14

Efeitos: Maiúsculas

Alinhamento: Esquerda

Antes: 50 pto

Depois: 12 pto

Espaçamento entre linhas: 1,5

No final de cada capítulo inserir quebra de página.

SubCapítulo

Tipo de Letra: Times New Roman

Estilo do Tipo de Letra: Normal

Tamanho da Letra:14

11
Efeitos: Maiúsculas

Alinhamento: Esquerda

Antes: 24 pto

Depois: 12 pto

Espaçamento entre linhas: 1,5

SubSubCapítulo

Tipo de Letra: Times New Roman

Estilo do Tipo de Letra: sublinhado

Tamanho da Letra:14

Efeitos: Minúsculas

Alinhamento: Esquerda

Antes: 18 pto

Depois: 12 pto

Espaçamento entre linhas: 1,5

Corpo do texto

Tipo de Letra: Times New Roman

Estilo do Tipo de Letra: Normal

Tamanho da Letra:12

Alinhamento: Justificado

Espaçamento entre linhas: 1,5

Antes: 6

12
Depois:12

Paginação

Margem inferior direita

Tamanho da letra: 10

Anexos

Quando haja necessidade de incluir anexos no trabalho estes devem aparecer após as
referências bibliográficas antecedidos de uma folha de rosto com a palavra anexos. Cada
anexo deve conter uma folha de rosto com o título do seu conteúdo e numeração em letra
romana. A paginação deve surgir na sequência do trabalho.

Estes mesmos anexos constam do índice geral com o respectivo título, numeração e página.

3- OUTROS PRINCÍPIOS A RESPEITAR

A elaboração e redacção de trabalhos, para além de obedecer a princípios gerais de orientação


no que se refere à escrita, bem como à sua apresentação e formatação, ainda é passível de
necessitar de ter em conta outros princípios, dos quais se destacam os seguintes:

- A primeira vez que surja a necessidade de introduzir uma sigla no texto, implica a utilização
da sua designação por extenso, seguida da sigla entre parênteses; exemplo: Organização
Mundial de Saúde (OMS).

- A utilização de abreviaturas:

AA.VV = autores vários

ap. ou apud = citado por, segundo (citação indirecta)

cap. = capítulo

cf. ou infra = conferir linhas ou páginas atrás

13
coord. = coordenador

ed. = editor

et al. = e outros

i.e. = isto é, ou seja

ibid. ou ibidem = do mesmo autor, na mesma obra, na mesma página

id ou idem = do mesmo autor, na mesma obra em página diferente

org. = organizador

p., pág. = página

per se = por si exclusivamente

pp. = páginas

s/d. = sem data

s/l. = sem local

s/p. = sem página

- A paginação deverá apenas constar a partir da segunda folha do documento; todavia, a sua
contagem inicia-se na capa.

14