You are on page 1of 7

UNIVERSIDADE DE CUIABÁ

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO

APOSTILA: TÉCNICAS TRETROSPECTIVAS,


RESTAURAÇÃO E PATRIMÔNIO HISTÓRICO.

RESOLUÇÃO DOS EXERCICIOS PROPOSTOS

ANDRÉ RODRIGUES MELGAÇO DOS SANTOS

CUIABA – MT
MARÇO 2018
CAPITULO 01

1. A aproximação com as ruínas arquitetônicas e a ocorrência


das escavações arqueológicas dos séculos XVII e XVIII
apresentava o universo material como uma possível fonte de
conhecimento histórico, para além dos textos antigos.
Assinale a alternativa que contém a afirmação correta:

RESPOSTA:
a) Fragmentos das ruínas arquitetônicas e peças de arte, trazidos de
viagens pela Europa, passaram a ser compilados em grandes gabinetes
de curiosidades, onde se estudava as regras de composição da
Antiguidade, chamados de antiquários.

2. De acordo com Viollet-le-Duc, “restaurar um edifício não é


mantê-lo, repará-lo ou refazê-lo, é restabelecê-lo a um estado
que pode não ter existido nunca em um dado momento”
(VIOLLET-LE-DUC, 2007, p. 49). Embora bastante polêmica,
a postura de Viollet em relação aos monumentos históricos foi
adotada por muitos restauradores do século XIX.
Com base na afirmação de Viollet-le-Duc, assinale a
alternativa que contém características de sua teoria e da
restauração estilística.

RESPOSTA:
e) A restauração estilística é uma linha de restauro baseada em
analogias, feita segundo estilos históricos, tal como Viollet-le-Duc
propunha.

3. De Relacione as afirmações a seguir às teorias de John


Ruskin e de Viollet-leDuc:
i. “a maior glória de um edifício não está em suas pedras,
ou em seu ouro. Sua glória está em sua Idade, e
naquela profunda sensação de ressonância, de
vigilância severa, de misteriosa compaixão, até mesmo
de aprovação ou condenação, que sentimos em
paredes que há muito são banhadas pelas ondas
passageiras da humanidade.”
ii. “É necessário que o edifício restaurado tenha no futuro,
em consequência da operação à qual foi submetido,
uma fruição mais longa do que a já decorrida.”
iii. “a palavra restauração [...] significa a mais total
destruição que um edifício pode sofrer: uma destruição
da qual não se salva um vestígio: uma destruição
acompanhada pela falsa descrição da coisa destruída.”
iv. “o espírito do artífice morto não pode ser invocado, e
intimado a dirigir outras mãos e outros pensamentos.”
v. “antes de ser arqueólogo, o arquiteto encarregado de
uma restauração deve ser um construtor hábil e
experimentado, não somente do ponto de vista geral,
mas do ponto de vista particular; isto é, deve conhecer
os procedimentos de construção admitidos nas
diferentes épocas de nossa arte e nas diversas
escolas.”
vi. “na medida em que possa tornar-se compatível com o
caráter inerente da arquitetura, o pitoresco ou a
sublimidade extrínseca terá exatamente essa função,
mais nobre nela do que em qualquer outro objeto: a de
evidenciar a idade do edifício”.
Assinale a alternativa que contém as associações corretas:
RESPOSTA:
d) Apenas as afirmativas II e V refletem a restauração estilística de
Viollet-le-Duc.

CAPITULO 02

1. A terceira via entre o antagonismo do movimento “anti-


restauração”, apoiado nas teorias de John Ruskin, e o
“restauro estilístico”, defendido por Viollet-le-Duc, foi
delineada por Camillo Boito, no final do século XIX, e ficou
conhecida como “restauro filológico”.
Assinale a alternativa que apresenta a afirmativa correta:

RESPOSTA:
d) Boito dividia o restauro em três categorias: arqueológico, pictórico e
arquitetônico.

2. A Leia o trecho a seguir:


Uma obra arquitetônica não é somente um documento, mas é,
sobretudo, um ato que, em sua forma, exprime totalmente um
mundo espiritual e que, essencialmente por isso, assume
importância e significado. Ela representa para a nossa cultura
o grau mais alto, justamente por seu valor artístico e,
exatamente desta fundamental consideração, surge o novo
princípio informativo da restauração: assegurar ao valor
artístico a prevalência absoluta, em relação aos outros
aspectos e características da obra, os quais devem ser
considerados somente na dependência e em função daquele
único valor. (CUNHA, 2012).
O entendimento de que o valor artístico da obra prevalece
sobre os demais aspectos e característica foi defendida pelo
teórico:

RESPOSTA:
b) Renato Bonelli.

3. A O centro histórico da cidade de São Luiz do Paraitinga, no


Estado de São Paulo, preserva construções típicas do período
colonial e dos barões do café. Em 2010, uma forte chuva
devastou toda a região, destruindo vários monumentos, dentre
eles a Igreja Matriz, que ficou em estado de ruínas. Após um
fervoroso debate sobre a reconstrução da igreja, ela foi
inaugurada novamente em 2014 e o conjunto urbano
tombado, em 2012, pelo IPHAN.
Analise as afirmativas a seguir, feitas a partir da necessidade
de se reconstruir a igreja, considerando as posturas dos
teóricos E. E. Viollet-le-Duc, John Ruskin e Camillo Boito.

i. Viollet-le-Duc defenderia que a igreja fosse abandonada


em estado de ruínas, conforme a chuva a havia deixado.
ii. John Ruskin defenderia que a igreja fosse restaurada, já
que esta fazia parte do imaginário popular.
iii. Camillo Boito sugeriria que a igreja fosse, em parte,
restaurada, desde que se deixassem evidentes as
marcas da intervenção, além de documentar todo
processo de restauro, desde as escavações
arqueológicas até a finalização das obras.
iv. Levando em consideração a ampla documentação
existente e considerando que restaurar um edifício não
é mantê-lo, repará-lo ou refazê-lo, e, sim, restabelecê-lo
em um estado completo que pode não ter existido nunca
em um dado momento, Viollet-le-Duc empreenderia a
reconstituição completa da igreja, perseguindo a
unidade estilística do monumento.

RESPOSTA:
d) Somente as afirmativas III e IV estão corretas.

CAPITULO 03

1. A Carta de Atenas de 1931 foi o documento que sintetizou as


resoluções da Conferência Internacional de Atenas sobre o
Restauro dos Monumentos e é um dos documentos que
define as bases para a Preservação Arquitetônica até os dias
de hoje. Dentre as afirmativas a seguir, assinale aquela que
contém as doutrinas e princípios apresentados na Carta de
Atenas:

RESPOSTA:
b) A Conferência recomenda respeitar, na construção dos edifícios, o
caráter e a fisionomia das cidades, sobretudo na vizinhança dos
monumentos antigos, cuja proximidade deve ser objeto de cuidados
especiais.

2. Leia o trecho a seguir:


Portadoras de mensagem espiritual do passado, as obras
monumentais de cada povo perduram no presente como o
testemunho vivo de suas tradições seculares. A humanidade,
cada vez mais consciente da unidade dos valores humanos,
as considera um patrimônio comum e, perante as gerações
futuras, se reconhece solidariamente responsável por
preservá-las, impondo a si mesma o dever de transmiti-las na
plenitude de sua autenticidade (ICOMOS, 1964).
A Carta de Veneza de 1964 é um dos documentos basilares
no campo da preservação de bens de valor histórico, artístico
e cultural. Segundo ela, podemos afirmar que:

RESPOSTA:
c) A conservação dos monumentos exige a manutenção permanente.

3. Leia o trecho a seguir:


As cartas em geral, e a Carta de Veneza em particular, não
são um receituário de utilização fácil, nem de relação
mecânica de causa‑efeito. Para poder utilizar suas
proposições, que se equiparam a uma norma deontológica, é
necessário compreender sua natureza, as discussões que
estão em sua base, os modos como suas indicações foram
apreendidas e incorporadas na prática ao longo do tempo, e,
assim, poder interpretar esses postulados de maneira
fundamentada, com rigor metodológico. (KÜHL, 2010).
Sobre as Cartas Patrimoniais, assinale a alternativa correta:

RESPOSTA:
c) A Carta de Atenas de 1931 foi influenciada pelos princípios do
restauro crítico.