You are on page 1of 260

Sobre os autores

Graeme Brooker, designer de interiores e


estudioso da área, é diretor da graduação e da
pós-graduação dos cursos de design de
interiores da Manchester School of Art. Ocupa
uma cadeira na Interior Educators, associação no
Reino Unido de arquitetura e design de interiores,
da qual foi fundador. Lecionou e publicou
trabalhos em vários países e, em 2007, foi
elogiado pela European Association of
Architectural Education (EAAE) pelo conjunto da
obra sobre educação de design.

Sally Stone, diretora do College of Continuity in


Architecture na Manchester School of
Architecture, dá aulas de estúdio para cursos de
pós-graduação nas áreas de regeneração urbana,
reutilização de construções e a relação entre
arquitetura de interiores e instalações artísticas.
Já lecionou em vários países e apresentou artigos
em conferências internacionais, além de ser
autora do livro Interventions: Attitudes Towards
Public Space (2006).

Graeme Brooker e Sally Stone produziram e


apresentaram vários trabalhos juntos e são
autores das obras: Re-readings: Interior
Architecture and the Design Principies of
Remodelling Existing Buildings (2004), Form
and Structure the Organization of Interior Space
(2007) , Context and Environment: Site and Ideas
(2008) , Elements and Objects: Occupying
Interior Space (2009) e The Visual Dictionary of
Interior Architecture (2008).
O QUEÉ
DESIGN DE
NTERIORES?
GRAEME BROOKER e SALLY STONE

TRADUÇÃO: ANDRÉ BOTELHO

Editora Senac São Paulo - São Paulo - 2014


ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO SENAC NO ESTADO DE SÃO PAULO Kinderdentist, Berlim,
Presidente do Conselho Regional Alemanha
Abram Szajman Proieto; Graft Lab Architects
Diretor do Departamento Regional
Luiz Francisco de A. Salgado
Superintendente Universitário e de Desenvolvimento
Luiz Carlos Dourado

EDITORA SENAC SAO PAULO

Conselho Editorial F. C . H . ■ E S U D A
Luiz Francisco de A. Salgado B IB L IO T E C A C E N T R A L
Luiz Carlos Dourado
Darcio Sayad Maia
Lucila Mara Sbrana Sciotti
Jeane Passos Santana
M .ü O ih ih -

Gerente/Publisher
Jeane Passos Santana (jpassos@sp.senac.br)
Coordenação Editorial
MãrciaCavalheiro R. de Almeida (mcavalhe@sp.senac.br)
Thaís Carvalho Lisboa (thais.clisboa@sp.senac.br)
Comercial
Marcelo Nogueira da Silva (marcelo.nsilva@sp.senac.br)
Administrativo
Luís Américo Tousi Botelho (luis.tbotelho@sp.senac.br)
Tradução André Botelho
Edição de Texto Juliana Muscovick
Preparação de Texto Entrelinhas Editorial
Revisão de Texto Luiza Elena Luchini (coord.)
ASA Assessoria e Comunicação
Editoração Eletrônica Antonio Carlos De Angelis

Traduzido de What is interior design? Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


® RotoVision SA 2010 (Jeane Passos Santana - CRB S- /6 1 89)

Diretor de arte Tony Seddon Brooker, Graeme


Design Fineline Studios 0 que é.design de interior? / Grãeme Brooker, Sally Stone;
Impresso na China por Midas Printing International Ltd. tradução de André Botelho. - São Paulo : Editora Senac São
Paulo, 2014.

Todos os direitos reservados. Título original: What is interior design?


Editora Senac São Paulo Bibliografia.
Rua Rui Barbosa, 377 - 1o andar ISBN 978-85-396-0710-5
Bela Vista - CEP 01326-010
Caixa Postal 1120-C E P 01032-970-S ão P aulo-S P 1. Design de interiores I. Stone, Sally. II. Título
Tel. (1,1)2187-4450-F a x (11) 2187-4486
E-mail: editora@sp.senac.br 14-2125 CDD-747
Home page: h ttp ://w w w .editorasenacsp.com.br
índice para catálogo sistemático:
© Edição brasileira: Editora Senac São Paulo, 201A 1. Design de interiores 747
Assuntos
"Um entendimento compartilhado das convenções e dos 6 Prefácio
mecanismos da vida cotidiana dá aos designers de interiores e
àqueles que utilizam os espaços por eles criados uma linguagem 8 O que é desig" de rternores?
sensorial compartilhada. É de responsabilidade dos designers 14 Uma breve história da profissão
enriquecer o vocabulário dessa linguagem para dar ao seu público
algo que ele nunca percebeu que queria e nunca soube que 20 Design de interiores e eo.. cação
poderia ter."
24 Sensibilidade interior
Drew Plunkett 26 Questões multidisciplinares
Thinking Inside the Box
28 Adaptação
32 Restauro, preservação e conservação
36 Achados
42 Sustentabilidade
46 Detalhes
50 Superfícies
54 Representação e apresentação

4 Conteúdos
F.r , ESUDÁ
Anatomia Portfólios
60 Anatomia 152 Portfólios
62 Estratégia 154 Tarruella & López
64 Estratégia: interiores responsivos 160 Randy Brown Architects
66 Estratégia: interiores responsivos 168 Pugh + Scarpa Architects
em residências 174 Multiplicity
70 Estratégia: interiores responsivos 182 Merkx + Girod
em locais de trabalho 188 Universal Design Studio
72 Estratégia: interiores responsivos 194 Agence Andrée Putman
em espaços culturais 200 David Archer Architects
78 Estratégia: interiores responsivos 206 David Collins Studio
em espaços do conhecimento 212 Ben Kelly Design
84 Estratégia: interiores responsivos 218 Clive Wilkinson Architects
no varejo 224 Casson Mann
88 Estratégia: interiores autônomos 230 Lazzarini Pickering Architetti
90 Estratégia: interiores autônomos 238 Gensler
em residências 244 Land Design Studio
92 Estratégia: interiores autônomos
em locais de trabalho
li-OO Estratégia: interiores autônomos
em espaços culturais
1 34 Estratégia: interiores autônomos
em espaços do conhecimento
' 38 Estratégia: interiores autônomos
no varejo
"12 Táticas
"- Táticas: interiores responsivos
116 Táticas para interiores responsivos:
iluminação
" 20 Táticas para interiores responsivos: objetos
2- Táticas para interiores responsivos:
superfícies
128 Táticas para interiores responsivos:
revestimentos
:- Táticas: interiores autônomos
I 25 Táticas para interiores autônomos:
iluminação Et cetera
140 Táticas para interiores autônomos: objetos
144 Táticas para interiores autônomos: 250 Bibliografia comentada
superfícies 252 Glossário
148 Táticas para interiores autônomos: 254 índice
revestimentos 256 Créditos e agradecimentos

Conteúdos 5
Prefácio
O que é design de interiores? é uma Essa característica distintiva cria um conjunto
introdução para alunos, acadêmicos e exclusivo de teorias e processos que são
profissionais interessados em arquitetura de diferentes de muitas outras formas de design
interiores, design de interiores, decoração de - ainda que haja pontos em comum com as
interiores e reutilização de imóveis. Este livro instalações artísticas e a arquitetura.
irá examinar as características fundamentais No início do século XXI, houve um aumento
do espaço interior, incluindo a natureza e as significativo no número de arquitetos e outros
qualidades da organização de um ambiente, profissionais trabalhando com projetos de
um olhar sobre as qualidades dos materiais e interiores, sejam eles adaptações de imóveis
superfícies de texturas encontradas e ou o verdadeiro design de interiores.
aplicadas, e uma análise e apreciação de A popularidade das formações em design
construções já existentes. Além de discutir os de interiores nos níveis de graduação e
aspectos teóricos envolvidos no design de pós-graduação nunca foi tão grande. Apesar
interiores, este livro também irá colocar em disso, a legislação ainda é muito escassa
contexto assuntos atuais em relação a teoria e nesse assunto, e há poucas publicações com
prática, e irá examinar questões históricas e peso acadêmico tratando das questões, dos
contemporâneas do design. A parte final da processos e das teorias relativos à área.
obra analisa o trabalho de profissionais de todo O crescimento exponencial da oferta de
o mundo que hoje atuam nas mais diferentes cursos e a falta de consistência crítica são
áreas do design de interiores. assuntos que devem ser abordados. Outras
O design de interiores é visto por muitas perguntas que precisam ser respondidas são:
pessoas como uma atividade superficial, que Qual é a especificidade da disciplina? Qual é
não possui teorias ou princípios próprios. sua história? Quais são as ideologias e os
Porém, a teoria e a prática dele estão princípios adotados para seu ensino? Quem
evoluindo como disciplinas acadêmicas são os principais profissionais na área?
independentes, que estão muito além das Esta obra busca abordar todos esses
preocupações estéticas de programas de assuntos.
transformação de ambientes na TV. Arquitetura
de interiores, design de interiores, decoração
de interiores e reutilização de imóveis são
disciplinas extremamente próximas, todas elas
abordam, em certo grau, a transformação de
um espaço - seja ele as ruínas de um prédio Casa da Música, Porto,
Portugal
antigo ou os parâmetros gráficos de uma Projeto: OMI Architects.
A circulação vertical nesse
proposta para um novo edifício. Essa alteração
imóvel é como uma grande
ou conversão leva a um processo complexo de jornada ao redor do auditório
central. O interior é um
entendimento das qualidades de determinado conjunto de idéias e
espaço, combinando esses fatores com as estruturas combinadas de
forma elegante nessa
necessidades funcionais dos novos usuários. moderna casa de concertos.

6 Assuntos
Prefácio 7
0 que é design de interiores?
O design de interiores é uma disciplina distinta o desenho de moda ou industrial) têm de
de praticamente todas as outras do design. considerar a função, as qualidades estéticas e
O interior está sujeito à sua situação: está a estrutura de uma peça. O designer de
dentro de uma construção, que está, por sua interiores também deve levar esses fatores
vez, inserida em seu contexto. A questão do em consideração, mas precisa considerar o
preexistente é fundamental no processo de lugar que aquele interior habita. O interior
design. A localização específica do interior tem pode se tornar parte do local, pode gerar
uma influência sobre o design - que se torna significados e também pode dar o valor e a
mais importante do que outras questões. consequência a uma situação. Talvez apenas as
Outros tipos de design (como o design gráfico, instalações artísticas e a arquitetura,

8 Assuntos
Na página à esquerda: Abaixo: Turning the Place
Lounge da Virgin Atlantic, Over, Liverpool, Reino Unido
Aeroporto de Heathrow, Projeto: Richard Wilson.
Londres, Reino Unido Instalações criadas
Projeto: Softroom Architects. especificamente para um
A linguagem de um interior é local permitem uma relação
fundamental no processo de íntima entre a arte e o espaço.
design. Esse lounge de Em Liverpool, o escultor
aeroporto cria uma atmosfera Richard Wilson fez uma
pré-voo com efeito calmante, intervenção nesse prédio de
mas também evoca a modo que fosse entendido de
dinâmica do voo dentro do uma nova forma.
terminal do aeroporto.

Acima: Loja da Givenchy, características do design de


Paris, França interiores. Nessa loja, as
Projeto: Jamie Fobert roupas são expostas em
Architects. Especialidades caixas sem pés. Elas são
como o design de feitas de vidro por fora e em
exposições, de locais de painéis de madeira por
trabalho, de varejo, de dentro, representando as
entretenimento ou de duas faces da marca
residências são Givenchy.

À esquerda: Peça Lotus,


Veneza, Itália
Projeto: Zaha Hadid
Architects. Objetos e
elementos são componentes
fundamentais de um interior.
Sua organização, seus
detalhes e escala ocupam o
espaço e normalmente
acomodam a função. Na
Bienal de Arquitetura de
Veneza, a designer exibiu
protótipos de peças de
mobiliário que confundiram as
fronteiras entre objeto e
ambiente.

O que é design de interiores? 9


disciplinas intimamente relacionadas ao design para a sua função? Ele pode suportara si
de interiores, sejam tão ligadas ao lugar. mesmo e quaisquer outros objetos que
Uma citação muito conhecida deVitrúvio é tenham sido concebidos para serem
fundamental para o desenho arquitetônico e o suportados por ele? "Deleite" se refere ao
design de interiores: "Comodidade, firmeza e valor estético. É belo? É impactante? É
deleite'.' "Comodidade" está relacionada à atraente visualmente? É possível aplicar o
funcionalidade do objeto: ele funciona? É trabalho do designer que busca atingir as
adequado à sua função? "Firmeza" descreve a expectativas desse aforismo a todos os tipos
integridade estrutural do objeto: ele fica em de interiores e objetos que lá estão.
pé? Do que é feito? Tem resistência suficiente Tradicionalmente, esse assunto é relacionado

ifi

10 Assuntos
ao design e à decoração de interiores, e é também. Dessa forma, o design de interiores
. sto como acessório à disciplina essencial de surgiu como um área de interesse
s'quitetura. A reutilização de construções independente, em vez de ser uma parte
preexistentes é um assunto no centro da acessória da arquitetura ou uma extensão da
eyolução do ambiente urbano, e a preservação decoração de superfícies.
e a sustentabilidade se tornaram vitais para o O estudo de arquitetura, design e
cesenvolvimento das cidades. À medida que a decoração de interiores cresce hoje como
aoordagem do design e o uso do ambiente disciplina acadêmica, mas é muito comum ser
_'bano muda, o posicionamento dominante apenas obcecado com o acabamento da peça
em relação à reutilização de construções ou com o corte do MDE Os interiores são em
geral vistos como elementos abandonados
dentro de uma discussão teórica muito mais
“curisms: SuitCase Studies,
ampla na qual os espaços são vistos como
exposição itinerante restos e produzidos apenas como
Projeto: Diller Scofidio +
Renfro. Nessa exposição, 50 consequência da construção do exterior do
maias idênticas foram edifício. No início do século XXI, o design de
expostas, cada uma
—ostrando atrações turísticas interiores começa a ser considerado um
doe iugares nos EUA. Elas
eram embaladas e logo
assunto rico em história e em teoria, que pode
itepois enviadas para o ter uma influência benéfica na forma como os
próximo local da exposição.
espaços são ocupados.
Design de interiores é um termo bastante
utilizado para descrever todo e qualquer tipo
de projeto de interiores, desde decoração até
reforma. Entretanto, levando em conta que a
reutilização de estruturas se tornou uma
prática tão conceituada, ficou claro que seria
necessário separar a disciplina principal e
definir melhor as especialidades.
Essa seria uma boa forma de explicar
melhor a natureza de cada área. As disciplinas
estão necessariamente interligadas, mas as
diferenças, de fato, estão relacionadas à
magnitude da mudança no espaço ocupado.
A decoração de interiores é a arte de
decorar espaços interiores - cômodos ou
ambientes - para transmitir uma identidade
característica que funciona bem com a
arquitetura existente. A decoração de
interiores está relacionada com padrões de

O que é design de interiores? 11


superfícies, ornamentos, mobiliário, Biblioteca da Faculdade de
Medicina Queen Mary,
acessórios, iluminação e materiais. Londres, Reino Unido
Projeto: Surface Architects.
Geralmente envolve apenas pequenas
Projetos de interiores podem
mudanças estruturais na construção existente. incluir a reutilização de
construções antigas. Nesse,
Alguns exemplos disso seriam os interiores de os designers conceberam um
residências, hotéis e restaurantes. novo elemento para facilitar o
funcionamento da biblioteca.
O design de interiores é uma atividade A linguagem contemporânea
contrasta com a construção
multidisciplinar que envolve a criação de em pedra do prédio.
ambientes internos que articulam o clima e a
identidade por meio da manipulação dos
volumes espaciais, da colocação de elementos
específicos e mobiliário, além do tratamento
das superfícies. Em geral, descreve projetos
que requerem poucas mudanças estruturais
- ou nenhuma - na construção já existente,
embora haja muitas exceções. O espaço é
mantido em seu estado estrutural original, e o
novo interior é nele inserido. Muitas vezes,
tem um caráter efêmero e inclui projetos de
interiores para varejo, exposições e
residências.
A arquitetura de interiores preocupa-se com
a remodelagem das construções e atitudes
existentes para os espaços e as estruturas
existentes, a reutilização de construções e os
princípios organizacionais. Ela conecta as
práticas do design de interiores com a
arquitetura, e com frequência inclui problemas
complexos estruturais, ambientais e técnicos.
Essa atividade permite uma grande variedade
de projetos, como prédios públicos - museus,
galerias -, comerciais ou de escritórios, bem
como os projetos de residências.
São três áreas distintas. Cada área tem
suas características próprias, mas, ainda
assim, estão interligadas: elas têm uma grande
conexão em sua interação com o espaço
existente.

12 Assuntos
O que é design de interiores? 13
Uma breve história da profissão
O design de interiores é uma profissão A decoração do ambiente doméstico era
relativamente nova. Isso não significa que as considerada uma obrigação da mulher, e foi
artes do design, da decoração e da arquitetura sua gradual emancipação que permitiu que a
de interiores sejam praticadas há apenas disciplina fosse promovida como uma
pouco tempo, mas não eram vistas como uma profissão viável para mulheres. Com o
disciplina distinta.Tradicionalmente, os movimento sufragista, os papéis familiares
estofadores e marceneiros ofereciam tradicionais começaram a mudar e permitiram
sugestões sobre decoração e layout da casa, que algumas mulheres obtivessem
ou o arquiteto assumia o controle total da independência financeira. Era considerado
construção, por dentro e por fora. respeitável e adequado que uma mulher fosse
A profissão de decorador de interiores consultora na organização e decoração dos
surgiu no início do século XX. A princípio, os ambientes domésticos.
amadores e entusiastas foram responsáveis No fim do século XX, novas fortunas
pelo crescimento de sua popularidade. criaram uma classe de clientes ricos que

14 Assuntos
À esquerda: Apsley House,
Londres, Reino Unido
Projeto: Robert Adam.
O interior e o exterior, ou seja,
o prédio e seus interiores,
foram concebidos como uma
só entidade, o que dá
unidade à estrutura e aos
espaços com mobiliário e
decoração.

À direita: Casa e estúdio


de Victor Horta, Bruxelas,
Bélgica
Projeto: Victor Horta.
Estrutura, iluminação,
mobiliário e superfícies foram
pensados com cuidado e
concebidos de forma muito
elegante na sala de jantar
dessa residência.

Uma breve história da profissão 15


desejavam mostrar seu poder, e contratavam para quaisquer que sejam as suas finalidades,
designers para refazer completamente suas deve ser construído em estrito acordo com as
residências. Elsie de Wolfe, Lady Sibyl Colefax, necessidades de suas finalidades. Sua
Edith Wharton, Ogden Codman, Dorothy decoração deve se harmonizar com suas
Draper e os irmãos Herter são alguns dos limitações estruturais (o que, de forma alguma,
profissionais célebres dessa época. Além de seria o mesmo que dizer que toda a decoração
trabalharem nas residências particulares, deva ser estrutural), e a partir dessa harmonia
também estavam entre os projetos do projeto geral de decoração com o edifício, e
considerados apropriados os clubes de dos detalhes da decoração entre si, surge o
senhoras e de cavalheiros e outros espaços de ritmo que difere a arquitetura da construção.
convivência em que os ricos se reuniam para Portanto, a boa arquitetura e a boa decoração
serem entretidos. O decorador coordenava e (a arquitetura de interiores, isso nunca deve
escolhia o mobiliário, os tecidos, as cores e a ser esquecido) devem se basear no ritmo e na
iluminação a fim de criar cenários suntuosos lógica'.'
para grandes reuniões sociais. Ao longo do século XX, muitos designers
A publicação de livros, tais como The House adotaram para si o título de decorador de
in GoodTaste (1913), de Elsie de Wolfe, e The interiores, e, muito embora alguns deles
Decoration of Houses (1897), de Edith agissem apenas como decoradores, outros
Wharton e Ogden Codman, também estavam envolvidos em projetos muito
popularizaram a profissão e contribuíram para maiores. Por exemplo, o designer britânico do
que a função de decorador de interiores fosse período entreguerras Robert Atkinson, que
considerada uma ocupação diversa daquela produziu numerosos trabalhos, é conhecido
dos estofadores e pintores de interiores, que pelo interior extravagante em art déco do
foram seus antecessores. Wharton e Codman Edifício Daily Express, na Fleet Street,
provavelmente foram os primeiros a utilizar a concluído em 1932. 0 fabuloso interior em
expressão "arquiteto de interiores" em The mosaico azul e dourado complementa o
Decoration o f Houses: "Um edifício, erigido edifício em aço e ferro - e está absolutamente
adequado em seu contexto. Este é um
exemplo de projeto que é muito mais do que
um projeto de decoração, é um design
interpretativo. Entretanto, os interiores
minimalistas do modernismo deixaram muito
poucas possibilidades de interpretação -
American Bar, Viena, Áustria
Projeto: Adolf Loss. frequentemente, nenhuma possibilidade de
A característica claustrofóbica
desse tipo de espaço
intervenção. Arquitetos como Adolf Loos e Le
apertado é aliviada pelas Corbusier concebiam seus interiores como
cornijas espelhadas acima
dos lambris de madeira do parte integrante dos edifícios, que eram
bar, uma solução que reflete absolutamente despidos de quaisquer
um interior aparentemente
interminável. ornamentos ou decorações supérfluas.

Uma breve história da profissão 17


Muitos dos projetos do início da carreira de quais os profissionais do design podem se
Adolf Loos poderiam ser interpretados como associar.
projetos de design de interiores ou até mesmo Da mesma forma que em outras áreas
como adaptações, em vez de projetos criativas do design, como design gráfico e
arquitetônicos; ele contribuiu muito para desenho industrial, a função de designer de
popularizar a disciplina em seus primeiros interiores se tornou, aos poucos, exclusiva dos
projetos e em seus textos para o jornal Das especializados. Então, uma série de revistas e
Andere. livros começou também a refletir esse novo
O projeto de Le Corbusier para o status, e até mesmo a tradicional Architectural
apartamento Beistegui, em Paris, uma reforma Reviewpassou a trazer seções de "novos
de uma cobertura, que foi concebida para interiores'.'
parecer um navio de cruzeiro brilhante e Hoje, o design de interiores é reconhecido
elegante, teve um de seus interiores como uma profissão que une diversas
concebido para representar um salão disciplinas. Os profissionais podem ser
surrealista. Porém, o projeto de interiores, de contratados para fazer projetos de varejo,
EmilioTerry, é raramente mencionado nas exposições, ambientes de trabalho,
discussões sobre a obra, o que destaca ainda entretenimento, eventos, branding, cenários,
mais o deslocamento e as tensões entre as áreas hospitalares e até mesmo arquitetura.
profissões. Embora no Reino Unido a profissão ainda não
Nos anos após a Segunda Guerra Mundial, seja regulada, na Europa e nos Estados Unidos
a profissão de designer de interiores começou já é reconhecida, e pode ser exercida apenas
a se destacar e seu status melhorou muito. por designers de interiores diplomados.
Na década de 1950, foi reconhecida e No Brasil, diversas associações nacionais e
consolidou-se como uma profissão em si. regionais congregam os profissionais do
O Instituto Britânico de Decoradores (IIBD), design, porém a profissão ainda não foi
fundado em 1889, adicionou ao seu nome regulamentada por lei, embora projetos
"Designer de Interiores" em 1953. Em 1976, tenham sido apresentados ao Congresso
abandonaram o termo decoradore passou a Nacional desde 1980.
se chamar Instituto Britânico de Design de
Interiores (BIID), e por fim Sociedade dos
Designers (CSD).
O Instituto Americano de Decoradores de
Interiores (ASID), fundado em 1931, tornou-se
a Sociedade Americana de Designers de
Villa Savoye, Poissy, França
Interiores (ASID) nos anos 1970. Na Ásia, a
Projeto: Le Corbusier.
Federação Internacional de Designers e O banheiro dessa residência
é quase uma clínica, c/ean,
Arquitetos de Interiores (Ifilda) e a Associação livre de qualquer decoração
Instituto Asiático Internacional de Design supérflua, refletindo as
qualidades da construção na
(.Aidia) são outros exemplos de entidades às qual está localizado.

18 Assuntos
Uma breve história da profissão 19
Design de interiores e educação
O design de interiores é um processo e se manter a par das tendências aluais.Tudo
complexo de combinação das necessidades isso deve ser somado a -ma "ac ca de criativa
dos usuários com as qualidades do espaço para produzir interio'es r e e : r : : -es ce
existente ou proposto, também garantindo mérito.
çtue a proposta seja suficientemente coerente. O designer de interiores normaimente é
É essencial ao designer ter um grande formado por meio de uma rs r-ç ã c :1a , o
conhecimento das leis regulatórias e de que é o mais comum, ou após um estágio de
planejamento da construção civil, um vasto aprendizado. Ainda ma s e -ma
conhecimento de materiais e revestimentos, combinação dos dois - praticamente todos os
familiaridade com técnicas construtivas, além especialistas em inter ores 'ece~-
de ser um conhecedor de custos. -formados começam a carreira em escritórios
O profissional também deve ter um de design como juniores ou assistentes.
conhecimento prático da história da disciplina A profissão tem suas cagem "a: gjildas e nos

20 Assuntos
ofícios de estofaria e pintura, portanto, até o Página à esquerda: Projeto
Winebank, Design de
surgimento formalizado das formações em interiores, Escola de Arte de
design de interiores, a maior parte delas se Manchester, Reino Unido
Projeto: Rachel Vallance. A
dava por meio de estágios de aprendizado - o criação de maquetes (sejam
elas estudos ou os modelos
que significa aprender a fazer na prática. finalizados para
Muitos dos grandes profissionais do início do apresentação) é uma das
ferramentas que permitem
século XX, como Elsie de Wolfe, não tinham que o designer em formação
aprenda a expressar suas
formação na área - Wolfe, por exemplo, era
idéias.
atriz. Os designers contavam apenas com seu
senso estético e uma grande autoconfiança.
A formação oficial de um designer de Abaixo e à direita: Caderno
interiores normalmente começa em uma de esboços, Design de
interiores, Escola de Arte de
escola de artes. Muitas delas foram fundadas Manchester, Reino Unido
na segunda metade do século XIX. Por Projeto: Michaela 0 ’Hare. Os
alunos são incentivados a
exemplo, a Escola Central de Artes e Ofícios, pesquisarem idéias anteriores
e também experimentarem
em Londres, a Escola de Arte de Manchester e novas idéias. Essa pesquisa
a Escola de Arte de Nottingham foram pode ser registrada de várias
formas, como desenho,
fundadas e possuíam um programa comum maquetes e esboços.
Esboços em perspectiva
de artes e ofícios, além de programas de
exploram as qualidades
formais do design.

Design de interiores e educação 21


estágio de aprendizado. O modelo Bauhaus interiores desde 1896. Depois dela vieram a
de arte-educação nos anos 1920 e 1930 Escola de Design de Interiores de Nova York,
colocou tudo isso de lado. A formação do em 1916, e apenas muito mais tarde o curso
aluno começava com uma introdução geral a do Instituto de Tecnologia da Moda, em 1951.
todas as artes (como uma formação de base Na Ásia há diversos cursos de design e
ou inicial), e chegava até a arquitetura. Essa arquitetura de interiores, muitos dos quais
formação visava garantir que todos os alunos afiliados a universidades dos Estados Unidos e
trabalhassem com diversos tipos de design e do Reino Unido. Isso incentiva os alunos a
materiais - vidro, madeira, metal, tecelagem, conhecerem o design contemporâneo
pintura, decoração, etc. Essa escola ainda tem internacional. No Reino Unido, a formação em
forte influência hoje. design de interiores foi formalizada na metade
Os Estados Unidos têm uma longa e sólida do século XX. Em 1968, cinco faculdades de
tradição no ensino do design. A Escola de artes ofereciam uma formação inicial em
Design Parsons, em Nova York, era design de interiores e, incentivada por Sir
especializada na formação de designers de Hugh Casson, a Faculdade Real de Arte criou a

22 Assuntos
primeira graduação na área. Entretanto, ainda Apesar da diversidade internacional e das
hoje no Reino Unido não há uma qualificação diferenças, a maior parte desses cursos possui
formal no sistema educacional, ao contrário da um formato semelhante: eles estimulam o
arquitetura, por exemplo, que é validada pelo aprendizado pela experimentação. O aluno
Instituto Real de Arquitetos Britânicos (Riba) e deve desenhar uma série de interiores
pelo Conselho de Registro de Arquitetos imaginários - ou seja, eles devem propor uma
(ARB), e o design de interiores naquele país solução para um cliente imaginário, mas
ainda sofre com o amadorismo: "Muitos geralmente em uma situação real. Durante
arquitetos se recusam a acreditar que o design esse processo, eles criam esboços, desenham
de interiores exista. Alguns deles colocam a à mão e com o computador, elaboram
atividade no mesmo patamar das artes da maquetes, estudam materiais e revestimentos
chapelaria ou da confeitaria, outros consideram e adquirem conhecimento sobre leis e custos.
as solicitações de separação da ocupação uma Tudo isso é normalmente complementado por
afronta pessoal" (In-scape). Os estudantes aulas teóricas e visitas.
brasileiros têm à sua disposição uma grande Os alunos agora podem estudar os
variedade de formações na área do design de diferentes aspectos da disciplina desde o
interiores - sobretudo no nível técnico, design de interiores puro, passando pela
mas também bacharelados e cursos de arquitetura de interiores, decoração, história
pós-graduação, embora em menor quantidade. dos interiores, cenografia e até mesmo design
De acordo com o DesignBrasil, há cerca de de varejo e de hotelaria - apenas citando as
180 instituições que oferecem essas áreas mais comuns. A reutilização de
formações atualmente em todo o país, entre construções também é estudada nas escolas
faculdades, universidades e demais de arquitetura. A grande quantidade e
estabelecimentos de ensino. variedade de cursos no mundo todo reflete os
diferentes aspectos da educação relacionada
aos diferentes aspectos dos interiores.
Ao título que muitos designers de interiores
de locais de trabalho adotam somam-se
outros, como arquiteto de interiores e designer
de ambientes. As questões relativas à
Estúdio de impressão e sustentabilidade garantem que o design de
refúgio de um gari,
Arquitetura de interiores,
interiores e as reformas cresçam e se tornem
Universidade de Brighton, setores importantes do segmento da
Reino Unido
Projeto: Jo Mattsson. Alunos construção, e a formação dos designers de
podem estudar os diferentes
interiores começa a refletir essa tendência.
aspectos do assunto e
explorar não apenas o interior
mas também o exterior e as
questões ambientais. Este
desenho mostra a conexão
entre espaços interiores e
exteriores.

Design de interiores e educação 23


Sensibilidade interior
A formação de um designer de interiores está
Loja Haffords, Reino Unido
fundamentada no entendimento das Projeto: Ben Kelly Design.
A reutilização de objetos e
possibilidades e dificuldades para se trabalhar elementos -achados" é uma
em determinado edifício. Isso estimula um sensibilidade interior especial.
É uma estratégia que pode
tipo de sensibilidade, ou seja, uma aceitação ser exemplificada pelos
projetos de Ben Kelly para as
do que já existe no local e uma predisposição
lojas de autopeças Halfords,
para destacar essas qualidades. O designer nas quais postes telegráficos,
sinais gráficos e de trânsito
pode trabalhar com a narrativa da construção já foram utilizados em seus
existente, ou pode escolher destacar aspectos interiores para um efeito de
impacto.
específicos do local. Isso pode ser muito
simples - como a percepção do contexto por
meio de aberturas ou janelas - ou mais
complexo - como a revelação dos estratos
históricos escondidos sob a construção.
A estrutura preexistente irá fornecer muitas
pistas para que seja descoberta uma forma a
ser adotada em sua adaptação. Em geral, isso
não está atrelado a uma função, já que uma
mesma atividade pode ser executada em
diferentes tipos de edifícios. O designer fará a
leitura das qualidades intrínsecas do edifício e
as utilizará como orientações para a
abordagem da reforma. Como explica o
arquiteto e acadêmico Rodolfo Machado em
seu ensaio seminal Edifícios antigos como
palimpsestos, "... nas reformas, o passado
ganha um valor muito diferente daquele no
processo normal de design - no qual a forma
surge 'a partir do zero” .'
Ao executar uma reforma em um edifício,
o designer dará importância ao processo de
análise, ou seja, o estudo do contexto, da
história e da estrutura do edifício já existente.
Criar outros usos para edifícios já existentes,
incorporar espaços que foram anteriormente
construídos para outra finalidade, instiga o
designer a aceitar ou editar padrões de
existência que já estavam lá. Esse tipo de
retrabalho é normalmente visto como

24 Assuntos
sendo a área de atuação exclusiva dos Esse tipo de abordagem tem seu ápice no
conservacionistas, que sem dúvida podem uso do "achado'.' Marcei Duchamp criou essa
contribuir para o processo. Entretanto, é uma expressão quando utilizou uma série de
disciplina relacionada aos interiores muito mais produtos prontos, como um mictório e um
radical e controversa. O ato de criar espaços porta-garrafas, para criar obras de arte únicas.
interiores é uma estratégia naturalmente Alguns designers de interiores - como Ben
transgressora, é um ato de interpretação, de Kelly, Casson Mann e Klaus Block - entendem
conformação ou mesmo de desobediência às tal sensibilidade e têm uma abordagem de
ordens existentes. reutilização de edifícios com muita atitude e
reação.

Sensibilidade interior 25
Questões multidisciplinares
0 estudo dos interiores é prejudicado por longevidade e a atemporalidade, a busca pela
muitos mal-entendidos, equívocos, conjecturas criação de edifícios que sejam à prova do
e suposições. Uma possível explicação é que tempo e dentro de parâmetros verdes.
seria difícil definir os parâmetros exatos do Os interiores, entretanto, são frequentemente
assunto. Ele é frequentemente descrito como concebidos com um caráter temporal, mesmo
uma disciplina híbrida, que coincide com algumas vezes devendo refletir os caprichos da
outras atividades relacionadas ao espaço ou ao moda ou as necessidades transitórias de um
objeto. Isso se deve, em parte, à sua história e cliente - que pode precisar de novos espaços
às suas origens nos ofícios da estofaria e da de varejo, de escritórios, expográficos ou até
pintura de paisagens, bem como na relação de lazer.
entre conservação e preservação. O estudo dos interiores obviamente tem
A arquitetura pode ser normalmente uma forte conexão com a arquitetura e, além
descrita como o trabalho com novas disso, com a conservação, a preservação, o
construções, começando do zero, ao passo restauro e a sustentabilidade. A arte-ínstalação
que o design de interiores se caracteriza pelo e a land art são assuntos fortemente
trabalho com o preexistente, seja um edifício conectados, pois analisam e interpretam as
antigo ou os projetos prontos de uma nova situações preexistentes. Os designers de
estrutura. Nesse sentido, a arquitetura poderia interiores devem ter conhecimento nos vários
ser descrita como utópica por buscar a tipos de design - de produto, industrial,

26 Assuntos
expográfico, museológico e de móveis - e 0 designer ou arquiteto de interiores em
precisam sempre desenhar os objetos que são geral faz parcerias com projetistas de outras
utilizados em seus interiores. 0 desenho áreas. A parceria mais óbvia é com arquitetos,
bidimensional também faz parte do design de mas também pode ser com arquitetos de
interiores para aplicação em superfícies e conservação, designers gráficos, de produto e
estamparia, por exemplo. de iluminação e engenheiros, para colaborar
A cenografia é outra área da criação. com estruturas, projetos elétricos e demais
Conceber um cenário de palco para um projetos complementares.
espetáculo é semelhante a conceber um O estudo dos interiores é uma atividade
interior, pois normalmente o cenário é um multidisciplinar que compartilha aspectos com
espaço confinado, específico àquela situação, diversas outras práticas criativas. Isso pode ser
e temporal. É possível fazer outras conexões encarado como um desafio que traz em si um
com quaisquer atividades que reutilizem os livre-arbítrio libertador. É uma atividade que
espaços e os objetos. Algumas conexões são não se limita por regras ou fronteiras que
mais óbvias: por exemplo, o restauro de restringem a atuação em muitas outras áreas.
pinturas não está tão fortemente ligado ao
design de interiores, embora a tradução ou
interpretação de materiais históricos sobre tela
não seja muito diferente da reutilização da
malha preexistente de um edifício. A música e
a interpretação de uma partitura são também
como a interpretação de um edifício - análise,
tradução e reutilização do que já está lá.
0 estudo dessas outras disciplinas é relevante
para os designers de interiores, uma vez que a
sensibilidade e a abordagem que tais artistas e
designers podem escolher são parecidas com
aquela que pode ser escolhida pelos designers
de interiores.

À esquerda: Showroom da À direita: Exposição


Kvadrat, Copenhague, retrospectiva de Sverre
Dinamarca Fehn, Bienal de Veneza,
Projeto: Bouroullec Brothers. Veneza, Itália
Mobiliário, tecidos e Projeto: Sverre Fehn.
iluminação foram A concepção de exposições
coordenados dramaticamente é apenas uma das
com arte gráfica para projetar especialidades dentro do
de forma teatral a imagem da espectro das várias
marca desse fabricante disciplinas que se encontram
dinamarquês de produtos no design de interiores.
têxteis em seu showroom.

Questões multidisciplinares 27
Adaptação
Os designers de interiores podem ter dois complexo e que poderá envolver a demolição
tipos de espaço de trabalho. O primeiro deles seletiva e a reconstrução de determinadas
é o espaço construído, em que irá analisar com áreas. O designer será contratado para
cuidado um determinado conjunto de espaços executar diversas tarefas, entre eias, desenhar
antes de propor uma estratégia de mudança. interiores, fazer a gestão do orçamento,
O segundo tipo é o espaço a ser construído, intermediar os contatos com os prestadores
em que deverá compreender completamente de serviços, bem como tomar decisões sobre
as intenções do arquiteto antes de escolher as áreas a serem mantidas e quais serão
sua proposta de design. Isso envolve mais do
que apenas definir onde estão colunas,
aberturas e materiais, pressupõe o
entendimento da abordagem teórica que o
arquiteto escolheu. Se essa discussão
acontece no início do projeto, o arquiteto e o
designer podem desenvolver uma relação
mutuamente vantajosa, na qual o interior e o
exterior do edifício são desenvolvidos ao
mesmo tempo.
Adaptação é o processo de alteração
completa do edifício. Alterar a função ou o uso
original do edifício é a mudança mais óbvia e
exige a maior quantidade de alterações. Essa
adaptação requer a criação de outros
ambientes, de novos eixos de circulação, e
uma mudança significativa na relação entre os
espaços. Tal processo também é chamado de
retrofit, revitalização, arquitetura de interiores
e design de interiores. "Alterações se parecem
mais com um dueto do que um ato solo. Elas
envolvem a arte da resposta e também a
genialidade individual, são o início de grandes
acordos entre o novo e o preexistente, e até
mesmo de grandes desavenças. De qualquer
forma, é uma proposta sobre como o designer Dundee Contemporary
Arts, Dundee, Reino Unido
criará uma resposta em seu novo trabalho para Projeto: Richard Murphy
o edifício que receberá as obras" (Fred Scott, Architects. O projeto para
esse centro de artes
On Altering Architecture). incorpora partes de um
A reutilização de um edifício preexistente antigo barracão e cria uma
expansão na forma de um
para criar outro espaço interior é um processo novo edifício.

28 Assuntos
demolidas na construção já existente. financeiro do projeto e da abordagem do
Portanto, a reforma de um imóvel e tudo o designer na reforma.
que isso envolve trazem à tona uma questão Desses três fatores, o financeiro é o mais
complicada, que é como abordar o significado simples de ser estabelecido. A adaptação de
e o valor do tecido construído já existente. prédios preexistentes exige mão de obra
A relação entre o preexistente e a nova intensiva, assim como uma nova construção
adaptação depende dos valores culturais exige um investimento intensivo; a adaptação
atribuídos ao prédio que já existe, do aspecto de uma construção permite economia

Adaptação 29
energética, enquanto uma construção necessidades e condicionantes próprios.
consome grandes quantidades de energia e A abordagem que será adotada pelo designer
insumos. estará sujeita a muitas influências e, portanto,
Os valores culturais atribuídos ao prédio é um processo de reconciliação e de
preexistente são mais difíceis de definir. negociação.
É necessário considerar diversos fatores
subjetivos, como a história do prédio, sua
importância, a qualidade e o tipo da construção
e até mesmo a relação de afeto que a
vizinhança tem pelo imóvel. Todos esses
valores podem ser subjetivos, e pode ser difícil
chegar a um consenso sobre eles, portanto, o
discernimento do designer é fundamental
durante a adaptação de um imóvel.
Em 1985, o historiador de arquitetura Ignasi
de Solà-Morales concebeu uma estrutura
teórica para o entendimento das adaptações
em imóveis preexistentes. Em seu
revolucionário artigo Do contraste à analogia:
desdobramentos no conceito de intervenção
arquitetônica, ele descreve a reforma como
urrl conceito fortemente relacionado à Dundee Contemporary Arts, nova construção. A atmosfera
Dundee, Reino Unido externa da rua é trazida para
compreensão da história. Solà-Morales Projeto: Richard Murphy dentro da construção,
também viu como estúpida a adoção de regras Architects. O edifício conectando a cidade com o
reformado é uma combinação interior. Essa nova via
rígidas para a reforma em imóveis: "É um de elementos antigos e conecta as funções internas
novos. Eles são tecidos de do centro, como o café, o
grande erro achar que é possível estabelecer cinema, a loja, as galerias e a
forma a criar uma atmosfera
uma doutrina permanente, ou pior, uma impossível de obter com uma recepção.

definição científica para a intervenção


arquitetônica. Pelo contrário, apenas por meio
da análise caso a caso das concepções
adotadas nas ações executadas
conseguiremos entender as diversas
características que essa relação tomou para si
ao longo do tempo'.'
A reforma é um processo complexo que
inclui tanto a compreensão do que já está no
local quanto uma análise da tecnologia e do
design moderno. Cada projeto precisa ser
analisado individualmente, pois tem

30 Assuntos
Adaptação 31
Restauro, preservação e conservação
O design de interiores e as reformas em retornara construção ao seu estado original ou
imóveis são assuntos vastos, que vão desde mesmo de fazer atualizações para atender às
instalações efêmeras que duram apenas necessidades contemporâneas. O ato de
algumas horas até grandes e detalhados preservar valoriza a condição atual da estrutura
restauras de estruturas tombadas. Conservar e facilita a compreensão histórica do local. Um
um imóvel original cria uma continuidade do exemplo disso é um monumento histórico do
passado, é uma forma de reconhecer o valor qual suas ruínas são preservadas.
do que já foi construído e de criar uma ligação O restauro envolve trazer a construção
com o passado impossível de se atingir de para o seu estado original, frequentemente
outras formas. O arquiteto e acadêmico Jorge utilizando materiais e técnicas originais da
Silvetti explica em seu artigo Reinos interativos época em que foi erigida. Esse processo
que as construções podem ser os únicos busca replicar a aparência original da
registros disponíveis de determinadas eras: construção de forma que pareça inalterada
"Correndo o risco de soar como um defensor mesmo depois de vários séculos de uso. Por
ferrenho e sem imparcialidade, eu diria que, exemplo, uma igreja pode passar por grandes
mesmo em grandes momentos do passado, reparos que não alterem a forma ou a
os documentos nem sempre estavam natureza da construção, mas, ainda assim,
disponíveis, e as construções (monumentos, prolonguem a sua vida útil.
construções vernaculares e obras públicas) A reforma é o processo de renovação e
eram textos fundamentais por si sós, e muitas atualização de uma estrutura, por exemplo, um
vezes forneceram a primeira e mais duradoura palácio ou uma grande mansão podem ser
impressão acerca de uma cultura'.' adaptados para a vida no século XXI, mas sem
Trabalhar com uma construção já existente ser radicalmente alterados.
inevitavelmente irá requerer do designer uma Retrofit é o processo de adaptação de uma
resposta ao valor e à condição do que já está construção para uma nova finalidade. Isso
no local. Há várias formas de abordar a pode incluir grandes alterações na planta da
questão do trabalho com uma estrutura estrutura bem como a mudança de sua
original, e a abordagem a ser escolhida irá função.
depender do valor cultural da construção (por Também é possível que duas das
exemplo, se é tombada ou não), da abordagem abordagens sejam seguidas em paralelo.
escolhida pelo cliente e da condição da O Museu da Catedral de Lucca, na Itália, está
estrutura. Conservação é um termo adotado distribuído dentre uma pequena coleção de
para descrever diversas abordagens, mas é imóveis históricos: uma casa do século XIII,
possível fazer uma divisão por categorias. uma igreja do século XVI e um armazém do
A preservação mantém a construção no século XVII. Eles foram restaurados com
estado em que foi encontrada, mesmo que cuidado antes que o designer Pietro Cario
em ruínas; são adotadas medidas para tornar a Pellegrini executasse o retrofit dos imóveis
estrutura segura e prevenir que haja mais utilizando uma passarela moderna através das
deterioração, mas não há uma tentativa de estruturas de forma a criar uma interligação.

32 Assuntos
A abordagem adotada na conservação de
estruturas mudou radicalmente ao longo do
último século. A Carta de Atenas, de 1931,
recomenda, de modo geral, que o restauro
respeite a estrutura preexistente, seja ela do
período que for, e que todas as alterações ou
adições sejam claramente diferenciadas da
estrutura original. Também recomenda que as
evidências da preservação sejam patentes.
Tudo isso foi feito com as melhores das
intenções: para preservar a história sem criar
confusões e sem comprometimentos
negativos, e para destacar a importância da
preservação em vez do restauro. A Carta foi
redigida como forma de reação ao
procedimento então em voga de restaurar
monumentos e trazê-los para sua forma
original, de maneira a remover quaisquer
evidências da passagem do tempo, e ao
procedimento de "atualização" da estrutura, ou
seja, restauro ou retrofit para o estilo
contemporâneo. Os signatários da Carta
rejeitaram o pastiche histórico e insistiram na
importância de que as intervenções em áreas
históricas fossem feitas de acordo com uma
linguagem arquitetônica moderna.

Centro de Artes Raven Row, Londres, Reino Unido


Projeto: 6a Architects, Um incêndio em 1972 destruiu
grande parte do interior dessa residência urbana
tombada do século XVIII. O restauro cuidadoso e
sensível do imóvel deu ao seu interior uma nova
oportunidade de vida.

Restauro, preservação e conservação 33


O problema com esse tipo de abordagem é abordagem envolvia buscar todas as pistas
que ela fazia com que construções para o retrofit na própria construção, com
indiscutivelmente modernas fossem criadas, atenção especial para escala, luz, forma e
muitas vezes, se sobrepondo e diminuindo a movimento: sua estratégia de design envolvia
construção original. O arquiteto italiano Cario arqueologia, análise e construção de novas
Scarpa foi o pioneiro em uma abordagem estruturas.
alternativa que rejeitou a Carta de Atenas e Atualmente, a aceitação e a respeitabilidade
criou um método com base no entendimento da prática da preservação têm como base a
cuidadoso da estrutura preexistente. Sua reação à percepção da erosão nociva da cidade

34 Assuntos
À esquerda: Galeria Sackler, Acima: Grande Pátio, pela arquitetura moderna. 0 aparecimento das
Academia Real das Artes, Museu Britânico, Londres,
Londres, Reino Unido Reino Unido leis de preservação (nos Estados Unidos por
Projeto: Foster+Partners. Projeto: Foster+Partners.
meio da Lei de Preservação Histórica Nacional,
Uma intervenção moderna de O pátio interno do Museu
vidro e aço foi colocada no Britânico foi coberto por um de 1966, e no Reino Unido com a Civic
espaço entre dois prédios teto de vidro e aço muito
antigos, sedes da Academia elegante. Esse espaço, que Amenities Act, de 1967) estimulou a criação
Real: a Burlington House e as era aberto, agora foi ocupado dos departamentos públicos de preservação
Main Galleries. Os beirais da e se tomou parte integrante
Burlington House são o ponto do museu. nas cidades para manter suas identidades e
de apoio da Galeria Sackler.
características urbanas próprias. No Brasil, o
assunto foi tratado por meio da
Lei n2 378 de 13 de janeiro de 1937, que criou
o "Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico
Nacional, com a finalidade de promover o
tombamento, a conservação, o
enriquecimento e o conhecimento do
patrimônio histórico e artístico nacional'.'

Restauro, preservação e conservação 35


Achados
Diversas características e aspectos da
estrutura ou construção preexistente podem
ser reutilizados quando se faz um retrofit.
Objetos incomuns achados no local, que não
são facilmente encontrados, podem ser
mantidos para criar uma conexão única com a
história do lugar. Afinal de contas, cada lugar
tem suas próprias características, que podem
ser exploradas para criar interiores
insubstituíveis e inimitáveis. A reutilização de
elementos específicos de cada local é
chamada de trabalho com achados.
Elementos, objetos ou superfícies que
representem ou remetam à história e à
natureza de um interior podem dar
personalidade e valor a um projeto. Durante as
obras no Teatro da Corte Real, em Londres, os
designers do escritório HaworthTompkins

Teatro da Corte Real,


Londres, Reino Unido
Projeto: Haworth Tompkins
Architects. O interior do
pavimento superior do foyer
do teatro foi “despido": suas
paredes e outras superfícies
foram descascadas e
expostas para revelar a
história do local. O
contraponto é uma parede
com revestimento feito em
gesso e lixa fina em um tom
de vermelho vivo.

36 Assuntos
'eatro da Corte Real,
Londres, Reino Unido
^rojeto: Haworth Tompkins
Architects. Plantas e cortes
oara as obras no teatro.

Achados 37
decidiram remover as camadas acumuladas e Além daqueles elem e-::5 e cojetos
deixar nuas as paredes no foyer do teatro e na encontrados no própr o local, ouros achados
sala de espetáculos. As superfícies que foram podem ser "importados para uminteriora
expostas revelaram reformas anteriores, fim de criar um discmso tccame com maior
camadas de revestimentos e modificações, e dramaticidade. Époss. .e ".'aduzir um achado
até mesmo anotações feitas pelos completamente e s tra " a 2 oca - vindo de
construtores do local rabiscadas nas paredes outra época ou cultura, ou que c' ginalmente
para que não se esquecessem de medidas tinha uma função dife'er:e do novo uso.
importantes no local. Essas superfícies Marcei Duchamp foi pione ro no processo: ele
expostas criaram um cenário para novas se apropriou de um objeto e o coiocou em um
paredes e objetos, o interior cru e despido foi contexto diverso daquele oa'3 o qual havia
concebido para criar uma forte conexão com o sido concebido. Ele usou a e-oressão "produto
passado e para reforçar a reputação do teatro pronto" (the ready made ca'5 descrever a
- de produtor e exibidor de espetáculos utilização de objetos direto da p'ateleira"
simples e descomprometidos. (off-the-peg), como um mictóno e um
porta-garrafas em uma galer s de arte.

38 Assuntos
FX ’ jí)A
b .... i 4. A 5
Já são estratégias muito comuns, no
horizonte criativo do final do século XX e início
do século XXI, a colagem, o uso de samptes
(pequenos fragmentos de obras alheias), o
reúso e a mistura de idéias, sons e imagens na
criação de interiores. É um processo de design
tipicamente pós-moderno, conforme descreve
Nicolas Bourriaud em seu livro Pós-produção:
como a arte reprograma o mundo
contemporâneo-, "Os artistas hoje mais
programam que compõem as formas. Em vez
de transfigurar um elemento bruto (uma tela
vazia, argila, etc.) eles fazem uma mixagem
das formas disponíveis utilizando dados. Em
um universo de produtos à venda, formas
preexistentes, sinais já emitidos, edifícios já
construídos, caminhos já trilhados por seus
predecessores, os artistas não consideram
mais que o campo artístico... um museu com
obras de arte que devam ser citadas ou
ultrapassadas, conforme a ideologia
modernista de originalidade pregaria; em vez
disso, seriam barracões cheios de ferramentas
prontas para serem utilizadas, quantidades de
informações para manipular e apresentar'.'
Os achados também podem ser
manipulados antes de serem incorporados a
um interior. Rachel Whiteread é uma artista
muito famosa, cujos conceitos e idéias foram
traduzidos para o mundo do design e da

Embankment, Tate Modern,


Londres, Reino Unido
Projeto: Rachel Whiteread.
Fazendo relação com
conteúdo e armazenamento,
14 mil objetos moldados em
Teatro da Corte Real,
caixas foram empilhados na
Londres, Reino Unido
enorme sala Turbine Hall da
Projeto: Haworth Tompkins
galeria Tate Modern.
Architects. As camadas
reveladas de reformas e
construções anteriores
formam uma narrativa de vida
e história do prédio.

Achados 39
Estúdios da Reactor Films,
arquitetura. Ela transforma os achados criando Santa Mônica, EUA
Projeto: Pugh + Scarpa
objetos moldados neles, no espaço que os Architects. Um contêiner de
cerca, ou em seus interiores. Portanto, não cargas foi adaptado para criar
uma sala de reuniões muito
são cópias, mas simulacros, ou seja, diferente nessa produtora de
filmes.
interpretações ou representações
desfiguradas.
No início de sua carreira, ela utilizava
objetos de uso diário, como mesas, colchões,
ou banheiras, e fazia moldes do espaço ao
redor do objeto com gesso, resina e cera. Ao
remover o objeto, a obra de arte resultante do
processo revertia a ordem da relação do objeto
com o espaço: o objeto que era sólido se torna
um vazio, e o espaço vazio em torno dele se
torna um sólido. Sua obra mais famosa,
House, com a qual ganhou o PrêmioTurner,
em 1993, era um molde de uma casa
tradicional da zona oeste de Londres, uma
terraced house (residências do século XVI na
Europa com aparência idêntica e paredes
laterais compartilhadas, similares às chamadas
casas de vila ou sobrados no Brasil).
A escultura não era completamente sólida,
pois o interior da construção havia recebido
uma camada de jato de concreto que, quando
seco, se tornou uma estrutura tridimensional
que ficava em pé, pois as paredes externas da
casa foram removidas. De uma forma
controversa, a obra expôs o interior da casa e
o tornou sólido, de forma a criar uma relação
direta entre o interior e o exterior.
Soluções prontas (off-the-peg) podem ser uma cápsula-dormitório com dois quartos. Ele
uma opção para criar interiores dramáticos. ficou atravessado no apartamento, e seu
O escritório LOT-EK escolheu um tanque de acesso era feito por meio de uma nova escada
combustível e o removeu de um caminhão- de aço. A parte mais alta do tanque, que
-tanque para que fosse colocado no interior de normalmente serve para impedir que o
um apartamento em Nova York. Então, foi combustível vaze durante o transporte,
colocado no alto do pé-direito duplo para criar permitiu que fossem colocadas duas camas de

40 Assuntos
casal dentro da cápsula. Um segundo tanque espaço, a fim de estabelecer conexões com o
foi colocado verticalmente dentro do passado, uma relação dinâmica entre o antigo
apartamento para que fosse construída a área e o novo.
do banheiro.
Achados podem ser utilizados e reutilizados
de inúmeras formas, desde criar uma
atmosfera até dar personalidade para um

Achados 41
rentabilidade
As questões relativas à sustentabilidade são projetos de parceria g c.e ^a ^e m a l que
muito delicadas na maioria das sociedades também têm um pape de cesaaque, como a
neste início do século XXI. Projetar, construir e casa com um superisolarremo no Canadá
manter as novas estruturas têm um enorme chamada Saskatehewan House, e aTask 13 da
impacto nos recursos naturais bem como no Agência Internacional ce E~e'gia. Até 2016,
meio ambiente. Apenas para a manutenção todas as novas residências construídas no
das estruturas atuais gastamos cerca de um Reino Unido deverão :er emissão de carbono
terço de toda a energia consumida no mundo.
Além disso, os edifícios são uma grande fonte
poluidora, contribuindo para a má qualidade do
ar nos centros urbanos e, por consequência,
para a mudança climática. Mundialmente, eles
são responsáveis por quase a metade das
emissões de dióxido de enxofre, por cerca de
um quarto das emissões de óxido nitroso e
10% das emissões de partículas - e tudo isso
contribui para a má qualidade do ar nos
centros urbanos. As construções produzem
cerca de 35% das emissões de dióxido de
carbono do mundo, apontado como o principal
vilão da mudança climática. O aquecimento
global tem implicações que estão em toda
parte, e o desenvolvimento de formas
sustentáveis de construir e manter estruturas
é uma das tarefas mais complicadas para os
arquitetos e designers.
Há muitas iniciativas para reduzir esse
impacto. Os Edifícios de Energia Zero
normalmente são construídos com grandes
soluções para economia de energia por meio
de equipamentos de alta eficiência, melhor The Reichstag, Berlim,
Alemanha
isolamento, janelas de alta eficiência, Projeto: Foster+Partners.
ventilação natural e várias outras técnicas que O Parlamento Alemão foi
reformado e sua principal
reduzem drasticamente as cargas de característica é um novo
domo, que remete à cúpula
aquecimento e resfriamento. O conceito do do antigo edifício. Ele
Edifício de Energia Zero é conhecido no funciona como um ponto de
observação sobre a principal
mundo todo, e as normas R-2000, do Canadá, sala de debates, e também é
e Passivhaus (Casa Passiva), da Alemanha, são um poço de ventilação que
promove a circulação natural
fundamentais para o planeta. Há outros do ar.

42 Assuntos
zero. Um grande exemplo dessa nova geraçào energia renovável de forma pulverizada a partir
de edifícios de escritórios de energia zero é o de fontes solares e eólicas.
Pearl RiverTower, em Guangzhou, na China. A construção de uma nova estrutura
Com 71 pavimentos, ele foi construído pela emprega enormes quantidades de energia:
Skidmore Owings Merril LLP para ser sua tanto a compra quanto a fabricação dos
sede em Guangdong e utiliza tanto a alta materiais utilizam energia, que ficam
eficiência energética quanto a geração de aprisionadas nos novos produtos. Essa é a

Sustentabilidade 43
energia não renovável que é consumida na drasticamente. A construção já está pronta e,
compra, processamento, fabricação, quase sempre, a infraestnrtura também.
transporte e construção utilizando matéria- Portanto, a energia apris onada nessas
-prima. instalações pode se' econcm zada com sua
A reutilização das estruturas preexistentes adaptação e reutilizacã: Em qualquer lugar do
com uma nova finalidade é uma abordagem mundo é possível me nora^ : solamento de
sustentável para criar novos espaços. Por meio uma residência com portas e areias mais
da adaptação do estoque construído, a eficientes, bem como s stemas de climatização
quantidade de recursos naturais necessários mais modernos. Uma cc"s :e'sção importante
para a construção de um imóvel é reduzida é que construções que passaram por retrofit
podem não ser tão e f : emes em termos
ambientais quanto as no. as construções, mas,
dados o gigantesco estoque construído
existente e a importância das construções já
existentes no imaginário cc etivo, a reutilização
sustentável delas é uma das questões mais
importantes do século XX!
Ao executar o retrofo de um imóvel, o
designer consegue dar a"da mais importância
para a abordagem susteres .e. adotando
medidas como a escolha de materiais que
sejam ambientalmente amigáveis. Por
exemplo, é possível utilizar materiais obtidos na
mesma região para economizar em transporte,
e a adoção de materiais naturais e atóxicos
pode criar melhores condições ambientais
dentro do imóvel. Materiais reciclados, como
madeiras e metais de demolição, podem ser
utilizados e têm também um ganho para a
personalidade do projeto.
O designer poderá criar formas de
ocupação dos interiores que irão contribuir
para a sustentabilidade, como o reúso das
águas cinzas e pluviais, ou melhores
isolamentos térmicos que reduzirão a
necessidade de climatização. Aquecimento e
refrigeração passivos consistem da utilização
das condições climáticas naturais em benefício
daqueles que ocupam o imóvel. Para isso, é

44 Assuntos
Página oposta: Assembléia
Nacional de Gales, Cardiff,
Reino Unido
Projeto: Richard Rogers
Partnership. Grandes túneis
de vento se elevam a partir da
sala de debates e atravessam
o teto como chaminés. Isso
permite a circulação do ar
dentro do espaço e garante a
máxima transparência
possível para o interior.

À esquerda: A Biblioteca
das Mulheres, Londres,
Reino Unido
Projeto: Wright & Wright.
O ar circula pelos ambientes
criando um “efeito de
empilhamento” que ventila
naturalmente o interior.

possível orientar os interiores para uma maior ambientalmente amigável no reúso da


ventilação e iluminação naturais. construção preexistente pode criar uma
A manipulação da iluminação natural que identidade especial para um edifício e seus
entra e circula em um interior pode reduzir a interiores. A relação entre forma e clima vem
necessidade de iluminação artificial, além de sendo desenvolvida há milhares de anos e fica
criar uma conexão entre o interior e a explícita na arquitetura vernacular - é uma área
paisagem exterior. O aprisionamento do ganho da arquitetura e do design muito rica em
solar pode reduzir a necessidade de precedentes e idéias. Descobrir (ou
aquecimento - enquanto a ventilação natural redescobrir) métodos de redução do uso de
pode resfriar um ambiente e reduzir o uso do energia é uma das mais importantes questões
ar-condicionado. do século XXI, e a atitude do designer pode
A reutilização das construções é o maior ato contribuir muito nesse sentido.
de sustentabilidade, e a abordagem

Sustentabilidade 45
Detalhes
Os detalhes ou as características únicas de um apenas a iluminação ou o tamanho do local
interior são os elementos daquele espaço que poderão ser os primeiros elementos com os
criam uma identidade própria. É por meio da quais o visitante terá contato e irá interagir.
criação e organização deles que um espaço O designer deverá considerar a construção,
ganha sua identidade e, assim, o poder de o layout, a manipulação, a organização e a
representar um cliente, uma marca ou até justaposição de cada elemento para criar uma
mesmo uma cultura. proposta coerente e viável que esteja de
Frequentemente, os detalhes de um projeto acordo com a estratégia e que dê apoio a ela.
são pensados em um estágio tardio do projeto Os detalhes podem ser vistos tanto como
e execução de um interior. Em primeiro lugar, cada um dos elementos que compõem o
é desenvolvida uma estratégia mais ampla que espaço como um todo quanto como o design
irá organizar o processo e apenas depois disso desses elementos.
os detalhes são inseridos. Eles são apenas Os detalhes podem ser divididos em dois
uma pequena parte do projeto, porém, podem tipos: elementos prontos e elementos sob
criar o clima do local. São os detalhes que irão medida: A primeira categoria descreve os
aparecer para o visitante quando ele entrar: o detalhes que são escolhidos de catálogos ou
piso, a parede, uma maçaneta - ou até mesmo outras publicações que apresentam detalhes e

46 Assuntos
Página oposta: Maçaneta,
Centro de Artes Raven Row,
Londres, Reino Unido
Projeto: 6a Architects.
A maçaneta feita artesanalmente
sob medida foi concebida para se
encaixar firmemente na mão e
replicar a linguagem setecentista
do imóvel.

À direita: Detalhe de um portão,


IUAV, Veneza, Itália
Projeto: Cario Scarpa. Esse
enorme e pesado portão precisou
de um sistema de corrediças em
uma escala maior do que a
habitual, de forma a facilitar a
abertura e o fechamento.

Abaixo: Teatro Armani, Milão,


Itália
Projeto: Tadao Ando. O balcão de
vidro brilha enigmaticamente
nessa área austera da entrada do
teatro.

Detalhes 47
acessórios. E uma forma de solução genérica
que pode ser aplicada em vários tipos de
projeto, como móveis, cozinhas e até mesmo
escadarias e elevadores. Essas soluções
prontas também incluem os achados e outros
detalhes que podem ser usados de forma
inesperada ou fora de seu contexto habitual.
Uma solução sob medida é feita para atender
as necessidades específicas de um projeto.
Os dois tipos de solução incluem detalhes
como piso, mobiliário, objetos, acessórios,
iluminação, circulação, conexão entre os
Wonderful: Visions of the detalhes e especificação de materiais.
Near Future, exibição
itinerante A fabricação dos detalhes pode se dar no
Projeto: Ben Kelly Design.
Os objetos nessa exposição
próprio local ou remotamente. Um projeto que
foram iluminados com utilize um elemento especial, que apenas
cuidado de forma a atrair
os visitantes. Os elementos possa ser executado por um especialista,
são posicionados para
orientar a circulação dentro
poderá ser feito remotamente e transportado
do espaço. para a obra. Também há elementos que

48 Assuntos
apenas poderão ser executados no local, como elemento essencial e seu uso acertado irá
detalhes feitos de concreto moldado na própria influenciara experiência em uma construção.
obra. • O revestimento é um detalhe que cria uma
O designer pode criar ou especificar relação direta entre o contato humano e um
elementos e detalhes de um projeto como: imóvel. A superfície de um elemento e os
materiais utilizados trazem controle
• Superfícies verticais ou horizontais, como ergonômico e ambiental, e também projetam
paredes, pisos ou forros, para fazer o a identidade da estrutura.
fechamento de um interior são os elementos • Aberturas são essenciais como forma de
fundamentais do design de interiores. Uma pontuar um imóvel. Seu uso é óbvio como
superfície pode controlar os limites visuais ou facilitador do movimento e da entrada de luz,
espaciais de um interior, e pode ser executada mas há outras finalidades menos óbvias para
com diferentes tipos de cores, revestimentos elas, como: a criação de paisagens, orientação
e materiais. e direção do fluxo e o fundamental
• Objetos como móveis, esculturas, uma estabelecimento das relações entre os locais.
tampa de duto de ventilação ou um bloco • Formas de circulação no imóvel - escadarias,
estrutural podem manipular o espaço, o elevadores, corredores - permitem o acesso
movimento e a direção do olhar. A escolha dos às várias áreas de uma construção e também
materiais e dos revestimentos poderá unem espaços isolados ou díspares. Uma
determinar a atmosfera e a identidade do escada, uma passagem elevada ou uma
espaço. varanda podem criar elementos focais e
• A iluminação artificial ou natural também tem esculturais.
o poder de controlar a forma e o espaço. A sua
manipulação cuidadosa articula o movimento, Seja qual for o tipo ou método de fabricação
ilumina objetos e condiciona a percepção do do detalhe, ele é o elemento que dará um
espaço. Artificial ou natural, a luz é um significado e uma identidade para o espaço.

Detalhes 49
Superfícies
0 revestimento da superfície de um objeto, de As superfícies existentes são as texturas e os
um elemento ou de um interior transmite uma revestimentos que já estão no local da obra,
identidade e um caráter. A superfície de um em um imóvel já existente. Elas podem ser
interior normalmente é o primeiro ponto de interessantes para exibir a história da vida do
contato de um usuário do espaço. Uma local. Os soldados soviéticos que capturaram o
superfície com um bom revestimento ou uma Palácio do Reichstag, em Berlim, no final da
boa escolha de materiais pode definir o sentido Segunda Guerra Mundial, rabiscaram algumas
de um interior. A escolha da forma como a paredes - isso foi descoberto durante o retrofit
superfície é executada bem como de seus do imóvel nos anos 1990 e o escritório
materiais irá depender da natureza do local, das Foster+Partners decidiu manter esses textos
necessidades do cliente e dos objetivos do como o registro de uma narrativa.
designer. A forma como o designer irá A preservação e exibição dessas frases são
responder às necessidades dos usuários será memórias arrepiantes da complicada história
uma oportunidade para expressar diferentes desse prédio.
formas de sensibilidade, como a suntuosidade É de responsabilidade do designer controlar
ou a sobriedade. Por exemplo, a personalidade a identidade do interior por meio da
de uma parede recoberta com aço escovado é manipulação do espaço e da luz e pela
muito diferente da mesma parede recoberta meticulosa escolha dos materiais. Sejam as
com seda, e ainda mais diferente se ela superfícies aplicadas ou existentes, o designer
receber um revestimento de vinil texturizado. terá uma grande variedade de materiais para
O revestimento da superfície não é escolher. Alguns preferem utilizar um número
necessariamente feito do mesmo material reduzido de materiais com linhas simples e
utilizado para construir a estrutura, mas apenas poucos detalhes, o que pode ser chamado de
a camada superficial que é visível. Uma parede uma abordagem minimalista. John Pawson e
de tijolinho à vista é um exemplo de estrutura Cláudio Silvestrin são partidários desse tipo de
que é construída do mesmo material que design, utilizando sempre um pequeno
compõe a sua superfície visível. número de materiais e sempre trabalhando
Há duas formas de utilização de superfícies com apenas cinco ou seis tipos de superfícies
em um interior: aplicadas e existentes. diferentes, cuidadosamente selecionadas e
Superfícies aplicadas são trazidas para dentro combinadas de forma muito acertada e com
da obra e utilizadas para revestir a estrutura ou uma execução impecável. O trabalho de John
os objetos já existentes no local, e vão desde Pawson no Monastério de Novy Dvur, na
os tipos mais comuns de revestimento, como República Tcheca, foi descrito por ele como o
gesso, massa corrida e pintura, utilizados para "o projeto de.uma vida toda'.' Ele combina as
esconder o esqueleto de um imóvel, até O Reichstag, Berlim, Alemanha
revestimentos exóticos e mais refinados, Projeto: Foster+Partners.
O grafite rabiscado nas
como pedras e madeiras especiais. São uma paredes foi deixado em
forma de complementar o espaço e transmitir exposição como forma de
lembrar a história turbulenta
a narrativa e o clima que o designer quer criar. do imóvel.

50 Assuntos
Superfícies 51
necessidades espaciais monásticas sérias e
etéreas dos monges cistercienses com o
trabalho de um designer que é conhecido por
fazer um trabalho cuidadoso com luz,
proporção e uso minimalista de materiais.
Talvez surpreendentemente, os monges
contrataram Pawson após ver imagens da loja
da Calvin Klein que ele projetou em Nova York,
pois reconheceram uma alma parecida com as
suas por detrás da obra. Eles acreditaram que
o conceito estético de Pawson poderia refletir
a necessidade monástica de ausência de cor,
silêncio e isolamento do mundo exterior. A sua
palheta tão diminuta de materiais consiste de
gesso lixado, concreto, madeira e vidro que,
combinados de forma cuidadosa e comedida, infinidade de materiais pouco comuns para
criam uma imagem de precisão, com certo utilização em interiores, muitos vindos de
drama e um sentimento de divindade que origens incomuns e processos industriais
paira no ar. diferentes. Eles podem ter aplicações diversas
Em oposição está a combinação deliberada daquelas para as quais foram concebidos:
de materiais para criar um choque ou apenas plásticos, malhas, acrílicos e aplicações têxteis
para entreter com uma combinação gritante de são amplamente aceitos hoje como soluções
cores e superfícies. O designer Nigel Coates é para revestimento de superfícies de interiores.
famoso por esse tipo de abordagem: o Café O projeto de Doriana e Massimiliano Fuksa
Bongo, parte de uma série de obras para o restaurante da loja Emporio Armani, em
executadas no Japão nos anos 1980, era um Hong Kong, tem como principal característica
local onde materiais, cores e superfícies uma fita vermelha extremamente dramática
estavam em franca batalha para criar um lugar que emerge do piso e se transforma em uma
de encontro exótico e com atmosfera teatral mesa de bar, em seguida sobe e mergulha de
para os formadores de opinião deTóquio. forma a criar uma área de jantar. A jornada da
O café ficava localizado no piso térreo de uma fita continua, se intersecta com a cabine do DJ
torre de concreto anônima dos anos 1960, o e cria uma área de bar, então se transforma
que permitiu que o designer tivesse liberdade em um túnel espiral que define a entrada
para impor uma nova identidade no local. Uma principal. Esse gigantesco elemento
enorme asa de avião ficava no meio do salão, serpenteia de forma a organizar o espaço e
dominando o espaço e coordenando a traz uma identidade exclusiva, única, para o
distribuição das mesas e cadeiras. O espaço, interior.
anteriormente anônimo, ganhou uma A aplicação de uma grande variedade de
identidade nova e surreal. Hoje, há uma materiais para superfícies, alguns deles

52 Assuntos
3ágina oposta: Casa Batlló, Acima: Showroom da
Barcelona, Espanha Kvadrat, Estocolmo, Suécia
Projeto: Antonio Gaudí. Projeto: Boroullec Brothers.
O forro da sala principal da É possível utilizar materiais
~asa é moldado em gesso incomuns para revestir
como um rodamoinho que superfícies em interiores e
sjrge a partir da luminária criar discursos dramáticos.
3'incipal do teto. Esse showroom de um
famoso fabricante de tecidos
Acima à direita: Basílica de de decoração recebeu placas
São Marco, Veneza, Itália de espuma colorida como
Materiais mais resistentes, revestimento.
como placas de pedra,
codem ser utilizados para o Abaixo à direita: Qiora Spa
'evestimento de fachadas e and Store, Nova York, EUA
"tenores. Projeto: Architecture
Research Office (ARO).
Painéis de tecido longos e
sinuosos são utilizados para
proteger as áreas mais
íntimas e privadas do interior
do spa.

concebidos a partir de formas pouco


ortodoxas, traz a personalidade única de um
local. Materiais tradicionais como madeira,
gesso, papel de parede, alvenaria, vidro e
metal frequentemente são utilizados de forma
ortodoxa para criar uma atmosfera de
constância e respeitabilidade, enquanto
materiais mais chamativos podem transmitir
.ma ideia de criatividade mais dinâmica.
O ponto de encontro entre o ortodoxo e o
incomum pode criar ambientes diferentes, Superfícies 53
mas ainda assim apropriados.
Representação e apresentação
A arquitetura e o design de interiores são essas idéias para uma realidade tridimensional
práticas que envolvem a criação detalhada do - o ambiente propriamente dito. Como Robin
espaço e de sua estrutura. A escala e o grau Evans observou em seu artigo Transformando
de complexidade da construção de um interior um desenho em um ambiente, "o
significam que ele deve ser simulado e testado reconhecimento do poder do desenho como
à exaustão antes de ser executado, afinal, é meio acaba sendo, por incrível que pareça, o
muito caro e muito complicado para dar reconhecimento da distinção e da diferença
errado! Por causa da importância desse entre o desenho e o que ele representa, ao
estágio no processo de concepção, a invés de ser o reconhecimento da
representação e a apresentação do interior semelhança'.'
normalmente são feitas em várias mídias e O processo da representação e
utilizando diversas técnicas. Isso irá permitir apresentação de um interior acontece em
uma melhor ideia do aspecto, da estrutura, dos duas fases: antes da construção, é necessário
volumes, das formas e do clima do ambiente. fazer uma apresentação do projeto para os
Muitas são as formas de se criar essa clientes, algumas vezes também para os
representação, como por meio de desenhos e usuários, para mostrar os volumes, a
maquetes, com uma escala apropriada para identidade e o clima desejados. Esses
representar as qualidades e dimensões do desenhos podem ser representações
espaço e o modo como ele será construído. elaboradas que detalham espaço, materiais,
As mídias a serem utilizadas também são pessoas e luz, geralmente de forma dramática,
variadas, como os programas para computador buscando "vender" o projeto para o cliente.
- AutoCAD, Vectorworks, 3Dstudio Max, Haverá também perspectivas digitais ou
formZ, Photoshop - bem como os métodos desenhadas à mão, bem como maquetes
analógicos tradicionais, como pintura, desenho tridimensionais para uma melhor ideia dos
e colagem. Maquetes simples podem ser volumes e a escala do espaço.
construídas com cartolina e papelão, e as Após a apresentação dessas imagens, o
elaboradas, com melhor acabamento para uma designer é contratado e o projeto começa a
apresentação. ser executado. Um conjunto de plantas e
O estudante de design ou arquitetura de outros projetos técnicos (ou pranchas) é
interiores está na posição um pouco incômoda preparado para orientar quem irá executar a
de apenas desenhar os projetos que ele cria, obra: o design e a arquitetura de interiores são
em que o produto final não é o interior em si, ciências exatas que apenas podem ser
mas uma representação dele. Ao contrário de executadas com projetos detalhados. Esses
um estudante de design gráfico ou de projetos são informativos e, embora possam
desenho de móveis, que pode criar um ter sido desenhados com cuidado, cores e
produto final, o estudante de design de detalhes, não têm como objetivo transmitir o
interiores apenas irá produzir projetos que clima do ambiente.
transmitam suas idéias, em vez do interior em A escala das pranchas sempre depende do
si. Há outro processo distinto para traduzir que está sendo representado: por exemplo, se

54 Assuntos
o que está ali é o interior e como ele se integra • Esboço. Normalmente um desenho feito
com o contexto, os desenhos terão uma rapidamente, de forma descontraída, para
escala de 1:1250 ou 1:500; se a representação transmitir o conceito do projeto. Pode ser
é do layout do interior, ela estará em 1:200, classificado como conceituai, analítico e de
1:100 ou 1:50; se o que está sendo retratado é observação. Esboços conceituais transmitem a
um detalhamento, 1:20, 1:10, 1:5, 1:1 ou até essência da ideia, o conceito; esboços
uma escala maior que a real, como 2:1. analíticos detalham o espaço existente; e os
esboços de observação podem ser utilizados
Tipos de representação para registrar vários aspectos de um interior,
A seguir, há algumas das formas mais como os materiais e os detalhes.
comuns de representação de interiores e de
construções; o designer poderá combinar
diferentes tipos de mídia para atingir seus
objetivos - por exemplo, um desenho feito
rapidamente a partir de uma fotografia poderá
mostrar a proposta em seu contexto.

À esquerda: Esboço de um Acima: Esboço de um


interior, Projeto do Instituto elemento, Design de
de Moda, Design de interiores, Escola de Artes
interiores, Escola de Artes de Manchester, Reino Unido
de Manchester, Reino Unido Projeto: Alex Johnson.
Projeto: Samantha Hart. Esta O esboço monocromático
série muito detalhada, ainda revela os efeitos da luz nesse
que informal, explora as interior.
qualidades do espaço.

Representação e apresentação 55
• Desenhos tridimensionais, São utilizados
para representar como seria a ocupação do
interior e podem ser desenhados em
perspectiva ou ser isométricos, mostrando a
intensidade e a dramaticidade do ambiente.
Eles darão uma melhor ideia do volume, da
forma, da estrutura, da atmosfera, dos
materiais e da iluminação - também é comum
haver pessoas nos desenhos.

Acima: Oki-ni, Londres,


Reino Unido
Projeto: 6a Architects.
Perspectiva isométrica que
representa a proposta para o
interior de uma nova loja.

À esquerda, no centro:
Crematório Ancoats, Design
de interiores, Escola de
Artes de Manchester, Reino
Unido
Esta perspectiva exagerada,
com apenas um ponto de
fuga, intensifica a
dramaticidade e intensidade
do que está sendo retratado.

56 Assuntos
• Maquetes. Uma maquete pode ser feita para
estudos ou para apresentações. Quando é
Página oposta, à direita, no feita para estudos, normalmente é construída
centro: Basis Wien, Viena,
Áustria rapidamente e em escala para testar as
Projeto: Propellor z. inter-relações entre os espaços interiores,
A perspectiva isométrica
mostra o interior de um centro utilizando papelão e cartolina colados com fita
de informações turísticas e
destaca o volume,
adesiva e cola. Uma maquete para uma
apresentando um plano apresentação é mais complexa e elaborada, e
horizontal que une o exterior e
o interior. Abaixo: Instituto de Moda, servirá para dar destaque ao projeto.
Design de interiores, Escola
Maquetes virtuais permitem que um espaço
Página oposta, à esquerda, de Artes de Manchester,
abaixo: Loja A-Poc, Paris, Reino Unido tridimensional seja representado em uma tela
França Projeto: Samantha Hart.
Este desenho para uma A maquete em papelão e bidimensional, e podem ser rotacionadas para
apresentação descreve os cartolina permite que o que sejam vistas de diferentes ângulos ou
volumes no interior, e como observador tenha uma melhor
eles são interseccionados por ideia das relações entre os pontos de vista.
elementos coloridos novos elementos e a
*:utuantes. construção preexistente.

Representação e apresentação 57
•Vistas ortogonais. São as plantas baixas, prédio e mostra o layout volumétrico de um
elevações e cortes, e apresentam as interior e a sua relação com a construção.
informações objetivas do projeto. A planta A escolha do local do corte irá depender do
baixa mostra o layout dos ambientes e a designer e normalmente é feita de forma a
construção original. É como uma fatia exibir a maior quantidade possível de
horizontal do prédio, normalmente à altura do informações. Uma elevação é um desenho
peito, representando paredes, móveis, portas simples e reto da fachada exterior do prédio.
e janelas. Um corte é uma fatia vertical do
• Projeto arquitetônico. São as plantas baixas,
À direita: Layout e Abaixo: Planta baixa e corte, cortes e detalhamentos que transmitem as
apresentação, Arquitetura Arquitetura de interiores,
de interiores, Universidade Universidade de Brighton, informações para aqueles que irão executar a
de Brighton, Reino Unido Reino Unido obra.
Esta prancha apresenta a Projeto: Jo Mattsson. Estes
história de um projeto para desenhos mostram o layout
um possível cliente. volumétrico de um interior.
• Layout e apresentação. Conjuntos de
À direita, abaixo: Igreja da desenhos dentro das categorias apresentadas
Ciência Cristã, Manchester,
Reino Unido anteriormente, adicionados de maquetes,
Projeto: OMI Architects. Um
usados para contar uma história para um
corte longitudinal pode servir
para mostrar onde um possível cliente ou um usuário do espaço.
ambiente está localizado
dentro de um edifício.

58 Assuntos
Representação e apresentação 59
Anatomia
Um interior pode ser interpretado como uma independência, de forma que o imóvel seja
narrativa ou o cenário da vida, é a apenas um receptáculo para os novos
representação de seu ocupante, expressa sua elementos e objetos, então esse interior é
personalidade, seu caráter e a individualidade independente.
daqueles que o habitam. O projeto dele Essa taxonomia que define as abordagens
representa a imagem que seus habitantes estratégicas responsivas e autônomas é mais
querem transm itir-seja ela a ordem absoluta bem explicada por meio das categorias
ou uma criatividade cheia de expressão. conceituais de design em residências, locais
O design de interiores incorpora muitas de trabalho, espaços culturais, espaços do
funções e usos variados, cada um com suas conhecimento e no varejo.
necessidades e questões próprias. A segunda parte do processo de
O designer irá seguir uma abordagem desenvolvimento do projeto é o detalhamento
específica para o desenvolvimento do conceito nos desenhos, que pode ser chamada de
do interior, seja ele um espaço em um imóvel tática. A forma como os materiais são
já construído ou um espaço proposto em um selecionados e utilizados é a forma verdadeira
projeto para construção futura, e ela pode ser de conceber um interior. Do mesmo modo,
dividida em duas partes distintas: estratégia e pode ser dividida entre os interiores que estão
tática, embora elas estejam invariavelmente conectados ao contexto, o responsivo, e
interpoladas. aqueles que são autônomos. As seções de
A primeira, portanto, é a abordagem interiores autônomos e responsivos são ainda
estratégica que o designer irá adotar para mais detalhadas de acordo com cada um dos
desenvolver as linhas gerais do projeto. São componentes do interior: luz, objeto, plano e
considerados o interior e suas relações com as superfície.
coisas próximas, e também com outras mais
distantes - por exemplo, estrutura, forma,
contexto, história e função.
A abordagem estratégica muitas vezes é
definida pelo grau de integração entre o que
há de novo e o antigo, pela dimensão da
interação entre o proposto e o existente.
Os novos elementos do interior proposto
podem derivar da estrutura ou do imóvel que o Galeria de modelos de
contém; suas dimensões, materiais e forma gesso Canova, Museu
Gipsoteca, Possagno, Itália
podem ter como referência as características Projeto: Cario Scarpa.
O posicionamento dos
do espaço original, de forma que o novo delicados modelos de gesso
interior seja uma interpretação contemporânea dentro dos espaços
expositivos do museu são
do que já existe ali; essa abordagem uma tática desenvolvida para
estratégica pode ser chamada de responsiva. permitir que as obras sejam
observadas sob a luz natural
Porém, se o novo e o antigo coexistirem com do dia.

60 Assuntos
Anatomia 61
Estratégia
Seja trabalhando em um espaço novo ou em fundamentais de abordar os interiores: a
um espaço já existente, o designer ou abordagem responsiva e a independente. Elas
arquiteto precisa sempre escolher uma estão interpoladas em inúmeros aspectos,
estratégia geral para desenvolver o ambiente. mas a sua distinção é muito clara.
É uma forma de conduzir, controlar a proposta Na primeira abordagem, o designer escolhe
ou plano diretor do espaço - o planejamento aceitar completamente as restrições e
das ações gerais, estratégicas. limitações existentes e cria um interior que
O desenvolvimento de um projeto seja uma resposta ao seu contexto. A outra
arquitetônico ou de interiores acontece de forma é quando as restrições são refutadas, e
acordo com a estratégia escolhida - ela pode o interior criado é de forma autônoma, ou
ser a simples organização de estruturas e independente, em relação ao seu contexto -
elementos pré-projetados de uma loja para sempre à medida do possível, pois,
otimizar o espaço e criar oportunidades para obviamente, haverá limitações de tamanho e
que o consumidor interaja com os produtos, forma definidas pelo envelopamento externo.
enquanto projeta a imagem ou marca Um exemplo de abordagem responsiva para o
desejada. A abordagem estratégica também design seria um museu concebido para ocupar
pode ser uma combinação muito mais um barracão industrial que passou por retrofit.
elaborada de fatores contextuais, ergonômicos As características industriais originais do
e históricos, combinados de forma a permitir edifício são harmonizadas com necessidades
que o designer consiga realizar a abordagem funcionais dos novos usuários. A galeria de
escolhida. arte Tate Modem, em Londres, que passou por
Essa abordagem pode não ser definida pela retrofit executado pelo escritório Herzog & de
função, e o designer pode ter uma abordagem Meuron, em 2000, é o melhor exemplo do
preferencial para os interiores, método responsivo. Já uma loja seria um
independentemente da finalidade que terá exemplo perfeito de um interior independente,
aquele espaço. O profissional deve analisar pois os únicos fatores limitadores são o
com cuidado todas as qualidades daquele tamanho e a forma do espaço que a loja irá
espaço existente antes de escolher a proposta ocupar. Para haver um desenvolvimento
para o novo uso, e é essa análise cuidadosa contínuo da identidade corporativa, é
que irá definir ou estimular a criação do novo importante manter uma padronização da
ambiente. identidade da marca em redes de lojas, e o
Para conceber um novo interior, o contexto design independente é a abordagem
será uma forte influência - o imóvel ou a amplamente adotada nesse segmento.
estrutura onde o espaço está localizado. Em alguns capítulos posteriores as
Os designers de interiores sempre trabalham estratégias são divididas em tipos de uso e
com um espaço definido, sempre há restrições função, e discutem exemplos de abordagens
que eles devem observar, e a forma como elas estratégicas para a execução de projetos em
são aceitas ou refutadas é o fio condutor da cada tipo de espaço. O título Interiores em
abordagem estratégica. Há duas formas residências inclui casas e apartamentos

62 Assuntos
unifamiliares, bem como alguma outra lista galerias, teatros e design comunitário.
abordagem conceituai que o artista tenha Interiores em espaços do conhecimento traz
escolhido. Interiores em locais de trabalho bibliotecas, museus, bem como locais de
inclui o escritório tradicional mas também ensino. Finalmente, Interiores no varejo
outros tipos de ambientes de trabalho menos apresenta os mais variados ambientes para
convencionais. Interiores em espaços culturais compras.

Exposição Herzog & de


Meuron, Tate Modern,
35!»

Londres, Reino Unido


Projeto: Herzog & de Meuron.
A exposição na sala Turbine
Hall foi realizada com uma
série de mesas que
apresentavam maquetes e
protótipos das obras dos
designers.

Estratégia 63
Estratégia: interiores responsivos

O trabalho com o novo ou com o antigo requer e ela poderá ser exibida de uma forma muito
do designer um entendimento das questões mais sutil e evocativa que apenas com
específicas de cada local, entretanto, os cartazes informativos. A demolição seletiva
imóveis já existentes podem servir de guia, também surge como uma possibilidade
orientação inspiradora do projeto a ser importante na medida em que permite criar
executado. O designer pode integrar e dar outros elementos, como o aumento da
uma resposta a esse contexto e a seus iluminação por meio da remoção de expansões
aspectos, como a história, a estrutura ou a ou reformas anteriores.
localização do imóvel. Tal abordagem, chamada Embora o novo interior possa ter sua
responsiva, aliada a um profundo origem na personalidade do edifício
conhecimento das necessidades funcionais preexistente, é importante notar que isso não
dos usuários finais, tem o potencial de criar significa necessariamente que deva copiar ou
interiores que sejam sedutores e evocativos, imitar o seu invólucro - embora, muitas vezes,
que mostrem um verdadeiro sentido de valor. o pastiche seja solicitado. O designer precisa
É possível abordar os diferentes aspectos traduzir a informação disponível sobre o local
do imóvel preexistente ou novo, por exemplo, para uma nova linguagem, de forma a criar um
o ritmo da estrutura pode induzir um padrão de interior que tenha personalidade e tecnologia
repetição ou progressão, ou de distribuição de próprias do século XXI.
objetos dentro do novo espaço. A orientação A estratégia responsiva pode ser utilizada
das janelas ou de outras aberturas pode levar o para todos os tipos de interiores, sendo uma
designer a explorar uma das vistas em abordagem adequada para praticamente todas
especial ou a entender a necessidade de as funções. Não está restrita aos imóveis já
instalar proteção contra o ganho solar construídos, pois conhecer bem o projeto de
excessivo. A história do local também é um um novo imóvel fará com que o designer crie
ponto de partida para o retrofit, pois o designer um interior que dialogue e seja condizente
terá a opção de explorar a história da estrutura com o seu contexto.

Faversham Barn, Kent,


Reino Unido
Projeto: Circus Architects.
A estrutura do imóvel orientou
a distribuição dos novos
elementos nos interiores.

64 Anatomia
Estratégia: interiores responsivos 65
Estratégia: interiores responsivos em residências

O espaço doméstico normalmente é televisão. O real campo de atuação de um


entendido como o foco primário do design de designer de interiores de residências é
interiores. Isso se deve, em parte, ao papel do extremamente fértil para experimentações.
decorador de residências no início da história Há muitas dicas e posicionamentos que o
do design de interiores e também está designer pode obter observando o imóvel
relacionado ao surgimento da profissão. Além para melhorar a qualidade do espaço habitado.
disso, o design de interiores em residências O aspecto da construção pode sugerir que o
está presente nos programas de designer dê maior importância para
transformação de ambientes e casas na determinadas qualidades de uma vista ou de
uma luz, ou, pelo contrário, que esconda a
vista e apenas permita a passagem da luz.
O espaço interior pode ser aberto com
conexões tridimensionais feitas por meio de
aberturas no imóvel, como quando é utilizado
um mezanino ou um pé-direito duplo.
A organização espacial pode ser definida como
uma série de espaços interconectados por
circulações e portas, ou então como uma
planta livre sem paredes internas ou portas.
O arquiteto Sir John Soane reformou
completamente os imóveis vizinhos
localizados nos números 12, 13 e 14 da praça
Lincoln's Inn Fields, em Londres, entre 1792 e
1823, de forma a criara residência de sua
família. Aos poucos, a casa foi transformada
em uma série de interiores trabalhados com
cuidado, que foram crescendo gradualmente
em função de seus ocupantes e seus hábitos.
Soane era um colecionador compulsivo e
encheu sua casa com objetos e lembranças
trazidos de suas viagens, como pinturas feitas

Armazém, Londres, terraço no teto. As plantas


Reino Unido baixas desse apartamento
Projeto: Simon Conder. com formato em L estão à
A perspectiva isométrica à direita. Veja como os
esquerda descreve os banheiros cilíndricos unem os
volumes do espaço interior e diversos pavimentos.
suas relações com o novo

66 Anatomia
por seus amigosTurner e Constable, interiores faziam com que a casa refletisse os
fragmentos de modelos em gesso, desejos e as aspirações de Soane. Ele fez com
antiguidades trazidas de países exóticos e que cada cômodo recebesse iluminação
objetos incomuns, como máscaras e urnas natural, até mesmo o porão - que recebia luz
mortuárias. Ele conseguiu até encontrar lugar por meio de um sistema de túneis de
no porão para o Sarcófago do Rei Seti: um iluminação. Tudo isso permitiu que ele criasse
enorme caixão feito em pedra com inscrições uma iluminação dramática em sua coleção de
hieroglíficas, em exibição com a tampa objetos, e tanto o imóvel quanto seus
tentadoramente aberta apenas pela metade. interiores existem até hoje em perfeita
Soane adaptou a casa para que contivesse harmonia.
seus objetos e também para acomodar a Uma residência tem várias funções, como
família - além de oferecer espaços de trabalho oferecer proteção contra as intempéries,
para seus funcionários e alunos, que o oferecer conforto e ser um espaço que
visitavam com frequência para ver sua coleção estimule sua ocupação física. Porém, o lar é
impressionante que não parava de crescer. As muito mais do que isso, ele guarda as
obras meticulosamente executadas nos memórias e a personalidade de seus

Estratégia: interiores responsivos em residências 67


residentes. 0 escritório Simon Conder lavatório, dentro do outro está a ducha).
Associates executou um projeto para um novo Ambos os cilindros recebem iluminação
apartamento em um barracão do século XIX natural por meio de clarabóias translúcidas de
que respondia às características do local, em vidro durante o dia, e, durante a noite, os
Londres. Os profissionais consideraram a luz, cilindros fornecem iluminação artificial para os
o volume e o fechamento externo e decidiram ambientes. Este é um excelente exemplo de
dar um upgrade nesses aspectos para uma interpretação contemporânea de um
acomodar o novo espaço doméstico. A área espaço doméstico, residencial, aplicado a um
principal foi delimitada com três elementos imóvel preexistente, onde o velho e o novo
autônomos, uma nova cozinha em aço são mutuamente complementares.
inoxidável e dois cilindros de vidro translúcido Em outro exemplo, o estúdio de arquitetura
(dentro de um deles estão o vaso sanitário e o Arca Architects reformou uma série de casas

68 Anatomia
desses detalhes em madeira, que iam desde
pequenos elementos, como lucarnas e
varandas, até grandes mudanças, como um
novo cômodo construído inteiramente em
madeira. Os novos elementos foram
concebidos para serem modestos - sua escala
era condizente com o contexto, e o material
era aconchegante e transmitia conforto. A
escolha por apenas um material predominante
criou uma conexão entre todos os elementos,
além de criar uma conexão entre as
residências.

Armazém, Londres,
Reino Unido
Projeto: Simon Conder
Associates. Esse interior tem
como ponto principal os
cilindros em vidro translúcido
que são iluminados por cima
- dentro deles estão as áreas
dos banheiros dessa
residência.

Estratégia: interiores responsivos em residências 69


Estratégia: interiores responsivos em locais de trabalho

Um ambiente criado para ser um local de O escritório da empresa alemã de design


trabalho deve observar uma série de funções, KMS Design Agency, em Munique, foi
como conforto ergonômico, espaço adequado projetado pelo estúdio Lynx Architects, e fica
e um clima positivo, além de representar a dentro de uma antiga fábrica desativada, onde
identidade e o etos da empresa. A reutilização eram produzidos caminhões. Dentro do
de um imóvel preexistente pode contribuir barracão, três áreas distintas foram criadas: o
para a construção da marca: uma estrutura espaço principal é uma planta livre, sem
antiga, por exemplo, pode ser convertida de divisórias, que foi colocada sobre uma
uma forma muito simpática para transmitir plataforma elevada no centro do espaço.
uma ideia de confiabilidade e tradição. A criação desse degrau faz com que essa área
Ou então o designer pode desenvolver seja independente de todo o resto, como se
interiores que sejam totalmente contrastantes fosse um móvel. A plataforma foi construída
com os espaços existentes, de forma a de madeira revestida com feltro para melhorar
transmitir uma imagem de avanço e as qualidades acústicas e de isolamento. Do
dinamismo, ainda que com noção das lado mais informal do espaço, os designers
responsabilidades profissionais. colocaram o café e a biblioteca. O café

KMS Design Agency,


Munique, Alemanha
Projeto: Lynx Architects.
As áreas do café e da
biblioteca estão isoladas nos
próprios ambientes: a
biblioteca dentro de uma
placa de aço dobrado e o
café sobre uma plataforma
em concreto.

70 Anatomia
consiste de uma plataforma em concreto que das fachadas dos prédios vizinhos. Algumas
fica um degrau acima do piso, e seus móveis, delas permitem a entrada de luz natural, outras
extremamente informais, consistem de vários são falsas e possuem iluminação artificial.
longos e elegantes bancos e mesas de De noite, as janelas são iluminadas e criam
madeira. Ao lado fica a biblioteca, isolada por uma recepção calma, que dá as boas-vindas
uma enorme placa de aço oxidado, que surge aos executivos a caminho de seus escritórios.
do chão da fábrica. Esse novo interior é uma O interior é um espaço tranquilo e que reflete
resposta às qualidades formais e à organização o seu entorno de forma responsiva e
da construção original, e reflete o caráter contextual, considerando a sua função, sua
Industrial do uso anterior. fabulosa localização e suas vistas
O local de trabalho do método responsivo estonteantes.
pode ser concebido para trazer as A necessidade de expandir fez com que o
características da construção e as condições escritório Clive Wilkinson Architects utilizasse
ambientais locais, e criar um lugar com uma também o sótão de sua sede, que é um
personalidade única. A empresa Steven Holl armazém que passou por retrofit em Londres,
Architects criou os escritórios para uma então eles projetaram uma escadaria em
companhia de investimentos globais e concreto que permitisse fácil acesso ao piso
desenvolvimento tecnológico, a D. E. Shaw, a superior. Ela tem 4,2 metros de largura e foi
partir de um espaço vazio no 39a e 40a andares alongada de forma a se tornar uma superfície
de um grande edifício na região de Midtown, de trabalho bem larga. Além disso, tem cerca
em Nova York. Seus funcionários precisam de 100 metros de comprimento ao longo do
estar conectados com os mercados mundiais espaço principal e une todos os diferentes
e, para isso, trabalham em turnos variados nas locais de trabalho. O tamanho é adequado para
24 horas do dia para atender todos os fusos, e a proporção do armazém, já que a enorme
o seu local de trabalho foi concebido para escala do prédio teria apagado qualquer coisa
refletir isso. A localização fabulosa do escritório em menor tamanho. Para compensar o
e as restrições no orçamento - pois grande aspecto cru da mesa e também abordar a
parte dele deveria ser investida em tecnologia questão acústica, várias cúpulas coloridas para
digital e, em caso de uma falha elétrica, luminárias recobertas com tecido foram
deveria ter também geração própria - fizeram penduradas de forma linear acima da mesa
com que apenas materiais de baixo custo e para completar o conceito de uma mesa de
que pudessem ser transportados facilmente jantar doméstica em escala anormalmente
fossem utilizados. A recepção é um cubo grande. Um único elemento de magnitude
perfeito com pé-direito duplo que filtra a vista adequada reflete o etos progressista de uma
espetacular, bem como a abundância de luz empresa, ao mesmo tempo que une as
natural. Uma divisória simples construída com diferentes atividades no escritório.
madeira e gesso faz o fechamento, ela tem
entalhes e diversas pequenas janelas, que
permitem uma vista ou fragmentos de vistas

Estratégia: interiores responsivos em locais de trabalho 71


Estratégia: interiores responsivos em espaços culturais

Reformar um prédio antigo para que ele tenha cultural pode resultar em uma forte conexão
uma nova finalidade como casa de espetáculos entre o imóvel e o novo interior.
pode gerar interiores com características muito O teatro Young Vic, em Londres, projetado
próprias. A criação da nova identidade ou do por Bill Howell nos anos 1970, refletia a
novo clima no local é um processo muito natureza experimental da companhia. Ele foi
diferente de criar um interior em um imóvel desenvolvido como espaço temporário ao
novo, os detalhes da estrutura antiga irão dar redor de um "teatro circular" construído para
ao ambiente características únicas, que apenas durar apenas cinco anos, entretanto, um
aconteceriam ali naquele local. Como cada quarto de século mais tarde, a companhia
imóvel é um imóvel diferente, é de
responsabilidade do designer avaliar quanto
dessa personalidade original do prédio irá
influenciar seu projeto, e essa análise deve ser
feita tendo em mãos um profundo
conhecimento das necessidades dos usuários
finais. Espaços culturais, como casas de
espetáculo, podem ter fatores determinantes,
por exemplo, o som, a estrutura e as
características do imóvel; teatros podem ser
influenciados fortemente pela distribuição de
suas salas internas. Portanto, a reutilização de
um edifício existente para uma finalidade

Acima: Teatro Young Vic,


Londres, Reino Unido
Projeto: Haworth Tompkins
Architects. Levantamento do
entorno do teatro. O imóvel
fica bem escondido em seu
ambiente urbano e ocupa um
lote muito estreito, fechado
por todos os lados por
paredes e de frente para
uma rua.

À esquerda: Teatro Young


Vic, Londres, Reino Unido
Projeto: Haworth Tompkins
Architects. A área entre o
velho auditório e um antigo
açougue foi coberta de forma
a criar o foyer.

72 Anatomia
Acima e à direita:
Teatro Young Vic, Londres,
Reino Unido
Projeto: Haworth Tompkins
Architects. Cortes do teatro e
do auditório.

Abaixo: Teatro Young Vic,


Londres, Reino Unido
Projeto: Haworth Tompkins
Architects. O velho açougue
foi mantido em seu estado
original, os azulejos antigos
trazem um sentido histórico
para o teatro.

passou por um grande crescimento em seu


programa artístico e sentiu na pele a
decadência da estrutura do teatro que eles
tanto amavam. Em 2000, os diretores do
Young Vic contrataram Haworth Tompkins para
reformar completamente o imóvel. Eles
sempre encararam esse processo como uma
adaptação para reúso, como disse o diretor
David Lan: "Os novos teatros normalmente
são horrorosos" (Architectural Review, julho de
2007).
O teatro sempre foi conhecido por sua
personalidade e clima íntimo, o pequeno
terreno obrigava que houvesse uma forte

Estratégia: interiores responsivos em espaços culturais 73


relação com a frente e os fundos do imóvel, e
tais pressões eram parte da personalidade do
Young Vic e deveríam ser mantidas. Os
designers não queriam construir um espaço
monolítico enorme, mas, sim, conectar todos
os diferentes espaços. Atualmente, ele
consiste de três áreas distintas: a sala de
espetáculos principal, as salas de ensaios e a
frente do imóvel - que consiste do velho
açougue, sempre presente no local, e agora o
ponto principal da composição. A sala de
espetáculos foi construída a partir do antigo
espaço temporário dos anos 1970, que teve
seu pé-direito aumentado. Os designers
desenvolveram uma nova circulação ao redor
do auditório com placas de cimento pintadas e
uma rede de aço. Ela é iluminada a partir de
baixo, e o auditório se transforma da noite para
o dia. A especificidade do projeto para esse
imóvel é muito clara, o novo é absolutamente
responsivo em relação ao velho.
O invólucro de uma exposição pode ser
utilizado para narrar a organização e o layout de
um conjunto de obras. Para a celebração do
bicentenário do nascimento do escultor

Teatro Young Vic, Londres,


Reino Unido
Projeto: Haworth Tompkins
Architects. Cortes do teatro.

74 Anatomia
Estratégia: interiores responsivos em espaços culturais 75
italiano Antonio Canova, Cario Scarpa foi abobadado, era um espaço imponente e que
chamado para aumentar a galeria de esculturas conferia nobreza aos moldes de gesso. A nova
do Museu Gipsoteca Possagno, na Itália. galeria de Scarpa aliviou o excesso de obras no
A galeria já não conseguia mais exibir local e também repensou o layout, a
adequadamente a grande quantidade de obras, iluminação e a escala. Ela consiste de duas
como modelos em gesso, mármore e estruturas interconectadas: um espaço cúbico,
pequenos desenhos em seu acervo, e Scarpa que recebe iluminação de cima por meio de
criou uma nova galeria para abrigar esses quatro janelas em forma de prisma, e um
artefatos. A antiga galeria, com seu layout grande corredor que acompanha o formato do
formal das obras e um teto grandioso e terreno, seu piso fica gradualmente mais baixo
e sua largura diminui também gradualmente.
Embora a linguagem dessas duas novas áreas
seja bastante diferente daquela da construção
original, há uma forte relação entre elas.
Scarpa interpreta o ritmo e o sentido de
movimento do imóvel clássico como forma de
orientar a circulação através do espaço. Ele
estimula continuamente o movimento do olhar
de um prédio para o outro, criando um passeio
público dentro do espaço que era estático, e
posicionou os modelos de gesso de forma
que, em vez de serem pontos focais, são um
convite para o passeio ao redor deles.

Acima: Galeria de modelos À direita: Galeria de


de gesso Canova, Museu modelos de gesso Canova,
Gipsoteca, Possagno, Itália Museu Gipsoteca,
Projeto: Cario Scarpa. Possagno, Itália
A iluminação natural inunda o Projeto: Cario Scarpa.
ambiente por meio das A luz percorre o grande
lanternas em forma de prisma corredor-galeria da nova ala
nos cantos iluminando os do museu.
modelos de gesso abaixo
delas.

76 Anatomia
Galeria de modelos de
gesso Canova, Museu
Gipsoteca, Possagno, Itália
Projeto: Cario Scarpa.
As quatro janelas em forma
de prisma nos cantos do
volume cúbico trazem luz de
uma forma natural para dentro
da galeria.

Outras formas de atividade cultural que intervenção. Entretanto, a designer Sarah


respondem muito bem à estratégia de Wigglesworth concebeu um novo espaço com
reutilização de imóveis antigos são as escolas, forma sinuosa na cobertura do prédio. É uma
especialmente aquelas dedicadas a uma estrutura em madeira pintada de azul com
formação específica. A escola de dança formato curvilíneo que traz uma grande
Siobhan Davies está localizada em um antigo dramaticidade ao topo do prédio e anuncia o
edifício que também abrigava uma escola, em novo uso do imóvel. Os dançarinos são
Londres. As salas de aula originais, bem como estimulados a interagir com o local onde estão
seus espaços de convivência, foram atuando, de forma que a nova estrutura é um
reutilizados para criar salas de ensaio e de aula espetáculo de dança de arquitetura de
de forma muito modesta e com pouca interiores dentro do imóvel.

Estratégia: interiores responsivos em espaços culturais 77


Estratégia: interiores responsivos em espaços do conhecimento
Já é uma prática bem comum a reutilização de O departamento de História da Arte da
imóveis industriais antigos para que se tornem Faculdade Birkbeck fica em um imóvel
museus e bibliotecas, pois são atividades que tombado na Gordon Square, em Londres.
geralmente precisam de grandes áreas. Os arquitetos da Surface Architects foram
Além disso, a preservação do patrimônio chamados para transformar o imóvel e sua
arquitetônico é uma grande necessidade das nova ala em um centro de pesquisa de cinema
sociedades ocidentais, o que significa que é e artes visuais. Há uma sala de cinema com 80
necessário encontrar novos usos para tais lugares bem no coração do prédio, e também
imóveis. As necessidades espaciais dos
armazéns ou indústrias do século XIX são bem
parecidas com aquelas do museu
contemporâneo: grandes plantas livres com
muita luz natural. Por fim, esses imóveis
geralmente estão em áreas da cidade que não
são mais utilizadas para manufatura, pois são
próximas demais do centro para ir de carro, de
forma que sua localização é mais uma razão
pela qual a reutilização de imóveis antigos para
locais de aprendizado e conhecimento, em
geral, é viável e é uma boa escolha.

À esquerda: Biblioteca das


Mulheres, Londres, Reino
Unido
Projeto: Wright & Wright
Architects. A preservação
desses fragmentos históricos
cria uma conexão direta entre
o presente e o passado.

À direita: Biblioteca das


Mulheres, Londres, Reino
Unido
Projeto: Wright & Wright
Architects. O novo bloco foi
posicionado exatamente atrás
da fachada histórica
preservada.

78 Anatomia
salas de conferência, salas audiovisuais, então abriram os espaços preenchidos pela
escritórios acadêmicos, salas de aula e outros luz, em seguida moveram a luz por meio de
serviços. A sala de projeção era o ponto de animações do espaço e, ao chegar em
partida, e sua concepção se tornou o fato conexões importantes, paravam o movimento
gerador de novas idéias para o projeto. da luz e novamente criavam aberturas. A cada
Os designers trataram conceitualmente o parada de quadro eles podiam abrir um espaço
interior do imóvel como um bloco sólido de labiríntico criando aberturas, removendo
matéria. Eles projetaram luz através do bloco e superfícies do bloco da nova ala. Os designers

Estratégia: interiores responsivos em espaços do conhecimento 79


descreveram muito apropriadamente esse e da história associada a ele. A coleção e os
processo como design por animação: "Nós espaços de estudos ficam localizados em um
vemos a nossa arquitetura não apenas por bloco isolado, posicionado atrás da fachada,
meio de fotografia e desenhos mas também mas separado por um espaço que protege a
com oYouTube e outras coisas parecidas... coleção da incidência solar direta e ventila
O cinema realmente foi projetado por meio de passivamente o prédio, forçando a passagem
animações. Nós não criamos o modelo no de ar frio através da fenda. Os novos
computador para representar o projeto, nós elementos na biblioteca ficam situados atrás
usamos a animação como forma de criar esse de uma fachada, o que é uma grande
projeto" (Richard Slott, Surface Architects, lembrança do poder do movimento feminista.
The Architect's Journal, março de 2007). O CaixaForum, em Madri, na Espanha, foi
O conceito tradicional de cinema (uma caixa um retrofit executado por Herzog & de
escura) foi deixado de lado em favor de uma Meuron em uma usina elétrica desativada do
série de paredes anguladas e aberturas final do século XIX. Os designers fizeram duas
seccionadas através do imóvel. A caminhada grandes e dramáticas intervenções no prédio,
pelo interior do prédio mostra uma clara decisões drásticas que transformaram a
distinção entre o velho e o novo. Os interiores estrutura em um espaço aberto e responsivo,
de três terraços que formam a entrada do
prédio na Gordon Square foram pintados de Abaixo: Biblioteca das À direita: Biblioteca das
cinza como forma de remeter aos tempos do Mulheres, Londres, Mulheres, Londres,
Reino Unido Reino Unido
cinema em preto e branco. Ao entrar na nova Projeto: Wright & Wright Projeto: Wright & Wright
ala, o visitante encontra um interior que Architects. As áreas de Architects. Os materiais
estudo e o acervo são utilizados dentro do prédio
explode em cores em paredes; pisos e tetos desconectados da fachada são rústicos na medida certa,
do prédio. Essa fenda permite e conversam com a robustez
angulados que se transformam em plantas um controle ambiental, como exterior do local.
livres fluídas. Essa linguagem expressionista a circulação de luz e ar
através do imóvel.
do interior reflete os filmes, porém, mais
pragmaticamente falando, é um interior que
tira o ocupante da banalidade institucional do
dia a dia e o leva para um cenário de
sequências e quadros.
A Biblioteca das Mulheres, na região do
East End, em Londres, foi fundada em 1926,
sua coleção itinerante e muito díspar foi
reunida em 1977, mas apenas em 2002 o
escritório Wright & Wright Architects projetou
um lar permanente para a biblioteca. Eles
executaram um retrofit em uma casa de
banhos públicos e deram grande destaque
para a fachada em memória do edifício antigo

80 Anatomia
Estratégia: interiores responsivos em espaços do conhecimento 81
contextual, dedicado à apreciação da cultura.
Primeiro, eles aumentaram o imóvel
verticalmente e uma grande e pesada nova ala
foi criada na cobertura. A segunda intervenção
contradiz esse peso da nova ala, toda a massa
do prédio construído de tijolos foi removida no
térreo: isso criou um pavimento térreo vazio,
que parece começar em um dos lados da
pequena praça e continua até as profundezas
do museu. Essa estratégia de elevar o prédio e
a separação dos pavimentos superiores do
solo cria dois "mundos": um abaixo, que é
subterrâneo e abriga os espaços "caixa
escura" (teatros e auditórios), e outro acima,
onde estão galerias, restaurantes, um bar e
escritórios. Esse corte decidido libertou o
edifício de um grande peso que ele carregava
e dividiu as funções entre a parte clara e a
parte escura.

À direita, acima e abaixo, e Na página oposta, acima à


na página oposta, acima à direita, e abaixo à direita:
esquerda: CaixaForum, CaixaForum, Madri,
Madri, Espanha Espanha
Projeto: Herzog & de Meuron. Projeto: Herzog & de Meuron.
A massa do edifício flutua O interior é acessado por
sobre o solo de forma a criar meio de uma escadaria
uma nova praça pública que central que leva os visitantes
surge abaixo do prédio. até o coração do prédio.
Alguns prédios abandonados A escadaria secundária é um
foram removidos do entorno elemento orgânico esculpido
do prédio para criar um em seu interior.
espaço urbano para a
exibição de obras de arte. Na página oposta, abaixo à
esquerda: Caixa Forum,
Madri, Espanha
Projeto: Herzog & de Meuron.
As características brilhantes e
reflexivas do aço escovado na
livraria contrastam fortemente
com a alvenaria bruta do
exterior.

82 Anatomia
Estratégia: interiores responsivos em espaços do conhecimento 83
Estratégia: interiores responsivos no varejo

O design e o desenvolvimento da identidade dependendo de como ele é organizado ou


da marca são importantes considerações para exposto. Os materiais disponíveis para o
a execução de um espaço de varejo - uma designer de interiores são espaço, luz, objetos
loja, um comércio. A forma como os objetos e superfícies. Os interiores responsivos no
são expostos é essencial, sejam eles roupas, varejo são espaços que acolhem as qualidades
alimentos, eletrônicos ou perfumes. do imóvel já existente.
O ambiente no qual eles serão expostos deve A loja da Prada, projetada por OMA/Rem
transmitir muitas coisas, pois uma loja vende Koolhaas, ocupa uma área extremamente
muito mais do que apenas um simples longa do subsolo e do térreo de um armazém
produto, ela está projetando um estilo de vida. do século XIX na região do SoHo, em Nova
Portanto, deve ter a identidade e a mensagem York. Esses longos espaços foram pontilhados
do designer, da marca e do produto, com várias colunas de ferro fundido, que são a

84 Anatomia
estrutura do imóvel. Para qualificar a loja, os
designers escolheram um piso muito especial,
que se desenrola ao longo do interior e
também conecta o térreo e o subsolo. Essa
superfície ondulada liga o fundo e a frente da
loja, e também serve de display, além de ser o
piso. Ele serpenteia ao longo do espaço
começando no nível da calçada, na fachada, e
depois segue até o subsolo. Ali, foi criado um
auditório côncavo e uma plataforma para ser
usada como display, uma curva para cima foi
feita para o primeiro andar e para o fundo da

Loja A-Poc, Paris, França peças são penduradas


Projeto: Irmãos Bouroullec. nessas tiras de Corian. Rolos
Essa loja foi projetada para de tecido ficam expostos nas
representar o processo de bancadas de forma que
customização e compra de possam ser facilmente
“A-Piece-of-Cloth", ou “ Um recortados. Pedacinhos de
Pedaço de Pano”, de onde Corian colorido escondem as
vem o nome da loja. O interior emendas no interior brilhante
foi construído com placas e muito claro.
vergadas de Corian, e as

Estratégia: interiores responsivos no varejo 85


loja. A nova superfície é deslumbrante e dá necessidade e do momento: uma superfície
origem a um cenário extremamente pode ser usada como mesa de corte, como
impactante e fluido onde as roupas são display ou como balcão de atendimento.
exibidas. O novo interior respondeu às A adoção do Corian pelos designers
qualidades do imóvel: ele aceitou as interpretou o método criativo da designer de
qualidades e acentuou a característica longa e moda e projetou um espaço que fica entre
estreita da forma do prédio com um gesto uma butique de produtos exclusivos e uma
dramático e desafiador. fábrica.
Uma resposta que interprete um objeto Os espaços de varejo normalmente são
pode inspirar o designer a elaborar um transitórios, temporários, feitos para durar
ambiente sob medida: a loja A-Poc, em Paris, é apenas enquanto são considerados na moda,
um local assim. Foi projetada por Ronan e mas ainda assim podem responder às
Erwan Bouroullec para exibir as peças do peculiaridades de seu contexto. A loja
designer de roupas de vanguarda Issey Alexander McQueen, em Nova York, abordou o
Miyake. O conceito da loja é um serviço de térreo do prédio como sendo um bloco sólido
roupas sob medida, no qual o cliente participa de gelo e o interior da loja foi esculpido nele.
do processo criativo do design de suas peças A loja fica na região do Meatpacking District,
exclusivas a partir de alguns modelos básicos. no centro de Manhattan, onde restaurantes e
Os irmãos Bouroullec responderam às lojas exclusivas e sofisticadas ficam lado a lado
qualidades incomuns do processo e do com açougues e enormes armazéns
produto utilizando um material incomum: refrigerados de carnes. A loja McQueen
Corian, um plástico moldável e soldável, que responde a esse contexto com um interior
parece ter fluidez e rigidez, utilizado em tiras clean, afiado, esculpido com beleza glacial,
retas e vergadas que fluem através do espaço. como se fosse feito com várias esculturas de
O ambiente é cercado de diversas tiras de gelo, algumas que crescem a partir do piso,
Corian colorido, e as superfícies ficam outras que descem do teto. A inspiração do
conectadas a elas. O uso irá depender da congelamento avança pela loja: os balcões dos

86 Anatomia
À esquerda: Loja Alexander
McQueen, Londres,
Reino Unido
Projeto: Pentagram. Os
interiores são projetados para
parecerem esculpidos a partir
de um bloco de gelo ou neve.
As emendas entre as
superfícies horizontais e
verticais foram arredondadas
para acentuar o aspecto
cavernoso da loja.

Abaixo: Loja Alexander


McQueen, Londres,
Reino Unido
Projeto: Pentagram. Era
fundamental que as
instalações de luz e outros
serviços não ficassem
aparentes nas superfícies
extremamente homogêneas
das paredes e pisos. Para
isso, a iluminação foi embutida
nos displays para não
interromper o fluxo contínuo
dos elementos no espaço.

caixas e os displays parecem ter sido


entalhados nas peças que estão espalhadas
pelo lugar. Nas paredes, há nichos com uma
forte iluminação para destacar as caríssimas
bolsas, os sapatos e acessórios em exibição.
0 terraço em tons frios de azul e gelo contribui
para o interior gélido. Os ambientes aqui
fazem uma interpretação e um comentário
sobre seu entorno, sèu contexto.

À esquerda: Loja Alexander


McQueen, Londres, Reino
Unido
Projeto: Pentagram. A planta
da loja de Londres mostra
que o conceito do projeto da
loja de Nova York foi levado
para lá. O interior é longo e
estreito, e os designers
deram maior destaque para
isso com o uso de elementos
esculturais que se projetam
para dentro do espaço.

Estratégia: interiores responsivos no varejo 87


Estratégia: interiores autônomos

A criação do conceito de um ambiente imagem da marca e, a partir dela, dá origem a


normalmente acontece em um lugar distante elementos que possam ser traduzidos em
da obra. O novo interior, apesar de seu uma variedade de ambientes. O consumidor
envelopamento externo, é um conjunto de espera comprar uma identidade, ele sabe o
elementos e espaços autônomos e que esperar da imagem que é projetada pelo
autodeterminantes. O imóvel original pode ser design da loja e pelo design dos produtos à
visto apenas como um envelope dentro do venda.
qual o novo interior será colocado, e terá muito A abordagem independente é adequada
pouca ou nenhuma influência sobre o interior. para a maioria dos espaços. Não é a função
A criação de outros ambientes pode ser vista em si do interior que determina essa
como um processo autônomo que é estratégia, mas, sim, o estabelecimento ou
delimitado pelas fronteiras da área e do não de relações entre o novo e o velho que
volume disponíveis. determinará essa abordagem.
O interior independente pode não ter
nenhuma conexão importante com as
características específicas do imóvel onde está
localizado, mas isso não significa que não
possa ter uma atmosfera ou identidade única.
Cada um dos elementos dele pode interagir
entre si para formar uma coleção ou série de
partes interconectadas, que, juntas, criam a
identidade ou expressão específica.
O projeto expográfico - o design de
espaços para exposições - tende a ser um
processo autônomo, pois é importante que o
artista ou o designer transmita uma
mensagem precisa e sem ambiguidades, que
não seja diluída ou atrapalhada pelo imóvel.
Cada um dos elementos de uma exposição
tem uma relação consistente entre si; eles são
parte de uma família de objetos, itens de uma
exposição que se relacionam entre si. Isso é
ainda mais verdadeiro para exposições
itinerantes, nas quais as partes constituintes
Loja Mandarina Duck, Paris,
precisam ser suficientemente autônomas e França
adaptáveis para que possam ser acomodadas Projeto: Droog. Os produtos
exclusivos são expostos em
nos mais diferentes espaços. uma série de elementos
O design de varejo é outro exemplo típico soltos, que são colocados de
forma independente no
de interior independente. O designer cria a interior.

88 Anatomia
Estratégia: interiores autônomos 89
Estratégia: interiores autônomos em residências

O conceito de residência sempre esteve no cozinha ficasse no pequeno espaço próximo à


centro das discussões da arquitetura e do porta, enquanto a área maior, que recebia
design de interiores. A forma como nossas iluminação natural, ficou dedicada à área de
famílias vivem está em constante evolução, estar. Tornou-se uma residência condensada
desde os ambientes medievais que eram em uma pequena solução em um pequeno
comunitários, os chamados grand halls, até as espaço, sem nenhuma perda.
instâncias insulares e repetitivas das casas de O interior de uma residência também pode
condomínio atuais. As mudanças nos padrões contrastar fortemente com as características
de trabalho e as expectativas das famílias do imóvel onde ela está localizada. Uma
fizeram com que, no início do século XXI, identidade única pode ser obtida pela
houvesse um retorno ao convívio em um disposição dos objetos no interior com
ambiente comunitário, e a cozinha mais uma características ou significados próprios. O
vez ganha uma posição de destaque no centro Morton Duplex, em Manhattan, foi concebido
da casa. O espaço doméstico é completamente para ser a residência de duas pessoas no
independente do imóvel que ele ocupa. Uma terceiro pavimento de um estacionamento que
cozinha iluminada pode estar em um prédio de passou por retrofit. Os designers da LOT-EK
200 anos de idade, armazéns de tijolos que são conhecidos por utilizarem achados
passaram por retrofit recebem tecnologia de industriais em seus projetos, como
ponta, e a necessidade da individualidade contêineres, peças de caminhão e pias
significa que o interior de cada casa em uma antigas. Lá, eles utilizaram dois tanques de
mesma rua deve ser diferente do outro. caminhão-tanque, que foram importados para
O designer George Ranalli foi contratado dentro de um espaço vazio: um deles está
para projetar um pequeno apartamento em um posicionado horizontalmente no meio do
armazém que passou por retrofit em Nova apartamento e o outro, verticalmente no fundo
York. Ele colocou uma peça compacta e do espaço interno. O interior de todos os
independente dentro do cômodo principal que tanques de combustível é dividido por uma
concentrava todas as funções básicas da placa, necessária para estabilizar o líquido
residência: dormir, fazer refeições e trabalhar. durante o transporte. Essa divisão corresponde
Todas elas foram combinadas em um só à escala humana e forma ambientes nos
móvel, o que maximizou o espaço livre grandes recipientes, o que permitiu que o
disponível tanto horizontal quanto tanque fosse transformado em dois
verticalmente no pequeno apartamento para dormitórios - dentro do tanque vertical estão
que houvesse espaço para relaxar. As as instalações sanitárias e a área molhada do
prateleiras de livros foram acomodadas nos banheiro. Essa instalação independente cria
degraus que levavam à cama, em um patamar um discurso conceituai escultural, concebido
mais alto, sob o qual estava uma pequena para gerar o maior contraste possível dentro
mesa com cadeiras para refeições. O móvel do ambiente do apartamento.
elegante e independente foi colocado fora do O "nosso lar, doce lar" também pode ser
centro do ambiente, de forma que a área da reduzido ao seu mínimo essencial necessário.

90 Anatomia
F.C ' ! DA .
I B1BL: CAJ
A residência independente pode ser criada a Crate House,
Universidade de
partir dos elementos essenciais necessários Massachusetts, EUA
Projeto: Allan Wexler.
oara as funções básicas residenciais. Na Nessa residência, tudo foi
galeria White Cube, no campus da reduzido ao mínimo
essencial necessário. Cada
Universidade de Massachusetts, o artista e unidade contém tudo o que
é necessário para o
arquiteto Allan Wexler foi convidado a criar um
conforto humano. Os
espaço residencial que representasse a caixotes podem ser
deslizados para dentro e
essência da moradia contemporânea - ele para fora do espaço
propôs caixotes sobre rodas. As funções central, conforme a
necessidade.
essenciais da casa foram reduzidas ao mínimo
necessário e organizadas dentro de grandes
caixas sobre rodas que se moviam para dentro
e para fora do ambiente principal. Cada um
desses grandes caixotes que deslizavam para
dentro do espaço central continha uma parte
do equipamento mínimo necessário: a cozinha,
a área de dormir e a área de trabalho. Quando
fosse necessário utilizar uma das funções,
bastava deslizar o caixote correspondente para
dentro, e para fora quando terminada a função.
A Crate House (ou casa-caixote) foi uma
instalação artística que propôs alternativas aos
modos consumistas da vida contemporânea.

ii
«B/

Estratégia: interiores autônomos em residências 91


Estratégia: interiores autônomos em locais de trabalho

O trabalho toma grande parte da nossa vida,


portanto, é importante que o ambiente de
trabalho seja eficiente e adequado. Ele deve
atender às necessidades físicas dos
trabalhadores, ser eficiente na forma como as
pessoas trabalham, oferecer conforto e ser um
ambiente saudável. O local de trabalho
também precisa proporcionar suporte
emocional, no sentido de que deve ser um
local que estimule ou melhore as ligações
interpessoais na comunidade trabalhadora.
O caráter do imóvel e seu interior
normalmente devem representar a natureza da
empresa, pois transmitem uma mensagem na
qual ideais e ambições daquele negócio
transparecem, além de representarem sua
marca ou identidade.
O prédio da Câmara de Comércio de
Hamburgo foi construído em 1841 no estilo

Câmara de Comércio,
Hamburgo, Alemanha
Projeto: Behnisch Architekten.
A nova estrutura foi
concebida como um conjunto
de caixas empilhadas e
isoladas no meio do prédio
antigo.

92 Anatomia
neoclássico com uma entrada monumental
ladeada de colunas de frente para a praça da
cidade. Ele foi construído para transmitir
confiança e inspirar respeito, pois a Câmara
era um importante órgão dessa cidade
portuária e tinha influência global. Em razão
das mudanças na cidade, aliadas à saída da
bolsa de valores de um dos salões dos
imóveis, os proprietários entenderam que
deveriam executar uma grande reforma em
seus interiores para atrair novos negócios e
novos clientes.
O escritório Behnisch Architekten executou
o projeto de seus interiores em 2006: uma
imensa nova estrutura foi colocada em um dos
três grandes salões, descrita como uma pilha
de caixas com seis pavimentos atingindo o
teto do prédio. Os pavimentos abrigam
diversas funções: no primeiro, há uma

Acima: Câmara de Acima e no topo da página:


Comércio, Hamburgo, Câmara de Comércio,
Alemanha Hamburgo, Alemanha
Projeto: Behnisch Architekten. Projeto: Behnisch Architekten.
A área da incubadora toca A intervenção contemporânea
delicadamente o imóvel cria um contraste dramático
antigo. com o imóvel antigo. A escala
do volume do salão é tão
grande que a nova estrutura
parece pequena dentro dele.

Estratégia: interiores autônomos em locais de trabalho 93


incubadora de startups para atrair e dar apoio
aos novos empreendedores.
No segundo e terceiro pavimentos estão
escritórios, salas de conferências e áreas de
reuniões para as startups. O quarto e quinto
pavimentos abrigam áreas expositivas com
obras da enorme coleção da Câmara, além de
salas de reuniões com configuração flexível,
que podem ser transformadas em área
expositiva adicional ou auditórios para
apresentações. Nos pavimentos superiores

Câmara de Comércio, prédio antigo e oferece ao


Hamburgo, Alemanha visitante vistas deslumbrantes
Projeto: Behnisch Architekten. da cidade. O bar e o
A linguagem modernista da restaurante criam relações
nova ala cria um discurso espaciais tridimensionais.
extremamente dramático Os designers deixaram
dentro do salão de linguagem espaços entre o novo e o
clássica. O último pavimento, velho como forma de definir
onde está o clube, coincide claramente cada um deles.
com as janelas em arco do

94 Anatomia
Câmara de Comércio,
Hamburgo, Alemanha
Projeto: Behnisch Architekten.
Os designers usaram uma
técnica para representar as
diferenças entre o novo e o
antigo nesses cortes: uma
fotografia do prédio antigo é
sobreposta com o desenho
de linhas retas e secas da
nova ala.

Estratégia: interiores autônomos em locais de trabalho 95


estão o restaurante para associados e
visitantes, o clube com um bar e um lounge
decorados de forma muito sofisticada, com
candelabros e pinturas de mestres antigos. Os
arquitetos criaram uma estrutura independente
que é considerada como forma de revitalização
de um prédio antigo, mas que também dá a
ele um toque contemporâneo.
Quando a empresa Lehrer Architects
decidiu ir para uma nova sede, eles optaram
por fazer o retrofit de um antigo armazém de
50 anos, em Silverlake, na Califórnia. Queriam
que o espaço funcionasse não só como local

À esquerda: Câmara de Acima: Câmara de


Comércio, Hamburgo, Comércio, Hamburgo,
Alemanha Alemanha
Projeto: Behnisch Architekten. Projeto: Behnisch Architekten.
Há fortes conexões visuais Planta do prédio inteiro.
que podem ser feitas ao A nova ala fica no salão à
longo do bar. esquerda.

96 Anatomia
Acima: Câmara de Acima à direita: Câmara de
Comércio, Hamburgo, Comércio, Hamburgo,
Alemanha Alemanha
Projeto: Behnisch Architekten. Projeto: Behnisch Architekten.
Os rodapés originais do Os arcos originais do prédio
imóvel, executados em antigo.
degraus.

Acima e à direita: Câmara


de Comércio, Hamburgo,
Alemanha
Projeto: Behnisch Architekten.
Detalhe do forro com seu
sistema inovador de
iluminação LED.

À esquerda: Câmara de
Comércio, Hamburgo,
Alemanha
Projeto: Behnisch Architekten.
A suntuosa sala de jantar
particular.

Estratégia: interiores autônomos em locais de trabalho 97


f

de trabalho mas também como vitrine de seu portas maciças pintadas de branco, e podem
processo criativo para os possíveis clientes. ter seu layout alterado conforme a tarefa
O enorme espaço principal foi completamente realizada - em vez de serem fixas.
aberto e pintado de branco, e a parede sul foi Além de criar um espaço para trabalhar e
removida - em seu lugar veio uma nova que tenha identidade própria, uma abordagem
parede envidraçada para permitir a iluminação independente pode ser usada para criar um
natural e a vista para o novo jardim. O piso
Acima, e abaixo à direita:
reforça a organização da construção e é Lehrer Architects, Los
pintado com faixas nas cores branca e cinza. Angeles, EUA
Projeto: Lehrer Architects.
A área de trabalho pode seguir essa A grande planta livre permite
a visão de todo o interior até
organização das faixas, mas tem flexibilidade
o jardim, que está do lado de
suficiente para ser alterada quando necessário Abaixo à esquerda: Lehrer fora. As superfícies de
Architects, Los Angeles, EUA trabalho permitem que o
de forma mais independente. As longas Projeto: Lehrer Architects. tamanho das equipes
superfícies de trabalho foram feitas com A rigorosa organização do aumente ou diminua, de
escritório é visível por meio das acordo com o número de
grandes janelas na fachada. projetos.

98 Anatomia
F.C.
A
BID A.

discurso dramático. Na cobertura de um prédio Áreas de trabalho autônomas podem unir


em uma rua pouco movimentada, em Viena, seus trabalhadores expressando os valores da
na Áustria, uma nova e dramática ampliação empresa e os princípios compartilhados por
fica literalmente pendurada na beirada do todos. O novo escritório da Mother, uma
prédio. Os arquitetos da Coop Himmelb(l)au agência de publicidade de Londres, se
aumentaram um escritório de advocacia caracteriza por uma enorme mesa com
utilizando aço e vidro e alteraram capacidade para 200 pessoas. Desde que a
drasticamente a paisagem urbana vienense. Mother foi fundada, todos os seus
A nova estrutura tem uma identidade única de funcionários sempre trabalharam em uma
pássaro, e a vista é espetacular, muito mesa simples. Conforme a empresa cresceu,
dramática, refletindo o posicionamento a mesa cresceu junto, e hoje representa o
progressista da empresa. elemento que define a agência.

Mother, Londres,
Reino Unido
Projeto: Clive Wilkinson.
A enorme mesa de trabalho
em concreto é o centro das
atenções nesse ambiente.

Estratégia: interiores autônomos em locais de trabalho 99


Estratégia: interiores autônomos em espaços culturais
Edifícios e interiores em espaços culturais do palco a partir da platéia, bem como pela
geralmente têm necessidades muito claras, proximidade do local da ação. É um exemplo
sejam elas ambientais, estruturais, de um objeto independente extremamente
ergonômicas ou estéticas. É de bem planejado em um interior neoclássico
responsabilidade do designer entender fascinante.
profundamente as implicações desses Um objeto independente, quando colocado
aspectos para poder criar um projeto de uma çuidadosamente em um espaço existente,
instituição cultural que leve em conta tudo pode dar lugar a novas atividades, além de
isso. Por exemplo, casas de espetáculo permitir que as funções originais sejam
precisam ter espaço para o palco, a coxia, a mantidas. É uma forma de dar certa
platéia, o foyer, entre outros, e é necessário independência para cada uma delas, e
entender as necessidades de cada um deles e também um meio de criar um contraste
como eles interagem. Esteja o interior em um estético poderoso. 0 caráter mais secular da
imóvel novo ou em um prédio antigo sendo contemporaneidade fez com que muitas
reformado, o designer precisa ter um sólido igrejas tivessem que se adaptar para conseguir
conhecimento dos mecanismos e sobreviver. Hoje, as atividades religiosas e as
procedimentos de organização dos espaços. seculares ocorrem lado a lado, muito
O Teatro da Bolsa Real, em Manchester, no
Reino Unido, foi projetado para ocupar uma
pequena parte do enorme salão principal do
Edifício do Royal Exchange, uma antiga bolsa
de valores e commodities que teve seus
pregões encerrados em 1968 - o imóvel ficou
abandonado por vários anos até que fosse
utilizado temporariamente como teatro. Em
1976, o escritório Levitt Bernstein Architects
construiu um teatro em um volume isolado
com grande apelo dramático dentro do salão
principal do prédio. O novo elemento
representava o otimismo progressista da era
espacial: o teatro lembra uma cápsula espacial
que acabou de aterrissar. A elegante estrutura
aparente está firmemente ancorada nas
enormes colunas originais da construção, e as Igreja de Saint Paul,
Londres, Reino Unido
camadas de aço e vidro criam um Projeto: Matthew Lloyd
envelopamento ao redor de um espaço cênico Architects. O revestimento
sóbrio de madeira da nova
bastante particular, em formato circular, com estrutura gera um grande
contraste com o teto da
entradas em oito pontos diferentes a partir do
igreja, que é decorado
salão. O teatro é conhecido pela visão perfeita ricamente.

100 Anatomia
Acima à esquerda e à
direita: Igreja de Saint Paul,
Londres, Reino Unido
Projeto: Matthew Lloyd
Architects. A nova estrutura
foi ajustada dentro do interior
da igreja. Esse objeto
independente é destacado
pela luz natural que entra
pelas janelas do antigo
edifício.

Estratégia: interiores autônomos em espaços culturais 101


À esquerda: Igreja de Saint Abaixo: Igreja de Saint Paul,
Paul, Londres, Reino Unido Londres, Reino Unido
Projeto: Matthew Lloyd Projeto: Matthew Lloyd Architects.
Architects. As colunas em A nova ala é extremamente
formato de Y abrem espaço compacta e deixa a maior parte
para a congregação. do espaço disponível para as
atividades religiosas.

frequentemente dentro do mesmo imóvel.


Em Londres, a Igreja de Saint Paul, na região
de Bow, foi completamente reformada e
recebeu uma nova estrutura independente. Ela
tem dois pavimentos e foi colocada dentro da
nave da igreja; nela há um espaço expositivo,
salas comunitárias e uma academia. O grande
objeto revestido de madeira fica acima dos
bancos da igreja quase em balanço - ele é
suportado apenas por quatro colunas em aço
com formato deY - e separa a parte anterior

À direita: Igreja de Saint


Paul, Londres, Reino Unido
Projeto: Matthew Lloyd
Architects. O órgão original
da igreja foi preservado em
seu lugar original, e cria um
forte contraste com a nova ala
de aço e madeira.

102 Anatomia
da parte posterior da igreja - as atividades
seculares acontecem na parte posterior,
enquanto as atividades religiosas acontecem
ao redor do altar original, à frente.
O design ou projeto expográfico geralmente
é independente: um artista pode criar uma
obra como parte de uma série ou ter uma
referência completamente independente para
seu posicionamento final. O artista também
pode ser indiferente quanto ao local onde sua
obra será exibida, embora outros artistas criem
trabalhos específicos para determinado local,
estimulados por um evento específico ou pela
busca de um ambiente específico. Alunos do
programa de Continuidade Arquitetônica da
Faculdade de Arquitetura de Manchester e do
programa de Arquitetura Reciclada da
Universidade Politécnica da Catalunha, em
Barcelona, realizaram um projeto em parceria deveria se parecer com um pequeno abrigo
para compreender e responder às condições construído com material degradável. Não era
de uma área específica de Manchester. A um projeto feito especificamente para o local,
abordagem escolhida por eles foi a construção e a ideia era que pudesse ser transferido e
de um abrigo feito com caixas de papelão: um replicado - como realmente aconteceu.
discurso sobre o lixo e desperdício. A estrutura

Acima e à esquerda:
Instalação Intervenção,
Faculdade de Arquitetura
de Manchester, Reino Unido
A estrutura de papelão é um
manifesto sobre a cultura do
desperdício do século XXI.

Estratégia: interiores autônomos em espaços culturais 103


Estratégia: interiores autônomos em espaços do conhecimento
A exibição e a transferência de conhecimento e ursos-polares ocupam grandes superfícies de
tendem a ser atos autônomos. A mensagem vidro jateado. As galerias nos pavimentos
que o interior deve transmitir, em superiores, que ficam ao redor desse salão
determinadas situações, precisa ser principal, abrigam os animais arborícolas -
autônoma, precisa falar sobre um assunto em aqueles que escalam as árvores, como os
específico, com as qualidades daquele assunto macacos, e mais acima ficam as aves.
ou tema. O imóvel, então, funciona apenas A exposição mais dramática de todas é a
como envelope dentro do qual estão os que exibe os animais extintos ou em risco de
elementos interiores, que fazem referência extinção: eles são exibidos em uma galeria
cruzada entre si e com o assunto, geralmente lateral completamente escura, apenas
conversando pouco com o imóvel. iluminados individualmente por um pequeno
O Museu de História Natural, em Paris, foi feixe de luz que representa sua ínfima chance
reformado e reaberto nos anos 1980 como de sobrevivência. A exibição dessa coleção
parte dos ambiciosos Grandes Projetos do forte e tocante é organizada por meio de sua
presidente François Mitterrand. O imóvel é um conexão com o mundo natural, em vez de ser
espaço imponente pontilhado por colunas de organizada de acordo com as características
aço que suportam três pavimentos de galerias do imóvel que a abriga.
laterais, que se estendem até o teto de vidro. A reutilização de um local tombado ou
Os designers Chemetov, Huidobro e Allio considerado de interesse histórico leva a
reorganizaram o acervo de espécimes
zoológicos do museu de forma a criar uma
nova galeria muito mais voltada ao
_ «»... hè» i i «■
>»• * ifilaii S í
entretenimento do que ao conhecimento, e a
tktu*».
«** *»* «m
11 i . lIlM
* í «m*,
l #í msim. <jtyft
•*
|=a
*®m üüH
teoria da evolução determinou o caráter, a w vi , . . i wm- 9 .«»_«•.«• ii-W m

seleção, o agrupamento e o posicionamento *• • * i


dos objetos. O principal espaço expositivo é * »* •
um grande salão no pavimento térreo: na parte
superior, uma superfície que simula a terra
apresenta uma sequência de animais em
* =»»«- . •• M to
caminhada atravessando a galeria. Um grande
elefante lidera o grupo, seguido de girafas,
zebras e assim por diante. No pavimento '•r '

inferior está o oceano: os designers reuniram


cardumes dispostos entre superfícies de vidro
planar iluminado com luz azul. Esse subsolo
M S
parece flutuar sem tocar as bordas do prédio e
os esqueletos das baleias ficam expostos
nessas bordas, como se estivessem flutuando
entre a terra e a água. Leões marinhos, morsas

104 Anatomia
À direita: Galeria da
Evolução, Museu Nacional
Francês de História Natural,
Paris, França
Projeto: Chemetov &
Huidobro, René Allio.
O pavimento térreo do museu
abriga os animais terrestres,
que é recortado para revelar
as criaturas do mar, no piso
logo abaixo.

Abaixo: Galeria da
Evolução, Museu Nacional
Francês de História Natural,
Paris, França
Projeto: Chemetov &
Huidobro, René Allio. A fila de
animais empalhados cruza o
pavimento térreo.

À esquerda: Galeria da
Evolução, Museu Nacional
Francês de História Natural,
Paris, França
Projeto: Chemetov &
Huidobro, René Allio.
Os animais são organizados
de forma a obter o efeito mais
dramático possível.

Estratégia: interiores autônomos em espaços do conhecimento 105


intervenções que sejam cuidadosamente O orçamento apertado e o programa
concebidas e que não tenham um impacto incrivelmente extenso que deveria ser
negativo no espaço original. Em 2007, o acomodado naquele espaço tinham mais um
escritório Office dA foi contratado para projetar fator complicador: tudo deveria estar
a biblioteca da Faculdade de Design de Rhode completamente pronto em apenas nove
Island em um fabuloso salão principal que havia meses. Além disso, os designers queriam ter
sido um banco, originalmente construído em certeza de que as proporções e o pé-direito do
1917, projetado por York and Sawyer e tombado salão monumental não fossem prejudicados.
pelo patrimônio histórico dos Estados Unidos. Como resultado, os designers conceberam
O salão principal tem 60 metros de dois "pavilhões" autônomos e pré-fabricados
comprimento e 35 metros de largura e é no salão principal: um para a área de estudos e
recoberto por uma abóboda artesoada em outro para a área administrativa da biblioteca.
caixotões muito bem elaborada. O Office dA Eles foram inteiramente executados em MDF
deveria não apenas espremer ali dentro todos e fixados com parafusos de forma a criar um
os 90 mil livros que já estavam no acervo da fechamento que fosse leve e fluído.
biblioteca, mas também lugares para 250 Os elementos de apoio, como móveis e
pessoas, armazenamento para 400 títulos prateleiras, não são fixos: a natureza
periódicos, além de vários outros espaços de extremamente elaborada do local levou os
estudos, administrativos e de multimídia. designers a criar apenas estruturas soltas e
autônomas no espaço. O fato de serem
pré-fabricados cria um contraste com o imóvel
e também transmite uma mensagem de que
podem ser desmontados a qualquer
momento. "Nós buscamos manter a escala do
salão do banco... por isso decidimos instalar os
dois objetos como se fossem elementos
informais em uma antiga ruína" (Monica Ponce
de Leon, Office dA. Architectural Record,
Junho de 2007).

À esquerda: Biblioteca da À direita: Biblioteca da


Faculdade de Design de Faculdade de Design de
Rhode Island Rhode Island
Projeto: Office d A. Projeto: Office dA. O interior
O principal “pavilhão” histórico muito elegante foi
independente foi colocado no mantido intocado mesmo
meio do grande salão para após a colocação da nova
permitir que os acadêmicos ampliação.
se sentem e estudem.

106 Anatomia
Estratégia: interiores autônomos em espaços do conhecimento 107
Estratégia: interiores autônomos no varejo
Os ambientes dedicados à venda de roupas e produtos da Mandarina Duck, mas os produtos
acessórios são criados de forma a projetar à venda estão, na verdade, escondidos dentro
uma identidade específica, seja para ficar à deles. O que se buscou com essa ação foi
frente de seu tempo, seja para transmitir uma valorizar os produtos por um processo de
imagem e um determinado estilo de vida, o descoberta, já que a beleza de cada um deles
qual muda muito rapidamente no século XXI. é analisada individualmente. Na flagship store
Projetar esses ambientes é uma tarefa muito de Paris, uma cortina curva de linhas plásticas
importante, pois os bens de consumo finas e translúcidas conduz os clientes através
conferem identidade para o consumidor e para da loja; um anel de metal de 3,5 metros de
a marca que está sendo vendida; portanto, a diâmetro guarda as peças de roupa dentro de
linguagem do espaço deve carregar tanto a si; as bolsas podem ser penduradas em uma
identidade do consumidor quanto a identidade pilha de paletes de plástico iluminados
da marca. A autonomia do design é uma internamente; as malas podem ser penduradas
consideração fundamental nesse processo, em uma parede de pinos metálicos; outras
pois o interior deve ser concebido para poder bolsas ficam expostas em uma parede de
ser rapidamente alterado, atualizado ou elásticos; os provadores ficam dentro de um
mesmo refeito, recebendo uma nova círculo de longos canos brancos de fibra de
identidade de marca, quando necessário. vidro. Esse grupo independente de elementos
A Mandarina Duck é uma marca italiana de estabelece uma relação entre si, mas não
malas que também vende roupas. Ela necessariamente com o imóvel ou espaço
contratou a Droog Design para criar um onde estão localizados, embora normalmente
conceito geral que pudesse ser replicado em estejam dispostos para criar o maior impacto
toda a empresa e também em sua flagship possível no local.
store, em Paris. Ela está localizada em um dos A colocação de uma seleção de objetos
endereços mais sofisticados de Paris, no pode garantir que o imóvel seja apenas um
coração da região dos showrooms de design. palco para uma performance. Uma boa ideia,
A marca escolheu uma estratégia incomum que seja divertida, pode trazer vida ao
para desenvolver a sua identidade: a Droog ambiente e é a sua organização que irá
Design foi chamada para criar um conceito que
pudesse ser interpretado de várias formas e,
para diferenciar cada uma das lojas ao redor do
mundo, designers locais seriam chamados
para traduzir o conceito a cada situação em
específico. A solução foi instalar em cada loja
Loja Mandarina Duck,
uma série de objetos chamados "casulos" Paris, França
utilizados para expor os produtos utilizando Projeto: Droog Design.
O interior dessa loja foi
diferentes métodos, dependendo do designer, preenchido com uma série de
classificados como: circular, túnel, parede, “casulos” que exibem os
produtos de uma forma
cortina e fechamento. Os casulos expõem os criativa e incomum.

108 Anatomia
Estratégia: interiores autônomos no varejo 109
comunicar a identidade de um espaço de trabalho dos designers de moda dentro de
varejo para o visitante. A loja Viktor & Rolf, em uma nova perspectiva e transmite a identidade
Milão, é inesquecível, pois tem uma de sua marca clássica, mas com um espírito
característica única: ela é inteira de ponta- especialmente leve.
-cabeça! Todos os detalhes dessa loja são O varejo de moda pode trazer em si um
surreais, seu interior neoclássico foi forte sentimento de etos e visão: para estar à
inteiramente feito de forma invertida: um piso frente da concorrência, é necessário criar
de parquete reveste o teto e as luminárias formas inéditas e inovadoras de prender a
surgem do piso. Uma colunata emoldura as atenção e estimular a imaginação dos clientes.
prateleiras e um grande arco foi transformado Os termos " guerrilla store" ou "pop up store"
em um sofá com almofadas muito elegantes surgiram recentemente nos círculos da moda
colocadas delicadamente sobre ele. Apenas as para descrever um espaço de varejo criado
roupas - e, claro, os clientes - ficam na rapidamente com o maior impacto possível.
posição normal. Esse ambiente de ponta- A Dover Street Market, a "flaghship store" da
-cabeça, um verdadeiro cenário, coloca o Comme des Garçons em Londres, fica em um
prédio de seis pavimentos que foi concebido
com uma atmosfera caótica de uma feira livre.
Rei Kawakubo definiu o c o n c e i t o : é um tipo
de feira onde diversos criadores de diversas
áreas se encontram em uma atmosfera
constante de um caos belo: a mistura e o
encontro das diferentes almas iluminadas que
compartilham uma forte visão pessoal'.'
Kawakubo selecionou diferentes designers
para cada andar do prédio de forma a criar uma
massa de idéias contrastantes e conflitivas.
Todas elas podem ser alteradas facilmente e a
natureza independente da atividade e do
espaço é a principal fonte de energia do
ambiente.

Loja Viktor & Rolf, Milão, cadeiras estão fixadas no teto


Itália e as luminárias emergem do
Projeto: SZI Design e Buro piso. Arcos neoclássicos são
Tettero. O divertido interior de transformados em sofás
ponta-cabeça dessa loja estofados, e o piso de
confunde os visitantes e parquete é transformado em
altera o entendimento: as teto dos ambientes.

110 Anatomia
Estratégia: interiores autônomos no varejo 111
Táticas
Os detalhes do projeto de um interior, isto é, o caracterizam o espaço e estabelecem uma
detalhamento cuidadoso de cada um dos personalidade individual; por exemplo, o
objetos, acessórios e outros elementos, pode designer pode decidir colocar
ser chamado de tática. Aqui estão os materiais, estrategicamente um elemento específico em
revestimentos, forma e a natureza de cada um determinada posição, mas esse objeto pode
dos componentes de um ambiente. ser detalhado de diferentes formas e ser
Esses elementos - ou essa tática - serão o construído a partir de diferentes materiais.
detalhamento da expressão do caráter de um Portanto, o designer tem a oportunidade de
espaço interior, expressam o uso, a função, a criar imagens ou evocar sentimentos com um
ocupação, o clima, a personalidade e tornam objeto de diferentes formas. Uma escadaria
cada espaço único. Eles definem a qualidade, normalmente é construída com madeira, mas

112 Anatomia
também pode ser feita com pedra, aço ou à abordagem escolhida pelo designer. A tática
vidro. Entretanto, o designer pode ter em pode ser responsiva em relação à estrutura ou
mente uma imagem mais contemporânea e ao imóvel onde está o interior, agindo de forma
decidir projetar a estrutura em plástico ou receptiva, aceitando as qualidades e o caráter
borracha e instalar uma iluminação interativa do seu contexto, ou também pode agir de
ou telas de computador. forma independente, apenas gerando
Tais táticas dão apoio à abordagem referências a si mesma e aos outros itens ou
estratégica, o designer irá utilizar a análise e o objetos de um grupo ou conjunto em
entendimento que mediaram a estratégia para específico.
orientar o detalhamento. A utilização tática de Os próximos capítulos estão divididos em
materiais e elementos também pode dar apoio duas partes temáticas: detalhamentos táticos
responsivos e autônomos, sendo que cada
uma dessas seções está subdividida de forma
conceituai ou abstrata, de modo que as mais
variadas possibilidades de um interior sejam
discutidas. As subdivisões sâo: iluminação,
objetos, superfícies e revestimentos.
A iluminação pode ser natural ou artificial -
sem luz, as formas e a natureza de um local
não podem ser apreciadas, e o designer pode
manipular o modo como a iluminação é
utilizada. Ela pode ser controlada sutilmente
para adicionar contraste, dramaticidade e criar
um clima em um ambiente. Um objeto
posicionado adequadamente pode orientar o
movimento, controlar o espaço ou ser o ponto
focal. Uma superfície pode ser instalada
vertical ou horizontalmente - como um
simples piso, parede ou teto -, mas o designer
pode utilizar esse elemento extremamente
versátil para expressar muitas coisas. Os
revestimentos são o material que recobre ou
reveste um objeto ou um local e que também
têm um grande potencial para expressar o
caráter de um interior.
A tática fornece um vocabulário muito rico,
Amostras, Ben Kelly Design
A linguagem e a estética do cheio de significado, e a sua manipulação
design de interiores são
cuidadosa confere ao interior suas qualidades
expressadas pela utilização
de materiais e revestimentos. e sua personalidade.

Táticas 113
Táticas: interiores responsivos
O interior responsivo é aquele que está em forma do prédio e a natureza física do entorno.
consonância com o seu entorno; obviamente, Além disso, há outros fatores que podem
isso inclui, em primeiro lugar, o imóvel no qual afetar o design de interiores, como eventos
ele está, mas também inclui outras condições históricos, usos anteriores e quaisquer
e circunstâncias. O arquiteto e o designer de alterações ou reformas executadas no local
interiores precisam estar cientes das questões anteriormente.
relativas ao local que podem afetar o interior, A investigação do método construtivo irá
por exemplo, o clima/temperatura local, a trazer muitas respostas para o design de
disponibilidade de materiais, a estrutura e a interiores, e um contexto no qual determinado

114 Anatomia
tipo de arquitetura evoluiu gera construções a essas necessidades evoluiu ao longo dos
que são completamente adequadas para séculos, e uma interpretação acertada e
aquela situação. Grande parte dessas meticulosa dos detalhamentos irá trazer ao
preocupações é relativa ao controle ambiental, projeto do século XXI um forte sentimento de
como o resfriamento ou aquecimento passivo tradição e valor.
do local, a entrada de luz natural em Também é possível criar uma resposta a
quantidade adequada, o controle ou obstrução eventos históricos ao projetar um imóvel e
dos ventos e o abrigo das águas pluviais. O seus interiores, pois o arquiteto ou o designer
detalhamento de como os imóveis respondem pode escolher celebrar ou destacar
acontecimentos ou incidentes. Seja esse um
ato de catarse, renovação ou purificação, uma
comemoração ou uma homenagem, ele irá
acontecer por meio de um detalhamento
adequado que escolha a melhor combinação
possível de materiais e técnicas.
O designer de interiores deve sempre estar
ciente das limitações estruturais do imóvel; se
a intervenção proposta for pesada demais ou
instável, ele deverá então considerar como
poderá estabilizar ou suportar os novos
elementos ou objetos. A forma como o novo e
o antigo são integrados também merece
grande atenção: eles podem estar em contato,
inseridos um no outro, sobrepostos, ou pode
ser que o designer queira deixar um espaço
mínimo e preciso entre dois objetos.
O estudo meticuloso e detalhado do
preexistente irá orientar a execução tática do
acabamento. A forma como cada um dos
elementos em um ambiente é manipulado irá
conferir personalidade ao espaço. Por meio da
utilização de materiais, de formas e do
acabamento - seja ele executado de maneira
sutil ou pomposa - o designer terá a
oportunidade de criar a conexão entre o
Panteão, Roma, Itália interior e o contexto.
Projeto: Anônimo (geralmente
atribuído a Marco Agripa).
O óculo vazado permite a
entrada da luz e da chuva ao
longo do ano.

Táticas: interiores responsivos 115


Táticas para interiores responsivos: iluminação
Os espaços interiores podem ser organizados paredes, salas, corredores e outros ambientes.
tanto por meio da iluminação natural quanto James Turrell, um artista que cria instalações
artificial, e a manipulação adequada desses com luz artificial, manipula esse recurso para
recursos traz resultados espetaculares. criar espaços; ele vê a luz como um recurso
A Galeria de Pinturas de Dulwich, em artístico de uma forma muito próxima à que
Londres, foi projetada por Sir John Soane, em um pintor veria as tintas. Em seus projetos,
1817, e é amplamente aceita como um perfeito como o Wall Works e o Veils, o artista colocou
exemplo de uso de luz natural para a exibição projetores e luzes extremamente potentes
de pinturas. Soane foi contratado para criar um atrás de divisórias e telas para projetar linhas
conjunto de salas a fim de exibir a coleção de de luz e sombra. As linhas eram tão fortes que
arte legada à Faculdade de Dulwich pelo rei da pareciam ser sólidas e flutuar acima das
Polônia. Além de projetar um complexo de paredes nas quais eram projetadas.
salas para as obras com iluminação vinda do A iluminação artificial, quando aliada à luz
teto, ele também deveria criar um mausoléu natural, pode ser uma ferramenta
para os dois patrocinadores do museu, Sir incomparável. No showroom da Kvadrat, em
Francis Bourgeois e Noél Desenfans e sua Londres, luzes e cores foram usadas para
esposa. Seus restos mortais estão obter o máximo de efeito dramático. A Kvadrat
depositados em um vestíbulo, no centro da ala é uma empresa dinamarquesa, conhecida por
oeste do museu. O mausoléu fica em uma fabricar produtos têxteis e tecidos para os
sala octagonal com iluminação vinda do teto mais conceituados interiores no mundo todo.
- uma clarabóia envidraçada com vidro âmbar, O novo showroom, na região de Shoreditch,
que dá à luz que entra no ambiente uma em Londres, foi projetado pelo designer
tonalidade extremamente melancólica. Ao lado gráfico e diretor de arte Peter Saville e pelo
desse ambiente, com uma personalidade arquiteto David Adjaye. Ele fica em uma
muito própria, está a grande galeria, banhada
com muita luz natural, que penetra pelo teto
em abundância e ilumina as pinturas. Essa
sequência de ambientes distintos, uma jornada
que passa pelo mausoléu, com seu clima
tranquilo, e chega até a galeria, banhada de
otimismo, é uma analogia à reafirmação da
vida.
A iluminação artificial pode ser utilizada para
criar dramaticidade em um espaço interior. Por Galeria de Pinturas de
Dulwich, Londres,
exemplo, a iluminação cenográfica é Reino Unido
absolutamente fundamental e uma poderosa Projeto: Sir John Soane.
A sequência de galerias que
ferramenta para exibir e desenvolvera recebe iluminação vinda do
narrativa e para criar efeitos - diferentes teto cria um grande contraste
com a melancolia obscura do
equipamentos de iluminação podem criar mausoléu.

116 Anatomia
Táticas para interiores responsivos: iluminação 117
Showroom da Kvadrat,
Londres, Reino Unido
Projeto: Peter Saville e David
Adjaye. A nova escadaria é
iluminada de forma
cenográfica e convida o
visitante a ir ao subsolo do
showroom.

enorme fábrica da era vitoriana e possui dois madeira - as cores são inspiradas no design
níveis, os escritórios ficam no pavimento de Peter Saville para o álbum da banda New
térreo e o showroom fica no subsolo - grande O rder- mais especificamente, no single Blue
parte do pavimento térreo foi removida para Monday. Durante a noite, o efeito dramático
criar uma conexão entre ambos os pavimentos da escadaria é invertido: os degraus são
no imóvel. O acesso ao subsolo é feito por iluminados com luzes artificiais embutidas nos
meio de uma enorme escadaria, que é o degraus. A luz natural e a artificial são
centro das atenções do ambiente. Enormes utilizadas para obter o efeito máximo e
painéis envidraçados filtram e colorem a luz energizar o simples ato de ir de um pavimento
solar que penetra pelas janelas do prédio e ao outro e convidam o visitante a conhecer o
funcionam como guarda-corpo da escadaria de pavimento inferior.

118 Anatomia
À esquerda: Showroom da
Kvadrat, Londres, Reino
Unido
Projeto: Peter Saville e David
Adjaye. A escadaria explora
dramaticamente as
qualidades tridimensionais do
espaço. No subsolo, o
visitante pode conhecer as
amostras de tecido da
Kvadrat em células corrediças
desenhadas com
exclusividade.

À esquerda: Showroom da Abaixo: Showroom


Kvadrat, Londres, Reino da Kvadrat, Londres,
Unido Reino Unido
Projeto: Peter Saville e David Projeto: Peter Saville e David
Adjaye. As longas e elegantes Adjaye. As enormes janelas
mesas de madeira reforçam permitem a entrada de luz
as qualidades ortogonais do natural no espaço quase
espaço. cavernoso.

Táticas para interiores responsivos: iluminação 119


Táticas para interiores responsivos: objetos
Um objeto, seja ele grande ou pequeno, pode
ser uma forma de definir um interior - por
exemplo, ele pode ser o centro das atenções
de um ambiente ou pode orientar a circulação
através dos diferentes ambientes. Ele pode ter
características responsivas, ou seja, ser
construído sob medida para aquele
determinado ambiente.
Locais que tenham características
incomuns ou estranhas podem levar o
designer a criar interiores igualmente únicos:
em Madri, na Espanha, o novo Centro de
Documentação Arquitetônica foi criado em
uma longa galeria de um prédio vazio e um
túnel do metrô que não era mais utilizado.
Esse túnel tinha dimensões extremas,
107 metros de comprimento e apenas
8,5 metros de largura. Já a galeria no
pavimento superior era um interior
neoclássico imponente, construído

Centro de Documentação
Arquitetônica, Madri,
Espanha
Projeto: Aparicio +
Fernández-Elorza. Esse
interior foi executado em um
túnel abandonado; os
designers aceitaram o caráter
linear do ambiente original e o
acentuaram por meio de
revestimentos sóbrios e
robustos.

120 Anatomia
originalmente para abrigar obras de arte. Para
criar uma ligação entre os dois espaços, os
designers Aparicio + Fernández-Elorza
removeram o piso da galeria acima do túnel e
ali criaram um auditório com pé-direito duplo.
Entretanto, essa intervenção extrema
comprometeu a estrutura do local e, para
compensar a remoção, o auditório foi
concebido como um canal de concreto armado
em formato de U, com 500 milímetros de
espessura, que fez a contenção das paredes
expostas. Esse espaço, que recebe iluminação
vinda de cima, tem função tanto de auditório
quanto de sala de reuniões, e a nova estrutura
em concreto permitiu que todas as tubulações
ficassem escondidas atrás de si, enquanto
também serve de circulação entre os
pavimentos superior e inferior. O novo objeto
responde ao contexto da estrutura original - c T ^ Í
túnel longo e estreito foi construído sob

Centro de Documentação
Arquitetônica, Madri,
Espanha
Projeto: Aparicio +
Fernández-Elorza. O ponto de
transição entre a entrada no
pavimento térreo e o túnel
subterrâneo original é um
espaço incomum, com
pé-direito duplo, que foi
transformado em auditório.
Um piso flutuante em formato
de U fornece suporte
estrutural e ainda oculta
todos os sistemas técnicos.

Táticas para interiores responsivos: objetos 121


medida e é uma resposta adequada a um de peças clássicas, mas também ser o local
contexto pouco flexível. onde ficariam os escritórios da sede da Vitra.
Objetos exclusivos, como móveis de A organização do imóvel de quatro pavimentos
designers famosos, precisam de um cenário com subsolo foi feita de forma muito simples:
adequado para que sejam vendidos de forma a o showroom ficou no térreo, a galeria no
destacar as qualidades do objeto, bem como subsolo e os escritórios nos três pavimentos
transmitir o etos da empresa. Em 2000, a superiores. Um elemento em borracha cinza
designer Lindy Roy, até então pouco com formato sinuoso chamado de "a língua"
conhecida, foi contratada para desenvolver o une todos os andares e serve como expositor
projeto da nova sede da Vitra em um armazém de objetos. A escada que vai do térreo ao
antigo na região do Meatpacking District, em subsolo fica abaixo da língua, permitindo que
Nova York. O showroom deveria não apenas os objetos tridimensionais em exposição
expor as linhas de móveis contemporâneos e sejam vistos de todos os ângulos.

122 Anatomia
À esquerda: Showroom da Abaixo à esquerda e à
Vitra, Nova York, Estados direita: Showroom da Vitra,
Unidos Nova York, Estados Unidos
Projeto: Lindy Roy. O clima Projeto: Lindy Roy. “A língua”
pesado e opressivo do é feita em borracha cinza e
subsolo é explorado para desliza entre os andares por
expor os móveis com mais meio de um vão junto à
dramaticidade. fachada da loja.

Táticas para interiores responsivos: objetos 123


Táticas para interiores responsivos: superfícies
A utilização de paredes, divisórias, pisos ou região do Quarteirão dos Museus, em Viena.
forros em um interior pode auxiliar o designer Essa placa começa do lado externo de forma
a unir os diversos elementos de um ambiente. suspensa sobre a escadaria de pedra e tem a
Seja ela uma superfície vertical ou horizontal, logomarca do Basis Wien claramente
pode ser utilizada para responder às entalhada em si. Então ela continua para
particularidades de um imóvel bem como dentro do imóvel passando pela porta e
orientar as novas funções do espaço. Uma entrando no hall principal, um ambiente muito
superfície pode ser utilizada para criar unidade simples e pouco adornado, exceto pelo teto
em um ambiente e conectar todos os seus ricamente decorado com caixotões. Conforme
elementos. a placa entra no prédio, ela fica mais larga e
Os designers da propeller z criaram uma profunda para abrigar prateleiras e gavetas
superfície longa e horizontal que conecta o onde estão folhetos e livros com informações
interior com o exterior no Basis Wien, um sobre os artistas no museu, bem como
centro de informações turísticas construído equipamento audiovisual, além dos muitos
dentro de um estábulo do século XVIII, na cartões-postais. Ela não toca o piso nem o teto

124 Anatomia
Acima: Restaurante Banq,
Boston, EUA e tem iluminação que joga luz para cima e para
Projeto: Office d A. O teto, em
um sistema de ripas baixo de si, criando uma impressão de que
estriadas, cria um movimento está flutuando sobre a parede, Esse elemento
fluído em todo o ambiente.
dinâmico foi estruturado em aço e revestido
À esquerda: Basis Wien,
Viena, Áustria
com chapas de alumínio escovado, o que
Projeto: propellor z. proporciona um forte contraste com as
A superfície vertical desliza
para dentro do centro de superfícies antigas e desgastadas do salão
informações turísticas de
onde está.
forma muito elegante e se
destaca na frente do imóvel. Uma superfície pode ser uma solução muito
prática para lidar com as limitações de um
imóvel antigo, pois pode abrigar muitas
soluções técnicas. Os arquitetos da Office dA
executaram um retrofit em um antigo prédio
onde antes funcionava um banco, em Boston,
para o novo restaurante Banq. Por conta das

Táticas para interiores responsivos: superfícies 125


Restaurante Banq, Boston, EUA
Projeto: Office dA. Os móveis
são distribuídos de forma
ortogonal criando um forte
contraste com a natureza
orgânica e fluida da nova
estrutura.

resultou em um sistema de barbatanas


onduladas de AppIePly, que foram encaixadas
e fixadas em uma estrutura de vigas de
madeira. Todas as tubulações, pintadas de
preto fosco, podem ser localizadas e
acessadas por meio das barbatanas, quando
necessário. O sistema de iluminação também
foi embutido entre as barbatanas e um
revestimento em bambu no piso emoldura as
mesas, que não são fixas. Além disso,
divisórias móveis em bambu criam áreas
privativas para jantares nos cantos do salão.
O foyer do banco Commerzbank, em
Frankfurt, na Alemanha, foi projetado por
Norman Foster e recebeu novas áreas de
alimentação e exposição criadas por Alfredo
Arribas, que chamou o local de "The Plaza'.' Lá,
são acomodados diversos programas, como
várias legislações locais, era necessário que um espaço cultural e um café que atende
diversos novos sistemas técnicos fossem 1.200 pessoas por dia. No local, há uma
instalados no local. estrutura chamada "DerW urm" (O Verme)
Além de criar a identidade esperada e o que, como o próprio nome sugere, é uma
clima desejado para o restaurante, parte do estrutura ondulada e curvilínea feita em
briefing do Office dA era que todos os madeira que emerge do piso e serpenteia
sistemas mecânicos e de infraestrutura através do ambiente, e segue
ficassem ocultos. A solução dos designers foi aproximadamente o formato de leque do foyer.
criar uma superfície ondulada no teto que Essa superfície, que se confunde com o piso,
esconde todos os sistemas e cria uma é elevada em vários pontos para criar assentos
identidade única para o local. A estrutura foi e oculta sob si mesas em aço e vidro com
projetada utilizando o programa Rhino, uma desenho extremamente elegante, que podem
sofisticada suíte de programas 3-D que ser deslizadas para fora da serpente em
permitiu que os designers envelopassem o horários de pico para aumentar a quantidade
teto, todas as tubulações, vigas e quaisquer de assentos em cem pessoas. Essa superfície
outros elementos, além de conceber a ondulada cria uma intervenção divertida e
construção desse enorme e complexo colorida no ambiente sóbrio e sério dessa
elemento. Foi uma solução econômica que sede de banco.

126 Anatomia
Acima: The Plaza, Frankfurt,
Alemanha
Projeto: Alfredo Arribas.
Esse corte representa a forma
longa e ondulada do novo
elemento dentro do ambiente
quase cavernoso.

Acima: The Plaza, Frankfurt,


Alemanha
Projeto: Alfredo Arribas.
Detalhamento do banco.
Aqui é possível ver como a
mesa fica escondida dentro
das dobras do enorme objeto
de madeira.

À direita: The Plaza,


Frankfurt, Alemanha
Projeto: Alfredo Arribas.
Essa planta representa o
grande banco dentro da área
chamada The Plaza.

Táticas para interiores responsivos: superfícies 127


Táticas para interiores responsivos: revestimentos
A aplicação de determinado material pode processo de escolha de materiais e
conferir a um interior uma identidade muito revestimentos. Os materiais adequados são
própria e é o revestimento de todos os objetos necessários para criar um clima adequado não
e elementos o que o usuário percebe em apenas para socialização mas também para
primeiro lugar; a manipulação acertada dos garantir que o local possa ser higienizado
revestimentos é uma decisão crítica e adequadamente. O escritório Mclnnes Usher
fundamental no processo de criação dos McKnight Architects (Muma) projetou o novo
designers de interiores. Os revestimentos que café do Museu Victoria & Albert, em Londres,
respondem ao seu contexto podem ser em 2006, e trouxe uma linguagem
divididos em duas categorias: os preexistentes contemporânea para as salas dos períodos no
e os aplicados. Os preexistentes são aqueles museu. Os espaços preexistentes no local
encontrados e preservados no local; os incluem as célebres salas de descanso
aplicados são quaisquer novos revestimentos oitocentistas projetadas porWilliam Morris,
selecionados pelo designer. Philip Webb, James Gamble e Edward Poynter.
Espaços de convivência, em especial Todos esses ambientes são ricamente
aqueles onde as pessoas se encontram para ornados, revestidos com acabamentos
comer e beber, requerem um cuidadoso sofisticados. O Muma trabalhou com esses

" 4
1

Café do Museu Victoria &


mmm Albert, Londres, Reino
Unido
Projeto: Mclnnes Usher
t .í McKnight Architects (Muma).
Os revestimentos
preexistentes ricamente
decorados nos ambientes
servem de cenário para as
intervenções
contemporâneas. A jornada
do antigo para o novo é
reforçada pelo contraste nos
detalhes dos revestimentos.

128 Anatomia
Táticas para interiores responsivos: revestimentos 129
130 Anatomia
revestimentos preexistentes executando seu revestimento: gesso lixado cinza-esverdeado
restauro e trazendo de volta um momento de nas paredes, tetos, provadores, displays;
grande glória. Os revestimentos cerâmicos do carvalho cru para o enorme balcão expositor
salão principal, desenhados por James que se estende ao longo do meio do espaço
Gamble, foram completamente restaurados e da loja; e cimento queimado para os pisos.
suas cores originais foram recuperadas Os elementos são combinados de forma muito
mostrando uma elaborada sofisticação. Em meticulosa, há um espaçamento de exatos
forte contraste com esses ambientes 3 milímetros entre os displays e o piso.
elaborados, o novo café é decorado também O ambiente cru e incomum é destacado ainda
de forma elegante mas utilizando materiais mais pela execução seca e refinada.
simples, como carvalho e ferro doce. O velho Cor e revestimento estão fortemente
e o novo são complementares e destacam relacionados e são considerações
mutuamente suas qualidades próprias. fundamentais no design de interiores. Os
O revestimento de um elemento é o materiais podem ser utilizados em seu estado
componente de um ambiente ou de um objeto natural para conferir identidade a um interior,
que recebe a maior quantidade de contato mas a pintura e outras formas de revestimento
humano; a forma como os materiais são podem ser métodos práticos e geralmente
empregados define o clima e a atmosfera do mais acessíveis para a criação de um interior
ambiente, e uma paleta restrita de materiais 'memorável. A necessidade de revestimentos
pode criar uma identidade própria dele. O simples, que possam ser higienizados em
trabalho de designers como Cláudio Silvestrin ambientes cirúrgicos - ou quaisquer outros
e John Pawson é frequentemente descrito ambientes médicos ou relacionados à saúde
como minimalista, pois eles utilizam apenas - é muito específica e até mesmo regulada por
alguns poucos revestimentos escolhidos a legislações próprias. Além da questão da
dedo. A loja de roupas masculinas Johan, em higiene, a identidade e o clima do local devem
Graz, na Áustria, tem como característica ser inspiradores e amigáveis para que os
própria essa estética despojada. Ela fica pacientes mais aflitos sejam acalmados.
localizada em dois corredores com teto em Quase ninguém gosta de ir ao dentista para
arco em uma ladeira no centro da cidade. arrumar os dentes, e isso é ainda mais difícil
Silvestrin utilizou apenas três tipos de para as crianças. O escritório Graft Lab foi
chamado para fazer o projeto de uma clínica
odontológica infantil, em Berlim, na Alemanha.
O cliente havia visto o trabalho dos designers
Acima: Loja Johan, Graz, À esquerda: Loja Johan,
Áustria Graz, Áustria em bares e restaurantes e acreditaram que
Projeto: Cláudio Silvestrin. Projeto: Cláudio Silvestrin.
Gesso pigmentado e lixado,
seria interessante levar aqueles conceitos e
Os provadores da loja foram
feitos com três divisórias de carvalho cru e cimento idéias de design para a sua clínica, que fica em
gesso. queimado são os três
revestimentos utilizados no um imóvel de três pavimentos do século XIX
interior da loja. Eles foram com um hall de entrada que dá acesso direto a
cuidadosamente combinados
com extenso detalhamento. dois diferentes pavimentos. Há enormes

Táticas para interiores responsivos: revestimentos 131


À esquerda: Kinderdentist,
Berlim, Alemanha
Projeto: Graft Lab Architects.
A parede de madeira cheia de
curvas recebeu um
revestimento em pintura e cria
uma conexão entre os três
pavimentos do imóvel,
unificando todas as funções
na clínica.
fiS H

132 Anatomia
À esquerda: Kinderdentist, Abaixo: Kinderdentist,
Berlim, Alemanha Berlim, Alemanha
Projeto: Graft Lab Architects. Projeto: Graft Lab Architects.
À noite, esse ambiente brilha Aberturas na parede revestida
como a água. em azul criam vistas
cuidadosamente escolhidas
para as áreas comuns do
imóvel.

janelões na fachada, por onde entra muita luz


no imóvel. Os designers decidiram conectar
todos os três pavimentos com uma parede
com revestimento em gesso cheia de curvas;
ela foi estruturada apenas com madeira e
recebeu pintura em diversos tons de azul; a
onda vertical desliza através dos ambientes e
cria uma conexão entre a sala de espera no
nível inferior e os consultórios no nível
superior. O azul foi escolhido como forma de
acalmar os pacientes e fazer com que se
sintam à beira-mar. Foram feitas aberturas na
estrutura para que a luz penetre nos ambientes
e para que eles tenham vistas do exterior,
além de ajudar a quebrar a monotonia das
cores da pintura. Esse é um exemplo de um
novo elemento que cria uma conexão entre os
diversos ambientes dentro de um imóvel e
que energiza seus interiores.

Táticas para interiores responsivos: revestimentos 133


Táticas: interiores autônomos
A riqueza de detalhes pela qual um interior se
expressa pode estar desconectada de seu
exterior. As qualidades de um espaço interior
podem criar referências apenas a si mesmo,
ou seja, o interior pode estar desligado das
influências externas e ter pouca ou nenhuma
conexão com o imóvel onde está localizado.
Historicamente, os interiores eram espaços
que se referiam e estavam contidos apenas a
si mesmos, concebidos para funcionar de
forma claramente independente. Apenas com
a chegada do modernismo os interiores
começaram a funcionar de forma conectada
com o exterior.
Castelos e outras construções grandiosas
tinham muralhas espessas que funcionavam
como mediação entre a forma do ambiente e o
imóvel que o continha; o uso de nichos,
guarda-louças e outros espaços confinados para
armazenamento permitia que os ambientes
tivessem uma identidade que não fosse
determinada pelo formato do imóvel.
Arquitetura e design de interiores eram
atividades completamente diferentes e
autônomas.
O modernismo e a sua consequente busca
pela transparência confundiram os limites
Livraria Lello, Porto,
entre o espaço interior e o exterior. A Portugal
Projeto: Xavier Esteves. Uma
necessidade de refletir o programa do interior escadaria extremamente
no exterior do imóvel, aliada às enormes detalhada e com forma
escultural domina o fabuloso
utilizações de envidraçamento que apagaram interior gótico dessa livraria.

as paredes de confinamento, transformaram o


interior puramente independente em uma inteiramente recobertas de prateleiras de
coisa do passado e, possivelmente, do futuro. livros, permitiam que os interiores tivessem a
Os interiores do século XVIII possuem forma desejada para sua função. Nichos e
muitas características que os tornam guarda-louças permitiam que uma forma
autônomos, muitas das quais trabalham para octogonal existisse dentro de um ambiente de
criar uma separação clara entre o interior e o paredes quadrangulares, e diferentes e
exterior. Táticas como paredes grossas, variados ambientes com formas próprias

134 Anatomia
CA

podiam ser criados dentro de um imóvel com cada um dos elementos estão ligadas às
' ambientes com formato tradicional. necessidades dos usuários e ao programa do
A diferença entre o interior e o exterior artista ou designer. Além disso, a adoção das
também é explorada na arquitetura e nos fachadas decoradas e a utilização de
interiores mais contemporâneos, e o design revestimentos duplos paralelos em fachadas
para o varejo, o projeto expográfico e o na arquitetura contemporânea novamente
desenho de móveis são os exemplos mais criam um distanciamento entre o interior e o
óbvios. A forma, a natureza e a identidade de exterior.

Táticas: interiores autônomos 135


Táticas para interiores autônomos: iluminação
A luz natural, bem como a iluminação artificial,
tem a capacidade de transformar um ambiente
de forma profunda e dramática. Dentro de um
imóvel, a iluminação pode manipular a
percepção de espaço do usuário e gerar
sensações em uma simples caminhada
através do local.
O projeto expográfico depende fortemente
dos efeitos obtidos pela iluminação para a
exibição de obras de arte. O Museu Groninger,
na Holanda, é uma construção muito incomum
que foi concebida como quatro pavilhões
projetados por diferentes designers; as
estruturas ficam às margens de um canal e
parecem flutuar sobre a água. Philippe Starck
projetou o pavilhão para a seção de Artes
Aplicadas do museu; ela fica dentro de uma
estrutura circular de aço colocada no canal que
não tem janelas e, portanto, não há luz natural.

Exposição Artes Aplicadas,


Museu Groninger,
Groninger, Holanda
Projeto: Philippe Starck.
Cortinas translúcidas flutuam
de forma a circular os
ambientes onde são exibidas
as obras. A iluminação
artificial cria um clima
extremamente dramático e
teatral.

136 Anatomia
A galeria consiste de um conjunto de Museu de Arte Kolumba,
Colônia, Alemanha
ambientes construídos de vidro e aço de alta Projeto: Peter Zumthor. A luz
é empregada para articular a
resistência e com muita tecnologia, onde são junção entre a arquitetura
expostas delicadas obras de porcelana e contemporânea e as ruínas.

cerâmica. Paredes circulares fazem o


fechamento dessas áreas. O salão principal é
organizado por cortinas translúcidas fixadas no
teto distribuídas ao redor dos espaços
expositivos e são drapeadas e iluminadas a
partir de cima com um fino tubo fluorescente,
que banha o tecido com uma luz do dia suave.
O visitante é apenas uma sombra quando
visita as "salas" cortinadas da galeria; vozes e
rostos são fugazes durante o trajeto entre as
exibições nas salas com suas atmosferas
suaves.
A luz natural pode ser usada para dar forma
e modificar um ambiente e também para
ilustrar a junção entre o novo e o antigo em
um interior. O Museu de Arte Kolumba, da
Arquidiocese de Colônia, na Alemanha, foi
projetado por Peter Zumthor e é um imóvel
que mescla as ruínas de uma antiga igreja com
uma nova galeria de arte sacra. O pavimento
térreo do museu é uma composição entre os
restos da igreja original e as novas paredes,
que foram construídas sobre as antigas ruínas.
A luz natural é filtrada para dentro desse
espaço religioso por meio de pequenos
orifícios em uma parede de tijolos, e isso
provê uma baixa quantidade de iluminação que
é suficiente e adequada para iluminar as ruínas
preservadas, além de criar um clima etéreo
nesse interior.
Além de trazer inspiração para os espaços
interiores, a iluminação também pode ser o
material simbólico utilizado para transmitir uma
mensagem. Os primeiros andares de um
edifício comercial dos anos 1960, em
138 Anatomia
»
V

À esquerda no centro: Igreja


da Ciência Cristã,
Manchester, Reino Unido
Projeto: OMI Architects.
A iluminação foi embutida de
forma a criar um brilho
inspirador no espaço de
orações, que tem pé-direito
duplo.

À esquerda acima e abaixo:


Igreja da Ciência Cristã,
Manchester, Reino Unido
Projeto: OMI Architects. Uma
frase simples colocada em
um nicho na circulação.

À direita: Igreja da Ciência


Cristã, Manchester, Reino
Unido
Projeto: OMI Architects.
A estrutura do imóvel
preexistente foi iluminada com
luz artificial de forma a expor
os espaços além da área de
orações.

Manchester, no Reino Unido, foram abrir um vão entre as lajes para a capela.
reformados pelo escritório OMI Architects para A luz natural é filtrada para dentro da capela
dar lugar a uma igreja. O espaço de orações por meio da circulação, o que confere ao
fica em uma área com pé-direito duplo bem no espaço um clima etéreo, a iluminação artificial
centro do imóvel, enquanto circulação, fica embutida na estrutura exposta e sugere
recepção, loja e escritórios ficaram distribuídos os outros espaços, que podem ser
nas áreas das bordas do imóvel, no térreo e no imediatamente visitados.
pavimento superior. Os designers optaram por

Táticas para interiores autônomos: iluminação 139


Táticas para interiores autônomos: objetos
A disposição de um objeto independente em
um imóvel preexistente tem o potencial de
provocar reações muito interessantes pela
própria natureza do elemento. O contraste
entre o novo objeto e o local onde ele é
colocado é uma oportunidade para que o
designer misture o incomum com o comum
para criar uma possível leitura intensa do
i elemento autônomo.
O projeto expográfico envolve a criação do
que normalmente é um espaço neutro, onde
uma série de objetos pode ser organizada em
torno de um tema coerente. As exposições
ÉRBHMir

podem ser classificadas como permanentes


(específicas para determinado local) e como
temporárias (que normalmente tratam o
imóvel apenas como um contêiner para as
obras; o espaço que é ocupado pela exposição
e o local apenas servem como pano de fundo).
A 112 Bienal de Arquitetura de Veneza, em
2008, teve como título Lá fora: arquitetura

l( além da construção, e o curador, Aaron Betsky,


convidou os expositores a oferecerem
alternativas críticas ao ambiente criado pelo
homem em resposta ao título da edição.
Em um dos cantos do espaço de exposições
Cordiere, a antiga fábrica de cordas do
Arsenale, ficava o Pavilhão Chileno com sua
instalação Eu estava lá. A resposta dos
designers ao tema da exposição foi a criação
de diversos pedestais produzidos com
caixotes em madeira com pés feitos com ripas
afixadas em posição diagonal de forma a
elevá-los à altura dos olhos. Sobre cada um
dos caixotes ficava uma pequena maquete
representando o diversificado panorama
arquitetônico chileno, pequenas igrejas, casas
com telhado de palha e até mesmo edifícios
comerciais modernistas e espaços culturais

140 Anatomia
contemporâneos. Cada peça era iluminada por
E u e stava lá, Pavilhão
Chileno, Bienal de uma lâmpada pendurada em um fio sem
Arquitetura de Veneza,
Veneza, Itália
nenhum outro ornamento em um nível acima
Projeto: Aravenna, Castillo, do campo de visão e acima das maquetes.
Cruz, Del Sol, Frohn, Rojas,
Irarrazavel, Klotz, Mozo, Puga, No design para o varejo, um objeto
Radie. A instalação simples e
independente de seu contexto pode transmitir
charmosa consistia de vários
caixotes elevados, cada um uma mensagem sobre os produtos à venda.
deles exibindo uma pequena
maquete em porcelana de um O designer pode optar pela criação de um
prédio do Chile. Cada peça objeto que seja o centro das atenções no local,
era iluminada por uma
lâmpada sem nenhum outro de forma que o produto seja associado àquele
ornamento.
objeto - se o espaço a ser ocupado for
conhecido ou famoso, o designer deve

Táticas para interiores autônomos: objetos 141


responder a essa característica. No pavimento edifício e os pequeninos cupcakes. As paredes
térreo do edifício 30 St. Mary Axe, comumente são totalmente envidraçadas para trazer muita
conhecido por Gherkin, o escritório Jamie luz natural para dentro da loja, iluminando o
Fobert Architects foi contratado para executar mezanino e o balcão, e também permitindo
uma confeitaria. Os designers não emularam a que a apresentação dos cupcakes aconteça
linguagem do contexto, mas criaram uma com luz absolutamente natural.
instalação que claramente está no lugar certo, Móveis que não sejam fixos são
mas não se mistura a ele. O novo elemento provavelmente o elemento mais autônomo em
independente do contexto no local é um novo um ambiente.Eles podem ser movimentados,
mezanino na área que tem pé-direito duplo. encostados contra a parede ou colocados no
O nível superior abriga a cozinha e as áreas meio do local. Além disso, podem ser baratos,
reservadas da loja, flutuando sobre a área do comprados em um jogo ou conjunto, ou ser
balcão e do café. Esse enorme elemento caros, considerados uma peça clássica de
serve como mediador entre a proeminência do design, como a cadeira Barcelona, de Mies van
der Rohe. Qualquer que seja o tipo do móvel
ou como ele é colocado, pode transmitir muita
informação a respeito de um interior, sua
função, das escolhas do designer e do status e
dos desejos dos usuários.
A mobília utilizada em escritórios
normalmente não é assinada, e seu design é
orientado pelas exigências ergonômicas e
econômicas, além das necessidades
funcionais básicas. Porém, os irmãos
Bouroullec foram contatados pela Vitra para
criar uma linha contemporânea de móveis para
escritório, peças para estimular a criatividade,
a interatividade e o pensamento lateral dos
usuários. Eles partiram do conceito tradicional

Confeitaria Konditor &


Cook, Londres, Reino Unido
Projeto: Jamie Fobert.
O espaço cavernoso da
confeitaria é apenas um
pequeno espaço do
pavimento térreo em um
enorme arranha-céu.

142 Anatomia
Linha de móveis Joyn, Vitra
Projeto: Irmãos Bouroullec.
As enormes mesas criam uma
conexão entre seus usuários
por meio da superfície de
trabalho compartilhada.

de uma grande mesa familiar em que todos


poderiam se sentar, e a ideia seria que,
embora cada um esteja fazendo alguma coisa
diferente, eles podem criar uma conexão
apenas por estarem sentados juntos. A mesa
permite que as estações de trabalho sejam
unidas ou separadas conforme necessário com
o uso de divisórias. Fios, cabos, telefones e
luzes são cuidadosamente pensados no novo
escritório wireless, e a mesa JoynTable
permite que todos trabalhem juntos e
estabeleçam grande comunicação como um
time unido.

Táticas para interiores autônomos: objetos 143


Táticas para interiores autônomos: superfícies
A superfície vertical é uma tática fundamental independente de madeira para ser inserida
no teatro ou na cenografia - o ciclorama é o dentro das ruínas do chiqueiro. O novo
pano de fundo para um espetáculo, podendo "revestimento" foi montado remotamente,
ser pintado, projetado ou funcionar como um transportado para o local e inserido dentro do
filtro. Um cenário é projetado para contar imóvel com um guindaste. Algumas das
determinada história e depende das habilidades premissas eram de que o novo interior não
e da boa vontade do cenógrafo. A cenografia poderia ter contato com o antigo, ertambém
foca no significado de um espetáculo e, como que a característica de ruína fosse mantida, de
a sua única função é interpretar e comunicar forma que houvesse o maior contraste
uma ideia, ela não precisa seguir todas as possível entre os dois elementos, e um novo
preocupações funcionais que um interior telhado de zinco passou a proteger a
verdadeiro precisaria contemplar. O Teatro construção das intempéries. O caráter de
Olímpico, emVicenza, na Itália, é um dos mais simplicidade da nova adição lembra as
antigos teatros renascentistas ainda em construções vernaculares tradicionais, além da
funcionamento no mundo, foi projetado por experiência surpreendente de encontrar uma
Andréa Palladio eVicenzo Scamozzi nos anos estrutura em madeira absolutamente nova
1580 e abriga um cenário que é permanente, colocada dentro de uma construção em ruínas
mas, ainda assim, independente de seu com paredes extremamente grossas, e tudo
contexto. Esse cenário tem sete cenas de rua isso cria um discurso com grande
que são vistas em perspectiva exagerada pelo dramaticidade na paisagem.
espectador. Para criar esse efeito, alguns Para atrair a atenção do consumidor e para
truques cenográficos são empregados, como se diferenciar dos outros ambientes do varejo,
pisos e paredes ligeiramente inclinados que se os designers podem utilizar métodos pouco
afastam do proscênio. O exterior de uma ortodoxos na hora de expor um produto e criar
cidade foi reproduzido no espaço interior de um a comunicação da identidade da marca.
teatro, uma cena de rua que reflete as intrigas A K-Swiss é uma marca de produtos esportivos
dos habitantes. Tudo isso é apresentado atrás que também promove eventos de música e
da tela clássica decorada do proscênio. exibições em suas lojas. Ela contratou a
Na cidade de Rheinland-Pfalz, na Alemanha, 6a Architects para projetar sua nova loja-
os designers da FNP Architekten decidiram -conceito, onde os produtos pudessem ser
reformar as ruínas de um chiqueiro do século expostos lado a lado com outros produtos
XVIII para abrigar um showroom. O imóvel interessantes, como livros, CDs e roupa, itens
estava em estado muito avançado de que representassem valores da marca
deterioração, prestes a desabar, e a demolição semelhantes. Além disso, era necessário que o
parecia a única solução viável no início. Porém, Showroom, Rheinland-Pfalz,
por causa de uma complexa legislação alemã Alemanha
Projeto: FNP Architekten.
sobre construções e do pequeno orçamento, A construção parcialmente
foi possível manter a construção. Para que isso em ruínas ganhou nova vida
com a inserção de um novo
fosse possível, foi concebida uma estrutura revestimento de madeira.

144 Anatomia
Táticas para interiores autônomos: superfícies 145
146 Anatomia
À esquerda, acima e abaixo: local pudesse ser rapidamente transformado de
Loja K-Swiss, Londres,
Reino Unido um espaço de varejo em um espaço de eventos
Projeto: 6a Architects. clean, sem interferências da marca.
O sistema de arquivamento
de livros foi reformado e Os designers decidiram instalar um sistema de
permite que o espaço seja
facilmente transformado.
exposição temporária de produtos que utiliza
achados. Um sistema de prateleiras corrediças
de biblioteca foi adotado: elas podem ser todas
encostadas na parede ou abertas para ocupar o
espaço correndo ao longo de seus trilhos.
As cinco prateleiras foram revestidas de aço
perfurado extremamente polido, o que cria dois
efeitos: reflete o branco do espaço enquanto
permite certo grau de transparência.
A mudança no layout é feita em questão de
minutos: as prateleiras são deslizadas para a
parede ao longo dos trilhos e ficam em posição
de armazenamento criando espaço para uma
performance ou para um evento cultural.

Acima: Loja K-Swiss,


Londres, Reino Unido
Projeto: 6a Architects.
Os contêineres de aço
perfurado altamente polido
permitem entrever os objetos
que ficam dentro deles e
também refletem o branco
neutro desse interior.

À direita: Loja K-Swiss,


Londres, Reino Unido
Projeto: 6a Architects. Esse
sistema de display pode ser
completamente fechado para
que o espaço tenha múltiplas
funções.

Táticas para interiores autônomos: superfícies 147


Táticas para interiores autônomos: revestimentos
Os revestimentos de um interior são os incomum desse varejista de roupas. A loja foi
materiais que recobrem seus objetos e projetada pelo 6a Architects e está localizada
superfícies, eles têm um grande potencial para no coração da alfaiataria de Londres, na rua
criar a identidade e a atmosfera do local, e Savile Row. Suas roupas são expostas da
representam a essência do conceito ou da mesma forma que fazem outras lojas, e os
mensagem que o designer quer transmitir. clientes também podem experimentar as
Portanto, a escolha dentre as milhões de peças. No entanto, depois de compradas, elas
opções existentes é um passo extremamente são enviadas diretamente do estoque para o
importante no processo do design de endereço do cliente, fazendo com que o
interiores. impacto do interior da loja seja fundamental;
As qualidades táteis do interior da loja suas qualidades táteis devem refletir as
oki-ni, em Londres, eram absolutamente qualidades e os valores das roupas que são
importantes em virtude da forma de venda vendidas ali. O interior foi executado como

148 Anatomia
uma grande bandeja com uma pequena
inclinação - feito em carvalho vindo da Rússia
aplicado na diagonal, subindo na direção das
paredes para formar um rodapé ou um lambri.
A roupa é depois pendurada no início dessa
borda. A bandeja responde aos caprichos do
edifício existente, absorvendo as
irregularidades, escondendo-as do lado de fora
das linhas retas de suas paredes. As lacunas
tornam-se espaços para armazenamento e
vestiários. 0 display no chão é composto por
uma série de peças de feltro empilhadas,
dispostas horizontalmente, criando diferentes
níveis de exposição; então, os atendentes
podem sentar-se nos luxuosos "assentos" e
solicitar os produtos dos clientes. As
qualidades táteis dos interiores, combinados
com os processos de compras incomuns da
oki-ni, criaram, portanto, uma compreensão

À esquerda: Loja oki-ni,


Londres, Reino Unido
Projeto: 6a Architects.
Roupas e sapatos são
expostos informalmente em
uma pilha de retalhos de
feltro. As peças de vestuário
são penduradas nos
cabideiros que saem da cerca
de carvalho que medeia e
confina o espaço.

Acima: Loja oki-ni, Londres,


Reino Unido
Projeto: 6a Architects.
A grande simplicidade desse
interior é demonstrada nesse
conceito, ilustrado pelos
designers.

À direita: Showroom
Kvadrat, Estocolmo, Suécia
Projeto: Irmãos Bouroullec.
As peças de espuma colorida
são fixadas por meio de
pequenas dobras de
intertravamento.

Táticas para interiores autônomos: revestimentos 149


alternativa da noção de roupas sob medida.
O showroom da Kvadrat, em Estocolmo, na
Suécia, foi projetado pelos irmãos Bouroullec,
contratados para executar os interiores
utilizando apenas os inovadores produtos
têxteis da própria empresa. Como resposta a
esse desafio, os irmãos desenvolveram um
novo produto têxtil: o NorthTile, que foi
utilizado para organizar e revestir esse interior
tão interessante. As peças de espuma e tecido
podem ser utilizadas de diferentes formas:
elas são fixadas umas às outras por meio de
um sistema de dobras que formam uma
saliência para encaixe, permitindo criar
Acima: Showroom Kvadrat, Abaixo: Showroom Kvadrat,
Estocolmo, Suécia Estocolmo, Suécia grandes superfícies e até mesmo divisórias.
Projeto: Irmãos Bouroullec. A Projeto: Irmãos Bouroullec.
dureza da área do showroom Com mais de cem cores, as Um método de montagem tão simples
industrial da Kvadrat é peças podem ser significa que as paredes podem ser
suavizada pelo revestimento configuradas com os mais
cheio de cores. variados layouts e desmontadas e remontadas rapidamente,
combinações de cores.
conforme necessário. A dureza e qualidade
das peças trazem cor e tornam o local mais

150 Anatomia
aconchegante, além de serem ótimas para o habitante durma, trabalhe, cozinhe e faça
isolamento acústico de um ambiente. limpeza no ordenamento geométrico do
A escolha de produtos têxteis criou um interior. A madeira é muito valorizada pela sua
showroom que representa os valores e estabilidade mas também por suas qualidades
produtos da empresa e também um ambiente como revestimento; no bosque onde está
muito moderno que tem o revestimento como construída, a casa fica camuflada pelas árvores
principal atração. e pela densa folhagem da colina.
Residências devem oferecer acomodação
aos seus ocupantes para que eles possam
trabalhar, dormir e descansar, e a escolha dos
materiais por parte do designer é fundamental.
A Next Generation House é uma pequenina
casa de campo nas montanhas de Kumakura,
no Japão, de propriedade de um madeireiro.
O designer Sou Fujimoto criou uma pequena
residência de 4 metros por 4 metros feita em
enormes toras de cedro japonês empilhadas e
afixadas com parafusos para que ficassem
seguramente estáveis. Entre os blocos há
aberturas para observar a paisagem e também
para que a luz penetre na casa. Os blocos
foram empilhados de forma a permitir que o

Acima: Showroom Kvadrat,


Estocolmo, Suécia
Projeto: Irmãos Bouroullec.
A construção das peças em
tecido e espuma dá a elas
excelentes propriedades de
isolamento acústico.

À esquerda: Showroom
Kvadrat, Estocolmo, Suécia

I.
■ P K s n s n m n u w
*1 . Projeto: Irmãos Bouroullec.
As peças em espuma são
muito alegres e criam um

lii ■ P P .Ü ia M H B S in N Ü H H

■ *■ 1 0 1
forte contraste com o
ambiente industrial que
predomina no local.

Táticas para interiores autônomos: revestimentos 151


Portfólios
O design de interiores é uma disciplina A preservação e o restauro de uma
abrangente e muitas de suas áreas são construção é uma abordagem que também é
abordadas nesta seção de Portfólios. Os comumente solicitada aos designers. O
trabalhos selecionados aqui representam escritório Merkx + Girod aliou a necessária
apenas uma pequena amostra da imensa acuidade para preservar um interior original e a
diversidade e qualidade do design de interiores decoração de um prédio com a originalidade
que é feito atualmente. Porém, há um aspecto da interpretação de seu caráter para um novo
que parece ser um ponto comum entre a uso. O designer pôde se beneficiar de um
maioria dos escritórios: eles consideram o senso histórico para reformar um espaço, e o
imóvel preexistente como o ponto de partida período glamoroso e decadente do meio do
para seus projetos, e os interiores emergem século XX forneceu a inspiração para o
por meio de um processo de exploração e trabalho de David Collins, por exemplo.
análise. Um interior pode ser utilizado para todas as
Esse assunto tem diferentes abordagens, funções, pois há muito poucas atividades que
que vão desde projetos quase arquitetônicos, acontecem apenas ao ar livre, e as funções
como a reforma estrutural e expansão de um mais comuns são descritas nesta seção.
imóvel preexistente apresentada no portfólio O design de ambientes de varejo é uma das
de Pugh + Scarpa, até projetos que são quase principais áreas do design de interiores, e a
um design de produto, como os móveis feitos Lazzarini Pickering Architetti é um escritório
sob medida criados pelo escritório David que tem uma vasta experiência nessa área.
Archer Architects. Interiores de escritórios são uma grande
Além disso, os escritórios também variam possibilidade para o trabalho criativo, e a Clive
em seu tamanho. Por exemplo, a Gensler é Wilkinson Architects representa o ápice da
uma empresa enorme, com mais de 2 mil atitude criativa e engenhosa que é necessária
designers em seus escritórios. Quando são neste início de século XXI, quando as
contratados para um projeto, eles fazem muito organizações buscam criar seu branding por
mais do que apenas o design de interiores, mas meio de seus ambientes de trabalho. O design
também executam o branding, a comunicação, de residências é normalmente visto como a
o marketing e as necessidades de design área principal do designer de interiores, ou
gráfico que o cliente possa ter. Já o Universal seja, a coordenação e conexão entre as várias
Design Studio e a Randy Brown Architects são partes de uma casa, aliadas à necessidade de
empresas bem pequenas que mantêm uma especificar acabamentos e móveis, requerem
relação muito próxima, eles "colocam a mão na um profundo conhecimento e também
massa" quando executam um interior. No geral, sensibilidade, e o trabalho de Andrée Putman
os designers se envolvem diretamente na em interiores de residências e ambientes
concepção e execução do projeto, e comerciais é um bom exemplo para essa
frequentemente estabelecem um abordagem. Outro aspecto importante do
relacionamento bem próximo com o cliente. design de interiores é o projeto expográfico.

152 Portfolios
Ele frequentemente é visto como uma
disciplina à parte, mas muitos escritórios de
design criam tanto interiores residenciais
tradicionais quanto projetos para exposições.
O Land Design Studio é amplamente
conhecido por criar projetos para galerias e
exposições consideradas importantes e de
grande valor.
Há muitas abordagens do design que criam
conexões entre os vários escritórios de design
no mundo todo. A australiana Multiplicity, que
fica completamente afastada do eixo Estados
Unidos-Europa, tem uma abordagem em seus
projetos que é responsiva, com-grande
atenção para a textura, os materiais e a
personalidade do preexistente. É o mesmo
método utilizado pelo escritório britânico Ben
Kelly Design. Obviamente, embora o ponto de
partida seja o mesmo, os resultados são
radicalmente diferentes.
O design de interiores é atualmente uma
profissão com ampla aceitação e que é
apreciada pelos efeitos positivos que ela tem
em nossa vida cotidiana. Os trabalhos de
Tarruella & López representam uma
abordagem contemporânea e atemporal: eles
criam ambientes confortáveis e absolutamente
adequados para o uso. O escritório Casson
Mann é respeitado e tem uma forte reputação
por desenhar interiores de qualidade e com
personalidade. O nível de profissionalismo e
de criatividade do escritório criou sua imagem
de respeito como resultado de seus projetos
de interiores.
Todas as citações foram obtidas em
conversas com os designers, exceto quando
indicado.
Tarruella & López
A empresa das atenções, o interior não deve ofuscar a
Sandra Tarruella e Isabel López se conheceram comida. Em segundo lugar, as considerações
enquanto trabalhavam para o arquiteto acústicas são tão importantes quanto as
espanhol Pepe Cortês. Ambas estudaram considerações estéticas. Terceiro, o contexto e
design de interiores em Barcelona, na Espanha os métodos ou estilos construtivos locais
-Tarruella na Escuela Diac, e López na Escuela vernaculares devem ser respeitados. Por
Elisava. Elas criaram aTarruella & López em último, o interior deve tocar todos os sentidos.
1993 e continuam com seu escritório em Essa é a filosofia e a base de todo o seu
Barcelona. A maioria dos projetos da empresa trabalho.
foi nas áreas tradicionais do design, como
hotelaria, varejo, residências e restaurantes. Principal projeto
Hotel OMM, Barcelona, Espanha
Conceitos fundamentais Em uma parceria com o arquiteto Juli Capella,
Os interiores de Tarruella & López se aTarruella & López foi contratada para projetar
caracterizam por uma atmosfera opulenta e os interiores do Hotel OMM. É um hotel-
acabamento suntuoso. A dupla tem vários -butique situado no bairro de lojas Passeig de
projetos já executados em varejo, hotelaria e Gràcia, em Barcelona, próximo da Casa Milà,
interiores residenciais, mas a maior parte de de Gaudí. O exterior do hotel é fascinante:
sua experiência vem dos projetos para uma fachada definida por um conjunto de
restaurantes. Esses espaços requerem uma painéis espalmados de pedra calcária que
organização cuidadosa e uma grande atenção
para a atmosfera e para os revestimentos, e a
concepção e o layout dos móveis e objetos
necessários para esse fim são vitais. Elas
descrevem a sua abordagem como não
necessariamente seguindo a moda: "O
princípio do nosso trabalho sempre foi criar
ambientes atemporais, onde o luxo vem do
conforto, não da aparência. É uma forma de
criar ambientes modernos com base no layout
funcional, e a escolha de materiais que
estejam em seu contexto, e que envelheçam
com dignidade'.'
Ao iniciar o projeto de um restaurante, por
exemplo, elas partem de quatro princípios que
norteiam o design de um ambiente, embora
isso possa ser aplicado a todos os espaços de
convivência que elas executam.
Primeiramente, a comida deve ser o centro

154 Portfólios
parece se descolar da parede. Cada painel
forma uma pequena varanda para o quarto que
fica atrás, enquanto protege o quarto dos
ruídos da rua, da incidência solar direta e dos
olhares indesejados dos prédios vizinhos do
outro lado da rua.
As áreas de convivência contrastam com o
exterior e com a aparente discrição da fachada.
Na recepção, o balcão e a parede ao fundo são
de um vermelho gritante, de forma a ser
facilmente identificável. O foyer é uma planta
livre banhada de muita luz. Ele foi projetado
para ter várias vistas através do ambiente,

Abaixo: Hotel OMM, À direita: Hotel OMM,


Barcelona, Espanha Barcelona, Espanha
Os grandes e suntuosos bar O layout dos sofás e tapetes
e restaurante são foi feito de forma muito
coordenados e orientados acertada para dar a
por luminárias de luz artificial impressão de ambientes
em forma de pirâmide. separados, ainda que dentro
do enorme foyer.
r

culminando em um pequeno jardim, que utilizados para delimitar cada ambiente menor.
também serve de cenário do bar e restaurante. O contraste é um conceito muito importante
O foyer é fluido e vibrante, tem uma grande nesse ambiente: duro fica ao lado de macio,
variedade de móveis, uma mistura de peças grande ao lado de pequeno, iluminado próximo
formais e informais que permitem que os a escuro, em um canto há sofás macios e
hóspedes escolham um espaço dependendo confortáveis que "abraçam" quem senta
da forma como querem se relacionar com os próximo a uma cadeira Egg de Arne Jacobsen
outros e com o ambiente, e os tapetes são em amarelo forte.
No fundo do foyer fica o restaurante Moo,
que recebe iluminação natural vinda do
pequeno jardim que fica ao lado. À noite, nove
luminárias com luz artificial em formato de
pirâmide irrompem do teto enigmaticamente
para compensar a falta de luz natural.
Cada um dos 91 quartos do hotel foi
decorado individualmente, seu acabamento foi
riquíssimo, para transmitir uma sensação de
luxo minimalista. Na cobertura, há uma piscina
e um terraço com vista para a cidade para que
os hóspedes possam se bronzear no sol
mediterrâneo.

Acima à esquerda: Hotel


OMM, Barcelona, Espanha
O banheiro foi projetado
como um elemento
independente dentro do
quarto do hotel.

À esquerda: Hotel OMM,


Barcelona, Espanha
O restaurante Moo tem vista
para um pequeno jardim, o
que aumenta o tamanho
aparente do ambiente e
confunde as fronteiras entre
o interior e o exterior.

156 Portfólios
Acima à esquerda: Acima: Loja Vialis Shoes,
Loja Vialis Shoes, Madri, Madri, Espanha
Espanha O display escultural foi
Projetos importantes O display de sapatos é visível construído com toras cruas
Loja Vialis Shoes, Madri, Espanha a partir da rua, sendo de madeira. Isso cria um forte
alinhado com a vitrine. contraste com os painéis de
Com apenas 16 metros quadrados, essa aço e com o piso polido de
. resina.
pequena loja precisaria de uma instalação
dramática para se destacar das lojas vizinhas e
para que a altíssima qualidade de seus sapatos
Abaixo: Loja Vialis Shoes,
fosse evidenciada. O pequeno ambiente é Madri, Espanha
Os calçados são expostos de
dominado por um display escultural feito com maneira robusta, as toras são
enormes toras de carvalho afixadas por um rotacionadas a partir do
centro e exibem os calçados
simples suporte de aço. Cada tora foi de várias formas diferentes.

levemente rotacionada para formar uma onda


sinuosa e criar um display no qual os sapatos
parecem estar caminhando ao longo das toras,
uma ideia simples e eficaz que é incomum e
que traz movimento para um objeto que
normalmente seria estático.
0 resto do espaço recebeu acabamento
dentro de uma paleta simples e limitada de
painéis de aço, paredes brancas com
revestimento de gesso lixado e piso com
resina plástica branca.

Tarruella & Lopez 157


Restaurante Cuines Santa
Restaurante Cuines Santa Caterina,
I
Caterina, Barcelona,
Espanha
Barcelona, Espanha O ambiente longo e aberto
O mercado de Santa Caterina foi do restaurante é emoldurado
pelo balcão, de um lado, e
recentemente reformado pelo escritório EMBT pela parede de vinhos e
produtos do outro.
(Enric Miralles - BenedettaTagliabue), que
criou um forte discurso dramático com um
telhado colorido cheio de curvas que recobre o
mercado extremamente movimentado abaixo.
Tarruella & López foram contratadas para utilizadas para armazenagem e exposição de
executar um restaurante em um dos cantos do vinhos, comidas, óleos, caixotes de produtos e
espaço, e a proximidade com o mercado até mesmo talheres trazidos do mercado. As
definiu todos os aspectos do projeto. O balcão mesas são robustas e superdimensionadas; a
se estica ao longo do restaurante, desde a experiência de comer no Cuines é semelhante
entrada até o fundo, e serve de parede para as a um passeio no mercado, cercado de pessoas
!l bancas do mercado no salão principal. O outro e produtos frescos. O restaurante é uma
lado do ambiente é dominado por uma enorme resposta absolutamente adequada ao seu
parede de prateleiras de madeira que são contexto cheio de vida e energia.

158 Portfólios
Acima à esquerda: Acima e à esquerda:
Restaurante Cuines Santa Restaurante Cuines Santa
Caterina, Barcelona, Caterina, Barcelona,
Espanha Espanha
O balcão é a parede de As mesas são organizadas de
fundo das bancas do forma linear, o espaçamento
mercado. O restaurante é é feito com árvores e o
separado do ambiente madeiramento exposto do
movimentado do mercado telhado serve de suporte
por uma cortina de vidro. para os encanamentos e
sistemas mecânicos.

À esquerda e acima:
Restaurante Cuines Santa
Caterina, Barcelona,
Espanha
A parede de prateleiras de
madeira exibe condimentos e
talheres. A estética das
caixas e dos caixotes foi
inspirada no mercado ao lado.

Tarruella & López 159


Randy Brown Architects
A empresa ambiente: iluminação, sistemas de
Tudo começou em 1989 na cidade de Omaha, aquecimento e ar-condicionado, acabamentos,
estado de Nebraska, sob o nome Randy portas, escadarias, pisos, paredes, janelas,
Brown Interiors. Em 1993, o nome da empresa tetos, móveis, arte, encanamento, tudo"
foi alterado para Randy Brown Architects (RBA) A RBA inicia um projeto de interiores da
e, em 1996, foi criado um departamento de mesma forma que muitos outros escritórios:
construção civil. Isso permitiu que a RBA analisa o local e as necessidades do cliente e
tivesse um controle maior sobre a qualidade então explora as possibilidades e propõe
dos interiores construídos. Aqueles que alternativas para o projeto: "Nós
trabalhavam no desenvolvimento do projeto documentamos tudo em uma maquete 3-D,
teriam um conhecimento profundo acerca do analisamos as vistas, a circulação, a localização
projeto que estavam desenvolvendo e uma das portas, etc. Tudo o que tiver um impacto
afinidade com o etos da empresa. sobre o local deve ser documentado desde o
Em 1998, Randy Brown fundou a Workshop, início. Então o programa começa a ser
um curso de férias de design e construção que desenvolvido - quais são as intenções do
tem como objetivo ensinar aos alunos os cliente? O que o cliente quer? Quais são os
princípios básicos da construção civil. É interesses do cliente? Nós fazemos uma
concebido de forma a estimular que os alunos pesquisa sobre o cliente ou sobre o negócio e
adquiram conhecimento que eles não obteriam então juntamos a maior quantidade de
durante um curso universitário formal, ou seja, informação possível."
a experiência de efetivamente construir Uma vez que a estratégia geral seja
alguma coisa. O curso tem como pressuposto discutida e definida, o escritório começa a
que o aluno passe um tempo muito limitado desenvolver os projetos e os detalhamentos.
no estúdio e que dedique até dez semanas na Como os designers trabalham bem perto dos
obra, executando o seu projeto. empreiteiros que executam a obra, há uma
troca de idéias sobre como aquele projeto será
Conceitos fundamentais construído. Grandes discussões com
A Randy Brown Architects é uma empresa que engenheiros e outros especialistas garantem
tem uma paixão pela manipulação íntima da que nada seja esquecido. Outra característica
tecnologia e pelo detalhamento dos elementos é a utilização de materiais inovadores.
de um projeto. Eles exploram os mais Sustentabilidade e métodos construtivos
detalhados aspectos dos materiais e elegantes são fundamentais, e a identidade de
acessórios e são conhecidos pela concepção cada projeto é resultado dessas preocupações.
eficiente e acertada de cada um dos Uma grande inspiração para a criatividade é o
componentes de um interior. Sua abordagem profundo conhecimento de materiais e custos,
pode ser descrita como holística, no sentido e eles têm uma vasta experiência em criar
de que eles consideram e controlam todas as espaços exclusivos com pequenos
fases do projeto. Na opinião da RBA, design de orçamentos, como o próprio estúdio da RBA,
interiores é "projetar todas as coisas em um que também é a residência de Randy Brown.

160 Portfólios
Principal projeto À direita: Estúdio da RBA e
residência do arquiteto,
Estúdio da Randy Brow Architects e Omaha, EUA
residência do arquiteto, Omaha, EUA A característica de solução
pré-pronta da estrutura
Uma combinação de elementos simples pode contrasta com alguns
elegantes elementos feitos
criar um interior absolutamente dinâmico; a
sob medida, como o
disposição estratégica de objetos e soluções guarda-corpo de aço no
pavimento superior.
prontas pode dar vida a um prédio sem
qualquer atrativo especial. Essa foi a Abaixo: Estúdio da RBA e
abordagem adotada pela empresa para o residência do arquiteto,
Omaha, EUA
estúdio da RBA, que também é a residência A nova estrutura foi
de Randy Brown. concebida como um móvel
exageradamente grande
0 local é um antigo imóvel dos anos 1970 dentro do ambiente.

onde funcionava uma escola, sem qualquer


atrativo especial, em Omaha, Nebraska. Lá foi
instalada uma estrutura muito elegante para
criar a residência de Randy Brown e sua
esposa, e a área de escritórios para quatro
designers. A construção foi feita em madeira e
aço com uma série de produtos pré-prontos
comprados na loja de ferramentas da cidade. A
estética "faça você mesmo" foi aplicada nessa
peça contemporânea, um fator que ajudou
Brown a convencer as autoridades locais de
que essa nova estrutura era apenas um móvel
- em vez de uma ampliação do imóvel - e
ajudou o processo de planejamento.
A estrutura tridimensional ajuda a separar o
prédio vertical e horizontalmente, o
pavimento superior contém o dormitório
privativo da família e um terraço na cobertura,
enquanto o pavimento térreo é utilizado para
as atividades públicas: o estúdio, a sala de
reuniões e as áreas técnicas/de serviço.
A escadaria, as estantes, a sala de reuniões/
jantar e um loft aberto para hóspedes ficam
todos dentro da estrutura. Ela incorporou
muitos materiais reciclados, foi construída
com vigas de madeira aparente, conduítes,
placas de compensado, aço e vidro.

Randy Brown Architects 161


À esquerda: Estúdio da
RBA e residência do
arquiteto, Omaha, EUA
O novo estúdio ocupa o
espaço de pé-direito duplo
da antiga escola eTquase não
toca as paredes da
construção original.

Abaixo à esquerda: Estúdio


da RBA e residência do
arquiteto, Omaha, EUA
Os encanamentos e demais
estruturas foram deixados
aparentes dentro da estética
de detalhes expostos
adotada no local.

À direita, e abaixo: Estúdio


da RBA e residência do
arquiteto, Omaha, EUA
A sala de conferência fica no
coração da estrutura. A
grande mesa fica apoiada em
um painel de aço, que
também abriga prateleiras
dentro de si.

Além de seduzir os possíveis clientes do


estúdio, o interior também foi concebido como
forma de mostrar o processo construtivo e o
que a empresa é capaz de executar em um
projeto. Os Brown continuaram morando no
imóvel durante a reforma, e o projeto do
contêiner foi modificado durante a sua
construção conforme os elementos eram
movimentados até que uma relação espacial
satisfatória fosse atingida. O imóvel, que
originalmente havia sido uma escola, não tinha
uma personalidade definida e apenas serviu de
abrigo para o novo interior dinâmico.

162 Portfólios
Projetos importantes
Escritórios da John Luce Company,
Omaha, EUA
A RBA executou os escritórios de uma
construtora que buscava expressar suas
qualidades como especialistas em projetos
criativos. Ao ver um interesse compartilhado
no design e na construção criativos, a John
Luce Company contratou a RBA para
desenvolver um espaço que transmitisse a
energia de estar no meio de uma construção.
0 'briefing que eles passaram era um escritório
que parecesse ainda em processo de
construção.
O escritório fica em um armazém anônimo
e foi preenchido com a linguagem familiar da
RBA, utilizando produtos pré-prontos, como
vigas pré-cortadas de madeira, policarbonato,
compensado, vidro e aço - materiais que você
encontraria na loja de ferramentas. O processo
foi um total sucesso e a JLC comunicou que
teve um grande aumento em seu faturamento
como consequência direta dos novos
escritórios com forte apelo dramático e
criativo.

A esquerda: Escritórios da A direita acima, e ao centro:


John Luce Company, Escritórios da John Luce
Omaha, EUA Company, Omaha, EUA
Soluções pré-prontas como Os escritórios ficam
compensado, aço, acrílico e distribuídos em dois
dutos de ar-condicionado são pavimentos: a recepção fica
utilizados casualmente para no térreo e os demais
criar um interior dinâmico. escritórios no pavimento
superior. Os interiores
transmitem a energia e a
criatividade do processo de
construção, com um clima
de “trabalho em andamento".

Randy Brown Architects 163


Escrito rios da 120BLOndo, Omaha, EUA
Esse projeto é uma versão ambiciosa e
controversa do armazém industrial, comum
em áreas de periferia nas grandes cidades. Em
vez das tradicionais paredes em aço corrugado
e janelas em fita, o que se sobressai é uma
enorme estrutura escultural que se projeta
para fora do imóvel e forma uma área de
entrada. 0 barracão também é
consideravelmente mais baixo na parte de trás
em resposta à paisagem do entorno. A
recepção é um ambiente extremamente
dramático, com pé-direito triplo, que foi
concebido como uma série de painéis e
materiais sobrepostos. A RBA projetou um
prédio que se sobressai em seu entorno banal
e transmite uma mensagem criativa a respeito
das intenções de seus ocupantes.

À esquerda: Escritórios da Acima: Escritórios da


120BLOndo, Omaha, EUA 120BLOndo, Omaha, EUA
No pavimento térreo, o A recepção fica em um vão
balcão da recepção é uma de pé-direito triplo: uma
instalação muito mais calma. polifonia de superfícies,
As áreas de espera e as rotas paredes e dutos de
de circulação são claramente ventilação banhados pela
identificáveis. abundante luz natural que
vem de cima.

À direita: Escritórios da
120BLOndo, Omaha, EUA
O interior dinâmico e vibrante
é visível através da entrada,
uma caixa de aço e vidro, e
convida o visitante a entrar no
prédio.

164 Portfólios
Escritórios da Pouison Kjeldseth
Advertising, Sioux City, EUA
A RBA foi contratada para projetar uma nova
identidade espacial para essa agência de
publicidade de forma a promover a empresa
como a mais criativa em seu segmento.
O imóvel é um armazém de tijolos que foi
utilizado como cenário para contrastar com
uma série de intervenções leves. O espaço é
organizado com paredes estáticas de gesso
contrastadas com painéis móveis de tecido, o
que permite que os funcionários tenham
flexibilidade para criar e controlar o próprio
espaço. Estruturas aparentes, como
encanamento, baldes galvanizados, dutos de
ar-condicionado e peças de andaimes, como
hastes e chapas de piso, completam esse
I ambiente corporativo criativo e robusto.

I
Acima à direita: Escritórios À esquerda: Escritórios da À esquerda no centro: Acima: Escritórios da
da Poulson Kjeldseth Poulson Kjeldseth Escritórios da Poulson Poulson Kjeldseth
Advertising, Sioux City, EUA Advertising, Sioux City, EUA Kjeldseth Advertising, Advertising, Sioux City, EUA
O monitor na sala de Encanamentos aparentes e Sioux City, EUA Dutos e paredes de tijolos
reuniões fica sobre um braço materiais pré-prontos, como Paredes brancas revestidas aparentes completam a
móvel de madeira e aço, que chapas de piso, são utilizados com gesso lixado contrastam estética industrial desse
é tensionado por cabos de para criar um ambiente de com as paredes de tijolos interior.
aço conectados a um balde trabalho informal mas, ainda aparentes do imóvel para criar
galvanizado que serve de assim, com seriedade. uma atmosfera bruta mas,
contrapeso (fora da imagem). ainda assim, aconchegante.

Randy Brown Architects 167


Pugh + Scarpa Architects
A empresa modo a apenas encostar levemente na concha
Ela trabalha com design de interiores, original, criando uma experiência que surja da
arquitetura, engenharia e planejamento e sensação de estar ao mesmo tempo em um
busca produzir obras que unam os aspectos local "cru" e "ocupado'.'
estético, ambiental e social. Seus trabalhos Eles esperam que o imóvel original seja
vão desde design de interiores, passando pelo compreendido, ou seja, que fique evidente e
design de objetos, móveis e arte em locais não ofuscado pelos novos elementos. Por
públicos, até projetos em grande escala de meio da análise dos espaços preexistentes
estruturas educacionais, cívicas e residenciais eles decidem como irão fazer a intervenção
de baixo custo, bem como planos diretores e para criar um diálogo entre o novo e o velho,
urbanismo. Com sede em Santa Mônica, na , em que ambos existem em uma relação
Califórnia, a empresa foi fundada em 1991 por mutuamente simbiôntica.
Gwynne Pugh e Lawrence Scarpa. Sua busca é no sentido de criar ambientes
que sejam calmantes, mas que sejam um
Conceitos fundamentais estímulo à concentração dos seus usuários
0 trabalho da Pugh + Scarpa está sempre nas próprias tarefas, eles "buscam ter certeza
fundamentado no contexto físico e cultural, e de que os interiores não sejam opressivos e
ela considera a individualidade e originalidade sem luz natural" Para que isso seja possível,
de um imóvel um aspecto primordial, que normalmente criam grandes eixos de visão
serve de ponto de partida para o projeto. A dentro dos imóveis e através de seus limites,
análise do preexistente consiste da análise e e também dão muita importância para o modo
exploração das qualidades e características de como as pessoas entram nos interiores:
um interior, incluindo a análise da forma e da "Sempre que possível, concebemos nossas
estrutura, história, geografia, geologia e das entradas como longas caminhadas para que o
funções prévias - fatores que podem ser visitante consiga se recompor e entrar no
combinados para criar uma tela sobre a qual é escritório da melhot-forma possível. Ele pode
possível criar outras camadas de intervenção se apropriar da arquitetura e começar a ocupar
de design. Ela respeita profundamente o o espaço enquanto pensa'.'
imóvel original e faz todo o possível para A Pugh + Scarpa normalmente inicia um
manter sua integridade. A empresa trabalha projeto expondo as características
com o impacto do contraste, da distinção fundamentais de um imóvel, então começa a
entre o novo e o antigo, com a disparidade que povoar seu interior com estruturas autônomas.
pode ser criada entre uma concha exterior "Nosso trabalho é no sentido de criar objetos
velha e desgastada e os novos e brilhantes dentro do espaço maior, distribuídos para que
elementos que possam ser inseridos. seja possível entendera estrutura principal
Os arquitetos Pugh + Scarpa descrevem - eles voltam as atenções para o espaço tanto
isso como "um respeito pela estrutura e pelo quanto chamam atenção para si próprios." Isso
esqueleto dos nossos espaços interiores, com cria interiores extremamente únicos, distintos
nossas estruturas e formas construídas de e com características próprias.

168 Portfólios
Principal projeto
Escritórios da Xap Corporation, Culver City,
EUA
A Xap Corporation é um centro de gestão
de recursos on-line para alunos
universitários. 0 imóvel é um enorme
espaço de 6.700 metros quadrados situado
no edifício Backslash, projetado por Owen
Moss. Quaisquer alterações deveríam ser
aprovadas por Moss e, como a Xap aluga o
espaço, quaisquer ampliações, incluindo
sistemas mecânicos, não poderíam alterar
ou sequer encostar no imóvel.
A Pugh + Scarpa propôs que o novo
interior deveria ser construído como uma
série de estruturas autônomas que
acentuariam as qualidades do imóvel
preexistente. O foco digital do cliente
orientou a organização do espaço: os
designers criaram uma "supervia" de 50
metros para a circulação, à qual recepção,
salas, escritórios e áreas de convivência
estão conectados. Essa supervia convida os
usuários a atravessarem o espaço antes de
ter que fazer contato com outros
trabalhadores ou usuários do espaço.

À esquerda: Escritórios da No topo da página, e acima:


XAP, Culver City, EUA Escritórios da XAP, Culver
A planta da sala de reunião City, EUA
mostra os detalhes do As salas de reuniões são
processo extremamente isoladas e concebidas como
complexo de projeto e a formas orgânicas dentro da
fabricação desse objeto rigidez ortogonal do local.
escultural. Note a grande
quantidade de cortes
necessários para a
construção dessa forma de
grande complexidade.

Pugh + Scarpa Architects 169


Objetos livres e outras estruturas ocupam o
interior e permitem total acesso visual às
janelas no clerestório, que são a característica
mais própria do prédio, e isso permite que
muita luz natural seja admitida no local. Duas
estruturas elípticas esculturais em aço
dominam o espaço: uma é a sala do conselho
diretor e a outra é uma sala de reuniões. Esses
ambientes com formato escultural são
estruturados com barras de aço aparentes do
lado externo. Uma surpresa aparece ao entrar
na estrutura, que possui suas paredes
completamente acabadas com gesso lixado na
parte interior. Também há outros objetos e
estruturas executados sob medida, como a
recepção feita em concreto armado e uma

'« M

Acima: Escritórios da XAP, À esquerda: Escritórios da


Culver City, EUA XAP, Culver City, EUA
O interior da sala de reuniões A circulação de ar em um
recebeu acabamento de gesso ambiente tão grande, com
lixado nas paredes. As paredes uma população tão
curvas fazem com que os olhares expressiva e com tantos
sejam direcionados à mesa de equipamentos eletrônicos,
reuniões, no centro do espaço. é uma preocupação
fundamental. Em vez de
No topo: Escritórios da XAP, ficarem escondidas, as
Culver City, EUA saídas do sistema de
A camada externa do ar-condicionado são
revestimento foi omitida para celebradas como parte da
revelar a estrutura de aço e o decoração.
material isolante.

170 Portfólios
:^gÊÊWB&&

Acima: Jigsaw, Los Angeles, Acima à direita: Jigsaw, Los


EUA Angeles, EUA
A parede translúcida das As duas ilhas de edição
enigmáticas e esculturais autônomas parecem estar
ilhas de edição mostram se o flufcwando sobre um espelho
local está livre ou ocupado. d’água no barracão com
aspecto cavernoso.

seleção de móveis contemporâneos que faz o


acabamento do espaço. Embora haja muitos
programas dentro do hall, há uma sensação de
espaço livre no local.

Projetos importantes
Sede da Jigsaw, Los Angeles, USA
Uma área industrial de 1.700 metros
quadrados passou por retrofit para ser
transformada na sede da Jigsaw, uma
empresa de edição de vídeos de Los Angeles,
Califórnia. Ilhas de edição normalmente são
escuras, isoladas, onde luz natural e outros
fatores ambientais que podem comprometer o
trabalho normalmente são excluídos.
Acima: Jigsaw, Los Angeles, translúcida, e na outra
Entretanto, isso pode ter um efeito negativo EUA através das centenas de
Luzes secundárias entram em bolinhas de pingue-pongue.
sobre os trabalhadores, e a Pugh + Scarpa uma das caixas pela tela
conseguiu contornar esses problemas criando
duas ilhas de edição que são esculturas soltas, de vidro, e a outra tem uma parede com
posicionadas sobre um espelho d'água, de bolinhas de vidro. É uma solução pouco usual
forma que parecem flutuar. Ambas são pensada para combater o reflexo na tela e para
construídas de modo semelhante, com pixelar a vista para fora do local. As áreas de
estrutura de aço recoberta de placas de convivência são plantas livres e fluídas, que
chumbo, mas uma tem uma parede com chamam todos para a interação e o
bolinhas de pingue-pongue em um sanduíche relaxamento.

Pugh + Scarpa Architects 171


Click 3X LA, Santa Mônica, EUA
A Click 3X LA é um estúdio de animação e
efeitos digitais localizado em uma área
industrial. 0 projeto envolvia expandir
imensamente um imóvel que abrigava uma
fábrica de aquecedores de água, e o programa
era muito intenso e tecnologicamente rico,
incluindo salas Inferno, usadas para criar
efeitos visuais e animações por computador
para comerciais, programas de TV e filmes
para cinema.
Os designers mantiveram a continuidade
espacial e a sensação de imensidão do
espaço, além do caráter industrial do prédio, e
inseriram várias salas esculturais para atender
às necessidades dos usuários. Elas foram
posicionadas de forma a criar corredores
visuais sem interferências que se estendem
ao longo da totalidade do espaço. A identidade
industrial do imóvel, aliada à natureza
expressiva das novas estruturas, cria interiores
dinâmicos e dramáticos.

Acima à direita: Click 3X LA,


Santa Mônica, EUA
Os espaços públicos entre
as estruturas autônomas é
expressado pela luz natural
que flui para dentro da
construção por meio das
clarabóias.

À direita: Click 3X LA, Santa


Mônica, EUA
As ilhas de edição e as salas
de reunião têm formas
divertidas para trazer
animação para o interior.

À esquerda: Click 3X LA,


Santa Mônica, EUA
As ilhas de edição são
objetos esculturais e
dinâmicos soltos dentro dó
espaço.

172 Portfólios
Acima: Click 3X LA, Santa
Mônica, EUA
Os objetos enigmáticos são
claramente visíveis através da
fachada transparente.

À direita: Click 3X LA, Santa


Mônica, EUA
A natureza excêntrica e
dinâmica das novas
estruturas expressa o etos da
empresa.

Pugh + Scarpa Architects 173


Multiplicity
A empresa Conceitos fundamentais
A Multiplicity é uma empresa fundada pela O trabalho desse escritório é caracterizado
designer de interiores Sioux Clark e pelo pela cuidadosa reutilização dos espaços
arquitetoTim 0'Sullivan: e tem sede em preexistentes e a sua dedicada atenção para
Brunswick, um subúrbio de Melbourne, na os detalhes. Eles são quase obcecados pelo
Austrália. O nome da empresa foi escolhido entendimento dos imóveis com os quais
para transmitir a multiplicidade de profissões e trabalham. Por exemplo, quando estavam
disciplinas envolvidas no espaço construído, e trabalhando na igreja Glenlyon, sua obsessão
é o resultado de idéias e muito trabalho de era desenhar e pesquisar o imóvel com um
vários profissionais do design para atingir um gigantesco grau de detalhe. "É um tipo de
projeto de design que tenha êxito. loucura, mas o nosso escritório dedica muito
tempo apenas medindo e sentindo o espaço"

174 Portfólios
0 trabalho da Multiplicity é basicamente interior com o interior antigo e rústico. Por
doméstico em termos de escala, meio da disposição cuidadosa de elementos e
frequentemente envolve a reutilização de objetos selecionados, eles podem atingir um
prédios incomuns, como armazéns ou antigas equilíbrio entre o novo e o antigo, entre suave
igrejas. Esse tipo de construção em geral e duro, entre o colorido e tedioso.
oferece grandes plantas livres, que precisam
de um planejamento muito cuidadoso e uma Principal projeto
atenção aos detalhes para não esconder as Igreja Glenlyon, Victoria, Austrália
qualidades do edifício que receberá a Um imóvel tombado apenas pode ser alterado
intervenção. A Multiplicity também valoriza o de uma forma muito restrita, e o arquiteto ou
aspecto de "achado" dos prédios antigos, e designer pode enfrentar esse desafio com
busca criar contrastes entre o novo e elegante uma escolha cuidadosa de elementos novos,
com aparência de transitórios, para que sejam
utilizados no local sem tocar ou alterar o
imóvel, mas de forma a dialogar com ele. Essa
abordagem foi escolhida pela Multiplicity
quando executaram um retrofit na igreja
Glenlyon para que fosse transformada em uma
residência unifamiliar.
Os designers partiram do estudo detalhado
da igreja, o que incluiu vários levantamentos,
como medição, pesquisa e até mesmo o
desenho de cada pedra do fechamento externo
do imóvel. Dentro do enorme salão da igreja, a
Multiplicity instalou uma grande estrutura
arquitetônica aberta de aço, acrílico verde,
vidro e madeira. A intervenção cheia de
energia é uma resposta à forma e ao ritmo do
imóvel de forma contrastante e distinta,
embora a natureza ortogonal do novo
elemento seja tão robusta quanto a

Igreja Glenlyon,
Victoria, Austrália
O interior da pequena igreja
oferece um acolhimento
aconchegante no meio da
natureza.

Multiplicity 175
construção. A nova estrutura tem dois
pavimentos e abriga os dormitórios, banheiros
e outras funções de forma ordenada e
controlada, deixando as atividades sociais
localizadas na sala de estar e jantar para o caos
do piso da velha igreja.
O interior é dividido por essa estrutura
verde vivo, e na área de menor tamanho junto
à porta de entrada fica a área de estar, e do
outro lado da estrutura ficam a área de jantar e
a cozinha. Os dormitórios, banheiros,
escritório, armários e outros serviços ficam
todos abrigados na elaborada estrutura
tridimensional. O escritório fica no pavimento
superior e está em balanço sobre a área de

À esquerda: Igreja Glenlyon, Abaixo: Igreja Glenlyon,


Victoria, Austrália Victoria, Austrália
A nova estrutura com dois O espaço na área de estar é
pavimentos fica isolada e cuidadosamente controlado
abriga os dormitórios e os para criar uma sensação de
banheiros. intimidade.

176 Portfólios
jantar e a cozinha, como um púlpito
contemporâneo.
O imóvel não perdeu sua identidade
eclesiástica: seu exterior tem um estilo
claramente neogótico que permaneceu
intocado, alguns dos vitrais foram mantidos e
as paredes interiores foram descascadas e
pintadas de branco para destacar o
madeiramento do telhado. Os novos
elementos não tocam o imóvel, embora sejam
derivados da sua escala e proporção em uma
justaposição do novo com o antigo. "Nós
buscamos criar texturas e relevos, algo que
evocasse o passado de forma abstrata',' explica
Sioux Clark.

Abaixo: Igreja Glenlyon, À direita: Igreja Glenlyon,


Victoria, Austrália Victoria, Austrália
A área de jantar tem uma A cozinha fica no amplo
conexão direta com a área espaço com pé-direito
externa por meio das novas altíssimo atrás da estrutura
portas envidraçadas. dos dormitórios.

Multiplicity 177
Projetos importantes
Armazém Richmond, Melbourne, Austrália luz penetrasse de um espaço para o outro, ao
0 escritório ficou conhecido pelos projetos de mesmo tempo que garantiu certo grau de
retrofit que executou em armazéns para que privacidade, transformando a jornada ao longo
fossem transformados em residências, e este dos ambientes em um passeio de luz e
projeto é apenas um exemplo de uma série de sombra. Todos os ambientes foram projetados
obras executadas. Os designers sempre para serem calmos, utilizando uma seleção
começam pela análise do imóvel, sua natureza, limitada de materiais e cores. Entretanto, nos
forma, estrutura, de modo que o próprio limites da circulação translúcida, onde ela
imóvel oriente a possível solução, em vez de encontra as áreas de estar, é ricamente
uma solução colocada à força. Essa residência decorada e apresenta uma recepção calorosa
foi concebida como uma série de ambientes para a casa.
conectados por uma circulação translúcida,
isso permitiu que uma quantidade limitada de

À esquerda: Armazém
Richmond, Melbourne,
Austrália
Os painéis translúcidos
confundem os limites entre o
interior e o exterior.

Abaixo: Armazém
Richmond, Melbourne,
Austrália
Os designers escolheram
manter a identidade crua e
rústica do imóvel todustrial.

178 Portfólios
Abaixo à esquerda: Abaixo à direita: Armazém
Armazém Richmond, Richmond, Melbourne,
Melbourne, Austrália Austrália
A intensidade de luz na área Conexões verticais diretas
de circulação é controlada são possíveis ao longo do
pelos painéis translúcidos. imóvel com pisos gradeados.

À direita: Armazém
Richmond, Melbourne,
Austrália
Esquemas retangulares no
revestimento expressam a
identidade ortogonal do
imóvel.
À esquerda: Residência de
Laetitia e Sebastian,
Melbourne, Austrália
O revestimento do piso em
pedra bruta cria uma
interessante ambiguidade
dentro-fora.

À direita, e à direita no
centro: Residência de
Laetitia e Sebastian,
Melbourne, Austrália
O uso de pastilhas cerâmicas
amarelas traz luz para as
áreas escuras e úmidas.

Abaixo, e abaixo à direita:


Residência de Laetitia e
Sebastian, Melbourne,
Austrália
As paredes envidraçadas
permitem que as áreas de
convivência sejam estendidas
até o jardim.
À esquerda, e abaixo:
Residência de Laetitia e
Sebastian, Melbourne,
Austrália
Note o longo corredor que
cria uma conexão direta entre
a porta da frente e o jardim.

Residência de Laetitia e Sebastian,


Melbourne, Austrália
Esse é um projeto de retrofit de uma leiteria
do início do século XX que foi transformada
em residência unifamiliar. 0 primeiro retrofit
aconteceu nos anos 1970 com pouca
intervenção e inspiração modernista.
A Multiplicity foi contratada para reconfigurar o
layout da casa e criar espaços que fossem
mais funcionais e confortáveis. Em virtude de
um orçamento limitado, o projeto contemplava
basicamente lidar com o que já existia e
reformar a estrutura existente. Primeiro, os
designers criaram uma relação direta entre a
área de jantar e o jardim, removendo a parede
do fundo do ambiente. Isso trouxe
ambiguidade ao interior: o jardim está dentro
ou fora da casa? As enormes superfícies feitas
sob medida dentro da casa também
contribuem para a sensação de movimento
dentro do espaço, parecendo deslizar de um
ambiente para o outro, o que acentua o
comprimento dos interiores e permite que os
espaços sejam utilizados com flexibilidade.

À direita: Residência de
Laetitia e Sebastian,
Melbourne, Austrália
O rascunho da cozinha foi
transferido diretamente para
o ambiente.

M ultiplicity 181
Merkx + Girod
A empresa
Em 1990, a arquiteta de interiores Evelyne
Merkx iniciou uma sociedade com o arquiteto
Patrice Girod e, juntos, trabalharam
informalmente em uma série de pequenos
projetos e interiores. A Merkx + Girod surgiu
oficialmente em 1996, com o projeto para a
sede do banco ABN-Amro, em Amsterdã, na
Holanda. Seu trabalho é predominantemente
com interiores e reformas, mas se expande, já
que conta com o trabalho de diversos
profissionais em seu escritório, como
arquitetos, designers, engenheiros e
projetistas. A Merkx + Girod emprega mais de
30 pessoas atualmente e está localizada no
centro de Amsterdã.

Conceitos fundamentais
O trabalho da dupla é caracterizado pelas
intervenções espaciais fortes que são muito
bem detalhadas e extremamente bem
acabadas. Eles conseguem utilizar uma Principal projeto
sensibilidade cuidadosa em seus projetos, Livraria Seiexyz Dominicanen, Maastricht,
respeitando as particularidades do imóvel em Holanda
todas as escalas e tipos de construção. Seu A Seiexyz Dominicanen foi criada a partir da
trabalho é mediado por uma filosofia fusão de três das maiores livrarias de
capitaneada pelo design de interiores, o que Maastricht, e tem como sede uma igreja
significa que espaço, luz, cor e clima são dominicana do século XIII de tirar o fôlego.
considerações fundamentais. Seus projetos O imóvel tem uma história interessante: os
apresentam uma consideração cuidadosa da dominicanos foram expulsos por Napoleão, em
identidade dos ocupantes do imóvel que os 1794, e depois de um pequeno período como
interiores irão refletir. A empresa tem seus igreja da paróquia o prédio ficou abandonado
próprios laboratórios de materiais e modelos, por muito anos, sendo utilizado como depósito
onde desenvolvem pesquisas sobre de bicicletas até 2007. O retrofit que o
materialidade, revestimentos e efeitos da luz e transformou em uma livraria permitiu que a
materiais sobre os espaços. Isso permite que Merkx + Girod criasse um espaço com
os designers criem respostas inovadoras e diversos níveis de sentido: o tecido riquíssimo
incomuns, e ganhem tempo e energia no e em estado de quase ruína faz com ele seja
desenvolvimento de novas soluções. um cenário absolutamente incomum para uma

182 Portfólios
livraria e um café. A estratégia era ditada por
um complicado cálculo matemático do projeto:
para o funcionamento da loja eram necessários
1.200 metros quadrados de área de exposição
de produtos dentro da igreja que possuía
apenas 750 metros quadrados. Os clientes
desejavam originalmente instalar um mezanino
ao longo do interior da igreja, para aumentar a
área útil. A equipe da Merkx + Girod resistiu à
ideia e insistiu que o suntuoso pé-direito e o
estilo arquitetônico deveriam ser mantidos,
qualquer que fosse a intervenção feita no
espaço.
Então a estratégia era construir para cima, e
a solução encontrada foi uma galeria de
prateleiras de livros com vários pavimentos de
aço preto posicionada ortogonalmente dentro
da nave principal da igreja. Os livros mais
populares são colocados no nível térreo, livros
acadêmicos e esotéricos são colocados nos
pavimentos superiores, o que garante um
passeio para aqueles que buscam livros mais
raros. A subida na escadaria permite que os
visitantes se movimentem entre as prateleiras
de livros, uma sequência de compressões e
expansões por dentro da estrutura até o
espaço aberto com vista para a igreja. Ao
chegar lá em cima, o visitante se depara com
as dimensões colossais da igreja e fica cara a
cara com as pinturas de 1619 feitas por Jan
Vessens representando os santos e pecadores
da Bíblia.

Acima à direita: Livraria À direita: Livraria Selexyz


Selexyz Dominicanen, Dominicanen, Maastricht,
Maastricht, Holanda Holanda
Assentos com um perfil baixo O último pavimento das
acentuam os arcos estriados prateleiras de livros permite
do abside. uma visão fascinante das
I
magníficas pinturas do teto.

Merkx + Girod 183


A prateleira é um gesto monumental que
dialoga com a escala grandiosa da igreja,
contribui para as suas grandes dimensões e
cria vistas panorâmicas do local. Embora seja
muito grande, a estrutura parece menor do
que realmente é. Sua leve construção em
perfis de aço e os guarda-corpos em chapas"
perfuradas de aço fazem um contraponto à
pesada massa da igreja.

À direita: Livraria Selexyz Abaixo: Livraria Selexyz


Dominicanen, Maastricht, Dominicanen, Maastricht,
Holanda Holanda
A enorme estrutura com A organização rigorosa da
prateleiras de livros foi estrutura reflete a linguagem
colocada fora do eixo central clássica das colunas e dos
da nave da igreja, o que criou arcos.
uma área de estudos ao lado
0 café foi instalado no abside da igreja, e alguma, incluindo a instalação de luz no teto
em seu centro há uma grande mesa em inclinado de concreto feita pelo artista Gunther
formato de um crucifixo, lembrando Forg. A estratégia para o projeto foi instalar um
descaradamente aos usuários a função prévia balcão de bar central, e área de mesas e
do imóvel. cadeiras com espaço para leitura. Esse
conjunto de elementos interiores teve
Projetos importantes acabamento em materiais robustos e foi
Kunsthalcafé, Roterdã, Holanda colocado sobre um piso contínuo em vinil
No pavimento térreo do icônico museu verde forte.
Kunsthal, em Roterdã, projetado por Rem
Acima à esquerda: Acima à direita, abaixo à
Koolhaas, Merkx + Girod conceberam o novo Kunsthalcafé, Roterdã, direita e à esquerda:
Kunsthalcafé. A reforma do local considerou as Holanda Kunsthalcafé, Roterdã,
O novo café fica localizado Holanda
estruturas e os revestimentos existentes no exatamente atrás da fachada As luzes neons circulares
imóvel, que não podem ser alterados de forma do prédio e ocupa um local refletem a organização do
muito incomum abaixo de um local.
auditório inclinado.
Concertgebouw, Amsterdã, Holanda
0 arquiteto holandês Adolf Leonard Van Gendt
projetou e construiu essa imponente sala de
concertos neoclássica em 1861. O prédio é
famoso por suas excelentes qualidades
acústicas e sua fabulosa ornamentação. Markx
+ Girod trabalharam nesse projeto por dez
anos, restaurando o prédio parcialmente e
trazendo a glória de seu resplendor original e
também criando uma nova identidade

Acima: Concertgebouw, À direita: Concertgebouw,


Amsterdã, Holanda Amsterdã, Holanda
A sala de concertos foi A decoração das áreas de
restaurada para ter a glória circulação dentro do prédio
de seu resplendor original. neoclássico é sofisticada
mas, ainda assim, apropriada.

186 Portfólios
coerente em seu interior. 0 salão principal
havia recebido diversas camadas de tinta em
reformas anteriores pouco cuidadosas.
Os designers reformaram o hall, recriaram os
detalhes em folhas de ouro e usaram nada
menos que 12 diferentes tons de branco para
dar ao salão principal uma aparência gloriosa.
Markx + Girod também trabalharam nas salas
de recital e do coral e executaram uma
reforma delicada no foyer.

Concertgebouw, Amsterdã,
Holanda
A decoração é muito
apropriada e reflete o design
de interiores neoclássico da
Holanda do final do século
XIX.

Merkx + Girod 187


1 Universal Design Studio


A empresa
A Universal Design Studio (UDS) é uma
empresa que trabalha principalmente com
varejo e interiores com branding. É um lugar
c: que tem particularidades, pois suas origens
remontam ao escritório de desenho de móveis
'lí, de Jay Osgerby e Edward Barber. Eles notaram
que seu envolvimento com o design de
interiores aumentava e, consequentemente,
o envolvimento com a arquitetura. Hoje, o
escritório emprega 20 profissionais, entre
arquitetos e designers de interiores, e tem
i1 filiais em Londres e Melbourne. A empresa
tem uma longa lista de clientes no mundo
I:
todo, para os quais executam outlets de moda,
museus e espaços de trabalho.

Conceitos fundamentais
As origens da UDS no desenho de móveis e
objetos influenciou grande parte de seus
projetos de maior escala. Todos eles recebem
uma grande atenção no detalhamento dos
interiores e na criação de uma linguagem de
design adequada por meio da escolha dos
móveis e materiais. O início das atividades no
campo do desenho de móveis resulta em um
grande interesse nos pequenos detalhes. Eles
têm absoluta ciência de como os objetos são
combinados e se preocupam com a escolha
de materiais e como as junções e emendas
I
são feitas, por exemplo. A textura e os
acabamentos também são importantes, e a
empresa ganhou reputação pela grande beleza
dos acabamentos das superfícies nos
interiores que projeta.

À direita, e acima à direita:


Loja Stelia McCartney, Nova finas tiras de tecido, separa a
York, EUA circulação das áreas dos
A divisória, construída com displays.

188 Portfólios
Principal projeto que circula o perímetro do ambiente. Essa
Loja e sede Stella McCartney, Nova York, cena pastoral cria um forte contraste com os
EUA móveis e acabamentos extremamente
A UDS foi contratada para executar a ftagship elegantes e urbanos. Vestidos caros e
store (loja principal) de Stella McCartney na sofisticados são expostos em manequins que
região do Meatpacking District, em Nova York. ficam sobre uma plataforma de vidro fumê, os
O armazém que passou por retrofit foi a elementos estruturais são revestidos com
primeira loja a ser aberta e definiu o estilo da placas cromadas, e guarda-corpos de aço
marca a ser seguido na rede de lojas no finamente polido orientam os visitantes
mundo todo. 0 briefing era conceber um através da loja e ajudam na transição entre os
ambiente descontraído, que fosse um refúgio pavimentos dela. Tudo isso fica sobre um piso
da cidade extremamente movimentada do lado de pedras brancas em um local com uma
de fora. Os designers decidiram trazer atmosfera com charme do campo que recebeu
características orgânicas para os ambientes, um toque sofisticado e urbano.
por exemplo, os pavimentos e fechamentos
dos pisos são todos interligados de forma
contínua e conectados a painéis que lembram
plantas - o interior é como um grande terreno
a ser explorado pelo cliente.
A BarberOsgerby criou um revestimento Abaixo: Loja Stella
modular vítreo para a loja com pétalas e Abaixo à esquerda: Loja McCartney, Nova York, EUA
Stella McCartney, Nova Os manequins parecem
hexágonos, e que contribui para o tema das York, EUA flutuar sobre uma faixa
formas e flores. Os módulos foram aplicados Os módulos vítreos envidraçada semelhante a um
hexagonais são inspirados no espelho d’água que separa o
em uma longa e sinuosa parede da entrada, motivo floral da loja. interior da loja do exterior.

Universal Design Studio 189


Projetos importantes
Canteen, Londres, Reino Unido
0 projeto do restaurante Canteen foi inspirado
no otimismo do design de meados do século
XX e na falta de sofisticação dos prédios
públicos, como escolas, bibliotecas e
prefeituras. A UDS escolheu essa abordagem
com uma coleção de móveis em madeira com
um lindo acabamento. A organização do espaço
é muito simples: os móveis do salão são
organizados em filas, e a cozinha e o bar ficam
ocultos atrás de uma parede. Uma parede de
vidro recobre toda a fachada do restaurante
para garantir que o espaço receba luz natural
de forma a trazer qualidades de honestidade e
transparência para o estabelecimento. Os
móveis foram executados com uma perfeição
meticulosa, e eles informam a identidade do
ambiente: ênfase na simplicidade, nos
Abaixo: Restaurante Acima: Restaurante
materiais puros (carvalho, mármore, linóleo, Canteen, Londres, Reino Canteen, Londres,
Unido Reino Unido
cortiça, tweed}, que garantem uma longa vida A vista a partir de fora lembra Mesa com sofás.
útil ao projeto e refletem a qualidade da comida uma pintura de Edward Os materiais são
Hopper. propositalmente simples.
ali comercializada.

190 Portfólios
Restaurante Canteen,
Londres, Reino Unido
O ritmo das mesas com
bancos é repetido no ritmo
dos elementos do forro.

Universal Design Studio 191


Eliden, Lotte Department Store, Seul,
Coréia do Sul
No quinto piso da Lotte Department Store de
Seul, a UDS criou um corner (nicho de
mercado) para o fabricante de roupas
femininas Eliden. O espaço foi organizado com
vários painéis em vidro jateado. Os padrões
dos desenhos sobre os vidros foram
inspirados em um tecido tradicional coreano e
lembram bambus entrelaçados
displicentemente. Quando a iluminação que
vem de cima e de baixo é acionada, eles são
um cenário brilhante para os produtos em
exposição, e a parede do fundo do corner é
feita com painéis texturizados brancos. Eles
têm um motivo floral abstrato, que dá uma
impressão de movimento contínuo quando
vistos por meio das telas translúcidas.

192 Portfólios
À esquerda: Eliden, Lotte À direita: Eliden, Lotte
Department Store, Seul, Department Store, Seul,
Coréia Coréia
Placas de vidro jateado O revestimento branco
medeiam as vistas do interior. texturizado na parede do
fundo da loja reflete a
Abaixo à esquerda: Eliden, natureza dos produtos à
Lotte Department Store, venda.
Seul, Coréia
O acabamento do piso serve Abaixo à direita: Eliden,
para orientar os displays no Lotte Department Store,
interior da loja. Seul, Coréia
Embora pareça caótico, o
interior da loja é organizado
de forma sistemática.
Agence Andrée Putman
A empresa Conceitos fundamentais
A vida de Andrée Putman está intimamente A obra de Putman é conhecida por seu caráter
ligada ao seu trabalho, e conhecer sua vida clássico e refinado, a natureza transitória e .
significa conhecer seu trabalho. Ela é uma temporal da maioria dos interiores é preterida
designer autodidata que tem em seu trabalho e seus projetos são concebidos para durar.
uma série de influências que vão da música Cada interior é visto como um discurso
contemporânea até a dança, arte, arquitetura e enigmático que dará ao ambiente uma
literatura. Ela nasceu em 1925, na França, em identidade única, e a formação da designer de
uma família abastada, e estudou música até interiores em música e suas experiências com
receber o maior prêmio do Prix d'Harmonie do jornalismo, consultoria de design e estilo
Conservatório de Paris. QuandQ entendeu que orientam seu senso de harmonia, equilíbrio e a
não se tornaria uma virtuose, abandonou o combinação de objetos e elementos em um
conservatório e começou a escrever e ambiente. Seus projetos podem ser
agenciar artistas, criando obras sobre a cena interpretados como textos sobre a opulência e
boêmia parisiense dos anos 1960 e comprando sobre o uso de materiais sofisticados. Seu
e vendendo obras dos artistas que ela trabalho é atemporal: "Meus interiores são
admirava. Criou então a consultoria de estilo simples, mas não impessoais; serenos, mas
Mafia e, em 1979, fundou o Écart, um estúdio não frios; tentadores, mas não opulentos;
que inicialmente trabalhava com achados dos charmosos, mas não nostálgicos; refinados,
mercados de pulgas de Paris e, mais tarde, mas não restritivos. Basicamente, sempre
cresceu e começou a criar reedições de tento conciliar materiais caros e baratos.
móveis clássicos de designers como Robert É uma ideia antigueto e não conformista sóbre
Mallet-Stevens e Eileen Gray. O próximo passo a organização do espaço, luz e a elegância dos
seria, naturalmente, que Putman projetasse os detalhes. Algumas pessoas ficam
seus interiores quando ela começou a ser constantemente procurando as últimas
contratada para executar interiores de lojas, tendências, mas esse não é o meu objetivo.
hotéis e vários outros tipos de ambientes no Eu uso meus sentimentos e minha
mundo todo. Putman continua desenhando e consciência para acessar uma grande loja
criando ambientes sob medida. cheia de estilos e conceitos'.'

À esquerda: Morgans Hotel, Acima e abaixo à direita:


Nova York, EUA Morgans Hotel, Nova York,
As paredes, o teto e o piso EUA
do lobby transformam o Os azulejos monocromáticos
motivo xadrez em uma série com padrão xadrez utilizados
de padrões geométricos. nos revestimentos dos
O interior monocromático é banheiros também são
animado pela iluminação traduzidos na padronagem
colorida e cheia de vida. dos edredons das camas.

194 Portfólios
Projeto principal
Morgans Hotel, Nova York, EUA
Em 1984, Andrée Putman projetou o Morgans
Hotel, em Nova York, um dos primeiros
hotéis-butique do mundo, e o reinterpretou em
2008 por meio de uma atualização das suas
qualidades clássicas e atemporais. Os
interiores monocromáticos do local são uma
tradução do banheiro icônico do projeto
original. O espaço que tem maior destaque no
hotel é o lobby, e o efeito óptico preto e
branco do piso em arenito - que foi inspirado
pelos clássicos banheiros - dita a estética do
local. Essa padronagem é utilizada em todo o
lugar, desde a sinalização até os edredons nas
camas.

Agence Andrée Putman 195


0 novo projeto também inclui uma
instalação artística interativa feita pelo grupo
francêsTrafik, e ela é livremente inspirada na
obra de M. C. Escher, autor das famosas
paisagens com ilusões de ótica. Essa obra foi
executada com LEDs instalados no teto do
lobby, a luz é filtrada por meio de uma chapa
de Barisol branco, um tipo de plástico flexível.
A instalação projeta diversas imagens e
padrões que os hóspedes do hotel podem
escolher e gravar as suas favoritas.,
i

A esquerda, e abaixo a Acima: Morgans Hotel,


esquerda e à direita: Nova York, EUA
Morgans Hotel, Nova York, A iluminação do lobby foi
EUA projetada para atender os
O projeto dos interiores do humores e às necessidades
hotel é um tratado sobre a dos hóspedes do hotel.
opulência e a suntuosidade.
Projetos importantes
Le Spa Guerlain, Paris, França
Os designers precisavam criar um interior
completamente novo em um prédio histórico,
*
mas sem danificar suas qualidades ou sua
atmosfera, A abordagem que eles escolheram
foi instalar vários elementos no ambiente, que
servem de centro das atenções sem danificar
a estrutura do imóvel. Provavelmente, o
elemento mais impressionante é a enorme __
luminária que foi pendurada no teto e conecta
os três pavimentos no local. Ela é feita de liga
de metal e foi propositalmente projetada no
formato de um vidro de perfume. Ela remete

Abaixo à esquerda e à Acima: Le Spa Guerlain,


direita: Le Spa Guerlain, Paris, França
Paris, França As áreas de tratamento são
Muitos modos inovadores de dominadas por um motivo
exposição de produtos foram circular, que é utilizado no
adotados nesse local. design e layout dos móveis e
O espaço principal é dos enormes espelhos.
dominado por uma enorme
luminária construída de liga
de metal e iluminada de forma
a transformar o material
extremamente simples em um
acabamento sensual e exótico.

Agence Andrée Putman 197


aos produtos à venda ao redor, que ficam
distribuídos em um display circular. 0 motivo
circular é utilizado o tempo todo no spa como
forma de unificar os interiores; decoração,
acessórios, cadeiras, sofás e poltronas, tudo
segue o mesmo motivo, até mesmo as
aberturas que foram feitas entre os
Le Spa Guerlain, Paris,
pavimentos para unir os diferentes níveis são França
circulares. Novamente, o motivo circular
é utilizado para criar unidade
entre os ambientes.

lii
J 198 Portfólios

’"i
Butique e spa Anne Fontaine, Paris, França Blue Spa, Hotel Bayerischer HofSpa,
A designer de moda Anne Fontaine é Munique, Alemanha
conhecida por suas camisas femininas cheias O projeto de Putman para esse complexo
de babados, e a cada estação ela produz hotel/spa foi feito com sua atenção
centenas dessas peças clássicas. Ela possui característica para os materiais e detalhes.
mais de 70 lojas no mundo todo e, em 2007, O espaço tem uma dignidade calmante aliada
contratou Andrée Putman para desenvolver a uma consistência ergonômica. A referência
sua nova flagship store na elegante rua estética é quase náutica, a água domina o
Saint-Honoré, em Paris. A nova loja teria suas projeto, mas a linguagem dos interiores parece
camisas clássicas e também entraria no ter saído de um transatlântico com detalhes
segmento de beleza e dos spas. O espaço foi em bétula conectados a molduras tubulares de
executado em três pavimentos, e Putman e aço. Espreguiçadeiras clean em madeira e
Fontaine decidiram que a água seria o detalhes minimalistas dão ao spa um clima
elemento de unificação dos interiores. Uma muito leve. O imóvel tem uma piscina em sua
parede foi revestida com pedra azul Hainaut e cobertura sob um teto retrátil, que pode ser
serve de cenário para uma queda d'água entre aberto em segundos. O espaço é perfeito para
a loja e o spa. A área de varejo fica no térreo e receber mimos e cuidados.
no pavimento superior, e o spa fica no subsolo.
No térreo ficam as camisas que deram fama a
Fontaine, expostas dentro de elegantes caixas
de vidro. Uma escadaria revestida em pedra
azul leva os clientes ao spa, onde podem se
deliciar em camas suntuosas ou entrar nas
enormes banheiras de hidromassagem de
granito. Os espaços que foram criados são
controlados e elegantes, algo que Putman
sempre busca em seu trabalho: "Eu sempre
tento me relembrar de que um espaço pode
ser calmo e pode trazer conforto mental.
O contexto visual permite que [as pessoas] se
sintam bem. Nós sempre esquecemos a
enorme paz que emerge de um ambiente leve,
delicado e humano, onde a preocupação com
o conforto é a coisa mais importante. O que
me estimula é criar um ambiente que seja
calmante e que faça com que as pessoas se
sintam bem, sem estar anestesiadas por um
ambiente excessivamente aconchegante'.'

Agence Andrée Putman 199


David Archer Architects
A empresa projeto, e novas tecnologias são utilizadas para
Com sede em Londres, a David Archer produzir detalhes, marcenaria e ornamentação.
Architects foi criada em 2002 por David Archer A empresa é propositalmente pequena e
e Julie Humphries. Eles são especializados em opera com uma grande rede de consultores
interiores sob medida altamente detalhados especializados, como arquitetos dedicados à
em diversos segmentos, como residências, preservação, designers de móveis e de
varejo, entretenimento e hotelaria. A Archer já iluminação, de forma que a equipe de design
trabalhou com designers muito famosos, possa se adaptar às necessidades de cada
como Philippe Starck, Jean Nouvel e Antonio projeto.
Citterio, em diversos projetos de interiores
famosos, como o restaurante Felix, em Ho,ng Principal projeto
Kong, e o hotel Delano, em Miami. Em 2008, a Restaurante Aaya, Londres, Reino Unido
empresa recebeu o prêmio Interior Architect of Esse restaurante tem capacidade para 150
theYear, promovido pela revista britânica lugares e fica na Brewer Street, região central
Building Design. de Londres. Seu interior foi projetado para ser
um contraste com a rua movimentada do lado
Conceitos fundamentais de fora com um ambiente calmo e tranquilo
O design de interiores para entretenimento e para apreciar comida japonesa de altíssima
varejo pode ser visto como uma área qualidade. Os interiores foram concebidos para
superficial da disciplina, apenas motivada pelas elevar e melhorar a apresentação e o consumo
questões de revestimento e pelo apelo visual, da comida japonesa, em especial o sushi.
e em função do ganho financeiro. O trabalho A narrativa japonesa é altamente desenvolvida:
de David Archer é uma alternativa a isso, pois ela começa com o conceito inicial que tem
seus interiores são projetados com esmero de inspiração no design tradicional dos templos e
acordo com um conceito consistente que nas referências imagéticas contemporâneas
orienta sua execução. Para ele, o de neon e vidro deTóquio. Esses temas são
comprometimento com um trabalho artesanal combinados e retrabalhados de forma a criar
minucioso é fundamental, bem como um diferentes áreas de refeição, cada uma sendo
rigoroso cuidado com o detalhamento. Em influenciada de diferentes formas por espaços,
seus projetos, é comum encontrar elementos padronagens e materiais do Japão tradicional e
altamente refinados que trazem ao ambiente contemporâneo.
um clima de luxo e sofisticação. O restaurante fica no pavimento térreo e no
Sua experiência com retrofit e reforma de subsolo do imóvel. No térreo fica o salão com
imóveis históricos e tombados permitiu que a área das mesas ordenadas no centro do
ganhassem grande conhecimento no projeto espaço e cercada por um bar que cobre todo o
de interiores contemporâneos que perímetro do local. O fundo do bar é revestido
harmonizam com seus contextos históricos. por uma parede de madeira detalhada para
Iluminação e móveis feitos sob medida criam parecer água recebendo luz em sua superfície.
atmosferas únicas para a função de cada Os tetos são revestidos com tatames

200 Portfólios
distribuídos dentro da estrutura de vigas. de comprimento. Os peixes são apresentados
Cada uma delas recebeu painéis translúcidos sob o vidro, como se cada pedaço fosse uma
de madeira como interpretação joia. O piso da parte de trás do balcão tem um
contemporânea das portas de correr nível mais baixo para que os clientes sentados
tradicionais japonesas. O subsolo tem como no balcão possam admirar o processo que se
principal atração um sushi bar com 10 metros desenvolve na frente deles.

Restaurante Aaya, Londres,


Reino Unido
A luz natural é filtrada para o
interior através do vidro
translúcido, o que cria um
ambiente calmo e tranquilo.
0 detalhamento dos materiais do À direita: Restaurante Aaya,
Londres, Reino Unido
restaurante é elegante e cuidadoso, e os A circulação entre os pavimentos
é envelopada com vidro
móveis sob medida foram desenhados por translúcido. Flashes de luz
Edward Barber e Jay Osgerby com colorida são filtrados por eles
como forma de remeter à
exclusividade para oAaya. São peças paisagem urbana movimentada
de Tóquio.
minuciosamente projetadas para o contexto e
para cada tipo de refeição: no térreo, há mesas Abaixo: Restaurante Aaya,
Londres, Reino Unido
com cadeiras e o balcão com banquetas de Banquetas elegantes e exclusivas
ficam alinhadas ao longo do
carvalho, apoios laqueados cor-de-rosa e balcão e reforçam a identidade
estofamento de couro cinza, e as mesas são linear do local.
O comprimento do ambiente é
feitas de carvalho com tampos em video pontilhado por enormes luminárias.
branco. No subsolo, os assentos também são
Abaixo à esquerda:
feitos de madeira, mas com estofamento de Restaurante Aaya, Londres,
Reino Unido
couro branco, e as banquetas do sushi bar Os motivos florais de um
receberam couro preto. Um motivo floral quimono foram esculpidos nas
portas de madeira que dão
inspirado nas estampas tradicionais dos acesso às áreas reservadas.

quimonos é utilizado como elemento


decorativo, tendo sido redesenhado e bordado
em seda para ser aplicado em luminárias e
esculpido no carvalho para decorar os painéis
nas paredes. A iluminação também foi
delicadamente concebida com luzes quentes
refletidas através de painéis de vidro fumê
canelado, remetendo à paisagem noturna das
ruas deTóquio.

202 Portfólios
À direita: Ink Bar,
Bournemouth, Reino Unido
A iluminação foi
cuidadosamente concebida
no salão; uma série de
luminárias pendentes
iluminam as mesas e
reforçam o volume do
suntuoso espaço.

Abaixo: Ink Bar,


Bournemouth, Reino Unido
O salão de jantar principal é
orientado por uma sequência
de cabines posicionadas
ortogonalmente no centro do
ambiente. Esse layout é
reforçado pelo longo bar com
forma linear e uma sequência
de luminárias pendentes.

Projetos importantes
Ink Bar, Bournemouth, Reino Unido
A inspiração para o estilo e nome do Ink Bar
vem do imóvel onde ele está localizado: o
Edifício Seal and Hardy, tombado em
Bournemouth, no Reino Unido, antiga sede do
jornal Bournemouth Echo. O bar ocupa a antiga
recepção do jornal, e daí vem seu nome
("ink", em inglês, significa tinta, portanto, um
trocadilho com jornal)-, o imóvel com estilo art
déco foi a inspiração para o estilo do novo
interior do bar. 0 Ink Bar é uma atração por si
só e também funciona como local de chegada
para os clientes que vão jantar na brasserie
Print Room.

David Archer Architects 203


O layout do local é organizado de forma
ortogonal, com o balcão de madeira tingida em
um lado, e as mesas altas com bancos de
outro. Elas são escuras mas o lado inferior é
pintado de amarelo para acentuar a altura e
reduzir o peso de tanta madeira escura.
As paredes são pintadas de branco e têm
painéis de meia parede escuros, o que poderia
ser opressivo, mas os espelhos art déco e
outros detalhes equilibram o clima. As saídas e
outras aberturas são pintadas com o mesmo
amarelo da parte inferior das mesas, brincando
com o local.

Abaixo: Ink Bar, Abaixo no centro: Ink Bar, Abaixo à direita: Ink Bar, Acima: Ink Bar,
Bournemouth, Rfeino Unido Bournemouth, Reino Unido Bournemouth, Reino Unido Bournemouth, Reino Unido
A intimidade do pequeno O neon utilizado apenas nas A preservação de O diagrama mostra o layout
salão de jantar é dispensada janelas é uma opção de características originais, como organizado e eficiente das
pela enorme parede de aplicação de cor que cria um o relógio art déco, reforça as diversas atividades no interior.
espelhos que reflete o salão discurso intenso e dramático. conexões entre o novo interior
infinitas vezes. e o prédio original.
Acima: Restaurante Isarn, Acima no centro: Restaurante Acima à direita: Abaixo: Restaurante Isarn,
Londres, Reino Unido Isarn, Londres, Reino Unido Restaurante Isarn, Londres, Londres, Reino Unido
Embora o ambiente seja A linearidade do local é Reino Unido O espaço longo e estreito é
longo e estreito, cada mesa pontuada por gigantescas O bar reforça a linearidade organizado ao longo da
ganha individualidade com luminárias centrais e outras do local e fica no ponto mais circulação central.
iluminação e materialidade. pequenas luminárias pendentes. estreito do ambiente.
Note os tecidos de vela de
barco no teto da estufa.

Restaurante Isarn, Londres, Reino Unido espaço livre central para circulação e unidade
Esse restaurante ocupa um imóvel incomum, visual. Os salões interno e externo são
com apenas 4 metros de largura e 25 metros interligados por uma estufa recoberta por
de comprimento, com uma área aberta no tecidos de vela de barco, criando um efeito de
final. A David Archer Architects reforçou a tenda. Essa solução permite que a transição
identidade linear do local criando longas do interior para o exterior seja feita de forma
perspectivas que se estendem ao longo de quase imperceptível, alongando ainda mais o
todo o ambiente. Para isso, utilizaram restaurante. Essa é uma estratégia arriscada
elementos para reforçar essa sensação, como - poderia ser muito intimidante para o cliente
o balcão, o bufê, mesas e cadeiras, sempre atravessar todo o local -, mas o clima é
colocados ao longo das paredes, deixando um intimista e alegre.

David Archer Architects 205


David Collins Studio
A empresa dos detalhes. O próprio David Collins já usou a
O David Collins Studio cresceu ao longo de citação de Mies van der Rohe várias vezes:
seus 20 anos, começando em um pequeno "Deus está nos detalhes'.' Portanto, o Studio
escritório de design de interiores especializado explora a tecnologia do detalhamento intenso
em projetos de residências particulares, e dos materiais e acabamentos. Os interiores
chegou aonde está atualmente: um estúdio resultantes são extremamente sofisticados,
com mais de 50 funcionários e escritórios em ambientes que são ricos, mas, ainda assim,
Londres, Nova York e Buenos Aires. Eles são minimalistas, com materiais opulentos, porém
responsáveis por alguns dos mais importantes sem decoração de mau gosto.
projetos de arquitetura de interiores e de Os designers buscam inspiração nos estilos
design multidisciplinar, como grandes redes arquitetônicos clássicos não como fontes de
internacionais de varejo, bares, restaurantes, cópia, mas como algo a ser explorado e
hotéis, iates e spas. Sua abordagem para o utilizado para inspirar o design de um interior.
design é ampla; arquitetura de interiores, David Collins explica: "Um interior romântico
móveis, iluminação e design gráfico coexistem ou barroco ou, até mesmo, um interior gótico
e interagem, produzindo uma visão ampla sem pode servir de inspiração para mim, e se tornar
precedentes para cada projeto. algo completamente contemporâneo'.'

Conceitos fundamentais
O David Collins Studio é abertamente
modernista, obcecado pelo controle de todo e
qualquer detalhe do projeto. São seguidores
apaixonados das expressões minimalistas de
Ludwig Mies van der Rohe, Eileen Gray e,
claro, Le Corbusier. Seu objetivo é criar
interiores que sejam absolutamente exclusivos
para cada cliente, e é esse entendimento das
necessidades daqueles que irão utilizar o
ambiente que cria o ponto de partida de todos
os projetos, conforme explica o próprio David
Collins: "Eu sei que isso é um clichê, que os À direita: Restaurante Bob À direita no topo da página:
Bob Ricard, Londres, Reino Restaurante Bob Bob
designers de interiores sempre dizem começar Unido Ricard, Londres, Reino
pelo início do projeto, mas eu também O interior decorado e Unido
compartimentalizado remete O monograma do
geralmente começo pelo desenvolvimento da a um American diner (tipo estabelecimento foi feito com
tradicional de restaurante latão e aplicado no piso do
personalidade de um projeto, ou do imóvel, ou norte-americano que terraço.
do local - e tudo isso se combina para lhe normalmente fica dentro de
uma estrutura pré-fabricada,
mostrar a forma de conseguir algo especial'.' similar a um vagão de trem).
As cabines estofadas são
Uma vez definida a orientação do projeto,
organizadas por números
então começa o design e o controle estrito aplicados no piso.

206 Portfólios
<

Principal projeto
Restaurante Bob Bob Ricard, Londres,
Reino Unido
Esse restaurante é uma mistura de brasserie
parisiense e diner nova-iorquino na região
central de Londres. 0 design é uma ■p*' à %

interpretação contemporânea de um interior


art déco, seus materiais são ricos e opulentos,
com espelhos e muito dourado exagerando o
clima de suntuosidade. 0 David Collins Studio
utilizou sua preocupação habitual com o
controle sobre todos os detalhes do projeto,
inclusive detalhando os uniformes dos
garçons.

David Collins Studio 207


Restaurante Bob Bob
Ricard, Londres, Reino
Unido
O clima desse interior foi
concebido por meio do uso
intensivo de materiais ricos e
opulentos. As áreas de
refeições mais reservadas
são protegidas por cortinas
de veludo. O salão principal é
organizado rigorosamente em
forma de cabines ortogonais,
a refeição no local é sempre
uma atividade teatral.

O salão tem um layout organizado de forma


regular, criando cabines. Os assentos na área
de banquetes, na parte mais aberta e com luz
natural, são recobertos com couro azul com
aplicações em latão. Isso cria uma atmosfera
iluminada e alegre de formalidade agitada,
onde os clientes são estimulados a interagir
uns com os outros e aproveitar o clima
animado do local. O salão vermelho também é
organizado com mesas em cabines, mas tem
um clima muito mais íntimo e é mais
adequado para a natureza mais relaxada das
longas noites de jantar. O espaço tem
iluminação artificial e os bancos de couro
vermelho são suntuosos e sofisticados. As
paredes são revestidas em seda com detalhes
em vermelho, e o teto é baixo, o que reforça a
atmosfera íntima do local.
Bob Bob Ricard é um local onde seria de se
esperar que uma estrela do cinema dos anos
1950 fosse para bater papo e tomar café da
manhã.

208 Portfólios
I

Projetos importantes
Callas Café & Restaurant,
Budapeste, Hungria
0 Callas Café & Restaurant recebeu seu nome
em homenagem à diva da ópera Maria Callas
- muito adequadamente, aliás, uma vez que
ele fica no Andrassy Boulevard, em frente ao
Teatro de Óperas do Estado, um imóvel
extremamente opulento do século XIX.
O interior do café é sem dúvida influenciado
pela decadência oitocentista, aliada ao
interesse do David Collins Studio por tudo que
seja art déco.
O salão principal é aberto e seu tratamento
foi muito simples: o bar fica em um lado, e as
cabines com bancos e as mesas com cadeiras
ocupam o resto do espaço. As paredes e os
pisos também foram tratados de forma
objetiva: as paredes são brancas e têm painéis
de meia parede escuros, e o piso é feito em
pedra branca e marrom. A aura de decadência ti
luxuosa vem dos detalhes e acabamentos, :r
como os arcos do teto todos feitos em folha
de ouro, os lustres pendentes feitos em latão
ricamente ornado e os assentos recobertos
com couro com textura em relevo. Tudo isso
resulta em um espaço contemporâneo, mas
que parece existir há mais de um século,
como se fosse um ocupante de longa data
dessa cidade sofisticada.

Callas Café & Restaurant,


Budapeste, Hungria
O grande salão tem escala
monumental, concebido para
evocar o passado e o
presente. Sua elegância é o
cenário perfeito para comer e
beber.

David Collins Studio 209

- ;f
'
The London NYC, Nova York, EUA
*A textura é um componente importantíssimo
lem todos os trabalhos do David Collins Studio,
le esse projeto demonstra sua manipulação
Idas texturas da melhor forma possível. O hotel
|é predominantemente creme e marrom-claro,
le outros ambientes, como os quartos, foram
[criados pela combinação de diferentes
Ihnateriais e acabamentos. Por exemplo, no
isalão de jantar há mármore bege lado a lado
icom couro creme, dentro de um ambiente
loff-white com paredes douradas. As toalhas de
mesa são brancas, as louças em tons de café,
|e o carpete é em castanho estriado. Tudo isso
ser uma combinação insípida e sem
nenhum atrativo, mas a textura de cada
material é forte e única, e o ambiente tem
como resultado um conjunto de acabamentos
e superfícies acolhedoras e interessantes.

No topo da página:
The London NYC, Nova York,
EUA
As molduras do teto em
caixotões são replicadas pelo
layout das mesas para que o
espaço seja ordenado e
eficiente.

Acima: The London NYC,


Nova York, EUA
A geometria do teto e do piso
cria um interior único e com
unidade. Note a importância
e a predominância do longo
balcão da recepção.

À esquerda: The London


NYC, Nova York, EUA
A atmosfera do salão de
jantar é suavizada pelo uso
de textura associado a
materiais com cores suaves.

210 Portfólios
À esquerda: The London
NYC, Nova York, EUA
Uma das pontas do lobby
tem como principal atração
uma gigantesca lareira.
Embora ela não esteja em
funcionamento para aquecer
o ambiente, a sua
predominância cria o centro
de atenções desse interior.

Abaixo: The London NYC,


Nova York, EUA
O longo e glamoroso bar é
iluminado por uma grande
escultura de luz. Diversas
texturas diferentes são
empregadas para criar um
bar opulento e sofisticado.

David Collins Studio 211


Ben Kelly Design
A empresa anterior, eram frequentemente utilizadas para
Ben Kelly criou sua empresa de design (BKD) decoração ou como ornamentos. Entretanto, é
em Londres em meados dos anos 1970. Um o entendimento e a combinação acertada,
dos primeiros projetos da empresa foi associados à colocação cuidadosa de novos
solicitado por Malcolm McLaren e Vivienne elementos, que tornam o trabalho da BKD um
Westwood: a famosa butique Seditionaries, em sucesso. Kelly descreve seu trabalho como
Londres. Descrita como "uma casa de apostas algo que tem integridade além da análise do
do Laranja Mecânica',' o local era utilizado para acabamento, ele entende o que faz como
ensaios pelo Sex Pistols. Nos anos 1980 e "muito próximo da arquitetura, mas não é
1990, a BKD completou três grandes obras em arquitetura" - na verdade, está muito pouco
Manchester, no Reino Unido, que hoje em dia relacionado apenas ao tratamento das
são vistas como projetos icônicos: o clube superfícies,, mas tem sua essência na
The Haçienda (1982), o bar Dry 201 (1989) e a manipulação e no controle do espaço.
sede da Factory Records (1990). Todos os projetos da BKD são
caracterizados por uma série de qualidades
Conceitos fundamentais particulares. Soluções inovadoras e incomuns
Embora a empresa tivesse grande influência para um prédio antigo são combinadas a um
durante o período do punk, o trabalho da BKD planejamento sensível e inovador, bem como o
representa a geração pós-industrial que, após uso de materiais extremamente resistentes.
sobreviver à desindustrialização dos anos O escritório é conhecido pelo uso de uma
1970, tomou para si o conceito de warehouse vasta quantidade de materiais e acabamentos,
living andpartying, ou morar e se divertir em explorando diferentes versões de um mesmo
armazéns industriais. Os projetos de projeto e experimentando um material após o
Manchester representam os tipos de interiores outro. Eles também normalmente verificam e
que estavam desaparecendo da sociedade avaliam o valor de produtos familiares em
naquela época, enormes armazéns sem funções pouco familiares - por exemplo, no
divisões internas não eram mais utilizados para próprio escritório da BKD, lixeiras alaranjadas
a indústria, mas para a realização de raves e são utilizadas como luminárias. Essa
para clubes, e o Haçienda provavelmente foi o abordagem faz da empresa um antídoto para a
mais famoso de todos eles. A estética estética massificada de tamanho único.
industrial se mostrou altamente influente e,
por um bom tempo, foi muito copiada. À direita, no topo: À direita, abaixo:
A BKD sempre afirmou que o imóvel The Haçienda, Manchester, The Haçienda, Manchester,
Reino Unido Reino Unido
original é o gerador do interior, que o seu O visitante passava por uma Motivos industriais informam
sequência de espaços a decoração do interior; telas
trabalho era apenas uma mera interpretação diferentes até chegar ao eram usadas para a projeção
do que já estava lá - e, de certa forma, isso é coração do clube. A entrada de filmes.
do clube era revestida de
verdade. Muitos dos interiores da BKD chapas de metal, a primeira
parte da sequência. Note o
mantêm os restos da ocupação anterior do
número serial da Factory
imóvel, essas relíquias, ou restos do uso Records na porta.

212 Portfólios
Principal projeto
The Haçienda, Manchester, Reino Unido
O clube Haçienda foi concluído em 1982 e foi
o maior projeto da BKD na época. Ele não
tinha precedentes, e logo ganhou status
icônico como um dos maiores espaços
culturais e hedonistas do final do século XX.
Ben Kelly foi recomendado para os
proprietários da Factory Communications pelo
diretor de arte da empresa, Peter Saville, e a
BKD recebeu absoluta liberdade para
comandar a reforma do que antes havia sido
um showroom de iates, na região central de
Manchester, e assim criar um clube noturno e
uma casa de shows absolutamente sob
medida.

1 1

\W Y f k i

<

[ M Ê

m 11

Bit . M - ^ . ;
The Haçienda, Manchester, tradicionais, como madeira,
Reino Unido eram utilizados diretamente
O interior extremamente com elementos incomuns,
característico era definido por como sinais de trânsito e
seu uso robusto de cores e faixas de perigo.
materiais. Materiais

A presença do clube na rua era mínima, a


visitante entrava por uma pequena porta
escura em um pequeno lobby e então ia para
uma área um pouco maior, que o BKD definia
como "um enorme espaço similar a uma
catedral, que intensifica a experiência e que o
deixa completamente extasiado quando está
lá, toma conta de você'.' Esta é uma das
características do trabalho da BKD: o
movimento é linear e está fortemente
relacionado à circulação das pessoas através
do interior. Os ambientes são concebidos
como uma sequência, uma progressão de
cenas para o usuário ocupar, cada uma delas
conectada à anterior por meio de materiais,
texturas e cores temáticas, mas com uma
atmosfera própria muito clara.
Os interiores foram deixados praticamente
no estado em que foram encontrados, até
mesmo a iluminação zenital, um elemento que
não tem muita utilidade em uma casa noturna
e normalmente é excluído, foi mantida. Quase
tudo foi pintado de azul-claro, e a identidade do
interior foi completada pela adição de achados,
como postes de trânsito e olhos de gato. A
The Haçienda, Manchester, O salão foi mantido intacto, e
estrutura de aço exposta foi recoberta com Reino Unido o bar, a pista, o palco e a
O clube era um espaço cabine do DJ foram
faixas de sinalização de perigo em amarelo, industrial e também foi um organizados dentro dele.
preto e branco. Um interior industrial para uma showroom de barcos.

sociedade pós-industrial!

214 Portfólios
Projetos importantes
BarTen, Gtasgow, Reino Unido
Localizado em um pequeno beco escuro, e
discretamente escondido dos compradores
animados da Princess Street, a principal rua de
compras de Glasgow, o BarTen é conhecido
apenas pelos poucos clientes selecionados
que sabem como encontrar esse local íntimo e
incomum. O bar ocupa o térreo de um enorme
edifício industrial do início do século XX. A
BKD abriu a frente do bar no beco estreito
colocando janelas do piso ao teto de forma a
permitir que a pouca luz que ali chega entrasse
no interior do bar. O interior é mais largo no
fundo do que na frente e tem três grandes
colunas de aço como centro das atenções,
ficando alinhadas fora do centro, o que cria
duas áreas distintas: o balcão fica na parte
menor, e a área com bancos, na parte mais
larga. O balcão é feito de um bloco sólido de
mosaicos que emerge do piso e reforça as
qualidades de robustez do local, e um duto de
ar-condicionado aparente que corre junto ao
teto dá unidade a todos os ambientes. O Bar
Ten é uma resposta forte, vigorosa, que aborda
uma situação difícil e restritiva.'

Acima à direita: Bar Ten, No centro à direita: Bar Ten,


Glasgow, Reino Unidò Glasgow, Reino Unido
A antiga estrutura do imóvel é O espaço em L é dividido em
o centro das atenções no duas áreas distintas: o bar e
térreo. Achados ficam lado a a área das banquetas.
lado com novas intervenções, O longo duto de
criando um interior único e ar-condicionado conecta
com características próprias. todos os ambientes.

Abaixo à direita: Bar Ten,


Glasgow, Reino Unido
Tijolos vitrificados, cores
intensas e vigas metálicas
expostas completam a
estética industrial dura desse
interior.
Gymbox Covent Garden, Londres,
Reino Unido
A BKD quebrou os padrões para os ambientes
de academias de ginástica, tradicionalmente
brancos e estéreis, criando um espaço
vibrante e colorido. Essa academia fica em um
antigo cinema, e a estrutura original foi
mantida como pano de fundo para uma série
de instalações coloridas. No centro das
atenções fica um ringue de boxe, uma arena
que promove o fitness por meio das Jutas.
Mais uma vez, a BKD usou uma forte paleta de
materiais para complementar a identidade crua
do imóvel preexistente. Aplicações em vinil
com cores fortes criam um contraste extremo
com as paredes em concreto aparente
originais do prédio. A BKD também usou luzes
coloridas em algumas áreas de destaque com
neon, e a entrada é uma caixa brilhante branca
e amarela. Os designers adotaram o conceito
de que boxe não é mais um esporte para
alguns poucos indivíduos apaixonados e
criaram uma atmosfera vibrante e convidativa
para todos.

Acima, e no topo da página:


Gymbox Covent Garden,
Londres, Reino Unido
Uma fonte simples e direta é
utilizada em toda a
sinalização para indicar os
locais aos visitantes.

À esquerda: Gymbox
Covent Garden, Londres,
Reino Unido
O ringue de boxe é o centro
das atenções no local.

216 Portfólios
À esquerda no topo da À direita no topo da página:
página: Gymbox Covent Gymbox Covent Garden,
Garden, Londres, Reino Londres, Reino Unido
Unido A iluminação faz com que a
O estúdio de dança recebeu circulação seja vibrante
fechamento envidraçado e dentro do espaço
fica no centro do espaço. subterrâneo, destacando as
O caráter altamente qualidades das texturas das
tecnológico dos interiores é superfícies preexistentes.
reforçado com dutos
aparentes e estruturas em Acima à direita: Gymbox
aço com perfil cor-de-rosa. Covent Garden, Londres,
Reino Unido
À esquerda: Gymbox Vários terraços em nível para
Covent Garden, Londres, equipamentos estão
Reino Unido distribuídos no local com o !
As superfícies brilhantes e ringue como centro das
espelhadas dos vestiários atenções.
refletem as preocupações
narcisistas dos clientes.

Ben Kelly Design 217


Clive Wilkinson Architects
A empresa TeamWorks, enquanto a mesa do escritório da
A Clive Wilkinson Architects (CWA) foi criada Mother, em sua sede londrina, é uma
em Los Angeles, em 1991, após o seu gigantesca superfície de concreto, que pode
fundador, Clive Wilkinson, ser contratado e servir como mesa normal ou como passarela
depois demitido por Frank Gehry. Wilkinson para desfiles.
nasceu na África do Sul e estudou na Cidade Nos novos escritórios da Disney Store, em
do Cabo e em Londres antes de ir para os Pasadena, o cliente e o designer estavam em
Estados Unidos trabalhar para Gehry. O seu perfeita sintonia, pois as idéias incomuns de
trabalho com design de interiores não foi design da CWA tinham total aceitação dentro
planejado: "O meu envolvimento com design do antigo imóvel de tijolos, o Edifício Royal
de interiores foi acidental. Eu estava Laundry. Seu enorme interior foi
trabalhando com grandes estruturas para compartimentalizado em espaços distintos
Gehry e tinha outro emprego, que era o de para reuniões e para trabalho por meio de
projetar interiores para a agência de estruturas modulares similares a tijolos.
publicidade ChiatXDay. Quando abri a minha Paredes de blocos de espuma foram utilizadas
empresa, eles foram os primeiros a me dar para criar uma sala de reuniões, e uma
trabalho" (Interior Architecture Now). segunda sala foi feita com estruturas em forma
A CWA já executou interiores para muitas de colmeia. Esses elementos permitiram um
marcas famosas e tem clientes nos mais uso flexível do espaço e também fizeram uma
variados segmentos, como agências de referência aos tijolinhos de montar de criança,
publicidade, bancos, empresas de mídia e e os visitantes do prédio passam por um
televisões, e empresas do setor da cultura. portão de arbustos na forma icônica das
A empresa também aceita desafios e trabalha orelhas do Mickey Mouse. Esse design
com projetos nas áreas mais "tradicionais" divertido é característico do trabalho da CWA
do design de varejo e restaurantes. e, associado ao bom uso dos materiais,
permite que eles transmitam as idéias dos
Conceitos fundamentais clientes.
Grande parte do trabalho da CWA foi com
design de escritórios, como a nova sede da
PallottaTeamWorks (2002), Google (2005),
TBWA\Chiat\Day (1998) e Mother (2004). Todos
esses projetos exigiram a criação de espaços
inovadores e adequados aos trabalhadores,
mas que também transmitissem o etos do
cliente, e a CWA usou idéias muito
inteligentes para criar esses espaços. Produtos Pallotta TeamWorks, Los
Angeles, EUA
prontos, como contêineres, são empilhados Salas particulares para
uns sobre os outros para criar uma área de apenas uma pessoa foram
criadas no local com o uso
escritórios no armazém industrial da Pallotta dos contêineres coloridos.

218 Portfólios
rojeto principal grande alteração na estrutura do prédio para
>ede d a P allo tta T e a m W o rk s , Los A n g e le s , economizar tempo e dinheiro, e as principais
:UA áreas de trabalho foram criadas com soluções
ocalizada em um enorme armazém incógnito, pré-prontas. Foram instaladas tendas para
sse interior foi projetado para atender a sede melhorar a performance térmica criando-se
Ia PallottaTeamWorks, uma produtora de pequenos espaços que receberam
iventos beneficentes. Após o levantamento ar-condicionado individualmente, de forma a
le custos inicial, ficou claro que o budget do reduzir a necessidade do serviço para o prédio
iliente não atendería nem o ar-condicionado inteiro. Os cantos das tendas foram presos a
rara o prédio inteiro, portanto, o projeto contêineres de carga, onde ficam os
leveria ser executado da forma mais escritórios particulares. Alguns enormes
rconômica possível. Para economizar dinheiro, contêineres foram pintados de laranja e
ima solução pré-pronta foi escolhida: os empilhados, outros foram envidraçados em
esigners preferiram não fazer nenhuma suas paredes menores para permitir a entrada
e circulação de ar e luz nos escritórios.
Contêineres azuis foram colocados no térreo
para demarcar os limites da área de trabalho, e
os espaços de convivência, como os cafés,
ficaram nesses locais.
Além de cortar custos, essa abordagem
lo-tech no projeto transmitiu a filosofia do
cliente de promoção da vida sustentável e
reúso inteligente dos recursos existentes no
mundo. As soluções bem pensadas e
adequadas da CWA já trouxeram para ejes
vários prêmios, incluindo o Prêmio AIA, nos
Estados Unidos.

Abaixo: Pallotta TeamWorks, No topo da página, e à


Los Angeles, EUA direita: Pallotta TeamWorks,
Objetos pré-prontos criam Los Angeles, EUA
uma atmosfera dinâmica e A mesa da recepção é um
criativa. mapa-múndi aberto para
mostrar as aspirações globais
da empresa.

220 Portfólios
Projetos importantes Acima: TBWA\Chiat\Day,
Los Angeles, EUA
Sede daTBWA\Chiat\Day, Los Angeles, EUA O interior é expressado como
uma cena de rua com muita
Esse gigantesco armazém industrial passou vida.
por retrofit e foi transformado em um edifício
Abaixo: TBWA\Chiat\Day,
de escritórios para a agência de publicidade Los Angeles, EUA
TBWA\Chiat\Day, um dos primeiros trabalhos O movimento e a circulação
trazem animação para os
da CWA. 0 interior foi desenhado como uma espaços interiores estáticos.

série de pontes concebidas para remover o


usuário da vida cotidiana e fazer com que ele
se sinta em outro mundo, e foi uma das
primeiras empresas a confundir os limites
entre o trabalho e o estilo de vida. 0 interior
consiste em uma série de "eventos" que
acontecem ao redor de uma "rua": há uma
quadra de basquete, um parque central,
outdoors e "bairros" nas áreas de escritórios.
A fachada monótona do armazém esconde um
interior profissional muito animado, com cara
de cidade.

Clive Wilkinson Architects 221


m
m í

40a, "'Ü
Paperfish, Los Angeles, EUA
A CWA propôs um conceito de design total
para esse elegante restaurante de frutos do
mar. Eles desenharam o interior, bem como os
uniformes da equipe, todos os copos e taças,
e até mesmo sugeriram o nome Paperfish.
O interior foi concebido como uma série de
curvas e ondas brancas e puras que evocam
as formas sinuosas dos peixes e da água. Elas
parecem flutuar aleatoriamente no espaço,
mas servem para organizar o funcionamento
interno do local e para ocultar e dar suporte
para as tubulações de ar-condicionado e o
sistema de iluminação, além de também
servirem como divisórias. Essa pureza é
complementada pelos móveis e acessórios
em vermelho vivo e laranja, que saltam aos
olhos dentro do ambiente de cores suaves.

À esquerda: Restaurante À direita: Restaurante


Paperfish, Los Angeles, Paperfish, Los Angeles,
EUA EUA
As ondas sinuosas do teto A superfície contínua do
evocam a água e seu balcão traz unidade para as
movimento. diversas áreas do restaurante.

Acima à direita:
Restaurante Paperfish, Los
Angeles, EUA
A parede estofada em
vermelho é o centro das
atenções do fundo do
restaurante.

Clive Wilkinson Architects 223


Casson Mann
A empresa uma situação única. Eles buscam criar
fA Casson Mann é um escritório muito famoso ambientes que tenham identidade, que
(que está na dianteira do design de interiores expressem sentimentos e que reflitam as
há mais de 25 anos, e é conhecido por criar intenções e aspirações de seus ocupantes,
interiores de bom gosto, com qualidade e O projeto expográfico e o design de
muita sofisticação. Seu trabalho é modesto e instalações, por natureza, são atividades
discreto e, ainda assim, extremamente efêmeras. A constante mudança da essência
pontemporâneo. Seus interiores são únicos e dos espaços e exposições, associada às
^ombinam idéias criativas com tecnologia de expectativas dos visitantes, geralmente leva à
ponta. A empresa foi fundada em 1984, em concepção de interiores que devem capturar a
Londres, como resultado da sociedade entre imaginação e a atenção do visitante.
Dinah Casson e Roger Mann, e é especializada O escritório afirma que "... o design de
jem projeto expográfico e para museus, interiores, na sua melhor forma, é a criação de
^ntretanto, também desenvolvem outros tipos um ambiente ou de uma sequência de
de projetos, como escritórios e residências. ambientes que reflitam, expressem,
identifiquem e tornem reais os sentimentos
Conceitos fundamentais que são normalmente intangíveis. Ele é muito
A Casson Mann vê os interiores como poderoso: pode mudar o humor, a
narrativas, ou seja, espaços a serem ocupados temperatura, as emoções e o comportamento,
te vividos ao longo do tempo, e visualizados Pode ser líquido e responder ao seu contexto,
em movimento, e não de forma estática e em ou pode ser sólido e dominador'.'
A Casson Mann trata todos os projetos da
mesma forma: investigando detalhadamente o
local, o briefing e as necessidades e
expectativas dos usuários. filês entendem
essa análise como "... um processo de exame,
desconstrução, pensamento lateral,
reconstrução, análise cnítipa, mais
desconstrução e assim por diante'.' Isso faz
com que o escritório crie interiores que sejam
distintivos, individualizados e, acima de tudo,
adequados.

Projeto principal
M u s e u C hurchill, C a b in e t W arJRoom s,
L o n d res, R ein o U n ié p
A Casson Mann foi contratada para projetar
uma exposição que iria representar a
totalidade da vida de Sir Winston Churchill, Chur chi
Unid
incluindo sua carreira política, vida pessoal, Um s;en;
sucessos e íracassos^e., claro, o clímax de sua
traze m i
carreira como primeiro-ministro britânico

.
mm

• •. •
CRISP
«1 ll« t»U
TOPoriBCálS

■■ -v.». . k -
TOP OFTHEPOLL

■ d
1
plevada implantada diagonalmente nos documentos que vão desde suas cartas na
ispaços. Algumas dessas plataformas infância até seus discursos e últimos textos.
svitavam as colunas, outras simplesmente as | A mesa traz seu arquivo à vida permitindo que
ibsorviam, parecendo mais inseridas no i os visitantes acessem as informações
«paço. As plataformas são codificadas por i diretamente, enquanto também funciona
^(Dres e iluminadas de diferentes formas, [ como contraponto aos objetos expostos de
somunicando a enorme quantidade de forma mais solta, mais intuitiva, que ficam
^formação sobre cada era da vida de Churchill. f espalhados no local. A mesa fornece uma
No centro do espaço e servindo de | experiência digital sobre uma era analógica, e j
irganizador da exposição está a Linha da Vida, Ê traz aos visitantes o diário de Churchill, pastas
B na mesa interativa de 15 metros de
^^^^^re > m p rim e n to . Ela contém os Churchill Papers,
tAque foram comprados pelo Estado em 1995, À esquerda: Museu À direita: Museu Churchill,
Churchill, Londres, Reino Londres, Reino Unido
íliu m acervo estimado em um milhão de
Unido Superfícies com
A Linha da Vida é expressa revestimentos ficam lado a
; como um diagrama lado com simples telas de
| estratégico. texto.

16 Portfólios
de notícias e eventos por meio da mesa
interativa sensível ao toque. Treze
computadores em rede hospedam milhares de
páginas de informação, documentos,
animações e imagens.

Projetos importantes
Stanislavski Museolobby, Moscou, Rússia
O Museolobby é um lobby com características
singulares dedicado à memória de Konstantin
Stanislavski, criador do chamado "Método de
Atuação'.'Também é a entrada dos novos
escritórios da incorporadora Horus Capital,
também projetados pela Casson Mann. Esse
espaço realmente único combina a recepção,
os escritórios e um media center com
informações sobre Stanislavski. 0 espaço é
clean e seco, tudo é aparente e expressado
com clareza e paixão, exatamente como
agradaria a Stanislavski. O espaço tem
pé-direito duplo e os vãos livres são visíveis
por meio de painéis translúcidos. As colunas
de aço são muito grandes e quase cômicas,
obviamente estruturais. A mesa da recepção é
uma caixa de luz com uma mesa decorada
impressa em negativo sobre ela, simbolizando
a natureza da tarefa. O interior é uma resposta
adequada à natureza e à função do usuário e
do homem ao qual o ambiente é dedicado.

Stanislavski Museolobby,
Moscou, Rússia
A área da recepção é
compartilhada entre o museu
Stanislavski e os escritórios.
Deve parecer ao mesmo
tempo profissional e criativa.

Casson Mann 227


Exposição Camouflage, Museu da Guerra Nova York, um local por onde as pessoas
Imperial, Londres, Reino Unido normalmente passam correndo. A Casson
No enorme interior do Museu da Guerra Mann criou um discurso surpreendente que
Imperial, a Casson Mann projetou uma tinha como objetivo parar as pessoas em seu
exposição temporária que demonstrava as caminho. A instalação ganhou a forma de uma
conexões entre os mundos da arte e militar no longa mesa de 50 metros situada em um dos
desenvolvimento de camuflagem. A exposição movimentados lobbies da estação. Sobre essa
considerava a importância da camuflagem para enorme superfície estava um banquete de
os militares e também mostrava como ela produtos e artefatos iluminados por baixo.
influenciava a arte e a moda. A exposição foi Algumas cadeiras ficavam livremente
concebida em torno do conceito básico de que . dispostas ao redor da mesa para convidar à
a camuflagem está relacionada ao disfarce. Os interação os passantes apressados.
designers projetaram a exposição como uma
paisagem abstrata que se dobrava e Escritórios da Horus Capital, Moscou,
atravessava as paredes do espaço existente. Rússia
Ironicamente, isso criou uma paisagem de Os designers mais uma vez utilizaram uma
espaços expositivos que permitiam que o que abordagem criativa para projetar a sede da
estivesse normalmente escondido fosse visto, Horus Capital em Moscou. O briefing era criar
que fossem criadas conexões normalmente uma nova cultura de trabalho em plantas livres
não disponíveis e que o espaço inteiro dentro da empresa. A ideia da transparência foi
estivesse conectado de uma forma levada a sério muito literalmente pelos
radicalmente diferente. A coleção heterogênea designers, e eles colocaram os gestores em
de objetos, desde miniaturas de navios usando escritórios envidraçados localizados no centro
camuflagem dazzle, inspirada nos cubistas, até do andar de escritórios.
peças de moda exclusivas, foi então exposta O interior é organizado por uma longa
na paisagem de plataformas e caixas de passarela de madeira, que vai do escritório do
display. presidente até a sala do conselho, onde ela se
torna a mesa de reuniões. Elementos e
Great Expectations, Grand Central Station, objetos são conectados a ela ao longo de sua
Nova York, EUA trajetória dentro do interior. Além disso, essa
O projeto expográfico permite que o designer longa superfície de madeira cria uma conexão
seja expressivo e criativo, e o limite de tempo direta entre esse pavimento e o pavimento
do interior pode estimular a ludicidade e os inferior, que abriga o Museolobby, um projeto
riscos. A exposição Great Expectations foi também assinado por Casson Mann (veja a
instalada com o objetivo de promover os página 227). A área da recepção do escritório
melhores produtos e serviços britânicos. tem uma mesa interativa que responde à
Sua locação era a Grand Central Station de chegada dos visitantes.

228 Portfólios
MT fMjPPRi

Acima à esquerda: Abaixo à esquerda: Acima à direita: Escritórios Abaixo à direita: Escritórios
Escritórios da Horus Escritórios da Horus da Horus Capital, Moscou, da Horus Capital, Moscou,
Capital, Moscou, Rússia Capital, Moscou, Rússia Rússia Rússia
O vidro jateado dá As áreas de circulação O ritmo das janelas dá o O espaço existente era
privacidade para as salas de recebem uma iluminação ímpeto para a organização suficientemente grande para
reuniões internas. enigmática para evocar a dos espaços de trabalho. conter uma intervenção com
sensação da luz da lua. dois pavimentos.

Casson Mann 229


Lazzarini Pickering Architetti
A empresa reinterpretação em uma forma contemporânea
A Lazzarini Pickering Architetti foi criada em para o terceiro milênio'.'
1982, em Roma, na Itália, e ganhou fama Embora o contexto seja muito importante
internacional por seu design continuamente para o escritório, seu trabalho está
inovador. Seus trabalhos são altamente fortemente enraizado na tradição modernista
originais e conceituais e englobam várias áreas dos espaços rigorosamente bem organizados
do design de interiores, design de varejo e de e funcionais. Seu trabalho parte desses
restaurantes, arquitetura de interiores e princípios e os combina com elementos
arquitetura pura. Como muitos outros muito bem pensados e elegantes, tais como
escritórios de design, o estúdio é móveis, materiais e iluminação, para criar
multidisciplinar e envolve outras disciplinas do . espaços puros e racionais com escala
design, como design de produto e design humana e com uma atmosfera íntima. Seu
gráfico. O escritório é liderado pelo designer trabalho vai desde projetos de interiores
italiano Cláudio Lazzarini e por Carl Pickering, tradicionais, como residências e lojas, até
que veio de Sidney, na Austrália. contratos mais incomuns, como interiores de
iates de luxo. Todos os projetos são
Conceitos fundamentais caracterizados pelo design cuidadosamente
A Lazzarini Pickering Architetti decidiu criar seu pensado e pelo uso adequado de móveis,
escritório em Roma, longe do centro italiano iluminação e materiais.
do design de Milão, de forma a permitir que
mantivessem uma distância contemplativa e Principal projeto
reflexiva daquele mundo estressante. Isso Showroom da Fendi, Paris, França
também permitiu que se focassem no A Lazzarini Pickering foi contratada para criar o
contexto e no ambiente sem estarem conceito e o espaço de uma marca do
excessivamente preocupados com a moda ou mercado de luxo, a Fendi, um varejista muito
com as tendências do momento. O chique de roupas, sapatos e bolsas. Eles
contextualismo, que é a essência do trabalho desenharam um padrão básico de idéias para a
da Lazzarini Pickering, é uma abordagem cada marca, que então poderia ser replicado para
vez mais adotada pelos escritórios de design outras lojas no mundo todo e adaptado de
da atualidade. A análise do local e do entorno, acordo com as singularidades de cada local.
e então a análise da situação, influenciam o Os designers desenvolveram uma série de
design do novo interior. A Lazzarini Pickering móveis, cada um com uma geometria
Architetti descreve sua abordagem assim: particular, diferenciados pela utilização de
"Nós acreditamos que nossos projetos devem materiais: madeira escura, ferro com
ser influenciados pelo genius loci, ou o acabamento em cera, espelhos prismáticos e
'espírito do local', das diversas cidades e tampos de vidro. Esses móveis foram
regiões onde construímos, pelas tradições desenhados como resposta à filosofia e ao
arquitetônicas e de decoração do local. Isso logo da marca da empresa (duas letras F
não significa uma cópia deslavada, mas a entrelaçadas). Essas peças deveriam

230 Portfólios
f 3
É
fc'AV\\
“ A

personificar a marca e funcionar como um Showroom da Fendi, Paris,


França
cenário adequado para os produtos. De acordo As estruturas com forma de
caixa de aço não só fornecem
com as palavras dos designers, "a ideia não espaços de exposição mas
era encher os espaços com móveis de loja também convidam o visitante
à parte mais escura da loja,
como na maioria das butiques, mas criar um ao fundo.
ábaco de estruturas com escala arquitetônica
que também poderíam ser utilizadas como
display, um painel, prateleiras e um sistema de
mesas. Cada butique tem uma configuração

Lazzarini Pickering Architetti 231


única desses elementos, que depende das
características específicas a cada local','
O showroom de Paris fica em três
pavimentas de um prédio alto da virada do
século XIX-XX e, como muitas outras lojas de
rua com aluguéis caríssimos, o showroom
ocupa apenas parte de um pavimento,
dividindo seu espaço com outras lojas e
apartamentos exclusivos. A Fendi ocupa a
metade do pavimento térreo, enquanto a outra
- metade é ocupada por outra loja e pelo acesso
aos apartamentos nos pisos superiores. Em
função desse contexto, os designers abriram
um vão central através dos pavimentos e
conectaram todos eles com escadarias. Elas
serpenteiam ao longo do vazio e também
servem de plataforma de visualização do
espaço. O vão e a escadaria, então, foram
povoados com diversos displays - o mobiliário
geométrico desenhado para representar a
marca. As caixas com os fundos abertos se
lançam para o vazio e para as escadarias,
habitam o resto da loja de forma a unir os
diferentes espaços do imóvel e praticamente
não tocam as paredes. Os espelhos são
utilizados para exagerar o comprimento do
ambiente e para acentuar a aparência dos
painéis deslizantes e das caixas que expõem
as bolsas tradicionais da Fendi. As roupas,
bolsas e sapatos ficam, assim, expostos no
mobiliário, dobrados dentro das caixas ou
colocados dentro delas.

Acima à esquerda: Abaixo à esquerda:


Showroom da Fendi, Showroom da Fendi, Paris,
Paris, França França
Elementos lineares estimulam A circulação vertical se dá
a movimentação dentro da por meio da intersecção.
loja.
A fachada do imóvel, em especial as
janelas, é alinhada com os displays de forma a
proteger o interior do exterior. A nova
escadaria e os displays foram tratados como
elementos autônomos no espaço. Escondendo
a forma e a estrutura do imóvel, e colocando
novos elementos dentro do espaço, os
designers brincam com as qualidades
autônomas do contexto; ainda assim, eles são
responsivos, pois atendem às particularidades
do imóvel onde estão localizados.

Acima: Showroom da Fendi,


Paris, França
Nichos e aberturas entre os
displays permitem longas
vistas por meio dos volumes
do espaço.

À esquerda: Showroom da
Fendi, Paris, França
A loja tem um senso de
movimento contínuo.

1 EMM
Ba—,

1 jmJ
.

Lazzarini Pickering Architetti 233


fer-"

234 Portfólios
Projetos importantes
Villa, Positano, Itália
A Lazzarini Pickering descreve cada projeto
como "retratos dos clientes que são
específicos de cada local" Isso é
especialmente verdadeiro na reforma de uma
residência do século XVIII localizada na
fabulosa Costa Amalfitana, na Itália. O interior
do imóvel foi aberto para criar ambientes
confortáveis de estar e jantar. A integridade do
imóvel original foi mantida pela preservação de
detalhes arquitetônicos, como as colunas e os
arcos, mas, em termos de espaço, o imóvel
agora é muito mais moderno. Diversas
paredes foram removidas de forma a eliminar
Página oposta: Villa,
o conceito de cômodos isolados, e os Positano, Itália
A decoração de superfícies
designers criaram uma sequência de acentua as qualidades
ambientes com níveis diversos, nos quais a tridimensionais do espaço.

circulação é livre e fluida. Eles são unidos por Acima e abaixo, à esquerda
e à direita: Villa, Positano,
uma superfície flutuante que desliza dentro do Itália
ambiente e alterna sua função como mesa, Um elemento linear
multifuncional ricamente
revestimento do piso e decoração na parede. decorado cria unidade entre
O novo e o antigo coexistem nesse interior tão os ambientes de estar e de
jantar.
sofisticado.

Lazzarini Pickering Architetti 235


GAS Eatery and Supplies, Melbourne, e, como tal, surpreendente: ele é longo,
Austrália estreito, escuro e preenchido com móveis
Os nomes dos clientes (Giuseppe, Arnaldo e fixos bem agressivos. Os ambientes são
Son) foram usados para criar o nome do pretos e subdivididos livremente entre
restaurante GAS, em Melbourne. A Lazzarini circulação e "salas" de jantar, o que permite
Pickering combinou elementos da trattoria uma série de espaços estáticos para comer
italiana tradicional com uma estética separados das áreas de circulação. Em forte
contemporânea racional. Os designers, criando contraste com a escuridão dos interiores, cada
um fantástico discurso pós-moderno sobre a um dos espaços de jantar é ricamente
função do interior, colocaram uma enorme decorado com ladrilhos sicilianos, e ladrilhos
imagem de um prédio renascentista italiano diversos são utilizados para diferenciar os
por detrás da fachada envidraçada moderna do variados espaços. Isso criou interiores
imóvel. O interior é completamente diferente incomuns e espetaculares.
Página oposta: GAS, Acima: GAS, Melbourne,
Melbourne, Austrália Austrália
Ladrilhos ricamente As qualidades refletivas da
decorados identificam as fachada criam um excelente
áreas distintas dentro do contraste com o interior
restaurante. opulento.

À esquerda: GAS,
Melbourne, Austrália
A fachada de vidro impresso
é o disfarce para o interior
suntuoso.

Lazzarini Pickering Architetti 237


Gensler
A empresa
0 design de interiores é uma disciplina que
pode ser praticada por grandes organizações
com equipes mutidisciplinares, que oferecem
soluções completas de serviços sob medida,
como arquitetura, urbanismo, consultoria e
gerenciamento de projeto. Embora tenha suas
origens nos Estados Unidos, a Gensler hoje
tem escritórios no mundo todo e emprega
mais de 2 mil designers profissionais. Seus
trabalhos incluem todas as escalas de
criatividade, desde o design do rótulo de uma
garrafa de vinho até o urbanismo de um novo
bairro. A empresa foi fundada por Art Gensler,
em 1965, e, embora formado em arquitetura,
ele recebe os créditos de ter elevado o design
de interiores para a categoria profissional.
Gensler é membro do Instituto Americano de
Arquitetos (AIA) e também do Instituto Real de
Arquitetos Britânicos (RIBA).

Conceitos fundamentais
,1 Embora seja difícil caracterizar uma linguagem
de design ou estética específica nos trabalhos
de uma empresa tão global e tão diversa,
todos os projetos da Gensler refletem o
comprometimento com os requisitos e a
cultura do cliente e também com a
sustentabilidade. A Gensler tem cerca de 2 mil
clientes que vão desde pequenas ou grandes
empresas até organizações com ou sem fins
lucrativos.

Bolsa de Valores de
Londres, Londres, Reino
Unido
A escultura do átrio conecta
os diversos pavimentos da
Bolsa de Valores de Londres.
O interior tem um caráter
profissional de alto perfil.

238 Portfólios
Principal projeto Várias das estruturas também podem ser
Bolsa de Valores de Londres, Londres, locadas o ano todo, há um business center,
Reino Unido um auditório com 120 lugares, duas salas de
O imóvel dos anos 1960 da Bolsa de Valores apresentações e dois estúdios de
de Londres na Broad Street era muito transmissões com equipamento de tecnologia
pequeno, compartimentalizado demais e de ponta. Os locais de trabalho foram criados
estimulava um estilo de trabalho restritivo, que para estimular a troca de conhecimento, com
estava comprometendo os negócios da Bolsa. mais de 320 pessoas trabalhando
Sua mudança para os novos escritórios da simultaneamente apenas no terceiro
Paternoster Square permitiu que a Gensler pavimento. Para aumentar ainda mais essa
reformasse o modo como funcionava a Bolsa interação, o centro do típico local de trabalho
de Valores, com 300 anos de tradição, e a foi transformado em uma área elíptica
forma como seus empregados trabalhavam. chamada The Hub, que fornece diversos
A Gensler redesenhou os interiores do
imóvel projetado por Eric Parry de forma a criar
um local de trabalho mais aberto e flexível, que
fosse capaz de refletir as mudanças dos
mercados financeiros globais e reagir mais
rapidamente a elas. Tomando o átrio como
ponto de partida, a Gensler organizou o interior
como um conjunto de "hubs" ou pontos de
contato entre os trabalhadores e seus clientes.
A recepção principal foi projetada para criar
vistas para as transmissões ao vivo dos
estúdios, permitindo que os visitantes utilizem
importantes aspectos do fornecimento de
inteligência de mercado por parte da Bolsa
para a comunidade financeira local e
internacional. Concebido como parte da
fachada pública da Bolsa, o Media Centre inclui
equipamentos multimídia modernos, cabines
de rádio e quatro estúdios de transmissões
utilizados diariamente pelas redes ABC, BBC,
CNBC, CNN e pela Sky News.

Bolsa de Valores de
Londres, Londres, Reino
Unido
Espaços semiprivativos com
aberturas pontuam a
intensidade dos ambientes.

Gensler 239
espaços para reuniões informais. Todas as
salas de reuniões na Bolsa seguem o mesmo
vocabulário de design de alta qualidade e
atenção aos detalhes e são agrupadas em três
áreas distintas: The Avenue (cinco salas de
apresentação), The Forum (duas salas de
apresentação, parte do Media Centre), The
Recess (duas salas que dão apoio para
apresentações e conferências) eThe Base (um
business center criado para dar apoio às salas
de apresentação). Os trabalhadores e seus
clientes também podem aproveitar uma área
de refeições contemporânea chamada The
Foundation.
O novo local de trabalho foi concebido para
ser transparente, aberto e para melhorar o
ambiente profissional, de forma a permitir que
sua equipe trabalhe de forma mais moderna.
O átrio possui oito pavimentos, é chamado de
The Source, e tem uma escultura cinética, feita
pelos artistas colaborativos Greyworld,

À direita no topo da página:


Bolsa de Valores de
Londres, Londres, Reino
Unido
Uma parede envidraçada cria
uma vista para a sala de
mídia.

À direita no centro: Bolsa


de Valores de Londres,
Londres, Reino Unido
O movimento é acentuado
pelas paredes curvas das
salas de reunião.

À direita abaixo: Bolsa de


Valores de Londres,
Londres, Reino Unido
Áreas de reunião informais
ficam espalhadas em todo o
prédio.

240 Portfólios
consistindo de 729 esferas azuis suspensas
que sobem e descem independentemente
para refletir as dinâmicas do mercado.

Projetos importantes
Sede da Burberry, Londres, Reino Unido
A nova sede da Burberry, em Londres, reúne
850 funcionários sob o mesmo teto. O prédio
é organizado ao redor de um átrio que conecta
todos os sete pavimentos do imóvel, o térreo
é aberto para a rua e emoldurado por grandes
janelas envidraçadas que recebem os mais
recentes anúncios das campanhas publicitárias
da empresa. Ao fundo da recepção, há uma
enorme tela que mostra os mais recentes
desfiles da marca.
A Gensler estruturou o interior dos
escritórios para permitir flexibilidade no

No topo da página: A esquerda: Sede da


Sede da Burberry, Londres, Burberry, Londres,
Reino Unido Reino Unido
A qualidade absolutamente Balcões em balanço sobre o
inquestionável dos novos átrio criam locais informais
elementos contrasta para se sentar.
fortemente com as texturas
originais do imóvel. Acima: Sede da Burberry,
Londres, Reino Unido
A área da recepção tem uma
qualidade formal,
extremamente profissional.

Gensler 241
trabalho, bancadas de trabalho longas e clean Sede da Hakuhodo, Tóquio, Japão
permitem que os funcionários escolham onde A Hakuhodo é a segunda maior agência de
sentar, e fileiras de computadores publicidade do Japão e contratou a Gensler
complementam esse local de trabalho para desenvolver uma imagem que fosse
moderno e funcional. A identidade do interior é criativa, ainda que corporativa, dinâmica,
derivada do icônico trench coat da Burberry, e confiável, cooIe também frenética. A
suas cores naturais são utilizadas nos pisos e abordagem da Gensler foi criar uma área
paredes. No último pavimento, a sala do pública dramática no meio do escritório, onde
diretor criativo é ladeada pelo estúdio de ficam a recepção, o piso executivo, um café, a
design e pelas mesas de corte; é ali que as biblioteca e uma universidade. A inspiração
novas idéias são testadas e desenvolvidas. A - veio do conceito de " Ugoku, Deau, Tsukuru"
sala do diretor criativo tem vista para o rio ou "Mover, Encontrar, Fazer'.'
Tâmisa e tem duas sacadas que poderão ser Todas essas novas áreas são muito
usadas apenas quando obtiverem a calmantes e unidas por um forte senso visual
autorização do MI5, o órgão britânico de do espaço. Os móveis são propositalmente
inteligência que tem sua sede do outro lado do baixos para permitir que o visitante tenha uma
rio. A abertura dos interiores e as conexões vista distante, além da pressa do escritório.
entre os espaços permitem que as equipes Os designers distribuíram cuidadosamente
mantenham comunicação livre e constante no elementos e objetos projetados para atrair o
prédio, ideia que a Gensler defendeu olhar, sejam eles a recepção ou um display
instalando sistemas de videoconferência de publicitário ou mesmo uma vista para fora do
ponta, bem como redes de telecomunicações, prédio. Os móveis baixos são uma mistura
de forma a permitir que o CEO faça eclética de cores e formas que tornam esses
comunicados para a empresa regularmente. espaços casuais, quase informais.

Sede da Burberry, Londres,


Reino Unido
O showroom rigorosamente
ortogonal cria um ambiente
rigidamente ortogonal para
expor os produtos
sofisticados da Burberry.

242 Portfólios
Escritórios da Edeiman, Londres,
Reino Unido
A Gensler foi chamada para criar os ambientes
de trabalho para o escritório de Londres da
Edeiman, uma das maiores empresas de
relações públicas do mundo, e a solução
deveria incluir uma série de atitudes e
identidades. A Edeiman precisava transmitir
uma abordagem que fosse profissional mas
também criativa, confiável e ligeiramente
excêntrica, para mostrar que eles eram
capazes de pensar de forma dinâmica, ainda
que em completo controle.
O método que a Gensler adotou foi criar um
ambiente altamente flexível, que pode ser
alterado rapidamente para refletir as mudanças
das necessidades do negócio. Desde a
recepção com o concierge, a galeria, o bar
bistrô, a área de encontro e a biblioteca até as
áreas de planta livre, muito poucas coisas nos
ambientes são permanentes e praticamente
tudo pode ser movido. Os móveis e os
acessórios são coloridos e contemporâneos,
com altíssima qualidade e extremamente

Acima: Escritórios da À esquerda: Escritórios


Edeiman, Londres, da Edeiman, Londres,
Reino Unido Reino Unido
Divisórias coloridas criam A iluminação artificial é
uma atmosfera leve e filtrada através dos lustres
divertida no escritório. pendentes e cria pontos
focais nas mesas de reuniões.

duráveis. Por tudo isso, a reorganização é um


processo simples de apenas mover os móveis
de lugar. O grande imóvel, com 7.620 metros
quadrados, é um ambiente de trabalho
dinâmico e envolvente.

Gensler 243
Land Design Studio
A empresa
Com sede em Londres, o Land Design Studio
foi criado em 1992 por Peter Higgins. Seu
trabalho é predominantemente dedicado ao
projeto expográfico e ao design de interiores
que representam as necessidades dos clientes
por meio de sofisticadas tecnologias de
comunicações utilizadas lado a lado com
soluções pragmáticas de design. Peter Higgins
é professor de design narrativo e de
experiência na Faculdade Central de Artes e
Design Saint Martins, em Londres.

Conceitos fundamentais mesmo assuntos que impactam no


Pensamento rápido, bom humor e diversão financiamento do negócio e nas estratégias de
envolvente caracterizam muitos dos projetos marketing."
do Studio, mas a interpretação dos materiais O Land Design Studio faz parcerias
para as exposições e para o projeto é sempre colaborativas poderosas com profissionais de
executada de forma rigorosa e racional. disciplinas relacionadas, como pesquisadores,
A intersecção com outras disciplinas, como escritores, desenvolvedores de mídia,
artes gráficas e multimeios, está sempre designers gráficos, artistas, planejadores,
presente em seus projetos, que mostram sua consultores de acessibilidade e uma nova leva
fascinação pelas novas tecnologias e pela de designers de som e de iluminação, que são
vontade de transmitir idéias e mensagens. contratados para dar apoio técnico e criativo
A narrativa e o movimento são parte especializado. Isso permite que o escritório
fundamental de todos os projetos e monte um time especializado e talentoso para
frequentemente o ponto de partida do cada projeto, que seja absolutamente
processo de design. "Nós descobrimos no adequado para resolver o problema de design,
início que o nosso objetivo básico é estender e em vez de apenas escolher quem está com
articular as informações primárias contidas no menos trabalho no escritório.
próprio briefing do cliente, que foi preparado O Studio trabalha com o que há de mais
por vários representantes, como curadores, moderno para inovação no design e para
pesquisadores, departamentos de criação, além de ser conhecido por sua
intepretação, especialistas em educação e até confiabilidade e sua originalidade, duas
mesmo gerentes de brand. A resposta pelo qualidades fundamentais para a empresa.
design conceituai inicial fornece propostas
preliminares para a sequência narrativa, os
protocolos de mídia e de comunicação,
planejamento operacional e funcional, e até

244 Portfólios
Projeto principal The British Music
Experience, Londres, Reino
The British Music Experience, The 02 Arena, Unido
O projeto expográfico
Londres, Reino Unido apresenta diversas idéias
0 Land Design Studio foi um dos primeiros diferentes com formas de
divulgar a música popular.
colaboradores a ser recomendado para
desenvolver esse projeto expográfico,
portanto, seu envolvimento com o projeto foi
muito maior do que o normal para esse tipo de
trabalho, executando uma parte fundamental
da pesquisa na criação do projeto. A empresa
estava envolvida com a equipe de
desenvolvimento, grandes experts da música
escolhidos no mercado fonográfico e com os
jornalistas da área.

Land Design Studio 245


ís l

i
\\ -- ^

0 local era irregular e difícil de ser objetos de coleção. Essa coleção interativa
trabalhado, portanto, a primeira decisão do até ensinava os mais empolgados a dançar.
projeto foi criar um espaço central circular com Os designers explicam: "O nosso ponto de
estações perimetrais. Cada uma representava partida para estabelecer o princípio
um período definido da história musical e tinha organizacional foi com base no conceito de
um tratamento gráfico completamente que os tipos variados de visitantes que eram
diferente, o que ajudou a criar diferentes esperados deveriam se refletir no mecanismo
ambientes para dar suporte às diferentes de fluxo absolutamente livre, com numerosos
músicas. O uso de interatividade digital foi níveis de informação. Nós queremos estimular
intenso: as instalações permitiam ao visitante a descoberta individual em vez de criar um
investigar a geografia da música, descobrir passeio didático prescritivo'.'
aspectos de sua transmissão e ouvi-la em

246 Portfólios
*»*«»•*
Acima à esquerda: The Acima, e à direita: The
British Music Experience, British Music Experience,
Londres, Reino Unido Londres, Reino Unido
Todos os visitantes ganham Os visitantes podem
fones de ouvido para que participar da exposição por
sintam que sua jornada é meio de dispositivos
individual diante da interativos.
complexidade do museu.

À esquerda: The British


Music Experience, Londres,
Reino Unido
A exposição consiste de uma
série de murais que
descrevem as diferentes
fases da música popular.

Land Design Studio 247


Projetos importantes
The Golden Age o f Couture: Paris and
London, 1947-1957, Museu V&A, Londres,
Reino Unido
O lançamento da linha de roupas New Look de
Christian Dior, em 1947, marcou o início de
uma década memorável na indústria da moda
a que Dior chavama de "anos dourados'.' Nessa
exposição, na qual a maioria dos objetos
pertenciam ao acervo do próprio Museu
Victoria & Albert, o design cenográfico do Land . enorme instalação-exposição com trilha sonora
Studio apresentou uma das mais glamorosas de Mantovani, que criava o cenário grandioso
décadas da moda até hoje. para os 35 vestidos de festa, incluindo aqueles
Começando pelo impacto do New Look de que foram usados pela rainha, por Margot
Dior, o Land projetou uma exposição que Fonteyn e Audrey Hepburn. Esse display era
explorava o processo de fabricação em uma estático e ganhava vida com uma projeção
cena de rua cinematográfica com displays abstrata em slow motion, que havia sido feita
envidraçados. Eles ficavam em frente ao no interior do salão de bailes de Osterley
panorama de uma cidade em constante House.
mudança. "Era como se os ateliês famosos A exposição foi concebida como uma
tivessem sido desconstruídos e distribuídos narrativa que explora a alta-costura desde os
para criar uma cena urbana com um ciclorama seus primórdios até o final dos anos 1950,
projetado em constante mudança',' explicam quando as principais casas de moda haviam se
os designers. A penúltima galeria exibia uma tornado marcas globais.

Acima: The Golden Age of


Couture, Museu V&A,
-Londres, Reino Unido
Um clima histórico foi criado
na galeria para complementar
a era das roupas.

À esquerda, e à esquerda
no centro: The Golden Age
of Couture, Museu V&A,
Londres, Reino Unido
A trilha sonora de Mantovani
complementava a exposição
dos vestidos de baile. A linha
do tempo da moda era
exibida de forma clara e
concisa.

248 Portfólios
Playzone, Domo do Milênio, Londres, Reino A circulação, ou o movimento físico, era o
Unido fundamento da experiência: tudo deveria ser
A Playzone era uma das 14 zonas dentro do apreciado em movimento dentro do pavilhão.
Domo do Milênio, o controverso projeto que A entrada era elevada, de forma que o
foi construído em Londres para celebrar a visitante poderia ter uma ideia completa da
chegada do ano 2000. O conteúdo do Domo instalação já na chegada, então ele era
era dividido em áreas temáticas: "Quem conduzido ao longo de diversas instalações
somos" "O que fazemos" e "Onde vivemos'.' projetadas até uma área de mecanismos
Uma equipe de arquitetos e designers digitais interativos. O processo era
conceituados foi montada para projetar cada propositalmente difícil de se realizar, e o
seção, e o Land Design Studio foi convocado visitante deveria fazer um esforço para se
para criar a área chamada Playzone. Ela ficava envolver e não apenas perambular pelo local
dentro da seção "O que fazemos',' ao lado de sem foco. "Como em todos os nossos
"Trabalhar',' "Descansar" "Conversar" trabalhos, o planejamento do exercício é
"Dinheiro" "Trajeto' e "Aprender'.' O objetivo fundamental para responder ao movimento
era desenvolver uma experiência interativa das pessoas, ao tempo de abrigo e à
para envolver e entreter um público variado. sequência, e nós descobrimos por observação
O público visitante diário esperado era de que, ao contrário da regra máxima do design
30 mil pessoas, então o pavilhão deveria de interiores, frequentemente nós não criamos
conseguir absorver grandes grupos de forma espaços para o relaxamento e para o conforto
significativa e agradável, além de fazer com hedonista."
que fossem embora com um sentimento
positivo memorável e duradouro. O Land
Playzone, Domo do Milênio,
Design Studio criou um pavilhão independente Londres, Reino Unido
Os displays interativos têm
por onde os visitantes poderiam entrar.
uma qualidade divertida e
exuberante.

Land Design Studio 249


Bibliografia comentada
Livros
BROO KER, G ra e m e ; STONE, Sally. B a s ic s In te rio r A rc h ite c tu re : FAJARDO, Julio. W ow! C o n v e rte d Spaces. P a ge One, 2008.
F orm a n d S tru ctu re . AVA P u blishing , 2007. Uma série de ótimos estudos de caso de espaços interiores no
______. B a s ic s In te rio r A rc h ite c tu re : C o n te x t a n d E n vironm ent. mundo todo.
AVA P u b lish in g , 2008.
______, B a s ic s In te rio r A rc h ite c tu re : E le m e n ts a n d O bjects. AVA GREGOTTI, Vittorio. In s id e A rc h ite c tu re . The M IT Press, 1996.
P u b lish in g , 200 9. Uma análise concisa e cheia de idéias sobre o papel do
Esses três livros são parte de uma série de cinco volumes modernismo no final do século XX.
examinando o processo de arquitetura e design de interiores.
HARVEY, D a vid. The C o n d itio n o f P o s tm o d e rn ity : an E n q u iry in to
______ ; _____ . R e re a d in g s: In te rio r A rc h ite c tu re a n d the th e O rig in s o f C u ltu ra l C hange. B la c k w e ll, 1990.
P rin c ip ie s o f R e m o d e llin g E x is tin g B u ild in g s . R IB A E n te rp ris e s , Um tratado abrangente e de muito agradável leitura sobre o
200 4. desenvolvimento da condição da pós-modernidade e como ela
Uma exploração e análise do processo de reforma dos imóveis afetou não apenas o mundo em geral mas também o design e a
preexistentes e uma discussão teórica acerca da natureza dos arquitetura.
interiores utilizando estudos de caso do mundo todo.
H U D S O N , Jennifer. In te rio r A rc h ite c tu re Now. Lau re n c e King,
______; _____ . C oates, M ichae l. The V isual D ic tio n a ry o f In te rio r 2007.
A rc h ite c tu re a n d D e sign. AVA P u b lis h in g , 2008. Uma seleção muito útil e colorida de designers de interiores do
Uma visão geral da terminologia e da linguagem da disciplina de mundo todo.
design e de arquitetura de interiores.
INTE R IO R S F O R U M SCOTLAND. T hin kin g In s id e th e B o x :
CATACUZINO , S herb an. R e -A rc h ite c tu re : O ld B u ild in g s /N e w a R e a d e r in In te rio r D e s ig n f o r the 21 s t Century. M id d le s e x
Uses. Tham es & H u dson, 1989. U n iv e rs ity Press, 2007.
Uma análise da reutilização de imóveis preexistentes utilizando Uma coleção de artigos e trabalhos acadêmicos do mundo todo
estudos de caso do mundo todo. sobre as mais recentes idéias e assuntos no design e na arquitetura
de interiores.
CO LO M INA, B e atriz. P riva cy a n d P u b lic ity : M o d e rn A rc h ite c tu re
as M a ss M edia . M IT Press, 1996. KURTICH, John & EA K IN , G arret. In te rio r A rc h ite c tu re . Van
A representação do espaço, especialmente por meio da fotografia, N o s tra n d R e in h o ld C om pany, 1993.
sempre foi um assunto interessante. A autora explora as obras de Uma visão seminal das idéias e dos acontecimentos no design dos
Le Corbusier e de Adolf Loos por meio de suas atitudes e espaços interiores históricos e contemporâneos.
respostas à representação de sua obra.
LITTLE FIE LD , D a v id & LEWIS, S a skia. A rc h ite c tu ra l Voices:
CRAM ER, J o h a n n e s; B R EITLIN G , S tefan. A rc h ite c tu re in L is te n in g to O ld B u ild in g s . John W iley & Sons, 2007.
E x is tin g F a b ric : P la n n in g , D e sig n a n d B u ild in g . B irkh ã u se r, Um estudo poético sobre como os traços históricos podem
2007. influenciar a forma na qual um prédio é convertido.
Um estudo ambicioso do processo de transformação dos imóveis
antigos. M ALN AR , Joy M o n ic e & VODVARKA, F rank. The In te rio r
D im e n s io n : a T h e o re tic a l A p p ro a c h to E n c lo s e d Space. John
CURTIS, W illiam J. R. M o d e rn A rc h ite c tu re sin c e 1900. Phaidon, W iley a n d Sons, 1992.
1982. Uma extensa análise da abordagem teórica do design dos espaços
Uma análise muito completa e bem escrita sobre os principais interiores.
movimentos arquitetônicos do século XX.
MAROT, S e bastien. S u b -U rb a n is m a n d the A r t o f M em ory.
DA L CO, F ra n ce sco ; M AZZA R IO L, G iu s e p p e ; SC ARPA, Cario. A rc h ite c tu ra l A s s o c ia tio n P u b lic a tio n s , 2003.
C a rio S c a rp a : The C o m p le te W orks. E lecta, 1984. Uma análise da abordagem contextual que pode ser utilizada pelo
As obras completas do grande designer italiano, conhecido pela designer.
reutilização delicada e cuidadosa que faz dos imóveis preexistentes.
MASSEY, Anne. In te rio r D e s ig n o f the 2 0 th Century. Tham es &
D ILLER, E liz a b e th & SC OFID IO , R icardo. F lesh: A rc h ite c tu ra l H u dson, 1990.
Probes. P rin ce to n A rc h ite c tu ra l Press, 1994. Ainda hoje, a melhor e mais relevante descrição da história recente
A obra dos designers radicados em Nova York é utilizada para e da profissão de designer de interiores.
ilustrar as preocupações e os interesses do design contemporâneo.
PILE, John. A H is to ry o f In te rio r D e sign. La u re n c e K ing, 2000.
EVANS, R obin. T ranslations fro m D ra w in g s to B u ild in g a n d Organiza as várias idéias e formas na história do design.
O th e r Essays. A A P u b lica tio n s, 1992.
Os textos do historiador Robin Evans trataram de uma grande PLUNKETT, Drew . D ra w in g fo r In te rio r D e sign. Lau re n c e King,
variedade de assuntos, como o envolvimento da sociedade nos 2009.
tipos de imóveis, relações espaciais interiores e modos de Um recurso prático e útil para estudantes que inclui todos os
projeção. aspectos do projeto de espaços interiores.

250 Bibliografia
Periódicos
POW ELL, K enneth. A rc h ite c tu re R e born: C o n v e rtin g O ld A b ita re
B u ild in g s fo r N e w Uses. Rizzoli, 1999. http://www.abitare.it
Organizado dentro das várias funções do design de interiores, esse
livro mostra diversos estudos de caso sobre a reutilização de B lu e p rin t
imóveis preexistentes. http://www.blueprintmagazine.co.uk

PRAZ, M a rio . A n lllu s tra te d H is to ry o f In te rio r D e c o ra tio n : From Dom us


P o m p e ii to A r t Nouveau. Tham es & H u dson, 1982. http://www.domusweb.it
Uma completíssima jornada através da história da disciplina. A
introdução é brilhante e levou 18 anos para ser escrita, de forma Fram e
que não foi inclusa na primeira edição, de 1964. http://www.framemag.com

R ISSELADA, M a x (ed.). R a u m p la n Versus P lan L ib re : A d o lf Loos Ic o n M a g a z in e


a n d Le C o rbu sier. U itg everij, 1991. http://www.iconeye.com
O catálogo de uma exposição, este livro examina as duas diferentes
estratégias de planejamento do espaço de Le Corbusier e Adolf In te rio r D e s ig n M a g a z in e
Loos. http://www.interiordesign.net

ROBERT, P h ilip p e . A d a p ta tio n s : N e w U ses fo r O ld B u ild in g s .


P rin ce to n A rc h ite c tu ra l Press, 1991. Sites e blogues
Este livro apresenta uma série de estudos de caso muito bem
escritos utilizando exemplos raros e incomuns da reutilização de h ttp ://w w w . id e c .o rg
imóveis antigos no mundo todo. O site do conselho dos Educadores Americanos de Design de
Interiores (American Interior Design Educators Councif).
SC HITTICH , C h ristia n (ed.). B u ild in g in E x is tin g F a b ric :
R e fu rb ish m e n t, E xte n sio n s, N e w D e sign. B irkh ã u se r, 2003. h ttp ://w w w . ec ia .n e t
Uma série de estudos de caso que ilustram diferentes abordagens O site do Conselho Europeu de Arquitetos de Interiores (European
para uma reforma. C ouncil of Interior Architects) oferece diversos recursos para
profissionais, estudos de caso, livros e contatos de membros.
______. In D e ta il—In te rio r Sp a ce s : Space, Light, M a te ria ls .
B irkh ã u se r, 2002. h ttp ://w w w . id e a -e d u . com
Uma série abrangente de estudos de caso contemporâneos muito O site da Associação dos Educadores de Design de Interiores/
bem analisados e pensados. Arquitetura de Interiores (Interior Design/Interior Architecture
Educators Association) na Austrália e na Nova Zelândia.
SCOTT, Fred. On A lte rin g A rch ite c tu re . R o utledge, 2008.
Uma ótima seleção de artigos discutindo a reforma do preexistente. h ttp ://w w w . in te rio re d u c a tors. co. uk
Os assuntos vão desde o design de interiores até a arquitetura e A página da IE, a associação de educadores de interiores
pintura. radicados no Reino Unido, que representa os programas de
arquitetura e design de interiores.
SLOTKIS, S u san J. F o u n d a tio n s o f In te rio r D e sign. Lau ren ce
K ing, 2006. h ttp ://w w w .in te rio rs fo ru m s c o tla n d .c o m
Um olhar abrangente para todos os aspectos do design de O site da Associação Escocesa de Educadores de Interiores
interiores, desde como fazer um contrato até os estudos de caso. (Scottish Association o f Interior Educators).

SPAN KIE, Ro. B a sics In te rio r A rc h ite c tu re : D ra w in g O u t the h ttp ://w w w .m s a .m m u .a c .u k


Interior. AVA P u b lish in g , 2009. Um blogue que discute diversos aspectos do design e da
Uma série de estudos de caso ilustrados examinando os vários arquitetura. É editado por acadêmicos, designers e arquitetos, e
métodos de representação do espaço interior. explora as conexões entre o design do passado, do presente e do
futuro.
TAYLOR, M a rk & PRESTON, Juliean na. In tim u s : In te rio r D e s ig n
Theory Reader. Jo h n W iiey & Sons, 2 00 6. h ttp ://w w w . th in g s m a g a z in e .n e t
Uma coleção acadêmica de trechos de trabalhos seminais sobre a Uma estranha revista eletrônica que surpreende e informa sobre as
teoria dos interiores. áreas menos conhecidas do design e da estética.

WHARTON, E d ith & C O D M A N Jr., O gden B.T. The D e c o ra tio n o f h ttp ://w w w . d e s ig n a d d ic t. com
H ouses. B a tsfo rd , 1898. Um site que traz uma grande variedade de objetos, livros, artigos e
Provavelmerie. o primeiro v o que tratou do design de interiores informações.
como uma discip ma ndepenoente.
h ttp ://b ld g b lo g . b lo g s p o t. com
Um ótimo blogue que também foi transformado em livro! Cheio de
artigos, imagens e idéias muito irreverentes e obscuras!

Bibliografia 251
Glossário
A c a b a m e n to espaço normalmente é apresentam e indicam a E s tru tu ra
A finalização de um interior é chamado de circulação. Ela posição de paredes, pisos, A estrutura pode ser descrita
chamada de acabamento. Ele descreve os métodos que os tetos e outros elementos como materiais que suportam
pode incluir a aplicação de usuários de um imóvel irão estruturais. as cargas e forças às quais
materiais, detalhes, utilizar para acessar todas as são sujeitas. E um dos
revestimentos, arremates e áreas do seu interior. A D e c o ra ç ã o de in te rio re s elementos fundamentais na
outros itens que sejam circulação pode ser A decoração de interiores é a construção e pode ser feita
necessários para deixar um organizada como rotas arte de decorar ambientes de diversos materiais, como
interior pronto para ser horizontais, com passarelas, internos para dar a eles uma concreto, madeira ou aço.
ocupado e visualmente corredores e pontes, ou identidade e uma atmosfera
aceitável, conforme o projeto. verticais, por meio de específica para o local. “A fo rm a s e g u e a fo rm a ”
escadarias, rampas, Normalmente, inclui Uma expressão que se aplica
A c ú s tic a elevadores e escadas revestimento, ornamentação, especialmente à reforma de
O entendimento e análise do rolantes. móveis, objetos, acessórios e imóveis preexistentes. É uma
som e das qualidades iluminação. abordagem que discute a
auditivas de um espaço. No C oluna natureza do imóvel e seu
design de interiores, as A coluna e a viga formam os D e s ig n de in te rio re s impacto e relação com o novo
propriedades acústicas componentes básicos de um O design de interiores é uma interior.
específicas de um ambiente sistema estrutural. Ela é o prática multidisciplinar que
podem ser controladas por elemento vertical de uma envolve a criação de uma “A fo rm a s e g u e a fu n ç ã o "
meio da aplicação de construção e pode ser feita série de ambientes interiores E uma frase que foi criada no
diferentes materiais que de concreto, aço ou madeira, que articulam em identidade e fim do século XIX e é a
afetam a reverberação do entre outros materiais. atmosfera por meio da afirmação modernista de que
som no espaço. manipulação do volume nos novos imóveis os
C o nceito espacial, da colocação de espaços interiores são
A rq u ite tu ra d e in te rio re s Um conceito é uma ideia objetos e móveis específicos determinados pelas funções
E a reforma dos interiores de abstrata que pode funcionar e do tratamento das que eles irão abrigar.
imóveis preexistentes em como o ponto de partida do superfícies.
grande escala. Além de design de um interior. Ele Função
grandes alterações no imóvel, pode ser uma preocupação E levação O tipo de uso de um espaço,
a arquitetura de interiores pragmática, como atender Uma elevação é uma seja ele um uso novo ou já
também inclui problemas aos requisitos de um projeto, representação (um desenho) existente, é chamado de
complexos relacionados a ou pode ser mais abstrato. bidimensional, geralmente de função e, em situações mais
estrutura, meio ambiente e uma fachada ou parede técnicas, de programa.
outras questões técnicas e de C o nservação exterior de um imóvel. Ela irá
infraestrutura. Também é Conservação é a arte da demonstrar a posição de Ilu m in a ç ã o
chamada de retrofit e pode preservação das estruturas portas, janelas e quaisquer É a manipulação da luz
envolver a mudança da existentes, seja no estado outros detalhes do exterior do natural ou artificial,
função ou programa do como foram encontradas, seja imóvel. consideração fundamental ao
imóvel. retornando-as à sua projetar um interior.
aparência original. E n g e n h e iro
A r t déco O engenheiro civil, mecânico, In te rv e n ç ã o
Um estilo de design que foi C o n te xto ambiental, entre outros, tem É um procedimento que ativa
muito popular na Europa e na No design de interiores, o um conhecimento o significado potencial ou
América do Norte no início contexto consiste das especializado e é consultado reprimido de um local.
dos anos 1900. Sua estética condições do entorno do por arquitetos e designers Funciona verdadeiramente
é caracterizada por linhas imóvel e o próprio imóvel em para desenvolver os projetos quando a resposta
puras e formas geométricas. si. O contexto é a situação ou complementares de um arquitetônica às modificações
o ambiente no qual o interior imóvel ou interior. parte do discurso existente no
Á trio está localizado. Esses fatores imóvel.
Esse termo se refere a um podem estar próximos ou E rg o n o m ia
espaço interior que distantes do interior, e ter ou É o estudo das relações In s e rç ã o
normalmente tem um teto não impactos sobre o novo espaciais e proporções do É a colocação de um objeto
envidraçado que permite a interior. corpo humano. O New Metric dentro de um imóvel, uma
entrada de luz e calor solar Handbook é uma publicação prática que estabelece uma
para um ambiente. C o rte que cataloga essas relações forte relação entre a
Normalmente, fica no centro O designer pode traçar uma e define os “padrões" construção original e o
de um interior e pode ter linha em qualquer ponto da ergonômicos. Os objetos elemento inserido. Ainda
vários pavimentos que se planta de um imóvel para podem ser descritos como assim, permite que o caráter
abrem para ele. visualizar um corte vertical tendo um design ergonômico, de cada um deles exista de
através dos espaços. Os ou seja, projetados para a forma independente e
C ircu la çã o cortes explicam como os melhor relação possível com marcante.
O movimento através de um volumes e os espaços se o corpo humano.

252 Glossário
In s ta la ç ã o isso acaba com a A função permanece a desnecessário ao redor do
É a estratégia da disposição necessidade de paredes mesma e a estrutura mundo.
de uma série ou conjunto de autoportantes, ou seja, que geralmente não é alterada,
elementos que têm relação servem de apoio para a mas a forma como o prédio é Textura a p lic a d a
entre si no contexto de uma estrutura. Também traz usado é atualizada. A identidade visual e a
construção existente. E um liberdade e flexibilidade para Normalmente, atende também atmosfera de um espaço
processo que aumenta a o projeto dos interiores, pois a infraestrutura do imóvel, interior podem ser criadas
consciência sobre um imóvel as paredes internas não são como os sistemas elétrico, com o uso de materiais
existente sem criar efeitos necessárias para suportar o hidráulico, etc. específicos, também
negativos sobre ele. imóvel, e abre caminho para chamados de revestimentos.
grandes espaços fluídos. R e stau ro Essa superfície final pode ser
L a yo u t Restauro é o processo de alterada pela aplicação de
A organização de um interior P ro c e s s o de d esign retorno das condições de uma nova camada superior,
em um desenho O processo de design é o uma estrutura ao seu estado chamada de textura aplicada.
bidimensional distribuindo os método pelo qual um novo original e, frequentemente, Isso pode ser feito de
espaços, móveis, estruturas e projeto é criado e executado. envolve a utilização de praticamente qualquer coisa,
objetos. Ele geralmente é descrito e materiais e técnicas originais como vidro, metal, tecido,
ensinado como um processo do período em que foi erigido plástico ou madeira.
L e g isla çã o linear, mas também pode ser para garantir que o imóvel ou
O projeto e a construção de uma ação fragmentada que a estrutura pareça como se Viga
imóveis e interiores devem terá diferentes pontos de tivesse sido construído(a) Uma viga é um componente
obedecer uma legislação início e variados resultados. recentemente. básico da estrutura. É um
específica que controla o suporte horizontal
planejamento, acesso e P ro m e n a d e R e tro f it normalmente feito de
questões de saúde e higiene Um dos cinco pontos da Retrofit é o processo de concreto, aço ou madeira,
do imóvel. Também há Nova Arquitetura de Le alteração profunda em um entre outros, e tem pontos de
legislações específicas para Corbusier é o conceito do imóvel. Sua função é a apoio nas suas pontas em
acessibilidade, a fim de movimento contínuo por meio alteração mais óbvia, mas uma coluna ou em outras
garantir que todos os imóveis de uma construção, o passeio também há outras alterações estruturas de alvenaria.
e interiores possam ser arquitetônico, ou promenade que podem ser feitas ao Também pode ser chamada
acessados de forma fácil e architecturale. imóvel, como sua estrutura, de lintel quando está
segura por todas as pessoas. as rotas de circulação e a sua posicionada sobre pequenas
R a u m p la n orientação. Ele pode receber aberturas em uma parede.
P a trim ô n io to m b a d o Criada pelo arquiteto expansões e também pode
Quando um imóvel, um vienense Adolf Loos, a ter partes demolidas.
interior, um monumento ou Raumplan, ou planta de
até mesmo uma ponte são espaço, é mais bem S e quência
considerados importantes entendida em seus projetos É um termo que descreve a
para a história, ou quando para as casas Müller e Moller, ordem dos ambientes que o
têm um significado cultural em Praga e Viena. As casas designer pretende que o
importante, devem ser consistem de uma série de visitante siga em sua
protegidos de demolição ou espaços compactos, promenade através do imóvel.
descaracterização (alteração fechados e intimamente
da sua aparência original), e conectados, e a circulação S u s te n ta b ilid a d e
entram para a lista do entre eles era organizada de No segmento do design, a
patrimônio histórico. No caso forma tridimensional. sustentabilidade está
de um imóvel, essa proteção relacionada ao uso racional
pode se referir à sua fachada, R e a d y-m a d e dos recursos naturais na
apenas, pode incluir a Arte criada a partir de execução e no uso de um
fachada e seus interiores, ou achados, ou objetos de uso imóvel ou interior. Refere-se
apenas algumas diário, que normalmente não aos materiais que são
caracteristicas. como o seriam considerados arte por utilizados para não exaurir
método construtivo ou si sós. O termo ready-made suas fontes naturais de
detalhes da sua foi inventado pelo artista modo desnecessário ou
ornamentação. Marcei Duchamp, que criou exagerado. A
uma série de objetos de arte, sustentabilidade também
P la n ta liv re como uma roda de bicicleta, está relacionada à compra
Ur- 5 : - :: ; : - : ; um porta-garrafas e um de materiais e aos métodos
Nova Araurteíura ne ILe míctório. construtivos que não
Corbusier. A o a :tê e j— contribuam para a mudança
sistema de i r i erc ziue jdfaa R e form a climática por meio do uso
colunas como accuic E o processo de renovação e exagerado em suas fontes
estrutura. ccnseajenrei-e-iT- atualização de um imóvel. naturais ou pelo transporte

Glossário 253
índice
120BLOndo, 164 Calvin Klein, 52 Emporio Armani, 52 ganho solar, 45, 64
3DStudio Max, 54 Câmara de Comércio de Hamburgo, empresa em Guangdong, 43 GAS Eatery and Supplies, 236
6a architects, 144, 148 92-94 engenheiros, 27 Gensler, 152, 238-243
Canadá, 42 entidades de classe, 18 Gherkin, 142
acessórios, 12, 48 Canova, Antonio, 76 entretenimento, 18 Glasgow, 215
achados, 24, 3 6 -4 1 ,4 8 , 147 Canteen, 190 ergonomia, 49, 62, 70, 100, 142 Golden Age of Couture, 248
adaptação, 28-32, 73 Caráter, 4 1 ,4 6 , 50, 64, 73, 71, esboços, 23, 54, 55, 76 Gordon Square, 78, 80
Adjaye, David, 116 112-113, 135 esboços analíticos, 55 grafite, 50
afiliados, 22 Carta de Atenas, 33-34 esboços conceituais, 55 Graft Lab, 131
Agence Andrée Putman, 194-199 Casson, Hugh, 22 escala, 34, 54, 69, 76, 106 Grand Central Station, 228
Agência Internacional de Energia, 42 Casson Mann, 25, 153, 224-229 escadarias, 48-49, 71, 112 ,1 1 8 , 122 Grandes Projetos, 104
águas cinzas, 44 Catálogos, 46 Escola Central de Artes e Ofícios Graz, 131
águas pluviais, 44 Cenários, 18, 144 (Central School of Arts and Great Expectations, 228
Alemanha, 42, 70, 126, 131,137, 144, Cenografia, 27, 116, 144 Crafts), 21 Guangzhou, 43
199 Centro de Documentação Escola de Arte de Manchester guerrilla store, 110
alunos, 6 Arquitetônica, 120 (Manchester School of Art), 2 guildas, 20
Amostras, 113, 119 Chemetov, Huidobro e Allio, 104 Escola de Arte de Nottingham Gymbox Covent Garden, 216
Amsterdã, 186 cinemas, 78-79 (Nottingham School of Art), 21
Anne Fontaine boutique, 199 circulação, 48, 74, 76, 121, 139 escola de artes, 21 -22
Aparico + Fernàndez-Elorza, 121 Cistercienses, 52 Escola de Dança Siobhan Davies Haçienda, The, 212-214
apartamento Beistegui, 18 Civic Amenities Act, 35 (Siobhan Davies dance school), 77 Herzog & de Meuron, 62, 80
A-Poc, 86 Click 3X LA, 172 Escola de Design de Interiores de Higiene, 131
AppIePly, 126 Clima, 4 2 ,1 1 4 Nova York (New York School of História, 11,14-20, 23-24, 26, 30, 33,
Apresentação, 57-58 Clive Wilkinson Architects, 71, 152, Interior Design), 22 36, 50, 60, 62, 64
aquecimento global, 42 218-237 Escola de Design Parsons (Parsons Holanda, 136, 182, 185-186
ar-condicionado, 45 clientes, 14 School of Design), 22 Hong Kong, 52
ARB, 23 Coates, Nigel, 52 Escritórios, 12, 20, 26, 63, 82, 94, Horus Capital, 227
Arca Architects, 68 Colaboração, 27 98-99, 116, 139, 142 Hotéis, 12, 23
Armazém Richmond, 178 Colagem, 39, 54 Escultura, 40, 49, 76, 86, 90 Hotel Bayerischer Hof Spa, 199
Arqueologia, 34 Colefax, Sibyl, 17 espaço de exposições Cordiere, 140 Hotel OMM, 154-156
Arquitetura, 6, 11, 14, 17, 18, 26 35, Collins, David, 152, 206 espaços de conveniência, 18 House, 40
45, 54, 80, 90, 114-115, Colônia, 137 Espanha, 80, 120, 154-58 Howell, Bill, 72
134-135, 140 Comme des Garçons, 11 0 Estados Unidos da América (EUA), 35, Hungria, 209
arquitetura de interiores, 6, 12, t4 , 17, Commerzbank, 126 163-64, 166, 169, 171-72, 180,
22-23, 28, 54, 77 Comodidade, 10 189, 210, 219, 221 ,2 2 3 , 228 Identidade, 12, 35, 45-46, 49-50, 52,
arquitetura vernacular, 32, 45, 144 Computadores, 23, 57, 80, 1 13 estágio de aprendizado, 21-22 54, 70, 72, 84, 88, 92, 99, 108,
Arribas, Alfredo, 126 Comunicação, 54-59, 84, 142-144, estética, 8, 52, 100, 131 126, 128, 131, 134, 148
Arsenale, 140 148 Estocolmo, 150 Igreja de Saint Paul em Bow, 100, 102
art déco, 17 Concertgebouw, 186-187 Estofadores, 14, 17, 2 1 ,2 6 Igreja Glenlyon, 174-175
artes gráficas, 8, 45 Conhecimento, 60, 63, 78-83, Estratégia, 60, 62, 64-111 Indústria, 8, 18, 26, 52, 62, 70-71, 78,
Asia, 18, 22 104-107 Estrutura, 10, 56, 60, 64, 96. 100, 90
Associação Instituto Asiático Conservação, 10, 26-27, 32-35 115 Inglaterra, 69
Internacional de Design (Asia consumo de energia, 42-43 estruturas sob medida, 46, 48, 150 Ink Bar, 203-204
International Design Institute Constable, John, 67 Europa, 18 Instalações, 6, 9, 26, 32, 90, 93, 110,
Association —Al D IA), 18 Coop Himmelb(l)au, 99 Evans, Robin, 54 116, 131
Atkinson, Robert, 17 Coréia do Sul, 192 Eventos, 18 Instituto Americano de Decoradores
Atmosfera, 12, 4 1 ,4 4 , 46, 49-50, Corian, 86 Exposição Camouflage, 228 de Interiores (American Institute of
53-54, 56, 70, 72, 88, 90. 110, Crate House, 91 Exposições, 12, 18, 26-27, 76, 88, 94, Interior Decorators), 18
112-113, 128, 131, 137, 148 Cuines SantaCaterina, 158 103-4, 126, 135-37, 140, 147 Instituto Britânico de Decoradores
Austrália, 175, 178, 1 8 1 ,2 3 6 Cultura, 29-30, 32, 46, 60, 63, 72-77, (Incorporated Institute o f British
Áustria, 99, 125, 131 100-103, 126, 147 Faculdade Birkbeck (Birkbeck Decorators - IIBD), 18
AutoCAD, 54 Culver City, 169 College), 78 Instituto Britânico de Design de
Curador, 140 Faculdade de Arquitetura de Interiores (British Institute of
Banq, 125 custos, 20, 23 Manchester (Manchester School of Interior Design - BIID), 18
BarTen, 215 Architecture), 103 Instituto de Tecnologia da Moda
Barcelona, 103, 154-156, 158 D.E. Shaw, 71 Faculdade de Design de Rhode Island (Fashion Institute of Technology),
Basis Wien, 124 David Archer Architects, 152, 200-205 (Rhode Island School of Design), 22
Bauhaus, 20-23 David Collins Studio, 206-211 106 interiores autônomos, 62, 88-111,
Behnisch Architekten, 93 Decoração, 6, 10-11, 14, 17, 22-23, Faculdade Real de Arte (Royal College 113, 134-151
Ben Kelly Design, 153, 212-217 66 of Art), 22 interiores responsivos 62, 64, 66-87,
Berlim, 50, 131 decoração de interiores, 6, 10-11, 14, Federação Internacional de Designers 1 11,114-33
Betsky, Aaron, 140 23 e Arquitetos de Interiores interiores de residências, 12 14
Biblioteca das Mulheres, 80 Desenfans, Noèl, 116 (International Federation of Interior Irmãos Bouroullec, 142
Bibliotecas, 63, 71, 78, 80, 106, 147 Desenho, 23, 54-56, 58 Designers/Architects - ifilDA), 18 Irmãos Herter, 17
Bienal de Arquitetura de Veneza, 140 desenhos tridimensionais, 56 Fendi, 230-233 Isolamento, 42, 44, 70
Block, Klaus, 25 design comunitário, 63 Firmeza, 10 Itália. 32, 34, 108, 110, 144, 235
Blue Spa, 199 design de produto, 26-27 Fleet Street, 17
Bolsa de Valores de Londres, 239-240 detalhes, 55, 58, 69, 110,112-13, FNP Architekten, 144 Jamie Fobert Architects, 142
Boston, 125 115, 134 Forma, 34, 45, 49, 54, 56, 60, 112, Janelas, 42, 44, 58, 64, 69, 71, 76
Bourgeois, Francis, 116 dióxido de enxofre, 42 115, 134 Japão, 52, 151, 242
Bournemouth, 203 Domo do Milênio, 249 Formação, 21-22, 24 John Luce Company, 163
Bouroullec, Ronan e Erwan, 86, 150 Dover Street market, 110 formZ, 54 Justaposição, 46, 52, 108, 140
Bourriaud, Nicolas, 39 Draper, Dorothy, 17 Foster + Partners, 50
British Music Experience, 245-246 Droog Design, 108 Foster, Norman, 126 Kelly, Ben, 25
Brown Architects, 152, 160-167 Duchamp, Marcei, 25, 38 França, 197, 199, 230 KMS Design Agency, 70
Budapeste, 209 Frankfurt, 126 Koolhaas, Rem, 84
Burberry, 241-242 Edelma, 243 Fuksa, Doriana e Massimiliano, 52 Kumakura, 151
Edifício Daily Express, 17 Fujimoto, Sou, 151 Kunsthalcafé, 185
Cabinet W ar Rooms, 225-226 Edifícios de Energia Zero, 42 Função, 8, 10, 60, 62, 112, 124, 126 Kvadrat, 116, 150
cadeira Barcelona, 142 educação, 20-24
Café Bongo, 52 elevações, 58, 82 Galeria de Pinturas de Dulwich, 116 Lan, David, 73
CaixaForum, 80 elevadores, 48-49 Galerias, 12, 38, 62-63, 76, 82, 91, land art, 26
Califórnia, 96 Eliden, 192 116, 122, 137 Land Design Studio, 153, 244-249
Callas Café, 209 Emissões, 42 Gamble, James, 128 Layout, 58

254 índice
Lazzarini Pickering Architetti, 152, 230- Museu de História Nacional, em Paris, R-2000, 42 Teatros, 23, 27, 63, 72-74, 82, 100,
237 104 Ranalli, George, 90 116, 144
Le Corbusier, Charles Edouard Museu Gipsoteca Possagno, 76 Reciclagem, 44 Tecelagem, 22
Jeanneret, 17, 18 Museu Groninger, 136 Reforma, 1 1 ,1 8 , 23-24, 29, 30, Tecnologia, 30, 64, 7 1 ,9 0
Le Spa Guerlain, 197-198 Museu Victoria & Albert, 128, 248 32-34, 36, 38, 39, 44, 62, 64, 80, Terry, Emilio, 18
legislação, 6, 144 Museus, 12, 39, 63, 78, 104, 116, 100, 125, 139, 144 Têxteis, 52, 116, 150-51
Lehrer Architects, 96 128, 136 Registros, 32, 106 Textura, 6, 50
Lei de Preservação Histórica Nacional Rei Kawakubo, 110 Tompkins, Haworth, 36-39, 73
(National Historie Preservation Narrativa, 50, 116 Reichstag, 50 Tóquio, 52, 242
Act), 35 Neoclassico, 10, 120 Reino Unido, 18, 22-23, 35, 42, 139, Trabalho, 18, 60, 63, 70-71, 92-99
Leis, 35 New Order, 118 190, 200, 203, 205, 207, Tradição, 115, 134, 142
leis de planejamento, 20 Next Generation House, 151 212-214, 225, 228, 239, 241, Turner, J.M.W., 67
Levitt Bernstein Architects, 100 North Tile, 150 243, 245, 248-249 Turrell, James, 116
Lincoln’s Inn Fields, 66 Nova York, 22, 40, 71, 84, 86, 90, Renascentista, 144
Lindy Roy, 122 122, 189, 195, 210, 228 Representação, 54-59 Universal Design Studio, 152,
Livraria Selexyz Dominicanen, 182-184 República Tcheca, 50 188-193
Livros, 17, 18 0 2 arena, 245 Residência, 60, 62, 66-69, 90-91, 151 Universidade de Massachusetts
loja de roupas masculinas Johan, 131 objetos, 113, 120-123, 140-143 1 Residência de Laetitia e Sebastian, (Massachusetts University), 91
Loja e sede Stella McCartney, 189 objetos “direto da praleteleira” 181 Universidade Politécnica da Catalunha
London NYC, The, 210 (off-the-peg items), 38, 40 Restaurante(s), 12, 82, 86, 94, 125 (Universitat Politécnica de
Londres, 2 1 ,3 6 , 40, 62, 66-67, 71-72, obras públicas, 32 Aaya, 200-202 Catalunya), 103
77-78, 99-100, 110, 116, 142, Office dA, 106, 125-126 Bob Bob Ricard, 207-208
148, 190, 200, 205, 207, 214, Ofícios, 20-21 Isarn, 205
225, 228, 2 4 1 ,2 4 3 , 245, 248-49 Ogden Codman, 17 Restauro, 26, 32-35 Varejo, 12, 18, 23, 26, 60, 62-63,
Loos, Adolf, 17, 18 oki-ni, 148-149 reutilização, 6, 11, 23-25, 27-28, 36, 84-88, 108-111, 122, 135, 141,
Los Angeles, 98, 171, 219, 2 2 1 ,2 2 3 OMA, 84 39, 4 1 ,4 4 -4 5 , 70, 72-73, 78, 106 147-148
LOT-EK 40, 90 Omaha, 163-164 reutilização de imóveis, 6, 11,23-25, Vectorworks, 54
Lotte Department Store, 192 OMI Architects, 139 27-29, 44-45, 70, 72 Veils, 116
Luz, 12, 17, 27, 34, 46, 48-49, 52, 56, orçamento, 28, 71, 106, 144 revestimento (s), 20-23, 49, 50-53, Ventilação, 42, 45, 80
66-68, 7 1 ,7 6 , 78-79, 84, 90, 98, orientação, 44, 64 100, 112-113, 126, 128-133, Vialis Shoes, 157
112-113, 115-119, 125, 133, óxido nitroso, 42 135, 148-151 Vicenza, 144
136-139 Rheinland-Pfalz, 144 Victoria, 175
Lynx Architects, 70 padrões, 12 Riba, 23 Viena, 99, 124
Palladio, Andréa, 144 Roterdã, 185 Viktor & Rolf, 110
Pallotta TeamWorks, 219-220 Rússia, 227-228 Villa, 235
Maastricht, 182 papel de parede, 53 Vistas ortogonais, 58
Machado, Rodolfo, 24 papel do design de interiores, 60, Santa Mônica, 172 Vitoriana, 118
Madri, 80, 120, 157 8-13, 18 Saskatchewan House, 42 Vitra, 122, 142
Malha, 52 Paperfish, 223 Savile Row, 148 Vitrúvio, 10
Manchester, 100, 103, 139, 212 Paredes, 50, 58, 134, 142, 144, 150 Saville, Peter, 116, 118 Volume, 12, 54, 56, 58, 68, 77, 88
Mandarina Duck, 108 Paris, 18, 86, 108, 197, 199, 230, 248 Scamozzi, Vincenzo, 144
Manhattan, 86, 90 Passivhaus, 42 Scarpa, Cario, 34, 76 Wall Works, 116
mão de obra, 29 patrimônio tombado, 32 sede da Hakuhodo, 242 W ebb, Philip, 128
maquete(s), 54, 57-58, 76, 80, 140 Pavilhão chileno, 140 sede da Jigsaw, 171 Wexler, Alex, 91
marcas, 46, 62, 84, 88, 92, 108, 110, Pawson, John, 50, 52, 131 Segunda Guerra Mundial, 18, 50 Wharton, Edith, 17
144, 147 Pearl River Tower, 43 Seti, 67 W hite Cube, 91
materiais, 12, 20, 22-23, 43-44, Pellegrini, Pietro Cario, 32 Seul, 192 Whiteread, Rachel, 39
48-50, 52-53, 55-56, 60, 68-69, Photoshop, 54 Shoreditch, 116 Wigglesworth, Sarah, 77
7 1 ,8 4 , 86, 112, 114-15, 128, Pintura, 21, 22, 26, 54 Silverlake, 96 Wolfe, Elsie de W right & Wright
131, 148 pintura de paisagens, 26 Silvestrin, Cláudio, 50, 131 Architects, 80
mausoléu, 116 piso, 48 Silvetti, Jorge, 32
Mclnnes Usher McKnight Architects plantas, 58 Simon Conder Associates, 68 Xap Corporation, 169-170
(Muma), 128 plástico, 5 20 86, 113 simulado, 54
McQueen, Alexander, 86 Playzone, 249 Sioux City, 166 York and Sawyer, 106
meio ambiente, 12, 23, 45, 49 poluidora, 42 Young Vic, 72-74
sistemas de aquecimento, 42, 44
Melbourne, 178, 1 8 1 ,2 3 6 portfólios, 152-249 sistemas passivos, 44, 115 YouTube, 80
Merkx + Girod, 152, 182-187 pós-graduados, 6, 23 Skidmore Owings Merril LLP, 43
métodos analógicos, 54 Positano, 235 Zumthor, Peter, 137
Soane, John, 66-67, 116
mezanino, 66, 142 pós-produção, 39 Sociedade Americana de Designers de
Mies van der Rohe, 142 Poulson Kjeldseth Advertising, 166 Interiores (American Society of
Milão, 110 Poynter, Edward, 128 Interior Designers - ASID), 18
Minimalista, 50, 131 Prada, 84 Sociedade dos Designers (Chartered
Mitterrand, François, 104 prédios públicos, 12 Society of Designers - CSD), 18
mixagem, 39 Prêmio Turner, 40 SoHo, 84
Miyake, Issey, 86 Preservação, 26, 32-35 Solà-Morales, Ignasi de, 30
Moda, 8, 26, 86, 110 Princípios, 6 St Mary Axe, 142
Modernismo, 39, 134, 141. 178 produto pronto, 38 Stanislavski Museolobby, 227
Moldes, 40 Profissionais, 6, 17, 21 Starck, Philippe, 136
Monastério de Novy Dvur, 5 0 programa de Arquitetura Reciclada Steven Holl Architects, 71
Monumentos, 3 2 -3 3 ’ (Recycled Architecture Unit), 103 Suécia, 150
Morecambe, 69 programa Rhino, 126 Sufragista, 14
Morgans HoteL 195-196 programas de computador, 54, 126 Superfícies, 113, 124-127, 144-147
Morton Duplex, 90 Programas de transformação de Surface Architects, 78, 80
Morris, Wüfcam. 1 28 ambientes na TV, 6, 66 Surrealista, 18
Moscou, 227-228 projeto arquitetônico, 58 Sustentabilidade, 10, 23, 26, 42-45
Mother, 99 proporção, 52 Table, Joyn, 143
Móveis, 12.17, 2 7 . 48 -49 , 54 , 58 , publicidade, 99 Tarruella & López, 153-159
106. - 2 2 - 2: . Pugh + Scarpa, 152, 168-173 Task 13, 42
Multiplicrty. 153. '74-1 EU Putman, Andrée, 152, 194-199 Tate Modern, 62
Munique. 70. 799 Tática, 60, 112-151
Museu C hurchil. 225 quakiade do ar, 42 TBWA/Chiat/Day, 221
Museu da CaSearai ae . x c a . 22 auafcdaòes acústicas, 70-71, 151 Teatro da Bolsa Real, 100
Museu da G uerra r-iperm . 225 ouafcficações. 20, 23 Teatro da Corte Real, 36-39
Museu de A le • o u—ca. 27 Q uarterâo dos Museus, 124 Teatro Olímpico, 144

índice 255
Créditos e agradecimentos
Graeme Brooker gostaria de agradecer: Shelley McNulty e Howard Créditos das imagens
Cooper (equipe MMU ID) por seu apoio; Fredo Viola, Ben Evans,
Sylvain Rebut-Minotti e Jasper Wilkinson por serem quem são; Mido 3: Andi Albert Photographie. 7: Graeme Brooker (GB). 8: Design de
El-Alfy e Finn Salter, por dirigirem com segurança; Claire, por toda a Softroom e Virgin Atlantic Design Team; fotografia de Richard Davies.
sua força. 9 (à esquerda acima e abaixo): GB. À direita © Givenchy. Cortesia
Jamie Fobert Architects. 10: Cortesia Diller Scofidio +Renfro. 13:
Sally Stone gostaria de agradecer: Eamonn Canniffe por seu Killian 0'Sullivan da Light Room Photography. Cortesia Surface
incentivo; Reuben, Ivan e Agnes por sua tolerância; e Dominic por Architects. 14: © Pawel Libera/Corbis. 15: © Ludovic Maisant/
sua perspicácia e assiduidade. Corbis. 16: Albertina, Viena. 19: © Martin Jones/Arcaid/Corbis. 20.
Rachel Vallance. 21. Michaela 0 ’Hare. 22. Jo Matssonn. 25: Cortesia
Graeme e Sally gostariam de agradecer: os estudantes de design de Ben Kelly Design. 26: Paul Tahon e R & E Bouroullec. 27: GB.
interiores de Manchester por seus desenhos; todos os fotógrafos e 29-31: Cortesia Richard Murphy Architects. 33: (no topo) Cortesia
designers que deram sua permissão para que seus trabalhos fossem London Metropolitan Archive (abaixo) David Grandorge. 34: GB. 35:
utilizados; e Jane Roe, por sua enorme paciência durante a produção © Richard Bryant/Arcaid/Corbis. 36: (no topo) Antoni Malinowski;
do livro. (abaixo) Andy Chopping. 37: Fiaworth Tompkins. 38: Andy Chopping.
39: © Richard Lewis/epa/Corbis. 40: Cortesia Pugh + Scarpa. 43: ©
Brecelj Bojan/Corbis Sygma. 44: © Construction Photography/
Corbis. 45: Cortesia Wright & Wright Architects. 46 David Grandorge.
Cortesia 6a architects. 47 (no topo): GB. 47 (abaixo): © Richard
Bryant/ Arcaid/Corbis. 48: Cortesia Ben Kelly Design. 51: Richard
Davies. 52: GB. 53 (no topo à esquerda): Paul Tahon e R & E
Bouroullec. 53 (abaixo): Cortesia Architecture Research Office
(ARÓ). 55 (à esquerda): Samantha Hart (à direita) Alex Johnson. 56
(no topo à esquerda): Cortesia 6a Architects (à esquerda no centro):
Kara Latham (à direita); Cortesia propellor z (abaixo): Irmãos
Bourrellec. 57: Samantha H art 58: Jo Matssonn. 59 (no topo): Dave
Smith (abaixo): Cortesia OMI Architects. 61: GB. 63: GB. 65: © Chris
Gascoigne/View. 66-67: Cortesia Simon Conder Associates. 68: ©
Chris Gascoigne/View. 70: © Victor S. Brigola/Artur/View. 72 (no
topo) and 73 (no topo e no centro): Haworth Tompkins. 72 (abaixo)
and 73 (abaixo): Philip Vile. 74-75: Haworth Tompkins. 76-77: GB.
78-81: Cortesia Wright & Wright Architects. 82-83: Cortesia Greg
Epps. 84-85: Morgane Le Ga.ll. 86-87: Frank Oudeman. 89: ©
Wouter VandenBrink. 91: © Allan Wexler. 92-97: Cortesia Behnisch
Architekten. 98: Cortesia Lehrer Architects. 99: Adrian Wilson.
Fornecidas por C.W.A. 100-102: GB. 103: Sally Stone. 104-105: GB.
106-107: John Horner Photography. 109: © Wouter VandenBrink.
110-111: Andréa Martiradonna. 112: Ben Kelly Design. 114: GB.
117: © Richard Bryant/Arcaid/Corbis. 118-119: Ed Reeves.
Cortesia Kvadrat. 120-121: © Roland Halbe/artur images. 122-123:
GB. 124: Sally Stone. 125-126: John Horner Photography. 127:
Cortesia Alfredo Arribas. 128-129: Alan Williams Photography. 130:
GB. 132-133: Andi Albert Photographie. 135: GB. 136 Cortesia
Philippe Starck. 137. Sally Stone. 138-139: Cortesia OMI Architects.
140-141: GB. 142: © Dennis Gilbert/View. 143: © Vitra Fornecida
por Irmãos Bouroullec. 145: Cortesia FNP Architekten. 146-147:
David Grandorge. 148: David Grandorge. 149: Esboços da 6a
Architects. 149 (abaixo) e 150-151: Paul Tahon e R & E Bouroullec.
155-156: Rafael Vargas. 157: Luis Asin. 158-159: Eugeni Pons.
160-167: Cortesia Randy Brown Architects. 169-170: Benny Chan.
171-173: Marvin Rand. 174-179: EmmaCross. 180-181: Cortesia
Multiplicity. 182-185: Roos Aldershoff. 186-187: Cortesia Merkx +
Girod. 188-189 e 192-193: Cortesia Universal Design Studio.
190-191: Simon Phipps. 194-199: Eric Laignel. 201 -204: Keith
Collie. 205: Joakim Blockstrõm. 206-211: Cortesia David Collins
Studio. 212-217: Cortesia Ben Kelly Design. 218-223: © Fotoworks.
224-229: Cortesia Casson Mann. 230-237: Cortesia Lazzarini
Pickering Architetti. 238-243: Cortesia Gensler. 244-249: Cortesia
Land Design Studio.

256 Créditos
O design de interiores pode ser conservação e uma gama de trabalhos
definido como a arte de planejar sustentabilidade. O designer desenvolvidos por empresas de
e arranjar ambientes segundo de interiores pode projetar design de interiores de todos
padrões de funcionalidade e residências, salas comerciais, os tamanhos e áreas de
estética. Porém, a pergunta que lojas ou espaços em locais atuação, acompanhada de
dá nome à obra, 0 QUE E públicos, usando estratégias e belas fotografias.
DESIGN DE INTERIORES?, táticas próprias da profissão,
é respondida ao longo deste e trabalha com itens relativos Esta é uma publicação do
manual completo sobre a ao mobiliário, à iluminação, aos Senac São Paulo direcionada a
profissão. objetos, às superfícies e aos estudantes e profissionais da
revestimentos, assuntos área de design de interiores,
No primeiro momento, a história amplamente explorados arquitetura, urbanismo,
do design de interiores como neste livro. decoração, vitrinismo, e a todos
campo profissional é abordada os interessados em aprofundar
com teorias intrínsecas à E, para ilustrar toda a teoria, o conhecimento nesse campo
prática e às questões o livro traz “Portfólios" contendo tão multidisciplinar, porém
contemporâneas relativas ao projetos dos designers mais específico, que é o design de
ofício, como restauração, aclamados mundialmente e interiores.

Inclui projetos de
Tarruella & López Clive Wilkinson Architects Droog
Randy Brown Architects Casson Mann Herzog and de Meuron
Pugh + Scarpa Architects Lazzarini Pickering Architetti Behnisch Architekten
Multiplicity Gensler Office dA
Merkx + Girod Land Design Studio Aparicio + Fernández-Elorza
Universal Design Studio Bouroullec propellorz
Agence Andrée Putman 6a Architects Graft Lab Architects
David Archer Architects Haworth Tompkins Architects Phillippe Starck
David Collins Studio Foster + Partners OMI Architects
Ben Kelly Design Wright & Wright Architects PeterZumthor