UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ARQUITETURA, ARTES E COMUNICAÇÃO CAMPUS DE BAURU LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

Bruno Müller da Silva Dalila Toledo Diman Milena Andréa Cunha

Plano de Aula: Cor

Bauru 2009

em grupos. fantoches. Criar o próprio personagem com base nas descobertas das investigações realizadas. tinta acrílica ou para tecido. aproximadamente. etc.Tema: Misturas de Cores Público alvo: 3º Ano do Ensino Fundamental Ciclo I (8-9 anos) Objetivo Geral: Participar de atividades práticas artísticas e investigativas relacionadas às cores primárias e secundárias. Explorar as possíveis maneiras de confeccionar os personagens criados sob forma tridimensional. guache. . Duração: 12 aulas. etc). histórias com os personagens. pincéis. Objetivos Específicos: • • • • • • • Participar da contação da história “O mistério do arco-íris”. canetas hidrográficas. giz de cera. lápis de cor. livro. Apresentar teatro de fantoches em grupos. Recursos materiais: cartolinas de diversas cores. Conteúdos: • • • • • • • Cores primárias Cores secundárias Criação de texto narrativo (conteúdo interdisciplinar – Português) Desenho criativo Tridimensionalidade Estrutura teatral Pesquisa de materiais expressivos secos e úmidos. Criar. material de apoio para contação de história (bonecos. Investigar os resultados das misturas das cores primárias com materiais expressivos diversos. Elaborar grupalmente teatros de fantoches com os personagens criados.

um personagem. e o aluno deverá desenhar e pintar o personagem. Solicitação de materiais descartáveis diversos para aula seguinte. Segundo Piaget. criando conexões. a maneje sob a forma de diferentes materiais expressivos. a criança aprende o conhecimento por meio da prática. são aulas expositivas. e desde o princípio será orientada pelo professor. passando por conteúdos interdisciplinares e oportunizando vivências em diversas situações que envolvem o tema cor. além de atribuir-lhe características de personalidade. nas aulas de Arte. Atividade investigativa individual ou em grupo. aplique essas misturas em diferentes situações. no mínimo. Esta atividade será individual. com grande freqüência. não seria suficiente apresentar as possíveis misturas a serem feitas com as cores primárias sob a forma de texto. com temática fragmentada e práticas limitadas. Avaliação coletiva dos trabalhos feitos. sobre diferentes suportes. por meio de roda de conversa. assim sendo. Aula 2: Resgate do levantamento do que foi dito pelo grupo de alunos e da história contada na aula anterior. e ainda. a partir das descobertas feitas com a histórias sobre as cores.Justificativa: O que pode ser encontrado. . de modo que as características definidas previamente por eles sejam preservadas e estejam evidentes na história. Este projeto busca priorizar a prática investigativa em torno da temática central proposta. Ao final da história. com maior ênfase nos clássicos do passado e seu contexto histórico. de maneiras diferentes. Aulas 4 e 5: Em grupos de 4 ou 5 integrantes. Desenvolvimento: Aula 1: Contação da história “O mistério do arco-íris”. resgatando ainda a história contada no dia anterior. os alunos deverão unir os personagens criados em uma única história de temática livre. levantamento do que os alunos conhecem sobre as cores primárias e secundárias. Esta atividade é um desafio. utilizando materiais diferentes. É importante que a criança conheça a cor. em um primeiro momento. que consiste em criar imagens e misturar as cores primárias. Aula 3: Criação de. durante as quais seja necessário que seja criativa. posteriormente.

sempre lhe dizia: . e correr. Aulas 11 e 12: Apresentação das peças. Este era o grande mistério que os azuis. Passe longe das Cavernas Frias do Sul. Sabes muito bem que é terminantemente contra as regras envolver-se com amarelos ou azuis. meu filho. Era uma terra magnífica. não muito longe daqui. HISTÓRIA: O MISTÉRIO DO ARCO-ÍRIS – por Milena Andréa Cunha Em um certo lugar. Sempre foi assim. Confeccionar. e assim deve continuar sendo. como se fossem se dissolver ou desaparecer. e voar por toda a parte em busca de aventuras. azuis com azuis e amarelos com amarelos. com o auxílio do professor e ensaios das peças teatrais dos grupos. e ninguém compreendia porque os arcoíris tinham tantas outras cores. cor dominante por todo o país. cheia de cavernas brilhantes. que vivia nos jardins rubros. paradas. uma ao lado das outras.Aulas 6 e 7: Aula expositiva sobre objetos tridimensionais e bidimensionais e a diferença entre eles. não se cansava de passear. Seu pai. Obedeça. moradoras do país. cuidado por onde andas e com que se misturas. papai – respondia tristemente o pequeno Carmim. flores fluorescentes e o ar possuía diferentes cores e perfumes.Mas. E as cores.Pequeno Carmim. em uma dimensão paralela. com destaque para os fantoches. são diferentes de nós e podem acabar com tua pureza. são dominantes e muito mais fortes que nós. o Carmim. e nem mesmo de onde elas vinham e como ficavam lá. filho mais jovem de todos. no meio do ar. sérios cientistas locais. um pequeno vermelhinho. Essas eram as únicas cores que existiam no país das cores. árvores altas. . voavam sempre em grupos de iguais. Aulas 8. os personagens das histórias criadas. . Mas sem resultados. e principalmente com os azuis. dependendo da hora do dia.Está bem. entre as Cavernas Frias e os Vales da Ilusão. pequeno. o velho e respeitado Escarlate. E muito cuidado com tuas andanças por aí. sob forma tridimensional. a qualquer momento. em grupos. . que sentia-se vibrar apenas de imaginar-se desvendando os antigos mistérios do arco-íris e explorando as terras proibidas. . quem foi que disse que temos que ser puros? – reclamava Carmim. Vermelhos com vermelhos. e das Terras Resplandecestes. tentavam descobrir. 9 e 10: Adaptar a história criada anteriormente para teatro (texto corrido para diálogo).Eu estou dizendo. havia o país das cores. papai. vales onde arco-íris apareciam todos os dias. Em uma família de alegres vermelhos.

O-o-lá. não agüentava mais seguir às regras e ficar nos limites dos jardins rubros do Norte. observando fascinado. e Carmim podia ver-lhe o belo rosto azulado. aproximar-se. . decidido a divertir-se e viver grandes aventuras.. quem sou eu. – E encostou-se sobre uma rocha.. ao longe. aproximar-se. manchas azuladas que movimentavam-se lentamente... ele percebeu. claro. tamanha sua luz. sem parar... . filho do senhor Escarlate. “Mas ela é tão. entediado. e. . . como se quisesse enfeitiçá-lo. preciso de aventuras! Por que os azuis são tão perigosos? Parecem legais. que regava as pequenas flores do jardim enquanto o irmão saia. lentamente. E se acontecer algo? . mas eu posso fazer tudo o que eu quiser.. Sou Carmim.. viu uma daquelas manchas aproximar-se.Ai. De repente.Claro. Carmim não a conhecia pessoalmente. Era uma pequena azul ciano. o cientista mais popular de todo o país. então..Não sei se devo..Podemos fazer isso? Conversar. . mas já vira uma fotografia em um dos jornais do pai.. afastando-se um pouco. que delimitava a fronteira entre suas terras e as Cavernas Frias do Sul.. – respondeu sorrindo. . .. vermelho tolinho – e sorriu ainda mais. Azulina.Eu não sei você. ..Olá.. tão. – gaguejou. Carmim saiu. . assim? – hesitou Carmim. azul. que dizia o quanto a pequena quebrava as regras e recomendava que os filhos vermelhos não se aproximassem dela. cuidado! Não voe muito longe. Não seja tão obediente. Como pode nunca ter saído das terras vermelhas? – e voava ao redor de Carmim. Cansei.Verdade? – e então ela já não parecia tão assustadora. E ela se aproximava rodopiando.. Um arrepio fez toda a sua vermelhidão vibrar. – Vamos passear um pouco? . Ciano. filha do grande Dr. nos jardins rubros. espalhando tua luz. irmã mais velha de Carmim. linda. ..Não? Ah.. filha do Doutor Ciano – disse.Cuidado. deixando um longo rastro de luz prateada.Como assim. “Puxa vida. encantado.Ah. por favor.” – pensou Carmim. toda cheia de si. E Carmim pensou que pudesse ficar cego. e Carmim mal podia enxergar seu rosto. vamos..Mas eu nunca saí dos Jardins Rubros.. – Quem é você? . menino! – gritou Coral. Aí. vermelho – disse ela. ai.Verdade. .. Carmim.. . Carmim voava em círculos pelas terras permitidas.Certa manhã quente e perfumada de primavera.” – pensou. resplandecendo ainda mais. vermelho atrevido? Sou Azulina.

e os arco-íris saíram dos vales a dançar ao redor deles. e aquele ficou conhecido como o mais belo dia dentre todos. Vou me casar. veio a notícia. passaram-se alguns anos. com frescos ventos a cantar por entre as árvores. Um belo dia frio de inverno.Não. e houve festa entre as borboletas. E assim.O quê?!! Está maluco. com a Azulina. Desculpe-me. . Com a Azulina. Tiveram um dia magnífico. . um pouco mais tarde. . meu filho. meu pai. estou esperando um bebê. . para desespero das duas famílias.Tudo bem. Estou decidido. no país das cores.Pai. ninguém podia acreditar no que viam: . Azulina e Carmim casaram-se. .Já estou fazendo.É uma nova cor! As fadas e ninfas vieram conhecer a criança e batizaram-na de: Lilás.. E ocorreu que na primeira manhã de Outono daquele ano. Vamos? . quando o bebê nasceu. E o inevitável aconteceu: Carmim e Azulina se apaixonaram e viam-se todos os dias.Vai acontecer! Você vai se divertir. Foi Azulina quem reuniu as famílias e comunicou: .E teus filhos? Não se incomoda de ter pequenas aberrações da natureza com esse casamento? Seus filhos serão o quê? Vermelhos azulados? Por favor. pai. não faça isso. Azulina e Carmim foram viver em um vale próximo ao arco-iris mais belo de todos. assim como a serenidade e frieza de tua mãe. com perfume de flores. vou me casar. suave e refletia o calor alegre de seu pai. passaram pelos vales.Sim pai. E. alegremente. Mas nada podia separá-los.Cianos e Escarlates. Todos choraram de felicidade.Azulina? A Ciano? Uma azul? Você enlouqueceu! Só pode ter enlouquecido! Vai acabar com a honra de nossa família. você me convenceu. oras. Carmim aproximou-se do pai sem jeito. . E foi a primeira vez que um azul e um vermelho foram vistos juntos. Carmim? . cavernas e todo o tipo de jardins que havia no país. Vamos! E saíram a voar juntos. Era linda. E não há nada que possa me fazer mudar de idéia. voando tão próximos e felizes. mas decidido e confiante. tamanho o amor que surgiu entre eles. abraçaram-se e ao final. .

tornou-se comum o casamento entre cores diferentes. e GRECO. como o laranja e o verde. Aí. e outras diferentes cores surgiram. 1974. J. então. Aprendizagem e conhecimento. são conhecidos como pai e mãe do arco-íris. P.Com o passar dos anos.. Mirian Celeste. todos descobriram: a união entre diferentes cores.. . REFERÊNCIAS MARTINS. daí vem o arco-íris! E o país das cores tornou-se o mais belo e colorido lugar de todos os tempos e até hoje. Carmim e Azulina. São Paulo: Freitas Bastos. PIAGET. Projetos em Ação no Ensino de Arte.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful