You are on page 1of 84

Brasil

Finalidade
Essa versão de país foi desenvolvida para ser usada em negócios com operações no Brasil.
Além das funções genéricas do sistema R/3, compreende as funções criadas para práticas
jurídicas e comerciais específicas do Brasil, e um modelo de país para ajudar a personalizar o
sistema de acordo com as necessidades locais.
A documentação explica como as funções específicas de país trabalham e quais configurações do
customizing são feitas pelo modelo de país. Não abrange as funções genéricas descritas no resto
da Biblioteca SAP.

Características
Funções específicas de país
A maior parte das funções específicas do Brasil está relacionada à Finanças, Logística e Recursos
Humanos. A seguir, as principais áreas:
 Cálculo de imposto
 Geração automática de notas fiscais
 Relatório financeiro legal, incluindo os modelos
 Versão localizada do componente Folha de pagamento (PY), Folha de pagamento no
Brasil (PY-BR).
Modelo de país
Para personalizar as empresas brasileiras mais rapidamente, é possível usar o modelo de país
brasileiro no Programa de instalação por país

Customizing
Finalidade

Esse processo descreve como personalizar o sistema R/3 para usar em conjunto com a
Versão de país para o Brasil.

Processo

É necessário efetuar as seguintes etapas na ordem nas quais aparecem:


...

1. Executar o Programa de instalação por país do Brasil.


Ao executar esse programa, ele ativa automaticamente um número de casos de teste que
fazem outras configurações do customizing para o Brasil que não existem no mandante 000
(como, por exemplo, os tipos de documentos de faturamento). Duas observações a serem
feitas aqui:
  Para que esses casos de teste funcionem adequadamente em conjunto com o
Programa de instalação por país, deve-se verificar se a empresa 0001 no mandante
de preparação final ainda contém configurações do customizing standard; não se
deve alterar nenhuma das opções.
  Os casos de teste instalam os texto em apenas um idioma – aquele em que se
efetuou o logon ao executar o Programa de instalação por país. Se preferir os textos
em português, deve-se efetuar o logon em português ao executar o Programa de
instalação por país.
2. Trabalhar nas atividades de customizing no Guia de implementação (IMG). As áreas a
seguir são relevantes para o Brasil:
  Nota Fiscal
  Impostos
  Revisão de fatura
  Administração de estoques
  Vendas e distribuição (SD)
  Livros fiscais
Os links acima fornecem apenas uma lista de todas as atividades de Customizing, com
informações sobre como acessá-los. As descrições detalhadas da integração nos processos
comerciais brasileiros e da conformidade com as exigências legais são fornecidas na
documentação das áreas de aplicação a seguir. Além disso, deve-se consultar a
documentação IMG para obter instruções e notas das atividades.
3. Fazer o upload das alíquotas de impostos para os códigos de impostos.
4. Atualizar as condições para o cálculo de impostos em SD.
5. Definir outras configurações do customizing necessárias ao processamento de
devoluções, complementares e correções com batch.

Configurações do customizing com o uso do CATT


Ao executar o Programa de instalação por país, ele ativa automaticamente um número de
casos de teste CATT. A seguir estão as configurações do customizing feitas durante esse
processo. Essas opções adicionais são necessárias para a Versão de país para o Brasil nas
áreas de Administração de materiais (MM) e Vendas e distribuição (SD).

O caso de teste do MM é P40XXXX_CU_BR. Ele elimina e reconfigura todos os tipos de


movimento no conjunto de nomes do sistema R/3, iniciando com 8——.

O caso de teste do SD é P99CUST_SD_BR. Ele executa as configurações do customizing –


as entradas exatas mostradas nas tabelas abaixo – para:

 Tipos de documento de faturamento


 Categorias de item de documento de vendas
 Esquemas de documentos
 Tipos de documentos de vendas
 Esquema de dados incompletos
 Textos de cabeçalho de nota fiscal automáticos

Para eliminar essas configurações do Customizing de Vendas e distribuição, é possível usar


o caso de teste P99DECUST_SD_BR.

Tipos de documento de faturamento

Tipos de documento de faturamento Texto breve


F2B Nota fiscal
L2B Nota de débito
FA Fatura antecipada
FAR Fatura (remessa futura)
FC Nota fiscal (retirada de artigos em
consignação)
CR Nota fiscal (reposição de artigos em
consignação)
G2B Nota de crédito
REB Nota de crédito (devoluções)
FST Nota fiscal (recebedor da mercadoria)
FTB Nota fiscal (transferência)

Categorias de item de documento de vendas

Categorias de item de documento de Texto breve


vendas
TBD Serviços
KBNK Reposição de artigos em consignação
KENB Retirada de artigos em consignação
LANB Retirada RTP (Embalagem retornável de
transporte)
LBNL Retirada RTP (estatístico) em nota fiscal
LPLB Item de programa de remessas
NLNB Item da ordem de transporte de estoque
standard
RBB Item de lote standard
RBN Item standard
TBL Transporte RTP
TBLL RTP (estatístico) em nota fiscal
TBN Item standard
TBNL Item com faturamento estatístico
TBPS Item standard (PS)
TBS Item de terceiros
TBX Item não estocável
TBB Item de lote standard

Esquemas de documentos (para Determinação do esquema de cálculo de preços)

Esquemas de documentos Texto breve


E Fatura antecipada
F Vendas para remessa futura
K Reposição de artigos em consignação
M Retirada de artigos em consignação

Tipos de documento de vendas

Tipos de documento de vendas Texto breve


ORB Ordem standard
DRB Solicitação de complemento
REB Devoluções
COB Programa de remessas
CRB Solicitação de correção
CXB Nota de crédito (erro)
DLB Remessa sem ordem
DXB Solicitação de nota de débito
KBB Reposição de artigos em consignação
KEB Retirada de artigos em consignação
LAB Retirada RTP com nota fiscal separada
RCM Remessa de mercadoria por conta e ordem
RCS Remessa por conta simplificada.
ROB Devoluções
VDOR Ordem (venda à ordem)
VEF Remessa futura (fatura)
VEFR Remessa futura (expedição)

Esquema de dados incompletos

Esquema de dados incompletos Texto breve


B1 Item standard BR
JC Ordem com cust. NF
JH Devolução com cust. NF
JP Devol. RTP com cust. NF
JQ Devol. RTP com NF própria
JS Ordem f/NF fat.simp.
B2 Gratuito BR
B3 Item de valor BR
BC Consignação/embalagem BR
BT Item de terceiros

Textos automáticos de cabeçalho de nota fiscal

Tipos de documento de vendas Texto breve


COB Número do programa de remessas: &
CXB Taxa de câmbio: &
DXB Taxa de câmbio: &
ORB Simples faturamento de mercadoria em
consignação - NF acima referida
RCM Taxa de câmbio: &
RCM Mercadoria que lhe foi vendida por &,
RCM Conforme nota fiscal &
RCS Do &
RCS Mercadoria que tem sido remetida ao
destinatário p
RCS Nota fiscal acima referida
RCS O destinatário é &.
REB Motivo da ordem: &
ROB Motivo da ordem: &
VDOR As mercadorias serão enviadas diretamente
por & por nossa conta
VEF Sem valor para acompanhar o produto -
Mercadoria para entrega simbólica
VEFR Sem valor para acompanhar o produto -
Mercadoria para entrega simbólica

Nota Fiscal: Customizing


A tabela a seguir fornece uma visão geral de todas as atividades do Customizing
relacionadas às funções de nota fiscal da Versão de país para o Brasil. As atividades são
listadas na mesma ordem na qual aparecem no Guia de Implementação (IMG).

Atividade econômica Caminho do IMG:


Componentes para várias aplicações ®
Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal
Intervalos de numeração Atualizar intervalos de numeração
Definir intervalos de numeração
Tipos de Nota Fiscal Definir tipos de nota fiscal
Definir tipos de nota fiscal
Tipos de Nota Fiscal Definir tipos de item de nota fiscal
Definir tipos de item de nota fiscal
Locais de negócios do CNPJ Locais de negócios do CNPJ ® Definir locais
Criar locais de negócios do CNPJ de negócios
Atribuir locais de negócios do CNPJ aos Locais de negócios de CNPJ ® Atribuir locais
centros de negócios
Códigos NBM Códigos NBM ® Definir códigos NBM
Criar códigos NBM
Atribuir códigos NBM a grupo de mercadorias Códigos NBM ® Atribuir códigos NBM a
grupos de mercadorias
Códigos CFOP Códigos CFOP ® Definir versões CFOP
Definir versões CFOP
Atribuir uma data de início de validade e, se Códigos CFOP ® Atribuir data de validade às
necessário, regiões. versões CFOP
Definir códigos CFOP inclusive atribuição de Códigos CFOP ® Definir códigos CFOP e
uma versão atribuir versão
Definir os dados relevantes ao CFOP para a CFOP ® Definir a Determinação CFOP de
entrada de movimentos de mercadorias entradas e devoluções de mercadorias
(Versionado)
Definir os dados relevantes ao CFOP para a CFOP ® Definir a Determinação CFOP de
saída de movimentos de mercadorias saídas e devoluções de mercadorias
(Versionado)
Saída Saída ® Definir Formulários
Definir formulários
Definir grupos de números Saída ® Definir grupos de números
Definir intervalos de numeração externa Saída ® Intervalos de numeração
Definir números e tamanhos de formulário Saída ® Números da nota fiscal e tamanho de
formulários
Criar, modificar e exibir condições de saída Saída ® Condições de saída ® Criar
Saída ® Condições de saída ® Modificar
Saída ® Condições de saída ® Exibir
Atualizar os procedimentos do processo que Saída ® Programas de processamento
controlam a saída dos documentos de nota
fiscal
Determinação de mensagens Determinação de mensagens ® Tabelas de
Criar, modificar e exibir tabelas de condições condições ® Criar
para a determinação de mensagens Determinação de mensagens ® Tabelas de
condições ® Modificar
Determinação de mensagens ® Tabelas de
condições ® Exibir
Definir o catálogo de determinação de Determinação de mensagens ® Tabela de
mensagens do campo Tabela de condições condições ® Catálogo de campos
Definir seqüências de acesso para Determinação de mensagens ® Tabelas de
determinação de mensagens condições ® Seqüências de acesso
Definir tipos de condições para a determinação Determinação de mensagens ® Tabela de
de mensagens condições ® Tipos de condições
Definir procedimentos para determinação de Determinação de mensagens ® Tabela de
mensagens condições ® Esquema de mensagem
Atualização Atualização ® Atribuição de grupo de controle
Atualizar a tela de atribuições de grupo de de tela
controle de tela

Impostos: Customizing geral


A lista a seguir contém todas as atividades de Customizing relacionadas às funções de
imposto do Brasil versão país, inclusive as configurações básicas e aquelas necessárias para
o cálculo de imposto. As atividades são listadas na mesma ordem na qual aparecem no Guia
de Implementação (IMG).

O local de trabalho do administrador de impostos permite executar todas as


configurações do Customizing relacionadas a impostos em um único ponto de
acesso.
Configurações globais

Contabilidade financeira ® Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ®


Configurações globais ® Brasil ®

 Definir Situações de impostos IPI


 Definir leis tributárias do IPI
 Definir leis tributárias do ICMS
 Definir a seqüência para a determinação da lei tributária de SD
 Definir regiões fiscais brasileiras
 Definir regiões fiscais para clientes/fornecedores estrangeiros
 Atribuir esquema de cálculo alternativo por Código de imposto FI/MM
 Definir tipos de imposto
Configurações de cálculo de imposto com base na condição (só é necessário se for
empregado esse tipo de cálculo de imposto), Cálculo de imposto com base na condição ®

 Ativar cálculo de imposto com base na condição


 Atribuir valores fiscais MM aos Campos Nota Fiscal
 Atribuir valores fiscais SD aos Campos Nota Fiscal
 Atribuir leis tributárias de MM aos Campos Nota Fiscal
 Definir códigos internos para condições fiscais
 Atribuir tipos de condições aos códigos internos para condições fiscais
 Atribuir tabelas de condições às tabelas fiscais
Cálculo de imposto

Contabilidade financeira ® Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ®


Cálculo ® Opções para cálculo de imposto no Brasil ®

 Acesso ao local de trabalho do administrador de impostos


 Definir códigos de impostos SD
 Definir seqüência para determinação do código de impostos SD
 Definir códigos de impostos FI/MM
 Definir grupos de clientes para cálculo de substituição tributária
 Definir grupos de impostos para exceções dinâmicas

Alíquotas de impostos, Alíquotas de impostos ®

 Atualizar valores de alíquotas de impostos propostos


 Atualizar valores IPI
 Atualizar exceções dependentes de materiais IPI
 Atualizar exceções dinâmicas IPI
 Atualizar valores de ICMS
 Atualizar exceções dependentes de materiais de ICMS
 Atualizar exceções dinâmicas de ICMS
 Atualizar exceções dinâmicas de montante de diferença do ICMS
 Atualizar valores de substituição tributária
 Atualizar exceções dependentes de materiais de substituição tributária
 Atualizar exceções dinâmicas de substituição tributária
 Atualizar valores de ISS
 Atualizar exceções dinâmicas de ISS

Consultar também:

Cálculo de imposto

Revisão de faturas: Customizing


A tabela a seguir fornece uma visão geral de todas as atividades do Customizing
relacionadas às funções de Revisão de faturas da Versão de país para o Brasil. As atividades
são listadas na mesma ordem na qual aparecem no Guia de Implementação (IMG).
Atividade de Customizing Caminho de IMG:
Administração de materiais ® Revisão de
faturas ® Fatura recebida ® Nota Fiscal ®
Atualizar tipos de item Categoria de linha
Atualizar transferências de valores para notas Determinação de valores
fiscais
Definir textos Textos automáticos
Atualizar transferência de dados de impostos Determinação do valor do imposto retido na
retidos na fonte para nota fiscais fonte
Atualizar linhas de documentos do material Linhas de documentos do material

Administração de estoques: Customizing


A tabela a seguir fornece uma síntese de todas as atividades do Customizing relacionadas às
funções da Administração de estoques (MM-IM) da Versão de país para o Brasil. As
atividades são listadas na mesma ordem na qual aparecem no Guia de Implementação
(IMG).

Atividade de Customizing Caminho de IMG:


Administração de materiais ®
Administração de inventário e Inventário
físico ® Nota Fiscal ®
Atualizar relevância de item e determinação de Atualizar derivação de categoria de nota fiscal
tipo de NF
Atualizar cadeias de contabilização de Atualizar cadeia de contabilização de impostos
impostos

Vendas e distribuição: Customizing


A tabela a seguir fornece uma síntese de todas as atividades do Customizing relacionadas às
funções de Vendas e distribuição da Versão de país para o Brasil. As atividades são listadas
na mesma ordem na qual aparecem no Guia de Implementação (IMG).

Atividade de Customizing Caminho de IMG:


Vendas e distribuição ® Faturamento ®
Documentos de faturamento ®
Características específicas de país ®
Características específicas de país – Brasil
®
Atribuir tipos de nota fiscal Especificar categoria de nota fiscal
Atualizar textos de cabeçalho de nota fiscal Atualizar textos automáticos de cabeçalho de
nota fiscal
Atualizar categorias de item de vendas Atualizar categoria de item de documento de
vendas
Atualizar categorias de item de faturamento Atualizar categoria de item de documento de
faturamento
Atualizar tipos de documento de faturamento Atualizar tipos de faturamento
Atualizar condições especiais de cálculo de Condições especiais de cálculo de preços
preços

Livros fiscais: Customizing


A tabela a seguir fornece uma síntese de todas as atividades do Customizing relacionadas às
funções de livros fiscais da Versão de país para o Brasil. As atividades são listadas na
mesma ordem na qual aparecem no Guia de Implementação (IMG).

Atividade de Customizing Caminho de IMG:


Contabilidade financeira ® Contabilidade do
Razão ® Operações contábeis ®
Encerramento ® Relatório ® Relatório
financeiro legal do Brasil.
Definir contas adicionais do Modelo 8 Modelo 8 - Contas especiais
Definir contas adicionais do Modelo 9 Modelo 9 - Contas especiais

Importação de alíquotas de imposto para códigos de


imposto
Utilização
Executar esse relatório para importar alíquotas de imposto para códigos de impostos da
Contabilidade financeira (FI) que são fornecidos na Versão de país para o Brasil.

Pré-requisitos
Deve-se executar esse relatório em todos os mandantes do sistema existente nos quais as funções
brasileiras são necessárias, incluindo o mandante 000. Antes, verificar se existe o mesmo
procedimento para cálculo de impostos em todos os mandantes para os quais são importadas as
taxas.

Procedimento
1. No Customizing do FI, selecionar Configurações globais da Contabilidade financeira ®
IVA ® Cálculo ® Definir códigos de IVA.
2. Entrar país BR.
3. Na tela Atualizar código de imposto:1º tela, selecionar Código de imposto ® Transportar
® Importar.
É exibida a tela Importar códigos de impostos após Transportar.
4. Selecionar .
5. Verificar se o batch input relacionado foi processado, selecionando Sistema ® Serviços ®
Batch Input ® Pastas.
Para informações detalhadas, consultar a documentação do relatório.
Atualização de condições para impostos em SD
Utilização
Além das várias atividades de Customizing que devem ser concluídas na Versão de país para o
Brasil, também é necessário atualizar dados adicionais em Vendas e distribuição (SD) para que o
sistema calcule os impostos corretamente no SD.
Para o processamento de impostos em SD, o sistema exige uma atribuição entre os seguinte
dados para o tipo de condição IBRX (cálculo do imposto no Brasil).
 Classificação fiscal do cliente
 Classificação fiscal do material
 Alíquota de imposto
 Código de imposto da Contabilidade financeira (FI)
Também é necessário atualizar as taxas dos tipos de condição adicionais que são usadas para o
cálculo de imposto brasileiro.

Procedimento
Entrar os seguintes dados em todos os mandantes do sistema nos quais as funções brasileiras são
necessárias, incluindo o mandante 000. Todas as entradas listadas a seguir são válidas por um
tempo irrestrito, o que significa que o sistema preenche automaticamente a data de fim da validade
com 31/12/9999.
1. Na tela SAP Easy Access, selecionar Logística ® Vendas e distribuição ® Dados
mestre ® Condições ® Selecionar usando tipo de condição ® Criar.
2. Entrar tipo de condição IBRX.
É exibida a tela Criar condição de cálculo de imposto no Brasil (IBRX): entrada rápida.
3. Entrar dados requeridos:
Classificação fiscal Classificação fiscal Taxa Código de imposto
para cliente para material
0 1 deixar em branco S0
0 2 deixar em branco S0
1 1 100.000 SD
1 2 100.000 SI
2 1 100.000 SZ
2 2 100.000 SI

4. Selecionar .
5. Selecionar .
6. Para cada um dos seguintes tipos de condições a seguir, entrar dados conforme
especificado:
Tipo de condição País Taxa
ICMO: BR 100-
ICSO BR 100-
IPIC BR 100 (não negativo)
IPIO BR 100-

7. Selecionar a cada vez, e repetir a etapa 6 de cada tipo de condição


Devoluções, complementos e correções com lote
Utilização
Para evitar mensagens de aviso ao criar devoluções, complementos e correções referentes a um
documento de faturamento que contém sub-itens de lote, é necessário fazer as seguintes opções
no Customizing:

Procedimento
...

1. Em Customizing, selecionar Vendas e distribuição ® Vendas ® Atualizar controle de


cópia para documentos de vendas ® Controle de cópia: documentos de faturamento para
documento de vendas.
É necessário fazer opções para os seguintes tipos de documentos de venda, todos com
referência ao tipo de documento de faturamento de referência F2B (Nota fiscal do Brasil):
CRB, CXB, DRB, DXB, REB e ROB. Repetir etapas 2-5 em todos os tipos de documento de
venda.
2. Selecionar a linha que contém o tipo de documento de venda, no qual visualiza-se no
campo Destino (Cópia de controle: tipo de documento de vendas de destino).
3. Clicar duas vezes sobre item na estrutura de navegação à esquerda.
É exibida a tela Síntese.
4. Clicar duas vezes na categoria de item TBB.
É exibida a tela Detalhe do item.
5. Especificar a condição para efetuar a cópia 302 Não copiar item.

Componentes para várias aplicações


A seção a seguir descreve objetos e funções usados em várias aplicações:

 Nota Fiscal
 Emissor de notas Fiscais
 Relatório financeiro legal
 Códigos de CFOP

Informações específicas de componentes relacionadas a quaisquer desses tópicos são


descritas nos respectivos componentes. Por exemplo, em Vendas e distribuição (SD), pode
ser necessário atribuir uma categoria CFOP aos registros mestre de cliente. Essas
informações são encontradas na parte SD do Brasil.

Nota fiscal
Definição

Consultar Nota Fiscal

Utilização

A nota fiscal é usada das seguintes maneiras.

 Nota da remessa
No Brasil, os impostos são cobrados no movimento de mercadorias – e não na venda, como
é de costume em outros países. Por esse motivo, uma nota fiscal, que representa um
documento legal, deve acompanhar cada remessa de mercadorias.
 Fatura
Na maior parte dos casos, a nota fiscal também serve como um documento financeiro, o que
significa que os clientes vêem uma nota fiscal como uma fatura mediante a qual efetuam o
pagamento. Eles não solicitam uma fatura separada Esse tipo de nota fiscal é comumente
chamado de fatura de nota fiscal.
De vez em quando, os clientes solicitam uma fatura separada além da nota fiscal que vem
junto com as mercadorias. Os fornecedores enviam então a chamada fatura, que pode ser
usada para agrupar uma ou mais notas.

A nota fiscal inclui todas as informações relacionadas ao imposto, necessárias para a análise
das autoridades fiscais.

Integração

O sistema R/3 gera automaticamente uma nota fiscal ao

 Criar uma fatura em Revisão de faturas (Logística) (MM-IV)


 Entrar um movimento de mercadorias em Administração de estoques (MM-IM)
 Criar uma ordem de vendas em Faturamento (SD-BIL)

Criar também uma nota fiscal manualmente usando o Emissor de nota fiscal.

Customizing

É necessário configurar algumas configurações do customizing para operar com as funções


de nota fiscal. Em especial, deve-se definir:

 Intervalos de numeração da nota fiscal


 Tipos de nota fiscal
 Códigos CFOP
 Atribuição de grupo de controle de tela

Consultar a síntese de todas as atividades do Customizing da nota fiscal.

Consultar também:

Tipos de Nota Fiscal

Arquivamento de Notas Fiscais

Tipo de nota fiscal


Definição

Uma classificação de uma nota fiscal que descreve o processo comercial, por exemplo, é a
entrada de nota fiscal.

Utilização

Cada nota fiscal deve ser atribuída a um tipo de nota fiscal. Em Vendas e distribuição (SD),
o sistema determina automaticamente o tipo de nota fiscal, contudo, deve-se fazer essa
classificação manualmente na Revisão de faturas em Logística e no Emissor de nota fiscal.
O tipo de nota fiscal é usado para determinar os atributos importantes de uma nota.
Estrutura

Definir os tipos de nota fiscal no Customizing, em Componentes para várias aplicações ®


Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal ® Definir tipos de nota fiscal.

Para cada tipo de nota fiscal, entrar os dados necessários.

 Nota fiscal entrada


Definir esse código se uma nota fiscal recebida for emitida pelo cliente em vez do fornecedor
habitual.
 Tipo de cancelamento de NF
Definir o tipo de cancelamento a ser associado ao tipo de nota fiscal. Se uma nota fiscal for
cancelada, o sistema cria uma nova nota fiscal com o tipo Cancelar; atribui automaticamente
o tipo de cancelamento da nota fiscal adequada que á definido aqui para o tipo de nota fiscal
correspondente.
 Direção de movimento
Aqui, especifica-se se a nota fiscal é de entrada ou de saída.
 Tipo de documento
Deve-se especificar um dos seguintes tipos de documento para o tipo de nota fiscal: nota
fiscal, complementar, correção, conhecimento (simples ou múltiplo), cancelar ou devolver.
 Dados da revisão de faturas
  Função do parceiro de NF(parceiro principal para o cabeçalho da nota fiscal)
  Tipo de parceiro de NF (fornecedor, local de negócio ou cliente)
  Tipo de item de NF (para processos especiais, como, por exemplo, fornecimentos
terceirizado, fornecimentos futuros, consignações)
  Chave de texto (determinação de textos automáticos – processamento de
devolução IPI)
1.  Formulário de nota fiscal
É necessário atribuir um formulário de nota fiscal ao tipo de nota fiscal; é necessário para a
impressão de notas fiscais.
2.  Modelo de nota fiscal
Especificar aqui o modelo de nota fiscal para o tipo de nota fiscal; o modelo é definido pelas
autoridades e devem ser especificados nos files fiscais.

Número de nota fiscal


Definição
O número impresso na nota fiscal.

Não confundir o número da nota fiscal, também conhecido por número externo, com o
número interno do documento gerado pelo sistema para cada nota fiscal.

Utilização
Sozinho, o número da nota fiscal não é um número único, mas torna-se único quando é combinado
com uma pessoa jurídica e uma série, conforme descrito nos seguintes casos:
1.  Quando uma nota fiscal é emitida, o sistema R/3 gera automaticamente o número de
nota fiscal. No caso de notas fiscais emitidas, o número torna-se único na combinação de
local de negócios + série + número de nota fiscal.
2.  Ao receber uma nota fiscal , o número da nota fiscal é impressa no formulário recebido
No caso de notas fiscais recebidas, o número torna-se único na combinação de parceiro +
série + número de nota fiscal.
Estrutura
O número da nota fiscal consiste de um número, série e subsérie. No Emissor da nota fiscal, os
três elementos aparecem em três campos consecutivos, apenas o primeiro é definido Nº de NF
(número de nota fiscal).
Quando se recebe uma nota fiscal com mercadorias fornecidas, é necessário entrar o número da
nota fiscal de entrada. Na Revisão de faturas (Logística), por exemplo, entrar o número na
transação da entrada de mercadorias no campo Nota da remessa. Nesses casos, ao entrar o
número da nota fiscal em um único campo, deve-se entrá-lo em um dos seguintes formatos. Os
vários elementos são descritos na tabela abaixo.
1. xxxxxx
2. xxxxxx-sss
 xxxxxx-Suu
Elemento de formato Descrição
xxxxxx Número da nota fiscal
sss Séries (sem subséries)
S Séries (letra entre A e Z)
uu Subséries

Integração
O sistema atribui automaticamente o número da nota fiscal ao imprimir a nota fiscal. Essa
atribuição automática depende das configurações do customizing para o saída da nota
fiscal,especialmente no que se refere aos grupos de números, intervalos de numeração, números
de nota fiscal e tamanhos de formulários (consultar Customizing de Nota Fiscal: Customizing, em
Saída).

Arquivamento de notas fiscais


Utilização
O arquivamento de dados remove do banco de dados os dados de aplicação que não são
mais necessários e os coloca em files de arquivo que possam ser acessados e analisados em
uma data posterior. Para informações detalhadas sobre arquivamento, consultar
Introdução sobre arquivamento de dados.
O sistema R/3 permite arquivar notas fiscais. Eles são arquivados por meio do objeto de
arquivamento J_1BNF, que é fornecido na Versão de país para o Brasil. É usado para
arquivar os dados nas seguintes tabelas:
  J_1BNFCPD: Contas ocasionais da Nota Fiscal
  J_1BNFDOC: Cabeçalho de Nota Fiscal
  J_1BNFFTX: Mensagem de cabeçalho de Nota Fiscal
  J_1BNFLIN: Partidas individuais da Nota Fiscal
  J_1BNFNAD: Parceiros de Nota Fiscal
  J_1BNFREF: Referência de Nota Fiscal à mensagem de cabeçalho
  J_1BNFSTX: Imposto por item de Nota Fiscal
Procedimento
No menu SAP Easy Access, selecionar Ferramentas ® Administração ® Administração ®
Arquivamento de dados. Entrar o nome do objeto J_1BNF. A partir de aqui, é possível
arquivar, eliminar e ler uma nota fiscal no arquivo.
Emissor de notas fiscais
Utilização

Usar o Emissor da nota fiscal (NF) para:

Criar uma nota fiscal manualmente

Deve-se criar notas fiscais somente com o Emissor de NF caso o sistema não gere
notas fiscais automaticamente via integração com Revisão de faturas e Administração
de estoques em Administração de materiais (MM), ou Faturamento em Vendas e
distribuição (SD). Observar que o Emissor da NF não atualizar outros componentes
do SAP R/3 automaticamente; isso significa que para cada nota fiscal criada
manualmente com o Emissor da NF, deve-se lançar impostos e movimentos de
materiais na Contabilidade financeira (FI) e MM separadamente.
Exibir ou alterar uma nota fiscal – que foi criada manualmente ou gerada automaticamente.
Imprimir ou reimprimir uma nota fiscal
Cancelar uma nota fiscal que foi criada no Emissor da NF

Características

O Emissor da NF permite entrar todos os dados relevantes às notas fiscais.

Atividades

Para acessar o Emissor da NF, executar as seguintes transações:

Ação Transação
Criar Nota fiscal J1B1N
Alterar Nota fiscal J1B2N
Exibir Nota fiscal J1B3N
Impressão de nota fiscal J1B3N

Dados de nota fiscal


A 1º tela do Emissor da nota fiscal difere dependendo se estiver criando uma nota fiscal, ou
alterando ou exibindo uma. Após entrar a transação, as seguintes informações estarão
disponíveis:

Nome da Informação exibida Subtelas adicionais


ficha
Síntese Esta ficha fornece uma síntese de Detalhe do item: essa tela contém os
todos os itens da nota fiscal. Aqui é dados do item, como material,
possível entrar dados, como o quantidade, preço, desconto, frete,
material e a quantidade, assim como informações sobre leis tributárias, códigos
muitos outros tipos de informações. É de NBM e assim por diante. Aqui também
possível saltar para as informações é possível entrar dados.
do item clicando duas vezes um item Impostos: essa ficha de registro contém
ou selecionando os botões: Detalhes os detalhes de impostos como tipo de
do item, Impostos ou Mensagens do imposto, montante base, montantes base
item (consultar próxima coluna) excluídos, taxas, montante de imposto e
assim por diante. Todos os impostos
devem ser entrados aqui: é possível
entrar os montantes de impostos
manualmente, ou podem ser calculados
para itens marcados usando-se o
montante base e a taxa por meio da
função Cálculo de impostos (em
Processar ® Calcular)
Mensagens de item: essa tela exibe
todas as mensagens que forem ligadas
ao item especificado. Para as mensagens
manualmente criadas, é possível
especificar as ligações selecionando-se o
botão Ligações na ficha Mensagens.
Valores totais Esta ficha resume todos os valores Nenhum
de impostos calculados para os itens
da nota fiscal. Aqui não é possível
entrar dados.
Parceiros Aqui pode-se especificar outros Para visualizar os detalhes de
parceiros além do parceiro principal parceiro,clicar duas vezes na ID do
(como uma transportadora). parceiro ou selecionar o botão Detalhes.
Informações detalhadas sobre o parceiro
especificado são exibidas, como o
endereço, números de identificação fiscal,
e assim por diante. Nenhum dado pode
ser entrado aqui exceto quando as notas
fiscais forem criadas para parceiros
ocasionais.
Mensagens Aqui os textos específicos da nota Texto descritivo: se um texto de
fiscal podem ser entrados (textos de cabeçalho ou item tiver várias linhas,
cabeçalho e de linha). É possível pode-se entrar todas as linhas nesta tela.
criar novos textos, mas um texto Para isso, selecionar o botão lápis
criado automaticamente não pode ser
alterado (lei tributária, por exemplo). Ligações para itens: os textos de item
devem ser ligados ao item em particular.
Selecionar uma mensagem e selecionar o
botão Links. O sistema exibe todos os
itens, selecionar os itens que devem ser
ligados à mensagem.
Transporte Exibe os dados de transporte Nenhum
Dados Exibe dados financeiros, inclusive Nenhum
financeiros informações sobre imposto retido na
fonte
Administração Essa ficha de registro contém dados Nenhum
administrativos, como o nome do
usuário que criou a nota fiscal, o
código de impressão e assim por
diante.

Criação de notas fiscais


Procedimento
Criar também uma nota fiscal manualmente usando o Emissor da nota fiscal (NF).
1. Executar transação J1B1N.
2. Entrar as informações a seguir na 1º tela, depois selecionar Entrar.
  Tipos de nota fiscal
  Empresa e local de negócio
  Função de parceiro (como recebedor da mercadoria) e a ID de parceiro.
É possível criar notas fiscais para parceiros ocasionais (para informações detalhadas,
consultar contas ocasionais de clientes e fornecedores);a única diferença é que é
necessário atualizar dados bancários no respectivo documento FI, e não no Emissor
da NF.
  Se os valores entrados na nota fiscal devem incluir ICMS e ISS (caso devam,
definir o código Incl. ICMS/ISS)
3. Entrar todos os dados relevantes +para a nota fiscal, depois selecionar Gravar.

Resultado
O sistema cria automaticamente uma solicitação de impressão para a nota fiscal de acordo
com as regras definidas no formulário da nota fiscal. Depois, pode-se imprimir a nota
fiscal, se necessário.

Alteração/Exibição de notas fiscais


Para alterar uma nota fiscal, executar a transação J1B2N; para exibir uma nota fiscal,
executar a transação J1B3N.

Deve-se entrar o número interno do documento da nota fiscal na 1º tela. Caso não saiba
qual o número, pode-se selecionar as entradas possíveis e pesquisar por meio de:

 Número da nota fiscal


 Documento SD original
 Documento de revisão de faturas original (não usado)
 Documento de material original
 Documento de revisão de faturas de logística original

Se alterar ou exibir uma nota fiscal que foi gerada automaticamente no MM ou SD,
pode-se visualizar o documento original (como o documento do material ou do
faturamento) no nível do item, selecionando o botão Documento-modelo..

Impressão de notas fiscais


...

1. Saltar para o modo exibir do Emissor da nota fiscal chamando a transação J1B3N.
2. Deve-se entrar o número interno do documento da nota fiscal na 1º tela. Caso não saiba
qual o número, pode-se selecionar as entradas possíveis e pesquisar por meio de:
  Número da nota fiscal
  Documento SD original
  Documento de revisão de faturas original
  Documento de material original
  Documento de revisão de faturas de logística original
3. Selecionar Nota Fiscal ® Saída.
O sistema atribui automaticamente um número de nota fiscal.

Consultar também:

Impressão de notas fiscais

Impressão de notas fiscais


Utilização

A maior parte das empresas brasileiras tem exigências muito específicas no que se refere à
impressão de nota fiscal, elas costumam ter layouts e dados diferentes no formulário da
nota fiscal.

O sistema R/3 usa o SAPscript para imprimir uma nota fiscal. A Versão de país para o
Brasil inclui um formulário modelo, J_1BNOTA_FISCAL, cujo layout e dados atendem às
diretrizes brasileiras. Para fazer modificações a fim de atender às necessidades da empresa,
copiar o formulário modelo e modificar conforme necessário. Para informações detalhadas,
consultar Síntese do SAPscript.

Customizing

Antes de imprimir notas fiscais, é necessário fazer algumas Configurações do Customizing


relativas aos formulários e números.

Atividades diárias

No modo exibir do Emissor da nota fiscal (NF) (transação J1B3N), é possível imprimir
uma nota fiscal nos seguintes casos:

 Após o sistema gerar uma nota fiscal automaticamente em Administração de materiais (MM)
ou Vendas e distribuição (SD).
Saltar para o Emissor da NF, e o sistema propõe a nota fiscal que foi gerada. Selecionar
Nota Fiscal ® Saída.
 Após ter criado uma nota fiscal manualmente
Quando a nota fiscal é gravada, o sistema gera automaticamente uma solicitação de
impressão, que precisa ser atendida. Selecionar Nota fiscal ® Saída.
 Para reimprimir uma nota fiscal
Selecionar Nota Fiscal ® Reimprimir.

Após ter impresso uma nota fiscal (saída), o Emissor da NF define o código Impresso na
ficha Administração.

Customizing da saída da nota fiscal


Quando uma nota fiscal é impressa, o sistema R/3 gera automaticamente um número. Para
que o sistema gere esse número e para imprimir uma nota fiscal, é necessário fazer as
seguintes configurações do customizing. Trabalhar nas atividades do Nota Fiscal:
Customizing em Saída e Determinação de mensagens. Consultar a documentação do
IMG para informações detalhadas sobre as atividades.

Para informações detalhadas sobre as notas fiscais de uma única página, consultar
Autorização de partição de faturas (partição de nota fiscal).
Formulário de nota fiscal
Definição

Formulário usado para imprimir uma nota fiscal

Utilização

O formulário da nota fiscal controla um número de fatores relacionados à saída da nota


fiscal.

 A geração do número da nota fiscal baseia-se no grupo de números atribuído.


 Tamanho de uma página de nota fiscal (importante para as notas fiscais de uma única
página)
 Séries e subséries do número da nota fiscal
 Se a nota fiscal for uma fatura de nota fiscal (consultar Nota Fiscal)
 Programa de impressão e formuláriot usado para imprimir a nota fiscal
 Se a impressão automática for iniciada via controle de mensagem SAP (NAST com a
aplicação de saída da NF)
Customizing

Para atualizar os formulários de nota fiscal, selecionar Componentes para várias


aplicações ® Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal ® Saída ® Definir formulários.

Se um novo formulário de nota fiscal for criado, deve-se:

 Atribui-lo conforme necessário aos tipos de nota fiscal (Atividade do Customizing Definir
tipos de nota fiscal).
 Atribuí-lo a um local de negócios (atividade Definir números de nota fiscal e tamanhos de
formulários)
 Especificar os programas de processamento e o formulário do SAPscript para impressão
(função Programas de processamento do Customizing)
 Definir os tipos de saída para o formulário (Tipos de condições, em Determinação de
mensagens).

O dispositivo de saída deve ser atualizado.

Formulário de nota fiscal


Definição

Formulário usado para imprimir uma nota fiscal

Utilização

O formulário da nota fiscal controla um número de fatores relacionados à saída da nota


fiscal.
 A geração do número da nota fiscal baseia-se no grupo de números atribuído.
 Tamanho de uma página de nota fiscal (importante para as notas fiscais de uma única
página)
 Séries e subséries do número da nota fiscal
 Se a nota fiscal for uma fatura de nota fiscal (consultar Nota Fiscal)
 Programa de impressão e formuláriot usado para imprimir a nota fiscal
 Se a impressão automática for iniciada via controle de mensagem SAP (NAST com a
aplicação de saída da NF)
Customizing

Para atualizar os formulários de nota fiscal, selecionar Componentes para várias


aplicações ® Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal ® Saída ® Definir formulários.

Se um novo formulário de nota fiscal for criado, deve-se:

 Atribui-lo conforme necessário aos tipos de nota fiscal (Atividade do Customizing Definir
tipos de nota fiscal).
 Atribuí-lo a um local de negócios (atividade Definir números de nota fiscal e tamanhos de
formulários)
 Especificar os programas de processamento e o formulário do SAPscript para impressão
(função Programas de processamento do Customizing)
 Definir os tipos de saída para o formulário (Tipos de condições, em Determinação de
mensagens).

O dispositivo de saída deve ser atualizado.

Formulário da nota fiscal


A maioria das funções SAPscript podem ser usadas para personalizar o formulário da nota
fiscal para atender às necessidades da sociedade.

As estruturas de comunicação a seguir são usadas para transferir dados relevantes da nota
fiscal. Para informações detalhadas sobre os campos disponíveis das estruturas, usar o
Sistema de informações do R/3 Repository.

 J_1BPRNFDE – Dados de destino:essa estrutura contém dados sobre o destino da NF


(como endereço, número no CNPJ e inscrição estadual).
 J_1BPRNFFA – Dados da fatura:essa estrutura contém dados sobre as condições de
pagamento dos diferentes pagamentos a prazo. São suportadas até cinco parcelas.
 J_1BPRNFHD – Cabeçalho do documento: essa estrutura contém dados sobre o
cabeçalho da NF (como tipo da NF, número da NF e data de emissão).
 J_1BPRNFIS – Dados do emitente: essa estrutura contém dados sobre o emitente da NF
(como endereço, número no CNPJ e inscrição estadual). O centro remetente geralmente é o
emitente.
 J_1BPRNFLI – Informações da linha: essa estrutura contém os dados sobre a linha da
nota fiscal (como material, descrição de material, ICMS e IPI).
 J_1BPRNFRE - Dados do recebedor da fatura: essa estrutura contém dados sobre o
recebedor da fatura (como endereço, número no CNPJ e inscrição estadual).
 J_1BPRNFRG - Dados do pagador:essa estrutura contém dados sobre o pagante (como
endereço, número no CNPJ e inscrição estadual).
 J_1BPRNFST – Subtotais e parte superior/inferior da página: essa estrutura é usada
para imprimir os totais da página anterior no caso de impressão de múltiplas páginas.
 J_1BPRNFTR - Dados do transporte: essa estrutura contém dados sobre o transporte
(como endereço, número no CNPJ e inscrição estadual).
 J_1BPRNFTX – Textos: essa estrutura contém os textos da nota fiscal. É usada para
imprimir até 16 linhas na janela do texto. O número de linhas impressas depende do
formulário da nota fiscal. Todos os outros textos são impressos na janela PRINCIPAL.

Há algumas restrições ao definir janelas e elementos do texto:


...

1. A janela PRINCIPAL deve conter os elementos do texto CABEÇALHO (imprimir


informações sobre o cabeçalho), LINHA (imprimir informações sobre a linha), INTERTOTAIS
(totais por condição de imposto e alíquota de ICMS), e TEXTOS (imprimir texto adicional que
não cabe na janela de texto).
2. A janela SUBTOTAL deve conter o elemento de texto RODAPÉ (subtotais na parte
inferior de uma página no caso de nota fiscal de múltiplas páginas).

Cancelamento de notas fiscais


Utilização

É possível usar o Emissor da nota fiscal para cancelar uma nota fiscal que foi criada
manualmente com o Emissor da NF.

Procedimento
...

1. Executar transação J1B3N (modo exibir do Emissor da NF).


2. Especificar o número do documento da nota fiscal interna.
3. Selecionar Nota Fiscal ® Cancelar.

Resultado

O sistema cria uma nova nota fiscal com o tipo Cancelar. Além disso, atualiza os dados
administrativos da nota fiscal original, definindo o código Cancelado.

Nota Fiscal: ArchiveLink


As funções do ArchiveLink estão disponíveis para notas fiscais no Emissor da nota fiscal.
Por exemplo, é possível escanear uma nota fiscal de entrada e anexá-la à nota fiscal entrada
no sistema.

Consultar também:

ArchiveLink

Verificações de autorização
O Emissor da Nota fiscal verifica as autorizações antes dos usuários executarem as funções
listada a seguir. É necessário atribuir as seguintes atividades do objeto de autorização
F_BKPF_BUK à função usada nas funções da Contabilidade financeira (FI).

Função Atividades
Criar: Atividade 01 (Criar)
Modificar Atividade 02 (Modificar)
Cancelar
Imprimir
Saída
Exibir: Atividade 03 (Exibir)

No menu SAP Easy Access, selecionar Ferramentas ® Administração ® Atualização do


usuário ® Administração de funções ® Funções.

Sistema de relatórios
Além do sistema de relatórios standard disponível no sistema R/3, foram criados relatórios
específicos do país para a Versão de país para o Brasil que abrange a maioria dos livros
fiscais e files fiscais necessários no Brasil.

O sistema de relatórios fiscais baseia-se na nota fiscal, e é executado no nível do local de


negócios.

Livros fiscais
Definição

Um registro, exigido pelas autoridades fiscais brasileiras, que contém operações financeiras
relativas à nota fiscal.

Utilização

Os livros fiscais precisam ser impressos mensalmente e mostrados às autoridades no caso


de uma auditoria. O sistema R/3 faz todas entradas para esses registros automaticamente e é
possível preparar cópias delas conforme necessário. A Versão de país para o Brasil suporta
os seguintes livros fiscais:

Nome Descrição em inglês Descrição em português


Modelo 1, 10 List of incoming documents and Registro de entradas
vendor list
Modelo 2 List of outgoing documents Registro de saídas
Modelo 3 Overview of production and Registro de controle da produção e
inventory do estoque
Modelo 7 Physical inventory overview Registro de inventário
Modelo 8 Directory for calculating IPI tax Registro de apuração do IPI
Modelo 9 Directory for calculating ICMS tax Registro de apuração do ICMS
Modelo 12 List of interstate goods movements List. de operações interestad.
ISS Report Directory for calculating ICMS tax Registro de apuração do ISS
Livro diário General journal Livro diário
Livro Razão Accounting book Livro Razão

Pode-se acessar os relatórios no menu SAP Easy Access como a seguir:

 Modelos e relatório de ISS:Contabilidade ® Contabilidade financeira ® Contas a receber ou


Contas a pagar ® Sistema de relatórios ® Brasil.
 Livro Diário:Contabilidade ® Contabilidade financeira ® Razão ® Processamento periódico
® Encerramento® Relatório ® Relatórios do razão ® Documento ® Brasil ® Diário.
Como a função general journal está disponível como SAP Query, permite criar facilmente
extensões sem modificar o texto fonte. O nome do query relevante é LD, a área funcional
relacionada é chamada de /SAPQUERY/J1B2 e o grupo do usuário relacionado é o
/SAPQUERY/XX.
 Livro Razão:Contabilidade ® Contabilidade financeira ® Razão ® Processamento
periódico ® Encerramento® Documento ® Escrituração de contas ® Todas as contas ®
Razão do file de documento.

Para informações detalhadas, consultar a documentação do relatório.

Livros fiscais
Definição

Um file deve ser submetido às autoridades fiscais.

Utilização

O sistema R/3 permite criar os seguintes files fiscais brasileiros:

Nome Descrição em inglês Descrição em português


Arquivo Magnético File as per ICMS law 69/02 Arquivo magnético ICMS
69/02
IN68 Master data, document files, Instrução normativa 68
and tables (valid through (IN68)
December 31, 2001)
IN86 Master data, document files, Instrução normativa 86
and tables (valid through (IN68)
December 31, 2001)
DIRF Withholding tax DIRF

Pode-se acessar os relatórios no menu SAP Easy Access como a seguir:

 Arquivo Magnético, IN68, e IN86: Contabilidade ® Contabilidade financeira ® Contas a


receber ou Contas a pagar ® Sistema de relatórios ® Brasil.
 DIRF: Contabilidade ® Contabilidade financeira ® Contas a pagar ® Imposto retido na
fonte ® Brasil ® DIRF.

Código CFOP
Definição

Um código definido pelas autoridades brasileiras que descreve o tipo de transação


comercial. Em português, é chamado de código fiscal de operações e prestações
Um código CFOP contém informações sobre a origem da mercadoria, assim como o tipo de
operaçãao, como vendas, devoluções, transferências de estoque, ou serviços.

Utilização

O código CFOP deve ser impresso em quase todas as notas fiscais e incluído na maioria dos
formulários de prestação de contas. Uma exceção seria alguns tipos de serviços onde o
CFOP não é necessário.

Estrutura

Desde 1 de janeiro de 2003, o código CFOP consiste de quatro dígitos, por exemplo, 1122.
Além disso, é possível definir extensões para cada código, que o sistema usa para atribuir
textos.

O primeiro dígito baseia-se nos seguintes critérios:

Direção de movimento de Primeiro dígito Categoria de destino


mercadorias
Entrada 1 Mesmo estado
2 Estado diferente
3 País diferente
Saída 5 Mesmo estado
6 Estado diferente
7 País diferente

Integração

O sistema determina o código CFOP automaticamente em Vendas e Distribuição (SD) e


Administração de materiais (MM), baseado em como foram definidas as Opções de
Customizing (consultar Códigos CFOP).

Administração de estoques em MM
Finalidade

O componente Administração de materiais (MM) abrange as leis e práticas comerciais mais


importantes específicas do Brasil – especialmente a geração automática de notas fiscais nos
processos de revisão de faturas e administração de inventários. A documentação a seguir
descreve esses aspectos do componente. Para informações gerais sobre MM, consultar
Administração de materiais.

Características

A Versão de país para o Brasil inclui as seguintes características:


Dados mestre

O mestre de materiais foi ampliado para permitir entrar todas as informações necessárias ao
sistema para determinar o número do CFOP, calcular os impostos relevantes e gerar uma
nota fiscal quando houver suprimento de materiais ou transferência de estoque.

De modo similar, o mestre de fornecedores foi ampliado para conter informações com
referência aos impostos. Portanto, o sistema pode calcular os impostos relevantes de cada
combinação de material e fornecedor.

Os dados mestre do centro permanecem sem alteração. É necessário apenas atribuir um


local de negócio a cada um dos centros, no Customizing, em Componentes para várias
aplicações ® Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal ® CNPJ dos locais de negócio
® Atribuir aos centros. É possível atribuir mais de um centro a um único local de negócio.

É necessário atualizar todos os dados mestre, para trabalhar no sistema.

Atividades diárias

Com as informações relevantes atualizadas nos registros mestre e no Customizing do MM,


o sistema pode criar uma nota fiscal automaticamente quando:

 Criar uma fatura em Revisão de faturas (Logística) (MM-IV)


 Entrar um movimento de mercadorias em Administração de estoques (MM-IM), inclusive
mercadorias atualizadas como estoque especial.
Sistema de relatórios

É possível criar todos os livros fiscais pertencentes ao MM.

Mestre de materiais (campos brasileiros)


O registro mestre de materiais foi ampliado para armazenar os dados adicionais relevantes
aos materiais nas empresas brasileiras. O sistema usa essas informações principalmente
para determinar o número do CFOP, calcular os impostos relevantes e gerar uma nota fiscal
quando houver suprimento de materiais ou transferência de estoque.

Os dados a seguir são encontrados nas fichas Importação de comércio exterior e


Exportação de comércio exterior:

 Código de controle
Esse campo contém o código NBM. O sistema entra esse valor quando é criado um pedido,
a menos que seja atualizado um código NBM no registro info de fornecedor/material.
Também não será possível alterar o código NBM manualmente na nota fiscal, então, o
sistema recalcula os impostos relacionados.
É possível atribuir os códigos NBM aos grupos de materiais no Customizing, em
Componentes para várias aplicações ® Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal ®
Códigos NBM ® Atribuir a grupos de materiais.
 Categoria do CFOP do material
Esse campo contém a categoria CFOP para o material, que o sistema usa para determinar o
código CFOP durante a geração da nota fiscal.
Os campos a seguir, todos usados para determinar o código CFOP, são encontrados na tela
Contabilidade 2:

 Utilização de material
Esse campo mostra a utilização pretendida do material, por exemplo, consumo.
 Origem do material
Esse campo especifica se o material foi produzido no Brasil ou importado.
 Produzido internamente
Se esse código estiver definido, o material foi produzido pela empresa

Mestre de fornecedores (Campos brasileiros)


Alguns campos no mestre de fornecedores são designados especificamente para o Brasil,
enquanto outros são de uma natureza mais genérica, mas têm um uso determinado no
Brasil. Todos os campos relevantes aos fornecedores brasileiros são descritos a seguir.

Para informações detalhadas, consultar Quais dados estão contidos no registro mestre do
fornecedor?

Dados gerais

Na tela Endereço, a região fiscal é exibida no campo Código do domicílio fiscal. Ao entrar
a região, o sistema determina automaticamente a região fiscal.

Os dados podem ser entrados na tela Controle.

 Número de identificação fiscal, no campo Número de identificação fiscal 1 ou Número de


identificação fiscal 2
 Número de inscrição estadual, no campo Número de identificação fiscal 3.
 Número de inscrição municipal, no campo Número de identificação fiscal 4.
 Divisão fiscal
Se o código Divisão fiscal for definido, 50% do valor do IPI calculado será lançado como IVA
suportado dedutível, e 50% será deduzido do lançamento do estoque ou do lançamento para
uma conta de despesas. Em geral, define-se esse código para fornecedores atacadistas que
não pagam IPI (consultar IPI.
 Base do imposto
Na Revisão de faturas – Logística, o sistema calcula o valor tributário do ICMS com uma
base fiscal reduzida para custos de frete apenas. A lei brasileira estipula uma redução para
80% na base de imposto da fatura do transporte (conhecimento) Entrar a base do imposto 1
se a transportadora receber uma redução de base de ICMS de 80%.
Dados da empresa

Para fornecedores que enviam boletos, deve-se atualizar as condições de pagamento com
um bloqueio de pagamento, definindo o código Bloqueio para pagamento.

Consultar também:

Criação de um registro mestre de clientes centralizadamente


Integração da nota fiscal à Revisão de faturas de Logística
Finalidade
Esse processo descreve como o sistema gera uma nota fiscal automaticamente no processo da
revisão de faturas em Administração de materiais (MM).

Pré-requisitos
Um número de atividades do Customizing são necessárias para configurar a geração automática
da nota fiscal.
Deve-se trabalhar com a Revisão de faturas (Logística) (MM-IV-LIV) para usar as funções da
nota fiscal integrada.

Processo
As seguintes etapas, juntamente com o gráfico, descreve o processo que leva à geração da nota
fiscal:
Geração da Nota fiscal no Processo de revisão de faturas (Logística)

1. Entrar um pedido em MM.


2. Ao receber as mercadorias, entrar o número correspondente de entradas de mercadorias
no sistema.
Seguir o procedimento standard e entrar o número da nota fiscal da nota fiscal emitida
pelo fornecedor no campo Nota da remessa.
3. Entrar uma fatura com baseado em cada entrada de mercadorias.
4. O sistema gera automaticamente uma nota fiscal para cada fatura.

Revisão de faturas: Customizing


A tabela a seguir fornece uma visão geral de todas as atividades do Customizing
relacionadas às funções de Revisão de faturas da Versão de país para o Brasil. As atividades
são listadas na mesma ordem na qual aparecem no Guia de Implementação (IMG).

Atividade de Customizing Caminho de IMG:


Administração de materiais ® Revisão de
faturas ® Fatura recebida ® Nota Fiscal ®
Atualizar tipos de item Categoria de linha
Atualizar transferências de valores para notas Determinação de valores
fiscais
Definir textos Textos automáticos
Atualizar transferência de dados de impostos Determinação do valor do imposto retido na
retidos na fonte para nota fiscais fonte
Atualizar linhas de documentos do material Linhas de documentos do material

Definição de textos do cabeçalho da nota fiscal para revisão de faturas


Utilização

Após terem sido definidos, o sistema pode gerar automaticamente os texto de cabeçalho
adequados nos seguintes casos:

 Devoluções em que o valor do IPI é mostrado como texto


 Os itens de documento de material não processados na revisão de faturas e que, por
conseguinte, não criam itens de NF separados
 Montantes de IRF

Procedimento

Para atualizar textos de cabeçalho, no Customizing da Administração de materiais,


selecionar Revisão de faturas da Logística ® Fatura recebida ® Nota Fiscal ® Textos
automáticos

Entrada de pedidos
Utilização
A tela do pedido foi ampliada para incluir informações adicionais necessárias para a nota
fiscal. Se for entrado um pedido em itens para os quais foi atualizado um mestre de
materiais, o sistema deriva as informações necessárias no registro mestre. Se não foi
atualizado nenhum mestre de materiais, será necessário entrar essas informações
manualmente, conforme descrito a seguir. Se entrar um pedido de serviços, seguir o
procedimento standard (especificar a categoria de item D), uma vez que os campos
brasileiros não são relevantes nesse caso.
Procedimento
Na tela SAP Easy Access, selecionar Logística ® Administração de materiais ® Compras ®
Pedido ® Criar ® Fornecedor/Centro fornecedor conhecidos e entrar o pedido seguindo o
procedimento standard, observando o seguinte:
 No nível de item, na ficha Fatura, certificar-se de que o código Revisão de faturas
baseada em EM esteja definido – exceto no caso de entregas futuras. (Para informações
detalhadas sobre essa função, consultar Revisão de faturas baseada em EM.).
 Se for entrado um texto livre na descrição do material (e não um material com um registro
mestre), será necessário entrar os seguintes dados manualmente.
 Na ficha Dados do material, entrar o grupo de materiais. O sistema usa o grupo

de materiais durante a Revisão de faturas de Logística para determinar o código
NBM do item, que é transferido para a nota fiscal.
  Na ficha Brasil, especificar o seguinte:
  Utilização do material
  Origem do material
  Produção interna (definir esse código para mercadorias produzidas
internamente)
  Categoria do CFOP do material
Integração
Se necessário, pode-se atualizar adicionalmente as condições de preço especiais para a
revisão de faturas. Quando um pedido é criado ou alterado, o sistema calcula os valores
baseado nessas condições de preço e transfere-os para a nota fiscal durante o faturamento.
Por exemplo, é possível mapear como devem ser transferidos valores de desconto e seguro.
O único valor que não pode ser mapeado é o valor do frete.
Para atualizar as condições de preços, no Customizing da Administração de materiais,
selecionar Revisão de faturas daLogística ® Fatura recebida ® Nota Fiscal ®
Determinação do valor.

Entrada de faturas
Utilização
Entrar uma fatura para cada entrada de mercadorias recebida e o sistema gera
automaticamente uma nota fiscal correspondente. Deve-se criar a fatura em uma base de
1:1, ou seja, não será possível agrupar várias entradas de mercadorias em uma única fatura
(a única exceção é um conhecimento criado com base em notas fiscais múltiplas)t
Pré-requisitos
O pedido e as entradas de mercadorias já foram entrados.
Procedimento
1. Na tela SAP Easy Access, selecionar Logística ® Administração de materiais ® Revisão
de faturas (Logística) ® Entrada de documentos ® Entrar fatura.
2. Na ficha Referência do pedido, entrar um dos seguintes itens:
1. a. Número da nota fiscal, se foi entrado na entrada de mercadorias
(selecionar a categoria de documento Nota da remessa).
Se o número da nota fiscal foi entrado, o sistema copia automaticamente sobre os
itens do pedido com referência à nota fiscal. Também transfere automaticamente o
número da nota fiscal para a nota fiscal.
2. b. Pedido (selecionar a categoria do documento Pedido/Programa de
remessas)
Se o pedido referir-se a vários itens, será necessário selecionar as mais relevantes
incluídos na fatura.
3. Se o número da nota fiscal não foi entrado no pedido, deve-se entrá-lo no campo
Referência, para que o sistema o transfira para a nota fiscal.
4. Na ficha Detalhes, entrar um tipo de nota fiscal apropriado (como E1, que é fornecido com
a versão de país para o Brasil).
5. Selecionar Entrar.
É exibido o botão Nota fiscal, que pode ser usado para saltar diretamente para a nota fiscal
gerada automaticamente.
6. Lançar a fatura.

Após ter lançado a fatura, acessar o modo de exibição da fatura para acessar o botão
Nota fiscal. Como alternativa, é possível visualizar a nota fiscal gerada no Emissor da
Nota Fiscal.
Entrega futura
Utilização

Deve-se comprar mercadorias e pagar antes que o fornecedor as entregue. O processo


envolve duas notas fiscais – uma que serve como fatura e uma que acompanha as
mercadorias.

Atividades

Processar uma entrega futura na Revisão de faturas da Logística.


...
...

Entrar um pedido. Na tela SAP Easy Access, selecionar Logística ® Administração de


materiais ® Compras ® Pedido ® Criar ® Fornecedor/centro fornecedor conhecidos.
Como a fatura é lançada antes do recebimento das mercadorias, é necessário desativar o
código Revisão de faturas baseada em EM, localizado no nível de item na ficha Fatura.
Lançar a fatura e especificar o seguinte:
  Entrar uma referência para o pedido.
  Entrar manualmente o montante e a quantidade das mercadorias.
  Entrar o número da nota fiscal no campo Referência.
  Na ficha Detalhes, entrar um tipo de nota fiscal apropriado (como E1, que é
fornecido com a versão de país para o Brasil).
O sistema gera automaticamente a nota fiscal correspondente.
Entrar uma referência para o pedido. Na tela SAP Easy Access, selecionar Logística ®
Administração de materiais ® Administração de estoques ® Movimento de mercadorias ®
Entrada de mercadorias ® Para pedido ® EM para pedido
  Especificar um tipo de movimento adequado (por exemplo, 801)
  Entrar o número da segunda nota fiscal recebida com as mercadorias no campo
Nota da remessa.
  Entrar o número da primeira nota fiscal recebida (na etapa 2), no campo Texto
de cabeçalho.
O sistema gera automaticamente a nota fiscal correspondente, que contém o número interno
na primeira nota fiscal no campo Número do documento original.

Débito/crédito Posterior
Utilização
Lançar um débito ou crédito posteriores sempre que um fornecedor enviar uma fatura
adicional vinculada a uma fatura original, por exemplo, acompanhando uma entrega
posterior.
Ou se receber uma nota fiscal que contenha informações incorretas. A lei brasileira estipula
que deve-se entrar esses lançamentos nos registros e posteriormente solicitar ao fornecedor
que envie uma correção, chamada complementar. Dependendo do erro, lançar a correção no
sistema assim como um débito ou crédito subseqüentes.
Atividades
1. Entrar um débito ou crédito posteriores usando a transação de faturas.
2. Na ficha Referência do pedido, ao:
  Selecionar Nota da remessa e entrar o número de referência da nota fiscal ou
  Selecionar Pedido/Programa de remessas e entrar o pedido de referência.
Se a revisão de faturas baseada na entrada de mercadorias foi ativada no pedido,
correspondente, o sistema copia automaticamente a nota fiscal de referência. Se essa
função não foi ativada, deve-se entrar o número de referência da nota fiscal no campo
Texto de cabeçalho, na ficha Detalhes.
3. Na ficha Dados básicos, entrar o número da nova nota fiscal no campo Referência.
4. Na ficha Detalhes, entrar um tipo de nota fiscal adequado (como E2, que é fornecido com
a versão de país para o Brasil).
5. Lançar o débito ou o crédito.
O sistema gera automaticamente a nota fiscal correspondente e o vincula à nota fiscal
original preenchendo seu número interno no campo Número do documento original.

Conhecimento (Fatura do frete)


Utilização
A versão de país para o Brasil permite entrar conhecimentos (faturas de frete brasileiras) no
sistema como um débito subseqüente, baseados em uma única nota fiscal ou em notas fiscais
múltiplas, conforme ilustrado a seguir:
Conhecimento de notas fiscais múltiplas

Esse segundo caso representa a única exceção à relação de 1:1 entre fatura e nota fiscal no
sistema.

Atividades
Para entrar um conhecimento baseado em uma única nota fiscal, seguir o procedimento para
criação de um débito posterior, mas especificar o tipo de nota fiscal C1.
Para entrar um conhecimento baseado em múltiplas notas fiscais.
1. Lançar um débito posterior usando o mesmo procedimento acima.
2. Na ficha Referência do pedido, é possível entrar números de nota fiscal múltiplas ou
pedidos múltiplos usando a função de seleção ampliada.

Se não tiver sido lançada uma fatura para uma entrada de mercadoria, o sistema não
permite que as linhas de material sejam incluídas no conhecimento. É necessário
desmarcar manualmente essas linhas na tela de seleção.
3. Na ficha Detalhes, entrar um tipo de nota fiscal adequado (como CR, que é fornecido com
a versão de país para o Brasil).
4. Entrar os montantes de frete de cada um dos itens. Se tiver apenas um montante, deve-se
entrá-lo na ficha Detalhes, no campo Custos complementares de aquisição não planejados
e o sistema o distribuirá por todos os itens.

Não é possível lançar custos complementares de aquisição não planejados para uma
conta do Razão separada entrando-os como custos complementares de aquisição
não planejados na fatura – uma vez que isso só permitiria especificar um código de
imposto no nível de cabeçalho e no Brasil, os impostos são calculados no nível do
item. Para isso, é necessário entrar um lançamento separado diretamente na conta
do Razão.
5. Lançar o débito.
O sistema gera automaticamente a nota fiscal correspondente. Não exibe um documento
original associado, uma vez que há mais de um.

Devoluções
Utilização
Usar essa função ao devolver mercadorias, que devem estar acompanhadas por um nota fiscal, ao
fornecedor.

Atividades
...
...

1. Entrar um nota de crédito usando a transação de faturas.


2. Na ficha Referência do pedido, especificar um pedido de referência ou uma nota fiscal
de referência (Nota da remessa).
Se entrar um pedido no qual a revisão de faturas baseada na entrada de mercadorias não foi
ativada, deve-se entrar o número da nota fiscal de referência no campo Referência.
3. Na ficha Detalhes, entrar um tipo de nota fiscal adequado (como E4, que é fornecido
com a versão de país para o Brasil).
4. Lançar a nota de crédito e o sistema automaticamente irá gerar uma saída de nota fiscal
correspondente.
5. Ultimamente, deve-se reduzir o estoque conforme o caso. Criar uma entrada de
mercadorias para o pedido com um tipo de movimento apropriado.

Modificação de valores da nota fiscal


O sistema R/3 gera automaticamente uma nota fiscal ao
 Criar uma fatura em Revisão de faturas (Logística — MM-IV)
 Entrar um movimento de mercadorias na Administração de estoques (MM-IM)
 Completar qualquer um dos outros processos com a criação de uma nota fiscal integrada,
como a subcontratação
Se for necessário fazer alterações subseqüentes à nota fiscal, deve-se fazê-lo via Emissor da Nota
Fiscal. É possível alterar os seguintes valores de nota fiscal:
 Legislação tributária ICMS
 Legislação tributária IPI
 Código CFOP
 Montante básico do imposto, montante básico excluído e outro montante básico
 Taxa de imposto
 Valor fiscal
 Desconto
 Seguro
 Outras despesas
 Campo de observação, usado exemplo para se referir aos documentos externos, por
exemplo.
 Textos do item
Observar o seguinte em MM-LIV:
1. Não é possível modificar os valores de preço, frete e total, na tela da nota fiscal —
porque o sistema calcula o preço com base no valor e na quantidade, e deriva o
frete e o total com base na fatura. É possível, entretanto, alterar esses valores na
tela da revisão de faturas.
2. Quaisquer alterações feitas no nível de nota fiscal serão perdidas se forem
alteradas posteriormente no nível de fatura.
Cancelamento de faturas
Utilização

Quando uma fatura entrada em uma empresa brasileira é cancelada, o sistema cancela a
nota fiscal correspondente conforme descrita a seguir.

Procedimento
...

1. Na tela SAP Easy Access, selecionar Logística ® Administração de materiais ®


Revisão de faturas (Logística) ® Processamento posterior ® Cancelar documento de fatura.
2. Entrar o número do documento de fatura, ano fiscal e motivo de estorno.
3. Selecionar Documento de fatura ® Estornar.
O sistema cria uma nova nota fiscal com o tipo Cancelar e define o código Cancelado na
nota fiscal original.

Integração da nota fiscal à Administração de estoques


Finalidade
Esse processo descreve como o sistema gera uma nota fiscal automaticamente quando é
registrado um movimento de mercadorias com referência a uma nota fiscal em Administração de
materiais (MM-IM).
No Brasil, os impostos são cobrados no movimento de mercadorias – e não na venda, como é de
costume em outros países. As funções de nota fiscal integrada na Administração de estoques
geram notas fiscais para movimentos de mercadorias relevantes para as quais não foi gerada
nenhuma nota fiscal na Revisão de faturas - Logística (MM-IV-LIV) ou Faturamento (SD-BIL). Por
exemplo, é necessário uma nota fiscal durante a transferência do estoque, mesmo que a
transferência não envolva um pedido ou uma ordem do cliente.

Pré-requisitos
É necessário configurar as seguintes informações no Customizing da MM, em Administração de
estoques e Inventário físico ® Nota Fiscal ®
 Atualizar derivação de categoria de nota fiscal
Nessa atividade, definir quais movimentos de mercadorias são relevantes para a geração da
nota fiscal. Para isso, especificar X (Relevante) no campo Rel. NF e o tipo de nota fiscal.
Além disso, é necessário atualizar o tipo de item de NF, se a SubTrib deve ser incluída na
determinação de CFOP, o tipo de parceiro de NF e a função do parceiro.
 Atualizar a cadeia de lançamentos de impostos
Nessa atividade, atualizar – para o esquema de impostos usado, para cadeias de
lançamento que chamam o cálculo de impostos – as condições nas quais os impostos são
lançados na Administração de estoques.

Processo
1. Entrar um movimento de mercadorias.
2. O sistema cria um documento de material.
3. Para cada documento de material, o sistema gera automaticamente uma nota fiscal.
É possível acessar a nota fiscal diretamente da tela de movimento de mercadorias
selecionando o botão Nota fiscal, na tela posterior é possível fazer alterações na nota fiscal.

Entrada de movimentos de mercadorias


É possível entrar todos os tipos de movimento de mercadorias – entradas de mercadorias,
saídas de mercadorias, lançamentos de transferências e assim por diante – na tela SAP Easy
Access, selecionando Logística ® Administração de materiais ® Administração de
estoques ® Movimento de mercadorias ® Movimento de mercadorias (MIGO).
Especificar qual a transação comercial a ser executada.

Observar que a função de bloqueio do material posterior não está disponível para
movimentos de mercadorias envolvendo a geração de nota fiscal, mas é possível
fazer uso do bloqueio de material exclusivo (consultar Bloqueio de material para
Movimentos de mercadorias).

Observar as seguintes entradas específicas do Brasil:

Nas notas fiscais de entrada com mercadorias fornecidas, é necessário entrar o número da nota
fiscal de saída. Entrar esse número no campo Nota da remessa.
No caso de devoluções, entrar o número da nota fiscal de referência no campo Texto do
cabeçalho.

O sistema determina automaticamente:

Código de CFOP por linha.


O valor do item da nota fiscal é determinado pela entrada no campo Montante base alternativo.
Se um pedido estiver disponível, o sistema transfere automaticamente o valor líquido do
pedido como o valor da partida da nota fiscal.

Subcontratação
Utilização

Consultar Subcontratação

Para empresas brasileiras, o sistema gera automaticamente um nota fiscal para movimentos
de mercadorias iniciados como parte de uma ordem de subcontratação.

Pré-requisitos

Foram concluídas as atividades de Customizing relevantes descritas aqui.

Atividades

O processo de subcontratação abrange duas fases: oferecer ao fornecedor os componentes


necessários para o cumprimento da ordem de subcontratação e o processamento dos
produtos acabados enviados pelo fornecedor (inclusive nota(s) fisca(is) recebidas).

Componentes de transporte para ordens de subcontratação


...
...

1. Criar pedido com categoria de item L(subcontratação).


Entrar um código de imposto no nível do item. Se uma lista técnica (BOM) for atualizada
para o produto, o sistema usa isso para determinar quais componentes necessitam ser
transportados. Se nenhuma lista técnica estiver disponível, o sistema vai para a tela
Componente de síntese, onde é possível entrar o(s) componente(s) manualmente.
2. Entrar um lançamento de transferência para transferir o componente para o fornecedor
(a menos que já tenha estoque suficiente no centro para preencher a ordem). Na tela SAP
Easy Access, selecionar Logística ® Administração de materiais ® Administração de
estoques ® Movimento de mercadorias ® Transferência. Como alternativa, é possível exibir
uma lista de todas as ordens em aberto contendo componentes a serem transportados,
selecionar a ordem relevante e lançar uma saída de mercadorias diretamente. Para isso,
selecionar Logística ® Administração de materiais ® Compras ® Pedido ® Sistema de
relatórios ® Estoques colocados à disposição do fornecedor.
Especificar o tipo de movimento 541 (fornecido com o sistema standard) para transferir
estoque do próprio estoque de utilização livre para o estoque de subcontratação do
fornecedor. Entrar um montante base líquido alternativo. Após selecionar Entrar, aparece o
botão Nota fiscal. Pressionar o botão para ir para a nota fiscal gerada como resultado do
movimento de mercadorias. Na nota fiscal é necessário entrar uma lei tributária de ICMS e
IPI (na maioria dos casos, IC0 e IP0) e outro montante base.
Não há impostos vencidos na transferência do estoque de subcontratação para o fornecedor,
se os produtos acabados forem entregues em 180 dias.
O sistema determina automaticamente o código CFOP do tipo de item, que deriva do tipo de
movimento. O código CFOP, exibido na nota fiscal, indica que o estoque é parte de uma
ordem de subcontratação e que não há imposto vencido nesse momento.
3. Imprimir a saída da nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal.
Processo de produtos acabados

Após receber os produtos acabados do fornecedor, lançar uma entrada de mercadorias e


entrar uma fatura. Contudo, essas últimas etapas diferem – dependendo se o fornecedor
emitir uma única nota fiscal contendo os produtos acabados e os componentes, ou se emite
duas notas fiscais, uma para os produtos acabados e outra para os componentes. O item
principal refere-se ao produto acabado.

Nota fiscal única


...
...

1. Criar uma entrada de mercadorias para o pedido com um tipo de movimento apropriado
(como 101) para o item principal.
Entrar o número da nota fiscal no campo Nota da remessa. Se os componentes forem
exibidos, o sistema gera automaticamente o tipo de movimento 543 para os componentes,
que não podem ser alterados. É possível, contudo, alterar a quantidade. Entrar um montante
base alternativo na tela detalhada do item.
Quando a entrada de mercadorias é lançada, o sistema registra dois movimentos – um para
a entrada do item principal (101) e um para reduzir o estoque especial no fornecedor (543).
O tipo de movimento 101 é relevante para a fatura, enquanto 543 não é – mas os
componentes devem aparecer na nota fiscal. Para processar esse caso, deve-se especificar
quais tipos de movimento não são relevantes para a fatura, mas quais são relevantes para a
nota fiscal. Para isso, no Customizing da Administração de materiais, selecionar Revisão de
faturas da Logística ® Faturas recebidas ® Nota Fiscal ® Linhas de documento de material
2. Lançar a fatura.
Entrar o número da nota fiscal no campo Nota da remessa. Após selecionar Entrar, é exibido
o botão Nota Fiscal. A nota fiscal única gerada exibe todos os itens. O item do componente é
estatístico, o que significa que não há impostos vencidos.

Duas notas fiscais


...
...
...

1. Lançar uma entrada de mercadorias para o material acabado.


Entrar o número da nota fiscal no campo Nota da remessa. Alterar manualmente a
quantidade de componentes para zero. Diferente do caso da nota fiscal única acima, a
entrada de mercadorias não reduz o estoque especial no fornecedor.
2. Lançar uma fatura para o item principal com, por exemplo, o tipo de nota fiscal E1
(fornecido com o sistema standard).
O sistema gera a primeira nota fiscal.
3. Entrar um ajuste subseqüente do pedido.
Nesse processo, deve-se fazer um ajuste do item principal e reduzir o estoque especial no
fornecedor (o que leva à criação da nota fiscal). Na tela SAP Easy Access, selecionar
Logística ® Administração de materiais ® Administração de estoques ® Movimento de
mercadorias ® Ajuste posterior ® Subcontratação. Entrar os dados seguintes:
  O número da nota fiscal no campo Nota da remessa.
  O número da nota fiscal do item principal, no campo Texto do cabeçalho do
documento.
  Número do pedido
O sistema exibe os itens principais com o tipo de movimento 121 (ajuste posterior EM), que
não está relacionado a qualquer movimento de mercadorias. Para reavaliar os estoques,
entrar manualmente a quantidade de componentes usados para produzir o material (o
número de itens na segunda nota fiscal). No nível do componente, é exibido o tipo de
movimento 543 para redução de estoque especial no fornecedor. Entrar o montante base
alternativo no nível do item. Após selecionar Entrar, é exibido o botão Nota Fiscal. Nessa
segunda nota fiscal, o número da nota fiscal de referência é exibido no campo Observações.

Embalagem retornável de transporte


Utilização

Consultar Embalagem retornável de transporte (RTP).

Versão de país para o Brasil permite administrar estoques de RTP com a geração de nota
fiscal integrada. Isso pode ser acionado de duas maneiras:
...

1. Lançando a quantidade de mercadorias RTP apenas (como é feito no processo RTP


standard)
2. Lançando a quantidade e estoque na Administração de estoques.
Deve-se criar um material separado (dados de estoque especial) para esse formulário de
processo RTP porque é necessário avaliá-lo separadamente de outros materiais.
RTP nos movimentos de material simples

As notas fiscais são criadas com base nos seguintes transportes de RTP:

 Transportes com um tipo de movimento apropriado


 Cancelamento de transportes
 Devoluções com um segundo tipo de movimento apropriado

Criar a entrada de mercadorias com o primeiro tipo de movimento e entrar o número da


nota fiscal do transporte de RTP no campo Nota do material.

RTP nas faturas

As notas fiscais são criadas também com base no equipamento retornável de transporte
juntamente com outros itens da fatura:

 Notas de débito com itens adicionais com base no transporte


 Cancelamento de faturas com itens adicionais com base no transporte

Neste caso, proceder da seguinte maneira:


...

1. Criar um pedido com categoria de item Standard.


2. Criar uma entrada de mercadorias para o pedido com um tipo de movimento apropriado.
Entrar o número da nota fiscal da fatura como nota da remessa. Antes de efetuar o
lançamento, criar um novo item sem pedido, usando um segundo tipo de movimento
apropriado.
3. Criar uma fatura relacionada para a nota da remessa. Entrar o número da nota fiscal da
fatura como nota da remessa. A nota fiscal resultante contém os itens relevantes para a
fatura, assim como os itens de RTP encontrados na entrada de mercadorias.

Entrega futura
Utilização

No Brasil, o fornecedor pode exigir o pagamento das mercadorias antes de entregá-las.


Nesse caso, um fornecedor envia uma fatura, o cliente paga e o fornecedor despacha as
mercadorias. No Brasil, essa transação é chamada de venda para entrega futura e é tratada
na versão de país para o Brasil pela função de entrega futura.

Integração

O processo envolve duas notas fiscais – uma que serve como fatura e uma que acompanha
as mercadorias. Ambas contêm informações relevantes sobre impostos.

Características

As notas fiscais são criadas com base nas seguintes faturas de entrega futura:

 Notas de débito
 Notas de crédito
 Cancelamento de faturas

E para os seguintes tipos de transporte de entrega futura:

 Transportes com um tipo de movimento apropriado


 Cancelamento de transportes
 Devoluções com um segundo tipo de movimento apropriado

Atividades
...

1. Criar um pedido com categoria de item Standard. Entrar o código de imposto K1


(fornecido com o sistema standard, para “compra para entrega futura I/R“) no nível de item.
Desmarcar a Revisão de faturas baseada na EM no nível do item.
2. Entrar uma referência para o pedido. Entrar o número da nota fiscal da fatura como
documento de referência e o código de imposto ‘K1’ para os itens marcados.
3. Criar uma entrada de mercadorias para o pedido com um tipo de movimento apropriado.
Entrar o número da nota fiscal do fornecimento como nota da remessa e o número da nota
fiscal da fatura como texto do cabeçalho. Entrar o código de imposto K0 (de “compra para
entrega futura E/M”) para todos os itens marcados.

Consignação
Utilização

Consultar Consignação

Para atender às exigências brasileiras, o sistema gera notas fiscais nos seguintes casos:
...

1. Baseado nos transportes de material em consignação


  Transportes com um tipo de movimento apropriado
  Cancelamento de transportes
  Devoluções com um segundo tipo de movimento apropriado
2. Baseado nas faturas de material em consignação
  Notas de débito
  Notas de crédito
  Cancelamento de faturas
Pré-requisitos

É necessário criar um material separado para estoque em consignação, uma vez que ele
deve ser avaliado separadamente de todos os materiais normais.

Atividades

Processar materiais em consignação da seguinte maneira:


...

1. Entrar um pedido.
Especificar a categoria de item Standard (deixar em branco), e entrar o código de imposto
K6 no nível de item
2. Lançar uma entrada de mercadorias para pedido.
Especificar um tipo de movimento apropriado. Entrar o número da nota fiscal que
acompanha as mercadorias em consignação no campo Nota da remessa, ou entrar o código
de imposto k5 para todos os itens selecionados.
3. Entrar uma devolução seguindo o procedimento padrão.
Pode-se transferir o material para um estoque próprio por uma transferência de material para
material.
4. Criar uma fatura com referência à nota de remessa.
Entrar o número da nota fiscal do fornecimento no campo Nota da remessa, e o número da
nota fiscal da fatura como documento de referência. Entrar o código de imposto ‘K6’ para
todos os itens marcados.

Processamento da ordem por terceiros


Utilização

Consultar Processamento da ordem por terceiros.

No Brasil, o processamento por terceiros compreende o processamento de transporte por


terceiros, faturas do fornecedor, faturas do frete e faturas de entrega futura.

O gráfico a seguir mostra a relação entre clientes, empresas e transportador terceirizado .


Processamento por terceiros na Administração de materiais (MM)

Perspectiva do fornecedor

Do ponto de vista do fornecedor, a nota fiscal é criada baseada na fatura do frete. Neste
caso, proceder da seguinte maneira:
...

1. Entrar um pedido com categoria de item S (terceiro); também é possível converter uma
requisição de compra criada em Vendas e Distribuição (SD). Criar uma entrada de
mercadorias para o pedido com um tipo de movimento apropriado. Criar uma fatura
relacionada para a nota de remessa. Entrar o número da nota fiscal da fatura como
documento de referência e o número da nota fiscal do transporte real como texto do
fornecedor.
2. Criar uma entrada de mercadorias para o pedido com o mesmo tipo de movimento.
Entrar o número da nota fiscal do fornecimento como nota de remessa.
3. Criar um documento financeiro com os lançamentos de ICMS.
4. Para o transporte de entrega futura por terceiros, criar uma nota fiscal usando o Emissor
da Nota Fiscal. Entrar o número da nota fiscal do fornecimento simbólico. Entrar o número
da nota fiscal da fatura (neste caso, um número do documento) como documento original e o
número da nota fiscal do transporte real como observação.
Perspectiva do cliente

Como um cliente, as notas fiscais são criadas com base nos seguintes transportes de RTP:

 Transportes com tipos de movimento adequados


 Cancelamento de transportes
 Devoluções com um segundo tipo de movimento adequado

e com base nas seguintes faturas do fornecedor:

 Nota de débito
 Nota de crédito
 Cancelamento de faturas
Proceder da seguinte maneira:
...

1. Criar um pedido com categoria de item Standard (deixar em branco). Entrar o


fornecedor da entrega nos detalhes do cabeçalho.
2. Criar uma entrada de mercadorias para o pedido com o primeiro tipo de movimento.
Entrar o número da nota fiscal do transporte como nota de remessa e o número da nota
fiscal da fatura como texto do cabeçalho.
3. Criar uma fatura com referência à nota de remessa. Entrar o número da nota fiscal da
fatura como documento de referência e o número da nota fiscal do transporte como texto do
fornecedor.

Usar a revisão de faturas da entrada de mercadorias, mesmo quando a fatura chegar


primeiro

Lançamento de transferências de estoque válidas para


todos centros via saídas/entradas de mercadorias
Utilização
Uma transferência de estoque válida para todos os centros é um processo empresarial
tipicamente brasileiro realizado na Administração de estoques, que abrange dois tipos de
movimentos relevantes para a geração da nota fiscal.
Para informações detalhadas, consultar Transferência de estoque válida para todos os
centros.
Pré-requisitos
Para transferir estoque entre centros, um mestre de fornecedores e um mestre de clientes
devem ser definidos e atribuídos aos centros pertinentes.
 Para atribuir o mestre de fornecedores a um centro, no mestre de fornecedores, selecionar
Saltar ® Dados org. de compras ® Dados de compras® Suplementos ® Dados de
compra adicionais.
 Para atribuir o mestre de clientes a um centro, no Customizing da Administração de
materiais (MM), selecionar Compras® Pedido ® Definir pedido de transferência de
estoque .
Também deve-se entrar classificações contábeis para a chave de operação GBB
(lançamento de contrapartida do lançamento de estoques) e compensar TRA. Para isso,
selecionar no Customizing da MM Análise e classificação contábil ® Determinação de
contas ® Determinação automática sem assistente ® Configurar lançamentos
automáticos.
Saídas de mercadorias
Para a saída de mercadorias, criar uma transferência de mercadorias com o tipo de
movimento 833. Entrar um código de imposto A0, A1, A3 ou B0 no nível do item.
Entradas de mercadorias
Para a entrada de mercadorias, selecionar Administração de materiais ® Documento de
material ® Entrar em depósito. O sistema usa automaticamente o tipo de movimento 835.
Entrar o número da nota fiscal no campo Nota de remessa e o código de imposto
correspondente I0, I1, I3, ou C0 no nível do item. O sistema preenche automaticamente o
valor líquido do item do centro emissor, que depois é impresso na nota fiscal.
Lançamento de transferências para todos os centros
usando pedidos de transferência de estoque
Utilização

Pode ser necessário processar movimentos de mercadorias de modo diferente do processo


standard de entrada e saída de mercadorias, talvez seja necessário usar transferências
internas de estoques entre os centros. Para gerar a transferência de estoque usando o
Planejamento de necessidades de material (MRP), deve-se lançar a saída de mercadorias
por meio de uma remessa em Vendas e distribuição (SD) e a entrada de mercadorias na
Administração de materiais (MM). Para informações detalhadas, consultar Transferência
de estoque usando o pedido de transferência de estoques.

O sistema oferece dois tipos de movimento necessários ao lançamento de um pedido de


transferência de estoque:

 Tipo de movimento 862 para saída de mercadorias


 Tipo de movimento 861 para entrada de mercadorias

Procedimento

Para lançar um pedido de transferência de estoque usando o MRP, proceder da seguinte


forma:
...

1. Na Administração de materiais, criar um pedido de transferência de estoque no centro


receptor.
Na tela SAP Easy Access, selecionar Logística ® Administração de materiais ® Compras ®
Pedido ® Criar ® Fornecedor/centro fornecedor conhecidos.
2. Gerar um documento de remessa em SD
Na tela SAP Easy Access , selecionar Logística ® Vendas e distribuição ® Expedição e
transporte ® Entrega ® Criar ® Processamento coletivo dos documentos para a remessa
® Pedidos
3. Executar o picking e a embalagem das mercadorias, e lançar a saída de mercadorias
em SD.
Na tela SAP Easy Access , selecionar Logística ® Vendas e distribuição ® Expedição e
transporte ® Entrega ® Modificar ® Documento individual.
4. Imprimir uma saída de nota fiscal com o Emissor de Nota Fiscal.
5. Lançar uma entrada de mercadorias em MM.

Vendas e distribuição (SD)


Finalidade

O componente Vendas e distribuição (FI) abrange as leis e práticas comerciais mais


importantes específicas do Brasil. A documentação a seguir descreve esses aspectos do
componente. Para informações gerais sobre SD, consultar Vendas e distribuição.

Características
Funções específicas do país

A versão de país para o Brasil permite processar transações de venda de modo que sejam
tributadas e documentadas de acordo com as exigências brasileiras.

O sistema transfere automaticamente todos os impostos relevantes e gera uma nota fiscal no
processo de entrega futura, e também nos seguintes processos empresariais padrão de SD:

 Criar uma ordem do cliente em Faturamento (SD-BIL)


 Consignação
 Processamento da ordem de terceiros
 Devoluções e cancelamentos
 Embalagem retornável
 Lotes
 Faturamento retroativo

Campos adicionais foram acrescentados ao registro mestre do cliente para armazenar dados
específicos do Brasil, e clientes ocasionais também são suportados.

Modelo de país

O modelo de país do Brasil vem com modelos de esquemas de cálculo e todos os códigos
de imposto SD necessários a esses esquemas.

Mestre de clientes (campos brasileiros)


Alguns campos no mestre de clientes são designados especificamente para o Brasil,
enquanto outros são de uma natureza mais genérica, mas têm um uso determinado para o
Brasil. Todos os campos relevantes aos clientes brasileiros são descritos a seguir.

Para informações detalhadas, consultar Mestre de clientes.

Dados gerais

Na ficha Endereço, a região fiscal é exibida no campo Código do domicílio fiscal. Ao entrar
a região, o sistema determina automaticamente a região fiscal.

Na ficha Dados de controle, entrar dados conforme necessário:

 Número de identificação fiscal


 Categoria CFOP
O sistema usa esse valor para determinar o número CFOP ao entrar uma ordem do cliente,
com o objetivo de criar uma nota fiscal em Vendas e distribuição (SD).
 Lei tributária de ICMS
 Lei tributária de IPI
 Códigos: Isento de IPI, ICMS e/ou de ST
Dados da empresa

Na ficha Administração de contas, definir o código Cálculo de juros, usado para cobrar os
pagamentos de juros das partidas em atraso.
Na ficha Operações de pagamento, definir Pagamento individual (Código: Pagar todos os
itens separadamente?) Este pagamento deve ser entrado em razão de uma duplicata ser
criada para cada partida em aberto.

Consultar também:

Criação de um registro mestre de clientes centralizadamente

Integração da nota fiscal no SD


Utilização

Uma das principais características da Versão de país para o Brasil é que ela gera
automaticamente uma nota fiscal na função de faturamento do componente Vendas e
distribuição (SD).

Integração

O processo de SD é ilustrado abaixo, iniciando com a criação de uma ordem do cliente e


concluindo com a geração das notas fiscais necessárias.

Nota fiscal integrada ao faturamento SD

O sistema cria uma nota fiscal para cada documento de faturamento que é gerado, sendo
essas faturas no exemplo acima. Uma nota fiscal também é gerada em vários outros
processos empresarias de SD; esses são descritos na documentação a seguir.

Após uma nota fiscal ter sido gerada, é possível visualizá-la e imprimi-la usando o Emissor
de Nota Fiscal.

Pré-requisitos

Antes que o sistema gere as notas fiscais automaticamente, deve-se efetuar várias Opções
de Customizing.

Customizing de notas fiscais em SD


Para trabalhar com a nota fiscal na Versão de pais para o Brasil, é necessário fazer várias
opções de Customizing. São, na maior parte, opções gerais (consultar Customizing de nota
fiscal); contudo, há algumas opções específicas da geração automática de nota fiscal do
processo de faturamento em Vendas e distribuição (SD). É necessário:
 Ativar a criação da nota fiscal
 Configurar a determinação do CFOP
 Configurar textos de nota fiscal
 Configurar a transferência de valores de nota fiscal
 Permitir uma partição da nota fiscal (se necessário)
O SD calcula os impostos relevantes e os transfere para a nota fiscal, na qual são solicitadas
opções de impostos.

Ativação da criação de notas fiscais em SD


Para que o sistema R/3 crie um item de nota fiscal, é necessário ativar a criação da nota
fiscal em três níveis diferentes. No Customizing de Vendas e distribuição, em Faturamento
® Documentos de faturamento ® Características específicas de país ® Características
específicas de país - Brasil ®
...

1. Especificar categoria de nota fiscal


O pré-requisito para essa atividade: os tipos de documento de venda no Brasil, fornecidos
via CATTs, foram definidos no sistema (consultar Configurações do Customizing feitas
usando CATT).
Para cada tipo de documento de venda no qual é relevante a criação de uma nota fiscal, é
necessário atribuir um tipo de nota fiscal, por exemplo, N1, Saída de nota fiscal. A maioria
dos tipos de documentos de venda no Brasil são identificados por BR na descrição, por
exemplo, o tipo de documento de venda ORB da Ordem standard BR.
2. Atualizar tipos de faturamento
Para cada tipo de faturamento relevante para a criação da nota fiscal, é necessário definir o
código Relevância da nota fiscal, e especificar as informações adicionais como a ID do
parceiro (por exemplo, RE, recebedor da mercadoria) e o número máximo de linhas de texto
permitido para o cabeçalho e a partida individual.
3. Atualizar categoria de item de documento de faturamento
Para cada combinação de tipo de faturamento e categoria de item, deve-se ativar a criação
da nota fiscal definindo o código Relevância da nota fiscal.

Configuração da determinação de CFOP em SD


Utilização

Para permitir a criação automática da nota fiscal, o sistema necessita determinar o código
CFOP durante o processo de vendas em Vendas e distribuição (SD). O sistema acessa as
informações mencionadas abaixo para determinar o código CFOP na ordem do cliente ou
na entrega, e depois transfere-as para o documento de faturamento e posteriormente para a
nota fiscal. Se o sistema não puder determinar um código usando a tabela de determinação
de CFOP, deve-se entrar um código manualmente na entrega ou na ordem do cliente.

Procedimento
Customizing

Percorrer as atividades do Customizing, em Componentes para várias aplicações ®


Funções de aplicação geral ® Nota fiscal ® Códigos CFOP

Também é necessário atribuir o tipo de item da nota fiscal à categoria do item e tipo de
ordem do cliente, no Customizing de SD, em Faturamento ® Documentos de faturamento
® Características específicas de país ® Características específicas de país – Brasil ®
Atualizar categoria de item do documento de vendas.

Consultar também:

Redeterminação do CFOP

Dados mestre

Se um cliente executa determinados tipos de operação – por exemplo, é uma empresa


elétrica ou um cliente do setor agrícola – deve-se entrar uma categoria CFOP de cliente no
registro mestre de cliente, em Dados gerais na ficha Dados de controle. O sistema usa essas
informações para determinar o código CFOP correto.

Redeterminação do CFOP
Utilização

Como resultado de modificações legais geralmente válidas a partir de uma determinada


data, ou devido à legislação especial em estados individuais no Brasil, o sistema permite
definir versões CFOP e atribuí-las aos códigos CFOP, conforme necessário.

Se entrar em vigor uma nova versão, o sistema pode redefinir o código CFOP para
documentos pendentes em Vendas e distribuição (SD). Por exemplo, já foi entrada uma
entrega ou ordem do cliente, entra em vigor uma nova versão CFOP, e posteriormente
processa-se um faturamento: é necessário a nova versão CFOP no documento de
faturamento.

Pré-requisitos

O sistema redefine o código CFOP de acordo com a mudança de versão, se a nova versão
for relevante para redeterminação. Definir no Customizing das versões de CFOP, em
Componentes para várias aplicações ® Funções de aplicação geral ® Nota fiscal ®
Códigos CFOP ® Definir versões CFOP, definindo o código Redeterminação.
(Redeterminação CFOP automática de acordo com a mudança de versão).

Características

O sistema determina o código CFOP na entrega ou ordem do cliente, e como mostra a


tabela a seguir, só determina o código CFOP, se o código for definido e ocorrer uma
mudança de versão. Se ocorrer uma mudança de versão e o código não for definido, o
sistema copia o código CFOP como de costume, que nesse caso seria da forma incorreta.

Definir Código Mudança de versão entre Resposta do sistema no CFOP


Redeterminação ordem/entrega e faturamento Correto?
faturamento
Sim Não Copia CFOP da ordem/entrega Sim
Sim Redefine CFOP Sim
Não Não Copia CFOP da ordem/entrega Sim
Sim Copia CFOP da ordem/entrega Não
Para entrar o CFOP corretamente no documento de faturamento é necessário que a
definição esteja correta na ordem do cliente ou entrega (entrada manual ou automática), e
correta no Customizing do CFOP (consultar Códigos CFOP Customizing de nota fiscal).

Observar que no caso de um código CFOP incorreto no documento de faturamento, não é


possível modificá-lo manualmente. Se o documento de faturamento já estiver gravado, será
necessário cancelá-lo, assim como cancelar a nota fiscal correspondente. Em seguida,
modificar manualmente a entrega ou ordem do cliente e faturar a entrega novamente.

Atividades

Para redefinir o CFOP automaticamente, definir o código redeterminação conforme descrito


acima.

Como não é possível modificar o código CFOP manualmente no documento de


faturamento, recomenda-se definir com cautela o código rederteminação para
versões com cautela – e apenas durante uma fase transitória na qual é provável que
ocorra uma mudança de versão de documentos pendentes

Configuração de textos de nota fiscal


É possível configurar o sistema para que os textos de nota fiscal sejam determinados
automaticamente. Depois, o sistema transfere os tipos de texto descritos abaixo da nota
fiscal. No Customizing de Vendas e distribuição, em Faturamento ® Documentos de
faturamento ® Características específicas de país ® Características específicas de país -
Brasil
1. Textos de cabeçalho de nota fiscal baseados no tipo de ordem do cliente
É possível definir textos de cabeçalho de nota fiscal para cada tipo de ordem do cliente, na
atividade IMG Atualizar textos de cabeçalho de nota fiscal automática. Em cada texto,
também é possível definir um argumento (variável) que seja incorporado ao texto, como o
motivo da ordem ou a taxa de câmbio.
2. Leis tributárias
É possível definir textos de leis tributárias de IPI e ICMS, na atividade IMG Atualizar
categoria do item do documento de vendas. Para informações detalhadas sobre a
determinação de leis tributárias, consultar Lei tributária.
3. Textos manuais
O sistema pode transferir quaisquer textos entrados manualmente – no nível do item ou do
cabeçalho – em qualquer documento precedente anterior à criação da nota fiscal. Isso pode
ser na ordem do cliente, entrega ou documento de faturamento, ao criar esses documentos,
é possível entrar o texto em Saltar ® Cabeçalho ou Item ® Textos. O tipo e a extensão do
texto podem ser definidos na atividade IMG Atualizar tipos de faturamento.
4. Texto de produto perigoso
O sistema pode transferir o número armazenado no campo Número de material perigoso no
mestre de materiais, localizado na ficha Segmento do centro/depósito 1. É possível entrar
um texto de produto perigoso – de até no máximo quatro linhas – no mestre de materiais,
selecionando o botão Dados adicionais, depois a ficha Nota interna.
Configuração de transferência de valores para nota
fiscal
Utilização

A nota fiscal contém vários valores: de descontos, frete, seguro, valor total da nota fiscal e
assim por diante. O esquema de cálculo empregado define como o sistema calcula esses
valores.

Procedimento

No Customizing de Vendas e distribuição (SD), em Faturamento ® Documentos de


faturamento ® Características específicas de país ® Características específicas de país -
Brasil ® Condições especiais para o cálculo de preços, é necessário atribuir um valor de
nota fiscal ao tipo de condição em cada esquema de cálculo. Os tipos de condição
atualizados aqui controlam:

 Qual condição é usada para preencher quais valores da nota fiscal


 Se uma condição deve ser excluída do valor base usada para o cálculo do IPI
 Se uma condição é parte do valor base usado para o cálculo do ICMS/SubTrib sobre frete

Ativação de partição de fatura (Partição de nota fiscal)


Utilização
No Brasil, as sociedades devem imprimir e apresentar notas fiscais no nível de local de
negócios. De maneira geral (apenas essas sociedades que possuem uma permissão especial
estão isentas dessa obrigação), uma partição de nota fiscal é exigida por lei quando se
imprime notas fiscais. Isso significa que se a quantidade de notas fiscais ultrapassar uma
página, o local de negócio deverá emitir o número de notas fiscais equivalente ao de
páginas exigidas. O sistema permite isso por meio de uma partição de nota fiscal.
Procedimento
Efetuar as seguintes opções de Customizing, em Componentes para várias aplicações ®
Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal ®
1. CNPJ dos locais de negócio ® Definir locais de negócios
Clicar duas vezes no local de negócios relevante e definir o código Página única. Assim, o
sistema permite partições de faturas (ou outros documentos de faturamento), levando a nota
fiscal correspondente a caber em uma única página.
Só não deverá definir esse código, se estiver autorizado a imprimir notas fiscais de múltiplas
páginas.
2. Saída ® Definir números da nota fiscal e tamanho de formulários
Aqui é necessário atualizar o número de linhas permitidas na mensagem do cabeçalho,
assim como o número de partidas permitidas para cada combinação de empresa, local de
negócios e formulário de nota fiscal.

O número de itens por nota fiscal é reduzido se, para um item, forem necessárias
várias linhas da nota fiscal como nos casos de desconto, por exemplo.
Criação de ordens do cliente
Procedimento
Criar uma ordem do cliente para empresas brasileiras seguindo o procedimento standard.
Entrar tipo da ordem ORB para uma ordem standard brasileira. (Para os outros processos
SD documentados nesta seção, entrar o tipo da ordem especificado).
O nível de partida contém um número de campos específicos para o Brasil (na ficha País).
O sistema preenche todos eles automaticamente baseado nas opções do Customizing:
 Códigos de imposto SD brasileiros.
 Número de CFOP
Se o sistema não é capaz de determinar o número do CFOP do item, será necessário entrá-
lo manualmente. Para informações detalhadas, consultar Configuração da determinação de
CFOP em SD.
 Textos de lei tributária de IPI e ICMS

Integração
Após criar uma ordem de cliente, criar uma entrega e um documento de faturamento. É
possível fazer isso diretamente da tela da criação da ordem, selecionando Documento de
venda ® Entrega ou Faturamento. O sistema gera automaticamente uma nota fiscal com
base no documento de faturamento. Imprimir a nota fiscal com o Emissor de nota fiscal.

Entrega futura
Utilização

No Brasil, é possível fornecer as mercadorias ao cliente somente depois de ele efetuar o


pagamento. Nesse caso, um fornecedor envia uma fatura, o cliente paga e o fornecedor
despacha as mercadorias. No Brasil, essa transação é chamada de venda para entrega
futura e é tratada na versão de país para o Brasil pela função de entrega futura.

Duas notas fiscais devem ser geradas no processo – aquela enviada pelo fornecedor que
funciona como uma fatura (nota fiscal faturai) e aquela enviada com o transporte de
mercadorias (nota fiscal remessa). O sistema gera essas faturas automaticamente quando a
venda para entrega futura é processada conforme descrito a seguir.

Integração

Criar um documento de faturamento SD seguindo o procedimento standard e o sistema irá


gerar automaticamente a nota fiscal correspondente em background. É importante distinguir
entre esses dois documentos separados.

Em geral, enviar ao cliente a fatura após concluir o processamento do documento de


faturamento. No Brasil, é necessário imprimir e enviar a nota fiscal – não o documento de
faturamento de SD. Executar a impressão com o Emissor de nota fiscal

No processo de entrega futura, primeiro envia-se a nota fiscal de faturamento (fatura) ao


cliente; não está vinculada a uma entrega neste ponto. Ao entregar as mercadorias, é
necessário criar outra nota fiscal (remessa). Essa segunda nota fiscal deve fazer referência à
primeira – deve ser impressa na nota fiscal e incluída nos livros fiscais (Modelo 2). O
sistema insere essa referência automaticamente quando é criada a ordem do cliente para o
transporte com referência ao documento de faturamento anterior.
Atividades
Criação de faturas de entregas futuras
...

1. Criar uma ordem de cliente com o tipo de ordem VEF.


2. Criar o documento de faturamento subseqüente (na transação Ordem do cliente,
selecionar Documento de venda ® Faturamento).
O sistema usa automaticamente o tipo de faturamento FA (Fatura antecipada BR). Quando
um documento de faturamento é gravado, o sistema R/3 gera a nota fiscal.
3. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal e enviá-la ao cliente.
Criação de transportes de entregas futuras
...

1. Quando estiver tudo pronto para fornecer as mercadorias, criar uma ordem do cliente
com o tipo da ordem VEFR.
Deve-se entrar uma referência no documento de faturamento anterior da etapa 2 acima.
2. Criar um fornecimento (na transação Ordem do cliente, selecionar Documento de venda
® Fornecimento).
O tipo de remessa é LF, mas não é necessário entrar isso para criar o fornecimento com
referência à ordem.
3. Criar o documento de faturamento.
O sistema usa automaticamente o tipo de faturamento FAR (Fatura de entrega futura BR).
Novamente, o sistema gera a nota fiscal automaticamente; insere a referência necessária no
campo Número do documento original (Referência à NF) e transfere as informações para o
sistema de relatórios.
4. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal e enviá-la ao cliente juntamente
com as mercadorias.

Consignação
Utilização

Consultar Processamento de estoque em consignação.

A versão de país para o Brasil gera automaticamente notas fiscais fora das funções de
reposição e retirada de artigos em consignação.

Atividades
Criação de reposição de artigos em consignação
...

1. Criar uma ordem de cliente com o tipo de ordem KBB.


2. Entrar um fornecimento com o tipo de remessa LF.
3. Criar um documento de faturamento com o tipo de faturamento FCR, com referência ao
documento de remessa e não à ordem do cliente.
O sistema gera automaticamente uma nota fiscal com base nesse documento de
faturamento.
4. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal e enviá-la ao cliente juntamente
com as mercadorias.
Criação de Retiradas de artigos em consignação:
...

1. Criar uma ordem de cliente com o tipo de ordem KEB.


Na caixa de diálogo exibida, especificar o documento de faturamento que foi criado para a
reposição.
2. Entrar um fornecimento com o tipo de remessa LF.
3. Criar um documento de faturamento com o tipo de faturamento FC, com referência ao
documento de remessa e não à ordem de cliente.
O sistema gera automaticamente uma nota fiscal desse documento de faturamento. Insere
no campo apropriado a referência à nota fiscal original da reposição e transfere essas
informações para o sistema de relatórios.
4. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal e enviá-la ao cliente.

Processamento da ordem de terceiros


Utilização
Consultar Processamento da ordem de terceiros.
Atividades
Para usar essa função no Brasil, é necessário entrar uma ordem de venda separada para
itens de fornecimento direto a terceiros, com os tipos de ordem especiais descritos abaixo.
A versão de país para o Brasil suporta os seguintes cenários empresariais brasileiros
envolvendo vendas a terceiros.
Venda à Ordem
Vender mercadorias a um cliente e contratar um fornecedor terceirizado para fazer a
remessa. Proceder da seguinte maneira:
...

1. Criar uma ordem do cliente com o tipo VDOR.


O sistema atribui automaticamente a categoria de item TBS (item de fornecimento direto –
Brasil) ao item e cria para ele uma requisição de compra. Se o sistema não determinar a
fonte de suprimento automaticamente, será necessário entrar manualmente a pessoa que
deve fornecer as mercadorias no campo Fornecedor fixo na requisição de compras.

O fornecedor deve ser incluído na nota fiscal de faturamento (fatura) gerada na etapa
3. Para certificar-se, atualizar o texto do cabeçalho da nota fiscal da seguinte forma:
para o tipo de documento VDOR, número de seqüência 10, entrar o texto
Mercadorias serão enviadas diretamente de & por nossa conta e
entrar o argumento FORNECEDOR.
2. Completar as etapas de compras necessárias: revisão de faturas e pedidos.
O fornecedor externo entrega as mercadorias ao cliente, juntamente com a nota fiscal
própria.
3. Criar um documento de faturamento com o tipo de faturamento F2B; o sistema atribuirá
esse tipo automaticamente se a fatura fizer referência à ordem de cliente.
Quando um documento de faturamento é gravado, o sistema gera automaticamente a nota
fiscal.
4. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal e enviá-la ao cliente.
Remessa por Conta e Ordem
Nesse caso, cumprir a função de fornecedor: o cliente (emissor da ordem) encomenda as
mercadorias do fornecedor que as envia ao cliente (recebedor das mercadorias) e fatura esse
cliente (emissor da ordem).
É necessário criar duas notas fiscais – uma para acompanhar as mercadorias e uma para
enviar ao emissor da ordem que serve como uma fatura.
Criação de uma nota fiscal para acompanhar as mercadorias
...

1. Criar uma ordem do cliente com o tipo RCM.


Entrar o emissor da ordem e o recebedor das mercadorias. O emissor da ordem já enviou
uma nota fiscal ao cliente e informou à empresa dessa nota fiscal. Entrar a data dessa nota
fiscal no campo Data do pedido e o número da nota fiscal no campo Referência (em Saltar
® Cabeçalho ® Contabilidade).
2. Criar um fornecimento subseqüente.
3. Criar o documento de faturamento.
Essa fatura tem um valor total de zero e portanto não cria um documento contábil, mas gera
uma nota fiscal.
4. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal e enviá-la ao recebedor das
mercadorias.
Criação de uma nota fiscal para o Emissor da ordem
...

1. Criar uma ordem do cliente com o tipo RCS.


Na caixa de diálogo exibida, entrar o número do documento de faturamento da fatura da
etapa 3 acima.
2. Criar o documento de faturamento.
Isso gera a NF do emissor da ordem e um documento contábil correspondente.
3. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da Nota Fiscal e enviá-la ao emissor da ordem (o
cliente).

Devoluções
Utilização
Consultar Devoluções
No Brasil, uma devolução só pode ser criada após a nota fiscal de saída anterior ter sido
impressa.
Atividades
É possível processar os seguintes tipos de devoluções usando a versão de país para o Brasil,
ao criar uma ordem de cliente (devolução):
 Devolução com uma nota fiscal do cliente
Nesse caso, o cliente aceitou as mercadorias fornecidas, depois devolveu-as com uma nova
nota fiscal.
Criar uma devolução com o tipo de ordem REB. Entrar o número do documento de
faturamento original na caixa de diálogo exibida. Para criar uma nota de crédito, também é
necessário entrar a data dessa nota fiscal no campo Data do pedido e o número da nota
fiscal no campo Referência (em Saltar ® Cabeçalho ® Contabilidade).
Criar as devoluções e o documento de faturamento (nota de crédito). O sistema gera a
entrada da nota fiscal. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da nota fiscal.
1.  Devolução com uma nota fiscal do cliente
Nesse caso, o cliente recusa o transporte de mercadorias diretamente e devolve-o com a
nota fiscal que o fornecedor emitiu.
Criar uma devolução com o tipo de ordem ROB. Entrar o número do documento de
faturamento original na caixa de diálogo exibida e um motivo da ordem. Concluir o processo
criando as devoluções e o documento de faturamento conforme descrito no caso acima.

Embalagem retornável
Utilização

Consultar Embalagem retornável

Versão de país para o Brasil permite a reposição e a retirada de embalagem retornável (RP)
com a criação de uma nota fiscal integrada.
Atividades
Processo de reposição de embalagens retornáveis

Existem duas formas de processar as reposições RP, dependendo se uma nota fiscal
separada for gerada para a RP
...

1. Com nota fiscal separada (recomendada)


Criar uma ordem do cliente separada para a embalagem retornável com o tipo ORB. O valor
total da nota fiscal será a soma dos itens de embalagem retornável, mas não será criada
nenhuma conta a pagar para o cliente. Imprimir a nota fiscal com o Emissor da nota fiscal.
2. Uma nota fiscal para todos os itens inclusive os de embalagem retornável.
Entrar o item RP como item na ordem de vendas do tipo ORB. Processar o fornecimento e o
faturamento, como habitualmente. Nesse caso, o preço do RTP não será incluído no valor
total da nota fiscal.
Também é possível incluir o item do RTP ao criar o fornecimento. O sistema preenche
automaticamente o código de imposto do SD se estiver gravado no registro info de cliente-
material.
Imprimir a nota fiscal com o Emissor da nota fiscal.
Processo de retiradas de embalagens retornáveis

O processo de retirada de RP envolve a criação de uma ordem de devolução, uma


devolução e um documento de faturamento (do qual é gerado uma nota fiscal).

Criação de uma devolução RP

As ordens de retirada de RP devem ser criadas distintamente das ordens de devolução de


materiais comuns, mesmo que sejam devolvidas com uma única nota fiscal. Criar a ordem
com referência ao documento de faturamento que foi criado quando a embalagem
retornável foi transportada para o cliente.
...

1. Ordens de devolução com nota fiscal distinta para o RP:


Criar uma ordem do cliente do tipo LAB e entrar o número de referência da nota fiscal.
2. Ordens de devolução com nota fiscal única para o RP e outro material.
É necessário criar uma ordem de devolução separada para os materiais não retornáveis; os
tipos de ordens apropriados são descritos nos casos a seguir (consultar também
Devoluções):
3. a. Se o cliente devolver mercadorias com sua própria nota fiscal, criar
uma ordem de devolução do tipo RTEB e entrar o número e a data da nota fiscal nos
campos Número do pedido e Data do pedido. Para materiais não retornáveis, criar
uma ordem de devolução separada do tipo REB.
4. b. Se o cliente devolver mercadorias com a nota fiscal emitida pelo
fornecedor, usar o tipo de ordem RTOB e entrar o número de referência da nota
fiscal. Para materiais não retornáveis, criar uma ordem de devolução separada do
tipo ROB.
Se o cliente devolver mercadorias com sua própria nota fiscal, criar uma ordem de devolução do tip o RTEB, e entrar o número e a data da nota fiscal nos campos Número do pedido e Data do pedido. Para materiais não retornáveis, criar uma ordem de devolução separada do tip o REB.If the customer returns goods with the nota fiscal you issued, use the order type RTOB, and enter the nota fiscal number of the reference Nota Fiscal in the reference no. field . ??? For non-RP materials, create a separate order of the type ROB.

Criação de uma devolução para a embalagem retornável

Entrar uma devolução seguindo o procedimento padrão.

Faturamento de uma devolução RP


Se a nota fiscal de entrada deste processo consistir em RTP e outro material, devem ser
processadas as ordens de devoluções normais e de devoluções de RTP juntamente para que
seja criada uma única nota fiscal.

Nesse caso, é necessário certificar-se de que as condições de expedição sejam as


mesmas para o tipo de ordem original e as ordens de devolução de RTP RTEB e
RTOB, e que o número de NF do cliente possua exatamente o mesmo formato nas
ordens de devolução REB e RTEB.

Imprimir a nota fiscal com o Emissor da nota fiscal.

Faturamento retroativo
Utilização
O faturamento retroativo permite gerar uma lista de documentos de faturamento que
precisam ser ajustados como resultado de uma nova estipulação de preço entrando em vigor
após a criação e subseqüentemente reavaliá-los com o novo preço e gerar o as notas de
crédito e débito resultantes.
Integração
A função standard Faturamento retroativo (SD-SLS-OA) em Vendas e distribuição (SD)
foi ampliada para permitir a integração da nota fiscal do seguinte modo:
No Brasil, as notas fiscais devem ser geradas juntamente com as notas de crédito e débito,
para as quais o sistema solicita o tipo de nota fiscal. Os tipos de notas fiscais são atribuídos
aos tipos de ordem do cliente no Customizing (etapa dois abaixo)
No processo de faturamento standard, o sistema deriva o tipo de nota fiscal do tipo da
ordem do cliente criada. No processo de faturamento retroativo, os dados são copiados
diretamente do documento de faturamento selecionado para o faturamento retroativo. Para
determinar o tipo de nota fiscal, o sistema solicita um link entre um tipo de ordem do
cliente e o tipo de documento de faturamento da nota de crédito ou débito a ser gerada.
Estabelecer esse link criando um tipo de ordem do cliente dummy, conforme descrito
abaixo.
Pré-requisitos
Além das opções de Customizing necessárias ao faturamento retroativo standard, é
necessário:
1. Criar dois tipos de ordem do cliente dummy – no Customizing de SD, em Vendas ®
Documento de vendas ® Cabeçalho do documento de vendas ® Definir tipos de
documentos de vendas.
É possível, por exemplo, copiar os tipos de solicitação de nota de crédito e débito. Nos tipos
de ordem do cliente, entrar os tipos de faturamento de nota de crédito e débito criados
especificamente para o faturamento retroativo como os tipos de faturamento com referência
à ordem (localizados no quadro de grupo Faturamento)
2. Atribuir os tipos de nota fiscal relevantes aos tipos de ordem do cliente dummy – no
Customizing do SD, em Documentos de faturamento ® Características específicas de país
® Características específicas de país - Brasil ® Especificar categoria da nota fiscal.

Clientes ocasionais
Utilização
O sistema R/3 permite processar ordens do cliente de clientes com quem se negocia uma
única vez ou muito raramente, chamados de clientes ocasionais.
Integração
O processo da ordem do cliente standard em Vendas e distribuição (SD) foi ampliado
para permitir a integração da nota fiscal. Quando é criada uma fatura para um cliente
ocasional em SD, o sistema transfere informações relevantes para a nota fiscal, extraindo-as
das seguintes fontes:
1. O registro mestre de clientes para clientes ocasionais
2. As informações são entradas na ordem do cliente, especialmente o endereço do
cliente (recebedor da mercadoria), o número do CPF e CNPJ e em alguns casos, o
número da inscrição estadual.
Atividades
Customizing
É necessário definir um grupo de contas para clientes ocasionais, no Customizing da
Contabilidade financeira (FI), em Contas a receber e Contas a pagar ® Contas do cliente
® Dados mestre ® Preparativos para a criação de dados mestre de clientes ® Definir
grupos de contas com layout de tela (clientes).
É possível copiar o grupo de contas standard CPD (numeração interna) ou CPDA (numeração
externa) e renomeá-lo. Atualizar o status do campo para Dados gerais da seguinte maneira:
Selecionar Definir campos como “Exibir” Definir campos como “Entrada
grupo opcional”
Endereço Todos os campos a serem exibidos –
durante a exibição da nota fiscal
(como código postal, cidade, rua,
região e assim por diante.
Controle Código de imposto 1 Pessoa física
Código de imposto 2 Código de imposto 3
Categoria CFOP Código de imposto 4
Impostos brasileiros: ICMS, IPI, ST.

Se o grupo de contas CPDA for usado, também será necessário copiar todas as entradas
onde o grupo de contas CPD existe sobregravando a entrada CPD com CPDA. Para isso,
selecionar no Customizing do SD, Funções básicas ® Determinação de parceiros ®
Configurar determinação de parceiros ® Configurar determinação de parceiros para o
mestre de clientes. Marcar o parceiro relevante e selecionar Grupos de contas – Atribuição
de funções na estrutura de diálogo
Dados mestre
Criar os seguintes modelos de registro mestre de clientes que poderão ser especificados
depois durante a criação de uma fatura para um cliente ocasional:
1. Um para pessoas físicas (para as quais será necessário entrar um número de CPF na
fatura)
Definir o código Pessoa física na ficha Dados de controle e entrar ISENTO no campo
Número de identificação fiscal 3.
2. Um para sociedades (para as quais será necessário entrar um número de CNPJ na
fatura)
Outra opção é criar modelos adicionais para cada obrigação de ICMS que possa ocorrer.
Nesse caso, o sistema selecionaria as informações tributárias do registro mestre.
Atividades diárias
Ao lançar uma fatura para um cliente ocasional, especificar o modelo relevante como o
cliente. Na caixa de diálogo exibida, entrar o nome e o endereço do cliente. Se o cliente for
pessoa física, entrar o número do CPF no campo Número da identificação fiscal 2, do
contrário, entrar o número do CNPJ no campo Número da identificação fiscal 1. Se for
entrado um número de CNPJ, também será necessário entrar o número de inscrição estadual
no campo Número de identificação fiscal 3. Se o cliente for pessoa física, esse campo já
deve estar preenchido com ISENTO conforme definido no modelo para pessoas físicas.
Observar que se os dados do parceiro forem alterados no processo de criação de uma
ordem do cliente:
1. Cada entrada diferente em uma das funções do parceiro cria uma entrada separada
no banco de dados do endereço central, não é feita nenhuma verificação de
consistência.
2. Se for necessário alterar a região ou o código de domicílio fiscal do cliente (devido
a erro de digitação, por exemplo), a redefinição de CFOP só será acionada se forem
feitas as alterações apropriadas no recebedor de mercadorias.
Processar todas as funções subseqüentes seguindo o procedimento standard e o sistema
transfere os dados do cliente automaticamente para a nota fiscal, onde estarão disponíveis
para o sistema de relatórios. Não é possível, contudo, criar duplicatas ou boletos para
clientes ocasionais.

Ordens em moeda estrangeira


Utilização

Quando é criada uma ordem do cliente denominada não em Reais, mas em uma moeda
estrangeira, o sistema gera automaticamente um nota fiscal correspondente na moeda
interna.

Integração

A taxa de câmbio está disponível como um argumento para os textos do cabeçalho da nota
fiscal automática. Para informações detalhadas, consultar Textos na nota fiscal.

Se forem criados documentos de venda subseqüentes, por exemplo no caso de uma


devolução, o sistema usa a taxa de câmbio atual e não aquela do documento original.

Cancelamento de Notas Fiscais


Para cancelar uma nota fiscal criada em Vendas e distribuição (SD), é necessário cancelar o
documento de faturamento. Após fazer isso, o sistema cria automaticamente uma nova
nota fiscal com o tipo Cancelar, que armazena o banco de dados da nota fiscal. Atribui
automaticamente o tipo de cancelamento apropriado de nota fiscal ao tipo correspondente
de nota fiscal (consultar Nota Fiscal: Customizing), que no caso do SD seria uma nota
fiscal de saída.

Para cancelar um documento de faturamento, a nota fiscal correspondente já deverá


ter sido impressa.
Contabilidade financeira (FI)
Finalidade

O componente Contabilidade financeira (FI) abrange as leis e práticas comerciais mais


importantes específicas do Brasil. A documentação a seguir descreve esses aspectos do
componente.

Características

A versão de país para o Brasil autoriza a entidade de local de negócio o nível que é usado
para declarar IVA, relatório de nota fiscal e numeração de documento oficial.

Atividades diárias:

 Calcular impostos automaticamente ao lançar um pedido em Administração de materiais


(MM) ou uma ordem do cliente em Vendas e Distribuição (SD).
 Processar pagamentos de entrada e saída em Contas a receber (FI-AR) e Contas a pagar
(FI-AP).
Isso inclui boletos, faturas e DME.

Também é possível usar as funções FI brasileiras para atender às exigências dos relatórios
externos, incluindo os livros fiscais e files fiscais.

Impostos (FI-AP/AR)
Utilização

O componente Contabilidade financeira (FI) abrange as leis e práticas comerciais mais


importantes específicas do Brasil. Para informações detalhadas sobre impostos, consultar
Impostos (FI-AP/AR).

Pré-requisitos

Foram atualizadas todas as opções de impostos no Customizing. Cada taxa de imposto é


descrita em detalhes na documentação a seguir, junto com as opções de Customizing
necessárias. Contudo, para uma visão geral, consultar a lista de atividades de Customizing
activities para impostos brasileiros.

Além disso, deve-se entrar todos os números de identificação fiscal relevantes aos clientes,
fornecedores e à própria empresa.

Características

A Versão de país para o Brasil calcula automaticamente os seguintes formulários de


impostos:

 IVA
 Impostos retidos na fonte
O sistema calcula impostos brasileiros que são cobrados em níveis federais, estaduais e
municipais. Leva em conta as possíveis exceções e disponibiliza todos os dados relativos a
impostos exigidos pelo relatório externo.

Número de identificação fiscal


Definição

Consultar número de identificação fiscal

Utilização

A versão de país para o Brasil abrange vários números de identificação fiscal no Brasil para
cobrança de impostos e posteriormente declaração às autoridades fiscais. Atualizar números
de identificação fiscal de clientes e fornecedores nos registros mestre na ficha (clientes)
Dados de controle ou na tela (fornecedores) Controle.

 Número no CNPJ para pessoas jurídicas


 Número de CPF para pessoas físicas
Entrar o número do CPF no campo Número de identificação fiscal 2 e definir o código
Pessoa física. O número do CPF contém 11 dígitos, por exemplo, 076.635.658-80. Entrar
todos os 11 dígitos sem espaços, pontos ou hífens.
 Inscrição estadual
Entrar a inscrição estadual no campo Número de identificação fiscal 3 (não há número fixo
de dígitos ou formato especial).
 Inscrição municipal
Entrar a inscrição municipal no campo Número de identificação fiscal 4 (não há número fixo
de dígitos ou formato especial).

Entrar as próprias inscrições estaduais e municipais por local de negócio (consultar Local
de negócio).

Número no cadastro nacional de pessoas jurídicas


Definição

Consultar Número CNPJ

Estrutura

O número no CNPJ tem 14 dígitos, por exemplo, 12.345.678./0001-96. Esses dígitos


representam três elementos distintos:

 Os primeiros oito dígitos referem-se ao número de registro da empresa atribuído à


empresa pelas autoridades fiscais.
 Os próximos quatro dígitos referem-se ao local de negócio.
 Os últimos dois dígitos referem-se aos números de verificação, que o sistema usa para
executar verificações automáticas quando é criado um registro de cliente ou de fornecedor
para assegurar que não sejam armazenados no sistema nenhum número inválido.
Dados mestre

Atualizar números no CNPJ de clientes e fornecedores nos registros mestre na ficha


(clientes) Dados de controle ou na tela (fornecedores) Controle, no campo Número de
identificação fiscal 1. Ao entrar os números no CNPJ de clientes e fornecedores, entrar
apenas os 14 dígitos – sem espaços, pontos, barras ou hífens.

Entrar vários elementos próprios do número no CNPJ nos dados mestre da empresa. No
Customizing da Contabilidade financeira (FI), selecionar Opções globais Contabilidade
financeira ® Empresa ® Entrar parâmetros globais. Selecionar Detalhes adicionais e
entrar dados da seguinte forma:

 Local de negócio no CNPJ


Entrar aqui o elemento do local de negócio que é atribuído às sedes da enpresas. Em geral,
esse número é 0001. O sistema exige esse número para processar Contas a receber (FI-AR)
e Contas a pagar (FI-AP).
 Número de registro da empresa no CNPJ
Entrar aqui o número de registro da empresa, que é o mesmo para todos os locais de
negócio definidos na empresa.

Cada combinação de número de registro de empresa e local de negócio fornece um único


número no CNPJ; o local de negócio é o nível no qual o sistema de relatórios deve ser
executado.

Local de negócio
Definição

Consultar local de negócio No Brasil, refere-se a uma unidade organizacional localizada


entre os níveis de empresa e centtro, conforme ilustrado no gráfico a seguir (chamado de
BP):

Utilização

No Brasil, o local de negócios é usado para declarar IVA, relatório de nota fiscal e
numeração de documento oficial.
Customizing

É necessário fazer as seguintes opções para os locais de negócio no Customizing dos


Componentes para várias aplicações, em Funções de aplicação geral ® Nota Fiscal ®
CNPJ dos locais de negócio:

 Definir locais de negócio


Definir aqui todos os locais de negócio necessários à empresa. Para cada local de negócio,
entrar informações relacionadas à nota fiscal, como os números de identificação fiscal. Se a
substituição tributária (ST) deve ser aplicada, é possível entrar o número da inscrição
estadual da ST por região fiscal. Também é necessário atualizar os dados de endereço de
cada local de negócio uma vez que o programa de impressão de nota fiscal usa o endereço
do local de negócio como o endereço do emitente (não o endereço do centro fornecedor).
Ao fazer essas opções, o sistema estabelece o local de negócio como a entidade registrada
com as autoridades que são responsáveis pela emissão de notas fiscais e relatório de nota
fiscal e impostos.
 Atribuir locais de negócios a centros
Atribuir local de negócio a um ou mais centros.

O centro deve ser atribuído à empresa brasileira antes de alocar um local de negócio.

Também é necessário atribuir grupos de intervalo de numeração ao local de negócio, uma


vez que é no nível do local de negócio que os formulários de saída são numerados. Essa
atribuição é feita no Customizing da nota fiscal (consultar o caminho acima), em Saída ®
Definir números da nota fiscal e tamanhos de formulários.

Além disso, é necessário atualizar a atribuição do local de negócio nos dados mestre da
empresa, conforme descrito em Número no CNPJ.

IVA
Definição

Consultar IVA e Impostos adicionais.

Utilização

No Brasil, existem vários IVAs, dos quais a Versão de país para o Brasil abrange os
seguintes:

 Imposto sobre produtos industrializados (IPI)


 Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS), assimo como formulários
especiais de ICMS
  ICMS (complemento)
  ICMS sobre fretes
  ICMS substituição tributária (SubTrib) e SubTrib sobre fretes
1.  Imposto municipal sobre serviços (ISS).
2.  Contribuição social sobre serviços (INSS – Instituto nacional de seguro social).

Quando uma empresa é criada usando o modelo do Brasil e as etapas do Customizing são
concluídas, o sistema faz automaticamente todas as opções necessárias para esses impostos.
As seções a seguir explicam sobre os impostos em detalhes, começando com uma
explicação sobre as várias taxas por imposto, e como o sistema calcula essas taxas.

Local de trabalho do administrador de impostos


Utilização
O local de trabalho do administrador de impostos (TMW) é uma ferramenta de
Customizing que permite fazer todas as opções necessárias relevantes para o cálculo de
impostos no Brasill (aproximadamente 50), em uma única tela.

Recomendamos praticar todas as atividades individuais do IMG quando configurar os


impostos brasileiros pela primeira vez no sistema, documentando conforme
necessário com base no projeto. Depois, conforme seja necessário efetuar alterações
(devido à alguma mudança na taxa de imposto, por exemplo), é possível fazê-la
rapidamente usando o TMW.
É possível usar o TMW independentemente do método de cálculo empregado; ele
simplesmente traz todas as atividades de impostos para uma única transação. Apenas o
menu descendente Configuração de condições contém atividades que são relevantes apenas
para o cálculo de impostos baseado na condição (Migration, Mapeamente de condições e
Mapeamento de nota fiscal), e essas não são visíveis se o cálculo de impostos baseado na
condição não tiver ativado.
Integração
Todas as opções TMW também podem ser encontradas como atividades separadas no Guia
de implementação (IMG), com a exceção de duas:
1. Opção de mudar para um país diferente dentro do TMW
2. Migração de taxas de impostos existentes para registros de condições, que é necessário
quando se usa o cálculo de impostos baseado na condição (apenas se mudar os
esquemas de cálculo de impostos)

Atividades
Acessar o TMW no Customizing da Contabilidade financeira, selecionando Configurações
globais de contabilidade financeira ® IVA ® Cálculo ® Opções para cálculo de imposto
no Brasil ® Acesso ao local de negócio do Administrador de impostos. Consultar a
documentação IMG para obter uma listagem completa de todas as atividades do TMW.
É possível acessar a documentação das atividades individuais da maneira padrão (clicando
no ícone do documento à esquerda da atividade no IMG), ou selecionando o ícone i azul
dentro de cada atividade.
Também é possível acessar o TMW chamando a transação J1BTAX.

Taxas de imposto
Pode-se definir várias taxas de imposto para o IPI, ICMS, SubTrib e ISS, as quais serão
acessadas pelo sistema durante o cálculo de impostos na seqüência descrita a seguir. Os
valores propostos correspondem àqueles publicados pelo governo, e são baseados em um
determinado fator ou combinação de fatores.

Valores de impostos propostos

Taxa de imposto Fator(es)


IPI Código NBM
ICMS Região fiscal de origem
Região fiscal de destino
SubTrib Região fiscal de origem
Região fiscal de destino
ISS Material

Além disso, pode-se definir exceções para cada taxa de imposto: As exceções dinâmicas
permite definir taxas especiais baseadas em campos chave armazenados nos registros
mestre do cliente, fornecedor e material, e também o código de imposto, que é retirado do
nível de item nas transações. Por meio de grupos de imposto, que atribui-se depois às
tabelas de exceção dinâmica, é possível definir até três campos chave que o sistema usa
para determinar a taxa de imposto adequada noc aso de exceções dinâmicas.

Também é possível definir exceções dependentes de material, mas recomenda-se


definir quaisquer exceções de taxa usando-se exceções dinâmicas; o material é um
dos campos chave que pode ser definido no grupo de imposto.

Por último, é possível definir valores propostos para IPI, ICMS, e ISS (não SubTrib), que o
sistema usa se não determinar uma taxa válida nas outras tabelas de taxa de imposto.

Prioridade de valores

Durante o cálculo de imposto, o sistema procura a taxa de imposto correta nas tabelas de
taxas de imposto. O sistema procura nas tabelas a seguir por cada tipo de imposto, na
seqüência especificada e seleciona a primeira taxa que encontra:
...

1. Exceções dependentes do material


2. Exceções dinâmicas
3. Valores standard
4. Valores propostos (para ICMS, IPI, e ISS apenas)

Consultar também:

Impostos: Customizing, para caminhos de IMG para definição de taxas de imposto e grupos
de imposto de exceções dinâmicas, em Cálculo de imposto.

Imposto sobre produtos industrializados (IPI)


Definição

Consultar IPI

Utilização

O IPI, que é calculado nos documentos da nota fiscal, deve ser submetido às autoridades
fiscais brasileiras. É declarado no Modelo 8, Diretório para Cálculo do Imposto IPI
(Registro de Apuração do IPI).

O sistema também calcula um formulário especial de IPI baseado na quantidade chamado


de pauta de IPI. As mercadorias que caem nessa categoria são tributadas por unidade ou por
quilograma, em vez de se tributar uma porcentagem definida por produto. Fazer essas
especificações adicionais nas atividades do Customizing do imposto IPI, mas em vez de
entrar uma taxa no campo Taxa de imposto, usar o campo Taxa/Unidade e especificar
adicionalmente o número de unidades e a unidade de medida.

Integração

Vários fatores influenciam a taxa de porcentagem e o valor básico do IPI.

 Uso das mercadorias (baseado no lançamento em Compras)


Se o material for usado para industrialização (produção), os montantes do imposto serão
lançados em itens separados. Se um material for usado para consumo, o imposto não é
dedutível, e nesse caso o montante de IPI é acrescentado ao valor do material e não é
possível reduzir o imposto mediante o IVA liquidado. Se for material de revenda, o montante
de IPI não é dedutível, mas será adicionado ao valor do estoque. O IPI normalmente não
vence na revenda, por ser um imposto seletivo cobrado na produção ou importação de
mercadorias.
 Código CFOP
A alíquota depende da classificação do produto, conforme definido pelo código NBM. Para
alguns produtos, O IPI é calculado sobre base reduzida.
 Material
Em geral, o sistema usa a alíquota do IPI entrada para o código NBM do material. Contudo,
se qualquer outro valor for entrado como uma exceção (inclusive por material), esse valor
sempre sobregrava aquele do código NBM.
 Cliente
Em determinados casos, os clientes podem ser isentos de IPI. Isso só se aplica à SD,
conforme descrito a seguir.
 Fornecedor
Se o fornecedor for um atacadista isento de IPI, 50% do valor do IPI calculado pode ser
recuperado. Como o atacadista não cobra IPI, esse crédito é deduzido do valor do estoque
(metade do montante do IPI é deduzido do valor do estoque e a outra metade é lançada
como IPI dedutível). O IPI não é armazenado e impresso na nota fiscal. Isto é relevante
somente para MM.
A determinação de taxas em Administração de materiais (MM) e Vendas e
Distribuição (SD)

Quando entra-se um pedido em MM ou uma ordem do cliente em SD, o sistema deriva a


alíquota de IPI dos seguintes fatores:

Fator MM SD
Código de imposto O código de imposto FI O esquema de cálculo verifica
determina se o sistema deve o código de imposto de SD: se
calcular o IPI. o código Calcular IPI estiver
definido, o sistema calcula o
IPI. Os códigos de imposto SD
são especificados na ordem
do cliente em nível de partida
individual
Registro mestre Mestre de fornecedores: Mestre de clientes:
Se o código Divisão fiscal for Se o código isenção de IPI for
definido, 50% do valor do IPI definido, o sistema não calcula
calculado será lançado como o IPI sobre vendas ao cliente.
IVA suportado dedutível, e
50% será deduzido do
lançamento do estoque ou do
lançamento para uma conta
de despesas. Em geral,
define-se esse código para
fornecedores atacadistas que
não pagam IPI.
Alíquotas - IPI O sistema procura uma alíquota como a descrita aqui.

Consultar também:

Lei fiscal do IPI

Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS)


Definição

Consultar ICMS

Utilização

O ICMS é aplicado quando mercadorias ou serviços são vendidou ou transferidos. O custo


de frete e seguro são geralmente, mas não sempre, incluídos no valor básico usado para
calcular o ICMS.

É declarado no Modelo 9, Diretório para Cálculo do Imposto ICMS (Registro de Apuração


do ICMS).

A região fiscal Zona Franca de Manaus, uma zona isenta de impostos criada como
incentivo do governo para promover desenvolvimento, representa uma exceção no cálculo
do ICMS: o produto deve ser declarado, mas é posteriormente descontado – para que não
seja necessário efetuar pagamentos de ICMS. Algumas outras regiões, chamadas de
Cidades Conveniadas, mantêm um status parecido.

Integração

Vários fatores influenciam a taxa de porcentagem e o valor básico do ICMS.

 O local de origem das mercadorias e para onde estão sendo transportadas.


 Códigos dos produtos
Asisenções de ICMS são possíveis para determinados produtos. Uma isenção pode ser
permanente ou válida apenas em uma data específica, e sua validade pode se aplicar a um
estado ou pode se estender a todos os estados.
Alíquotas de ICMS reduzidas ou diferentes são aplicadas a determinados produtos. Taxas
reduzidas só são cobradas em um estado; portanto, as taxas não dependem dos estados de
origem e do destino.
Para alguns produtos, o ICMS é calculado sobre uma base reduzida (por exemplo, 80 % do
valor da mercadoria é tributada e 20% não é tributada). Como ocorre com as isenções, a
redução da base pode ser válida permanentemente ou apenas por um determinado período
de tempo. Taxas reduzidas só são cobradas em um estado; portanto, as taxas não
dependem dos estados de origem e do destino.
 Cliente
Algumas empresas não estão sujeitas ao pagamento de ICMS (por exemplo, algumas
empresas do governo).
 Utilização das mercadorias
O valor base para o cálculo do ICMS depende da utilização das mercadorias. Se um cliente
comprar mercadorias para produção ou revenda, o ICMS é calculado sobre o valor das
mercadorias sem IPI. Se as mercadorias forem para outra utilização (por exemplo, para
consumo), o ICMS é calculado sobre o valor das mercadorias mais o IPI.
Além disso, a utilização determina como os montantes devem ser lançados na compra. Se
um material for usado para produção ou revenda, os montantes de imposto serão lançados
em partidas individuais separadas. Se um material for usado para consumo, o imposto
aumenta o valor do material e não pode ser recuperado.
A determinação de taxas em Administração de materiais (MM) e Vendas e
Distribuição (SD)

Quando entra-se um pedido em MM ou uma ordem do cliente em SD, o sistema deriva a


alíquota de IPI dos seguintes fatores:

Fator MM SD
Código de imposto O código de imposto FI O esquema de cálculo verifica
determina se o sistema deve o código de imposto de SD: se
calcular o ICMS. o código Calcular ICMS estiver
definido, o sistema calcula o
ICMS. Os códigos de imposto
SD são especificados na
ordem do cliente em nível de
partida individual
Registro mestre Mestre de fornecedores: Mestre de clientes:
O sistema R/3 verifica o O sistema R/3 verifica o
código do domicilio fiscal do código do domicilio fiscal do
fornecedor para determinar a cliente para determinar a
região fiscal de origem que é região fiscal de destino que é
necessária para encontrar a necessária para encontrar a
alíquota de ICMS. alíquota de ICMS.
No caso de conhecimentos, o Se o código isenção de ICMS
sistema pode calcular o ICMS for definido, o sistema não
sobre uma base reduzida de calcula o ICMS sobre vendas
80%. Para obter esse valor de ao cliente.
base reduzida, entrar 1 no
campo Base do imposto, na
tela Controle.
Centro Centro receptor: Centro fornecedor:
O sistema R/3 verifica o O sistema R/3 verifica o
código do domicilio fiscal do código do domicilio fiscal do
centro receptor para centro receptor para
determinar a região fiscal de determinar a região fiscal de
destino que é necessária para origem que é necessária para
encontrar a alíquota de ICMS. encontrar a alíquota de ICMS.
Alíquota do ICMS O sistema procura uma alíquota como a descrita aqui.

Consultar também:

Lei fiscal do ICMS

ICMS (complemento)
Definição
Um caso especial de ICMS é o Complemento de ICMS.
Utilização
O sistema calcula e lança o complemento de ICMS quando uma empresa compra
mercadorias em um estado diferente e as mercadorias são usadas para consumo.
O complemento de ICMS é calculado como a diferença entre a alíquota de ICMS que o
forncedor cobra e a alíquota de ICMS válida no próprio estado da empresa. As alíquotas
baseiam-se nas regiões fiscais de origem e destino, conforme descrito em ICMS.
As exceções podem ser aplicadas ao cálculo do complemento de ICMS. Um estado pode
definir que para um determinado material
 O complemento de ICMS não deve ser calculado, ou
 Um valor básico diferente deve ser usado para o cálculo (por exemplo,80%)
É possível atualizar as exceções do complemento de ICMS no Customizing da
Contabilidade financeira,em Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ®
Cálculo ® Opções para cálculo de imposto no Brasil ® Taxas de imposto ® Atualizar
exceções de complemento de ICMS.
Integração
O sistema lança o complemento de ICMS como uma responsabilidade fiscal no FI, mas não
é acrescentado ao preço das mercadorias, e portanto não constitui parte da nota fiscal.

ICMS sobre fretes


Definição

ICMS cobrado nos serviços de frete.

Integração

Em Vendas e Distribuição (SD), o sistema calcula o ICMS sobre o frete se o código


Calcular ICMS sobre frete estiver definido no respectivo código de imposto SD.

Substituição tributária do ICMS


Definição
Substituição tributária no Brasil.A Versão de país para o Brasil calcula um formulário de
substituição tributária, para ICMS. O sistema refere-se a isso como substituição tributária,
SubTrib, ou ST.
Utilização
A substituição tributária é um método de cobrança de impostos de produtos que têm
normalmente poucos produtores, mas muitos clientes (bebidas alcoólicas, por exemplo).
Simplifica a cobrança de impostos uma vez que as autoridades fiscais processam um
volume muito reduzido de pagamentos de ICMS. Proceder na seguinte seqüência:
Um produtor fabrica seu produto e vende-o a um revendedor, que, por sua vez, vende-o ao
cliente final. Em vez do produtor e do revendedor apresentarem pagamentosd e ICMS às
autoridades fiscais, as autoridades fiscais transferem o direito de cobrar impostos para o
produtor das mercadorias. O produtor, chamado de contribuinte substituto (substituto
tributário), é obrigado a apresentar o ICMS às autoridades fiscais, inclusive o imposto
incorrido durante a venda ao revendedor e o imposto sobre a sobretaxa de revenda
presumida que é cobrada do revendedor.
A sobretaxa é calculada pela aplicação de uma taxa percentual ou é derivada de um preço
fixo por unidade.
A determinação de taxas em Administração de materiais (MM) e Vendas e
Distribuição (SD)
Quando entra-se um pedido em MM ou uma ordem do cliente em SD, o sistema deriva a
alíquota de SubTrib das mesmas informações verificadas na determinação da alíquota de
ICMS, mas desta vez para a SubTrib:
 Código de imposto FI/SD
 Registro mestre de fornecedor/cliente
Em SD, se a classificação fiscal do cliente for 2 (Zona Franca - ICMS), o sistema também
pode calcular o ST do modo especial necessário para vendas a clientes localizados na
região fiscal da Zona Franca de Manaus.
 Centro receptor/fornecedor
 Alíquota de SubTrib (em MM e SD)
O sistema procura uma alíquota como a descrita aqui.

Se o sistema não encontrar uma alíquota de SubTrib, não poderá calcular a SubTrib.
Não há uma taxa standard, como existe para IPI, ICMS e ISS.
É possível agrupar clientes de acordo as regras usadas no cálculo da SubTrib e depois
especificar o grupo de clientes nos registros mestre de cliente. Definir os grupos de clientes
no Customizing da Contabilidade financeira, selecionando Configurações globais de
contabilidade financeira ® IVA ® Opções básicas® Opções para IVA no Brasil ®
Definir grupos de clientes para o cálculo de SubTrib.

Substituição tributária sobre fretes


Definição

Substituição tributária de ICMS para serviços de frete (ST sobre frete) quando uma
empresa de transportes fornece o serviço, mas a empresa que paga o serviço de frete calcula
e apresenta o ICMS.

Utilização

Se a fatura do frete (conhecimento) não contiver o montante de ICMS, a empresa receptora


do serviço deve calcular o ICMS, conhecido por “ST sobre frete” no sistema.

Quando uma empresa é criada com o modelo do Brasil, o sistema configura os códigos de
imposto IF (IVA suportado sobre mercadorias para produção, ICMS ST sobre frete) e CF
(IVA suportado sobre mercadorias para consumo, ICMS ST sobre frete).

Cálculo em Administração de materiais (MM) e Vendas e Distribuição (SD)

O sistema calcula o ST sobre frete da seguinte maneira:

Fator MM SD
Código de imposto Deve-se criar um novo código O sistema calcula o imposto se o código
de imposto FI/MMe ativar o Calcular SubTrib do ICMS sobre frete
cálculo da SubTrib do ICMS estiver definido no respectivo código de
imposto SD.
sobre frete (selecionando
Saltar para ® Atualizar
condições).
Valor base Para que o sistema calcule o imposto, deve-se definir o valor básico para o
cálculo. Entrar as condições de frete usadas para calcular o valor base no
Customizing. Nas atividades listadas abaixo, deve-se definir o código frete de
ST (Acrescentar condição ao valor base para SubTrib sobre frete) para as
condições que são parte do valor base para cálculo.

O sistema não verifica se as condições para as quais o código frete de


ST é definido são estatísticas ou não. Esse código não está relacionado à
definição de condições de frete no campo Valor de NF (SD/MM: Regras de
transferência: determinação de preços para Nota Fiscal), que determina para
quais campos da partida individual da nota fiscal é transferido um valor da
condição.
Administração de materiais ® Vendas e distribuição ® Faturamento ®
Revisão de faturas de logística Documentos de faturamento ®
® Fatura recebida ® Nota Características específicas de país ®
Características específicas de país -
Fiscal ® Determinação de Brazil ® Condições do cálculo de preços
valores especiais

Imposto municipal sobre serviços (ISS)


Definição

Consultar ISS (em português, Imposto sobre Serviços). A alíquota média é de 5%.

Utilização

A taxa de imposto é determinada pela cidade do fornecedor e pelo tipo de serviço. Os


montantes de ISS, necessários ao relatório da nota fiscal, são incluídos no preços dos
serviços.

Empresas de construção representam uma exceção à regra no cálculo do ISS: elas usam a
alíquota de ISS da cidade onde prestam serviços e não da cidade na qual a empresa fica
localizada.O sistema não trata dessa exceção.

Integração

O ISS é cobrado apenas dos prestadores de serviços. Isso siginifica que o ISS só é
calculado quando é lançada uma ordem de cliente em Vendas e Distribuição (SD) e não
quando é lançado um pedido em Administração de materiais (MM).

Em SD, quando entra-se uma ordem de cliente, o sistema deriva a alíquota de ISS das
seguintes informações:

 Códigos de imposto SD
O esquema de cálculo de SD verifica o código de imposto de SD: se o código Calcular ISS
estiver definido, o sistema calcula o ISS. Os códigos de imposto SD são especificados na
ordem do cliente em nível de partida individual
 Alíquota do ISS
O sistema procura uma alíquota de ISS adequada como a descrita aqui.

Consultar também:
Impostos retidos na fonte

Contribuição social sobre serviços (INSS - Instituto


nacional de seguro social).
Definição

O INSS é um imposto de seguridade social que uma empresa paga quando recebe os
serviços de uma pessoa física.

Utilização

Quando uma empresa é criada com o modelo do Brasil, o sistema configura o código de
imposto IN, que é usado para calcular o INSS baseado em uma alíquota fixa.

Consultar também:

Impostos retidos na fonte

Cáculo de imposto
Utilização

O sistema usa métodos diferentes para calcular impostos, dependendo do que será entrado:
se um pedido em Administração de materiais (MM) ou uma ordem do cliente em Vendas e
Distribuição (SD), conforme descrito a seguir. Se um documento for lançado diretamente
na Contabilidade financeira (FI), determinados dados relacionados a imposto não estarão
disponíveis, como o material e o código NBM; o sistema procede da mesma forma como no
MM, mas não encontrará esses dados. Se as taxas standards forem atualizadas para ICMS,
IPI e ISS, o sistema as usa no FI.

Quando o sistema calcula impostos:

 Determina se um determinado imposto deve ser calculado (com base nos códigos de
imposto)
 Determina qual a taxa a ser aplicada, e subseqüentemente os montantes de impostos e os
valores base de impostos por partida individual
 Transfere os montantes de impostos calculados por partida individual para a nota fiscal

O sistema considera as situações de imposto e as leis fiscais para IPI e ICMS, assim como
as regiões fiscais.

Pré-requisitos

Foram feitas todas as Opções de Customizing necessárias para impostos no Brasil.

O local de trabalho do administrador de impostos permite executar todas as opções


do Customizing relacionadas a impostos de um único ponto de acesso.
Cálculo de impostos em MM

No MM, o sistema usa o esquema de cálculo atribuído ao Brasil. Quando uma empresa é
criada com o modelo do Brasil, o sistema define o esquemaTAXBRJ automaticamente (mas
recomenda-se mudar para TAXBRC, conforme descrito no Esquema de cálculo, o link
mostrado acima). Os cálculos de custo permitem todos os Códigos de imposto de FI/MM
fornecidos com o sistema

Para os esquemas de cálculo de impostos brasileiros funcionarem corretamente,


certifique-se de que os campos Base do imposto é valor líquido e Base de desconto é
valor líquido estejam desativados no Customizing da empresa.
Cálculo de impostos em SD

Em SD, o sistema calcula impostos com os esquemas de cálculo fornecidos com o sistema.
Esses esquemas necessitam de informações armazenadas nos Códigos de impostos de SD.

Esquema de cálculo
Definição
Consultar O Esquema de cálculo.
Utilização
O sistema vem completo com dois esquemas de cálculo de imposto do Brasil, um dos quais
deve ser atribuído a seu país:

Recomenda-se usar o esquema TAXBRC, por ser capax de adaptar flexivelmente a


lógica do cálculo de imposto para abranger novas exigências fiscais ou necessidades
especiais do cliente.
 TAXBRC
Este esquema é usado para calcular impostos brasileiros com base na técnica de
condições standard. Alíquotas do imposto, leis tributárias e códigos especiais, que
determinam se as partidas individuais de impostos são incluídas na nota fiscal, estão todos
armazenados no sistema como registros de condições. Por meio de tabelas de mapeamento
e configuração de código fiscal, é possível definir quais valores devem ser escritos em quais
campos da nota fiscal, e quais linhas fiscais serão geradas.
Se for empregado o cálculo de imposto com base na condição, é necessário ativá-lo e
executar todas as atividades de Customizing relacionadas, todas podem ser encontradas no
Customizing de impostos do Brasil, em Configurações globais.
Para mudar para o esquema TAXBRC (anteriormente foi usado o TAXBRJ), existe a função
de migração no local de trabalho do Administrador de impostos, que pode ser usado para
executar a conversão inicial de entradas nas tabelas de impostos brasileiros para registros
de condições. Depois, o sistema gera automaticamente os registros de condições para todas
as entradas novas ou modificadas nessas tabelas.
 TAXBRJ
Quando o sistema processa esse esquema, calcula os impostos externamente chamando o
módulo de função J_1BCALCULATE_TAXES.
Quando é criada uma empresa usando o modelo do Brasil, o sistema define o esquema
TAXBRJ automaticamente. Para atribuir um esquema diferente, selecionar no Customizing
do FI, em Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ® Configurações
globais ® Atribuir país ao esquema de cálculo.
Código de imposto FI/MM
Definição

Consultar código de imposto

Utilização

O sistema usa os códigos de imposto FI/MM para calcular impostos automaticamente em


Administração de materiais (MM).

Estrutura

Diferente dos códigos de imposto FI standard, esses códigos de imposto contêm


informações adicionais necessárias ao cálculo de imposto de acordo com as diretrizes
brasileiras.

 Utilização do material ((industrialização/produção ou consumo)


Além disso, a utilização determina como o sistema calcula os montantes de impostos em
Compras (MM-PUR). Só é necessário para códigos de imposto usados para calcular ICMS,
IPI e SubTrib.
 Serviço
Deve-se definir o código Serviço se o sistema tiver que calcular o ISS ou INSS.
 Textos de ICMS e IPI
As leis tributárias do IPI e ICMS são armazenadas no código de imposto, que especifica os
textos legais de nota fiscal e a situação fiscal de ICMS usados para os relatórios legais.
 Isenções
Se o respectivo código de imposto não acionar um cálculo de ICMS e IPI e o código Isento
de ICMS ou Isento de IPI estiver definido, o sistema armazena o valor base respectivo
(ICMS ou IPI) como Excluído/Base isenta em vez de Outra base no banco de dados da nota
fiscal (necessário para o relatório fiscal). Se, contudo, for efetuado um cálculo, o sistema
ignora esse código de isenção no código de imposto.

Quando é criada uma empresa usando o modelo do Brasil, o sistema define os seguintes
códigos de imposto do modelo TAXBRJ:

IVA suportado

Código de imposto Descrição


C0 Consumo: sem impostos
C1 Consumo: ICMS + complemento de ICMS
apenas
C2 Consumo: ICMS + complemento de ICMS + ST
C3 Consumo: ICMS + complemento de ICMS + IPI
C4 Consumo: ICMS + complemento de ICMS + ST
+ IPI
C5 Consumo: apenas IPI
CF Consumo: ICMS (substituição tributária sobre
fretes)
I0 Industrialização: sem impostos
I1 Industrialização: apenas ICMS
I2 Industrialização: ICMS + ST
I3 Industrialização: ICMS + IPI
I4 Industrialização: ICMS + ST + IPI
I5 Industrialização: apenas IPI
I6 Industrialização: ICMS + IPI: revenda
I7 Industrialização: ICMS + ST + IPI: revenda
IE Transações isentas de imposto
IF Industrialização: ICMS (substituição tributária
sobre fretes)
IN INSS 15%
K0 Compra para entrega futura G/R
K1 Compra para entrega futura I/R
K2 Compra para entrega futura G/R -
Industrialização de todos os impostos
K3 Compra para entrega futura I/R -
Industrialização de todos os impostos
K5 Consignação - Transporte G/R
K6 Consignação - Fatura I/R
K8 Compra para entrega futura I/R -
Industrialização de todos os impostos
K9 Compra de revenda para entrega futura I/R

IVA liquidado

Código de imposto Descrição


A0 Industrialização: sem impostos
A1 Industrialização: apenas ICMS
A3 Industrialização: ICMS + IPI
B0 Consumo: sem impostos
I9 ISS
S0 IVA liquidado SD: sem impostos
SD IVA liquidado SD: ICMS/IPI/substituição
tributária
SE Transações isentas de imposto
SI IVA liquidado SD: ISS
SZ IVA liquidado SD: ICMS Zona Franca

No Customizing da Contabilidade financeira, é possível definir códigos de imposto


adicionais com detalhes de impostos adicionais para cada esquema de impostos. Para isso,
selecionar Configurações globais da Contabilidade financeira ® IVA ® Cálculo ®
Opções para Cálculo de imposto no Brasil ® Definir códigos de imposto do FI/MM.

Consultar também:

Códigos de imposto
Esquema de cálculo
Definição

Consultar Esquemas de cálculo

Utilização

O sistema vem completo com os seguintes modelos de esquema de cálculo de impostos em


Vendas e Distribuição (SD) do Brasil.

TPP/Esquema de cálculo

TPP Esquema de cálculo Descrição


E RVXBRE Fatura antecipada
F RVXBRF Vendas para remessa futura
K RVXBRK Reposição de artigos em
consignação
L RVXBRL Retirada de artigos em
consignação
S RVXBRA Brasil: standard

Para definir esquemas de cálculo adicionais, no Customizing do SD, selecionar Funções


básicas ® Cálculo de preços ® Controle de preços ® Definir e Atribuir esquemas de
cálculo.

Código de imposto de SD
Definição
Consultar código de imposto

Utilização

O sistema usa códigos de imposto definidos para Vendas e Distribuição (SD) para calcular
automaticamente impostos quando é lançada uma ordem de cliente em SD. Os códigos de
imposto de SD contêm informações adicionais relacionadas ao imposto necessárias para o
cálculo do imposto brasileiro, como a utilização das mercadorias.

Ao entrar uma ordem do cliente, deve-especificar um código de imposto de SD. O sistema


pode determinar um código de imposto proposto se:

 Informações relacionadas ao imposto são atualizadas no Customizing de SD, em


Faturamento ® Documentos de faturamento ® Propriedades específicas de país ®
Propriedades específicas de país – Brasil ® Atualizar categoria de item do documento de
vendas.
 Ou entrar o código de imposto no registro info de material do cliente.

Estrutura

Os códigos de imposto de SD contêm as informações necessárias para o cálculo de imposto


de acordo com as diretrizes brasileiras. Especificam:
 Se o material deve ser usado para industrialização (produção) ou consumo
 Qual imposto deve ser calculado para o código de imposto (ICMS, IPI, SubTrib, ISS, ICMS
sobre frete ou SubTrib sobre frete)
 Se deve ocorrer alguma isenção para relatórios de imposto (ICMS ou IPI)

O sistema vem completo com todos os códigos de imposto de SD necessários ao esquemas


de cálculo fornecidos:

Código de imposto Descrição


C0 Consumo: sem impostos
C1 Consumo: imposto do ICMS
C2 Consumo: ICMS + SubTrib
C3 Consumo: ICMS + IPI
C4 Consumo: ICMS + IPI + SubTrib
C5 Consumo: IPI
I0 Industrialização: sem impostos
I1 Industrialização: ICMS
I2 Industrialização: ICMS + SubTrib
I3 Industrialização: ICMS + IPI
I4 Industrialização: ICMS + IPI + SubTrib
I5 Industrialização: IPI
I9 Serviço: ISS

Para definir códigos de imposto de SD adicionais, acessar o Customizing da Contabilidade


financeira e selecionar Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ®
Cálculo ® Opções para cálculo de imposto no Brasil ® Definir códigos de imposto de SD.

Regiões fiscais
Definição

O código de dois dígitos que identifica uma região brasileira para fins de cálculo de
imposto.

Utilização

O sistema calcula o ICMS com base nas regiões fiscais de origem e destino dos materiais.
Nas empresas brasileiras, as localizações de origem e destino são gravadas no código do
domicílio fiscal, que está disponível nos seguintes registros mestre: centro, cliente,
fornecedor e empresa.

Integração

Quando é criado um dos registros mestre mencionados acima, o sistema determina


automaticamente o código do domicíio fiscal baseado na região (geográfica) entrada. Se
uma única região fiscal corresponder à região, o sistema atribui essa região fiscal ao
registro mestre no campo Código do domicílio fiscal. Se mais de uma região fiscal for
atribuída à região, deve-se selecionar a região fiscal adequada ao centro, cliente, fornecedor
ou empresa.
Customizing

É possível atualizar as regiões fiscais no Customizing da Contabilidade financeira,em


Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ® Configurações globais ®
Brasil ® Definir regiões fiscais brasileiras. Estabelecer aqui a atribuição de regiões fiscais
às regiões. Cada região pode ter uma ou mais regiões fiscais atribuídas. Por exemplo, a
região Amazonas atribuiu as regiões fiscais Amazonas e Zona Franca de Manaus.
Geralmente, contudo, há uma região fiscal para cada região, ambas com o mesmo código.

O sistema lida com fornecedores e clientes estrangeiros de um modo diferente. Regiões


fiscais diferentes foram definidas (onde a região é deixada em branco), por exemplo, XX
para comércio com os Estados Unidos. Depois, é possível atribuir uma região fiscal para os
países estrangeiros necessários selecionando o mesmo caminho acima, alterando apenas a
última atividade para Definir regiões fiscais para clientes/fornecedores estrangeiros.

Cálculo de impostos durante o lançamento

Ao lançar um pedido em Administração de materiais (MM) ou uma ordem do cliente em


Vendas e Distribuição (SD), o sistema usa o código de domicílio fiscal do respectivo
registro mestre.

Leis tributárias
Definição

Um texto que especifica a situação do imposto IPI e/ou ICMS a ser aplicada ao relatório
fiscal.

Utilização

As leis tributárias do IPI e do ICMS são usadas para gerar textos de nota fiscais
automáticos. O sistema determina automaticamente as leis tributárias de IPI e ICMS em
Administração de materiais (MM) ou Vendas e Distribuição (SD) da seguinte forma:

 MM
O sistema seleciona a lei tributária no código de imposto de FI/MM. Se, contudo, for
especificado um texto IPI para a alíquota de IPI entrada para o material ou para o código
NBM do material, essa entrada sobregravará aquela no código de imposto. Da mesma
forma, se for especificado um texto ICMS para a alíquota de ICMS entrada para as exceções
de ICMS do material, essa entrada sobregravará aquela no código de imposto.
 SD
O sistema seleciona a lei em uma dessas fontes: categoria de item de vendas, registro
mestre de cliente ou exceções de impostos. Para definir a seqüência na qual o sistema deve
acessar essas fontes no Customizing da Contabilidade financeira e selecionar
Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ® Cálculo ® Configurações
globais ® Brasil ® Definir a seqüência para a determinação do código de impostos SD.
Também é possível entrar manualmente um texto para a lei tributária na ordem do cliente.

É possível atualizar as leis tributárias de IPI e ICMS no Customizing de FI, selecionando


Configurações globais de contabilidade financeira ® IVA ® Configurações globais ®
Brasil ® Definir leis tributárias de IPI ou ICMS.
Migração de alíquotas de impostos para registros de
condições
Utilização

Se mudar do esquema de cálculo TAXBRJ para o TAXBRC, que corresponde ao cálculo de


impostos baseado em condições, é possível migrar entradas de alíquotas de impostos
existentes para registros de condições.

Procedimento
...
...

1. No Local de trabalho do Administrador de impostos, selecionar Configuração de


condições ® Migração ® Tabelas de impostos para Condições.
2. Selecionar uma tabela de alíquota de imposto individual e verificar se existem registros
de condições correspondentes, selecionando Registros de condições ® Verificar condições
e a aplicação apropriada, MM ou SD.
É exibido um log na parte inferior da tela, que exibe o status de cada entrada na tabela:
Semáforo Significado
Verde Há registros de condições para todos os
campos na entrada da tabela
Amarelo Está faltando um registro de condição em pelo
menos um campo na tabela (mas alguns
existem)
Vermelho Não há registros nos campos na entrada da
tabela na qual é necessário pelo menos um
(alguns não requerem registros)
Toda a tabela de alíquota de imposto recebe o status da cor da entrada mais baixa.
3. Converter as entradas da tabela de alíquotas de impostos, se tiver status vermelho ou
amarelo, selecionando a tabela, especificando a aplicação (MM ou SD), e selecionando a
opção de conversão.
4. Repetir etapas 2 e 3 para cada tabelas de alíquotas de impostos.

Resultado

Desde que haja registros de condição para todas as alíquotas de impostos, pode-se usar o
cálculo de impostos baseado em condições.

Imposto retido na fonte


Utilização

No Brasil, usa-se a função de imposto retido na fonte ampliado; e o imposto retido na


fonte é cobrado ao entrar uma fatura.

Quando é criada uma empresa usando o modelo do Brasil, o sistema define


automaticamente todas as opções necessárias para os seguintes impostos retidos na fonte

 Imposto sobre serviços na fonte (IRF)


Se o fornecedor for uma pessoa física e não estiver registrado na cidade onde estiver
fornecendo o serviço, o ISS deve ser retido pela sociedade que comprar o serviço. O
sistema calcula o ISS de acordo com o cálculo do ISS standard, e o próprio imposto retido
na fonte é chamado de IRF. O montante de IRF não afeta o cálculo de outros impostos.
 Imposto de renda retido na fonte (IRRF)
O IRRF é retido em determinados casos. O sistema não calcula o IRRF automaticamente,
deve-se, portanto, definir o percentual aplicável a cada transação comercial usando-se o
código de retenção, IRRF para sociedades (que também pode ser aplicado em combinação
com o ISS) ou IRRF para pessoas físicas (que pode ser aplicado em combinação com o
INSS). Se a pessoa física não estiver registrada na cidade onde o serviço é prestado, então
o IRF será calculado e retido, conforme descrito acima.
 FUNRURAL/FCPS
Esses impostos são retidos nas compras dos fazendeiros.

Pré-requisitos

Para usar o imposto retido na fonte, deve-se definir diversas opções de Customizing da
Contabilidade financeira (FI).

 Atualizar os tipos de impostos retidos na fonte


 Atualizar os códigos de impostos retidos na fonte
 Atribuir tipos de impostos retidos na fonte à empresa
 Definir códigos da conta do Razão para cada tipo de imposto retido na fonte e combinação
de códigos.

Consultar também Imposto retido na fonte ampliado.

Integração

Em Revisão de faturas Logística (MM-IV-LIV), o sistema pode transferir os seguintes


dados sobre imposto retido na fonte para a nota fiscal.

 O montante de imposto retido na fonte para os tipos de impostos retidos na fonte marcados.
O montante desses tipos de impostos retidos na fonte é somado e deduzido do valor total da
nota fiscal.
 A geração de textos de cabeçalho variáveis com o montante de impostos retidos na fonte
para tipos de impostos retidos na fonte marcados.

Para ativar a transferência de valores e atribuir a chave de texto para o texto de cabeçalho, é
necessário fazer as opções adequadas no Customizing da Revisão de faturas. Para inserir o
montante do imposto retido na fonte nesse cabeçalho de texto, usar o argumento
WTAMOUNT

Tipo de imposto retido na fonte


Definição

Consultar o tipo de imposto retido na fonte

Utilização

Quando é criada uma empresa usando o modelo do Brasil, o sistema define os seguintes
tipos de imposto retido na fonte:

Tipos de imposto retido na fonte para lançamento de faturas

Tipo de imposto Descrição


IC IRRF para pessoas físicas
IF Funrural
IP FCPS
IR IRRF de empresas
IS IRF

É possível atualizar os tipos de imposto retido na fonte no Customizing da Contabilidade


financeira,em Configurações globais de contabilidade financeira ® Imposto retido na
fonte ® Imposto retido na fonte ampliado ® Cálculo ® Tipo de imposto retido na fonte ®
Definir tipo de imposto retido na fonte para lançamento de fatura.

Código do tipo de imposto retido na fonte


Definição

Consultar o código do imposto retido na fonte

Utilização

Quando é criada uma empresa usando o modelo do Brasil, o sistema define os seguintes
códigos de imposto retido na fonte:

Códigos do tipo de imposto retido na fonte

Tipo de imposto Código de imposto Descrição


retido na fonte retido na fonte
IC R0 IRRF CPF– não casado.
IC R2 IRRF CPF – casado – 2 dependentes
IC R4 IRRF CPF – casado -4 dependentes
IF R0 2.2% - fazendeiro com CPF
IF R1 2,3% - fazendeiro sem empregados
IF R2 2.7% - fazendeiro com CNPJ
IP R0 Quantidade de porco * 0,075 * por
quilograma
IR R2 IRRF 2%
IS R5 IRF 5%

É possível atualizar os tipos de imposto retido na fonte no Customizing da Contabilidade


financeira, em Configurações globais de contabilidade financeira ® Imposto retido na
fonte ® Imposto retido na fonte ampliado ® Cálculo ® Códigos de imposto retido na
fonte ® Definir códigos de imposto retido na fonte.

Contas a pagar (FI-AP)


Utilização

O componente Contas a pagar (FI-AP) abrange as leis e práticas comerciais mais


importantes específicas do Brasil. A documentação a seguir descreve esses aspectos do
componente. Para informações gerais sobre FI-AP, consultar Síntese de Contas a receber e
Contas a pagar.
Características

A versão de país para o Brasil suporta a criação de faturas e pagamentos em moeda local
via cheques pré-numerados, lista de pagamentos (borderô) e files IDS (file remessa) O
sistema também suporta o processamento opcional de boletos bancários recebidos.

Carteira de contas a pagar


Para cada boleto bancário recebido, o número de carteira deve ser entrado juntamente com o
número de duplicata de banco no campo Número de duplicata da partida em aberto:

Número de carteira / Número de duplicata de banco: XXX/YY...Y-Z

XXX: número de carteira (por exemplo, 110 para Itaú)

YY...Y: número de duplicata de banco (por exemplo, 8 dígitos para Itaú)

Z: dígito de controle para número de duplicata de banco

Operações de pagamento
A Versão de país para o Brasil suporta as seguintes operações de pagamento:

 Pagamentos em moeda local por:


  Cheques pré-numerados
  Lista de pagamento (borderô)
  Files IDS (File remessa).
1.  Criação de fatura

O sistema também suporta o processamento opcional de boletos bancários recebidos.

Transferências bancárias
Utilização

Usar essa função para fazer pagamentos no formulário de transferências bancárias. O


sistema gera pagamentos em um dos seguintes formulários:

 Lista de pagamento (borderô)


Nesse caso, enviar ao banco uma lista de todos os pagamentos pendentes dos
fornecedores, e o banco os transferirá para as contas bancárias dos fornecedores.
 Intercâmbio de dados por suporte magnético (IDS) file
Enviar um file IDS ao banco, contendo todas as informações sobre pagamentos.

Os dois métodos geram as mesmas informações sobre pagamentos para os bancos; a única
diferença é que no segundo método as informações são enviadas eletronicamente. Além
disso, os bancos necessitam de uma especificação adicional relativa à forma de pagamento,
que será transferida pelo sistema para a lista de pagamento ou para o file IDS.
Pré-requisitos

Atualizar as seguintes informações no Customizing da Contabilidade Financeira, em


Contas a receber e Contas a pagar ® Transações comerciais ® Saída de pagamentos ®
Saída automática de pagamentos ® Seleção de banco e método de pagamento para
Programa de pagamento ®

 Configurar métodos de pagamento por país para operações de pagamento


O sistema vem completo com método de pagamento U (Transferência), que já está
configurado para executar o programa de impressão para imprimir uma lista de pagamento
ou gerar um file IDS.
Para criar novos métodos de pagamento para transferências bancárias, deve-se especificar
o programa de impressão RFFOBR_U. Consultar a documentação on-line do programa de
impressão para obter detalhes sobre como personalizar as transferências bancárias.
 Configurar métodos de pagamento por empresa para operações de pagamento
Atribuir os formulários SAPscript ao método de pagamento. Clicar duas vezes no método de
pagamento e entrar os formulários em Dados do formulário.
1.  J_1B_BORDERO Lista de pagamentos
2.  J_1B_DMEnota de acompanhamento IDS
 Configurar métodos de pagamento por empresa para operações de pagamento
O programa de impressão oferece outra opção de impressão de aviso de pagamento para o
fornecedor. Para selecionar essa opção, especificar o formulário J_1B_AVIS para cada
empresa pagadora.

Consultar também:

Pagamentos

Forma de pagamento
Ao efetuar o pagamento via transferência bancária (via método de pagamento U), os bancos
brasileiros necessitam de mais informações sobre a forma de pagamento. Na tabela a seguir,
usar as formas de pagamento comuns brasileiras suportadas pelo sistema. Os bancos
necessitam da respectiva chave para ser impressa na linha de código da lista de pagamento
ou nota de acompanhamento do file IDS.

Formas de pagamento no Brasil

Chave Forma de pagamento Descrição


01 Crédito em conta corrente Creditar a conta corrente, onde os bancos da
empresa e do parceiro são os mesmos
02 Cheque pagamento Pagamento por cheque, onde o banco da
empresa emite um cheque ao recebedor
03 Documento de crédito Documento de crédito bancário, onde o banco
da empresa e o banco do parceiro são
diferentes
10 Ordem de pagamento à disposição Ordem de pagamento, onde o recebedor recebe
o pagamento em uma filial do banco da
empresa
30 Título nosso banco Pagamento com boleto bancário emitido pelo
banco da empresa
31 Título outro banco Pagamento com boleto bancário emitido por
outro banco que não o usado pela empresa
Atividades

Para fazer pagamentos dos tipos 02 ou 10, será necessário criar separadamente métodos de
pagamento específicos do país no Customizing da Contabilidade Financeira, em Contas a
receber e Contas a pagar ® Transações comerciais ® Saída de pagamentos ® Saída
automática de pagamentos ® Seleção de banco e método de pagamento para Programa de
pagamento ® Configurar métodos de pagamento por país para operações de pagamento.
É possível copiar o método de pagamento U fornecido e depois entrar 02 ou 10 no campo
Chave em linha de código para o respectivo método de pagamento.

Não é necessário fazer nada para os outros formatos; o sistema seleciona-os


automaticamente, conforme descrito abaixo.

Seleção de formulário

Para os formulários 01, 03, 30 e 31, o sistema usa o método de pagamento U fornecido.
Nesse caso, o sistema determina automaticamente a forma de pagamento com base nas
condições envolvendo os bancos e o número do código de barras:

Descrição de bancos Entrada no campo No de Formulários de


cód. de barras pagamento
selecionada
Bancos da empresa ou do parceiro são Não 01
os mesmos
O banco da empresa e o banco do Não 03
parceiro são diferentes
O banco da empresa e o banco emissor Sim 30
do boleto são os mesmos.
O banco da empresa e o banco emissor Sim 31
do boleto são diferentes

Para os pagamentos sem boleto, isto é, para os formulários de pagamento 01, 02, 03 e10,
qualquer entrada no campo Chave em linha de código sobregrava a seleção automática.

Entretanto, se o campo Número do código de barras for entrado na partida em aberto, o


formulário de pagamento resultante será 30 ou 31, dependendo das condições acima e o
campo Chave em linha de código não terá relevância.

O banco da empresa e o banco do parceiro são identificados pelos três primeiros dígitos do
código bancário. O banco emissor do boleto é identificado pelos três primeiros dígitos do
número do código de barras entrado.

Observar que o Banco Bradesco não oferece o formulário 10, e utiliza o formulário 31
mesmo que o banco da empresa e o banco emissor do boleto sejam os mesmos.

Intercâmbio de dados por suporte magnético (DME)


Com o sistema R/3, é possível enviar files IDS (em português, file remessa) nos seguintes
formatos brasileiros, todos eles podem ser gerados no programa de pagamento.
 SISPAG Itaú, versão 12/96.
 PFEB Bradesco, versão 01/97.
 FEBRABAN/CNAB, versões 3.0, 04/97 e 4.0, 11/99), um layout standard usado por vários
bancos.

O sistema também oferece uma árvore de formato IDS Engine, FEBRABAN_P, para
criar files IDS no formato FEBRABAN, somente na versão 4.0 (consultar
Intercâmbio de dados por suporte magnético).

ID do usuário IDS (código de empresa)


Definição

Um código interno do banco exigido em alguns bancos brasileiros para o intercâmbio de


dados por suporte magnético (IDS).

Utilização

A ID do usuário IDS é chamada de código da empresa no layout do file bancário. É usado,


por exemplo, no Banco Bradesco e é especialmente importante para receber file IDS do
banco, uma vez que o sistema vincula às contas bancárias relevantes do Razão via ID do
usuário IDS.

É possível atualizar as IDs do usuário IDS no Customizing da Contabilidade financeira,


selecionando Contabilidade bancária ® Transações comerciais ® Operações com letra
de câmbio ® Letra de câmbio a receber ® Apresentar ao banco letra de câmbio a receber
® Definir IDs do usuário IDS.

Nessa atividade, especificar o banco da empresa, a ID da conta, e a identificação IDS, mas


deixar o método de pagamento em branco.

Só é possível atualizar um único número de conta para cada ID de usuário IDS. Se


possuir várias contas em um banco, será necessário especificar uma ID de usuário
IDS para cada conta.

Número do documento (seu número)


Para o processo de pagamentos em Contas a pagar (FI-AP), os bancos brasileiros exigem o
número do documento gerado pelo programa de pagamento. No sistema, esse processo é
realizado em Seu Número.

Processamento de boletos bancários


Os seguintes formulários de pagamento são usados quando o pagamento é feito via boleto
bancário. É necessário fazer a atualização.

Forma de pagamento: com boleto

Forma de Código Explicação Atualização


pagamento
Título nosso banco 30 Pagamento com boleto Entrar o número do código de
bancário emitido pelo banco barras
da empresa
Título outro banco 31 Pagamento com boleto Entrar o número do código de
bancário emitido por outro barras
banco que não o usado pela
empresa

Todas as notas de débito com faturas relacionadas são processadas pelo programa de
pagamento automático juntamente com o item original, isto é, um pagamento é criado tanto
para o item como para a nota de crédito relacionada. Se o layout do banco requerer uma
entrada no campo bônus (por exemplo, o Banco Itaú), o montante da nota de crédito entra no
file bancário correspondente como um bônus relacionado ao item original e reduz seu
montante. Se houver mais de uma nota de crédito relacionada a um item, o bônus desse
item será o total de todas as notas de crédito.

Pagamento individual

Cada partida em aberto deve ser paga individualmente porque sempre há um boleto
bancário por partida em aberto (exceto as notas de débito com faturas relacionadas).

Pagamentos sem boletos bancários


Os seguintes formulários de pagamento são usados quando o pagamento não é feito via
boleto bancário. É necessário fazer a atualização.

Forma de pagamento: sem boleto

Forma de Código Explicação Atualização


pagamento
Crédito em conta 01 Creditar a conta corrente, 1) A chave no método de
corrente onde os bancos da empresa pagamento é 01
e do parceiro são os 2) Se estiver em branco, o
banco da empresa e o banco
mesmos do parceiro são os mesmos
Cheque pagamento 02 Pagamento por cheque, A chave no método de
onde o banco da empresa pagamento é 02
emite um cheque ao
recebedor
Documento de crédito 03 Documento de crédito 1) A chave no método de
bancário, onde o banco da pagamento é 03
empresa e o banco do 2) Se estiver em branco, o
banco da empresa e o banco
parceiro são diferentes do parceiro são diferentes
Ordem de pagamento 10 Ordem de pagamento, onde A chave no método de
à disposição o recebedor recebe o pagamento é 10
pagamento em uma filial do
banco da empresa
Pagamentos agrupados

Entretanto, para pagamento por DOC ou OP (isto é, sem boleto bancário), é possível pagar
diversos itens agrupados em um pagamento. A versão de país para o Brasil oferece diversas
possibilidades para cobrir automaticamente esta situação:

Se Então
O pagamento individual no mestre de Todos os itens para esse fornecedor/cliente
fornecedor/cliente estiver definido: sempre são pagos individualmente,
independente de qualquer especificação.
O pagamento individual no mestre de 1. - Entrar o número de código de barras
fornecedor/cliente não é definido e o método ® Pagamento individual
de pagamento não é explicitamente entrado na 2. - Não entrar o número de código de
partida pendente
barras ® Sem pagamento individual
Entrar o método de pagamento na partida em 3. - O método de pagamento é marcado
aberto como Pagamento único para o item
marcado ® Pagamento individual
4. - O método de pagamento não é
marcado como Pagamento único para o
item marcado ® Sem pagamento
individual

Cheques
Utilização

O sistema R/3 suporta a utilização de cheques pré-numerados, método de pagamento


comum no Brasil.

Customizing

Além das opções standard do Customizing para lotes e intervalos de numeração de cheques,
atualizar as seguintes informações no Customizing da Contabilidade Financeira, em
Contas a receber e Contas a pagar ® Transações comerciais ® Saída de pagamentos ®
Saída automática de pagamentos ® Seleção de banco e método de pagamento para
Programa de pagamento ®

 Configurar métodos de pagamento por país para operações de pagamento


O sistema vem completo com método de pagamento C (Cheque), que já está configurado
para executar o programa de impressão para imprimir um cheque pré-numerado e uma lista
de pagamento (borderô).
Para criar novos métodos de pagamento com cheques, deve-se especificar o programa de
impressão RFFOUS_C. Consultar a documentação on-line do programa de impressão para
obter detalhes sobre como personalizar os pagamentos com cheque.
Além disso, a manutenção do programa de impressão RFCHKN00 na configuração da
execução de pagamento resulta em informações detalhadas sobre os números de cheques
usados e os pagamentos relacionados. Para informações detalhadas, consultar a
documentação do programa.
 Configurar métodos de pagamento por empresa para operações de pagamento
Atribuir um formulário SAPscript ao método de pagamento. Clicar duas vezes no método de
pagamento e entrar o formulário J_1B_CHECK (cheque pré-numerado) em Dados do
formulário.
 Configurar empresa pagadora para operações de pagamento

O programa de impressão oferece outra opção de impressão de aviso de pagamento para


o fornecedor. Para selecionar essa opção, especificar o formulário J_1B_AVIS para
cada empresa pagadora.
Fatura FI
A fatura resume as notas fiscais de um determinado período. Para lançar a fatura, selecionar
Contas a receber ® Outras transferências internas ® Com compensação

Para obter mais informações sobre essa transação, consultar a documentação standard do sistema
R/3.