You are on page 1of 7

FICHAMENTO

SAMPAIO, Dulce Moreira. Educação e a Conexão do Ser: um caminho para a


transformação humana e planetária. Petrópolis – RJ: Vozes, 2010.

APRESENTAÇÃO

“Baseada na Pedagogia do Ser.” (Nivea Maria Fraga Rocha em SAMPAIO, p. 13)

“Dulce Moreira Sampaio reivindica um novo “olhar” sobre a pedagogia


transdisciplinar e a educação integral que possibilite a cidadania plena e a inclusão
social dos seres humanos. Segue as pegadas deixadas por Paulo Freire, em Pedagogia
dos Oprimidos, quando afirma que esta é uma pedagogia que precisa ser construída
“com” o oprimido e não “para o”, na luta para recuperar sua humanidade. Essa
pedagogia que oprime pode tornar-se tanto objeto de reflexão como de libertação.”
(Nivea Maria Fraga Rocha em SAMPAIO, 2010, p. 14 - 15)

INTRODUÇÃO

“O propósito deste livro é dar continuidade ao trabalho construído num centro de


referência pedagógica, durante cinco anos, com alunos de escola municipal em parceria
com uma empresa privada, sistematizado em meu primeiro livro A Pedagogia do Ser –
Educação dos sentimentos e valores humanos (SAMPAIO, 2007), o qual evidencia a
expansão da consciência dos educadores.” (SAMPAIO, 2010, p. 18)

“O compromisso da Educação é com a formação humana, com o


desenvolvimento integral com base em valores humanos, com a aquisição e socialização
do conhecimento, preparando o ser para assumir sua missão de vida com consciência.
Esse caminho é para todos, indistintamente.” (SAMPAIO, 2010, p. 18)

“A carência na formação, voltada para os valores humanos, para a responsabilidade


social, de competências cognitivas e afetivas, de aprendizagens significativas ao longo
de todos os níveis de ensino gerou a alienação, a fragmentação e a inconsciência de si
próprio e do conhecimento. Isto tem conduzindo à perda da dimensão valorativa do
sentimento, da espiritualidade e da qualidade de vida.” (SAMPAIO, 2010, p. 18)

“O amor começa com a nossa disposição para pensar e construir com o outro”
(SAMPAIO, 2010, p. 19)

“A educação transdisciplinar procura resgatar essa essência por meio da expansão da


consciência humana, do aprendizado dos valores, da cultura, do conhecimento, da
inclusão e da transformação social. Vem resgatar o significado da palavra educação, do
latim educere, levar para fora, fazer emergir todo o potencial latente no ser humano.
Todo o conhecimento e formação são voltados para a construtiva, despertando para uma
nova forma de relação do ser humano com a vida. O aprender se torna uma atividade de
descoberta e de autoaprendizagem, na ação consciente e intencional do sentir, pensar e
agir.” (SAMPAIO, 2010, p. 19 - 20)
Eixos fundamentais que iram embasar este livro: Educação e Sociedade Emergente;
Estudos da Consciência como Fundamentos da Prática Transdisciplinar; Vivências
Transdisciplinares para a Expansão da Consciência. (SAMPAIO, 2010, p. 20)

1-EDUCAÇÃO E SOCIEDADE EMERGENTE

“Ansiamos por novos modelos de formação de professores que incluam o cultivo do


próprio interior dos professores e seu despertar criativo. Quando os educadores estão
abertos para seu próprio ser, conseguem uma coaprendizagem e alguns processos de
cocriação como o aluno. Nesses processos, o professor é aluno, e o aluno é professor. O
que requer é uma sensibilidade especial para os desafios do desenvolvimento humano. (
Yus, 2002, p 259 – 260 em SAMPAIO, 2010, p. 21)

“Estamos presenciando, ao longo de nossas experiências, pesquisas e reflexões, a


decadência de uma civilização que transferiu o foco do bem-estar humano e social para
o capital, o lucro, a economia a tecnologia e a ciência para realidade externa e material.”
(SAMPAIO, 2010, p. 21-22)

“Emerge um novo conjunto de valores, princípios e concepções que está impulsionando


um mudança de paradigma em prol da reconstrução do ser humano, da sociedade e do
planeta. Isto tem pressionado amplamente a vontade coletiva em atribuir o papel
prioritário à educação, reconhecendo sua importância para o desenvolvimento das
nações.” (SAMPAIO, 2010, p. 22)

“O papel da educação transdisciplinar como instância propulsora da sociedade


emergente para enfrentar os desafios da contemporaneidade.” (SAMPAIO, 2010, p. 22)

1.1 CRISE DA FRAGMENTAÇÃO E DIFICULDADES NA PRÁTICA DO


EDUCADOR

“As ideologias que dominam o planeta, decorrentes de todo o processo da inconsciência


humana, desumanização e fragmentação estão voltadas para as questões externas
materiais, econômicas, de domínio e competição, sem levar em consideração o respeito
pela vida, pela natureza, pela dignidade do ser humano. Estamos sofrendo as
consequências dessa desumanização, da fragmentação em todas as instâncias humanas,
social, política, econômica, filosófica, religiosa e científica, porque não alcançamos as
dimensões amplas e multidimensionais do contexto humano, social e planetário.”
(SAMPAIO, 2010, p. 23)

“Frente ao risco de erro e ilusão, os diversos níveis educacionais precisam trabalhar pela
sustentabilidade e responsabilidade social com o planeta e pela integração do ser
humano consigo mesmo e com seu pensar-sentir-agir. Precisam promover a superação
do egocentrismo, da consciência apenas voltada para si mesma, promovendo uma
verdadeira revolução interna na forma de ser e ver o mundo, ampliando a percepção de
nossa interdependência e do compromisso com a realidade à nossa volta.” (SAMPAIO,
2010, p. 25)
“A família é a instância que educa, dando a base da formação do caráter e da
personalidade; à escola cabe burilá-la a serviço do desenvolvimento integral, do
conhecimento, da consciência grupal, comunitária e global. Deste modo, se a escola é
parte integrante da sociedade, atuar dentro dela é contribuir para a transformação
humana e social.” (SAMPAIO, 2010, p. 25)

“As instituições educacionais, como afirma Galvani (2002), precisam ter clareza de sua
missão para poder agregar seus educadores no comprometimento com a tarefa
educacional emancipatória, superar a fragmentação entre vocação técnica-cientifica e
vocação humanista, abrindo espaço para a tão almejada transdisciplinaridade.”
(SAMPAIO, 2010, p. 25)

“Os diversos graus de ensino não tem assumido a responsabilidade pelos problemas,
dificuldades e distorções relacionadas ao processo educacional. Essa formação não tem
emancipado os indivíduos nem a sociedade. Tem apenas levado a um sistema
competitivo exacerbado, à busca pela certificação escolar na esperança de inclusão
social que gera frustação de expectativas dos que esperam sua inclusão no mercado de
trabalho, sem êxito.” (SAMPAIO, 2010, p. 25 - 26)

“[...]Desequilíbrios psicossomáticos na luta pela sobrevivência.[...] Sordi (2005, p. 31)


chama atenção para um aspecto importante: “Ao eleger o indivíduo como único
responsável por sua qualidade de vida, reforça-se o individualismo, a indiferença ao
outro. Instala – se a competitividade selvagem, as relações humanas monetarizadas, a
lógica dos afetos torna-se rígida [...] Transmuta-se o conceito de educação por ensino
utilitarista, centrado nos resultados práticos, esvaídos do pensar, da reflexão sobre seus
efeitos na vida das pessoas.” (SAMPAIO, 2010, p. 26)

“As características mais marcantes dos estudantes que chegam ao Ensino Superior ,
quer sejam provenientes da escola pública ou da privada, que demonstram as
dificuldades vivenciadas resultantes, principalmente, dos currículos fragmentados e dos
equívocos do processo educacional:

 Baixo nível de conhecimentos e ausência de pré-requisitos necessários para


acompanhar o curso;
 Falta de domínio da língua e dificuldades na interpretação, redação e leitura de
textos;
 Dificuldades de raciocínio e insuficiente desenvolvimento de habilidades
cognitivas mais complexas;
 Falta de motivação e comprometimento com a própria aprendizagem; o interesse
é a nota, em passar de ano;
 Hábitos de estudo e pesquisa insuficientes;
 Falta de tempo para estudar;
 Falta de criticidade e questionamento;
 Passividade, individualismo;
 Falta de espírito grupal e de cidadania.” (SAMPAIO, 2010, p. 27)
“A luta pela sobrevivência ou pela manutenção do status quo tem levado a tudo que
esteja ligado às vantagens pessoais, reforçando, cada vez mais, o individualismo, a
competição e a exclusão (ROCHA e RABELO, 2007)” (SAMPAIO, 2010, p. 27)

“As instituições educacionais precisam trabalhar pela sustentabilidade humana e


planetária e repensar sua função social. Isso significa conceber a Educação como um
processo permanente de aperfeiçoamento do ser humano, um processo de
autoconsciência e de integração de si mesmo e de sua responsabilidade e compromisso
com o outro e com o planeta. Será preciso essas instituições assumam o papel de motor
acionador dessa transformação, para fazer com que o ser humano se redescubra após
milênios de inconsciência.” (SAMPAIO, 2010, p. 29)

Apresenta alguns conceitos de educação através de alguns autores com citação:

Finalidade da educação:

“Moraes (2008, p.251): A finalidade maior da educação é promover o crescimento


pessoal, individual e coletivo do ser aprendente, favorecer o desenvolvimento humano,
colaborando com sua evolução da consciência e de seu espírito, mediante participação
ativa, reflexiva, prazeirosa e criativa em atividades educacionais de natureza diferente.”
(SAMPAIO, 2010, p. 29)

Conceito de educação:

“Gelewski (1977, p.21): Educar, podemos dizer, significa ajudar a acordar, ajudar a
encontrar no próprio ser o ímpeto, a saudade, a vontade de movimentar – se e buscar
descobrir, de crescer, de progredir. E educar significa também aprender a lutar, aprender
a intensificar a existência e a cumpri-la com decisão e consciência.” (SAMPAIO, 2010,
p. 29)

“A Educação é, portanto, uma das forças que impulsiona o ser humano para nova ordem
social. Por meio do caos e de todos os conflitos que retratam o fim de uma civilização, a
Educação é capaz de promover uma nova ordem civilizatória, resultante da lei natural
da evolução e da expansão da consciência humana.” (SAMPAIO, 2010, p. 29)

“A educação superior precisa cumprir sua função social, aquela que diz repeito ao
direito de todas as pessoas a uma qualidade de vida digna e ao exercício pleno da
cidadania. Deverá responder não só aos desafios tecnológicos e econômicos, mas
também à questão ética, que diz respeito a toda amplitude da existência humana. Precisa
optar por ações efetivas, que visem transformar profundamente a sociedade, na busca da
conquista dos direitos e de responsabilidade individual e coletiva, engajando-se nos
diversos movimentos sociais.” (SAMPAIO, 2010, p. 29 - 30)

1.2-DEMANDAS DA FORMAÇÃO DO EDUCADOR

Os educadores de todas as áreas:


“Santos e Rocha (2007, p.43) precisam [...] estar relacionados com o ensinar a
questionar o mundo, ensinar a investigar, despertar o interesse pela pesquisa, o fazer
ciência e, numa atuação que transcenda a sala de aula, o ensinar a ser, a viver e a
conviver, o ensinar a compreender.” (SAMPAIO, 2010, p. 30)

“As Instituições de Ensino Superior (IES) carecem de um projeto educacional


claramente expresso e definido pelos docentes que, mais do que transmissores de
informações, precisam ser educadores, comprometidos com a tarefa educacional. Por
outro lado, a falta de clareza de objetivos no tocante à sua própria missão impede o
comprometimento por parte desses profissionais liberais que estão na educação
superior. (VASCONCELOS, 2005 em SAMPAIO, 2010, p. 30)

“Vivemos hoje um mundo de correria e, se queremos aproveitar da melhor forma o


espaço-tempo na sala de aula e na escola, precisamos considerar o planejamento
pedagógico como uma ferramenta que dá qualidade ao trabalho docente. Os professores
precisam estar mobilizados e engajados na gestão pedagógica para tornarem-se
parceiros do Projeto Político Pedagógico das IES.”(PIMENTA E ANASTASIOU, 2002
comentado por SAMPAIO, 2010, p. 31-32)

“Ninguém pode conhecer a natureza humana sem conhecer sua própria natureza, pois
educar é descobrir e despertar no ser humano suas potencialidades adormecidas. Por
isso, os programas formais, meramente analíticos e técnicos não atingem o cerne da
educação. Esse é o paradoxo da educação: exigir do educador autoconhecimento e a
autorrealização, quando sua formação e ação contrariam essa exigência.” (SAMPAIO,
2010, p. 32 - 33)

“A importância do investimento na formação contínua busca integrar áreas do


conhecimento, pois não existem partes isoladas, mas um todo harmônico que se
completa pela contribuição de todas as partes. Assim são superadas as barreiras
disciplinares, conteudistas e isolacionistas em direção à transdisciplinaridade e, ao
mesmo tempo, amplia-se a percepção do educador nos mistérios da natureza humana,
desenvolvendo a sinergia grupal que o alimenta e aperfeiçoa.” (SAMPAIO, 2010, p. 34)

“A educação transdisciplinar, para ser realizada, exige o sentimento de equipe, o agir


participativo, integrado e partilhado, e o propósito de resgatar uma educação mais
sistêmica, contextualizada e humana, que transcenda os aspectos epistemológicos e
esteja enraizada nos valores e atitudes humanos, de modo a integrar professor e aluno na
dimensão da aprendizagem dialógica e comunicativa.” (SAMPAIO, 2010, p. 34)

1.3-EDUCAÇÃO TRANSDICIPLINAR

“A evolução significa mudança e transformação do comportamento individual e


coletivo e não apenas dos aspectos exteriores e materiais. Enquanto o ser humano não se
descobrir, não conseguirá ativar seu verdadeiro potencial, nem sentir que faz parte do
mundo e é responsável por si mesmo e nem encontrará um significado pleno por
qualquer coisa que estude ou faça, especialmente o educador que educa outro.”
(SAMPAIO, 2010, p. 34 - 35)

“A base fundamental da educação transdisciplinar: ir além do que separa os indivíduos,


vendo no outro o reflexo de si mesmo. A educação transdisciplinar se inicia ao nascer e
continua pela vida inteira.” (SAMPAIO, 2010, p. 35)

“O processo do conhecimento nada mais é do que a relação dialética do saber/fazer


impulsionada pela consciência, realizado em suas várias dimensões.” (SAMPAIO,
2010, p. 36)

“A educação transdisciplinar, portanto, responde a urgência, por meio de uma concreta,


ao sistema que ameaça nos destruir. Elabora – se uma visão global construtiva e
criadora, instalando uma nova ordem, uma aliança da ciência, da filosofia e da
metafísica com base nos fundamentos da nova física quântica.” (SAMPAIO, 2010, p.
37)

“O conhecimento transdisciplinar estabelece a correspondência e a integração entre os


mundos interior e exterior do ser humano, superando a contradição, a dualidade e a
exclusão.” (SAMPAIO, 2010, p. 37)

“O conhecimento transdisciplinar, Torre, Pujol e Moraes (2008, p.85) afirmam: [...] ao


transcender a lógica binária, ao resgatar a polaridade contrária do que é contraditório, ao
valorizar a alteridade e o respeito ao pensamento do outro que é diferente do seu e ao
reconhecer outras formas de conhecimento, é aquele que realmente deverá facilitar e
promover o desenvolvimento da consciência da humanidade e preparar a civilização da
reconexão, sugerida por Morin.” (SAMPAIO, 2010, p. 37 - 38)

“A proposta educativa que urge ser implantada visa ligar o que o ser humano separou: o
ser, o saber e o fazer por meio da educação integral, as dimensões corpo-sentimento-
mente-espírito numa visão sistêmica, não fragmentada, o senso de compromisso e
responsabilidade consigo mesmo, com o outro, com a vida e com a função educativa.”
(SAMPAIO, 2010, p. 38)

“Diz Sai Baba (1999) que a verdadeira educação deve permitir que uma pessoa utilize o
conhecimento que adquiriu para enfrentar os desafios da vida para fazer todos os demais
seres humanos felizes. Quando se educa com o coração, antes de sequer tentar ensinar
as crianças, deve-se querer que elas saibam que cada uma delas é única e muito
especial. E para aqueles que procuram desenvolver os valores humanos nos estudantes,
é preciso primeiramente praticar eles mesmos e dar o exemplo.” (SAMPAIO, 2010, p.
38)

“O investimento no desenvolvimento da educação transdisciplinar[...] Random (2000,


p.20): “O pensamento transdisciplinar restituiu o sujeito ao objeto, o ser humano à
natureza, ligando–os tanto à unidade quanto â diversidade do todo, devolvendo ao ser e
a seus valores humanos e metafísicos o lugar dominante que lhe cabe”. Esse
investimento possibilitará a recondução da educação a seus reais objetivos, em que
educador e educando possam conviver num espaço de diálogo e de aprendizagem
significativas.” (SAMPAIO, 2010, p. 40)

2-ESTUDOS DA CONCIÊNCIA COMO FUNDAMENTOS DA PRÁTICA


TRANSDICIPLINAR