You are on page 1of 25

CÁLCULO NUMÉRICO

Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br


Aula 11
Sistemas de Equações não-Lineares
SISTEMAS
NÃO-LINEARES

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 3/39
SISTEMA NÃO LINEAR
 Vamos considerar o problema de resolver um sistema de
equações não-lineares:

onde cada fi, i = 1, 2,..., n é uma função real de n variáveis


reais.
Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares
Cálculo Numérico 4/39
EXEMPLOS
 Exemplo 1:

ì f1 ( x1, x2 ) = x12 + x22 - 2 = 0


ï
í x2 2
ï f2 ( x1, x2 ) = x1 - -1 = 0
2
î 9

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 5/39
 Este sistema admite 4 soluções, que são os pontos onde as
curvas se interceptam:

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 6/39
EXEMPLOS
 Exemplo 2:

ìï f1 ( x1, x2 ) = x12 - x2 - 0, 2 = 0
í
ïî f2 ( x1, x2 ) = x1 - x2 +1 = 0
2

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 7/39
 Este sistema não tem solução, ou seja, não existem pontos
onde as curvas se interceptam:

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 8/39
 Vamos usar a seguinte notação:

Cada função fi(x) é uma função não linear em x.

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 9/39
Vetor gradiente
 O vetor das derivadas parciais da função fi (x1,x2,...,xn) é
denominado de fi (x) e será denotado por:

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 10/39
Matriz Jacobiana
 A matriz das derivadas parciais de F(x) é chamada
e será denotada por:

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 11/39
Exemplo 3
 Para o sistema de equações não-linear abaixo, obtenha a
matriz Jacobiana:

ìï x13 - 3x1 x22 +1 = 0


F ( x) = í 2
ïî3x1 x2 - x2 = 0
3

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 12/39
MÉTODO
DE
NEWTON
Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares
Cálculo Numérico 13/39
MÉTODO DE NEWTON
 O método mais amplamente estudado e conhecido para
resolver sistemas de equações não linear é o
.
 Para uma única equação não-linear, vimos que, pelo Método
de Newton-Raphson, tínhamos:

f ( xk ) + f ' ( xk ) ( x- xk ) = 0
 Ampliando para um sistema de equações não-linear:

( ) + Ñf ( x ) ( x - x ) = 0
T
(k) (k) ( k)
fi x i

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 14/39
MÉTODO DE NEWTON
 Logo, para F (x), teremos:

( ) + J (x )( x - x ) = 0
F x ( k) ( k) (k)

ou ainda:

J x( ) ( x - x ) = -F ( x )
( k) (k) (k)

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 15/39
MÉTODO DE NEWTON
 Se denotarmos (x – x(k)) por s, temos que:

( k+1) ( k)
x = x +s

onde s é a solução do sistema linear:

J x( ) s= -F ( x )
( k) ( k)

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 16/39
MÉTODO DE NEWTON
 Portanto, uma iteração de Newton requer basicamente:

 A avaliação da matriz Jacobiana em x(k);


 A resolução do sistema linear:

J x( ) s= -F ( x )
( k) ( k)

e por esses motivo, cada iteração é considerada computacionalmente


cara.

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 17/39
CRITÉRIO DE PARADA
 Um critério de parada consiste em verificar se todas as
componentes de F (x(k)) têm módulo pequeno.
 Como F (x(k)) é um vetor do Rn, verificamos se a norma é
menor que o erro:

F x( ) <e
( k)
s

 Outro critério é verificar se:

( k+1) (k)
x -x < es
Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares
Cálculo Numérico 18/39
 Para se detectar a divergência e interromper o processo de
cálculos, podemos estabelecer um número máximo de
iterações, ou ainda, interromper se, para algum k, a norma de
F (x(k)) for maior que uma tolerância, por exemplo:

F x ( ) >10
( k) 20

 Sob condições adequadas, a sequência gerada pelo Método


de Newton tem convergência quadrática.
Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares
Cálculo Numérico 19/39
Exemplo 4
 Aplicar o Método de Newton à resolução dos sistema não
linear F(x) = 0, onde F(x) é dada por:
æ x1 + x2 - 3 ö
F ( x) = ç 2 2 ÷
è x1 + x2 - 9 ø
é3 ù é0 ù
 As soluções são: x =ê ú
*
e x =ê ú
**

ë0û ë3 û
é1 ù
 Use: e =10 -4
e x0 = ê ú
ë5û
Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares
Cálculo Numérico 20/39
MÉTODO
DE NEWTON
MODIFICADO
Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares
Cálculo Numérico 21/39
MÉTODO DE NEWTON MODIFICADO
 Para diminuir o custo computacional, podemos modificar o
Método de Newton, fazendo com que a cada iteração k, a
matriz J(x(0)) seja utilizada, ao invés de J(x(k)) .
 Assim, a partir de uma aproximação inicial x(0), teremos a
solução do sistema linear:

( ) s= -F ( x )
J x ( 0) ( k)

 e a matriz Jacobiana é avaliada apenas uma vez, para todo k.

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 22/39
MÉTODO DE NEWTON MODIFICADO

 Se usarmos fatoração LU para resolver o sistema linear,


calcularemos apenas uma vez os fatores L e U e, a partir da
segunda iteração, será necessário resolver apenas os sistemas
triangulares.

Perde-se a propriedade de taxa


quadrática de convergência e em lugar consegue-se apenas
taxa linear.

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 23/39
Exemplo 5
 Resolva o sistema do Exemplo 4 usando o Método de
Newton Modificado.
æ x1 + x2 - 3 ö
F ( x) = ç 2 2 ÷
è x1 + x2 - 9 ø

Use: e =10 -4
e x 0 1 
5

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 24/39
Referências
 BURDEN, Richard L.; FAIRES, J. Douglas. Análise numérica.
São Paulo, SP: Cengage Learning, 2008. xiii, 721 p. ISBN
8522106010.

 RUGGIERO, Marcia A. Gomes; LOPES, Vera Lucia da Rocha.


Cálculo numérico: aspectos teóricos e computacionais. 2. ed. São
Paulo, SP: Makron, c1997. xvi, 406 p. ISBN 8534602042.

 CHAPRA, Steven C.; CANALE, Raymond P. Métodos numéricos


para engenharia. 5. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2008. 809 p.
ISBN 978-85-86804-87-8.

Aula 11 – Sistemas de Equações não-Lineares


Cálculo Numérico 25/39