You are on page 1of 25

Versão On-line ISBN 978-85-8015-075-9

Cadernos PDE

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE


NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE
Produções Didático-Pedagógicas
1. IDENTIFICAÇÃO

Título: Os jogos pré-desportivos como instrumento pedagógico no ensino


fundamental

Autor(a): Claudio Murilo Macedo

Disciplina/Área: Educação Física

Escola de Colégio Estadual São Mateus


Implementação do
Projeto:
Município da escola: São Mateus do Sul
Núcleo Regional de União da Vitória
Educação:
Professor(a) Ms Alderenik Antonio de Oliveira
Orientador(a):
Instituição de Ensino Universidade Estadual do Centro-Oeste -
Superior: UNICENTRO

Resumo De acordo com a fase de iniciação desportiva que


ocorre nos anos iniciais do ensino fundamental,
buscam-se alternativas ou métodos que viabilizem
uma prática docente que contribua para o processo
de aprendizagem dos alunos neste período. Desse
modo os jogos pré-desportivos podem servir como
um instrumento facilitador nesse processo, pois é
uma atividade dotada de caráter lúdico podendo
despertar a motivação e o prazer em realizar a
atividade, contribuindo assim para um melhor
aproveitamento no aprendizado, sem gerar
exclusão, tornando a Educação Física eficiente e
prazerosa. Portanto o presente estudo objetiva-se
em proporcionar o aprendizado das habilidades
específicas na modalidade do Basquetebol, através
dos jogos pré-desportivos, assim como dar
condições de resolver situações problema
decorrentes das ações do jogo, além de diagnosticar
a relevância do tema, suas possíveis dificuldades,
implicações e aceitação dos alunos no
desenvolvimento desta prática durante as aulas de
Educação Física.

Palavras-chave Jogos pré-desportivos; Habilidades específicas;


Basquetebol
Formato do Material Unidade Didática
Didático
Público Alvo Alunos do 6º ano
2. APRESENTAÇÃO

Esta unidade didática refere-se a um material de apoio voltado para os


professores da rede pública do Estado do Paraná, a fim de servir como
ferramenta para a prática pedagógica no dia a dia das aulas de Educação Física.
Este material é composto de várias atividades pré-desportivas com o intuito
de contribuir para o processo ensino-aprendizagem, tendo como objetivo, auxiliar
o aprendizado para as habilidades específicas do Basquetebol em alunos do 6º
ano, visto que, é nesta fase em que ocorre na maioria das vezes a iniciação
esportiva, momento este observado no contexto escolar nesta modalidade, e
hipotetizamos a possibilidade de que isso se dá devido a não vivência nas séries
anteriores.
Desse modo espera-se com este material, que os jogos pré-desportivos
possibilitem ao aluno condições de resolver situações problema desencadeadas
durante as ações do jogo, assim como entender o movimento das habilidades
específicas que lhe favoreça melhor eficiência durante o jogo, evoluindo no seu
aprendizado.

3. ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS

Os jogos pré-desportivos inseridos nesta unidade didática servirão de


subsídios pedagógicos para o professor, que através dessas sugestões de
atividades, favoreçam ao aluno o entendimento de determinadas habilidades
específicas, representadas pelos fundamentos essenciais do jogo do
Basquetebol, como os passes, dribles e arremessos, utilizando-se de atividades
que contenham além de uma especificidade de movimento, um aspecto lúdico
representado pelos jogos, tornando uma aprendizagem prazerosa, motivante e
eficiente.
Essas atividades estarão aliadas as intervenções do professor, que atuará
como mediador das ações, promovendo adaptações de regras, de acordo com as
características da turma e evolução do jogo.
Anterior ao desenvolvimento dos jogos pré-desportivos deve-se
desenvolver atividades que proporcionem ao aluno o manejo da bola, adaptando-
o ao tamanho e peso da mesma.

4. UNIDADE 1: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

4.1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA


O esporte enquanto conteúdo estruturante da disciplina de Educação
Física está entre as atividades que historicamente são desenvolvidas durante as
aulas. Entretanto é necessário discutir e rever as formas de abordagem do
esporte na escola a fim de promover o aprendizado eficiente, prazeroso e
motivante.
De acordo com as Diretrizes Curriculares da Educação Básica (DCE),
prevêem que os alunos do 6º ano do Ensino Fundamental, conheçam os esportes
desde sua origem até vivenciar seus movimentos básicos por meio de atividades
pré-desportivas, que promovam o aprendizado dos fundamentos básicos e
possíveis adaptações nas regras, atendendo as expectativas curriculares da
disciplina de Educação Física, na qual a modalidade do Basquetebol está inserida
como conteúdo específico.
Desse modo a utilização dos jogos pré-desportivos nas aulas de Educação
Física pode ser uma ferramenta importante no processo do aprendizado de
diversas modalidades esportivas, podendo despertar no aluno a motivação e o
prazer em realizar a atividade, porém sem esquecer o desenvolvimento e
aprendizado das habilidades especificas que proporcionam ao aluno, o
entendimento de como fazer determinada ação particular de cada modalidade,
mas sem o compromisso da automatização do movimento.
Segundo Paes (2001) apud Reverdito; Scaglia (2009) as práticas
esportivizadas não contribuem para a aquisição de um novo conhecimento, pois
estão pautadas no ensino do gesto técnico de determinada modalidade de forma
limitadora e estereotipada.
Portanto, observamos através dos jogos pré-desportivos uma metodologia
eficiente para o desenvolvimento das habilidades específicas do Basquetebol,
para Ferreira; De rose jr (2003), o jogo pré-desportivo permite a aquisição lenta e
natural pelos alunos, das habilidades para a prática do Basquetebol.
Ferreira; De rose jr (2003) destacam ainda que os jogos pré-desportivos
proporcionam entre outros aspectos o desenvolvimento da qualidade física, das
capacidades de adaptação social, além de promover o rendimento individual por
meio do rendimento coletivo.
Porém, o que ainda observamos é o ensino dessas habilidades em um
formato mais tradicional, onde ocorre o ensino da técnica fora do contexto do jogo
de forma antecipada, como pré-requisito para desenvolver o jogo.
Rovegno (1995) apud Mesquita; Pereira; Graça; (2009) destacam que o
ensino das habilidades técnicas era descontextualizado do jogo, exercidas dentro
de uma perspectiva mecanicista e desprovido de intencionalidade.
Com a utilização dos jogos pré-desportivos ampliam-se as possibilidades
de aprendizado pelo aluno tornando mais efetivo esse processo. Paes (2001;
2002) apud Reverdito; Scaglia (2009) defende o jogo possível, ou jogos pré-
desportivos, pequenos jogos e ou brincadeiras, como ferramenta nesse processo,
por apresentarem características técnico-táticas e estrutura funcional comparável
aos esportes coletivos.
Esses elementos próprios dos jogos pré-desportivos favorecem um
ambiente de aprendizagem, reunindo características próximas ao do desporto e
assim permitindo a vivência de situações parecidas com a modalidade em
especial, contribuindo para o entendimento do esporte.
Ferreira; De rose jr (2003) apontam ainda que jogos pré-desportivos
possibilitam ao professor de Educação Física atrelar os objetivos da disciplina ao
aprendizado da modalidade, destacando a: participação de um grande número de
alunos simultaneamente; a pouca exigência de material; possibilitar a participação
dos alunos sem a preocupação com seu nível técnico; motivação intrínseca;
possibilita o conhecimento das regras básicas; e promove o conhecimento da
mecânica do jogo. Coutinho (2001) ainda destaca que os jogos pré-desportivos
são excelentes para a prática dos fundamentos em fase de aprendizagem.
Essas características citadas são essenciais para um aprendizado
consistente que privilegia o entendimento do esporte procurando envolver o maior
numero de alunos, em condições de igualdade.
Outros aspectos devem ser levados em consideração, pois algumas
experiências estarão associadas às diversidades encontradas na escola, e em
uma sala de aula, onde existem alunos com diversas experiências, vindos de
diferentes regiões como a zona rural, a periferia entre outras, segundo Reverdito;
Scaglia (2009) na iniciação desportiva deve-se levar em consideração a
historicidade motora, social e cultural, partindo das experiências vivenciadas em
seu meio sociocultural.
Por isso os alunos oriundos de regiões diferentes, assim como os alunos
que são repetentes e consequentemente com idades diferentes, possuem
experiências diferenciadas que serão refletidas durante as aulas, ocasionando
situações que poderão gerar desconforto e até insegurança por parte de alguns
alunos. Para Freire (2003) apud Reverdito; Scaglia (2009), ensinar o esporte
deverá ser orientado tanto para os alunos que já jogam, proporcionando o
aprimoramento da aprendizagem, assim como para o aluno que não sabe jogar,
estimulando o seu aprendizado mínimo necessário para a prática do esporte.
Freire (2003) apud Reverdito; Scaglia (2009) aponta o ensino das
habilidades integrado ao jogo, conforme as situações apresentadas no ambiente,
sendo necessária a adaptação de cada habilidade as características específicas
do esporte. Por isso essa adaptação dará condições do aluno perceber e
entender, por exemplo, a característica do passe ou do arremesso no
Basquetebol que, por exemplo, são diferentes do handebol, e executá-las de
forma mais eficiente e objetiva.
Desse modo os jogos pré-desportivos podem ser desenvolvidos nas mais
variadas condições, Ferreira; De rose jr (2003) destacam que os jogos devem ser
organizados partindo de regras simples tornando-se mais complexas
gradativamente assim como, podendo variar de um ou mais fundamentos, ou
após as aulas sobre um determinado fundamento, atuando como agente
motivador e também procurando colocar os fundamentos em situação próxima ao
jogo real.
Portanto esses elementos reunidos podem contribuir para a evolução no
aprendizado dos alunos, e em se tratando especificamente da modalidade do
Basquetebol, em que as intenções do ensino estejam voltadas para o ensino das
habilidades de arremessar, passar ou driblar a bola, os jogos pré-desportivos
deverão ser mediados pelo professor no sentido de indicar possíveis dificuldades,
ou orientar sobre as ações mais eficientes para determinadas circunstâncias,
porém deixando o aluno à vontade para descobrir, e vivenciar as situações
expostas, formando seu próprio conceito.
Desse modo o papel do professor deverá garantir que esse processo se
desenvolva, atuando como um mediador da atividade, interagindo de acordo com
as situações apresentadas durante as atividades, pois para Scaglia (1999b) apud
Reverdito; Scaglia (2009), o professor é considerado o agente estimulador,
propondo atividades que estejam adequados ao nível de habilidade dos alunos,
além de propor outras atividades que sejam desafiadoras provocando os alunos
no sentido de que eles próprios construírem de forma gradativa o seu
conhecimento.
Ferreira; De rose jr (2003) destacam ainda que apesar de os jogos pré-
desportivos possuírem um caráter lúdico, o mesmo não deve ter a recreação
como único objetivo, mas fomentar o desenvolvimento físico, técnico e as demais
atitudes positivas decorrentes das diversas situações que ocorrem durante o jogo.
Segundo Ide (1999), o jogo não pode ser visto apenas como atividade de
divertimento ou brincadeira para desgaste de energia, pois favorece o
desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo, social e moral. Daiuto (1971) também
destaca que os jogos pré-desportivos não devem ser desenvolvidos apenas com
o sentido de recreação, mas aproveitar o interesse por esses jogos para
desenvolver e aperfeiçoar as habilidades na execução dos fundamentos do
basquete, por essa razão os jogos pré-desportivos devem ter um objetivo
definido.
Diante dos conceitos enumerados os jogos pré-desportivos se concretizam
como uma atividade facilitadora no processo de aquisição de conhecimento,
podendo contribuir positivamente para o aprendizado das habilidades específicas
na modalidade do Basquetebol.

5.UNIDADE 2: PLANOS DE AULAS

1.Conteúdo – Manejo da bola, empunhadura.


Objetivo específico – Adaptação ao tamanho e peso da bola
Materiais utilizados – Várias bolas

Encaminhamento Metodológico.

Parte inicial – Será realizado um breve alongamento e em seguida será realizada


uma reflexão com os alunos sobre o seu conhecimento e vivência previa sobre a
modalidade. Após, o professor expõe as diversas possibilidades de movimentos
com a bola.

Parte principal

1.O aluno deverá passar a bola ao redor do próprio corpo.

2.Passar a bola ao redor das pernas unidas.

3.Idem ao anterior, porém rolando a bola no chão.

4.Com os pés afastados, o aluno deve passar a bola em volta de uma das pernas,
depois trocar a perna.

5.Passar a bola ao entre as pernas, fazendo a figura do oito.

6.O aluno deve segurar a bola entre os joelhos com uma das mãos a frente e a
outra atrás. Alterná-las sem deixar a bola cair no chão.

PASSE

1.Conteúdo – Fundamento do Passe

Objetivo específico – vivenciar o movimento do passe de peito

Materiais utilizados – 1 bola

Encaminhamento Metodológico

Parte inicial - Será realizado um breve alongamento e em seguida o professor


explicará os diversos tipos de passes realizados no Basquetebol e sua correta
execução.

Parte principal
- JOGO DOS DEZ PASSES: Duas equipes com seus jogadores espalhados pela
quadra de jogo têm o objetivo de realizar dez passes de peito consecutivos para
somar um ponto, se a equipe adversária roubar a bola reinicia a contagem dos
passes. Não sendo permitido driblar, correr com a bola na mão, cometer faltas
nem retirar a bola da mão do adversário, devendo apenas interceptar o passe.
(Adaptado de: MELO; 2011 p.50)
Variação: utilizar o passe picado.

Figura 1

2.Conteúdo – Fundamento do Passe


Objetivo específico – Vivenciar o movimento do passe de picado.
Materiais utilizados - 1 bola
Encaminhamento Metodológico
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre o que foi vivenciado na aula anterior, identificando possíveis dificuldades.

Parte principal
JOGO DO PASSE E ARREMESSO: Os jogadores estarão espalhados pela
quadra, onde cada equipe deverá realizar dez passes picado consecutivos,
obtendo assim o direito a um arremesso livre de marcação na cesta, do local
aonde o ultimo jogador recebeu a bola. Obs. Não haverá aro definido, portanto o
jogador deverá arremessar na cesta mais próxima. (Adaptado de: BREGOLATO;
2008 p 160)
Variações:
- O arremesso adquirido poderá ser de um local pré-definido.
- Utilizar o passe de ombro.
Figura 2

3.Conteúdo – Fundamento do Passe

Objetivo específico – Aprimorar os passes aprendidos e vivenciar os passes por


cima da cabeça e de ombro.
Materiais utilizados – 1 bola e duas cadeiras
Encaminhamento Metodológico
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre o que foi vivenciado na aula anterior.

Parte principal
- BASQUETE PEOPLE: É um jogo de Basquetebol onde a cesta é representada
por um jogador em cima de uma cadeira, colocada dentro do garrafão, aonde os
demais jogadores não poderão entrar. Os jogadores só poderão se utilizar dos
passes de peito e picado, sem poder driblar ou correr com a bola nas mãos. Para
marcar pontos a equipe deve passar a bola para o jogador que estará em cima da
cadeira, sem que a bola caia no chão. A cada dois pontos troca-se o jogador de
cima da cadeira. (Adaptado de: MELO; 2011 p 50)
Variações: - Impedir a entrada dos jogadores na linha de 3 pontos, aumentado a
distancia para o jogador que estará em cima da cadeira.
- Utilizar os passes por sobre a cabeça, e passe de ombro.
Figura 3

4. Conteúdo – Fundamento do Passe


Objetivo específico – Vivenciar o movimento dos diversos tipos de passe.
Materiais utilizados - 1 bola, 2 arcos
Encaminhamento Metodológico
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre as dificuldades nos diversos tipos de passes.

Parte principal
- BOLA NA MARCA: Um jogador de posse de um arco ficará parado dentro do
garrafão. Os demais jogadores utilizando-se apenas dos passes terão como
objetivo passar a bola por dentro do arco do seu colega. Os jogadores estarão
divididos entre aqueles que só poderão se movimentar na meia quadra da sua
defesa, e os outros que se movimentarão na quadra do ataque, trocando as suas
funções toda a vez que sua equipe fizer um ponto. (Adaptado de: BREGOLATO;
2008 p 158)

Figura 4
DRIBLE

1.Conteúdo – Fundamento do drible


Objetivo específico – Desenvolver o movimento do drible com uma das mãos
inclusive efetuando a troca de mãos, e a proteção da bola.
Materiais utilizados – Várias bolas
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento e em seguida uma reflexão
sobre a correta execução do movimento do drible.

Parte principal
- TODOS CONTRA TODOS: Divide-se em duas equipes de três a cinco
componentes. Dentro de um espaço delimitado, cada jogador dribla e defende a
sua bola, ao mesmo tempo em que tenta tirar a bola do adversário para fora do
espaço delimitado, quem perde a bola fica fora do jogo, vence a equipe que retirar
a bola de todos os componentes da outra equipe primeiro. O jogador não poderá
segurar a bola, nem sair do espaço delimitado e só poderá tirar a bola do
adversário com as mãos. (Adaptado de: MELO; 2011 p 52)
Variação: - Também poderá ser individual até sobrar um jogador.
- O jogador que perdeu a bola passa para a outra equipe.

Figura 5

2. Conteúdo – Fundamento do drible


Objetivo específico – Desenvolver o movimento do drible com uma das mãos e
correndo.
Materiais utilizados – 9 arcos, 2 bolas, 10 cones ou bolas de borracha (sendo 5
cones de cor diferente)
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre o que foi vivenciado na aula anterior.

Parte principal
- JOGO DA VELHA: Dividir o grupo em duas ou três equipes, colocar os arcos no
chão distribuídos em três colunas e três fileiras, situados a mais ou menos 5m dos
arcos colocar cinco cones perpendiculares a uma equipe e os outros cinco cones
perpendiculares a outra equipe. Ao sinal dado pelo professor o 1º elemento de
dada equipe deverá correr em direção aos cones driblando com uma das mãos,
pegar um cone e colocá-lo dentro de um dos arcos, voltar a sua equipe sempre
driblando a bola e entregar a bola para o 1º colega da fila e ir para o final da
equipe. O colega de equipe que recebeu a bola saíra e repetirá o movimento do
colega anterior, observando a posição dos arcos já colocados para tentar colocar
o seu de modo que o 3º elemento da equipe consiga fechar o jogo da velha (três
cones na vertical, na diagonal ou na horizontal) A equipe que fechar o jogo da
velha antes ganhará um ponto. Obs.: Apenas um cone por arco, se o cone cair, o
jogador que o colocou deverá retornar e arrumá-lo antes do outro colega de sua
equipe sair. O cone não poderá ficar em cima do arco. A equipe poderá orientar o
seu jogador desde que respeite o posicionamento das equipes. (Adaptado de:
GRECO; SILVA; 2008 p 258)
Variação: Driblar a bola somente com a mão esquerda

Figura 6

3. Conteúdo – Fundamento do drible


Objetivo específico – Aprimorar o movimento do drible correndo.
Materiais utilizados – Várias bolas
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre as dificuldades encontradas na aula anterior.

Parte principal
- PAR OU IMPAR: As equipes ficarão no meio da quadra com seus jogadores
frente a frente com o adversário cada um de posse de uma bola, sendo
predeterminada qual equipe será par ou impar. O professor propõe uma sentença
matemática que determinará quem será o pegador, que deverá tocar o jogador
adversário antes que este chegue à linha de fundo da quadra. O jogador fugitivo
deverá correr driblando a bola, e o jogador pegador deixará sua bola para correr
atrás de seu adversário. Cada jogador que conseguir chegar até a linha de fundo
da quadra somará um ponto para sua equipe. (Adaptado de: ALMEIDA; 2005 p
37)
Variação: Tanto pegador quanto fugitivo deverão correr driblando.

Figura 7

4. Conteúdo – Fundamento do drible


Objetivo específico – Aprimorar o movimento do drible correndo.
Materiais utilizados – uma ou duas bolas
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre as dificuldades encontradas na aula anterior.

Parte principal
- BASQUETE POR NÚMEROS: Cada equipe ficará posicionada na linha lateral
da quadra, possuindo, cada aluno de ambas as equipes um número
predeterminado. As duas bolas ficarão no centro da quadra. O professor dirá um
número e o aluno de cada equipe que possuir este numero terá que se deslocar,
até uma das bolas, pegá-la, driblá-la e tentar fazer uma cesta primeiro.
(COUTINHO 2001 p137)

Variações: - Coloca-se somente uma bola no arco e há a disputa dos alunos para
pegá-la.
- O professor chama dois números, o que resultará em jogar dupla contra dupla.

Figura 8

5. Conteúdo – Fundamento do drible


Objetivo específico – Aprimorar o movimento do drible correndo e com mudanças
de direção.
Materiais utilizados – Várias bolas
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre as dificuldades encontradas na aula anterior.

Parte principal
- BASQUETEBOL DO “HOMEM DE PRETO”: O “homem de preto” (jogador de
defesa) está parado diante de uma linha, próximo a uma das cestas. Os outros
jogadores iniciam cada um com uma bola, a partir do lado estreito do campo de
jogo oposto. Ao sinal, eles driblam a bola até o outro lado da quadra, procurando
fazer uma cesta, desviando-se do “homem de preto” que deve tentar tocar ou tirar
a bola, dentro do espaço demarcado pelas linhas. O jogador que perder a bola
fica no lugar do homem de preto. (MELHEM; 2004 p 68)

Variações: - Ao perder a bola o jogador passa também a ser o “homem de preto”.


- Ao converter a cesta os jogadores que estão driblando a bola vão para a outra
cesta com o mesmo objetivo.

Figura 9

ARREMESSO

1.Conteúdo – Fundamento do Arremesso


Objetivo específico – Desenvolver o movimento do arremesso
Materiais utilizados – Várias bolas
Encaminhamento Metodológico
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, em seguida ocorre à
explicação pelo professor da correta execução do movimento do arremesso.
Parte principal
- BOLA À CESTA: Cada grupo se distribui ao redor do garrafão da quadra e sua
respectiva cesta, e cada jogador tanta lançar a sua bola para dentro dela.
Vencerá quem marcar 15 cestas primeiro. (MELHEM; 2004 p 64)

Variação: A cada rodada em que todos tenham arremessado, faz-se a troca de


lugar dos jogadores que ocupam o lugar de seu companheiro do lado esquerdo.

Figura 10
2. Conteúdo – Fundamento do Arremesso

Objetivo específico – Aprimorar o movimento do arremesso e vivenciar o


fundamento do rebote.
Materiais utilizados – 2 bolas
Encaminhamento Metodológico
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre o que foi vivenciado na aula anterior.

Parte principal
- REBOTE: Quatro jogadores se dividem em duas duplas que deverão jogar entre
eles. Enquanto uma dupla se coloca no local de lance livre, a outra se coloca
dentro do garrafão no setor de rebote. Cada dupla deverá executar seis
arremessos livres, sendo três para cada jogador da dupla. Cada lance livre
computado vale dois pontos, enquanto cada rebote deverá seguir a seguinte
pontuação: se o jogador pegar a bola no rebote sem deixar que ela toque no
chão, a cesta vale dois pontos; se a bola quicar uma vez no solo, essa cesta, se
convertida, valerá um ponto; caso a bola toque no chão mais de uma vez, a dupla
que está no rebote perde o direito ao arremesso da área do rebote. Devem-se
após todos arremessarem, trocam as funções. Depois da participação das duas
duplas somar os pontos obtidos nos lances livres e nos rebotes para saber qual
dupla é a vencedora. (MELO; 2011 p 51)

Variação: Colocar arcos em outros pontos da quadra para facilitar ou elevar o


nível de dificuldade do jogador que vai fazer o arremesso.
Figura 11

3.Conteúdo – Fundamento do Arremesso


Objetivo específico – Aprimorar o movimento do arremesso e do rebote
Materiais utilizados – 2 arcos, 2 bolas
Encaminhamento Metodológico
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre o que foi vivenciado na aula anterior.

Parte principal
- JOGO DOS ARREMESSOS: Duas duplas sendo que um jogador será o
arremessador e o outro será responsável pelo rebote. O jogador arremessador
deverá converter três cestas de dentro de um arco sem poder sair, o jogador
responsável pelo rebote deverá buscar a bola e entregar ao arremessador.
Quando o arremessador converter as três cestas troca-se as funções. Vence a
equipe que converter as seis cestas da dupla primeiro. Obs. Os arremessadores
estarão executando seus arremessos ao mesmo tempo.

Variação: mudar a posição dos arcos que indicam a distância a o lugar do


arremesso aumentando ou diminuindo o grau de dificuldade.
Figura 12

4.Conteúdo – Fundamento do Arremesso


Objetivo específico – Aprimorar o movimento do arremesso e do rebote
Materiais utilizados – Bolas
Encaminhamento Metodológico
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre o que foi vivenciado na aula anterior.

Parte principal
- JOGO DOS 21 PONTOS: Divide-se a turma em dois grupos em cada meia
quadra de Basquetebol, e em colunas. Todos devem arremessar a bola na cesta
de Basquete no local de lance livre; cada cesta convertida vale quatro pontos. No
momento que um jogador estiver executando um lance livre, o próximo que
deverá arremessar deverá se posicionar na área de rebote, pois se o lance livre
não for convertido ele poderá pegar o rebote e tentar fazer a cesta. A pontuação é
a seguinte: pegar a bola no rebote sem deixá-la tocar no chão, a cesta vale 3
pontos; se a bola quicar uma vez no solo valerá 2 ponto; caso a bola toque mais
de uma vez no chão o jogador poderá arremessar da área de lance livre, porém
valerá 1 ponto. Vence a equipe que concluir os 21 pontos primeiro (Adaptado de
MELHEM; 2004 p 67)
Figura 13

JOGOS COM COMBINAÇÃO DE FUNDAMENTOS

1.Conteúdo – Combinação de fundamentos


Objetivo específico – Desenvolver os mais variados fundamentos dentro de um
jogo.
Materiais utilizados – 1 bola, vários cones
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento e em seguida uma reflexão
sobre todos os fundamentos vivenciados e possíveis dificuldades encontradas.

Parte principal:
JOGO DOS CONES: Duas equipes jogam entre si. Quando uma delas estiver
com a posse de bola, tentará colocar a bola em contato com a parte superior de
um dos cones espalhados pelo espaço pré-determinado. A outra equipe se
movimentará de forma a impedir que isso ocorra, colocando-se à frente dos cones
que estão espalhados pela quadra. Se um jogador estiver na frente de um cone, o
jogador com posse de bola não poderá colocar a bola em cima do cone
“ocupado”, devendo passar a bola rapidamente, até seu grupo encontrar um cone
livre. Será colocado, inicialmente, um cone a mais do que o número de
defensores. (MELHEM; 2004 p 65)

Figura 14

2.Conteúdo – Combinação de fundamentos


Objetivo específico – Desenvolver os mais variados fundamentos dentro de um
jogo.
Materiais utilizados – 1 bola
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento e em seguida uma reflexão
sobre todos os fundamentos vivenciados e possíveis dificuldades encontradas.

Parte principal
MINIBASQUETEBOL ALEMÃO (3X3): Jogam três equipes ao mesmo tempo em
cada metade da quadra. Enquanto a equipe A joga contra a equipe B, a equipe C
aguarda atrás da linha de fundo. Se a equipe de posse de bola fizer a cesta, a
equipe que estava defendendo sairá do jogo e entrará a equipe de fora; se a
equipe que estiver no ataque errar o arremesso, essa sairá do jogo, a equipe que
estava defendendo fica com a posse de bola (meio da quadra) e a equipe que
estava de fora entrará no setor defensivo. Cada equipe só tem direito a uma
tentativa de arremesso, não podendo haver disputa pelo rebote. (MELHEM; 2004
p 74)

Figura 15

3. Conteúdo – Combinação de fundamentos


Objetivo específico – Desenvolver os mais variados fundamentos dentro de um
jogo.
Materiais utilizados – bola e dois arcos
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre todos os fundamentos aprendidos.

Parte principal
- ARCO-MOVEL: Obedecendo às regras oficiais do basquetebol, os jogadores
tentarão obter pontos no arco horizontalmente seguro por dois companheiros,
junto à linha final da quadra. Estes dois poderão locomover-se sobre toda linha
final, a fim de facilitar a ação dos seus companheiros. Eles estarão, no entanto,
marcados por um guardião que é o único jogador que tem o direito de permanecer
na área de defesa. Quando a área é invadida por um atacante, será marcada uma
violação, quando há a invasão de um defensor será concedido um lance livre a
equipe atacante. (DAIUTO, 1971 p 392)

Figura 16

4. Conteúdo – Combinação de fundamentos


Objetivo específico – Desenvolver os mais variados fundamentos dentro de um
jogo.
Materiais utilizados – 1 bola
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento, seguida de uma reflexão
sobre o que foi vivenciado na aula anterior.

Parte principal
- BASQUETE ADAPTADO: As equipes utilizando-se dos fundamentos aprendidos
deverão passar a bola para um jogador que estará movimentando-se livremente
na área do garrafão, aonde os outros jogadores não poderão invadir. Ao receber a
bola o jogador não poderá mais se movimentar devendo executar o arremesso
que se convertido valerá dois pontos e o jogo reiniciando com fundo-bola, caso
contrário o jogo reinicia na lateral. A cada cesta convertida este jogador deve ser
trocado. Adaptado de: FERREIRA, DE ROSE JR; 2003 p 66)

Variação: Colocar um jogador para marcar aquele jogador que está dentro do
garrafão.
Figura 17

5.Conteúdo – Combinação de fundamentos


Objetivo específico – Desenvolver todos os fundamentos dentro de um jogo.
Materiais utilizados – 1 bola
Parte inicial - Será realizado um breve alongamento e em seguida uma reflexão
sobre todos os fundamentos vivenciados e possíveis dificuldades encontradas.

Parte principal
BASQUETE POR SETOR: Divide-se a quadra em nove partes iguais. Há um
jogador de cada equipe dentro de cada parte. Os alunos só podem se movimentar
dentro do seu espaço, podendo driblar e arremessar a cesta. Faz-se rodízio de
lugar a cada cesta convertida. Esse jogo é interessante porque evita quedas e
empurrões pelos menores, ao tentarem tomar a bola no grande grupo. (Adaptado
de: BREGOLATO; 2008 p 160)

Figura 18
6.CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esperamos que essas atividades sugeridas possam realmente contribuir


para o processo de ensino aprendizagem durante as aulas de Educação Física.
Visto que as práticas docentes são dotadas de muitos desafios que deverão ser
superados a fim de concretizar o processo educacional.
Desse modo os jogos pré-desportivos como já mencionados anteriormente,
possuem características favoráveis para a construção do conhecimento,
envolvendo um maior número de alunos, minimizando as possíveis diferenças
físicas, mas, sobretudo contribuindo para que o aluno adquira os conhecimentos
mínimos para a prática do desporto, permitindo uma iniciação esportiva
prazerosa, estimulando a sua prática, e evitando uma desmotivação futura na
modalidade.
Entretanto as possíveis diferenças na realidade escolar, como falta de
material suficiente e espaço físico apropriado para o desenvolvimento das
atividades, turmas numerosas, entre outros tantos desafios que a escola enfrenta,
espera-se que sejam minimizadas com essas atividades sugeridas, que poderão
ser adaptadas para melhor atender as necessidades específicas.
REFERÊNCIAS

ALMEIDA, M.B.; Basquetebol, 1000 exercícios. Rio de janeiro. 3ª edição. Sprint.


2005
BREGOLATO, R. A.;Cultura corporal do jogo. São Paulo. Icone. 2008. Coleção
educação física escolar: no princípio de totalidade e na concepção histórico-
crítica-social, v.4
COUTINHO, N.F.; Basquetebol na escola. Rio de Janeiro. Sprint. 2001.

DAIUTO, M.; Basquetebol: Metodologia de ensino. São Paulo. 3ª edição. São


Paulo editora S.A.; 1971.

FERREIRA, A.E.X.;DE ROSE JR, D. Basquetebol: técnicas e táticas: uma


abordagem didático-pedagógica. São Paulo. EPU. 2003.
GRECO, P.J.; SILVA, S.A.; Jogos para desenvolver a inteligência e
criatividade tática. In: OLIVEIRA, A.A.B.; PERIM, G.L.; (ORG) Fundamentos
pedagógicos para o programa segundo tempo. Maringá. Eduem. 2008.

IDE, S.M. O jogo e o fracasso escolar. In: KISHIMOTO, M. T.(org) Jogo,


brinquedo, brincadeira e a educação. 3ª ed. São Paulo. Cortez, 1999
MELHEM, A.; Brincando e aprendendo basquetebol. Rio de Janeiro. Sprint, 2004.

MELO, R.; Esporte e jogos alternativos. Rio de Janeiro. Sprint. 2011


MESQUITA, I.M.R.; PEREIRA, F.R.M.; GRAÇA, A.B.S.; Modelos de ensino dos
jogos desportivos: investigação e ilações para a prática. Motriz, Rio Claro, v15 n
4 p.944-954, out/dez. 2009

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. DCE - Diretrizes curriculares: da


educação fundamental da rede de educação básica do estado do Paraná,
ensino fundamental, educação física. Versão preliminar; Curitiba: SEED. 2008.

REVERDITO, R.S.; SCAGLIA, A.J.: Pedagogia do esporte: jogos coletivos de


invasão. São Paulo. Phorte, 2009