You are on page 1of 6

Moodle no Edubuntu em LTSP na EaD da UAB/UFSM:

regularidades e transformações nos módulos didáticos


hipermidiático

Abstract. We describe and analyze collaborative work on workstations in the


production, implementation and evaluation of hypermedia teaching modules
in a university distance-education within the UAB/UFSM in undergraduate
courses and postgraduate. Our choice was the distribution Edubuntu
operating in a LTSP with Moodle mediating the work of the school
collaborative production in the distance mode.

Resumo. Descrevemos e analisamos trabalho colaborativo em estações de


trabalho, na produção, implementação e avaliação de módulos didáticos
hipermídia na escolarização-universitária a distância no âmbito da
UAB/UFSM nos cursos de graduação e pós-graduação. Optamos pela
distribuição Edubuntu em LTSP com o Moodle mediando o trabalho de
produção escolar colaborativa na modalidade a distância.

1. A idéia geradora
A idéia geradora é investigar ativamente como ocorre as gestão e organização de
módulos didáticos dos recursos (de ensino-aprendizagem) e atividades (de estudo) nos
cursos de graduação e pós-graduação na modalidade a distância, mediados pelo
Ambiente Virtual de Ensino-Aprendizagem Livre (Moodle), no âmbito da Universidade
Aberta do Brasil (UAB), sob a responsabilidade da Universidade Federal de Santa
Maria (UFSM), nos polos educacionais de ensino superior onde atuamos como
docentes. Convém ressaltar que a UFSM customizou um Moodle especialmente para
UAB, capacitando seus docentes e tutores para a referida mediação tecnológica livre
(figura 1).
Figura 1. Moodle UAB/UFSM

O problema que investigamos ativamente, no âmbito do processo escolar a


distância mediado pelas TIC livres é: quais transformações e regularidades ocorrem na
gestão e na organização dos módulos didáticos dos recursos (de ensino-aprendizagem)
e atividades (de estudo) nos cursos de graduação e pós-graduação na modalidade a
distância, mediados pelo Moodle, no âmbito da UAB/UFSM, nos polos onde atuamos
como docentes. Embora concordemos com a argumentação que a tarefa educativa de
professores e tutores possa ser realizada a distância, apostamos em momentos semi-
presenciais acoplados, ou seja, encontros de trabalho colaborativo no laboratório.
Com o intuito de construir uma mediação tecnológica-educacional, onde
professores e tutores possam planejar, implementar e avaliar os módulos didáticos dos
cursos a distância no laboratório, optamos por instalar um LTSP (Linux Terminal
Server Project) numa distribuição Linux desenhada para a escolaridade (Edubuntu) no
servidor onde funciona o Moodle (a figura 2 mostra o logo criado para representar isso).

Figura 2. LTSP no Edunbuntu com o Moodle


No nosso entendimento, o processo cíclico-espiralado da investigação-ação
escolar mediada por TIC livres (Müller e outros, 2001), potencializa avaliação da
mediação tecnológica Moodle na prática escolar a distância, no âmbito dialógico-
problematizador das atividades de estudo (Alberti, 2006). Em outras palavras, se nossa
problemática é investigar padrões de regularidades e transformações nos esquemas de
representação do conhecimento e organização conceitual da interação dialógico-
problematizadora no escopo da escolarização a distância, precisamos garantir a
produção colaborativa de professores e tutores mediada pelas referidas TIC livres.

2. Procedimento Metodológico empregado

Interfacear procedimentos de investigação e estratégias de ação, no âmbito da


investigação ativa, é essencial para mostrar como produzimos a pesquisa (Feldman e
Capobianco, 2002) na escolarização a distância mediada por TIC livres, nos âmbitos da
UAB//UFSM e da equipe multidisciplinar e inter-institucional. Nesse processo
garantimos aos participantes dois movimentos investigativos: por um lado, retrospectivo
(nas atividades tarefa e glossário) e prospectivo (nas atividades colaborativas wiki e
fórum); por outro lado, o trabalho escolar a distância foi orientado pela dupla dialética
indivíduo-sociedade e teoria-prática, transitando entre auto-reflexões e reflexões
deliberativas dos participantes (o que lhes potencializou atuação como co-
desenvolvedores escolares, inclusive da mediação tecnológica-educacional Moodle).
Na prática, fizemos uma vigilância crítica, própria da investigação-ação
educacional de matriz emancipatória, procurando garantir que todas as etapas
procedurais fossem organizadas e descritas no Moodle, com acesso e edição irrestrita
dos participantes, inclusive das atividades de pesquisa de avaliação. A seguir,
descrevemos etapa por etapa de cada ciclo espiralado desenvolvido:
A etapa do planejamento desta investigação-ação foi composta pelos módulos
didáticos organizados no Moodle; foi nossa responsabilidade docente, mantê-los
atualizados sincronicamente com a prática escolar a distância que aconteceu no tempo
didático estabelecido pela estrutura curricular do projeto político pedagógico de cada
curso; em termos concretos, através da mediação tecnológica Moodle geramos e
sustentamos o diálogo-problematizador a distância; isso auxiliou na composição do
“banco de dados” das programações temáticas das disciplinas, sempre na perspectiva
dialógico-problematizadora, ou seja, priorizando a simetria invertida resolução de
problema -> ensino-aprendizagem de conceitos, leis, teorias e fenômenos; além disso,
propusemos atividades colaborativas mediadas pelas ferramentas glossário e tarefa
(como retrospecção cognitiva em torno dos conceitos-chave das atividades de estudo
hipermidiática) e wiki e fórum (como prospecção cognitiva em torno dos conceitos-
chave da bibliografia indicada para preparação do próximo ciclo); associado a esses
componentes do planejamento, organizamos as temáticas priorizadas nos módulos
didáticos, organizando pesquisas de avaliação no Moodle, segundo os temas
estruturadores dos eixos curriculares, com o intuito de demarcar epistemologicamente a
educação mediada por TIC livres, praticada como ensino-investigação-aprendizagem
superior de qualidade.
A ação investigativa (atividade de estudo como ensino-investigação-
aprendizagem) ocorreu de fato, quando disponibilizada no Moodle, para determinada
turma de alunos matriculados; professores e alunos interagiram (na modalidade a
distância) mediados pelo Moodle, tendo o conteúdo programático características
hipermídia, comunicando-se nas formas síncrona (salas de diálogo-problematizador
previamente agendadas na ferramenta de atividade Chat) e assíncrona (por meio de
mensagens, tarefas, wikis, glossários e fóruns temáticos); ao longo do processo escolar
na UAB/UFSM, estas interações foram “marcadas em suas trajetórias” pela mediação
tecnólogica Moodle, sendo assim, passíveis de serem avaliadas e validadas, num
contexto de problematização e diálogo telemático; convém destacar ainda, que a
condução desta etapa esteve fortemente determinado pelas deliberações estabelecidas
no planejamento, inclusive para não comprometer a participação a distância dos
professores, tutores e alunos mediados pelas TIC livres.
Os registros e observações das ações escolares a distância implementadas,
foram editadas prioritariamente pelos professores, na ferramenta de atividade
colaborativa wiki do Moodle, como diário de bordo temático, focado pelas questões de
pesquisa (que compõem nossa preocupação temática), elaboradas pela equipe docente;
consideramos componentes fundamentais deste processo, os conteúdos digitais das
ferramentas de atividades fóruns, tarefas, wikis e glossários do Moodle, em especial os
tematizados por hipermídia (textos, imagens, filmes, animações, simulações,
experimentos remotos, entre outros), assumidos como conteúdos escolares na
arquitetura distribuída, coordenada e inter-relacionada como uma rede conceitual
hipermidiática (Spiro e Jheng, 1990).
O processo reflexivo, focado e deliberativo (componente avaliador da
investigação-ação), implementado a distância com os recursos comunicativos do
Moodle funcionando na Internet no endereço http://cead.ufsm.br, garantiu pelo menos
dois resultados na esfera prática: indicadores dos padrões de regularidade e
transformações das referidas atividades de estudo mediadas por TIC livres e parâmetros
para sua sistematização didática; foi o processo escolar a distância elaborado,
implementado, observado e registrado, a garantia da produção dos resultados de
pesquisa, como melhor solução para a problemática em questão, no atual momento da
avaliação desta proposta de trabalho; além disso, a produção sistematizada deste
processo escolar é que gerou pesquisa e desenvolvimento do objeto tecnológico livre,
mediador-chave das interações dialógico-problematizadoras (Moodle); foi ao longo
desta avaliação emancipatória, que apreendemos colaborativamente com a equipe
multidisciplinar, como se valer dos registros eletrônicos telemáticos para orientar
didático-metodologicamente as mediações tecnológicas hipermidiática; dispondo de
instrumentos oriundos da tecnologia educacional, fomos mediados por estes no
processo produtivo, ou seja, orientamos o processo de pesquisa e desenvolvimento
escolar pela problematização dos conceitos científicos e tecnológicos envolvidos; nós
que produzimos processos e produtos escolares mediados por TIC no âmbito de equipe
multidisciplinar (Abegg e De Bastos, 2001; Müller e outros, 2001), apontamos a
originalidade da pesquisa contextualizada na área de tecnologia educacional, em
especial no processo avaliativo realizado; dito de outra forma, estamos avaliando
práticas escolares no ensino superior, mediadas por TIC livres concretizada no Moodle,
uma vez que processos e produtos produzidos por equipes de pesquisa educacional no
Brasil, na maioria das vezes sequer são avaliados no contexto da prática escolar
(CONAHPA, 2004, 2006 e 2008).
Nossa opção foi investigar a mediação tecnológica Moodle, caracterizada como
software livre, ou seja, disponível para ser copiada, utilizada, aberta para ser estudada e
alterada (como no caso da customização realizada no âmbito da UAB/UFSM),
redistribuída gratuitamente ou não, entre outras liberdades, no âmbito de comunidades
ativas (http://www.moodle.org) na Internet (Stallman, 2002). Isso porque nas
perspectivas da educação como prática da liberdade (Freire, 1987), é essencial abrir as
"caixas pretas" do conhecimento escolar mediado por tecnologias, avaliando-os
processualmente com professores e alunos (Fourez, 1994). Além disso, ao produzirmos
tecnologias educacionais, precisamos construir indicativos fidedignos do “balanço
risco-benefício” para os processos escolares, em especial os a distância mediado por
TIC livres, com potencial gerador e sustentador do diálogo-problematizador científico-
tecnológico dos envolvidos (Abegg, De Bastos e Müller, 2006).
Nesta investigação-ação tomamos como objeto não apenas as práticas escolares,
mas também a produção em tecnologia educacional, em especial os recursos e
atividades dos módulos didáticos hipermidiático no Moodle. Conceitualmente,
hipermídia é agregação e acoplamento de mídias diferentes num único suporte, com um
determinado objetivo, como uma evolução do conceito de hipertexto, em nosso caso
especialmente elaborado para a escolaridade a distância mediada pelas TIC. Hipermídia
educacional tornou-se um meio de organizar unidades temáticas, conjugando vários
tipos de mídias, como texto, imagem, animação, simulação, vídeo e áudio. Os recursos e
atividades didáticas com características hipermidiáticas possibilitam interações,
interatividade, dinamismo e múltiplas dimensões de pesquisa e colaboração, em
especial na interface recursos-atividades-Moodle. Permitem a combinação de hipertexto
com multimídia, utilização de espaços virtuais (telepresença) e navegação em rede. A
interação e interatividade ocorre em três dimensões: bidirecionalidade, inter-
pessoalidade, participação em equipes e acesso à conteúdos (Rodriguez e Ryan, 2001;
Celaya e Martínez, 2007).

3. Primeiros Resultados e Análises


Recursos e atividades de ensino-aprendizagem conjugadas hipermidiaticamente no
Moodle, apresentam potencial educativo, possibilitando simulação e animação de
fenômenos, gerando elementos inovadores na escolarização. Isso porque possibilitam
"navegação" não-linear guiada, disponibilizando páginas web modeladas segundo uma
proposta de rede conceitual (Ludwig e outros, 1997, Rezende, 1998). Estudantes e
professores mediados didaticamente no Moodle, têm proposto e realizado atividades de
estudo hipermidiáticas, concretamento sob a forma de ações e operações conceituais,
segundo modelagem das referidas mediações (Alberti, 2006).
Tendo em vista que o referido projeto esteve localizado na área da educação,
sub-área tecnologia educacional, sinalizamos as principais contribuições científicas e
tecnológicas, destacando a produção educativa mediada pelas TIC livres – LTSP,
Edubuntu e Moodle, caracterizadas por ações colaborativas no âmbito do ensino
superior a distância. Como investigamos ativamente os processos de mediação
Humano-Não Humano, explicitamos a seguir as principais contribuições (inovações) no
âmbito da construção de módulos didáticos (recursos e atividades) hipermídia com a
tecnologia educacional livre Moodle. A partir da investigação das regularidades e
transformações na gestão e organização dos objetos de ensino-aprendizagem e
atividades de estudo hipermidiáticas, definimos uma matriz conceitual e operacional
orientadora da arquitetura da mediação pedagógica no Moodle, produzindo cientifico-
tecnologicamente:
1. desenvolvimento sistemático de especificações para organização didático-
metodológica e estruturação da representação conceitual dos materiais e diálogo-
problematizador nas atividades de estudo hipermídia dos módulos didáticos;
2. investigação ativa e teorização, simultâneas e acopladas no âmbito da docência
mediadas pelas atividades de pesquisas de avaliação, sobre a elaboração e
implementação da arquitetura da mediação pedagógica no Moodle, como
estratégia de problematização com caráter cíclico-espiralado;
3. elaboração de organizadores-padrão na esfera dos objetivos e conteúdos
específicos das diversas áreas do conhecimento, como orientadores do
planejamento de situações de ensino-aprendizagem mediados tecnologicamente
pelos recursos e atividades hipermídia do Moodle;
4. definição e adoção de indicadores didático-metodológicos e tecnológicos,
próprios da transposição didática realizada, segundo critérios da vigilância
crítica e epistemológica;
5. explicitação de princípios e estratégias orientadoras da ação docente e do
desenvolvimento das etapas metodológicas do planejamento, ação, registro e
reflexão nos cursos de graduação e pós-graduação nos pólos da UAB/UFSM,
oriundos da teorias-guia da educação dialógico-problematizadora;
6. definição de interfaces integradoras para recursos-atividades hipermídias, no
âmbito das ferramentas tarefa, glossário, wiki, fórum e atividade de pesquisas do
Moodle, tendo em vista o modo de produção escolar colaborativo na perspectiva
da investigação-ação escolar;

4. Referências

Abegg, I. e De Bastos, F. da P. Redes e Conhecimento Científico na Escola. In: Mion,


R. A. e Saito, C. H. (org.) Investigação-Ação Educacional: mudando o trabalho de
formar professores. Ponta Grossa, Fundação Araucária, UFPR, 2001.
Abegg, I. e De Bastos, F. da P. e MÜLLER, F. M. Redes e Ambientes Virtuais de
Ensino-Aprendizagem: o potencial dos objetos escolares hiper e multimídias. In:
Atas do II Congresso Nacional de Ambientes Hipermídia para Aprendizagem,
Florianópolis, SC, 2006.
Alberti, T. F. Teoria da Atividade e Mediação Tecnológica Livre na Escolarização a
Distância. Dissertação de Mestrado, PPGE/UFSM, Santa Maria, RS, 2006
(disponível em http://www.dominiopublico.gov.br).
Feldman A. E Capobianco, B. Action Research in Science Education (disponível em
http://www.ericse.org/digest/dse00-01.html)
Freire, P. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.
Fourez, G. Alfabetización Científica y Tecnológica: acerca de las finalidades de la
enseñanza. Ediciones Colihue, Buenos Aires, Argentina, 1994 (libro de distribución
gratuita prohibida su venta).
Müller, F. M. e outros. Ambiente Multimídia para Educação Mediada por Computador
na perspectiva da Investigação-Ação Educacional. Porto Alegre, FAPERGS/UFSM,
2001.
Rodriguez, Inma A. e Ryan, Gerard. Integración de materiales didácticos hipermedia en
entornos virtuales de aprendizaje: retos y oportunidades. In: Revista Iberoamericana,
nº 25, abril 2001.
Spiro, R.; Jehng, J. . Cognitive Flexibility, random access instruction and hypertext:
Theory and technology for the nonlinear and multi-dimensional traversal of complex
subject matter. In Nix, D. & Spiro, R. (eds) The “Handy Project”. New Directions in
Multimedia Instruction, Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum, 1990.
Stallman, R. M. Free Software, Free Society: selected essays. GNU Press, Boston,
USA, 2002 (disponível em http://www.gnupress.org).