You are on page 1of 5

EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES

HOSPITAL DAS CLINICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS


Primeira Av. S/N,
Setor Leste Universitário,
CEP 74605-020 Goiânia – GO
(62) 3269-8537

Ordem de serviço
Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalhador
Através da presente Ordem de Serviço, objetivamos deixar ciente os
profissionais que executam suas atividades laborais neste setor, sobre as
condições de segurança e saúde, às quais estão expostos, tendo como
parâmetro os Agentes ergonômicos, químicos e biológicos, citados na NR 09 –
PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ( Lei n. 6514 de
22/12/77, Portaria n. 3214 de 08/06/78), bem como os procedimentos de
aplicação na NR 06 EPI - Equipamento de Proteção Individual, de forma a
padronizar comportamentos para prevenir acidentes e/ou doenças ocupacionais
NOME: AIRTON BORDIN JUNIOR
FUNÇÃO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Elaborar diagnósticos de ambientes servidores sob os diversos sistemas


operacionais; Realizar estudos para implementação de serviços de rede;
Elaborar diagnóstico de servidores WEB e de aplicação; Utilizar ferramentas
para administração, análise de performance, inventário e tunning de sistemas
aplicativos nos ambientes de sistemas operacionais; Elaborar estudos e
pesquisas para implementação de serviços de backup e restore; Realizar
demais atividades inerentes ao emprego.

RISCOS E AVALIAÇÃO
 Riscos Ergonômicos: exigência de atenção e concentração.
 Riscos de Acidentes: queda de mesmo nível, tropeção

OBRIGAÇÕES DOS SERVIDORES

1. É OBRIGATÓRIO A TODOS OS SERVIDORES:


1.1. Colaborar com a Unidade no cumprimento das Normas de Segurança e
Saúde Ocupacional, tais como: Ordens de Serviço, Regulamentos, avisos e
outros que tenham por finalidade a proteção e a integridade física dos
servidores, demais colaboradores e usuários;
1.2. Participar dos programas e campanhas de segurança e saúde ocupacional
promovidos pelo SOST, pelas Comissões Internas de Prevenção de Acidentes
(CIPA) e pelo Sistema de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), apoiando e
colaborando para a realização dos eventos;
1.3. Usar durante toda a jornada de trabalho, o crachá ou cartão de identificação
funcional da Unidade, sendo vedado o uso de cordão;
1.4. Usar corretamente os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) fornecidos
pelo Órgão ou Unidade, em conformidade com as instruções fornecidas pelo
SOST Local e/ou Central e ainda, pela CIPA da Unidade e SCIH, devendo
conservá-los em boas condições de higiene;
1.5. Comunicar ao SOST a existência de EPI de qualidade questionável que
possa colocar em risco a segurança do servidor;
1.6. Colaborar para a conservação dos Equipamentos de Proteção Coletiva
(EPC) e zelar pela conservação dos equipamentos de prevenção e combate a
incêndios, mantendo-os sempre desobstruídos;
1.7 Comunicar às chefias, ao SOST Local e/ou Central e ainda à CIPA,
possíveis irregularidades constatadas no processo de trabalho que possam
resultar em acidentes pessoais e/ou danos materiais;
1.8. Colaborar pela conservação de placas de sinalização, avisos, faixas e
cartazes, fixados para informações gerais e especialmente para a manutenção
da segurança e saúde no trabalho;
1.9. Submeter-se aos exames médicos ocupacionais e complementares
previstos nas Normas Regulamentadoras;
1.10. Submeter-se a todas as Campanhas de Vacinação de Saúde, promovidas
pelas Secretarias Estaduais e/ou Municipais de Saúde, independente de ser na
própria Unidade de trabalho, bem como a todos os Protocolos de Atendimento
nos casos de Acidentes do Trabalho e, após orientação, caso haja recusa,
assinar Termo responsabilizando-se por quaisquer consequências;
1.11. Comunicar imediatamente a chefia imediata, bem como ao SOST Local
e/ou Central à CIPA, a ocorrência de qualquer acidente, inclusive com material
biológico, com ou sem afastamento, para que seja emitida, até o primeiro dia útil,
a Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT) ou a Ficha de Registro de
Acidentes para o estatutário, devendo em caso de acidente de trajeto apresentar
Boletim de Ocorrência, testemunhas ou Prontuário de Atendimento que
comprovem o acidente em hora e local compatíveis;
1.12. Em caso de acidente com material biológico, informar imediatamente à
chefia imediata para início do fluxograma de acidente biológico da unidade,
informar ao SOST.
1.13. Eleger, prestigiar e participar, quando eleito ou indicado, da Comissão
Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), bem como seguir as orientações dos
cipeiros no que tange a segurança e saúde ocupacional;
1.14. Os empregados eleitos ou indicados para a CIPA deverão participar do
curso de formação de cipeiros, com duração de 20 horas, em cumprimento ao
disposto na Norma Regulamentadora nº 5 - NR-5 do MTE. Os gestores das
Unidades deverão liberar os membros da CIPA, inclusive o secretário para
participarem da referida capacitação;
1.15. Respeitar e acatar as orientações das chefias e gerências, do SOST e dos
membros da CIPA, relacionadas à segurança e saúde ocupacional;
1.16. Utilizar sempre calçados fechados e antiderrapantes, nas Unidades de
Saúde;
1.17. Comunicar aos responsáveis os problemas ou defeitos eventuais com as
instalações físicas, equipamentos e mobiliários, bem como as condições de risco
presentes no ambiente de trabalho que possam provocar acidentes;

2 – PROIBIÇÕES

É PROIBIDO A TODOS OS SERVIDORES:

2.1. Acessar e permanecer em locais restritos e/ou de risco, exceto com


autorização de sua chefia;
2.2. Ausentar-se da unidade no período de trabalho por quaisquer motivos sem
comunicação à chefia;
2.3. Executar qualquer atividade, sem que seja devidamente habilitado,
qualificado, treinado e autorizado a fazê-lo;
2.4. Executar qualquer atividade de risco sem o uso de Equipamentos de
Proteção Individual – EPI adequados;
2.5. Trabalhar descalço ou fazer uso de sandálias, tamancos, chinelos de dedo,
ou qualquer outro tipo de calçado que não seja compatível com o trabalho
executado e que favoreça a ocorrência de acidentes;
2.6. Realizar manutenção na rede elétrica, exceto quando inerente à função,
bem como, fazer uso de “T” ou benjamins para ligar simultaneamente mais de
um aparelho na mesma tomada elétrica. O empregado deve consultar e solicitar
autorização por escrito à supervisão, caso haja a necessidade de ligar aparelhos
que não foram previstos no projeto elétrico, a fim de se evitar uma possível
sobrecarga;
2.7. Executar reparos, limpeza, ajuste ou inspeção em equipamentos ou em
qualquer dependência do Órgão ou Entidade, quando não habilitadas ou não
devidamente credenciadas e autorizadas;
2.8. Armazenar ou guardar em lugares inadequados e sem as devidas medidas
de segurança e sinalização, produtos ou materiais tóxicos, corrosivos,
inflamáveis ou explosivos;
2.9. Guardar quaisquer objetos, dentro das caixas de hidrantes e/ou quadros
elétricos;
2.10. Obstruir ou usar inadequadamente os equipamentos de combate a
incêndio e portas de saída de emergência.
2.11. Desenvolver atividades não relacionadas com seu trabalho, bem como,
correr, vender produtos, promover qualquer tipo de brincadeira nos postos ou
locais de trabalho, que possam desviar a atenção dos trabalhadores,
favorecendo a ocorrência de acidentes;
2.12. Usar equipamentos sonoros e/ou fones de ouvido, bem como atender
telefone/celular durante a execução de um procedimento;
2.13. O uso de cabelo solto, roupas decotadas, bermuda e adornos, tais como,
aliança, anel, relógio, pulseira, colares, brincos, broches, crachás com cordão e
outros que possam se prender nos pontos de agarramento das máquinas,
quando o servidor fizer uso delas e em ambientes com a presença do risco
biológico, conforme a Lei Federal n° 6.514/77 e Portaria Ministerial n° 3.214/78 –
NR-32 - “Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde”;
2.14. Fumar, manusear lentes de contato, comer, beber, bem como guardar
alimentos nos postos de trabalho nas Unidades de Saúde, exceto em locais
destinados a estes fins;
2.15. Utilizar pias de trabalho para outros tipos de atividades ao qual não são
destinados, como exemplos: escovar os dentes, lavar objetos pessoais entre
outros.

ATO NORMATIVO

Constitui ATO FALTOSO do servidor a inobservância ou a recusa injustificada ao


cumprimento das disposições contidas na Ordem de Serviço, sujeito às sanções
disciplinares cabíveis, tais como advertência, suspensão ou exoneração a bem
do serviço público, de acordo com o regimento interno desta Unidade, a Lei nº
10.460, de 22/02/1988, Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de
Goiás e de suas Autarquias e demais legislação em vigor, em conformidade com
o Decreto Estadual n° 5.757/2003 que instituiu o Programa “Saúde no Serviço
Público” e NR-1 do MTE.

Declaro que recebi desta empresa, através do SOST, o treinamento de


segurança sobre os riscos inerentes a minha área de trabalho e atividades, de
acordo com as Normas de Segurança internas e legislação vigente.

DATA:

ASSINATURA:
Atenciosamente,

__________________________________
Eng. Rodrigo Trostdorf
Engenheiro de Segurança do Trabalho
CREA-SP: 5062379390 - Matrícula SIAPE: 2288608
Sandra Coelho da Silva
Téc. de Segurança do Trabalho
Reg. MT 17/00456-1 Matrícula SIAPE: 2288636
EBSERH – FILIAL HC-UFG