You are on page 1of 66
Avaliação Funcional de Pavimentos TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira

Avaliação Funcional de Pavimentos

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira
TRP-1001 Infra-Estrutura de
Transportes
Prof. Deividi Pereira
Avaliação Funcional de Pavimentos TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira
Avaliação Funcional de Pavimentos TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira
Avaliação Funcional - Objetivos l Inventariar o pavimento l Defeitos l Causas (mecanismos de Ruptura) l
Avaliação Funcional - Objetivos
l
Inventariar o pavimento
l
Defeitos
l
Causas (mecanismos de Ruptura)
l
Processos Corretivos
l
Inferir sobre a adequação do pavimento
l
Conforto
l
Segurança
l
Estabelecer locais/serviços prioritários (plano
plurianual de investimentos sob restrição
orçamentária)
l
Auxiliar no Dimensionamento Estrutural de Reforços
de Pavimentos e medidas corretivas anteriores aos
trabalhos de restauração estrutural
l
Fundamental na Gerência de Pavimentos
Avaliação Funcional - Objetivos l Inventariar o pavimento l Defeitos l Causas (mecanismos de Ruptura) l

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

2

Evolução dos Parâmetros Funcionais l Ex.: Serventia Fonte: Fonte: Balbo, Balbo, 2007 2007 TRP-1001 Infra-Estrutura de
Evolução dos Parâmetros
Funcionais
l
Ex.: Serventia
Fonte:
Fonte: Balbo,
Balbo, 2007
2007
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
3
Levantamentos – Parâmetros Funcionais l Avaliação das Condições de Superfície do Pavimento l Índice Geral de
Levantamentos – Parâmetros
Funcionais
l Avaliação das Condições de Superfície
do Pavimento
l Índice Geral de Grupo (IGG) – Avaliação
Objetiva
l Levantamento Visual Contínuo (LVC) –
Avaliação Objetiva Expedita
l Valor de Serventia Atual (VSA) – Avaliação
Subjetiva – análogo à Serventia
Levantamentos – Parâmetros Funcionais l Avaliação das Condições de Superfície do Pavimento l Índice Geral de

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

4

Levantamentos – Parâmetros Funcionais l Avaliação da Irregularidade Longitudinal do Pavimento – Conforto l Quociente de
Levantamentos – Parâmetros
Funcionais
l
Avaliação da Irregularidade Longitudinal do
Pavimento – Conforto
l
Quociente de Irregularidade (QI) – correlação com
o IRI (International Roughness Index ou Índice
Internacional de Irregularidade)
l
Avaliação da Aderência Pneu-Pavimento
(Atrito)
l
Mancha de Areia
l
Pêndulo Britânico
l
Medição Direta
Skid-Meter
l
Mu-Meter
l
Levantamentos – Parâmetros Funcionais l Avaliação da Irregularidade Longitudinal do Pavimento – Conforto l Quociente de

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

5

Índice Geral de Grupo (IGG) l DNIT 006/2003 – PRO (Avaliação Objetiva da Superfície de Pavimentos
Índice Geral de Grupo (IGG)
l
DNIT 006/2003 – PRO (Avaliação Objetiva da
Superfície de Pavimentos Flexíveis e Semi-
Rígidos – Procedimentos)
l
Validade: Pavimentos com Revestimentos
Asfálticos
l
Objetivo
l Determinar o nível de deterioração do pavimento
através da identificação e mensuração dos defeitos
superficiais do pavimento e dos afundamentos nas
trilhas de roda
Índice Geral de Grupo (IGG) l DNIT 006/2003 – PRO (Avaliação Objetiva da Superfície de Pavimentos

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

6

Índice Geral de Grupo (IGG) Fonte: Fonte: Notas Notas dede Aula Aula Prof. Prof. Pugliero Pugliero
Índice Geral de Grupo (IGG)
Fonte:
Fonte: Notas
Notas dede Aula
Aula Prof.
Prof. Pugliero
Pugliero (UPF)
(UPF)
l
Identificação de
todos os defeitos
dentro da área
l
15% do
pavimento é
inventariado
(pista simples)
l
Mede-se os ATR
(Treliça com base
de 1,2m)
l
Segmentos
Homogêneos
l iguais
características
l
Adequado à
Fase Projeto
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
7
Índice Geral de Grupo (IGG) TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira 8 Fonte: Fonte: DNIT
Índice Geral de Grupo (IGG)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
8
Fonte:
Fonte: DNIT
DNIT 006/2003
006/2003
Índice Geral de Grupo (IGG) Fonte: Fonte: DNIT DNIT 006/2003 006/2003 TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof.
Índice Geral de Grupo (IGG)
Fonte:
Fonte: DNIT
DNIT 006/2003
006/2003
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
9
Índice Geral de Grupo (IGG) TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira 10 Fonte: Fonte: DNIT
Índice Geral de Grupo (IGG)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
10
Fonte:
Fonte: DNIT
DNIT 006/2003
006/2003
Índice Geral de Grupo (IGG) TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira 11 Fonte: Fonte: DNIT
Índice Geral de Grupo (IGG)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
11
Fonte:
Fonte: DNIT
DNIT 006/2003
006/2003
Índice Geral de Grupo (IGG) TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi Pereira 12 Fonte: Fonte: DNIT
Índice Geral de Grupo (IGG)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
12
Fonte:
Fonte: DNIT
DNIT 006/2003
006/2003
Levantamento Visual Contínuo (LVC) l Levantamento Contínuo (veíc. ± 40 Km/h) l Documenta-se os defeitos na
Levantamento Visual Contínuo (LVC)
l
Levantamento Contínuo (veíc. ± 40 Km/h)
l
Documenta-se os defeitos na fx de rolamento
e acostamento (caso necessário)
l
Segmentos subdivididos de Km em Km
l
Adequado para Ante-projetos e Gerência de
Pavimentos
l
Freqüências/extensão de ocorrência dos
defeitos:
l
Alta: >80%
l
Média: entre 50 e 80%
l
Baixa: <30%
Levantamento Visual Contínuo (LVC) l Levantamento Contínuo (veíc. ± 40 Km/h) l Documenta-se os defeitos na

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

13

Levantamento Visual Contínuo (LVC) l Severidade l 1: Leve l 2: Média l 3: Elevada l
Levantamento Visual Contínuo (LVC)
l
Severidade
l
1: Leve
l
2: Média
l
3: Elevada
l
Atribui-se uma nota para o Valor de Serventia Atual do
pavimento (0-5)
l
Faz-se registro fotográfico
l
Preenche-se Planilhas semelhantes àquelas do IGG
l
Registra-se fotograficamente o segmento mais
próximo da característica média do trecho (1Km)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
14
Valor de Serventia Atual (VSA) l DNIT 009/2003 – PRO (Avaliação Subjetiva da Superfície de Pavimentos
Valor de Serventia Atual (VSA)
l
DNIT 009/2003 – PRO (Avaliação Subjetiva da
Superfície de Pavimentos Flexíveis e Semi-Rígidos –
Procedimentos)
l
Validade: Pavimentos com Revestimentos Asfálticos
(também empregado para Pavimentos de CCP)
l
Objetivo
l
Avaliar um trecho rodoviário segundo sua capacidade de
oferecer, nana opinião
opinião subjetiva
subjetiva dede usu
usuáários
rios, rolamento
suave e confortável
l
Avaliadores:
l
5 membros
l
2 veículos de passeio: médio-padrão (idênticos)
l
Motorista do veículo não avalia o pavimento
l
Necessidade de seleção e qualificação estatística dos
mesmos
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
15
Valor de Serventia Atual (VSA) l Velocidade: ˜ vel. máx. operacional l Premissas para avaliação l
Valor de Serventia Atual (VSA)
l Velocidade: ˜ vel. máx. operacional
l Premissas para avaliação
l
Hipótese: necessidade de viajar durante 8h em uma rodovia
com aquelas características
l
Sem trocas de percepções entre os avaliadores
l
Não executar avaliações em condições climáticas
desfavoráveis (chuva, neblina,
...
)
l
Desprezar:
l
Indicativos visuais de defeitos do pavimento
l
Eventuais falhas geométricas no traçado da via
l
Futuras evoluções dos mecanismos de degradação do
pavimento
l
Resistência à derrapagem
l
Recalques de aterros, cruzamentos ferroviários, acessos à
pontes e viadutos, recalques de bueiros
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
16
Fonte: Fonte: DNIT DNIT 009/2003 009/2003 Valor de Serventia Atual (VSA) l Formulário de Avaliação l
Fonte:
Fonte: DNIT
DNIT 009/2003
009/2003
Valor de Serventia Atual (VSA)
l Formulário de
Avaliação
l VSA do trecho
é igual à
média dos 5
avaliadores
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
17
Valor de Serventia Atual (VSA) l Peculiaridades Relativas aos Avaliadores l Técnicos são mais severos que
Valor de Serventia Atual (VSA)
l Peculiaridades Relativas aos
Avaliadores
l
Técnicos são mais severos que Leigos ao
avaliarem os pavimentos
l
Mulheres são mais rigorosas que Homens
l
Estrangeiros (1° Mundo) mais intolerantes
que Brasileiros (Pesquisa do GEIPOT-MT)
l
Nos EUA, avaliação idêntica entre veículos
CORSA e VECTRA
Valor de Serventia Atual (VSA) l Peculiaridades Relativas aos Avaliadores l Técnicos são mais severos que

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

18

Características Médias dos Segmentos l Condição Boa (Poucos Defeitos ; VSA Alto) Fonte: Fonte: Notas Notas
Características Médias dos
Segmentos
l Condição Boa (Poucos Defeitos ; VSA Alto)
Fonte:
Fonte: Notas
Notas dede Aula
Aula Prof.
Prof. Pugliero
Pugliero (UPF)
(UPF)
Fonte:
Fonte: Notas
Notas dede Aula
Aula Prof.
Prof. Pugliero
Pugliero (UPF)
(UPF)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
19
Características Médias dos Segmentos l Condição Regular (Alguns Defeitos ; VSA Médio) Fonte: Fonte: Notas Notas
Características Médias dos
Segmentos
l Condição Regular (Alguns Defeitos ; VSA Médio)
Fonte:
Fonte: Notas
Notas dede Aula
Aula Prof.
Prof. Pugliero
Pugliero (UPF)
(UPF)
Fonte:
Fonte: Notas
Notas dede Aula
Aula Prof.
Prof. Pugliero
Pugliero (UPF)
(UPF)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
20
Características Médias dos Segmentos l Condição Ruim (Muitos Defeitos ; VSA Baixo) Fonte: Fonte: Notas Notas
Características Médias dos
Segmentos
l Condição Ruim (Muitos Defeitos ; VSA Baixo)
Fonte:
Fonte: Notas
Notas dede Aula
Aula Prof.
Prof. Pugliero
Pugliero (UPF)
(UPF)
Fonte:
Fonte: Notas
Notas dede Aula
Aula Prof.
Prof. Pugliero
Pugliero (UPF)
(UPF)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
21
Inventário Automatizado dos Defeitos de Superfície do Pavimento l Registro contínuo dos defeitos do pavimento l
Inventário Automatizado dos
Defeitos de Superfície do Pavimento
l
Registro contínuo dos defeitos do pavimento
l
Filmagem do pavimento
Fonte
Fonte:: Ciberm
Ciberméétrica
trica
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
22
Inventário Automatizado dos Defeitos de Superfície do Pavimento l Baixo Custo l Alta Velocidade Fonte Fonte::
Inventário Automatizado dos
Defeitos de Superfície do Pavimento
l Baixo Custo
l Alta Velocidade
Fonte
Fonte:: Ciberm
Ciberméétrica
trica
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
23
Inventário Automatizado dos Defeitos de Superfície do Pavimento Fonte Fonte:: Ciberm Ciberméétrica trica TRP-1001 Infra-Estrutura de
Inventário Automatizado dos
Defeitos de Superfície do Pavimento
Fonte
Fonte:: Ciberm
Ciberméétrica
trica
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
24
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Conceito l De acordo com DNER PRO 164/94: “é
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l
Conceito
l
De acordo com DNER PRO 164/94: “é o desvio da superfície
da rodovia, em relação a um plano de referência, que afeta a
dinâmica dos veículos, a qualidade do rolamento e as cargas
dinâmicas sobre a via.”
l
Prof. F. Domingues: “é o conjunto dos desvios de sua
superfície, ao longo das trilhas de roda, em relação à
superfície ideal projetada, com características tais que afeta o
movimento dos veículos, a qualidade do rolamento, as cargas
dinâmicas que atuam sobre a via e a drenagem da
superfície.”
l
Irregularidades de Interesse
ll Comprim.
Comprim. Onda:
Onda: 0,5
0,5 ee 50m
50m
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
25
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Finalidade l Alimentar bancos de dados que ajudam gestores
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l Finalidade
l
Alimentar bancos de dados que ajudam gestores a
decidir sobre a intervenção nos pavimentos - Onde,
Quanto e Como. (tanto no âmbito público, quanto
no privado).
l
Fiscalizar cumprimento de contratos de execução
ou de concessão, por exemplo (fatores de
pagamento)
l
Ajudar na determinação do tipo de intervenção de
manutenção
l
Afetam
Custos Operacionais (Manutenção e consumo de
l
Combustíveis)
Emissão de Gases Poluentes
l
Sensação de Conforto do Motorista
l
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Finalidade l Alimentar bancos de dados que ajudam gestores

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

26

Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Processos de Obtenção l Medidores de irregularidade do tipo-resposta
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l Processos de Obtenção
l Medidores de irregularidade do tipo-resposta
ll AA partir
partir dada ddéécada
cada dede 1920
1920
ll Medem
Medem osos movimentos
movimentos dada suspensão
suspensão dodo veveíículo
culo
ll Resultados
Resultados dependem
dependem dada velocidade
velocidade dodo veveíículo
culo
ll Não
Não permite
permite aa localiza
localizaççãoão das
das causas
causas dede irregularidade
irregularidade
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
27
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Processos de Obtenção l Medidores de perfil: l Nível-e-mira
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l Processos de Obtenção
l Medidores de perfil:
l Nível-e-mira / Dipstick (estáticos)
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Processos de Obtenção l Medidores de perfil: l Nível-e-mira

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

28

Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Processos de Obtenção l Medidores de perfil: l Medição
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l Processos de Obtenção
l Medidores de perfil:
l Medição com perfilômetros inerciais
Desenvolvido pela GM na década de 1960
l
Emprego de Aceleração e um medidor de distância
l
sem contato
Fonte:
Fonte: Ciberm
Ciberméétrica
trica
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
29
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Processos de Obtenção l Medidores de perfil: l Medição
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l Processos de Obtenção
l Medidores de perfil:
l Medição com perfilômetros inerciais
l Benefícios
Podem ser usados na velocidade da via
l
Maior rapidez nos levantamentos
l
Menor interferência com o tráfego
l
AA partir
partir destes
destes perfis
perfis éé poss
possíível
vel oo ccáálculo
lculo dede
ll
ÍÍndices
ndices dede Irregularidade
Irregularidade
Com
Com 33 ouou mais
mais sensores,
sensores, pode
pode--sese aferir
aferir osos ATR
ATR
ll
ll Permite
Permite aa exata
exata identifica
identificaççãoão dos
dos pontos
pontos dede
maior
maior irregularidade
irregularidade
Evitar velocidades muito baixas
l
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
30
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Processos de Obtenção l Medidores de perfil: l Perfilômetro
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l Processos de Obtenção
l Medidores de perfil:
l Perfilômetro Cibermétrica
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Processos de Obtenção l Medidores de perfil: l Perfilômetro

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

31

Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Índices l Quociente de Irregularidade QI [cont/Km] l International
Irregularidade Longitudinal do
Pavimento - Conforto
l Índices
l Quociente de Irregularidade QI [cont/Km]
l International Roughness Index ou Índice
Internacional de Irregularidade) IRI [m/Km]
QI = 13 x IRI
Conceito
QI (cont/Km)
IRI (m/Km)
Ótimo
13 – 25
1 – 1,9
Bom
25
– 35
1,9 – 2,7
Regular
35
– 45
2,7 – 3,5
Ruim
45
– 60
3,5 – 4,6
Péssimo
> 60
> 4,6
Irregularidade Longitudinal do Pavimento - Conforto l Índices l Quociente de Irregularidade QI [cont/Km] l International

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

32

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Acidentes – Diversas Causas Fonte: Fonte: Aps Aps (2006) (2006) TRP-1001
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Acidentes – Diversas Causas
Fonte:
Fonte: Aps
Aps (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
33
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Atrito Pneu-Pavimento Û Aderência l Aderência Û Resistência à Derrapagem l
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l
Atrito Pneu-Pavimento Û Aderência
l
Aderência Û Resistência à Derrapagem
l
Estes fatores (pista molhada)
l
Reduzem as distâncias de frenagem
l
Garantem a dirigibilidade
l
Interferem na aderência
l
Agregado
l
Textura da superfície de rolamento
l
Presença de água, neve ou gelo na pista
l
Geometria da via
l
Tipo de pneu
l
Velocidade do veículo
l
Tipo de revestimento e método construtivo
l
Temperatura do pavimento
l
Sistema de freios e de suspensão dos veículos
l
Carga de roda
l
Presença de óleo, borracha,
...
sobre a pista
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
34
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Hidroplanagem ou Aquaplanagem l Zona 1: pneu empurra água formando uma
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l
Hidroplanagem ou Aquaplanagem
l
Zona 1: pneu empurra água formando uma onda (ausência de contato pneu-
pavimento)
l
Zona 2: contato parcial entre pneu-pavimento
l
Zona 3: teoricamente, sem a presença de água (contato total entre pneu-
pavimento)
l
% Áreas é função
Velocidade do veículo
l
Pressão de inflação do pneu
l
Textura da superfície do pavimento
l
Fonte:
Fonte: Aps
Aps (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
35
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Arrasto Hidrodinâmico l Causa da Hidroplanagem Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Arrasto Hidrodinâmico
l Causa da Hidroplanagem
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
36
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Textura da Superfície de Rolamento l Variável muito importante l Texturas
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Textura da Superfície de Rolamento
l
Variável muito importante
l
Texturas de interesse em pavimentação
Microtextura
l
Função da aspereza do agregado (rugosa ou lisa)
l
Macrotextura
l
Função da graduação da mistura asfáltica (aberta ou
l
fechada)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
37
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Textura da Superfície de Rolamento l Texturas de interesse em pavimentação
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Textura da Superfície de Rolamento
l Texturas de interesse em pavimentação
Fonte:
Fonte: Aps
Aps (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
38
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Textura da Superfície de Rolamento l Texturas de interesse em pavimentação
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Textura da Superfície de Rolamento
l Texturas de interesse em pavimentação
Fonte:
Fonte: Aps
Aps (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
39
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura) Preenchimento
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l
Procedimentos de Mensuração da Aderência
l
Mancha de Areia (Macrotextura)
Preenchimento dos vazios da macrotextura com 25.000mm³ ± 150mm³
l
de areia (0,15 mm < d < 0,3mm)
Apud
Apud:: Aps
Aps (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
40
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura) Fonte:
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da Aderência
l Mancha de Areia (Macrotextura)
Fonte:
Fonte: Aps
Aps (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
41
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l
Procedimentos de Mensuração da Aderência
l
Mancha de Areia (Macrotextura)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura) TRP-1001

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

42

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l
Procedimentos de Mensuração da Aderência
l
Mancha de Areia (Macrotextura)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura) TRP-1001

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

43

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l
Procedimentos de Mensuração da Aderência
l
Mancha de Areia (Macrotextura)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mancha de Areia (Macrotextura) TRP-1001

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

44

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático) l
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da Aderência
l Pêndulo Britânico (Atrito Estático)
l Princípio
l Perda de energia cinética pelo atrito de uma base de
borracha com a superfície molhada do pavimento
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático) l

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

45

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da Aderência
l Pêndulo Britânico (Atrito Estático)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático) TRP-1001

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

46

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da Aderência
l Pêndulo Britânico (Atrito Estático)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático) TRP-1001

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

47

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da Aderência
l Pêndulo Britânico (Atrito Estático)
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Pêndulo Britânico (Atrito Estático) TRP-1001

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

48

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mu-Meter (Atrito Dinâmico) l Muito
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da Aderência
l
Mu-Meter (Atrito Dinâmico)
l
Muito empregado em Aeroportos (Aeronáutica/INFRAERO)
l
Equipamento rebocado
l
3 rodas (1 – mede distância e 2 medem o coef. de atrito)
l
Medidas em pavimento seco e molhado (sistema próprio de
irrigação – 1mm de lâmina d’água)
l
V = 65 Km/h
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mu-Meter (Atrito Dinâmico) l Muito

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

49

Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mu-Meter (Atrito Dinâmico) Fonte: Fonte:
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da
Aderência
l Mu-Meter (Atrito Dinâmico)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
50
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mu-Meter (Atrito Dinâmico) Fonte: Fonte:
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da
Aderência
l Mu-Meter (Atrito Dinâmico) Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
51
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança l Procedimentos de Mensuração da Aderência l Mu-Meter (Atrito Dinâmico) Fonte: Fonte:
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
l Procedimentos de Mensuração da
Aderência
l Mu-Meter (Atrito Dinâmico) Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
52
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006) (2006) TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi
Atrito Pneu-Pavimento - Segurança
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
53
Atrito Pneu-Pavimento: Índices l DNIT 031/2006 – ES: Pavimentos flexíveis - Concreto asfáltico - Especificação de
Atrito Pneu-Pavimento: Índices
l DNIT 031/2006 – ES: Pavimentos flexíveis -
Concreto asfáltico - Especificação de serviço
l
Mancha de Areia
Altura de Areia (HS): 0,6 a 1,2 mm
l
l
Pêndulo Britânico
VDR = 45
l
l Comando da Aeronáutica (IAC-4302:
Requisitos de resistência à Derrapagem para
Pistas de Pouso e Decolagem, 2001)
l
Mu-Meter
Coef. Atrito = 0,5 em segmentos de 100m
l
Atrito Pneu-Pavimento: Índices l DNIT 031/2006 – ES: Pavimentos flexíveis - Concreto asfáltico - Especificação de

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

54

Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Movimentação de Congonhas l Em 2006 l 18,5 mi de
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l
Movimentação de
Congonhas
l
Em 2006
l 18,5 mi de
passageiros
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
55
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Pistas de Congonhas Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006) (2006) TRP-1001
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Pistas de Congonhas
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
56
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Estatística de Acidentes Aéreos TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes Prof. Deividi
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Estatística de Acidentes Aéreos
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
57
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Eventuais problemas na Pista são apenas uma das causas que
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l
Eventuais problemas na Pista são apenas uma das causas
que corroboram para o acidente
l
Área de Toque:
l
Desgasta Pavimento
l
Reduz atrito pneu-pavimento
l
Emborracha superfície (reduzindo capacidade drenante
do “grooving”)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
58
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Comando da Aeronáutica (IAC-4302: Requisitos de resistência à Derrapagem para
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Comando da Aeronáutica (IAC-4302: Requisitos de
resistência à Derrapagem para Pistas de Pouso e
Decolagem, 2001)
l Mu-Meter
l Periodicidade da Medida para Garantir Aderência
Apud:
Apud: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
59
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Grooving l Função principal – melhorar drenagem superficial l Secundária
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Grooving
l
Função principal – melhorar drenagem superficial
l
Secundária – aumentar atrito
l
7,35% Pistas Nacionais possuem Grooving (5/68)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
60
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Grooving Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006) (2006) TRP-1001 Infra-Estrutura de
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Grooving
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
61
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Grooving (Problema – emborrachamento) Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006) (2006)
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Grooving (Problema – emborrachamento)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
62
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Grooving (Limpeza) Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006) (2006) TRP-1001 Infra-Estrutura
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Grooving (Limpeza)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
63
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Grooving (Limpeza) Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006) (2006) TRP-1001 Infra-Estrutura
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Grooving (Limpeza)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
64
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Grooving (Antes/Após Limpeza) Fonte: Fonte: Sansone Sansone (2006) (2006) TRP-1001
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l Grooving (Antes/Após Limpeza)
Fonte:
Fonte: Sansone
Sansone (2006)
(2006)
TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes
Prof. Deividi Pereira
65
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Segundo INFRAERO l Pista não possuía “grooving” l No entanto,
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054
l
Segundo INFRAERO
l
Pista não possuía “grooving”
l
No entanto, apresentava valores mínimos de atrito
l
Pouco antes do acidente, medições realizadas não
indicavam lâmina d’água na pista
l
Geralmente, existe um lapso de tempo entre a
pavimentação e a execução das ranhuras
l
Imprensa
l
Divulgou problemas no Reverso
l
Precipitado apontar causas
Aeroportos – Tragédia de TAM-3054 l Segundo INFRAERO l Pista não possuía “grooving” l No entanto,

TRP-1001 Infra-Estrutura de Transportes

Prof. Deividi Pereira

66