O outro lado doce da vida | Hoje Macau

Ligue-se a nós

/ Domingo, 19 de Setembro de 2010

Pesquisar no site...

Edição Especial O Hoje Macau fez 9 anos no dia 5 de Setembro. Muito obrigado!

Home
O Jornal

Política
Publicidade

Sociedade
Edição em Papel

Cultura
A sua palavra

Desporto

Opinião

Ideias

Pessoas

China

Editorial

Causas

Especiais

O outro lado doce da vida
Por Vanessa Amaro

Facebook Login
User:

José Moura Pinto | Pasteleiro
De pequeno, ajudava a mãe a fazer os bolos para os quatro irmãos. Quando cresceu e quis deixar a sua Loriga natal, na zona da Serra da Estrela, em Portugal, rumo a Lisboa pensou que poderia fazer do seu passatempo de infância pela pastelaria profissão. E assim foi. José Moura Pinto, de 40 anos, chegou a Macau há ano e meio sem nunca ter imaginado antes pôr cá os pés, e pensou logo em ir-se embora por não falar uma palavra de inglês e não conseguir emprego a fazer os seus pães e pastéis. A sua aventura em Macau – e a sua primeira saída para o estrangeiro – começou três meses antes da partida. A mulher, professora de Geografia, estava a ler os jornais no café, quando passou os olhos por um anúncio a pedir docentes portugueses para leccionarem cá. Comentou com José o que tinha visto e a primeira reacção foi: “Por que não? Manda já o currículo”, lembra o pasteleiro. A candidatura foi feita, a resposta positiva surgiu um mês depois, mas plantaram-se dúvidas: “O que vamos fazer para Macau?”, questionava a mulher, a ponderar se valeria a pena uma mudança tão brusca com uma criança de sete meses ao colo. José Moura Pinto insistia que sim e imaginava que chegaria e encontraria um emprego na primeira semana. Nada disso aconteceu. Não sabia que era preciso “um tal de BIR” para existir cá e teve de casar à pressa para conseguir uma autorização de residência por conta da mulher. As burocracias prolongaram-se por cinco meses, tempo suficiente para José repensar na mudança e preparar as malas para partir. “Estava num sítio completamente estranho, não conhecia ninguém, não falava inglês, não arranjava emprego. Ficava o dia trancado em casa a cuidar da minha filha e já não aguentava estar sem fazer nada. Disse à minha mulher que ia embora.” No entanto, as suas tentativas para arranjar trabalho começaram a render frutos, por receber telefonemas dos restaurantes dos hotéis Wynn e Grand Lisboa. “O problema é que nem sequer conseguia entender o que me falavam ao telefone. O meu inglês era uma desgraça e eles desligaram e nunca mais voltaram a ligar.” Um amigo da mulher tinha ouvido dizer que o hotel Hyatt estava a recrutar pasteleiros e José Moura Pinto candidatou-se, já como último recurso.
http://hojemacau.com.mo/?p=2294 (1 of 5) [10/09/19 18:58:54]
● ●

Login

Pass:

Forgot? Login with Facebook

Imagens

Ensaio de proximidade

Em busca de um tempo perdido

O outro lado doce da vida | Hoje Macau

Estava decidido, ou arranjava empregou ou voltava a Lisboa. O chef francês que o entrevistou por sorte tinha passado uma temporada no México e falava espanhol. “Ele perguntava em espanhol e eu respondia em português. Em inglês não me safava.” Conseguiu a oportunidade e lá voltou a fazer os seus bolos. “Senti-me, na verdade, um principiante. Tive de reaprender tudo, a não usar açúcar, a limitar o sal, a usar novos ingredientes… E, ainda por cima, todos os colegas são chineses e a nossa comunicação era basicamente por mímica. Foram tempos difíceis.” A adaptação desde então seguiu à velocidade de cruzeiro, o seu paladar acabou por moldar-se a menos gulodices – “até já emagreci uns quilinhos por não comer bolos tão açucarados”, diz a rir-se – e redescobriu a sua profissão. “Em Portugal, trabalhava num hipermercado e a minha especialidade era a decoração dos bolos. Aqui, faço de tudo, especialmente pastelaria francesa, e trabalho com massas que nunca tinha visto. Estava habituado a usar massa pronta, os recheios de ovos, por exemplo, vinham em latas. Agora tenho de fazer tudo à mão. É uma grande trabalheira, mas confesso que o resultado é bem melhor.” O inglês deu alguns avanços – “já consigo entender o que as pessoas dizem, embora responder… está quieto” -, os colegas chineses viraram amigos e os planos de ficar em Macau estão cada vez mais certos. “Portugal está muito mal e eu adoro a vida cá. Voltar para quê? Sinto saudades da família, é verdade, mas estou a convencê-la a mudar para cá. Tenho feito grande publicidade de Macau. Eu daqui já não saio.”
● ●

O suave declive do terreno

General Idi Amin Dada

Artigos relacionados
● ● ● ●

Quase a sentir-se macaense Cavalo de corrida Quando a bicicleta era o único problema Tanto no céu como na terra

De partida da realidade

2 Gostei de ler!

Comprar ou não comprar? Eis a questão

Escrito por Vanessa Amaro em 10 Set 2010. Arquivado sob Pessoas. Pode seguir todas as respostas sobre esta entrada através de RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Estatística

Deixe uma resposta

Total Stats 464 Posts 578 Tags 40 Comments 23 Comment Posters 7 Links

r

r

Nome (obrigatório)

r

r

Email (não será publicado) (obrigatório)
r

Website

http://hojemacau.com.mo/?p=2294 (2 of 5) [10/09/19 18:58:54]