You are on page 1of 12

REFLETINDO A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL EDUCADOR DA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ENVIY, Perla Cristiane1 - SME/PG

SILVEIRA, Rosangela de Fátima Martins2 - SME/PG

Grupo de Trabalho - Formação de Professores e Profissionalização Docente


Agência Financiadora: não contou com financiamento

Resumo

Ao se refletir a formação do educador no Brasil, especificamente no município de Ponta


Grossa (PR) não pode-se deixar de considerar o educador de jovens e adultos, levando-se em
conta que ainda há a necessidade de serem definidas as especificidades que delineiam o perfil
do educador de jovens, adultos e idosos e desta forma, subsidiar as diretrizes para a formação
desse educador. Segundo a perspectiva de Arroyo (2005) a formação do educador da
Educação de Jovens e Adultos encontra-se em processo de construção, uma vez que seu perfil
ainda não está definido. Tal afirmação aponta que ainda é deixada à margem a posição da
Educação de Jovens e Adultos (EJA), no bojo das políticas públicas, sendo necessário garantir
ao professor na sua formação inicial, saberes essenciais da EJA. Diante disto, este texto tem
como objetivo principal, refletir a situação da formação inicial de professores da/para a
Modalidade Educação de Jovens e Adultos, bem como a prática daqueles que já vem atuando
frente a esta modalidade de ensino visando elencar propostas que auxiliem a identificação das
peculiaridades desses docentes. Trata-se da necessidade de intensificar os processos de
formação destes educadores numa perspectiva de aprendizagem contínua, a qual parte da
reflexão diante dos desafio políticos e pedagógicos. Tal estudo parte das experiências
vivenciadas enquanto professora da Rede Municipal de Ponta Grossa, atuando como
Coordenadora da Educação de Jovens e Adultos e também das análises acumuladas a partir do
acompanhamento do Estágio Supervisionado na modalidade da Educação de Jovens e Adultos
do Curso de Pedagogia de uma Instituição Superior deste município.

Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos. Formação inicial e continuada. Prática


docente.

1
Professora Especialista em Gestão do Trabalho Escolar pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Professora
da Rede Municipal de Ponta Grossa. Coordenadora da Educação de Jovens e Adultos no município de Ponta
Grossa. Professora do Curso de Pedagogia da Faculdade Secal. E-mail: perlaenviy@yahoo.com.br
2
Professora Especialista em Psicopedagogia pela Ibepex. Professora da Rede Municipal de Ponta Grossa.
Coordenadora da Gestão de Pessoas na Secretaria Municipal de Ponta Grossa. Professora do Curso de Pedagogia
da Faculdade Secal. E-mail: rosangela@secal.edu.br
12019

Introdução

O grande problema do educador não é discutir se a educação pode ou não pode, mas
é discutir onde pode como pode, com quem pode, quando pode; é reconhecer os
limites que sua prática impõe. É perceber que o seu trabalho não é individual, é
social e se dá na prática de que ele faz parte. (Paulo Freire).

O presente estudo resulta das inquietações que foram surgindo em relação à prática
docente na Educação de Jovens e Adultos (EJA), modalidade que se caracteriza pela inclusão
significativa de jovens e adultos que buscam, através do retorno aos estudos, construir uma
vida melhor e realizar seus sonhos.
Como Coordenadora da Educação de Jovens e Adultos da rede Municipal de Ensino
de Ponta Grossa e professora de Estagio Supervisionado na EJA, buscando contribuir para
uma formação continuada que fortaleça o desenvolvimento profissional e a melhoria das
práticas docentes na EJA, se faz necessário refletir como tem se dado trabalho desta
modalidade de ensino, bem como os seus reflexos na realização do trabalho docente.
Ao acompanhar a modalidade Educação de Jovens e Adultos, encontra-se
constantemente diferentes desafios na efetivação deste trabalho resultando em grandes índices
de evasão e ausência dos alunos em sala de aulas, na falta de motivação dos professores e um
baixo aproveitamento dos alunos presentes na EJA entre outros. Tais desafios apontam
possibilidades de um repensar das práticas escolares na perspectiva de se proporcionar uma
atuação crítica no contexto em que os alunos estão inseridos e também na formação contínua
do docente.
Atualmente as reformas educacionais vêm reforçando a necessidade de um novo olhar
sobre a escola que atenda as novas exigências, já que esta é um lugar onde diversas pessoas
transitam com as mais variadas formas de pensar e agir. Porém, não há como ignorar essas
variações de modo que se busque promover aprendizagem significativa diante das diferenças
culturais e sociais ali presentes.
Promover a igualdade de oportunidades na educação é “uma das condições mais
importantes para superar a injustiça social e reduzir as disparidades sociais em qualquer país
[...] e também é uma condição para fortalecer o crescimento econômico” (UNESCO, 2008, p.
24).
Contudo, os problemas de exclusão social nos sistemas educacionais faz parte da
história do Brasil, uma vez que, apesar de ocorrerem inúmeros avanços foi somente a partir da
década de 1980, principalmente com a promulgação da Constituição Federal de 1988 que se
12020

estendeu aos jovens e adultos o direito à educação fundamental, no âmbito da Educação de


Jovens e Adultos (EJA).

A formação docente e as especificidades da EJA

A partir das discussões que implementaram a LDB 9394/96, a Educação de Jovens e


Adultos – EJA, no artigo 37 desta Lei, é entendida como uma modalidade da educação básica,
destinada aos jovens e adultos que não tiveram acesso ou não concluíram seus estudos no
ensino fundamental e no ensino médio em idade regular.
Soares (2002, p. 66) nos explica que “o termo modalidade é diminutivo latino de
modus e expressa uma medida dentro de uma forma própria de ser. Ela tem assim, um perfil
próprio, uma feição especial diante de um processo considerado como medida de referencia”.
Dessa maneira, a EJA possui características próprias, que atende um público marcado
por muitas desigualdades de oportunidades ou que foram de certa forma excluídos do direito
de concluir seus estudos em idade regular, cabendo aos sistemas de ensino assegurar a oferta
adequada, específica a este contingente.
Com o intuito de melhor atender a esta demanda, a reorganização da EJA no
Município de Ponta Grossa, visando à desejada democratização, e considerando a diversidade
da população demandante, a oferta desta modalidade de ensino prevê a flexibilidade no
currículo, nos espaços e nos tempos escolares, permitindo percursos variados, adequados às
realidades dos participantes, que se caracterizam, sobretudo, pela condição de trabalhadores
com as mais diferentes histórias de vida, que comportam pluralidade de objetivos, saberes,
experiências e responsabilidades.
Nesse sentido, os princípios que norteiam a proposta de reorganização na modalidade
da Educação de Jovens e Adultos são:
a) o direito à educação para todos os jovens e adultos – LDB, art. 37/1996;
b) a aprendizagem de forma contínua – a qual não se inicia nem se conclui na escola;
c) o princípio de que todo ser humano é capaz de aprender, independente da situação
que se encontre;
d) respeito ao tempo, ritmo e experiências, dentro da modalidade EJA, na
perspectiva de atender às diferentes realidades de vida dos alunos;
e) a avaliação como ferramenta que oriente um repensar da práxis pedagógica, onde
professores e alunos são sujeitos deste processo;
12021

f) a autonomia da comunidade escolar na construção do projeto político pedagógico


para que se viabilize a EJA na escola, tendo como parâmetros os diferentes
sujeitos envolvidos no processo educativo.
É importante destacar a concepção ampliada de Educação de Jovens e Adultos no
sentido de não se limitar apenas à escolarização, mas também reconhecer a educação como
direito humano fundamental e intransferível para a constituição de jovens e adultos
autônomos, críticos e ativos frente à realidade em que vivem.
Para enfrentar os processos excludentes que marcam os sistemas de educação ao longo
da história, se faz necessário a garantia de políticas públicas que respeitem e valorizem a
diversidade da população como instrumentos de cidadania e redução das desigualdades
existentes.
Pensando em reverter este quadro histórico, de constantes desigualdades, é que se
concebe a EJA enquanto processo de formação humana plena que, embora instalada no
contexto escolar, considera as formas de vida, trabalho e sobrevivência dos jovens e adultos
que se colocam como principais agentes dessa modalidade de ensino, orientando-se pelos
ideários da Educação Popular: formação social, política e profissional.
Portanto, é importante lembrar que o trabalho docente está mais complexo, visto que o
professor deve estar preparado para atender a uma classe cada vez mais heterogênea, o que
lhe exige inúmeras habilidades de ensino. A proposta deste texto é trazer elementos que
auxiliem o profissional de educação – seja ele atuante com Educação de Jovens e Adultos ou
no Ensino Fundamental, a refletir e desenvolver habilidades para uma melhor interação com
os seus alunos.
Este processo se inicia fazendo-se uma analise da trajetória da profissão docente desde
a sua formação inicial, sua postura diante das mudanças, problemas encontrados pelos
professores em aceitar essa mudança e ainda os desafios da formação de um novo
profissional: a formação do professor reflexivo.
É comum ouvirmos falar que a educação não pode ser concebida mais como
antigamente, Num período curto, aconteceram mudanças que ocasionaram algumas
transformações. Assim, os professores estão conscientes de que seu trabalho mudou; ensinar
já não é apenas transmitir conhecimentos; as expectativas intensificaram-se e suas obrigações
tornaram-se mais complexas (FULLAN; HARGREAVES, 2000).
12022

É preciso, também, que a sociedade e os governantes se convençam de que é


improvável que a educação de um país possa melhorar sem a participação efetiva dos
professores.
Todas estas considerações exigem novas aptidões em termos de formação docente. De
acordo com a Resolução CNE/CP nº 1 de 15/05/2006 que institui Diretrizes Curriculares
Nacionais para os Cursos de Graduação em Pedagogia, a organização curricular do curso
contempla o estágio curricular obrigatório com carga horária de observação participativa e
intervenção pedagógica em Educação de Jovens e Adultos - EJA, Educação Infantil, Anos
Iniciais do Ensino Fundamental, Ensino Médio na modalidade Formação de Professores e
Gestão Escolar.
Sendo assim, o Estagio Supervisionado das atividades escolares é uma necessidade
imperiosa, tendo em vista atingir os resultados da ação educacional previstos na legislação em
vigor e especificamente, na LDB 9394/96, onde se procura integrar as dimensões teórico-
prática do currículo e articular de forma interdisciplinar os conteúdos de estudos básicos,
aprofundando por meio de procedimentos de observação participativa, reflexão, e intervenção
pedagógica através da investigação da realidade, de atividades práticas e de projetos.
A maioria dos docentes formou-se com base em uma perspectiva tradicional
homogeneizadora da ação docente que se centra na transmissão de conhecimentos teóricos e
fragmentados entre si, os quais tendem a não apresentar relevância social tanto para a escola
como para o estudante. Da mesma forma, a formação inicial e continuada de professores se
caracteriza por uma relação pobre com os problemas e as situações enfrentadas pelos docentes
nas suas práticas de sala de aula ou na vida escolar.
Uma formação com tais características, portanto, não cria as bases para o
desenvolvimento profissional contínuo dos docentes no que tange ao seu papel e função de
educador e nem se articula com o aperfeiçoamento de práticas de ensino pedagogicamente
mais efetivas e inclusivas.
Ensinar constitui a atividade principal na profissão do docente e por isso deve ser
compreendida como uma ‘arte’ que envolve aprendizagem contínua e envolvimento pessoal
no processo de construção permanente de novos conhecimentos e experiências educacionais,
as quais preparam o docente para resolver novas situações ou problemas.
Durante o estágio oportuniza-se ao docente em formação, assimilar a teoria e a prática,
reconhecer as peculiaridades da profissão, identificar a realidade do dia-a-dia, ao mesmo
12023

tempo em que se tem contato com as tarefas que o estágio lhe proporciona. Pedagogicamente
o aprendizado é muito mais eficaz quando é adquirido por meio da experiência, já que
conseguimos absorver com mais eficiência o que aprendemos na prática do que aprendemos
lendo ou ouvindo.
Diante disso, percebemos que tais considerações a respeito de uma nova forma de se
conceber o trabalho realizado na escola resultarão no desenvolvimento de profissionais aptos
a realizar práticas cooperativas, numa mudança de paradigma, onde todos refletem,
contribuindo coletivamente para a produção de um conhecimento transformador.
Para tanto, segundo a Resolução CNE/CP Nº 1 de 15/05/2006 do Curso de Pedagogia
orienta que o Estágio Curricular Supervisionado tem por objetivos oportunizar ao futuro
profissional:
a) o desenvolvimento de competências necessárias à atuação profissional na
Educação de Jovens e Adultos (EJA), Educação Infantil, nos anos iniciais do
Ensino Fundamental e na Gestão Escolar;
b) a realização de observação participativa, registro e análise de situações
contextualizadas de ensino em sala de aula e de processos de gestão educacional;
c) as condições para analisar, compreender e atuar na resolução de situações-
problema características do cotidiano profissional;
d) a participação efetiva no trabalho pedagógico para a promoção da aprendizagem
de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento nos diversos níveis e
modalidades de processos educativos (Educação Infantil, anos iniciais do Ensino
Fundamental, EJA, Ensino Médio.(formação de professores);
Sabe-se que a formação acadêmica de professores e de especialistas tem foco
privilegiado no trabalho com as crianças, quase não havendo espaço para a especificidade da
Educação de Jovens e Adultos, na qual é necessário que o currículo e as práticas de ensino
tenham direto significado para seus participantes, os quais viveram e vivem realidades
diversificadas e são portadores de cultura e de saberes, que têm que ser levados em conta e
considerados.
Diante disto, é que ao analisar a EJA e suas especificidades torna-se importante
compreender quem são estes sujeitos que frequentam esta modalidade de ensino e também a
formação docente deste professor que atua na Educação de Jovens e Adultos.
12024

Segundo Bolívar (2002) aprender para um adulto com experiência de vida não é
apenas integrar em esquemas de significado já dados; é informar, mudar as concepções
existentes do significado da vida de cada um, adquirindo, então, novos significados ou
confirmando os já existentes.
Portanto,

a Educação de Jovens e Adultos apresenta-se como questão ampla e complexa que


não será resolvida apenas em nível de decisões governamentais, mas exige o
engajamento de todas as pessoas que acreditam no potencial humanizador e
transformador da educação, oportunizando a inserção crítica e participativa dos seus
usuários nos destinos da sociedade. (SCHAFRANSKI; TEBCHERANI;
OLIVEIRA, 2006, p. 43).

Silva (2009) afirma que para que haja a garantia do Direito dos Jovens e Adultos à
Educação Básica o currículo dessa modalidade de Ensino deve-se pautar numa pedagogia
crítica, que considera a educação como dever político, espaço e tempo propício à
emancipação dos educandos e à formação da consciência crítico-reflexiva e autônoma. Neste
sentido, tal garantia só será efetivada conhecendo quem são os sujeitos da EJA; o tempo
histórico em que viveram e as estruturas cognitivas que possibilitaram o acesso ao
conhecimento nos diferentes tempos da vida.
Dessa forma, Freire (2002, p. 58) afirma que

para ser um ato de conhecimento o processo de alfabetização de adultos demanda,


entre educadores e educandos, uma relação de autêntico diálogo. Aquela em que os
sujeitos do ato de conhecer (educador-educando; educando-educador) se encontram
mediatizados pelo objeto a ser conhecido.

Por isso, o professor além das competências cientificas necessárias ao trabalho


docente, deve ter um “olhar” especial a este aluno que frequenta a EJA, pois muito mais que
dominar os conhecimentos, que mediar o processo de aprendizagem é importante valorizar
este aluno que retornou à escola pautando toda sua prática através do diálogo.
Outro aspecto que precisa ser levado em conta é que o público-alvo da EJA ao decidir
retornar aos estudos, ainda só o faz se tiver a oportunidade de estudar próximo à sua casa já
que acumula, muitas vezes, diferentes papéis tanto na família quanto no mercado de trabalho.
Segundo Brandão (2008) a EJA por ter uma tradição histórica voltada nos moldes de
uma educação popular, constitui-se a partir de dois princípios básicos: o diálogo e a
investigação. Tal perspectiva é fundamentada quando, reiteramos o pensamento de Freire
(1987), o qual nos diz que além do “saber de experiência feito” que acumulou com sua
12025

trajetória de vida e dedicação pensa-se a educação como um ato político e emancipatório.


“[...] Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho, os homens se libertam em
comunhão” (p. 52). “[...] Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se
educam entre si, mediatizados pelo mundo” (p. 68). “[...] A educação autêntica, repitamos,
não se faz de Apara B ou de A sobre B, mas de A com B, mediatizados pelo mundo” (p. 84).
Portanto, percebe-se acima os princípios do diálogo e da investigação, a perspectiva
coletiva e emancipatória do processo de formação dos professores de jovens e adultos que
servem de referência para pensar os cursos de formação inicial ou na formação continuada.
Diante disso, é importante que o professor da EJA reconheça que seus alunos são
sujeitos históricos e que chegam à escola trazendo muitos saberes e, às vezes, conhecendo
coisas das quais os professores desconhecem. Tais conhecimentos são resultantes das
experiências do seu cotidiano, adquiridos pelas suas passagens pela escola, ou ainda,
informações que recebeu e acabam repetindo-as que muitas vezes fazem parte do senso
comum sem um aprofundamento científico.
Torna-se evidente que a heterogeneidade na sala da EJA deve ser encarada como um
fator positivo, pois o educando expondo suas ideias traz à tona diferentes experiências,
aumentando as possibilidades de compreensão do que está sendo estudado. Ao se dar voz aos
alunos é possível conhecer sua cultura, pois a construção dessa prática permite cumprir o
papel da escola na formação humana, bem como ser lócus da socialização dos conhecimentos.
O ensinar envolve a sensibilidade do professor, principalmente o da EJA, em acolher
esses educandos em suas diversidades, respeitando-as e valorizando-as, a fim de que esses
alunos possam se sentir realmente como membros participantes da comunidade escolar.
O predomínio de aulas convencionais e expositivas em sala de aula, centradas em
conteúdos, e não em competências, não motiva suficientemente os participantes da EJA, que
necessitam, também, de tempo e espaço para receber suporte e atenção individual às suas
necessidades no processo de aprendizagem, mediante atividades diversas.
Esse processo de aprendizagem requer elaboração pessoal, onde, segundo Zeichner
(1993) a prática reflexiva deve permear todo este trabalho educativo já que ao se refletir na
prática desenvolvida no interior da escola reconhece a importância de que seus atos são
fundamentalmente políticos e que podem direcionar objetivos democráticos, emancipa tórios
transformando a escola em comunidades de aprendizagem.
12026

Pensando em reverter este quadro, é que se faz necessário oportunizar momentos de


reflexões e encontros de formações com os docentes que atuam na EJA, ressaltando a
importância de se desenvolver atividades de convívio social e de vivências socializadoras,
culturais, recreativas que enriqueçam o percurso formativo com competências sócio-afetivas,
bem como de qualificação profissional agregando competências para o trabalho que
promovam estimular a aprendizagem e a permanência dos alunos da EJA.
A capacitação crescente do educador se faz, assim, por duas vias; a via externa,
representada por cursos de capacitação, aperfeiçoamento, seminários, leitura de periódicos
especializados etc, e a via interior, que é a autocrítica que cada professor deve fazer,
indagando sobre seu papel na sociedade e se, de fato, o está cumprindo.
Nesta visão é que a sala de aula e a escola devem ser espaços para o aprendizado e o
exercício do diálogo – seja entre campos de saber, seja entre sujeitos partícipes do processo de
ensino aprendizagem. É dessa qualidade de coexistência colaborativa que se constrói o espaço
democrático e a própria cidadania; o diálogo exige tempo-espaço para falar e para ouvir; para
oferecer e para receber a compreensão.
Para que tais diálogos se efetivem, o professor precisa pesquisar, planejar, preparar-se
e buscar as informações que julgar pertinentes ao desenvolvimento de sua aula,
instrumentalizando conhecimentos socialmente produzidos aos quais os alunos não tiveram
acesso; sendo contemplados de maneira clara e precisa pelo professor trabalhado
interdisciplinarmente num processo dialógico que oportunize a melhor compreensão pelos
educandos.
A partir das condições existentes a escola deve ser um veículo de transmissão e
assimilação do conhecimento cientifico, de forma a garantir o saber necessário a todos os
alunos, instrumentalizando-os para a participação social na sociedade no combate da
seletividade e desigualdade e assim propiciar uma educação democrática para as camadas
populares.
Na Educação de Jovens e Jovens e Adultos, esta dimensão é ainda mais importante,
pois oferecer aos alunos da EJA a oportunidade de aprender, desenvolver e exercer seu papel
social, que é seu direito de cidadania, é imprescindível diante da exigência da
profissionalização no contexto atual.
Para isto, torna-se evidente que o professor assuma uma postura reflexiva, que de
acordo com Freire é alguém que analisa rigorosamente a sua prática através de um pensar
12027

epistemológico que não dispensa a emotividade, uma vez que nenhuma formação docente
verdadeira pode fazer-se alheada, de um lado, do exercício da criatividade que implica a
promoção da curiosidade ingênua à curiosidade epistemológica, e do outro, sem o
reconhecimento do valor das emoções, da sensibilidade, da afetividade, da intuição ou
adivinhação (FREIRE, 1996).

Considerações finais

Ao analisar como vem acontecendo a educação de jovens e adultos no que diz respeito
às especificidades da EJA, percebe-se a amplitude desta, já que envolve vários aspectos entre
eles: currículo, reflexão teórico-prática, tempos-espaços, diversidade de sujeitos, material
didático e formação de educadores. Este texto ressalta tais especificidades na formação desse
educador, o qual deve estar atento às suas particularidades, pois, se o perfil do educando da
EJA não for bem conhecido, dificilmente estará se formando um educador apto para o
trabalho com esses jovens e adultos (ARROYO, 2006).
Torna-se evidente, a necessária preparação específica para se trabalhar com Educação
de Jovens e Adultos, contudo vale ressaltar que esta não deve ser a última condição. É
preciso, também, efetivar atividades daquilo que chamam de educação continuada ou
“permanente”, sem esquecer que estas não substituem a formação específica, mas oportuniza
o entendimento da realidade e a possibilidade de enxergá-la com outros olhos: através da
prática.
Estes aspectos fazem surgir uma nova maneira de pensar, a qual evidencia sinais de
uma nova forma de fazer na EJA, que de acordo com Haddad (2007, p. 15):

Avançar numa nova concepção de EJA significa reconhecer o direito a uma


escolarização para todas as pessoas, independente de sua idade. Significa reconhecer
que não se pode privar parte da população dos conteúdos e bens simbólicos
acumulados historicamente e que são transmitidos pelos processos escolares.
Significa reconhecer que a garantia do direito humano à educação passa pela
elevação da escolaridade média de toda a população e pela eliminação do
analfabetismo.

Portanto, a interação com o mundo é importante, já defendia Freire, porém o grande


desafio e problema da prática da Educação de Adultos ainda é o processo de infantilização do
adulto, por meio de práticas e de textos e/ou atividades que desconsideram os saberes já
acumulados sendo muitas vezes próprias para crianças.
12028

Contudo, este texto, não encerra as possibilidades dessa discussão e análise de


pesquisa, mas permite desenvolver novas reflexões a respeito das especificidades necessárias
para a formação do educador de jovens e adultos. Faz-se urgente, que o educador da EJA
convença-se de sua função social, principalmente quanto ao compromisso histórico que
assume diante desta função.

REFERÊNCIAS

ARROYO, M. Educação de jovens e adultos: um campo de direitos e de responsabilidade


pública. In: GIOVANETTI, M. A.; GOMES, N. L.; SOARES, L. (Orgs.). Diálogos na
educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

BOLÍVAR, A. (Org.). Profissão professor: o itinerário profissional e a construção da escola.


Bauru: EDUSC, 2002

BRANDÃO, C. R. A educação popular e a educação de jovens e adultos: antes e agora. In:


MACHADO, M. M. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Brasília, DF:
MEC, 2008.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília,


DF: Senado Federal, 1988.

______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da


educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 8 maio 2013.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros em ação


para educação de jovens e adultos. Brasília, DF: MEC, 1999.

______. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 1, de 15 de maio de


2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia,
licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 maio 2006. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf>. Acesso em: 8 maio 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

______. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FULLAN, M.; HARGREAVES, A. A escola como organização aprendente. 2. ed. Porto


Alegre: Artmed, 2000.

HADDAD, S. Por uma nova cultura de educação de jovens e adultos, um balanço de


experiências de poder local. São Paulo: Global, 2007.
12029

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A


CULTURA (UNESCO). Educação de qualidade para todos: um assunto de direitos
humanos. 2. ed. Brasília, DF, 2008.

SCHAFRANSKI, M. D.; TEBCHERANI, M. M.; OLIVEIRA, R. C. S. Fundamentos da


ação docente: educação de adultos. Ponta Grossa: UEPG, 2006.

SILVA, J. M. R.; OLIVEIRA, D. L. S. A(s) diversidade(s) cultural(is) em práticas de


letramento da EJA. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade
Federal de Alagoas, Maceió, 2009.

SOARES, L. J. G. Educação de jovens e adultos – diretrizes curriculares nacionais. Rio de


Janeiro: DPA, 2002.

ZEICHNER, K. M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa,


1993.