You are on page 1of 4

J O G O S E D E S A F I O S D E M AT E M Á T I C A

Autores : P r i s c i l a d e G o u v e i a G o m e s , R a f a e l S a l o m ã o G a v a z z i ,

Orientador: Prof. Ms. Wiliam Gonzaga Pereira

C o - o r i e n t a d o r : P r o f . D r. R e i n a l d o G e n I c h i r o A r a k a k i

UNISAL – Universidade Salesiano

R . D o m B o s c o , s / n – C E P – 1 2 . 6 0 0 - 1 0 0 - L o r e n a , S P, B r a s i l

Te l – ( 0 1 2 ) 3 1 5 9 2 0 3 3 e - m a i l : w i l i a m @ l o . u n i s a l . b r

RESUMO

Este trabalho tem como finalidade principal a confecção de uma livro didático contendo
os jogos de matemática que serão utilizados pelos professores da rede Oficial de Ensino
não só da região como também no âmbito nacional. Procuramos selecionar vários jogos
de matemática que envolvesse conteúdos que são abordados desde o ciclo básico
(primeira a quarta séries do ensino fundamental) até o ensino médio. Também
procuramos desenvolver um software contendo estes jogos, pois o computador é uma
poderosa ferramenta de ensino aprendizagem. Enfim, procuramos confeccionar um
material que fosse acessível a todos que gostam da disciplina Matemática e que servisse
de ferramenta para os professores e alunos.
INTRODUÇÃO Sociedade tenderá a se educador tem a
Brasileira de a g r a v a r. grande tarefa de
A qualidade do Matemática, chamar a atenção
ensino de SBM) no seu Acreditamos e dos alunos e
Matemática, artigo “O Drama compreendemos motivá-los, o que
talvez, tenha do Ensino de que um professor pode ser feito
atingido o seu Matemática” a de Matemática através dos jogos
mais baixo nível pedagogia é sem o alicerce e dos desafios.
na história ferramenta básico da sua Admitimos
educacional do importante para formação aqui, a idéia do
país. Podemos auxiliar o profissional o jogo não como
observar nas p r o f e s s o r, “conteúdo” é um mais associada
recentes principalmente ser vazio que não àquelas de
avaliações que a aqueles que poderá diversão,
média em ensinam para acrescentar nada d i s t r a ç ã o, p r a z e r,
Matemática no crianças. O de novo a seus como fica
Provão (2003), professor só pode alunos. Mas, explicito na
por exemplo, foi ajudar o aluno no também definição de
a mais baixa entre processo de entendemos que jogos segundo
todas as áreas e aprendizagem se métodos Brougère (1998,
no último Saeb puder oferecer pedagógicos são p.17) mas, sim,
(Sistema Nacional pontos de vistas de suma como jogos
d e Av a l i a ç ã o d a distintos sobre o importância para pedagógicos que
Educação Básica) mesmo assunto, atingir aos alunos tem como
apenas 6% dos suas relações com e principalmente objetivos: rever
alunos têm o outros conteúdos aqueles com limites e regras,
nível desejado em já tratados e suas deficiência de desenvolver a
Matemática. possíveis aprendizagem. autoconfiança e a
Quando aplicações. A Sabemos organização
realizamos esta autora também que os métodos espacial,
comparação aponta para a má tradicionais de aumentar a
utilizando formação do ensino estão cada atenção e a
critérios professor de vez menos concentração,
internacionais, o Matemática que atraentes para o desenvolver a
alarme não é por sua vez aluno. Segundo antecipação e
exagerado, pois repassará seu Lannes & Lannes estratégia,
ficamos em conhecimento de (2001) “durante ampliar o
último lugar no forma errônea muito tempo, a raciocínio lógico,
Pisa (Program for para seus Educação desenvolver a
International educandos, Matemática foi criatividade e
Student entrando em um radicalmente trabalhar a
Assessment) de ciclo vicioso. fundamentada em afetividade e a
2001. Mas, também uma metodologia sociabilidade
Nas deixa claro que de construção (Serafim,
últimas décadas medidas bem lógico-formal, o Queiroz, 2004).
podemos observar sucedidas no que gerou uma Além de
no Brasil, um combate ao certa aversão à conduzir ao
esvaziamento do “analfabetismo Matemática por conhecimento
conteúdo numérico” parte da maioria Matemático, os
matemático na existem mesmo dos alunos”. jogos são
formação do que esporádicos e Hoje em atrativos e
professor com que se nós da dia, ele quer despertam os
uma política de comunidade p a r t i c i p a r, interesses dos
valorização científica não q u e s t i o n a r, a t u a r alunos que
excessiva de tomarmos novas e não consegue acabam tornando-
métodos medidas, a apenas ficar se sujeitos ativos
pedagógicos. situação do sentado ouvindo do processo.
Segundo, ensino em uma aula De acordo
Suely Druck Matemática expositiva. com Rizzo (1996,
(presidente da Portanto, o p. 40) “A
atividade Lúdica finalidade estudo de novos professor em
pode s e r, mostrar aos atuais conteúdos”. formação
portanto, um e aos futuros Cada vez condições e
eficiente aliado professores como mais os alunos conhecimentos
do e d u c a d o r, os jogos e os têm apresentado para construir sua
interessado no desafios podem dificuldades de própria prática
desenvolvimento ajudá-los na aprendizagem no docente de forma
da inteligência de elaboração e na ensino de criativa e
seus alunos, difusão dos Matemática. Para reflexiva. E, o
quando mobiliza conteúdos de um melhor trabalho com
sua ação Matemática de entrosamento do jogos
intelectual” e forma mais aluno com esta proporcionará aos
segundo prazerosa, pois disciplina é alunos da
Kishimoto (1997, constituem importante o instituição a
p. 85) “A importantes aluno deparar-se organização do
importância do ferramentas para com situações raciocínio,
jogo está nas o -problemas, elaboração de
possibilidades de desenvolvimento experiências estratégias de
aproximar a cognitivo. concretas, tais resolução de
criança do Como pode como jogos e problemas,
conhecimento ser observado nos desafios, onde atenção,
científico, PCNs de eles utilizam os concentração,
levando-a a Matemática conceitos que estímulo ao
vivenciar (p.49): “...é aprenderam. processo de
“virtualmente” importante que os Este cálculo mental.
situações de jogos façam parte projeto tem por Enfim, as
soluções de da cultura objetivo habilidades
problemas que e s c o l a r, cabendo investigar uma envolvidas nesse
aproximam ao professor ferramenta de processo exigem
daquelas que o analisar e avaliar ensino de observar e
homem realmente a potencialidade Matemática que deduzir o que
enfrenta ou dos diferentes estimule o compõem o que
enfrentou”. jogos e o aspecto desenvolvimento chamamos de
Os jogos curricular que da inteligência raciocínio lógico,
tornam-se deseja lógico- que é uma das
empolgantes para d e s e n v o l v e r. ” matemática. prioridades do
as crianças e Como Especificamente, ensino de
jovens, pois são ressalta pretende-se Matemática. Além
desafiadores, e Kishimoto (1997, refletir sobre uma do
essa disposição p. 85) “O jogo na situação real de desenvolvimento
deve ser educação ensino com jogos da inteligência
aproveitada para matemática e ajudar os lógico-
introduzirmos os parece justificar- licenciandos e matemática o
conceitos de se ao introduzir professores a trabalho com
Matemática para uma linguagem perceberem que o jogos permite ao
nossos alunos. As matemática que sucesso da aluno a
aulas de pouco a pouco utilização desta capacidade de ver
Matemática se será incorporada ferramenta algo de um ponto
tornarão muito aos conceitos decorre do de vista que
mais interessantes matemáticos conhecimento que difere do seu,
e atrativas com a formais, ao o professor tem a saber ouvir e
apresentação de desenvolver a respeito do respeitar a
jogos e de capacidade de potencial dos opinião do outro,
desafios que lidar com jogos e dos seus a trabalhar de
estimulem e informações e ao alunos. forma
exijam estratégias criar significados Esta colaborativa e a
para a resolução culturais para os relação estreita ser persistente em
de problemas. conceitos entre pesquisa e seus objetivos,
Esse Matemáticos e extensão habilidades que
projeto tem como propiciará ao elevam a
qualidade podemos citar: IRACEMA CD-ROM. 18 de
intelectual e de “Como chegar a MORI e DULCE agosto de 2004.
vida dos alunos. 1000” aplicado na S AT I K O . “ TA H A N ,
Quando quinta série do Matemática Malba. “O homem
utilizados de ensino médio e (idéias e que calculava”.
maneira trabalha com desafios) 5ª 64ª ed. Rio de
adequada, os adição de série”. 9ª ed. São Janeiro: Record,
jogos, além de números inteiros; Paulo: Saraiva, 2004.
estimulantes, são o “jogo da 2000. ZAMPIER
importantes potencia” KISHIMOT ON, Sônia Lúcia
instrumentos para trabalha a T O , T. M . J o g o , Modesto, O uso
o processo potenciação de brinquedo e a do micro nas
ensino- base binária e a educação. São escolas. Te x t o
aprendizagem. fatoração, Paulo: Cortez, adaptado da
Ta m b é m é aplicada na oitava 1997. revista Nova
importante série do ensino LANNES, Escola.
ressaltar que este fundamental; a W. ; L A N N E S , R . Z A S L AV S
projeto possui sua “corrida de Matemática. 6a K Y, Claudia.
complementação cavalos” trabalha série. São Paulo: “Jogos e
na elaboração de com Editora do Brasil, atividades
software de jogos probabilidade e é 2001. matemáticas do
educativos que aplicado no P O LYA , G . mundo”. Porto
envolvem segundo ano do A arte de resolver Alegre: Artmed,
conceitos de ensino médio e o problemas. Rio de 2000.
Matemática e “jogo da Janeiro:
mais interessante memória” Interciência,
ainda é que são utilizado no 1978.
os alunos do primeiro ciclo RIZZO, G.
curso de Ciências básico do ensino Jogos
da Computação do fundamental Inteligentes: A
UNISAL que trabalhando com Construção do
estão o sistema de Raciocínio na
desenvolvendo numeração entre Escola Natural.
estes softwares outros. Rio de Janeiro:
com a orientação Agradecem Bertrand Brasil,
d e u m p r o f e s s o r. os à UNISAL pelo 1999.
Os jogos são apoio financeiro e SERAFIM,
elaborados e aos professores e Ta t i a n a Cristina
revisados pela alunos que estão Evangelista,
bolsista e pelo intensamente se Jogos na
professor dedicando neste Educação
orientador e em projeto. Matemática.
seguida tendo sua Monografia de
implementação Bibliografi conclusão de
computacional. a curso, UNISAL.
Esperamos Lorena, 2004.
que no final deste ALMEIDA, SERAFIM,
projeto seja M a r c o s Te o d o r i c o Ta t i a n a Cristina
elaborado um Pinheiros de. Evangelista;
livro contendo os “Jogos divertidos QUEIROZ, Luis
jogos de e brinquedos Carlos de. Jogos
Matemática e que criativos”. no Ensino de
também possua Petrópolis, RJ: Matemática. Ln:
anexado a ele um Vo z e s , 2 0 0 4 . Jornada de
CD com os jogos DANTE, Iniciação
apresentados no L.R. Didática da Científica e de
livro. resolução de Pós Graduação da
Dentre os problemas. São FEG,
jogos Paulo: Ática, Guaratinguetá.
desenvolvidos 1998.