You are on page 1of 86

BIOGRAFIA
HERICK A TH A YDE USAMI, nas­
ceu em Brasília a 12 de junho de
1966. Ao completar quatorze anos
iniciaram-se os contatos com seres
extraterrestres, que se aproximaram
com o intuito de esclarecer e ajudar.
Esses contatos se processaram a-
través da telepatia associada a vidên-
cia, que são fatores fundamentais para
se estabelecer um contato interdimen-
sional. São contatos freqüentes e em
horas determinadas que exigem disci­
plina e abnegação.
No decorrer desses contatos, o
dom da pintura aflorou sem que nun­
ca tivesse aprendido técnicas ou feito
curso para tal. E tudo mais que, gra­
tuitamente vem recebendo de graça
vem repartindo, seja através de escla­
recimentos que visam a espiritualiza-
ção do ser humano, seja através de
diagnósticos e cura.
Apesar de tudo isto, sua vida con­
tinua normal, praticamente sem alte­
ração no relacionamento familiar e
social. Tampouco a vida escolar so­
freu alterações. Nada lhe foi facilitado
em termos de aprendizagem: nenhum
dom especial que o dispense do esfor­
ço exigido ao estudante comum do
2º grau e do curso de inglês.

HERICK

Brasília — Dezembro de 1983

HERICK Athayde Usami — 1966
0 Karma Genético — 1983

89 páginas

Direitos reservados ao autor, que permite,
em parte, a reprodução, desde que cite a
fonte.

Impresso nas Oficinas Gráficas da Papelaria
H.P. Mendes Ltda. — Brasília - D. Federal

Agradeço a colaboração prestada por Neucy Cavalcante .

........................................................................................................................................................................................................................... 3 ...21 O Pecado Original. 53 O Luciferiano Encarnado.... INDICE Introdução Cap...............................................34 Processamento do Programa........ 51 O Processo............................................................. 21 Cap.............. 30 Limite de Um Nó Kármico...................................... 28 Programação........................................................................................................................................................................... ................................................................................................... 41 Karma Nulo..................................................................................................................................................19 O Espírito Iniciático...........................................54 ..........................................42 Botão Aditivo...........................................................................................................................................................ANULAÇÃO KÂRMICA Os Estágios Evolutivos do Reino Humano e o Karma Nulo ..............................................................EVOLUÇÃO Criação..15 Reino Animal................................................................................. 35 Eu Negativo e Positivo.................................................18 Reino Humano.........11 Reinos e Evolução...................28 Atos Positivos e Negativos.............................. 37 Ativação do Programa....................................................... 38 Relação entre Karma Atual e Karma Posterior.............. .................................................. 1 .................. 25 Código Nulo.............................................. 54 Anulação Total do Karma....... 33 Gen Kármico Com única Polaridade....... 44 Cap..........................................................................33 Variação do Peso Moral............... 14 Reino Vegetal.... 17 Transitoriedade............................. 2-0 MECANISMO KÁRMICO Cronômetro da Vida....................................... 34 Peso Individual Zero...............................................................................................

......................... Um Ato Negativo...................................................................................... 89 ........ ............................................................................................................................................................................................... 70 Desencarnação........................... ........................................................................................................................ O Estágio Angelical..................................................................... 69 Prazer ....................................................................... 57 Programa Positivo (Haste Catka)................................................................75 Injustiça Aparente.......................................................... 65 Missão Negativa.......................................................................... 78 Liberação do Karma e de Suas Complementações.... 72 Desencarnação......... 87 Karma Extraterrestre.................... ..................................................66 A Missão Extraterrestre................ ........................................... ............................... 77 Ato Mental .............................................76 Assassinato: Um Ato Programado e Derivado de complemento Kármico....................................................................................................................................................68 Arrependimento.......................... .......................................... 79 Inversão Kármica ........................................................ 74 Aborto.............................. 73 Suicídio................................................. ...............................................................................................................74 Saúde.................... 86 Quebra de Unidade Familiar .. ......................................................MISSÃO E COMPLEMENTAÇAO KÂRMICA A Missão.................................................................. 4 .................................................................................... 63 Missão Interrompida..................................................................................... ........ 67 Período Passivo................................ 85 Karma Familiar............................... 68 Sofrimento................................. 70 Coma .....................85 Paranormal idade........................... 87 O Final do Ciclo.................. 83 Hereditariedade ..........................................................................81 Karma Coletivo............65 Prolongamento da Missão Após o Desencarne.......................................................................... ............................................................. 58 Cap...........79 Projeção do Karma..... 66 Missão Rápida ................

0 Karma é a mais lógica e aceitável explicação da infeliz condição humana deste planeta. Para introduzirmos melhor o karma do ponto de vista paracientífi- co e racional. relativas â sua evolução e condi­ ções de vida. fisiono­ mia. é o único fenômeno que explica as diferenças presentes em todos os reinos e espécies. cor de pele. sexo. Certas porções da molécula formam os Gens. os cro­ mossomos. numa dupla hélice (semelhante à ilustração da capa). Os cromossomos por sua vez são constituídos por moléculas de DNA. por considerá-lo assunto dos mais fascinantes no espiritualismo. introduzindo a aparentemente estranha expansão do espírito e das almas gêmeas. já que a evolução está presente em tudo na vida e estreitamente relaciona­ da com o karma. A partir da rápida análise da evolução humana. Cada célula de nosso organismo possui seus cromossomos praticamente idênticos. Os seres humanos pos­ suem cerca de um milhão de Gens. alinhemos algumas noções sobre o fabuloso computador das ações que cada uma de nossas células possui em se núcleo. Todas as características hereditárias (altura. uma a redor da outra. A molécula de DNA formada por duas cadeias de "polinucleotí- deos" enroladas. mecanismo indispensável á evolução e à justiça. analogicamente seria como uma escada de cordas enrolada sobre si mesma. em uma única célula humana 7 . já que o indivíduo foi origi­ nado de uma única célula. Iniciamos o estudo kármico analisando a evolução do espírito. Os Gens estão dispostos linearmente na molécula de DNA e são os verdadeiros responsáveis pela hereditariedade. perfeição física e outros) transmitidos de pai para filho devem-se aos cromossomos. expli­ camos a relação existente entre o karma e a programação do mesmo no DNA. defeitos. logo. INTRODUÇÃO Propusemo-nos acrescentar algo mais ao estudo do Karma.

que não possuí correspondente físico. portanto com número muito maior de Gens. sendo esta classi­ ficação feita pela parte inconsciente do ser. Todos os nossos atos são registrados nestes NÓS. A Energia ít faca é derivada do Prana. Cada ato é-classificado em positivo e negativo. se comparado ao cromossomo físico. 8 . de acordo com nossa ciência clássica. Cada Gen é formado por NÕS KARMICOS e este por PONTOS KÁRMICOS. agrupados nos GENS. uma que corresponde à própria molécula física e outra á programação kármica para a próxima encarnação. Mas vamos além dos Gens. Nosso destino é anular toda a programação kármica que nos liber­ tará definitivamente do reino humano.existem um milhão de informações hereditárias. penetrando na parte astral dos cromossomos das células. analisamos mais do que o diminuto Gen. Cada cromossomo astral possui um milhão e oítocentos mil gens kármicos. Para cada molécula de DNA física existem duas no astral. Em nosso estudo da cadeia de DNA. para chegar à base do mecanismo kár- míco. e sua ativação se fará pela energia ILIACAao percorrer o DNA. associado a outros mecanis­ mos energéticos presentes em nosso organismo e é responsável pela pro­ gramação e ativação do karma de cada ser. O registro destes atos nos definirão o karma para a próxima encarnação.

Cap. 1 EVOLUÇÃO .

É a energia pura que interpretei á tudo e a todos os planos. Para este corpo astral existe um corpo espiritual que é uma cópia sutilizada do corpo astral. São universos correspondentes aqueles que possuem cópia idêntica ou semelhante em outro plano. O pla­ no astral corresponde á matéria num estágio intermediário entre a física e a espiritual. Para toda maté­ ria astral nem sempre há um correspondente físico mas certamente um espiritual. O universo é sempre recriado. O plano mais sutil interpenetra o mais denso. quase energia. convergindo para um mesmo ponto. faremos rápida análise da criação do Universo. O universo é pulsante. Para toda matéria física existe um correspondente astral e espiritual. através de inúmeras expansões e contrações delineou uma membrana. Nós que estamos no plano físico. CRIAÇÃO Para melhor compreender a vida e o porque desta. O universo. A consciência cósmica é a consciência de Deus. Para toda matéria espiritual nem sempre existe um correspon­ dente astral ou físico mas certamente está presente nesta a consciência cósmica. Este corpo astral é cópia do nosso corpo físico. logo. O plano físico corresponde à toda matéria muito densa. o espiritual e o astral. e o astral interpenetra o físico. Mas há seres com corpo astral e espiri­ tual sem o corpo físico. Acima do plano espiritual está a Consciência Cósmica. o es­ piritual interpenetra o físico e astral. possuímos correspondente do nosso corpo físico no plano astral. 0 plano espiritual corresponde á toda matéria muito sutil. Isto só é válido do mais denso (físico! para o mais sutil (astral e espiritual). limite do nosso universo. Expande-se e contrai-se. interpenentrando-a. Constituindo este nosso universo existem três grandes divisões em relação ao estado em que se encontra a matéria que o compõe: o plano físico. Deus é tudo que está delimitado pela membra- 11 . é o caso dos seres desencarnados. É o estado primordial e imutável da energia. Para efeito deste estudo.

Estas cente­ lhas são duplas. ao plano respectivo. Ele é a maior perfeição que podemos alcançar. fazendo o papel de amortecedor de freqüência. imperceptível para a matéria física. assim como nós. A mente é o espírito. Para que estes im­ pulsos possam ser percebidos pela matéria física (no caso. 0 corpo astral mais denso é o conhecido perispírito. astral e físico. o corpo astral. passarão os impulsos espirituais até que a freqüência fique baixa o suficiente para que possa ser percebida pelo cérebro. Esta é a função do corpo astral. 12 . o cérebro nada mais é que o último receptor das ordens emanadas pela mente (espírito). ou se­ ja. Embora Deus não seja perfeito. o espírito é a individualização da consciência cósmica. correspondente. para que o espírito possa manipular o corpo físico. Logo. Cada polaridade da centelha é o que denominanos de espírito. Esta recriação do universo corresponde à reencarnação de Deus. o cérebro) é necessária a redução da freqüência emitida pelo espírito. Este baixa a freqüência até que possa ser percebida e captada pelo pró­ ximo corpo astral subseqüênte e mais denso. Este corpo astral superior baixa a fre­ qüência até que esta possa ser percebida pelo corpo astral subseqüênte. cada um mais denso que o outro. Existem sete corpos astrais. Tudo que pensamos ou fazemos é ordenado pelo espírito. Ao contrário do que muitos pensam. Esta diminui­ ção só é possível através dos corpos astrais. O espírito para controlar o corpo físico emite impulsos de altíssi­ ma freqüência. Deus também possui um corpo espi­ ritual. adquire um corpo astral associado a um corpo físico. e mais seis. Ele é um decodificador ou ponte de ligação entre o corpo espiritual e o corpo físico. O corpo astral superior é o único corpo que pode perceber os impulsos espirituais. ou seja. A cada expansão ou recriação do universo. Deus não é perfeito.Deus é ser em evolução. a sua perfeição é o limite do nosso aperfeiçoamento.na que envolve o universo. O perispírito é uma cópia perfeita do corpo físico. Os corpos astrais fazem o papel então de amortecedor de freqüência ou dos impulsos emitidos pelo espírito (mente). após estes terem sido densificados pelos corpos astrais. há a recriação dos pla­ nos. Durante esta expansão do universo. buscando a perfeição. Para cada espírito existe um correspondente de polaridade oposta. Logo. O superior ou mais sutil. Uma positiva ou masculina e outra negativa ou femini­ na. É necessário o corpo intermediário. Então. O cérebro é apenas um computador que interpreta os sinais emitidos pelo espírito. Cada espírito também reencarna. Por esta cadeia de sete corpos astrais. a consciência cósmica começa a subdividir-se em inúmeras partes ou bolhas ou centelhas.

do universo. Quando toda a energia da consciência cósmica transformar-se em centelhas. A consciência cósmica continua a subdividir-se e a criar centelhas. são criados. terminará 13 . em um só Criado. ou seja. Cada vez mais os espíritos deixam a consciência cósmica. A evolução conjunta de todas as centelhas impulsionará a evolução de todo. está iniciada a manifestação da consciência cósmica e conseqüentemente a busca da perfeição. isto é. então. os primeiros espíritos. Os espíritos não foram criados todos de uma só vez.

agora no reino atômico. Esta expansão é a agregação do espírito atômico a outros. O espírito. astral e físico.o ciclo da manifestação da consciência cósmica e será iniciado o ciclo de retorno à origem. Ao iniciar sua expansão o espírito atômico passa a pertencer ao reino mineral. Ao atingir o máximo da coletividade de espíritos atômicos. forma seus corpos espiritual. Este retorno é a desencarnação de Deus. formando um único. formando um espírito molecular. Notemos que tudo que está no plano físico possui um correspondente astral e espiritual. Este espírito molecular agregando-se a outros formará um maior. É necessária esta agregação para que este espírito possa evo­ luir. mas evoluirá coletivamente e ao mesmo tempo como único espírito e consciência. os espíritos novamente começam a retornar ao seu estado original (consciência cósmica). A evolução de um átomo se processa através da expansão do espírito. REINOS E EVOLUÇÃO O espírito ou polaridade da centelha parte da consciência cósmica. for- 14 . e encarna no reino atômico. um átomo associa-se a outro. tende a evoluir. coletivo mas único. isto é. A expansão continuará a se processar até que o espírito seja constituído pela coletividade de alguns trilhões de átomos. Ajusta-se a um átomo qualquer.

Então. unem-se para formar uma centelha. passando a pertencer ao reino vegetal. composto por trilhões de espíritos atômicos. O espírito. Este espírito coletivo encontrará seu cor­ respondente. Cada espírito cria seu correspondente astral e físico. ambos coletivos que deixaram o reino mineral. pois anteriormente ele era como um aglomerado de espíritos atômicos. ele desencarna do reino mineral. O espírito masculino e o feminino. então.mando um único. formou-se um espírito masculino ou feminino. então formada. REINO VEGETAL A centelha do reino vegetal. originando dois espfritos. um masculino e outro feminino. É necessária a penetração na consciência cósmica. 15 . para que a centelha seja realmente purificada e fundida. também composto pela agregação de trilhões de átomos. libertando-se do seu corpo astral. Esta centelha retor­ na á consciência cósmica e é reespelida. encarna e surge como uma célula vegetal: Esta célula multiplica-se através de divisões binárias. divide-se. Os átomos que se agregaram são todos da mesma polarida­ de.

será espí­ rito sem nenhuma ligação com a célula mãe. Ela multiplica-se mas permanece com o seu único espírito mãe. então. a violeta. Mas pode ocorrer que o corpo físico da violeta não morra (deteriore-se). 16 . repetindo o mesmo processo an­ terior. formando um único. Então. esta 3301a. Este espírito iniciará no estágio de semente. Esta décima primeira muda possuirá outro espírito e o mesmo processo se repetirá. a violeta con­ tinuará intacta. Quando o espírito chega ao máximo de sua expansão sob a forma vegetal unicelular ele desencarna e passa a encarnar em vegetal plurice- lular. Denominemos este espírito de duplo macro- espírito. céiula e expandirá. Um outro espírito pode assumir este corpo para completar seu ciclo evolutivo. Por exemplo. Crescerá. Suponhamos que um espírito encarna em uma célula que se transforma em célula mãe e multiplica-se. conseqüentemente. Se ocorrer mais uma divi­ são. Toda célula que surgiu a partir de uma célula mãe. Essa expansão se processa á me­ dida que a célula vaí-se multiplicando. Estas mudas são relativas à expansão do espírito. Suponhamos que seja uma violeta. Caso desenvolva-se a dé­ cima primeira muda. Este espírito pode expandir-se até certo ponto. Um correspondente astral e físico é criado e se dá a encarnação do macro- espírito. Quando o espírito desencarna. célula não mais pertencerá ao mesmo espírito. chega-se ao limite de expansão desse Espírito. terá que associar seu espírito a mais onze. embora seu espírito não seja mais o mesmo. Estes doze espíritos formarão uma centelha maior que será evoluída o bastante para encarnar em um vegetal de maior complexidade e evolução. Neste caso um arbustro. Quando o espírito atingir o máximo de sua expansão e já tiver evo­ luído o suficiente. a expansão do espírito. esta não mais possuirá o mesmo espírito da viole­ ta mãe. Es­ ta semente.Assim. originando três mil células pertencentes ao mesmo espírito. De outro ponto de vista. o espírito começa a expandir-se. aparentemente. necessariamente o seu corpo físico. dan­ do assim. a partir de al­ guns milhares de células formadas de uma única. Este macro-espírito é apto a encarnar em vegetal pluricelular. encarna em vegetal superior. desencarna e une-se a mais onze espíritos de igual evolução e expansão. Esta violeta desenvolve-se e gera mudas. pertencentes à mesma linha de expansão. Para encarnar em vegetal superior. Este duplo macro-espírito. encontrando-se em estágio favorável brotará. até dez mudas. até certo ponto possui o mesmo espírito. a semente só brotará se o espírito iniciar sua expansão. Estas dez mudas possuem o mesmo espírito. deteriora-se. Será outro espírito que en­ carnará nesta 3001a. Mas.

Esta centelha. Este processo se repete até que o espírito atinja o tipo vegetal mais complexo e evoluído. se dividirá. formando um triplo macro-espírito. formando um espírito masculino e outro feminino. Ad­ 17 . forman­ do um macro-espírito é repetitivo e abrange todos os reinos. e forma centelha mais evoluída do que a anterior. retorna á consciência cósmi­ ca e purifica-se. O processo de união do espírito com mais onze. desen­ carnará e se unirá a mais onze de igual expansão e evoluçSo. une-se a seu corres­ pondente de polaridade oposta. então. transformando-se numa única centelha que deixa de ser vegetal e passa a ser animal. exceto o mineral. Quando o espírito liberta-se do reino vegetal. REINO ANIMAL No reino animal a centelha sofrerá o mesmo processo de encarna­ ção. Terminando seu estágio no reino vegetal. o espíri­ to desencarna. Quando o espírito expandir-se e evoluir o suficiente. seja ele feminino ou masculino. composta por aglomerado de milhões de outras menores.

sofrem expansão do espí­ rito semelhante à de um animal. Do reino mineral para o vegetal ocorre a transitoriedade que é o caso do vírus. assim. A centelha humana divide-se em duas. ele associa-se a mais onze espíritos de igual estágio evolutivo e fundem-se. Depois. Esta estreita ligação é observada no caso das abelhas e formigas. em uma gaivota. Esta. Cada inseto é um espírito. Do reino animal para o humano ocorre também a transitoriedade. Sua ligação. para poder encarnar em outro estágio mais evoluído. também necessita unir-se a mais onze para formar um único. o símío é o exemplo. para tornar-se um animal mais evoluído. Des­ ta vez. a encarnação. O espíirto animal.quirirá um corpo astral e um físico. Os de polaridade positiva e negativa (masculina e feminina) fun- dem-se formando a centelha animal mais evoluída. Formam um décimo terceiro espírito. mas estrei­ tamente ligado aos espíritos que possuem a mesma expansão e evolu­ ção. Mais doze espíritos símios fêmeas fundem-se. Os insetos. dando-se. dentro da cadeia natural de evolução. formando a outra polaridade da centelha. Ao desencarnar. ou seja. quer dizer. ou seja. O espírito animal. se dá apenas geneticamente e pela afinidade. Este colibri desenvolve-se e chega â maturidade e por um certo período de tempo. Doze espíritos de símios fundem-se. suas polaridades separam-se. então como centelha huma­ na. A gaivota repetirá o mesmo processo. O formigueiro é altamente organizado pelo 18 . de uma mesma espécie. Ao desencarnar une-se a mais onze espíritos de igual evolução. suponhamos que seja um colibri. limita-se somente ao desenvolvimento do seu corpo. TRANSI TO RIEDADE Os insetos são os espíritos transitórios do reino vegetal para o ani­ mal. mãe e filho. evoluirá. Mas no reino animal o espírito sofre expansão diferente. apesar de serem transitórios. formando um único de polaridade masculina. mas único. desencarna. Este encarna. Esta centelha fun­ de-se á consciência cósmica. retornando. para formar um único e poder encarnar em corpo físico superior. de sí­ mio. Esta será uma das polaridades da cen­ telha. Esta transitoriedade sempre é necessária. Cada filhote é um espírito completamente inde­ pendente. desencarnará. formando um homem e uma mulher. agora. ao atingir seu estágio mais adiantado. Este colibri nasce e a evolução do espírito começa a se processar. os filhotes do colibri não pertencerão ao mesmo es­ pírito do colibri mãe.

Ao atingir o estágio animal. REINO HUMANO Chegando ao reino que mais nos interessará no estudo do Karma. por sua vez. pois sente- se a necessidade de se ter toda a fita magnética recomposta. alguns milhares destas unidades formarão uma unidade do reino huma­ no ou um homem. os espíritos desde o reino atômico até o reino humano vão-se fundindo. Quanto mais evoluído é um inseto. a ligação espiritual vai-se enfraquecendo. É como se dividíssemos um rolo de fita magnética. Este sentido gera o raciocínio. Cada centelha atômica possui em si uma parte da consciência cós­ mica. Alguns milhões de unidades básicas do rei­ no vegetal formarão uma unidade básica do reino animal e. a se elevar à medida que vai juntando as unidades informativas 19 . suficiente para que tenha algum sentido. Milhões destas formarão uma uni­ dade básica do reino vegetal. contendo in­ finitas informações. cada uma contendo uma informação da consciência cósmica. estes sâío formados por poucos mi­ lhões de unidades básicas de espíritos vegetais por dezenas de milhões de unidades básicas do reino atômico e mineral. Unir as unidades. Cada centelha atômica é uma unidade básica do reino mineral. Este é o sentido da vida. mais partículas informativas (unida­ des atômicas espirituais) ele vai adquirindo. À medida que um ser evolui. Eis o motivo do homem ser racionai. que constitui o principal mecanismo evolu- cional da vida no universo. a adquirir conheci­ mento.fato de haver uma estreita ligação espiritual entre todas as formigas de um mesmo formigueiro. esta ligação é o conhecido instinto animal. a cons­ ciência cósmica dividiu-se em 3 milhões de partes. ou aglomerado de partes da fita magnética. Toda a evolução inicia-se na associação de uma centelha da consci­ ência cósmica com um corpo físico. concluímos que o espírito do ser humano é formado de milhares de uni­ dades básicas de espíritos animais. Por esse motivo. que é a facilidade de um animal transmi­ tir as reaas básicas de sobrevivência a outro da mesma espécie. A vontade de saber é unir os pe­ dacinhos da fita para deslumbrar-se e ter o conhecimento total. Esta união só é possível através das passagens pelos reinos e princi­ palmente pela reencarnação. Logo. o átomo. Ele possui número suficiente de unidades atômicas básicas. Suponhamos que houvesse três milhões de informa­ ções e cada informação dessas fosse uma unidade atômica. para formar um todo. Um homem começa a crescer espiritualmente.

O processo que levou o homem a formar uma palavra (evoluir) foi a fusão de inúmeras unidades atômicas. o sentido tornou-se mais amplo. 20 . RETORNANDO. que possui a palavra EVOLUIR am­ bas se complementar: DEVEMOS EVOLUIR. que por si só possui sentido restrito. Logo.da consciência cósmica. Continuando a associação com outros indivíduos chega-se a uma frase que possui sentido completo: DEVEMOS EVOLUIR E ATINGIR A PLENA CONSCIÊNCIA CÓS­ MICA. for­ mando uma polaridade da centelha. Tudo isto se processa no plano espiritual. Este agrupamento só pode aumentar quando o espírito do homem. Esta é mais uma razão pela qual só evoluímos grupalmente e em harmonia. para que forme uma frase e em harmonia para que esta frase tenha suas palavras dispostas em seqüência lógica. ASSIM. então. sem a palavra AO o sentido real se perde. Estando a frase disposta em seqüência lógica. este limite é a expansão do seu espírito. esta polaridade se unirá à sua outra metade. O homem só evolui encaixando as unidades in­ formativas. formando uma redação cósmica. Mas o homem tem limite de agrupamento destas unidades informativas. E AO é uma palavra pequena mas fundamental. Por exemplo. Cada frase é um grupo de doze homens. 0 homem também se fundirá com mais onze. Esta é a razão da necessidade dos espíritos fundirem-se. Esta disserta­ ção é a união desta frase com outras frases. Este trecho pos­ sui em si sentido completo mas que pode ser dissertado. referen­ te à característica masculina do ser. toda a vida no universo só evolui grupalmente e nun­ ca individualmente. Grupalmen- te. na frase vista anteriormente. que o tamanho da palavra não é importante. unindo-se espiritual­ mente com um outro homem "B". ainda. Quando digo homem. refiro-me à unidade básica do reino humano e não ao homem. O sentido desta palavra está restrito. Ressalto. Cada um possui uma palavra da mensagem ou da fita cósmica. para formar um todo. Por exemplo: Um homem "A" possui a palavra DEVE­ MOS. AO TODO. Para formar esta frase fo­ ram necessárias a troca de informações com doze homens. Isto é aplicá­ vel se observarmos que um homem muito culto pode não evoluir espi­ ritualmente sem a complementação de um ignorante. esta poderá se associar a outras. Concluindo. mas muito incompleto: DEVEMOS EVOLUIR E . onde positivo e negativo.. vegetais e animais. formarão uma centelha maior do reino humano. que tem a pa­ lavra E.. Unindo com a palavra de um outro homem "C". sem que ele perceba começa a unir-se a outros espíritos humanos. mas unindo esta palavra com a do indivíduo "A" e "B” ganha sentido mais amplo.

Um espírito iniciático possui ingenuidade natural. são muito intuitivos. Mas isto não é devido a nenhuma deficiên­ cia fisiológica ou mental. logo. divide- se. ou seja. em boa família que lhe dará condições de progredir espiritualmente e materialmente. logo. Não seria justo que a força superior aplicasse teste ao espírito iniciático idêntico ao que se aplica a um espí­ rito que há milênios vem evoluindo no reino humano. progri­ dem no campo intelectual rapidamente e demonstram grande inteligên­ cia são espíritos que há muitas encarnações estão no reino humano. Pela primeira vez encarnam sob a forma humana. São então. Outra característica presente nos espíritos inicáticos é a baixa capacidade de aprendizado. espí­ ritos iniciáticos. A problemática está em serem espíritos iniciá­ ticos. podem com muita facilidade perceber a sinceridade ou maldade que está presente em cada indivíduo. não inocência e ingenuidade gerada pelo meio. deduzem. então. tudo é novo e estranho. assi­ milados em encarnações passadas são relembrados nas encarnações fu­ turas e acrescidos de mais algumas informações. o preparará para enfrentar a vida. encar­ nam. O PECADO ORIGINAL O espírito iniciático geralmente encarna em ambiente equilibrado. Apesar de ingênuos. É criado um corpo astral para cada espírito e. Através desta moralização básica ele saberá de modo geral o que é certo e errado. São simplesmente puros. Os conhecimentos aprendidos. O ESPIRITO INICIÁTICO Quando a centelha deixa o reino animal e passa ao humano. Esta família. Forma um espírito positivo ou masculino e um espírito negativo ou feminino. Nunca lhe é apli­ cado teste ou imposto dificuldade que extrapole suas limitações. O prepa­ ro consiste simplesmente em educá-lo e esclarecê-lo da moral em curso na época em que estiver encarnado. Realmente é o início de tudo. pois os espíritos que assimilam as informações. Já os espíritos iniciá­ ticos não trazem nenhum conhecimento anterior. O espírito iniciático nem mesmo experiências anteriores possui. a força superior mais poderá testá-lo. Característica encontrada so­ mente nesta fase. não é mais uma questão de re­ lembrar para depois se acrescentar algo mais. aprendendo e morali­ zando. A capacidade de aprendizagem aumenta à medida que o espírito se torna veterano no reino humano. São inocentes e ingênuos. adquirem corpo físico. somente o instinto animal. À medida que este espírito vai progredindo. 21 . Tudo é dosado. isto é. O teste aplicado depende­ rá do seu nível moral e intelectual.

A falta deste equilíbrio gera o KARMA. 22 . Desencarnando. terá que encarnar novamente no planeta Terra e na mesma dimensão. Contrariando-a. Este processo é chamado de primeiro dimensionamento. Sem este equilíbrio o espírito não poderá desencarnar e dimensionar-se. O espírito "B" mais uma vez tentará equilibrar suas cargas negativas e positivas. encarnar em Marte ou em outro planeta. desencarna. Caso adquira pontos neu­ tros o suficiente. pode contrariá-la ou respeitá-la. pagar pelo pecado original. ao contrário de "A". O planeta em que o espírito "A" está então encarnado é Marte. Por sete encarna­ ções o espírito iniciático vai sendo testado. Lá encarna em corpo físico de menor densidade e continua sua evolução. A força superior então lança o desejo de arrancar uma flor da praça pública. ou seja. Lá encontrará civilização muito mais avançada e nesta civilização o espírito "A” deverá passar tempo sufi­ ciente. isto é. durante as sete encarnações não consegue superar os testes nem equilibrar os pontos negativos e positivos. dirige-se para outra pla­ neta. Um espírito "B". ganha pontos negativos. para assimilar a cultura marciana. res- peitando-a ganha pontos neutros. para cumprir o primeiro KARMA. Para isto. Chamemos este espírito de "A". 0 espírito iniciático tendo noção da moral. isto é. O equilíbrio dos pontos negativos e positi­ vos consiste em o número de erros cometidos se igualar ao número de ações positivas. desencarnar da dimensão mais densa que é a nossa e encarnar em uma superior. Testes são aplicados ao espírito iniciático que pode superá-los ou não. também iniciático. Os testes continuam a ser impostos e superados. Por exemplo: sabe-se que não se deve arrancar plantas de uma pra­ ça pública. Esta é a regra básica contida na moral que foi dada ao espí­ rito iniciático. 0 Karma é o desequilíbrio energético de um espírito. Se ajudar alguém a não cometer erros ganha pontos positivos.

Cap. 2 O MECANISMO KÁRMICO .

Ao nascermos já possuímos programação nas has­ tes de DNA. A Maila e o Catka são duas hastes paralelas e de po­ laridades opostas. CRONÔMETRO DA VIDA Em todo organismo vivo existe uma energia vital denominada "prana". Por estas duas hastes percorre uma energia derivada do prana de­ nominada ILAIA. 25 . além do código gené­ tico. Se esticarmos a molécula de DNA teremos 2 has­ tes paralelas (gráfico 1). O Karma é programado em duas hastes: MAILA E CATKA. o Karma. o DNA contém algo muito mais importante. Vamos analisar estas hastes minuciosamente. Estas hastes são as mesmas da molécula de DNA. O prana não só é vital à vida como. Para a espiritualidade e para ciência mais avançada. são os genes. considerando que estruturalmente ambas são iguais. Para a ciência. Duas das extremidades correspondem ao início da vida de um in­ divíduo numa encarnação e as outras ao fim desta vida. é fundamental para que se realize o programa Kármico contido no DNA. formando o código genético que contêm todas as informações a respeito das características físi­ cas do indivíduo. também.

Cada haste pode conter até um milhão e oitocentos mil GENS
KÁRMICOS. Cada gen Kármico possui cerca de 900 mil NÓS KÁRMI-
COS e cada nó Kármico possuí três PONTOS KÁRMICOS.
Desde que o óvulo é fecundado pelo espermatozóide, a Ilaia come­
ça a percorrer o primeiro ponto Kármico que está no primeiro gen
Kármico. A llaia, ao atingir o 3º ponto Kármico, desativa o primeiro
nó Kármico e passa a percorrer o 1º ponto Kármico do 2º nó Kár­
mico (Gráficos 2 e 3). Assim, a I Ia ia vai percorrendo o 1º gen Kár­
mico, ativando e desativando os Gens. Quando a llaia percorrer os 900
mil nós Kármicos, do primeiro gen Kármico, passa, em seguida, a per­
correr a mesma trilha anterior, mas no 2º gen Kármico. Quando a llaia
percorrer todos os gens Kármicos, o indivíduo desencarna.
A llaia é o cronômetro da vida do indivíduo desde a concepção à
desencarnação.

A llaia, percorrendo o 1º nó A llaia, percorrendo o 2º nó
Kármico, ao atingir o 3º ponto Kármico, ao atingir o 3º pon­
Kármico, realiza sua programa­ to Kármico, desativa o 2º
ção (1), desativando o 1º nó nó Kármico e, assim, sucessiva­
Kármico. mente.
Gráfico 2 Gráfico 3

(11) O Tópico sobre programação será visto em capítulo posterior.

Cada ponto Kármico é um programa que pode ativar fato positi­
vo ou negativo na vida do indivíduo. Tudo dependerá dos atos positi­
vos ou negativos desse indivíduo. Isto será melhor explanado mais à
frente.
Tudo de positivo ou negativo em sua vida está pré-programado nas
hastes de DNA, ou melhor, na Maila e no Catka.
Este programa é derivado da vida anterior. Paralelo a este, todavia,
existe outro DNA, no corpo astral. Neste, está sendo programado o
Karma futuro (Programa Posterior) que é programado pelo próprio
indivíduo, dependendo de seus atos, positivos ou negativos.
Na realidade, existem 4 hastes: Um par com o programa da vida
atual e outro par com o programa para a vida posterior. A llaia ativa os
pontos Kármicos da Maila e Cakta atual e ainda programa os pontos
Kármicos da Maila e Catka da vida posterior.
A llaia percorre as quatro hastes ao mesmo tempo, ativando e
programando instruções Kármicas, de acordo com as ações indivi­
duais. Se sofremos é porque programamos este sofrimento e o ativa­
mos. Se estamos bem é porque assim programamos e ativamos tal pro­
grama.
Tudo depende das ações, que determinam o estado atual e o pos­
terior da vida de cada um.

27

CÓDIGO NULO

Um ser que encarna pela primeira vez no reino humano não pos­
sui Karma. Não há programação na Maila e Catka. Mas, de acordo com
as ações que este indivíduo vai praticando no decorrer de sua vida, a
Maila e o Catka posterior vão sendo programados.
A Maila registrará todos os atos negativos que o indivíduo praticar
e o Catka todos os atos positivos. Deste modo, vai sendo programado
o Karma.
O Karma pode ser ativo ou nulo. Tudo dependerá da carga energé­
tica na Maila e no Catka.
Todas as ações geram duas energias específicas que estão na Ilaia.
As ações positivas geram energia llíaca positiva que é registrada no
Catka. As ações negativas geram energia llíaca negativa que também é
registrada, mas na haste Maila: Quando as cargas de energia llíaca no
Catka e na Maila são iguais, o Karma é inativo ou nulo. Quando há o
desequilíbrio entre as cargas, o Karma é ativo.
Quanto maior a diferença de energia entre as hastes mais fácil ou
difícil será o Karma.
O Karma é apenas um desequilíbrio energético entre a Maila e o
Catka.
Ao contrário de muitas linhas de pensamento, o Karma não gera
apenas sofrimento, mas, também, benefícios. O Karma ainda pode rami-
ficar-se em vários tipos de missão. A missão é um complemento Kármi­
co, a fim de que o indivíduo possa superar seus sofrimentos.

ATOS POSITIVOS E NEGATIVOS

Como saber quais são os atos positivos ou negativos?
Isto não é fácil, por ser muito relativo. Os atos positivos e negati­
vos são discriminados pelo seu próprio Ego. O que é correto para mim
pode ser incorreto para você e vice-versa. Tudo depende de nossa mo­
ral, da moral imposta pela sociedade e pela morai cósmica. Através da
análise destes três tipos de moral é que podemos determinar o que é
um ato positivo ou não.
Exemplificando, o assassinato é um ato que vai contra a moral
cósmica, atualmente contra a moral social e a individual, na maioria
dos casos. Logo, concluímos que o assassinato é um ato acentuadamen-
te negativo. Mas, sob outro ponto de vista, se o assassinato em uma
sociedade fosse considerado correto, em relação à moral individual
também fosse justo e, em relação à moral cósmica, errado, concluí­
mos que, para este caso específico, o assassinato deixaria de ser um
ato tão errôneo.

28

O que é positivo ou negativo somente o EU interior (Ego), deter­
minará e classificará. O Eu interior não erra jamais.
Todos os atos são classificados como negativos ou positivos pelo
Ego, através da média do padrão moral entre a moral cósmica, social
e individual. Mas sempre o que mais pesa é o padrão moral cósmico e o
individual. O social é um padrão secundário.
Para melhor entender o processo de classificação dos atos, to­
memos dois casos básicos:
1º Caso — Se o assassinato de um indivíduo por outro, devido a
causa honrosa, fosse ato justo socialmente, esta prática seria positiva.
Se o indivíduo que praticou esta justiça também considerasse o ato
correto, individualmente seria prática positiva. Mas, para a moral
cósmica, este ato será sempre negativo.
2º Caso — Se o assassinato de um indivíduo por outro, devido a
causa honrosa, fosse ato justo socialmente, este ato seria positivo. Se o
indivíduo que por força maior o praticou considerasse este ato errôneo,
em relação à moral individual, este seria ato negativo. Para a moral cós­
mica, este ato é negativo.
Para decidir no 1º ou no 2º caso se o assassinato é um ato nega­
tivo ou não, nas devidas circunstâncias, deve-se tomar a soma dos pesos
de cada moral, ou seja, da moral cósmica, individual e social.
Por hipótese, a moral cósmica tem peso 35. A moral individual
tem peso 35 e a social 30. Na prática, no primeiro caso: em relação à
moral social e individual o assassinato por causa honrosa é
ato positivo, logo a soma dos pesos 35 + 30 = 65. A moral cósmica
será 35. Como o peso da moral social e individual somam mais que a
cósmica, no 1º caso o assassinato será um ato positivo.

ESQUEMATICAMENTE:

Como o peso do ato caracterizado como positivo é maior do que o
peso considerado negativo, o Eu interior classificará o assassinato neste
caso como ato positivo. Logo, a energia llíaca energizará o Catka e
não energizará a Maila.
Na prática, o mesmo sistema ocorrerá no segundo caso.

29

30 . O peso moral pode variar. seus atos vão sendo classificados em positivos ou negativos. como o ato foi considerado pelo EU interior como negativo. A variação pode ser de 0 a 100. Neste caso. dando. Vamos supor que num indivíduo "X" a llaia percorra um ponto Kármico a cada segundo. Hipoteticamente. Negativo. Negativo. O DNA posterior será ativado apenas na sua próxima en­ carnação. Neste indivíduo "X". a cada segundo. Negativo e Posi­ tivo. ESQUEMATICAMENTE: (Soma-se os pesos de mesma característica). Positivo. desta vez. PROGRAMAÇÃO A programação é o segundo passo a ser processado. característica de ato negativo ao assassinato. a cada segundo a llaia percorre um ponto Kármi­ co. Posi­ tivo. após a classi­ ficação do ato que determinado indivíduo praticou. este Indivíduo comete um ato distinto. O tempo de vida de um in­ divíduo é uma coisa já pré-determinada. a energia ilíaca percorre as hastes CATKA e Mai­ la. Este tempo é contado desde que o óvulo é fecundado. Logo. a soma da moral cósmica + individual resultará em 70 con­ tra 30 da moral social. dependendo do ato do indivíduo. O DNA Kármico atual é nulo e está sendo programado o seu DNA posterior. logo não possui Karma ou programação an­ terior. Os seus atos foram classificados da seguinte forma: Negativo. A velocidade com que a energia ilíaca percorrerá cada ponto kármico dependerá do tempo de vida do indivíduo. Positivo. a energia llíaca energizará a Maila e não energizará o Catka. à medida que transcorre sua vida. Pomo já foi dito. Negativo. também. Este indivíduo tem vinte e um anos e é ini- ciátíco no reino humano. E.

Observando a tabela. foi registrado na Maila. concluímos que cada ato cometido foi registrado na devida coluna. vai-se processando a programação genética. no devido segundo. Deste modo. Vamos analisar o 1º nó Kármico: 31 . no 1º ponto Kármico (1º segundo) do 1º nó Kármico. O ato nº 1. classifi­ cado como negativo.

há um desequilíbrio. pois há dois nós Kármicos negativos contrapondo-se a um positivo. o código relativo aos 4 Nós anula-se. Segundo este esquema. forma-se um TATO nulo. O 3º nó Kármico será positivo. O 2º nó Kármico também será negativo. pois serão 2 Nós negativos contrapondo-se a 2 Nós posi­ tivos. Um Tato é a polaridade equivalente a 4 nós Kármicos. No gráfico anterior. poderíamos obter um Tato positivo. seus registros são apagados. o código relativo aos 4 nós Kármicos serão ativados como negativos. já o Tato negativo apaga os programas dos pontos Kármicos e a energia contida nestes pontos transfere-se para os nós Kármicos. Logo. 2 — Se o 4º nó Kármico for negativo. sendo o Tato nulo. fos­ se diferente. pois serão 3 nós Kármicos negativos contra um positivo. forma-se um Ta­ to negativo. Quando a llaia percorrer o 4º nó Kármico. Se a proporção de nós Kármicos. No 2º caso. dois fatos poderão ocorrer: 1 — Se o 4º nó Kármico for positivo. No 1º caso acima exposto. Como há dois pontos negativos contra um positivo. a llaia programa as nossas moléculas de DNA posteriores. classifica-se este Nó como negativo. A energia llíaca consumida na programação de cada ponto Kármi- 32 . positivos e negativos.

O assassinato gera milhões de unidades energéticas. LIMITE DE UM NÓ KÁRMICO Cada ação que praticamos possui um peso moral que pode variar de 0 a 100. Caso o número de nós Kármi­ cos de polaridades opostas fosse igual. como há maior número de nós Kár­ micos negativos. variando também de 0 a 100. muitas vezes. apesar de não passar de obrigação moral. O mesmo processo ocorre com o suicídio. com referência aos pontos Kármicos (P). o Tato seria nulo. GEN KÁRMICO COM UNICA POLARIDADE Como sabemos. todavia. ao mesmo tempo. Esta extrapolação do limite energético de um nó Kármico é ob­ servável nas programações e nas ativações de programas. não há transferência de energia para o nó Kármico. ativará centenas de programas negativos e anulará centenas de progra­ mas positivos. Geralmente. Quando possuímos Gen com maior número de nós Kármicos de . Há determinadas ações cuja energização extrapola o limite energé­ tico de um nó Kármico. mas dezenas de Nós. os atos negativos prolongam-se mais que os positi­ vos. Esta mesma variação determina o grau de energização de um nó Kármico que pode ser energízado em proporções mínimas ou máximas. já que um Nó só pode absorver 100 unidades energéticas. O assassinato pode ativar e programar nós Kármicos rela­ tivos ao número de Nós que a energia llíaca percorreria em alguns dias. Mas nunca saberemos se a ação será ou não prolongada positiva ou negativamente. utilizando o sistema de soma dos pesos da moral cósmica. então. de acordo com a polaridade dos seus pontos Kármicos. pois. Quando há apenas um ponto Kármico. tornando-se este positivo ou negati­ vo. Podemos apenas classificar os atos. gera alguns milhares de unida­ des energéticas positivas. A classificação e prolongação de uma ação é processo extremamen­ te complexo que podemos compreender apenas no seu mecanismo bási­ co. mas programará negativamente milhares de Nós e. como pode ser observado no Gráfico. não apenas um Nó. Na coluna A. individual e social. A energia relativa aos pontos Kármicos é transmitida ao seu respectivo Nó. Um único ato que gere milhares de unidades energéticas. os atos positivos não passam de obrigação mo­ ral.co só é transmitida ao nó Kármico quando são dois ou mais pontos Kármicos de mesma polaridade. É um único ato. um gen Kármico possui cerca de 900 mil nós Kár­ micos. o Tato será negativo. A ação de salvar uma vida. energizará.

O número influenciará na característica. temos um Gen negativo. também influenciará a disposição dos nós Kármicos no Gen. o sofrimento programado seria seis vezes maior. a característica positiva ou não atingirá somen­ te a coletividade ou sociedade. Mas a definição da característica dependerá do número de nós Kármicos positivos que o caracterizem. Por exemplo: um Tato negativo ativado gerará um sofrimen­ to X. Como é social. PESO INDIVIDUAL ZERO Se os pesos da moral cósmica e individual fossem iguais a zero e o peso da moral social fosse diferente de zero. Um Gen positivo pode originar desde a característica física perfei­ ta até alguma virtude ou algum dom. mas. no indivíduo que encarna corresponderá a defeito físico ou mental. Por exemplo: *Um carrasco incumbido de executar um condenado e indivíduo sem cultura. Tudo de­ penderá do somatório de pesos entre a moral cósmica. social e indi­ vidual. Daí. pode ocorrer ser o peso cósmico igual a zero. para o modo de programação do ponto Kármico. Mas. 34 . Caso este mesmo Tato possuísse um peso moral 60. Um ato pode ser classificado como negativo ou positivo. a importância do peso moral. tanto negati­ va como positiva. nem negativo. Por ele cometer este ato. temos um positivo. Tudo dependerá do número de nós Kármicos negativos que o constituem. Quando o Gen é negativo. já que não há peso moral.polaridade negativa. O peso moral pode ser igual a zero. mas o programa não terá nenhum valor. o indi­ vidual também zero. de peso exclusivamen­ te social. A beleza e o dom artístico são exemplos. O indivíduo receberá benefício ou sofrimento igual a zero. também. se tiver um peso moral 10. mas a ordem de dis­ posição dos Nós no Gen é mais importante. mas um pode ter peso 4 e o outro 40. O Tato ou nó Kármico será ativado. não haveria programa no seu DNA Kármico relativo ao ato cometido. sendo. que não podemos compreender ou decifrar. para que uma característica física seja definida. com alto nível de ignorância quanto à questão espiritual e respeito à vida alheia. Nesta ordem está cifrado o código Kármico. neste caso o ato não será nem positivo. VARIAÇÃO DO PESO MORAL O peso relativo a cada ação é importantíssimo não só para sua classificação em negativa ou positiva. ambos classificando o ato como neutro. e quando ocorre o inverso.

mas sim no Karma social. predominará somente o peso social. Consideremos. o carrasco pu­ desse ter evitado a execução. no caso um as­ sassinato. Negativo Positivo Positivo 50 40 (10 + 30) Sobreporia o peso cósmico. Na tabela. no mesmo caso. Geralmente. como negativo. Deste modo. programando o ato. pois são as leis desta civilização ou sociedade que determinaram que ele praticasse a ação. Se a moral social possui peso igual a 30 e positivo. por algum motivo. caso o peso da moral individual fos­ se diferente de ZERO. a sociedade que levou o carrasco a cometer o dito crime é que pagará o Karma negativo. O fato é puramente hipotético.portanto. No mesmo exemplo anterior. com peso 50. pois predomi­ nou o peso da moral cósmica. já que em seus nós Kármicos existem o esboço 35 . *NOTA: Como o carrasco fora incumbido de praticar a execução. O peso moral individual será relativamen­ te mínimo. PROCESSAMENTO DO PROGRAMA Em indivíduo possuidor de DNA Kármico atual programado seu pré-destino está traçado. e não por sua livre e expontânea vontade. esta pode ser extremamente social. entretan­ to. O peso da moral cósmica seria hipoteticamente 50. o indivíduo programaria um Karma a ser cumpri­ do. que em nada influirá no indivíduo. e o peso cósmico e social respectivamente com 50 (negativo) e 30 (positivo). abordado apenas em função de análise. teríamos: Moral Cósmica Individual Social Peso 50 10 30 Carac. a soma dos pesos igual a zero. classificando o ato como negativo. O mais freqüente é o peso individual não ser zero. Logo. mas poderia ser maior se. Obs: O caso de peso individual zero nunca ocorreu em nenhuma civilização. se o seu peso individual classificasse o ato positivamen­ te com peso 10. a classificação do ato em relação somente à sociedade. contra 30 de peso social. isto não ocorre. o ato será negativo. classi­ ficando o ato como positivo. refe­ rente à execução e com peso igual a 50.

A medida que a energia llíaca percorre os Nós. a fim de que fossem suficientes para o Eu interior processar este conjunto de Nós de forma tal que o indivíduo fosse aprisionado por um poli­ cial. desta forma. acidente. estes são ativados ou desativados. ativando mais Nós negativos. dependendo dos atos do indivíduo. No caso que estamos analisando. O processamento seria a análise da intensidade do Nó para poder efetuar o programa. O peso energético é a intensidade de positividade ou negatividade impressa no devido nó Kármico. este Nó poderia ficar em suspensão. supo­ mos que o Nó foi processado de modo que o indivíduo repentinamente sofresse uma dor de cabeça. como doença. o Eu interior o identi­ fica e o processa. Num exemplo simples podemos analisar esta questão: um Nó negativo de pouca intensidade é ativado. Outro caso: um indivíduo rou­ bou e ativou um nó Kármico com intensidade suficiente para que. No mesmo exemplo anterior. mágoa e outros. O seu Eu interior analisa o programa e pretende processá-lo de modo que um ladrão B o roube. ambos os Karmas não se complementam. seja positivo ou não. Durante o processamento do programa. seria: o ladrão A roubou de um indivíduo e. Na prática.dos fatos que se sucederão em sua vida. ativou um nó Kármico negativo muito intenso. Mas se o karma do ladrão B não lhe dá condições para isto. pois dependerá do processamento do programa e de sua integração com o karma do meio ambiente. o Eu interior pode plane­ jar o pagamento Kármico do Nó de forma X e esta não se complemen­ tar com o karma do meio ambiente. Devido a este fato o Eu Interior será obrigado a processar o programa de forma tal que o ladrão A sofra acidente de intensidade suficiente para que o karma relativo ao Nó ativado seja cumprido. as inten- sidades destes poderiam ser somadas com a do Nó em suspensão. o Eu interior poderia tê-lo processado de modo tal que ele so­ fresse um tombo e quebrasse a perna. Cada nó Kármico possui peso energético. um malefício ou benefício maior ou menor será proporcionado ao indivíduo. durante o processamento do Nó. seria necessária a complementação Kármi- 36 . assim. assim como sua intensidade. de acordo com sua intensidade. Caso o Nó não fosse suficiente­ mente intenso para tal. o Eu interior tivesse condição de fazer com que também fosse roubado. Para que isto ocorresse. o Eu interior terá que pro­ cessar o programa de forma Y. o Eu interior lhe daria castigo relativo à inten­ sidade do Nó. A forma de castigo. caso o Eu interior do indivfduo pretendesse processar o Nó negativo ativado de modo que a polícia o prendesse e se a intensidade do Nó não fosse suficientemente grande para isto. Quando o indivíduo A cometesse mais atos negativos. é muito variável. Caso o Nó possuísse intensidade negativa maior. O Eu interior é quem identifica a polaridade do Nó. Caso o Nó seja ativado.

mas puramente familiar e o indivíduo en- carnára em família que lhe dará grande amor e compreensão. mas ao invés de gerar sofrimen­ tos geram benefícios. geralmente congênitos. este gerará extre­ mos sofrimentos. Imaginem. As pos­ sibilidades são infinitas. fabulosos dons artísticos e outros. que pertence a Tato negativo. o Eu interior pode acumular as intensidades ou suspen­ der até 4 Tatos. Se os 4 Tatos negativos. Quando ocorre um indivíduo pagar o karma de 5 Ta­ tos (20 Nós) negativos. ou pro­ cessar o Tato integralmente. na programação genética o indivíduo poderá ter extre­ ma beleza. o indivíduo pagará estes Tatos ne­ gativos e encadeados com defeitos físicos equivalentes. ou seja. de um Tato. certamente o indivíduo não resistiria. e terminaria por de­ sencarnar. Mas esta suspensão só é possível em grupos de quatro Nós. para gerar sofrimento enorme. que são 16 Nós negativos. De modo geral. Quando temos um Nó negativo. quanto mais Nós negativos consecutivamente maior será o sofrimento. Para que isto não ocorra. Quando há o prolongamento do ato negativo.ca. de acordo com os objetivos do Eu interior. 37 . O policial teria que ativar nós Kármicos positivos. amenizando o sofrimento. salvo pessoas de extrema re­ sistência física e emocional. o que gerará sofrimentos amenos. aumentando muito o sofrimento. A suspensão kármica é útil para o processamento dos programas. Isto só é possível quan­ do há 4 Tatos negativos consecutivos. Em ca­ sos mais raros. EU NEGATIVO E POSITIVO Quando ativamos programa negativo. Outras vezes. o proces­ samento não é genético. os posi­ tivos também seguem as mesmas regras. Se estes Tatos fossem processados pelo Eu interior no transcor­ rer da vida. pois programará cadeias consecutivas de Tatos negati­ vos. Quando ativamos programa positivo. poderemos ter o proces­ samento de cada Nó individualmente. procurando nos fazer sofrer o máximo possível dentro das pos­ sibilidades relativas do programa. Do mesmo modo como se processam os Nós negativos. Quando são longas cadeias de Tatos positivos consecutivos. o Eu interior nos proporcio­ nará sofrimento relativo a este ato. mas o próprio Eu agirá como ini­ migo. então. nunca pagamos Tatos negativos numa cadeia de mais de 16 Nós. o Eu interior poderá processar cada Nó individualmente. não forem consecutivos. para que tivesse o merecimento de aprisionar o ladrão. o seu sofrimento será tão intenso que não sobre­ viverá ao processamento do seu programa. o suicida e o assassino que programaram cadeias inteiramente negativas de milhares de Tatos negativos de grande inten­ sidade. logo.

possui suas partes ne­ gativa e positiva. Se o Eu interior se tornasse nossa parte consciente pre­ maturamente. o julgamento do Eu interior em relação aos nossos atos. desde sua classificação até o processamento do programa relativo aos atos que cometemos. o equilíbrio cósmi­ co seria rompido. À medida que a llaia percorre os nós Kármicos programados na vi­ da anterior. alimentação inadequada e o próprio clima de tensão das gran­ des cidades. Mas não temos o que temer em relação ao processamento do programa. todos os sofrimentos programados nos nós Kármicos podem ser desativados. Na realidade. ele é duplo. antes posterior. Mas em 99% dos casos antecipa-se a desencarnação pela rápida deterioração do corpo físico. ATIVAÇÃO DO PROGRAMA A ativação do programa é feita na próxima encarnação. um antagonista do outro. o código genético permite um tempo de vida de até cento e cinqüenta e cinco anos. Para que esta perfeição seja mantida. Há ainda o DNA posterior para a próxima vida.o Eu interior age da forma mais benéfica possível. No estágio atual da humanidade. Dependendo dos seus atos. Fecundado o óvulo. enquanto possuísemos karma. desde o primeiro se­ gundo até o último. No DNA já está determinado todo o esquema de vida. Os principais fatores desta antecipação da desencarnação são os produtos químicos. Analisemos um Tato comple­ tamente negativo: 38 . O tempo de vida de cada indivíduo já está pre­ determinado. agora torna-se atual. o Karma atual é ativado. Na encarnação seguinte o DNA Kármico. é completamente perfeito. o Eu interior abriga-se nas partes mais profundas do es­ pírito humano. isto é. o indivíduo pode passar desde pequenos até enormes sofri­ mentos. Podemos somente antecipá-lo. assim como tudo no universo. Mas esta pré-determinação é variável em função dos atos e do livre arbítrio. A energia llíaca co­ meça a percorrer o 1º ponto Kármico do primeiro nó Kármico. o acaso passaria a existir e o universo entraria em caos. Não podemos alongá-lo. Tudo ocorre como se o Eu interior fosse dois indivíduos.

Se o indivíduo não praticou atos positivos. irá gerar sofrimento de pouca intensidade (Gráfico A). A energia ilíaca começa a percorrer o Catka e a Maila igualmente. quando a energia ilíaca atingir o 1º Ponto do 1º Nó na haste Catka. como existe nele um programa. Outra situação que poderia ocorrer: o indivíduo praticou 2 atos positivos e um negativo. tendo sido registrados dois pontos kármicos positivos e um negativo no mesmo Nó. Caso o indivíduo possua Tato negativo e não pratique atos positi­ vos. ad­ quiriu 3 pontos kármicos negativos no primeiro nó kármico. também estará no mesmo estágio na haste Maila. Como são 3 pontos kármicos negativos. A energia relativa aos 2 pontos kármicos positivos transferem-se para o Nó da haste Catka. é o mesmo ativado. a energia ilíaca fará registrar os atos negativos nos pontos kármicos da Maila. isto é. à medida que percorre os Nós. ativando-o. 39 . Como foi visto anteriormente. o nó kármico é energiza- do na haste Maila. Sendo este programa de apenas um Nó negativo. 2 ou 3 pontos kármicos de mesma polaridade num mesmo Nó ativam o programa ao transferir sua energia para este mesmo Nó. somente negativos.

o nó kármico programado negativamente é anu­ lado. O programado é derivado da última encarnação. O ativado é derivado dos atos da encarnação em curso. (Gráfico B) Expliquemos. ambos de polaridades opostas.Conseqüentemente. um por programação e o outro por ativação. o sofrimento programado é anulado graças aos atos que o indivíduo praticou na vida atual. só que este é programado e o da haste Catka é ativado. Neste caso. anulam-se. 40 . Como os dois Nós são energizados. o 1º nó kármico da haste Catka possui um oposto na haste Maila.

Todos os nós kármícos programados são potencialmente inativos. 1 — Nó Kármico negativo programado. RELAÇÃO ENTRE KARMA ATUAL E KARMA POSTERIOR Os atos negativos praticados são registrados no nó Kármico atual e no posterior. também. Ninguém pode assumi-los por nós. Os atos determinam nosso sofrimento. ge­ ralmente acarreta dificuldade ou barreira para o indivíduo voltado para o lado material (trabalho. ser beneficiado ou não. O indivíduo ao praticar atos negativos ativará este nó Kármico programado. São ativados quando atingidos pela energia ilíaca. Logo. na próxima encarnação. Existem milhões de opções para cada Nó. Por exemplo: uma dor de cabeça inexplicável e incurável. co­ mo. face ao Karma posterior. gerando um 41 . Quanto mais se ajudar ao próximo menos so­ frimento e maior evolução espiritual adquirimos. São desativados quan­ do os nós kármicos respectivos de polaridades opostas são ativados pe­ los nossos atos. com duas características: sofrer ou não. a prática de atos negativos gera a possibilidade de programação de sofrimentos no presente. A ativação de um Tato com 3 nós kármicos negativos. escola. Nós temos um pré-destino. face à variante relativa às unidades energéticas es­ tabelecidas para os mesmos. tanto por meios espirituais como físicos. finanças e outros). Um Tato com todos os nós kármicos negativos ativados acarreta sofrimento físico que tenderá a aumentar de intensidade. Mas as formas de processamento do programa são muito variáveis. devido ao Karma atual.

Há dois tipos de Karma nulo: Total e Relativo. Mas nunca encontramos todos os DNA nulos. o indivíduo não precisa mais encarnar no reino humano e pode passar para o reino planetário. há possibilidade de se obter Karma nulo. encontrar gens Kármicos completamente nulos. pois. Os atos cometidos em trecho Kármico nulo não programarão o DNA posterior. Pode-se. 2 — A ativação se dá ao transferir-se a energia dos pontos Kármi­ cos para o nó Kármico. Neste caso. não haveria programação alguma no Karma posterior. prova­ velmente extraterrestre. 42 . em estágio mais avançado do que o do nosso planeta. 4 — Os pontos Kármicos do Nó posterior programam o sofrimen­ to para a próxima encarnação. alguns nós Kármicos nulos. O Karma posterior relativo a este Nó seria nulo.sofrimento qualquer. assim ficará até que o indivíduo deixe o reino humano. Relativo é o dos indivíduos que possuem gens Kármicos nulos e suficientes para encarnar em outra civilização. tam­ bém são registrados no posterior. Ele passa ao estágio an­ gelical e em seguida penetra no reino planetário. estes se anulariam. Total é o dos indivíduos que possuem todos os seus DNA Kármi­ cos nulos. ou seja. A tendência natural é de aumentar cada vez mais o número de nós Kármi­ cos nulos. relativos a determi­ nada civilização. deixam a Terra e encarnam noutra civilização. proporcional aos seus atos. Quando se atinge Karma comple­ tamente nulo em relação à todos os DNA. Não haveria nó Kármico negativo nem positivo programado. como também DNA Kármicos completamente nulos o que é uma raridade. pa­ ra o próximo Nó não nulo (programado). 0 nó Kármico que se tornar nulo. O indivíduo possui Karma nulo em relação a uma civilização mas Karma não nulo em relação a civilização superior. ocorrerá o fenômeno de transferência de energia do ato relativa ao Nó nulo. 3 — Os pontos Kármicos energizados no nó Kármico atual. ao transferir sua energia para o respecti­ vo nó Kármico. Os indivíduos que obtiverem o número X de gens Kármicos nulos. se todos fossem anulados não haveria necessidade de encarnar-se. Todavia. nem para benefi­ ciá-lo ou prejudicá-lo relativamente àquele Nó. KARMA NULO Como foi visto no tópico anterior. Devido a esta anulação total do seu Karma não existe razão para o indivíduo reencarnar no reino humano. Nada ocorrerá. Este Karma nulo pode ser relativo a apenas pequeno trecho do gen Kármico. Se os atos negativos energízassem um nó Kármico e se em oposi­ ção houvesse um nó Kármico positivo programado. de outra dimensão.

Durante sua en­ carnação na Terra. assim. 43 . para se averiguar a verdadeira evo­ lução espiritual de cada indivíduo. de minha autoria. Quando aumentar o número de gens nulos o suficiente para en­ carnar em civilização superior à anterior. pois aqui se processa o grande teste e seleção. periodicamente este indivíduo deverá desencarnar desta civilização e encarnar na Terra. Mas. Mas esta vinda à Terra é fundamental a todos os seres. enquanto não anular os gens Kármicos neces­ sários. enquanto não adquirir número maior de gens nulos relativos à civilização em que estava encarnado antes de vir para a Terra. NOTA: O Processo de encarnação em civilizações superiores ficará mais claro. para anular mais rapidamente seu Karma e. este indivíduo deverá aumentar* o número de gens nulos. Este indivíduo poderá ficar preso ao planeta Terra por infinitas encarnações. não po­ derá encarnar em outro planeta. se associado âs informações do livro "As Dimensões e os Extraterrestres".Quanto mais evoluída é a civilização. Se es­ te indivíduo não aumentar o número de gens Kármicos nulos. maior o número de gens Kármicos nulos necessários para determinado indivíduo poder nela en­ carnar. como não possui Karma nulo total. poder encarnar em civili­ zação superior à que estava encarnado anteriormente. ele desencarna do planeta Ter­ ra e encarna nesta civilização com o Karma relativamente nulo.

Uma haste Catka e uma Maila com programa genético atual e uma Catka e uma Maila. para facilidade de estudo. BOTÃO ADITIVO O DNA Kármico físico é helicoidal e formado por duas hastes. Os dois DNA. o Catka e a Maila. denominada de BOTAO ADITIVO. atual e posterior. Na ilustração. são ligados por uma estrutura me­ nor que um gen Kármico. Ele é o portador do DNA Kármico atual. a ser programada para a pró­ xima encarnação. os gens Kármicos e a constituição 44 . Já o DNA Kármico do corpo astral é duplo. São 4 hastes duas paralelas com uma perpendicular a cada uma.

sendo que dois discos menores encaixam-se num semelhante. Na ilustração. esta estrutura genética apresenta-se de modo total­ mente diferente e muito complexo. Nestes casos. É mais semelhante à estrutura plasmática altamente ener- gizada e condensada. somente o Botão Aditivo apresenta-se como realmente é. As hastes Catka e Maila 45 .da cadeia da molécula de DNA é esquemática. possuem cor violeta clara e a estrutura em si é de cor branca aperolada. não líquida. É estrutura semi-sólida. Têm a função de unir as duas cadeias de DNA. cerca de 3 vezes mais volumoso. nas bordas e nas reentrâncias. São semelhantes a três discos ovalados. Alguns Botões têm bordas e reen­ trâncias verdes ou amarelas ao invés de violeta. Quando vista por meio do microscópio. BOTÃO ADITIVO As hastes que ligam o Botão às hastes Maila e Catka têm na extre­ midade energia amarela ou verde. Os discos. para que o Karma posterior seja programado. as extre­ midades das hastes tornam-se violeta luminosa.

As partes das hastes Catka e Maila não percorridas pela Haia permanecem brancas e seme­ lhantes à matéria plasmática do Botão Aditivo. Como sabemos.têm. O indivíduo apesar de ter desencarnado só se libertará do seu corpo físico quando o Botão Aditivo do seu último gen Kármico rom­ per-se. Esta luminosidade é derivada da energia llíaca percorrendo as hastes. 46 . Como é o último. respectivamente. passará a percorrer o B e quando ter­ minar de percorrer o gen B. o DNA atual. Lembremo-nos de que tudo isto se procéssa no organis­ mo astral. Paralelo e estes gens Kármicos estão os gens A' e B' posteriores unidos aos A e B atuais. através do Botão Aditivo. pois não há DNA Kármico posterior no corpo físico. o DNA Kármico posterior pouco a pouco destaca-se do DNA atual. já que para destacar- se seria necessário um gen Kármico após este. com excessão do último gen Kármico. Conseqüentemente. Por exemplo: temos um gen Kármico A e o seguinte é B. a energia llíaca percorre o DNA desde a fecunda­ ção do óvulo até o último segundo de nossa vida. o A atual e o A' posterior separam-se. luminosidade azul e vermelha. ele não se destaca. DESAGREGAÇÃO Cada gen Kármico percorrido pela energia llíaca libera-se do seu respectivo gen Kármico do DNA posterior. Quando a energia llíaca percorrer o gen A. Esta desunião se dá quando a energia llíaca termina de percor­ rer o gen Kármico seguinte. Desta forma. antes unido pelo Botão Aditivo.

que leva 15 a 60 dias* para que seu espírito liberte-se. esta pode le­ var alguns segundos. Cessando de fluir. o Botão Aditivo começa a dissolver-se. quanto melhor está o nosso equilíbrio físico e mental. * NOTA O período de 15 a 60 dias no plano físico poderá corresponder até a anos no piano astral. Quanto mais precipitamos a nossa desencarnação. Serão sete dias de sofrimento. Quando a dissolução é relativa e apenas um gen. Este é o fato que comprova o terrível sofrimento dos suicidas. Lo­ go. Geralmente. 47 . logo. Ela cessa de fluir por conseqüência da morte do corpo físico. Esta dissolução pode levar até sete dias. tratando-se de muitos gens Kármicos poste­ riores aderidos a seus gens atuais. Ele se romperá quando a energia llíaca cessar de fluir pelo DNA. todos nós desencarnamos antes da energia llíaca per­ correr todos os gens Kármicos e conseqüentemente muitos gens Kár- micos posteriores não se destacam de seus respectivos gens atuais. menos gens Kármicos restarão para serem destacados após a morte física. A energia llíaca fluir pelo DNA enquanto vivo. Quando há a liberação total do DNA poste­ rior do DNA atual o espírito e seus corpos astrais libertam-se do corpo físico. Mas. maior sofrimento. Logo. pois o processo é drástico. menos gens destaca­ dos. será necessária a dissolução dos Botoões Aditivos de todos os gens restantes. para completar-se e finalmente libertar o último gen Kármico posterior do seu gen Kármico atual. o processo de dissolução pode levar até sete dias.

3 ANULAÇÃO KÂRMICA . Cap.

51 . o próximo plane­ ta mais evoluído é Marte. a seqüência é a mesma. PLUTAO e JÚPITER. No segundo ciclo. Seguindo esta seqüência evolutiva. Cada planeta é habitado em duas dimensões: a Terra na 1ª e na 29ª Marte na 4ª e 31ª dimensão. ler o livro "As Dimensõ. São estágios de sutilidade da matéria. MERCÚRIO. NOTA: A nomenclatura dimensão não é relativa às dimensões: altura. NETUNO. do mais primitivo para o mais evoluído. Do nosso sistema solar. VÊNUS. URANO. OS ESTÁGIOS EVOLUTIVOS DO REINO HUMANO E O KARMA NULO Os seres humanos passam por vários estágios evolutivos relaciona­ do com o desenvolvimento tecnológico e espiritual. mas é mais adiantada do que a avançadíssima civilização jupiteriana do 1º ciclo. A vida está presente em todos os planetas. Para melhor esclarecimento. embora as dimensões sejam diferentes. Esta seqüência evolutiva é denominada de 1º ciclo. SATURNO. embora cada civiliza­ ção esteja numa dimensão diferente. MARTE. relacionada com a densidade atômica. comprimento e largura. de minha autoria. Depois da terra. teremos: TERRA. o planeta Terra é o mais primitivo no campo espiritual e tecnoló­ gico. No segundo ciclo a Terra é também o planeta mais atrasado em relação aos demais do mesmo ciclo.eseos Extraterrestres". Veja a tabela.

se quisesse encar­ nar em civilização mais avançada do que a marciana. um ser da 28ª dimensão pode encontrar-se conosco durante uma saída astral. Retornando ao problema Kármico. de outros pla­ netas e até mesmo de outras galáxias e universos. maior o núme­ ro de Gens Kármicos nulos é necessário para poder encarnar-se. Ca­ da civilização possuí maior ou menor número de gens Kármicos nulos. assim como os do planeta' Terra na 1ª dimensSo. eles não nos vêm nem nós os vemos. embora sejam de matéria muito mais sutil eles estão sujeitos ao processo de desencarnação. mesmo em estágio de sutilidade atômica tão alto. fora do corpo físico. A civiliza­ ção terrestre da 28ª dimensão é super-avançada. Os seres. independendo da dimensão física em que esteja o ser. Para termos uma noção maior sobre as demais civilizações em re­ lação ao número de gens Kármicos nulos. por exemplo. com seres da própria Terra. como estão em dimensões diferentes. apesar de que mesmo o plano astral possui diferentes dimensões. a mercuriana. ou seja. com excessão da Terra tem um padrão genético específico para suas civilizações. cada planeta. já que o plano astral é comum a todos. Este tipo de contato vem inten­ sificando-se cada vez mais. A úni­ ca coisa em comum entre as diversas civilizações do Universo e das diversas dimensões. vejamos a tabela: 52 . é o plano astral. Logo. Os seres terrestres da 28ª dimensão podem ter cidades no mesmo local de grandes cidades como São Paulo. Um indivíduo que quizesse encarnar em Marte teria que anular um número X de gens Kármicos. tam­ bém encarnam. O plano astral é o mesmo. teria que possuir um número 2X de gens Kármicos nulos. Quanto mais avançada e espiritualizada é a civilização. Este mesmo indivíduo. Os espíritos também ficam preso à matéria. para que civilizações de diferentes estágios evolutivos não se interfiram. Mas. O planeta mais evoluído do sistema solar nos dois ciclos é Jú­ piter. Há um isolamento dimensional.

Entre os estágios jupiteriano da 52ª di­ mensão e o angelical existe um intermediário. setecentos e cinqüenta mil gens Kármicos nulos.000 Gens. para poder depois encarnar em Netuno.000 — 315. superior a que estava antes de encarnar na Terra.000 + 65.000. onde todos os gens Kármicos do ser são nulos. o indivíduo anulará os seus últimos 100. Deste mes­ mo modo todos nós evoluímos. cada DNA Kármico possui um milhão oitocentos e cinqüenta mil gens Kármicos. Por exemplo. ele não deixará nosso planeta enquanto não obtiver o número de Gens nulos necessários e relativos à civilização A. Passa-se então para o estágio angelical.000 Gens nulos encarna na Terra para anular mais 65. Quando obtiver este núme­ ro. é relativa ao estágio luciferiano. Em Marte ele assimilará sua cultura e evolução espiritual e novamente desencarnará de Marte e irá novamente encarnar na Terra. Obtendo-se este número. Estes seres cultivam o ódio. no topo da hierarquia evolutiva do reino humano. Aqui. que possui civilização mais adiantada que a marciana. então. não é mais necessária a reencarnação.000 gens Kármicos nulos que é a sua meta (250. Mas há excessões em que o indivíduo luciferia­ no deve encarnar. Ao reencarnar na Terra na 1ª dimensão.000 para 285. falha e não aumenta suficientemente o número de Gens nulos. Esta diferença de 100. O PROCESSO O indivíduo iniciático. Em grande parte são encarnados. segue-se somente a fase luciferiana. Praticam o mal por vingança.000 Gens nulos. na 1ª dimensão. poderá desen­ carnar da Terra e reencarnar em Marte. encarnado na Terra.000 gens Kármicos nulos. será testado.000 gens Kármicos. No total. um mercuriano com 250.000). deixará nosso planeta e dimensão e reencarnará em Netuno. Um indivíduo jupiteriano pode atingir até um milhão.750. existem legiões de espíritos maléficos que não são luciferianos. Ele continuará encarnando na Terra enquanto não conseguir 315. Neste estágio. se superar os testes e conseguir anular mais Gens Karmicos. passando de 250. e o restante desencarna- 53 . assim que adquirir um Karma relativo a mais de 100. é o estágio característico dos indivíduos que pos­ suem um pouco menos de um milhão. setecentos e cinqüenta mil gens Kármicos nulos. Os seres da 52ª dimensão já começam a adquirir carac­ terísticas luciferianas. adquirindo mais de 200. que é denominado estado luciferiano. Quando o indivíduo está na Terra com um número X de Gens Kármicos nulos e não consegue na mesma encar­ nação anular o número de Gens suficientes para encarnar em uma ci­ vilização A. Por outro lado. Um indivíduo da 52ª dimensão pode atingir até 1.000 gens Kármicos nulos. cerca de 55%.000 gens Kármicos não nulos. desencarnará daqui e encarnará em Mer­ cúrio.

os vingativos. Somente os desequilibrados se prejudicam. Quando encarnam. Eles testarão os indivíduos. Gerarão o sofrimento. ajudando-os a cumprir seu Karma mais rapi­ damente. Neste estado físico e mental deficiente um indivíduo menos evoluído sofreria. atuando no astral. vem a confusão dos luciferianos com os vin­ gativos e cultivadores do ódio. Logo. e conseqüentemente programarão Karma posterior. Eles anularão os gens sem encarnar. os luciferianos utilizam os espíritos vingativos para testar um missionário. A maioria dos seus atos serão negativos. o número de Gens Kármicos nulos aumentará consideravelmente. ANULAÇÃO TOTAL DO KARMA Anular todo o programa Kármico genético atual e posterior só é possível através da total prática de atos positivos em encarnações suces­ sivas. mas estes serão mínimos. pois a atua­ ção dos luciferianos começa através da infiltração em nossos pensa­ mentos. talvez não precisem mais encarnar para completar o número de Gens Kármicos nulos. Os pensamentos também devem ser policiados. Eles testarão a família em que en­ carnou. Os mais comuns são os mongolóides. isto é. mas sendo indivíduo extremamente evoluído não há sofrimen­ to.dos. ao desencarnarem. Então. independente de sua vontade. Apesar de adquirirem Karma posterior. Se nos desequilibramos. o que fará com que os programas positivos anulem-se. Muitas vezes. um missionário deve manter-se equilibrado. Se perma­ necemos equilibrados. os indivíduos sem braços ou pernas ou totalmente paralíticos. praticam atos negativos de forma passiva. O LUCIFERIANO ENCARNADO Muitos luciferianos estão encarnados. é necessário que o luciferiano venha sob esta condição para não cometer atos positivos. pois não passará de ilusão. Eles poderão cometer atos positivos. 54 . Isto ocorre diaria­ mente com todos nós. nos atingem. vem a tentação derivada da influência mental e conseqüentemente o desequilíbrio. Co­ metendo atos positivos. para que sua missão não seja dificultada ca­ da vez mais. Através deste sofrimento os indivíduos que fazem parte da família deste luciferiano encarnado pagarão Karma específico e ainda terão que cumprir a missão de cuidar deste ser defi­ ciente físico-mentalmente. Daí. dentro de regras específicas. e luciferianos não podem nos atin­ gir. estes poderão beneficiá-lo. Após esta fase.

facilitando o cumpri­ mento do seu Karma. está sendo programado o Tato poste­ rior. conseguindo. a missão torna-se mais fácil na encarnação seguinte. desativar os três programas negativos e ainda ativar o Nó Kármico positivo. Para que este indivíduo possa anular os programas 55 . O indivíduo portador deste Karma só pratica atos positivos. O Karma posterior só possui um Nó programado positivamente e 3 desativados. Se todos os Tatos do indivíduo forem constituídos por Nós Kármi­ cos positivos ou nulos. que denominamos de Karma Luciferiano. Quanto mais se pratica atos positivos mais fácil vai-se tornando o Karma e o transcorrer da vida. Este Tato possui 3 Nós Kár­ micos negativos e um positivo. Paralelamente ao Tato atual. assim. Tomemos para análise um Tato atual. O Tato posterior ficará com 3 nós Kármicos nulos e um programa­ do positivamente. surge um caso especial. Adquirindo-se Tatos puramente positivos.

Os tentadores não se prejudicam ao co- menter estes atos. pois foi programa­ do um Nó Kármico posterior como conseqüência do seu ato positivo. terá que praticar atos negativos. Este indivíduo. Este indivíduo é ser extremamente evoluído. pelo contrário. Tomemos cuidado para não confundir estes seres com outros malé­ ficos. pois este seria anula­ do devido à presença de Nós Kármicos positivos. devido ao fato de possuir Karma positivo ou Karma missão. Caso fosse negativo. Não estão errados. São os tentadores. é sinal que o ser luciferiano praticou um ato positi­ vo. mas também não estão certos. não haveria programa futuro. ao praticar o ato. Anulam seu Karma. Os luciferianos correm o risco de adquirir Karma. Graças a esses tentadores é que os seres mais avança­ dos espiritualmente podem evoluir. Eles só possuem Nós Kármicos positivos e neutros. ganham muito. logo. es­ tes programas são ativados apenas mediante a prática de atos positivos. como formas mentais negativas. passará a ser discípulo de Lúcifer. não passa de um ser de nível quase angelical que adquiriu Karma extremamen­ te positivo. Poderá encarnar ou não. Deverá praticar atos negativos para que possa anular os Nós positivos. inimigos encarnados e desencarnados. ativa-os. A ativação poderá ser de um Nó Kármico programa­ do. Se isto ocorrer.positivos. Lembremos que Jesus foi tentado para poder evoluir plenamente. À medida que a energia llíaca percor­ re os Nós. obssessores. simbolicamente. como sabemos. adquiriu Karma. Esta situação Kármica é pouco aceita pelos humanos. pois julgam que este missionário é criatura altamente maléfi­ ca. Os Luciferianos são espíritos. 56 . já que só há programas positivos em seu DNA e. "o príncipe das trevas". preparando-se para deixar o reino huma­ no. Lúcifer. O papel do indiví­ duo Luciferiano é de impedir que os seres encarnados pratiquem o bem. para eliminar seus Nós positivos.

preparando-se para deixar o estado humano e adqui­ rirem corpo angelical. Mas como ativou o Nó programado da haste Catka. A constante prática de atos negativos é o meio mais seguro dos luciferianos anularem seus programas positivos. mas todo o mal que os luciferianos fazem são para o nosso bem. e ao mesmo tempo evoluirem. para dificultar-nos o cumprimento da missão. pois não podem agir livremente. Os luciferianos dificilmente praticarão atos positivos. não há o ódio. a prática de atos negativos não trazem nenhuma conse­ qüência maléfica para eles. ele não adquiriria nenhum Karma. então. Tudo que fazem é para ajudar-nos a evoluir. Caso pratiquem atos negativos. ou seja. pois. Pode-se apenas precisar quando a energia llíaca estará percorrendo determinado Gen Kármico. Pode parecer contraditório e iló­ gico. Caso este mesmo indivíduo houvesse prati­ cado este ato positivo no momento em que a energia llíaca estivesse percorrendo um Nó Kármico nulo. quando a energia llíaca não estiver percorrendo Npo positivo. No esquema está a situação anterior. prati­ carão constantemente atos negativos. são censurados e seus poderes limitados pelos seres angelicais. certamente a energia estará percorrendo nós nulos. Noventa por cento dos lucife­ rianos não encarnam. trabalham no plano astral. Estando neste plano. pois não po­ dem correr o risco de adquirir Karma posterior. para poder desativar os Nós posi­ tivos. pois não ativaria nem desativaria nada. vem a origem dos demônios. o indi­ víduo deveria ter praticado um ato negativo. logo. Concluímos. testando-nos e colocando obstáculos quando necessários. sem adquirir Karma posterior. através da superação das tentações. atos negativos. nem negativo nem positivo. Esses seres luciferianos formam verdadeiras le­ giões. Seguem regras. No momento que atingiu o Nó Y. Por outro lado. que só com a constante prática de atos negativos é que se poderá eliminar todos os Nós programados positiva­ mente. A energia llíaca está percor­ rendo a haste Catka e a Maiia. são es­ píritos de grande evolução espiritual. O ESTAGIO ANGELICAL Denomina-se estágio angelical aquele em que o indivíduo anulou 57 . Os demônios são espíritos de al­ to nível evolutivo. pois praticando este ato negativo ativaria o Nó Kármico da Maila. Conseqüentemente não adquiri­ ria Karma posterior relativo ao Nó nulo. como sabemos. desativando o Nó. Logo. Daí. Apesar de só praticarem o mal. Não é possível determinar com precisão o momento exato em que a energia llíaca estará percorrendo Nó Kármico positivo. terá que reencarnar para poder desativar este Nó posterior. também ativou o Nó Kármico da haste Catka do DNA posterior. atuam mais facilmente em nós.

que é a pró­ pria síntese das consciências individuais deste determinado grupo angéli­ co. um deles aí permanecerá até que sua outra metade ou polari­ dade atinja o mesmo estágio. São indivíduos puros. Como já foi visto. ambos começam a adquirir características se­ melhantes. Se sua polaridade estiver encarnada num planeta evoluído. Os anjos n3o têm aspecto masculino nem feminino. Se sua alma gê­ mea estiver em Saturno. iniciando novo estágio evolutivo. Inicialmente. este anjo passará auxiliar a humanidade de Sa­ turno. Ao deixar o estágio luciferiano e passar para o angelical. as características físicas referem-se ao aspec­ to). a assexualidade passa a ser androgenia e essa característica o destacará dos demais indivíduos do pleneta. Quando o anjo une-se à sua polaridade oposta. Isto é necessário para que as duas polarida­ des unam-se. origina-se a mente superior que orienta esta falange de anjos. ambos deixam o reino humano e penetram no reino planetário. a centelha divina se dividira em dois espíritos. Júpiter por exemplo. Este estágio é necessário para que as almas gêmeas se encontrem. Cada grupo angélico é orientado por mente superior. Sempre a androgenia é sinal de aproximação da polaridade oposta de um indiví­ duo. formando a centelha original. mais difícil é a percepção de sua polaridade através das características físicas (não estando encarnado. Se num planeta mui­ to atrasado como a Terra.todo o seu Karma. um com polaridade positiva e outro negativa. Como não possui Karma não é mais necessária sua encarnação no reino humano. Quanto mais próximo está o anjo de sua polaridade oposta. O período angelical pode durar até dois mil anos. terá características quase assexuadas. É o estado de evo­ lução máxima no reino humano. PROGRAMA POSITIVO (HASTE CATKA) Quando se tem um programa positivo o processo de ativação tam­ bém é conseqüência dos próprios atos. dependendo do ser. cada espírito masculino possui um ponto em comum com sua polaridade oposta. após o estágio luciferiano. o anjo passa­ rá a orientar a humanidade em que está sua alma gêmea. Durante o período de espera. um deles evoluirá mais rápido que o outro. o masculino vai adquirindo caracterís­ ticas femininas e vice-versa. A princípio. A medida que a sintonia entre as polaridades vai-se acentuando. Analisemos este Nó com programa positivo: 58 . Como sua al­ ma gêmea está próxima. Desta síntese. seguin­ do cada qual trilha evolutiva diferente.

Como são mais de 2 pontos Kármicos de mes­ ma polaridade. Neste caso. no programa posterior não se registra nada. 59 . A energia Ilíaca percorre as hastes. Se o segundo ato e o terceiro também forem negativos. estes energizam o respectivo nó Kármico. en­ tão. Supondo que o ato foi classificado como negativo. dependendo da classifi­ cação do ato. ativa-se o nó Kármico da haste Maila. praticar atos negativos. estes serão anulados. anulando então o nó Kármico programado na haste Catka. atingindo o primeiro ponto Kármico energiza-o negativa ou positivamente. acarretando progra­ mação positiva na encarnação presente. Como os atos negativos foram anulados pelo programa positivo. será energizado o 1º ponto Kármico da Maila. Concluímos que se um indivíduo que pra­ ticou muitos atos positivos na encarnação passada. serão energizados todos os pontos Kármicos da haste Maila.

o processo seria o mesmo do item anterior. 60 . de alguma forma o indivíduo é favorecido. 3 — O nó Kármico programado é ativado e o seu oposto permane­ ce inativo. foram energizados 3 pontos Kármi­ cos como positivos. dar-se-ia preferência á polaridade de maior número de Pontos Logo. Analisemos o mesmo nó Kármico anterior. logo. Quando é ativado um Nó positivo. 2 — Se o indivíduo só praticou atos positivos no período de tempo relativo a um nó Kármico. estes transferem sua energia para o respectivo Nó programado posit ivamente. tendo o indivíduo pra­ ticado atos positivos: 1 — A energia llíaca começa a percorrer as hastes. como são mais de 2 pontos de mesma pola­ ridade. 4 — Caso fossem 2 pontos Kármicos de mesma polaridade e um de polaridade diferente.

4 MISSÃO E COMPLEMENTAÇÃO KÁRMICA . Cap.

através de métodos especiais e aparatos espirituais. Tome­ mos para exemplo o caso do indivíduo que possui Karma muito pesa­ do em relação ao sofrimento que está programado. Este assunto. Geralmente todos possuímos missão programada. facilitando a anulação dos gens Kármicos que nos permite deixar a Terra e encarnar em civilizações ex­ traterrestres mais avançadas. espiritual) e sentimentos que devem ser equilibrados. o indivíduo assu­ me uma missão terrena programada: a de cuidar de menores desampa­ rados por um período de anos. A missão cósmica é obrigatória a todos os seres. Diversas entidades espirituais são convocadas para se tornarem 63 . obti­ da pelo aprimoramento de nossos atos. antes de encarnar. Devemos simples­ mente evoluir. Assim. Existem dois tipos básicos de missão: a Cósmica ou Real e a Terre­ na ou Artificial. adquirimos missão a cumprir. Para que isto possa ser evitado. astral. Esta missão deve ser iniciada ao com­ pletar vinte nove anos. através da perfeição. É necessário que a missão seja iniciada num cer­ to período antes do momento X em que o Karma do acidente será co­ brado. É necessária a missão quando possuímos muitos programas negativos. Isto muito facilitaria a anulação do Karma. a missão terrena é uma ilu­ são. A missão terrena é um artifício para podermos superar mais facilmente os programas Kármicos. A missão programada é predeterminada no plano astral. seis meses e dois dias. corpos (físico. A missão terrena ou artificial subdivide-se em duas: Programada e Espontânea. se cumpríssemos o que nos foi predestinado. Por outro lado. pois nossa missão real é apenas evoluir para atingir a perfeição. para que o sofrimento programado seja amenizado. â me­ dida que for sendo desdobrado pedirá melhor explanação sobre os atos em relação à Missão. buscando o retorno à origem. No seu DNA está predeterminado um acidente automobilístico ao completar trinta anos. A MISSÃO O estudo Kármico feito até este ponto demonstrou a importância fundamental de nossos atos a cada segundo da vida. antes que o espí­ rito encarne.

Concluímos. Após muitos esforços. pouco a pouco. para se evitar sofrimentos. ele se sensibiliza pelos desamparados e inicia a missão. através do cumprimento de sua missão. seis meses e dois dias o acidente é evitado. então. Como a missão gera atos puramente positivos. Sua vida torna-se cada dia mais difícii e pro­ blemas de saúde incuráveis repentinamente o atingem. no caso poderia ser a ajuda aos velhos. além de evitarmos a prática de atos negativos. o seu Karma posterior é programado com apenas Nós positivos. ou seja. Seus guias con­ tinuam a batalhar pelo seu retorno â sua trilha missionária. Ele resiste às tentações e prossegue em seu trabalho. deste ponto em diante estará executando missão espontânea. para direcioná-lo na ajuda de me­ nores desamparados. O trabalho dos guias continua. Meses depois as tentações o desviam de sua missão. Ainda há muitos programas negativos que deveriam ser desativados. Estes guias devem direcioná-lo de qualquer maneira. com sofrimentos moderados. Ao obte­ rem o retorno. São lançadas em sua mente intuíções relativas à missão. os nós Kármicos negativos são anulados e os positivos ativados. missão não prede­ terminada. enquanto o indivíduo estiver cumprindo a missão. devemos procurar executar na me­ dida do possível a missão espontânea como complemento. Quanto mais nos dedicamos à missão terrena. Note-se que a missão espontânea não é o prolonga­ mento da missão programada. Se completar a missão e continuar a cuidar dos menores desamparados. Com trinta anos. A missão expontânea. sua programação Kármíca negativa começa a ser ativada e. A encarnação processa-se. mas tudo é dificultado pelo seu livre arbítrio. acarretando be- nefícíos e evitando sofrimentos. as dificuldades financeiras e de problemas de saúde co­ meçam a ser amenizados até que tudo volte ao normal. Como tudo foi estacionado e não praticou atos positivos. Os dias vão-se es­ coando e. Aju­ dando-o paralelamente estão os guias e dificultando tudo estão os lu- ciferianos.guias missionários deste indivíduo. caso ele não inicie sua missão antes do dia da cobrança Kár- mica. que a missão programada e parcialmente a es­ pontânea nada mais são do que o desvio da haste Maila (programa nega­ tivo). Como nunca sabemos ao certo quando termina nossa missão pro­ gramada. menor a probabilidade de cometermos atos negativos. o trabalho espiritual e outros que não necessaria­ mente o amparo aos menores abandonados. Trabalham no plano invisível (astral). A missão que cumprir agora só trará benefícios para sua vida atual e posterior. as entidades incumbidas de ajudá-lo se aproximam. Ele as ignora. Através da missão desviamos o sofrimento pela prática dos atos positivos. Nós só temos a ganhar. começa a sofrer. o acidente ocorrerá. 64 . Sua vida transcorre normalmente. Ao completar vinte nove anos. Paralelamente.

Todos os Karmas complementam-se em harmonia. Este fato ocorre com freqüência. Estes possuem a missão cósmica negativa de evoluir. algumas vezes tam­ bém sofrem. gerando o Karma coletivo. por ventura. ou seja. embora estes indivíduos possuam missão negativa. Alerto que. Estas excessões são os deficientes mentais. pois geram sofrimento em quem está à sua volta. aos demônios. mas através de tentações e sofrimentos. e não devem ser condenados. concluímos que a missão espontânea é complementar à cósmica. A missão até agora vista tem o intuito de gerar atos positivos. o que acarreta a perda da sua proteção. A tentação sempre gera sofrimento. O cumprimento integral da missão dá-nos quase a certeza de que nossa próxima encarnação não será na Terra e. o indivíduo do caso anterior fosse assassinado sem completar sua missão. O sofrimento é sentimento classifi­ cado como puramente negativo quando induzido. porém acarreta a evo­ lução espiritual. Este caso é excepcional. Percebemos logo que é a missão relativa aos luciferianos ou mais grosseiramente. o indivíduo recebe proteção adequada. ajudando o próximo a evoluir. mas há excessões. sim. Mas a missão cósmica pede o complemento da missão espontânea. já que esta última é a busca do aprimoramen­ to. logica­ mente há determinado tipo de missão negativa. da perfeição através da evolução em todos os aspectos posi­ tivos do ser. Há ape­ nas a missão cósmica. em civilização extra- terrena. MISSÃO NEGATIVA Como tudo no universo é duplo e possui polaridade oposta. A missão tem o carácter oposto de gerar apenas atos negativos. MISSÃO INTERROMPIDA Se. quando indivíduo é tentado e se deixa levar por espírito luciferiano. teria que voltar a reencarnar para cumprir a mis­ são incompleta. Nas civilizações superiores não há missão programada. Seguindo a filosofia cósmica que "so evolui quem ajuda o próximo a evoluir”. Embora a missão terrena seja um desvio do sofrimento Kármico. Eles estão apenas cumprindo missão e ajudando os familiares a pagarem seu Karma. pois quando se está cumprindo a missão devidamente. 65 . mesmo quando ignorada e superada. Este tipo de missão é sempre executado pelo ser quan­ do desencarnado. a missão em si exige abnegação e gera sofrimento ameno.

extragaláticos e até mesmo extrauniver- sais. é mais vantajoso cumprir missão quando encarnado do que desencarnado. difi­ cilmente a cumprimos. para outros. Entendamos. no astral. Em relação ás civilizações mais avançadas. Quanto mais evo­ luída é a civilização. Este bloqueio coloca em ris­ co a missão do indivíduo. que pode ser mais facilmente desviado. espiritual e tecnologicamente. Exemplificando: de­ terminada missão que o desencarnado cumpriria em cinco anos. que a en­ carnação é fundamental â evolução de todos os espíritos de todos os reinos. Este caso refere-se à indivíduos que possuem pe­ quena missão interrompida. desencarna. Para as mais avançadas. maior a responsabilidade e sua missão estende-se além dos limites de seu orbe. estamos diante do Karma comple­ mentar. pois supomos muitas vezes que a ajuda ao próximo em nada nos auxilia. ou guia espiritual. Estes guias recebem missões específicas de auxílio para com­ plementar sua missão. Se considerarmos o risco. Há a missão Kármica antes da encarnação. Ele a completará. estando prestes a completar sua missão programada. A evo­ lução é corrida contra o tempo e necessita da encarnação. É a missão. e que a evolução é corrida contra o tempo. Este é caso muito comum. de auxílio aos desencarnados e encarnados sofredores. para amenizar o Karma que o indivíduo se submeterá ao reencarnar. Não encara este fato como nós. a missão cósmica de auxiliar o próximo esten­ de-se ao vizinho e. através do auxílio ao próximo. Os extraterrenos evo­ luídos duplamente. pois ao encarnarmos há o bloqueio da consciência. Somos levados a ver a vida e a 66 . Mais uma vez. teríamos que fazer análise mais profunda da Cosmogênese e da Evolução Divina. sob prisma obri­ gatório. A vantagem está em função do tempo. estende-se além da sua galáxia e. é mais vantajoso cumprir determinada missão no estado astral. PROLONGACÃO DA MISSÃO APÔS O DESENCARNE Um indivíduo que por razão qualquer. além do seu universo. Todavia. realmente encarnam a evolução individual. Mesmo assim. pode completá-la no plano astral. Ela não se estende apenas ao seu respectivo globo. Para compreendermos o verda­ deiro motivo da encarnação. pode ser cumprida em pouco menos de um ano quando encarnado. Assim. por ora. tornando-se auxiliar invisí­ vel. A MISSÃO EXTRATERRESTRE Para nós terráqueos. no máximo. mas aos vizinhos extrasolares. o principal motivo da encarnação é outro. ao próprio planeta. a missão cósmica real­ mente é cósmica. Tudo depende do nível tecnológico e espiritual.

mas pode falhar. poderá encarnar em civi­ lização superior à que estava. terá que gerar alegrias à família. Esta lei é respeitada rigo­ rosamente por todos os seres espiritualizados. auxiliando-nos dentro das limitações cósmi­ cas. para não desrespeitar a ética universal. um indivíduo com 98. eles en­ carnam na Terra. quando a Ilaia percorrer um nó Kármico positivo. obrigatoriamente terá que desencarnar 67 . o indiví­ duo desencarna. senão estariam interferindo em nosso livre arbítrio. MISSÃO RÃPIDA A Missão Rápida é caso especial. encarna-se sob a forma passiva (2). mas é exclusivo para casos de complementação Kármica. se cumprir sua missão. Co­ mo são 2. Este é o método mais usado por todos os seres. supomos. desativando assim o Nó. Durante estes três anos. tendo que encarnar outra vez para anular o número de gens que lhe faltava.000 gens Kármicos nulos por cro- mossosmos. Relembrando. Caso encarne. Para evitar isto. para interferir. Os extraterrestres estão aqui conosco desde a origem do nosso planeta. em que o indivíduo anula número X de gens Kármicos. ajudando o planeta a evoluir. Caso seu número de gens Kármicos nulos não aumente o suficiente.000 gens Kármicos nulos (1). Ao adquirir o número desejado de gens Kármicos nulos. então. a fim de anular este Nó. A missão rápida é método extremamente seguro. com o auxílio dos seus irmãos ex­ traterrestres. Por outro lado. a fim de que o indi­ víduo possa deixar nosso planeta e encarnar em outro.000 gens Kármicos que terá de anular. pois sua interferência não pode nos influenciar diretamente. Desta forma. embora sua grande evolução espiritual. Quando é necessária in­ terferência mais efetiva. Por exemplo. para complementação Kármica. em determinada civilização.evolução sob novo ângulo. Quando percorrer um nó Kármico negativo. então. Para que possa encarnar em Marte são necessários um nú­ mero mínimo de 100.000 gens Kármicos nulos. antes de encarnar na Terra. terá que gerar sofrimento para a família. correrá o risco de ficar preso ao planeta. ficando. poderá ser mais desbloqueado e semear nova tecnologia e nova filosofia. Chamamos de complementação Kármica as missões ligeiras com o obje­ tivo de anular número pequeno de gens Kármicos. que após seu nascimento viva três anos. o extraterrestre preso ao planeta pelas leis Kármicas. logo faltam-lhe 2. ficam muito bloqueados. não poderá deixar a Terra. Este método não infrin­ ge a lei de livre arbítrio ou de interferência direta no curso evolutivo de determinada civilização. Todavia. sem prejudicar.

quando os atos são involuntários podem ser con­ siderados negativos ou não. Nota (1) — Rever o tópico relativo aos estágios evolutivos do reino hu­ mano. No primeiro caso. Desencarnando. podera encarnar em Mar­ te. ou seja. individual e social. o indivíduo pa­ ga seu Karma complementar mesmo sem nascer. em que os atos são involuntários e programados. Pode-se programar o ato que gera sofrimento para que seja negativo ou neutro. É muito freqüente as missões íntra-uterinas. A classificação do sofrimento depende também do somatório dos pesos da moral cósmica. mas nunca posi- 68 . SOFRIMENTO O ato de um indivíduo gerar sofrimento a outros sempre é negati­ vo. através do Karma familiar. anulou seu Karma pela geração de alegrias e sofrimentos para seus pais. Veremos estes casos mais detalhadamente tópicos á frente. Quando desencarna. através de atos inconscientes. pois impediu que um missionário completasse sua missão. Neste caso.ao completar 3 anos de vida. a desencarnação processou-se através do aborto natural ou do provocado. atra­ vés do Karma familiar. Nota (2) — Forma passiva é o meio do indivíduo cometer atos positivos ou negativos de forma involuntária e indiretamente. PERÍODO PASSIVO Para a espiritualidade. isto é. Como vimos. mas previamente progra­ mados. vem a tristeza e o remorso. O método mais versátil de determinar a classificação de nossos atos é através do período passivo. o estágio de zero a três anos. entretanto. salvo algumas excessões. a mãe adquire Karma negativo mui­ to acentuado. o indivíduo sob estágio infantil de menos de 3 anos. Por exemplo: enquanto se desenvolve no útero gera alegrias ou tristezas para sua mãe. o período desde a fecundação do óvulo até a idade de 3 anos é considerado idade passavia. dependendo do estado emocional e espiri­ tual do indivíduo. logo. Não temos o direito de gerar sofrimento a ninguém. do aborto natural. No segundo caso. é sinal evidente de que o indivíduo completou sua missão rápida. É o período para mis­ sões rápidas em que o indivíduo anulará seu Karma complementar. A missão rápida também é método utilizado freqüentemente pelos índivfduos lucíferíanos.

Quando for necessário praticá-lo. Nunca devemos nos arrepender de nossos atos. gerar sofrimento será neutro e até mesmo positivo. Esta versatilidade só é possível no caso da missão passiva ou da desencarnação. somente gera­ rá auto-sofrimento e sutilmente o masoquismo. não anulará nem ativará nenhum programa. O arre­ pendimento não remediará o ato cometido erroneamente. Este ato poderá ser classifi­ cado como negativo ou nulo. Devemos simplesmente aprender com os atos errôneos que cometemos e nunca nos arrependemos de tê-los cometido. o ato poderia ser puramente negativo para você. Quando neutro. O Eu interior considera o arrependimento de um ato. Sem a superação e análise individual do ato co­ metido. predetermina-se que este ato seja nulo. gerando so­ frimento para seus pais. logo. ARREPENDIMENTO Assim como o sofrimento gerado por nós ao próximo é ação nega­ tiva. Antes. Se você não fizer o que pede seu sofrimento conti­ nuará. deve tomar consciência do ato para aprender com ele. e não podendo ser negativo. Caso desse seus olhos. 69 . geramos ou­ tro negativo. o arrependimento é da mesma forma negativo. Se pessoas alheias ao ato que cometemos nos induz ao remorso e ao ex­ tremo sentimento de culpa. O arrependimento não leva a nada.tivo. Por exemplo: a criança recém-nascida que desencarna. tanto o arrependi­ mento induzido a outrem quanto a nós próprios. você estará gerando sofrimento ao próximo. positivo. A moral cósmica sempre considera negati­ vo o arrependimento de um ato. A moral social atual considera o arre­ pendimento de um ato. não energizará o DNA Kár­ mico. na maioria das vezes. logo. relativamente negativo. nosso Eu interior não considerará este re­ morso como negativo. nunca o indivíduo poderá realmente evitar fazê-lo. O Eu interior pode con­ siderar o arrependimento de um ato. ativará programas nega­ tivos ou anulará positivos. Outra excessâo do sofrimento que pode ser neutro e até mesmo positivo é o de se recusar a realizar o desejo de um indivíduo. Quando negativo. sê-lo-á programado para tal. quando nos é induzido. Por exem­ plo: uma pessoa pede a você que dê seus olhos para que possa enxergar e deixar de sofrer. Quando o ato de gerar sofrimento tiver necessidade de ser negativo. já que poderia ativar programas negativos. e não simplesmente arrepender-se. ne­ gativo. produz ato passivo. Mas. Tudo depende­ rá da necessidade Kármica do indivíduo missionário. neste ca­ so. Quando cometemos ato negativo e nos arrependemos.

é o proces­ so de desacoplamento dos corpos astrais e espiritual do corpo físico. Isto não quer dizer que o prazer é uma coisa negativa. das enfermidades. Mas. o indivíduo emite vibrações densas que podem impregnar um recinto com cargas negativas. ou seja. através da alimentação inadequada. Com a ativação dos programas positivos geralmente vem o prazer e. caso conservemos nossos corpos físicos adequa­ damente. Sempre que sentirmos prazer. Logo. se não se aler­ tarem. Através da missão. reduzimos em cerca de cinqüenta anos a nossa vida. Daí. A missão é cha­ ve na evolução humana. DESENCARNAÇÃO A desencarnação. permitindo que energias densas (de baixa freqüência) penetrem nela. Se tiverem programas positivos. expontânea ou não. A estrutura genética atual do homem moderno lhe dá condições de viver cento e cinqüenta e cinco anos. O meio mais seguro de se evitar o desvio dos atos para o lado nega­ tivo é auxiliar o próximo. serão ativados. PRAZER Quando um indivíduo ativa seus programas positivos. A energia Ilíaca percorrerá o DNA em cento e cinqüenta e cinco anos. Baixando a freqüência áurica. o desvio da missão. sempre evitamos as ações negativas e a ativação dos programas Kármicos negati­ vos. dos acidentes e principalmente da tensão ner­ vosa. Os missionários são os indivíduos que mais sofrem com a tentação do prazer. executando sua missão anulam seus programas nega­ tivos. em mé­ 70 . há o desvio dos atos do indivíduo. pelo contrário. O prazer geralmente leva as pessoas a praticarem atos negativos e se tornarem materialistas. pois. todavia. Mas o prazer é um produto das ações positivas que muitas vezes levam as pessoas a ligarem-se às coisas materiais. o arrependi­ mento só acarreta coisas negativas. dos desequilíbrios ener­ géticos. vulgarmente conhecida como morte. como sempre antecipamos nossa desencarnação. devemos estar alerta para nos des­ viarmos da verdadeira busca espiritual. que ge­ ram as virtudes e os prazeres da vida. é produto dos atos positivos que ativam os programas do Catka. A desencarnação em 99% dos casos é devida à má conservação do corpo físico. com este. prazeres e fa­ cilidades na sua vida são introduzidos. cumprir uma missão. 0 arrependimento também baixa a freqüência vibratória da aura.

71 . O indivíduo desencarnado possui apenas o DNA posterior. os Botões Aditivos vão se rompendo e destacando-se o DNA atual do DNA posterior. o espírito e seus respectivos corpos astrais não podem libertar-se do corpo físico. gerando. Considerando-se que os Botões Aditivos são constituídos de ectoplasma e que com a decomposição do corpo físico o ectopiásma se dissolve. Esta dissolução é dolo­ rosa.dia e energia llíaca percorre 60% do DNA. Já os indivíduos extremamente negativos e materialistas não podem receber assistência adequada. Mas. conclui-se que os Botões também se dissolvem. Daí. A programação contida no poste­ rior deverá tornar-se a atual ao reencarnar. por isso o processo de desencarnação é doloroso. grande sofrimento. mas recebem-na na medida do’possível. possibilitando a acoplação do DNA posterior (Y) do in­ divíduo que encarnará. pois milhares de Botões só se romperão quando o corpo físico entrar em decomposição. Quanto mais Botões Aditivos houver. para que es­ tes o ajudem na fase de desencarnação. Todos os indivíduos deveriam ser cremados. Além disto. Através do processo de fecundação. Mas o método mais eficiente para eliminar todo este processo do­ loroso é a cremação do cadáver. Através da ativação ou desativação dos programas genéticos Kármicos. ativa ou desativa so­ mente esta percentagem dos nossos programas Kármicos. já que a energia llíaca destaca somente cerca de 60% dos Botões Aditivos. assim. pois a ora­ ção é imploração aos seres iluminados do mundo espiritual. ou seja. todos os nós Kármicos devem ser percorridos pela energia llíaca. Enquanto todos os Botões não se dissolverem. Os indivíduos mais espiritualizados que premeditaram sua desencarnação recebem assistência espiritual de índivíduos desencarnados evoluídos. Todos somos suicidas inconscientes. A cremação proporciona a desintegra­ ção rápida dos Botões Aditivos. a amenização não é total. principalmente os suicidas e assassinos. o DNA Kármico posterior dos pais dissolve-se. a cremação energiza os cor­ pos astrais. o DNA atual desintegrou-se ao desencarnar. sur­ giu a necessidade de orar para os indivíduos desencarnantes. mais dolorosa será a desen­ carnação. No tópico a respeito do Botão Aditivo vimos que. eliminando as energias mais grosseiras. Isto na prática não ocor re totalmente. Esta assistência espiritual ameniza o processo doloroso da dissolução dos Botões Aditivos. mesmo assim. para a desencar­ nação ser a menos dolorosa possível. pois es­ tes seriam poupados de enorme sofrimento.

conseqüência de en­ fermidade ou acidente. Desta forma. COMA O estado de Coma pode ser considerado como desencarnação par­ cial ou latente. encontra-se em desencarnação parcial. o DNA (X) com o novo programa passa a ser o DNA atual do indivíduo que encarnou. O espíri­ to e seus corpos astrais desacoplaram-se do físico e. a progra­ mação Kármica do DNA (Y) transfere-se para o (X). Durante o estado de Coma os Botões Aditivos dissolvem-se rapida­ mente. o DNA (Y) novamente fica totalmente desprogramado e pronto para ser reprogramado. Um mês no estado de Coma pode ser equivalente ao desacopla- 72 I . por motivos energé­ ticos. Acomplando-se o DNA (Y) ao DNA atual (X) dos pais. a acoplação é dificultada. Assim. Um indivíduo em estado de coma.

O indivíduo espiritualizado encarará a morte com maior naturalidade. através de técnicas espe­ ciais. UM ATO NEGATIVO No estágio atual da humanidade a desencarnação é um ato extre­ mamente doloroso. que evitam 95% de sofrimento ao indivíduo com missão rápida. Quan­ to mais indivíduos sofrem pela sua morte. embora semi-involuntário. Ao con­ trário. o indiví­ duo que não se conforma com a desencarnação. Um indiví­ duo pode evitar o cumprimento de Karma muito pesado. Mas este Karma evitado será cobrado na encarnação seguinte. devido à dissolução dos Botões Aditivos. em que o indivíduo desencarna com menos de três anos de idadej cerca de 90% dos Botões Aditivos não se dissolvem durante o período da encarnação. Quanto mais demo­ rar a aceitar a desencarnação. passará a cumprir o programa Kármico relativo à parte do DNA que não se desacoplou do DNA pos­ terior. O indivíduo que desencarna gera sofrimento aos familiares e amigos. Se o indivíduo não recebesse tal assistência espiritual.mento do DNA atual e posterior. O indivíduo que desencarna adquire programa Kármico negativo. como negativo. principalmente para os que ficaram presos à maté­ ria. O peso do seu ato dependerá do número de indivíduos encarnados que está fazendo sofrer e da própria aceitação da sua morte aparente. Como o indivíduo é missio­ nário. pois a energia Ilíaca não ativou nem desativou os programas Kármicos relativos à parte do DNA que se desacoplou do DNA posterior. Tudo isto poderia ser evitado 73 . por estar fazendo com que seus familiares sofram. no caso do indivíduo materialista e extremamente igonorante a respeito da transição que sofremos após a morte. Estes missionários recebem maior assistência espiritual. tudo depen­ derá da evolução espiritual do indivíduo que desencarnou. entrando em Coma. relativo até a alguns anos. DESENC AR NAÇÃO. e quem causa sofrimento ao próximo geralmente comete ato negativo. Enquanto seus familiares não superarem o sofrimento. os 90% dos Botões Aditivos que não se dissolveram naturalmente são desintegrados pelos assistentes espirituais. O fato de gerar sofrimento pode ser negativo ou não. mais sofrerá. o seu Eu interior não considerará o ato como negativo. conseqüente­ mente. o seu Eu interior con­ siderará o ato. Quando o indivíduo deixar o estado de Coma. mais sofrerá e maior Karma negativo ad­ quirirá. porque anularam número suficiente de Nós Kármicos para reencarnarem em outro planeta. mais geram Karma negativo para o desencarnado. No caso da Missão Rápida. seu sofrimento seria quatro vezes maior do que o de um suicida.

para evitarmos grandes sofrimentos ao de­ sencarnarmos ou quando familiar ou amigo desencarna. Quando natural. portanto o DNA Kármico vai sendo energízado na haste Maila. portanto. O assassinato é ato que se prolonga por horas e até dias. terá milhares de gens Kármicos a pa­ gar. Só assumiria o Karma negativo relativo à sua não aceitação do processo de desencarna­ ção. Logo. Seu sofrimento poderia ser amenizado quando os familia­ res aceitassem sua desencarnação. Como é assassinato.se o indivíduo desencarnado aceitasse sua transição. devemos nos preparar. pois. já que ela não existe. pelo menos 75% dos Botões Aditivos não se rompem para liberar os DNA (atual e posterior). SUICÍDIO Quando um indivíduo suicida-se. gerando grande sofri­ mento no processo de desencarnação. faz parte da missão rápida do indivíduo que deveria nascer. o Karma futuro da assassina poderá conter centenas de gens Kármicos negativos 74 . ABORTO O aborto é simplesmente assassinato quando proposital. Outras vezes. 0 suicídio. Os defeitos físicos congênitos são derivados de gens Kármicos pu­ ramente negativos. ao encarnar. que. pagará seu Karma através de sofrimento psicológico. o suicida. não estaria gerando sofrimento a ninguém e. além de gerar sofrimento é ato extremamente negativo que prolonga-se por muitos dias. As opções são as mais diver­ sas possíveis. mesmo inconforma­ do com a desencarnação. Logo. gera-se defeito físico de origem genética. encarando a morte como simples ilusão. No momento em que aceitar este fato. a mulher que o praticou programará seu Karma fu­ turo negativamente. o que o livraria de assumir o Karma negativo de estar gerando sofrimento ao próximo. embora seus familiares sofram. Concluímos. Quando se tem alguns gens Kármicos totalmente negativos. neste caso. acidentes drásticos ou sob forma de vida extremamente ruim. Quando o suicida reencarnar. programando milhares de gens Kármicos ne­ gativamente. não assumiria Karma negativo muito pesado. Os gens Kármicos não totalmente negativos são pro­ cessados de acordo com os atos do indivíduo. não será atingido. mais de 75% do seu Karma atual não é cumprido. então.

Este programa. SAÚDE A cada segundo de nossa vida. Mas entre os problemas energéticos há também os Kármicos. Quando o problema de saúde é Kármico. seja doença Kármica ou não. Aproveitando o mesmo caso. mas desde que se tenha merecimento. o indivfduo praticou atos negativos e estes ativaram um programa Kár­ mico que provocou a enfermidade. nada poderá curar o en­ fermo. e a energia llíaca já houvesse ativado outros programas. acarre­ tando-lhe a perda de uma perna. embora o programa Kármi­ co tenha se processado. Se adquirir esta úlcera de for­ ma muito agravada e praticamente incurável. microscópico computador genético ligado às forças cósmicas traça as mais diversas situações. Isto foi possível graças ao merecimento. se o indivíduo continuar a cometer atos negativos. Analisemos estes fatos com exemplos práticos: 1 — Um indivíduo praticou atos extremamente errôneos que ati­ vou um programa Kármico e lhe proporcionou uma trombose. em determina­ dos casos. todos os problemas de saúde são de ordem energética. possuía peso muito grande. apesar de ser único. caso o programa ainda esteja se processando. mas sim. Por ou­ tro lado. pelo fato do programa ser de bai­ xo peso Kármico e já estar desativado. Tudo o que ocorre a cada instante é conseqüência da interação de nossos atos pre­ sentes com os do passado que nos traça uma espécie de destino. para que possa obter o devido merecimento. isto é. permite que o indivíduo busque a cura com sucesso. Outros problemas de saúde são de origem Kármica. este é desativado. Há determinados casos em que a cura só é obtida mediante meios medi­ cinais ou espirituais. mas passar a cometer atos positivos de grande peso Kármico. outros programas Kár­ micos serão ativados. Tudo dependerá exclusivamente de seus atos. um único programa foi o suficiente para acarretar problema de saúde irreversível. Quando a energia llíaca atingir o próximo programa. Os programas Kármicos ativados de acordo com nossos atos podem estar relacionados com o aspecto da saúde. Isto também relaciona-se com a missão programada. poderá ativar programas positivos que milagrosamente o curarão. O mereci­ mento é imprescindível no tratamento da saúde. 2 — Um outro indivíduo também praticou atos errôneos que ati­ vou um programa não muito pesado e lhe proporcionou uma úlcera. Sua desativação não implica na cura. ou. mesmo não havendo mais programas que determinem a enfer­ midade. O indivíduo ao procurar a cura a obterá. Alguns devido ao excesso de energia outros por falta. Neste caso. o que novamente poderá lhe abrir a úlcera e desta vez até mesmo tornar-se quase incurável. 75 .

se o indivíduo tiver muitos pontos Kármicos positivos e neutros. o mal é compensado pelo bem feito em encarnações passadas. a energia llíaca pode ter anulado os pro­ gramas positivos ou ter energizado pontos Kármicos neutros. Devido sua evolução espiritual. é extremamente evoluído. a ponto de não lhe proporcionar sofrimento ao cometer um assassinato. desta forma. INJUSTIÇA APARENTE Dependendo da constituição genética do indivíduo em relação á programação Kármica. ele. Na maioria das vezes. Quando um indivíduo tem número muito gran­ de de gens Kármicos nulos e programas positivos. e na en­ carnação posterior não pagar por este ato. mas pode ocorrer. na próxima en­ carnação nada lhe será cobrado. ao cometer atos nega­ tivos e até mesmo graves. pois os seres que poderiam cometê-lo sem haver cobrança atual ou futura. nada lhe ocorre do ponto de vista do “casti­ go". por certo. A injustiça aparente pode ser em relação á não compensacão dos 76 . No caso do assassinato são raríssimas as vezes em que isto ocorreu em toda a existência da Terra. pois. Não se­ rá tão grave quanto o suicídio consciente. para atos negativos de pouco peso. Muitas vezes. Sempre que o assassinato é co­ metido há a cobrança. A injustiça aparente é fato freqüente. ao cometer o assassinato. a não cobrança nem na vida atual nem na futura dos atos negativos cometidos. seremos simplesmente taxados de suicidas. Em ambos os casos. nada ocorre com o indivíduo e. Chamo a atenção para o fato de que. pois tudo é questão de evolução espiritual. neste caso. ocorrem situações aparentemente injustas do ponto de vista terreno. Este indivíduo dificilmente assassinará alguém. coadjuvados pelos do presente. Isto ocorre devido à presen­ ça de longos trechos do DNA com programação neutra ou positiva. Outros programas negativos ativados e processados gerarão aciden­ tes que atingirão nossa saúde e conservação adequada do corpo físico. A injustiça aparente seria. en­ tão. certamente prefeririam morrer do que roubar a vida do próxima. Logo. sofrimento lhe será proporcionado e um registro se fará na programação Kármica posterior. Nossos atos podem gerar problemas de saúde que premeditam nos­ sa vida e. até mesmo os acidentes são indiretamente causados por nossos atos passados. Este indivíduo muitas vezes pode até mesmo assassinar. o programa é tão pesado que pode proporcionar nossa morte. Caso seu ato ative programas negativos. antecipamos a própria de­ sencarnação. mas não deixaremos de ser suicidas inconscientes.

isto é. Um outro indiví­ duo B. faziam par­ te do karma do indivíduo que sofreu a ação. o melhor a fazer é prati­ car sempre atos positivos. Como nunca sabemos ao certo quando temos um programa altamente positivo e neutro. praticou esta ação pelo fa­ to de seus atos terem ativado um programa X que concretizasse esta si­ tuação. certamente gerado por seus atos. houve a complementação. neste caso. Quase tudo de benefício ou malefício é devido á complementação kármica. Caso o indivíduo B houvesse agido de forma diferente. ASSASSINATO: UM ATO PROGRAMADO E DERIVADO DE COMPLEMENTO KÁRMICO Inúmeros casos de assassinato são programados. gerando mais pontos kármicos neutros.nossos atos positivos. Na situação anterior. Mesmo o assassinato sendo programado. o suicida gerará sofri­ 77 . o indivíduo pagará pelo ato co­ metido. Mas o melhor meio de evoluir é através da pratica constante de atos positivos. para nos dar a liberdade de cometer atos negativos. O suicida também praticou ações que o levou a desistir da vida. O motorista que indiretamente o assassinou. Ambos complementaram seu karma. nem benefício nem malefício. Um indivíduo A que come­ teu muitos atos negativos possui programas tão pesados que foram pro­ cessados para que desencarnasse através de assassinato. que o desviasse do assassinato. O que ocorre é que os atos po­ sitivos anulam seus programas negativos ou percorrem pontos Kármicos nulos. até atingir o estágio luciferiano. e os atos negativos que cometer lhe trarão mais pontos kármicos nulos. o que seria um assassinato indireto. Quando o indivíduo seguiu as normas anteriores. o indivíduo A seria assassinado por outro indi­ víduo com karma complementar. Af temos um assassinato como ato programado. não havendo. Estes exemplos anteriores são relativos a uma complementação kármica direta. isto é. ativou um programa tal que o levou a assassinar o indivíduo A. Muitos indivíduos praticam o bem ininterrupta­ mente e não recebem benefício por isto. para anular os programas negativos. criando karma posterior muito positivo e neutro. assim. ativando programas positivos. por motivo qualquer. Outro caso pode ocorrer. é o do suicídio como complementação kármica. trazendo benefícios e uma programação Kármica posterior cada vez mais positiva que evitará muito sofrimento ao indivíduo. mas tudo que ocorre na vida social é devido à comple­ mentação kármica. poderia ser até mesmo atropelado. certamente na sua próxima vida terá poucos sofrimentos. Por exemplo. um suicida atira-se embaixo de um caminhão.

Caso os familiares do suicida houvesse agido de for­ ma diferente. pois os programas kármicos pode­ riam ser anulados ou ativados parcialmente. Poderíamos até mesmo dizer que o assassino e o assassinado são ambos culpados. e para que este equilíbrio possa ser mantido com perfeição. tudo poderia mudar. pois foi pro- porcionado por complementação kármica do assassinado. Tudo que pensamos é ato mental que gerará ato físi­ co. exemplos que caracterizaram o assassinato como ato negativo. Em realidade.mento aos familiares que tiveram o sofrimento devido a uma comple- mentação kármica. São raríssimos os ca sos em que o indivíduo é assassinado por motivo exclusivo do seu assas sino. introduzimos o conceito de complementação Kármica. De um modo geral. podemos simplesmente exemplificá-la. registram se os atos mentais. pois tudo depende do nosso li­ vre arbítrio de cometer ação ou não. através de exemplos e analogias. o primeiro por ter sido causa do assassinato e o outro por ter assassinado. ATO MENTAL Nossos atos físicos nem sempre são ininterruptos. ocorre que. mas de maneira mais abstrata e restrita entendemo-la. justifica-se mais uma vez a máxima de que o acaso não existe. concluímos que o futuro é duplo. de­ nominados indiretos. isto é. Dentro da nossa limitação humana não é possível compreender em profundidade a complementação kármica. Para cada ato existe outro complementar. Todos os karmas são complementares. uns mais nitidamente que denominamos de complementar direto e outros mais naturais e até imperceptíveis. todos os casos de assassinato são devido á com plementação Kármica direta. aproveitando. tanto para a "vítima" quanto para o assassino e. ativando ou desativando um pro grama Kármico-genético e complementar. Pela comple­ mentação kármica. é mera ilusão. nunca analisa Ia profundamente ou compreendê-la intimamente. na ausência de atos físicos para serem registrados. Daí. geral­ mente a cada segundo a Ilaia está ativando e energizando programas. o assassino matou por ter ativado um programa que geraria esta situação e o assassinado foi morto por conseqüência de seus atos e face ao seu programa. Pensamentos negativos geram programas negativos e positivos geram 78 . Vimos anteriormente. Simplesmente a aceita­ mos com base no estudo da programação kármica individual. O assassinato como auto-defesa tem caráter negativo. alterando toda a síatuação. e como. o acaso não pode existir.

Quando anularmos toda a programação kármica estaremos livres do reino huma­ no. daremos chances à ativação de programas positivos. ou seja. por pequenos pe­ ríodos de tempo ficamos sem karma. ou seja. tornamo-nos mais au­ tônomos. Neste instan­ te. todos os atos são classificados em positivo ou negativo. mas para a ativação e programa­ ção dos pontos kármicos. isto é. Não há uma dependência mútua. Vamos tomar como exemplo os 2 primeiros nós Kármicos e os 2 últimos Nós do DNA posterior. os atos não têm nenhum efeito. INVERSÃO KÁRMICA Um indivíduo iniciático no reino humano programa seu Karma posterior. LIBERTAÇÃO DO KARMA E DE SUAS COMPLEMENTAÇÕES Quanto mais evoluímos. logo. fisicamente praticou ato positivo mas conseqüência de ato men­ tal negativo. Neste período. somos de­ pendentes. logo. Na realidade. Atos cometidos no momento em que a Ilaia percorre trechos do DNA que estejam nulos não ativam nenhum programa. a importância que se dá a partir da sua origem mental positiva ou negativa. não estamos presos ao mecanismo coletivo da complementação Kár­ mica. quando estamos irritados e impacientes tudo tende a piorar. o karma é nulo. 79 . que nos prejudica­ riam mais ainda. que trarão be­ nefícios e evitarão a ativação de programas negativos. Muitas vezes. Concluímos que seja qual for a situação devemos manter calma e paciência. pois os atos mentais negativos ativam programas negativos e de­ sativam positivos. este é um ato extremamente negativo. que poderão intensificar nosso nervosismo. Quando estamos sujeito à programação kármica. O mais impor­ tante do ato físico é sua intenção. se um indivíduo pratica ato de caridade como exi­ bição. meus atos não se com­ plementarão com os de outros indivíduos. anulando benefícios e aumentando a probabilidade de malefícios. pois. Por exemplo. me­ nos sujeitos à complementação Kármica estaremos. as­ sim.programas positivos. já que cada ato complementa-se com o do próximo. Como todos os atos físicos são conseqüência dos atos mentais. assim. tudo é ato mental dentro da progra­ mação. mais anulamos os nós kármicos. mantendo a ação mental sempre positiva nossos atos provavelmente se­ rão sempre positivos.

pois. de imediato. No caso dos Nós negativos. Mas. são dois nós Kármicos positivos. o período relativo aos dois Nós negativos serão de vida intra-uterina. logo. começaremos a cumprir o karma negativo adquirido. Como seus últimos Nós são extremamente negativos. certamente no infcio da próxima. poderiam ser anulados se o feto cometesse atos positivos suficientes para anular o programa negativo. quando a energia Ilíaca os atingir. pagos através de defor­ midade física. seus dois últimos Nós serão os primeiros. Conseqüentemente. Se fomos indivíduo muito bom no início da nossa encarnação. na próxima. Quando encarnar. 80 . No início de sua encarnação o indivíduo cometeu somente um ato negativo (ponto A) e os demais positivos. o que foi programado no final de sua vida. poderão proporcionar benefícios de acordo com os atos co­ metidos. Se no término da encarnação fomos extremamente negati­ vos. os últimos. não corresponderá ao princípio da próxima. Todo karma posterior inverte-se. acarretando dois Nós negativos. caso contrário. pois. Mas isto só ocorre nos indivíduos que viveram 155 anos. geralmente isto não ocorre. geram milhões de Nós Kármicos negativos que são. Ao final de sua encarnação suicidou-se. Como seus dois últimos Nós anteriores são positivos. de imediato. como foi suicídio. acarretarão deformidade física. e seus dois primeiros. o fim da encarnação será beneficiado.

Conseqüentemente. Assim. Quando um indivíduo vive encarnado 155 anos. pois. Restaram portanto mais de um milhão de gens Kármicos a serem cumpridos e processados. O que estava progra­ mado nos últimos gens Kármicos do DNA atual é que serffo os primei­ ros programas do DNA posterior. Exemplificando. A este fenômeno denominamos de projeção kármica. Logo.000 Gens. ao encarnar. um indivíduo que cumpriu 50% do seu programa viveu cerca de 75 anos. isto é. ele viveu o suficiente para ativar e cum­ prir este trecho do DNA relativo a 200. tudo que este indivíduo fez no final de sua encarnação nffo será relativa ao início da próxima pelo fenômeno da inversão. DNA KÃRMICO . 50% do seu programa foi projetado para o DNA posterior. seus programas fi­ nais serão os iniciais da próxima encarnação. PROJEÇÃO DO KARMA Quando encarnamos e por motivo qualquer não cumprimos toda a programação kármica. para que não haja esta transferência é necessário que nos mantenhamos encarnados por aproximadamente 155 anos. Quase todos os indivíduos da nossa civilização projetam milhares de gens Kármicos.000 Gens foram programados e mais de um milhão transferidos para o DNA posterior. O indivíduo que viveu no plano físico 155 anos processou todos os seus programas genéticos e programou todos os gens Kármicos do seu DNA posterior. supomos que um indivíduo tenha processado 200. estes Gens que não foram processados projetam seu programa pa­ ra o DNA Kármico posterior. Retornando ao assunto da inversão kármica. 200. Logo. o programa não processado ou ativado é transfe­ rido para o DI\IA posterior.000 gens Kármicos.

Lembramos que o DNA posterior contém programas relativos aos atos do indivíduo en­ quanto encarnado: Ao encarnar. só poderá ser processado a partir de 125 anos numa encarnação B. 82 . então. Caso ele não per­ maneça encarnado por tanto tempo. por exemplo. o DNA posterior inverte-se para tornar-se o atual. e nem atos foram co­ metidos para que o trecho D do DNA posterior fosse programado. Na tabela acima verificamos que. através da inversão kármica. Estes mesmos atos programaram o trecho kármico C. Por inversão kármica. ativando os programas de acordo com seus atos. o que o indivíduo cometeu de positivo ou negativo com 25 anos numa encarnação A. apenas 80 anos. o programa posterior inverte-se e pas­ sa a ser o atual. logo. A — Parte do DNA kármico percorrido pela energia llíaca. o programa relativo aos seus 25 anos da encarnação A poderão ser pro­ cessados no período de 25 anos também. o final do trecho D corresponderá ao início do DNA atual da próxima encarna­ ção. a partir de quando tiver aproximadamente 75 anos. o processo se repete in­ finitamente. o trecho B não foi processado. Quando houver a inversão kármica do DNA posterior. e o trecho C por sua vez será o final da encarnação do indivíduo. Deste modo. e os últimos serão os primeiros. os programas do DNA posterior serão os primeiros do DNA atual da pró­ xima encarnação. Numa encar­ nação C. Ao desencarnar. o trecho B projeta sua programação kármica não cumprida para o tre­ cho D. os 75 anos restantes serão projetados para o DNA posterior. que possui o mesmo número de Gens de trecho A. Já os programas da encarna­ ção B só poderão ser processados na encarnação C.

KARMA COLETIVO Quando tocamos no termo complementação kármica estávamos in­ troduzindo o fator coletivo do karma. pois. a classificação doa ato é relacionada com o peso da moral cósmica e social. originando um Eu interior coletivo. Da mesma forma que o Eu interior classifica os nossos atos em positivos ou negativos. Vejamos o karma social e individual na tabela: Na tabela anterior. Vejamos agora a clas­ sificação do ato pelo Eu interior coletivo. este indivíduo obterá um programa kármico positivo. Porém. em perfeita harmonia. O Eu interior coletivo segue o mesmo raciocínio lógico da classificação dos atos sociais. Todos os karmas complementam-se. Como já foi analisado anteriormente. da mesma forma co­ mo o Eu interior individual julga os atos de cada um. certamente. Ao contrário. 83 . a sociedade forma uma consciência abrangente. A síntese dos EU IN­ TERIOR forma um EU maior. temos a classifica­ ção do ato pelo Eu interior individual como postivo. socialmente este ato será negativo. pois predominou o peso em relação à moral social e individual. utilizando pesos hipotéticos. um indivíduo que co­ meteu atos negativos em relação à moral cósmica e positivos em relação à social e individual terá seu ato classificado como positivo. Lembro que a moral cósmi­ ca e individual sempre predominam sobre a social. so­ cial e individual. na classificação dos atos de determinado indivíduo há o somatório dos pesos da moral cósmica. sendo que a moral cósmica sempre predomina sobre a social. a moral individual não tem influên­ cia na classificação dos atos sociais. Individualmente. utili­ zando a lei da inexistência do acaso. Por exemplo. como es­ tamos tratando de karma coletivo. na programação do karma coletivo.

se cometemos ato ne­ gativo cosmicamente e positivo socialmente. a coletividade está pagando pelos seus atos negativos. Isto é necessário por­ que nossos atos são muito influenciados pelo meio social em que es­ tamos. mas se estes são considerados positivos socialmente. Assim. e somos induzidos a crer que é positivo. Como vemos. A moral individual é moldada pela sociedade (cultura e educação) e por sua própria evolução espiri- . A medida que os indivíduos desta sociedade cometem este ato. para o Eu interior coletivo o ato foi classificado como negativo. Se o meio modela a personalidade e condiciona a moral e mui­ tos atos que cometemos são negativos para a morai cósmica. neste caso somente a sociedade so­ frerá pelo ato. Exemplificando. uma sociedade que legaliza o aborto está legalizando um assassinato cruel e a sangue frio. A classificação final ficará entregue à moral individual. Quando uma cidade ou sociedade é dizimada por um cataclisma geológico ou por moléstias ou por outro meio qualquer. seria ex­ tremamente injusto se a programação de nossos atos fosse classificada puramente pela moral cósmica. Daí surge o karma social. A coletividade foi quem criou sua moral e assumirá a res­ ponsabilidade perante a moral cósmica. Cosmicamente. já que muitas vezes cometemos atos positivos ou não. O indivíduo obteve. so­ cialmente ficam impunes. uma vez pelo nos­ so Eu interior e outra pelo Eu interior coletivo. pois para a moral social cometeram ato posi­ tivo. então. e o meio social foi seu catalizador. um programa kármico positivo e a sociedade um programa ne­ gativo. Se cometemos atos negativos pa­ ra a moral cósmica. seguindo o padrão social. A tabela acima é relativa ao mesmo ato cometido pelo indivíduo cujo Eu interior o classificou como positivo. não temos culpa disto. Todos os atos são classificados duplamente. já que a moral cósmica sempre predomina sobre a moral social. todavia é ato puramente negativo.

mas com maioria de Nós positivos. Lo­ go. O homem Y não possui acentuadamente nenhum dom paranormal aparente. HEREDITARIEDADE 0 Karma pode ser hereditário em relação âs características psicoló­ gicas e físicas. embora nem sempre esteja relacio­ nada à evolução espiritual do indivíduo. 0 Gen completamente negativo produzirá caracteres físicos ou psi­ cológicos deformados. será negativo. O Gen completamente positivo produzirá carac­ teres físicos muito perfeitos e dons (pintura. mais acentuada a paranormalidade. caso contrário. gerando características físicas ou psicoló­ gicas positivas. embora. etc). Logo. Os caracteres psicológicos. em ambas as situações.000 Gens nulos. embora X tenha maiores faculdades paranormais. o somatório do peso social e individual classificará o ato como positivo. será positivo. Quanto maior o número de gens Kármicos totalmente positivos. por não ter Gen totalmente positivo. as características físicas ou psicológicas nem sempre são dos pais. para-normalidade. se consti­ tuído por maior número de nós Kármicos positivos. o fator Kármico está sutilmente relacionado com a heredita­ riedade. Por exemplo: um homem X possui o dom da cura por ter 400 Gens totalmente positivos. podem ser alterados pelo indivíduo no decorrer da existência. porém possui 20. 0 Gen não totalmente negativo. música. um pai médico terá um filho com maiores probabilidades de seguir sua profissão. muitas vezes. Estes caracteres são relativos aos Gens. a paranormalidade não é dom pura­ mente relativo à evolução espiritual do ser. Mas pode ocorrer o contrário. Por este motivo. todavia. Se a moral individual classificar o ato como positivo. Portanto.tual. A verdadeira evolução espiritual está no maior número de Gens 85 . mas com maioria de l\lós negativos produzirá características físicas negativas ou características psicológicas negativas. derivadas dos pais. O mesmo pode ocorrer com Gens não totalmente positivos. o homem X não é tão evoluído quanto Y. tudo esteja relacionado com a positividade ou negatividade do Gen. isto é. derivadas dos pais. Quando o Gen é totalmente positivo ou negativo. PAR ANORMALIDADE A paranormalidade é um dom presente em todos os seres huma­ nos.

KARMA FAMILIAR 0 Karma familiar é a complementação Kármica mais efetiva e di­ reta entre os membros de uma família. Por exemplo: 1) O pai. no caso exposto acima. A unidade da família é fundamental para o bem estar de todos os seus membros. o pai terá que pagar pelo seu Karma ativado e. que na maioria das vezes. sofrimento amenizado ou processado de outro modo. já que é esta anulação que nos dá a pureza. portanto. protelando-os. deverá sofrer. Como percebemos. devido ao seu Karma. deverá ter seu. Caso isto não seja possível. O Eu interior do pai terá programar al­ guma forma de sofrimento que não atinja a família. com elevado peso negativo. terá um Karma de igual intensidade programa­ do para a próxima encarnação. A mediunidade é a paranorma- lidade despertada ou ativada por um ser espiritual. Em uma família forma-se espécie de Karma único.Kármicos nulos. Se isto também não for possível. mas como seus filhos e sua esposa ativaram muitos programas Kármicos positivos. fará sofrer propor­ cionalmente sua esposa e filhos. 2) O pai. levará consigo mais este programa negativo de peso A que será somado com outro programa negativo B. mas pouco atingirá o seu vizinho. resultando um único programa Kármico. Do memsmo modo. de alguma forma o comporta­ mento destes não foi suficientemente positivo para evitar o sofrimento. 86 . para que não atinja sua família. assim. quando uma família sofre por causa de um de seus membros. Tudo poderia ser evitado se o comportamento co­ letivo houvesse sido mais positivo. os atos de uma família comple­ mentam-se tão diretamente que uns podem amenizar o sofrimento dos outros. o Karma do vizinho em nada influenciará nesta famí­ lia. pois todos diretamente contribuí­ ram para tal situação. Aproveitamos este tópico para esclarecer que mediunidade e pa- ranormalidade não são a mesma coisa. assim. Concluímos. Já a paranormalidade engloba a mediunidade e outros dons que independem de interventores no controle das faculdades. A complementação Kármica com indivíduos não pertencentes à família é indireta. ao desencarnar. o Eu interior deixará em suspenso o programa Kármico nega­ tivo até encontrar a oportunidade para processá-lo. nin­ guém tem o direito de culpar apenas um de seus membros por fato ne­ gativo que esteja gerando sofrimento. sofrendo devido à ativação do seu Karma. o pai. É claro que.

No nosso organismo astral há estruturas genéticas muito comple­ xas. e o Karma mantém-se coletivo e sua complementação direta. Só ocorre quando as duas unidades familiares mantém-se isola­ das e completamente independentes emocional e materialmente. Para que isto ocorra. em muitos casos. ocorre a quebra da unidade familiar. O Karma adquirido em determinado planeta só ali mesmo será cobrado e anulado. Este tópico tem o simples objetivo de esclarecer que o Karma adquirido na Terra é pago apenas na Terra. embora. Estes cromossomos tam­ bém estão presentes no corpo astral. Na primeira encarnação em Marte. para que não se gere mais Karma negativo aos membros da família. Não analisaremos esta situação. O ser terrestre possui 46 cromossomos. da mesma forma que os espíritos iniciáticos no reino humano. KARMA EXTRATERRESTRE Quando anulamos determinado número de Gens Kármicos. Em cada civilização não Terrena o DNA Kármica será outro. há necessidade de serem ativados Nós Kármicos negativos suficientes para que tudo se desestruture. Em Marte adquirimos outro código gené­ tico completamente desprogramado. levando em consideração suas respectivas dimensões: 87 . Em Marte há 44 cromossomos que também estão registrados no organismo Astral. am­ bas as famílias se interligarão numa segunda complementação kármica. Geralmente. QUEBRA DE UNIDADE FAMILIAR Quando os pais separam-se. criarão novos Karmas familiares. pode­ mos automaticamente deixar a Terra e reencarnar em outro planeta que corresponda ao número de Gens nulos que obtivemos. ao constituírem cada um outra unidade familiar. Desaconselha-se a quebra da unidade familiar. ficará em suspensão. Para reencarnar em Marte. O ex-marido ou ex-esposa. a do Karma extraterreno. Vejamos a tabela cromossômica em cada planeta do Sistema Solar. passare­ mos a programar nosso DNA marciano. A situação da separação do casal pode ser benéfica quando não haja complementação kármica direta. Mas este caso é muito difícil de ocorrer. o Karma adquirido na Terra não será cobrado. devido à ligação anterior do primeiro casal. ou seja. seja até benéfico esse desenlace. entretanto.

mas aglomerados em um único cromossomo gigante. apenas. Os corpos astrais mais sutis do que o 4º. Cada célula do 4º organismo astral possui 522 cromossomos (soma dos cromossomos em todos os planetas) agrupados de forma a identifi­ car o nº de cromossomos de cada planeta e dimensão. sempre que dei­ xamos um planeta A para reencarnarmos em outro B. *NOTA: Isto ocorre em 90% dos casos. Este cromossomo é denominado de cromossomo matriz. todos os demais cromossomos são subdivisões do cromossomo gigante. Devido a este fato. mas com o código genético do planeta B. embora bastante sutilizado e com aspecto relativamente diferente do cromosso­ mo astral. Estes 52º cromossomos estão presentes no 4º corpo astral. dissolvem-se junto os cromossomos do planeta A. Na realidade. Inicia-se. Esta mudança de cromossomos só é possível com a perda dos 5º. Nos demais casos perde-se apenas o 7º corpo astral. então. O 4º corpo astral é o mais importante para o processo encarnató- rio interplanetário. isto é. No corpo espiritual também existe o cromossomo matriz. 2º e 3º. a partir do mais sutil. No 5º 6º e 7º (o mais denso) há. devemos perder o 5º. também possuem 522 cromossomos. 6º e 7º corpos astrais. Perdendo os 3 corpos astrais mais densos. 1º. e graças à presença de todos os tipos de cromossomos do 4º corpo astral. os cromossomos da civilização da última encarnação. a formação dos novos corpos astrais. 6º e 7º corpos astrais*. não teremos o código genéti­ co apropriado para encarnar no planeta B. 88 . caso contrário.

mas com a fusão de mais 11 espíritos masculinos e 11 femininos. A comprovação nem sempre é material. mas quanto mais espiritua­ lizada mais duradoura é a satisfação. A comprovação gera satisfação. Deste ponto em diante. Logo. Os domésticos e a cruz nós os construímos e somos quem os elimi­ naremos. A Fé cega é involução — é prisão. como: O estado espiritual e material de cada ser é derivado de seus pró­ prios atos. O acoplamento não se dá apenas com as almas gêmeas. Este evento produz certa reação energética que fará com que ambos (o espírito e sua alma gêmea) aco- plem-se e deixem o reino humano. a anulação de todos os progra­ mas Karma-genéticos. A liberação do corpo espiritual se processará apenas com a acopla- ção do espírito com sua alma gêmea. mas impulsiona a evoluição. A satisfação é passageira. A evolução é infinita. procurando expandir-se cada vez mais. CONCLUSÃO Tudo que foi dito e abordado com a finalidade de ajudar o leitor a compreender um pouco mais do mecanismo Kármico. O FINAL DO CICLO Ao final de todo o ciclo evolutivo. Contestar é evolução. perma­ necendo apenas com o corpo espiritual (fase angelical). O querer é evolução. 89 . a anulação do cromossomo matriz pro­ porcionará a libertação do indivíduo de todos os corpos astrais. Cada um tem o que merece. amplia o entendi­ mento da verdade espiritual e serve para justificar vários dizeres da espi­ ritualidade. O sofrimento é ilusão. ou seja. Cada um tem a sua cruz. o espírito continua a evoluir como o áto­ mo. O homem consciente sofre apenas quando quer. No reino planetário esta centelha irá constituir parte integrante do espírito de planeta que possua vibração semelhante. Esta macro-centelha deixa o reino hu­ mano e passa para o planetário. Deixar-se guiar é involução. forma-se uma centelha com 24 espíritos.

Classifica ainda a evolução espi­ ritual em cada planeta e a relação des­ ta com a vida e presença extraterres­ tre entre nós. do plano astral e do plano espiri­ tual. chegando â explica­ ção da constituição da matéria físi­ ca. . devido às diferentes densidades atô­ micas que a matéria pode atingir. Obra Anterior: AS DIMENSÕES E OS EXTRATERRESTRES É livro que procura explicar as dimensões que nos interpenetram. A partir deste raciocínio penetra nó murn­ do sub-atômico.