You are on page 1of 136

Universidade Federal de Minas Gerais

Educação a Distância
2013

Fundamentos
de Análise I

Paulo Cupertino de Lima

Fundamentos de Análise I

.

Paulo Cupertino de Lima Fundamentos de Análise I Belo Horizonte CAED-UFMG 2013 .

CDD 510. – Belo Horizonte : CAED-UFMG. Teoria dos conjuntos. Universidade Federal de Minas Gerais. 2. : il. Simone de Fátima Barbosa Tófani Profº André Luiz dos Santos Cabral Pró Reitor Adjunto de Graduação Profª. Funções (Matemática). CRB-6/2725) Lima. Vito Modesto de Bellis Profº. Ensino a distância.07 CDU 510. 2013. Dan Avritzer Profª Rocksane de Carvalho Norton Profª. p&b. Eliane Novato Silva Vice-Reitoria Profº. Inclui bibliografia. Paulina Maria Maia Barbosa Pró Reitora de Graduação Profª.22 .UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CONSELHO EDITORIAL Profº Clélio Campolina Diniz Profª. I. Cunha. ISBN 978-85-64724-25-9 1. Hormindo Pereira de Souza Profª Antônia Vitória Soares Aranha Profª. 3. Vilma Lúcia Macagnan Carvalho Profº. Wagner José Corradi Barbosa CENTRO DE APOIO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Profº Fernando Selmar Rocha Fidalgo COLEÇÃO EAD – MATEMÁTICA Diretor de Educação a Distância Coordenador: Dan Avritzer Prof º Wagner José Corradi Barbosa LIVRO: Fundamentos de Análise I Coordenador da UAB/UFMG Autores: Paulo Cupertino de Lima Profº Hormindo Pereira de Souza Junior Revisão: Jussara Maria Frizzera Coordenador Adjunto da UAB/UFMG Projeto Gráfico: Departamento de Design . II. Título. 131 p. . 27 cm. Paulo Cupertino de L732f Fundamentos de análise I / Paulo Cupertino de Lima. Ângela Imaculada Loureiro de Freitas Dalben Reitor Profº.CAED Formatação: Sérgio Luz EDITORA CAED-UFMG Profº Fernando Selmar Rocha Fidalgo Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Luciana de Oliveira M.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Relações de equivalência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Algumas desigualdades válidas para corpo ordenado qualquer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 Aula 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Um exemplo de um número que não é racional. . . . . . . . 74 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 A construção do conjunto dos números racionais. . . bijetivas e compostas. .Sumário Apresentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Os números racionais são densos em . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Ordem no conjunto dos números racionais. . . . . 71 5. . . . . . . . . . . . . . . .Os números racionais. . . . . . . . 59 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Aula 3 . . 64 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Exercícios. . . . . 39 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Definição de corpo ordenado . . . . . . . . . . . . 39 3. . .1 Definição do conjunto dos números reais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Supremo e ínfimo de um conjunto. .5 Exercícios. . . . . . . . . . . . . 19 Aula 2 Conjuntos enumeráveis e conjuntos não enumeráveis. . . . . . . . . . 9 Aula 1 Conjuntos e funções. . . . . 11 1. . .4 Os números irracionais. . . . . . . . . . . . . . 25 2. . . . . . . . . . . . .2 Operações sobre conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 4. . 46 3. . . . . . . 42 3. .2 O conjunto . . . . . . . . . . . . . . . .4 Funções injetivas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 2.4 Conjuntos não enumeráveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 A função . . . . . . .3 Conjuntos enumeráveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 2. . . . . . . . . . . .2 O conjunto é arquimediano. . . . . . . . . . . . . . . .6 Representação decimal de racionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Produto cartesiano de conjuntos . . . . . . . 17 1. . . . . 69 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 2. . . . . . . 72 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 Aula 4 . . . . . . . 30 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . sobrejetivas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Conjunto finito e cardinalidade. . . . . . . . . . . . . . .6 Exercícios resolvidos sobre ínfimo e supremo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Nota do Editor. . . . . . . . . . . 60 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 3. . . . . . . . . . . . . 70 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Cotas inferior e superior. . . . . . . . . . .2 O conjunto é um corpo ordenado. . . . .O conjunto dos números reais. . . . . . . . . . . . .Ínfimo e supremo de um corpo ordenado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 A definição de conjunto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 5. . . . . . . .4 O produto de números racionais. . . . . 69 5. . . . . . . . .3 A soma de números racionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 1. . . . . .

. . . . . . . . . . 91 7. . . . . . . . . . . . .1 Definição de sequência. . . . . . . . . . 92 7. . . . . . . . . . .3 Unicidade do limite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Aula 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Sequências numéricas e limites de sequências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 8. . . . . . . . . . . . . .2 A definição de limite. . . . . 82 Aula 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Limites infinitos. . . . . . . . . . .1 Sequências monótonas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 7. . . . . . . . . . . . .3 Valor absoluto e desigualdades. valor absoluto e desigualdades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Exercícios. .5 Representação decimal de números reais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 O conjunto R é não enumerável. . . . . . . . 117 8. . . . . . . . .Aula 6 -O Teorema dos Intervalos encaixados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 . . . . . . . . . . . . . . 81 6. . . . . . . . . . 100 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Subsequências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Sequências limitadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Propriedades de Limite. . 82 6. . . . . . . . . . . . . . 97 7.1 O Teorema dos intervalos encaixados. . . . . . . . . . . . . . . . 97 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 O Teorema do Sanduiche. . . . . . . . . . .2 O Teorema de Bolzano-Weierstrass . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 Referências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Sequência de Cauchy . . . . . . . . 82 6. . . . . . . .O Teorema de Bolzano-Weierstrass e sequências de Cauchy. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

construimos os números racionais a partir dos inteiros. Na Aula 3 introduzimos o conceito de classes de equivalência e construimos os números racionais a partir dos inteiros. de ı́nfimo e de supremo de um conjunto. Tendo em vista que esse livro é destinado a cursos a distância. enumerável e não- emumerável. como classes de equivalência em Z × Z ∗ . mostramos que o conjunto dos números racionais é um corpo ordenado. sobrejetiva e bijetiva e de composta de duas funções. provamos algumas desigualdades que valem para um corpo ordenado qualquer. o texto possui caracterı́sticas especı́ficas para assim ser utilizado. Falamos √ sobre a representação decimal de números racionais e mostramos que 2 não é um número racional. Introduzimos os conceitos de cotas superior e inferior. definimos os números reais a partir do postulado de Dedekind e fazemos um estudo de sequências numéricas e de limites. diferença e produto cartesiano) e demonstramos as relações de De Morgan. Mostramos que os conjuntos Z e Q são enumeráveis e demos exemplos de conjuntos não enumeráveis. Assumimos que o aluno tenha visto os números naturais e o números inteiros e que ele tenha familiaridade com Princı́pios da Boa Ordenação e da Indução. Introduzimos os conceitos de funções injetiva. oferecido pela UFMG em diversos polos. so- brejetiva e bijetiva e de composta de duas funções. Introduzimos os conceitos de conjuntos enumeráveis e não enu- meráveis. complementar. introduzimos as noções de funções injetiva.apresentaç ão Apresentação Esse livro foi escrito para ser utilizado no curso de Licenciatura em Ma- temática a distância. o conceito de cardinalidade de um conjunto e provamos os principais teoremas relacionados. as operações sobre conjuntos (união. as operações sobre os mesmos. Na Aula 5 definimos o conjunto dos números reais a partir do postulado de Dedekind. Nesse livro definimos conjuntos. Na Aula 4 introduzimos o conceito de corpo ordenado. 9 . in- terseção. Mostramos que números racionais são densos em R e definimos a raiz n-ésima de um número real não negativo. Na Aula 2 introduzimos os conceitos de conjuntos finito. Na Aula 1 definimos conjunto. provamos vários resultados envolvendo os conceitos de ı́nfimo e de supremo de um conjunto.

Definimos sequência de Cauchy e mostramos que uma sequência de números reais é convergente se. Falamos sobre a representação decimal de números reais. Falamos sobre valor absoluto e desigualdades. e somente se. provamos o Teorema do San- duiche. Na Aula 8 introduzimos o conceito de sequência monótona. 10 . mostramos que toda sequência monótona limitada é convergente e provamos o Teorema de Bolzano-Weierstrass. Mostramos a unicidade do limite. Na Aula 7 introduzimos os conceitos de sequência numérica e de limite de sequências. Na Aula 6 demonstramos o Teorema dos Intervalos Encaixados e mostramos que o conjunto dos números reais é não enumerável. falamos sobre as propriedades de limites e introduzimos o conceito de subsequência. ela for de Cau- chy.

visando apoiar a formação de professores em Minas Gerais. bem como a produção de outros materiais pedagógicos sobre EAD. como também produzir e editar livros acadêmicos e/ou didáticos. Fernando Selmar Rocha Fidalgo Editor 11 . pesquisa e extensão. que incluem atividades de ensino. Unidade Administrativa da Pró-Reitoria de Graduação. o CAED-UFMG decidiu. Como um passo importante e decisivo. O CAED-UFMG (Centro de Apoio à Educação a Distância da Universidade Federal de Minas Gerais). foi criado o Programa Pró-Licenciatura com a criação dos cursos de graduação a distância e. credenciando a UFMG junto ao Ministério da Educação para a oferta de cursos a distância. coordenar e assessorar o desenvolvimento de cursos de graduação. tem por objetivo administrar. Atualmente. diante do objetivo de formação inicial de professores em serviço. promover a articulação da UFMG com os polos de apoio presencial. A UFMG integrou-se a esses programas. Em 2007. cinco cursos de graduação. desenvolver estudos e pesquisas sobre educação a distância. quatro cursos de pós-graduação lato sensu. com a necessidade de expansão da educação superior pública. a UFMG oferece. impressos e digitais. no ano de 2011. além de desenvolver um ensino superior de qualidade em municípios brasileiros desprovidos de instituições de ensino superior. foi criado pelo Ministério da Educação o Sistema Universidade Aberta do Brasil – UAB.nota do editor A Universidade Federal de Minas Gerais atua em diversos projetos de Educação a Distância. através do Pró-licenciatura e da UAB. de pós-graduação e de extensão na modalidade a distância. criar a Editora CAED-UFMG como forma de potencializar a produção do material didático a ser disponibilizado para os cursos em funcionamento. em 2008. sete cursos de aperfeiçoamento e um de atualização. destacam-se as ações vinculadas ao Centro de Apoio à Educação a Distância (CAED). Dentre elas. que iniciou suas atividades em 2003.

1 Conjuntos e funções .

con- vergência. inteiros. b. d} é o conjunto cujos elementos são a. escrevemos a ∈/ A. o conjunto que não tem elementos. Z.4. Exemplo 1. d. continuidade. x2 + 1 vale pelo menos 1. Exemplo 1. bem como a composição de duas funções. ou seja. Por outro lado. pois o quadrado de qualquer inteiro é um inteiro não negativo. A = { a. 4. diferenciabilidade e integração) deve ser baseada no conceito de conjunto. Se A for o conjunto das raı́zes inteiras da equação x2 + 1 = 0. usam-se letras maiúsculas para denotar os conjuntos e letras minúsculas para denotar os elementos de um conjunto.AULA1: CONJUNTOS E FUNÇÕES OBJETIVOS Ao final dessa aula.2. Normalmente. Se A = {−2. lê-se A está contido em B. c.2. portanto. Se todos os elementos de um conjunto A pertencerem ao conjunto B. 5}. Exemplo 1. então A ⊂ B ou B ⊃ A. racionais e reais. Exemplo 1.3. Compreender o conceito de conjunto e lidar com as operações sobre conjuntos. −1. Compreender os conceitos de funções injetiva. então A = ∅. dos números naturais. b. então B contém todos os elementos de A e dizemos que B contém A e escrevemos B ⊃ A. 2. Se A = {−2. 5}. então denotamos este fato escrevendo a ∈ A. lê-se a pertence a A. por isso é con- veniente introduzir o conjunto chamado vazio. se todos os elementos de A pertencerem a B. Exemplos muito importantes de conjuntos são os conjuntos numéricos N. dizemos que A está contido em B e escrevemos A ⊂ B. se a não for um elemento de A.5. 1. Equivalentemente. Definição 1.1 A definição de conjunto Uma discussão satisfatória dos principais conceitos de análise (por exemplo. 4. Exemplo 1. 2. c. Definição 1. Q e R. 4. lê-se a não pertence a A. Tal conjunto será denotado pelo sı́mbolo ∅. Um conjunto é uma coleção de objetos. então 0 ∈ A e 1 ∈ / A.1. sobrejetiva e bijetiva.1. 5} e B = {−2. 0. conhecidos como elementos do conjunto. aul a 1: Con jun tos e funções 13 . Às vezes não sabemos a priori se um conjunto tem elementos. 0. respectivamente. o aluno deverá ser capaz de: 1. Se um elemento a pertencer ao conjunto A. 0.

então A ∪ B = {−2.2 Operações sobre conjuntos Definição 1. 0. então A ∩ B = {0}.2: A ∩ B. onde o sı́mbolo ⇐⇒ significa “é equivalente a” ou “se. 5} e B = {0. 5}. Nas Figuras 1. 4. A = B ⇐⇒ A ⊂ B e B ⊂ A. e somente se”.5. Dados arbitrariamente dois conjuntos A e B. Definição 1. 5} e B = {0. 3}. 0. B A B A Figura 1. denotada por A ∩ B é o conjunto composto por todos os elementos que pertencem a A e a B ao mesmo tempo. definimos a união de um número qualquer (finito ou não) de conjuntos: se Aα ’s são conjuntos arbitrários. A interseção de dois conjuntos A e B. então a união dos Aα ’s é denotada por ∪α∈Ω Aα e dizer que a pertence a ∪α∈Ω Aα significa que a ∈ Aα para algum α ∈ Ω.3. onde os ı́ndices α’s perten- cem ao conjunto Ω.7. 1. Se A = {−2. quando todos os elementos de A pertencem a B e todos os elementos de B pertencem a A. De maneira análoga. 14 Funda men tos de A n á lise I . definimos a interseção de um número qualquer (finito ou não) de conjuntos: se Aα ’s são conjuntos arbitrários. Dizemos que dois conjuntos A e B são iguais e denotamos A = B.2 as áreas hachuradas representam a união e interseção dos conjuntos A e B. 1. Dizer que a pertence a ∩α∈Ω Aα significa que a ∈ Aα . para todo α ∈ Ω.6. respectivamente. denotamos por A ∪ B o conjunto formado pela união de A e B. 3}.1 e 1. ou seja. De maneira análoga. Exemplo 1. 4. Definição 1.4. 1. 4. Dizer que a ∈ A ∪ B significa que a pertence a pelo menos um dos dois conjuntos A ou B. Se A = {−2. 3. onde os ı́ndices α’s pertencem ao conjunto Ω. 1. 0. através de diagramas de Venn.1: A ∪ B Figura 1. Exemplo 1. então a interseção dos Aα ’s é denotada por ∩α∈Ω Aα .

logo x ∈ ( A ∩ C ) ∪ ( B ∩ C ). o que mostra (1. De fato.2).2. logo x ∈ ( A ∪ B) ∩ C.2) A seguir mostraremos (1. A seguir. então x ∈ ( A ∪ B) ∩ C. Exercı́cio 1.1). temos que mostrar as seguintes in- clusões: ( A ∪ B) ∩ C ⊂ ( A ∩ C ) ∪ ( B ∩ C ) (1. então x ∈ A ∪ B. x ∈ B ∩ C. para provarmos a relação acima. Exemplo 1. então temos uma das seguintes possilidades: (i) x ∈ A ∩ B ou (ii) x ∈ B ∩ C. Mostre que ( A ∩ B ) ∪ C = ( A ∪ C ) ∩ ( B ∪ C ). mostraremos (1. Exercı́cio 1. então x ∈ ( A ∩ C ) ∪ ( B ∩ C ). como x ∈ B. então temos uma das seguintes possibilidades: (i) x ∈ A e x ∈ C. como x ∈ A. Sugestão: Para provar a dupla inclusão deve-se mostrar que A ∩ B ⊂ A e A ⊂ A ∪ B. portanto x ∈ A ∪ B e x ∈ C. logo x ∈ ( A ∪ B) ∩ C. De fato. ou seja. (1. portanto. Portanto. Prove que A ∩ B ⊂ A ⊂ A ∪ B. aul a 1: Con jun tos e funções 15 .1. Mostraremos que ( A ∪ B ) ∩ C = ( A ∩ C ) ∪ ( B ∩ C ). então x ∈ A ∪ B. portanto x ∈ A ∪ B e x ∈ C.1) e ( A ∩ C ) ∪ ( B ∩ C ) ⊂ ( A ∪ B) ∩ C. se x ∈ ( A ∩ C ) ∪ ( B ∩ C ). se x ∈ ( A ∩ C ) ∪ ( B ∩ C ). se x ∈ ( A ∪ B) ∩ C. De fato. No caso (i) temos x ∈ A e x ∈ C. se x ∈ A ∪ B e x ∈ C. ou seja. ou (ii) x ∈ B e x ∈ C. No caso (ii) temos x ∈ B e x ∈ C. portanto x ∈ A ∩ C.2).1).8. temos uma das seguintes possibilidades: x ∈ A ∩ C ou x ∈ B ∩ C. o que mostra (1.

Em particular. 3.10.4. Em muitas situações haverá um conjunto universo (poderia ser. A − B = {x ∈ A : x ∈ / B }. Exemplo 1. 2.5. então B = C. então B = C. 16 Funda men tos de A n á lise I . Dados dois conjuntos A e B. ou seja. 3}. ( A ∪ B) ∪ C = A ∪ ( B ∪ C ). através de diagrama de Venn. dado um conjunto A. Exemplo 1. Sejam A = {1. Definição 1. 1. Na Figura 1. o conjunto B − A e o denotamos por Ac ( B). Se A ⊂ B. chamamos de complementar de A em relação a B. encontre A − B e B − A. 3} e B = {0.3. A ∩ ( B ∩ C ) = ( A ∩ B) ∩ C.3 a área hachurada representa a operação A − B. 8}. o conjuntos dos números reais) e os demais conjuntos serão subconjuntos dele.9.7. Exercı́cio 1.6. 3. (ii ) se A ∩ B = A ∩ C. por exemplo. Mostre que (i ) se A ∪ B = A ∪ C. Sejam A = {−2. Exercı́cio 1. formalmente. 3} − {2. 2. 4} − {1. o conjunto consis- tindo daqueles elementos de A que não pertencem a B. 8}. 0. 3} = {4}. −1. A ∪ B = B ∪ A. Exercı́cio 1. por Ac denotaremos o complementar de A em relação ao conjunto universo. então Ac ( B) = {4. 3} e B = {1. Definição 1. 3. 4} = {1} e {2. denotamos por A − B. A ∩ B = B ∩ A. Note que {1. Mostre que as operações de união e interseção são comutativas e asso- ciativas. 4.

3. Tome arbitrariamente x ∈ ( A ∪ B) − A. Exemplo 1. com isso provamos (1. (1. para mostrarmos que ( A ∪ B) − A = B − A. Tome arbitrariamente x ∈ B − A.5).8. 5}. Então x ∈ B e x∈/ A. ou seja. (1. Então x ∈ A ∪ B e x ∈ / A.3) De fato. denotada por A  B. Mas se x ∈ A ∪ B. é definida como A  B = ( A − B ) ∪ ( B − A ). então x ∈ B − A. 4}. A diferença simétrica de dois conjuntos A e B. Mas se x ∈ B.4: A∆B Exemplo 1. Na Figura 1. Mostre que ( A ∪ B) − A = B − A. o que significa que x ∈ ( A ∪ B) − A. A B A B Figura 1. então x ∈ B e x ∈ / A. ou seja. A seguir mostraremos (1. temos que mostrar as se- guintes inclusões: ( A ∪ B) − A ⊂ B − A (1.12. então A  B = {1. 3. se x ∈ B − A.4 a área hachurada representa a operação A∆B. então x ∈ A ∪ B.4). com isso provamos (1.5). 5} e B = {2.3: A − B Figura 1.5) A seguir mostraremos (1. mas por hipótese x ∈/ A. aul a 1: Con jun tos e funções 17 .4) e B − A ⊂ ( A ∪ B) − A. logo x ∈ B. significa que x ∈ A ou x ∈ B. através de diagrama de Venn. 2. então x ∈ ( A ∪ B) − A. Se A = {1. 4. o que significa que x ∈ B − A.Definição 1. então x ∈ A ∪ B e x ∈ / A. se x ∈ ( A ∪ B) − A.4).11.

8) para o aluno.7) (o complemento da união é a interseção dos complementos) e S − ∩ α ∈ Ω A α = ∪ α ∈ Ω ( S − A α ). (1. (1.6) Teorema 1. para todo α ∈ Ω.7). (1. para todo α ∈ Ω. portanto x ∈ / ∪α Aα . x ∈ ∩α∈Ω (S − Aα ). Deixamos a demonstração de (1. para cada α ∈ Ω.10). onde o complementar é em relação ao conjunto S. x não pertence a nenhum dos Aα . temos x ∈ S − Aα .9) e de (1. respectivamente.8) (o complemento da interseção é igual a união dos complementos). (1. ou seja.6. então valem as seguintes relações: S − ∪ α ∈ Ω A α = ∩ α ∈ Ω ( S − A α ). x ∈ / Aα . Suponha que x ∈ S − ∪α∈Ω Aα . se x ∈ ∩α∈Ω (S − Aα ). portanto. Ac = ( A ∪ B) − A. (De Morgan) Seja ( Aα )α∈Ω uma coleção de subconjuntos de S. então x ∈ / ∪α Aα . podemos tomar o comple- mentar em relação a S = A ∪ B.10) De (1. (1.8) podem ser reescritas como (∪α Aα )c = ∩α Acα e (∩α Aα )c = ∪α Acα . 18 Funda men tos de A n á lise I . temos (1.1. Neste caso temos ( A ∩ B ) c = ( A ∪ B ) − ( A ∩ B ).7) e (1. Portanto. Note que (1.9) Por outro lado. o que mostra que S − ∪ α ∈ Ω A α ⊂ ∩ α ∈ Ω ( S − A α ). o que mostra que ∩α∈Ω ( S − Aα ) ⊂ S − ∪α∈Ω Aα . por conseguinte x ∈ S − ∪α∈Ω Aα . digamos A e B. então x ∈ S − Aα . Exercı́cio 1. Mostre que ( A ∪ B) − B = A − B. portanto. Prova. Se tivermos apenas dois conjuntos.

b}.13.14. o produto cartesiano de A e B. Exemplo 1. 2). (2. 1. ( a) Encontre os conjuntos ( X ∪ Y ) × Z e ( X × Z ) ∪ (Y × Z ) e os compare.11)). tais que que a ∈ A e b ∈ B. 1. temos concluimos que ( A ∪ B) − ( A ∩ B) = (( A ∪ B) − A) ∪ (( A ∪ B) − B). portanto. e}. (2. 4}. 3}. 4). (b) Encontre os conjuntos ( X ∩ Y ) × Z e ( X × Z ) ∩ (Y × Z ) e os compare. (1. 3} e B = {2.3 Produto cartesiano de conjuntos Definição 1.e Bc = ( A ∪ B) − B. 2.11) Exemplo 1.9. é o conjunto dos pares ordenados ( a.3) e (1. (3. Mostraremos que A∆B = ( A ∪ B) − ( A ∩ B). Y = {b. b). aul a 1: Con jun tos e funções 19 . 4). Note que A∆B = ( A − B) ∪ ( B − A) (usamos a definição de A∆B) = (( A ∪ B) − B) ∪ (( A ∪ B) − A) (usamos (1. Sejam A = {1.7. 4} e B = {2. 4)}. c. Exercı́cio 1. denotado por A × B.6)) = ( A ∪ B) − ( A ∩ B) (usamos (1. Dados dois conjuntos A e B. 2).8) ( A ∩ B)c = Ac ∪ Bc . (1. (3. 2). De (1. Sejam X = { a. d} e Z = {b. então A × B = {(1. Exercı́cio 1. das relações acima. Encontre o produto cartesiano dos conjuntos A = {0.8.

o que implica a ∈ X.16. . b) ∈ (Y × Z ). b) ∈ ( X × Z ) ∪ (Y × Z ). (1.12). ( a. ou seja. (1. então b ∈ Z e a ∈ X ou a ∈ Y.16) Por outro lado. b) ∈ ( X ∪ Y ) × Z. d} e Z = {e}. Teorema 1. . O produto cartesiano A1 × A2 × A3 × . ( a. . . e). × An . (1. a ∈ Y. temos (1. An é o conjunto das n-uplas ( a1 . portanto. an ). se ( a.13) Prova. Portanto a ∈ X ∩ Y e b ∈ Z. b) pertence a (Y × Z ). b) ∈ X × Z ou ( a. b) ∈ (Y × Z ). onde ai ∈ Ai . 20 Funda men tos de A n á lise I . Z conjuntos. e)}. Portanto ( a. .14) Por outro lado. . b) pertence a ( X × Z ) e ( a.15). Então b ∈ Z e a ∈ X ou a ∈ Y.16) e (1.17). Definição 1. . b) ∈ ( X × Z ) e ( a. .15) De (1.14) e (1. . para i = 1. Y = {c. b) ∈ ( X × Z ) ∪ (Y × Z ). d. Exemplo 1.13). portanto ( a. b) ∈ ( X ∩ Y ) × Z. a2 . . ou seja. n. b) ∈ ( X × Z ) ∩ (Y × Z ). portanto. Sejam X = { a. . c. ( X × Z ) ∩ (Y × Z ) ⊂ ( X ∩ Y ) × Z. Para provarmos (1. (b.2. b) ∈ ( X × Z ) ∩ (Y × Z ). então ( X ∪ Y ) × Z = ( X × Z ) ∪ (Y × Z ) (1. o que mostra que ( X ∪ Y ) × Z ⊂ ( X × Z ) ∪ (Y × Z ) . . b) ∈ ( X ∪ Y ) × Z. (b. Suponha que ( a. (1. Exemplo 1. temos (1. a ∈ Y e b ∈ Z. estas duas inclusões implicam que ( a. (1. Então X × Y × Z = {( a. ( X ∩ Y ) × Z ⊂ ( X × Z ) ∩ (Y × Z ) . O espaço R n é o produto cartesiano de R com ele mesmo n vezes. e).10. d.17) De (1. .15. Sejam X. b) ∈ ( X ∩ Y ) × Z. dos conjuntos A1 . o que mostra que ( X × Z ) ∪ (Y × Z ) ⊂ ( X ∪ Y ) × Z. ( a. . consequentemente. então a ∈ X ∩ Y e b ∈ Z.13). ( a. b}. Logo a ∈ X. então ( a. se ( a. c. 2.12) e ( X ∩ Y ) × Z = ( X × Z ) ∩ (Y × Z ) . e). suponha que ( a. e b ∈ Z. Y.

se para todo y ∈ B existir algum x ∈ A. 2. f (2) = 1. Então f é injetiva. ou seja. que denotamos por f ( A). Dados os conjuntos A = {1. 2. Se f for injetiva e sobrejetiva. sobre- jetiva. 4} e B = {1. 3. pois 3. Exemplo 1. f (3) = 2. 3. respectivamente. Como f é injetiva e sobrejetiva. f (4) = 3. Os números racionais e reais serão introduzidos nas Aulas 3 e 5. aul a 1: Con jun tos e funções 21 . dizemos que f é uma função bijetiva ou bijetora. 2. pois para todo y ∈ B. 3. Definição 1. tivermos f ( x )  = f ( y ). f é sobrejetiva. Exemplo 1. respectivamente. então f é bijetiva. onde A e B são dois conjuntos arbitrários. com x = y. 2. Dados arbitrariamente dois conjuntos A e B. pois se x e y são elementos de A. com x = y. dizemos que está definida sobre A uma função f com valores em B. Dados os conjuntos A = {1. Além disso.11. 3 = 4 e f (3) = f (4). 4}. Seja f : A → B uma função. sobrejetivas. então f ( x ) = f (y). Embora as definições dadas se apliquem a conjuntos arbitrários. Além disso. Então f não é injetiva. se para cada elemento x ∈ A corresponder um único elemento y ∈ B. y ∈ A. A imagem de f é o conjunto {y ∈ B : y = f ( x ). tal que f ( x ) = y. Dizemos que f é injetiva ou injetora. f (3) = 3.12. assumiremos que o aluno conheça apenas os números naturais e inteiros. seja f : A → B definida por f (1) = 4. Por isso nos restringiremos a exemplos de funções cujos domı́nios e contradomı́nios sejam subconjuntos dos números naturais e in- teiros. 4 ∈ A. existe pelo menos um x ∈ A.1. f (2) = 1. neste caso dizemos que existe uma bijeção entre os conjuntos A e B. tal que y = f ( x ). o qual denotamos por f ( x ). Os conjuntos A e B são chamados de domı́nio e contra-domı́nio de f . existe pelo menos um x ∈ A. então f não é bijetiva. bijetiva e de composição de duas funções. tal que f ( x ) = y. quando falaremos de funções de uma variável real. Dizemos que f é sobrejetiva ou sobrejetora. f é sobrejetiva. f (4) = 3. seja f : A → B definida por f (1) = 2. Como f não é injetiva. Definição 1.4 Funções injetivas. 4} e B = {1. bijetivas e compostas Nesta seção introduziremos rapidamente os conceitos de funções injetiva. pois para todo y ∈ B.18. Exemplos de funções onde os domı́nios e contradomı́nios serão subcon- juntos dos números reais serão vistos no curso de Fundamentos de Análise II.17. Simbolicamente f : A → B denota uma função definida em A e tomando valores em B. B = f ( A). para algum x ∈ A}. 3}. se para todos x.

9} que seja injetiva. . então f (m) − f (n) = n2 − m2 = (m − n)(m + n) = 0.9. implica que m − n = 0 e m. 9} que seja bijetiva? Exercı́cio 1. 3. Note que. Seja f : Z → Z.20. Exemplo 1. 2. Como f (m) = f (n) sempre que m = n. 2. (i ) Dê um exemplo de uma função f : {1. A função f é bijetiva? Exercı́cio 1. 9} que seja sobrejetiva? (iii ) É possı́vel definir uma função h : {1. Exercı́cio 1. então 1 faz parte do contradomı́nio de f . Mostre que a função f : N → N ∪ {0}. 2. 1 = 3 e f (1) = f (3). n ∈ N. tal que f ( x ) = 3. 2. 2. 3} → {3. Exercı́cio 1. Então f é injetiva.11. mas não existe n no domı́nio de f . f não é sobrejetiva.19. pois 3 ∈ B e não existe x ∈ A. f (2) = 1. 6. 3}.} e f : N → N. 5. seja f : A → B definida por f (1) = 2. 3} → {3. 2. portanto m + n = 0. 3} → {3. portanto f não é sobrejetiva. pois m = n. definida por f (n) = n2 + 1. 6. 2. pois se n ∈ N. Sejam N = {1. definida por f (n) = n − 1 é bijetiva. Então f não é injetiva. então f (n) = n2 + 1 ≥ 2. tal que f (n) = 1. 2. f (3) = 2. n ∈ N e m = n. . . 3} ? Exemplo 1. concluimos que f é injetiva. Dados os conjuntos A = {1. mas não é sobrejetiva. 3 ∈ A. 6. implica que m + n ∈ N. pois 1. suponha que m. 3} em {1.12. 5. Além disso. definida por f (n) = 2n. 5.10. 3} e B = {1. Quantas funções injetivas existem de {1. De fato. 22 Funda men tos de A n á lise I . (ii ) É possı́vel definir uma função g : {1. como o contradomı́nio de f é N.

sejam f : S → T e g : T → U duas funções. Definição 1.13. se n for par 1 − n−2 . definida por ( g ◦ f )( x ) = g( f ( x )). Mostre que a função f : N → N. Mostre que h : N → N. Exercı́cio 1.17. é a função g ◦ f : S → U. (A composta de duas funções) Dados os conjuntos S. onde  n3  é a parte inteira de n3 . Exercı́cio 1. T e U. Mostre que a função f : N ∪ {0} → N ∪ {0}. se n é ı́mpar h(n) = n − 1. se n for ı́mpar é bijetiva. é bijetiva.15. definida por f (n) = n2 é injetiva. onde n ∈ N. se n é par. No curso de Fundamentos de Análise II falaremos com mais detalhes sobre a composição de funções. Mostre que a função f : N → 2N. para este curso basta o aluno saber a definição dada acima. denotada por g ◦ f .13. é sobrejetiva. Ela é sobrejetiva? Exercı́cio 1. mas não é injetiva. aul a 1: Con jun tos e funções 23 .16. é bijetiva. Exercı́cio 1. definida por f (n) = 2n. definida por f (n) =  n3 . o conjunto dos números da forma 2n. Exercı́cio 1.14. Seja 2N o conjunto dos números naturais pares. A composta de g com f . ou seja. definida por  n + 1. definida por  n ϕ(n) = 2. Mostre que a função ϕ : N → Z.

U conjuntos. Suponha que f e g sejam injetivas. y ∈ S e x = y. Então. Prova. então a composta g ◦ f é injetiva. tal que g(z) = y. existe z ∈ T. Teorema 1. Suponha que f e g sejam sobrejetivas. (b) Se f e g forem sobrejetivas. temos g( f ( x )) = g( f (y)). Dado arbitrariamente y ∈ U. mostraremos que existe x em S. temos f ( x ) = f (y). tal que f ( x ) = z. como g é injetiva. existe x ∈ S. então a composta g ◦ f é sobrejetiva. O item (c) segue de ( a) e (b). (c) Se f e g forem bijetivas. Sejam S. Como f é sobrejetiva. f : S → T e g : T → U funções. g ◦ f é sobrejetiva. o que mostra que g ◦ f é injetiva. ( a) Se f e g forem injetivas. como g é sobrejetiva. por quê? 24 Funda men tos de A n á lise I . T. dado y ∈ U. g( f ( x )) = g(z) = y. De fato. Sejam x. tal que f ( g( x )) = y.3. então a composta g ◦ f é bijetiva. Como f e g são injetivas. portanto.

25 .

2 Conjuntos enumeráveis e conjuntos não enumeráveis .

3. Sejam A e B dois conjuntos finitos. . . . Se um conjunto não for finito.1 Conjunto finito e cardinalidade Definição 2.1. Sejam A e B conjuntos finitos. Z. podemos escrever A = { a1 . b. n} → A. em particular os conjuntos N. Teorema 2. então | A ∪ B| = | A| + | B| . se A = { a. . . e somente se. (b) Se A e B forem disjuntos. Dado um número inteiro positivo n. As afirmações abaixo seguem imedidatamente da definição de cardinalidade. Por exemplo.1. Saber dar exemplos de conjuntos não enumeráveis. . Saber provar que os conjuntos dos números naturais. então | A| = | B| se.2. 2. . 2. Portanto. existir uma bijeção f : A → B. 3. Dado um conjunto finito A. Se um conjunto for infinito.1) (c) | A × B| = | A| . Exemplo 2. dizemos que A tem n elementos. 2. . Dizemos que um conjunto A é finito. dizemos que a sua cardinalidade é infinita. (a) Se B ⊂ A.AULA2: CONJUNTOS ENUMERÁVEIS E CONJUNTOS NÃO ENUMERÁVEIS OBJETIVOS Ao final dessa aula. então | A| = 3. chamamos de cardinalidade de A. | B| . c}. Q e R têm cardinalidades infinitas. Definição 2. Definição 2. denotada por | A|. se ele contém um número finito de elementos. onde ai = ϕ(i ).1. dizemos que ele é infinito. o aluno deverá ser capaz de: 1. dos números inteiros e dos números racionais são enumeráveis. então | B| ≤ | A| . o número de elementos de A. Aul a 2 – Con jun tos enumer áv eis e con jun tos n ão enumer áv eis 27 . a n }. (2. se existir uma bijeção ϕ : {1. Compreender os conceitos de conjunto enumerável e não enumerável e de car- dinalidade de um conjunto.

para i = 1. Se A for um conjunto finito. Proposição 2. Seja f : A → B definida por f ( ai ) = bi . para todo b ∈ B existe exatamente um a ∈ A. a proposição é verdadeira. . . 2. Portanto B tem pelo menos m elementos.1. Quando n = 1. Suponha que ϕ não fosse sobrejetiva. Seja A = {−1. por quê? Suponha que exista uma bijeção f : A → B. bn }. então ci ∈ A. bn }. 6}. para todo i = j. para todo i. Podemos escrever A = { a1 . . Suponha que tenhamos provado que a proposição seja verdadeira para qualquer conjunto com β elementos. isto nos permite definir uma função g : B → A. . . Seja A um conjunto qualquer com β + 1 elementos e ϕ : A → A. por quê? Seja ci = g(bi ). . . Das desigualdades | B| ≥ | A e | A| ≥ | B|. .1. | A| ≥ B. Dê um exemplo de uma função injetiva do conjunto A nele mesmo. que é claramente e injetiva e sobrejetiva. . existiria algum elemento a ∈ A. . tal que f ( a) = b. é ϕ( a) = a. e como f é injetiva. mostraremos que existe uma bijeção f : A → B. Prova. então ci = c j . então qualquer função injetiva ϕ : A → A é sobrejetiva. como g é injetiva. . | B | ≥ | A |. . para todo b ∈ B existe pelo menos um a ∈ A. mos- traremos que isto nos levaria a um absurdo. Então f é bijetiva. Como f é injetiva. Seja n o número de elementos do conjunto A. Exercı́cio 2. . Note que f ( ai ) ∈ B. ou seja. para i = j. como f é bijetiva. então a única função ϕ : A → A. Suponha que | A| = | B| = n. digamos. . . . . . uma função injetiva. pois se A possui apenas um elemento. Seja 28 Funda men tos de A n á lise I . para i = 1. . para todo i = j. . A função g é bijetiva. concluimos que | A| = | B|. existe no máximo um a ∈ A tal que f ( a) = b. . onde f ( a) = b. n. Sejam | A| = m e | B| = n. tal que g(b) = a. Portanto. Mostraremos que | A| = | B|. Independentemente da função injetiva que o aluno tenha considerado no exercı́cio anterior. se ϕ não fosse sobrejetiva. 0. . ela necessariamente é sobrejetiva e isto é uma consequência da próxima proposição. f ( ai ) = f ( a j ). . tal que a não pertence a imagem de ϕ. portanto A tem pelo menos n elementos. am } e B = {b1 . tal que f ( a) = b. Prova. De fato. podemos escrever A = { a1 . Como f é sobrejetiva. onde ai = a j e bi = b j . A = { a}. ou seja. an } e B = {b1 . Observe que a sua função é sobrejetiva. n. .

{2. tal que ψ(b) = ϕ( a). .2) vale para qualquer conjunto finito A. . {1.2. b = a. x k +1 }.1. Seja A um conjunto finito. o que é uma contradição. {3}. concluiremos que (2. 2. {2}. 3}}. portanto. pois o número 1 não faz parte da sua imagem.2) é verdadeira para n = 1. então P( A) = {∅. portanto (2.2) for verdadeira para qualquer conjunto com k elemen- tos. segue que ψ é sobrejetiva. . então ψ também é injetiva. mas não é sobrejetiva. Por exemplo. então |P ( A)| = 2| A| . como ψ é sobrejetiva. definida por ϕ(n) = n + 1.B = A − { a} e ψ : B → B. por quê? Sendo ψ injetiva e como B tem β elementos. Então P ({ x1 . Logo P ({ x1 . por quê? 2. . pois ϕ é injetiva. {1}. existe b ∈ B. que não é sobrejetiva. Teorema 2. Mostraremos que se (2. tal que ψ(y) = ϕ(y). se A = {1.  ( A) como o subconjunto de P ( A) formado por aqueles subconjuntos de Defina P A que contêm xk+1 . . A demonstração será por indução no número de elementos do conjunto A. Suponha que (2. Exercı́cio 2. Como a não está na imagem de ϕ. 3}. {1. . Este é um exemplo de uma função injetiva de um conjunto nele mesmo. xk }) ∩ P ( A) = ∅ Aul a 2 – Con jun tos enumer áv eis e con jun tos n ão enumer áv eis 29 . digamos A = { x1 . por indução. . 3}. Portanto ϕ( a) ∈ B.2. (2.2 O conjunto P ( A) Definição 2. logo |P ( A)| = 2 = 21 = 2| A| . para todo y ∈ B.2) seja verdadeira para qualquer conjunto com k elementos e seja A um conjunto com k + 1 elementos. então ϕ( a) = a. Seja ϕ : N → N. Dado um conjunto finito A.4. 3}. . . . terı́amos ϕ(b) = ϕ( a). 2}. {1. então P ( A) = {∅. . xk }) é precisamente o subconjunto de P ( A) formado por aqueles subconjuntos de A que não contém xk+1 . definimos P ( A) como o conjunto cujos elementos são os subconjuntos de A. 2. Como ϕ é injetiva. Isto contraria a Proposição 2. digamos A = { a}. .2) Prova. esta função é injetiva. { a}}. como ψ(b) = ϕ(b). então ela será verdadeira para qualquer conjunto com k + 1 elementos e. da hipótese de indução. Se | A| = 1.

.  ( A) são da forma B ∪ { xk+1 }. de (2. . Se X e Y são conjuntos. xk }). portanto P     P ( A) = |P ({ x1 . . Lema 2. então existe uma função injetiva ϕ : A → A. e P ({ x1 . então pela hipótese de indução. . portanto. xk })| = 2 2k = 2k+1 e com isso concluimos a demonstração.1). . Por outro lado. xk })| + P ( A) . . . . . temos     |P ({ x1 . . xk })| . xk }) ∪ P ( A). xk+1 })| = 2 |P ({ x1 . . .1. . . . Como { x1 . Prova. xk })| = 2k . . . portanto |P ({ x1 . xk } tem k elementos. .  ( A) e P ({ x1 . . . . . xk+1 }) = P ({ x1 . . . . . .2. Exemplo 2. . A ∈ P ( X ) ∪ P (Y ) ⇐⇒ A ⊂ X ou A ⊂ Y ⇐⇒ A ⊂ X ∪ Y ⇐⇒ A ∈ P ( X ∪ Y ). têm o mesmo número de elementos. . para algum Note que os elementos de P B ∈ P ({ x1 . . . . 30 Funda men tos de A n á lise I . que não é sobrejetiva. Se A for um conjunto infinito. |P ({ x1 . xk+1 })| = |P ({ x1 . . . xk }). ou seja. então P ( X ) ∩ P (Y ) = P ( X ∩ Y ) e P ( X ) ∪ P (Y ) ⊂ P ( X ∪ Y ) . . . . . . . . . . Note que A ∈ P ( X ) ∩ P (Y ) ⇐⇒ A ⊂ X e A ⊂ Y ⇐⇒ A ⊂ X ∩ Y ⇐⇒ A ∈ P ( X ∩ Y ). .

. . ak }. . . para cada bi ∈ f ( A) existe exatamente um ai ∈ A. . . então como f ( A) ⊂ B. . a2 . definida como ϕ( an ) = an+1 . (b) Seja f sobrejetiva. . Proposição 2. cujo imagem é A − { a1 } (por quê?).. se a ∈ A. . Exercı́cio 2. o que mostra que A ⊂ { a1 . . . então B é finito. concluimos que f ( A) tem no máximo n elementos. então A é finito. . Exercı́cio 2. . . Se A for infinito. De fato. Prove que existe uma função injetiva f : A → B e uma função sobrejetiva g : B → A. portanto B é finito. f ( an )}. an }. . . e somente se. . an pode incluir todos os elementos de A. .1. po- demos escrever A = { a1 . então A é infinito. . logo A tem k elementos. Seja k o número de elementos de f ( A). . . . de elementos de A que são distintos (ou ai = a j se i = j). . . . Como f é injetiva. portanto esta função não é sobrejetiva. Afirma- mos que A = { a1 . . por outro lado. k. que não é sobrejetiva.1 diz que se A for finito. . ( a) Seja f injetiva. . . logo { a1 . . . se A for infinito.4.Prova. portanto a = ai . Sejam A um conjunto finito e B um conjunto infinito. Se A for infinito então. então k ≤ n. por definição. Então ϕ é uma função injetiva (por quê?). Como f ( A) = { f ( a1 ).. . tal que f ( ai ) = bi . . Dada f : A → B. . . Por outro lado. . . . então A é infinito. a Proposição 2. ak }. Se A tem n elementos. existe uma função injetiva ϕ : A → A. . ak } ⊂ A. então B é infinito. . para todo n e ϕ( x ) = x para todos os elementos de A que não estão incluidos em a1 . pelo Lemma 2. . . (a) Mostraremos que se B for finito. . (a) Mostraremos que se A for finito. Destas duas inclusões. para algum i = 1. . existir uma função injetiva ϕ : A → A que não é sobrejetiva. an .2. cada ai ∈ A. .3. a2 . an . . Resolução. . . portanto B tem no máximo n elementos. . Como f é sobrejetiva. podemos escrever f ( A) = {b1 . Portanto. . . então toda função injetiva ϕ : A → A é sobrejetiva. Então existe uma lista infinita a1 . ak }. . . ak }. Se B tem n elementos. nenhuma lista finita de elementos a1 . segue-se que f ( A) tem no máximo n ele- mentos. . então f ( a) = bi . bk }. logo a ∈ { a1 . Seja ϕ : A → A. Aul a 2 – Con jun tos enumer áv eis e con jun tos n ão enumer áv eis 31 . . concluimos que A = { a1 . Um conjunto A é infinito se. Prova. se existir alguma função injetiva ϕ : A → A que não seja sobrejetiva. se B for infinito. . Como f ( A) tem k elementos. então B = f ( A). a2 . prove que as afirmações abaixo são verdadeiras. .

. . −2. 6. se um conjunto A for infinito e enumerável. por quê? Exemplo 2. . Dizemos que um conjunto A é enumerável. Portanto. . . . −7. . .4. . 8. .. . . . . para b ∈ B − {b1 . Suponha que A tenha n elementos. . -2. . se ele for finito ou se existir uma função bijetiva ϕ : N → A. −4. −5.. 6. 8. Note que ϕ(n) = 2n. . O conjunto −1.. 2. Sejam b1 . Exemplo 2. . bn−1 } é sobrejetiva. de modo que ela seja uma bijeção: 1 2 3 4 5 6 7 . .. . .. . . o esquema abaixo nos sugere como definir uma função ϕ : N → {-1. para i = 1.. . . n . ..5. então podemos escrever A = { a1 . então f é injetiva. . bn . −n.. n − 1 e f (b) = an . −n. a função g : B → A definida por g(bi ) = ai . . −2. . . 2. . . a n . 14. −4. −3. . . -n. ↓ . De fato.. . .3 Conjuntos enumeráveis Definição 2. . . portanto A = { a1 . definida por ϕ(n) = n é bijetiva. . } de modo que ela seja uma bijeção: 1 2 3 4 5 6 7 . . para i = 1. -3.. . . elementos distintos de B. ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ . . Resolução. Note que o conjunto N é enumerável. ϕ (2) = a2 . . . . . . 4. ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ . n . ϕ ( n ) = a n . . a2 . . . −1. . −6. . . . . an }. .} é enumerável. . −3. por quê? 32 Funda men tos de A n á lise I . Exemplo 2. 2n. o esquema abaixo nos sugere como definir uma função ϕ : N → {2. 4.. A função ϕ é bijetiva. n. 4. Note que ϕ(n) = −n. Por outro lado. . 10.. A função ϕ se chama uma enumeração dos elementos de A. . . . .. podemos indexar (rotular ) os elementos de A usando com números naturais como ı́ndices.3. 6. ↓ .. Escrevemos ϕ (1) = a1 . O conjunto {2.5. . 2n.. . A função ϕ é bijetiva. . . Seja f : A → B definida por f ( ai ) = bi . . }. De fato. . }. 12. .. . é enumerável. pois a função ϕ : N → N. . . . -4.

Corolário 2. ϕ(2n) = n e ϕ(2n + 1) = −n. . n −n . . Se A ⊂ N. Afirmamos que ϕ é bijetiva. Como A é infinito. Prova. 0. vimos na demonstração do Teorema 2. . Como an+1 > an . . . . . por ser composta de bijeções. 0. O conjunto dos inteiros Z = {. . 3. Note que ϕ é definida da seguinte forma ϕ(1) = 0.1. onde B é um subconjunto de N. a função ϕ : N → A. portanto. g ◦ ϕ : A → N é uma bijeção. Suponha que A seja infinito. para todo n. como g é uma bijeção. .6. seja a1 o menor elemento de A. 1. Suponha que houvesse algum a ∈ A. . De fato o esquema abaixo nos sugere como definir uma função ϕ : N → Z de modo que ela seja uma bijeção: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 . . por quê? Teorema 2. . −3.. então A também será finito (| A| = | B| por quê?). Para mostrarmos que ela é sobrejetiva. 2n 2n + 1 .} é enumerável. Portanto an seria um número natural maior do que todos os elementos de um conjunto infinito de números naturais { a1 . −2. −4. . . . . então A é enumerável. portanto enumerável. Aul a 2 – Con jun tos enumer áv eis e con jun tos n ão enumer áv eis 33 . procedendo desta forma. Se B for finito. . −1. definimos an como o menor elemento de An−1 = A − { a1 . . Seja g : A → B uma bijeção. Se B for infinito. definida por ϕ(n) = an é injetiva. . an . basta mostrarmos que A = { a1 . . −2. Prova.}. 2.. −1.. . Então a pertenceria a An para todo n. . então A e qualquer subcon- junto de A do qual retiramos apenas um número finito de elementos será não vazio. Pelo princı́pio da boa-ordenação. . como ele é enumerável. .. o que implica que a > an . . 4. . Se A for finito por definição ele é enumerável e não terı́amos nada a fazer. .Exemplo 2. Então. . pelo Teorema 1. 2.3. an . ↓ ↓ . para todo n. 1.3. . . todo subconjunto não vazio de N pos- sui um menor elemento. . ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ . . a2 o menor elemento de A1 = A − { a1 }. A é enumerável. an−1 }. a2 }.}. o que é impossı́vel. então A é enumerável. . a3 o menor elemento de A2 = A − { a1 . . tal que a = an .3 que existe uma bijeção ϕ : B → N.

Mostre que todo subconjunto de um conjunto enumerável é enumerável. . 5) · · ·     (4. portanto enumerável. . podemos tomar a ∈ A. então existe uma bijeção ϕ : B → N. para todo b ∈ B. ou seja. 2. Portanto.1. apresentaremos duas maneiras para mostrar o resultado acima. 1) (5. 4) (1. 1) (3. 3) −→ (1. a qual é enumerável por ser um subconjunto N. . onde j = 1.. .): (1. . 4) (2. Se B for finito. Se B for enumerável. a composta ϕ ◦ f : A → N também é injetiva. Isto permite-nos definir uma função g : B → A. mostramos que existe uma bijeção de A sobre um subconjunto de N e pelo Co- rolário 2. então g(b1 ) = g(b2 ). então A também será. . Corolário 2. pois g(b1 ) = g(b2 ) implicaria f ( g(b1 )) = f ( g(b2 )). então B também será. 1) −→ (1. Seja f : A → B sobrejetiva. .8. cuja primeira coordenada é n. . Se A for enumerável. 1) (2. então pelo Corolário 2. temos que A é enumerável. Se B for infinito. como B é enumerável. Como f e ϕ são injetivas. Seja f : A → B injetiva. g é injetiva e A é enuméravel. Corolário 2. Então f é injetiva e.3. . tal que f ( a) = b.. pois f ( g(b1 )) = b1 e f ( g(b2 )) = b2 e. 4) (5. o que seria um absurdo. 4) (3. . b1 = b2 .2. 5) . . seja B um conjunto enumerável e A um subconjunto de B.2 B é enumerável. ↓     (3. Como f é sobrejetiva. 34 Funda men tos de A n á lise I . 2) (4. Exemplo 2.. 3) (3.2.. Prova. 4) (4. 3) (2. então pelo Teorema 1. Se b1 = b2 . elementos da forma (n. como f é injetiva. 2) (5. Considere a função f : A → B definida por f ( x ) = x. isto decorre do Teorema 2. pelo Corolário 2. De fato. 5) · · · . A primeira maneira é a seguinte: disponha os elementos de N × N na forma abaixo (na n-ésima linha colocamos todos os elementos do produto cartesiano N × N. . por hipótese. Portanto ϕ ◦ f é uma bijeção de A sobre a sua imagem. . O produto cartesiano N × N é enumerável. Prova.. Exemplo 2.3. 3) (5. . j). 2) (1.3.     (2. tal que g(b) = a. 5) . 1) (4. dado b ∈ B. portanto f ( g(b)) = f ( a) = b. . 1) (3. 5) · · · ↓     (5. De fato. 3) (4.7. então A também será finito (| A| ≤ | B| por quê?). . Logo. 2) (2. A também é enumerável.

f n : N → An . n). (2. fazendo f (m.3) Com isso definimos ϕ : N × N → N. An . . ϕ é injetiva e pelo Corolário 2. 1). Exemplo 2. então existem bijeções f : N → A e g : N → B. (1. pelo Corolário 2. portanto. 1). para algum m. .2. Sejam A1 . 1). Note que na definição de ϕ na segunda demonstração poderı́amos ter tomado dois primos quaisquer. N × N é enumerável. . De fato. 3). concluimos que Q é enumerável. Por outro lado Z × Z ∗ . então ϕ também será sobrejetiva. (1. . n) = ( f (m). dada por ϕ(m.A partir do elemento (1. Defina ϕ : N × N → A × B. . A segunda maneira é a seguinte: seja ϕ : N × N → N. concluimos que A é enumerável. .3n . O produto cartesiano de dois conjuntos enumeráveis é enumerável. definida por m ϕ(m. (2. De fato. a = f n (m) = f (m. ao invés de 2 e 3. . . portanto. seja Z ∗ = Z − {0}. 4). ele é enumerável. . pois dado a ∈ A. sendo o produto de dois conjuntos enumeráveis. concluimos que A × B é enu- merável.3) no número inteiro positivo n. (1. Corolário 2. Exemplo 2. O conjunto m  Q= : m.3.3. Como f e g são sobrejetivas. então sendo Z ∗ um subconjunto de Z que é enu- merável. n) = f n (m). .4. pelo Corolário 2. então a ∈ An para algum n. . (2. Seja A = ∪∞ n=1 An . A função ϕ : Z × Z ∗ → Q. 1) seguimos as setas para obter o elemento seguinte: (1.. .9. Sendo f sobrejetiva e como N × N é enumerável.2. 3). definida por ϕ(m. . 2). A2 . então existem bijeções f 1 : N → A1 . . f 2 : N → A2 . então f é sobrejetiva. de modo que ela leva o n-ésimo elemento de (2. (2. pelo Corolário 2. (3. sejam A e B dois conjuntos enumeráveis. . n = 0 n é enumerável. conjuntos enumeráveis. 2). n ∈ Z. Prova. Pela unicidade da decomposição de um número inteiro positivo em fatores primos. ele é enumerável. segue que N × N é enumerável.10. n) = n é sobrejetiva. de- fina f : N × N → A. g(n)). Aul a 2 – Con jun tos enumer áv eis e con jun tos n ão enumer áv eis 35 . . então pelo Corolário 2.3. . n) = 2m . A união enumerável de conjuntos enumeráveis é enumerável. Sendo ϕ sobre- jetiva e N × N enumerável. Claramente a função ϕ é injetiva. .

1. sendo a união de dois conjuntos enumeráveis enumerável. se f i (i ) = 1 f (i ) = . A seguir mostraremos (2. com isso concluiremos que A é não enumerável. . então concluirı́amos que R seria enumerável. 1}. dizemos que eles têm a mesma cardinalidade se. para todo i ∈ N. sabemos que R = Q ∪ (R − Q ) como Q é enumerável. Definição 2. então f e f i diferem pelo menos no ponto i. . 1}. se f i (i ) = 0 então por construção temos f (1) = f 1 (1). têm a mesma cardinalidade. (2. mostraremos que o con- junto dos irracionais. tal que f = f i . em ter- mos de cardinalidade. . Em particular.2 mostraremos que o conjunto dos números reais é não enumerável. Mostraremos a seguir que existe uma função f : N → {0. existem muitos mais números irracionais do que racionais. Este absurdo surgiu da nossa hipótese de A ser enumerável. segue-se que. f i é uma função de N em {0. . 2. se A fosse enumerável. . f 2 . para cada i ∈ N defina  0. f n . . Dados dois conjuntos A e B. Exemplo 2. existir uma bijeção entre eles. . tendo em vista a Observação 2. Exemplo 2. Um conjunto que não é enumerável é dito ser não enumerável.12. R − Q. o que seria falso. 36 Funda men tos de A n á lise I . e somente se. De fato.4) o que nos levaria a um absurdo. . dado arbitrariamente uma função f : N → {0. f (2) = f 2 (2). . 1}. Em particular. . De fato. Muitos conjuntos que aparecem em matemática são não enumeráveis. 1}. os conjuntos N. é não enumerável. f (i ) = f i (i ). }. se R − Q também fosse enumerável.4).7.11. então deverı́amos ter f = f i . Dado i ∈ N. Como o conjunto R − Q dos irracionais é não enumerável. Observação 2. para algum i ∈ N. Z e Q. então A é não enumerável. Assumindo que os reais são não enumeráveis. como f (i ) = f i (i ). . portanto f = f i . onde para cada i ∈ N. então poderı́amos escrever A = { f 1 . 1. . Na Seção 6. . De fato. .4 Conjuntos não enumeráveis Definição 2.6.1. (Um exemplo de conjunto não enumerável) Seja A o conjunto de todas as funções f : N → {0.

Sugestão: Mostre que a função f : R → (0. ou seja. Prova. Prova. 1). Assumindo que R seja não enumerável. denotado por Z f . f ( xo ) = Z f . tal que Z f = f ( x ). dado xo ∈ A. Proposição 2. Aul a 2 – Con jun tos enumer áv eis e con jun tos n ão enumer áv eis 37 .5. Exercı́cio 2. então existiria uma função bijetiva f : N → P (N ). 1) é não enumerável. ou (ii) xo ∈ / f ( xo ) =⇒ xo ∈ Z f . Dado um conjunto A. De fato. ela é sobrejetiva. Seja f : A → P ( A) uma função qualquer. o que contrariaria a Proposição 2. f ( xo ) = Z f . temos uma das seguinte possibilidades: (i) xo ∈ f ( xo ) =⇒ xo ∈ / Z f . definida por f ( x ) = 1+|x x| é injetiva e use o Corolário 2. Se P (N ) fosse enumerável. logo.2. Corolário 2. Afirmamos que Z f = {x ∈ A : x ∈ / f ( x )} tem as propriedades desejadas. O conjunto P (N ) é não enumerável. para todo x ∈ A. não existe uma função sobrejetiva f : A → P ( A ).3.3. mostraremos que f não é sobrejetiva. logo. sendo f bijetiva. mostraremos que existe algum subconjunto de A. mostre que o intervalo (−1.5.

2. . 1/5. (f) Sejam E1 . . 5. onde B não enumerável.11. . 1/3. . 2.} é enumerável? Exercı́cio 2. . 1/2. y. O conjunto {1.9. 7. por quê? Exercı́cio 2. . P (Z ). 1/4. se n for par h(n) = n +1 . O conjunto Q3 = {( x. então B é não enumerável. (d) O conjunto das partes Z. Decida quais das afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsas. . . i ∈ N }. . y.7. Se A for não enumerável. (e) Sejam A e B conjuntos. x2 . 11. x3 .. se n for ı́mpar Mostre que h é bijetiva e conclua que A ∪ B é enumerável. g( 2 ). . Exercı́cio 2. Então A ∩ B e A ∪ B são não enu- meráveis. . . z ∈ Q } é enumerável? Exercı́cio 2. . para algum n ∈ Z e m ∈ N. . 3. z) : x. (b) Um racional diádico é da forma n/2m . Então existem bijeções f : N → A e g : N → B. e somente se. 2. 9. . Exercı́cio 2. Suponha que n ∈ N e f : {1. então E é não enumerável. n}. é enumerável.} é enumerável? Exercı́cio 2.) : xi ∈ Ei . = {( x1 . .12.10. .5 Exercı́cios Exercı́cio 2. então A é não enumerável. O conjunto dos números primos {2.8.} é enumerável. O conjunto dos números inteiros ı́mpares {1. Prove as verdadeiras e dê contra-exemplos para as falsas. 3. . (a) Seja E um conjunto. . . então E é enu- merável. 17. 5. 38 Funda men tos de A n á lise I . 13. f for sobrejetiva. (c) Suponha que A e B sejam conjuntos e que f : A → B seja injetiva. . . . O conjunto dos racionais diádicos é não enumerável. Prove que se existir uma função sobrejetiva de A em B. Exercı́cio 2. . Se existir uma função sobrejetiva f de E em N.6. . n} → {1. 7. Mostre que f é injetiva se.13. conjuntos finitos e E = E1 × E2 × E3 × . Sejam A e B conjuntos disjuntos enumeráveis e infinitos. Sejam A e B conjuntos e B não enumerável. Defina  f ( n2 ). E2 .

39 .

3 Os números racionais .

3. se xRy. Mostre que R é uma relação de equivalência. 3. b. b). simétrica e transitiva.1 Relações de equivalência Definição 3. (c. Dar exemplos de números que não são racionais. Exemplo 3. Então a R a. b) ∈ aR b. Se ( a. c} e R = {( a. se xRy e yRz. a). Compreender o conceito de classes de equivalência. 4. x = y. Definição 3. Exemplo 3. se ela for reflexiva. usando o conceito de classes de equivalência. y. (iii ) R é transitiva se para quaisquer x. então yRx. Seja A um conjunto não vazio e R uma relação binária sobre A. (ii ) e (iii ). e somente se. Transformar uma representação decimal de um número racional em uma fração. (iv) R é uma relação de equivalência se ela satisfizer as propriedades (i ). Seja R a relação em Z definida por xRy se. Seja A = { a. b. Por outro lado. e somente se x = y. z ∈ A.AULA3: OS NÚMEROS RACIONAIS OBJETIVOS Ao final dessa aula. b R a e c R c. a). (c. Exercı́cio 3. b) ∈ R. Sejam A = { a. c)}. b) e (b. (b.2. portanto a R b e bR b. temos xRx. AUl a 3: Os números r acion ais 41 . então xRz.1. Se ( a. dizemos que a está relacionado (ou R-relacionado) a / R. o aluno deverá ser capaz de: 1. a). c} e R definida por x R y se. os pares ordenados ( a. (ii ) R é simétrica se para quaisquer x. 2. ou seja.2.1. Uma relação binária R sobre um conjunto não vazio A é um subconjunto não vazio de A × A. b) não estão em R. Dizemos que (i ) R é reflexiva se para todo x ∈ A. Então R = {( a.1. Compreender a construção dos números racionais a partir dos números intei- ros. y ∈ A. (b. c)}. dizemos que a e b não estão relacionados e denotamos b e escrevemos a R b.

x − x = 0 = 3 . (3. Se aRb. o que implica que xRa e xRb. R é reflexiva. Portanto. Se R for uma relação de equivalência sobre A. Finalmente. Note que em virtude da propriedade reflexiva. bRa e de (3. simétrica e transitiva. temos a ∈ b. logo y − x = −3k = 3(−k) e concluimos que R é simétrica. Além disso. definimos a = { x ∈ A : xRa}. dado a ∈ A. o que significa que a = b. se aRb. então R é uma relação de equivalência. o que implica que x ∈ b. então x − y = 3k1 e y − z = 3k2 . portanto. logo todo elemento de a está em b. temos b ∈ a e a ∈ b. então x − z = ( x − y) + (y − z) = 3k1 + 3k2 = 3(k1 + k2 ). logo temos xRa e aRb.1) como sendo a classe de equivalência do elemento a relativa à relação R. temos xRb. logo a = ∅. Sendo R reflexiva. concluimos que b ⊂ a. x − y = 3k. De fato. e somente se. portanto. então x − y = 3k. logo pela propriedade transitiva. então de (3. e somente se. Portanto a ⊂ b. Logo. trocando-se os papéis de a e b. Afirmamos que se a ∩ b = ∅. temos aRx e xRb. Mostramos que a ⊂ b e b ⊂ a. temos aRb. Por outro lado. x − y for múltiplo de 3. então x ∈ a e x ∈ b. Com isso toda classe de equivalência é não vazia. Mostraremos que R é uma relação de equivalência. por definição xRy se.1) concluimos que b ∈ a. se xRy. 0 e. então xRa. Analogamente. xRz. De fato. Considere o conjunto Z dos números inteiros e a relação R. somente se. mas xRa implica aRx. mas vimos que isto implica a = b. portanto a ∈ a. se aRb. então a = b. Exemplo 3. Afirmamos que se aRb se e. onde k é um inteiro. a = b. Em particular. De fato. seja x ∈ a.3. Em virtude da transitivi- dade. se x ∈ a ∩ b. tal que xRy se. se xRy e yRz. 42 Funda men tos de A n á lise I . aRa. pela propriedade simétrica. o que mostra que R é transitiva.1).

portanto. portanto ∪ a∈ A a ⊂ A. duas classes de equivalência ou são iguais ou são disjuntas. 2. (3. Então.3) concluimos que A = ∪ a∈ A a. o que implica que xRr. 1 ou 2. isto é A/R = { a : a ∈ A}. 1. 2}. (3. O conjunto { a : a ∈ A} é chamado de quociente de A pela relação R e é denotado por A/R. o que mostra que A ⊂ ∪ a∈ A a. onde r é igual a 0.Portanto. Na classe de equivalência r estão todos os inteiros cujo resto da divisão por 3 é r. x − y for múltiplo de 3. a ∈ ∪ x∈ A x. mostramos que uma relação de equivalência R num conjunto não vazio A o decompõe numa união disjunta de classes de equivalência. 1. vimos que a ∈ a. onde r = 0. Exercı́cio 3.2) Dado a ∈ A. onde R é a relação de equivalência do exemplo anterior. Encontre 17. Por definição cada classe de equivalência é um subconjunto de A.3) Das inclusões (3. Exemplo 3. Mostraremos que Z/R = {0.2) e (3. Em resumo. podemos escrever x = 3k + r. De fato. o resto da sua divisão por 3 só pode ser 0. Seja R a relação em Z definida por xRy se. portanto x está na classe de equivalência de r. dado um número inteiro x. 1 e 2. temos apenas as três classes de equivalências 0. Logo Z/R = {0.4.2. Mostraremos que A = ∪ a∈ A a. e somente se. AUl a 3: Os números r acion ais 43 . 1 ou 2. Logo x − r = 3k. portanto. 1. 2}.

3. f ) ∈ Z × Z ∗ . simétrica e transitiva. b). d) ∈ Z × Z ∗ . temos ( ad) f = (bc) f e b(c f ) = b(de). então ad = bc e logo cb = da. Para contornarmos esta situação definiremos um novo conjunto no qual a operação de divisão é fechada. ou seja. e somente se ad = bc.5. como d = 0. d) e (c. d) se. f ). −12 e 13 são todas iguais. então ad = bc e c f = de. não existe número inteiro x. Multiplicando a primeira igualdade por f e a segunda por b. (c. 6 . a menos que a seja um múltiplo de b. (iii) Sejam ( a. Portanto. b). d) R(e. tais que ( a. tal que 2x = 3. Por exemplo. neste exemplo. pois a multiplicação de inteiros é comutativa. tais que ( a. ( a. pois é a segunda componente do par. visto que ab = ba. b) R(c. De fato. b). d). (ii ) Encontre Z/R. Portanto. lembre-se que cada elemento de A é um par ordenado. podemos dividir a equação por d e obtemos a f = be. 3. a relação R é reflexiva. b) R( a. Dados ( a. (ii) Sejam agora ( a. a + b for par. o que mostra que R é transitiva. Exercı́cio 3. temos ( a. o que faz o papel do conjunto A na definição de relação binária dada na Definição 3. Mostraremos que a relação R é reflexiva. b). b) R(c. a equação bx = a sempre tem solução. 5 2 −4 No Ensino Fundamental. (iii ) Quais são os elementos de 1111? Exemplo 3. Se olharmos para os pares ordenados nos quais as abscissas e as orde- 44 Funda men tos de A n á lise I . a equação bx = a nem sempre tem solução em Z. a relação R é simétrica. ou seja. b) ∈ Z × Z ∗ . f ). aprendemos que as frações 15 . e somente se. b) e (c. portanto ( a f )d = (be)d. dizemos que ( a. (i) Para todo ( a. Em Z definimos a seguinte relação: aRb se. b) R(c.2 A construção do conjunto dos números racionais Se a e b são números inteiros com b = 0. (c.1 é o conjunto Z × Z ∗ . (e. o que implica que (c. d) em Z × Z ∗ . (i ) Mostre que R é uma relação de equivalência. Seja Z ∗ o conjunto de todos os inteiros não nulos. Mostraremos que R é uma relação de equivalência. que no Ensino Fundamental é indicada pela fração a b. b) R(e. d). d) R( a.

6). v) ∈ Z × Z ∗ : (u. Dados ( a. Analogamente. fixado um par ordenado ( a. 2) são represen- tantes da classe 12 . Ou seja. Denotaremos por Q o conjunto de todas as classes de equivalências em Z × Z ∗ . as frações ba e dc são iguais se.3. é natural definirmos ( a. b) = {(u. 3) são representantes da classe 13 . e somente se. ad = bc. b)} = {(u. 6). b) + (c. Vimos no Exemplo 3. e somente se. 3). ou seja. (3.4) AUl a 3: Os números r acion ais 45 . b) e (c. os pares ordenados ( a. 15). d) em Z × Z ∗ . o produdo da abscissa do primeiro par com a ordenada do segundo par é igual ao produto da ordenada do primeiro par ordenado com a abscissa do segundo par ordenado.nadas são o numeradores e os denominadores da frações correspondentes. são representantes da mesma fração. lembremos que no Ensino Fundamental aprendemos que a c ad bc ad + bc + = + = . Em particular os pares (5. Os elementos de Q são chamados de números racionais. ou seja. A discussão acima nos motiva definir em Z × Z ∗ a seguinte relação: ( a. b) R(c. 3. −12) e (1. b). 100) e (1. d) = ( ad + bc. logo ela divide Z × Z ∗ em classes de equivalência disjuntas. d) se. (2. (50. b) e (c. ou seja.5 que tal relação é uma relação de equivalência. (3. Qualquer elemento da classe de equivalência ba se diz um representante da mes- ma. (5. (2. isto é Q = (Z × Z ∗ )/R. tais que ad = bc. dc = ba . os pares (−1. d) satisfizerem ad = bc. b) em Z × Z ∗ . v) R( a. então todos os pares ordenados (c. b d bd bd bd Portanto. (−4. Em particular. A classe de equivalência de ( a. d) em Z × Z ∗ . bd). (−4.3 A soma de números racionais Note que para definirmos a soma de números racionais teremos que definir a soma de classes de equivalência em Z × Z ∗ . 15). ( a. −12) e (1. 6). definiremos a operação de soma em Z × Z ∗ . Antes porém. então para quaisquer dois destes pares. v) ∈ Z × Z ∗ : av = bu}. é que chamaremos de número racional ba . Definição 3. −2). qual seria a maneira natural de definirmos a sua soma destes dois pares? Para respondermos esta pergunta.

d). nos permitirá definir a soma de elementos de (Z × Z ∗ )/ R . b) e (c. −3) = (−10. −4) e (2. −12). (3. ( pv + qu)(bd) = (qv)( ad + bc). digamos (−2. b) e (c.4) e tomando a classe de equivalência da soma ob- tida. q) R( a. se ( p. bd). −12) sejam diferentes. De (3. temos (2. ou seja. v) R(c. b) e (u. b) e (c. esta operação envolve apenas a soma e a multiplicação de inteiros. tendo em vista as propriedades da soma e multiplicação dos inteiros e que aq = bp e cv = du. v) R(c. 4) e (−1. −24) e (−10. Se tomarmos outros representantes de (1. d). somando-os usando a regra (3. d). −3).5) Note que o que fizemos acima foi o seguinte: tomamos um representante em cada uma das classes de equivalência ( a. Tomemos um representante de cada um destes racionais. ou seja. 4) + (−1.6) b d bd 46 Funda men tos de A n á lise I . definimos ( a. Será que isto foi uma coincidência? A seguir mostraremos que o que aconteceu no exemplo anterior não foi uma coin- cidência. d). 3). v) estão na mesma classe de equivalência.6. 3). b) e (c. d) que to- mamos.4). ou seja. somando- os usando a regra (3. eles estão na mesma classe de equivalência.4). −4) + (2. d). q) R( a. então ( a. encontramos (−2. Se os somarmos usando a regra (3. b) + (c. bd) = . por exemplo. q) + (u. ou equivalentemente. −24). então ( pv + qu)(bd) = (bp)(vd) + (bq)(du) = ( aq)(vd) + (bq)(cv) = (qv)( ad + bc). os pares ( a. b) + (c. b) e (c.5) temos a seguinte regra para a soma de dois racionais: a c ad + bc + = ( a. 2) e (1. 6) = (−20. De fato. ( pv + qu. Dados dois racionais ( a. d) = ( ad + bc. (3. bd). 2) e (1. b) e (u. as quais to- maremos como ponto de partida na construção dos números racionais. digamos (2. de racionais. 6). d). dados dois racionais ( a. qv) R( ad + bc. O fato da soma (3. Exemplo 3. Embora os pares (−20. d) e ( p. b) + (c. Considere os racionais (1. pois estamos assumindo que ( p.4) não depender dos representantes de ( a. d) = ( ad + bc.

(3. 4). −6 4 −24 4 Teorema 3. existe um único elemento. (3. digamos. −24). 4). 4). −24) R(5. usaremos as propriedades das operações de soma e de multiplicação de inteiros. q) = ( x + y) + z. d) e z = ( p. d) + ( p. tomando um representante de cada um dos racionais acima. y. somando-os usando a regra (3. b) + (cq + dp. Usando a terminologia usual. −6) e (3. 4). bd) + ( p. AUl a 3: Os números r acion ais 47 .8) para todo x ∈ Q.1. −6) + (3. temos x + (y + z) = ( x + y) + z. De fato. b) + (c. b). z ∈ Q. b(dq)) = (( ad + bc)q + (bd) p. q) = ( a. tal que x + 0 = x.9) (Comutativa) Dados x. denotado por − x.Exemplo 3. chamado de simétrico de x. A seguir mostraremos a propriedade associativa. Então temos   x + (y + z) = ( a. que chamaremos de zero e denotaremos por 0. (3. b) + (c. para tal sejam x = ( a. −6) + (3. Para provarmos as propriedades acima. (Associativa) Dados x. portanto (−3. temos x + y = y + x.7) (Existência do elemento neutro) Existe um único elemento. d) + ( p. Encontraremos a soma dos números racionais (−3. na última linha usamos que (−30. 4) = (−30.4) e obtemos (−3. y ∈ Q. (Existência do simétrico) Para cada racional x. tal que x + (− x ) = 0. A soma em Q tem as propriedades abaixo. q)   = ( a. (bd)q) = ( ad + bc. (−3. (3.7. temos −3 3 −30 5 + = = . 4) = (−30. −6) e (3. dq) = ( a(dq) + b(cq + dp). q).10) Prova. −24) = (5. y = (c.

d) + ( a. Se os multiplicarmos usando (3. Considere os racionais (1.8. Dado x ∈ Q. Definição 3. 48 Funda men tos de A n á lise I . bd) = ( a.4 O produto de números racionais Antes de definirmos o produto de racionais. −4) . então temos x + 0 = ( a. d) = ( ad + bc. b) e y = (c. Dados ( a. −4) e (2. A seguir mostraremos a existência do simétrico. Dado x ∈ Q. é natural definirmos ( a. db) = (c. b) = y + x. y ∈ Q definimos x − y = x + (−y). b2 ) = ( ab − ab. onde d ∈ Z ∗ . 3. d) = ( ad + b0. −24). definiremos o produto de dois ele- mentos de Z × Z ∗ . d) em Z × Z ∗ . d). Para mostrarmos a propriedade comutativa. digamos (−2. bd) = ( ad. b).4.11). seja x = ( a. Seja 0 = (0. encontramos (−2. b) = ( ab + b(− a). b). b) e (c. b2 ) = 0. (c. seja x = ( a. defina − x = (− a. b d bd portanto. d) = ( ac. dados x. b) + (− a. 6). Tomemos um representante de cada um destes racionais. A seguir mostraremos a existência do elemento neutro. b). bd). d). b2 ) = (0. bd) = (cb + da. (2. 6) = (−4. 2) e (1. y ∈ Q sejam x = ( a. b) + (c. 3). temos x + y = ( a.11) Exemplo 3. b) = x. b) . qual seria a maneira mais natural de definirmos o produto deles? Novamente. b) + (0. então x + (− x ) = ( a. temos a c ac × = . (3. Então. voltando ao que aprende- mos no Ensino Fundamental. (Subtração de racionais) Dados x.

(c. os multiplicamos usando a regra (3. y. pois estamos assumindo que ( p. d) que tomamos. b) e (c. 3). Dados dois racionais ( a. A seguir mostraremos que o que aconteceu no exemplo anterior não foi uma coin- cidência. q) . d). digamos (2. dados dois racionais b e dc . (c. v) R(c. b) e (c.12) Note que o que fazemos acima é o seguinte: pegamos um representante em cada uma das classes de equivalência ( a. temos a c ac . −24) e (−2. (3. d). de racionais. −3) = (−2.2. d) = ( ac. b) e (u. −12) sejam diferentes. tendo em vista as propriedades da soma e multiplicação dos inteiros e que aq = bp e cv = du.Se tomarmos outros representantes de (1.11) temos (2. bd) = .13) b d bd Teorema 3. d) e ( p.11) não depender dos representantes de ( a. (3. ou seja. definimos ( a. q) R( a. (Comutativa) Dados x. y ∈ Q. então ( a. bd) R( pu. −12). ou equivalentemente. d). temos ( ac)(qv) = (qa)(vc) = ( pb)(ud) = (bd)( pu). b) e (c. ou seja. ( ac. qv). −3). q) R( a. nos permitirá definir o produto de elementos de (Z × Z ∗ )/ R . ou seja. bd). temos xy = yx. por exemplo os pares ( a. 4) . z ∈ Q. 2) e (1. d). dados dois racionais ( a. ( ac)(qv) = (bd)( pu). v) estão na mesma classe de equivalência. b) . b) e (c. b) . b) . multiplicando- os usando (3. v) R(c. b) e (c. d) = ( ac. = ( a. (−1.14) AUl a 3: Os números r acion ais 49 . d). b) e (u.11) e tomamos a classe de equivalência do resultado obtido. 4) e (−1. a Portanto. d). temos x (yz) = ( xy)z. O fato do produto (3. se ( p. eles estão na mesma classe de equivalência. (u. Embora os pares (−4. De fato. A operação multiplicação em Q possui as seguintes propriedades: (Associativa) Dados x. (3. (c.

d) . Na demonstração das propriedades acima. tal que para todo x em Q. dq) = ( a(cp). De fato. (c. ( a. b) . Para mostrar a existência. Mostraremos que ele é único. Dado x = ( a. se 1 for um racional tal que 1 x = x. (3. (b. b) = yx. usaremos as propriedades da multiplicação dos números inteiros. b). A seguir mostraremos a associatividade da soma de racionais. com x = 0. onde r ∈ Z ∗ é arbitrário. temos 11 = 1 1. que mostra a unicidade do elemento neutro da multiplicação. b) = 0. b) . y = (c. logo (b. d) ( p. q) = ( xy)z. note que xy = ( a. Sejam x = ( a. (b. db) = (c. q)   = ( a. a) . então   x (yz) = ( a. d) = ( ac. b). bd) ( p. b(dq))   = (( ac) p. a) é um racional. b) . portanto. temos 1x = (r. b) = x. mas 11 = 1 e em virtude da propriedade comutativa. temos 1x = x. portanto 1 = 1. q) = ( a. então a = 0. ba) = ( ab. existe um único elemento que cha- maremos de inverso de x e denotaremos por x −1 . (Existência do elemento neutro) Existe um único elemento que chamaremos de uni- dade e denotaremos por 1. (3. rb) = ( a.16) Prova. ( p. (c. bd) = (ca. tal que xx −1 = 1. A seguir mostraremos a existência e a unicidade do elemento neutro da multipli- cação. b) = (ra. Seja 1 = (r. b) . (cp. Para mostrar a lei comutativa. r ) . temos 1 1 = 1. d) e z = ( p. ( a. fazendo x = 1. 50 Funda men tos de A n á lise I . a) está em Z × Z ∗ e. (bd)q) = ( ac. (c. b) .15) (Existência de inverso) Dado x ∈ Q. Mostraremos a existência e a unicidade do inverso multiplicativo. seja x = ( a. r ). Note que ( a. o que mostra que 1 é um elemento neutro da multiplicação. para todo x ∈ Q. q). ab) = 1. a) = ( ab.

dizemos que x ≥ y. b) e (− a. tais que xx  = 1 e xx  = 1. então terı́amos aα = b e aβ = b.3. Teorema 3. z ∈ Q. b). Para mostrar a unicidade do inverso multiplicativo. se x = (−1. então x  = 1x  = x  1 = x  ( xx  ) = ( x  x ) x  = ( xx  ) x  = 1x  = x  . (Divisão de racionais) Dados x. Definição 3. a) é um inverso multiplicativo de ( a. b ∈ Q e a = 0. então x (y + z) = xy + xz. com y = 0. observe que a−1 b é solução de ax = b. b) ∈ Z × Z ∗ . onde a. Por exemplo. De fato. basta lembrar que ( a. tal que x = ( a. com b > 0. x  racionais. b). sejam x  . y. tem uma e somente uma solução em Q. existe ( a.portanto (b. pois a( a−1 b) = ( aa−1 )b = 1b = b. −b) estão na mesma classe de equi- valência e que b ou −b tem que ser positivo.9. Exemplo 3. −2). multiplicando esta equação por a−1 e usando a associatividade da multiplicação de racionais. ele possui um representante com denominador posi- tivo. AUl a 3: Os números r acion ais 51 . 2) é um representante de (−1. o que mostra a unicidade do inverso multiplicativo de x. o qual denotaremos por x −1 . Deixamos a demonstração do teorema acima por conta do aluno. então (1. portanto a solução da equação ax = b é única. Em geral. definimos x ÷ y = xy−1 . y ∈ Q. (Distributividade da multiplicação em relação à soma) Dados x. 3. 2) R(−1. concluimos que α = β. −2). Dados dois racionais x e y. pois (1.5 Ordem no conjunto dos números racionais Dado um racional x = 0. por- tanto aα = aβ.5. −2). ou seja. Mostraremos que a equação da forma ax = b. Suponha que α e β sejam soluções de ax = b.

então a desigualdade acima é equivalente a ( pb)(dv) ≥ (bq)(ud). mostramos (3. a qual é equivalente a (qa)(dv) ≥ (bq)(vc). se. 6). 6).17) se. então multiplicando- a por qv ela continua verdadeira. b) e (c. −8) ≥ (2. respec- tivamente. então ad ≥ bc (3. Temos que mostrar que esta definição não depende dos representantes com de- nominadores positivos de x e y que tomamos. tivermos ad ≥ bc.18). que é positivo. pois ( p. que é equivalente a ( pv)(bd) ≥ (qu)(bd). dizemos que x > y (ou y < x) se. d). Exemplo 3. −8) ≥ (2. respectiva- mente. (3. temos pv ≥ qu. 6 ≥ 8 . 8) e (2. e somente se. com denominadores positivos. x ≥ y e x = y.18) De fato. Como pb = qa e ud = vc. o que mostra (3.17). 6) são representantes de (−4.18). note que (4. assumindo (3. pois qv > 0.10. De maneira análoga.17) seja verdadeira. 2. De fato. d) de x e y. v) forem outros representantes quaisquer de x e y. e somente se. e somente se. q) R( a. respectivamente. se ( p. Além disso. 52 Funda men tos de A n á lise I . v) R(c. Dividirmos a desigualdade acima por bd. suponha que a desigualdade (3. q) e (u. pv ≥ qu. Dados dois racionais x e y. portanto (−4. Mostraremos que (−4. deixamos os detalhes por conta do aluno (inverta os passos acima). 4 . ou seja. com denominadores positivos. ( ad)(qv) ≥ (bc)(qv). 6). ao tomarmos representantes ( a. −8) e (2. Ou seja. b) e (u. com denominadores positivos.

Exercı́cio 3. dado racional ( a. b). b) = ( a. temos ( a. 2272 . d). Assim. 3. ou seja. tal que mdc{ a.4. ( a. y racionais com x < y. Portanto. (3. Exercı́cio 3. = 0. 1) . b) . (1. d).5. 2. 7 3 2 5 = 0. b) < ( ad + bc. Mostre que (1) (−1. podemos indentificá-lo com o racional (b. Sejam x = ( a. Mostre que existe um racional r. b) > 0. . 1) < 0 2 (2) se a = 0. Qual é a interpretação geométrica para o racional ( ad + bc. .19) 20 16 9 22 onde a barra sobre um número indica que ele se repete indefinidamente. onde b e d são positivos. tal que x < r < y. Sugestão. 1875. b) = ( a. 1) = a ÷ b. então ( a.6 Representação decimal de racionais Dado um inteiro b. e somente se. b) e y = (c. 2bd)? Exercı́cio 3. b) = ( a. x = 0. (Densidade dos números racionais) Sejam x. = 0.6. 1) ÷ (b. ao dividirmos a por b temos o que chamamos de uma representação deci- mal para a fração ba . = 0. AUl a 3: Os números r acion ais 53 . 1). 2bd) < (c. Por exemplo. b} = 1. 35. Mostre que x2 = 0 se. a e b são primos entre si. Mostre que ( a. .

como no primeiro e no segundo exemplos de (3. . an = α. então 5m−n é um número inteiro e. a Prova. Suponha que b tenha uma representação decimal finita. an b. a1 a2 . Da relação acima concluimos que 10n a é um múltiplo de b. Se m ≥ n. . que não terminam.19). Note que os denominadores das frações em (3.19). não possuem nas suas decomposições em fatores primos outros fatores além de 2 e 5. Um racional na forma ba . 5 e 16 = 24 . ela tem no máximo n algarismos depois da vı́rgula. b 10 Equivalentemente. 9 = 32 e 22 = 2 . na decomposição de b em fatores primos não tiver outros fatores além de 2 e 5. Assumiremos que o aluno tenha familiaridade com o conceito de representação decimal infinita. 20 = 22 . Suponha que b seja da forma 2m . . logo b = 2l 5m . cujas as representações deci- mais são finitas. . como no terceiro e no quarto exemplos de (3. se n ≥ m. k = a . .19). ou seja. . Já as decomposições em fatores primos dos denominadores das frações em (3. b 2 . ela tem no máximo m al- garismos depois da vı́rgula. temos 10n a = αa1 a2 . 54 Funda men tos de A n á lise I . e somente se. tem uma representação decimal finita se.19) e são chamadas de dı́zimas periódicas. portanto. temos a a a . 5m − n = m n = . De maneira análoga. an = 1 2 n . onde a e b são primos entre si e positivos. 11. onde os inteiros l.4. Será que isto foi uma coincidência? Teorema 3. onde m e n são inteiros positivos ou nulos. 5n . ou seja. As representações decimais de alguns números racionais são finitas. m ≤ n. 5m−n também é inteiro. quando fa- laremos sobre a representação decimal de números reais e daremos sentido à re- presentação decimal infinita. mostra-se que a representação decimal é finita. cujas as representações decimais são infinitas. possuem fatores primos além de 2 e 5.5 voltaremos a falar sobre este assunto. m satisfazem 0 ≤ l. digamos a αa a . que termi- nam. Como a e b são primos entre si. concluimos que b divide 10n = 2n 5n . Na Seção 8.5 10m Como m − n ≥ 0. o que significa que b divide 10n a. Outros números racio- nais têm representações infinitas. Logo a k = m b 10 e concluimos que a representação decimal é finita.

am + 0. . portanto 104 x − 102 x = 12134. b1 . . 3434 . 3434 . . tem uma representação finita ou infinita periódica. Toda representação decimal finita ou periódica infinita representa um número racional. . . bm e 10m x = a1 a2 . − 121. am b1 .7. Toda representação decimal finita representa um racional.. am x= . . 3434 . . . portanto a1 a2 . portanto 10m+n x − 10m x = a1 a2 . bm + 0. . . . . Teorema 3. Agora mostraremos a recı́proca. concluimos que x é um racional. . . . am . . am representam os m algarismos consecutivos da parte não periódica e b1 . . e 102 x = 121. onde a e b são primos entre si e positivos. Seja x = 1. .. . . Prova. . . . onde a1 . bm . b1 . . . mostraremos que 12013 x= . . as seguintes frações: 1 3 7 252 3147 5 3097 209 . . 10m+n − 10m como o numerador e o denominador da expressão acima são inteiros. . am b1 . . Note que 10m+n x = a1 a2 . = 12134 − 121 = 12013 e concluimos que 12013 12013 x= 4 2 = . bm − a1 a2 . . 9900 Note que 104 x = 12134. . am b1 . . 10 − 10 9900 AUl a 3: Os números r acion ais 55 . . . . bn representa os n algarismos da parte periódica. . Exemplo 3.11. . 3434 . . por quê? Su- ponha que x = a1 a2 . . . bn . ou seja. Represente na forma de decimal. . .5. . 4 200 625 125 2500 11 9900 700 Vimos que todo racional da forma ba . . . . . que se repete. . Exercı́cio 3. . am b1 . 213434 . bm − a1 a2 . .

Se dividirmos (3. 666 . 01 = 6. 101 + 0. 100. 2. = 9 + 0. 0. 999 . 82 + 0. . 00009999 . 999 . . . 6. 9987. . . 001 = 0. . = 6. 0. 0001 = 0. . . . 009999 . A seguir mostraremos que 0. 999 . . 0. 999 . Encontre uma representação decimal infinita para os números abaixo. . . Por exemplo. . 73. obteremos 0. 0009999 . 0..20) por 10. De fato. . . 56 Funda men tos de A n á lise I . 0009999 . 0001.20) o que aparentemente é estranho. 0. 1000. 009999 . Exercı́cio 3. . = 9 + x. 81 + 0. 0. . . . 1 = 0. (3. . 444 . 001 = 0. 0. . . então 10x = 9. 13. . etc. se fizermos x = 0.9. . etc. Tendo em vista as relações acima. 0. podemos representar uma decimal finita (ex- ceto o zero) por uma dı́zima periódica. 00099. 09999 . 0. . 82 = 6. . 101 + 0.8. portanto 9x = 9. = 1. . 3443. . 10000. . logo x = 1. 819999 . 102 = 0. . 01 = 0. Exercı́cio 3. Escreva os seguintes números na forma ba : 0. = 0. 1019999 . .

. Exercı́cio 3. Mas. . . p = 2r.12. e somente se. a equação x2 = 2. mostramos que não existe número racional cujo quadrado seja 2. Exemplo 3. 9999 . n for par. 47. 3. podemos transformar qualquer dı́zima periódica onde a parte que repete é o 9. p2 é par. . se p e q são pares. q Logo. a qual foi con- sequência de termos assumido que a hipotenusa fosse racional. . 46 + 0. . 46 + 0. . 0. 46999 . Exercı́cio 3. onde k é um número inteiro. = 0. p Suponha. ou seja. 2. eles não podem ser primos entre si. donde concluimos que q é par. a qual será chamada de 2. . Mostre que o quadrado de um número inteiro n é par se. Mos- traremos que o comprimento da sua hipotenusa h não é um número racional. por exemplo. 01 = 0. onde k é um número inteiro. Encontre uma representação decimal finita para os números abaixo. por contradição. não solução em Q. ou seja.10. Pelo Teorema de Pitágoras.7 Um exemplo de um número que não é racional Dizemos que um número inteiro n é par se n = 2k. = 0. . com isso temos uma contradição. ou seja. √ √2 tem exatamente uma solução positiva. 00999 .Da mesma forma. portanto p é par. 99. . .11. . No exemplo acima. Em contrapartida. . dizemos que um número inteiro n é ı́mpar se n = 2k − 1. Considere um triângulo retângulo de catetos com comprimento 1. 0. . em fração decimal finita. Logo 4r2 = 2q2 . que h fosse um número racional. . De maneira análoga. portanto da forma q . o qual será a equação x2 = será definido na Aula 5. . 2 é um exemplo de um número que não é número racional. Portanto. portanto q2 = 2r2 . 7999 . temos que  2 p = 12 + 12 = 2. onde podemos assumir que p e q são primos entre si. AUl a 3: Os números r acion ais 57 . 111999 . no conjunto dos números reais. p2 = 2q2 .


Exercı́cio 3.12. Mostre que 5 + 2 não é um número racional.

Exercı́cio 3.13. Seja x um número inteiro. Mostre que x2 é múltiplo de 3 se, e so-
mente se, x for múltiplo de 3.
Sugestão: Lembre que se x for inteiro, então temos uma das seguinte possibilidades:
(i ) x = 3k, (ii ) x = 3k + 1 ou (iii ) x = 3k + 2, onde k é um número inteiro (pois o
resto da divisão de um número inteiro por 3 só pode ser 0, 1 ou 2.

Exercı́cio 3.14. Mostre que não existe número racional cujo quadrado seja 3.

58 Funda men tos de A n á lise I

AUl a 3: Os números r acion ais 59

4 Ínfimo e supremo
de um corpo ordenado

3.1 Definição de corpo ordenado Definição 4. 2. satisfazendo às seguintes propriedades: (1) Leis comutativas: x+y = y+x e xy = yx. mas que não possuem ı́nfimo em Q.AULA4: ÍNFIMO E SUPREMO DE UM CORPO ORDENADO OBJETIVOS Ao final dessa aula. Um corpo F é um conjunto no qual se acham definidas as operações de adição e de multiplicação. Compreender as desigualdades que são válidas para um corpo ordenado qual- quer. Compreender que existem subconjuntos de Q que são limitados inferiormente. tal que x + 0 = 0 + x = x. (4) Existência de um (único) elemento 1 ∈ F. tal que x 1 = x. para todo x ∈ F. e que o conjunto Q é um corpo ordenado. 4. (3) Existência de um (único) elemento 0 ∈ F. Compreender os conceitos de cotas inferior e superior. (2) Leis associativas: ( x + y) + z = x + (y + z) e ( xy)z = x (yz). o aluno deverá ser capaz de: 1. de ı́nfimo e de supremo de um subconjunto de um corpo ordenado e calcular o ı́nfimo e o supremo de um conjunto. 4. AUl a 4: Ínfimo e supremo de um corp o orden a do 61 . para todo x ∈ F.1. Compreender os conceitos de corpo e de corpo ordenado.

Dados x. (6) Lei distributiva: ( x + y)z = xz + yz. das três possibilidades: x ∈ P. ou seja. tal que x + (− x ) = 0 e dado x ∈ F com x = 0.1. existe x −1 ∈ F. ab > 0. b) um representante do racional x. existe − x ∈ F. respectiva- mente. Exercı́cio 4. Prova. e somente uma. Os conjuntos N e Z são corpos? Por quê? Definição 4. e somente uma. tal que xx −1 = 1. Como x. Exercı́cio 4. cd > 0.2. b) e (c. ab.1. Um corpo F é ordenado se contiver um subconjunto P com as seguintes propriedades: ( P1 ) x. Teorema 4. Dizemos que um racional x é positivo. 3.2. dado x ∈ Q.3. P é fechado em relação às operações de adição e multiplicação. Definição 4. temos uma. (5) Existência de inversos: dado x ∈ F.2 e 3. y ∈ P. se x > 0. 62 Funda men tos de A n á lise I . Além disso. − x ∈ P ou x = 0. d) representantes de x e y. xy ∈ Q + . implica x + y ∈ P e xy ∈ P.2. das três possibilidades: x ∈ Q+ . e somente se. pelo Exercı́cio 4.3. −x ∈ Q+ ou x = 0. Denotamos por Q + o subconjunto de Q formado pelos racionais positivos.1. 4. sejam ( a. y ∈ Q + . então temos uma. Seja ( a. y > 0.2 O conjunto Q é um corpo ordenado Em virtude dos Teoremas 3. então x + y. concluimos que o conjunto Q é um corpo. Dados x. Mostre que x > 0 se. y ∈ Q + . ( P2 ) Dado x ∈ F.

Logo temos uma das seguintes possibilidades: (i) ab > 0. x − y ∈ P. Exemplo 4. ( ad + bc)(bd) = ( ab)d2 + (cd)b2 > 0. Como 0 − ( xy) = −( xy). pelo Exercicio 4.1.Além disso. e somente se. do Exercı́cio 4.2. concluimos que x > 0 ou (ii) ab < 0. Se x > 0 e 0 > y. (− x )2 ∈ P. concluimos que − x > 0. Exemplo 4. temos uma das seguintes possibi- lidades: x ∈ P ou − x ∈ P. mostraremos que ( ad + bc)(bd) > 0 e em virtude do Exercı́cio 4. bd) é um representante de xy e ( ac)(bd) = ( ab)(cd) > 0 e.1. −( x − y) = y − x ∈ P. então 0 > xy. portanto (− a)b > 0. no segundo caso.2. AUl a 4: Ínfimo e supremo de um corp o orden a do 63 . então x ∈ P e −y ∈ P. concluimos que xy > 0. concluimos que −( xy) ∈ P. temos que 0 − xy ∈ P.2. como x > 0 e 0 > y. Como −( xy) = x (−y). então a = 0.2. então 0 > xy. 4. em particular. então x2 ∈ P. e somente se. b) é um representante de − x. De fato. através de exemplos. elas valem para Q. como x = 0 e F é um corpo ordenado. e pelo Exercı́cio 4. portanto ab = 0 (lembre que b = 0). bd) é representante de x + y. b) um representante de x. mostraremos algumas desigualdades que valem para um corpo ordenado qualquer e. dizemos que x < y se. Dados x e y num corpo ordenado F.2. Temos uma das seguintes possibilidades: x = 0 ou x = 0.3 Algumas desigualdades válidas para corpo ordenado qualquer A seguir. no primeiro caso. Em virtude do Teorema 4. temos x2 ∈ P e. Por outro lado. dizemos que x > y se. Como (− x )2 = x2 concluimos que x2 ∈ P. portanto x (−y) ∈ P. De fato. Seja x = 0 um elemento de um corpo ordenado F. concluimos que Q é um corpo ordenado onde P = Q+ . De fato. como (− a. ( ac. concluiremos que x + y é positivo. Se x = 0. seja ( a. ( ad + bc. De maneira análoga.

3. portanto. Mas ( x − y) + (y − z) = x − z. note que se a < b. − a − (−b) ∈ P. ( x − y)z ∈ P. ou seja. então x − y ∈ P. logo xz > yz. Exemplo 4. Se x > y e z > 0. De fato. Se x > y e z qualquer. se x − z ∈ P. então y − z ∈ P. como x > y e z > 0.5. se x > y. De fato. concluimos que x > z. mas ( x − y) + (z − t) = ( x + z) − (y + t). então −( a − b) ∈ P.6. Exemplo 4. x + z > y + t. Mas pela lei distributiva xz − yz = ( x − y)z. então − a > −b. logo a soma ( x − y) + (y − z) ∈ P. então x − y ∈ P. então x − y ∈ P e z − t ∈ P. Exemplo 4. Exemplo 4. logo x + z > y + z. portanto ( x − y) + (z − t) ∈ P.4. Se x > y e y > z. por conseguinte. com isso concluimos que xz − yz ∈ P. Exemplo 4. portanto ( x + z) − (y + z) = x − y ∈ P. da mesma forma.7. então xz > yz. De fato. De fato. como y > z. portanto. então x + z > y + z. − a > −b. como x > y e z > t. 64 Funda men tos de A n á lise I . ou seja. então. Se x > y e z > t. logo ( x + z) − (y + t) ∈ P. a < b. x − y e z pertencem a P e. então x > z. De fato. como x > y. então x + z > y + t.

Como a e ( a−1 )2 estão em P. Se 0 < x < y e 0 < x  < y . Como por hipótese b > a e mostramos que a−1 b−1 > 0. a −1 > b −1 .8. De fato. Se b > a > 0.Exemplo 4. Como a−1 e b−1 estão em P. então a−1 > b−1 > 0. Então x < y. ou seja. b−1 > 0. logo yy − xx  = (yy − yx  ) + (yx  − xx  ) = y(y − x  ) + (y − x ) x  ∈ P.9. y − x e x  pertecem a P. temos x − y < 0. como a = 0. como y2 > 2. De fato. Sejam x. então existe a−1 e pelo Exemplo 4. ou seja.1 temos que ( a−1 )2 ∈ P. então a−1 = a ( a−1 )2 ∈ P. y > 0. como x2 < 2. ou seja. do Exemplo 4. então −y2 < −2. temos b ( a −1 b −1 ) > a ( a −1 b −1 ). a−1 b−1 > 0. portanto yy − xx  > 0.7. então a−1 b−1 ∈ P. Ou seja. De maneira análoga. então xx  < yy .10. ( x − y)( x + y) < 0. como x + y > 0. xx  < yy . ou seja. tais que x2 < 2 e y2 > 2. AUl a 4: Ínfimo e supremo de um corp o orden a do 65 . seguem destas duas desigualdades que x2 − y2 < 0. Exemplo 4. pela associatividade e pela comutatividade da multiplicação. temos (bb−1 ) a−1 > ( aa−1 )b−1 . portanto x < y. De fato. mostra-se que b−1 ∈ P. portanto. Exemplo 4. y − x  . note que y.

Note que qualquer número racional r ≥ 1 é uma cota superior de A. . 6. Mostraremos que sup A = 1.4. Definição 4. então r ≥ y. seja A = { y ∈ Q : 0 < y < 1}. . se x ≥ y para todo y ∈ A. então. . ( a) Seja A = {5. (Supremo de um conjunto) Seja F um corpo ordenado e A um subcon- junto de F limitado superiormente. Dizemos que um elemento x ∈ F é uma cota superior de A.11. Encontre uma cota superior para A. . (b) Dê um exemplo de um subconjunto de Q que não possui cota superior. para todo y ∈ A. se (i ) x for uma cota superior de A (ii ) se z for uma cota superior de A.5 Supremo e ı́nfimo de um conjunto Definição 4. Exemplo 4. Por exemplo. x ≤ z.4. Definição 4. O supremo de A. mas 1 ∈ / A. Neste caso dizemos que A é limitado superiormente. 4. Considere o corpo ordenado Q. Exercı́cio 4. Dizemos que um subconjunto de um corpo ordenado é limitado se ele for limitado superiormente e inferiormente. se x ≤ y para todo y ∈ A. denotado por sup A.7. O que provaremos é que 1 é a menor cota superior de A e concluiremos que sup A = 1. Dê um exemplo de um subconjunto de Q que não possui cota inferior.6. Neste caso dizemos que A é limitado inferiormente.3. Exercı́cio 4. x ∈ F é o supremo de A. 10}. é a menor das cotas superiores de A. O supremo de um conjunto A não necessariamente pertence a A. (Cota superior) Seja F um corpo ordenado e A um subconjunto de F. Em outras palavras.5. 66 Funda men tos de A n á lise I . pois se r ≥ 1. (Cota inferior) Seja F um corpo ordenado e A um subconjunto de F. 4.4 Cotas inferior e superior Definição 4. Dizemos que um elemento x ∈ F é uma cota inferior de A.

Como r  ∈ A e r  > r. se r < 1 podemos encontrar um elemento r  ∈ A. tal que r  > r.11 concluimos que nenhum racional r < 1 pode ser uma cota superior de A. então r não pode ser uma cota inferior de A.13. então. então r  ∈ A. temos duas possibilidades: (i ) r ≤ 0 ou (ii ) 0 < r < 1. Mostraremos que inf A = 0. portanto r não pode ser uma cota inferior de A. pois se y ∈ A.4. Exemplo 4. Claramente r ≤ 0 não pode ser uma cota superior de A. se 0 < r < 1. pelo Exercı́cio 3. como 0 < r < 1. Exemplo 4.Para mostrarmos que 1 é a menor cota superior de A temos que provar que nenhum racional r < 1 pode ser uma cota superior de A. Mostraremos que se 0 < r < 1.12. então r não pode ser uma cota superior de A. Portanto 1 é a menor cota superior de A e concluimos que sup A = 1. Se r ≥ 1. pois 1/2 ∈ A e 1/2 > r. ou seja. se r > 0. definido por B = { y ∈ Q : 0 ≤ y ≤ 1}. De fato.8. então 0 < r < r  < 1. De fato. Sejam A e B os conjuntos definidos nos dois exemplos anteriores. Mostraremos que se r > 0 for um racional. 1 é uma cota superior de A e usando os argumentos do Exemplo 4. Além disso. Para mostrar isso. note que 0+r r r = = 2 2 AUl a 4: Ínfimo e supremo de um corp o orden a do 67 . então y ≥ 0. se r < 1. tal que r  < r. então r não pode ser uma cota inferior de A. (Ínfimo de um conjunto) Seja F um corpo ordenado e A um subconjunto de F limitado inferiormente. denotado por inf A. x ∈ F é o ı́nfimo de A. Seja B ⊂ Q. é a maior das cotas infe- riores de A. então sup B = 1 e 1 ∈ B. O ı́nfimo de A. x ≥ z. temos duas possibilidades: (i ) r ≥ 1 ou (ii ) 0 < r < 1. Em outras palavras. De fato. podemos encontrar algum r  ∈ A. ou seja. De fato. em particular r+1 r = 2 é número racional. segue que r não pode ser uma cota superior de A. Com isso concluiremos que 0 é a maior cota inferior de A. Definição 4. Como r  ∈ Q e 0 < r  < 1. vimos que a média de dois números racionais é um número racional. então inf A = 0 e inf B = 0. Note que qualquer racional r ≤ 0 é uma cota inferior de A. pois 1/2 ∈ A e 1/2 < r. Mostraremos que. se (i ) x for uma cota inferior de A (ii ) se z for uma cota inferior de A. inf A = 0.

então r  ∈ A. No próximo teorema mostraremos que nem todo subconjunto de Q limitado in- feriormente possui ı́nfimo em Q. Na Aula 5 veremos que o conjunto dos números reais R é um corpo ordenado e consideraremos exemplos de ı́nfimo e de supremo de subconjuntos de R. portanto. dado um racional x > 0. temos uma das seguintes possibilidades: x∈A ou x ∈ B. 1 Mostre que sup A = 2 e inf A = −1. Contudo. o que implica x ∈ A. Teorema 4. De fato. 68 Funda men tos de A n á lise I . Dado um número racional positivo x. logo. pois vimos que não existe número racional cujo o quadrado seja 2. Portanto. portanto não pode ser o ı́nfimo de A. podemos encontrar y ∈ A com y < x. note que 1 é uma cota inferior para A. ou x2 < 2.5. Exercı́cio 4. é número racional (a média de números racionais é um número racional) e como 0 < r < 1. Como o único corpo ordenado que vimos até agora é o conjunto Q. mostra-se que inf B = 0. mostraremos que isto nos levará a uma contradição.2. Seja A = { x ∈ Q + : x 2 > 2}. concluimos que r não pode ser uma cota inferior de A. A possibilidade x2 = 2 não acontece. con- sequentemente inf A será um número racional positivo. então 0 < r  < r < 1. portanto ele deverá estar em A ou em B. Portanto 0 é a maior cota inferior de A. nos exemplos de ı́nfimo e de supremo nos restringimos a subconjuntos dele. Seja B = { x ∈ Q + : x 2 < 2}. o que implica x ∈ B. De maneira análoga. Prova. Como r  ∈ Q e 0 < r  < 1. Seja A = { x ∈ Q : x = (−1)n n−1 . devemos ter inf A ≥ 1. como r  ∈ A e r  < r. Supondo que inf A ∈ Q. nenhum elemento de A pode ser uma cota inferior para A. Além disso. Afirmamos que A não possui ı́nfimo em Q. n ∈ N }. mostraremos o seguinte: (i) Se x ∈ A. temos uma das seguintes possibilidades: x2 > 2.

Mostraremos que é possı́vel tomarmos n suficientemente grande. y2 < 2. Para todo n ∈ N. seja x = p/q ∈ A.6. Encontre o ı́nfimo e o supremo dos seguintes subconjuntos de Q: (1) {n/(n + 1) : n ∈ N }. o que é equivalente a ( p2 − 2q2 )n2 − 2pn + 1 > 0. (4. isto é. concluimos que nenhum elemento de B pode ser a maior que uma cota inferior de A. ou seja. ou seja. y = p/q − 1/nq < p/q.(ii) Se x ∈ B. AUl a 4: Ínfimo e supremo de um corp o orden a do 69 .2) Como x ∈ B. logo existe um no ∈ N.2) seja válida para n ≥ no . (np + 1)2 /n2 q2 < 2. logo existe um no ∈ N. q > 0. Como todo x ∈ B é uma cota inferior de A (por quê?). isto é. tal que y ∈ B. por quê? Isto mostra (i). tal que y > x. tal que y ∈ A. seja x = p/q ∈ B. y2 > 2. com p. por quê? Isto prova (ii). (4. Note que para todo inteiro positivo n.1) Como x ∈ A. temos y = p/q + 1/nq > p/q. o que é equivalente a −(2q2 − p2 )n2 + 2pn + 1 < 0. Exercı́cio 4.1) seja válida para n ≥ no . Para mostrarmos (i). (np − 1)2 /n2 q2 > 2. então 2q2 − p2 > 0. tal que (4. Mostraremos que é possı́vel tomarmos n suficientemente grande. tal que (4. então p2 − 2q2 > 0. Para mostrarmos (ii). portanto não pode ser o inf A. 1) nn (2) { n+(− n +1 : n ∈ N }. mostraremos que existe y ∈ B. com p. q > 0.

5 O conjunto dos números reais .

(Postulado de Dedekind) Todo subconjunto não vazio de R. tem um ı́nfimo. B é um subconjunto não vazio de R. Seja B = A − l ≡ { a − l : a ∈ A }. Suponha que A possua elementos não positivos. Teorema 5. cujos elementos são positivos. Veremos que é a propriedade do postulado acima que distingue R de Q. bem como as consequências da mesma. Prova. ele contém os inversos dos inteiros não nulos e produtos destes com inteiros. contém todos os naturais: 2 = 1 + 1. ele contém 0 e o simétrico de cada natural. portanto. a conclusão segue di- retamente do Postulado de Dedekind e não temos nada a fazer. . tal que a > l. Seja L = inf B. ele possui um ı́nfimo. para todo a ∈ A. existe um número real l < 0. Qualquer corpo ordenado F possui um subconjunto. AUl a 5: O con jun to d os números re ais 71 . sendo R um corpo ordenado. . Compreender porque os racionais √ são densos em R. constituı́do de elementos positivos. então os elementos de B são positivos. por definição. ele contém um subconjunto que podemos identificar com os inteiros. ele contém um subconjunto que podemos identificar como os racionais. Postulado 1. Se A for formado apenas por números positivos.AULA5: O CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS OBJETIVOS Ao final dessa aula. pelo Postulado de Dedekind. 4. ele contém um subconjunto que podemos identificar com os racionais.1. 3 = 2 + 1. Como A é limitado inferiormente. n 5. Logo. Compreender o conceito de x. sendo ele fechado em relação a soma. que podemos identificar com o conjunto Q. Sendo F um corpo ordenado. 3. o aluno deverá ser capaz de: 1. então inf A existe. De fato.1 Definição do conjunto dos números reais Definimos o conjunto R dos números reais como sendo o corpo ordenado onde vale a propriedade abaixo. ele contém o número 1 e. 2. Sendo F um corpo ordenado. Provar afirmações que envolvam os conceitos de ı́nfimo e de supremo de sub- conjuntos dos números reais. Compreender a definição dos reais a partir do Postulado de Dedekind. ou seja. onde x é um real não negativo. Seja A um subconjunto não vazio de R limitado inferiormente. Em particular. sendo F um corpo ordenado. .

Seja A um subconjunto não vazio de R limitado superiormente. então l é uma cota inferior para − A. y ∈ R e x > 0. para todo a ∈ A. Suponha que L seja uma cota inferior para A. existe l ∈ R.3.1. Portanto. segue que L − l ≤ L. temos L ≤ a. Prova. para todo a ∈ A. Prova. a − l ∈ B.2. portanto a − l ≥ L. ou seja. portanto − A é limitado inferiormente por −k e pelo Teorema 5. pois L é uma cota inferior para B. tal que l = inf(− A). portanto − a ≥ −l  e concluı́mos que −l  é uma cota inferior para − A. Como L é a maior das cotas inferiores de B. Ou seja. a ≤ −l para todo a ∈ A e concluı́mos que −l é uma cota superior para A. afirmamos que inf A = L + l. onde − A = {− x : x ∈ A}. ou seja. Como A é limitado superiormente. concluı́mos que L − l é uma cota inferior para B. l  ≥ −l. a ≥ L + l e concluı́mos que L + l é uma cota inferior para A. logo toda cota inferior de A é menor ou igual a L + l e concluimos que L + l é a maior das cotas inferiores de A. segue que −l  ≤ l. − a ≥ −k. ou seja. Resta-nos mostrar que L + l é a maior das cotas inferiores de A. se x. então para todo a ∈ A. para algum a ∈ A. temos a ≤ l  . existe k ∈ R. como todo elemento de B é da forma a − l. Para todo a ∈ A. logo − a ≥ l. 5. Teorema 5. tal que a ≤ k. Como l = inf(− A). Então. então existe um inteiro positivo n. 72 Funda men tos de A n á lise I . sup A = −l = − inf(− A). O corpo dos números reais é arquimediano. tal que nx > y. Logo −l é a menor das cotas superiores de − A. Como l é a maior das cotas inferiores de − A. então para todo a ∈ A. Seja A = {nx : n ∈ N }. L − l ≤ a − l e. sup A = − inf(− A). Agora suponha que l  seja uma cota superior para A. ou seja. para todo a ∈ A. ou seja. É isto que mostraremos a seguir. para todo a ∈ A.2 O conjunto R é arquimediano Teorema 5. portanto L ≤ L + l.

Exercı́cio 5. então a2 < b2 . ou seja. isto seria impossı́vel. l − x < l e l − x não é uma cota superior para A. Sendo A um subconjunto não vazio de R que é limitado superiormente. terı́amos l < (m + 1) x.2) como q é o menor elemento de A. Seja A = {k ∈ N : k > m − yn}. b números reais positivos. (5. Sejam a. Como x > 0. y ∈ R com x < y. O conjunto Q é denso em R.4.1). Mostre que se a < b. ou seja. Como q ∈ A. fazendo r = (m − q)/n. portanto l − x < mx para algum m ∈ N. tal que x < r < y. para todo a ∈ A. Prova. existe um natural q (> 2). ele possui supremo. tal que q é o menor elemento de A.2). AUl a 5: O con jun to d os números re ais 73 . Portanto. temos y − x > 0 e o Teorema 5. concluı́mos a demonstração do teorema.2. Como x < y. 5. temos x < (m − q)/n < y.3) e (5. agora com x = 1. Como (m + 1) x ∈ A.3 Os números racionais são densos em R Teorema 5. para todo n ∈ N e y seria uma cota superior para A. Sugestão: a2 − b2 = ( a − b)( a + b). deve ser tal que l ≥ a. para algum ∈ N. visto que l.3 novamente. Seja l = sup A. xn < m − q < yn.Se não existisse n ∈ N. temos yn > m − q ≥ yn − 1 > xn.1) Aplicando o Teorema 5. temos q > m − yn ⇒ m − q < yn. tal que n(y − x ) > 1 ⇒ xn < yn − 1. temos (q − 1) ≤ m − yn ⇒ m − q ≥ yn − 1. dados x.1.3) De (5. sendo uma cota superior de A. (5. terı́amos nx ≤ y. (5. (5. pelo Princı́pio da Boa Ordenação.3 nos fornece um inteiro positivo n. então pelo Teorema 5. Dividindo as desigualdades acima por n. tal que nx > y. existe r ∈ Q. tal que m > yn + 2. encontramos um inteiro positivo m.

5) n 74 Funda men tos de A n á lise I . Como y − < y do Teorema 5. então  2 1 2y 1 2y + 1 y+ = y2 + + 2 ≤ y2 + < 2. Suponha que y2 < 2. seja y = inf A. Exemplo 5.4 Os números irracionais Na Aula 3. tal que y2 −2 n 1 y− <r<y n e em virtude do Exercı́cio 5. Seja A = { t ∈ Q + : t2 > 2}. De fato. 2 − y2 n n contrariando o fato que y é a maior das cotas inferiores de A. n n n n   2y + 1 1 2 1 se n > . Suponha que y2 > 2. temos  2 1 y− < r 2 < y2 . ele é chamado de √2. A seguir.4) n n n n 2y 1 se n > . Mostraremos que inf A não é racional. 5. Como y + < 2. Visto como um subconjunto de R. (5. portanto 2 é um exemplo de um número irracional. existe um racional r.12. então  2 1 2y 1 2y y− = y2 − + 2 ≥ y2 − > 2. vimos que não existe número racional x. Números reais que não são racionais são cha- mados de irracionais. y não pode ser racional.1. pois ele é limitado inferiormente (dê um exemplo de uma cota inferior para A).1. o conjunto A possui ı́nfimo em R. mostraremos que qualquer uma das desigualdades y2 > 2 ou y2 < 2 nos levaria a uma contradição. (5. No Exemplo 5. então y + é uma cota inferior para A.4. Mostraremos que y2 = 2 e pelo Exemplo 3.1. veja a seguir. portanto devemos ter y2 = 2. tal que x2 = 2. mostraremos√que existe um (único) número real positivo x tal que x2 = 2.

como Q é um corpo. portanto x1 − x2 = 0. tem no máximo uma solução positiva. contudo. Teorema 5. ao multiplicá-lo pelo racional −1. tal que r2 > 2. Portanto.5. De maneira análoga. ou seja.6) n o que é uma contradição. tal que x < z < y. a equação√x2 = a. √ √ Exemplo 5. De fato. Se − 2 fosse raci- onal. − 2 e 1 + 2 são irracionais. o produto teria que ser racional. se x for racional e y irracional. soma e produto de racionais é racional.De (5. se x1 e x2 são soluções positivas de x2 = a2 . tal que x2 = a. como x1 e x2 são positivos. onde a > 0. x1 = x2 . então x + y e xy (se x = 0) são irracionais. r2 ≥ y2 . ( x1 − x2 )( x1 + x2 ) = 0. temos  2 1 2< y− < r 2 < y2 . então temos x12 = a2 = x22 . ao somarmos o racional −1 a este número. mostra-se que existe um número real positivo x. então r ∈ A e deverı́amos ter r ≥ y. o que contraria a última desigual- dade em (5.2. AUl a 5: O con jun to d os números re ais 75 . √ √ −1 . mas √ √ (1 + 2) + (−1) = 2. a qual é chamada de a. (5. ele é fechado em relação às operações √ de soma e multiplicação. logo x12 − x22 = 0.4) e (5. pois sendo r um racional positivo. ou seja. a soma seria uma racional. dados arbitrariamente x. então x1 + x2 > 0. De fato. Usando os argumentos da demonstração do Exemplo 5. onde a > 0 tem exatamente uma solução positiva. Afirmamos que a equação x2 = a. ou seja. ou seja.5).1. Em geral. existe número irracional z. y ∈ R. Os números irracionais são densos em R. (− 2) = 2 √ que sabemos ser irracional. com x < y. que é irracional.6). ou seja. se 1 + 2 fosse racional.

dado x ∈ R. tal que n > L − 1. se z fosse racional. existiria n ∈ N. Resolução. onde a > 0 tem exatamente uma raiz positiva.6 Exercı́cios resolvidos sobre ı́nfimo e supremo Exercı́cio 5. L < n + 1. Portanto. concluimos que x < z < y. para todo n ∈ N. . Como os racionais são densos em R. a qual chamamos de n a ou a1/n .1. tais que tn < a. veja Exemplo 5. Exercı́cio 5. então z √ − r. tal que n > x. mas z − r = − 2 é irracional. existiria um xo ∈ R. então usando os argumentos da demonstração do Exemplo 5. em particular para m = n + 1. existe r ∈ Q. Dado x > 0. pois L = sup N. Suponha que N fosse limitado superiormente. então. ou seja.2 existiria L ∈ R. e do Teorema 5. em particular. mostra-se que x = inf A satisfaz a equação x n = a.5 A função n x Dado um número real positivo a. √ 5. Mostre que o conjunto N não é limitado superiormente. Por outro lado. o que seria um contradição. Prova. √ Fazendo z = r − 2. implicaria L ≥ m. Caso contrário. onde a > 0 tem no máximo uma solução positiva.3. se chamarmos de A o subconjunto dos números reais positivos t. a equação√x n = a. + an−1 ). concluimos que √ x < r − 2 < y. se usarmos a identidade bn − an = (b − a)(bn−1 + bn−2 a + .2. ou seja. mostramos que a equação x n = a. tal que n ≤ xo . também seria racional. √ subtraindo 2 das desigualdades acima. para todo m ∈ N. tal que √ √ x + 2 < r < y + 2. . 76 Funda men tos de A n á lise I . tal que x > 1/n > 0. Em particu- lar. Afirmamos z é irracional.2. 5. tal que L = sup N. por ser a diferença de dois racionais. L − 1 não seria uma cota superior para N. mostre que existe n ∈ N. existe n ∈ N.

Resolução. Como R é um corpo, x −1 = 1/x também pertence a R, logo, do
exercı́cio anterior, existe n ∈ N, tal que n > 1/x > 0. Multiplicando estas desi-
gualdades por xn−1 , temos o resultado desejado.
Sejam a e b números reais com a < b. Um intervalo é um conjunto com uma das
seguinte formas:

( a, b) = { x ∈ R : a < x < b}, [ a, b] = { x ∈ R : a ≤ x ≤ b}

[ a, b) = { x ∈ R : a ≤ x < b}, ( a, b] = { x ∈ R : a < x ≤ b}

O intervalo ( a, b) é chamado de aberto, não contém as suas extremidades. O in-
tervalo [ a, b] é chamado de fechado, ele contém as suas extremidades. O interior
de qualquer um dos quatro intervalos acima é por definição o intervalo aberto
( a, b).

Uma semi-reta é um conjunto de uma das seguintes formas:

( a, ∞) = { x ∈ R : x > a}, (−∞, b) = { x ∈ R : x < b}

[ a, ∞) = { x ∈ R : x ≥ a}, (−∞, b] = { x ∈ R : x ≤ b}.

Nos dois primeiros casos, a extremidade não pertence à semi-reta e dizemos que
ela é aberta. Nos dois últimos casos, a extremidade pertence à semi-reta e dize-
mos que ela é fechada.

Exercı́cio 5.4. Seja A um subconjunto de R, tal que l = inf A exista. Mostre que
para todo  > 0 existe algum a ∈ A, no intervalo [l, l + ).

Resolução. Suponha que para algum o > 0 não existisse a ∈ A no intervalo
[l, l + o ). Mostraremos que isto nos levaria a uma contradição. De fato, como l é
uma cota inferior para A, então x ≥ l, para todo x ∈ A. Como estamos supondo
que não existam elementos de A em [l, l + o ), então x ≥ l + o , para todo x ∈ A,
ou seja, l + o seria uma cota inferior para A, o que seria uma contradição, pois l
é a maior das cotas inferiores de A.

AUl a 5: O con jun to d os números re ais 77

Exercı́cio 5.5. Sejam A e B dois conjuntos não vazios de números reais que são limi-
tados inferiormente e seja

A + B = { a + b : a ∈ A, b ∈ B}.

Mostre que
inf( A + B) = inf A + inf B.

Resolução. Como A e B são subconjuntos de R, limitados inferiormente, então
pelo Teorema 5.1 existem l A e l B reais tais que l A = inf A e l B = inf B. Portanto,
para todos a ∈ A e b ∈ B, temos

a ≥ lA e b ≥ lB ,

logo
a + b ≥ l A + lB ,
o que mostra que l A + l B é uma cota inferior para A + B. Mostraremos l A + l B é a
maior cota inferior de A + B, portanto l A + l B = inf( A + B). Suponha que l seja
uma cota inferior para A + B. Se l > l A + l B , tomarı́amos

o = (l − (l A + l B ))/4.

Para esta escolha de o , do Exercı́cio 5.4, existiriam ao ∈ A e bo ∈ B, tais que

a o ∈ [ l A , l A + o ) ⇒ a o < l A + o ,

e
bo ∈ [ l B , l B +  o ) ⇒ bo < l B +  o ,
em particular
l A + lB + l
ao + bo ≤ l A + l B + 2o = < l,
2
contrariando a hipótese de l ser uma cota inferior para o conjunto A + B.

Exercı́cio 5.6. Seja A um subconjunto de R, tal que l = sup A exista. Mostre que
para todo  > 0 existe algum a ∈ A, no intervalo (l − , l ].

Resolução. Suponha que para algum o > 0 não existisse a ∈ A, no intervalo
(l − o , l ]. Mostraremos que isto nos levaria a uma contradição. De fato, como l é
uma cota superior para A, então x ≤ l, para todo x ∈ A. Como estamos supondo

78 Funda men tos de A n á lise I

que não existam elementos de A em (l − o , l ], então x ≤ l − o , para todo x ∈ A,
ou seja, l − o seria uma cota superior para A, o que seria uma contradição, pois
l é a menor das cotas superiores de A.

Exercı́cio 5.7. Seja S ⊂ Z limitado inferiormente. Mostre que existe l = inf S e
l ∈ S, portanto l é um inteiro.

Resolução. Se olharmos para S como um subconjunto de R ele é limitado infe-
riormente, portanto existe l = inf S. Mostraremos que l ∈ S. Como o intervalo
[l, l + 1/2) tem comprimento 1/2, ele contém no máximo um número inteiro,
portanto no máximo um elemento de S. Pelo Exercı́cio 5.4, tem que existir algum
elemento de S em [l, l + 1/2). Portanto, existe exatamente um elemento de S em
[l, l + 1/2), o qual denotaremos por no . Se l fosse diferente de no , então

l < no < l + 1/2,
no −l
em particular, l + 2 < no , consequentemente
 
no − l
l, l + ⊂ [l, no ) ⊂ [l, l + 1/2).
2

Da inclusão [l, l + no2−l ) ⊂ [l, l + 1/2), como no é o único elemento de S em [l, l +
1/2), concluı́mos que o único elemento de S que poderia existir em [l, l + no2−l )
seria no , mas isto não é possı́vel, pois l + no2−l < no . Portanto, não haveria ele-
mentos de S em [l, l + no2−l ), contrariando o resultado provado no Exercı́cio 5.4,
segundo o qual, sendo l = inf S, então para todo o > 0, deve existir algum ele-
mento de S em [l, l + o ). Portanto, devemos ter no = l = inf S.

Exercı́cio 5.8. Mostre que dado um número real x, existe um inteiro n, tal que

n ≤ x < n + 1.

Resolução. Seja S = {n ∈ Z : x − 1 < n}, então S é não vazio e limitado in-
feriormente, logo existe no = inf S, o qual pelo Exercı́cio 5.7 pertence a S. Como
no ∈ S, então x − 1 < no . Não podemos ter x − 1 < no − 1, pois no − 1 estaria
em S, contrariando o fato que no = inf S. Portanto x − 1 ≥ no − 1, isto implica
x ≥ no . Colocando tudo junto, temos no ≤ x < no + 1.

AUl a 5: O con jun to d os números re ais 79

isto é. 80 Funda men tos de A n á lise I . existe algum número natural no . Seja A = { x ∈ R : x = (n + 1)/n. se L < γ. Note que n+1 1< ≤ 2. Resolução. então existe y ∈ A. mostraremos que nenhum número real x > 1 pode ser uma cota inferior de A. terı́amos um elemento do conjunto A maior do que L. ele tem ı́nfimo. Portanto. Mostre que γ = sup A. n n 1 se n > x− 1 . se x > 1. Suponha que γ seja uma cota superior para o conjunto A e que γ ∈ A. De fato. Exercı́cio 5. então sup A = 2. então 1 é a maior cota inferior de A. Seja L uma cota superior para A. temos n+1 1 − n ( x − 1) −x = < 0. ele tem su- premo. Resolução. o que contrariaria a hipótese de L ser uma cota superior para A. portanto A é limitado inferiormente e superiormente. De maneira análoga. Para mostrarmos que 1 é a maior cota inferior de A.3. De fato. Encontre o ı́nfimo e o supremo do conjunto A. Sendo A um subconjunto de R limitado inferiormente. sendo A um subconjunto de R limitado superiormente. então y = no ∈ A e y < x. Como 2 é uma cota superior de A e 2 ∈ A.10.9. n para todo n ∈ N. ou seja. o que é possı́vel em virtude do Teorema 5. tal que y < x. se tomarmos 1 n o +1 no tal que no > x− 1 . Exercı́cio 5. afirmamos que 1 é a maior cota inferior de A e portanto inf A = 1. temos que mostrar que L ≥ γ. Note que 1 é uma cota inferior de A. como 1 é uma cota inferior de A. n ∈ N }. tal que non+o 1 < x. como γ ∈ A. Logo x > 1 não pode ser uma cota inferior de A.

Exercı́cio 5. (4) {1} ∪ (2. y ∈ B}. (b) Mostre que sup A ≤ inf B.7 Exercı́cios Exercı́cio 5. para todo y ∈ B. O conjunto Z tem ı́nfimo ou supremo? Justifique a sua resposta. Suponha que A e B sejam dois conjuntos não vazios de números reais. Mostre que existe l = sup S e que l ∈ S.15.13. (2) { x ∈ R : a < x ≤ b }.14. Exercı́cio 5. Mostre que m = inf A. ( a) Mostre que sup A ≤ y. Seja S ⊂ Z limitado superiormente. 10). Exercı́cio 5. Mostre que inf A ≤ sup A. Suponha que A é um subconjunto dos reais para o qual o ı́nfimo e o supremo existam. Mostre que sup( A + B) = sup A + sup B. 3] ∪ (4.11. Exercı́cio 5. tais que x ≤ y. Sejam A e B sejam dois conjuntos não vazios de números reais que são limitados superiormente e seja A + B = { x + y : x ∈ A. para todo x ∈ A e y ∈ B. (3) { x ∈ R : a < x < b }. Exercı́cio 5.12.16. Suponha que m seja uma cota inferior para o conjunto A e que m ∈ A. AUl a 5: O con jun to d os números re ais 81 .5. Encontre o ı́nfimo e o supremo dos seguintes conjuntos: (1) { x ∈ R : a ≤ x ≤ b }. l é um inteiro.17. Exercı́cio 5. portanto.

6 O Teorema dos Intervalos encaixados. valor absoluto e desigualdades .

pelo Teorema 5. sig- nifica que an ≤ L ≤ bn . . . . para todo n. Portanto an ≤ L ≤ bn . Das inclusões In ⊃ In+1 . . . .1 O Teorema dos Intervalos Encaixados Teorema 6. .1. para todo n. como cada bn é uma cota superior para A e L a menor das cotas superiores para A. existe pelo menos um real c. segue que o conjunto A = { a1 . para todo n ∈ N. AUl a 6: O T eorem a d os In t erva los enc aix a dos. bn ]. tal que c ∈ In . va lor a bsoluto e de sigua l da de s 83 . então ∩∞ n=1 In  = ∅. para todo n. ≤ an ≤ . . . a n . VALOR ABSOLUTO E DESEIGUALDADES OBJETIVOS Ao final dessa aula. Compreender a demonstração do Teorema dos Intervalos Encaixados e porque os números reais são não enumeráveis. ⊃ In ⊃ . ou seja. o qual denotaremos por L. Além disso.) Dada a sequência decrescente I1 ⊃ I2 ⊃ . a2 . . . . temos an ≤ L. Sendo L uma cota superior para A. (Intervalos Encaixados. existe sup A. Note que dizer que existe um número L. para todo n. Como an ≤ b1 . . Compreender o conceito de valor absoluto e as suas propriedades e resolver desigualdades que envolvam valores absolutos. Prova.AULA6: O TEOREMA DOS INTERVALOS ENCAIXADOS. . para todo n. . ≤ b2 ≤ b1 . . 2. } é limitado superiormente e. de intervalos limitados e fechados In = [ an . temos a1 ≤ a2 ≤ . para todo n. . 6. tal que L ∈ In . temos L ≤ bn . o aluno deverá ser capaz de: 1.2. bn ≤ .

an+1 = an e bn+1 = bn . tal que I2 ⊂ I1 e f (2) ∈ / I2 . tome reais a1 e b1 .2 O conjunto R é não enumerável Teorema 6. 6. para todo n. se f (2) ∈ / I1 . . O valor absoluto ou módulo de um número real a. com an+1 e bn+1 definidos abaixo.1. para toda f : N → R. |2| = 2 e | − 2| = 2.1. A seguir encontraremos um intervalo I2 = [ a2 . denotado por | a|. na reta real. tais que f ( j) ∈ / Ij . fazemos a2 = a1 e b2 = b1 . fazemos a2 = a1 e b2 = ( a1 + f (2))/2. . onde In+1 = [ an+1 . tomamos I2 = I1 . | a| é a distância de a a origem. para todo c. De fato. é definido como  a. . Se f 2 ∈ I1 e f (2) = a1 . bn+1 ]. Por exemplo. (iii) Se f (n + 1) ∈ In e f (n + 1) = an .2. Prova. tal que L = f (n). (ii) Se f (n + 1) ∈ In e f (n + 1) = an . então.. . portanto f não é sobrejetiva. b2 ]. se a < 0. fazemos an+1 = an e bn+1 = ( an + f (n + 1))/2. 6. logo L não está na imagem de f . (i) Se f (n + 1) ∈ / In . ou seja. Como I1 ⊃ I2 ⊃ . construiremos o intervalo In+1 ⊂ In e f (n + 1) ∈ / In+1 . b1 ]. Exercı́cio 6.3 Valor absoluto e desigualdades Definição 6. Geometricamente. . . ⊃ In ⊃ . tais que f (1) < a1 < b1 e defina I1 = [ a1 . se a ≥ 0 | a| = − a. Se f (2) ∈ I1 e f (2) = a1 . Seja f : N → R uma função qualquer. Mostraremos que não existe função f : N → R sobrejetiva. ou seja. 84 Funda men tos de A n á lise I . Mostre que c ≤ |c|. existe algum real L que pertecem a todos os In ’s. existe algum real L. Tendo encontrado intervalos I1 ⊃ I2 ⊃ . O conjuntos dos números reais é não enumerável. fazemos a2 = ( f (2) + b1 )/2 e b2 = b1 . para todo n. pelo Teorema dos intervalos encaixantes. ⊃ In . fazemos an+1 = ( f (n + 1) + bn )/2 e bn + 1 = bn . portanto L = f (n).

|b| = b e como ab < 0. (Propriedades do valor absoluto) Sejam a e b números reais quaisquer. então ab = 0 e portanto. então | a| = a e |b| = b. √ (Sugestão: ( a − b)( a + b) = a − b ) Exemplo 6. Seja a ∈ R. por outro lado. portanto | a| |b| = ab = | ab|.2). portanto | a| |b| = (− a)(−b) = ab = | ab|. então | a| = − a e |b| = −b. Para provarmos (6. como | a| ≥ 0. Portanto | a| |b| = a(−b) = −( ab) = | ab|. como ab > 0. temos | ab| = ab. portanto | a| |b| = 0. (v) Se a = 0 ou b = 0. devemos ter | a| = 0 ou |b| = 0. (ii) Se a. (6. tais que a < b. AUl a 6: O T eorem a d os In t erva los enc aix a dos. √ √ Exercı́cio 6. Portanto | a| |b| = (− a)b = −( ab) = | ab|. além disso. então √ a2 = | a |. então | ab| = −( ab).2. | ab| = 0. Por outro lado. b < 0.2) | a + b| ≤ | a| + |b| (desigualdade triangular) (6.  √ segue que | a|2 = | a|. Logo | ab| = 0 = | a| |b|. como ab > 0. Portanto a2 = | a|. | ab| = | a| |b| (6. note que a 2 = | a |2 . va lor a bsoluto e de sigua l da de s 85 . Sejam √a e b√reais√ positivos. temos | ab| = ab. vamos considerar as seguintes possibilidades: (i) Se a. (6. b > 0.3.1) √  De fato. (iii) Se a > 0 e b < 0.3) || a| − |b|| ≤ | a − b|. Então. |b| = −b e como ab < 0. temos | a| = − a. Então a< b. (iv) Se a < 0 e b > 0.1. então | ab| = −( ab). logo a 2 = | a|2 . temos | a| = a. Teorema 6.4) Prova. além disso.

2). do Exercı́cio 6. Subtraindo |b| da desigualdade acima. Como | a| ≥ |b|. de (6. temos | a2 | = | aa| = | a| | a| = | a|2 .3). 2 Desta desigualdade e de (6. 86 Funda men tos de A n á lise I . então | a| − |b| ≥ 0. temos | a| = |( a − b) + b| ≤ | a − b| + |b|.2.5) Além disso. (6.7) mas de (6. trocando os papéis de a e b).6)) = (| a| + |b|)2 Logo ( a + b)2 ≤ (| a| + |b|)2 . (6. temos   | a + b| = ( a + b) ≤ (| a| + |b|)2 = | a| + |b|.6) Portanto ( a + b )2 = a2 + 2ab + b2 = | a|2 + 2ab + |b|2 (usamos (6.2). (6.3). logo || a| − |b|| = | a| − |b|. 2 ou seja. temos | a | − | b | ≤ | a − b |. | a + b | ≤ | a | + | b |. portanto | a | ≤ | a − b | + | b |. temos || a| − |b|| = | a| − |b| ≤ | a − b|.8). (6. basta repetirmos os argumentos abaixo. Note que de (6.3). o que mostra (6. temos   ( a + b) ≤ (| a| + |b|)2 .7) e (6. temos 2ab ≤ |2ab| = 2| a| |b|. A seguir provaremos (6.8) Portanto. Desta desigualdade e do Exercı́cio 6.4).5)) ≤ | a |2 + 2| a | | b | + | b |2 (usamos (6. Suponha que | a| ≥ |b| (se |b| > | a|.1 e de (6. A seguir provaremos (6.1).

então √ xy ≤ ( x + y)/2. então a2 + ab + b2 ≥ 0. Somando-se 2xy a esta desigualdade. Portanto 4xy ≤ ( x + y)2 . Exemplo 6.3). . Sugestão: Note que x − z = ( x − y) + (y − z). z ∈ R.3. então − ab > 0. . Sejam a. xn números reais.3. De fato. temos x2 + 2xy + y2 ≥ 4xy. va lor a bsoluto e de sigua l da de s 87 . use (6.  i =1  i =1 Exemplo 6. b ∈ R. note que x2 − 2xy + y2 = ( x − y)2 ≥ 0. a2 + ab + b2 ≥ a2 + b2 ≥ 0. logo x2 + y2 ≥ 2xy. se ab ≥ 0. y.9) De fato. Sejam x1 . . . AUl a 6: O T eorem a d os In t erva los enc aix a dos. ou seja. Mostre por indução que    n  n    ∑ xi  ≤ ∑ | xi |. Se ab < 0. Sejam x.2. portanto a2 + ab + b2 = ( a + b)2 − ab > ( a + b)2 ≥ 0. Exercı́cio 6. então. Sejam x e y reais não negativos. Exercı́cio 6.4. Mostre que | x − z | ≤ | x − y | + | y − z |. (6. x2 − 2xy + y2 ≥ 0.

9). bi = 0.1. dividindo esta desigualdade por 2. . e somente se. . então. (6. an ) e b = (b1 . . O que o (6. . O que a desigualdade de Cauchy-Schwarz está dizendo é que se a = ( a1 . . Tomando a raiz quadrada desta desigualdade. . . pois teremos igualdade. . como B > 0.10) é válida. obtemos √ 2 xy ≤ x + y. Exemplo 6. . . Portanto B( AB − C2 ) = ∑in=1 | Bai − Cbi |2 ≥ 0.9) está dizendo é que a média geométrica de dois números reais não negativos é sempre menor ou igual à média aritmética deles. então     a · b ≤ ||a|| ||b||.10)  i =1  i =1 i =1 De fato. Exemplo 6. então  2     n  n n    ∑ ai bi  ≤ ∑ a2i ∑ bi2 (6. o que prova (6. Observação 6.5. . n e (6.10). an e b1 . . sejam A = ∑in=1 a2i . bn ).11) 88 Funda men tos de A n á lise I . Sejam b. temos (6. segue-se que AB − C2 ≥ 0. . b −  < x < b + . portanto C2 ≤ AB. √ A quantidade ( x + y)/2 é chamada média aritmética de x e y e xy é chamada média geométrica de x e y. .4. Suponha que B > 0. onde a · b é o produto escalar do vetor a com o vetor b. Se B = 0. (A desigualdade de Cauchy-Schwarz) Sejam a1 . . . Então n n ∑ | Bai − Cbi |2 = ∑ ( Bai − Cbi )( Bai − Cbi ) i =1 i =1 n n n = B2 ∑ a2i − 2BC ∑ ai bi + C2 ∑ bi2 i =1 i =1 i =1 2 2 = B A − BC = B( AB − C2 ). . bn são números reais. B = ∑in=1 bi2 e C = ∑in=1 ai bi . para i = 1.  números com  > 0. . . Então x satisfaz | x − b| <  se. .

Portanto. A metade do comprimento do intervalo é chamada de raio do intervalo. Mostre que existem exatamente dois números x satisfazendo a condição | x − b| = . temos x − b ≥ 0 > −. para isso teremos que encontrar os valores de x para os quais as expressões dentro dos módulos se anulam.De fato. Note que a primeira coisa que temos que fazer é tirar os módulos que aparecem na igualdade. então x − b = | x − b| < . o que implica x < b + . 2) ∪ [2. temos − < x − b <  ⇐⇒ − < b − x < . No presente exemplo. b − x ≥ 0 > −. AUl a 6: O T eorem a d os In t erva los enc aix a dos. Exemplo 6. O comprimento de um in- tervalo é a distância entre os pontos correspondentes às suas extremidades. Determine todos os valores de x que satisfazem à seguinte igualdade: x + | x − 2| = 1 + | x |. então x < b + . então subtraindo b destas desigualdades. podemos escrever (− a. suponha que | x − b| < . tais pontos são x = 2 e x = 0. | a − b| é a distância entre eles. temos − < x − b < . logo b −  < x. Com isso podemos escrever o conjunto dos números reais da seguinte forma: R = (−∞. Mostraremos que em qualquer um dos dois casos vale (6. va lor a bsoluto e de sigua l da de s 89 . a) = { x ∈ R : | x | < a}. então b − x = | x − b| < .5. ∞). Temos uma das seguintes possibilidades: (i) b ≤ x ou (ii) x < b. segue das desigualdades acima que | x − b| < . Portanto. mas se x − b < . Se b ≤ x.11). Exercı́cio 6. 0) ∪ [0. Dados dois reais a. b. dado um número real positivo a. Por outro lado.6. Reciprocamente. Podemos usar o valor absoluto na representação de intervalos: por exemplo. Por outro lado. temos − < x − b < . Se x < b. Como | x − b| = x − b ou | x − b| = b − x. se b −  < x < b + .

Em [2. Logo. 0) a única solução de x + | x − 2| = 1 + | x | é x = −1. em [0. Exercı́cio 6. Portanto. ou seja. Determine todos os x que satisfazem à seguinte desigualdade: | x − 3| + | x − 1| < 4. Em (−∞. Logo. a igualdade x + | x − 2| = 1 + | x | é equivalente a x + 2 − x = 1 − x. logo | x | = x.7. a igualdade x + | x − 2| = 1 + | x | é equivalente a x + 2 − x = 1 + x. a igualdade x + | x − 2| = 1 + | x | é equivalente a x + x − 2 = 1 + x.8. temos x ≥ 0. temos x < 0. logo | x | = − x. r ∈ R. Descreva o conjunto { x ∈ R : | x − 2| < 5}. 2). x = 1. Exercı́cio 6. ou seja. Em [0. 3}. como x < 2. Exercı́cio 6. temos x > 0. logo | x | = x. x ∈ {−1. Portanto.6. 90 Funda men tos de A n á lise I . então | x − 2| = −( x − 2) − 2 − x. então | x − 2| = −( x − 2) = 2 − x. e somente se. 0). em [2. em (−∞. Portanto. como x ≥ 2. x = −1. Dados a. x + | x − 2| = 1 + | x | se. ou seja. então | x − 2| = x − 2. 2) a única solução de x + | x − 2| = 1 + | x | é x = 1. 1. x = 3. descreva o conjunto { x ∈ R : | x − a| < r } . Logo. como x < 2. ∞) a única solução de x + | x − 2| = 1 + | x | é x = 3. ∞). Portanto. com r > 0.

10. va lor a bsoluto e de sigua l da de s 91 .Exercı́cio 6. AUl a 6: O T eorem a d os In t erva los enc aix a dos. Exercı́cio 6.9. cuja distância a −1 é 3. Descreva o conjunto { x : | x − 2| < | x − 6|}. Descreva o conjunto dos pontos x ∈ R.

7 Definição de sequência .

. −1. . 2 3 4 n+1 1. . Calcular limites de sequências. 3. . 1/5. o aluno deverá ser capaz de: 1. . .. 4. cos 2 cos 3 cos n cos 1. aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 93 . 3. . 2. .AULA7: SEQUÊNCIAS NUMÉRICAS E LIMITES DE SEQUÊNCIAS OBJETIVOS Ao final dessa aula. 3. .1 Definição de sequência Definição 7. 1/3. . Compreender os conceitos de sequência e de limite de uma sequência. n. . . Compreender e saber aplicar o Teorema do Sanduiche e a Desigualdade de Ber- noulli. 1. . .. . . . . 3. 3. .. . 3. . . 1... 1.1. . 2 3 n 2. bem como as propriedades de limite. 1 2 3 n . Uma sequência de números reais é uma função a : N → R. . 2n . . . .. . que associa a cada natural n um número real a(n). Compreender os conceitos de sequência limitada e de sequência ilimitada. a qual denotaremos por ( an ). Exemplo 7. Os elementos an ’s são chamados de termos da sequência.. 1.. 23 . 22 . . (−1)n+1 . . que denotaremos por an . . . . . 7. 3. 2.1. . . . −1... 1. 1. 1/4. . .. −1. Alguns exemplos de sequências de números reais: 1. .

definida por an = n é limitada inferiormente. Se ao invés de 10−3 tivéssemos pegado 10−15 . então | an − 1| < 10−15 .2 A definição de limite n −1 Considere a sequência ( an ).1.1 são limitadas superiormente e quais são limitadas inferiormente? Por quê? 7. usaremos a notação { an }. para n > 2 × 1015 − 1. cujo termo geral é an = n +1 . digamos de raio 10−3 . quais são o nono e o décimo termos da terceira e da quinta sequências? Definição 7. para todo n. Quais das sequências do Exemplo 7. 2 −3 3 Note que | an − 1| = n+ 1 . . portanto | an − 1| < 10 . se existir k ∈ R. pois an ≥ 1. que | an − 1| < 10−3 . . temos | an − 1| < . . 1 + 10−3 )? Isto é equivalente a dizer que 1 − 10−3 < an < 1 + 10−3 . não existe um número real K. Exercı́cio 7. não importa o quão pequeno ele seja. . Dizemos que uma sequência ( an ) é limitada superiormente.1. Exemplo 7. . De maneira análoga. No Exemplo 7.2. Mas o que significa isto? Tomemos um intervalo centrado em 1. então para todo n ≥ no . tal que an ≤ K para todo n.2. . Exercı́cio 7. . Quando quisermos nos referir ao conjunto formado pelos termos da sequência. 94 Funda men tos de A n á lise I . para todo n. se existir K ∈ R. se no for um inteiro positivo tal que no > 2 − 1. para todo n. dizemos que uma sequência ( an ) é limitada inferiormente. A sequência ( an ). ou ainda. 3 4 5 6 7 8 intuitivamente os termos desta sequência estão ficando cada vez mais próximos de 1. .2. . Em geral. se tivermos n > 2 × 10 − 1. dado um número positivo . portanto ( an ) não é limitada superiormente. Por outro lado. então os primeiros termos desta sequência são 1 2 3 4 5 6 0. tal que an ≤ K. Será que é possı́vel encontrarmos um inteiro positivo no a partir do qual todos os an ’s estarão no intervalo (1 − 10−3 . tal que an ≥ k.

Observação 7. ou seja. tal que se n ≥ no . então se n ≥ no . Mostre que lim an = c. Assim. Neste caso. Exemplo 7.3. tal que | an − l | < . (7. todos os an ’s com n ≥ no estão dentro do intervalo (l − .4. tal que se n ≥ no . então dados  e k positivos. Resumindo. podemos tomar como no qualquer número natural fixo.1) para todo n ≥ no (ou seja.Definição 7. para todo n. onde k é um número positivo. existe um inteiro positivo no tal que todos os an ’s com n ≥ no estão no intervalo (l − .1. n→∞ Se a sequência ( an ) não convergir. dado  > 0. concluiremos que existe um inteiro positivo no . Mostre 1 = 0. na definição de limite. tome no ∈ N tal que no > 1/. Suponha que lim an = l. an = c. Se na definição n→∞ de limite fizermos ˜ = k . teremos | an − l | < ˜ = k. l + ). se para todo número real positivo  (poderı́amos ter usado qualquer outra letra para denotar este número) existir um número natural no . n→∞ n aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 95 . note que | an − c| = |c − c| = 0 < . se limn→∞ an = l. teremos | an − l | < k. significa que para todo  > 0. Exemplo 7. dizemos que ela diverge. an (n ≥ no )   |   | l− l+ Figura 7. lim n→∞ n De fato. existe um inteiro positivo no . para todo n.3. n  n no o que mostra que 1 lim = 0. Seja ( an ) a sequência constante. Tome um número positivo . l + )). dado  > 0. teremos   1   − 0 = 1 ≤ 1 < . Dizemos que uma sequência ( an ) converge para um número real l. escrevemos l = lim an .1: Dizer que limn→∞ an = l. n→∞ De fato.

n→∞ n (b) n2 + n + 1 lim = 1/2.3. Como | cos n| ≤ 1. dado  > 0. n→∞ 2n2 + 1 Exercı́cio 7. tal que   n + 3   − 1  < 10−10 . n→∞ n Exercı́cio 7. Exercı́cio 7. n→∞ n p para todo p > 0. Mostre a seguinte afirmação: existe no ∈ N.6. Use a definição de convergência de uma sequência (em termos de  e no ) para mostrar que ( a) n+1 lim = 1. temos  cos n  | cos n| 1 1    − 0 = ≤ ≤ < . lim = 0. cos n Exemplo 7. tal que no > n1o .  n  para todo n ≥ no . para todo n. n→∞ n De fato. Mostre 1 lim = 0. 96 Funda men tos de A n á lise I . n n n no o que mostra que cos n lim = 0. A sequência an = sen(nπ ) converge? Exercı́cio 7. tome no ∈ N.4.5.5. se n ≥ no .

7. se lim ( an − l ) = 0. n→∞ De fato. então n→∞ lim ( an − c) = l − c. Se lim an = l e c é uma constante.Exemplo 7. Sugestão: |(− an ) − (−l )| = | an − l |. tal que se n ≥ no . n→∞ Observação 7. Exemplo 7. Mostre que se a sequência ( an ) convergir para l. se lim an = l. aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 97 . o que mostra que a sequência (bn ) converge para l − c. tal que se n ≥ no . existe no . como n→∞ lim an = l. portanto |( an − l ) − 0| = | an − l | < . lim an = 0 ⇐⇒ lim | an | = 0.2. existe no . Tome  > 0. então a sequência (− an ) converge para −l. mostraremos que lim bn = l − c. lim ( an − l ) = 0. então dado  > 0. portanto | an − l | = |( an − l ) − 0| < . n→∞ n→∞ por quê? Em particular. Dos dois exemplos anteriores. o que mostra que lim ( an − l ) = 0. temos | an − l | < . seja bn = an − c. o que mostra que lim an = l.7. concluimos que lim an = l ⇐⇒ lim | an − l | = 0. n→∞ n→∞ Exercı́cio 7. lim an = l n→∞ se.6. então existe no tal que se n ≥ no . portanto n→∞ |bn − (l − c)| = |( an − c) − (l − c)| = | an − l | < . temos n→∞ | an − l | < . n→∞ temos |( an − l ) − 0| < . então dado  > 0. n→∞ De fato. n→∞ Por outro lado. e somente se.

tome  = |l |/2. para todo n ≥ no . suponha que an > α. Seja ( an ) convergente e suponha que α < an < β. Se l = 0.8. para n ≥ N e seja l = lim an . para n ≥ no . então do Exercı́cio 7. para n ≥ N. Deixamos para o aluno mostrar que l ≤ β. l−β Sugestão: suponha que l > β e na definição de limite tome  = 2 . se l < α. encontramos no tal que an ∈ (l − . Seja ( an ) convergente e l = lim an . tal que an < 0. n→∞ (i ) Se l > 0. então a sequência (| an |) também con- verge e     lim | an | =  lim an  . para todo n ≥ N. Exemplo 7. De fato. por quê? Sugestão: Seja l = lim an . o que é um absurdo. pois por hipótese. então α ≤ lim an ≤ β. Exercı́cio 7. 98 Funda men tos de A n á lise I . mostraremos que isto nos levará a um absurdo. Sugestão: Na definição de limite. Se l = 0. Afirmamos que l ≥ α. Em particular. Mostre que se ( an ) convergir. an > α.9. portanto || an | − |l || = | an − l |. então existe um inteiro positivo no . para todo. n→∞ n→∞ A recı́proca deste resultado é falsa. l + ). n→∞ De fato. para todo n ≥ no .8. Exercı́cio 7. fazendo α−l = 2 na definição de limite. veja a Obsservação n→∞ 7. tal que an > 0. n ≥ no . para n ≥ no . concluimos que an e l têm sinais iguais. não temos nada a fazer. então existe um inteiro positivo no . (ii ) Se l < 0.8.2. mostre que isto nos leva a um absurdo. para todo n ≥ no devemos ter an < l +  = l +α 2 < α. n→∞ Assuma que l < α.

Esta contradição surgiu do fato de assumirmos l1 = l2 . no é o maior dos dois valores n1 e n2 ). . terı́amos n ≥ n1 e n ≥ n2 . Em particular.4 Sequências limitadas Definição 7. então | an | ≤ K. tais que | an − l1 | < . . n2 } (ou seja.4. . | ano −1 |. se n ≥ n1 e | an − l2 | < . Portanto.1. l1 + ) e da segunda desigualdade todos os an ’s com n ≥ no estariam no inter- valo (l2 − . . então existe n→∞ um natural no .3 Unicidade do limite Mostraremos que o limite de uma sequência convergente ( an ) é único. 7. (ou seja. Se ( an ) for convergente. tome  = 1. Uma consequência deste resultado é que se ( an ) for ilimitada. para todo n. se existir um número real positivo K. tal que | an | ≤ K. . então ( an ) é limitada. se n ≥ n2 . para n ≥ no . Prova. portanto. tal que | an − l | ≤ 1. Suponha que lim an = l e na definição de limite. . portanto | an − l1 | <  e | an − l2 | < . 1 + |l |}. . pois estes intervalos são disjuntos. Seja K = max{| a1 |. para todo n. o que seria um absurdo. aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 99 . . se no = max{n1 . 1 + |l |). devemos ter l1 = l2 . Lema 7. Da primeira desigualdade todos os an ’s com n ≥ no estariam no intervalo (l1 − . existiriam natu- 2 rais n1 e n2 . | ano −1 |. se tivéssemos lim an = l1 e lim an = l2 . se n ≥ no . l2 + ). n→∞ n→∞ | l − l2 | com l1 = l2 . então para n ≥ no . K é o maior dos valores | a1 |.7. segue da desigualdade triangular que | an | = |( an − l ) + l | ≤ | an − l | + |l | ≤ 1 + |l |. então ela não pode convergir. caso contrário. tomarı́amos  = 1 e pela definição de limite. Dizemos que uma sequência ( an ) é limitada.

Exercı́cio 7. dizemos que a sequência diverge.10. n→∞ se para todo número real M < 0 existir um no . teremos 2no +1 > 2no = no + no > no + 1. . n. implica an < M. 2. Dê um exemplo de uma sequência ( an ). limn→∞ 2n = ∞. então an > M. Dizemos que lim an = +∞. dizemos que lim an = −∞. por quê? (Sugestão: Considere a sequência cujo n-ésimo termo é dado por an = (−1)n ) 7.11. Exercı́cio 7. 100 Funda men tos de A n á lise I . Claramente. diverge? Exercı́cio 7. para todo inteiro positivo n. Por que podemos dizer que a sequência 1. porém não é suficiente. pois neste caso temos 21 = 2 > 1. . 3. tal que limn→∞ an = +∞. . . n→∞ se para todo número número real M > 0 existir um no . se 2n o > n o . De maneira análoga. .5 Limites infinitos Definição 7.5. Nos casos em que os limites são infinitos. Assuma que ela seja verdadeira para n = no . mostraremos que ela vale para n = no + 1. .9. De fato. tal que se n ≥ no . Prova. Afirmamos que 2n > n.12. a desigualdade acima é verdadeira para n = 1. tal que se n ≥ no . então ao multiplicarmos esta desigualdade por 2. . Ser limitada é uma condição necessária para que uma sequência con- virja. Exemplo 7.

portanto (7. seja no tal que no > M/r. temos no r > M e da desigualdade de Bernoulli. se (1 + r )no ≥ 1 + no r. então.Portanto. Note que se n = 1.2) é verdadeira. então.11. temos (1 + r )no +1 ≥ (1 + no )(1 + r ) = 1 + (1 + n o )r + n o > 1 + (no + 1)r. Mos- tre que (1 + r )n ≥ 1 + nr. para todo inteiro positivo n.2) vale para todo n posi- tivo. Seja r > −1 um número real fixo. o que mostra que limn→∞ 2n = ∞. dado um número real positivo M. (7. De fato. Então se n ≥ no . Dado M > 0. temos cn = (1 + r )n ≥ 1 + nr ≥ 1 + no r ≥ 1 + M > M. pode ser escrito como c = 1 + r. aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 101 . por indução.2) para todo n. n→∞ De fato. pois temos igualdade. Logo. da desigualdade de Bernoulli. Portanto. Em geral. tal que no > M. temos cn = (1 + r )n ≥ 1 + nr. temos (1 + r )1 = 1 + r e (7. (A desigualdade de Bernoulli). De fato. (7. mostraremos (7. tome no inteiro positivo.2) seja válida para n = no . Exemplo 7.2) vale para n = no + 1 e.10. por indução. temos lim cn = ∞. n ∈ N. Exemplo 7. teremos 2n > n ≥ no > M.2) por indução em n. podemos mostrar que se c é um número real maior do que 1. concluimos 2n > n. onde r = c − 1 > 0. mostraremos que ela também é válida para n = no + 1. Suponha que (7. note que todo real c > 1. se n ≥ no . então multiplicando-se esta desigualdade por 1 + r e lembrando que 1 + r > 0.

Então. o que implica r 1 que < . dado  > 0.9. Dado arbitrariamente  > 0. podemos escrever |c| = . podemos mostrar que se c é um número real com |c| < 1. tais que bn ≤ a n ≤ c n . n→∞ De fato. Como lim bn = l = lim cn . então. veja n→∞ n→∞ Exercı́cio 7. temos (1 + r )n ≥ 1 + nr. se n ≥ no . (1 + r ) 1 + nr 1 Logo. Exemplo 7. temos lim cn = 0. (bn ) e (cn ) sequências. (Teorema do Sanduiche) Sejam ( an ). (1 + r ) 1 + nr portanto 1 1 |c|n = n ≤ .1. o que implica que 1 1 n ≤ .12. para todo n e lim bn = l = lim cn . Em geral. temos a sequência constante an = 0. para todo n ≥ no . tal que no > . note que se c = 0. Tome  > 0 qualquer. cujo limite é 0. tal que | an − l | < . mostraremos que existe no ∈ N. temos no r 1 1 1 |c|n ≤ ≤ < < .6 O Teorema do Sanduiche Teorema 7. o que é equivalente a dizer que lim cn = 0. Da desigualde de 1+r Bernoulli. 1 Se 0 < |c| < 1. 7. n→∞ n→∞ 102 Funda men tos de A n á lise I . tome no um inteiro positivo. n→∞ n→∞ Então lim an = l. n→∞ Prova. 1 + nr 1 + no r no r Isto mostra que lim |c|n = 0. onde r > 0.

concluimos que a sequência ( an ) também converge para zero. em particular.2 concluimos que n cos n lim = 0.13. Se fizermos an =  cosn n . n n n   para todo n. onde N é um inteiro positivo. no }. Calcule o seguinte limite n+1 lim . por bn ≤ an ≤ cn . ou seja. portanto do Teorema do Sanduiche concluimos que n→∞ n→∞   limn→∞ an = 0. bn = 0 e cn = n1 . como sequências (bn ) e (cn ) convergem para zero. como | cos n| ≤ 1. então bn ≤ an ≤ cn . então pelo Teorema do Sanduiche. para todo n ≥ N. no ∈ N. bn e cn estão no intervalo (l − . aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 103 . n → ∞ n2 +n+1 De fato. n→∞ n De fato. limn→∞  cos n  = 0 e da Observação 7. n→∞ n Exemplo 7. note que   1 n+1 1 1+ n 1 2 = 1 ≤ . então temos bn ≤ an ≤ cn e lim bn = 0 = lim cn .existem no . n +n+1 n n+ n +1 n Portanto n+1 1 0≤ ≤ . tais que n ≥ no implica |bn − l | <  e n ≥ no implica |cn − l | < . então  cos n  | cos n| 1   0≤ = ≤ .14. o que é equivalente a | an − l | < . bn = 0 e cn = n1 . então n ≥ no implica |bn − l | <  e |cn − l | < . Mostre que cos n lim = 0. Seja no = max{no . ou seja. n2 + n + 1 n Sejam an = n2n++n1+1 . para n ≥ no temos l −  ≤ bn ≤ an ≤ cn ≤ l + . por quê? Exemplo 7. para todo inteiro positivo n. No Teorema do Sanduiche podemos substituir a hipótese de bn ≤ an ≤ cn . l + ) para n ≥ no . para todo n.

se n ≥ no . em virtude da Observação 7. Seja ( an ) uma sequência. Seja (bn ) uma sequência limitada (convergente ou não) e lim an = 0. n→∞ De fato. tal que se n ≥ no . n→∞ De fato.  an + L  L Exemplo 7.17.15.1 existe n→∞ inteiro positivo no . bn = 0 e cn = √1n . como lim an = L.16. Exemplo 7. tome  > 0. então pelo Teorema do Sanduiche. temos √ | an − L| < L . n Portanto √ √ 1 0≤ n+1− n< √ . n √ √ Sejam an = n + 1 − n. note que √ √ √ √ √ √ ( n + 1 − n)( n + 1 + n) n+1− n = √ √ n+1+ n 1 = √ √ n+1+ n 1 < √ . n→∞ Então lim ( an bn ) = 0. temos   √ √  a − L   a − L   n  | an − L| =  √ √  <  n√  < . como as sequências (bn ) e (cn ) convergem para zero. tal que xn > 0 e lim an = L > 0. concluimos que a sequência ( an ) também converge para zero. n→∞ então √ √ lim an = L. Portanto. n→∞ 104 Funda men tos de A n á lise I . Calcule o seguinte limite √ √ lim ( n + 1 − n). então temos as seguintes desigual- dades: bn ≤ an ≤ cn . Exemplo 7.

tal que se n→∞ n ≥ no . tal que n→∞  n ≥ no implica | an | < . Dado  > 0. K  | an bn − 0| = | an bn | = | an ||bn | ≤ K | an | ≤ K < . para todo n. pela Observação 7. existe no ∈ N. Sejam ( an ) e (bn ) duas sequências convergentes e c um número real qual- quer. concluimos que n→∞ lim | an | = 0. mostraremos que existe no ∈ N.1 existe um inteiro positivo no . tal que |bn | ≤ K. n→∞ n→∞ tal que se n ≥ no . temos |( an + bn ) − (l1 + l2 )| = |( an − l1 ) + (bn − l2 )| < . temos (i ) lim (can ) = c lim an .De fato. ( an + bn ). |c| + 1 o que prova (i). existe K > 0. De fato. então em virtude da Observação 7. como (bn ) é limitada. n→∞ n→∞ (ii ) lim ( an + bn ) = lim an + lim bn . (i) Seja l = lim an . |c| + 1 portanto  |(can ) − cl | = |c| | an − l | ≤ |c| < . ou seja. mostraremos que existe no ∈ N. temos |(can ) − cl | = |c| | an − l | < . n→∞ n→∞ n→∞   an Se bn = 0.1. Como lim an = 0. n→∞ n→∞ n→∞ (iii ) lim ( an bn ) = ( lim an )( lim bn ). como lim an = l. tome  > 0. 7. tal n→∞ que se n ≥ no . (ii) Sejam l1 = lim an e l2 = lim bn . temos  | an − l | < .2. Dado  > 0. para todo n e lim bn = 0. portanto. além disso. então sequência também convergirá e n→∞ bn an lim an (iv) lim = n→∞ . então em virtude da Observação 7.7 Propriedades de Limite Teorema 7. n → ∞ bn lim bn n→∞ Prova.2. aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 105 . então as sequências (can ). K com isso concluimos a demonstração. ( an bn ) são convergentes.

teremos  | a n − l1 | < (7.1 existem inteiros positivos n1 e n2 .3) 2 e se n ≥ n2 temos  | bn − l2 | < . De fato. 106 Funda men tos de A n á lise I . então se n ≥ no .6) 2 ( l1 + 1 ) Seja no = max{n1 . tais que se n ≥ n1 .3) e (7.4). n2 }. respectivamente. existe uma constante positiva K. n2 . tais que se n ≥ n1 teremos  | a n − l1 | < (7. (iii) Sejam l1 = lim an e l2 = lim bn .1 existem n→∞ n→∞ inteiros positivos n1 . temos n ≥ n1 e n ≥ n2 . Dado  > 0.7. n2 }.4) 2 Seja no = max{n1 . como lim an = l1 e lim bn = l2 . segue da desigualdade triangular e das desigualdades (7. (7. n→∞ n→∞ tal que se n ≥ no . portanto valem as desigualdades (7. as sequências ( an − l1 ) e (bn − l2 ) para zero e pela Observação 7. para todo n. (7. mostraremos que existe no ∈ N.5) 2K e se n ≥ n2 . ou seja. temos  | bn − l2 | < . 2 2 o que mostra (ii). ela é limitada.4) que |( an + bn ) − (l1 + l2 )| = |( an − l1 ) + (bn − l2 )| ≤ | a n − l1 | + | bn − l2 |   < + = . De fato. como (bn ) é convergente. em virtude da Observação 7. Tome  > 0. temos | an bn − l1 l2 | = |( an − l1 )bn + l1 (bn − l2 )| < . Então para n ≥ no . Como as sequências ( an ) e (bn ) convergem para l1 e l2 . então pelo Exemplo 7. tal que |bn | < K.3) e (7.

Então se n ≥ no . tal que se n ≥ no . segue da desigualdade triangular e das desigualdades (7.  bn l   l2 bn  2 De fato. (7. existe um inteiro positivo n1 .7) | bn | | l2 | | l2 bn | l2 Como lim an = l1 e lim bn = l2 . tal que se n ≥ n1 . n2 .5) que | an bn − l1 l2 | = |( an − l1 )bn + l1 (bn − l2 )| ≤ |( an − l1 )| |bn | + |l1 | |(bn − l2 )|   < K + | l1 | 2K 2 ( l1 + 1 )   < + 2 2 = . como lim bn = l2 = 0.7)-(7.5) e (7. tais que se n ≥ n2 .5) e (7. temos | l2 | 2 | bn − l2 | ≤ . para n ≥ no segue aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 107 . em virtude da Observação 7.então se n ≥ no valem as desigualdades (7. (7.9). Portanto. (iv) Sejam lim an = l1 e lim bn = l2 = 0.9) 4(|l1 | + 1) Seja no = max{n1 . mostraremos que existe n→∞ n→∞ no ∈ N. n3 ∈ N.6). n→∞ temos |l | | bn | > 2 . para n ≥ no . temos | l2 | | a n − l1 | <  (7.1 existem n2 . Portanto. Dado  > 0. n3 }. as sequências ( an − l1 ) e (bn − l2 ) convergem n→∞ n→∞ para zero e. o que prova (iii). 2 por quê? Portanto 1 2 1 2 < e < 2.8) 4 e se n ≥ n3 . temos      a n l1   ( a n − l1 ) l2 + l1 ( l2 − bn )   − =  < . valem as desigualdades (7.

2n3 − 100n − 3 2 − 100 n − n2 3 para obter o lado esquerdo da igualdade acima. ck constantes. . . + ck lim ak n . . .10) n→∞ n→∞ n→∞ Exemplo 7. . note que 3n3 − 4n2 + 5 3 − n4 + n52 = . .7). n→∞ n→∞ n→∞ Por indução. . temos   4 5 1 1 lim 3− + 2 = 3 lim 1 − 4 lim + 5 lim 2 n→∞ n n n→∞ n→∞ n n→∞ n = 3 × 1 − 4 × 0 + 5 × 0 = 3. Note que das propriedades (i ) e (ii ). (7.9) que      a n l1   ( a n − l1 ) l2 + l1 ( l2 − bn )   −  =    bn l   l2 bn  2 |( an − l1 )| |l2 | + |l1 | |(l2 − bn )| ≤ | l2 bn | 2 1 2 | l2 | 2 < | l2 |  + | l |  | l2 | 4 |l2 |2 1 4(|l1 | + 1)   < + = . De maneira análoga. Então a sequência ( c1 a1 n + . . lim (αan + βbn ) = α lim an + β lim bn . temos a seguinte generalização: sejam ( a1n ).8) e (7.. Observação 7.10).3. n→∞ 2n − 100n − 3 2 De fato.18. da desigualdade triangular e das desigualdades (7. 2 2 o que mostra (iv). De (7. . . temos 108 Funda men tos de A n á lise I . (7. dividimos o numerador e o de- nominador do lado esquero por n3 . então. se ( an ) e (bn ) forem convergentes e α e β forem números reais quaisquer. + c k a k n ) converge e lim (c1 a1 n + . + ck ak n ) = c1 lim a1 n + . ( ak n ) sequências conver- gentes e c1 . 3n3 + n2 + 1 3 lim 3 = . . . .

n→∞ 5 + 3 + 1 n n2 n3 por quê? Se na definição de limite fizermos  = 3.   100 3 lim 2− − 2 = 2 × 1 − 100 × 0 − 3 × 0 = 2 = 0. temos 4n3 + 2n + 1 > n. 4n3 + 2n + 1 lim = +∞.19. 5n2 + 3n + 1 isto implica que 4n3 + 2n + 1 lim = +∞. para n ≥ no . note que 2 1 4n3 + 2n + 1 4+ n2 + n3 =n . da Propriedade da propriedade (iv) do limite. 100 3 2 lim 2 − − 2 n→∞ n n Exemplo 7. temos 4 5 3n3 + n2 + 1 3− n + n2 lim = lim n→∞ 2n3 − 100n − 3 n→∞ 2 − 100 3 n − n2  4 5 lim 3 − + 2 n→∞ n n 3 =   = . n + n2 + n3 Logo.  + 2+ 3  n n n portanto 2 1 4+ n2 + n3 5 3 1 > 1. n→∞ 5n2 + 3n + 1 De fato. tal que se n ≥ no . concluiremos que existe no . 5n2 + 3n + 1 5 n + 3 + 1 n2 n3 Como 2 1 4+ n2 + n3 lim = 4. n→∞ 5n2 + 3n + 1 aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 109 . então   4+ 2 + 1   2 3   5 n3 n 1 − 4  < 3. n→∞ n n Portanto.

. + r n ) = . . . De fato. + r n ) = . se n > no . .14.11) 1−r (ii ) Mostre que se |r | < 1. + r n = −1 = (7. n  j 1 1 lim n→∞ ∑ 10k = 10k −1 .13. . dado M > 0. (7. Mostre que  n n  j 1− 1 1 10k ∑ 10k = 10k − 1 . . . (7. então 1 − r n +1 r − r n +1 r + r2 + . (i ) Mostre que 1 − r n +1 1 + r + r2 + .12) n→∞ 1−r Sugestão: Mostre por indução em n que (1 − r )(1 + r + r2 + . .13) 1−r 1−r logo r lim (r + r2 + . Então. Seja r = 1 um número real. Note que do item (i) do exercı́cio acima.14) n→∞ 1−r Exercı́cio 7. (7. [ M] + 1}. portanto. 5n2 + 3n + 1 Exercı́cio 7. onde [ M] é a parte inteira de M. + r n = . + r n ) = 1 − r n+1 . (7. teremos 4n3 + 2n + 1 > n > [ M] + 1 > M. seja no = max{no . .16) j =1 110 Funda men tos de A n á lise I . se |r | < 1. . (7. então 1 lim (1 + r + r2 + .15) j =1 em particular. [ M] + 1 > M.

Seja no = max{n1 .4 n ( n + 1) converge para 1. portanto lim bn = +∞.20. n→∞ Mostre que lim bn = +∞.. k =1 k ( k + 1) k =1 k k+1 n+1 portanto   1 lim an = lim 1− = 1.2 2. para todo n ≥ n1 . A sequência ( an ). Dado L > 0. então lim an ≤ lim bn .. para todo n ≥ N. De fato. Sejam ( an ) e (bn ) sequências tais que an ≤ bn .16.Exemplo 7. n→∞ n→∞ Sugestão: Mostre que se cn ≤ 0 para n ≥ N e lim cn = l. para n ≥ N e lim an = +∞. n→∞ tal que an > L. note que n n   1 1 1 1 an = ∑ = ∑ − = 1− . n→∞ aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 111 . Então se n ≥ no . temos bn ≥ an > L. Mostre que se ( an ) e (bn ) forem sequências convergentes e an ≤ bn . mas da propriedades do limite. n→∞ n→∞ n+1 Exercı́cio 7. portanto lim cn ≤ 0.3 3. então l ≤ 0. então cn ≤ 0. Fazendo n→∞ cn = an − bn . como lim an = +∞. então existe um inteiro positivo n1 .+ 1. n→∞ temos lim an − lim bn = lim ( an − bn ) = lim cn ≤ 0. cujo termo geral é 1 1 1 1 an = + + +. N }.15. n→∞ Resolução. n→∞ n→∞ n→∞ n→∞ Exercı́cio 7.

como n x= √ n . Exemplo 7. seus limites são iguais. .17. o resultado é óbvio. logo n→∞ √ n lim x = lim (1 + hn ) = 1. 5n2 + 3n + 1 para n ≥ no .21. bn é a sequência ano . Exemplo 7. Ou seja. Isto implica que x−1 0 ≤ hn ≤ . n→∞ n→∞ √ n √ 1 Se 0 < x < 1. Como lim n = +∞. para todo n e o limite de uma constante é a própria constante. portanto podemos escrever n x = 1 + hn . Então. caso estas sequências convirjam. seja (bn ) a sequência cujo o termo geral bn é definido como bn = ano +n−1 . para algum inteiro positivo no . . ..22. no que diz respeito ao limite. o que importa é o comportamento da sequência para valores grandes de n. temos x = (1 + hn )n ≥ 1 + nhn . onde hn > 0. do Exercı́cio 7. da n→∞ 1/x propriedade (iv) do limite. Além disso. temos lim hn = 0. n→∞ 5n2 + 3n + 1 Exercı́cio 7. (bn ) convergir. da desigualdade de Bernoulli. e somente se. então n x > 1. Ou seja. concluimos que n→∞ 4n3 + 2n + 1 lim = +∞. Dada uma sequência ( an ). pelo Teorema do Sanduiche. Vimos no Exemplo 7. se x = 1. n Portanto. então 1/x > 1 e vimos que lim 1/x = 1.16. Seja x um número real positivo. ano +1 . Então ( an ) converge se. pois 1 = 1. ano +2 .19 que 4n3 + 2n + 1 > n. n→∞ √ n De fato. temos √ 1 lim 1 1 ∞ lim n x = lim √ = n→√ = = 1. Mostre que √ lim n x = 1. √ √ Suponha x > 1. n→∞ n→∞ n 1/x n lim 1/x 1 n→∞ 112 Funda men tos de A n á lise I .

2 2 n(n−1)h2n Como n > 2 . temos n(n − 1)h2n n(n − 1)h2n n = (1 + hn )n ≥ 1 + nhn + > .Lema 7. Então (1 + r )n ≥ 1 + nr + n(n − 1)r2 /2. (1 + r ) k +1 = (1 + r ) k (1 + r )   k ( k − 1)r 2 ≥ 1 + kr + (1 + r ) 2 (k + 1)kr2 k(k − 1)r3 = 1 + ( k + 1)r + + 2 2 (k + 1)kr 2 ≥ 1 + ( k + 1)r + . 2 Na primeira desigualdade acima usamos a hipótese de indução. logo √ n lim n = lim (1 + hn ) = 1. k ( k −1)r 3 2 ≥ 0. então (1 + r ) = 1 + r e (7. Suponha que (7. n→∞ √ De fato. Com isso concluimos que (7.23. portanto. por indução em n. onde hn > 0 e do Lema 7. Se n = 1. n−1 Das desigualdades acima e do Teorema do Sanduiche. Exemplo 7. (7. onde k ≥ 1. mostraremos que isto implicará que (7. √ n lim n = 1.17) também valerá para n = k + 1.17) Prova. então para n ≥ 2. ou seja.2.17) vale para todo n. temos √ 2 0 < hn < √ . De fato. n→∞ n→∞ aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 113 .17) para n = k. a vali- dade (7.17) é verdadeira. Seja r um número real não negativo. Na última desigualdade usamos que k ≥ 1.2.17) vale para n = k + 1. portanto podemos escrever √ n n = 1 + hn . concluiremos que (7.17) seja verdadeira para n = k. note que n n > 1. portanto. concluimos que lim hn = n→∞ 0.

mas a sequência ( an ) não converge. como lim = l. tal que se n ≥ no . Teorema 7. Deixamos n→∞ n→∞ para o aluno o caso em que l > 1. portanto lim an = 0. segue por indução que | a n o + p | ≤ L p | a n o | = L n o + p | a n o | 1− n o . a Note que se an = n. n→∞ (ii ) Se l > 1. então lim an = 0. o item (ii). se no Teste da Razão 1 n→∞ an n→∞ tivermos l = 1. Ou seja. n→∞ a n +1 Prova. então para n ≥ no . para todo n ≥ no + 1. temos   1− n o 0 ≤ | a n | ≤ | a no | Ln como L < 1. então lim an = ∞. então lim n+1 = 1. n→∞ 114 Funda men tos de A n á lise I . para todo p ≥ 1. portanto. o que mostra (i). temos n→∞ an    a n +1  1−l    an − l  ≤ 2 . não podemos dizer nada sobre lim an . da desigualdade acima e da desigualdade triangular. existe no . temos       a n +1   a n +1       an  =  an − l + l     a n +1  ≤  − l  + l an 1−l ≤ +l 2 l+1 = . (Teste da Razão) Suponha que a n +1 lim = l. Da desigualdade acima. temos lim | an | = 0. Por n→∞ an a outro lado se an = n . ou seja. n→∞ an (i ) Se l < 1. temos | a n +1 | ≤ L | a n | . das desigualdades acima e do Teorema do n→∞ Sanduiche. 2 l +1 Fazendo L = 2 . Logo. lim Ln = 0. lim n+1 = 1 e lim an = 0.3. Se l < 1.

. Encontre os pontos de acumulação das sequências abaixo: (i ) 2. as suas subsequências 1. 0. . 1/8. 1/4. n3 . então a n +1 n2 + 2n + 1 1 lim = lim 2 = < 1. −1. −1. −1. n→∞ (2n ) ! (n!)2 De fato. −1. . . as sequências 1.Exemplo 7. . 1/2. . . 1/16. 1. −1. 1 e −1 são pontos de acumulação ((−1)n+1 ). 0. . pelo Teste da Razão. . 1. Dizemos que o número real r é um ponto de acumulação da sequência ( an ). . . . Dada uma sequência ( an ). −1. É possı́vel que a sequência 1. 1. . um subconjunto qualquer de N. e −1. 1. . .. lim an = 0. . . Ou seja. .. . são subsequências de ((−1)n+1 ). 1. −1. }. 1. e a segunda é obtida considerando-se somente os termos de ((−1)n+1 ) com ı́ndices ı́mpares. (iv) Quais das sequências acima são convergentes? Por quê? aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 115 .24. Exemplo 7. Definição 7. n→∞ 7. . 2. 3. . e − 1.25. (ii ) 1. −1. . convergem para 1 e −1. Dada a sequência ((−1)n+1 ). se existir alguma subsequência de ( an ) convergindo para r. Dada a sequência ((−1)n+1 ). . .6. 1. (iii ) 0. seja M = { n1 . 4.26. 1. seja an = (2n)! . Então a sequência ( ani ) é chamada de uma subsequência da sequência ( an ). seja convergente? Exercı́cio 7. . . 0. 1. . . 5. n2 . 2. com n1 < n2 < n3 < . . .8 Subsequências Definição 7. −1. n→∞ an n→∞ 4n + 6n + 2 4 portanto. −1. −1. .7. (n!)2 lim = 0. respectivamente. . Exemplo 7.18. sendo que a primeira é obtida considerando-se somente os termos de ((−1)n+1 ) com ı́ndices pares.

Dê um exemplo de uma sequência que não possui subsequência con- vergente.20.21.19. Seja ( an ) definida por  1.  nπ  Exercı́cio 7. Se ( an ) possuir apenas um ponto de acumulação ela converge? Exercı́cio 7. Exercı́cio 7. então toda subsequência de ( an ) também é convergente e o seu limite é o mesmo que o limite de ( an ). ela não pode convergir. se n for divisı́vel por 5 an = 1 n. A sequência an = sen + cos(nπ ) converge? 2 Exercı́cio 7. caso contrário Explique por que an não converge para 0.24. Exercı́cio 7. Em particular. Exercı́cio 7. se uma sequência possuir duas subsequências convergindo para valores diferentes.23. se n for par Explique por que an não converge para 1. Seja ( an ) definida por  5. se n for ı́mpar an = −4.22. 116 Funda men tos de A n á lise I . Mostre que se ( an ) convergir.

determine se ela converge e. Exercı́cio 7. em caso afirmativo. Para cada sequência.25. Dê um exemplo de uma sequência ( an ) de números irracionais con- vergindo para um número racional.26.Exercı́cio 7. n ( a ) an = n+ 1 ( b ) c n = 2− n (c) xn = 52 + (−1)n (d) yn = n! (e) senn n 2 +3 ( f ) 4n 3n2 −2 ( g) sn = (2)1/n 3 +8n (h) 7n2n3 −37 2n +1 − 3 (i ) 2n + 1 . aul a 7 : Sequência s numéric a s e limit es de sequência s 117 . calcule o seu limite.

8 O Teorema de Bolzano-Weierstrass e sequências de Cauchy .

dizemos que ( an ) é crescente e se an+1 < an para todo n ∈ N. portanto an ≥ a1 . tome ni tal que n < ni . Dado n ∈ N. Exemplo 8. Então existe um K. então a 1 ≤ a2 ≤ a3 . 3. Dizemos que uma sequência ( an ) é monótona não-decrescente. ≤ a n ≤ a n +1 < . Compreender a demonstração do Teorema de Bolzano-Weierstrass e saber usá- lo em aplicações. segue-se que an ≤ ani .1 Sequências monótonas Definição 8. o aluno deverá ser capaz de: 1. e somente se. . Note que se a sequência ( an ) for monótona não-decrescente. para todo n.AULA8: O TEOREMA DE BOLZANO-WEIERSTRASS E SEQUÊNCIAS DE CAUCHY OBJETIVOS Ao final dessa aula. De fato. para todo i. ela for de Cauchy. para todo n ∈ N. segue-se que an ≤ K.W eier s t r a ss e sequência s de Cauch y 119 .1. Portanto a1 ≤ an ≤ K. para todo n. se an+1 ≤ an . dizemos que ( an ) é decrescente. 8. tal que ani ≤ K. como ani ≤ K. então ( an ) é limitada superior- mente por a1 . 2. n+1 n n ( n + 1) para todo n. Da mesma forma se ( an ) é monótona não-crescente. ( an ) é limitada inferiormente por a1 . então ela é limitada. Mostre que se uma sequência for monótona não-decrescente e possuir uma subsequência limitada. .2. Compreender porque toda uma sequência monótona e limitada é convergente. suponha que ( an ) seja monótona não-decrescente e que seja ( ani ) uma subsequência limitada de ( an ). pois 1 1 1 a n +1 − a n = − =− < 0. se an ≤ an+1 para todo n ∈ N e que ( an ) é monótona não-crescente. . . logo. como ( an ) é não-decrescente. Compreender o conceito de sequência de Cauchy e que uma sequência de números reais é convergente se. Se an < an+1 para todo n ∈ N. AUl a 8: O T eorem a de Bol z a no . Exemplo 8.1. A sequência cujo o n-ésimo termo é an = 1/n é decrescente.

temos l ≤ an .1. . . mostra-se que lim an = sup A. Observação 8. .2). então A é limitado. Mostre que se uma sequência for monótona não-crescente e possuir uma subsequência limitada. n→∞ De modo análogo. existe no .2. limitado inferiormente e. implica | an − l | < . para todo n. logo l −  < l ≤ an ≤ ano < l + . para n ≥ no . Exercı́cio 8. . a2 . se tivermos an+1 ≤ an ou an+1 ≥ an . tal que l ≤ ano < l + . }. Como ( an ) é não-crescente. l +  não é uma cota inferior para A. ou seja. Toda sequência monótona limitada é convergente. tal que se n ≥ no . Prova. portanto. como ( an ) é limitada. . ou seja. Da definição de ı́nfimo de um conjunto. Deixaremos para o aluno o caso em que ( an ) é monótona não- decrescente (veja Exercı́cio 8. então existe um número real l. pela definição de ı́nfimo. a n .1 continua valendo se a sequência ( an ) for monótona a partir de um certo no . n→∞ Exercı́cio 8. Mostraremos que l = lim an . tal que l = inf A. por quê? 120 Funda men tos de A n á lise I . Mostramos que para todo  > 0. se ( an ) for monótona não-decrescente. ou seja. Portanto l ≤ an ≤ ano < l + . Vamos supor que ( an ) seja monótona não-crescente. então ela é limitada. e limitada. O Teorema 8.1. an+1 ≤ an . l = lim an . Teorema 8. logo existe no ∈ N. Seja A = { a1 . Termine a demonstração do Teorema 8.1. .1. . para n > no devemos ter an ≤ ano . assumindo que ( an ) seja monótona não-decrescente. n→∞ Dado  > 0.

Esta desigualdade vale para n = 1. √  √ Exemplo 8. De fato. por quê? Portanto an+1 < 2 + an+1 = an+2 . mostraremos por indução que an > 12 . como 0 < an+1 < 2. o que prova que ( an ) é crescente. se an < 2. então an+1 < 2 + an+1 . temos 1 an + 1 2 +1 1 a n +1 = > = . para todo n. Portanto n→∞ n→∞   lim an + 1 an + 1 n→∞ lim an+1 = lim = n→∞ n→∞ 3 3 l +1 e concluimos que l = 3 .1. então pelo Teorema 8. 3 3 2 logo an+1 > 12 . mostraremos √ que √ √ an+1 < 2. Então ( an ) converge.4.Exemplo 8. o que implica que l = 12 . 2 + an < 2 + 2 < 4. De fato. 2 Assuma que an > 12 . De fato. portanto ( an ) é decrescente. Seja a1 = 2 e a n +1 = 2+ an . para todo n. mostraremos por indução √ que an < 2. então lim an+1 = l.W eier s t r a ss e sequência s de Cauch y 121 . Seja a1 = 1 e an + 1 a n +1 = . Mostraremos que ( an ) é decrescente. ela converge. mostraremos que an+1 > 12 . Esta desigualdade vale para n = 1. pois 1 a1 = 1 > . pois a1 = 2 < 2. 3 para n ≥ 1. Seja l = lim an . AUl a 8: O T eorem a de Bol z a no . a sequência ( an ) é decrescente e o seu limite é 12 . Suponha √ que an < 2. Então an > 12 . se an > 12 . então an + 1 2 1 2 1 1 a n +1 − a n = − an = − an + < − + = 0. portanto.3. então an < 2. pelo Teorema 8. De √ fato. 3 3 3 3 2 3 o que mostra que an+1 < an . A seguir√mostraremos que ( an ) é crescente. e portanto  √ √ an+1 = 2 + an < 4 = 2. Como ( an ) é limitada superiormente e crescente. Como an > 12 . para n ≥ 1. De fato. Como ( an ) é limitada inferiormente e decrescente.1 ela é convergente.

De fato. Calcule lim an .2) 2 Como 0 < a1 < b1 . elas convergem.2).2) concluimos que  a1 + b1 a1 < a1 b1 < < b1 . 2 Então as sequências ( an ) e (bn ) convergem. 2 ou seja. a1 < an < bn < b1 . concluimos a < ab. (8. de (8. n→∞ Exemplo 8.1) o que implica que as sequências ( an ) e (bn ) são limitadas e monótonas.1) vale para n = 1. 2 portanto a1 < an < an+1 < bn+1 < b1 . √ Aléma+disso.1. ( an ) é crescente e (bn ) é decrescente.5. Sejam 0 < a1 < b1 e defina  a n + bn a n +1 = a n bn . com isso concluimos a nossa demonstração. para n ≥ 1. logo √ a+b a< ab < < b. o que mostra que (8. Por outro lado. vimos na Aula 4 que ab < 2 . ( O número e) A sequência 1 1 1 an = 1 + + +.1) vale para n + 1.1) valha para n. a+b b então 2 < b. mostraremos por indução que a1 < an < an+1 < bn+1 < bn < b1 . Exemplo 8. concluimos que  a n + bn a1 < a n < a n bn < < bn < b1 .. (8. Seja a1 = −2 e an+1 = 5 an . portanto pelo Teorema 8. como a < b.. ou seja.3. 122 Funda men tos de A n á lise I . 2 Exercı́cio 8. bn + 1 = . 1! 2! n! é convergente e o seu limite está entre 2 e 3.+ . Suponha que (8. Note que se 0 < a < b. a1 < a2 < b2 < b1 .6. multiplicando esta desigualdade √ por a e extraindo a raiz qua- drada da desigualdade obtida. então de (8. portanto (8.

De fato, note que ( an ) é crescente, por quê? Mostraremos que ( an ) é limitada
superiormente e sendo ela limitada superiormente e crescente, pelo Teorema 8.1,
concluiremos que ela converge. Claramente an ≥ 2, para todo n, por quê? Resta-
nos encontrar uma cota superior para an . Deixaremos a cargo do aluno mostrar
por indução que
( n + 1 ) ! ≥ 2n ,
para todo n ≥ 1. Logo
1 1
≤ k,
( k + 1) ! 2
para todo k ≥ 1, portanto
 
1 1 1
2 ≤ a n ≤ 1 + 1 + + 2 + . . . + n −1
2 2 2
 n
1 − 12
= 1+ (usamos (7.11))
1 − 12
  n 
1
= 1+2 1−
2
  n −1
1
< 3− < 3.
2
Portanto, a sequência ( an ) é limitada superiormente por 3. Como 2 < an < 3,
concluimos que o seu limite, o qual denotaremos por e, está entre 2 e 3. No Exem-
plo 8.7, mostraremos que e é irracional.

Exercı́cio 8.4. Seja q um número natural, mostre que
  n−q 
n − q −1
1 q+2 1
∑ l
=
q+1
1−
q+2
.
j =0 ( q + 2)

Sugestão: Veja (7.11).

Exemplo 8.7. O número e é irracional.
De fato, suponha que e fosse um número racional, ou seja,
e = p/q,
onde p, q ∈ N, são primos entre si. Mostraremos que isto nos levará a uma
contradição, ou seja, mostraremos que
1 q+2
≤ q!( p/q − aq ) ≤ , (8.3)
( q + 1) ( q + 1)2

AUl a 8: O T eorem a de Bol z a no - W eier s t r a ss e sequência s de Cauch y 123

q +2
como ( q +1)2
< 1, para todo q natural, as desigualdades acima estão dizendo que

0 < q!( p/q − aq ) < 1.

Mas é fácil vermos que q!( p/q − aq ) é um inteiro, por quê? Mas não existe inteiro
entre 0 e 1. Este absurdo veio da nossa hipótese de e ser um número racional,
logo e não pode ser um número racional, portanto e é um número irracional.

A seguir mostraremos (8.3). Tome n > q, então
n
1 1
an − aq = ∑ j!
>
( q + 1) !
.
j = q +1

Por outro lado,
n
1
an − aq = ∑ j!
j = q +1
1 1 1 1
= + + +...+
( q + 1) ! ( q + 2) ! ( q + 3) ! n!

1 1 1
= 1+ + +
( q + 1) ! (q + 2) (q + 2)(q + 3)

1
...+
(q + 2)(q + 3) . . . n
n − q −1
1 1

( q + 1) ! ∑ l
j =0 ( q + 2)
  n−q 
q+2 1
= 1−
(q + 1)(q + 1)! q+2
q+2 q+2
< = .
(q + 1)(q + 1)! (q + 1)2 q!
Na quarta igualdade acima usamos o Exercı́cio 8.4. Portanto

1 q+2
< q!( an − aq ) < ,
( q + 1) ( q + 1)2
para todo n > q. Como a sequência (q!( an − aq )) satisfaz as desigualdades acima
e converge para q!( p/q − aq ) então, pelo Exercı́cio 7.8, temos

1 q+2
≤ q!( p/q − aq ) ≤ ,
( q + 1) ( q + 1)2
com isso concluimos a demonstração.

124 Funda men tos de A n á lise I

Exemplo 8.8. A sequência cujo termo geral é
1 1 1
an = + +...+
n+1 n+2 2n
1
converge e o seu limite está entre 2 e 1.
De fato, note que na soma
1 1 1
an = + +...+
n+1 n+2 n+n
1
temos n parcelas e cada uma delas menores ou iguais a , portanto
n+1
1
an ≤ n < 1.
n+1
Logo ( an ) é limitada superiormente por 1. Para n ≥ 4, temos
1 1 1 1
a n +1 − a n = + − = > 0,
2n + 1 2n + 2 n + 1 (n + 1)(2n + 1)
Sendo ( an ) limitada superiormente e an + 1 > an , para n ≥ 4, então pelo Teorema
8.1 ela converge, seja l o seu limite. Mostraremos que 12 ≤ l ≤ 1.

Como an+1 > an , para n ≥ 4, então an ≥ a4 , para n ≥ 4. Portanto
1
an ≥ min{ a1 , a2 , a3 , a4 } = ,
2
1 1
para todo n. Portanto 2 ≤ an < 1, com isso concluimos que 2 ≤ l ≤ 1.

8.2 O Teorema de Bolzano-Weierstrass
Teorema 8.2. ( Teorema de Bolzano-Weierstrass) Toda sequência limitada ( an ) tem uma
subsequência convergente.
Prova. Seja B o subconjunto de R, formado por todos aqueles números x para os
quais existem no máximo um número finito de ı́ndices n, tais que an > x. Como
an é limitada, existe K > 0, tal que | an | ≤ K, para todo n, ou seja, −K ≤ an ≤ K,
para todo n. Como an ≤ K, para todo n, segue-se que (K, ∞) ⊂ B, portanto
B = ∅. Por outro lado, se x < −K, então an > x, para todo n, portanto x ∈ / B.
Disso concluimos que x ≥ −K, para todo x ∈ B, ou seja, −K é uma cota inferior
para B. Sendo B um subconjunto não vazio e limitado inferiormente de R, ele
tem ı́nfimo, seja
m = inf B.

AUl a 8: O T eorem a de Bol z a no - W eier s t r a ss e sequência s de Cauch y 125

então pela desigual- dade triangular. exite no ∈ N. m + 1j ) ⊂ B. m + . em particular. j j caso contrário. m + . (m − 1j . tal que an2 ∈ (m − 1/2. pelo Teorema de Bolzano-Weierstrass. n ≥ no . tais que   1 1 an j ∈ m − . isto 1 implicaria que inf B ≤ m − 2j .3 Sequência de Cauchy Definição 8. então.3. Mostraremos que ( an ) é limi- tada e. se para todo  > 0. existir no ∈ N. o que seria uma contradição. Tome n1 . ela possui uma subsequência ( an j ) convergente. e somente se. < n j < . quando j tende a infinito. temos | an − am | = |( an − r ) + (r − am )| ≤ | an − r | + | am − r | < /2 + /2 = . 1 | an j − m| < . para todos m. suponha que ( an ) seja de Cauchy. existe um número infinito de ı́ndices n. tal que | an − am | < . ela for de Cauchy. . Pro- cedendo desta forma. m + 1/2). j j ou seja. 8. tal que an1 ∈ (m − 1. encontraremos uma sequência de ı́ndices n1 < n2 < . j o que implica que a subsequência an j tende m.2. depois tome n2 > n1 . Sejam m. tais que   1 1 an ∈ m − .. Prova. Suponha que lim an = r. portanto ( an ) é de Cauchy. Reciprocamente. para todo n ≥ no . m − 1 2j estaria em B. . Para todo inteiro positivo j. Teorema 8. m + 1). Uma sequência ( an ) é convergente se. tais que m. n ≥ no . . n naturais. tal que n→∞ | an − r | < /2. Dizemos que uma sequência de números reais ( an ) é de Cauchy. mostraremos que ( an ) converge para o mesmo limite 126 Funda men tos de A n á lise I . dado  > 0. . finalmente.

n ≥ no . o que mostra que ( an ) converge para l. concluimos que | an − ano | < 1. tal que  | an − am | < . Logo. para  dado existe no . | ano −1 |. . Seja ( an j ) uma subsequência con- vergente de ( an ) e l o seu limite. para todo n. temos | an | = |( an − ano ) + ano | ≤ | an − ano | + | ano | < 1 + | ano |. no } e tome n jo > n o .4) e de (8. para todo n. temos | an − am | < 1. 2 2 para todo n > n o .5) 2 para todo m. tome  = 1. Então ( an ) é de Cauchy. Na definição de sequência de Cauchy. Da desigualdade triangular. segue que | an − l | = |( an − an jo ) + ( an jo − l )| ≤ |( an − an jo )| + |( an jo − l )|   < + = . . de (8. desta desigualdade e da desigualdade triangular. Exemplo 8. Como ( an ) é de Cauchy. . para todos n ≥ no . Seja K = max{| a1 |. 1 + | ano |}. Dado  > 0. para todo n ≥ no . (8. tal que para todo m. existe no tal que  | an j − l | < . então | an | ≤ K. então existe no . n > no . Seja ( an ) uma sequência tal que | a n +1 − a n | ≤ 2− n . . (8.que ( an j ).W eier s t r a ss e sequência s de Cauch y 127 . portanto.9. AUl a 8: O T eorem a de Bol z a no . fazendo m = no . Seja n   o = max{ no .4) 2 para todo n j > no .5) (na qual fizemos m = n jo ). o que mostra que ( an ) é limitada.

Logo. ( an ) é de Cauchy. Logo. Portanto. se m ≥ n. dado  > 0. se tomarmos no tal que 2−no +1 < . temos    n + k −1    | a n + k − a n | =  ∑ ( a j +1 − a j )   j=n  n + k −1 ≤ ∑ |( a j+1 − a j )| j=n n + k −1 ≤ ∑ 2− j j=n k −1 = ∑ 2−(n+l) l =0 k −1  l −n 1 = 2 ∑ 2 l =0   k  1 = 2− n +1 1− 2 < 2− n +1 . temos | a m − a n | ≤ 2− n +1 .m}+1 < 2−no +1 < . De fato. teremos | am − an | ≤ 2− min{n. 128 Funda men tos de A n á lise I . então se n. note que da desigualdade triangular. m > no .

  n n+1 (1) lim − .7. b). tais que lim n+1 = l.9. O que é que podemos dizer sobre a sequência ( an ). pn também converge para l. n→∞ nn Exercı́cio 8. Encontre os seguintes limites. Seja  de termos positivos convergindo para l.5.  n (1) lim n2 + n = 1. se ela converge e cada an é um inteiro?  √ ( an ) uma sequência Exercı́cio 8. n→∞ n + 1 n  √ √  (2) lim n − n + a n + b . n→∞ 2n + (−1)n (3) lim .10.W eier s t r a ss e sequência s de Cauch y 129 . AUl a 8: O T eorem a de Bol z a no . n n Usando o Teorema do Sanduiche. onde a. n→∞ n+1 Exercı́cio 8.8. b > 0. Verifique cada um dos seguintes limites. n→∞ √ n (2) lim an + bn = max( a. mostre que n! lim = 0. n→∞ an √ Mostre ( n an ) também converge para l. . n→∞ Exercı́cio 8. Mostre que a sequência n p1 p2 .6. . n→∞ 2n+1 + (−1)n+1 √ (−1)n n cos(nn ) (4) lim .4 Exercı́cios Exercı́cio 8. Seja ( an ) uma sequência de termos positivos.8. Mostre por indução que para n ≥ 1. temos a seguinte desigualdade n! 1 n ≤ . a Exercı́cio 8. .

. Escreva an xn = a n +1 e supondo que lim xn = c.11. Exercı́cio 8.12. .   1 2 n 1 Exercı́cio 8. + n = 2 . n→∞ n n n 2 n ( n +1) Sugestão. (Aproximações sucessivas da raiz quadrada de c) Seja c um número real positivo. Mostre que an + acn a n +1 = 2 √ converge para c. .13. Exercı́cio 8. Mostre que lim 2 + 2 +. para todo n.. pondo a 1 = a 2 = 1 e a n +2 = a n +1 + a n . 130 Funda men tos de A n á lise I . n→∞ encontre c.+ 2 = . Mostre que por indução que 1 + 2 + 3 + . Defina a sequência ( an ) indutivamente.

. se dividirmos este intervalo em 10 subintervalos de com- 1 primentos iguais a 100 . 1 Como x1 ∈ [0. 10 ).6) 10n+1 onde k n+1 = 0. 1] em 10 em subintervalos de 1 comprimentos iguais a 10 . x2 = x1 − 100 ∈ [0. Em geral. logo k2 1 podemos escrever x1 = 100 + x2 . ou seja. 10 10 10 AUl a 8: O T eorem a de Bol z a no . 100 ). onde xo ∈ [0. . se dividirmos os intervalo [0. portanto xo ∈ [0. Logo x = no + xo . onde x2 ∈ [0. para algum k2 = 0. onde xo = x − no . . ou seja. 1). Portanto. . então x1 estará num destes subintervalos. . ou seja. podemos escrever k n +1 xn = + x n +1 . dado xn ∈ [0. Portanto. . . temos k1 k x = no + + 22 + x2 . falamos sobre a representação decimal de um número racional. . então xo tem que estar num destes subintervalos. 1). nesta seção falaremos sobre a representação decimal de um número real qualquer. 9 e xn+1 ∈ [0. 1. . Dado um número real x. 10 ). podemos escrever x = no + xo . 100 ). Como xo ∈ [0. digamos x > 0. (8. Logo x1 = x − 10 está no intervalo [0. 10n1+1 ). 9. . 10 10 k1 1 para algum k1 = 0. + n + xn . 1.8. k1 podemos escrever xo = 10 + x1 e portanto k1 x = no + + x1 . 101n ).W eier s t r a ss e sequência s de Cauch y 131 .5 Representação decimal de números reais Na Aula 3. 100 ). 10 ). . podemos escrever k1 k kn x = no + + 22 + . . existe um número inteiro não negativo no . . 1. 100 ). 10 10 1 onde x2 ∈ [0. portanto. tal que no ≤ x < no + 1. 9. .   k 1 ( k 1 + 1) xo ∈ . 10 1 onde x1 ∈ [0. . x1 ∈ k 2 ( k 2 +1) k2 1 [ 100 . ou seja. 1).

. 2. . . pelo Teorema do Sanduiche. .. . no presente caso x e y diferem no quinto algarimo. o que vem depois deste algarı́tmo pode ser qualquer coisa (estamos excluindo a possibilidade de uma sequência infinita de zeros após o quinto alga- rismo em qualquer uma das representações). Por causa disso dizemos que ∞ ki x = no + ∑ i . . Como as duas representações são distintas tem pelo menos um algarismo onde elas diferem.. . 132 Funda men tos de A n á lise I . 101n ) e k i = 0. . 81476. onde ai são números reais. . 81475 . i =1 10 Uma expressão da forma ∑i∞=1 ai . . . k n . . 81476. Se x e y forem dois números reais tais que as suas representações decimais são infinitas e distintas. k1 k2 . . . por outro lado. . mas os argumentos que usaremos se generalizarão para qualquer par de números que tenham representações decimais infinitas e distintas. consideraremos x e y par- ticulares. Portanto x > y. k1 k2 . + n 10 10 10 converge para x.. k n converge para x e escrevemos x = no . . 81476 ≥ y. para i = 1. e y = 3. . então 0 ≤ xn < 101n . Logo x > 3. .. n. portanto. . 81476 . 1. então x = y. Note que k1 k kn no + + 22 + .. + n = no . lim xn = 0. Note que x > 3. 9. . y ≤ 3. Sejam x = 3. . é chamada de uma série numérica. 814759 = 3. 10 10 10 então a sequência no .. . 101n ). k n . . . onde xn ∈ [0. . que é chamada de representação decimal de x. . Como xn ∈ [0. . Para mostrar isso. Portanto a n→∞ sequência k k2 kn sn = no + 1 + 2 + . k1 k2 . .

[3] R. volume 1. 123 133 . segunda edição. uma introdução à ma- temática. CNPQ.Referências REFERÊNCIAS Bibliográficas [1] Lages Lima. 1993 (coleção Matemática Universitária). Numbers and functions Steps into Analysis. [2] Djairo Guedes Figueiredo. Números. Principles of Mathematical Analysis. Burn. Editora da Universidade de São Paulo. 1976 [6] Ivan Niven. P. University Press. Livros Técnicos e Ci- entı́ficos S. IMPA. 1992 [4] César Polcino Milies e Sônia Pitta Coelho. 1998 [5] Walter Rudin. SBM. segunda edição. Inc. RJ. Third Edition. Cam- bridge. Números: Racionais e Irracionais. Coleção Fundamentos da Ma- temática Elementar. McGraw- Hill. 1984. 1996.A. ElonAnálise Real. Análise I.

2013 . PT Sans e Times New Roman. 2X2 cores. Capa em Supremo.Miolo couchê fosco 90g. Arial. 4 X 0 cores . Composto em caracteres Aller. Calibri. Editorado pelo Centro de Apoio à Educação a Distância da UFMG (CAED-UFMG). 250g.